Issuu on Google+

Portfólio de Arquitetura e Urbanismo Cândida Zigoni de Oliveira Landeiro FAU (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo) - UFRJ


SUMÁRIO

CURRICULUM VITAE

01

RESIDENCIAL COMUM

02 - 13

ESCOLA TÁTICA

14 - 21

PARK(ING) DAY 2016

22 -23

EXPRESSÃO GRÁFICA

24 - 25


Cândida Zigoni de Oliveira Landeiro FORMAÇÃO ACADÊMICA

Brasileira, 22 anos Rio de Janeiro, RJ - Brasil +55 (21) 96887 8107 candida.zigoni@hotmail.com

SOFTWARES

ArchiCad Arquitetura e Urbanismo - Universidade AutoCad 2D Federal do Rio de Janeiro - (FAU-UFRJ) Corel Draw InDesign 2014-2019

IDIOMAS

Illustrator INGLÊS - Nível Avançado PhotoShop FRANCÊS - Nível Intermediário ESPANHOL - Nível Básico Revit SketchUp Office

ESTE PORTFÓLIO REALIZAÇÕES | EXPERIÊNCIAS é uma compilação da minha trajetória acadêmica até o momento. Aqui eu reúno alguns trabalhos realizados no curso de graduação com parceiros profissionais e projetos independentes.

(jan 2011 – julho 2011) Intercâmbio cultural – High School – Las Vegas (fev 2015) Curso de francês – Lyon Bleau International – Lyon (julho 2015 – março 2016) Trabalho voluntário TETO-BRASIL (jan 2016 – jan 2017) Iniciação científica (LabIT - FAU/UFRJ) (fev 2016 – agosto 2016) Monitoria na disciplica Saneamento Predial - FAU/UFRJ (17 de outubro de 2016) Intervenção temporária - Park(ing) Day PIC TROCA NA VAGA (dezembro de 2016) Co-autoria na publicação da Revista PLANEO - PUC Chile La Plaza São Salvador, Rio de Janeiro, Brasil. La música como catalizador de apropiaciones en el espacio urbano Por Adriana Sansão, Fernando Espósito

01


RESIDENCIAL COMUM DISCIPLINA: ATELIÊ INTEGRADO I PRODUTO: RESIDENCIA ESTUDANTIL PERÍODO: 2015.2 PROFESSORES: ADRIANA SANSÃO, PRISCILA PEIXOTO, RAFAEL FONSECA, REILA VELASCO, SYLVIA MEIMARIDOU, MARIA CRISTINA, FERNANDO MINTO. O tema aborda a inserção de um objeto arquitetônico de uso misto - edificação habitacional (temporária ou permanente) aliada a uma atividade comercial ou institucional em um ambiente urbano consolidado. O projeto envolverá um lote privado, com cerca de 350m², situado no centro do Rio de Janeiro Rua da Carioca, próximo à Praça Tiradentes e à Catedral Presbiteriana.

02


03


CAMINHAR, EXPERIMENTAR E CONHECER A cidade é o tempo e ao atravessar as temporalidades materializadas no meio urbano, percebe-se as influências dos espaços no comportamento do usuário/transeunte. Seguindo esse raciocínio, o RESIDENCIAL COMUM é o encontro entre as “cidades” existentes no entorno imediato. A teoria das Eras da Cidade, de Christian Portzamparc, se aplica diretamente ao contexto do Residencial, pois o terreno do projeto encontra-se na interseção das duas primeiras eras, uma vez que se localiza entre a Cidade Tradicional - 1ª Era (Rua da Carioca) e a Cidade Moderna - 2ª Era (Rua República do Paraguai).

04


CORTE AA”

05


3.13

4.

5.94

-3.50

B

7.06

21.00

3.28

Expo. 35m2

Café 25m2

Banh. Púb.

.15

1.46

CCP 6m2

.15

1.35

6m2

C.M.B - Ág. Pluv.

