Issuu on Google+

EM DESTAQUE NESTE NÚMERO

Feira de Stock Off MOBIFREE aumenta vendas em época de Natal [Pág. 4]

2ª fase do Projecto MOVE PME com inscrições abertas [Pág. 3]

Jornal do Empresário é uma publicação mensal do gabinete de comunicação e imagem da Associação Empresarial de Paços de Ferreira. Sugestões e Críticas podem ser enviadas para:

Parque de Exposições Capital do Móvel Rua da Associação Empresarial, nº 167 - Carvalhosa | Apartado 132 4591-909 PAÇOS DE FERREIRA Tel: 255 862 114/ 6 - Fax: 255 862 115 www.aepf.pt | imprensa@capitaldomovel.pt

NÚMERO 110 / JANEIRO 2010

GRIPE A: Escolas pedem que empresas autorizem funcionários a manter telemóvel ligado A pandemia de Gripe A que tem assolado a região levou o Agrupamento Vertical de Escolas de Frazão a solicitar às empresas de Paços de Ferreira que, a título extraordinário, autorizassem os seus funcionários a permanecer contactáveis através dos seus telemóveis durante o horário de trabalho, de forma a poderem ser contactados pelos estabelecimentos educativos em situações relacionadas com aquela doença. Caso os funcionários estivessem contactáveis, os pais seriam avisados em tempo útil do estado dos seus filhos, viabilizando a sua saída imediata das escolas e evitando que as outras ficassem retidas em quarentena, impossibilitadas de utilizar os transportes escolares. Pede-se, assim, a melhor compreensão por parte das administrações das empresas de Paços de Ferreira e da região.

Falta de pinho não afecta mobiliário As serrações poderão ficar sem madeira dentro de cinco anos, revela um estudo efectuado por uma associação do sector, se “nada for feito” para impedir a falta de matéria-prima, nomeadamente a madeira de pinho, anunciou o jornal Verdadeiro Olhar. Ouvidos por aquele órgão de comunicação social, os responsáveis das associações empresariais de Paços de Ferreira e Paredes concordam que esta crise não afecta a indústria de mobiliário. Pedro Vieira de Andrade referiu mesmo que as empresas de mobiliário recorrem pouco ao pinho, afirmando que as madeiras para produção de móveis provêm, maioritariamente, de França e dos Estados Unidos.

AEPF: Consolidar em 2009 a força da união empresarial 2009 foi mais um bom ano de actividade da Associação Empresarial de Paços de Ferreira (AEPF). A crise económica e financeira internacional que afectou o nosso país foi, em grande medida, responsável por uma significativa quebra em alguns eventos, como as feiras e as missões empresariais, mas, por outro lado, permitiu um grande dinamismo no capítulo dos projectos empresariais e na formação. Assim, as contas terminam o ano de forma equilibrada, entre o deve e haver do fomento de iniciativas em defesa dos interesses dos empresários. A AEPF organizou as duas habituais feiras de mobiliário no Parque de Exposições Capital do Móvel, promoveu uma das maiores participações colectivas de sempre na Intercasa, em Lisboa, e participações colectivas na Vigoferia e na Feira de Mostras da Corunha, ambas na Galiza. A AEPF esteve, ainda, na Export Home de forma institucional, bem como apoiou o VIII Evento de Design que promove as boas práticas nesta área. Desenvolveu o projecto Capital do Móvel em Movimento, colocando cerca de 200 viaturas comerciais a circular pelas estradas de Portugal com o logótipo da principal actividade económica regional. Em Maio, por ocasião da final da Taça de Portugal em futebol entre o FC Paços de Ferreira e o FC Porto, a AEPF promoveu uma mega-caravana automóvel composta exclusivamente por estas viaturas, enchendo a auto-estrada entre Porto e Lisboa e a zona envolvente ao estádio nacional de colorido. Apostou na dinamização do comércio tradicional através de um projecto de cartão de pontos, da realização de duas feiras Stock Off (escoamento de colecções) e da realização de dois Fashion Event, uma passagem de modelos para apresentação das tendências da moda comercializada nas lojas do concelho. 2009 foi, igualmente, o ano em que o Cluster do Mobiliário foi, formalmente, constituído e os apoios financeiros à sua actividade concedi-

dos através de uma candidatura ao Programa Operacional Compete. E importa não esquecer que o então Ministro da Economia, Manuel Pinho, anunciou medidas de apoio ao sector do mobiliário no auditório do Parque de Exposições de Paços de Ferreira, sinal revelador da importância desta instituição e do respeito que a indústria e o comércio de mobiliário já impõem a nível nacional Duas dezenas de empresários da região foram, em missão empresarial, conhecer mercados emergentes como Qatar, Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Moçambique. E, ainda relativamente ao plano de actividades de 2009, mais uma dezena deverá deslocar-se ao Brasil em breve. A AEPF voltou a solidarizar-se com a iniciativa louvável do Lions Clube local que, através de um torneio de golfe, angaria fundos para a construção de uma creche. Da mesma forma que apoiou festivais de música e festas de Verão de referência, entre os quais o Marés Vivas, em Vila Nova de Gaia, contribuindo para a promoção da marca Capital do Móvel junto de um público jovem e urbano. Ou seja, em ano de crise, o empenho dos técnicos e dos directores da AEPF mantevese inalterado, determinados em conseguir as melhores condições para as empresas e, em resultado, influenciar o bem-estar dos trabalhadores e o desenvolvimento da região.


