Page 1

www.canguruonline.com.br | jul 2017 | nº 22

Criando filhos em BH

ESPECIAL FÉRIAS • EXEMPLAR GRATUITO PARA PARCEIROS

ESPECIAL FÉRIAS

Uma seleção de

programas na cidade PARA FILHO NENHUM FICAR ENTEDIADO

Criança zen Meditação e ioga

PARA OS PEQUENOS

Família de artistas Jair Oliveira e Tania Khalill TRABALHAM COM AS FILHOTAS

IGUAIS,

MAS DIFERENTES O que a ciência diz sobre os gêmeos, as respostas para as curiosidades que todos têm e as experiências de quem já lida com as duplinhas dentro de casa


4nesta edição

seções

6 10 11 12 14 15 16 18 20 21 44

Primeiras palavras

45 46 47 48

Padecendo no Paraíso, por Bebel Soares

Nossos leitores Missão Instagram www.canguruonline.com.br Comprinhas Eles dizem cada coisa Moda Mundo Kids Canguru viu e curtiu Corrente do bem Na Pracinha, por Flávia Pellegrini e Miriam Barreto

26 28 32 38 41

Iguais, mas diferentes: gêmeos carregam inúmeras peculiaridades, e a ciência já desvendou várias delas

22

Para ler com seu filho, por Leo Cunha Viagens, modo de usar, por Luís Giffoni Artigo, por Arminda Rosa Rodrigues da Matta Machado Crônica, por Cris Guerra

Reportagens

22

[1]

Roteiro | Dez lugares para animar as férias de julho da garotada em Beagá Entretenimento | Jair Oliveira e Tania Khalill falam do projeto Grandes Pequeninos, que tocam junto com as filhas

[2]

Especial férias: o que não faltam são programas divertidos para as crianças que ficarem na cidade durante a folga da escola

26

Nutrição | Conheça os segredos dos enigmáticos rótulos dos alimentos Capa | Curiosidades sobre os gêmeos e trocas de experiências de quem já aprendeu com as dificuldades de criar dois (ou mais) simultaneamente Bem-estar | Práticas de meditação e ioga também podem trazer benefícios às crianças

[3]

Arte em família: projeto de Jair Oliveira e Tania Khalill já rendeu dois CDs, livro, site, canal no YouTube, programa de TV e espetáculo musical

Saúde | Conheça os sinais da depressão na infância

Nossa capa Julia e Paula, de 4 anos, são filhas de Andrezza Alencar e Vicente Marcos de Faria FOTO: GUSTAVO ANDRADE

4

Canguru

. J U L H O 2 01 7

FOTOS: [1] RICARDO BORGES; [2] DIVULGAÇÃO; [3] GUSTAVO ARRAIS

50

32


A G E M

S A I R FÉ g n i p p o h s s na

mi

PARTICIPE DAS ATRAÇÕES ESPECIAIS

A MAIOR PISCINA DE BOLINHAS JÁ HOVERBOARD ACADEMIA DO SKATE FEITA EM UM SHOPPING CENTER 30/JUNHO A 31/JULHO 8 A 30/JULHO 1 A 31/JULHO ESTACIONAMENTO COBERTO G2 ESTACIONAMENTO COBERTO (EVENTO GRATUITO)* PRAÇA DE EVENTOS G2, EM FRENTE À PORTARIA 5 (CONSULTE VALORES NA BILHETERIA)

*HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO: TERÇA A DOMINGO, DAS 11H ÀS 21H.

SAIBA MAIS EM MINASSHOPPING.COM.BR OU NO APLICATIVO MEU MINAS.

(CONSULTE VALORES NA BILHETERIA)


FOTO: GUSTAVO ANDRADE

4primeiras palavras

Iguais #sqn QUEM TEM DOIS (ou mais) filhos sabe: um nunca é igual ao outro. Não importa se eles são filhos do mesmo pai e da mesma mãe ou se foram criados sob o mesmo teto e com os mesmos valores. São sempre diferentes. Na minha casa, um é dengoso, sempre pronto para distribuir beijos e abraços; já o outro... preciso pegar no laço se quero ganhar um chamego. Personalidades diferentes, gostos diferentes. E é assim até mesmo entre gêmeos univitelinos. Eles são iguais, só que não. É isso que mostra nossa reportagem de capa. Eles podem ser idênticos fisicamente – e até curtem valorizar essa semelhança –, mas, geralmente, têm comportamentos muito distintos. Desde que a Canguru foi lançada, em outubro de 2015, mês sim, mês também, algum repórter sugere uma capa sobre gêmeos. "São tão fofos!" é o argumento recorrente. E são mesmo, não são? As capas de Belo Horizonte, Rio e São Paulo comprovam. São três versões fofas de meninas idênticas que ilustram essa reportagem sobre mitos e verdades em relação aos filhos gêmeos, sob o ponto de vista dos especialistas e dos pais que vivem uma rotina de emoções em dose dupla. Mesmo que os filhos de um casal tenham estilos muito diferentes, sempre dá para uni-los em torno das semelhanças, das características comuns, para construir algo que faça sentido para toda a família e fortaleça os laços de união. Foi o que fizeram o cantor Jairzinho e a atriz Tania Khalill. Nesta edição, eles falam sobre a experiência de trabalhar com as filhotas no Grandes Pequeninos, projeto que está completando uma década desde que começou a ser gestado. Outro destaque do mês é o Especial Férias, uma seleção de programas para entreter a meninada. Não tem desculpa para deixar as crianças de molho dentro de casa, passando o recesso escolar em frente à televisão ou ao computador. Dá para se divertir a valer sem sair da cidade onde mora – e sem precisar gastar muito. Se você não está de folga no trabalho, aproveite os fins de semana. Inspire-se nas dicas dos jornalistas da revista e faça deste mês um tempo mágico em família.

Ivana Moreira, DIRETORA DE CONTEÚDO ivana@canguruonline.com.br

6

Canguru

. J U L H O 2 01 7

Ivana e os filhos Pedro e Gabriel


DIRETOR EDITORIAL: Eduardo Ferrari DIRETORA DE PROJETOS ESPECIAIS: Ivana Moreira

www.canguruonline.com.br

A Canguru é uma publicação mensal da Scrittore Comunicação e Editora Ltda. CNPJ 12243254/0001-10 (Rua Alberto Bressane, 223. Belo Horizonte/MG. CEP 30240-470)

CONSELHO EDITORIAL Eduardo Ferrari, Guilherme Sucena, Ivana Moreira, Márcio Patrus e Suellen Moura DIRETORA DE CONTEÚDO Ivana Moreira (ivana@canguruonline.com.br) EDITORA-CHEFE Cristina Moreno de Castro (cristina@canguruonline.com.br) EDITORAS Luciana Ackermann (luciana@canguruonline.com.br) e Sabrina Abreu (sabrina@canguruonline.com.br) REPÓRTERES Rafaela Matias (rafaela@canguruonline.com.br) e Verônica Fraidenraich (veronica@canguruonline.com.br) ESTAGIÁRIAS Catarina Ferreira (catarina@canguruonline.com.br) e Gabriela Willer (gabrielawiller@canguruonline.com.br) EDITORA DE ARTE Aline Usagi (aline@canguruonline.com.br) PROJETO GRÁFICO Chris Castilho (Mondana:IB) (www.mondana.net) EDITORA DA TV CANGURU Juliana Sodré (juliana@canguruonline.com.br) REVISORA Thalita Braga Martins COLABORADORES DESTA EDIÇÃO Cris Guerra, Leo Cunha, Luís Giffoni e Daniele Franco FOTÓGRAFOS Gustavo Andrade, Moacyr Lopes Junior/Malagueta e Ricardo Borges GERENTE DE COMUNICAÇÃO E MARKETING Camila Capone (camila@canguruonline.com.br) ESTAGIÁRIO DE MARKETING Filipe Cerezo (filipe@canguruonline.com.br) GERENTE ADMINISTRATIVO E FINANCEIRO Roberto Ferrari (roberto@canguruonline.com.br) DIRETORA COMERCIAL Suellen Moura (suellen@canguruonline.com.br) EQUIPE COMERCIAL Janna Souza (janna@canguruonline.com.br), Laura Ramos (laura@canguruonline.com.br), Norma Gabá (norma@canguruonline.com.br), Simone Dianni (simone@canguruonline.com.br), Luiz Póvoa (steve@canguruonline.com.br) e Vera Belini (vera@canguruonline.com.br) DIRETOR DE NOVOS NEGÓCIOS Guilherme Sucena (guilhermesucena@canguruonline.com.br) ATENDIMENTO A LEITORES E ESCOLAS PARCEIRAS Gabriela Linhares (gabriela@canguruonline.com.br)

PARA FALAR COM A REDAÇÃO Belo Horizonte Avenida Flávio dos Santos, 372, Floresta, CEP 31.015-150

Rio de Janeiro Praça Mahatma Gandhi, 2, sala 1115, Centro, CEP 20.031-100

São Paulo Alameda Santos, 1773, Jardim Paulista, CEP 01.419-000

Brasília (Representação) Roberto Pinheiro robertopinheiro@rcpinheiro.com.br

(31) 3656-7818

(21) 3864-3791

(11) 4081-1021

(61) 99625-7794

TIRAGEM TOTAL: 100.000 exemplares (BH: 25.000 exemplares, Rio: 25.000 exemplares, SP: 50.000 exemplares) IMPRESSÃO: O Lutador DISTRIBUIÇÃO: VIP BH*

ESPECIAL FÉRIAS: DISTRIBUIÇÃO GRATUITA PARA PARCEIROS E COLÔNIAS DE FÉRIAS * Distribuição gratuita para as escolas parceiras Canguru, uma rede de instituições particulares de educação infantil que se comprometem a enviar a revista aos pais de seus alunos na mochila dos estudantes. A relação das escolas parceiras em Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo pode ser consultada por anunciantes.

Artigos assinados são de inteira responsabilidade dos autores e não representam, necessariamente, a opinião da revista e de seus responsáveis.

Acompanhe-nos nas redes sociais Facebook canguruonline Twitter @canguruonline Instagram canguruonline YouTube TV Canguru


apresenta

FOTO: MORROWIND/SHUTTERSTOCK

O que nossos filhos estão vendo? Qualidade dos conteúdos disponibilizados para crianças preocupa mães e pais NO MUNDO CONECTADO em que vivemos, onde o acesso à informação está a um clique, somos bombardeados diariamente por uma infinidade de conteúdos. É tanta informação que, às vezes, ficamos perdidos e confusos. Ainda mais quando se trata de papais e mamães responsáveis por cuidar dos seus filhos, crianças com potenciais gigantescos pela frente. Será que os livros, os jogos e os filmes que eles consomem estão adequados? O que oferecemos para as crianças repercute em seu desenvolvimento mental e sensível durante toda a vida. E essa máxima não é diferente quando se trata do consumo de conteúdos. Teoricamente, cabe aos pais a tarefa de filtrar aquilo a que os filhos assistem. Mas até mesmo os adultos encontram dificuldades diante do excesso de oferta. Contudo, isso não nos impede de pensar sobre o assunto.

Missão para papais e mamães Encontrar respostas para esses questionamentos não é simples. É importante que a hora da leitura, dos filmes e das brincadeiras seja um momento feliz, prazeroso e cheio de aprendizado. Que os conteúdos, além de divertir, incentivem a busca pelo conhecimento e inspirem atitudes que favoreçam o bem da criança e daqueles que convivem com ela. Esse tema é tão importante e atual que não deve sair de pauta. Precisa ser pensado e tratado também em nossas rodas de conversas com amigos e familiares. Vamos falar mais sobre isso?

Para mais informações, acesse o site:

www.educore.org.br


Expansão da Canguru Sou uma pessoa apaixonada pela missão de estimular crianças para que desenvolvam a autoconfiança, expandindo seus talentos para a construção de um mundo melhor e, quando recebi o convite para enviar a revista às famílias, eu não acreditei!!! A revista é simplesmente mágica, porque propõe o engajamento familiar e a conexão entre escola/pais e filhos. Fortalece os vínculos com matérias tão importantes para o grande desafio de educar as crianças, de maneira significativa e leve. A cada matéria que leio, meu coração transborda de alegria porque são poucos aqueles que acreditam que podemos transformar gerações e a Canguru é essa luz que ilumina nossos dias com o encantamento na arte de educar, demonstrando que, de tudo, nem tudo está perdido. — Vilma Farias, diretora do Colégio Bela Vista, em São Paulo

Adorei a revista!!! Excelente, superindico! As reportagens são muito interessantes. Parabéns! — Else Maya Suzuki, de São Paulo

Eu recebi o meu primeiro exemplar da revista Canguru pela escola do meu filho, Anglo-Americano. Devorei tudo e gostei, principalmente, das crônicas da Cris Guerra, de quem virei fã imediatamente, bem como da plataforma Canguru. — Cintia Santos Nishio, do Rio de Janeiro

Minha filha recebeu a revista Canguru na escola onde estuda, e fiquei encantada com o conteúdo. — Keli Pereira dos Anjos, de São Paulo

Padecendo no Paraíso Muito pertinente o artigo “Criança namora?” (publicado na edição de junho). As pessoas confundem as coisas e algumas vezes transformam algo normal e sadio em problema! O “namorar” das crianças nada tem a ver com sexualizar ou adultizar, faz

parte do desenvolvimento da criança, que imita a realidade da vida adulta. É necessário separar a pedofilia e a sexualização de crianças daquilo que é próprio da infância! — Kellen de Castro, de Belo Horizonte

Acredito que a revista não foi feliz na escolha do texto “Criança namora?” para tratar esse tipo de assunto polêmico. Vivencio diariamente essa polêmica do namoro de criança aqui na escola, e somos adeptos da campanha #CriançaNãoNamora. Trabalhamos muito junto com as famílias nesse sentido. Posso afirmar que hoje em dia não é assim “tão inocente” o namoro de criança. As crianças de hoje estão muito despertas para a sexualidade. Os pais de alunos da escola adoram a revista, mas relataram que esse texto foi “fraco e desnecessário”. — Júnia Resende, coordenadora pedagógica do Jardim de Infância Padre Eustáquio, em Belo Horizonte

FALE COM A CANGURU Entre em contato por e-mail: redacao@canguruonline.com.br

ou deixe um comentário em nossas redes sociais.