.15

1.46

C.M.B - Ág. Serv

Ár. Tec. 25m2 4.5 2 9

8.4 3

3.7

1 0

5

1 10

0

CORTE BB’

5 10

SUBSO 06


A A

0.00

14.00

5.95 3.15

4.92

2.80

2.66

5.95

5.04

2.20

1.77

3.89

0.00

2.85

.29

2.63

.29

2.93

Biblio. 68m2

3.61

6.70

B

B

B

6.70

-3.50

4.37

2.18

1.89

.15

3.73

8.01

6.35

.15

24.00

9.04

9.04

2.85

18.93

.14

.15

.15

4.32

16.18

-3.50

.15

2.75

.15

2.21

3.15m2

0.00

1.95

.14

.15

1.84

.14

1.85

.15

5.08

10.82

1.85

.15

7.91

.20

1.78

.15

2.07

2.67

Ár. Func. 25m2

Recp. 29.30m2

1.13

.15

1.72

.15 1.85

Banh. Púb. 7.7m2 PNE

-3.50

.15

0.00

.15

2.85

Café 25m2

Adm.

3.75

C.M.B Rec

D.T.L

.59

R.I

.21

Caldeira

.15

.15

2.85

4.08

4.4m2

.15

2.50

.15

1.55

.15

4.50

.25

0.00

3.01

2.89

1.75

.19

A

8.00

A

OLO

1 0

5 10

TÉRREO 07


0.10 0.50 1.00

A

4.92

.15

2.85

.15

2.60

.20

2.66

.93

0.80

5.04

Biblio. 68m2

+3.50

+3.50

8.5m2

B

.15

B

1.51

3.65

5.04

2.20

.29

2.48

4.18

26.00

3.58

4.57

4.95

8.01

4.60

.30

.15

1.54

1.40

4.32

4.37

Lav. 25m2

.13

1.86

.83

.30

.15

CCP

2.84

Dep. 7.35m2

1.99

2.76

+3.50 4.20

.15

.20

1.78

.15

2.07 4.15

.15

1.99

1.85

.21

.15

2.85

Ref. e Coz. 73.15m2

6.85

.15

7.00

A 1 0

5 10

1ยบ PAV. 08


0.10

A 9.00

0.85 .43.13

2.87

1.80

2.25

1.80

.15

1.80

2.64

.90

2.80

13 m2

1.47

5.15

13 m2

+6.50

18.15 m2

B 16.03

1.80

1.48

1.40

3.17

B

12.2 m2

2.99

.10

13 m2

1.48

2.19

1.80

13 m2

1.80

1.55

12.4 m2

1.05

1.74

13 m2 2.80 .15

+6.50

2.75

1.80

CCP 18.5 m2

.15

.99

.15 1.78

5.00

.15

5.30

3.43 .15

.15

0.85

1.00

0.90

0.90

0.15

2.00

3.44 .15

7.01

1.55

.15

1.85

6.83

+6.50

6.00

1 0

5 10

A

2ยบ PAV. 09


“A INTENÇÃO É TRANSFORMA COMUM, OU SEJA, O EDIFÍCIO TEMPORALIDADES E A HA

A 9.00

.43.13

2.87

1.80

2.25

1.80

.15

2.64

.90

2.80

13 m2

1.47

5.15

13 m2

18.15 m2

B 16.03

1.80

1.48

1.40

3.17

B

12.2 m2

2.99

.10

13 m2

1.48

2.19

1.80

13 m2

1.80

1.55

12.4 m2

1.05

1.74

13 m2 2.80

1.80

.15

CCP

2.75

18.5 m2

.15

.99

+12.50

.15

1.78

5.00

.15

3.43 .15 7.01

.15

5.30

3.44

.15

1.55

.15

1.85

1 0

A

5 10

3º, 4º, 5º PAV. 10


AR O NÃO-LUGAR EM UM LUGAR O COMO O ENCONTRO ENTRE AS ARMONIA ENTRE AS ERAS”.

A

4.55

9.00

B

B 16.03

.15

C.M.B Inc

4.71

.15

19.05

4.32

R.I

Ateliê Coop.

2.80

2.08

2.75

.15

+18.5

5.08

7.24 1.85

A 1 0

5 10

COBERTURA 11


PROJETO PAISAGÍSTICO Além do projeto da residencial estudantil, houve uma preocupação na integração do mesmo com o espaço público presente. Sendo assim, o área de intervenção recebeu um trato paisagístico com especificações de piso, plantio e iluminação artificial.

