Page 1

EDIÇÃO 5 | AGOSTO 2012 | R$ 10,00

10

SUSTENTÁVEL: Plástico verde chega aos consumidores

44

GENTE QUE FAZ: Famasul dá posse à nova diretoria

46

TRABALHO: Usina em MT reduz índice de acidentes

ENTREVISTA Neire Colman, secretária de desenvolvimento de sustentável de Dourados

Na Internet

O DESPERTAR DAS

HIDROVIAS

Além de se destacar na produção de açúcar e álcool, Mato Grosso do Sul tem condições favoráveis para desenvolver rotas hidroviárias nos próximos anos

34


VENHA PLANTAR O FUTURO EM DOURADOS Com 15 usinas de açúcar e álcool instaladas no município e em sua área de influência, Dourados se posiciona na vanguarda da produção de bioenergia.

tantes centros de pesquisa e desenvolvimento tecnológico, Dourados se consolida também como núcleo regional de prestação de serviços de alta qualificação. Isso significa aumento consistente de renda, crescente Mas a gente sabe que para se manter na demanda por bens e serviços, e qualidade de dianteira é preciso antecipar o futuro. Por vida em expansão. isso, Dourados está implantando o Pólo de Serviços do Setor Sucroenergético, referên- Por isso estamos aqui, movidos por uma encia de suportes para toda a cadeia produtiva. ergia empreendedora com retorno seguro. Com duas universidades públicas e três par- Faça como nós. Venha com sua empresa ticulares - são 13 mil universitários - e impor- plantar o futuro em Dourados.


ÍNDICE 5 EDITORIAL 6 GIRO PELOS ESTADOS

48 FMC lança fungicida revolucionário para controle das principais doenças da soja

GOVERNANÇA

INTERNACIONAL

8 Superintendente do Ibama em MS participa de discussões em fórum do meio ambiente em Campo Grande SUSTENTABILIDADE

10 Empresas parceiras levam produtos sustentáveis com plástico verde aos consumidores 23 Indústrias e produtores brasileiros terão de ter certificação verde para exportar açúcar e etanol 49 Nova publicação associa setor sucroenergético brasileiro a segurança alimentar INOVAÇÃO & TECNOLOGIA

13 Barralcool inicia implantação de novo sistema de fertirrigação que une tecnologia e meio ambiente 26 Cientistas querem associar fabricação de bioplásticos à cadeia de produção do etanol

4

LEGISLAÇÃO

29 Setor canavieiro protesta contra proibição de inseticidas Neocotinóides

14 Biocombustíveis colocam o Brasil OPINIÃO entre os menores emissores de CO², 31 Alimentos e energias sustentáveis confirma estudo ENTREVISTA LOGÍSTICA

16 Setor canavieiro discute como conciliar a redução de custos com o melhor veículo para o transporte da produção

34 Neire Colman, secretária de desenvolvimento sustentável de Dourados CAPA

37 MS possui 8 milhões de hectares em terras degradas, que podem DESENVOLVIMENTO REGIONAL ajudar a elevar a produção de álcool 18 No Tocantins, lavouras de cana devem aumentar, e em Mato Grosso e açúcar até 2020 do Sul, usinas vão moer mais cana GENTE QUE FAZ

24 Pesquisadores ressaltam que higienização é a melhor saída para controlar mosca-dos-estábulos 32 Ministério da Agricultura deve criar até setembro projetos de cooperativas para o Nordeste 20 CANA EM FOCO

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

44 Eduardo Riedel assume definitivamente a presidência da Federação da Agricultura e Pecuária de MS até 2015 TRABALHO & EMPREGO

46 Em 5 anos, Barralcool reduz em 86% número de acidentes com trabalhadores 50 CANANET


EDITORIAL Edição nº 5, agosto de 2012 www.canasa.com.br Cana S.A. é uma publicação de Canal da Cana Jornais e Revistas Ltda-ME CNPJ: 10.939.324/0001-43 Inscrição estadual: Isenta Inscr. municipal: 137.361.000 Tiragem: 5 mil exemplares Circulação: Bancas, Mailing List Vip Diretor-Executivo Wilson Nascimento wilson.nascimento@ canaldacana.com.br (67) 9125-6062 / 2109-8919 Finanças Marlon Medeiros financeiro@ canaldacana.com.br (67) 9962-7882 Redação e publicidade Rua Albert Sabin, 1713 Bairro Taveirópolis CEP 79.090-160 Tel.: (67) 3211-2030 Campo Grande-MS Reportagem Fernanda Yafusso e Rodson Willyams Colaboraram nesta edição AlfaPress, Agência UDOP, Agência FAPESP, CDN Comunicação Corporativa, Sato Comunicação. Projeto gráfico: Hélder Rafael Charge: Paulo Moska paulomoska@hotmail.com Impressão: Gráfica Rossi

N

Mais cana, por favor

ossa quinta edição da Revista Cana S.A traz uma reportagem especial e que ganha destaque de capa sobre as projeções para o setor sucroenergético de Mato Grosso do Sul. Dados da Associação dos Produtores de Bioenergia de Mato Grosso do Sul (Biosul), revela que o estado em seis anos pode crescer 300% na produção da cana-de-açúcar. Além de sua crescente consolidação como o principal produtor da região Centro-Oeste no setor sucroenergético, que tem como alidados clima e área para plantio. Mas apesar de tantos investimentos que estão sendo injetados para o crescimento do setor, algo fundamental está sendo deixado de lado, a matéria-prima. Falta a cana-de-açúcar para que as usinas possam produzir seus produtos. E isso ocorre pela falta de estímulo da produção canavieira, mesmo com os investimentos que estão sendo feitos no setor, principalmente de logística e transporte no país pelo governo federal para o escoamento da produção, ainda falta o principal para que Mato Grosso do Sul cresça e continue com o olhar dos investidores voltado para o estado. Essa edição vai falar também sobre a inovadora criação da empresa brasileira, Braskem, o plástico verde. Que hoje é considerado o plástico mais cobiçado do mundo e que chegou para trazer ótimos benefícios para o meio ambiente e na ajuda da redução do efeito estufa. Contando com a parceria e incentivo de empresas brasileiras e internacionais para a fabricação de produtos que estão cada dia mais próximos da população. Outra matéria que o leitor pode conferir nesta edição fala sobre os produtores rurais em Nova Alvorada do Sul que estão sofrendo com a infestação da mosca-do-estábulo no rebanho bovino e pedem por uma solução da usina de bioenergia instalada na região. Já no município de Angélica a situação se encontra controlada graças às orientações que a Embrapa Gado de Corte realizou aos produtores rurais através da Série Documentos nº 175. Nas Páginas Verdes, este mês, temos a entrevista com a Secretária Municipal de Desenvolvimento Sustentável de Dourados, Neire Colman, sobre as novidades da 6ª edição do Canasul e as expectativas de negócios da 2ª Feira do Agrometal, que estima-se superar os R$ 12 milhões em negócios fechados do ano passado. Desejamos que gostem do material que preparamos com dedicação e respeito aos nossos principais parceiros: vocês leitores! AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

5


GIRO PELOS ESTADOS Custo para produzir cana-de-açúcar aumenta 25% este ano em MT Para produzir a mesma quantidade de cana das últimas 4 safras, cerca de 16 milhões de toneladas, o setor sucroalcooleiro gastou 25% a mais este ano. Aumento nos custos resulta dos investimentos na mecanização e manutenção das lavouras, explica o diretor-executivo do Sindicato das Indústrias Sucroalcooleiras de Mato Grosso (Sindalcool/MT), Jorge dos Santos. Pesquisa conduzida pelo Programa de Educação Continuada em Economia e Gestão (PECEGE), ligado a Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP), revela que o custo de produção em todo Centro-Sul ficou acima dos apontados para o Nordeste, onde a produtividade dos canaviais é menor. Conforme o estudo, o custo de produção no Centro-Sul foi 39% maior em comparação com o Nordeste (+8%) do país. Diretor do Sindalcool lembra que a região Nordeste recebe subsídio do governo para produzir, ao contrário dos estados do Centro-Oeste e Sudeste, o que explica as despesas menores. Em Mato Grosso, o investimento médio para cultivo de 1 hectare de cana-de-açúcar corresponde a R$ 4,7 mil. Para esta safra a renovação de 20 mil hectares, equivalente a 8,92% dos 224 mil (ha) cultivados com cana, foi garantida com recursos dos próprios produtores, que não conseguiram acessar a tempo o crédito disponibilizado por meio do Prorenova, linha mantida com recursos do

6

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Para todo país foram disponibilizados R$ 4 bilhões até dezembro, na tentativa de aumentar a produção de etanol. “Nenhum produtor do Estado conseguiu esse recurso porque demora muito para aprovar e não foi Aumento nos liberado a tempo de custos resulta dos realizar o plantio”. Superintendência regional do Banco do Brasil confirma a baixa demanda investimentos na mecanização e pelos produtores. manutenção das Aumento do custo foi amenizado neste lavouras ano em Mato Grosso com a melhora no rendimento dos canaviais. Conforme o diretor do sindicato, a produtividade média por hectare alcançou 70 toneladas nesta safra, contra 63 toneladas/ha na safra anterior. No restante do Centro-Sul houve perdas na produtividade por causa das geadas e estiagem. Em Mato Grosso, o corte da cana iniciou em abril e se estende até novembro.

MS: Aprovados incentivos para usina de etanol em Paranaíba

Produção de cana-de-açúcar alcança 22,59 mi/ton em MG

O Governo de Mato Grosso do Sul aprovou o projeto de instalação de usina de etanol em Paranaíba. O projeto foi apresentado no mês de maio em audiência pública. A Orbi Bionergia vai investir R$ 103 milhões na planta industrial e deve fazer aporte de R$ 50 milhões junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e por meio de linhas de financiamento do Fundo de Desenvolvimento do Centro-Oeste (FCO) para o plantio de cana-de-açúcar, que vai ocupar 30 mil hectares no município. De acordo com o projeto, a usina de etanol em Paranaíba terá capacidade de moer 3 milhões de toneladas de cana e gerar 270 empregos diretos em sua atividade plena. Inicialmente, serão 1,4 milhão de toneladas por safra para produção de 120 mil litros de etanol. Nessa fase, serão 150 empregos diretos. Outros 750 postos de trabalho devem ser abertos no âmbito da cadeia produtiva da cana de açúcar, movimentando o comércio de insumos e empresas prestadoras de serviços na área de manutenção, logística e transporte e alimentação.

A moagem de cana-de-açúcar no estado de Minas Gerais, até o dia 1º de agosto, alcançou 22,59 milhões de toneladas, o que representa queda de 7,51% se comparado com o mesmo período da safra anterior. A produção de açúcar apresentou queda de 4,37% em relação ao mesmo período da safra passada, alcançando 1,31 milhão de toneladas. Já a produção de etanol atingiu 795 milhões de litros, contra 998 milhões de litros na safra 2011/12, redução de 19,52%. De acordo com o gerente executivo da SIAMIG, Mário Campos, desse total 62,37% são de etanol hidratado. Contudo, a produção de anidro ganhou força nas últimas quinzenas, alcançando percentuais próximos a 45% do total de etanol produzido. Em relação ao mix de produção, no acumulado, 50,4% foram destinados à produção de açúcar, quatro pontos percentuais acima da safra passada.