Resultado da enquete O que você pensa sobre furar a orelhinha do bebê?

9,7% 12,9% 77,4

%

Acho supernatural! Com toda a minha família foi assim e não causou mal a ninguém que eu conheça. É um absurdo! Uma violação do corpo da criança e uma imposição que infringe os seus direitos. Não tenho opinião formada sobre isso.

10

Canguru

Fique de olho em nossas novas enquetes! . J U L H O 2 01 7

Elas são sempre divulgadas em nossa página de Facebook: www.facebook.com/canguruonline


Que gracinhas que ficam as crianças em época de quermesse! Veja quantos caipirinhas prontos para a festa junina chegaram até nós pela hashtag #canguruonline:

Os jequinhas favoritos de @limaana foram clicados juntinhos! Palmas para Maria Eduarda, de 8 anos, e João Pedro, de apenas 10 meses!

Olha que charme ficou o Lucas, de 8 anos, pronto para dançar quadrilha! Clique postado no perfil @lucas_diniz09.

Alice, de 5 anos, ficou muitíssimo à vontade na festa “Forró dos 30”! O clique foi de @vanessa_homem.

FOTOS: REPRODUÇÃO INSTAGRAM

Próxima missão: Queridos vovós O Dia dos Avós é celebrado em 26 de julho. Fotografe seu filhote abraçadinho com o vovô ou a vovó e poste em sua conta no Instagram com a hashtag #canguruonline. A foto pode sair na próxima revista Canguru e em nossas redes sociais!

J U L H O 2 01 7 .

Canguru

11


www.canguruonline.com.br

Evento

Todos os meses, a Canguru promove seminários gratuitos sobre temas relacionados à educação dos filhos. Fique atento à programação dos próximos eventos.

Síndrome de Irlen: um distúrbio quase desconhecido, mas que atrapalha muitas crianças em idade escolar IMAGINE OLHAR PARA uma tela ou folha de papel e ver as letras embaralhadas, sem formar palavras ou fazer sentido. Ou pior, imagine que seu filho de apenas 5 anos não consegue aprender a ler e escrever, por mais inteligente e esperto que ele seja. Os sintomas descritos podem estar ligados a um distúrbio conhecido como Síndrome de Irlen (SI), que dificulta a leitura e o aprendizado. Estima-se que entre 4% e 15% das crianças em idade escolar apresentam algum distúrbio de aprendizagem relacionado à visão. A Síndrome de Irlen especificamente ainda é de difícil de diagnóstico, por envolver questões neurológicas e não apenas de acuidade visual. Muitas vezes, não é o oftalmologista que vai identificar o distúrbio, mas um psicólogo, um pedagogo ou mesmo um professor. O Hospital de Olhos Dr. Ricardo Guimarães e a Fundação H.Olhos são os precursores e autoridades máximas em pesquisas, diagnósticos e tratamentos relacionados ao assunto aqui no Brasil. Para explicar sobre o assunto e esclarecer dúvidas, o dr. Ricardo Guimarães e a dra. Márcia Guimarães falarão

Promoções

Fique de olho nos sorteios da Canguru! Confira sempre em www. canguruonline.com.br e facebook.com/canguruonline. Nosso app para Android e iOS também terá promoções exclusivas em breve. Baixe em bit.ly/appCanguruiOS e bit.ly/appCanguruGoogle.

12

Canguru

. J U L H O 2 01 7

[1]

para os pais e mães leitores da Canguru. Ele é médico oftalmologista, com doutorado pela Faculdade de Medicina da UFMG, pós-graduado na França, Inglaterra e Estados Unidos, e diretor-presidente do Hospital de Olhos Dr. Ricardo Guimarães. Ela é médica oftalmologista, com doutorado em Qualidade de Visão e Visão de Cores pela UFMG e com experiência de pesquisas na NASA. A palestra será no dia 29 de julho, às 10h30, no anfiteatro do shopping Pátio Savassi. Como sempre, gratuita, mas com vagas limitadas. Garanta sua inscrição em www.canguruonline.com.br.

NA CBN Às terças e quintas, às 10h50, acompanhe ao vivo o boletim Canguru: criando filhos em BH. Todos os áudios estão disponíveis no portal canguruonline.com.br.

FOTOS: [1] DIVULGAÇÃO; [2] ARQUIVO PESSOAL

Médicos oftalmologistas Ricardo Guimarães e Márcia Guimarães são os palestrantes convidados do mês pela Canguru


Lançamento

[2]

Curso 'Vou ser pai' vira livro! O blogueiro da Canguru Fernando Dias é um administrador de empresas que criou o curso, sucesso de audiência, "Vou ser pai. E agora?!", voltado para o pai de primeira viagem. Já foram dezenas de palestras em empresas país afora, abordando os principais aspectos que envolvem a vida do pai e o relacionamento com a mulher, desde a gravidez até os primeiros meses de vida do bebê. Ainda assim, Fernando gosta mesmo é de ser chamado de pai da Duda, 5, e da Gabi, de 3 anos. No livro, Fernando fala sobre como um pai pode enfrentar o desafio masculino da troca das fraldas, o suporte aos filhos durante os intermináveis choros da madrugada,

o que fazer quando chegar estressado do trabalho, quanto custa um filho e a nova lei da licença-paternidade. “Sou um pai compartilhando experiências, e esta é minha visão. Não há certo ou errado”, afirma. A obra será publicada pela editora Scrittore, que também edita a Canguru, com recursos de financiamento coletivo. Além de garantir exemplares do livro Vou Ser Pai, os apoiadores da campanha podem ganhar recompensas como palestras de Fernando Dias e kits família com publicações da editora sobre educação infantil e entretenimento. A obra será lançada em agosto. Para colaborar com a campanha e garantir seu livro, acesse www.catarse.me/vouserpai.

Branca de Neve e outros clássicos do teatro infantil.

de 15/7 a 30/7

no Anfiteatro, piso L3.

Consulte a programação no site.

Segunda a sexta: 16h • Sábado e domingo:16h e 17h30

Vendas de ingressos no: www.sympla.com.br (a partir de 8/7) e na bilheteria do Pátio, piso L3, próximo ao Anfiteatro (15 a 30/7, das 15h às 17h).


EDIÇÃO Cristina

Diversão na papelaria

Um passeio pela papelaria é festa para qualquer criança. Que tal unir o útil ao agradável antes da volta às aulas? Confira a seleção de itens divertidos que a Canguru preparou.

ADESIVOS DE CARRINHOS R$

Moreno de Castro

ESTOJO DUPLO PATATI PATATÁ

10,90

Saraiva www.saraiva.com.br

R$

29,99

Lojas Americanas www.americanas.com.br

CANETA DE URSINHO R$

17,90

FOTOS: DIVULGAÇÃO

Imaginarium loja.imaginarium.com.br

MALETA DE PINTURA R$

42,90

Extra www.extra.com.br

BORRACHA COM VESTIDINHOS PARA TROCAR

MASSINHA

R$

R$

7,70

Kalunga www.kalunga.com.br

14

Canguru

. J U L H O 2 01 7

3,99

Staples www.staples.com.br

Preços pesquisados em junho de 2017. A Canguru não se responsabiliza pela alteração de preços ou pela falta de produtos. Imagens ilustrativas.


POR Cristina

Moreno de Castro

Eu joga nasci p ra r ch uteb ol!

JOÃO PEDRO, 5 anos, filho de Tatiane Braga e Sérgio Assis. MATIAS, 5 anos, filho de Luemara Cristina Machado de Piazza e Claudio Andrés Piazza, depois de abrir todos os presentes de aniversário que ganhou na festa feita na escola.

r de tudo O melho abraços foram os hei! que gan

Quando eu crescer, quero ser aposentada que nem a vovó!

Cerv e refrig ja é o eran te do a dulto !

FOTOS: ARQUIVO PESSOAL

CLARICE, 8 anos. BERNARDO, 5 anos. Os dois são filhos de Maria Luiza Vieira Pedrosa e Jonathan Bruno Fialho.

Até qu em é m uito tr é obrig iste ado a sorris dar um o qua ndo e scova os den tes.

YAN, 6 anos, filho de Christina Alves S. Bueno e Nívio Henriques Bueno.

Se seu filho também diz pérolas, envie a frase para o e-mail redacao@canguruonline.com.br.

J U L H O 2 01 7 .

Canguru

15


4moda

Com os pés quentinhos

[1]

Na última edição, demos dicas de peças para aquecer os pequenos neste inverno. Agora, é a vez de compor o look deixando os pés bem quentinhos. E a peça escolhida tem a cara do frio: a bota. A nossa modelo, Isadora Gualberto Santos, de 4 anos, foi escolhida por meio de um sorteio realizado em parceria com o Minas Fashion Kids, evento de moda que aconteceu nos dias 20 e 21 de maio, em Belo Horizonte. A sortuda concorreu com mais de 200 crianças que subiram na passarela no primeiro dia de evento. Ela desfilou usando look da loja Joli et Jolie (na foto). Neste clique, Isadora ainda calça um par de botas da loja Bibi. Não ficou a coisa mais linda? POR Rafaela

Matias MONTARIA R$ 229,90 Bibi www.bibi.com.br FRANJA R$ 119,90 Marisol www.marisol.com.br

ESPORTIVA R$ 79,90 Dafiti www.dafiti.com.br

BRILHO R$ 129,90 Molekinha www.molekinha.com.br

16

Canguru

. J U L H O 2 01 7

Preços pesquisados em junho de 2017. A Canguru não se responsabiliza pela alteração de preços ou pela falta de produtos. Imagens ilustrativas.

FOTOS: DIVULGAÇÃO; [1] GUSTAVO ANDRADE.

GALOCHA DE POÁ R$ 140 Pampili www.pampili.com.br


CANO ALTO R$ 199,90 Lilica Ripilica www.lilicaetigor.com

COUNTRY R$ 79,90 Clube do Sapato de Franca www.clubedosapatodefranca.com.br

JEANS R$ 49,90 Tricae www.tricae.com.br

GALOCHA DO BATMAN R$ 69,99 C&A www.cea.com.br

VELCRO R$ 99,90 Klin www.klin.com.br


POR Rafaela

Matias, Daniele Franco, Cristina Moreno de Castro e Sabrina Abreu

1.226

crianças e adolescentes FORAM ADOTADOS em todo o país por meio do Cadastro Nacional de Adoção.

[2]

A mais nova febre Guardando para o próximo filho

COM O PRIMOGÊNITO não tem jeito. É preciso comprar tudo, começar do zero. Provavelmente desembolsar uma quantia alta em dinheiro para montar o enxoval, mobiliar o quartinho, encher o guarda-roupa e comprar os brinquedos que vão ajudar o seu pequeno a se desenvolver. É claro que os chás de bebês e os presentes ajudam um pouco com a tarefa, mas é improvável que eles supram os maiores gastos, como o berço e o carrinho. A partir do segundo filho, contudo, a realidade pode ser um pouco mais econômica. Basta fazer um planejamento e identificar o que vale a pena ser guardado assim que o mais velho começar a crescer. Confira as dicas das personal organizers Drica de Castro, Fernanda Bento, Ana Amorim e Tatiana Melo para manter os itens impecáveis até a chegada do caçula:

» Guardar as peças de roupa limpas e passadas; » Colocar produto antimofo e, se quiser, sachê de cheirinho; » Manter em caixas ou sacos a vácuo*; » Limpar as peças de ano em ano para conservar. No caso das roupas, lavar, passar e deixar descansando por 24 horas;

»

Guardar roupas por no máximo cinco anos e móveis por no máximo dez. * Podem ser comprados em lojas de produtos de organização, por um preço médio de R$ 60 o pacote com cinco sacos. Outra opção é guardar em sacos comuns e extrair o ar com aspirador de pó.