5

4

4

1

1

1

.03 .20

.08

.24

.08

.60

AREIA PEDRA BRITADA

Escola Tática

.60

1 1

MADEPLAST

1

.45 .30

2

.40

.10 .05 .15

.04

.42

BANCO DE CONCRETO

2

LAJOTAS COM JUNTAS FINAS PREENCHIDAS COM AREIA AREIA COMPACTADA

2

AGREGADO COMPACTADO

2

SUBSOLO COMPACTADO

3

2

3

2 2

DETALHE BANCO

3 2

3



3

4

2

2

4

2

2

2

2

.38 .05 .10

.43

.48

.05

.45

DETALHE ESPELHO D’ÁGUA

“É preciso, sobretudo, e aí já vai um destes sa experiência formadora, assumindo-se como s que ensinar não é transferir conhecimento, m

FREIRE, P. - Pedagogia da Autonomia. Sabere

12


1

1

1 1

1

1 1 -3.50 5 0.00

1 2 1

1 -1.05

1 1

2 2

2

“É preciso, sobretudo, e aí já vai um destes saberes in experiência formadora, assumindo-se como sujeito ta que ensinar não é transferir conhecimento, mas criar

1 +2.00

2 1

FREIRE, P. - Pedagogia da Autonomia. Saberes necess

1

2 1

2 INTEGRAÇÃO DOS SABERES – DESENVOLVIMENTO TÁTIL 1

1 +2.00

1

A escola é um ambiente no qual tanto os alunos quanto os professores e demais funcionários estão envolvidos em uma dinâmica de troca de aprendizado mútuo. Paulo Freire fala sobre a inclusão do ser humano em um 1movimento de procura, de 2 curiosidade ingênua e crítica; e a escola, nesse sentido, deve atuar como um agente mediador dessas relações de experiências como produtoras do saber de forma autônoma. Isso significa que a partir das diversas atividades propostas dentro e fora do ambiente das salas de aula, com a experiência de diferentes indivíduos e com a contribuição de 6 novos conceitos é possível formar não só um lugar saberes para a construção de 2 2 dotado de significado, mas indivíduos capazes de pensar no todo do qual fazem parte. Dessa forma, o partido arquitetônico é reflexo dessas intenções. A partir de fragmentos, os setores da escola se localizam apropriando as características mais importantes pré existentes no terreno e se relacionam entre si por meio de suas atividades. A relação com o entorno, por sua vez, se estabele através da comunicação visual entre 1 mas fornece um ‘’respiro’’ para a área da escola, níveis que não se acumulam em altura, bem como as dinâmicas sociais que se conectam e complementam mutuamente. aberes indispensáveis, que ocomo formando, desde o princípio mesmo de sua A Escola Tática surge uma estratégia de aprimoramento no sistema escolar das Municipais do Rio Janeiro. Ose conceito de tato faz definitivamente uma analogia ao cresci- de sujeito tambémEscolas da produção dodesaber, convença mento das crianças que utilizam o tocar como forma de descoberta/estudo, e da mas criar as possibilidade produção ou aessa sua construção.” mesma maneira para a criaçãoadesua espaços táteis manifestam sensação aos usuários, já que tais ambientes, além de serem apropriáveis, são mutáveis, ou seja, a criança participa das transformações. es necessários à Oprática tato busca educativa. a inclusão de alunos especiais, pois acredita-se que a comunicação entre todos os alunos é essencial para o crescimento dos mesmos. 5 Essa instituição, para preciso, sobretudo, e aí já vai um destes saberes indispensáveis, que o formando, desde o princípio mesmo de sua fazer valer o valor inclusitório, possui Conjuntos de “É Formação Especial, sendo esses experiência assumindo-se como sujeito também da produção do saber, se convença definitivamente de constituídos por salas táteis, voltadas para a educação da vida formadora, em comunidade. que ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidade para a sua produção ou a sua construção.”

13


INTEGRAÇÃ recreat

Apoio Pedagógico

no qual tanto os alunos quanto os professores e demais lvidos em uma dinâmica de troca de aprendizado mútuo. inclusão do ser humano em um movimento de procura, de rítica; e a escola, nesse sentido, deve atuar como um agente DISCIPLINA: PROJETO ARQUITETÔNICO es de experiências como produtoras do saber de forma

e vivência

ESCOLA TÁTICA

PRODUTO: ESCOLA MUNICIPAL NO RJ

A escola é um am funcionários estã Paulo Freire fala s curiosidade ingên mediador dessas autônoma. Isso significa que das salas de aula, saberes para a co dotado de signifi parte. Dessa forma, oVO pa tos, os setores da pré existentes no A relação com o e níveis que não se bem como as din A Escola Tática su Escolas Municipa mento das crianç mesma maneira a que tais ambient ticipa das “Étransfo precis SE O tato busca a inc experiên todos osque alunos ensié fazer valer o valo constituídos porVIV FREIRE, Agregadora e Cap cação Cooperativ com outros aluno