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação


MS: Queimadas controladas ficam proibidas até 30 de setembro A queimada controlada está proibida no território do Estado de Mato Grosso do Sul entre os dias 10 de agosto e 30 de setembro. Queima de canaviais Nas áreas do deve ocorrer Bioma Pantanal, o período de mediante prévia proibição fica estendido até 30 de autorização outubro. A proibição foi publicada no Diário Oficial do estado, em resolução conjunta da Secretaria de Estado do Meio Ambiente, do Planejamento, da Ciência e Tecnologia (Semac) e do Superintendente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama/MS). Excetuam-se da proibição a queima de canaviais, como método despalhador e facilitador do corte de cana-de-açúcar em unidade agroindustrial; em caráter excepcional, a queima de palhada resultante da colheita mecanizada de sementes e a queima controlada utilizada nos cursos de capacitação promovidos pelas entidades membros do Comitê Interinstitucional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais em Mato Grosso do Sul. A queima de canaviais, como método despalhador e facilitador do corte de cana-deaçúcar em unidade agroindustrial deverá ocorrer mediante prévia autorização emitida pelas Prefeituras Municipais, em conformidade com o que determina a Lei Estadual nº 3.357, de 09 de janeiro de 2007. A queima de palhada resultante da colheita mecanizada de sementes e a queima controlada utilizada nos cursos de capacitação deverão ocorrer mediante prévia autorização emitida pelo Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul). A inobservância das disposições estabelecidas na resolução sujeitará os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, às penalidades previstas na Lei n° 6.938/81, na Lei n° 9.605/98 e Decreto 6.514, de 22 de julho de 2008, sem prejuízo da adoção de outras medidas administrativas e judiciais pertinentes.

NE: Queiroz Galvão investe em eólicas O grupo Queiroz Galvão, que atua nos setores de engenharia, petróleo e gás, concessões de rodovias e siderurgia, vai investir cerca de R$ 3 bilhões em complexos de energia eólica no Nordeste até 2016. O primeiro parque da recém-criada Queiroz Galvão Energia Renováveis (QQER) entra em operação no fim deste ano no Ceará, com capacidade de 122 MW. A empresa já possui em carteira contratos futuros de fornecimento de 800 MW de energia, o que a colocará entre as cinco maiores geradoras eólicas independentes do país, afirma Max Xavier Lins. Exdiretor da Elektro e com passagens pela Eletropaulo e Neoenergia, o executivo assumiu há três meses a presidência da nova companhia do conglomerado, que tem sede no Rio de Janeiro. Originária de Pernambuco, a família Queiroz Galvão segue os passos de outros empresários brasileiros, que também enxergam na geração de energia a partir do vento um negócio rentável, de baixo risco, à medida que os contratos de fornecimento são de longo prazo, e ao mesmo tempo sustentável. Somam-se a esses atrativos os desembolsos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que financia mais de 50% do total investido pelos empreendedores, a juros baixos. A capacidade de geração de energia eólica do país, que era de 340 MW em 2008, deve superar 7 mil MW a partir de 2014, quando vários parques entram em produção, de acordo com a Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica). A participação do setor na matriz energética, hoje em torno de 1,3%, deve saltar para 5,3% dentro de quatro anos. Muitos dos empreendimentos estão sendo construídos no país por empresários que fizeram fortuna em outros segmentos, como a família mineira Pentagna Guimarães, dona do banco BMG.

Capacidade de geração de energia eólica do país deve superar 7 mil MW AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

7


GOVERNANÇA Rodson Willyams

Acompanhando

de perto Superintendente do Ibama no Estado participa de discussões em fórum do meio ambiente em Campo Grande

O

novo superintendente do Ibama de Mato Grosso do Sul, Amarildo Valdo da Cruz, participou de uma audiência com integrantes do Fórum de Meio Ambiente Sustentável de Mato Grosso do Sul (Formads), que estiveram presentes na sede do órgão para conversar sobre questões ligadas ao Meio Ambiente e discutir os principais pontos que atingem o Estado. Neste primeiro encontro, os integrantes que compõem o Formads conversaram com o Superintendente sobre diversas pautas, entre elas a instalação das Pequenas Usinas Hidrelétricas (PCHs), a questão do Parque da Bodoquena, a queima da palha da cana-de-açúcar na região de Dourados e o decreto de lei estadual que permite o plantio da cana em área não permitida pela União. Os representantes das organizações que compõem o Formads se demonstraram preocupados com a queima da palha da cana na região de Dourados. De acordo com o membros, a fuligem que sobe junto com a fumaça durante a queima e levada pelo ar, chega facilmente as regiões habitadas, esta fuligem ao

8

entrar em contato com o sistema respiratório pode provocar sérios danos a saúde. Embora esta ação seja proibida por lei, a mesma permite que pequenos produtores que ainda não conseguiram mecanizar a colheita realizem a queima. Mas segundo Amarildo, “embora a lei tenha essa brecha, todas as usinas de cana de grande porte que se instalaram no Estado são mecanizadas. O problema é pontual e estamos acompanhando de perto esta situação”, afirma. Outro ponto discutido foi com relação ao plantio da cana em áreas proibidas pela União, onde através do decreto de lei estadual, permite o plantio da cana sem autorização do órgão competente. Para o superintendente, “este é um caso polêmico por que a lei diverge do que diz a União, por ora nós ainda aguardamos uma decisão”, comenta.

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

Na ocasião o superintendente tranquilizou o grupo e disse o órgão está à disposição das entidades para ajudar a solucionar os problemas ligados a questão do Meio Ambiente. “O Ibama está à disposição de todos que contribuem para proteção do Meio Ambiente. Nós vamos dar continuidade ao trabalho de fiscalização que compete ao Ibama e vamos procurar acompanhar de perto aqueles casos , na qual não estão sob nossa responsabilidade, mas que de certa forma, o Ibama pode contribuir para solucionar o problema”, afirmou. Entre as entidades presentes estiveram representantes da Ordem dos Advogados do Brasil de Mato Grosso do Sul (OAB-MS), Cedampo, Ecoa além dos demais membros que compõem o Formads. Rodson Willyams

Reunião entre membros do Formads e o superintendente do Ibama em Mato Grosso do Sul, Amarildo Cruz


SUSTENTABILIDADE

(PE)nsando verde Empresas parceiras levam produtos sustentáveis com plástico verde aos consumidores

H

Embalagem de herbicida da FMC possui plástico verde na composição

10

oje em dia já é possível usar a cana-de-açúcar como matéria prima no desenvolvimento de um plástico mais sustentável. Preocupadas com o bem estar do planeta, empresas como a Coca-Cola Brasil, Johnson&Johnson, Nestlé, Natura, Brinquedos Estrela, Procter&Gamble, TetraPack e FMC compram o plástico verde desenvolvido pela Braskem, e utilizam a matéria-prima na fabricação de alguns dos seus produtos. O Polietileno Verde (PE Verde) é desenvolvido no Brasil pela Braskem e une os conceitos de alta tecnologia e de sustentabilidade. O PE é uma resina termoplástica fabricada a partir do etanol da cana-de-açúcar. Entre as vantagens de sua produção, estão a captura e a fixação de até 2,5 toneladas de gás carbônico da atmosfera para cada tonelada, anualmente o país retira cerca de 750 mil toneladas de CO2 da atmosfera com a produção do plástico sustentável. O que contribui para a redução do efeito estufa. O PE Verde tem as mesmas características e mesma durabilidade do plástico fabricado a partir do petróleo, e não requer nenhum ajuste de maquinário para as empresas que transformam as resinas em produtos acabados, como embalagens, por exemplo. A iniciativa da Braskem, ao lançar um plástico de matéria-prima integralmente renovável, está alinhada

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

com uma estratégia de inovação e com o compromisso em ampliar sua contribuição para o desenvolvimento sustentável do planeta. Podemos destacar a parceria pioneira entre a Braskem e a FMC para a fabricação de embalagens plásticas. Preocupada com um mundo mais sustentável a FMC criou o projeto Da Cana para a Cana, que nasceu do esforço da empresa e resultou na proposta inovadora e benéfica à sociedade: a Green Jug, que é produzida a partir de biopolímeros, e utiliza a cana-de-açúcar como matéria-prima, substituindo parte do petróleo (não renovável) em sua composição. Um exemplo de embalagens criadas a partir do plástico verde pela FMC é o herbicida pré-emergente Boral que é líder na cultura. De acordo com a FMC, em termos financeiros, essas embalagens não representam um ganho imediato, mas são os resultados ambientais no longo prazo que justificam o investimento da empresa nesse projeto. Hoje, a FMC utiliza essas embalagens para envase de 100% da produção na concepção de 20L. Tendo ainda como objetivo a redução no impacto ao meio ambiente, além do avanço no uso de tecnologias inovadoras. Além disso esse projeto integra também a embalagem de produtos ao ciclo produtivo da cana, que se inicia com o plantio. Segundo estudos preliminares de Ecoeficiência da Fundação Espaço ECO e Plastic Europe, para cada


reduzir 2.815 kg CO2eq. E tem como proposta reduzir a dependência de um recurso fóssil, o petróleo de produção (energia não renová- e são certificadas pela Braskem, com o selo verde “I´m Green”, vel), a matéria-prima que valida mais utilizada na a procedência e composição dos polímeros. A tecnologia foi desenprodução das volvida em parceria com a empresa Uniembalagens tradipac, e atende a todos os pré-requisitos cionais para envase de agroquímicos. A FMC A Green exclusividade do produto por dois Jug tem é igual às anos. . O ciclo de produção da Green embalagens Jug provém de um conceito inovador de de defensivos utilização de polietileno verde para as tradicionais em embalagens de 20 l monocamadas, as relação às suas chamadas embalagens bioplásticas. propriedades químicas, cor, peso, resistên-

Código de Conduta Braskem Com o aumento da demanda por etanol foi criado pela Braskem o Código de Conduta para Fornecedores de Etanol. Essa iniciativa busca orientar todas as empresas fornecedoras desse insumo e estabelecer boas práticas socioambientais a serem seguidas em todo cia eprocesso produtivo. Os fornecedores devem observar os requiapasitos rên- contidos no documento na produção do etanol, assegurando a cia, sustentabilidade do processo produdifetivo desde a origem da matéria-prima rindo-se até ofato produto final. Serão observadas pelo medidas em relação a queimadas, de ser uma biodiversidade, boas práticas ambientais, embalagem direitos humanos e trabalhistas e análise “amiga” da do ciclo de vida do produto. natureza. As A Braskem é a maior produtora de resinovas embalanas termoplásticas das Américas. Com 35 gens FMC tamplantas industriais distribuídas pelo Brasil, bém obedecem às

Mathias Cramer

Coca-Cola oferece a clientes embalagem feita 1000 unidades de Bombona com até 30% contendo de 51% polietileetanol de cana no (PE) verde, é possível

Estados Unidos e Alemanha, a empresa produz anualmente mais de 16 milhões de toneladas de resinas termoplásticas e outros produtos petroquímicos. Com a inauguração de sua fábrica de polietileno derivado de etanol de cana-de-açúcar, com capacidade anual de 200 mil toneladas, tornou-se a maior produtora de biopolímeros do mundo. Desde setembro de 2010 é fabricado o plástico verde, marco mundial de inovação, e tal ação transforma o Brasil no maior produtor de biopolímeros do planeta. Cerca de R$ 500 milhões foram investidos no projeto do Plástico Verde em escala industrial.

