Issuu on Google+

Ano IX - Nº 120 - Dezembro de 2010 - Revista Mensal do Sócio Evangelizador

clube.cancaonova.com

ISSN 1806-1494

palavra do fundador O melhor presente de Natal

r e v i s t a

O melhor presente é ser presença


T IRAGEM : 514.000 unidades I MPRESSÃO : ESDEVA INDÚSTRIA GRÁFICA S.A. Distribuição gratuita aos sócios evangelizadores

O MELHOR PRESENTE DE NATAL

5

palavra da Igreja

Igreja pai das miser icórdias

4

PAZ NA TERRA AOS HOMENS POR ELE AMADOS

6 É NATAL! VEM, SENHOR JESUS!

7 Palavra em destaque

Cachoeira Paulista- SP - Brasil Caixa Postal 57 CEP 12630-000 Tel: 55 (12) 3186 2600 www.cancaonova.com revista@cancaonova.com clube.cancaonova.com

CONSTRUA ESSE SONHO COM A GENTE!

palavra do fundador

FALE CONOSCO:

Índice

Expediente

FUNDADOR DA COMUNIDADE CANÇÃO NOVA: MONSENHOR JONAS ABIB PRESIDENTE: WELLINGTON SILVA JARDIM DIRETOR EXECUTIVO: FILIPE JARDIM JORNALISTA RESPONSÁVEL: OSVALDO LUIZ/MTB 23094 COORDENAÇÃO: SIMONE LARANJEIRA PRODUÇÃO E ASSESSORIA: MAURICIO MOURA, DÉBORA FERREIRA, AUGUSTO LUIZ E VÂNIA REGINA REVISÃO ORTOGRÁFICA: CLUBE DA EVANGELIZAÇÃO DIREÇÃO DE ARTE: AGÊNCIA DE PUBLICIDADE CANÇÃO NOVA PROJETO GRÁFICO: NELI SESTARI DIAGRAMAÇÃO: NELI SESTARI, DANIEL GOMES E ISAAC ARLEY FOTOS: AGÊNCIA DE PUBLICIDADE CANÇÃO NOVA CAPA: NELI SESTARI


Untitled-1 1

editorial

Um presente e um abraço

“Que minhas simples palavras cheguem até você com a força de um abraço.” (Monsenhor Jonas Abib)

27/10/2010 11:51:12

JOVEM EM AÇÃO

15

16 MARIA NO NASCIMENTO DE JESUS

17

Sistema de Comunicação

santo do mês

educando

14

TV CANÇÃO NOVA EM SANTA CATARINA

18 ACAMPAMENTO DE ANO NOVO

19 agenda

SEGURANÇA ALIMENTAR NA CEIA DE NATAL

13

DIA 4, SÃO JOÃO DAMASCENO

formação

10

A FÉ E A SAUDADE CONVIVEM

ação jovem

VITÓRIAS E CONQUISTAS!

9

O MELHOR PRESENTE É SER PRESENÇA

+ vida

8

matér ia especial

CASA NOVA CANÇÃO NOVA

administração e vida

clube da evangelização

Nesta edição especial de Natal, trazemos como matéria de capa um artigo direto da Terra Santa. Que bom seria se pudéssemos passar a noite santa onde Jesus nasceu. Padre Xavier vive essa experiência e testemunha: “O melhor presente é ser presença”. O segredo, segundo Monsenhor Jonas, é viver o natal de dentro para fora: nosso coração é o presépio mais bonito. Esperamos reproduzir em nossas páginas o brilho daquela noite de Belém, com o hino dos anjos: “Paz na terra aos homens de boa vontade”. Paz que para Dom Benedito Beni, bispo de Lorena, é um anseio irreprimível e foi poeticamente citada em Isaías: “O lobo e o cordeiro pastarão juntos”. Há quem não goste do Natal. Isso se dá, principalmente, depois de alguma perda. Aí vale ler o texto de Gabriel Chalita quer nos mostrar que “fé e saudade convivem”; lembrar com o professor Felipe Aquino das dificuldades enfrentadas por Maria: viagem longa, falta de abrigo, gruta fria, pobreza; e com o Eto perceber também as conquistas e que “a vitória está interligada à cruz”. Mas há também quem espere ansiosamente pelas festas de fim de ano e já esteja pensando nos detalhes. Olha: para você há uma recomendação bem prática da nutricionista Gisela Savioli: o que você prepara para ceia não pode ficar fora da geladeira nem antes nem depois. E as sobras devem ser consumidas em 24 horas! Você já ouviu falar da história de um santo que teve a mão cortada e milagrosamente recomposta? Leia o artigo do padre Fabrício. Conhece esta frase de Madre Teresa de Calcutá: “Não devemos permitir que alguém saia da nossa presença sem se sentir melhor e mais feliz”. Ela foi citada no artigo Ação Jovem. Já ouviu Luzia Santiago testemunhar sobre o apostolado entre os jovens de padre Jonas Abib (aniversariante do mês – 21/12)? Então “mãos à obra”, boa leitura e que o Menino Deus abençoe sua casa!


Queridos irmãos, Terminamos mais um ano, e nossa linda obra continua crescendo. Agradeço a vocês que ajudaram fazendo sua doação em ouro para a construção da Igreja do Pai das Misericórdias. Em janeiro de 2011, iniciaremos uma nova etapa: o telhado de nossa Igreja, e contamos novamente com sua ajuda. Deus abençoe vocês! Um feliz Natal e um abençoado ano novo a todos! Seu irmão, Eto.