III

r das diversas atividades propostas dentro e fora do ambiente PERÍODO: 2016.1 experiência de diferentes indivíduos e com a contribuição de PROFESSORES: PETAR VRIDRADIC ão de novos conceitos é possível formar não só um lugar masREALIZADO indivíduos capazes de pensar no todo qual fazem COM: RAQUEL do ZAPFF

“É preciso, sobretudo, e aí já vai u experiência formadora, assumind que ensinar não é transferir conhe



FREIRE, P. - Pedagogia da Autonom

INTEGRAÇÃO DOS SABERES TÁTIL arquitetônico é reflexo dessas intenções. A partir–deDESENVOLVIMENTO fragmenproposta da disciplina foi implementar uma escola se A localizam apropriando as características mais importantes deentre ensino em um bairro o e municipal se relacionam si porfundamental meio de suas atividades. A escola é um ambiente no qual tanto os alunos professores o, por sua vez, se estabele através comunicação visual os entre consolidado, no caso Vilada Isabel, entrequanto duas ruas de e demais funcionários estão envolvidos em uma dinâmica de troca de aprendizado mútuo. ulam em altura, mas fornece um ‘’respiro’’ para a área da escola, características e dinâmicas Paulo Freire fala sobre a inclusão dodistintas. ser humano em um movimento de procura, de s sociais que se conectam e complementam mutuamente. Dessa forma, a ideia trabalhada em conjunto foiatuar como um agente curiosidade ingênua e crítica; e a escola, nesse sentido, deve mo umamediador estratégia de aprimoramento no sistema escolar dasdo saber de forma dessas relações de experiências como produtoras desenvolver uma integração dos saberes por meio do INTEGRAÇÃO DOS SABERES – DESENVOLVIMENTO TÁTIL io de Janeiro. O conceito de tato faz uma analogia ao cresciautônoma. desenvolvimento tátil,de conceito esse que como utilizam o tocar como descoberta/estudo, esurge da dentro Isso significa que aforma partir das diversas atividades propostas e fora do ambiente Referência A escola é um ambiente no qual tanto os alunos quanto os professores e demais uma no do dasestratégia salastáteis de aula, comaprimoramento a experiência de diferentes indivíduosescolar, e com a contribuição de ão de espaços manifestam essa sensação aossistema usuários, já funcionários estão envolvidos em uma dinâmica de troca de aprendizado mútuo. Paulolugar Freire fala sobre a inclusão do ser humano em um movimento de procura, de saberes paracom a construção de novos conceitos possívelde formar não só um asão possibilidade de criação m dejuntamente serem apropriáveis, mutáveis, ou seja, aécriança parcuriosidade ingênua e crítica; e a escola, nesse sentido, deve atuar como um agente dotado de significado, mas indivíduos capazes de pensar no todo do qual fazem mediador dessas relações de experiências como produtoras do saber de forma es. espaços, percurso táteis, os quais integrando o autônoma. parte. Isso significa que a partir das diversas atividades propostas dentro e fora do ambiente de alunos especiais, pois acredita-se que aecomunicação entre FL ensino maneira apropriativa inclusiva em relação salas de aula, com a experiência de diferentes indivíduos– e com a contribuição de Dessade forma, o partido arquitetônico é reflexo dessas intenções. A partirdas de fragmenINTEGRAÇÃO DOS SABERES DESENVOLVIMENTO TÁTIL  saberes para a construção de novos conceitos é possível formar não só um lugar cial paratos, o crescimento dos mesmos. Essa instituição, para os setores da escola se localizam apropriando as características maisdotado importantes de significado, mas indivíduos capazes de pensar no todo do qual fazem aos alunos. parte. itório, possui Conjuntos de Formação Especial, sendo pré existentes no terreno e se relacionam entre si por esses meio de suas atividades. Dessa forma, arquitetônico reflexo dessas A partir de A escola oépartido um ambiente no équal tanto osintenções. alunos quanto osfragmenprofessores VOLUMETRIAe demais tos, os setoresentre da escola se localizam apropriando as características mais importantes áteis, voltadas para dasua vida em A relação comaoeducação entorno, por vez, secomunidade. estabele através da comunicação visual funcionários estão envolvidos em uma dinâmica de troca de aprendizado mútuo. pré existentes no terreno e se relacionam entre si por meio de suas atividades. que se acumulam em altura, mas fornece um ‘’respiro’’ para a área dacom escola, Paulo Freire fala sobre a inclusão do ser humano em um movimento da, há o níveis desejo danão instituição promover projetos de ComuniA relação o entorno, por sua vez, se estabele através da comunicação visual entre de procura, de níveis que não se acumulam altura, mas ‘’respiro’’ para a deve área daatuar escola,como um agente curiosidade ingênua em e crítica; e a fornece escola,um nesse sentido, bem como as dinâmicas sociais que conectam e complementam mutuamente. dades onde os alunos compartilham osseseus conhecimentos bem como as dinâmicas sociais quede se conectam e complementam mutuamente. mediador dessas relações experiências como produtoras do saber de forma A Escola Tática das surge como uma estratégia de aprimoramento no sistema escolar das A Escola Tática surge como uma estratégia de aprimoramento no sistema escolar autônoma. m a comunidade, por meio de monitorias, feiras e oficinas. Escolas Municipais do Rio de Janeiro. O conceito de tato faz uma analogia ao cresci-