Unidade da Braskem onde são produzido polímeros verdes

FMC sustentável A FMC é uma empresa que incentiva iniciativas de sua equipe em relação às melhores práticas agrícolas, ao exercício da responsabilidade sócio-ambiental e, principalmente, a buscar inovação no seu dia-a-dia, a FMC tem implantado muitas ideias sugeridas por seus profissionais, com resultados surpreendentes, como foi o caso da Green Jug. Num verdadeiro trabalho em equipe e parceria, a embalagem verde foi sugerida pelo departamento Comercial ao departamento de Compras, que acionou a área de Desenvolvimento de Embalagem. Os fornecedores Unipac e Braskem foram

regras internacionais

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

11


SUSTENTABILIDADE convidados a desenvolver o projeto e criar a embalagem pioneira, utilizando como matéria-prima a cana-de-açúcar. Coube ao departamento de Desenvolvimento de Embalagem o estabelecimento dos parâmetros técnicos para implementar a nova embalagem. Foram realizados inúmeros testes até que finalmente chegou-se ao resultado esperado para se obter o selo I´m Green, reconhecendo a bombona como material sustentável. Com 51% da composição do plástico derivado de polietileno verde, proveniente de eteno gerado em um processo que utiliza a cana-de-açúcar como fonte, a embalagem foi aprovada. Após todos os processos e testes terem sido realizados, chegou-se, em setembro de 2011, nove meses após o início do projeto, à fase de homologação nas especificações do INMETRO, quando se obteve o reconhecimento e a certificação da embalagem como sendo material verde.

Mathias Cramer

Projetos Mas não é só nas embalagens de herbicidas

Polímero desenvolvido pela Braskem para dar origem ao plástico sustentável

que podemos encontrar o plástico verde. Outros produtos com esse plástico estão bem mais próximos de nós do que imaginamos. Podemos citar o jogo de tabuleiro da Estrela, Banco Imobiliário Sustentável. Além da composição das peças terem a presença do plástico verde, o jogo ao invés de ser retratado um cenário urbano, as propriedades do tabuleiro representam usinas, fazendas de cana-de-açúcar e áreas de preservação ambiental. A parceria entre a Braskem e a Brinquedos Estrela marcou o lançamento do primeiro projeto comercial com o PE, foram produzidos cerca de 10 mil jogos e utilizados 50g para fabricação de cada unidade. Já a Coca-Cola Brasil utiliza o PE na fabricação de garrafas PET sustentáveis. Através do projeto PlantBottle a multinacional oferece para seus clientes uma embalagem feita com até 30% de etanol de cana. Mesmo com a presença do plástico sustentável o sabor e a qualidade não foram alteradas. De acordo com levantamento da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (ÚNICA), para se produzir um lote de 10 milhões de PlantBottle de dois litros, há uma redução de aproximadamente 550 toneladas de CO2. a redução equivale a absorção da atmosfera em um ano, de mais de 78 mil árvores nativas. E o PE está presente também no esporte brasileiro. Amantes do futebol podem conferir o mais novo produto fabricado com o plástico sustentável nos assentos da área vip do estádio do Morumbi em São Paulo. Nessa primeira fase de implantação do projeto foram confeccionados 12 assentos no estádio e há previsão da instalação dos assentos sustentáveis em outros estádios brasileiros para a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016. Esse mesmo projeto foi realizado também no Amsterdam Arena, na Holanda. Fernanda Yafusso

12

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

Cadeiras instaladas no Morumbi foram fabricadas com plástico verde


INOVAÇÃO & TECNOLOGIA

Racionalizando a

produção

A

vinhaça é conhecida como um líquido marrom escuro rico em potássio, matéria orgânica, nitrogênio, enxofre, cálcio e teor de água, sendo aplicada nas lavouras de cana com grande sucesso econômico. A aplicação da vinhaça nas lavouras, bem como a fertirrigação é pratica adotada por praticamente todas as usinas e com resultados positivos na produtividade agrícola. O Grupo Barralcool está implantando um novo sistema com tecnologia que visa uma fertirrigação com vinhaça e águas residuárias industriais, em uma área a ser cultivada com lavouras canavieiras que totalizará aproximadamente 16.000 ha pertencente ao Grupo Barralcool, ou seja, dobrará a área irrigada que deverá compor o sistema produtivo agrícola da empresa. A tecnologia da “fertirrigação de canaviais” está baseada no princípio ambiental inteligente da reciclagem dos nutrientes contidos na vinhaça, que foram extraídos do solo pela própria cultura da cana-de-açúcar. O objetivo do projeto de fertirrigação é racionalizar o uso agrícola da totalidade dos resíduos líquidos industriais (vinhaça e águas residuárias) quanto aos aspectos técnicos, econômicos e ambientais. O sistema de fertirrigação projetado será composto, basicamente, de tubulação de recalque enterradas, dotadas de derivações, hidrantes, dispositivos controladores de pressão e válvulas regulado-

Barralcool inicia implantação de novo sistema de fertirrigação que une tecnologia e meio ambiente

ras de vazão, para a alimentação direta dos ramais móveis de alumínio e dos conjuntos de irrigação por aspersão – os equipamentos auto-propelidos com carretel giratório (rolões). Todo o sistema será pressurizado, evitando-se o emprego de canais construídos em leito natural e o escoamento da vinhaça a céu aberto. É preciso quantificar e qualificar as fontes que geram poluição e tomar medidas de controle, bem como fazer um trabalho de conscientização dos operadores dos sistemas. Desta forma poderá ser tirado pleno proveito dos benefícios deste fertilizante natural. As questões elencadas, no entanto podem ser resolvidas desde que observado a origem de cada efluente, sua natureza, tomando medidas mitigativas para se reduzir a emissão de tais efluentes e a quantidade de efluente que persistir sem exageros deverá ser adequadamente tratado. Divulgação/Irrigaservice

Benefícios: - Substituição parcial da adubação mineral convencional, aproveitando a vinhaça para realizar a “reciclagem de nutrientes”, especialmente do potássio; - Atenuação das deficiências hídricas da cultura canavieira e melhor aproveitamento dos nutrientes aplicados; - Aumento médio de 10 a 15 t/ ha da produtividade agrícola das socarias de cana-de-açúcar; - Aumento da longevidade das soqueiras fertirrigadas em 5 cortes a 7 cortes, com grande produtividade; - Eliminação dos riscos de contaminação de solos e poluição de águas superficiais e subterrâneas (ênfase no nitrato), através da aplicação de doses agronômicas racionais conforme as necessidades hídricas e nutricionais da cultura canavieira.

Modelo de projeto de adutora de água e vinhaça que será usado pela Barralcol

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

13


INTERNACIONAL

Bem na

foto

E

studo da União EuMatriz energética ropeia sobre emissões limpa do Brasil globais de CO² no uso deixa o país de combustível fóssil e com ótimo produção de cimento, publicado desempenho em em julho, mostra que o Brasil está estudo europeu

muito bem na foto e colhe os frutos do seu exitoso programa de biocombustível iniciado nos anos 1970 com o Proálcool e diversificado com a implantação do programa brasileiro de biodiesel, há 5 anos. O relatório europeu foi elaborado com base em dados de consumo de energia de 2009 a 2011. As estimativas são também baseadas nos dados de produção de cimento, cal, amônia e aço, e sobre emissões por países, de 1970 a 2008. A avaliação exclui emissões derivadas de desflorestamento e queimadas. Os números brasileiros de emissão absoluta, per capita ou por unidade do PIB, são muito baixos. O Brasil tem uma das matrizes de energia mais limpas do planeta e se destaca no consumo de biocombustíveis, com volume próximo ao alcançado pelos 27 países da União Europeia. O Brasil consumiu de biocombustível (etanol e biodiesel), no uso de transporte terrestre, em 2011, 479.400 TJ. A União Euro-

14

Biocombustíveis colocam o Brasil entre os menores emissores de CO², confirma estudo

peia consumiu, no mesmo período, 555.120 TJ. Em termos per capita, o Brasil consumiu 2,44 TJ por habitante, mais que o dobro de 1,13 TJ registrada na União Europeia. A explicação para esse bom resultado é que, desde meados dos anos 2000, temos o Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel (PNPB). Ao longo de cinco anos de mistura compulsória, a produção nacional de biodiesel cresceu a taxas próximas a 25% a.a., saindo de um total de 1,2 milhão de m³ em 2005 para 2,7 milhões de m³ em 2011. Ainda, segundo dados do Balanço Energético Nacional - BEN 2012, elaborado pela Empresa de Pesquisa Energética, atualmente o biodiesel representa cerca de 1% do consumo final de energia no Brasil, levando-se em consideração a obrigatoriedade da mistura de 5% de biodiesel a todo o diesel fóssil consumido internamente. Sinalizando para a continuidade e expansão do PNPB, tem-se atualmente a perspectiva de elevações graduais dos percentuais dessa mistura até o teor de 10% em 2020, fato este que deverá contribuir ainda mais para a diminuição

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

das emissões brasileiras de gases do efeito estufa. Em relação às emissões de CO² per capita, derivadas de uso de combustível fóssil e produção de cimento, o Brasil ocupa a antepenúltima posição em uma lista de 25 países. Os primeiros dez países que mais emitem CO² per capita, segundo o estudo da União Europeia, são Austrália, EUA, Arábia Saudita, Canadá, Rússia, Coreia do Sul, Taiwan, Alemanha, Países Baixos e Japão. O Brasil também tem boa classificação - 13º lugar - no ranking de 25 países no que diz respeito a emissões de CO² por país, derivadas de uso de combustível fóssil e produção de cimento, abaixo de China, EUA, UE (27 membros), Índia, Rússia, Japão, Alemanha, Coreia do Sul, Canadá, Indonésia e Arábia Saudita. Os cinco principais emissores de CO² no uso de combustível fóssil e produção de cimento são China (29%), EUA (16%), UE (11%), Índia (6%), Rússia (5%) e Japão (4%). As emissões de CO² por parte dos países da OCDE agora respondem por um terço das emissões globais.


LOGÍSTICA Blog do Caminhoneiro

Setor canavieiro discute como conciliar a redução de custos com o melhor veículo para o transporte da produção

O

clamor para que haja aumento na produção, passa, impreterivelmente, por melhores condições no transporte de cana. Problemas ligados a intensa fiscalização rodoviária faz com que as usinas repensem os meios de transporte e queiram aperfeiçoar este serviço. Com uma rede rodoviária de cerca de 1,8 milhão de quilômetros, as estradas brasileiras são as principais transportadoras de carga e de passageiros no tráfego do país. Contudo, as condições em que se encontram nem sempre são favoráveis, fazendo com que empresários busquem novas alternativas. Afinal, é preciso reduzir custos e melhorar o serviço. Mas como conciliar a redução de custos com o melhor veículo para o transporte de cana? É o que conta Wilson Agapito, gerente de motomecanização da usina Della Coletta. “A escolha do implemento a ser utilizado deve-se levar em conta principalmente o pós-venda do fornecedor na região de atuação da usina, já que problemas ocorrem em todas as marcas. Estes, geralmente, estão ligados a conceitos de construção, tipo de terreno e conservação onde os mesmos trafegam, limites de velocidades e pesos estipulados pelas usinas. Assim, a disponibilidade operacional e custos de manutenção são fatores decisivos na aquisição dos equipamentos”.