Construa esse sonho com a gente! Envie sua doação em ouro e seu testemunho de vida para uma de nossas Casas de Missão ou via SEDEX para o endereço: Fundação João Paulo II - Caixa Postal 57 CEP: 12630-000 - Cachoeira Paulista - SP

AJUDE A CANÇÃO NOVA A EVANGELIZAR! Você, sócio, agora conta com uma nova opção para ajudar a Canção Nova.

CITIBANK Conta corrente 29346770 Agência 0001 - Paulista Banco 745 - Banco Citibank S/A

04 Revista Canção Nova Dezembro 2010


palavra do fundador

O melhor presente de Natal “Senhor Deus, celebrando de todo o coração o nascimento do vosso Filho, dai-nos a graça de aprofundar nossa fé em tão grande mistério e crescer cada vez mais em seu amor.” Essa oração da missa de Natal nos dá uma preciosa dica para vivenciarmos verdadeiramente o Natal do Senhor. Celebrar de todo o coração: é assim que devemos nos preparar para viver este Natal, de dentro para fora. Deixar que nosso coração seja o presépio mais bonito, onde o Menino Jesus será acolhido. Não estou desprezando os lindos enfeites externos e luzes do tempo de Natal, porém estou o convidando a deixar que este Natal aconteça primeiro dentro de você. Não tenha receio de oferecer seu coração para a acolhida do Menino que vai nascer. Isso fará toda a diferença em sua experiência neste tempo de Natal. Para muitas pessoas, o Natal é uma data triste, pois se lembram das pessoas que já faleceram ou que estão distantes. Para essas pessoas, quero reforçar o convite de deixar o coração aberto para a acolhida do Menino Deus. Se isso acontecer, até a ausência de quem tanto amamos passa a ter um novo significado. Faça a experiência! Este Natal será diferente. Também existem aqueles que gostam muito do tempo do Natal, por causa das festas, comidas, presentes, luzes... para esses, deixo o convite para viverem um Natal centralizado no Menino Jesus, que nasce pobre, porém no seio de uma verdadeira família. Os maiores presentes que podemos celebrar neste tempo são as pessoas que estão a nosso lado, deem uma olhada e vejam que presente Deus deu a vocês aí em sua família. Natal também é um tempo propício para a conversão. Quem faz a experiência de se sentir amado por Deus, pelo mistério da encarnação de Jesus, acaba sendo impelido a responder com

uma vida mais coerente e aberta ao amor a Deus e ao próximo. A cada sócio desta Obra de Evangelização, quero agradecer em particular. Deus lhe pague por mais este ano de fidelidade, a sua contribuição é a prova concreta de um coração agradecido e comprometido com a evangelização. Você realmente entendeu que nossa missão é salvar almas. Quero terminar pedindo ao Senhor uma graça: que minhas simples palavras cheguem até você com a força de um abraço. Eu aprendi na

Que nosso coração seja o presépio mais bonito, onde o Menino Jesus será acolhido. convivência entre os irmãos que um abraço e um sorriso dado com amor é o melhor presente e uma fonte inesgotável de cura e crescimento. Por isso, quero que você se sinta abraçado(a) por mim. Feliz Natal!

Monsenhor Jonas Abib

Fundador da Comunidade Canção Nova www.twitter.com/padrejonasabib www.padrejonas.com Revista Canção Nova Dezembro 2010

05


palavra da Igreja

Paz na terra aos homens por Ele amados

“IDE POR TODO O MUNDO E PROCLAMAI O EVANGELHO…” (Mc 16,15)

A paz é um anseio irreprimível, presente no coração de cada pessoa. Em todos os tempos, o ser humano sempre sonhou com a paz. O profeta Isaías expressou, com palavras poéticas, esse sonho. Ele anunciou o dia em que as armas de guerra se transformarão em instrumentos de trabalho; o lobo e o cordeiro pastarão juntos; as crianças brincarão com as serpentes. Na noite de Natal, os anjos, entoando uma melodia celeste, jamais ouvida, anunciaram ao mundo a paz messiânica: “Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens que Deus ama!”. Essa paz não designa apenas a ausência de violência, de conflitos, de guerras. A paz messiânica é um conjunto de diversos bens: justiça, bondade, amor, fraternidade, perdão. Quem pratica a justiça, já está construindo a paz. Quem é bondoso, está construindo a paz com o próximo. Quem ama, constrói sempre a paz. Quem procura ser irmão, constrói a paz a seu redor. Mas, sobretudo, constrói a paz quem perdoa. Sabemos que violência sempre gera violência. O único meio de quebrar essa corrente é o perdão. Além disso, o perdão sempre renova as pessoas. Ninguém permanece o mesmo depois que recebe o perdão. A paz precisa ser construída em todos os espaços de nossa existência. Antes de tudo, em nosso interior, em nossa consciência. Quem não está em paz consigo mesmo, não pode viver em paz com outros. Outro espaço importante para a construção da paz é a família. Ela é aquele espaço onde procuramos refúgio. Onde cada um de nós é reconhecido não por seus títulos, não por aquilo que possui, mas por aquilo que é. Quando falta a paz, a vida em família se torna insuportável. A seguir, vem a paz na so-

