Page 1

EM DESTAQUE NESTE NÚMERO

Balanço de 2008 por departamento da AEPF - Pág. 2 Mobifree termina com balanço positivo para expositores - Pág. 3 Festa de Natal fez a alegria de milhares de crianças - Pág. 4

Jornal do Empresário é uma publicação mensal do gabinete de comunicação e imagem da Associação Empresarial de Paços de Ferreira. Sugestões e Críticas podem ser enviadas para:

Parque de Exposições Capital do Móvel Rua da Associação Empresarial, nº 167 - Carvalhosa | Apartado 132 4591-909 PAÇOS DE FERREIRA Tel: 255 862 114/ 6 - Fax: 255 862 115 www.aepf.pt | imprensa@capitaldomovel.pt

NÚMERO 98 / JANEIRO 2009

AEPF: sete anos na senda da qualidade

PME Investe III apoia empresas A linha de crédito PME Investe III, no valor de 1600 milhões de euros, somada aos outros dois programas anteriores, apoia projectos no valor de 3350 milhões de euros, correspondendo a dois por cento do Produto Interno Bruto. Para o primeiro-ministro, “o principal objectivo em 2009 vai ser salvar empregos e manter empregos”. egundo José Sócrates, é “absolutamente essencial” ter as pessoas empregadas e as empresas em actividade aquando da recuperação económica. O PME Investe III, apresentado a 11 de Novembro, possui três linhas de crédito bonificado no valor de 1400 milhões de euros (500 milhões para o sector exportador da indústria e serviços, 500 milhões para o turismo, 400 milhões para as micro e pequenas empresas), a que acresceram 200 milhões para as empresas exportadoras do sector automóvel, no âmbito do plano de apoio a este sector, assinado a 3 de Dezembro. Em Portugal existem 290 mil pequenas e médias empresas (PME) que representam 75 por cento do emprego e 56 por cento da facturação.

A Associação Empresarial de Paços de Ferreira (AEPF) viu renovada, pela terceira vez consecutiva, a certificação do sistema de gestão da qualidade pela norma NP EN ISO 9001:2000. O processo de implementação da gestão da qualidade iniciou-se em 2000, culminando em 2001 com a certificação ainda segundo a norma NP EN ISO 9001:1995. Desde então e já lá vão sete anos, o esforço reflecte-se essencialmente na melhoria contínua dos serviços desta instituição. Em termos históricos, a AEPF surgiu da fusão entre a associação industrial e a associação dos comerciantes a11 de Julho de 1996, com o objectivo de incrementar a competitividades das empresas (área do comércio e serviços e indústria) e, desta forma, alargar a área de actuação a todos os sectores de actividade da região, promovendo o desenvolvimento sócio-económico. A ligação inicial ao sector do mobiliário de madeira acabou por condicionar o desenvolvimento da AEPF, com a excessiva dependência da realização das feiras de mobiliário quase como que justificação e fundamento da sua existência.

Actualmente, a AEPF tem consciência de que a realidade concelhia e regional evoluiu e que as expectativas dos empresários em relação a uma Associação Empresarial também se modificaram. Neste sentido desde 2001 o âmbito de certificação da AEPF compreende a: Consultoria Empresarial; Organização e realização de feiras; Formação Profissional intra e inter empresas. Todos os passos dados pela AEPF visam directamente os empresários e o desenvolvimento das suas empresas. Justifica-se, assim, a postura de proximidade à classe empresarial por parte da associação que se encontra a desenvolver um vasto conjunto de competências e serviços que lhe possibilite responder, com eficácia e eficiência, às necessidades e solicitações dos seus associados actuais e potenciais. Acresce ainda que, em 2008, à AEPF foi concedido o Estatuto de Pessoa Colectiva de Utilidade Pública, nos termos do Decreto-Lei nº 460/77, de 7 de Novembro com a redacção dada pelo Decreto-Lei nº 391/2007, de 13 de Dezembro.


