Issuu on Google+

EM DESTAQUE NESTE NÚMERO

Feira para a Indústria Têxtil abre portas em novembro [Pág. 3]

Aposta autárquica de dinamização empresarial premiada pela UE [Pág. 4]

Jornal do Empresário é uma publicação mensal do gabinete de comunicação e imagem da Associação Empresarial de Paços de Ferreira. Sugestões e Críticas podem ser enviadas para:

Parque de Exposições Capital do Móvel Rua da Associação Empresarial, nº 167 - Carvalhosa | Apartado 132 4591-909 PAÇOS DE FERREIRA Tel: 255 862 114/ 6 - Fax: 255 862 115 www.aepf.pt | imprensa@capitaldomovel.pt

NÚMERO 140 / OUTUBRO 2012

Empresários do Tâmega e Sousa estreitam laços com região do Canadá

A feira Texmaq (ver última página) promoveuse na mais recente edição da Modtissimo, na Alfândega do Porto

Amorim recebe Prémio Inovação

A empresa Amorim Isolamentos, fornecedora do revestimento em cortiça para o Parque de Exposições da Associação Empresarial de Paços de Ferreira (AEPF), recebeu o Prémio Inovação atribuído pela Associação Portuguesa da Cortiça (Apcor), pelo seu produto CorkSorb, capaz de combater derrames de óleo em meios aquático. Este prémio foi entregue no âmbito da Gala Anual da Cortiça, evento que se realiza pelo terceiro ano consecutivo e que pretende «valorizar e reconhecer a excelência de personalidades e/ou entidades que, nos últimos anos, se destacaram e contribuíram para a promoção, desenvolvimento e crescimento do sector e da fileira da cortiça». Foram sete as categorias distinguidas.

O Conselho Empresarial do Tâmega e Sousa (CETS) e a Associação Empresarial de Paços de Ferreira (AEPF) promoveram no passado dia 1 de outubro, uma ação de promoção da Capital do Móvel e das empresas da sub-região do Tâmega, junto de autoridades da região de Greater Moncton, do Canadá. Esta iniciativa resulta de contatos entre o Departamento de Apoio às Empresas da AEPF e Albert Girard, da Enterprise Greater Moncton, New Brunswick, Canadá, que demonstrou interesse em conhecer o setor de mobiliário nacional, bem como algumas empresas da Capital do Móvel que tenham interesse em oportunidades de investimento ou relações comerciais com o Canadá. A visita pretende, ainda, dar a conhecer um pouco mais sobre a região de Greater Moncton como porta de entrada na América do Norte. Entendendo esta oportunidade como um excelente meio de desenvolver a cooperação entre as associações integrantes do CETS, a AEPF decidiu alargar o âmbito da visita à região do Tâmega e Sousa. A comitiva canadiana entrou, assim, em contato com empresários de Paços de Ferreira, Amarante, Marco de Canavezes e Felgueiras. Greater Moncton, Canadá A região de Greater Moncton (www.greater-

moncton.org) foi selecionada por um estudo conduzido pela consultora internacional KPMG («Competitive Alternate Study 2012»), como o melhor lugar na América do Norte para se fazer negócios. Não sendo a líder em nenhuma categoria específica, apresentou contudo a melhor pontuação global. Neste estudo, a KPMG analisou mais de 110 cidades em 14 países em todo o mundo, considerando o impacto combinado de 26 importantes componentes de custo que são mais suscetíveis de variar de acordo com a localização bem como uma variedade de fatores de competitividade não-custo (o estudo pode ser consultado em www.competitivealternatives.com/highlights/ default.aspx).