18

Canguru

. J U L H O 2 01 7

Depois de Pokémon GO e tênis de rodinha, a febre da vez é o fidget spinner. Trata-se de um brinquedo pequeno, que cabe na palma da mão e não precisa de pilha nem de bateria. Depois de virar moda nos Estados Unidos e na Europa, ele agora é o mais desejado entre as crianças brasileiras e pode ser encontrado a partir de R$ 12*. A graça do brinquedo é passar para as mãos dos amigos sem deixar que ele pare de rodar ou caia no chão. Tem até adulto usando o acessório como objeto antiestresse. No YouTube, é possível encontrar vários vídeos – alguns com mais de 20 milhões de visualizações! – mostrando “truques” com o spinner, assim como sempre aconteceu [3]

com os ioiôs. Já criaram até aplicativos grátis, para Android e iOS, simulando o brinquedo. Fique ligado porque, se seu filho ainda não te perguntou pela novidade, logo, logo ele fará isso! Mas, atenção: o Inmetro não recomenda o spinner para crianças menores de 6 anos. *Preço consultado pela Canguru em junho.

FOTOS: [1][2][3] PIXABAY

[1]


eu já fui

criança

FOTOS: REPRODUÇÃO / INSTAGRAM.

Ronaldo Fraga AOS 50 ANOS, Ronaldo Fraga é um dos estilistas mais famosos do Brasil, com trabalhos expostos em países como Japão, Inglaterra e México. É também o mais surpreendente designer da moda nacional. Foi dele a ideia de misturar crianças e idosos na passarela da São Paulo Fashion Week, em 2009, de pintar a pele das modelos de vermelho, em 2014, e de optar por um cast 100% transgênero, no ano passado. Nascido em Belo Horizonte e criado no bairro Sagrada Família junto aos quatro irmãos, Ronaldo tem uma carreira criativa com grande influência dos pais, com quem conviveu tão pouco. Aos 6 anos, perdeu a mãe, Luzia, e, aos 11, ficou também órfão de pai. Mesmo assim, os casos que José Fraga gostava de contar ao voltar das pescarias no Rio São Francisco e as músicas brasileiras que Luzia amava cantar marcaram para sempre a mente do garoto. Ele encontrou a paixão pelo desenho em meio a uma infância de privação econômica. E foi a junção desses dois fatores que o levou, já adolescente, a fazer o primeiro curso de desenho de moda, no Senai. “Fiz porque amava desenhar e porque era de graça, não ligava para as roupas”, conta. Do encontro ao acaso com a profissão seguiu-se uma formação que passou pela graduação na UFMG e pela especialização na Parson’s School, de Nova York, e na Saint Martin, de Londres. Como criador, Ronaldo ficou famoso por se dedicar à cultura e à história brasileiras, que se fundem, em muitos momentos, aos sons e aos casos que ouvia na infância passada em BH.


EDIÇÃO Camila

Capone

O QUE ESTÁ ROLANDO DE ÚTIL, DIVERTIDO OU CURIOSO NA WEB E NAS REDES SOCIAIS

Ah, nãããão! Chás de revelação são sempre uma surpresa boa! Bem, nem sempre. Veja essas reações hilárias quando os pequenos descobrem o sexo do bebê. Use nosso QR Code Canguru ou acesse pelo link bit.ly/ahnaaaao. [1]

Amor incondicional Decidir o nome do bebê é sempre uma tarefa difícil para o casal. E quando, depois de tantas listas, achamos aquele que mexe conosco... Ah, é só felicidade. Foi assim com Clare e seu marido quando decidiram pelo nome da pequena Lanesra, sugestão do papai. Mas o que a mamãe não esperava é que o nome exótico e único escondia o amor dele por seu time de futebol. Se essa moda pega... Aposto que vai ter muita mamãe lendo o nome dos pequenos de trás para frente só para garantir (risos)!

[2]

[3]

Um jornalista, em uma coletiva do time de basquete lituânio BC Žalgiris, questionou a ausência de um dos jogadores da equipe na semifinal do campeonato, alegando que ele estava desfalcando o grupo para acompanhar o nascimento do filho. Veja a resposta do treinador, que dá uma lição (e tanto) de vida. Afinal, ser pai é o céu! Assista usando nosso QR Code Canguru ou pelo link bit.ly/ serpaieoceu.

20

Canguru

. J U L H O 2 01 7

IMAGENS: [1] REPRODUÇÃO / FACEBOOK: REDBOOK; [2] REPRODUÇÃO / FACEBOOK; [3] REPRODUÇÃO/ INSPIRINGLIF.PT

Ser pai é o céu


POR Rafaela

Matias

Para ver melhor

ÓCULOS DE GRAU não são baratos. Por isso, uma ação realizada pelas Óticas Carol pode salvar a visão – e o aprendizado – de muitos pequenos. No projeto Pequenos Olhares, os óculos são vendidos por 10x de R$ 4,90. O total, R$ 49, fica quatro vezes mais barato que o custo médio de um óculos infantil. Para adquirir os óculos, as crianças precisam ter entre 4 e 11 anos, estudar em escola pública e comprovar a matrícula com um dos seguintes documentos: declaração de matrícula do ano, declaração de frequência com carimbo da escola ou RG escolar com foto e carimbo do ano atual. É necessário ainda levar receita médica para que os óculos sejam feitos, pois nas lojas não são realizados exames. São seis opções de cores, e a criança pode escolher aquela que mais combina com o seu estilo. Veja em www.canguruonline.com.br os endereços da ótica que fazem parte do projeto em Beagá.

s a i r é F as

divertid

IMAGENS: DIVULGAÇÃO

Uma onda azul Lalá, filhinha mais velha de um casal, conta um pouco da rotina do caçula, Bê, um menininho diagnosticado com autismo. É a partir desse ponto de vista delicado de uma criança que o livro A Onda Azul pretende ajudar outras famílias, educadores e profissionais da saúde a detectarem mais precocemente e conviverem melhor com o Transtorno do Espectro Autista (TEA). A obra foi escrita por Marismar Borém junto com Maira Alves e Adriano Machado, pais da Lalá e do Bê reais, e viabilizada por financiamento coletivo. O lançamento será no dia 8 de julho, às 9h, na rua Padre Rolim, 100, Funcionários. Quem compra um garante a doação de outro exemplar, no modelo de responsabilidade social Compre1Doe1 (OneForOne).

18 PISTAS AUTOMÁTICAS

FLIPERAMAS

Almoço, porções e pizzas Shopping Del Rey - 2º Piso

Av Presidente Carlos Luz, 3001, loja 2000 - Caiçara CEP: 31250-010 | Belo Horizonte - MG (31) 3415-7535 www.bolichedelrey.com.br


4Diversão

Hora de

Brincar Dez lugares em Belo Horizonte para animar as férias de julho da garotada POR Daniele

Franco

AS FÉRIAS DE JULHO sempre chegam trazendo uma pulguinha atrás da orelha dos pais: como divertir as crianças se os adultos não estarão de folga? Mas acalme-se! Esta é uma reportagem cheia de boas notícias. A Canguru preparou um roteiro completinho, com inúmeras atrações espalhadas em dez lugares para que seu pequeno tenha uma programação de férias espetacular mesmo sem sair da cidade. Confira!

Exposições BH Shopping Rodovia BR–356, 3.049 – Belvedere

EXPOSIÇÃO DRAGÕES Dias: 1º a 30 de julho Horário: segunda a sábado, das 10h às 22h, e domingos, das 14h às 20h.

CCBB – Centro Cultural Banco do Brasil Praça da Liberdade, 450 – Funcionários

O CORPO É A CASA A partir do dia 19 de julho, o Centro Cultural Banco do Brasil, na Praça da Liberdade, inaugura sua nova exposição, O Corpo É a Casa. Com um trabalho interativo e obras divertidas, o artista plástico austríaco Erwin Wurm discute o corpo humano de uma perspectiva mais do que física, abordando as camadas psicológicas e espirituais. Para a criançada tem visitas mediadas, visitas teatralizadas com personagens históricos, espaço sensorial, ação de artes visuais, jogos e o Em Cantos e Contos, com sessões de contação de histórias da terra natal do artista, a Áustria. Além da exposição principal, peças de teatro também estarão em cartaz a partir do dia 21 de julho. Horários de visitação da exposição: de quarta a segunda, das 9h às 21h. Confira os horários específicos das atividade e das peças no site canguruonline.com.br.

22

Canguru

. J U L H O 2 01 7

[2]


4

Espaço do Conhecimento UFMG Praça da Liberdade, s/nº – Funcionários Seus pequenos curtem o céu? Ou você quer apresentá-los às belezas do universo? A programação do Espaço do Conhecimento UFMG é perfeita para aprender um pouco mais e se divertir observando o espaço e as estrelas, e as sessões no Planetário acontecem de 8 a 31 de julho.

Confira no site da Canguru todos os detalhes sobre estes programas e muitas outras sugestões de atividades para as férias de julho atualizadas diariamente! www.canguruonline.com.br.

ASTRONOMIA INDÍGENA COM LIBRAS

Dias: terças e quintas Horário: 14h Classificação: livre ABC DAS ESTRELAS

[1]

Dias: terças e sextas Horário: 11h Classificação: livre Recomendação: a partir de 6 anos

Oficinas

O SEGREDO DO FOGUETE DE

SESC Palladium

Dias: quartas e sábados Horário: 11h Classificação: livre Recomendação: a partir de 4 anos. Sessão tem linguagem simples e narrativa lúdica

Rua Rio de Janeiro, 1.067 – Centro

1, 2, 3 E JÁ! LER E BRINCAR Dia: 15 de julho Horário: das 10h às 16h Local: foyer Augusto de Lima Entrada gratuita

PAPELÃO

ERA UMA VEZ NO CÉU

Dias: quintas e domingos Horário: 11h Classificação: livre

OFICINA BRINCANDO DE BONECOS Dia: 19 de julho Horário: 19h Local: foyers e área externa Entrada gratuita

ATELIÊ LIVRE: CRIAÇÃO DE OBJETOS PARA

FOTOS: [1], [2] DIVULGAÇÃO

FAMÍLIAS Dia: 21 de julho Horários: Turma 1 – das 10h às 12h | Turma 2 – das 13h às 15h | Turma 3 – das 16h às 18h Inscrições pelo site bit.ly/inscricaopalladium até 11/07; as turmas serão selecionadas por ordem de inscrição. Local: foyers e área externa Entrada gratuita *Informações consultadas pela reportagem em junho. A Canguru não se responsabiliza por alterações feitas pelos organizadores.

DiamondMall Av. Olegário Maciel, 1.600 – Lourdes

OFICINA INVENTANDO MODA Dias: 18 a 30 de julho Horário: das 14h às 19h, com duração de uma hora. Classificação: 4 a 12 anos Os interessados devem inscrever-se no Concierge, no Piso L3. Para participar, cada criança deve levar uma camiseta para doação. 4 J U L H O 2 01 7 .

Canguru

23


[3]

Casa Fiat de Cultura Praça da Liberdade, 10 – Funcionários

ATELIÊ DE FÉRIAS ORIGAMI, KIRIGAMI E DOBRADURAS: ARQUITETURA DE PAPEL Como o próprio nome já diz, a criançada vai poder se divertir aprendendo a milenar técnica japonesa de dobraduras e construindo uma cidade imaginária onde quase tudo é possível. Dias: 19 a 30 de julho Horários: das 10h às 12h – crianças de até 12 anos e das 14h às 18h – a partir de 12 anos São 15 vagas por horário, e a atividade é gratuita.

Colônias de Férias Todo mundo sabe que Beagá é repleta de opções de colônias de férias, e a Canguru traz três opções para os papais e as mamães que já quiserem inscrever seus pequenos. Mas há mais sugestões de colônias em nosso site, viu?

Museu dos Brinquedos Av. Afonso Pena, 2.564 – Funcionários Colônia de Férias Dias: 17 a 22 de julho e 24 a 28 de julho Horário: das 13h às 17h30 Entrada: R$ 65 – a criança deve levar lanche Ateliê de Arte | Brinquedos tradicionais | Brinquedoteca Dias: 17 a 31 de julho (segunda a sábado) Horário: das 10h às 16h Entrada: R$ 24 (inteira) e R$ 12 (meia)

Unique Rua José Rodrigues Pereira, 487 – Estoril Entre as atividades propostas pela colônia da Unique estão aulas de circo, resgate de brincadeiras, oficinas de artes, musica­lização, culinária, robótica e muito mais. Dias: 17 a 28 de julho Horário: das 7h30 às 19h Classificação: 1 a 11 anos Valores: a partir de R$ 40 Inscrições pelo site www.uniqueburitis.com.br ou pelo telefone 3378-3605

24

Canguru

. J U L H O 2 01 7

[4]

Clube do Pônei

Av. Antônio Francisco Lisboa, 481 – Bandeirantes É possível levar as crianças para um passeio gratuito no local, que tem um parquinho, e elas podem ver os cavalinhos e assistir às aulas. Também dá para marcar uma aula experimental gra­tuita pelo site www.clubedoponei.com.br. A mensalidade das aulas regulares, para crianças de 18 meses ou mais, custa a partir de R$ 240. Além disso, haverá uma colônia de férias para crianças de 5 a 12 anos, com brincadeiras, gincanas e atividades com pôneis. Será entre os dias 10 e 28 de julho, nos seguintes períodos: manhã (8h30 a 12h30), tarde (13h30 a 17h30) e integral, a partir de R$ 150 o turno. Mais informações: 98422-8900 (Guto) e 99293-9474 (Camila). [5]


Teatro

SESC Palladium Rua Rio de Janeiro, 1.067 – Centro

O QUE VOCÊ VAI SER QUANDO CRESCER?