ciedade. Ela depende não só dos governantes, mas também de cada cidadão, de cada grupo social. Finalmente, a paz mundial, pois a humanidade é uma grande família. Um grande obstáculo para a construção da paz na sociedade é a mentira. A mentira é algo tão grave que a Sagrada Escritura afirma que o diabo é seu pai. Apegar-se à verdade, defender sempre a verdade, é um meio de construir a paz. A paz também se constrói com a educação. Nós nascemos com uma natureza. A educação acrescenta em nós uma segunda natureza, pois ela forma a nossa personalidade. A paz nós a construímos, sobretudo, com a oração. Quanto mais oramos, mais nossa vontade vai se unindo à vontade de Deus. A oração, como escreveu Santa Terezinha do Menino Jesus, é aliança com Deus. Quanto mais o ser humano faz aliança com Deus, mais ele se transforma em construtor da paz. Os santos foram sempre construtores da paz. Àqueles que constroem a paz, Cristo reservou a mais bela de todas as bem-aventuranças: “Eles serão chamados filhos de Deus”. No dia 1º de janeiro, a Igreja celebra a solenidade de Nossa Senhora Mãe de Deus. Foi ela quem gerou, como Homem, aquele que, na expressão de São Paulo, veio para derrubar o muro das divisões entre as pessoas, entre os grupos e entre os povos. Jesus veio para fazer de todos os povos um único povo de Deus. Que Nossa SenhoDom Benedito Beni ra, pois, ajude-nos com dos Santos sua intercessão materna, Bispo da diocese de Lorena-SP a ter pensamentos de paz e não de ódio!

Quem ama, constrói sempre a paz.

06 Revista Canção Nova Dezembro 2010


palavra em destaque

É Natal! Vem, Senhor Jesus! “O povo que andava na escuridão viu uma grande luz, para os que habitavam as sombras da morte uma luz resplandeceu... pois nasceu para nós um menino, um Filho nos foi dado. Seu nome será maravilhoso Conselheiro, Deus forte, Pai para sempre, Príncipe da paz!” (Is 9,1.5). A primeira vez que me lembro de ter ouvido essa palavra foi pelos lábios do Pe. Jonas, que, entusiasmado, pregava aos jovens a salvação de Deus, por meio de seu Filho Jesus Cristo. Eu me defino naquele tempo como uma jovem que andava na escuridão de uma vida sem sentido, completamente absorta em meus limites terrenos, vagando na dúvida e na tristeza, e, nesse estado em que me encontrava, tive a graça de conhecer um incansável padre salesiano de Dom Bosco que não media esforços e nem saúde para tirar as pessoas do poder das trevas e introduzilas no Reino da luz: Pe. Jonas, que bondosamente me conduziu à luz de Cristo. Mas não foi somente eu a encontrar essa luz, mas muitos jovens, homens e mulheres de todas as idades fizeram a mesma experiência de abrir o coração e terem a vida transformada por Deus. Em um tempo em que poucos padres se dedicavam à juventude, surgiu o Pe. Jonas, que acreditava nos jovens e neles investia suas forças e energias. Via-se seu empenho nos encontros de jovens, nos Cursilhos de Cristandade, nas experiências de oração no Espírito Santo, e, nessas ocasiões em que ele, além de pregar, animar, cantar, ficava madrugada afora atendendo confissões e, no outro dia cedo, lá estava ele conduzindo a oração matinal. Ao término dos retiros, permanecia com a equipe de serviço, trabalhando até deixar o local do evento totalmente organizado. Foi esse Pe. Jonas que conheci e com o qual convivi a minha juventude inteira. Não havia obs-

táculos e dificuldades para ele; sua fé o movia e conduzia outros a levar a luz do Senhor a todo o povo. Ele ultrapassava as montanhas para que mais pessoas tivessem seu encontro pessoal com Cristo. Não havia tempo difícil ou qualquer coisa que o impedisse de anunciar a vinda de Jesus, o Messias, o Ungido, o Emanuel, Deus que salva e liberta para a vida em plenitude. Pe. Jonas hoje anuncia a vinda de Jesus não tanto com palavras, e sim com a sua vida. Foi por isso que ele, por inspiração divina e no seu ardor

Sua fé o movia e conduzia outros a levar a luz do Senhor a todo o povo. evangélico, fundou a Canção Nova, que anuncia o Cristo que vem e que virá em glória! É Natal! Vem, Senhor Jesus! Para o Pe. Jonas nossa gratidão e nossos parabéns! Para todos nós um santo e feliz Natal, porque Natal feliz é Natal com Cristo!

Luzia Santiago

Cofundadora da Comunidade Canção Nova www.twitter.com/luziasantiago www.luziasantiago.com Revista Canção Nova Dezembro 2010

07


administração e vida

Vitórias e conquistas! É com grande alegria que chegamos ao final de mais um ano! Foram muitas as vitórias e também os desafios e dificuldades que enfrentamos juntos ao longo do caminho concedido por Deus. Os pedidos que fizemos a Ele foram realizados com muita satisfação, e o fruto disso é o sucesso e a alegria do Senhor em nós: “Alegrai-vos sempre no Senhor! Repito: alegrai-vos! (Fl 4,4). Tenho certeza de que para 2011, Deus também tem para nós maravilhosas conquistas e vitórias. Proponho desde já duas regrinhas para alcançarmos a vitória de Deus em nossa vida. A primeira é saber no que devemos focar e em qual velocidade. A segunda é que não devemos esquecer que a vitória está interligada à cruz, ou seja, ao acolhermos o sofrimento, alcançamos as vitórias. E, principalmente, reconhecer que o comando e as demoras são do Crucificado. Isso é imprescindível para se ter uma jornada bem-sucedida nos negócios, nos relacionamentos familiares, na paróquia, enfim, em todas as áreas de nossa vida. Estabeleça a trajetória que deseja seguir e planeje o melhor caminho a tomar, sempre fixado na chegada. Saiba que chegar com sucesso ao ponto que queremos vai depender de nossa habilidade em focar e mapear corretamente o trajeto que iremos percorrer. A chave para o sucesso está em identificar e filtrar as inúmeras possibilidades que nos são colocadas. Mas saber identificar o que é risco e oportunidade exige discernimento e relacionamento íntimo com Deus. Nós precisamos realizar nossa trajetória na oração, na intimidade com a Palavra de Deus e sempre devemos levar a Jesus nossos questionamentos e incertezas. Será que o que planejei está de acordo com a missão que