Departamento de Formação Profissional: Balanço de 2009 A preocupação subjacente à Iniciativa Novas Oportunidades constitui o pano de fundo de todas as intervenções iniciadas no ano de 2009. Por essa razão, foram privilegiadas as ofertas conferentes de dupla certificação, escolar e profissional, particularmente aquelas que respeitam a adultos pouco escolarizados na base de uma colaboração mais intensa com os Centros Novas Oportunidades da região, particularmente com o promovido pela Profisousa. Assim, com o financiamento do Programa Operacional do Potencial Humano, foi dada a sequência aos dois cursos a decorrer desde o pretérito ano de 2008 e iniciado mais um curso para desempregados, possibilitando a 20 formandos melhores condições para regressar ao mercado de trabalho O ano de 2009 fica também marcado pela multiplicação da oferta de formação dirigida à inserção profissional dos jovens. Com efeito, resultando de um convite do Instituto de Emprego e Formação profissional, a AEPF celebrou um protocolo para o desenvolvimento e execução de acções de formação profissional no Sistema de Aprendizagem. Correspondendo à intenção política plasmada na Iniciativa Novas Oportunidades, a região do Vale do Sousa passou a contar com um novo promotor de acções de qualificação profissio-

nal para jovens. Foram por isso iniciadas acções em Lousada, Paços de Ferreira e, mais recentemente, em Vizela, abrangendo hoje já mais de uma centena de jovens. Paralelamente, foram desenvolvidas mais duas acções qualificantes para jovens sem a escolaridade básica obrigatória no sentido de os capacitar para o exercício profissional mais qualificado. O Departamento viu também a sua actividade crescer de forma significativa ao nível da prestação de serviços. Com efeito, aumentou consideravelmente volume de formação ministrado enquanto entidade formadora externa como aumentou igualmente o número de processos de certificações de entidades formadoras. Confirmando o sucesso dos anos precedentes, foram também em maior número os cursos de Formação Pedagógica de Formadores ministrados na AEPF. Face ao que precede, estão lançadas as bases para afirmação da actividade do departamento num contexto de grande reforço da oferta formativa tal qual resulta dos termos da aprovação das candidaturas apresentadas e o cenário proporcionado pelo ambiente em volta da Iniciativa Novas Oportunidades e os apoios entretanto disponibilizados pelo QREN- Programa Operacional Potencial Humano. Paulo Dinis, Director do DFP

PROJECTOS APROVADOS

Salário mínimo aumenta para 475 euros mas Governo promete ajudas às empresas O Governo pretende subir o salário mínimo para 475 euros em 2010. Anunciou, ainda, uma redução, durante o ano de 2010, da contribuição da empresa relativa aos salários dos trabalhadores que auferiam, em 2009, o salário mínimo, em um ponto percentual; bem como o

alargamento do prazo disponível para a regularização das dívidas das empresas ao fisco. O Primeiro-Ministro prometeu, também, desenvolver programas de apoio público a sectores económicos onde é significativo o recurso ao salário mínimo.

Sector florestal e agrícola com linha de crédito bonificada O Governo aprovou um Decreto-Lei que cria uma linha de crédito com juros bonificados dirigida às empresas do sector agrícola e pecuário, no montante de 50 milhões de euros, e procede à segunda alteração ao Decreto-Lei n.º 74/2009, de 31 de Março, reforçando para 125 milhões de euros a linha de crédito disponível para os sectores florestal e das agroindústrias. O diploma destina-se especificamente ao sector agrícola e pecuário, de forma a facilitar o financiamento de operações de investimento, o reforço do fundo de maneio, a liquidação de dívidas ou reestruturação de créditos junto de instituições de crédito ou de fornecedores. Em simultâneo, a aprovação deste Decreto-Lei, permite, ainda, concentrar a linha de crédito no sector florestal e agro-indústrias, onde a procura se mostrou mais intensa, aumentando para 125 milhões de euros o montante de crédito disponível para estes sectores. As empresas do sector agrícola e pecuário passam a beneficiar da linha agora criada, sem prejuízo das candidaturas em curso.

