Issuu on Google+

DISTRIBUIÇÃO

GRATUITA 20.000 EXEMPLARES

Pituba, Itaigara e Caminho das Árvores ■ Salvador - Bahia http://www.canal2.com.br/nossobairro

Ano I - Nº 6

MODA

Veja entrevista com Glória Kalil

São raros os moradores que circulam com seus animais conduzindo sacos plásticos

Página 21

Página 10

Prostituição na Pituba Durante duas noites a reportagem do jornal Nosso Bairro percorreu alguma ruas da Pituba para conversar com mulheres que ganham a vida vendendo seus corpos e tentar quebrar alguns tabus relacionados a essas profissionais do sexo. Nossa equipe se deparou com todos os tipos. Mulheres com histórias e motivações diferentes, porém todas com o mesmo desafio. São pessoas que no dia-a-dia parecem fazer parte do cenário baiano, sem que ninguém realmente as perceba ou converse com elas. Mas elas têm o que contar. Página 04

Mulheres vendem os seus corpos para quem estiver disposto a pagar por seus “serviços”

Bairros fechados dentro de outros bairros Com o aumento da violência urbana, grandes loteamentos fechados são a nova coqueluche das imobiliárias de Salvador. Recentemente, vários novos empreendimentos já estão sendo construídos nesse modelo: vários apartamentos, clube particular, diversos estabelecimentos comerciais e até prédios

empresariais acoplados. São praticamente bairros dentro de outros bairros. Na Pituba, os principais exemplos desse “novo estilo de morar” são Pituba Ville, Loteamento Vela Branca e Loteamento Aquarius.

Página 06

INSATISFAÇÃO

Feita às pressas, nova praça não agrada moradores A Pituba ganhou mais uma praça, localizada na área do antigo Clube Português. Sem inauguração ou nome, a nova praça não tem agradado moradores e freqüentadores do local. Página 10

Entretenimento e Cultura

Como não deixar o estresse diário atrapalhar o equilíbrio corporal

Programação

O estresse faz parte da rotina do mundo moderno. Seja no trânsito, no trabalho e até dentro de casa, às vezes torna-se impossível não perder a calma. Por isso é importante recorrer a lugares que ajudem na reposição dessa energia corporal. Conheça alternativas para combatê-lo. Página 13

Teatros

Vale a pena conferir Dicas de livro, DVD e CD Página 20

O fim do trema A partir de 2009 entram em vigor novas regras ortográficas Página 22

Ivete Sangalo e Saulo Fernandes páram a Avenida Manoel Dias Página 20

Qual é a sua? Tribos urbanas cumprem papel na formação dos jovens Página 19

Academia Top Fitness será transferida para o Shopping Paseo Itaigara Página 06

Fique Ligado! O Nosso

Bairro es Mais dinâmico etácomudando. informações, o qu m mais bom agora está m e já era Aprecie sem modelhor ainda. eração!

Usuário comenta sobre seu iPhone O professor universitário Anderson Lomba, 28 anos, conta que adquiriu um iPhone no mês em que foi lançado no mercado brasileiro, setembro, e dá a sua opinião sobre os pós e contras da nova sensação da telefonia móvel. Página 16

As contradições da Paulo VI Uma das principais avenidas da Pituba, a Paulo VI acomoda cada vez mais centros comerciais e gera polêmica sobre o trânsito local.

Página 07

CONTE A SUA HISTÓRIA O jornal Nosso Bairro quer conhecer você, morador da Pituba, Itaigara e Caminho das Árvores e saber a sua história. Queremos que você seja parte do Nosso Jornal! Que você compartilhe conosco as suas experiências e vivências numa das regiões mais nobres e importantes de Salvador. Envie a sua história para o nosso email (nossobairro@canal2.com.br) ou acesse o nosso site (www.canal2.com.br/nossobairro) e preencha o formulário da promoção “Conte a sua história!”. As melhores histórias serão publicadas no Jornal Nosso Bairro e o seu autor ganhará um prêmio. Participem! Outra novidade é a nossa comunidade do orkut. Acesse http://www.orkut.com.br/Main# Community.aspx?cmm=7130942 9 e participe das nossas enquetes e fóruns. Dê a sua opinião, críticas e sugestões. E continuem colaborando para que o Nosso Bairro cresça cada vez mais e ofereça a seus leitores um produto de qualidade, à altura de suas necessidades de informação e entretenimento.


2

INSTITUCIONAL

SALVADOR, OUTUBRO DE 2008 - ANO I - Nº 6

Editorial

Espaço do Leitor “Cobrimos qualquer oferta”. Falso! No dia 11 de setembro eu comprei nozes no supermercado

Democracia

HiperBompreço da Av. ACM e o preço tarifado foi de R$ 89,57

Afinal de contas, o que é democracia? Segundo o wikipédia, enciclopédia livre da Internet, democracia é “qualquer forma de organização na qual todos os cidadãos podem participar diretamente no processo de tomada de decisões”. Atentem-se ao verbo PODEM, coisa que aqui no Brasil foi substituída pelo DEVEM. Isso é democracia? Obrigar a todos os brasileiros a votarem? O cidadão tem que ter o direito ao voto, não o dever. Os mais céticos podem dizer: quem não quer escolher um candidato tem as opções de votar em branco ou nulo. Ledo engano, pois esses votos sempre vão para alguém, o que é muito pior, pois não foi essa a intenção do eleitor ao optar pelo branco ou nulo. Ou o eleitor não sabia em quem votar e achou melhor não escolher errado, ou de todas as opções que ele tinha, nenhuma o agradava. Como explicar que pessoas como Netinho de Paula, Túlio Maravilha, Frank Aguiar e, aqui em Salvador, Leo Kret tenham conseguido se candidatar aos cargos pretendidos com um grande número de votos? Tudo bem, o voto é pessoal e todo mundo tem o direito de votar em quem quiser. O resultado, porém, atinge toda uma cidade, Estado ou nação e isso precisa ser levado em conta. Nesse segundo turno, caro leitor, vote consciente!

rcado Mercantil Rodrigues e paguei apenas R$ 41,85 por quilo.

por quilo. Já no dia 15, comprei o mesmo produto no supermeSentindo-me lesado, fui ao gerente da sessão do Bompreço, expliquei a diferença de preço e mostrei a ele o cupom fiscal do concorrente. O gerente da sessão, então, me disse que não poderia fazer nada porque cada loja tem seu preço. O que me deixou mais inconformado foi que a rede Bompreço insiste em dizer “cobrimos qualquer oferta, na hora, no caixa, sem burocracia”, mas não cumpre o que promete. Norival Carneiro – Aposentado

do Itaigara e não há nenhuma divisão para facilitar o

Trânsito desnecessário no Alto do Itaigara

tráfego.

Sou moradora do Alto do Itaigara e gostaria de

Nós que somos moradores do Alto do Itaigara

fazer uma reclamação sobre a sinaleira que fica na

temos que esperar todos os carros saírem da frente

segunda pista da Avenida ACM, em frente ao Parque

para conseguir chegar em casa. Apesar de ser uma

da Cidade. Quem vem do Pituba Parque Center em

pista estreita, a SET deveria colocar alguns piquetes

direção ao Iguatemi pela Avenida ACM, certamente

no chão para dividir os itinerários. Estamos preocu-

já deve ter enfrentado o engarrafamento na região.

pados, principalmente agora que será inaugurado

Muitos carros viram à esquerda, em direção à Petro-

um novo shopping na região.

brás, enquanto outros pretendem seguir para o Alto

Fátima Oliveira Pinto De Silva - Dona de Casa

Buraco no meio da rua Canal 2 Comunicação e Eventos Ltda.

“Na Pituba é comum aparecer do nada um

Rua Rio de Janeiro, 365 - Pituba, CEP - 41.820-000 Telefones: (71) 3344-1911/2416 E-mail: contato@canal2.com.br Website: www.canal2.com.br/nossobairro

buraco no meio da rua. Já teve até um no meio

Diretor Executivo Luciano Dórea luciano@canal2.com.br

para alertar os motoristas desavisados ou para

da Avenida Paulo VI, que felizmente foi tapado no mesmo dia. E para completar, não sei se protestar, algumas pessoas geralmente colo-

Editora-chefe Cris Montenegro - DRT/BA 2521 editoracanal2@gmail.com

cam um galho de árvore dentro da cratera. O buraco da vez é na Rua Rio de Janeiro (foto),

Edição e chefia de reportagem Márcia Ribeiro - MTB 39.432

que “apareceu” na primeira semana de ou-

Fale com a redação: nossobairro@canal2.com.br

Como nessa rua os carros quase sempre

Textos Aina Kaorner, Anaísa Freitas, Louise Cibelle, Lucas Sérvio, Márcia Ribeiro e Mariana Passos

param como se fosse estacionamento de su-

Colaboração Felipe Vergili Revisão Cristiane Guimarães

tubro e até agora (dia 15) não foi feito nada.

permercado,

fica

bastante

complicado

manobrar com esse buraco no meio. Quem eu devo chamar?” Fátima Oliveira Pinto De Silva - Dona de Casa

Fotografia Lucas Silva Design Editorial Alan Alves Elaine Quirino

Nota de Esclarecimento da Oi Velox

Direção de arte publicitária Adrien Tournillon arte@canal2.com.br

Em resposta à reportagem “Oi Velox está cada vez pior”, publicada na edição passada no jornal Nosso Bairro, a empresa enviou nota de esclarecimento, alegando que o “reajuste foi comunicado aos clientes através de anúncios veiculados em jornais de grande circulação, como determina a lei, e também por mala direta”. Na nota, a Oi Velox também explica que a empresa vem fazendo grandes investimentos para expansão da banda larga. “A estratégia de oferta desses serviços depende de fatores como disponibilidade técnica e condições locais de

Departamento Administrativo / Financeiro Mara Machado mara@canal2.com.br Carlos Dórea carlos@canal2.com.br Esta Edição 20 mil exemplares Outubro 2008 As cartas para a redação deste jornal devem ser enviadas para a sede da Canal 2 Comunicação. O s artigos assinados não refletem necessariamente a opinião do Nosso Bairro e da Canal 2.

mercado, inclusive econômicas. O custo é apenas um dos itens que são levados em consideração no desenho da estratégia de banda larga da empresa. A companhia pretende desembolsar cerca de R$ 4,5 bilhões em investimentos em 2008 e parte desses recursos será para expansão da banda larga. A aplicação das altas velocidades de acesso à internet tem sido um ponto de atenção. Em função disso, a companhia desenvolveu serviços como o IPTV, para distribuição de conteúdo por meio da tecnologia de banda larga”.


SALVADOR, OUTUBRO DE 2008 - ANO I - Nº 6

LOCAL

3


4

LOCAL

SALVADOR, OUTUBRO DE 2008 - ANO I - Nº 6

Vida nem tão fácil NA ESPERANÇA DE DIAS MELHORES, MULHERES VENDEM SEUS CORPOS NAS RUAS DA PITUBA ■ Lucas Sérvio, Márcia Ribeiro, Anaísa Freita, Louise Cibelle, Mariana Passos e Aina Kaorner Mães solteiras, mulheres casadas, desempregadas, vindas de cidades do interior em busca de melhores condições. Esses são os dramas de quem busca a prostituição para ganhar algum dinheiro e sustentar a si e a família. Na rua, essas mulheres vendem os seus corpos para quem estiver disposto a pagar por seus “serviços”. Discriminadas, suas histórias são tristes e, muitas vezes, sem final feliz. Durante duas noites, a reportagem do jornal Nosso Bairro percorreu algumas ruas da Pituba para conversar com essas mulheres. Muitas, com medo, não quiseram dar entrevistas. Outras conversaram com a repórter, mas não quiseram dar nomes, idades ou tirar fotos, temendo retaliações. Quando perguntadas sobre os possíveis “cafetões”, nenhuma quis falar. Durante as conversas, algumas meninas tiveram que parar para atender a algum cliente. Muitas estão nessa atividade por falta de opção e têm esperança de um dia não precisar mais trabalhar na rua. É o caso de Maria*, mãe de quatro filhos que, separada do marido, se viu sem dinheiro para sustentar a casa. “Meus filhos estavam começando a passar fome e eu tive que tomar uma atitude. Não me orgulho do que faço, mas preciso colocar comida na mesa”, explica ela, que está trabalhando nas ruas da Pituba desde o ano passado. É o caso também de Joana*, que veio do interior da Bahia com seus filhos em busca de melhores condições, mas não encontrou trabalho e foi obrigada a vender o corpo para pagar o aluguel e sustentar a casa. “Eu achei que aqui na capital as coisas iam ser mais fáceis, mas me enganei”, conta. Mulheres casadas também fazem parte desse contingente da rua. Rita* afirma que seu marido não sabe do seu trabalho e mostra uma sacola com roupas. “Eu venho com uma roupa diferente para ele não desconfiar e quando chego aqui, me troco”, diz. Quando está prestes a responder o motivo de trabalhar ali, um taxista chega e a leva. Em outros casos, o marido é o próprio “cafetão” da esposa, segundo um segurança de um flat na orla, que não quis se identificar. “Tem um marido que assim que a mulher entra no carro, ele anota a placa”, revela. Quando questionado como é o movimento da região, ele conta

Muitas mulheres estão nessa atividade por falta de opção e têm esperança de um dia não precisarem mais trabalhar na rua

que é sempre a mesma coisa, “tem aqueles que vêm de carro e as levam e outros que vêm a pé e vão na praia mesmo”. Ele explica que, quando as meninas entram no carro, elas ficam por conta própria. “É o perigo que elas correm, porque pode aparecer qualquer tipo de pessoa”, analisa. Nenhuma das entrevistadas quis responder sobre situações perigosas. *Nomes fictícios

O CONSUMIDOR Uma das grandes curiosidades da sociedade é o porquê de tantos homens ainda sustentarem a profissão feminina mais antiga do mundo, mesmo com toda revolução sexual, desde os movimentos hippies, até o feminista. Atualmente os motivos variam. Às vezes até mesmo por diversão. B.S, 27 anos, empresário, admite isso. “Estava solteiro, não tinha

nada mais interessante para fazer no dia e junto com amigos contratamos uma prostituta de luxo”, relata. De acordo com o médico psicoterapeuta Antônio Pedreira, uma das questões mais influentes para a contínua busca dos homens por garotas de programa é o machismo. “A beatificação da mulher por uma moral cristão-judaica fez com que o homem a separasse

ASSOCIAÇÃO DE PROSTITUTAS DA BAHIA ESTIMA QUE 70% DAS MULHERES COMEÇAM A SE PROSTITUIR POR QUESTÕES FINANCEIRAS “No Brasil, desde a colonização, o comércio de serviços sexuais esteve relacionado a essa demanda sexual reprimida, com uma demarcação muito clara entre as mulheres ‘para casar’ e as mulheres ‘para diversão’”, exemplifica a professora Maria Eunice. A especialista explica que hoje fatores como o êxodo rural e a má distribuição de renda agravam o quadro de profissionais do sexo. Fátima Medeiros, coordenadora-geral da APROSBA (Associação das Prostitutas da Bahia), estima que, das mulheres iniciantes na atividade, 70% são estimuladas por questões financeiras. Elas costumam ter outro trabalho em paralelo, mas acabam privilegiando o mais rentável. Há 10 anos, em parceria com Marilene Silva, Fátima fundou a associação, hoje com mais de 800 cadastradas. Sempre às terças-feiras, das 14h às 15h, há reuniões na sede. “Nós não conversamos só sobre problemas, mas também temas que elevem a nossa auto-estima e façam valer nossos direitos”, diz ela. Embora a interação seja com mulheres, as coordenadoras recebem também homens, os chamados “garotos de programa”, nas reuniões e afirmam que muitos são casados e pais de família, mas precisam da renda

para se sustentar. Mesmo com a falta de apoio das prostitutas e do governo, as conquistas da APROSBA são os estímulos para as coordenadoras persistirem. “Uma das nossas maiores vitórias foi perceber a redução de prostitutas grávidas e com DST’s (Doenças Sexualmente Transmissíveis). Outra vitória foi o reconhecimento do Ministério do Trabalho, nos classificando enquanto profissionais ocupadas, não mais como vadias”, comemora Fátima. A Pituba, especialmente nas avenidas Manoel Dias e Octávio Mangabeira, é um dos pontos de maior atuação das profissionais do sexo, justificado, segundo Fátima, pelo alto poder aquisitivo dos clientes e pela proximidade das casas de shows noturnos. Ela conta que nessas vias são constantes denúncias de prostitutas e travestis vítimas de violência de clientes e policiais. Mesmo com o intenso combate da APROSBA à discriminação e a violência às prostitutas, a associação reconhece que as vítimas ainda somam em número considerável. Para Fátima, um grande problema é que as mulheres preferem não fazer denúncias ou buscar a imprensa por ter que assumirem sua profissão.

do contexto sexual. Assim, para se obter prazer, ele acreditava que além da esposa precisava ter outra que o satisfizesse”, conta. Maria Eunice Borja, mestra em Ciências Sociais e professora do Centro Universitário Jorge Amado, lembra que a prostituição está pautada na forma com que a sociedade se relaciona com o sexo. “A partir de análises sociológicas, observamos que cada sociedade tem seu conjunto de concepções sobre práticas sexuais permitidas ou proibidas, considerando-se as pessoas envolvidas e as circunstâncias. Geralmente, a prostituição está relacionada com uma demanda por práticas sexuais que transitam nas esferas da satisfação de prazeres e fantasias próximas a essas proibições socialmente construídas”, explica. A prostituição não passou a servir só como base para que os homens satisfizessem seus instintos, mas mulheres marginalizadas também. Além disso, para o homem, a prostituta também substitui o papel da amante, pois com ela a relação é puramente sexual. Pedreira afirma que “as amantes requerem mais dedicação e depois tendem a exigir uma solução para a situação na qual se encontram”. O controle é outro fator para a busca pelas prostitutas. “Com a chegada da mulher no mercado de trabalho, o sexo masculino perdeu seu espaço. Quando se faz sexo com garotas de programa, o homem se sente novamente no controle da situação”, observa Pedreira. O psiquiatra mostra que, apesar de toda nova abertura da sociedade atual para o sexo, sua liberação ainda não é uniforme. Muitas mulheres ainda são bloqueadas sexualmente, o que dificulta o ato em si. Isso serve como uma desculpa para a procura de seus maridos por outras vias. Todavia, a liberação sexual conquistada ao longo dos anos tem surtido efeitos. A demanda por profissionais do sexo tem diminuído bastante, já que mulheres têm se destacado sexualmente e muitas já não o ligam ao afeto, utilizando-o apenas para o prazer.