Deus tem para mim? É a hora de empenhar todo meu esforço nesta etapa em que me encontro? A participação nesse trabalho está adequada para mim? O que é preciso para eu ser feliz e fazer meu próximo feliz? Enfim, essas são algumas reflexões que trago a você para pensarmos como vivemos em 2010 e como podemos melhorar, realizar nossos projetos e alcançar a vitória em 2011. Deus nos quer alegres, confiantes e vitoriosos. Unamo-nos a Ele e

Estabeleça a trajetória que deseja seguir e planeje o melhor caminho a tomar sempre fixado na chegada. que este Natal e o próximo ano sejam abençoados e repletos da misericórdia de Deus. Desejo a você um ano cheio de paz e alegria! De seu irmão que tanto o ama.

Wellington Silva Jardim Cofundador da Comunidade Canção Nova e administrador www.twitter.com/etocn blog.cancaonova.com/eto

Revista Canção Nova Dezembro 2010

09


matéria especial

O melhor presente é

ser presença “AS IS 62,2

O fim do ano é sempre um tempo de alegria e esperança: alegria por tudo aquilo que conquistamos durante todo este ano de 2010 e esperança para tudo que nos aguarda em 2011. Neste tempo, lembramos tudo que nos aconteceu e também das pessoas que entraram em nossa vida, nos fizeram felizes, dividiram conosco momentos felizes, algumas pessoas com certeza se casaram, outras tiveram a alegria de ter um filho (talvez aquele tão esperado de muito tempo), entraram na faculdade, muitos encontraram verdadeiros amigos que os ajudaram

a vencer um sofrimento, uma dor, a encontrar a direção perdida pelo caminho e assim a vencer diversas dificuldades. Nas proximidades do Natal e do ano novo, surge em nós o desejo de demonstrar nossa gratidão e amor por meio de um gesto concreto, de um presente que seja ao mesmo tempo útil para a pessoa que o recebe, e que possa ter também um pouco de nós, que expresse nossa relação pessoal, nosso afeto. Como encontrar o melhor presente então? Hoje, nosso mundo é marcado fortemente pelo consumismo, que progressivamente gera nas pessoas um sentimento profundo de insatisfação com aquilo que se tem, o forte desejo de ter algo diferente, algo novo. Isso influencia até mesmo em nossa

10

Revista Canção Nova Dezembro 2010

vida prática, pois tantos querem uma novidade em suas vidas, sonham com grandes mudanças e, por vezes, sentem-se sozinhos, porque não têm tempo de olhar para os lados e ver as pessoas que eles amam e que convivem com eles. Pode-se sonhar com várias coisas, mas na verdade ninguém tem o sonho de ficar realmente só. Todos sonhamos com a presença dos outros e em ser presença também na vida dos outros, uma presença que seja bem acolhida e agradável. Queremos sempre dividir nossa felicidade com nossos amigos. Nós construímos uma família, uma amizade com nossa capacidade de entrelaçar nossas vi-

das, nossos sonhos etc. É isso que nos faz verdadeiramente mais fortes. É notável e bonito ver as cordas que prendem navios enormes, cordas fortes e resistentes. Ao nos aproximarmos delas, vemos que são formadas de simples fios que sozinhos seriam frágeis, mas que entrelaçados são capazes de vencer desafios enormes, como o de amarrar um navio. Assim é a vida humana, Deus quis que fosse assim e viu que era bom. Nenhum de nós é como uma corrente de aço, que é forte por si mesmo, uma força solitária que tem como consequência ser sozinho e com sentimentos tão duros quanto o aço. Nossa presença fortifica os outros, especialmente os


que mais amamos, e a presença deles nos fortifica também. Somos fortes por sermos juntos. Em nosso tempo, todos possuem compromissos: cada minuto, cada segundo torna-se importante, especialmente nas grandes cidades onde o estresse atinge níveis altíssimos, a vida torna-se agitada. Cada vez torna-se mais difícil encontrar o que é mais importante porque tudo parece mudar o tempo todo. Em um mundo de tanto a se fazer, não podemos deixar de fazer também o amor acontecer, não nos deixarmos controlar demais pelas obrigações e sonhos simplesmente, mas encontrar espaço para dar o presente de nossa presença. Na verdade, o melhor presente é ser presença. Não qualquer presença, mas a presença que acrescenta algo melhor à vida dos outros. E como ser presença? Bem, essa pergunta exige muitas respostas, porque uma presença que acrescenta deve ser adequada a cada pessoa e situação. Eu darei uma dica com base no diário de um santo chileno, Santo Alberto Hurtado. Um dia, ele estava pensando no mandamento do amor: “Amar o próximo como a si mesmo” (Lc 6,31), e se pergunta a quem deve amar. A resposta é: “Amar a todas as pessoas, sofrer com seus fracassos, alegrar-me com suas alegrias, trazer em meu espírito a lembrança de todos aqueles que encontrei em meu caminho, aqueles que me deram a vida, os que deram a vida por mim, meus amigos de infância, conhecidos