Escola Tática

Escola Tática

Admisnitrativo e Apoio Pedagógico

Pedagógico

Serviços e vivência

Educacional recreativo

Vivência e Assistência

Escolas Municipais do Rio de Janeiro. O conceito de tato faz uma analogia aodas cresciIsso significa a partiro das atividades propostas edentro e fora do ambiente mento criançasque que utilizam tocardiversas como forma de descoberta/estudo, da mesma maneira criaçãocom de espaços táteis manifestam essa sensação aos usuários, já a contribuição de dasesalas dea aula, a experiência de diferentes indivíduos e com mento das crianças que utilizam o tocar como forma de descoberta/estudo, da quesaberes tais ambientes, de serem apropriáveis, são mutáveis, ou seja, a criança par para aalém construção de novos conceitos é possível formar não só um lugar SETORIZAÇÃO ticipa das transformações. mesma maneira a criação de espaços táteis manifestam essa sensação aos usuários, já dotado de significado, mas indivíduos capazes de pensar no todo do qual fazem O tato busca a inclusão de alunos especiais, pois acredita-se que a comunicação entre que tais ambientes, além de serem apropriáveis, são mutáveis, ou seja, atodos criança parparte. os alunos é essencial para o crescimento dos mesmos. Essa instituição, para fazer valer o valor inclusitório, Conjuntos de Especial,intenções. sendo essesA partir de fragmenDessa forma, o partidopossui arquitetônico é Formação reflexo dessas ticipa das transformações. constituídos por salasda táteis, voltadas para a educação da vida emas comunidade. tos, os setores escola se localizam apropriando características mais importantes Agregadora eentre Capacitada, há o desejo da instituição promover projetos de ComuniO tato busca a inclusão de alunos especiais, pois acredita-se que a comunicação pré existentes no terreno e se relacionam entre si por meio de suas atividades. cação Cooperativa: atividades onde os alunos compartilham os seus conhecimentos A outros relação come com o entorno, por sua da comunicação visual entre todos os alunos é essencial para o crescimento dos mesmos. Essa instituição, para com alunos a comunidade, porvez, meiose deestabele monitorias,através feiras e oficinas. níveisesses que não se acumulam em altura, mas fornece um ‘’respiro’’ para a área da escola, fazer valer o valor inclusitório, possui Conjuntos de Formação Especial, sendo bem como as dinâmicas sociais que se conectam e complementam mutuamente. constituídos por salas táteis, voltadas para a educação da vida em comunidade. Referências: A Escola Tática surge como uma estratégia de aprimoramento no sistema escolar das Municipais do Rio de Janeiro. O conceito de tato faz uma analogia ao cresciAgregadora e Capacitada, há o desejo da instituição promover projetos deEscolas Comunimento das crianças que utilizam o tocar como forma de descoberta/estudo, e da cação Cooperativa: atividades onde os alunos compartilham os seus conhecimentos mesma maneira a criação de espaços táteis manifestam essaFLUXOS sensação aos usuários, já com outros alunos e com a comunidade, por meio de monitorias, feiras e oficinas. que tais ambientes, além de serem apropriáveis, são mutáveis, ou seja, a criança par-