PROSTITUIÇÃO DISFARÇADA Na Pituba, além das “meninas” da orla, quem procura por sexo também pode optar por lugares mais discretos e personalizados. Em alguns prédios comerciais da região, algumas salas são alugadas para a prática de prostituição. Sob o disfarce de casas de massagem, geralmente essas salas passam despercebidas por seus vizinhos empresários,


SALVADOR, OUTUBRO DE 2008 - ANO I - Nº 6

A prostituição é a profissão feminina mais antiga do mundo que nem notam o funcionamento desses estabelecimentos. Nos fóruns de relacionamentos amorosos da internet e nos classificados de jornais, algumas salas comerciais do bairro são camufladas e indicadas como casas de massagem. Diferentemente das casas noturnas, que oferecem shows de strip-tease e amplas opor-

tunidades de diversão com as mulheres, essas salas não vendem bebidas alcoólicas, não cobram pela utilização do quarto e nem possuem seguranças particulares. Freqüentador de casas de massagem na região da Pituba, o empresário Marcelo*, 35 anos, afirma que o cliente só paga pelas mulheres. “Em alguns casos as garotas recebem os clientes seminuas. Também tem programas com duração de 30 minutos. Normalmente ficam duas garotas atendendo, não existe tumulto, o cliente paga e vai embora”, diz. O universitário João*, 28 anos, afirma que é freqüentador desse tipo de estabelecimento. Ele conta que, muitas vezes, é preciso marcar hora. “Os estabelecimentos comerciais são mais vazios e tem menos risco, e o acesso é mais tranqüilo”, diz. Outra questão informada pelo universitário é que nas salas comerciais, se o cliente não quiser transar, ele pode ficar recebendo massagem e conversando com as meninas. “As mulheres que trabalham em salas comerciais são mais bonitas e o valor cobrado depende do acerto que for feito dentro do quarto”, comenta o universitário. A reportagem tentou entrar em contato com alguns estabelecimentos que oferecem esses serviços, mas ninguém quis dar entrevista. *Nomes fictício

LOCAL

5

“ESTOU NESSA VIDA PORQUE QUERO. EU GOSTO DE SEXO!” Ela perdeu a virgindade aos 11 anos e aos 15 já saía com casais. Hoje, aos 19 anos, Alinne Brandão, uma sergipana que se dividia entre as capitais Aracaju e Salvador, escolheu a Pituba para morar. Veio para a capital baiana porque o público é maior. “Quanto maior a cidade, maior a rotatividade de clientes”, salienta. Vinda de uma família de classe-média de Aracaju, ela afirma não ter entrado nessa vida por causa do dinheiro, sempre estudou em escolas particulares. Começou por curiosidade e acabou gostando. A família sabe de sua ocupação e aceita, inclusive ela acha até que, depois que contou, houve uma aproximação maior. Não é pisteira (como são chamadas as meninas que trabalham na pista), nunca trabalhou na orla, nem em casas de massagem. Divulga seu trabalho através de um site, sendo considerada uma “prostituta de luxo”. Enquanto as trabalhadoras da rua cobram em média R$30 por um programa, Alinne chega a ganhar R$500 como acompanhante. Quando fazia o terceiro ano do ensino médio, trabalhava em um escritório à tarde e ganhava R$200,00 (valor adquirido hoje em uma hora e meia de trabalho). Ela quis ir a um show e, para conseguir o dinheiro rápido, resolveu fazer programa. Atualmente, ela se considera uma “psicóloga barata”, em referência aos clientes que contam sobre suas vidas e, até, choram. “90% de meus clientes são casados, com um poder aquisitivo maior, além de muitos gringos que vêm para o Brasil querendo uma neguinha safada”, explica. Ela não usa drogas, apesar de ser muito

Alinne Brandão, 19 anos, prostituta desde os 15 anos comum no meio. “Não é porque sou garota de programa que vou aceitar tudo. Já dispensei clientes porque cheiravam mal”, conta Brandão. A garota não atende na sua residência e sempre escolhe lugares onde conhece os seguranças, já se preparando para uma situação perigosa. Nunca deixa de usar preservativos, mantém uma boa higiene e um bom ginecologista. A escolha da Pituba ocorreu por dois motivos: é um bairro bem visado, que tem um bom nível, e é próximo dos motéis. Alinne Brandão tem um namorado de 36 anos, que já foi seu cliente e sabe tudo sobre sua vida. Estão há 8 meses juntos.


6

LOCAL

SALVADOR, OUTUBRO DE 2008 - ANO I - Nº 6

LUCAS SILVA

Bairros fechados dentro de outros bairros GRANDES EMPREENDIMENTOS GANHAM CADA VEZ MAIS ADEPTOS E OFERECEM CONFORTO, SEGURANÇA E COMODIDADE LUCAS SILVA

■ Lucas Sérvio e Márcia Ribeiro

Casa nova ACADEMIA TOP FITNESS SERÁ TRANSFERIDA PARA O SHOPPING PASEO ITAIGARA ■Aina Kaorner Com a inauguração do novo Shopping Paseo Itaigara, localizado em frente ao Parque da Cidade, o bairro também ganhará uma academia, que será reinaugurada e passará por uma extensa transformação e melhoria nos serviços oferecidos aos seus alunos. A Academia Top Fitness já funciona há cinco anos no bairro do Itaigara e agora será transferida para um espaço maior, com 600 m2 de total infra-estrutura para seus clientes. Além dos tradicionais serviços de condicionamento físico, musculação, ginástica, spinning, jump, boxe, alongamento e reabilitação física, a academia traz novidades também para o público infantil, como karatê, judô e dança. De acordo com a época do ano, são oferecidas aulas de diversos ritmos como hip hop, forró, dance, axé e dança de salão, já inclusos no pagamento da mensalidade. Em parceria com a clínica Phisio Pilates, o ambiente disponibilizará um estúdio climatizado, com atendimento personalizado e fisioterapeutas capacitados para a realização da técnica do Pilates. Outra novidade é o treinamento sobre plataforma vibracional, que tonifica os músculos e estimula a circulação sanguínea. Ainda serão oferecidos os serviços de Massoterapia e Drenagem Linfática que serão realizados por profissionais especializados. “Nosso diferencial é o serviço e o atendimento personalizado. Trabalhamos com, no máximo, cinco alunos por instrutor. O que proporciona um acompanhamento com qualidade de personal”, afirma Fernando Jaçanã, proprietário da academia, professor de Educação Física e

personal trainer especializado em treinamento de força e reabilitação. AMBIENTE INOVADOR O projeto arquitetônico foi assinado pelo arquiteto Adriano Mascarenhas. “A idéia foi produzir um estilo rústico com ambientes sofisticados, para que o aluno não sinta que está numa academia”, analisa Jaçanã. Para isso, foram desenvolvidos espaços como cyber café com acesso a internet para reuniões, restaurante natural e vestiários amplos, com secador de cabelo, baby liss e chuveiro quente. O banheiro foi desenvolvido com material em mármore e piso próprio para evitar frieiras e micoses. Os armários são individuais, espaçosos e com local para colocar ternos e vestidos, sem amassá-los. O setor de musculação foi planejado de acordo com a posição de sol e ventilação, recebendo mais de quarenta equipamentos novos. Para embalar a rotina dos malhadores, foi instalado um sistema digital com três TVs LCD sintonizadas em canais diferentes. CUIDADOS COM A SAÚDE A saúde e a segurança são dois elementos fundamentais para a Top Fitness. De forma contínua é verificada a freqüência cardíaca na parte ergométrica, por profissionais habilitados, formados e credenciados pelo Conselho Regional de Educação Física (CREF). A enfermaria do Shopping dispõe de um aparelho desfibrilador e uma equipe preparada para eventuais reanimações, em casos de parada cardiorrespiratória. A academia também possui parceria com uma clínica especializada em nutrição esportiva para acompanhamento e orientação dos alunos.

Com o aumento da violência urbana, grandes loteamentos fechados são a nova coqueluche das imobiliárias de Salvador. Segurança, conforto e comodidade são as principais características que as pessoas buscam na hora de escolher onde vão morar. Recentemente, vários novos empreendimentos já foram construídos nesse modelo: vários apartamentos, clube particular, diversos estabelecimentos comerciais e até prédios empresariais acoplados. São praticamente bairros dentro de outros bairros. Na Pituba, os principais exemplos desse “novo estilo de morar” são Pituba Ville, Loteamento Vela Branca e Loteamento Aquarius. Eles não são necessariamente um único empreendimento, mas sim prédios vizinhos ou de um mesmo loteamento que se reuniram para buscar melhorias para todos. Idealizado em 1994 pelo consórcio formado pelas construtoras Cepel-Mvb, Costa Andrade, Lebran, MRM, Suarez e Ergon, o Pituba Ville é composto de 32 lotes residenciais, duas praças e uma área verde oficialmente adotada. Segundo a presidente da AMPIV (Associação de Moradores e Proprietários de Imóveis do Loteamento Pituba Ville), Neuma Franco, hoje o condomínio possui 24 prédios construídos e habitados, cinco em construção e um lote vago. “Sua população total estimada é de cerca de

Existem bairros que possuem mais pessoas do que a população total de uma cidade 6.000 habitantes, distribuídos em aproximadamente 1.500 unidades residenciais”, diz. Em frente à Lagoa dos Patos e situado entre as ruas Maranhão e Piauí, o Loteamento Vela Branca coloca como ponto forte o acesso rápido aos principais serviços da Avenida ACM e Manoel Dias da Silva, como colégios, restaurantes, bancos e shoppings. Já o loteamento Aquarius, com seus 200.000 m2 de área, é um local bastante requisitado dentro da Pituba. Ele está localizado próximo a centros financeiros e empresariais e a poucos minutos de escolas, faculdades e hipermercados. Seu primeiro empreendimento foi o Georges Pompidou, lançado em 1990, e até hoje o loteamento encontra-se em expansão. "Fazemos questão de trazer nossos clientes para visitar o Aquarius, vivenciar o local e ter certeza das maravilhas que estão adquirindo", conta o diretor de vendas da Fator, responsável pelo loteamento, Leônidas Filho. Segundo o

presidente da Fator Realty, Vasco Rodrigues, a procura por empreendimentos no Aquarius tem sido intensa, devido ao prazer de se morar bem aliado a tranqüilidade de ter tudo por perto. "A Fator busca fixar cada vez mais sua marca perseguindo seu objetivo de fazer algo sempre diferente e surpreendente, contribuindo para o desenvolvimento da cidade", comenta. Outra característica peculiar desses novos empreendimentos é o número cada vez mais crescente de moradores. Em alguns deles chegam a morar mais pessoas do que a população total de muitas cidades do interior baiano, como Catolândia, Contendas do Sincorá, Cravolândia, Dom Macedo Costa, Firmino Alves, Gavião, Ibiquera, Lafaiete Coutinho, Lajedão e Lajedinho, que segundo o IBGE, possuem população inferior a 6 mil habitantes, número médio de pessoas que moram nos grandes condomínios da cidade.


SALVADOR, OUTUBRO DE 2008 - ANO I - Nº 6

LOCAL

7

As contradições da Paulo VI UMA DAS PRINCIPAIS AVENIDAS DA PITUBA ACOMODA CADA VEZ MAIS CENTROS COMERCIAIS E GERA POLÊMICA SOBRE O TRÂNSITO LOCAL ■ Aina Kaorner Segundo alguns dicionários da Língua Portuguesa, "avenida" é o nome que se dá a uma rua mais larga ou extensa de uma cidade, muitas vezes constituída por duas vias. A Avenida Paulo VI - nome concedido em homenagem ao Papa da Igreja Católica eleito nos anos 60 - representa muito bem a importância que lhe foi conferida. Servindo como principal ponto central de ligação entre diversas outras ruas e bairros, a Paulo VI apresenta uma grande circulação de veículos que transitam diariamente para diferentes itinerários. Próxima do Caminho das Árvores, Itaigara, Iguatemi e da Orla Marítima e da Avenida Manoel Dias da Silva, a Avenida é mesmo “perto de tudo”. Por lá passam linhas de ônibus para praticamente todos os cantos da cidade, além de abrigar diversos restaurantes, shoppings, mercados, delicatessens, locadoras, farmácias, lojas de griffes, clínicas médicas, dentre vários estabelecimentos comercias. Há mais de vinte e cinco anos a

MÁRCIA RIBEIRO

dona de casa Benilda Silva saiu do interior e veio morar em Salvador. “Sempre fui acostumada a residir apenas em casa. Não queria de jeito nenhum morar em apartamento”, conta. Na época, a dona de casa procurou uma residência no bairro do Barbalho, mas a condição estrutural do imóvel escolhido exigia a realização de muitos consertos. Foi na Avenida Paulo VI que ela encontrou o apartamento ideal, localizado no térreo, num lugar tranqüilo e com uma vizinhança muito boa. “Gosto muito de morar aqui, principalmente porque temos diversas opções de transporte. Daqui eu vou até pra Feira de São Joaquim com total facilidade”, garante. Mesmo sendo originalmente projetada como área residencial, a Avenida Paulo VI aos poucos se tornou um dos principais núcleos comerciais do bairro da Pituba, gerando um maior fluxo de congestionamento no trânsito. “Quando eu vim morar aqui não existia nem o Correio Central. Alguns restaurantes eram casas de família. É uma diferença muito grande”, avalia Dona Benilda,

No passado, a Avenida foi projetada como área residencial ressaltando que considera a evolução comercial do local um aspecto positivo. SINAL VERMELHO Para facilitar o tráfego na área foi adotada, pela Superintendência de Engenharia de Tráfego (SET), uma medida para que determinadas empresas de ônibus parem em pontos alternados. “A Paulo VI estava ficando cada vez mais congestionada e com filas que travavam o tráfego local. Por isso resolvemos escalonar as linhas. Os ônibus que vêm pela BR param no ponto da Superpão e quem vem pela Pituba pára no ponto da Farmácia Pague Menos. Fizemos um período de teste e a

idéia acabou ficando”, conta a Engenheira de Tráfego da SET, Suraia Lago, responsável pela região. Os moradores tiveram que se acostumar com a mudança, mas muita gente ainda reclama da iniciativa. “Achei isso um absurdo. Tem gente que mora longe do ponto de ônibus e precisa andar muito para pegar a condução. Além do mais, essa alternativa também pode ser muito perigosa. Tenho uma colega que estuda no Colégio Nogueira Passos e precisa andar todos os dias, às dez horas da noite, para pegar ônibus no ponto do Colégio Militar”, critica a estudante Railda de Jesus. Outro problema apontado foi a falta de sinalização no local sobre as

paradas dos veículos. Só depois de ficar muito tempo esperando o ônibus no ponto é que o passageiro vai descobrir que sua condução não pára ali. “Este problema de sinalização é de responsabilidade da Superintendência de Transporte Público (STP)”, afirma Lago. Em 2005, a SET também anunciou a possibilidade de implantação da mão única para o tráfego de veículos, no sentido Caminho das Árvores/Orla. “Fizemos a proposta, mas as comunidades e associações não aceitaram. Seria interessante que fosse feito um anel com a Magalhães Neto, para facilitar o tráfego, principalmente nas ruas internas”, analisa a engenheira da SET. Temendo que linhas de ônibus fossem extintas do local, grande parte da população se demonstrou contrária às possíveis mudanças. Alguns moradores recearam que a Avenida Paulo VI tivesse o mesmo fim da Baixa dos Sapateiros, que após ter o trânsito modificado para mão única, diminuiu significativamente o tráfego de veículos e perdeu a relevância comercial das décadas passadas.