Formação para promover a inserção de jovens no mercado de trabalho Jovens até aos 25 anos e com escolaridade inferior ao secundário podem inscrever-se nos diversos cursos do Sistema de Aprendizagem, colocados à disposição da comunidade pela Associação Empresarial de Paços de Ferreira (AEPF). Estes cursos são uma opção de formação profissional inicial, em regime de alternância, dirigidos a jovens e privilegiando a sua inserção no mercado de trabalho, ao mesmo tempo que se garante a prossecução dos estudos. Os princípios orientadores destes cursos são a intervenção junto de jovens em transição para a vida ativa e dos que já integram o mercado de trabalho sem o nível secundário de formação escolar e profissional, com vista à melhoria dos níveis de empregabilidade e de inclusão social e profissional; a organização em componentes de formação – sociocultural, científica, tecnoló-

gica e prática – que visam as várias dimensões do saber, integradas em estruturas curriculares predominantemente profissionalizantes adequadas ao nível de qualificação e às diversas saídas profissionais; o reconhecimento do potencial formativo da situação de trabalho, através de uma maior valorização da intervenção e do contributo formativo das empresas, assumindo-as como verdadeiros espaços de formação, geradores de progressão das aprendizagens; e a alternância, entendida como uma sucessão de contextos de formação, articulados entre si, que promovem a realização das aprendizagens com vista à aquisição das competências que integram um determinado perfil de saída. A formação em alternância é uma clara aposta de Portugal nos últimos anos, reforçada pelo atual Governo, no sentido de contribuir para o aumento das qualificações profissionais e esco-

lares dos jovens. Com a publicação do novo regulamento específico, procurou-se aproximar ainda mais esta resposta às reais necessidades do mercado de emprego, privilegiando as qualificações estratégicas para o crescimento da economia, designadamente em áreas de bens e serviços transacionáveis. Assim, principiam na próxima semana dois cursos de Técnico Comercial (em Paços de Ferreira e em Paredes), dois cursos de Técnico de Logística (Paços de Ferreira e Paredes), um de Técnico de Cozinha e Pastelaria (Lousada) e um de Técnico de Mesa e Bar (Paços de Ferreira). Para o mês de outubro a AEPF prevê o arranque de cursos de Técnico de Multimédia (Paços de Ferreira), Técnico de Mesa e Bar (Lousada), e de Técnico de Eletrónica, Automação e Controlo (Lousada). Os potenciais interessados deverão informar-se junto do Dep. Formação Profissional da AEPF.

AEPF e Câmara de Lousada entregam 80 diplomas

No passado dia 4 foram entregues, em Lousada, 80 diplomas a alunos do sistema de aprendizagem dos cursos de técnico de multimédia, técnico de instalação e gestão de sistemas informáticos, técnico de gestão desportiva e técnico comercial. Estes cursos tiveram início em 2009, terminaram em 2012 e resultam de uma parceria entre a autarquia de Lousada e a Associação Empresarial de Paços de Ferreira (AEPF).

Os diplomas foram entregues pelo vice-presidente da autarquia, Pedro Machado, pela vereadora da Ação Social, Cristina Moreira e pelo diretor do Departamento de Formação Profissional da AEPF, Paulo Dinis. Os jovens receberam a dupla certificação – 12º ano de escolaridade e qualificação profissional – com muitos deles já ativos no mercado de trabalho.

Troca-se: almoço gourmet por histórias de vida

Os formandos do curso de Técnico de Cozinha/ Pastelaria organizaram um almoço gourmet por troca de histórias de vida de 19 formandos do curso de Formação para a Inclusão. De um lado estavam nove jovens formandos à procura de concluir o 12º ano e obter uma carteira profissional de Cozinheiro/Pasteleiro, preocupados com o futuro. Do outro, 19 forman-

dos adultos, praticamente analfabetos à data de inscrição no curso, preocupados com o pagamento das contas da água e luz, a renda da casa ou a mensalidade do infantário dos filhos. Segundo os responsáveis por este curso, promovido pela Associação Empresarial de Paços de Ferreira, «desta reunião sociologicamente improvável, surgiram vários pontos dignos de

registo, relacionados com o reforço da cidadania de todos os participantes e com a valorização dos dois públicos». Este evento revestiu-se de um elevado valor simbólico para todos os participantes, tendo sido entregues os certificados de Formação para a Inclusão, numa justa homenagem prestada pelos formandos de Cozinha/Pastelaria.