Programa Vida Emprego apoia empresas na contratação de ex-toxicodependentes As empresas interessadas em contratar ex-toxicodependentes beneficiam de alguns apoios, nomeadamente através do pagamento de parte do salário e da Segurança Social da responsabilidade da entidade. O programa Vida Emprego foi criado pelo Decreto-Lei nº 280, de 4 de Dezembro de 1998, assente na parceria entre o Instituto da Droga e Toxicopendência e o Instituto de Emprego e Formação Profissional. O seu principal objectivo é promover o emprego e a reinserção social dos ex-toxicodependentes, beneficiando os indivíduos com percurso de toxicodependência, em fase de abstinência, em situação de desemprego e com motivação para o processo de reinserção social. Os beneficiários deverão apresentar condições físicas e psíquicas para o desempenho de uma actividade profissional. Este programa inclui três medidas: estágio de integração socioprofissional, apoio ao emprego e prémio de integração. Os interessados em beneficiar deste programa deverão consultar o Departamento de Formação Profissional da Associação Empresarial de Paços de Ferreira.


MOVE PME termina primeira fase O projecto MOVE PME é um projecto de formação-acção, do qual a Associação Empresarial de Paços de Ferreira é responsável pela sua gestão na região do Vale do Sousa que visa apoiar 78 micro e pequenas médias empresas, com o objectivo de aumentar a competitividade e a própria organização da gestão das empresas para que estas se sintam capazes de ultrapassar as dificuldades actuais e futuras do mercado. No presente mês terminam as formações personalizadas do projecto

MOVE sub-projecto de GESTÃO, iniciadas em Maio de 2009 destinadas a 13 Micro empresas da região, cujo balanço demonstrado pela equipa de formadores e empresários revelou-se de muito positivo para as empresas participantes. Estas empresas demonstraram que adquiriram novas competências de Gestão ao nível de Recursos Humanos, Marketing, Gestão Financeira e Planeamento Estratégico.

Departamento de Apoio às Empresas: 2009 foi mais um ano de missão cumprida Esclarecimentos prestados sobre diversas áreas; estudos económico-financeiros; formação em diversas áreas dirigidas para PME’s; candidaturas a sistemas de incentivos, licenciamento industrial e comercial; implementação e certificação de sistema de gestão da qualidade; apoio na área ambiental, nomeadamente no fornecimento de informações acerca de registos de resíduos; apoio jurídico às empresas; selecção e posterior divulgação de oportunidades de negócios, junto das empresas associadas e mediação de parcerias ao nível da cooperação empresarial; organização de missões empresariais e realização de seminários relacionados com temas de interesse para os empresários. Estes foram os diversos serviços prestados durante o ano de 2009, dos quais será de destacar alguns. Projecto MOVE – O objectivo deste projecto consiste em proporcionar nas micro, pequenas e médias empresas formação gratuita aos empresários, chefias intermédias e outros funcionários, com o intuito de aumentar a competitividade das respectivas empresas. Relativamente ao ano de 2009, foram desenvolvidas três acções de formação - acção em três áreas distintas; Gestão, Internacionalização e Reengenharia de processos, prevendo-se para 2010 mais três acções em duas áreas distintas: Gestão; Qualidade, Higiene e Segurança no

Trabalho. Formação direccionada para as empresas, financiada ou não financiada. Candidaturas a Sistemas de Incentivos, nomeadamente ao QREN – Quadro de Referência Estratégico Nacional, MODCOM – Modernização ao Comércio e a programas do IEFP – Instituto de Emprego e Formação Profissional. O número de candidaturas efectuadas pelo DAE tem vindo a aumentar anualmente. Licenciamentos (industrial e comercial) - Não obstante o DAE ter já intervenções a nível do licenciamento industrial e comercial e na área de Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho, em 2010 pretende reforçar estas áreas de actuação. Missões Empresariais – no ano de 2009, o DAE realizou duas Missões Empresariais: Emirados Árabes Unidos, Qatar e Bahrein; Moçambique, prevendo para 2010 a organização de 4 missões: Brasil; Argélia e Líbia; Noruega, Suécia e Finlândia; Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos. Em suma, este departamento encontra-se disponível para apoiar as empresas nas suas diversas áreas, de forma a proporcionar-lhes um desenvolvimento sustentado. Alcina Carneiro, Directora do DAE

Segurança e Saúde no Trabalho com novo regime jurídico O novo Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho, plasmado na Lei 102/2009 de 10 de Setembro, aplica-se a todos os ramos de actividade, nos sectores privado ou cooperativo e social, ao trabalhador por conta de outrem e respectivo empregador, incluindo as pessoas de direito privado sem fins lucrativos e ao trabalhador independente. É pois importante, que no momento da contratação deste serviço a uma empresa externa, o empresário se assegure de que esta está devi-

Projecto MOVE PME com inscrições abertas

damente autorizada pela Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) para prestar serviços neste âmbito (anteriormente competência do Instituto para a Saúde, Higiene e Segurança no Trabalho). Podem consultar no sítio da Internet da AEPF as listagem das empresas de serviços externos de saúde, higiene e segurança no trabalho autorizadas, não autorizadas e com processo pendente. Em caso de dúvida, consulte o Departamento de Apoio às Empresas.