FOTOS: [3] CLARITA GONZAGA; [4][5] GUSTAVO ANDRADE; [6] VAL WANDER; [7] DIVULGAÇÃO; [8] GUTO MUNIZ;

Dia: 18 de julho Horário: 15h Local: Grande Teatro Entrada gratuita

O GOL NÃO VALEU – ESPETÁCULO ACESSÍVEL EM LIBRAS Dia: 20 de julho Horário: 15h Local: Grande Teatro Entrada gratuita

NAQUELE BAIRRO ENCANTADO – EPISÓDIO I: ESTRANHOS VISITANTES Dia: 20 de julho Horário: 16h Local: foyers e área externa Entrada gratuita

NAQUELE BAIRRO ENCANTADO – EPISÓDIO II: ENSAIO PARA UMA SERENATA Dia: 21 de julho Horário: 19h Local: foyers e área externa Entrada gratuita

MENINO AZUL Dia: 21 de julho Horários: 10h e 16h Local: foyer Augusto de Lima Entrada gratuita

Pátio Savassi Av. do Contorno, 6.061 – Savassi As peças em cartaz no mês de julho são todas de contos de fadas clássicos, com personagens que encantam as crianças há várias gerações. Os ingressos de qualquer peça custam R$ 22 (R$ 11 meia) e podem ser comprados na bi­lheteria do anfiteatro.

RAPUNZEL Dia: 15/07 Horários: 16h e 17h30

A BELA E A FERA Dia: 16 de julho Horários: 16h e 17h30

A BELA ADORMECIDA Dias: 17 e 24 de julho Horário: 16h

[6]

ALADIM Dias: 20 e 27 de julho Horário: 16h

MÁGICO DE OZ Dias: 21 e 28 de julho Horário: 16h

O PEQUENO PRÍNCIPE Dia: 22 de julho Horários: 16h e 17h30

BRANCA DE NEVE Dia: 23 de julho Horários: 16h e 17h30

RAINHA DA NEVE

SOLDADINHO DE CHUMBO

Dias: 18 e 25 de julho Horário: 16h

Dia: 29 de julho Horários: 16h e 17h30

PETER PAN

CINDERELA

Dias: 19 e 26 de julho Horário: 16h

Dia: 30 de julho Horários: 16h e 17h30 

[7]

[8]

J U L H O 2 01 7 .

Canguru

25


[1]

4Entretenimento

Há dez anos à frente do Grandes Pequeninos, Jair Oliveira e Tania Khalill falam do amor por esse trabalho feito junto com as filhas e dos planos para 2018 POR Verônica

Fraidenraich

IMAGINE ALGO QUE é longe, mas é perto, exige conexão com a internet e o uso da imaginação e interessa a adultos e crianças. É mais ou menos assim que a atriz Tania Khalill, 39 anos, e o compositor Jair Oliveira, 42 anos, descrevem o Grandes Pequeninos, um projeto multiplataforma que trata do cotidiano de uma família com filhos e já rendeu dois CDs, livro, site, canal no YouTube, um programa de gastronomia na TV fechada e um espetáculo musical. Em 2017, o trabalho completa dez anos desde que começou a ser elaborado, quando nasceu a primeira filha do casal, Isabela, hoje com 9 anos, inspirando o pai a compor músicas sobre o universo dos bebês. O CD, que também virou livro, foi lançado em 2009. Dois anos depois, a chegada da segunda filha, Laura, hoje com 6 anos, motivou ainda mais o casal a trabalhar conteúdos

26

Canguru

. J U L H O 2 01 7

relacionados à criação de filhos. O segundo CD do projeto, de 2015, aborda temas como diversidade, amizade e relação com os irmãos. “As crianças são pequeninas, mas grandes na alma, nos ensinamentos, na capacidade de compaixão e aceitação do outro. Ao amadurecer, às vezes, a gente perde essa pureza e essa forma de ampliar o amor. O projeto fala de continuar crescendo até o fim dos dias com essa alminha de criança. Senão, a vida perde a graça”, diz Tania. O marido, Jair, complementa: “A chegada de um filho acaba transformando a vida toda, não só em relação à família e à vida pessoal, mas também à profissional”. No canal de vídeos on-line, que conta com quase 45 mil inscritos e 14 milhões de visualizações, Jair e Tania têm dois quadros fixos. O Grandes Pequeninos Babies é uma série de vídeos curtos animados, com novos episódios toda primeira terça-feira do mês. Já o Canta e Conta vai ao ar toda quinta-feira, às 20h, ao vivo, com entrevistas com especialistas para falar de saúde, educação e outros temas de interesse dos pais. Na televisão, no canal Discovery Kids, as filhas Isabela e Laura comandam o Grandes Pequeninos Chefs, em que preparam receitas com a ajuda de um chef convidado e dão para os pais experimentar. O programa está na fase de reprise, sendo exibido em horários alternativos, mas

FOTOS: [1] DIVULGAÇÃO; [2] ERICA VERGINELLI

Um projeto em família


Parceria: Jair Oliveira e Tania Khlill tocam vários projetos em dupla e com as filhas, Isabela e Laura

deve ganhar novos episódios – ainda sem data para irem ao ar. “A gente está se organizando para gravar a segunda temporada do programa ainda neste ano”, revela a mãe das meninas, que por ora optou por se dedicar apenas ao projeto. Para 2018, a família planeja passar um tempo em Nova York para estudar e, lá mesmo, fazer conteúdos para o canal no YouTube. Antes disso, porém, a trupe pretende tirar alguns dias de férias, aproveitando para festejar os 40 anos da atriz e os 10 anos de Isabela, ambos comemorados em julho. Bom descanso!  [2]

Entrevista com Jair Oliveira O cantor e compositor Jair Oliveira estreou como músico nos anos 1980, quando era conhecido como Jairzinho, do grupo Balão Mágico. Hoje, ele atua em várias frentes, sendo o projeto Grandes Pequeninos apenas uma delas. A seguir, ele fala da carreira, da família e da importância de seu pai, o cantor Jair Rodrigues, falecido em 2014, na vida das filhas. Canguru – O Grandes Pequeninos rendeu uma série de produtos. A família é a maior inspiração desse projeto? Jair Oliveira - Sem dúvida. O projeto vem do amor que a gente tem por nossas filhas. Quando Isabela nasceu, e, depois, a Laura, a gente sentiu o que é o amor de pai e mãe, e isso transformou a nossa vida familiar, pessoal e profissional. Vocês têm patrocínio para a produção de conteúdo on-line? Boa parte do conteúdo foi viabilizado com parcerias, mas estamos atrás de patrocínio. Internet é complicado, demanda tempo e dinheiro. Não somos como os youtubers, que se dedicam 100% a essa função. Além das gravações, eu tenho uma produtora e minha carreira como músico, e Tania tem a dela como atriz. Além do Grandes Pequeninos, em que outros projetos você está envolvido? Tenho a produtora S de Samba, em que faço produção musical e muita publicidade – nosso principal negócio. Tenho também projetos como o NoisenaLive, com os músicos Pedro Mariano e Daniel Carlomagno, além de meus shows solo ou com minha irmã, Luciana Mello, com Simoninha e Léo Maia. Como era a relação do avô, Jair Rodrigues, com as netas? Meu pai as adorava. Até hoje elas sentem muito a presença dele, com as histórias e os discos que ele deixou. Laurinha tem uma ligação com ele muito especial, vira e mexe fala dele, é bem bonito. E os outros avós têm uma relação próxima também? Sim, os pais da Tania sempre nos visitam, e minha mãe mora perto, em Cotia (SP). Ela tem um restaurante que serve feijoada, o Casa Cor, prato que as meninas adoram, e vamos sempre lá.


4Nutrição

Desvendando os rótulos POR Juliana

Sodré

E

ntender o rótulo de um alimento pode ser uma verdadeira missão. Mas ele não está lá à toa. As informações nutricionais são exigidas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa, para ajudar os consumidores a fazer escolhas mais adequadas daquilo que

pretendem consumir. Mas nem sempre as informações são claras ou de fácil entendimento. Por isso, a reportagem de Canguru foi atrás desses esclarecimentos. A diretora da Associação Brasileira de Nutrição (Asbran), Daniela Cierro, nos ajudou a desvendar esses segredos.

O VALOR ENERGÉTICO, por exemplo, é a energia produzida pelo corpo proveniente de carboidratos, proteínas e gorduras totais. Nos rótulos, esse valor é expresso em forma de quilocalorias (kcal) ou quilojoules (kj) – 1 kcal equivale a 4,2 kj – e é informado segundo uma dieta diária de 2.000 kcal. Mas esse valor varia de indivíduo para indivíduo (crianças, adolescentes ou doentes específicos têm necessidades diferentes, por exemplo), e os cálculos não são voltados para esse público.

Os CARBOIDRATOS são alimentos cuja principal função é fornecer a energia para todas as células do corpo, principalmente as do cérebro. São encontrados em maior quantidade em massas, arroz, açúcar, mel, pães, farinhas, tubérculos (como batata e mandioca) e doces em geral. São considerados vilões, muitas vezes, porque o excesso de consumo deles é armazenado em forma de gordura.

As PROTEÍNAS são componentes necessários para a construção e a manutenção dos nossos órgãos, tecidos e células e são encontradas em carnes, ovos, leites e derivados, além das leguminosas, como feijão, soja e ervilha. Assim, os que não comem carne conseguem se abastecer de proteína de outras formas. Um alimento rico em proteína é aquele que possui mais de 10 g do nutriente por 100 g de produto.

As GORDURAS TOTAIS referem-se à soma de todos os tipos de gorduras encontradas em um alimento, tanto de origem animal quanto vegetal. São as principais fontes de energia do corpo e ajudam na absorção de algumas vitaminas.

28

Canguru

. J U L H O 2 01 7


Já as GORDURAS SATURADAS são as gorduras presentes em alimentos de origem animal. Assim como os outros itens, não devem ser consumidas em excesso, mas eliminá-las completamente não é a melhor solução, uma vez que algumas vitaminas vêm dessas gorduras.

As temidas GORDURAS TRANS são aquelas produzidas pelas indústrias. Seu consumo deve ser reduzido, já que nosso organismo não precisa delas. Aqui está o maior desafio para os pais, pois estão exatamente nos alimentos que as crianças mais gostam: biscoitos, sorvetes, snacks, produtos de panificação, alimentos fritos e lanches salgados. “Quando uma embalagem diz que o produto não possui gordura trans, deve-se ficar atento, pois pode conter outra gordura que faz tanto mal em excesso quanto aquela”, alerta Daniela.

A FIBRA ALIMENTAR está presente nos alimentos de origem vegetal, como cereais, frutas, hortaliças, legumes e alimentos integrais. Contribuem para o bom funcionamento do intestino em geral e para diminuir as placas de gorduras no sangue.

O SÓDIO está presente no sal de cozinha e em alimentos industrializados e deve ser consumido com moderação, pois, em excesso, contribui com a elevação da pressão arterial. “O alto consumo de produtos industrializados fez com que tivéssemos uma geração de adolescentes mais hipertensos”, diz Daniela.

Diet, light ou zero? DIET: alimento sem açúcar e/ou proteína e/ou gorduras. Normalmente é indicado para quem tem doenças metabólicas, como diabetes. “Alimentos diet podem ter valor calórico maior que aqueles que contêm açúcar e nem sempre são úteis para a perda de peso. O alimento diet isento de açúcar pode ser ao mesmo tempo rico em gorduras”, diz Daniela.

ILUSTRAÇÃO: FREEPIK

LIGHT: tem quantidade de calorias (ou açúcares ou gorduras ou sódio ou outro nutriente) reduzidas em pelo menos 25% em relação ao produto original. Nem todo alimento light é próprio para perda de peso, e a redução calórica em certos alimentos é muito pequena.

ZERO: promete isenção total de algum nutriente ou ingrediente, como sódio, açúcar ou gordura. A expressão “zero”, de acordo com Daniela Cierro, surgiu de forma mais comercial que o “diet”, pois este remetia mais a doenças. “No caso de ‘zero lactose’ e ‘zero glúten’, são indicações para aqueles que não podem consumir determinada substância. Nada tem a ver com dietas menos calóricas ou mais saudáveis”, diz Daniela. 4 J U L H O 2 01 7 .