8

LOCAL

SALVADOR, OUTUBRO DE 2008 - ANO I - Nº 6

Comendo na rua BARRACAS DE ALMOÇO VIRAM TENDÊNCIAS ENTRE TRABALHADORES NO ITAIGARA Dúvidas sobre o peso real do produto adquirido? Procure o Ibametro

Como fiscalizar produtos e serviços ■ Colaboração Anaísa Freitas O consumidor que tiver dúvidas sobre o peso real de um produto comprado, nele constando o selo do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial) ou, ainda, questionar a legalidade de um taxímetro, pode procurar o Ibametro (Instituto Baiano de Metrologia e Qualidade) e fazer sua denúncia. Uma das nove sedes regionais do órgão funciona na Pituba, integrando o Sistema Brasileiro de Defesa do Consumidor, a partir do qual são garantidos a fiscalização e o monitoramento de produtos à venda.

O Ibametro trabalha com operações de visitas periódicas a empresas de diferentes ramos e também a partir de denúncias dos consumidores. Produtos eletroeletrônicos, brinquedos, postos de combustíveis são alguns dos equipamentos vistoriados pelo órgão, garantindo o direito do consumidor a obter segurança do item à venda e, se for o caso, informações claras sobre o funcionamento do mesmo. Inclusive profissionais de saúde podem solicitar através do Ibametro a verificação dos seus tensiômetros, aparelhos para medir a pressão arterial.

Quem: Ibametro - Agência Pituba Onde: Rua Minas Gerais, 403, Pituba Contatos: 3116-3180/0800-711-888/www.ibametro.ba.gov.br

MARIANA PASSOS

■ Mariana Passos O movimento parece peculiar. Quem passa na Avenida ACM, em frente à Petrobrás, no horário de almoço, percebe a agitação de pessoas que se aglomeram junto a algumas barracas, ávidas por um prato de comida. O alvoroço é conseqüência de uma espécie de almoço alternativo, iniciativa de “comerciantes” que perceberam a possibilidade de oferecer uma comida de qualidade e barata para aqueles que trabalham e freqüentam a região e consideram os restaurantes de shoppings muito caros. “O atendimento é ótimo e o local é perto do meu trabalho. Além disso, a comida é gostosa e o preço “em conta”, fator decisivo para que eu retorne sempre”, confessa Kátia Dias, cliente fiel das barracas. Segundo Luciene de Jesus, dona de um dos estabelecimentos mais antigos ali localizados, a idéia surgiu pelo seu sonho de ter um restaurante. O investimento para isso, no entanto, era complicado, mas ela começou a perceber uma necessidade dos trabalhadores em encontrar um local que vendesse comida com um preço acessível e que mantivesse o mesmo padrão de lugares mais luxuosos. “Não

Comida de qualidade e barata ao ar livre podemos oferecer pratos caros, já que a concorrência é forte e não proporcionamos as mesmas regalias que locais maiores. Assim, a comida deve ser barata, mas ao mesmo tempo tão boa quanto a desses lugares”, assegura Luciene. “A nossa principal vantagem é estar em um ambiente próximo a locais de trabalho, ter um serviço rápido e um atendimento familiar, além de ser ao ar livre”, continua. Quem confirma as afirmações é a própria Kátia. “Na empresa virou nosso point”, diverte-se ela. Todos os clientes afirmam que a principal vantagem é o conjunto entre preço, qualidade e eficiência, além do tempo que se economiza ao comer ali. Pelo menos é o que afirma José Domingues, que trabalha em uma das construções ao redor. “Não tenho dinheiro para procurar restaurantes mais caros, mas aqui a

comida é tão boa quanto a de qualquer outro lugar. Desde que experimentei, só como aqui”, garante. Reginaldo Pereira, dono de uma das barracas há sete meses, diz que o pequeno negócio serve como uma alternativa para aqueles que não conseguem um emprego dentro dos padrões tradicionais. “É difícil achar um lugar no mercado no dia-a-dia. Aqui contamos com a desvantagem de não termos uma divulgação maior, só com o boca a boca. Com o tempo, porém, essa divulgação chega e a iniciativa vale a pena”, conclui. Reginaldo observa que o prato de maior sucesso é a “velha e boa comida baiana”. Luciene concorda, pois essa é a “comida do povo”. Ela ainda complementa com outros pratos típicos que dão ótimo retorno junto aos clientes como pirão de aipim, feijoada e até lasanha.

FOTOS: MÁRCIA RIBEIRO

Domingo no Parque ■ Márcia Ribeiro

Encontros Clássicos

Em um domingo ensolarado, dia 21 de setembro, muitos soteropolitanos foram ao Parque da Cidade aproveitar o dia para jogar bola, soltar pipa, andar de bicicleta, caminhar, brincar e fazer outras atividades em família. Para quem aprecia música erudita, a opção foi o

show “Conserto da Primavera”, realizado pela Orquestra Sinfônica da Ufba com o saxofonista Leo Gandelman, ocorrido às 11h no Anfiteatro Dorival Caymmi. O show faz parte do projeto “Encontros Clássicos”. Quem foi de carro teve até dificuldade para estacionar, devido a grande quantidade de pessoas que compareceram ao Parque da Cidade neste dia.

Famílias puderam aproveitar o dia ensolarado no Parque da Cidade


SALVADOR, OUTUBRO DE 2008 - ANO I - Nº 6

LOCAL

9

Descaso na Praça Ana Lúcia Magalhães MÁRCIA RIBEIRO

O LOCAL APRESENTA RACHADURAS E AREIA ESPALHADA FORA DO PARQUE INFANTIL

■ Lucas Sérvio Com mais de 21 mil metros, a praça Ana Lúcia Magalhães que deveria ser um local destinado ao lazer dos moradores dos bairros da Pituba, Caminho das Árvores e Itaigara, se encontra numa situação pouco animadora para seus freqüentadores. Com a área de cooper apresentando rachaduras, a presença de areia fora da área pertencente ao parque infantil e a falta de manutenção vêm deixando os moradores incomodados e preocupados. O local, antes conhecido como Parque Nossa Senhora da Luz, foi reestruturado em 2006, através do “Programa Nossa Praça” em parceria com a rede de supermercados Gbarbosa. A partir disso, ela passou a ser chamada de praça Ana Lúcia Magalhães. Na época foram colocados pisos de cimentos pigmentados, parque infantil, quiosque para leitura, bancos de madeira, ciclovia, espaço para cooper e estacionamento com capacidade para 299 veículos.

Segundo Dieter Siegfried, presidente da Associação dos Moradores do Itaigara - AMORCI, atualmente a praça precisa de manutenção e solução, bem como muitas outras coisas ao redor dela, principalmente relacionadas aos vendedores ambulantes. Já para Lício Silveira, economista, o principal problema é o abandono. A prefeitura poderia colocar serviço de manutenção periodicamente”, opina. A Superintendência de Parques e Jardins informa que, através da parceria entre o município e o GBarbosa, mantém e conserva a área citada. A SPJ informa ainda que, através de vistoria técnica, foi verificada a presença de areia fora da área pertencente ao parque infantil, no entanto, já foi acionada a área competente que confirmou realizar o serviço imediatamente. Referente a área de cooper, que encontra-se com algumas rachaduras, a autarquia afirma que no dia 28 de março deste ano, devido a forte chuva ocorrida na cidade, houve congestionamento em alguns trechos de logradouros públicos e em virtude disso, no intuito de evitá-lo, um

Moradores afirmam que o local está abandonado veículo pesado de uma empresa de ônibus passou pelo meio da praça, acarretando em prejuízo ao patrimônio público, o que já está sendo solucionado pelo setor jurídico da autarquia. A SPJ afirma que para manter um patrimônio em perfeitas condições, além das obrigações do setor público, é imprescindível a contribuição da comunidade local para agir como um agente fiscal, monitorando e informando aos órgãos competentes assim que verificado irregularidades.

Tira gosto do Bar do Piauí é um dos cinco mais votados em Salvador Na 1ª edição baiana do festival Comida di Buteco, a salada de siri catado do Bar do Piauí, localizado na Pituba, ocupou a quinta colocação da preferência dos clientes. No dia 8 de outubro, depois de 31 dias com clientes dos estabelecimentos consumindo e votando em um dos 31 tiragostos inscritos, os cinco mais votados foram premiados em festa regada a samba no Forte de São Pedro, no bairro da Barra. Foram 20 mil votos. CONFIRA OS OUTROS QUATRO ESCOLHIDOS: 1º lugar: Costelinha de porco com farofa de manteiga, do Bar de Fará Jardim Santa Mônica 2º lugar: Pastel de povo, do Bar Koisa Nossa – Mouraria 3ª lugar: Porção de maniçoba, do A Venda - Boca do Rio 4º lugar: Escondidinho de carne de avestruz, do Bar do Peixouto – Stiep


10

■ LOCAL ■

SALVADOR, OUTUBRO DE 2008 - ANO I - Nº 6

Feita às pressas, nova praça não agrada moradores CONSTRUÍDA NA ÁREA DO ANTIGO CLUBE PORTUGUÊS, O LOCAL É ALVO DE RECLAMAÇÕES E QUESTIONAMENTOS SOBRE A VOTAÇÃO QUE ELEGEU OCEANÁRIO ■ Márcia Ribeiro A Pituba ganhou mais uma praça, localizada na área do antigo Clube Português. Sem inauguração ou nome, a nova praça não tem agradado moradores e freqüentadores do local. Para Leandro Batista, professor de matemática que pega ônibus todos os dias em frente à área, a praça não trouxe benefício algum. “Dá para notar que ela foi feita às pressas e sem nenhum acabamento de qualidade. Ainda tem muitas pedras de concreto pelo chão e a grama está mal cuidada e mal colocada, horrível”, critica. O administrador Roberto Arruda, que trabalha num prédio em frente ao local, concorda com Leandro e diz que ficou admirado com a rapidez das obras. “Quando fui notar, a

MÁRCIA RIBEIRO

praça já estava pronta”, conta. Ele também reclama que durante a semana o local é muito freqüentado por pessoas estranhas e meninos de rua, sem qualquer policiamento ou segurança. “Nos finais de semana, a praça até fica cheia, mas a maioria das pessoas que ficam ali não são moradores, posso afirmar com toda certeza”, ironiza o administrador. Outra questão levantada foi o fato da prefeitura realizar as obras da nova praça sem dar nenhuma satisfação sobre a votação realizada em maio que escolheu o projeto de um oceanário para o local. “E aquela votação que houve aqui na Pituba para decidir o destino da área? Foi tudo uma encenação? Se era para fazer uma praça, porque então fazer uma votação? Eu não consigo entender”, questiona indig-

Obras foram realizadas e a votação realizada no mês de maio foi ignorada nado o aposentado Lúcio Patrão, morador da rua São Paulo. Em resposta ao Jornal Nosso Bairro, o presidente Euvado Jorge, da Desal, uma das responsáveis pelas obras

“Grande passarela do cocô” SÃO RAROS OS MORADORES QUE CIRCULAM COM SEUS ANIMAIS CONDUZINDO SACOS PLÁSTICOS MÁRCIA RIBEIRO

■ Louise Cibelle “Algumas ruas da Pituba deveriam ter seus nomes mudados para ‘Grande Passarela do Cocô’. É uma vergonha, os passeios estão praticamente interditados por fezes dos cachorros domésticos, já não se pode passear com crianças pelas calçadas ou dirigir-se a uma padaria, pracinhas e parques. São raríssimos os moradores que circulam com seus animais conduzindo sacos plásticos para a coleta das fezes, em conseqüência, a sujeira é grande”. Começa assim o desabafo de Moacir Néri Silva, morador da rua do Ébano, no Caminho das Árvores. Questionada sobre o destino do cocô de seu pastor alemão, Lorena Assis, moradora da rua São Paulo, afirma sempre andar com uma sacolinha à tira colo (menos no dia da entrevista). Já Andréa Castro, moradora da mesma rua, sorri sem graça e, olhando para sua poodle, diz “É errado, não é?”. Isso prova que as pessoas só consideram inconveniente quando são flagrados. Caso contrário, acham ‘normal’ e dão sempre a mesma desculpa: “Todo mundo faz isso”. O advento da sacolinha plástica durante o passeio com o cãozinho é um avanço, mas ainda há muito terreno minado. Como se não bastasse, pouca gente sabe o que fazer com as preciosas sacolinhas após o suspiro aliviado do totó. Os bairros residenciais de Salvador raramente costumam ter coletores públicos de lixo e

da praça, afirmou que o projeto do oceanário não foi esquecido e que como este demanda tempo, o objetivo foi não deixar a área ociosa. “Dos 16 mil metros quadrados de

área total, a praça ocupa apenas uma pequena parcela. Depois, quando o projeto do oceanário estiver pronto, é só integrar a nova obra ao local”, explica.

Engenheiro pede melhorias no trânsito da Pituba ■ Márcia Ribeiro

O advento da sacolinha plástica durante o passeio com o cãozinho é um avanço, mas ainda há muito terreno minado a Pituba não é excessão. Daí os donos de cães acabam se ajeitando como podem. Tem aqueles que consideram já ter feito o politicamente correto, manuseando o saquinho com destreza e charme, e que o local do descarte pouco importa: largam ali no cantinho do muro, na árvore ou junto ao poste. O lixeiro que se vire. Os mais conscientes tentam o melhor, mas aí falta a infra-estrutura adequada e eles acabam deixando as sacolinhas nos suportes para lixo residencial. O problema é que esses suportes são para sacões, e não para saquinhos. É comum tudo vazar para o chão ao longo de um dia de espera pela coleta. As estatísticas mostram uma tendência de crescimento vertiginoso no número dessas sacolinhas pela cidade. O ideal seria que os donos saíssem de casa com saquinhos, recolhessem os dejetos de seus pets e levassem para o lixo ou vaso sanitário em suas próprias casas, sem deixá-los nos cestos das

calçadas. A isso, pode ser adicionada outra proposta: habituar os cães a resolver tudo em casa mesmo, antes de sair para o passeio e avaliar a viabilidade de transformar as “cacas” em adubo. A produção nacional de cocô de cachorro aumenta em torno de 10% ao ano, desde 2005. Ok, ninguém fez oficialmente essa conta, mas a Associação dos Revendedores de Produtos, Prestadores de Serviço e Defesa Destinados ao Uso Animal (Assofauna) - a entidade de referência no petnegócio brasileiro - calcula em até 12% o crescimento anual do setor de rações para bichinhos de estimação no Brasil. Em um negócio que movimenta US$ 2 bilhões por ano no país, não seria hora de inventarem algum esquema mais prático e eficiente de coleta? Não apenas garantiria a limpeza, como também reduziria o risco de entupimentos de galerias pluviais com toneladas de ‘petdejetos’.

Depois de ler a reportagem “Trânsito caótico incomoda motoristas” na edição passada do jornal Nosso Bairro, o morador do Itaigara e engenheiro de transportes e especialista em Trânsito Urbano, Hernani Santos, procurou a redação para sugerir três alternativas simples para amenizar o trânsito na região da Pituba. Segundo Hernani, a primeira solução seria “eliminar duas canalizações circulares (mini-rotatórias) na Rua Amazonas, uma com a Rua Goiás e outra com a Piauí, pois são saídas importantes da Avenida Manoel Dias e corredores de chegada e de distribuição ao núcleo central da Pituba, e fazer voltar os semáforos que existiam, com algumas correções”. O engenheiro explica que as outras duas canalizações circulares da Rua Amazonas devem permanecer, pois ali o trânsito é rarefeito. A segunda alternativa dada por Hernani é a construção de uma passarela na Avenida Antonio Carlos Magalhães na altura do

Banco Bradesco, onde em frente possui um ponto de ônibus geralmente lotado. “Com uma nova passarela, as pessoas não precisariam se arriscar para atravessar a rua e o semáforo dali poderia ser desativado, dando mais fluidez ao trânsito”, explica. Por último, o engenheiro destaca que o “o pedestre tem que ser valorizado como prioridade máxima no sistema de trânsito” e critica os motoristas que deixam seus carros estacionados em calçadas, não respeitando a lei de trânsito que proíbe essa prática. “E isso acontece em avenidas importantes da Pituba, como a Paulo VI e a Manuel Dias da Silva”, afirma. Ele propõe que sejam construídas baias para os carros estacionarem, com tempo máximo de permanência fiscalizado. “Estabelecimentos comerciais e bancos também deveriam criar seus próprios estacionamentos, no subsolo, por exemplo, para evitar que os motoristas se acumulem em cima das calçadas, atrapalhando os pedestres”, acrescenta.