Indústria têxtil expectante perante a Texmaq’2012 As empresas das indústrias têxtil e de confeção vão poder conhecer de perto as mais recentes novidades em equipamentos, tecnologia e soluções para o setor, em mais uma Texmaq, que decorre de 14 a 17 de novembro de 2012, no Parque de Exposições de Paços de Ferreira. Organizado pela Associação Empresarial de Paços de Ferreira (AEPF), trata-se de um evento destinado exclusivamente ao setor profissional, sendo o mais importante certame ibérico desta área de atividade, e no qual estarão presentes algumas das principais marcas de equipamentos e maquinaria. As empresas têxteis não podem deixar de assegurar o seu lugar naquele que é o verdadeiro ponto de encontro entre fornecedores de tecnologia e equipamentos e os empresários de um dos principais setores da economia portuguesa. No sentido de potenciar os negócios, a AEPF vai criar um Business Meeting Point, com mesas e sofás, serviço de cafetaria e wi-fi grátis para expositores, onde os representantes das marcas poderão reunir com os seus potenciais clientes num ambiente mais tranquilo e acolhedor. A Texmaq será a principal oportunidade para as empresas portuguesas e do Norte e Centro de Espanha poderem tomar contato com as inovações e as novas tecnologias destinadas à indústria têxtil. A terceira edição da feira TEXMAQ vai realizarse num parque de exposições completamente

renovado, fruto do investimento de 1,4 milhões de euros, comparticipado pelo QREN. De facto, as obras de remodelação do Parque de Exposições que conta com uma área bruta de exposição de 14 mil metros quadrados, já vão estar concluídas aquando da realização desta feira, no sentido de eliminar alguns dos principais problemas deste espaço inaugurado em 1994. Uma nova fachada, mais moderna e convidativa, melhoramentos interiores diversos, entre os quais se destaca a climatização mais adequada às exigências do Século XXI, são algumas das novidades que os expositores deste setor terão oportunidade de confirmar em breve.

gal (ATP), Centro de Inteligência Têxtil (CENIT), Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e do Vestuário de Portugal (CITEVE), Centro de Formação Profissional da Indústria Têxtil, Vestuário, Confeção e Lanifícios (MODATEX), Associação Portuguesa dos Engenheiros e Técnicos de Têxteis (APETT) e Associação Selectiva Moda. Para mais informações sobre como expôr contate, hoje mesmo, a Associação Empresarial de Paços de Ferreira ou www. texmaq.pt.

Conhecer a aposta no Brasil

Como vender para a Polónia?

Impostos diretos aumentam em 2013

Os empresários interessados no mercado brasileiro podem inscrever-se no evento «ABC Mercado Brasil – Um País de Aposta!», a realizar no dia 3 de outubro, no auditório da Porto Business School (PBS), no Porto. Vai participar nesta iniciativa da AICEP Carlos Moura, especialista do mercado e diretor do Centro de Negócios de São Paulo, que fará a sua intervenção remotamente. O Brasil é hoje a primeira economia da América Latina e a sétima a nível mundial com grandes progressos em termos de crescimento económico, desenvolvimento de políticas sociais e fortalecimento de uma classe média sólida que já ascende a 100 milhões de habitantes (numa população de quase 200 milhões). Este mercado tem de ser visto numa perspetiva de dimensão regional (não um mas vários mercados), com os seus obstáculos, mas acima de tudo com o grande leque de oportunidades que oferece às empresas portuguesas, sejam exportadoras, sejam investidoras. Acrescem as comemorações do Ano de Portugal no Brasil e do Brasil em Portugal (7 Setembro 2012 a 10 Junho 2013), iniciativas que têm por objetivo dinamizar as relações entre os dois países e projetar uma imagem de um Portugal inovador, moderno e avançado tecnologicamente.