familiares, nossos amigos, dando a eles o que temos de melhor para dar, o presente de nossa presença, nosso afeto manifestado em uma boa conversa, em que lembramos o que de bom Deus tem realizado em nossas vidas. Escolha o presente certo, dê a presença de bom humor, e da alegria que possuem muitas expressões visíveis nos detalhes. Conceda a presença que demonstra gratidão. A quantos precisamos agradecer e ainda não o fizemos? Quantos merecem nossos elogios e por algum motivo ainda não os elogiamos? Presença que traz paz e harmonia. Como a presença de um pai ou mãe que em sua casa semeia a paz, o diálogo, que dá aos seus filhos mais que sonhos, dá a eles valores. É bonito ver uma família em que os filhos sonham em ser pais, como seus pais o são. Infelizmente, muitos não têm a oportunidade de viver isso.

na escola, no bairro, amar a todos que ajudei e que me ajudaram, aqueles que eu amo e amei, aqueles que me amaram muito mais do que eu os consegui amar. Colocá-los todos em meu coração, cada um em um lugar, porque existem diferentes lugares no coração do homem, e oferecê-los todos a Deus, e agradecer por cada um” 1 . Devemos ser presença na vida daqueles que amamos para que sintam nosso amor. Para uma missão assim grande, talvez vamos precisar do ano de 2011 inteiro, por isso comecemos por aqueles que são mais próximos de nós. Nossos

Volto a dizer que o presente é bemvindo, é uma demonstração do afeto, mas a presença é o melhor presente, porque é o próprio afeto! Deus os abençoe. Bom Natal e Feliz 2011

1

Reflexão pessoal, novembro 1947

Pe. Antonio Xavier Batista Canção Nova – Terra Santa

xavier@cancaonova.com

Revista Canção Nova Dezembro 2010

11


VEJA O QUE NÓS PREPARAMOS PARA 2011 México, Terra Santa, Itália, Santuários Marianos, Santuário da Divina Misericórdia.

Em AGOSTO

PROGRAME-SE DESDE JÁ!

Todos os meses uma peregrinação para você!

Ligue e confira nossos roteiros.

Tel: (12) 3186-2055 blog.cancaonova.com/peregrinacoes

Mais que viagens... Encontros com Deus!


+ vida

Programa Mais Saúde (Rádio Canção Nova AM) 3as, 4as e 6as - feiras, das 16h00 às 17h00.

Segurança alimentar na ceia de Natal A ANCIOSA

viram quatro, quatro viram 16, e essas 16 vão virar 256 em apenas uma hora! Isso significa dizer que se você colocar aquele peru (geralmente enorme) na mesa para a ceia e de madrugada, antes de dormir, resolver guardar no forno (pois na geladeira não cabe) cada grama desse alimento vai ter, após seis horas, 2 milhões de bactérias! Assustador, não? Pior é saber que bastam 100 mil bactérias para causar uma gastroenterite infecciosa, cujos sintomas são diarreia, vômitos, náuseas, cólicas, calafrios e, às vezes, febre. Nesta época, lembro tanto do Pe. Léo naquela palestra extraordinária O Cristão Light! Se nunca assistiu, compre e delicie-se com aquela simplicidade que ele tinha para falar as coisas sérias e que nos faziam tanto rir. Quanta sabedoria! “Para que tanta comida!”, dizia ele. Depois ficamos comendo aquele peru seco durante uma semana. E aqui teremos outro problema. O que sobrou da ceia de Natal (ou de qualquer refeição) deve ser consumido em, no máximo em 24 horas, mesmo se for guardado na geladeira. Se não comer, jogue fora. “Aí vem o desperdício”, completava ele. Evite excessos nesta ceia de Natal. Faça somente a quantidade necessária para que não falte, mas que também não sobre.

Já ouviu aquela história de que todo mundo comeu a mesma comida e só um passou mal, então não foi da comida? Pois é, mas muito provavelmente foi! Precisamos tomar cuidado durante o preparo dos alimentos para que eles sejam veículos de saúde e não de contaminações bacterianas que poderão trazer prejuízos a nossa família, principalmente para as crianças (pelo sistema imune ainda imaturo) e para as pessoas mais velhas, cujo sistema imunológico é mais vulnerável justamente pela idade. Evite começar a preparar os pratos desde cedo e ir colocando na mesa. Depois de apenas duas horas que uma preparação fica exposta à temperatura ambiente, cada bactéria que ali estiver começará dobrar de quantidade a cada 15 minutos. E não pense que elas precisam encontrar um parceiro para se acasalar e então ter os “filhotinhos”. Elas próprias conseguem se dividir, isto é, uma vira duas, duas

CEIA DE NATAL Dica de preparação: Deixe tudo pré-preparado e guardado na geladeira, evitando misturar as proteínas com os carboidratos. Como assim? A maionese, por exemplo: ela tem a parte da proteína que leva os ovos e os carboidratos que são os legumes, certo? Deixe esses dois ingredientes separados na geladeira, misturando somente quando for levar à mesa para servir, e assim você e sua família terão um feliz Natal.

Dra. Gisela Savioli foto ilustrativa

+ saúde

EVITE EXCESSOS NESTA CEIA DE NATAL.