Canguru

29


Além da tabela nutricional, os rótulos trazem também a lista de ingredientes, o prazo de validade, o conteúdo líquido, a origem e o lote do produto. Como o próprio nome já indica, na lista de ingredientes virá a informação dos produtos que compõem o alimento, mas o que quase ninguém sabe é que eles estão na ordem decrescente em relação à quantidade, ou seja, o primeiro ingrediente listado é o que existe em maior quantidade no produto, e o último, em menor. O lote é um número que faz parte do controle de produção. Em caso de algum problema, o produto pode ser recolhido e analisado pelo lote a que pertence. Fica mais fácil também encontrar onde eles estão. Alimentos com data de validade vencida podem causar distúrbios alimentares e mal-estar. Se mesmo após vencidos não apresentam aspecto diferente, é porque provavelmente contêm alto índice de conservantes. Além dessas informações, que normalmente ficam no verso da embalagem, os produtos também trazem alertas às pessoas que possuem restrições alimentares por alergia ou por doença. É o caso dos alertas de glúten e lactose, por exemplo, ou da presença de gordura e açúcar. Traduzidos os termos utilizados nas embalagens, ainda restam nomes como espessantes, goma jataí, carboximeticelulose sódica, emulsificante e outros que encontramos na lista de ingredientes. Quanto a esses termos, a nutricionista e diretora da Associação Brasileira de Nutrição explica que eles são obrigados a estar ali mesmo que as pessoas não entendam do que se trata. “Ao identificar esses ‘palavrões’ nos produtos, tendo três ou mais, oriento que a pessoa faça uma segunda escolha ou crie alternativas de consumo, como valorizar os produtos feitos em casa”, sugere. Para exemplificar, é muito mais saudável para a criança consumir um “picolé” feito em casa de leite batido com fruta do que um industrializado. Pensamento igual tem a gastrônoma especialista em alimentação infantil Luiza Fiorini: “É preciso diminuir o acesso de nossos filhos aos industrializados, e, para fazer isso, é necessário informar e educar a criança. Ensinar a ela sobre todos as atratividades das embalagens de alimentos que nem sempre são os mais saudáveis”, diz. As duas recomendam a valorização da comida caseira e o consumo reduzido de industrializados.

30

Canguru

. J U L H O 2 01 7

Valores de referência PORÇÃO: é a quantidade média de alimento que deve ser usualmente consumida por pessoas sadias por refeição. %VD (PERCENTUAL DE VALORES DIÁRIOS): é um número em percentual que indica o quanto o produto em questão apresenta de energia e nutrientes em relação a uma dieta média de 2.000 kcal ou 8.400 kj. Entretanto, os valores diários podem ser maiores ou menores dependendo da necessidade energética de cada um. Os valores médios de referência são: VALOR ENERGÉTICO – 2.000 kcal / 8.400 kJ CARBOIDRATOS - 300 g PROTEÍNAS – 75 g GORDURAS TOTAIS – 55 g GORDURAS SATURADAS – 22 g FIBRA ALIMENTAR – 25 g SÓDIO – 2.400 mg Não há valor diário para as GORDURAS TRANS. É obrigatória a apresentação da medida caseira no rótulo, ou seja, aquela que informa quantas fatias, unidades, xícaras ou colheres, por exemplo, equivalem à porção.  Fonte: Ministério da Saúde / Anvisa

FOTO: FREEPIK

Ingredientes e validade


AD UNIMED TAUÁ GRANDE HOTEL TERMAS DE ARAXÁ UM GRANDE CENÁRIO. NOVAS HISTÓRIAS.

EM JULHO, O RESORT MAIS INCRÍVEL DO BRASIL TE ESPERA COM A MELHOR PROGRAMAÇÃO. GARANTA SEU PACOTE COM PROMOÇÕES ESPECIAIS.

CRIANÇA FREE ATÉ 8 ANOS

| www.taua.com.br | (31) 3236 1900 - (34) 3669 7020 | Consulte seu agente de viagens Promoções não cumulativas, sujeitas à alteração.


4capa

EM DOSE

DUPLA Além de fofos, os irmãos gêmeos carregam uma série de curiosidades; conheça algumas POR Juliana

Sodré e Rafaela Matias Ackermann e Sabrina Abreu

COLABORARAM Luciana

'Rainbow babies': Vitória e Laura, de São Paulo, vieram para iluminar a família após um evento trágico

32

Canguru

. J U L H O 2 01 7


RECEBER A NOTÍCIA de que existe um bebê a caminho já é maravilhoso. Imagine só a emoção dos papais e das mamães que descobrem que haverá não um, mas dois deles (ou três, quatro, cinco...). Passada a alegria inicial, é provável que surja uma avalanche de questionamentos sobre o que virá pela frente. Ainda há muitas incertezas e especulações sobre os gêmeos. Será que um sente o que o outro sente? As digitais são iguais? Eles podem desenvolver linguagens secretas? Fomos atrás de especialistas para ajudar a esclarecer essas e outras dúvidas. Ouvimos a neuropediatra Cláudia Machado, do Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina da UFMG; a fonoaudióloga da Unicamp Naraí Lopez Barbetta, que teve o desenvolvimento gemelar como objeto de estudo no mestrado e no doutorado; a psicóloga Edna Lúcia Tinoco Ponciano, especializada em família e professora do Instituto de Psicologia da UERJ; o médico Ricardo Halpern, membro do Departamento Científico e de Desenvolvimento e Comportamento da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), o médico Salmo Raskin, secretário do Departamento Científico de Genética da SBP; e a médica Cláudia Ramos, professora do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina da UFMG. Afinal, entender uma criança já não é fácil, que dirá duas. Os papais e as mamães que recebem a missão em dose dupla merecem uma forcinha, não é mesmo?

AINDA NO ÚTERO

FOTO: MOACYR LOPES JUNIOR / MALAGUETA

Eles não são passivos lá dentro. Existem provas de interação dos gêmeos já no útero e eles são conscientes da existência um do outro. “Algumas gravações feitas dentro do útero mostram gêmeos tocando-se, e parece haver evidência de que existe uma diferença na forma de um tocar o outro e na forma com que cada um toca as partes do próprio corpo”, afirma Cláudia Ramos.

DONS INDIVIDUAIS É possível que um dos gêmeos tenha uma voz celestial e o outro, digamos, não cante tão bem assim? Sim. Os talentos são individuais e dependem de fatores que extrapolam a genética. Dom, interesse, gosto, aptidão. Tudo isso está em jogo quando se trata

de talento. Por isso, não se assuste se irmãos gêmeos desenvolverem talentos diferentes, pois é normal se, por exemplo, um quiser ser cantor e o outro mostrar mais interesse para a engenharia química – ou se um for um atleta notável e o outro preferir desenhar. Eles são únicos. E os seus dons também serão. Por outro lado, pode ser que as suas preferências sejam parecidas por causa da convivência muito próxima. “A gente não sabe se as preferências são fruto do meio ou da personalidade, ou as duas coisas”, diz Naraí Barbetta.

TUDO AO CONTRÁRIO Um quarto dos gêmeos idênticos (univitelinos) é de “espelhados”. Isso significa que eles são reflexos exatos um do outro, com traços invertidos. Um pode ser destro, e o outro, canhoto. Os dois podem ter sinais de nascimento iguais, como uma manchinha, mas em lados opostos do corpo. O mesmo vale para redemoinhos de cabelo, que podem ficar no mesmo lugar, mas voltados para direções contrárias.

PARECIDOS, MAS NÃO IGUAIS No caso dos gêmeos univitelinos, como eles têm DNA e traços idênticos, algumas pessoas imaginam que as impressões digitais deles também possam ser iguais. Mas não são. Eles até têm as digitais iguais a princípio, mas, logo que começam a se movimentar dentro do útero, encostando na bolsa amniótica, no cordão e em outras superfícies, as estrias nas mãos vão tomando formas únicas. E é por isso que muitos peritos policiais consideram o método de identificação pelas digitais mais preciso até do que o exame de DNA. Mesmo gêmeos idênticos podem sofrer mutação genética específica em um tecido, como a pele. Especificamente naquele tecido pode haver diferenças genéticas, resultando, por exemplo, na formação de manchas de nascença em apenas um deles.

LINGUAGEM SECRETA Cerca de 40% dos gêmeos inventam uma linguagem própria. Isso acontece quando, enquanto bebês, eles usam um ao outro como modelo no desenvolvimento da linguagem e passam a brincar e se comunicar 

J U L H O 2 01 7 .

Canguru

33


CADA UM É CADA UM Vesti-los de forma igual, cortar o cabelo do mesmo jeito, colocar nomes muito parecidos. Isso tudo pode até ser fofo, já que reforça a semelhança física existente, mas pode ser prejudicial na formação da personalidade. É importante que os gêmeos (e seus pais) entendam que eles são seres independentes, com seus próprios gostos, sonhos, desejos, vontades e medos. Para Edna Lúcia Tinoco Ponciano, é preciso que os pais reconheçam as peculiaridades dos filhos para ajudá-los no desenvolvimento da autonomia. Nesse aspecto, é essencial ter tempo para conversar e ouvir as crianças, dando espaço para elas manifestarem os seus gostos e preferências. “Não se trata de proibir as roupas iguais, mas é melhor não naturalizar isso como se não houvesse diferença entre eles. Pode ser que um queira usar bermuda, e o outro, calça. Não é porque [1]

eles possuem semelhança física que, necessariamente, também possuam semelhança de gostos e opiniões”.

CONEXÃO QUE TRANSCENDE Os relatos de familiares de gêmeos e também de estudiosos sobre o assunto mostram que a conexão entre esse tipo de irmãos chama atenção. Alguns acreditam até que um seja capaz de sentir o que o outro sente, mesmo estando distantes. Para a médica Cláudia Ramos, a crença tem fundamento. "Não acredito que seja mito. O fato de serem gerados ao mesmo tempo, de conviverem estreitamente e de se desenvolverem juntos leva a um envolvimento transcendente, e existem relatos de vários casos que nos levam a crer que, sim, um sente o que o outro sente." A neuropediatra Cláudia Machado faz uma ressalva: "Pessoas com grande afinidade e percepção do outro podem pressentir algumas situações, independente de serem gemelares ou não".

BRIGAS SÃO NORMAIS, MAS ATENÇÃO Embora as produções cinematográficas explorem um ambiente de rivalidade entre os gêmeos, o médico Ricardo Halpern garante que a rivalidade é a mesma que existe entre outros tipos de irmãos. “Assim como as brigas, os laços afetivos não são diferentes do que qualquer dupla de irmãos, mas o fato de que compartilham as datas, o colégio e a mesma série, por exemplo, pode deixá-los mais intensos positiva ou negativamente”. Se a competição estiver muito grande, cabe aos pais intervir, dando espaço para que eles tenham momentos separados. Uma boa opção é colocar em salas ou colégios diferentes.

SE UM ADOECER, O OUTRO VAI TAMBÉM? Segundo o médico Salmo Raskin, a resposta é não. Eles podem até compartilhar a mesma predisposição para determinadas patologias que tenham forte componente genético, mas, quanto maior a influência do ambiente na doença, menor a chance de ambos estarem predispostos a desenvolvê-la juntos. Além disso, mesmo tendo a mesma doença genética, dificilmente vão desenvolver os sintomas ao mesmo tempo.

34

Canguru

. J U L H O 2 01 7

Mesma numeração: Paula e Júlia, de Beagá, compartilham as mesmas roupas e sapatos

FOTOS: [1] GUSTAVO ANDRADE; [2] RICARDO BORGES; [3] REPRODUÇÃO / PINTEREST; [4] REPRODUÇÃO / FACEBOOK; [5] DIVULGAÇÃO

utilizando sons e silabações próprias. Embora seja mais comum entre gêmeos, esse fenômeno pode ocorrer em bebês que tenham um convívio intenso um com o outro e um ritmo de crescimento parecido. Além disso, a fonoaudióloga Naraí Barbetta concluiu em seus estudos que, por causa dessa linguagem própria, eles, em muitos casos, têm um atraso na fala se comparados a outros bebês da mesma idade.


Personalidades diferentes: a carioca Eduarda é brava, enquanto a irmã Nicole é mansinha

SAIBA MAIS SOBRE

NOSSAS CAPAS

Júlia e Paula, de 4 anos, filhas da administradora Andrezza Alencar e do educador físico Vicente Marcos de Faria, de Belo Horizonte Quando engravidou das meninas, a administradora tinha muito medo de não saber diferenciá-las, mas logo descobriu que até no escuro a sua intuição diria exatamente quem é quem. “Uma vez, o meu marido colocou as meninas em berços trocados, e eu percebi pela respiração”, conta. Mas as semelhanças também já pregaram peças: a mãe já deu um remédio duas vezes para uma delas, enquanto a outra ficou sem o medicamento. “Às vezes, acontece”, diverte-se. Vitória e Laura, de 5 anos, filhas da pedagoga Marina Vasconcelos e do empresário Fábio Trindade Paes, de São Paulo Com menos de uma semana em casa, elas tiveram um problema de saúde e precisaram voltar ao hospital para receberem cuidados. “Quando voltaram, estavam as duas com pulseirinhas com o nome ‘Laura’, foi uma confusão”, lembra-se a mãe. Antes de engravidar das meninas, Marina fazia orações pedindo para ter filhos gêmeos. Ela, que também é mãe de Sofia, de 12

[2]

anos, tinha tido outro bebê, que morreu com apenas um dia de vida. “Como já tinha feito duas cesárias, o médico disse que eu só tinha mais uma chance, e, por isso, queria muito ter dois filhos de uma vez.” Como vieram duas meninas, gêmeas idênticas, Marina viu suas preces serem atendidas. “Elas são ‘rainbow babies’, como são chamadas as crianças que nascem para iluminar a família depois de um evento trágico”. Nicole e Eduarda, de 4 anos, filhas da vendedora e manicure Amanda Maciel Amorim e do vendedor Bruno Luiz Canoza da Silva, do Rio de Janeiro As meninas trocam de personalidade de tempos em tempos, segundo a mãe. “Desde a barriga, percebia a Eduarda mais agitada e a Nicole calminha. Mas não sei o que acontece que, do nada, invertem. Nunca tinha ouvido falar disso. Agora, nós já nos acostumamos”.