PAR

PEDAGÓGICO

VIVÊNCIA E ASSISTÊNCIA ADMINISTRATVIO E APOIO PEDAGÓGICO

SERVIÇOS

Admisnitrativo e Apoio Pedagógico

Pedagógico

Serviços e vivência

Vivência e Assistência

ticipa das transformações. O tato busca a inclusão de alunos especiais, pois acredita-se que a comunicação entre todos os alunos é essencial para o crescimento dos mesmos. Essa instituição, para fazer valer o valor inclusitório, possui Conjuntos de Formação Especial, sendo esses constituídos por salas táteis, voltadas para a educação da vida em comunidade. Agregadora e Capacitada, há o desejo da instituição promover projetos de Comunicação Cooperativa: atividades onde os alunos compartilham os seus conhecimentos com outros alunos e com a comunidade, por meio de monitorias, feiras e oficinas. PARTIDO ESTRUTURAL

Admisnitrativo e Apoio Pedagógico

Pedagógico

Serviços e vivência

Educacional recreativo

Vivência e Assistência

2.70

1.55

1.55

VOLUMETRIA

3.67

1.19

Referências:

Educacional recreativo

14


ÃO SABERES – DESENVOLVIMENTO TÁTIL tivo DOS Assistência

Referências:

mbiente no qual tanto os alunos quanto os professores e demais ão envolvidos em uma dinâmica de troca de aprendizado mútuo. sobre a inclusão do ser humano em um movimento de procura, de nua e crítica; e a escola, nesse sentido, deve atuar como um agente s relações de experiências como produtoras do saber de forma

Lab.

Ateliê

118.80 m²

artido arquitetônico dessas intenções. partir de fragmenOLUMETRIA mia. Saberesé reflexo necessários à Aprática educativa.

4.01

120.20 m²

3.63

Banh.

13.00

3.50

1.35

29.50 m²

0.00

1.15

2.45

8.95 24.28

Quadra Inf.

Dep. 16.20 m²

28.86

6.00

2.80

FREIRE, P. - Pedagogia da Autonomia. Saberes necessários à prática educativa.

2.29

“É preciso, sobretudo, e aí já vai um destes saberes indispensáveis, que o formando, desde o princípio mesmo de sua experiência formadora, assumindo-se como sujeito também da produção do saber, se convença definitivamente de que ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidade para a sua produção ou a sua construção.”

2.80

as:

29.50 m²

.90

Banh.

a escola se localizam apropriando as características mais importantes o terreno e se relacionam entre si por meio de suas atividades. entorno, por sua vez, se estabele através da comunicação visual entre e acumulam em altura, mas fornece um ‘’respiro’’ para a área da escola, nâmicas sociais que se conectam e complementam mutuamente. urge como uma estratégia de aprimoramento no sistema escolar das 14.90 13.55 4.01 9.82 ais do Rio de Janeiro. O conceito de tato faz uma analogia ao cresciças que utilizam o tocar como forma de descoberta/estudo, e da a criação de espaços táteis manifestam essa sensação aos usuários, já tes, além de serem apropriáveis, são mutáveis, ou seja, a criança parormações. so, sobretudo, e aí já vai um destes saberes indispensáveis, que o formando, desde o princípio mesmo de sua ETORIZAÇÃO clusão de alunos especiais, pois acredita-se que a comunicação ncia formadora, assumindo-se como sujeito também da entre produção do saber, se convença definitivamente de éinar essencial o crescimento dos mesmos. Essa instituição, para não épara transferir conhecimento, mas criar as possibilidade para a sua produção ou a sua construção.” PEDAGÓGICO or inclusitório, possui Conjuntos de Formação Especial, sendo esses VÊNCIA E ASSISTÊNCIA salas táteis, voltadas para a educação da vida em comunidade. P. - Pedagogia da Autonomia. Saberes necessários à prática educativa. ADMINISTRATVIO E pacitada, há o desejo da instituição promover projetos de ComuniAPOIO PEDAGÓGICO va: atividades onde os alunos compartilham os seus conhecimentos SERVIÇOS os e com a comunidade, por meio de monitorias, feiras e oficinas.