Carlos Cunha: “as empresas e os empresários podem contar com o DFE” “O DFE sabe das dificuldades com que se vai deparar, mas nem por isso irá deixar de pugnar pelo convergir de esforços de todos para levar a efeito os desafios que se propõe realizar. É também nos períodos em que os mercados estão mais retraídos que as feiras ganham maior preponderância. Nestes momentos o consumidor, enquanto tal, resguarda-se das visitas avulsas para decidir em painéis de oferta alargados e concorrenciais onde, num só espaço, possa comparar entre muitos o que o mercado tem de melhor para lhe oferecer, diminuindo, significativamente o risco de efectuar uma má escolha ou compra, elegendo assim as feiras como local privilegiado para se encontrarem com a oferta, como se veio a comprovar na última Capital do Móvel onde crescemos em visi-

tação quando comparada com a mesma edição de 2007. Hoje, custear visitação comercial com taxas de insucesso elevadas é acto de gestão ponderado pelas administrações, que se vêm obrigadas a descobrir novos caminhos alternativos e mais seguros, que lhes permitam atingir objectivos com maior rentabilidade. É aqui que queremos chegar com a nossa mensagem. Dizer às empresas e aos empresários que podem contar com o Departamento de Feiras e Eventos da Associação Empresarial de Paços de Ferreira, que tudo fará para continuar a colocar na agenda dos consumidores os eventos que realiza, promovendo as exposições que realiza como locais privilegiados para o encontro de negócios entre o consumidor e a oferta.”

José Ribeiro: “DAE tem diversificado a sua actividade”

O Departamento de Apoio às Empresas (DAE), estando vocacionado para apoiar as empresas pertencentes aos diversos sectores de activi-

dade, tem vindo a aumentar a oferta dos seus serviços. A evolução positiva deste departamento, no ano de 2008, reflectiu-se essencialmente no aumento dos trabalhos de consultoria e no surgimento de novos projectos, como por exemplo a Campanha de Natal do Comércio Tradicional de Paços de Ferreira e o lançamento do cartão “Capital do Móvel” do Comércio Tradicional. A implementação do Sistema de Gestão da Qualidade, considerado como um factor de competitividade das empresas, tem sido um serviço bastante requisitado, bem como as candidaturas aos projectos no âmbito do QREN. Estes projectos, para além de permitirem a comparticipação na implementação e certificação do Sistema de Gestão da Qualidade, também comparticipam investimentos em outras áreas. É importante referir que a taxa de aprovação destes projectos tem sido superior a 90%. As Missões Empresariais, organizadas com o intuito de aumentar as exportações de mobiliário, têm surtido resultados positivos, sendo objectivo do DAE potenciar cada vez mais estas

Paulo Dinis: DFP e os desafios para 2009 No que diz respeito às actividades a desenvolver durante o período 2008/09, perspectiva-se dar continuidade ao trabalho desenvolvido, seguindo-se a mesma lógica de rigor e melhoria constante, através de intensificação das estratégias de envolvimento dos actores locais e regionais; sensibilização da população para a importância da educação/formação; aumento do número de inscrições em acções de formação certificantes; articulação estreita entre todas as ofertas formativas; reforço de uma estratégia de intervenção integrada e em rede, com o objectivo de garantir uma resposta adequada às necessidades do público-alvo, através, por exemplo, do encaminhamento dos adultos para ofertas educativas e formativas alternativas (cursos relacionados com as Novas Tecnologias da Informação e Comunicação; cursos de formação contínua; cursos de formação profissional; cursos de Educação e Formação de Adul-