16

Encontrando

alternativas Durante a Agrishow 2012, evento que aconteceu em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, a Rodofort, fabricante de implementos rodoviários, apresentou o Rodotrem Canavieiro, que despertou a atenção dos visitantes. Desenvolvido para o transporte de Cana Picada, o produto possui chassis com vigas centrais “I” ou laterais “Z”, com capacidade volumétrica é de aproximadamente 185m³. “A composição ideal é a que supre a necessidade de entrega de cana na usina e que atenda a legislação pertinente. Isso, na maioria das vezes, é impossível de se ter. O que geralmente acontece são adequações quanto a composição e quantidade da frota, pois existem regiões onde a AET (Autorização Especial Transporte) permite composições de Treminhão (caminhão plataforma + dois reboques), composições de Rodotrem (caminhão cavalo + um Semi-Reboque + um Reboque), composições “Romeu

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

e Julieta” (Caminhão plataforma + um Reboque) e Cavalo Mecânico + um Semi-Reboque”, diz Agapito. Tendo em vista as exigências dos consumidores, a Teston, que atua no mercado de implementos para transportes, oferece o “Gigante 22.000”, com capacidade de 22 toneladas de carga. O produto foi desenvolvido para agilizar o processo da colheita e diminuir os custos dos produtores, quem num momento conturbado como o que vivemos, precisam enxugar as despesas. Para Voi, as usinas buscam alternativas que se adéquem as exigências da lei e tragam benefícios no quesito financeiro. “Acredito que temos muito a melhorar no transporte de cana-de-açúcar. O foco agora é a busca por materiais especiais e projetos otimizados, tendo como objetivo levar mais carga e menos peso “morto”, conclui.

Companhias precisam reduzir custos e melhorar o serviço de entrega da produção


DESENVOLVIMENTO REGIONAL que em relação ao mesmo período de 2012 que era de 48%. Em Mato Grosso do Sul, são mínimos os riscos de falta de etanol ao consumidor nos postos de combustível. Atualmente o estado possui um estoque de etanol anidro (que tem 20% misturado na gasolina) para abastecer dois meses e meio. Já o etanol hidratado possui uma reserva de 14 meses e meio.

Crescimento das áreas de lavoura de cana no Tocantins deve ser constante nos próximos anos

Expansão no Centro-Oeste No Tocantins, lavouras de cana devem aumentar 18,5% este ano. Em Mato Grosso do Sul, expectativa é que sejam moídas cerca de 38 milhões de toneladas de cana

M

ato Grosso do Sul teve um aumento de 2,08% na safra 2012/2013 de cana-de-açúcar em relação à projeção anterior, de acordo com as últimas estimativas realizadas pela Associação dos Produtores de Bioenergia de Mato Grosso do Sul (Biosul). Os dados foram apresentados pelo presidente da entidade, Roberto Hollanda Filho, no dia 3 de agosto. Segundo a Biosul, espera-se moer nesta safra cerca de 38 milhões de toneladas de cana, fato positivo para o setor no estado em relação ao resto do país. Estima-se que dos 648 mil hectares cultivados, Mato Grosso do Sul produza cerca de 1,9

18

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

milhão de toneladas de açúcar e 1,98 milhão de m³ de etanol. As chuvas entre abril e maio foram muito acima da média histórica do estado, e esse excesso de chuvas acabou atrapalhando o setor, porém o estado bateu recorde de produção nas duas primeiras quinzenas de julho. Na primeira quinzena foram produzidos 3 milhões de toneladas de cana. Já na segunda quinzena a produção é de 3,3 milhões de toneladas. De acordo com o presidente da Biosul, a produção está cada vez mais próxima da safra passada e espera-se que haja um aumento e para ultrapassar o volume registrado a safra anterior. Atualmente a produção do estado está 7% menos atrasada

Tocantins A área plantada de cana-de-açúcar no Tocantins deve aumentar em 18,5% em 2012, segundo informações levantadas pela Diretoria de Agroenergia da Seagro – Secretaria da Agricultura, da Pecuária e do Desenvolvimento Agrário. Atualmente, as lavouras de cana-de-açúcar no Estado ocupam uma área de 27 mil hectares e a expectativa é que até o fim do ano o plantio ocupe 32 mil hectares. De acordo com o coordenador de Etanol da Seagro, Marcus André Ribeiro, esse crescimento das áreas de lavouras de cana-de-açúcar no Tocantins deve ser constante nos próximos anos. “Temos uma indústria de etanol instalada no Estado, a Bunge de Pedro Afonso, que sozinha vai demandar até 2016, o dobro da atual produção. O intuito do Governo é atrair novas indústrias de etanol para o Estado, o que vai aumentar ainda mais a produção de cana-de-açúcar”, afirmou o coordenador de Etanol. Até o final de 2012, devem ser processados 2 milhões de toneladas de cana-de-açúcar no Tocantins.


Retomada As usinas do Brasil aguardam a definição da participação do etanol na matriz de combustíveis para os próximos dez anos e da política de preços para a retomada dos investimentos na produção do biocombustível. Segundo o presidente interino da Unica - União da Indústria de Cana-de-Açúcar, Antonio de Padua Rodrigues, “se não definir essas regras, não vai ter investimentos em etanol”.

Curso No próximo dia 5 de setembro, a UniUDOP realiza a 3ª Aula/Palestra do Curso Agrícola de 2012. O tema abordado será a utilização da palha da cana para a produção de bioeletricidade e outros subprodutos, focando nas soluções para o enfardamento do campo até a indústria. O curso acontece em Araçatuba-SP.

Otimismo A GCE Papéis, que produz papel sulfite a partir do bagaço de cana, prevê um salto nas vendas no mercado doméstico dos atuais 8% para 25% até o fim de 2013. De 2009 para cá, o crescimento da empresa foi de 200%, resultado atingido basicamente com as vendas ao mercado corporativo. O desafio agora é conquistar o consumidor doméstico.

Energia solar O anúncio de uma fábrica no Brasil de purificação de silício, usado na fabricação de placas de energia solar fotovoltaica, pode ocorrer ainda neste ano. Há grupos interessados em montar uma unidade de purificação de silício e em projetos integrados --que incluem a purificação de silício e a fabricação de painéis-- ou apenas na fabricação das placas solares.

R$ 90 bilhões O governo Dilma Rousseff anunciou um pacote de concessões que passará ao setor privado rodovias e ferrovias em obras estimadas em R$ 90 bilhões nos próximos cinco anos. Será a primeira etapa do conjunto de ações encomendadas pela presidente para tentar reativar a economia brasileira, que neste ano pode crescer menos de 2%, abaixo dos 2,7% de 2011.

Celeiro O secretário de Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Célio Porto, projeta que nos próximos anos o Brasil deverá ser um dos países em desenvolvimento com as melhores condições de atender à demanda mundial crescente por alimentos. Ele acredita que também tem condições de ser enquadrados como celeiros globais outros países do Brics, como Rússia, Índia, China e África do Sul. A expectativa baseia-se no fato de o bloco envolver 43% da população mundial e ocupar 40% das terras do planeta.

20

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

Divulgação/ALESP

CANA EM FOCO

Homenagem A Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) realizou uma sessão solene em comemoração ao Dia do Agricultor, no dia 6 de agosto. Na ocasião, produtores agrícolas da região Noroeste Paulista e fornecedores de cana-de-açúcar da usina Guarani tiveram sua atuação profissional reconhecida. O presidente da empresa, Jacyr Costa Filho, ressaltou o peso da cana-de-açúcar na economia paulista. “Cerca de 70% da cana da Guarani é fornecida por produtores agrícolas, por essa razão incentivamos e ajudamos a desenvolver o seu trabalho. Parabéns ao agricultor”, enfatizou

Investimentos Representantes da ETH Bioenergia se reuniram com 200 proprietários de terra da região de Presidente Prudente-SP para apresentar os planos da empresa para a região do Polo São Paulo, que compreende as unidades Alcídia, localizada em Teodoro Sampaio, e Conquista do Pontal, no Mirante do Paranapanema. Durante o encontro, foi anunciado que a empresa pretende plantar 30 mil hectares de cana-de-açúcar nos próximos dois anos.

Revisão A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) revisou para baixo a moagem de cana-de-açúcar no Brasil da safra 2012/13 na comparação com o levantamento feito em abril, mas elevou um pouco a projeção para açúcar. O país deverá processar 596,6 milhões de toneladas da matéria-prima - ante 602,1 milhões previstos há quatro meses - 6,5% acima do processado no ciclo 2011/12. A produção de açúcar alcançará quase 39 milhões de toneladas, segundo a companhia, ante os 38,8 milhões previstos no levantamento anterior.


Novas oportunidades As vantagens já conhecidas do etanol brasileiro estão ganhando novo impulso diante de cenários internacionais cada vez mais favoráveis. Estados Unidos e União Europeia definiram metas de mistura do etanol na gasolina. A produção americana está próxima do teto estabelecido para 2022, o que significa que terão de importar quantidades maiores a cada ano. A União Europeia estabeleceu na sua legislação a obrigatoriedade de combustíveis renováveis até 2020, de tal forma que 10% do consumo do setor de transportes tem que vir de fontes renováveis.

Expansão assegurada O perfil da matriz energética brasileira não será alterado nos próximos anos com a exploração progressiva de petróleo do pré-sal. Segundo o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim, as fontes renováveis respondem por 44% da oferta interna e devem aumentar para 46% em 2020.

Sem negociação O assessor internacional da Presidência, Marco Aurélio Garcia, descartou que o Brasil volte a negociar o valor pago pela energia excedente de Itaipu que compra do Paraguai, como deseja o novo governo do país.

Seca afeta milho

‘Atropelados’

Cobrança

Cerca de 65% do território dos EUA, excluindo Alasca e Havaí, sofre uma das mais severas secas da história. Quase 90% das plantações de milho foram afetadas, e as consequências vão da pecuária à energia. O grão é usado como ração para os rebanhos locais e também na produção do etanol norte-americano. Mas o efeito é global, pois 32% da produção mundial de milho é norte-americana. O preço do grão subiu 33% nos últimos três meses. A colheita de soja nos EUA é a menor em cinco anos, e a de milho, em seis anos.

A forma como a União tem conduzido a construção e a elaboração de projetos de usinas hidrelétricas no Pará desagrada ao governo do Estado que se transformou no principal destino dos empreendimentos energéticos do país. O governador Simão Jatene diz compreender o papel do Pará na matriz de geração do país, mas critica a maneira “atropelada” com que os empreendimentos são executados, sem consulta prévia à população e baseados em estudos técnicos que, segundo ele, têm sido mal elaborados.