[4]

Gêmeos nas telas

[3]

Não faltam filmes e novelas de gêmeos separados na maternidade e até com superpoderes: » Manoela e Isabela, interpretadas por Larissa Manoela, em Cúmplices de um Resgate (2015) » Hallie e Annie, interpretadas por Lindsay Lohan, em Operação Cupido (1988) » As Trigêmeas, desenho que estreou no Brasil em 1998 » As gêmeas Mary-Kate e Ashley Olsen estrelaram vários filmes, como As Namoradas do Papai (1995), O

Feitiço das Gêmeas (1993) e Ataque ou Defesa (1999), além do clássico programa de TV Full House (Três É Demais, no Brasil) » Os Supergêmeos, da animação Super Amigos (desenho criado em 1973) » Fred e Jorge Weasley, interpretados pelos irmãos James e Oliver Phelps, em todos os filmes da franquia Harry Potter 

[5]

ANOTE NA AGENDA

Entre os dias 28 e 31 de julho acontece na USP o 2º Encontro de Gêmeos, aberto para pesquisadores, familiares e qualquer interessado no assunto. O evento é gratuito, com vagas limitadas. Mais informações no site portal.if.usp.br.

J U L H O 2 01 7 .

Canguru

35


De mãe para mãe Pedimos aos leitores com filhos gêmeos para compartilharem suas experiências e aprendizados. Recebemos depoimentos lindos e muitas dicas práticas também! Confira:

“Uma coisa muito importante aqui em casa foi colocar rotina desde sempre! Assim, o dia a dia fica mais fácil.” – Ana Carolina Mendonça

“Não dá tanto trabalho quanto as pessoas imaginam. Assim que um bebê acabava de mamar, eu oferecia para o outro, assim eles sempre tinham a hora da mamada bem próxima, facilitando o meu sono durante a noite. Um conselho valioso: não cometa o erro de ficar comparando os dois! Mesmo sendo gêmeos, cada criança tem o seu tempo e se desenvolve de maneiras diferentes.” – Cintia Duarte

“Ser mãe de gêmeas é acalmar uma que está chorando e fazer a outra dormir. É dar mamadeira para uma enquanto brinca com a outra. É saber dar atenção para dois bebês que têm necessidades diferentes. É saber lidar com a casa bagunçada, noites sem dormir, dentes sem escovar. É desafiante, mas é a melhor coisa do mundo.” – Loren Santos

“Minhas comidas ficam prontas para a semana toda. Arroz, feijão, legumes já picados e carnes. Tudo feito por mim e congelado. Vou tirando diariamente para almoço e janta. Sou um general no horário do sono, pois, quando dormem, é o horário que tenho para tomar minha cerveja, lavar vasilhas, cuidar de mim e das demais tarefas da casa. Quando vejo que estou para explodir, peço ajuda mesmo, sem medo de ser feliz...” – Aline Miranda Felix, mãe de trigêmeos e de uma criança mais velha

36

Canguru

. J U L H O 2 01 7

“Minha dica é não vestir de forma igual para não confundir na hora da alimentação!” – Rivane da Silva

“Desde a gestação, os palpiteiros colocam um monte de obstáculos na vida da gente sem nunca terem tido gêmeos. ‘Um já dá trabalho, imagina dois!’, a gente ouve isso o tempo todo e coisas bem piores. Mas não é um inferno como muitos imaginam. É muito gratificante, porque a gente vê o quanto Deus nos capacita.” – Jordana Lima

“Eles têm personalidades totalmente diferentes, e procuramos respeitar e valorizar isso, tratando cada um como um indivíduo único!” – Ana Cristina Ferreira, mãe de trigêmeos

“O puerpério foi a fase mais difícil para mim, mais longa que a gravidez, inclusive. Sobre a amamentação: é possível amamentar os dois juntos e sem sofrimento.” – Tiê Porã

"Nunca faça um elogio só para uma. E tenha muita calma e paciência, porque tudo muda o tempo todo." - Patricia Alvarenga 

Leia mais em www.canguruonline.com.br

“Minha dica é ter rotina, disciplina, encarar tudo da forma mais tranquila possível e contar com ajuda sempre que puder!” – Sâmara Merrighi


4Bem-estar

zen

De mãe pra filho: Miguel, de 4 anos, ficou curioso sobre a meditação ao ver a prática da mãe, Roberta Maia, que é budista

38

Canguru

. J U L H O 2 01 7

POR Luciana

Ackermann COLABORARAM Catarina Ferreira e Daniele Franco

POUCO A POUCO, atividades que buscam maior concentração e tranquilidade, respiração mais consciente, persistência e paciência ganham espaço dentro e fora das escolas. A meditação e a ioga vêm firmando-se entre as opções voltadas para as crianças, especialmente em tempos em que os pequenos são cada vez mais afetados pela tecnologia e pela avalanche de novidades. De forma leve e lúdica, os exercícios e as técnicas prometem maior consciência corporal, diminuição da ansiedade e aumento da atenção. Diversas são as origens, as correntes e os métodos na meditação, mas todas visam ampliar o estado de consciência e o controle da mente. Algumas delas têm trabalho específico para os pequenos. Desde o início de 2016, Roberta Maia, que é budista há cerca de dez anos, leva o filho Miguel, de 4 anos, à aula de meditação do Turminha Kadampa, do Centro de Meditação Kadampa (CMK), no Rio de Janeiro. Roberta conta que tem um altar em sua casa, onde segue a prática, e que, de um jeito muito natural, surgiu a curiosidade do menino. Ele experimenta prece, canto, meditação e contação de histórias relacionadas a ensinamentos sobre a compaixão e a importância de se fazer o bem para o outro. “Ele gosta muito. Percebo que tem ficado mais calmo, inclusive quando passa por crises de laringite, em que temos de correr para o hospital para fazer nebulização”, relata Roberta, que afirma não ter a pretensão de tornar o filho budista, mas de mostrar uma filosofia que ensina a importância do controle da mente, para, a partir daí, coordenar as emoções.

FOTO: RICARDO BORGES;

Momento

Crianças também encontram espaços para praticar meditação e ioga, que prometem aumentar a atenção e diminuir a ansiedade


“A técnica é muito simples e fácil. Dois a três minutos, duas vezes por dia, permitem mergulhar dentro de si, acalmando a mente”, explica.

Ioga e mantras Antonio Tigre, professor e autor do livro As Aventuras do Menino Iogue, sucesso de vendas que deu origem a um premiado musical infantil, conta que, após 13 anos de pesquisa e trabalho, desenvolveu um método que mistura jogos teatrais e os ensinamentos da ioga, que conheceu aos 17 anos em Nova York. Formado em artes cênicas, ele criou uma técnica repleta de ludicidade. “O ganho é enorme. Aprimora a coordenação motora, trabalha o equilíbrio, amplia a capacidade respiratória e melhora, inclusive, a constituição física da criança, reorganizando corpo e mente”, afirma Tigre, que, atualmente, dedica-se a formar professores de ioga para pequenos. Muitos artistas e filhos de artistas foram alunos de Tigre, entre elas a pequena Manuela, de 8 anos, filha de Eduardo Moscovis e Cynthia Howlett. “Ela adorava as aulas do Antonio e fala que gostaria de voltar a praticar. À noite, em casa, e sempre que fica meio nervosa, Manu pede para ouvir mantras”, conta Cynthia. Na carioca Atchim Creche Escola, cuja proposta é privilegiar a questão afetiva, as aulas de ioga fazem parte das atividades da grade curricular há cerca de três décadas. Susana Ribeiro, mãe de Daniel, de 4 anos, que estuda na Atchim, diz que a atividade é um sucesso. “Desde que meu filho começou a fazer aulas de ioga, percebo que melhorou muito o 

J U L H O 2 01 7 .

Canguru

39

FOTOS: DIVULGAÇÃO; ILUSTRAÇÕES: FREEPIK

“A essência da meditação é estar presente no agora, no que está fazendo naquele momento. Isso nos dá mais serenidade e tranquilidade”. diz. Lucas Leão, professor da Turminha Kadampa, afirma que a meditação é uma fonte de paz mental e felicidade para todas as pessoas, independentemente da idade ou de serem ou não budistas. “Não há idade mínima. Costumo dizer aos pais que o mais importante é a criança gostar de ouvir histórias e de brincar. Já houve aulas em que os pais levaram bebês com menos de 1 ano – apesar de não entenderem o que estava acontecendo, desfrutaram de um ambiente em paz com outras crianças”, explica Leão, complementando: “Normalmente, crianças menores de 4 ou 5 anos ainda têm dificuldade de focar uma única atividade, costumam ficar mais agitadas. Por isso, ficam livres para entrar e sair quando quiserem, inclusive durante o tempo da meditação, permitindo a elas que interajam quando têm vontade. Essas são ‘conquistadas’ pela história e pela brincadeira e, com o tempo, vão acostumando-se com a sensação de paz mental”. A aula é interativa, com o professor, as crianças e os pais, se quiserem. Todos sentados no chão. A meditação para as crianças é a mesma dos adultos, a diferença está na linguagem e no tempo, que é menor: cinco minutos. “Usamos meditações que estimulam a imaginação associada à respiração ou com visualizações. Nosso maior interesse é que as crianças desenvolvam uma mente positiva em relação à prática de meditação em geral, entendendo que meditar pode (e deve!) ser algo divertido”, esclarece o professor. Segundo Klebér Tani, um dos diretores da Sociedade Internacional da Meditação, que difunde a Meditação Transcendental (MT), trata-se de uma técnica milenar oriunda da Índia, que permite que a mente se aquiete, alcançando um estado calmo, integrado e alerta em que o corpo repousa profundamente. A cada dois meses, há curso para crianças de 5 a 10 anos. As orientações são apresentadas em dois dias, com uma hora de duração, de forma lúdica e com muita brincadeira.


equilíbrio corporal. Hoje, faz determinados movimentos com as pernas e já não se desequilibra como antes. Também notei uma melhora na atenção e na capacidade de concentração dele”, conta Susana ,complementado: “Ele adora fazer as posturas dos animais, principalmente a do sapo”, diverte-se a mamãe. No Espaço Ananda Yoga Marcello Gama, que funciona dentro da Casa Espanha, no Rio, há ioga kids, para os pequenos de 3 a 9 anos, e baby ioga, em que mães praticam junto

com seus bebês. Entre as posições que as crianças mais curtem estão a vela, o gato e o guerreiro. “Os pequenos adoram e nos surpreendem, nem sempre são tão dispersas quanto imaginamos. Algumas parecem prontas e disciplinadas para a prática”, diz o próprio Gama, concluindo: “Em tempos de excesso de informação, é essencial baixar a ansiedade, exercitar a paciência e a aceitação”, conclui.

Onde praticar Confira alguns endereços em Beagá onde as crianças podem praticar meditação e ioga INSTITUTO ARAVINDA MIRIAM AMORIM E EMÍLIO REZENDE Rua João Edmundo Caldeira Brant, 139 – Itapoã Informações: 3441-2003 Valor: R$ 140 Para crianças a partir de 3 anos GRUPO DE MEDITAÇÃO DE BELO HORIZONTE Rua Tomé de Souza, 810, sala 701 – Savassi Informações: Leia – 99413-8365 ou m.leia01@ yahoo.com.br; Fábio – 98465-4636 ou fabiodiniz. samba@gmail.com Aulas gratuitas uma vez por mês Para crianças a partir de 5 anos ANANDA MARGA BH Rua Buarque de Macedo, 35 – Floresta Rua Viveiros de Castro, 161 – Copacabana Informações: 3421-4711 Aulas gratuitas na creche, no bairro Copacabana, para crianças a partir de 2 anos, que começam a

40

Canguru

. J U L H O 2 01 7

aprender os princípios da meditação. Na unidade do Floresta, crianças a partir de 5 anos podem acompanhar os pais nas sessões de meditação A CASA IDEIA Rua Outono, 53 – Carmo Rua Maceió, 32 – Cruzeiro Informações: 3281-2434 A oficina de ioga é um momento de pausa na rotina do dia, quando a criança observa o seu próprio corpo, principalmente a respiração e como ela interfere no seu estado emocional. Tais práticas estimulam e promovem tranquilidade, atenção e concentração, além de deixar o corpo forte e flexível Valor: a partir de R$ 200 Para crianças a partir de 1 ano e meio. 


4saúde

E SE NÃO FOR SÓ

tristeza?

Os sintomas da depressão, principalmente na infância, podem ser confusos; mais um motivo para os pais redobrarem a atenção aos sinais POR Daniele

A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL da Saúde estima que 350 milhões de pessoas sofram de depressão em todo o mundo hoje. Mas a partir de qual idade essa doença se manifesta? Embora seja rara entre crianças, a literatura médica estima que de 1% a 2% delas tenham depressão, que pode atingir inclusive algumas com apenas 3 anos (veja no quadro).