SALVADOR, OUTUBRO DE 2008 - ANO I - Nº 6

LOCAL

11

Telefone é de quem paga por ele ■ Colaboração Anaísa Freitas

Uma nova e moderna rede de dados está sendo instalada na cidade

Nova opção de conexão ADSL GVT CHEGA A SALVADOR E QUER BRIGA PELO MERCADO DE BANDA LARGA ■ Anaísa Freitas Ao que tudo indica, a empresa atuante no mercado de telefonia desde 2002, GVT, pretende conquistar os usuários de banda larga com preços reduzidos e conexões de elevada velocidade. A escolha de Salvador, em setembro, como a primeira capital do Nordeste a receber a operadora veio de uma pesquisa de mercado, conforme afirma Márcia Rios, gerente de vendas da GVT na Bahia. “Constatamos que aqui havia um mercado aberto à inovação e usuários de telefonia fixa residencial e comercial insatisfeitos com o serviço atual”, enfatiza. Para proporcionar conexões de até 20 Mbps, a gerente explica que uma nova e moderna rede de dados está

sendo instalada na cidade. O sistema de tecnologia, resumidamente, consiste em vários “armários” espalhados pelos bairros, capazes de lançar, através de fibras ópticas, a conexão para o usuário. Morador da Pituba e web designer, Marco Cruz, 28 anos, foi um dos primeiros usuários a adquirir um plano de serviços da GVT. “Tenho navegado sempre com mais de 1 Mbps de velocidade e a linha telefônica está limpa, sem ruídos e completando minhas ligações normalmente”, comenta. O plano adquirido pelo jovem custa R$ 101,15 e inclui banda larga de 1 Mbps, 300 minutos em ligações fixofixo (entre operadoras diferentes), a escolha de três números GVT para falar de graça, além do diferencial em não precisar de um provedor de

acesso à internet. Cruz lembra aos usuários que o plano de portabilidade (veja nota) vai permitir a migração para outra operadora de telefonia fixa sem a perda do número de telefone e aconselha os consumidores a aderirem à GVT. Ricardo Vieira, 27 anos, adquiriu um plano GVT com 5 Mbps de conexão e 300 minutos de telefonia fixa por R$ 141,15. Ele ressalta que um dos melhores benefícios na aquisição foi o serviço incluso de Identificação de Chamadas, cobrado nos planos da atual operadora de telefonia fixa. MAIORES INFORMAÇÕES ACESSE: www.gvt.com ou a comunidade no Orkut “GVT - Salvador Bahia (OFICIAL)”.

A portabilidade numérica é um novo recurso adotado pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) permitindo ao cliente da telefonia móvel ou fixa manter a posse do seu número de telefone. A previsão é de que até março de 2009 todas as empresas de telefonia móvel e fixa possibilitem o direito do número ao usuário, garantindo que os números das operadoras móveis permaneçam inalterados, mesmo que o cliente decida mudar de operadora, dentro da mesma área de registro (com mesmo DDD), ou optar por um novo plano, dentro da mesma empresa. Para os telefones fixos, os clientes podem, dentro de uma mesma área local, permanecer com o número caso ocorra mudança de endereço (sem mudar de operadora), de

operadora (sem mudar de endereço), a mudança de ambos ou, ainda, migrar para outro plano da mesma empresa. Para a telefonia móvel, as operadoras Claro, Oi e Vivo assumiram o compromisso de não cobrar taxa para clientes que migrarem. Na Bahia, as datas limites para que as operadoras disponibilizem a portabilidade foram divididas conforme o DDD. Confira a tabela: 24 a 29 de novembro 2008 71 (BA) 73 (BA) 12 A 18 DE JANEIRO DE 2009 75 (BA) 19 A 25 DE JANEIRO DE 2009 75 (BA) 77 (BA) Fonte: Anatel


12

ENTREVISTA

SALVADOR, OUTUBRO DE 2008 - ANO I - Nº 6

“É preciso ter audácia para pular os muros das adversidades” AUTOR DO LIVRO EU E MEU AMIGO DDA CONTA SOBRE O DISTÚRBIO QUE O ACOMPANHA DESDE A INFÂNCIA ■ Louise Cibelle

O ESCRITOR MARCUS DEMINCO, 31 ANOS, PODE DIZER QUE JÁ FEZ UM POUCO DE TUDO. EXMODELO, PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA, ESTUDANTE DE PSICANÁLISE E DE PSICOLOGIA, ENCONTROU NA LITERATURA UMA MANEIRA DE DIMINUIR A HIPERATIVIDADE. DESDE

neurobiológico, de causas genéticas, que aparece na infância e na maioria dos casos, acompanha a pessoa por toda vida. Juntamente com a dislexia, é o distúrbio de aprendizado mais comum no mundo. Estima-se que, apenas no Brasil, entre adultos e crianças, mais de seis milhões de pessoas tenham essas singularidades comportamentais e cognitivas.

CRIANÇA SENTIA QUE ERA DIFERENTE DAS OUTRAS PESSOAS E CHEGOU A DUVIDAR DA SUA CAPACIDADE INTELECTUAL. FOI ENTÃO QUE DESCOBRIU O DDA,

DISTÚRBIO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO. MARCUS NÃO SÓ APRENDEU A LIDAR COM O DISTÚRBIO EM SUA VIDA, COMO TAMBÉM TEVE A IDÉIA DE ESCREVER UM LIVRO SOBRE O ASSUNTO COM O INTUITO DE AJUDAR OUTRAS PESSOAS. O LIVRO TEVE REPERCUSSÃO, CHEGANDO A SER VENDIDO PARA OUTROS PAÍSES, E O RESULTADO DISSO É QUE “EU E MEU AMIGO

DDA” É SÓ O PRIMEIRO DE TRÊS LIVROS LANÇADOS PELO AUTOR.

O que é o DDA? MD – Ironicamente, seria a tentativa injusta dos especialistas de resumir uma pessoa inquieta, desatenta e impulsiva, em três míseras letras (risos). Por sorte, atualmente, ganhamos, ao menos, mais uma letra. Já que o termo mais apropriado hoje em dia é o TDAH: Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade. Na verdade, o DDA ou TDAH é um transtorno

Como você percebeu que era uma pessoa diferente? MD – A interação social, o contato com outras pessoas é a primeira noção que temos de parâmetros. Desde muito cedo, sentia que algo dentro de mim não funcionava muito bem. Ou pelo menos não seguia o mesmo ritmo vagaroso (para mim) dos outros. Eu queria voar, enquanto meus colegas se conformavam em jogar bola, eu queria estar em três lugares ao mesmo tempo, enquanto todos brincavam de estátua, a brincadeira mais torturante para um irrequieto. Enfim, eu queria o impossível e o infinito. Eu era um peregrino sonhador. Aliás, quanto a isso, devo admitir também, que pouca coisa mudou. Em algum momento o TDAH atrapalhou a sua vida? MD – Eu pareceria dramático se lhe dissesse que sim, no entanto, eu seria mentiroso se afirmasse que não. Estudei numa época na qual nada disso era notório. As crianças hiperativas eram vistas como mal educadas. E no meu caso, além do

Notas Saúde Alimentos que reduzem risco de diabetes Estudos recentes revelaram que alguns alimentos interferem diretamente nos níveis de insulina, o hormônio responsável por colocar o açúcar dentro das células. Cereais integrais, hortaliças, castanhas e nozes são alguns alimentos ativos nesse equilíbrio dos níveis de açúcar.

Escrever emagrece Nos EUA, pesquisas revelam que o hábito de escrever reduz o consumo impulsivo de alimentos, um dos maiores causadores do ganho de peso. A idéia é descarregar as frustrações diárias no papel e não na dispensa da cozinha!

Dicas para um intestino preguiçoso Para ajustar o “relógio intestinal” de uma forma saudável as dicas são: comer três ameixas pretas por dia, comer o bagaço de frutas como laranja e tangerina e dar preferência a carboidratos integrais. Se possível, consuma 20 g de fibras durante o dia, preferencialmente as solúveis.

“Eu e meu amigo DDA foi no começo uma vontade de desabafar, de compartilhar, de ajudar outras pessoas” déficit de atenção eu tenho uma acentuada dislexia na escrita. Por conseguinte, a minha trajetória acadêmica beirou a tragédia: eu construía redações com idéias incríveis, escrevia dissertações mirabolantes e sempre esperava notas ótimas. Mas, os professores cortavam pontos de minhas palavras incompletas, tiravam décimos por cada troca de letras e reduziam minhas avaliações por outros lapsos desse tipo. Que, aliás, poucas vezes eram realmente erros ligados ao aspecto gramatical. Contudo, em momento algum, eu culparia esses meus professores. De fato, o TDAH, tal qual a dislexia e uma série de problemas de aprendizado, vieram a ser mais difundido somente há alguns anos. Você faz uso de algum tipo de medicamento? Como é o tratamento? MD – Eu costumo dizer que o conhecimento minucioso sobre o assunto é mais funcional do que qualquer medicamento prescrito. Faz-se necessário – e igualmente pro-

veitoso – conhecer o distúrbio. Somente então, dotado de mais esclarecimento, a pessoa com TDAH deve analisar as vantagens e as desvantagens no tratamento medicamentoso. A sua rotina é diferenciada? MD – A minha o quê? Você disse rotina? Acho que de maneira espontânea, desde quando comecei a escrever todos os dias, inconscientemente, eu rasgava aquele tratado previsível e enfadado do cotidiano. Sem intento de vangloriar o ato de criação – até porque é demasiadamente tormentosa a consecução inteira de um livro – acredito que permeio a magia e o sofrimento de parir histórias através das letras, desfrute-se de duas vidas paralelas. Como surgiu a idéia de escrever Eu e meu amigo DDA? MD – Na verdade, infelizmente ou felizmente, idéia é algo que nunca me faltou. Eu e meu amigo DDA, foi no começo uma vontade de desabafar, de compartilhar, de aju-

dar outras pessoas. Depois, virou um grande desafio pessoal. Afinal, eu precisava testar os limites impostos pelo distúrbio, e concluir projetos, sobretudo aqueles mais duradouros são considerados o maior obstáculo na vida de muitos TDAHs. Normalmente, o portador de déficit de atenção é também marcado pela inquietude de fazer mil coisas ao mesmo tempo e por abandonar tarefas incompletas, migrando em busca de novos feitos. Na maioria das vezes, por conseqüência desses embaraços, tornamse adultos frustrados. Então, sabendo de tudo isso e estudando compulsivamente o transtorno, eu via duas únicas opções: continuar escrevendo ou sucumbir derrotado. Terminei, portanto, o meu primogênito. Ainda sem saber que a literatura seria uma escolha irregressível em meu caminho. Sabemos que, além de Eu e meu amigo DDA, você tem mais dois livros. Você acha que o fato de ter o distúrbio contribuiu para as outras produções? MD – Fiquei praticamente quatro anos curvado à literatura. Emendei a biografia com um romance, e há pouco tempo, inteirei um realismo fantástico sobre Helen Palmer – um pseudônimo utilizado por Clarice Lispector em 1959. Hoje tenho um agente literário negociando esses três livros com as melhores editoras do Brasil. Talvez o fato de ter DDA me ajude muito no aspecto criativo e me embarace um pouco na elaboração. Contudo, quero deixar claro que ter TDAH não é sinônimo de ser prodigioso, do mesmo modo como não vem a ser atestado efetivo de estupidez. É preciso ter audácia para pular os muros das adversidades ou a passividade dos covardes para aceitar ser mais um.


SALVADOR, OUTUBRO DE 2008 - ANO I - Nº 6

Encontrando a paz interna COMO NÃO DEIXAR O ESTRESSE DIÁRIO ATRAPALHAR O EQUILÍBRIO CORPORAL ■ Mariana Passos O estresse faz parte da rotina do mundo moderno. Seja no trânsito, no trabalho e até dentro de casa, às vezes torna-se impossível não perder a calma. Por isso é importante recorrer a lugares que ajudem na reposição dessa energia corporal. “Assim as pessoas podem encontrar a paz e serenidade necessárias e o autoconhecimento, os quais previnem o estresse, a fadiga, depressão, medos e os males que advém de uma vida desconectada do próprio corpo, dos próprios sentimentos e emoções”, atesta Ludmila Rohr, professora de yoga e psicoterapeuta do Espaço Mahatma Gandhi. Seguem abaixo algumas dicas de pontos que ajudam nessa recomposição.

RELAXANDO O CORPO A massagem ayurvédica é uma técnica indiana que funciona como uma terapia na qual é envolvido o movimento da energia no corpo, atuando na parte física, emocional e mental. Prem Purnima, ou Lílian Cordeiro, instrutora de ayurvédica, especializada na Índia e no Brasil, conta que o processo ajuda a “ativar o sistema nervoso autônomo parassimpático através do profundo relaxamento que esta técnica promove, refletindo no humor, bem-estar, capacidade de concentração, consciência corporal, entre outros, trazendo um senso de seguridade e integridade”.

O melhor método para o estresse não é a fuga, já que se deparar com ele é inevitável

CANTO ZEN

NEUTRALIZANDO

O Mahatma Gandhi foi criado por Ludmila Rohr e é um centro terapêutico no qual a meta é oferecer um ambiente que visa o auto-conhecimento através do relaxamento. Lá se encontra métodos como a aromaterapia, terapia holística, massoterapia, assim como trabalhos de reiki, encontros de yoga e Feng-Shui, entre outros, além de viagens anuais para a Índia. “O Espaço surgiu há 15 anos, como uma escola de yoga. Queríamos oferecer serviços de qualidade e atender com a nossa experiência de um ano de trabalho algo que fosse um diferencial em Salvador”, conta Ludmila. Segundo ela, o melhor método para o estresse não é a fuga, já que se deparar com ele é inevitável, “mas desenvolver instrumentos internos que possibilitem lidar com a vida e suas dificuldades da melhor forma possível”.

O ORGANISMO

Proveniente da medicina chinesa, a técnica da acupuntura ajuda a estimular o próprio organismo e promove um equilíbrio nas suas funções, obtendo assim, uma melhora do seu funcionamento. No caso do estresse, o método induz a produção de hormônios que neutralizarão os responsáveis pelo desequilíbrio do organismo, responsabilizando-se por uma sensação de bem-estar geral, conseqüência do efeito calmante. “O estresse nada mais é do que uma resposta fisiológica inadequada. Ele faz com que você não durma, alterando seu fluxo sanguíneo normal. A acupuntura libera essa substância para harmonizar essas funções, normalizando nossa circulação energética”, explica Dr. Durval Kraychete, médico anestesiologista e professor da Universidade Federal da Bahia, atuante da técnica oriental.

ONDE ENCONTRAR Massagem Ayurvédica – Espaço Manihi, Alameda das Espatódeas, 539, Caminho das Árvores. Espaço Mahatma Gandhi – Rua Rio de Janeiro, 694, Pituba. Clínica da dor (acupuntura) – Avenida Tancredo Neves, edifício Salvador Trade Center, torre norte, 15º andar, sala 1516, Caminho da Árvores.

A vez da Batata Frita ■ Colaboração Louise Cibelle Primeiro foi a Lei Seca, em seguida fica-se proibido fumar em lugares fechados (as alas para fumantes em restaurantes têm seus dias contados) e agora quem está na mira da saúde pública é a indústria dos alimentos. A gordura trans terá que ser eliminada da indústria alimentícia em três anos. Esse tipo de gordura artificial nasceu para substituir as gorduras de origem animal. Acreditava-se que ela

tornaria os alimentos mais saudáveis, mas, posteriormente, notou-se que sua presença em alimentos acarretava em uma série de doenças vasculares. Várias pesquisas revelaram que ela aumenta o colesterol LDL, nocivo ao organismo. Atualmente, os rótulos de alimentos com gorduras trans devem informar em que quantidade ela é usada na composição. Seria esse controle um exagero? Talvez não na cidade dos gordinhos. De acordo com es-

tudo realizado pelo Departamento de Nutrição do Hospital Português, mais de 50% da população de Salvador encontra-se acima do peso. Os índices de sobrepeso e obesidade identificados na cidade são maiores que o dobro da média nacional. Tal número é devido a fatores culturais inimigos da boa forma - como o hábito de consumir alimentos muito calóricos. Outra questão que deve ser levada em conta é o fato de boa parte da população não praticar atividades físicas.

QUALIDADE DE VIDA

13


14

CURTAS

SALVADOR, OUTUBRO DE 2008 - ANO I - Nº 6

Índice de desemprego em Salvador é a menor desde 1997 APESAR DA QUEDA, TAXA AINDA É UMA DAS MAIS ALTAS BRASIL E ESTÁ ACIMA DA MÉDIA NACIONAL

DO

■ Colaboração Márcia Ribeiro De acordo com dados divulgados dia 24 de setembro pelo DIEESE – Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos –, houve redução da taxa de desemprego em Salvador e Região Metropolitana (RMS) no mês de agosto pelo terceiro mês consecutivo. Em julho, a taxa caiu para 20,4% da População Economicamente Ativa (PEA), contra os 20,6% apurados em junho. O número de desempregados foi estimado em 372 mil pessoas, 3 mil a menos em relação ao mês anterior. Esse resultado decorreu da geração de quatro mil ocupações, que foi superior ao aumento no número de pessoas (1 mil) na População Economicamente Ativa (PEA). Em agosto, a RMS apresentou diminuição da taxa de desemprego total (2,5%), passando de 20,4%

para os atuais 19,9% da PEA. Essa é a menor taxa referente ao mês de agosto desde 1997. A taxa de desemprego aberto manteve-se em 12,2%, enquanto a de desemprego oculto diminuiu, passando de 8,3% para 7,6% da PEA. O contingente de desempregados foi estimado em 366 mil pessoas, 6 mil a menos em relação ao mês anterior. Apesar da queda, Salvador ainda é uma das capitais brasileiras com maior taxa de desemprego, com percentagem acima do total das seis regiões pesquisadas pelo Dieese (Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, Salvador, São Paulo e no Distrito Federal (DF), de 14,5%, e de capitais como São Paulo (14%), Porto Alegre (11,3%) e Belo Horizonte (9,7%). O resultado positivo tirou Salvador da posição de capital com mais índice de desemprego do Brasil, que agora é ocupado pelo Recife, seguido da capital baiana.