Os produtores de cana-de-açúcar querem garantias do governo sobre o futuro do etanol antes de arriscar novos investimentos. “Reivindicamos uma definição clara da participação do etanol na matriz de combustíveis daqui a 20 anos. Queremos que o investidor tenha uma previsibilidade para saber que o investimento manterá a regra do jogo, independentemente da política interna de preço de gasolina”, afirmou Antonio de Pádua Rodrigues, presidente interino da entidade. AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

21


SUSTENTABILIDADE

Qualidade

Indústrias e produtores brasileiros terão de ter certificação verde para exportar açúcar e etanol

comprovada

O

Brasil é o segundo maior produtor e o maior exportador de etanol do mundo. Pelas estimativas da F.O. Licht, consultoria alemã especializada em açúcar e etanol, a região centro-sul, responsável por mais da metade da produção nacional de cana e por 60% da de etanol, deve moer perto de 500 milhões de toneladas nesta safra 2012/2013. A produção de açúcardeve ser de 32,3 milhões de toneladas e a transformação da cana em etanol deve chegar aos 24 bilhões de litros. Mas, para atender aos mercados cada vez mais exigentes, usinas e produtores brasileiros terão que se adequar às normas adotadas pelos países importadores, principalmente EUA e União Europeia (UE) e que estabelecem regras e critérios quanto à “certificação verde”.

Eles querem, cada vez mais, ter a certeza de estar adquirindo açúcar, etanol e outros derivados da cana deaçúcar produzidos de forma ecologicamente correta. Essa preocupação levou produtores e indústrias de várias partes do mundo a fundarem, em 2008, a Bonsucro, com o objetivo de reduzir impactos ambientais e sociais na produção deaçúcar, etanol e energia provenientes da cana-de-açúcar. Desde julho de 2011 a certificação Bonsucro foi reconhecida pela União Europeia, que pretende adotar este selo verde em todos os seus 27 Estados-Membros até 2020. A certificação Bonsucro garante padronização de qualidade em todo o processo, o que permite a produtores e indústrias demonstrarem que seus produtos foram obtidos de forma sustentável, com o uso racional do

solo, da água, de energia elétrica e com baixa emissão de gases, dentro dos padrões de exigência dos mercados internacionais, facilitando a exportação. Para Flaviana Bim, coordenadora da certificadora brasileira IGCert, uma das sete credenciadas pela Bonsucro em todo o mundo, “esta certificação verde é um grande passo para o setor decana-de-açúcar e biocombustíveis no Brasil, porque comprova que produtores e indústria são social e ambientalmente responsáveis, que atendem aos mais rigorosos requisitos internacionais, agregando maior qualidade, valor e credibilidade para os nossos produtos. O IGCert já se tornou referência em certificações de sustentabilidade, no Brasil e no Exterior e esta acreditação junto à Bonsucro vai nos abrir novas possibilidades junto a produtores e indústrias”.

Bonsucro é uma iniciativa global que desenvolveu um padrão de certificação, voltado a alcançar uma produção sustentável de cana e seus produtos

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

23


DESENVOLVIMENTO REGIONAL

Higienizar

Tiago Ledesma Taira/Embrapa Gado de Corte

INFORME PUBLICITÁRIO

é a palavra-chave Produtores rurais apontam vinhoto em plantações como causa de infestação da mosca-dos-estábulos. Pesquisadores ressaltam que higienização é a melhor saída para controlar a praga

A

lgumas propriedades rurais em municípios de Mato Grosso do Sul estão enfrentando um novo surto da mosca-dos-estábulos (Stomoxys calcitrans) nos rebanhos bovinos. O inseto é atraído pelo vinhoto, que é o resíduo da produção do etanol utilizado pelas usinas de bioenergia na fertirrigação dos canaviais. Em Nova Alvorada do Sul, onde está instalada a unidade Santa Luzia da usina ETH Bioenergia, pequenos produtores estão preocupados com a infestação e pedem ações mais rápidas para o controle das moscas na região. O produtor Paulo Carnaval, que trabalha com gado de corte na região, afirma que a queda na rentabilidade chega a 5%, o que segundo ele é um valor muito alto, mas o sofrimento que os animais passam devido ao ataque das moscas é considerado pior.

24

“É triste ver o gado correndo de tanta picada da mosca, o emocional da gente é o que mais abala. Porque você cuida dele com carinho e o animal fica correndo sozinho no pasto, é uma imagem triste para gente. Eu trabalho com a engorda do gado e essa mosca suga o sangue do animal deixando ele anêmico. Com a seca nessa época do ano o gado piora, porque fica mais fraco”, explica o produtor. Incidência A mosca-dos-estábulos ataca preferencialmente bovinos e equinos, e se alimenta do sangue desses animais. A ação gera anemia e baixa produção, no caso bovino, além de estresse e até a morte desses animais que, debilitados, não se alimentam direito. De acordo com a Série Documentos nº 175 publicado em 2009 pela Embrapa Gado de Corte,

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

sediada em Campo Grande, o estresse provoca um decréscimo do peso corporal de 15% a 20%, já a produção de leite tem um prejuízo entre 40% a 60%. Além disso, o vinhoto, quando conduzido por tubulações, não propicia as condições necessárias para o desenvolvimento da mosca. Isso ocorre somente em locais onde o resíduo acumula e decanta depois de aplicado. Segundo Paulo, os produtores não são contra a presença da usina na região, e reconhecem que a instalação trouxe desenvolvimento para o município. Porém, o mais importante para eles seria um maior controle do descarte de vinhoto no solo. “Seria muito bom ter um descarte melhor desse material, de repente descompactar o solo antes de jogar a vinhaça, por exemplo. As máquinas vão passando em cima do solo e ele vai ficando

Suplementação alimentar constituída de forragem picada e grãos moídos, gerando resíduos caídos no chão, cuja fermentação torna o substrato atrativo e favorável para a procriação de moscas


Divulgação/Irriga Service

compactado, e quando o vinhoto é jogado, ele não é absorvido e escorre para locais com desníveis, isso empoça virando um criadouro para a mosca” relata Paulo. O vinhoto é rico em carbono, nitrogênio e potássio, e o uso do resíduo nas plantações visa aproveitar os nutrientes que vêm da própria cana processada, irrigando o solo e reduzindo a necessidade de componentes químicos adicionais ou água. Ação conjunta Em julho, o Sindicato Rural de Nova Alvorada do Sul reuniu-se com representantes da unidade Santa Luzia, da ETH, para discutirem ações de combate à praga. A presidente da entidade, Telma de Araújo, conta que desde o ano passado esses problemas começaram a afetar os pequenos produtores da região. “Nós conversamos com os representantes da usina e nos disseram que o problema seria resolvido mas nos preocupamos com a situação porque a incidência maior desses casos na região geralmente é no segundo semestre do ano, pois o calor aliado com a rica quantidade de alimentos para as moscas faz surgir esse surto. Quem sofre são os pequenos produtores que dependem dessa produção para manterem suas propriedades” explica. O presidente do Sindicato Rural de Angélica, Antônio Gesuatto, explica que a usina está instalada em uma região de grandes produtores rurais, e há três anos passam por esse problema, porém conseguiram controlar graças a ação em conjunto entre usina e produtor rural. “Quando um produtor rural nos traz a

reclamação, nós informamos a usina e vamos até a propriedade onde está com o foco. Geralmente os ataques ocorrem na época em que se descarta o vinhoto. Acabar com essas moscas, acredito que não acaba, mas conseguimos controlar”, afirma. Noções básicas Com o objetivo de orientar os produtores rurais sobre o controle da praga, a Embrapa Gado de Corte teve o apoio da Associação dos Produtores de Bionergia de Mato Grosso do Sul (Biosul) e da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do

Sul (Famasul) na divulgação de um folder de orientação para o controle da mosca-dos-estábulos. O pesquisador dr. Wilson Koller explica que a divulgação das noções básicas teve resultados positivos para os produtores rurais de Angélica. “Percebemos que a quantidade de moscas que apareceram nessas propriedades foi bem menor e o tempo de permanência delas também foi reduzido. Isso aconteceu principalmente devido à higienização dos locais. E o mais importante é a realização de uma ação conjunta, tanto das usinas quanto dos produtores”, explica.

Rico em potássio, vinhoto é empregado na fertirrigação de canaviais

Saiba mais: Série Documentos nº 175 http://www.cnpgc.embrapa.br/publicacoes/doc/ doc_pdf/DOC175.pdf

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

25


INFORME PUBLICITÁRIO

INOVAÇÃO & TECNOLOGIA Divulgação/Biocycle

Plástico de cana Cientistas querem associar fabricação de bioplásticos à cadeia de produção do etanol

C

om a expressiva produção brasileira de etanol, torna-se cada vez mais importante desenvolver novas alternativas de utilização para os subprodutos e resíduos da cana-de-açúcar. Uma das possibilidades consiste em associar à cadeia produtiva do etanol a fabricação de polihidroxialcanoato (PHA), um plástico biodegradável que pode ser produzido por bactérias a partir do bagaço da planta. Esse foi um dos temas discutidos no do workshop “Produção Sustentável de Biopolímeros e Outros Produtos de Base Biológica” (Sustainable Production of Biopolymers and Other Biobased Products), realizado na sede da FAPESP, em julho passado. O workshop fez parte das atividades do Programa FAPESP de Pesquisa em Bioenergia (BIOEN) e tem apoio do Programa Ibero-Americano de Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento (CYTED), iniciativa intergovernamental de coopera-

26

ção entre 19 países da América Latina, Espanha e Portugal e do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP). De acordo com a organizadora do evento, Luiziana Ferreira da Silva, professora do ICB-USP, o Brasil acumula 20 anos de pesquisas sobre o PHA, com bons resultados e uma série de patentes. Uma tecnologia desenvolvida pelo ICB-USP, pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e pela antiga Cooperativa dos Produtores de Cana, Açúcar e Álcool do Estado de São Paulo (Copersucar) já foi transferida para uma empresa em São Paulo. Segundo Silva, o PHA é um material sintetizado por certas bactérias a partir de material orgânico. Uma vez extraído das bactérias, gera um polímero que pode ser moldado da mesma forma que os plásticos de origem petroquímica, com a vantagem de ser biodegradável. “Isso permite que se obtenha material com propriedades plásti-

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

cas ou elastoméricas usando uma bactéria e um material renovável pela agricultura, como a cana-de-açúcar, a soja, ou resíduos. Por ser um plástico biodegradável feito a partir de matéria-prima renovável, o produto adquire interesse ambiental na totalidade de sua produção e aplicação”, disse Silva. Além de serem materiais biodegradáveis, os bioplásticos PHA podem também ser biocompatíveis, isto é, podem ser aplicados sem rejeição no organismo de pessoas e animais. “É uma alternativa interessante para os plásticos de origem petroquímica. Para ter uma ideia da gama de aplicações, basta olhar à nossa volta e contar o número de objetos de plástico que nos cerca”, disse Silva. O PHA pode ser utilizado para fabricação de filmes plásticos biodegradáveis, por exemplo. “Um grande volume de absorventes e fraldas são revestidos por filmes plásticos. O descarte desses materiais é um problema