Nutricionista clínica, escritora blog.cancaonova.com/maissaude www.giselasavioli.com.br twitter.com/giselasavioli Revista Canção Nova Dezembro 2010

13


educando

A fé e a saudade convivem

SE TOMARMOS UM POUCO DE CUIDADO, NOSSO ERRO NÃO SERÁ TÃO DOLOROSO AO NOSSO 14

Revista Canção Nova Dezembro 2010

Dias desses, fui ao velório da mãe de um amigo. Ela morreu após meses de internação. Tinha mais de 90 anos. Meu amigo abraçou-me demoradamente e chorou em meu ombro a saudade. Disse, entre prantos: “Meu pai já foi, meus dois irmãos morreram e, agora, minha mãe”. Ouvi seu lamento sem praticamente nada dizer. Apenas a linguagem do abraço e do olhar. “Nos momentos mais difíceis da minha vida, era no colo dela que eu deitava. E ela calmamente brincava com os meus poucos cabelos.” E prosseguiu: “Será difícil voltar para casa e arrumar as suas coisas”. Meu amigo é padre. Logo depois chegou o bispo e mais alguns padres. E rezaram juntos. E cantaram. E, cheios de fé, entregaram aquela mulher aos braços do Pai. Meu amigo padre tem muita fé. E tem saudade também. A fé e a saudade convivem. A experiência da despedida é sempre dolorosa. A triste consciência de que os abraços, os olhares, as conversas, a convivência, enfim, acabaram. Vivi isso nas tantas despedidas de minha vida. Meu pai, meus irmãos, meus avós, tios, amigos. Chorei com os meus. Consolei os meus e, por eles, fui consolado. Muitas vezes, ofereci o colo para que minha mãe chorasse. E depois revezamos. E depois levantamos. E, apesar da dor, prosseguimos. A dor é uma experiência humana. É necessária. Ela tem um poder impressionante de melhorar algo em nós se nos abrirmos para esse aprendizado. Quando saí do velório, liguei para minha mãe e renovei todo carinho e amor que tenho por ela. Fiquei imaginando que as palavras não ditas se perdem em algum lugar difícil de encontrar. Quantas histórias de remorso, arrependimento tardio das despedidas que não aconteceram! Brigas

tolas. Problemas acidentais. Emoções travadas. E desperdiçamos o tempo de delicadezas. Faço um convite a você que tem pai e mãe, que tem irmãos e amigos, que tem filhos. Não economize nos sentimentos de afeto. Convide o perdão a morar em sua casa. Peça à vingança, ao egoísmo e à raiva que se retirem. Aproveite o tempo precioso para dizer “eu te amo” a quem você realmente ama.

Aproveite o tempo precioso para dizer “eu te amo” a quem você realmente ama. Meu amigo padre voltou para sua casa. Com certeza, rezou para que Deus acolhesse sua mãe. Talvez tenha sentado no sofá em que tantas vezes ela o acolheu e chorou a saudade incômoda. É assim mesmo! Até a eternidade.

Gabriel Chalita

Professor, escritor e apresentador da TV Canção Nova twitter.com/gabriel_chalita


ação jovem

EM

AÇÃO

dicas

“Não devemos permitir que alguém saia da nossa presença sem se sentir melhor e mais feliz” (Madre Teresa de Calcutá). A cada instante nos é dada a oportunidade de fazer alguém feliz. Os gestos podem falar e marcar mais que as palavras. Quanta gratidão nos invade em ver a alegria no sorriso de uma criança, por meio de um gesto de amor por ela. Mas fico me perguntando: “Quantas vezes nos fechamos em nosso mundinho e lá permanecemos trancados a sete chaves?”. Você já parou para abrir as cortinas da sua vida e olhar para o lado de fora e ver se alguém está ali, esperando por você? Lembrei-me de alguém que fez de sua vida uma abertura completa ao mundo: Pier Giorgio Frassati. Aos 17 anos de idade, ele ingressou na Sociedade São Vicente de Paulo e dedicou a maior parte do seu tempo livre ao serviço dos doentes e necessi-

LIVRO QUEM TEM QUE MUDAR SOU EU Ricardo e Eliana Sá (Ed. Canção Nova) Muitas vezes as nossas limitações humanas nos fazem enxergar apenas os nossos problemas. Quando isso acontece, nossa tendência é procurar um culpado para eles – chegamos a atribuir a responsabilidade até a Deus. Esta é a conclusão que o casal Ricardo e Eliana Sá obtém ao refletir com delicadeza poética sobre essa realidade em narrativas e testemunhos

tados, cuidando dos órfãos e dos soldados que voltavam da guerra para sua casa. Decidiu se graduar em engenharia mineral com a finalidade de “servir melhor a Cristo entre os mineiros”. Trazia consigo o pão que restaurava seus corpos e a palavra que confortava suas almas. Para Pier Giorgio Frassati, a caridade não consistia só em entregar algo para os demais, mas, antes, em se entregar a si mesmo por inteiro. Tudo partindo de seu bolso e de seu coração foi destinado aos outros. Ele nasceu para os outros e não para si próprio. Jovem universitário, esportista, gostava de ir a teatros, à ópera e aos museus, amava a arte e música, e ele foi, de fato, um verdadeiro cristão. Pier soube muito bem olhar para fora da janela. O ano está findando, e me pergunto: “Será que fiz deste ano um ano mais de dar do que receber?” Já afirma São Paulo que “há maior alegria em dar do que receber”. E você, o que já fez para deixar alguém mais feliz? Tome uma atitude, seja em gestos tão simples como ajudar alguém a atravessar a rua, como dar o seu lugar para alguém sentar-se, ou até mesmo uma visita a um asilo ou orfanato. Estamos juntos para construir esta civilização do amor!