Aumenta expectativa de vida do brasileiro ■ Colaboração Mariana Passos Dados da última pesquisa divulgada pelo IBGE mostraram que a expectativa de vida dos brasileiros cresceu, chegando em média a 72,7 anos em 2007 contra 69,3 em 1997. Das regiões com maior expectativa de vida, a campeã é o Sul, com esperança de 74,7 anos, enquanto o Nordeste apresenta a pior longevidade, com 69,7. Segundo especialistas, a expansão está relacionada aos avanços da medicina, principalmente nos tratamentos contra o câncer e doenças cardíacas, o que reduz a mortalidade.

Esse resultado aponta para o aumento do número de idosos nos próximos anos e o declínio no de crianças. A principal conseqüência disso é que a Previdência Social terá que sofrer alguns ajustes, pois quanto maior a expectativa de vida, maior o tempo que a pessoa viverá após começar a receber a Previdência, portanto, menor o valor a ser recebido. Como prevenção, a expectativa do brasileiro começou a ser calculada anualmente pelo IBGE, o que anteriormente ocorria apenas a cada dez anos. Isso é conseqüência da estratégia para que o INSS não sofra prejuízos.

Acima, gráfico mostra o aumento da expectativa nos últimos 10 anos

Presidente Lula sanciona nova Lei de Estágio ■ Colaboração Anaísa Freitas

Morando perigosamente Arriscando suas vidas, alguns sem teto passaram a morar numa ribanceira ao lado do esgoto que fica em frente ao Supermercado GBarbosa da Magalhães Neto, passando despercebido por muitos transeuntes que passam por ali. Vivendo em condições precárias, dormem, comem e passam o dia todo ali, faça sol ou chuva. Para se proteger,

os moradores fizeram cabanas de papelão e madeira em dois pontos da ribanceira, correndo o risco de desabar a qualquer momento, principalmente quando chove. Além do perigo que correm diariamente para chegar a essas localizações, visto que são de dificílimo acesso, eles também correm o risco de cair dentro do “rio” que passa por ali.

De acordo com o Ministério da Educação, os novos contratos de estágio firmados a partir de 26/09/2008 devem estar de acordo com as novas regulamentações. Dentre as mudanças estão o estabelecimento da idade mínima de 16 anos para exercício do estágio e a duração máxima em dois anos de atividade, exceto para os portadores de necessidades especiais. Além disso, esses últimos terão direito a 10% das vagas de estágio.

A nova lei prevê, ainda, seguro contra acidentes pessoais e recesso de 30 dias para os contratos com mais de um ano de duração, coincidindo com os períodos de férias escolares. Esse descanso deverá ser remunerado para aqueles que recebem ajuda de custo ou bolsa. Estudantes dos níveis médio regular, médio profissional e superior passam a ter jornada semanal de 30 horas. Informações: 0800-771-2433 CIEE (Centro de Integração Empresa-Escola) ou no site do Ministério da Educação (www.mec.gov.br).

VEJA A TABELA QUE RELACIONA O MÁXIMO NÚMERO DE ESTAGIÁRIOS POR EMPRESA NÚMERO DE EMPREGADOS

QUANTIDADE POSSÍVEL DE ESTAGIÁRIOS

5

1

6 A 10

2

11 A 25

5

ACIMA DE 25

20% DO TOTAL DE FUNCIONÁRIOS


SALVADOR, OUTUBRO DE 2008 - ANO I - Nº 6

Eleições 2008 ■ Colaboração Márcia Ribeiro

Segundo turno terá disputa acirrada No próximo dia 26 de outubro, os 1.747.278 de eleitores de Salvador retornarão às urnas para decidir quem será o novo prefeito do município, João Henrique (PMDB) ou Walter Pinheiro (PT). Ambos obtiveram 30% dos votos válidos no primeiro turno, ocorrido no dia 3 de outubro, seguidos por ACM Neto (DEM), com 27%, Imbassahy (PSDB), 8% e Hilton (PSOL), 4%. SEGUE ABAIXO O NÚMERO DE VOTOS VÁLIDOS DE CADA CANDIDATO: João (PMDB) = 402.684 Pinheiro (PT) = 390.933 ACM Neto (DEM) = 346.881 Imbassahy (PSDB) = 108.660

Na região da Pituba, apenas um incidente foi registrado, no Colégio Rafael Serravalle, que atrasou dez minutos para abrir seus portões e gerou confusão com os 300 eleitores que já estavam esperando para votar. Algumas urnas eletrônicas da região também tiveram problemas, mas foram logo substituídas. Dos 17 locais de votação da 13ª zona eleitoral, quatro ficam no Itaigara e cinco na Pituba. Os dois candidatos que venceram o primeiro turno votaram na região: João Henrique votou no Itaigara e Walter Pinheiro, na Pituba.

Eleitor tem 60 dias para justificar sem pagar multa Os eleitores que não justificaram no dia 3 de outubro terão até 60 dias para preencher um requerimento dirigido ao juiz da zona eleitoral em que está inscrito e leva-lo ao cartório eleitoral mais próximo, junto com uma documentação que comprove o motivo da ausência (atestado médico, declaração da empresa). Mesmo quem justificou na primeira votação terá que justificar no 2º turno. O eleitor que deixa de votar ou justificar no prazo paga multa estipulada pelo juiz eleitoral. Deixando de votar em três eleições consecutivas, sem justificar, ele terá o título de eleitor cancelado e ficará impedido de inscrever-se em concurso público, renovar matrícula em estabelecimento de ensino do governo, dentre outros.

POLITICA

15

Os novos vereadores da capital por partido A Força do Povo (DEM/PR) Isnard Araujo – 13.887 votos Leo Kret do Brasil – 12.861 votos Tia Eron – 12.552 votos Andrea Mendonça – 10.169 votos Paulo Magalhães Jr. – 8.507 votos PDT Gilberto Jose – 8.683 votos Odiosvaldo – 8.135 votos PHS/PSL Alcindo Anunciação- 5.980 votos Alan Castro – 5.476 votos

Hilton Coelho (PSOL) = 51.196

Pituba tem votação tranqüila

PMN Pastor Luciano – 9.119 votos Edson da União – 8.477 votos PPS Joceval Rodrigues – 6.297 votos PSB/PV Palhinha – 7.721votos Lau – 7.026 votos PSDB Paulo Câmara – 7.832 votos Jorge Jambeiro – 7.598 votos PTB David Rios – 9.957 votos

PTC Teo Senna – 7.046 votos Salvador Mais Forte (PMDB/PRTB) Alan Sanches - 15202 votos Alfredo Mangueira- 10605 votos Pedrinho Pepê - 8771 votos Everaldo Bispo - 8008 votos Pedro Godinho - 7849 votos Sandoval - 6965 votos Salvador de Todos Nós (PC do B/PT) Carballal - 10177 votos Olivia Santana - 9143 votos Gilmar Santiago - 7126 votos Aladilce - 6974 votos Dr. Giovanni - 6942 votos Vania Galvão - 6882 votos Marta Rodrigues - 6879 votos Moisés Rocha - 5402 votos O Ser Humano em 1º Lugar (PSC/PP) Adriano Meireles - 9191 votos Erivelton Santana - 6667 votos Alberto Braga - 6093 votos A Voz da Cidade (PTN/PRB) Sidelvan Nóbrega - 13907 votos Dr. Pitangueira - 8410 votos Carlos Muniz - 6527 votos


16

COMPORTAMENTO

SALVADOR, OUTUBRO DE 2008 - ANO I - Nº 6

Cresce a procura pelo turismo na terceira idade OS DESTINOS MAIS PROCURADOS SÃO AS CIDADES HISTÓRICAS, ESPECIALMENTE AS NORDESTINAS ■ Anaísa Freitas Com tempo de sobra e muitas histórias de vida para contar, os idosos estão mudando seus hábitos. Atividades físicas, faculdades para a 3ª idade e trabalhos voluntários são algumas das inúmeras inovações na rotina desses senhores e senhoras que ainda desejam viver longos anos. Uma opção que vem crescendo é a venda de pacotes turísticos para a terceira idade, especialmente na baixa temporada. Quem faz parte dessas estatísticas é a aposentada Bernadete da Silva, 72 anos, viúva desde 1990 e mãe de três filhos. Dentre suas atividades prediletas estão os passeios turísticos, ocasião na qual ela tem a oportunidade de conhecer lugares diferentes e pessoas novas. Viajando desde os 50 anos de idade, com diferentes grupos, ela já conheceu diversos estados brasileiros e diz que a animação é

contagiante nos locais aonde chega, mesmo quando embarca sem parentes. “Eu sou fácil de fazer amizade, por isso não me preocupo em ir sozinha”, fala. Ela conta que está há dois anos sem viajar porque se programa para o cruzeiro dos seus sonhos, em janeiro próximo, quando percorrerá a costa brasileira. As facilidades nas formas de pagamento permitiram que a aposentada economizasse para esse novo destino e pagasse com o seu próprio cartão de crédito. Animada para a próxima viagem, ela faz um alerta aos idosos de que a idade não é empecilho para o divertimento e indica o passeio para todos aqueles dispostos a viverem mais anos e com melhor qualidade. Para a aposentada Celina Santos, 70 anos, as viagens trazem um novo significado à sua vida. Casada e mãe de quatro filhos, ela viaja todos os anos desde 2002 e confessa que, antes de começar a

freqüentar excursões, sua vida era monótona e sem ânimo. Apesar das adaptações exigidas aos novos locais de destinos, a diversão é garantida, segundo ela. Dos locais já visitados, as lembranças mais belas foram de Campos do Jordão (SP) e Bariloche, Argentina, visitada em janeiro desse ano. Para aproveitar melhor as viagens, Celina aconselha o idoso a cuidar da sua saúde antes de embarcar e levar o espírito da paz para os lugares que chega, desejando fazer novas amizades. Ela confessa que ainda gostaria de conhecer a Europa, mas tem pavor de avião. “Se um dia eu puder ir de navio, eu vou”, brinca. Issamara Vasconcelos é sócia da agência DinTurismo e trabalha há 20 anos no ramo. Seu público alvo costuma variar de 52 a 76 anos, na maioria mulheres aposentadas e/ou viúvas, e as viagens duram, em média, de seis a oito dias. Para ela, essa faixa etária é a melhor

A faixa etária é considerada a melhor para viagens, por causa da alegria pontualidade dos participantes para viagens, por causa da alegria e da pontualidade dos participantes, além da responsabilidade de cumprir com os regulamentos. Issamara explica que o passeio mais procurado pela terceira idade é o de turismo histórico, especialmente pelas cidades nordestinas, além da preferência pelas excursões de ônibus, por causa da

paisagem que podem apreciar, o menor custo e, principalmente, pela folia em grupo. O ciclo de amizade entre os participantes é grande, segundo ela. “Eles sempre se comunicam entre si ou telefonam para mim antes de agendarem uma nova viagem, para verificar se os amigos da viagem anterior também irão”, explica.

iPhone, o celular da nova geração APARELHO POSSUI TECNOLOGIA QUE EXPLORA FORMAS DE COMUNICAÇÃO SEM FIO ■ Anaísa Freitas No mercado norte-americano desde julho e no brasileiro desde o final do mês passado, o novo iPhone é um celular multifuncional, que vai além dos desempenhos básicos de um telefone convencional, como acesso a mensagens SMS, fotos, dentre outros. A nova geração do aparelho conta com tecnologia para explorar novas formas de comunicação sem fio. O professor universitário Anderson Lomba, 28 anos, adquiriu um iPhone no mês em que foi lançado no mercado brasileiro e conta que pagou R$ 1.400 pela versão de 16 GB, desbloqueada. “O melhor dele é a parte tátil, porque quase tudo é com o toque na tela, dispensando teclado, graças aos controles Multi-Touch”, entusiasma-se. Ele conta que acessa a internet sem custo utilizando as redes wi-fi de shoppings ou seu roteador de casa, quando aproveita para instalar aplicativos no telefone. Lomba explica que um dos recursos baixado na web é um programa que permite ao usuário listar os telefones com os quais ele não quer falar, dando sinal de ocupado ou desligado quando esses contatos indesejáveis ligarem. A

Anderson tira foto com o seu iPhone, aproveitando o reflexo do espelho adição de novos softwares também permite ao professor o livre acesso a programas de conversação, como o MSN e o Skype. Mesmo definindo a compra do iPhone como um excelente negócio, Lomba reconhece que a bateria ainda deixa a desejar, pois descarrega rápido quando as variadas funções são ativadas. Outro déficit é sua câmera, que tem resolução de apenas 2.0 megapixel e não possui flash, dependendo

assim da luz ambiente para uma boa imagem. Na avaliação dele, o celular é didático para os usuários pouco experientes, embora seus recursos sejam melhor usufruídos se o dono se interessar em aprender um pouco sobre ele. Afinal, como brinca Lomba, “telefonar é o que eu menos faço com meu iPhone”. A assessoria da Claro, através de Paola Carvalho, explica que o desembolso final do iPhone

3G da Claro ficará entre R$ 1.000 e R$ 2.599, de acordo com o plano e o modelo (8 GB ou 16 GB) escolhido pelo cliente. Ela afirma, ainda, que as lojas da Claro nos Shoppings Iguatemi, Salvador e Barra já estão vendendo o aparelho. A Vivo não foi encontrada através de sua assessoria para comentar sobre o assunto. O QUE O IPHONE TEM DE BOM (E DE RUIM)? A sensação do momento exige cautela do consumidor antes da compra. O primeiro problema está no acesso por toque na tela, tornando impossível mante-la sempre limpa. Cartão de memória,

nem pensar. O usuário terá que se contentar com 8GB ou 16 GB disponíveis de fábrica. Dentre as vantagens do iPhone, está a exibição de e-mails no formato HTML, linguagem padrão utilizada nas páginas da web. Isso permite a visualização de arquivos em formatos padrões, como PDF, Word, Excel, PowerPoint. O problema está na inexistência das ferramentas “copiar” e “colar”, impedindo, por exemplo, que o usuário acesse um link que tenha recebido por e-mail. O celular, também iPod (tocador digital de som e vídeo), tem um interessante sistema de localização através do A-GPS (GPS Assistido). Essa última inovação permite que o iPhone guie o usuário por um sistema de mapas orientados via satélite. Caso o sinal do satélite naquela localidade esteja ruim, o aparelho ativa a rede Wi-Fi para permanecer em funcionamento. Mesmo com a variedade de funções e atividades que o usuário pode desempenhar com o iPhone, a maior queixa ainda é o preço. Os valores oscilam entre R$1.200 e R$2.600, para a versão 3G, comercializável no Brasil através das operadoras Claro e Vivo.


SALVADOR, OUTUBRO DE 2008 - ANO I - Nº 6

SAÚDE

17

Apnéia pode causar hipertensão, diabetes e até obesidade O ronco é um problema sério no convívio social e entre casais. Primeiro se manifesta através de reclamações por parte do companheiro e das pessoas que convivem com quem ronca e pode se estender até ao ponto de levar o casal a dormir em quartos separados, o que em geral é um aspecto negativo no relacionamento. Mais do que uma melodia constrangedora, o ronco pode se tornar um indicador da Síndrome da Apnéia Obstrutiva do Sono (SAOS), um dos principais distúrbios do sono. Essa doença se caracteriza por paradas respiratórias momentâneas durante o sono causadas pelo bloqueio da passagem do ar, que podem durar de 10 a 90 segundos devido ao excessivo relaxamento da língua e estruturas da garganta. De acordo com a odontóloga Ivana Lopes, quando essas paradas respiratórias acontecem, o cérebro manda uma mensagem para que a pessoa saia do sono profundo e volte a respirar. “O sucessivo despertar momentâneo leva a um comprometimento na qualidade do sono, assim é comum que as pessoas com essa

doença reclamem de excesso de sonolência diurna, dificuldade de concentração, prejuízo na função executiva, alteração de memória e do humor, dores de cabeça. Ela afirma que essa doença tão grave está recebendo cada vez mais atenção por parte dos profissionais da saúde do mundo inteiro “que tem a clara percepção que tratando a apnéia eles estão tratando várias outras doenças, como por exemplo, problemas pulmonares, diabetes, obesidade, arritmias cardíacas, acidente vascular cerebral (derrame), hipertensão”. A Associação Americana do Coração coloca a importância de tratar a SAOS para eliminar a hipertensão resistente, quadro em que a pressão não cai mesmo com uso de três medicamentos. Segundo a Drª. Ivana, enquanto a apnéia não é tratada, a hipertensão não cede, e quanto mais grave ela for maior seu efeito sob a pressão. A odontóloga também explica que nos portadores de apnéia alguns receptores da insulina presente nas células são inativados, sobrando insulina no sangue e permitindo que o excesso de açúcar fique na circulação sanguínea,

induzindo ao diabetes. A obesidade é outro fator associado ao SAOS, pois a privação do sono diminui a secreção do hormônio do crescimento e libera Cortisol e TSH, favorecendo o ganho de massa corpórea. Para que a apnéia possa ser corretamente diagnosticada, o paciente deve ser encaminhado para uma avaliação médica e um exame chamado Polissonografia no qual ele passa a noite tendo seu sono monitorado. Dependendo da gravidade do problema será indicado o tratamento mais adequado. Dos tratamentos mais usados para Apnéia estão o CPAP, usado para casos mais severos, é como uma bomba de ar que através de uma máscara no rosto do paciente força a passagem do ar pelas vias aéreas superiores e a Placa Intra-oral, que é usada em grande parte dos casos e funciona posicionando a mandíbula para frente, evitando desta forma que o tecido relaxado da faringe, garganta e língua obstruam a passagem do ar, mesmo em fases de maior relaxamento durante o sono. A placa intra-oral é o tratamento mais simples e menos incômodo para o ronco,

acompanhado ou não de Apnéias leves e moderadas. Além da fácil adaptabilidade dos pacientes, outro ponto positivo da placa é que ela é um tratamento conservador, ou seja, não agride e é reversível, o oposto de algumas cirurgias que buscam a solução do mesmo problema. A placa intra-oral é um tratamento realizado por dentistas com treinamento específicos para o tratamento da SAOS. Apesar de ser um problema sério, a Apnéia Obstrutiva do Sono tem tratamento e este pode ser simples quando conduzido por profissionais especializados. O import a nt e é pro c u r a r ajuda. SERVIÇO Consultório Odontológico - Av. ACM, nº 585, Complexo Odontomédico do Itaigara, Bloco A, Edf. Pierre Fauchard, sala 704, Itaigara Salvador - Bahia.