Além de serem materiais biodegradáveis, os bioplásticos PHA podem também ser aplicados sem rejeição no organismo de pessoas e animais


ambiental grave. Se tivermos um polímero biodegradável que possa substituir o filme utilizado neles, estaremos contribuindo para manter a qualidade do meio ambiente”, explicou Silva. Outro exemplo de aplicação é a fabricação de microcápsulas biocompatíveis contendo medicamentos, ou hormônios, ou a produção de implantes para liberação controlada de fármacos. “Os PHA podem ser usados também para fazer pinos ortopédicos que são degradados pelo nosso organismo e não precisam ser retirados depois da recuperação da lesão”, afirmou. Embora o BIOEN tenha foco em biocombustíveis, os estudos sobre PHA e outros biopolímeros e produtos de base biológica se encaixam na vertente do programa voltada para “Biorrefinarias e Alcoolquímica”. “O bagaço da cana-de açúcar pode ser usado para produzir energia a partir da combustão, ou para produzir o chamado etanol celulósico. Mas esse etanol não é produzido pela mesma levedura que produz o etanol de primeira geração”, disse Silva. Quando o bagaço é “quebra-

do”, há uma mistura de açúcares. A levedura que usa a glicose para fazer etanol não usa a xilose. Ainda que o bagaço seja quebrado e inserido na fermentação, para que a levedura produza o etanol ela utilizará só a glicose, mas não a xilose. “No BIOEN, vários pesquisadores estudam como fazer para que a levedura que produz etanol utilize também a xilose, aproveitando o bagaço. No entanto, outros produtos de base biológica podem ser produzidos a partir da xilose”, disse Silva. Com a produção de PHA, os cientistas querem oferecer uma alternativa para o uso do bagaço. “Se ninguém conseguir que a levedura use a xilose para fazer etanol, teremos alternativas, como fazer bioplásticos. Nossa ideia é que seria possível implantar biorrefinarias, que seriam usinas de álcool associadas a pequenas empresas que produzam bioplástico, ou outro produto que use a xilose”, destacou. Interação com empresas De acordo com a professora do ICB-USP, da perspectiva da pesquisa científica, para chegar

Divulgação/BASF

Bioplástico pode ser até 30% mais leve e 4 vezes mais forte que o plástico comum

nesse estágio, será preciso continuar estudando, por exemplo, a modificação de bactérias para que elas produzam diferentes tipos de bioplásticos. Mas, além do ponto de vista estritamente científico, para que se chegue a um processo sustentável será preciso agregar profissionais de outras áreas e aprofundar a interação com o setor industrial. “Um dos gargalos consiste em controlar a composição dos bioplásticos. Mas não podemos trabalhar apenas na bancada do laboratório, sem contato com o setor produtivo. Trouxemos empresas para o workshop, para que os processos sejam aplicáveis em larga escala, temos que interagir com elas e levantar problemas como a questão de biossegurança, das propriedades do plástico e da sustentabilidade”, disse Silva. “Precisamos nos associar às empresas para entender quais são suas demandas e trabalhar em conjunto. Não é da nossa competência fazer análise econômica, ampliação de escala, análise do mercado, por exemplo”, disse. Ao mesmo tempo que buscam ampliar a interação com as empresas, os cientistas procuram usar todas as ferramentas disponíveis para desenvolver bons microrganismos produtores de polímeros. Segundo Silva, os estudos incluem o silamento de novos microrganismos, a produção de novos mutantes, a realização de metagenômica, de engenharia metabólica e de engenharia sintética, por exemplo. “Temos que testar tudo o que for possível para termos diferentes polímeros, com diferentes composições, resultando em diferentes propriedades, que possibilitam amplas aplicações”, afirmou.

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

27


LEGISLAÇÃO

Carta

aberta

O

Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) proibiu a aplicação por aviões de agrotóxicos à base de quatro ingredientes que, segundo estudos científicos, são prejudiciais para insetos polinizadores, em especial para as abelhas. A proibição é temporária e vale desde o último dia 19 de julho, com a publicação de norma no Diário Oficial da União. Os ingredientes proibidos (Imidacloprido, Tiametoxam, Clotianidina e Fipronil) também compõem agrotóxicos empregados nos tratos culturais da cana-de-açúcar. “Eles combatem pragas surgidas nos canaviais produzidos para o corte mecanizado”, diz o engenheiro agrônomo Dib Nunes Júnior. A mecanização, emenda, abrange mais de 70% dos canaviais da região. A suspensão de uma hora para outra, segundo ele, trará

Setor canavieiro protesta contra Ibama, que proibiu aplicações aéreas dos inseticidas Neocotinóides

enormes prejuízos para a cana e para outras culturas que usam os ingredientes, como a laranja e a soja. Para tentar reverter a determinação do Ibama, participantes do 8º Seminário Nacional sobre Controle de Pragas da Cana (Insect Show), que aconteceu em Ribeirão Preto, endossaram um documento a ser enviado para o presidente do Instituto, Volney Zanardi. “Esta proibição vem em momento inoportuno, prejudicando ainda mais a já combalida atividadecanavieira”, diz trecho do documento. Segundo o engenheiro Dib Nunes Júnior, mesmo temporária a proibição dos ingredientes em pulverização aérea afetará os canaviais. “Os inseticidas são usados contra pragas que atacam a planta e não é possível fazer o serviço com tratores”, afirma. “O país tem canaviais em 9,5 milhões de hectares. “Se 30% forem infectados, e não houver tratamento, perderemos até 10% da cana”.

Leia um trecho da carta: Temos grande preocupação com o meio ambiente e com a preservação da biodiversidade, pois a agricultura depende da natureza. Por essa razão, seguimos à risca toda a legislação ambiental e acompanhamos todas as avaliações e recomendações dos insumos utilizados na produção de cana de açúcar. Sabemos que alguns dos ingredientes ativos agora suspensos para aplicação aérea já estavam na lista de reavaliação do governo federal desde 2009. E agora, sem nenhuma discussão prévia, nem avaliação de alternativas, o IBAMA privou os agricultores de importantes ferramentas para o manejo de pragas, o que trará grandes prejuízos para a agricultura brasileira. (...) Sem o uso destes produtos a produção canavieira estará comprometida nos próximos anos dada a escalada das infestações destas pragas. Defendemos a reavaliação dos ingredientes ativos, com estudos profundos e adequados, que tragam conclusões que protejam os agricultores e o meio ambiente.

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

29


localmarketing.com.br

O setor sucroenergético faz do Brasil referência mundial em energias renováveis, e a comunicação tem um papel fundamental, pois contempla a produção de conhecimento nas questões ambientais, educando as gerações futuras e promovendo o desenvolvimento sustentável.

www.biosulms.com.br


OPINIÃO

Alimentos e energias sustentáveis Por Antonio M. Buainain*

M

ais uma vez o Congresso da Associação Brasileira do Agronegócio promoveu debate sobre temas estratégicos para a economia brasileira: o papel e a oportunidade de o Brasil assumir a liderança nos campos da oferta de alimentos e energia renovável de forma sustentada e crescente neste século. As oportunidades são claras e conhecidas. Segundo a OCDE e a FAO a oferta mundial de alimentos precisa crescer 20% até 2020, e o Brasil é um dos poucos países com potencial básico para responder a este desafio. O futuro da energia renovável já não depende da disponibilidade da energia fóssil nem das oscilações dos preços do petróleo, mas das crescentes pressões da sociedade por energias limpas que mitiguem a bomba do aquecimento global. Isso significa que, “com ou sem crise de petróleo, é fundamental ter uma participação maior das fontes renováveis no mix energético global. O Brasil saiu na frente com o biocombustível proveniente da cana-de-açúcar e a exploração dos recursos hidrelétricos e não pode perder as enormes vantagens que esse pioneirismo oferece”. As oportunidades são ímpares e aqui se poderia aplicar, com propriedade, o já famoso bordão do “nunca antes neste país”. Mas aproveitá-las e transformá-las em motores de desenvolvimento sustentável exige mais que bordões e boas intenções. Para os conferencistas “a receita é conhecida, mas precisa ser colocada em prática”; chamaram a atenção para algo óbvio, mas que não é compreendido entre nós: produzir e colocar alimentos e energia renovável no mercado é um negócio complexo e arriscado, que requer investimentos vultosos, contínuos e sustentáveis em infraestrutura, inovação tecnológica, recursos humanos, gestão e instituições. Estas exigências perpassam todos os setores da economia e envolvem produtores, agroindústrias, prestadores de serviços e setor público, e por isso mesmo têm potencial para beneficiar o conjunto da sociedade. O agronegócio brasileiro atingiu um estágio no qual já não é possível continuar crescendo sem coordenação entre

os principais participantes das cadeias produtivas, incluindo o setor público. Os investimentos dos produtores dependem das condições, regras (instituições) e políticas definidas em grande medida pelo Estado. Nos últimos dez anos tivemos vários exemplos de impasses institucionais que atrasaram o desenvolvimento do setor, do veto velado à biotecnologia transgênica à reforma do código florestal, que tiveram como pano de fundo certa incompreensão sobre o papel positivo do agronegócio para a sociedade brasileira e uma forte ideologização dos debates, às vezes alimentados por setores do próprio governo. Não se trata, naturalmente, de suprimir as diferentes visões do mundo que animam as controvérsias, sem o que não haveria democracia de fato, mas, sim, de buscar convergências, dentro do paradigma do desenvolvimento sustentável e da emergente economia verde, para criar condições para reforçar o papel desenvolvimentista do agronegócio brasileiro. Nesse sentido, os debates de ontem contribuem para superar as polarizações, inúteis e paralisantes, e apontar rumos para o setor. De duas coisas não se duvida: do potencial brasileiro para produzir, de forma sustentável, alimentos de qualidade e seguros e energias renováveis e limpas e de que realizar esse potencial transcende o agronegócio stricto senso e envolve toda a sociedade, nos esforços e nos benefícios.

Antonio M. Buainain é professor do instituto de economia da Universidade Estadual de Campinas-SP (Unicamp)

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

31


DESENVOLVIMENTO REGIONAL

Apoio aos

ara auxiliar os produtores independentes da cana-de-açúcar na Região Nordeste que enfrentam dificuldades, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento criou uma Comissão do Grupo de Trabalho (GT) composta por cinco membros que devem analisar o setor. O objetivo é fortalecer e organizar os fornecedores em cooperativas. O secretário de Produção e Agronegócio do Ministério da Agricultura, José Gerardo Fontelles, informou na última reunião realizada no dia 2 de agosto, que o Grupo de Trabalho começou estudar um novo plano para desenvolver um sistema de cooperativas que se adapte as necessidades dos produtores. “Primeiramente, nós queremos definir quantos desses produtores querem se filiar à cooperativa. Feito esta etapa, vamos conhecer quais as são demandas de cada um deles para podermos organizar o crédito para a produção da matéria-prima”, explica o secretário. Ainda de acordo com Fonteles, o sistema que será implantado na região será em parceria com o Banco do Brasil e do Banco do Nordeste, que atuaram como agentes financiadores para os produtores independentes da cana. “Nós já nos reunimos no mês de julho com os representantes dos bancos em Recife (PE), para

32

Interural.com

pequenos P

Ministério da Agricultura deve criar até setembro projetos de cooperativas para o Nordeste

vermos qual seria a melhor forma de viabilizarmos este projeto. Mas antes de tudo, precisamos desenvolver um modelo de cooperativas. O que deve ser instalado nesta região será um modelo mais complexo, mas que deverá atender a todos”, revela Fontelles. O setor passa por dificuldades, depois que indústrias tiveram que fechar as portas devido a uma crise e as que permaneceram ativas enfrentam problemas, pois estão com dificuldades para pagar o fornecimento de matéria-prima. “O que aconteceu, por exemplo, no estado de Pernambuco foi à má gestão da administração de algumas dessas indústrias que não conseguiram gerenciar os seus