CD BARCO A VELA Eliana Ribeiro Tenha o grande prazer de estar em contato com Deus por meio da música e do show deste CD que traz grandes novidades com músicas inéditas e uma produção que vai encantar o público, emocionar, levar grandes momentos que provem o bem da alma e do espírito.

Saiba mais sobre a biografia do beato Pier Giorgio Frassati no site: http://www.piergiorgio.com.br/

Letícia Cavalli

Comunidade Canção Nova blog.cancaonova.com/revolucaojesus/

Revista Canção Nova Dezembro 2010

15


santo do mês

04 dez

São João Damasceno Seu nome de batismo era João Mansur, nascido em 675, em Damasco (Síria), em um período em que os sarracenos, eram senhores do país. Entretanto os raros talentos e merecimentos de João, levaram o califa a distingui-lo com sua confiança e nomeá-lo prefeito de Damasco. João Damasceno, ainda jovem e ajudante do pai, gozava de muitos privilégios financeiros, mas, ao crescer no amor ao Cristo pobre, deu atenção à Palavra que mostrava a dificuldade dos ricos (apegados) para entrarem no Reino dos Céus: “É mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no reino dos Céus.” (Mt 19,24). Assim, em um impulso para a santidade, renunciou a todos os bens e os deu aos pobres. Preferiu uma vida de sobriedade a se entregar as “delícias venenosas” do pecado e do apego ao dinheiro e ao poder. Retirou-se para o convento de São Sabas perto de Jerusalém e passou a viver na humildade, caridade e alegria. Foi ordenado sacerdote e desde então se dedicou às penitências e aos estudos das Sagradas Escrituras, no recolhimento e no silêncio. Escreveu inúmeras obras, tratando de vários assuntos sobre teologia, dogmática, apologética e outros campos que fizeram de São João digno do título de Doutor da Igreja em 1890, pelo Papa Leão XIII. Certa vez, os hereges prenderam João Damasceno e cortaram-lhe a mão direita, a fim de não mais escrever, mas, por intervenção de Nossa Senhora, foi curado. Ele adormeceu e, em seu sono profundo foi acordado por uma voz feminina a dizer-lhe: “Meu filho tua mão está curada, faze dela o uso conforme prometeste”. Quando olhou para si, encheu-se de espanto e entre hinos e louvores exaltava a misericórdia de Deus e a bondade da Santíssima Virgem Maria. Seu amor a Mãe de Jesus foi tão concreto que foi São João Damasceno quem tornou presente a doutrina sobre a Imaculada Conceição, Maternidade Divina, Virgindade Perpétua e Assunção de corpo e alma de Maria. Faleceu em 749, quase centenário.

“Eu não venero a matéria, mas o Criador da matéria, que se fez matéria por mim e se dignou habitar na matéria e realizar minha salvação através da matéria.”

Pe. Fabrício Andrade

Comunidade Canção Nova twitter.com/Pe_fabriciocn www.cancaonova.com/portal/canais/ liturgia/santo/

dezembro 2010

liturgia

São João Damasceno

16

Dia 1 – Quarta • Is 25,6-10a • Sl 22 • Mt 15,29-37 Dia 2 – Quinta • Is 26,1-6 • Sl 117 • Mt 7,21.24-27 Dia 3 – Sexta • Is 29,17-24 • Sl 26 • Mt 9,27-31 Dia 4 – Sábado • Is 30,19-21.23-26 • Sl 146 • Mt 9,35-10,1.6-8 Dia 5 – Domingo • Br 5,1-9 • Sl 125 • Fl 1,4-6.8-11 • Lc 3,1-6 Dia 6 – Segunda • Is 35,1-10 • Sl 84 • Lc 5,17-26 Dia 7 – Terça • Is 40,1-11 • Sl 95 • Mt 18,12-14 Revista Canção Nova Dezembro 2010

Dia 8 – Quarta • Gn 3,9-15.20 • Sl 97 • Ef 1,3-6.11-12 • Lc 1,26-38 Dia 9 – Quinta • Is 41,13-20 • Sl 144 • Mt 11,11-15 Dia 10 – Sexta • Is 48,17-19 • Sl 1 • Mt 11,16-19 Dia 11 – Sábado • Eclo 48,1-4.9-11 • Sl 79 • Mt 17,10-13 Dia 12 – Domingo • Is 3,14-18a • Cânt.: Is 12,2-6 • Fl 4,4-7 • Lc 3,10-18 Dia 13 – Segunda • Nm 24,2-7.15-17a • Sl 24 • Mt 21,23-27 Dia 14 – Terça • Sf 3,1-2.9-13 • Sl 33 • Mt 21,28-32 • Lc 21,5-19

Dia 15 – Quarta • IS 45,6-8.18.21-25 • Sl 84 • lc 7,19-23 Dia 16 – Quinta • Is 54,1-10 • Sl 29 • Lc 7,24-30 Dia 17 – Sexta • Gn 49,2.8-10 • Sl 71 • Mt 1,1-17 Dia 18 – Sábado • Jr 23,5-8 • Sl 71 • Mt 1,18-24 Dia 19 – Domingo • Mq 5,1-4a • Sl 79 • Hb 10,5-10 • Lc 1,39-45 Dia 20 – Segunda • Is 7,10-14 • Sl 23 • Lc 1,26-38 Dia 21 – Terça • Ct 2,8-14 ou Sf 3,14-18a • Sl 32 • Lc 1,39-45