Ivana Lopes, odontóloga


18

AUTOS

SALVADOR, OUTUBRO DE 2008 - ANO I - Nº 6

Curtas

Especial Automóveis

Honda City deve chegar ao Brasil no próximo ano Recém-lançado na Tailândia, o novo seda Honda City deve desembarcar em terras brasileiras em 2009, quando deve começar a ser produzido na Argentina. O veículo de 4,39m desenvolvido sobre a plataforma do novo Fit chega com design moderno e promessa de preços razoáveis. A semelhança com o Civic não é mera coincidência, já que herda do irmão os traços da lateral e da traseira, bem como o volante de três raios. Com motor bicombustível, seu preço deve ficar entre o novo Fit e o Civic LXS manual, que atualmente custa R$ 65.460,00.

Dicas para conservar o veículo A cada 10.000 Km rodados, faça o alinhamento, evitando o desgaste prematuro de pneus, suspensão e direção. Os bancos de couro devem ser hidratados com vaselina liquida a cada seis meses. Não espere dias de chuva ou neblina para lembrar-se do limpador de pára-brisas: verifique a pressão no braço do limpador e a borracha das palhetas.

Saia desta roubada VEJA OS CUIDADOS QUE VOCÊ DEVE TER PARA NÃO COMPRAR UM CARRO ROUBADO

Os mais vendidos em agosto e setembro Confira abaixo a lista dos 15 modelos mais vendidos no mercado nacional em agosto e setembro segundo dados da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores). CARRO

AGO

SET

1 VW Gol

27113

28225

2 Fiat Palio

15780

16618

3 GM Celta

11291

12802

4 GM Corsa Sedan

12371

13744

5 Fiat Uno

11518

14000

6 VW Fox/CrossFox

10368

11050

7 Fiat Siena

8782

8771

8 Fiat Strada

6086

7021

9 Ford Ka

6275

6129

10 Honda Civic

4308

6377

11 Ford Fiesta Hatch

4675

4917

12 GM Prisma

3999

4498

13 GM Corsa Hatch

3958

5784

14 Ford Ecosport

3408

4336

15 Fiat Punto

3355

3132

Fonte: www..quatrorodas.abril.com.br

Cultura da permissividade 79 INFRAÇÕES LEVES E MÉDIAS VIRAM ADVERTÊNCIA EM SALVADOR ■ Colaboração Louise Cibelle Depois de todo furor causado pela Lei Seca, a SET entra em cena mais uma vez causando polêmica. Publicada no Diário Oficial do Município no dia 8 de setembro, a lista das 79 infrações de trânsito transformadas em advertências chega para fazer valer a cultura da permissividade. De acordo com essa lista, algumas infrações leves e médias passaram a ser consideradas apenas advertência ao motorista infrator, que não precisará mais pagar multa, apenas se for reincidente na mesma infração no período de 12 meses. Dentre as que deixaram de ser infrações leves, estão: estacionar em desacordo com a regulamentação especificada pela

sinalização, transitar na faixa da direita regulamentada como circulação exclusiva de determinado tipo de veículo e ultrapassar veículo em movimento que integre cortejo/desfile/formação militar. Jogar objetos ou substâncias pela janela de qualquer veículo, abandonar na via objetos ou substâncias, estacionar no ponto de embarque/desembarque de passageiros do transporte coletivo, parar sobre faixa de pedestres na mudança de sinal luminoso e dirigir o veículo utilizando-se de celular exemplificam as infrações médias que agora são consideradas apenas advertência. Veja a lista completa no site: (www.setsalvador.com.br/informacoes_noticias.asp?id=749)

■ Márcia Ribeiro Quando você for comprar um carro, fique atento a alguns detalhes para não cair na enrascada de adquirir um veículo roubado. De acordo com a Ordem dos Advogados de Brasil de São Paulo, cerca de 40% dos carros roubados ou furtados no país não são recuperados e acabam em desmanches ou têm seus documentos fraudados e são vendidos no mercado de usados no Brasil ou no exterior. A fraude geralmente passa despercebida na hora da transferência do automóvel para o nome do novo condutor, mas não escapa das vistorias do Detran ou das blitze policiais. Quando isso acontece, o carro é devolvido para o antigo dono e a vítima do golpe acaba ficando

com todo o prejuízo, além da possibilidade de ser acusado de portador de mercadoria roubada. Abaixo algumas dicas da Cesvi (Centro de Experimentação em Segurança Viária) de como se prevenir do golpe: • Verifique a originalidade do CRLV, Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo, documento obrigatório. Preste atenção se as inscrições “República Federativa do Brasil”, “Contran”, “Denatran” e “Ministério da Justiça” estão em alto relevo sensível ao tato. Vale a pena ainda esfregar o papel em uma folha em branco e verificar se ele deixa marcas verdes. • O motorista deve sempre checar a numeração do chassi gravada nos vidros, prestando atenção se há sinais de adulte-

ração e se o número confere com o do documento. • Cuidado com números desalinhados e sinais de solda, lixa ou adulteração dos rebites na numeração do motor, que é fixada numa plaqueta ou marcada em baixo relevo no bloco. É preciso procurar bem, pois nem sempre é visível. Procure também etiquetas de identificação com o número final do chassi no cofre do motor, na coluna da porta do passageiro e no assoalho. • Procure em algumas peças a data da fabricação. Você pode encontrar em vidros, etiquetas do cinto de segurança, mangueiras, rodas, radiador, reservatório de fluido de freio, entre outros. Se um carro foi fabricado em 2007, por exemplo, não pode ter peças de 2008.

Os carros mais seguros do Brasil Abaixo, alguns exemplos dados pela Cesvi. Para conhecer a lista completa acesse o site www.cesvibrasil.com.br /sviaria/estudos_e_pesquisas_ranking_indice_seguranca.shtm#m.

Hatch compacto

Chevrolet Celta 1.0 Life 2P

VEÍCULO

Chevrolet Corsa 1.0 Joy

Citroën C3 1.6 16V Exclusive

Chevrolet Corsa 1.0 Maxx

Fiat Novo Palio 1.8R 2P

Peugeot 206 1.4 Presence

Kia Picanto 1.0 Peugeot 206 1.6 Allure Fiat Novo Palio 1.0 ELX 2P

Hatch médio

Fiat Punto 1.4 ELX

VEÍCULO

Ford Ka 1.6

BMW 130i 2.5 6 Cilindro

Ford Fiesta 1.6

BMW 130i 2.5 6 Cilindro Aut

Chevrolet Corsa 1.4 Premium

BMW 130i Aro 18 2.5 6 Cilindro

Peugeot 206 1.4 Moonlight

BMW 130i 2.5 Aut Aro 18

VW Fox 1.0 Plus

Citroën C4 VTR

VW Novo Gol 1.0

Audi A3 1.6

VW Novo Gol 1.6

Audi A3 2.0 Turbo

Fiat Punto 1.4 4P

Audi A3 2.0 Turbo S- Tronic

Ford Fiesta 1.0

Alfa Romeo 147 2.0

Ford Ka 1.0

BMW 120i TOP 2.0 4 Cilindros


SALVADOR, OUTUBRO DE 2008 - ANO I - Nº 6

COMPORTAMENTO

19

Qual é a sua? TRIBOS URBANAS CUMPREM PAPEL NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ■ Lucas Sérvio O termo tribo urbana é caracterizado por indivíduos que compartilham a mesma ideologia, estilos musicais e hábitos. Comuns em grandes cidades, as tribos mais conhecidas são Góticos, Punks, Rappers, Hippies, Pagodeiros, Menestréis, Darks, Clubbers, Rockeiros, Patricinhas, Mauricinhos, Geeks, Emos, Skinheads, Otakus, Metaleiros e Tribo do Reggae. Algumas tribos ganharam força a partir de movimentos políticos. Os hippies, por exemplo, contestaram a sociedade capitalista em 1966 e foram às ruas protestar contra a guerra do Vietnã, abraçando aspectos sentimentais como liberdade, amor e paz. Para alguns jovens, pertencer ou fazer parte de uma tribo traz popularidade, novas identidades que se sobrepõem a real, herdada pela família ou condição social. Segundo Arthur Lara, mestre e doutor em comunicação pela ECAUSP e estudioso dos movimentos urbanos, o jovem tem a necessidade de se agrupar. “As trocas de experiências precisam ser partilhadas e geram novos comportamentos, e o individuo fica preso

ao grupo de maneira irreversível”, comenta. Já a psicóloga Shandy Miguel completa informando que o ser humano é um ser gregário, ou seja, vive em grupos, principalmente os jovens que por estarem numa fase de transição para a vida adulta sentem-se inseguros e têm necessidade de serem aceitos, precisam se sentir iguais. O jovem universitário Marcos Paulo Acácio se assume emo e diz que adora se vestir de preto e gosta de música pesada, mas com toques românticos. Os emos fazem parte de uma tribo urbana e são caracterizados por jovens emotivos, cabelos pretos, lisos e franja. Já a adolescente Stefane Haine, 13 anos, assume que adora a tribo do reggae. “Curto muito Bob Marley e Tribo Jah”, diz. Ela comenta que procura se associar com a tribo, mas por causa das músicas. BONDES Os shoppings são locais de grande circulação de algumas dessas tribos. Para a psicóloga Shandy Miguel os shoppings são locais onde há muitos estímulos, onde os jovens observam e são observados, fazendo com que dessa

forma sejam notados e percebidos. “Muitas vezes sem terem que gastar”, diz. A cultura de shopping vem tomando um grande espaço, novas tribos começam a surgir e se intitulam como bondes. Esses grupos se destacam nos sites de relacionamento como Orkut, blogs e fotoblogs. São compostos por jovens adolescentes que se reúnem em shoppings. Os grupos se dividem em bondes como: Bonde Máfia Stronda, Sistema Terrorista, Bond Lás Cobiçádás, Ekip do Rodo, Favela em Fúria, Bónd Lóss Cáñºtás, Bond Farpação Style, Bondº 66', Ekip Védá Lóêá, Bond las Pivetinhas, Facção Vida Loka, Ekip Magnata Style, Ekip do Ródó, Bond 157, Cocotas do Mel, Ekýpe ás Báçdýdás e Primeiro Comando do Mirantes. Para Arthur Lara os shoppings têm a configuração de um espaço em trânsito. “Esses espaços desaceleram a vida 24hs das cidades e se configuram como espaços neutros que facilitam a convivência de várias tribos sem ter uma fronteira física bem definida como, por exemplo, os espaços da periferia que não permite outro tipo de convivência social”, diz.

Veja as tribos em ação no You Tube: Góticos: http://br.youtube.com/watch?v=1q368egNLyY Punks: http://br.youtube.com/watch?v=c0IZdP3x66Y Emos: http://br.youtube.com/watch?v=FOi3SGQbI2w Rappers: http://br.youtube.com/watch?v=DFPShUSgFyI Hippies: http://br.youtube.com/watch?v=PyBj2WZIw_I Pagodeiros: http://br.youtube.com/watch?v=YGJeSLh4R4M Clubbers: http://br.youtube.com/watch?v=5VUZZcRm-eA Rockeiros: http://br.youtube.com/watch?v=LHHY1slG1hY Patricinhas: http://br.youtube.com/watch?v=LBIj1j7VWHU

As gírias dos bondes Oriundas do Rio de Janeiro e São Paulo, segue algumas gírias dos bondes: “TRUTA” (GUARDA COSTAS) “TRAMPO” (TRABALHO) “GAMBÉ” (POLICIAL) “TRETA” (BRIGA) “PELA SACO” (OTÁRIO) “SACÔ” (ENTENDEU)

“CHEGADO” (AMIGO) “CARETA” (CIGARRO) “DE CARA” (SURPREENDER COM ALGO) “TROCAR IDÉIA” (CONVERSAR) “ALEMÃO” (INIMIGO).

Mostra Infinita Beleza FOTÓGRAFO BAIANO FAZ RETROSPECTIVA VISUAL DA VIDA DE DONA CANÔ NO TEATRO JORGE AMADO Por si só, a proeza de chegar a um século de existência com lucidez e em atividade já é um fato merecedor de destaque e comemorações. No caso de Claudionor Viana Telles Velloso, a Dona Canô, que completou 101 anos em 16 de setembro, motivos para homenagens são muitos. Ao longo de sua longa e fértil vida, a baiana de Santo Amaro da Purificação atuou, sem estrelismos, mas com eficiência, na preservação das tradições culturais

e em causas sociais, revelando-se como catalizadora cultural em sua cidade e formadora de opinião. Dona Canô hoje, é uma referencia da fraternidade, da generosidade e alegria do povo baiano, um patrimônio regional que é conhecido e respeitado em todo o Brasil. E foi esse reconhecimento que levou o fotógrafo baiano Mario Edson a idealizar este tributo em forma de ensaio fotográfico, que já foi apresentado em Santo Amaro

na ocasião dos eventos comemorativos de seu centenário e que agora chega a Salvador. São, no total, 43 imagens. Algumas garimpadas no acervo da família, cedidas gentilmente pela própria homenageada e seu filho Rodrigo Veloso, e outras captadas pelo fotógrafo na busca intencional de colher flagrantes e detalhes que traduzissem e perpetuassem poeticamente a rotina e a personalidade singela, serena e fraterna de Dona

Canô. Mãe e avó de duas gerações de destacados artistas baianos, ela é considerada mãe símbolo da Bahia. SERVIÇO: Mostra Fotográfica Infinita Beleza Local: Espaço Calasans Neto Teatro Jorge Amado - UEC PITUBA - Visitação: 23/09 a 22/10/08 - Segunda a Sexta-feira das 8h às 20h, Sábado e Domingo, das 14h às 20h Entrada Franca


20

ENTRETENIMENTO

SALVADOR, OUTUBRO DE 2008 - ANO I - Nº 6

Vale a pena conferir

Programação Cultural

DVD

Sangue Negro

TEATRO JORGE AMADO

TEATRO MÓDULO

LOCAÇÃO E VENDAS - PREÇO MÉDIO: R$50,00 Indicado a oito Oscar ganhador de dois: Melhor Ator e Melhor Fotografia. Quem não viu nos cinemas não pode perder de acompanhar a história onde o premiado Daniel Day-Lewis interpreta um prospector, profissional que conhece e indica terrenos com petróleo. Ele compra os direitos de extração do rancho de uma família e acaba encontrando lá uma rica jazida. O roteiro é livremente inspirado no romance Oil!, escrito em 1927 por Upton Sinclair (1878-1968), e mostra o negócio da perfuração de poços no sul da Califórnia como uma nova corrida pelo ouro.

"Os homens querem casar & as mulheres querem sexo"

CD

The King of Pop – Michael Jackson PREÇO MÉDIO: R$30,00 Esta é a primeira coletânea interativa de Michael Jackson. A seleção das faixas foi feita localmente, em cada país, por meio de votação na internet. O CD conta ainda com um remix de Thriller inédito para sua divulgação. O lançamento faz parte da comemoração ao aniversário de 50 anos de Jackson. No Brasil, a coletânea chega com o nome Michael Jackson: King Of Pop - Brazilian Collection. Dentre as músicas selecionadas para a versão brasileira do álbum estão as clássicas Billie Jean, Bad, Black or White e Thriller, além de outras menos conhecidas como Heal the World e Say Say Say, onde Michael faz dupla com o exBeatle Paul McCartney.