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

gastos”, comenta o presidente da Comissão Nacional de Cana-de-Açúcar da Confederação Nacional de Agricultura (CNA), Gerson Carneiro Leão. De acordo com Gerson, os produtores da região temem em entregar a produção e receber um calote destas indústrias. “A preocupação é grande, por isso, que já estamos na terceira reunião. Esta última realizada em Brasília foi para dar uma acelerada no andamento deste projeto”, diz o presidente do CNA do Nordeste. Para o secretário do Ministério da Agricultura, o projeto deve passar por três a quatro fases até que fique pronto. “Como este modelo é complexo, acredito que

Pequenos produtores do Nordeste temem entregar a produção e receber calote das indústrias


até o fim do mês de setembro deva estar pronto e colocando em pratica este projeto de ação”. A comissão foi criada no final do mês de junho para ajudar os pequenos e médios produtores da cana. “Depois que tivermos concluído este processo para a criação e desenvolvimento destas cooperativas, este modelo poderá ser estendido para as demais regiões do país”, revela Fontelles. Centro-Oeste Ao contrário do que acontece na região Nordeste, Mato Grosso do Sul também vive um momento de dificuldade, há falta de matéria-prima, conforme informa a secretária Estadual de Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo de Mato Grosso do Sul, Tereza Cristina Corrêa. “A produção das usinas está limitada devido à falta de cana”, comenta. Segundo ela, o Governo do Estado está desenvolvendo projetos que estimulem o produtor independente a plantar cana. “Nós estamos com projetos voltados para este pequeno agricultor para que plante a cultura em terras degradada. Queremos incentivar o agricultor para que faça o plantio e não arrende as terras, onde uma vez é sabido que esta prática não é a melhor opção”, revela. Um dos fatos apresentado pela presidente do Comitê do Meio-Ambiente da Ordem dos Advogados de Mato Grosso do Sul (OAB/MS), doutora Helena Clara Caaplan é devido à ociosidade do produtor rural. “Quando o produtor arrenda a terra, ele fica com o tempo ocioso, pois não há o que se fazer na sua terra. Com isso,

ABAG

Secretário de Produção e Agroenergia do Ministério da Agricultura, José Gerardo Fontelles pesquisas apontam para o alto índice de alcoolismo nas onde áreas onde acontece esta prática, sendo caso de saúde pública”, revela. Conforme a secretária Tereza Cristina, “com o produtor plantando em sua terra ele pode conseguir uma rentabilidade maior, do que se ele estivesse arrendo a sua terra”, diz. Segundo o secretário Fontelles, o Governo Federal trabalha em forma de parcerias para o desenvolvimento da alta produtividade para o Cerrado Brasileiro e o Governo já investe em pesqui-

sas para aumentar a cultura no Centro-Oeste. “As pesquisas são voltadas para plantio, por exemplo, a mesma cana que é plantada no interior de São Paulo, onde a terra é roxa, não pode ser a mesma que é plantada no Cerrado, onde o solo é de outra forma. Então, o governo trabalha neste sentido para realizar um estudo para sabermos qual é a melhor forma para fazer o plantio a ampliarmos a cultura no Centro-Oeste”, finaliza Fontelles. Rodson Willyams

Marcello Casal Jr./ABr

Cana é alternativa de renda para pequenos produtores rurais do Nordeste

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

33


ENTREVISTA Neire Colman, Secretária municipal de Desenvolvimento Sustentável de Dourados

Prioridade às indústrias Prefeitura de Dourados oferece incentivos fiscais para trazer novas empresas para o Polo Industrial Nesta Edição da Revista Cana S.A., entrevistamos aSecretária Municipal de Desenvolvimento Sustentável de Dourados, Neire Colman, que nos falou sobre as novidades do 6º Canasul e sobre as expectativas de negócios com a 2ª Feira do Agrometal, onde segundo ela, o objetivo é superar os R$ 12 milhões de negócios fechados em 2011. Neire ainda comentou sobre os resultados positivos do projeto que pretende transformar a cidade de Dourados, no mais novo Polo Industrial para o Setor Sucroenergético do estado. Cana SA - Como está o processo de desenvolvimento, para transformara cidade de Dourados em um polo de serviços voltado para o setor sucroenergético em Mato Grosso do Sul? Neire Colman - Esse projeto tem várias ações voltadas para esta transformação, entre elas estão juntos oCanasul e a Feira do Agrometal, outra ação é da qualificação das indústrias dosetor metal-mecânico, para que elas possam fornecer para as usinas serviços, insumos, peças e matéria-prima. Esse trabalho estasendo feito junto com o Senai que é parceiro neste projeto, onde está qualificando essas empresas pra isso.Nós também temos uma ação continuada para a captação de novas empresas para o setor sucroenergético, principalmente no setor de serviços, como por exemplo, a tornearia. Então nósprocuramos fazer a capacitação dessa parte de serviços. As universidades também participam onde estão trabalhando em prol de um labora-

34

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

tório, onde irão desenvolver processos de estudo da indústria, sobre o plantio de culturas, coma parte de plantas e de outras opções de plantio. Então, as universidades junto com a Embrapa estão fazendo essas pesquisas. Então são varias ações que acontecem ao mesmo tempo dentro do projeto. Cana SA – Desde que o projeto iniciou quantas empresas já se instalaram no polo industrial? Neire Colman- Em Dourados, através das leis de incentivos que nós proporcionamos, já obtivemos sete novas empresas que estão funcionando aqui no polo industrial, todas voltadas para o setor de serviços, nós estamos com um resultado bom nesta parte de captação de empresas. Cana SA – A secretária Estadual de Produção, Tereza Cristina Corrêa, falou sobre a dificuldade que as usinas do estado enfrentam para encontrar a cana. Como está a situação em Dourados?


Grosso do Sul sai na frentedos demais estados do país. O Estado em breve será o maior produtor neste setor. Cana SA –Com está a situação do ICMS e a relação com o governador André Puccinelli? Neire Colman - Existem negociações específicas aonde nós temos os incentivos, então para essas grandes indústrias do setor sucroenergético, o governador se colocou a disposição de analisar um por um dos pedidos, ele fez isso já com duas empresas. Então ele esta aberto para fazer essas análises e conceder esse diferencial, ele não se mostra fechado não. O que nós tentamos colocar em Dourados é a questão da redução do Imposto Sobre Serviço (ISS) para aquelas empresas que prestam serviços para as usinas. Então,nós oferecemos esse incentivo na parte de serviços para aquelas empresas que queiram se instalar aqui em Dourados e que tenham serviços. Nós já temos uma Lei de Incentivos pra essa empresa, para que elas arrecadem menos o ISS. Atualmente o que é praticado no Estado é de 7% e aqui em Dourados, o máximo que é praticado é 2%. No site da Prefeitura Municipal de Dourados tem a Lei do Incentivo para quem quiser conferi-la.

Neire Colman - Na verdade essa situação é nacional, não é exclusividade só do Estado, dentro do nosso projeto, nó temos uma ação onde procuramos inserir novos produtores rurais para a produção da cana-de-açúcar. Então o projeto funciona da seguinte maneira, nós pegamos aquele produtor que tem uma terra, onde a área está degradada e que ele não está utilizando nem pra pastagem para o gado ou para o plantio da soja, nós levamos para esse produtor informações de que a cana é um negócio rentável através de palestras, workshops e reuniões, com isso ele pode expandir sua área para o plantioda cana-de-açúcar. Desta forma nós conseguimos aumentar a área plantada de cana no município e consequentemente para o Estado. Mas mesmo assim com essa crise, Mato Grosso do Sul é um Estado onde a produção está crescendo, os números divulgados sobre a safra da cana são muito expressivos. Então mesmo que o setor tenha essa crise, Mato

Cana SA –Como está o setor sucroenergético em Dourados? Neire Colman - O nosso foco agora é o Polo de Serviço, então estamos fazendo todas as ações para que possamos ser realmente reconhecidos, com este polo aqui em Dourados. Queremos expandir o setor agrícola, através do número de produtores, aumentar o número de áreas que irão beneficiar o setor e fazer a qualificação das indústrias para prestarem serviços para as usinas do município. Simultaneamente temos a parceria das usinas que já se comprometeram em analisar os estudos dessas empresas para poder comprar os produtos aqui. Então é uma série de fatores que estão envolvidos aqui e que nós estamos fazendo com bastante afinco para desenvolvê-las. Tenho visto resultados positivos e este setor é um setor muito forte e expressivo na economia. Nós já deixamos de ser o 5º ligar na geração de empregos e fomos para o 3º lugar na categoria de geração de empregos, então esse é dado bastante relevante e demonstra que estamos no caminho certo do nosso projeto.

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

35


ECONOMIA & MERCADO ENTREVISTA Cana SA - Como estão os preparativos para o 6º Canasul que acontece em outubro? Neire Colman - Já está quase tudo pronto, para este ano nós dividimos o Canasul em duas partes, na primeira haverá o congresso onde irão acontecer palestrascom técnicos de nível nacional abordando temas de interesse nacionais, como por exemplo, como está o cenário nacional do setor sucroenergético no país? Como está o cenário em nível mundial, quais as tendências do biocombustível e como está isso? Quais os impactos da crise do etanol e quais os reflexopara Mato Grosso do Sul? E aí teremos as palestras técnicas que serão várias contendo diversos assuntos. Cana SA - E como ficará a programação? No dia 23 vai acontecer o congresso com palestrantes renomados a nível nacional, no dia 24 teremos as oficinas temáticas onde iremos abordar diversos assuntos, como por exemplo, sobre o setor agrícola na questão de pragas, onde irão acontecer essas oficias juntos com os técnicos agrícolaspara cada seguimento.