Depressão por faixa etária Estimativa de pessoas atingidas pela doença, segundo estudo feito nos EUA em 2011: » 3 a 5 anos: 0,5% » 6 a 11 anos: 1,4% » 12 a 17 anos: 3,5%

*Fonte: Professor de psiquiatria da infância e da adolescência da Unicamp Amilton dos Santos Junior

O percentual vai aumentando depois da fase de alfabetização, à medida que as crianças passam a lidar com maiores responsabilidades, de acordo

Franco

com Ana Maria Lopes, psiquiatra da infância e da adolescência e membro do Departamento Científico de Desenvolvimento e Comportamento da Sociedade Brasileira de Pediatria. Antes disso, os motivos são muito diversos e vão desde predisposição genética, quando alguém na família tem histórico de depressão, até a relação com o ambiente, conforme diz o professor de psiquiatria da infância e da adolescência da Unicamp Amilton dos Santos Junior. De acordo com o psiquiatra, o ambiente é o maior responsável pela formação da criança, sendo ele o ditador das situações de felicidade ou tristeza durante a infância. “Crianças são como esponjas, elas absorvem o clima do ambiente em que vivem, e esse fator é determinante no comportamento dela tanto na infância quanto na vida adulta”, esclarece. Ana Maria, que também é professora na Universidade Federal de Minas Gerais, acrescenta os fatores de proteção como essenciais para uma vivência saudável na infância. Para a médica, proporcionar um ambiente favorável ao crescimento das crianças é um dever da sociedade. “As famílias devem, mesmo em situações mais complicadas, trabalhar para a 

J U L H O 2 01 7 .

Canguru

41


Hora de ficar atento A tristeza, sintoma mais comum da depressão, é normalmente associada a outros sinais nos mais jovens, e o principal deles é a perda de interesse em atividades que antes representavam prazer para a criança. “Se o seu filho para de gostar de fazer alguma atividade com a qual ele antes se divertia muito, é hora de procurar um médico”, afirma Santos Junior. Mesmo sendo rara, a depressão infantil merece cuidados, pois pode ter repercussões muitos anos depois. De acordo com o professor, muitos casos de depressão na fase adulta, quando investigados, levam a raízes em situações de depressão vividas na infância.

Um quadro extremo Caio* sempre foi um menino introvertido, mas foi por volta dos 5 anos que começou a reclamar da falta de amigos e a se fechar em seu mundinho. Aos 6, teve de lidar com a separação dos pais, o que, para a mãe, Joana*, pareceu, na época, um processo tranquilo. Ela conta que, como esperado, o menino sentia falta do pai, mas não era algo que despertava sua preocupação.

FOTO: PIXABAY

proteção da criança em todos os sentidos, protegendo seu emocional contra consequências que situações traumáticas possam trazer”, afirma, acrescentando que atividades como a prática esportiva e o incentivo à socialização são fundamentais para o desenvolvimento saudável da psique do indivíduo: “O que se vê hoje são muitas crianças em situação de isolamento, sozinhas no quarto com seus aparelhos eletrônicos”. Doenças crônicas, como alergias de moderadas a graves, asma, diabetes, epilepsia, fibrose cística e câncer, que atingem 4% das crianças, de acordo com Santos Junior, também são responsáveis por algumas situações de depressão infantil. “Com o mecanismo de adaptação da doença e percepção da diferença das outras crianças, as vítimas dessas enfermidades podem desenvolver transtornos depressivos”, afirma o médico. Apesar de ser uma situação mais rara, Ana Maria aponta como essencial a atenção dos médicos às causas orgânicas que podem levar aos sintomas apresentados, como doenças da tireoide e neurológicas, que muitas vezes manifestam os mesmos sinais da depressão, mas não são a doença propriamente dita.


Três anos depois, quando Joana apresentou seu namorado ao filho, ele teve uma reação mais exacerbada. “Ele surtou. Rasgou e quebrou várias coisas, gritou, esperneou e disse que não aceitava outra pessoa comigo, mas eu entendi aquilo como uma pirraça mesmo”, conta. Não era pirraça. Algum tempo depois, em um dia que o namorado estava com ela em casa, Joana escutou barulho de faca na cozinha e, quando viu o que estava acontecendo, perdeu o chão. Caio tentava se machucar e dizia que não queria viver em um mundo onde os pais não estivessem juntos. Foi aí que a luz de alerta se acendeu. De acordo com o psiquiatra Amilton Santos Junior, a ideação suicida nas crianças não é algo comum, uma vez que elas, tão pequenas, ainda não têm noção de que a morte é um quadro irreversível e, muitas vezes, não sabem como ela acontece. O caso de Caio foi, de acordo com Joana, um quadro evolutivo típico das vítimas de depressão. Ela, que afirma nunca ter desconfiado de que o filho poderia sofrer da doença, encarava sua introversão como algo normal, como sendo o jeito dele. Depois do ocorrido, o menino foi ao médico e passou a fazer um tratamento multidisciplinar, com uso de medicamentos. Santos Junior afirma que o uso de fármacos no tratamento da depressão infantil não é a saída mais comum e só é usado em casos mais graves, como o de Caio. “Nossa estratégia é observar se o motivo do quadro é o ambiente, e, se for, tratamos a partir daí. É um tratamento de causas. Há uma conversa com os pais e com a escola e uma tentativa de melhoria nas condições de vivência para a criança”, explica. Antes de se preocupar com a depressão pela qual a criança possa, eventualmente, estar passando, é preciso considerar a manutenção de um ambiente propício à felicidade, e esse é um consenso entre os especialistas ouvidos pela Canguru. Se a formação da personalidade acontece na infância, como uma criança que passou por essa fase deprimida pode transformar-se num adulto feliz e produtivo? =

Sinais de alerta Se a criança apresenta persistência destes sintomas, fique atento e procure um médico para acompanhá-la e fazer o diagnóstico correto: » Alterações comportamentais, especialmente se a criança fica mais agressiva; » Mudança no desempenho escolar; » Mudança no apetite, perda ou excesso; » Alterações no padrão do sono; » Isolamento. *Fonte: Ana Maria Lopes, psiquiatra da infância e da adolescência e membro do Departamento Científico de Desenvolvimento e Comportamento da Sociedade Brasileira de Pediatria, e Amilton dos Santos Junior, professor de psiquiatria da infância e da adolescência da Unicamp

R

Betina Borges

*Os nomes citados na reportagem são fictícios para preservar a imagem e a privacidade da criança.

J U L H O 2 01 7 .

Canguru

43


4na pracinha

Beagá é pra brincar! lançamento – será um mês especial com uma programação superbacana. Enquanto o guia não chega até você, que tal conferir alguns dos passeios imperdíveis que estão lá? PATRIMÔNIO MUNDIAL DA HUMANIDADE

Casa do Baile: Avenida Otacílio Negrão de Lima, 751 –Pampulha Museu Casa Kubitschek: Avenida Otacílio Negrão de Lima, 4.188 – Pampulha Museu de Arte da Pampulha: Avenida Otacílio Negrão de Lima, 16.585 – Pampulha | Abertos de quarta a domingo, das 9h às 17h, e às terças, das 9h às 21h PARQUE DAS ÁGUAS ROBERTO BURLE MARX

Avenida Ximango, 809 – Flávio Marques Lisboa (Barreiro) | Aberto diariamente, das 8h às 18h MUSEU HISTÓRICO ABÍLIO BARRETO

Avenda Prudente de Morais, 202 – Cidade Jardim | Terça a domingo, das 10h às 17h; quarta e quinta, das 10h às 18h30. Área externa: terça a domingo, das 7h às 18h; quarta e quinta, das 7h às 18h30

MIS SANTA TEREZA (COM SESSÕES GRATUITAS DE CINEMA!)

Rua Estrela do Sul, 89 – Santa Tereza | Aberto de terça a domingo. Consultar programação em fb.com/ miscinesantatereza

Beagá é pra brincar! Brinquemos todos! 

BIBLIOTECA PÚBLICA INFANTIL E JUVENIL DE BELO HORIZONTE

Praça da Estação, s/nº – Centro | Aberta de terça a sexta, das 9h às 19h, e aos sábados, das 9h às 14h MUSEU PUC MINAS DE CIÊNCIAS NATURAIS (COM PROGRAMAÇÃO ESPECIAL E OFICINAS EM JULHO)

Avenida Dom José Gaspar, 290 – Coração Eucarístico. | Aberto de terça a sábado, das 9h às 17h

O Na pracinha é um movimento que incentiva o tempo livre para o brincar na infância e o resgate da relação criança/cidade com a ocupação dos espaços públicos pelas famílias. O brincar e o contato com a natureza são fundamentais para a saúde física e mental da criança. Criado pelas mães Flávia Pellegrini e Miriam Barreto, o projeto promove eventos brincantes gratuitos e compartilha dicas de passeios pela capital mineira. www.napracinha.com.br

44

Canguru

. J U L H O 2 01 7

FOTO: TANTO MAR FOTOGRAFIA

VIDA DE CIDADE grande é assim: um corre-corre sem fim. Se temos filhos, a correria é ainda maior. Às vezes, até temos um tempinho livre em um dia especial. Mas, com o piloto automático ligado, tendemos ao mais do mesmo e não enxergamos as muitas possibilidades que estão bem aqui, pertinho de nós. E quando chegam as férias? Surge aquela vontade de ir com os pequenos para cantinhos especiais, ainda que só no fim de semana. Mas ficamos perdidos. Acreditamos que não há diversão para quem não consegue viajar para fora de Beagá, e então os passeios se resumem aos velhos e conhecidos destinos. Não é preciso ir longe para proporcionar uma infância divertida, saudável e repleta de memórias afetivas. Belo Horizonte, a cidade onde moramos, abriga muitas possibilidades interessantes de passeios em família que merecem ser exploradas por seus moradores. As férias serão pequenas se toparmos “turistar” pelo nosso próprio território. Há uma infinidade de parques, praças, museus, bibliotecas e espaços culturais. Neste mês de julho, lançaremos o guia Beagá pra Brincar, um livro de bolso viabilizado por financiamento coletivo e publicado pela Scrittore, que também edita a Canguru. Reunimos nesse guia uma série de dicas, sempre focando o brincar. É um convite para redescobrir a capital na companhia das crianças. A ideia é ficar off-line para se conectar com a meninada, sem pressa! Acompanhe o site napracinha. com.br para saber dos eventos de


4padecendo no paraíso

[1]

SOU CASADA HÁ quase 14 anos, só no cartório, sem gracinha nenhuma. Nunca me importei com festa, cerimônia e vestido de noiva. Saio em defesa das noivas, na polêmica das crianças proibidas nas festas, porque entendo o sonho do dia perfeito que muitas têm, mesmo que nunca tenha sido o meu. O “felizes para sempre” é aquele dia, um único dia, um dia que vale para a vida toda e para toda a realidade que virá depois desse sonho. Rotina, supermercado, contas a pagar, rabugices e afins. E depois vêm os filhos, que faziam parte do pacote do sonho, mas que vêm junto com vários pequenos pesadelos diários também. A noiva pensa na cerimônia perfeita e, no dia do casamento, ela só pensa no que os filhos dos outros podem fazer para atrapalhar tudo. Chorar, atropelar garçons, puxar o forro da mesa, derrubar arranjos. Casamento é um momento egoísta, a noiva pensa nela e no

que ela sonhou para aquele dia, e pronto. Talvez seja um dos poucos momentos egoístas na vida de uma mulher. Talvez, quando ela tiver seus próprios filhos, quando ela vir como eles podem comportarse numa festa ou como é difícil conseguir alguém para ficar com eles para que ela possa ir ao casamento de outra noiva, ela entenda que a escolha poderia ter sido diferente. Hoje ela é a noiva. Hoje o universo gira em torno do seu umbigo, e ela não se importa com

Bebel Soares e o filho Felipe

o umbigo de mais ninguém. Se ela escolheu um evento sem crianças, respeite a escolha, aceite. Se você não conseguir ninguém para ficar com seus filhos, paciência, não vá e explique. Pode ser que hoje ela não te entenda, mas um dia ela vai entender. =

Bebel Soares é fundadora da plataforma de apoio a mães Padecendo no Paraíso. Na Canguru ela fala sobre educação, saúde, alimentação, sexo, inclusão e viagens. www.padecendo.com.br

FOTOS: [1] MOACYR LOPES JUNIOR / MALAGUETA [2] PIXABAY

Em defesa das noivas


FOTO: GUSTAVO ANDRADE

4para ler com seu filho

Para criar e recriar passarinhos ALGUNS ANOS ATRÁS, o mineiro Bartolomeu Campos de Queirós, um dos grandes nomes da nossa literatura infantil, escreveu um lindo livro chamado Para Criar Passarinho, publicado inicialmente pela editora Miguilim e atualmente no catálogo da Global. Foi essa leitura que me sugeriu a conexão entre os dois livros da coluna deste mês: duas obras sobre criar e recriar (metaforicamente ou não) os pássaros e seus voos.

leo cunha e os filhos, Sofia e André

“Para criar passarinho, é essencial possuir um arco-íris...”, escreveu o Bartolomeu. Esse trecho me veio à lembrança ao ler o livro As Cores dos Pássaros, de Lúcia Hiratsuka. Inspirada em uma fábula japonesa, a autora nos conta de um tempo em que os pássaros eram todos brancos. Até que um dia a coruja – que possuía o arco-íris em forma de aquarela – decide tingir suas penas, o que deixa os outros pássaros fascinados. O texto poético e surpreendente é acompanhado de pinceladas rápidas, sem retoques, feitas a partir da técnica do sumiê. SOBRE A AUTORA: Lúcia Hiratsuka, paulista, é escritora e ilustradora, com diversos prêmios, como o Jabuti e o FNLIJ.