Dia 22 – Quarta • 1 Sm 1,24-28 • Cânt.: 1 Sm 2,1.4-8 • Lc 1,46-56 Dia 23 – Quinta • Ml 3,1-4.23-24 • Sl 24 • Lc 1,57-66 Dia 24 – Sexta • 2 Sm 7,1-5.8b-12.14a-16 • Sl 88 • Lc 1,67-79 Dia 25 – Sábado • Is 52,7-10 • Sl 97 • Hb 1,1-6 • Jo 1,1-18 Dia 26 – Domingo • Eclo 3,3-7.14-17a • Sl 127 • Cl 3,12-21 • Mt 2,13-15.19-23 Dia 27 – Segunda • 1 Jo 1,1-4 • Sl 96 • Lc 21,34-36 Dia 28 – Terça • 1 Jo 1,5-2,2 • Sl 123 • Mt 2,13-18

Dia 29 – Quarta • 1 Jo 2,3-11 • Sl 95 • Lc 2,22-35 Dia 30 – Quinta • 1 Jo 2,12-17 • Sl 95 • Lc 2,36-40 Dia 24 – Sexta • 1 Jo 2,18-21 • Sl 95 • Jo 1,1-18

DATAS ESPECIAIS 02 - Dia Nacional das Relações Públicas 08 - Dia da Família 10 - Dia Internacional dos Povos Indígenas 12 - Nossa Senhora da Boa Viagem 21 - Dia do Atleta 25 - Natal


formação

Série Mariologia

Maria no nascimento de Jesus O nascimento de Jesus foi todo cheio de dificuldades: a viagem longa de José e Maria, que estava grávida; a falta de uma casa para a criança nascer, a gruta fria de Belém, uma situação de adverdsidade e de pobreza que já revela como seria o reino messiânico: um reino sem honras nem poderes terrenos, que pertence Àquele que depois disse: “O Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça” (Lc 9,58). São Lucas narra o nascimento de Jesus de maneira simples: “Maria deu à luz e teve o seu filho primogênito, que envolveu em panos e recostou numa manjedoura[...]” (Lc 2,7). A ação da Virgem é o reflexo de sua plena disponibilidade em fazer a vontade de Deus, já manifestada na Anunciação, com seu “faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lc 1,38). Maria viveu a experiência do parto na pobreza: não pode dar ao Filho de Deus nem sequer aquilo que as mães costumam oferecer a um recém-nascido; mas teve de colocá-lo “numa manjedoura”, um “berço” improvisado para o “Filho do Altíssimo”. O evangelista diz que “não havia para eles lugar na hospedaria” (Lc 2,7). Isso nos faz lembrar as palavras de São João: “Ele veio para os que eram seus, mas não O receberam” (Jo 1,11), e mostra as recusas e ofensas que Jesus sofreria em sua vida terrena. Na verdade, é uma rejeição não só ao Filho, mas também à Mãe, pois Maria já está unida ao destino de sofrimento do Filho e é participante de sua missão redentora. Recusado pelos “Seus”, Jesus é, então, acolhido pelos pastores, homens rudes e de má fama, no entanto, escolhidos por Deus para serem os primeiros receptores da “Boa Nova” do nascimento do Salvador. O anjo lhes diz: “Anuncio-vos uma grande alegria, que o será

para todo o povo; não temais” (Lc 2,10). Como para a Virgem Maria no momento da Anunciação, também para eles a notícia do nascimento de Jesus é o grande sinal da bondade e do amor de Deus para com os homens. O cântico dos Anjos: “Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens que Ele ama” (Lc 2,14), revela aos pastores o amor de Deus especialmente para com os humildes e pobres. E logo eles disseram: “Vamos então até Belém e vejamos o que aconteceu e o que o Senhor nos deu a conhecer” (Lc 2,15). E “encontraram Maria, José e o Menino” (Lc 2,16). Tudo isso leva Maria a um profundo silêncio de contemplação e meditação. Isso nos mostra a necessidade de uma profunda relação espiritual com Maria, a fim de conhecermos melhor a Jesus e nos tornarmos alegres anunciadores de seu Evangelho de salvação. São Lucas diz que, diante de tudo isso, Maria “conservava todas estas coisas, ponderando-as no seu coração” (Lc 2,19). Disse o Papa João Paulo II que isso sugere à Igreja que valorize a contemplação e a reflexão teológica, para poder acolher o mistério da salvação e anunciá-lo com renovado impulso aos homens de todos os tempos.

Faça-se em mim segundo a tua palavra

Prof. Felipe Aquino Escritor e apresentador na TV Canção Nova

blog.cancaonova.com/felipeaquino Revista Canção Nova Dezembro 2010

17


agenda


ORAÇÃO Virgem Santíssima, Senhora da Boa Viagem, esperança infalível dos filhos da Santa Igreja, sois guia e eficaz auxílio dos que transpõem a vida por entre os perigos do corpo e da alma. Refugiando-nos sob vosso olhar materno, empreendemos nossas viagens, certos do êxito que obtivestes quando vos encaminhastes para visitar vossa prima Santa Isabel. Em ascensão crescente na prática de todas as virtudes transcorreu vossa vida, até o ditoso momento de subirdes gloriosa para os céus; nós vos suplicamos, pois, ó Mãe querida: velai por nós, indignos filhos vossos, alcançando-nos a graça de seguir vossos passos, assistidos por Jesus e José, na peregrinação desta vida e na hora derradeira de nossa partida para a eternidade. Amém.


Revista Canção Nova de Dezembro 2010