15.21

ficado, mas indivíduos capazes de pensar no todo do qual fazem

7.19

um destes saberes indispensáveis, que o formando, desde o princípio mesmo de sua e a partir das diversassujeito atividades propostas dentroda e fora do ambiente do saber, se convença definitivamente de do-se como também produção , com a experiência de diferentes indivíduos e com a contribuição de ecimento, criar as formar possibilidade onstrução de novosmas conceitos é possível não só um lugar para a sua produção ou a sua construção.”

PL. Térreo_1/500 10

LUXOS

20

Corte B_1/25

1.55

3.67

1.19

A

RTIDO ESTRUTURAL

2.70

1.55

0.00

-2.80

2.80

2.29

.90

Corte A_1/250

2.80

0.00

-2.80

Corte B_1/250

0.00

-2.80

-2.80

15


VOLUMETRIA

2.29

1.55 1.55

0.00

2.70

-2.80

2.80

SETORIZAÇÃO PARTIDO ESTRUTURAL

.90

3.67

1.19

FLUXOS

PEDAGÓGICO VIVÊNCIA E ASSISTÊNCIA

Corte A_1/250 2.80

ADMINISTRATVIO E APOIO PEDAGÓGICO

SERVIÇOS

C

Cor

1.55 1.55

3.67

1.19

FLUXOS

1.19

PARTIDO ESTRUTURAL

0.00

2.70

0.00

3.67

-2.80

1.55

Corte A_1/250 1.55

0.00

2.70

RAL

SERVIÇOS

-2.80

CORTE Corte A_1/250 AA’

16


-2.80 -2.80

Corte B_1/250 1.84

1

1

0

0.00

-2.80 1.06

5

0.00 0.00

5 10

17

FAU - UFRJ - DPA - PROJETO III 2.90 .40 DE 2.70 ARQUITETURA 3.19 1.84

3.19

0 2.80

-2.80

2.90

Corte -2.80 B_1/250 2.80

0.00

FAU - UFRJ - DPA - PROJETO DE ARQUITETURA III PROFESSOR PETAR VRCIBRADIC TURMA B ALUNAS: CÂNDIDA ZIGONI E RAQUEL ZAPFF

2.70

-2.80

.62 2.10

.40

2.70

2.90

3.19

1.84

2.80

2.80

1.06

.62 2.10

FAU - UFRJ - DPA - PROJETO DE ARQUITETURA III PROFESSOR PETAR VRCIBRADIC TURMA B ALUNAS: CÂNDIDA ZIGONI E RAQUEL ZAPFF

-2.80

1.84

.90

0.00

.40

3.19

2.29

0.00

2.90

2.80

.90

-2.80

2.70

2.80

2.29

rte B_1/250 BB’ CORTE

2.80

2.80

2.80

2.80

2.80

0.00

.40

2.80

-2.80

Corte B_1/250

0.00

10

1.06

2.29

.62 2.

.90


A

1 29.95

4.50

2.87

21.58

Guarita 0.00

0.00

4.70

14.03

12.29

9.14

48 m²

Auditório

0.00 9.14

48 m²

Secretaria 26.15 m²

DTL 27.90 m²

40.80 m²

CB

40.80 m²

14.90 m²

9.14

48 m²

Sanit. Func. 28.40 m²

Refeitório 390 m²

Sanit.P

Sanit.P

11.30 m²

11.30 m²

40.80 m² 40.80 m²

B

B

48 m²

9.14

B

Sanit.I 11.20 m²

Sanit.I

73.70 m²

11.20 m²

Cozinha 40.80 m²

40.80 m²

9.14

48 m²

-2.80

48 m²

Despensa 33.70 m²

1.65

Triagem

5.63

3.92

10.00

5.02

50.50 m²

Sanit. Inf.

48 m²

16.58

5.89

40.80 m²

10.90 m²

Sanit. Inf.

10.90 m²

40.80 m²

5.64

48 m²

4.96

2.05

16.06

40.80 m²

40.80 m²

Sala Leitura e Sala Tátil

48 m²

8.44

114.90 m²

48 m²

33.95

-2.80 1.50 40.80 m²

40.80 m²

7.19

20.92

48 m²

Lab.

Ateliê

118.80 m²

4.01

120.20 m²

9.37

Banh.

Banh.