Aumentar as expedições e investimentos são prioridades da AICEP na Polónia, pelo que organizam, nos dias 12, 13 e 14 de novembro, no Porto, o evento «Como Vender na Polónia», com inscrições até 4 de outubro. Os empresários interessados podem obter aconselhamento individualizado, dinâmico e interativo durante 60 minutos com o representante da AICEP naquele país, Nuno Lima Leite. A Polónia, com mais de 38,5 milhões de consumidores, é hoje uma das economias mais dinâmicas da UE, apresentando taxas de crescimento superiores à média comunitária, sendo considerada a que melhor resistiu à crise mundial (entre 2007-2011 teve a mais elevada taxa média de crescimento comunitária – 4,3 por cento ao ano). Para além da sua dimensão e privilegiada localização geoestratégica, a Polónia é o país da UE com maiores verbas do QREN 2007-2013 (65 Mil Milhões de Euros), tem um sistema de incentivos fiscais e financeiros ao investimento transparente, um excelente nível risco-país e oferece apelativas oportunidades de negócio para as nossas empresas, quer na óptica das exportações, quer na do investimento. Pela primeira vez ao longo dos últimos 10 anos, em 2011, a balança comercial luso-polaca, tradicionalmente deficitária para Portugal, revelouse favorável, tendo as expedições registado um acréscimo de 9,4 por cento face ao ano anterior.

Aumento de impostos – IRS, tributação sobre o património e o capital – e uma taxa sobre a totalidade ou parte do subsídio de Natal dos trabalhadores do setor privado é a solução encontrada, em sede de Concertação Social, para evitar as mexidas na TSU. A taxa do IVA não sofrerá, em princípio, qualquer alteração e os funcionários públicos e pensionistas vão ver os subsídios de Férias e de Natal parcialmente devolvidos em 2013. O Primeiro-Ministro anunciou, ainda, que o reescalonamento do IRS vai avançar, por se considerar ser através dos impostos diretos que o equilíbrio das contas do Estado se vai fazer. Isto sem invalidar a procura de instrumentos que atuem, de igual forma, junto de outros fatores alheios ao trabalho, como o capital e o património que, contudo, ainda estarão em estudo. Outra proposta de aumento de impostos bem acolhida por Passos Coelho é a que prevê o aumento do preço do maço de tabaco para valores acima dos cinco euros. A proposta prevê uma receita adicional de 485 milhões de euros com este imposto adicional, enquanto o setor antecipa uma quebra de 200 milhões na receita fiscal, caso a medida avance, bem como o aumento do contrabando e a transferência dos fumadores para outros tipos de tabacos.

Eventos paralelos e parcerias O programa paralelo prevê a organização de seminários técnicos e workshops, os quais serão levados a cabo por intermédio das entidades com quem a AEPF já celebrou parcerias, nomeadamente: Associação Têxtil e Vestuário de Portu-


«Investir no Lugar Certo» conquista prémio da União Europeia fraestruturas comuns, potencia-se a criação de uma rede empresarial e institucional de proximidade, que necessariamente favorecerá a competitividade das empresas ali instaladas: 8 pólos industriais; 1,5 milhões de m2 de área industrial; lotes e espaços flexíveis. Na cerimónia, que teve a presença do Secretário de Estado do Empreendedorismo, Competitividade e Inovação, foram ainda divulgados os dois projetos eleitos pelo júri nacional da iniciativa para representar Portugal na final europeia dos European Enterprise Promotion Awards – EEPA. Alinhados com as prioridades da estratégia Europa 2020, os Prémios são promovidos pela Direção-Geral da Empresa e Indústria da Comissão Europeia e distinguem projetos desenvolvidos nas áreas da promoção do espírito empresarial, investimento em qualificações, desenvolvimento do ambiente empresarial, apoio à internacionalização das empresas, e empreendedorismo responsável e inclusivo. Pela quarta vez consecutiva, Portugal foi este ano o segundo país com maior número de candidaturas apresentadas à fase nacional dos Prémios, no conjunto dos 32 países participantes. Com um total de 91 projetos candidatos, Portugal revelou um acréscimo de participação de 130 por cento relativamente à edição do ano anterior, o que só por si é revelador do dinamismo dos agentes e estruturas nacionais, regionais e locais na promoção do empreendedorismo. Os Prémios foram lançados em 2006 pela Comissão Europeia, com o objetivo de incentivar a iniciativa empresarial nas diversas regiões da Europa e prestar tributo às boas práticas que, em diversas áreas, contribuam para criar um clima favorável ao desenvolvimento sustentado das economias.