tos; etc.); consolidação das parcerias existentes, com o objectivo de garantir a desconcentração das actividades e uma maior proximidade ao público-alvo; reforço das competências técnicas da equipa, em vista da adequação aos novos desafios resultantes da aprovação da reforma da formação profissional e demais legislação complementar; aperfeiçoamento dos mecanismos de interacção com o meio empresarial. A actuação da AEPF estará neste período ancorada nas possibilidades de financiamento da formação, com a amplitude e as determinantes previstas na respectiva legislação enquadradora. Em correspondência com os objectivos consignados para este período de programação comunitária, serão privilegiadas as ofertas conferentes de dupla certificação, escolar e profissional, particularmente aquelas que respeitam a adultos pouco escolarizados. A actuação será

iniciativas conjuntas de contacto e prospecção dos mercados. O plano de actividades do gabinete de projectos especiais, ao longo do exercício de 2008, foi de uma forma geral positivo. O gabinete já está a preparar o arranque do projecto de FormaçãoAcção MOVE (Modernizar, Optimizar, Valorizar Empresas) para o exercício de 2009, para além de outras actividades executadas ao longo do exercício de 2008, nomeadamente o projecto Inovjovem, entidade beneficiária do projecto à tipologia de Intervenção 3.1.1 Programa de Formação-Acção para PME, sendo aprovada uma candidatura em Novembro de 2008, na ordem dos 770 mil euros, onde constam seis acções de Formação – Acção nas áreas da (Gestão, Reengenharia de Processos, Internacionalização e Qualidade Ambiente, Segurança e Saúde no Trabalho e Segurança Alimentar) para 78 empresas oriundas da região do Vale do Sousa a desenvolver durante os exercícios de 2009, 2010 e 2011. Finalmente, o GPE acompanhou 23 Projectos Autónomos de Formação para as empresas. concretizada tendo por referência a oferta formativa devidamente catalogada (CNQ) e na base de uma colaboração mais intensa com os Centros Novas Oportunidades da região, particularmente do concelho de Paços de Ferreira, promovido pela Profisousa.


Expositores satisfeitos com Mobifree A quarta edição da Mobifree, feira de stock off de Paços de Ferreira, terminou cumprindo todos os objectivos a que a organização se propôs. O Departamento de Feiras e Eventos da AEPF estima que, ao longo dos dois finsde-semana prolongados, cerca de 16000 os visitantes aproveitaram os preços baixos para comprar peças ou mesmo soluções completas de mobiliário e decoração. Igualmente aposta ganha foi o espaço dedicado ao Comércio Tradicional Local, que serviu para que os comerciantes de rua de Paços de Ferreira escoassem vestuário, calçado e acessórios de moda com descontos significativos. Os expositores participantes já manifestaram à organização a vontade em aderir à edição de 2009.


Paços de Ferreira festejou mais um Natal em grande!

O Natal está à porta e Paços de Ferreira celebrou esta especial data com uma grande festa destinada às crianças do Ensino Básico do concelho. No passado dia 12 de Dezembro o Parque de Exposições da Capital do Móvel foi o palco de um espectáculo com palhaços, malabaristas, canções e muita animação, ao qual assistiram mais de 2600 crianças, oriundas dos estabelecimentos de ensino básico públicos e privados de Paços de Ferreira, numa iniciativa organizada pela Associação Empresarial de Paços de Ferreira, em parceria com a Câmara Municipal. Já no dia 21 de Dezembro, realizou-se o tradicional desfile de Natal pelas ruas da cidade de Paços de Ferreira. Esta iniciativa, igualmente coordenada pela Associação Empresarial, concentrou as principais instituições de Paços de Ferreira num desfile único que celebra, de forma especial, a quadra natalícia. A iniciativa contou com o apoio da Guarda Nacional Republicana e da Polícia Municipal, que orientaram o trânsito durante o desfile. O objectivo do desfile é contribuir para a animação do centro da cidade de Paços de Ferreira, numa altura do ano muito especial, ao mesmo tempo que pretende homenagear as principais instituições do concelho, agradecendo os préstimos desenvolvidos ao longo do ano.

Janeiro 2009  

Consultoria Empresarial; Organização e realização de feiras; Formação Profissional intra e inter empresas. Actualmente, a AEPF tem consciênc...