29.50 m²

29.50 m²

2.05

1.15

13.55

4.01

9.82

2.45

8.95

15.21

14.90

PL. Su

PL. Térreo_1/500 0

5

10

20

0

5

10

20

0

A

PLANTA SUBSOLO

18

5


A

A

1 29.95

5.50

3.07

4.50

2.87

21.58

Guarita 14.92

0.00

0.00

14.03

12.29

6.89

C/D Aliment.

6.29

39.60 m²

Sl. Reunião

6.71

4.70

44.20 m²

9.14

48 m²

Sl. Prof.

6.89

23 m²

Auditório

2.40

68.30 m²

Copa

11.10 m²

0.00

Orient. Educ.

48 m²

9.14

3.51

16.60 m²

Almoxar. Secretaria

11.60 m²

26.15 m²

Coord. Pedag. 27 m²

5.63

DTL 27.90 m²

40.80 m²

40.80 m²

CB

14.90 m²

9.14

48 m²

Sanit. Func. 28.40 m²

Refeitório 390 m²

Sanit.P

Sanit.P

11.30 m²

40.80 m²

11.30 m²

40.80 m²

B

48 m²

0.00

Sanit.I 11.20 m²

B

21.61

B

9.14

B

Sanit.I

73.70 m²

11.20 m²

Cozinha 40.80 m²

40.80 m²

5.51

9.14

48 m²

-2.80

48 m²

9.90 m²

4.08

-2.80

Despensa 33.70 m²

Banh. Func.

1.65

Triagem

5.63

3.92

10.00

1.34

9.90 m²

5.02

Copa Func. 25 m²

8.58

50.50 m²

Sanit. Inf.

48 m²

10.90 m²

Amb. 54.65 m²

16.58

Sanit. Inf.

5.89

40.80 m²

10.90 m²

5.64

40.80 m² 48 m²

11.20

4.96

2.05

16.06

40.80 m²

40.80 m²

Sala Leitura e Sala Tátil

48 m²

8.44

114.90 m²

48 m²

33.95

-2.80 1.50 40.80 m²

40.80 m²

7.19

20.92

29.99

48 m²

Lab.

Ateliê

118.80 m²

4.01

120.20 m²

9.37

Banh.

3.63

Banh.

29.50 m²

13.00

3.50

1.35

29.50 m²

0.00

2.05

1.15

14.90

13.55

4.01

9.82

2.45

8.95

15.21

24.28

Quadra Inf.

Dep. 16.20 m²

28.86

6.00

ubsolo_1/500 10

20

0

5

10

20

A

A

PLANTA TÉRREO

19


Fachada_1/250

20


Fachada_1/250

21


PARK(ing)DAY

PROJETO DE EXTENSÃO: INICIAÇÃO CIÊNTIFICA - LABIT (Laboratório de Intervenções Temporárias e Urbanismo Tático) FAU-UFRJ PRODUTO: Intervenção temporária - Parklet PERÍODO: 2016.2 ORIENTADORA: ADRIANA SANSÃO REALIZADO COM: ADRIANA SANSÃO, ALINE FERNANDES, FERNANDA PACHECO, FERNANDO ESPOSÍTO, JOY TILL, VICTOR MOTTA o mesmo de sua

ESTUDOS PRELIMINARES 6.00

2.53

2.93

5.37 10.03

nitivamente de onstrução.”

Como bolsista desse projeto de extensão pude contribuir para a realização dessa ntervenção concreta em outubro de 2016. A ideia foi ocupar temporariamente duas vagas de carro nas proximidades da Praça São Salvador e intervir na paisagem e no uso do espaço público, que constantemente é subutilizado. Sendo assim, ativou-se o local com o Park(ing) Day, numa linguagem subversiva e solidária durante o Dia Mundial Sem Carros. Nessa edição, o tema foi PIC TROCA NA VAGA. O ato de trocar se materializou no picnic com a troca de experiências e na feira com doações e troca de objetos (agasalhos, alimentos não perecíveis, livros e mudas de tempero).

22


1.00 2.20

1.13

2.13

23


25


2.90

3.19

1.84

FAU - UFRJ - DPA - PROJETO DE ARQUITETURA III PROFESSOR PETAR VRCIBRADIC TURMA B ALUNAS: CÂNDIDA ZIGONI E RAQUEL ZAPFF

2.70

0.00

.40

2.80

2.80

1.06

.62 2.10

EXPRESSÃO GRÁFICA

24


Portifolio Cândida Zigoni