A Câmara Municipal de Paços de Ferreira, em parceria com PFR Invest, conquistou o primeiro prémio na categoria Melhoria do Ambiente Empresarial, no âmbito dos Prémios Europeus de Promoção Empresarial 2012, uma iniciativa lançada pela Comissão Europeia para distinguir as melhores práticas na promoção do empreendedorismo na Europa. Segundo os promotores deste prémio, Paços de Ferreira afirma-se, economicamente, através de uma dinâmica atividade industrial que tem vindo a fazer crescer os índices demográficos concelhios. Diversificada na especificidade dos produtos e na dimensão das explorações, a indústria tem-se vindo a afirmar pela qualidade e pela capacidade de satisfação das encomendas e por uma agressiva estratégia de marketing. A vocação industrial do concelho traduz-se de forma expressiva nos indicadores

económicos: o peso da indústria no total das empresas do Concelho representa o dobro da média da região e o triplo na média nacional. Apostando na captação de investimento e numa solução global de acolhimento, a PFR Invest apresenta duas localizações especiais para o seu negócio: a Cidade Tecnológica e a Cidade Empresarial. Duas realidades diferentes mas que, em conjunto, proporcionam condições competitivas de sucesso. Desta forma, e a um custo bastante competitivo, estes dois espaços proporcionam tudo o que é necessário ao desenvolvimento de um negócio de sucesso: serviços; infraestruturas; investigação; desenvolvimento; inovação. O sucesso e a diferenciação da Cidade Empresarial residem numa gestão integrada geradora de ganhos de eficiência. Através de uma maior racionalidade que resulta do uso de in-

AEPF avalia formação

ECO2 – Economia de Baixo Carbono

A Associação Empresarial de Paços de Ferreira (AEPF) esteve representada em várias sessões de avaliação de formandos de cursos ministrados pela empresa Duodifusão, em cooperação com a AEPF.

A AEP, em parceria com diversas outras entidades, entre as quais a Associação Empresarial de Paços de Ferreira (AEPF) vai realizar seminários no âmbito do projeto «ECO2 – Economia de Baixo Carbono» que visam sensibilizar as empresas para a adoção, no seu modelo de negócios, de uma economia de baixo carbono, através da implantação de medidas de redução das emissões de carbono. Em Paços de Ferreira esta iniciativa decorre já no próximo dia 14 de outubro. A AEP está convicta que, com a implementação do Projeto «ECO2» Economia de Baixo Carbono - Um Imperativo Nacional, Ambiental e Económico, irá dar uma contribuição decisiva para que as empresas adotem práticas empresariais próprias de uma economia de baixo carbono e aproveitem as novas oportunidades de negócios, tornando-se mais competitivas. Com esta iniciativa a AEP pretende ainda estimular junto das empresas uma “Cultura de Inventário de Emissões de Gases com Efeito de Estufa (GEE)”. Ao realizar o inventário de emissões, as empresas podem corretamente avaliar,

controlar e reduzir os impactes ambientais das suas atividades, conseguindo ganhos económicos e ambientais, o que as coloca em patamares mais competitivos. A mudança do clima é um dos mais graves problemas ambientais enfrentados nos últimos anos, podendo ser considerada uma séria ameaça à sustentabilidade do meio ambiente, à saúde e ao bem-estar humano e à economia global, comprometendo de forma irreversível o desenvolvimento sustentável. A adoção de iniciativas ambientalmente responsáveis é por isso uma obrigação mas também uma oportunidade para as empresas. A implementação de estratégias climáticas, com objectivos e metas específicos nomeadamente quanto à redução da emissão de gases com efeito de estufa, permitirá caminhar progressivamente para uma Economia de Baixo Carbono, com redução de custos e consequente aumento de competitividade. A participação é gratuita mas com inscrição obrigatória, para o mail: cjbile@aeportugal. com.


Jornal do Empresário Outubro 2013