Livro

O jogo do anjo

Integrando o projeto Catálogo Brasileiro de Teatro, o espetáculo protagonizado pelo ator Carlos Simões, vêm conquistando platéias lotadas desde sua estréia no Rio de Janeiro. A idéia do projeto nasceu pelo aumento do número de sites de relacionamentos. Fazendo uma pesquisa mais aprofundada, descobriuse que mais da metade dos participantes em busca de um relacionamento sério são homens. Ao contrário das mulheres que, buscando independência, se mostram mais disponíveis para encontros casuais. ■ SERVIÇO: TEMPORADA: 17,18 E 19 DE OUTUBRO - HORÁRIO: SEXTA E SÁBADO ÀS 21H E DOMINGO ÀS 20H - PREÇO DO INGRESSO: SEXTA E SÁBADO R$ 50,00 (INTEIRA) E R$25,00 (MEIA) E DOMINGO R$ 60,00 (INTEIRA) E R$30,00 (MEIA) - CLASSIFICAÇÃO: 16 ANOS HAVERÁ UMA SESSÃO EXTRA NO DOMINGO, 14 DE SETEMBRO, ÀS 18H

CARLOS RUIZ ZAFON – PREÇO MÉDIO: R$35,00 Com um estilo deslumbrante e precisão narrativa impecável, o autor de A Sombra do Vento, que figura há mais de um ano na lista dos livros mais vendidos no Brasil, nos transporta de novo para a Barcelona do Cemitério dos Livros Esquecidos, para nos oferecer uma aventura de intriga, romance e tragédia, através de um labirinto de segredos onde o fascínio pelos livros, a paixão e a amizade se conjugam num relato magistral. Na trama, aos 28 anos, desiludido no amor e na vida profissional e gravemente doente, o

Ele promete a David muito dinheiro e sua simples aparição parece devolver a saúde ao escritor. Contudo,

"CÓCEGAS" - com Ingrid Guimarães e Heloísa Perissé Assistida por um milhão de pessoas, o espetáculo volta a Salvador. A dupla Ingrid Guimarães e Heloisa Perissé dá vida a diferentes mulheres sempre envolvidas em situações limites. ■ SERVIÇO: TEMPORADA: DIAS 24, 25 E 26 DE OUTUBRO - HORÁRIO: SEXTA, SÁBADO ÀS 21H E DOMINGO ÀS 19H - PREÇO DO INGRESSO: R$ 80,00 (INTEIRA) E R$40,00 (MEIA) CLASSIFICAÇÃO: 16 ANOS

o que ele pede em troca não é pouco.

Programação Cultural PARQUE DA CIDADE JOVENTINO SILVA Música no parque No próximo dia 19, o Parque da Cidade, no anfiteatro Dorival Caymmi recebe como atração musical no programa Música no Parque pop afro Aloísio Menezes. Aloísio, revelação do prêmio Caymmi no ano de 2000, é ex-cantor e compositor do bloco Cortejo Afro. Aloísio viu sua carreira ser consagrada ao vencer o Festival Secundarista de Arte Integrada da Bahia em 1979. Contanto com um timbre de voz rouco, o cantor tem em seu repertório principalmente músicas de reggae.

Parque da Cidade Joventino Silva Endereço: Avenida Antônio Carlos Magalhães - Pituba Telefone: 3358-5612 - Horário de funcionamento: 6h às 18h.

Teatro Jorge Amado Espaço Calasans Neto Av. Manoel Dias da Silva, 2177 - Pituba Tel.: 3525-9720 / 3525-9708 Para saber mais detalhes sobre a programação do teatro Jorge Amado, acesse o site www.teatrojorgeamado.com.br

TEATRO MÓDULO

Lançamento O Fantasma de Canterville

Ivete Sangalo e Saulo Fernandes páram a Avenida Manoel Dias ■ Cris Montenegro O burburinho e a quantidade de pessoas que se aglomeraram na frente da casa de festas para crianças Fantástica Fábrica no dia 14 de outubro teve um motivo pra lá de especial: o lançamento do álbum infantil A CASA AMARELA, parceria de Ivete Sangalo com Saulo Fernandes. Com a presença de jornalistas locais e nacionais, os anfitriões da festa responderam perguntas dos profissionais da imprensa e também de algumas crianças. “A idéia é fazer um registro de um trabalho que surgiu naturalmente. Não sabemos o que nos aguarda, mas estamos felizes demais com o resultado”, comentou Veveta.

“Se vier a acontecer alguma apresentação desse disco, que seja um musical. Pois é um projeto muito dinâmico”, acrescentou Saulinho. Apesar da coletiva ter sido convocada para apresentação do novo trabalho, temas como gravidez, Ivete revelou que já está tentando engravidar, e a possível disputa entre ela e a cantora Cláudia Leite foram abordados pelos repórteres. “Não existe rixa alguma, isso é a própria imprensa que cria”, declarou. Ficha Técnica Veveta e Saulinho A Casa Amarela Produção: Universal Music Direção: Alexandre Lins

A peça continua em cartaz no Teatro Módulo. A "comédia em pé" (como foi traduzido o gênero de comédia em que o próprio ator desenvolve sua performance sem o necessário aporte de uma personagem) vai mexer no vespeiro em que dominam a cara-de-pau, a desfaçatez, a falta de vergonha e a falta de educação generalizada de algumas rodas sociais, políticas e econômicas, e tratar de assuntos emergentes na sociedade. Entre os temas abordados figuram as contradições da política nacional e internacional; a velocidade do mundo moderno e a ansiedade de acompanhar os avanços tecnológicos; a falta de consciência ecológica; a insegurança nas cidades grandes; a falta de educação; a busca obsessiva pela juventude e a valorização exacerbada da aparência; o culto às celebridades instantâneas e a busca desenfreada pela fama; além dos modelos de relacionamento, paquera e sexo na vida de hoje. ■ SERVIÇO: TEMPORADA: DE 03 A 31 OUTUBRO,

escritor David vive sozinho num casarão em ruínas. É quando surge em sua vida Andreas Corelli, um estrangeiro que se diz editor de livros. Sua origem exata é um mistério, mas sua fala é suave e sedutora.

O Indignado

Escrito no final do século XIX, o conto aborda o início da invasão da cultura americana na Inglaterra e o início de sua influência no "velho mundo". O texto traz à tona uma visão política, cultural e bem humorada do que seria o embate entre essas duas culturas. Com um texto pautado no sarcasmo e na ironia, Oscar Wilde, através de seus personagens, tenta fazer uma crítica tanto a cultura materialista dos norte-americanos quanto ao conservadorismo excessivo dos ingleses. A história do "Fantasma de Canterville" acontece em torno da família Otis, formada por um casal e três filhos americanos que ao mudar-se para a Inglaterra resolvem comprar um castelo que possuía a fama de ser mal assombrado. Ao chegarem à nova residência descobrem que um fantasma inglês realmente assombra o lugar. Então os papéis se invertem e o fantasma é quem passa a ser assombrado pela nova família. A Cia de Teatro "Os Bumburistas" venceu o Prêmio Braskem de Teatro no ano de 2007, na categoria Melhor Espetáculo Infanto-juvenil (júri popular) por tal espetáculo, e no ano de 2006 na categoria Melhor Espetáculo Adulto (júri popular) pelo espetáculo "A Virada". ■ SERVIÇO: TEMPORADA: DE 05 A 26 OUTUBRO, (TODOS OS DOMINGOS) – EXCEÇÃO PARA O DIA 19, QUANDO NÃO HAVERÁ ESPETÁCULO - HORÁRIO: 16H PREÇO DO INGRESSO: R$ 16,00 (INTEIRA) R$8,00 (MEIA)

( TODAS AS SEXTAS-FEIRAS, SÁBADOS E DOMINGOS) HORÁRIOS: SEXTAS-FEIRAS ÀS 21H E SÁBADOS E DOMINGOS, ÀS 20H.

PREÇO DO INGRESSO: R$ 30,00 (INTEIRA) R$15,00 (MEIA)

O Casamento Suspeitoso O espetáculo que traz ao palco o universo nordestino recheado com o bom humor conta os percalços de um "casamento suspeitoso", aonde uma moça de comportamento duvidoso vinda da capital, Recife, deseja se casar o mais rápido possível com o filho único de uma rica família do interior, Taperoá. O jovem apaixonado contará com a ajuda de seus leais amigos para tentar escapar das garras da casamenteira. É o combate da esperteza da capital contra a astúcia do interior. O Casamento Suspeitoso é um texto do respeitado dramaturgo, romancista e poeta, defensor militante da cultura brasileira, Ariano Suassuna, autor de Auto da Compadecida, A Pedra do Reino, O Santo e a Porca, dentre outras obras. A trilha sonora é dançada e executada ao vivo pelo próprio elenco que toca violão, zabumba, pífano, triângulo e outros instrumentos de percussão ao fim de cada ato. As músicas em ritmos animados tipicamente nordestinos, falam da trama do espetáculo e aumentam o clima e expectativa para o que vai acontecer a seguir. ■ SERVIÇO: TEMPORADA: 16/23/30 DE OUTUBRO E 06 DE NOVEMBRO (TODAS AS QUINTAS) -

HORÁRIO: 20H - PREÇO DO INGRESSO: R$ 10,00 (INTEIRA) R$5,00 (MEIA)

A bilheteria do Teatro Módulo funciona de terça a quinta-feira das 14h às 19h e de sexta-feira, sábado, domingo e nos dias dos espetáculos, de 14h até 15 minutos antes do início ou até acabar os ingressos. Endereço: av. Magalhães Neto, 1177 Pituba Tel.: (71) 2102-1392 / 3354 - 6654 teatromodulo@portalmodulo.com.br


SALVADOR, OUTUBRO DE 2008 - ANO I - Nº 6 ■

ENTREVISTA

21

“Moda é oferta e estilo é escolha” ■ Michel Telles

“Numa caminhada pelo parque o moleton é um mal tolerado. Longe desse lugar é apenas um pijama disfarçado. Acho dureza”

NO RIO DE JANEIRO, A CONSULTORA DE MODA

GLÓRIA KALIL RECEBEU O COLUNISTA MICHEL TELLES PARA UM BATE-PAPO ESPECIAL. A AUTORA DOS LIVROS CHIC E CHIC{ÉRRIMO} É UMA DAS

MT - COMO

VOCÊ CLASSIFICARIA

UMA DESSAS MULHERES QUE MESMO COM JÓIAS VERDADEIRAS PARECE

MAIORES EXPERTS BRASILEIRAS

UMA ÁRVORE DE NATAL?

EM MODA. CONFIRA!

GK - Não importa! Joiás verdadeiras ou falsas tem que ser bem usadas. Tudo que é em excesso pode ficar muito ruim. Muitas fazem isso com o intuito de mostrar uma exibição de poder. Fica pesado e inadequado.

MICHEL TELLES - QUANDO

VOCÊ

CONSIDERA ALGUÉM CHIC?

GLÓRIA KALIL - Quando a pessoa equilibra uma aparência bem cuidada com um conteúdo bem cuidado também. Chic não é só uma questão de aparência é uma questão de atitude e comportamento juntos. Quando junta o dentro com o fora aí temos uma pessoa chic. MT- É OBRIGADO SER CHIC? GK - Não! Eu acho que ser chic é uma questão de ser bem educado, se relacionar bem com as pessoas, se apresentar no melhor possível e tentar ter um comportamento agradável. MT - SER CHIC É QUEM ENTRA EM GRANDES COSTUREIROS, GRIFES... ETC? GK - Isso é ser tonto! A pessoa tem que separar moda de estilo. Chic é uma pessoa que tem um estilo pessoal muito refinado. Moda é oferta e estilo é escolha. O mundo da moda oferece muitas ofertas e você tem que tirar o que combina com você. Tem certas figuras que acham que estão na moda e na verdade

MT - UMA VEZ VOCÊ FALOU QUE OS AINDA SÃO? GK - O que eles são principalmente é super informados. São os arautos da moda. Andam pela cidade inteira, passam por todas as vitrines, entram em todos os escritórios. Olham, selecionam e criam um estilo próprio. Quer saber qual a cor da moda? O tênis da hora? Olhe para os boys.

OFFICE BOYS ERAM CHICS.

MT - OS MODELOS VÃO E VOLTAM. O QUE VOCÊ ACHA DESSE MOVIMENTO DA MODA?

estão mal vestidas. Se você tiver informação e olho, você se veste bem sem gastar muito. MT - O USO DA CALÇA JEANS POSSIBILITA LIBERDADE EM RELAÇÃO AO ACOMPANHAMENTO? GK - A calça jeans é muito democrática. Está liberada para todas as idades e para todos os lugares. O melhor é que pode ser encontrado de todo preço. Ela transmite juventude. Uma grande conquista nossa é termos conseguido que o jeans fosse incorporado ao guardaroupa de sempre.

MT - A

MULHER CHIC FAZ SUAS

CORES SEM SE SUBMETER ÀS MODAS DA ESTAÇÃO? GK - Digamos que ela faz o oposto:

ela adapta as cores da moda ao seu estilo. MT - É POSSÍVEL ALGUÉM SER CHIC COM MOLETON? GK - Numa caminhada pelo parque o moleton é um mal tolerado. Longe desse lugar é apenas um pijama disfarçado. Acho dureza. MT - O QUE SE DEVE USAR NO DIA O TAMANHO DO SALTO INFLUENCIA? GK - Usar de bom senso. Depois, usar um pouco mais de imaginação e passar do estágio neutro da correção para a o estágio divertido do estilo. Salto alto é um fator psicológico importante: ele tira a mulher do chão e levanta sua auto-estima. Em alguns centímetros e em dois segundos!

A DIA PARA SER CORRETA?

GK - Vão e voltam - diferentes. Acrescidos de atualidade, distanciamento crítico e, em geral, superficialidade.

MT - COMO SER CHIC DE MANHÃ CEDO? GK - Usando enormes e nigérrimos óculos escuros. De peignoir. MT - PARA

VOCÊ, O QUE QUER

DIZER O VERSO DE

CAETANO "DA

MT - COMO É UM GUARDA-ROUPA

DESELEGÂNCIA DISCRETA DE SUAS

SUCINTO CHIC?

MENINAS...".

GK – (Risos) Cada um que faça o seu! Depende do estilo de cada pessoa. Não há uma receita pra isso.

FORAM E A QUE SE DEVE ESSE INTE-

GK - Mais uma acertada na mosca do nosso baiano favorito. Tenho a maior dor de cotovelo de não ter sido eu a sair com essa. Nada é mais característico desta cidade do que essa discreta e triste corretice e caretice das nossas meninas. É só olhar um ponto de ônibus.

RESSE PELA MODA? GK - 100.000 para as mulheres e 50.000 para os homens. Acredito que o interesse venha da vontade que as pessoas têm de "pertencer", de serem aceitas, de estarem entre pares à sua altura, ou à altura de seus sonhos.

MT - E O FIGURINO DAS CANTORAS BAIANAS? GK - Roupa de palco tem que ter alguns exageros. Faz parte do show. Eventualmente que as pessoas esquecem e levam a roupa para ser vista de longe no dia-a-dia.

MT - VOCÊ VENDEU MILHARES DE EXEMPLARES

DE

LIVROS

HOMENS E MULHERES.

PARA

QUANTOS

Um paulista na capital baiana Passar uma manhã no Itaigara, sem ouvir o mar de Salvador ■ Felipe Vergili * Três horas. Duas partidas de futebol do meu Corinthians ou então quase a duração de dois filmes. Não foi com o meu Timão na segundona, porém, que eu sofri durante este tempo. Muito menos rindo com uma boa comédia ou vendo minha esposa se assustar com qualquer movimento em um bom filme de terror. Foi quando precisei autenticar um documento em Salvador que se foram os 180 minutos. Seguindo orientações, cheguei ao cartório em dos shoppings do Itaigara. Nunca sei qual é qual, sei que o cartório fica no do meio. Chegando lá, por volta das dez da manhã, vejo que tenho que pegar uma senha: 155. No visor se vê que a senha atendida naquele momento é a de número 75. Bom, faltavam 80 pessoas na minha frente, sendo que havia quatro guichês atendendo. Logo,

20 pessoas por guichê na média. Imaginando que cada uma demore em média três minutos sendo atendida, pensei que no máximo em uma hora, 60 minutos, estaria livre. Ledo engano... Em São Paulo, não sei se todos, mas a maioria dos cartórios não são públicos. Assim, cada um tenta oferecer os melhores serviços para tirar clientes de outros. A autenticação de uma assinatura demora no máximo cinco minutos, isso quando há fila. Voltando a Bahia, escolho um lugar entre os poucos assentos livres. Ao meu lado, uma senhora reclama da lentidão do atendimento. À minha frente, um casal em processo de oficialização da união começa a mostrar indignação. Poucos minutos depois, percebo que a sala não possui ar-condicionado e agradeço pelo dia não estar tão quente. Foi-se a primeira hora enquanto fazia planos para o resto do dia. Ao voltar minha atenção para o “placar

eletrônico” das senhas, reparo que durante os 60 minutos que se passaram, apenas seis pessoas foram atendidas. Neste momento já se passava das 11 horas. O casal à minha frente começa a se revoltar dizendo que várias mulheres estavam ���furando’ fila com o argumento de serem idosas. Sendo que poderiam até aparentar esta condição, mas com certeza não passavam dos 40. Vem um grito de traz do balcão: “Só pedindo RG para isso não acontecer”. A tensão começa a surgir, a mulher ao meu lado com a senha 130 desiste e diz que volta outro dia. “Vai estar igual, é sempre assim, deveria ter chegado mais cedo”. Coitada, ainda achou que a culpa era dela. Voltando a atenção ao “placar”, vejo um pulo gigantesco do número 100 para o 120. “São pessoas que pegam a senha e vão embora”, me explica um rapaz. Outro me diz que o cartório distribui 200 senhas todas as manhãs e

estas são atendidos até o meio-dia. À tarde, mais 200. “Mas nem se preocupe, 100 senhas são de pessoas que pegam e vão embora”, explicou. Curioso, fiquei de olho na distribuição e percebi uma falta gravíssima, digna de cartão amarelo. Muitos números são retirados pelos próprios funcionários do cartório. Ou seja, eles não atendem 200 pessoas. É apenas uma jogada ensaiada que parece acontecer todas as manhãs. Já se passavam duas horas. Eu sigo na minha posição de observador. Vejo que várias pessoas procuram os serviços do cartório e são mal instruídas. Pegam a fila sem ter necessidade, segurando a senha de uma pessoa que realmente precisa. Falta um bom comandante a este time. Bom, senha 155, chegou a minha vez. Levo meu documento, sou atendido com muita educação. Marquei o tempo: 2 minutos e meio. Pago minha conta e vou embora.