Encontram-se abertas as inscrições para a segunda fase do Projecto MOVE PME. Trata-se de duas acções para 26 empresas na área da Gestão e de uma acção para 13 empresas na área de Qualidade e Higiene e Segurança no Trabalho. O projecto de formação-acção para pequenas e médias empresas (PME) denominado MOVE está em curso desde Setembro de 2008. A Associação Industrial Portuguesa – Confederação Empresarial (AIP-CE) estabeleceu, em Setembro desse ano, um contrato de delegação de competências com o Programa Operacional do Potencial Humano (POPH), tendo sido atribuído a essa entidade o estatuto de Organismo Intermédio da Formação-Acção para PME. A Associação Empresarial de Paços de Ferreira é uma das entidades beneficiárias, encontrando-se a desenvolver projectos de formação-acção para empresas da região do Vale do Sousa e Tâmega. Conduzir e apoiar as PME a alcançar padrões de desempenho mais competitivos recorrendo para o efeito a metodologias activas e diversificadas de Formação-Acção, operacionalizadas com recurso a Formação Teórica, Formação Personalizada, Workshops e Seminários de Sensibilização, é o principal objectivo deste projecto. Podem beneficiar deste programa as micro, pequenas e médias empresas até 100 trabalhadores, desde que localizadas nas regiões Norte, Centro, Alentejo e Algarve. As áreas de intervenção previstas são a Gestão Empresarial, a Qualidade, Ambiente, Segurança e Saúde no Trabalho e Segurança Alimentar, a Reengenharia de Processos, a Internacionalização e Energia e Eco-Eficiência. A AIP-CE espera atingir, no final do projecto, quase 1500 PME num total de 271.355 horas de intervenção.


Mobifree escoou stocks de mobiliário e decoração Mobiliário com descontos até 70 por cento só na Mobifree, a feira de stock off de mobiliário, decoração e iluminação de Paços de Ferreira. A última oportunidade do ano para comprar uma peça solta, um artigo descontinuado ou uma solução completa a preços incríveis realizou-se em Dezembro, para mais uma edição desta feira de escoamento de stocks, no Parque de Exposições de Paços de Ferreira, numa organização da Associação Empresarial. Foram várias as opções disponíveis, com linhas de mobiliário de estilos sortidos, do clássico ao contemporâneo, com grandes descontos, que atingiam os 70 por cento. A par da Mobifree realizou-se, ainda, a segunda feira de Stock-Off Comércio Local, um espaço destina-

do aos comerciantes do concelho de Paços de Ferreira. Neste local estiveram em comercializados artigos de vestuário, calçado e acessórios de moda, de marcas conceituadas, com substanciais descontos relativamente ao preço em loja. Uma visita a estas duas feiras significou uma grande poupança nas últimas prendas de Natal.

Governo cria 2000 estágios nas autarquias

Salário mínimo em 475 euros afecta empresas de mobiliário

Jovens licenciados desempregados ou à procura do primeiro emprego terão a oportunidade, criada pelo Governo, de realizar um estágio nas câmaras municipais, em complemento ao programa destinado às empresas. O PrimeiroMinistro mostrou, ainda, determinação em criar uma nova agenda política de descentralização para as autarquias, através da transferência de competências e recursos que será a maior operação de descentralização realizada em Portugal, e reafirmou também a importância da parceria entre o Governo e as Autarquias nos vários campos, nomeadamente na educação, modernização das infra-estruturas, energia, redução dos custos administrativos, equipamento sociais e emprego.

O aumento do valor do salário mínimo nacional para 475 euros vai ter impacto em cerca de um terço das empresas do sector de mobiliário e colchões, de acordo com o Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho. Este sector económico possui 33,8 por cento de trabalhadores a auferirem o salário mínimo nacional, contra os 66,8 por cento de trabalhadores da indústria de vestuário e 44,6 por cento dos trabalhadores têxteis. A indústria do couro surge em quarto lugar, com 29,8 por cento, seguido pelo alimentar, com 25,3 por cento. No total, deverão ser cerca de 450 mil trabalhadores por conta de outrem que serão abrangidos por este aumento previsto para 2010.

FORMAÇÃO - ÁRVORE DE NATAL: Os alunos do curso de Electricista de Instalações estavam, à hora de fecho desta edição, a ultimar os pormenores relativos à construção de uma árvore de Natal iluminada através do recurso a energia solar.


Janeiro 2010