A ALMA SECRETA DOS PASSARINHOS. Texto de Paulo Venturelli, ilustração de Elisabeth Teixeira. Editora Olho de Vidro, 2017.

AS CORES DOS PÁSSAROS. Texto e imagens de Lúcia Hiratsuka. Editora Rovelle, 2016.

A Alma Secreta dos Passarinhos, de Paulo Venturelli, também nos remete aos versos do poeta mineiro, como: “Para bem criar passarinho, é urgente apenas contentar-se com o desejo de tê-los na palma da mão”. O protagonista de Venturelli é um menino decidido a apanhar nas mãos um passarinho, pois disseram a ele que os pássaros são a alma de Deus voando pela Terra. Porém, quando finalmente segura o bichinho, o menino o aproxima do peito e sente o pequenino coração aflito da ave. Então o menino intui que mais vale um pássaro voando – com seu inalcançável mistério – do que tê-lo na mão, assim como alertava Bartô, a quem a ilustradora Elisabeth Teixeira dedica o livro.

Leo Cunha O escritor Leo Cunha publicou mais de 50 livros para crianças e jovens, como Um Dia, um Rio (Ed. Pulo do Gato) e Cachinhos de Prata (Ed. Paulinas). Recebeu os principais prêmios da literatura infantil brasileira, como Jabuti, Nestlé e João-de-Barro. leocunha@canguruonline.com.br

46

Canguru

. J U L H O 2 01 7

IMAGENS: REPRODUÇÃO

SOBRE O AUTOR: Paulo Venturelli, catarinense radicado no Paraná, é escritor e professor universitário. Elisabeth Teixeira, carioca, já ilustrou dezenas de livros e exibiu seu trabalho no Brasil e no exterior.


4viagens, modo de usar

[1]

A beleza do fim do mundo

[2]

do oceano. Nos arredores, existem várias colônias de pinguins. A poucas horas de carro ou ônibus, rumo ao Norte, chega-se a Puerto Natales e ao Parque Nacional Torres del Paine. Torres del Paine apresenta uma das mais altas concentrações de beleza no mundo. Se você quiser fazer apenas uma excursão visual, leve seus filhos para um dos muitos hotéis existentes, luxuosos ou não, curta a natureza no calorzinho do quarto e saia apenas para conhecer as principais atrações, como a vista de Los Cuernos, um passeio pelo Lago Nordenskjold ou o Glaciar Grey. Talvez vocês até tentem pescar uma truta. Ou acariciar filhotes de nhandu (parecido com a ema) ou de guanaco (que lembra a lhama). Ou acompanhar o voo dos condores. No entanto, a grande pedida para pais e filhos adolescentes é o Circuito W. O trekking dura quatro dias e visita os principais pontos do parque, com direito a cachoeiras, matas, lagos, avalanchas e bichos. Para quem não quer acampar, empresas

oferecem refúgios para dormir, em quartos com até 13 camas, onde refeições são servidas em meio a interação de gente do mundo inteiro, de todas as idades. A cada tarde, nos quatro refúgios, ouve-se uma babel de línguas. Do lado de fora, adolescentes curtem o vento, que pode carregá-los e ruge entre as montanhas como locomotiva antiga. As noites de muitas estrelas mostram o Cruzeiro do Sul de ponta-cabeça. O barulho das cachoeiras embala o sono. O pio do torreón, nosso ticotico, desperta a manhã. A Patagônia chilena pode ter sido o fim do mundo, mas hoje está integrada. Ainda bem, para pais e filhos de todos os continentes. O fim do mundo é lindo.

Luís Giffoni é cronista, romancista e palestrante. Autor de 26 livros, tem nas viagens uma de suas paixões. Nelas aprende a diversidade do mundo e das pessoas, experiência que acaba traduzindo em suas obras. Neste espaço, dá dicas sobre como aproveitar o mundo com os pequenos. giffoni@canguruonline.com.br

J U L H O 2 01 7 .

Canguru

47

FOTOS: [1] GUSTAVO ANDRADE [2] PIXABAY

HÁ UM LUGAR na ponta da América do Sul, no Chile, junto ao Estreito de Magalhães, que se chama Fim do Mundo. É um forte abandonado à beira-mar, cercado por troncos de pinheiros. Casas e depósitos cobertos com grama resistem à passagem do tempo. Ali perto, no século XVI, as primeiras tentativas de colonização pelos espanhóis fracassaram. O clima não ajudou. No verão, neva, chove, venta forte, faz sol, volta a chover, gela, esquenta... Por que ir lá, então? A resposta é simples: a região possui algumas das mais belas paisagens do planeta. Encantam, hipnotizam, seduzem, dão vontade de voltar. São montanhas de muitas cores sobrepostas, picos esculpidos pelas eras geológicas, lagos cristalinos, geleiras azuis, florestas de lengas e ñires, às vezes apenas vegetação rasteira com flores vermelhas e amarelas, colunas de orvalho no céu, córregos para matar a sede, pássaros estranhos como o nhandu, manadas de guanacos selvagens, caminhadas em glaciares onde a Idade do Gelo ainda não acabou... Na Patagônia chilena, a história humana se funde à história da Terra. É boa para os olhos e para o espírito. A América do Sul termina num paraíso. Se você e seus filhos gostam de aventura, de vida ao ar livre, de caminhadas, de descobertas, Punta Arenas é a porta ideal de entrada para tudo isso. A cidade possui vários voos por dia para Santiago. Atende a quem exige conforto ou viaja com orçamento apertado. Dali se vê a Terra do Fogo, do outro lado

Luís Giffoni


A escolha da escola ‘certa’ Q

uando escolhemos uma escola para nossos filhos hoje, não temos mais as certezas que orientavam nossos pais no século passado. O que mudou? Em primeiro lugar, a própria noção de família: desde os anos 60, em decorrência da invenção dos anticoncepcionais e do movimento feminista, que interrogou o lugar de “rainha do lar” destinado às mulheres, a estrutura da família nuclear moderna sofreu um rápido processo de mudança. Dona da sua sexualidade e destino, a mulher passou a encarar o casamento como uma possibilidade, mas não a única. O homem também se viu livre de obrigações e estereótipos que marcavam o lugar do “masculino” e aprendeu a cuidar dos filhos e da casa. A realidade de hoje mostra um aumento progressivo das chamadas famílias monoparentais, multiparentais, homossexuais e outras. A esfera da vida privada não pode mais ser tratada conforme os paradigmas morais do passado. Convivendo com essa realidade, as crianças passam por processos de desenvolvimento cognitivo, afetivo e sexual muito diferentes e que implicam em desafios para suas famílias e para a escola. Também a escola é uma instituição que tem sido desafiada a ultrapassar seu papel simples de repassadora de informações, em desacordo com as necessidades do mundo atual. Essa questão provoca incertezas e dúvidas nos pais: como escolher a escola “certa”? Ao tentar conhecer a instituição mais de perto, muitas vezes recebem informações pedagógicas que não conseguem assimilar. Nesse momento, é fundamental que os pais tentem perceber como a escola os recebe: como parceiros ou clientes? Mostra-se aberta para

48

Canguru

. J U L H O 2 01 7

FOTO: ARQUIVO PESSOAL

4artigo | Arminda Rosa Rodrigues da Matta Machado

atendimento a dúvidas e preocupações? Os pais são convidados a fazer palestras, ajudar em atividades extraclasse? Eles têm chances de conhecer a escola “por dentro”? Ou não podem passar da portaria?

Basta uma troca do tipo de escola e de pedagogia para que o aluno desabroche como estudante e como ser humano Principalmente, é importante que os pais procurem saber como os alunos são tratados em termos das características que lhe são peculiares, se as professoras são capazes e sensíveis o suficiente para perceber cada um como um sujeito, como uma pessoa, e não como um aluno a mais na sala de aula. Enfim, o momento da matrícula é um momento psicológico difícil, uma vez que, ao inscrever o filho, os pais estão entregando parte da responsabilidade da formação da criança para uma instituição que ainda não conhecem o suficiente. Essa angústia leva a grande maioria das famílias a optar por instituições tradicionais de ensino, pelo tipo de escola em que os próprios pais estudaram. Entretanto, conforme dissemos no início deste artigo, hoje em dia ninguém pode ter certeza das escolhas que faz. O melhor termômetro está nas reações dos filhos. Alguns adaptam-se bem à escola tradicional. Outros não. Nossa experiência demonstra que, na maioria das vezes, basta uma troca do tipo de escola e de pedagogia para que o aluno desabroche como estudante e como ser humano.=

Arminda Rosa Rodrigues da Matta Machado é psicóloga, mestre em psicologia e filosofia, mãe de quatro filhos e avó de seis netos.


Classificados

PARA ANUNCIAR

(31) 3656-7818

FÉRIAS, É NA


FOTO: FLÁVIO DE CASTRO

4crônica

Disciplinas essenciais PAPAI NOEL, COELHINHO da Páscoa, Fada do Dente. Cedo ou tarde, toda criança empreende sua “Operação Lava Jato” para desmascarar, um a um, os personagens em que acreditou por algum tempo. Já os príncipes seguem ilesos, acordando as princesas com a velha promessa de viverem felizes para sempre. Incrível como ninguém pega os caras. Enquanto isso, seguimos dormindo até a idade adulta, acreditando no impossível. Fazer do amor um ensino fundamental. Já pensou? Não seria tão ou mais importante que aprender logaritmo, decorar a tabela periódica ou saber quantos corações tem um minhocuçu? Aprender que um coração disparado é só o começo. Que a vida a dois é feita mais de cumplicidade que de sorte, mais de decisão que de estrelas. Que tal atividades com bloquinhos de encaixar, ensinando que a construção de pontes pede o desmonte de egos? Lições que alertem desde cedo para o perigo de enxergar no outro apenas o reflexo dos seus desejos. Que ensinem que o amor começa justamente quando o espelho quebra e você é capaz de aceitar o outro assim, do jeitinho que ele é, tão diferente das suas expectativas. E por falar em expectativa, está aí uma boa disciplina para ser extinta. Educar não para a obrigatoriedade da vida a dois, mas para todas as possibilidades, sem roteiros prontos. Ensinar que a felicidade não é um lugar para onde nos mudamos um dia, para sempre. Que a vida é feita de instantes – alguns mágicos, que não nos visitam com tanta frequência; outros banais, como o recheio de pão de ló daquela torta de morango com chantilly. Plantar adultos capazes de tecer almofadas de afeto, preenchidas de espuma boba e inútil – prontas para amaciar a vida mesmo nos momentos em que ela parece soprar a falta de sentido.

50

Canguru

. J U L H O 2 01 7

cris guerra e o filho, francisco Treinar o estar presente no momento presente. Exercitar o crescer sem parar de brincar. Amassar os problemas com doçura e força, como quem prepara uma pizza.

Ensinar que a felicidade não é um lugar para onde nos mudamos um dia, para sempre. Que a vida é feita de instantes. Jogos que proponham trocar o feliz pelo contente, palavra cheia de si, capaz de fazer tudo com instantes de nada – mais esperta que alegre, mais sábia que feliz. Desenhar cartazes com caveiras, alertando para os perigos de se formatar a vida para um final feliz. Escrever repetidas vezes que não é permitido fazer o início pensando no final. Aulas sobre a beleza de se permitir mudar de opinião. Lições sobre ouvir mais do que falar. Longos textos sobre a permanência da mudança. Musiquinhas sobre o motor e o alento de acreditar em dúvidas. Provas orais sobre não se levar tão a sério. Noites do pijama domesticando monstros. Talvez seja a memória que me esteja falhando – faz tanto tempo que saí da escola. Pode ser que tudo isso seja mesmo praticado ali, entre as crianças. E o erro esteja em pensar que saímos de lá sabendo tudo. Quanto mais adultos ficamos, mais precisamos voltar a aprender. 

Cris Guerra é publicitária, escritora e palestrante. Fala sobre moda e comportamento em uma coluna na rádio BandNews FM e a respeito de muitos outros assuntos em seu site www.crisguerra.com.br. Na Canguru, escreve sobre a arte da maternidade. crisguerra@canguruonline.com.br


Todo mineiro sabe que o diálogo é sempre o melhor caminho. Por isso, a nossa Assembleia Legislativa ouve a população, debate ideias e cria leis que defendem os interesses de Minas e dos mineiros. Tudo para que as novas gerações possam trilhar, com bem-estar e segurança, os caminhos do futuro. Participe! É com você que a Assembleia se torna, cada vez mais, o poder e a voz do cidadão.

almg.gov.br


EM TERRA DE DRAGÕES, QUEM TEM ASAS É A SUA IMAGINAÇÃO.

As criaturas mais incríveis da história esperam por você. De 1º a 30/7, no BH Shopping. Evento gratuito.

Realização: Acesse www.bhshopping.com.br e não perca essa aventura.

Canguru | BH | Julho de 2017 | Número 22  

Acesse a plataforma Canguru em www.canguruonline.com.br.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you