Ao passar três horas preso a uma sala vendo várias pessoas sendo maltratadas e achando normal, me senti vendo um filme de terror. É assustador ver como as pessoas se acostumam a certos comportamentos, mesmo vendo que estes são péssimos. Chega a um ponto que até a reclamação passa a ser algo indiferente. Vai ver este é um dos motivos da alienação do nosso povo. É tanta burocracia para ter seus direitos de cidadão que os mais fracos desistem antes das três horas. No final, fico eu com minha cara de tonto rindo da própria comédia de três horas perdidas. Seria cômico, se não fosse trágico!

* Felipe Vergili é paulista, jornalista e mora em Salvador há um ano. Mais textos no blog: http://spemssa.blogspot.com Email: fvergili@gmail.com


22

EDUCAÇÃO

SALVADOR, OUTUBRO DE 2008 - ANO I - Nº 6

O fim do trema A PARTIR DE 2009 ENTRAM EM VIGOR NOVAS REGRAS ORTOGRÁFICAS ■ Marcia Ribeiro Tranquilidade, heroico e antissemita. Pode parece estranho, mas é assim que essas palavras passarão a ser grafadas a partir do próximo ano. A reforma ortográfica, que suprime o trema, elimina as consoantes mudas e simplifica as regras do hífen e altera as de acentuação, deve modificar entre 0,5% e 2% do vocabulário brasileiro. Isso se deve ao Acordo Ortográfico da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), assinado pelo presidente Lula no dia 29 de setembro no Rio de Janeiro. Tal acordo tem o intuito de padronizar a ortografia do português nos oito países que possuem essa língua como pelo menos uma das oficiais. Segundo o Ministério da Educação, a ortografia-padrão facilitará o intercâmbio cultural. Além disso, livros, inclusive os científicos, e materiais didáticos poderão circular livremente entre os países, sem necessidade de revisão, como já acontece em países de língua espanhola. As primeiras mudanças devem começar a partir do início de 2009, mas as duas normas ortográficas, a atual e a prevista no

acordo, serão aceitas como corretas nos exames escolares, vestibulares, concursos públicos e demais meios escritos até dezembro de 2012. Esse também será o prazo para as administrações das entidades de ensino particular e público renovar seus livros didáticos. Para o professor e Coordenador do Departamento de Língua Portuguesa I e II (Do ensino fundamental até o 2º ano do ensino médio) do Colégio Anchieta, César Augusto Ribeiro Chagas, há uma precipitação de alguns segmentos do ramo de educação em dizer que será implementado em 2009. Para Chagas, professor há 12 anos no Anchieta, o ideal seria primeiro a mudança em revistas e outros meios de comunicação, depois nas escolas, pois elas precisam de uma preparação. “Está havendo um estardalhaço sobre um tema que exige calma. Aqui no Anchieta, nós estamos estudando e preparando a mudança com cuidado, mas ainda não está inserido. Esse processo é demorado e delicado, exigindo habilidade e dedicação à realidade do aluno. Nós pretendemos promover debates e palestras com lingüistas aqui na escola”, afirma. O professor também não acon-

• A língua portuguesa é falada por cerca de 220 milhões de pessoas. Destas, aproximadamente 190 milhões são brasileiros, 10,5 milhões são portugueses e os demais são habitantes de países africanos e de comunidades na Ásia e América. • O português é o quinto idioma mais falado no

selha que as editoras coloquem os livros com as mudanças já no começo do ano que vem. “É preciso antes ter mais discussões. A escola tem que promover essa mudança aos poucos e não deve se precipitar”, completa. O cuidado com as crianças também é fundamental, pois elas estão em fase de aprendizado. Chagas explica que o colégio está tomando o devido cuidado com os pequenos. “O grupo de professores está bem preparado. Primeiramente faremos uso do que já existe, para que a criança compreenda o que são as regras para depois explicar as mudanças”, conta o professor. Segundo Consuelo Almeida, coordenadora pedagógica do SMEC e do Programa de Livro Didático de Salvador, a compra dos livros didáticos para as escolas municipais para o próximo ano já foi realizada em agosto e estes ainda virão sem as alterações na língua portuguesa. “Para 2010, acredito que as editoras já estarão com seus materiais atualizados”, explica. Consuelo também informa que os professores vão passar por processos de formação continuada através de palestras e seminários nos próximos anos.

mundo e o único idioma ocidental a adotar duas grafias oficiais. • A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) é composta por oito países: Brasil, Portugal, Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe e Timor Leste.

O que muda? HÍFEN Não se usará mais hífen quando o segundo elemento começa com s ou r, devendo estas consoantes ser duplicadas, como em "antirreligioso", "antissemita", "contrarregra", "infrassom". Exceção: será mantido o hífen quando os prefixos terminam com r - ou seja, "hiper-", "inter-" e "super"- como em "hiper-requintado", "inter-resistente" e "super-revista" Também será abolido quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa com uma vogal diferente. Exemplos: "extraescolar", "aeroespacial", "autoestrada" TREMA Deixará de existir, a não ser em nomes próprios e seus derivados. ACENTO DIFERENCIAL Não se usará mais para diferenciar: "pára" (flexão do verbo parar) de "para" (preposição) "péla" (flexão do verbo pelar) de "pela" (combinação da preposição com o artigo) "pélo" (flexão do verbo pelar), "pêlo" (substantivo) e "pelo" (combinação da preposição com o artigo) ALFABETO Passará a ter 26 letras, ao incorporar as letras "k", "w" e "y" ACENTO CIRCUNFLEXO Não se usará mais nas terceiras pessoas do plural do presente do indicativo ou do subjuntivo dos verbos "crer", "dar", "ler", "ver" e seus derivados. A grafia correta será "creem", "deem", "leem" e "veem" Também será abolida em palavras terminados em hiato "oo", como "enjôo" ou "vôo" -que se tornam "enjoo" e "voo" ACENTO AGUDO Não se usará mais: 1. nos ditongos abertos "ei" e "oi" de palavras paroxítonas, como "assembléia", "idéia", "heróica" e "jibóia" 2. nas palavras paroxítonas, com "i" e "u" tônicos, quando precedidos de ditongo. Exemplos: "feiúra" e "baiúca" passam a ser grafadas "feiura" e "baiuca" Informe Publicitário

Quero agradecer aos eleitores que acreditaram em meus projetos e me confiaram o seu voto, expressão maior da cidadania. Nossa campanha foi limpa, coerente, guerreira e com propostas para a solução de problemas como emprego e renda que afligem a nossa gente. Enfrentamos o poder econômico, as distorções do voto útil induzindo muitos eleitores a mudarem de candidato na boca da urna. Esperamos, que a democracia se aprimore e tenhamos mecanismos de maior

Entramos na campanha com projeto próprio, com propostas concretas e apoio dos amigos sinceros, a quem, mais uma vez, agradeço. Estaremos, mesmo fora da Câmara de Vereadores, como cidadão da nossa linda Salvador, cobrando dos eleitos, as promessas que fizeram durante a Campanha. Respeitamos a vontade soberana do eleitor e continuamos sonhando com uma cidade solidária, limpa, com desenvolvimento, justa, que defenda a vida e os direitos fundamentais de todos os cidadãos.

igualdade inibindo atitudes e vícios que distorcem o quadro político, decidindo antecipadamente o pleito.

RICARDINHO BOTÊLHO


SALVADOR, OUTUBRO DE 2008 - ANO I - Nº 6 ■

Tenha cautela ao sair da Bolsa para não ter prejuízo Cautela é a palavra chave para o investidor pessoa física. Se não tiver o conhecimento necessário e o tempo requerido para fazer operações rápidas de entrada e saída da Bolsa, o mais recomendável é esperar passar o temporal e buscar uma corretora especializada em assessorar operações estruturadas que trarão uma remuneração extra dentro desse cenário pessimista. "Mas se tiver conhecimento e tempo para acompanhar o mercado, vai enxergar excelentes oportunidades para ganhar dinheiro no curto prazo. O mercado é assim: enquanto uns choram, outros vendem lenços", destaca o consultor financeiro e sócio da b2 Escola de Investidores, Rafael Bastos. Apesar de não estarem descartadas

novas perdas nos próximos dias, os analistas afirmam que a pior decisão que o investidor pode tomar nesse momento é resgatar suas aplicações por impulso. "Se ele fizer isso, estará realizando uma perda, que no longo prazo poderia ser minimizada ou até mesmo transformada em lucro", destaca o consultor financeiro. O momento é ideal para iniciar um processo de compras de ações com um horizonte de médio e longo prazo aproveitando a precificação irracional gerada pelo desespero. Para os investidores que já possuem ações em carteira, o recomendado é buscar uma assessoria especializada para tentar remunerar a carteira de investimentos neste cenário de incerteza atual.

A corrupção é um mal que afeta o Brasil, os países da América do Sul e outras nações do mundo. Rechaça-la requer esforço sem tréguas da sociedade em diversas frentes. As mazelas estão presentes no setor público e privado e se manifestam de maneira cada vez mais voraz e sofisticada, em alguns casos exigindo a aplicação de tecnologia avançada no seu combate. A participação de políticos é vergonhosa e poderia ser definitivamente eliminada através do voto, se a maioria dos cidadãos não o comercializassem e, principalmente, se houvesse rigorosa aplicação da lei. Inseridas em um contexto de contrastes paradoxais, as nações emergentes como o Brasil, têm de um lado a prosperidade e a fartura para poucos e do outro a enormidade da fome e da miséria. É uma realidade, envolvida por uma moral aviltada pela falta de emprego, deficiente distribuição de renda e subordinação a interesses escusos que resultam numa sociedade humilhada, apática, dominada por valores espúrios, que finge, por conveniência, não enxergar a transgressão ou simplesmente a considera inevitável. A presença abominável desse mal tem contaminado gerações, atraindo-as para o ganho fácil e o enriquecimento a qualquer preço, alicerçadas em ideais suspeitos, dispostas a caminhar por mazelas selecionadas como “alicerces para o sucesso”. A deturpação cultural ultrapassa os cidadãos nacionais, atinge os estrangeiros residentes no país, atraídos pelo “canto da sereia”.

A absurda insensibilidade “incrustada” na população brasileira desestimula o indivíduo que não exige seus direitos e coexiste com o medo gerado pelo descrédito nas instituições e na justiça pouco atuante, enfraquecida por leis inadequadas e ineficientes, “afogada” na lentidão dos processos que apenas beneficiam os que cometem irregularidades e os “negociantes” de decisões. A indiferença das pessoas e governantes atinge profundamente a economia, gerando um considerável entrave ao desenvolvimento, comprometendo as diversas esferas de poder seja ele público ou privado. A discussão sobre o mal deve abranger não só a avaliação que as entidades internacionais fazem do Brasil em particular, mas, principalmente, a percepção que os indivíduos têm do seu próprio país. Estudos desenvolvidos por especialistas para determinar as origens culturais da corrupção nos países emergentes, suas razões econômicas e institucionais, seus custos políticos e sociais, se reportam a fatos históricos de dominação, à colonização estrangeira inadequada e a circunstância de algumas nações terem sido submetidas a longo período ditatorial, época em que os direitos da cidadania foram vilipendiados, tornando a sociedade civil despreparada, subjugada pelo conformismo e comprometida por administrações públicas perversas. O conceito fundamentalmente caótico de que o Brasil possui uma sociedade desestruturada por aceitar o crime organizado ou não, como inevitável e atrelado às condições de subdesenvolvimento, é o reflexo da inércia da maioria dos cidadãos, refugiados no

23

Brasil tem recorde na arrecadação de impostos ■ Colaboração Mariana Passos Nos meses de janeiro a agosto a Receita Federal arrecadou R$ 452 bilhões em impostos, representando um aumento de 10,33% em relação ao ano passado, atingindo um novo recorde, mesmo com o fim do CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras). De acordo com a Receita, o tributo que mais cresceu numericamente foi o de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), totalizando R$ 11,5 bilhões de janeiro a julho, alta de 148,7%. A segunda maior arrecadação veio na Con-

A corrupção envolve o país ■ Helio Botelho *

ECONOMIA / ARTIGO

Hélio Botelho fatalismo e até no cinismo permissivo, considerando que os indivíduos são corruptíveis, “cada um tem seu preço”. É verdadeira a inserção de muitos políticos no contexto, motivados pela ganância e em busca de benefício próprio. Estes fazem parte de uma casta cujo denominador comumsão os “esquemas”, a simulação, a violência a qualquer preço e a traição, condições que alienam o comportamento humano desde os tempos mais remotos. Repetem-se no país as queixas contra membros do Congresso Nacional, algumas comprovadas e que aparentemente provocaram mudança de atitude de alguns, fruto da cobrança de segmentos da sociedade para inseri-los em novos tempos, cuja ética, austeridade, integridade e transparência são entendidas como requisitos indispensáveis à sobrevivência da competição democrática. Destarte, os resultados não tem sido alentadores, os cidadãos mais esclarecidos não acreditam na conversão, mas sim numa jogada mercadológica, cujo produto oferecido à venda é o “salvador da pátria”. Enfrentar a corrupção como um simples problema político e a forma

tribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), que atua sobre as entidades financeiras. Sua receita atingiu a marca de R$4 bilhões, subindo 34,97% de 2007 a 2008. A justificativa para tal acontecimento é o aumento do lucro das empresas e no crescimento do PIB (Produto Interno Bruto). O Brasil é considerado um dos países com maiores taxas de juros do mundo. Vale ressaltar que, cada cidadão já pagou em média R$ 2.717,93 de tributos no último semestre. Se isso continuar, cada brasileiro pagará aproximadamente R$ 5.580 até o final do ano.

rasteira, pragmática e instrumental como o tema da moralidade pública freqüenta o debate junto aos cidadãos é, no mínimo, desprezar a possibilidade de mudanças através de reformas. Entendida genericamente, como uma parte da cultura nacional intimamente ligada ao poder, às iniciativas para enfrentá-la não logrará êxito. Não só as leis e as instituições devem ser instrumentos contra ela, como e principalmente a adoção de novos valores e comportamentos, precisam conduzir administradores públicos, empresários e cidadãos ao caminho da legalidade. Devastadora como um “tsunami”, a corrupção esfacela a democracia e enfraquece a nação requerendo buscar-se a recuperação adequada. A participação da sociedade no processo de escolha de seus governantes “historicamente” através do voto, precisa evoluir para a eliminação dos candidatos que visam exclusivamente o ganho rápido e serem “donos” do estado, que a têm transformado em presa fácil, sempre ao largo do trabalho e das realizações sociais. Infeliz é a nossa pátria, com sua honorabilidade ferida, combalida pelas muitas irregularidades comprovadas, em vários segmentos sociais, um péssimo exemplo para a nossa juventude e para o povo. É imprescindível haver uma real preocupação com a moralidade e o desenvolvimento, para combater a corrupção. Na contra mão da estúpida teoria que a considera inevitável e até necessária a evolução, destacam-se as inúmeras distorções geradas e os problemas práticos capazes de anular qualquer vantagem, ou seja, a luta para obter benefícios de qualquer maneira, amplia a vulnerabilidade da economia como um todo, descontrolando os cus-

tos dos empreendimentos, privilegiando a poucos e favorecendo o crescimento da contravenção incentivada pelo mau exemplo da impunidade. Os vultosos valores de origem indeterminada despendidos nas campanhas políticas, a compra de votos, as sobras mal destinadas e a falta de controle das instituições envolvidas no processo, são fontes inesgotáveis de degradação que contribuem ainda mais para debilitar a economia nacional, exposta e carente de recursos financeiros, situação agravada após a orgia de gastos, para as eleições e reeleições. É necessária a limpidez administrativa e uma legislação mais dura para combater a corrupção e, principalmente, a mudança da mentalidade político-social. É fundamental instituir uma punição rigorosa para quem dá e quem recebe propina e, para quem torna o suborno disponível ou de qualquer modo avaliza sua prática. O país precisa construir uma economia moderna e eficiente, sem “esmolas”, capaz de criar melhores padrões de vida, especialmente para os pobres, o que exige ação firme e enérgica contra essa “doença” que não pode mais ter lugar no Brasil do século XXI, onde se deve propugnar pelos requisitos indispensáveis à sobrevivência da competição democrática. * Helio Botelho P. da Silva Sócio da HB e Associados, Professor Universitário licenciado, tributarista, empresário, produtor rural, Presidente da ONG “O Grupo Terra Vida”, Mestre em Estudos Avançados (DEA) e Doutorando em AP pela Universidade Complutense de Madrid, ExPresidente do CONSEF/SEFAZ e Diretor do DAT.


24

JORNAL NOSSO BAIRRO

SALVADOR, OUTUBRO DE 2008 - ANO I - Nº 6


Jornal Nosso Bairro #06