Cana SA - Quais são as expectativas de negócio para a 2ª Feira do Agrometal? Neire Colman - A nossa expectativa é superar com a Feira do Agrometal que acontece dentro do Canasul, o montante de negócios fechados em relação ao ano anterior. Na feira nós teremosdiversos fornecedores como de matéria-prima, insumos, peças ede serviços para usinas. Ao todo serão 33 stands montadosna feira, 10 para as áreas externas eespecíficas como para a área agrícola. Cana SA - E quais serão as projeções para o fechamento de negócios no Agrometal? Neire Colman - Nosso objetivo é fazermos o mesmo que realizamosno ano passado, só que para mais, de forma melhor e mais aprimorada. Em 2011 foram comercializados R$ 12 milhões e para esse ano queremos ir além deste montante. Na feira teremos mais de 30 empresas participando, além das usinas. Um número bem superior do que no ano passado onde tivemos a participação de 20 empresas. O público deverá aumentar, no passado nos tivemos 3 mil pessoas, para esse ano esperamos um público de mais de 5 mil pessoas. Rodson Willyams

36

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação


CAPA Mato Grosso do Sul possui 8 milhões de hectares em terras degradas, que podem ajudar a elevar a produção de álcool e açúcar até 2020

Caminho do

progresso M

ato Grosso do Sul será a nova fronteira para o setor bioenergético do país. Com uma previsão de crescimento em 300% na produção da cana-de-açúcar o estado mantêm fortes investimentos no setor logístico. Com números vertiginosos e surpreendentes no setor, o Estado de Mato Grosso do Sul, que possui uma população com mais de 2,5 milhões de habitantes e que detém um território de 357.124,96 km², se tornou a nova fronteira para o desenvolvimento do setor sucroenergético do país. Com condições climáticas favoráveis e oito milhões de hectares de áreas degradadas, disponíveis para o

cultivo da cana-de-açúcar que ainda não foram exploradas, faz com que os indicadores econômicos sejam positivos para o setor. Getúlio Vargas promoveu no início do século 20, durante o período do Estado Novo, a Marcha para o Oeste, onde o objetivo era estimular o desenvolvimento da Região Centro-Oeste e transformá-la em um celeiro para abastecer o Sudeste do Brasil. O projeto deu tão certo que a região se tornou autossustentável. Um século depois, uma nova fase se

instalou no Oeste, desta vez com a Bionergia e o estado de Mato Grosso do Sul se tornou uma nova e promissora fonte de prosperidade e riqueza para o setor Sucroenergético do país. De acordo com o presidente da Associa-

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

37


CAPA ção dos Produtores de Bioenergia de Mato Grosso do Sul (Biosul), Roberto Hollanda Filho, o Estado é um dos que mais cresce no Brasil. “O setor sucroenergético de Mato Grosso do Sul ocupa atualmente cerca de 650 mil hectares de cana. Estudos indicam que só em terras de pastagens subaproveitadas existem 8 milhões de hectares, ou seja, há espaço suficiente para que não só a cana seja cultivada, mas como outras culturas”, explica Hollanda. De acordo com dados do Governo do Estado, a nova potência demorou 28 anos para chegar à produção de 10 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, onde hoje a produção por safra produz muito além deste número. Em seis anos, o

38

crescimento chegou a 300 por cento por safra, um investimento de longo prazo, mas que foi decisivo e a transformou na mais nova menina dos olhos dos empresários do setor e do governo. “O Estado é dos que mais cresce neste setor, mesmo com a interferência do clima que afetou a safra anterior, o crescimento se mantém elevado chegando a 300% por safra”, diz Hollanda. Esta boa fase não se destaca apenas no setor sucroenergético. Recentemente uma pesquisa realizada pela Unidade de Inteligência da Economist (UIE), divulgada pela Revista Veja, classificou Mato Grosso do Sul na 9ª posição entre os melhores estados para se investir no país. E coloca o Estado em segundo lugar no ranking de investimen-

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

tos economicamente viáveis na região Cento-Oeste. Mesmo Mato Grosso do Sul ficando duas posições abaixo de Goiás, não significa que o estado esteja à frente de MS, pois no setor sucroenergético esta nova fronteira tem um amplo espaço para o crescimento que ainda não foi totalmente explorado. Segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Mato Grosso do Sul e Goiás são responsáveis pela produção de 82 milhões de toneladas da cana-de-açúcar na safra 2011/2012, onde o total produzido no país chegou a 571 milhões de toneladas da cultura. As projeções do setor para a safra de 2012/2013 feita pela Biosul são animadoras, as estimativas apontam para um gran-


tária Estadual de Produção do de crescimento, mesmo com às Estado, Tereza Cristina Corrêa, chuvas que atingiram o Estado, o setor passou por dificuldades houve aumento da produção e há dois anos e ainda está em que devem bater o recorde em processo de recuperação devido relação à safra anterior. E a à crise. “Depois da crise veio a perspectiva de crescimento não seca e prejudicou não só o setor, para por aí, um grande desafio mas como as demais produções está com data marcada para ser alcançado. Em 2020, exatos seis da agricultura e no ano seguinte o excesso de chuva. Pelo que anos, as estimativas apontam sabemos algumas empresas que a produção deverá abastechegaram ter prejuízos devido cer cerca de 50% dos automóveis flex do país de etanol, onde a todas essas oscilações. Além disso as informações que nos atualmente o mercado atingido chegam é que as usinas estão é de apenas 36% da produção. precisando de matéria-prima, Grande parte dos recursos falta cana para moer. O Goverserão produzidos em Mato no do Estado Grosso do Sul, está com mesmo com o Existe espaço suficiente projetos volsetor se reestrupara que não só a cana, tados para os turando devida a crise econômimas como outras culturas fornecedores, ca e pelas condisejam produzidas no estado queremos que os produtores ções climáticas -- Roberto Hollanda Filho independentes que atingiram o produzam a setor nos anos cana em terras degradadas, já anteriores, a nova Marcha para que para a agricultura ela não o Oeste deverá trazer investem mais utilidade e também timentos que irão gerar mais pedimos para os produtores empregos e desenvolvimento, proporcionando mais qualidade que não arrendam suas terras, já que estudos demostram que de vida para que os cidadãos esta prática não funciona e possam conquistar um futuro com as próprias produções eles melhor. podem ter mais lucratividade”, explica. Produção Para o economista, Lucas Atualmente o Estado é o 5° Rassi, na última década a promaior na produção de canadução de cana no Estado quase -de-açúcar e o 4° na produção sextuplicou, com uma área de etanol, com 93% da mãocolhida quadruplicada. Atual-de-obra mecanizada, Mato mente o estado é quinto maior Grosso do Sul deu um grande produtor com uma participação salto no plantio da cana. Com de 5% do mercado, mas com 24 usinas em operação, quatro em fase de implantação e 12 em grandes perspectivas de crescimento e atualmentesendo a fase inicial de projeto, o setor movimenta uma grande quantia nova fronteira agrícola para o expansão do setor. na economia e segundo a secre-

Fernanda Yafusso

Mato Grosso do Sul tem potencial de expansão, é grande para o setor e para a escoação da produção, e já são elaborados projetos de infraestrutura para melhorar o setor, como a pavimentação de rodovias, construção de ferrovias, aeroportos e a instalação de hidrovias como a Hidrovia do Paraguai e a Hidrovia do Tietê-Paraná.

Roberto Hollanda Filho, presidente da Biosul

Infraestrutura A nova fronteira do setor sucroenergético fica mil quilômetros de distância dos principais centros consumidores e dos portos de exportações do país, uma barreira onde o frete é decisivo, mas que para

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

39


CAPA

pelo transporte e armazenamento de petróleo, gás e

a menina dos olhos em breve não será um problema. Ações governamentais demonstram que investimentos no setor e no sistema logístico já estão em andamento, o que devem contribuir para o aumento da escoação de toda a produção do Estado até 2020. Segundo a secretária de produção Tereza Cristina, o governador André Puccinelli determinou que a área de infraestrutura terá prioridade na sua administração. Estão sendo buscados investimentos e recursos para os projetos. De acordo com dados do Governo do Estado, os projetos para ampliar a escoação de toda a produção de Mato Grosso do Sul são ousados, porém alguns deles ainda dependem da captação de recursos para a sua execução. De acordo com os estudos da Transporte Petrobrás S.A (Transpetro), que é responsável

40

álcool brasileiro, as hidrovias são a melhor opção para a escoação da produção de uma modo geral. Fabiano Tolfo, gerente de Desenvolvimento de Negócios da Transpetro, explica que as hidrovias geram menor custo, menor emissão de agentes poluentes, menor gastos de energia, além de ter mais segurança e confiabilidade, economia de escala e minimizar os gargalos do transporte terrestre. Um comboio formado por quatro barcaças tem capacidade para transportar 7.600 m³ de produto, em 150 metros de comprimento, pela rodovia, a mesma carga seria necessário 172 caminhões bi-trens, sendo 3,5 quilômetros de comprimento. O consumo de combustível no transporte de uma tonelada, por mil quilômetros, na hidrovia seria de cinco litros e pelos caminhões o consumo seria de 96 litros. No último dia 31 de julho,

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

a presidente Dilma Rousseff liberou a lista para as novas concessões setor de infraestrutura do país através do Programa de Aceleração do Crescimento, chamado de PAC das Concessões. Para Mato Grosso do Sul, as obras listadas do PAC das Concessões deve atender a BR163 e dois trechos da BR-262 e BR-267 que são considerados pela presidência como fortes corredores de movimentação de cargas no Estado. O objetivo do governo federal é duplicar as pistas e se for necessário construir viadutos em determinados pontos pelo país. Enquanto os projetos estaduais seguem na fase de desenvolvimento das hidrovias, 94% do escoamento da produção de Mato Grosso do Sul ainda é realizada pelas rodovias. De acordo com o governo do estado, os projetos que estão em andamento ou ainda na fase inicial de projeto, inclui a rodovia que fará a integração entre Brasil e Paraguai localizada na região sul do estado que já teve sua primeira fase executada. Há previsão de instalação de um Terminal Intermodal de Cargas e a criação de um Centro Logístico Industrial Aduaneiro e melhorar a infraestrutura do Aeroporto Internacional de Campo Grande. Além da criação de linhas de transmissão e um polioduto que sairá de Campo Grande passando


por Dourados e seguindo até o Porto de Paranaguá, no Paraná. O governo pretende criar ainda a Ferroeste, que liga Dourados (MS) a Cascavel (PR), com o objetivo de desafogar o Porto de Santos e escoar a produção até o Porto de Paranaguá. Dentro desse sistema, será criada a Ferrovia do Pantanal que ligará o município de Porto Murtinho com a divisa do Estado de São Paulo. Porto Murtinho também é um ponto estratégico e está recebendo investimentos, só no mês de julho entregues oito pontes no município das 23 que foram construídas pelo governo, que ainda pretende reativar o porto da cidade. “Esse é um desejo do governo estadual, porém o porto de Murtinho apresenta alguns protestos e o estado junto com a administração estão conversando para resolver o problema.

Por enquanto, há uma grande vontade política para que isto aconteça”, afirma a secretária. Além disso a ativação do Porto de Porto Murtinho é ponto de partida para outro projeto de grande interesse para o Estado.

“O setor industrial em Mato Grosso do Sul cresceu entre 2005 e 2011, em termos de PIB, mais de 60% (em termos reais, descontado a inflação pelo IPCA) e se for levar em consideração o crescimento do PIB nominal (sem descontar a Ambiente inflação) esse Queremos que os Econômico crescimento Conforme produtores independentes é superior a dados do gover120%”, afirma produzam a cana em terras o economista no estadual, dudegradadas rante o período Lucas Rassi. de 2007 a 2014, O estado -- Tereza Cristina Corrêa da Costa as projeções dão tem entre sinais de crescimento. Em sete parceiros comerciais a China, anos, o Produto Interno Bruto que é responsável pela compra (PIB) de Mato Grosso do Sul de 19,7% do que é produzido em deve aumentar consideravelMato Grosso do Sul, seguido mente, em regime de gráficos, pela Argentina com 14,6% e a em 2007 a soma de tudo que Holanda com 5,99%. Rússia, Jafoi produzido na economia era pão, Arábia Saudita Venezuela de R$ 28,12 bilhões, para este e Itália também são países para ano a projeção é que o estado onde o estado exporta produtos chegue a R$ 48,76 bilhões e em e entre os itens mais exportados 2014 deve ficar na casa dos R$ estão a soja, gado, madeira, 59,04 bilhões. minério, aves e o açúcar que é

Tereza Cristina Corrêa da Costa, secretária estadual de produção

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

41


CAPA o segundo produto da Balança Comercial do Estado. Segundo a secretária de Desenvolvimento do Estado, Tereza Cristina, “quando e trata de investimentos estrangeiros no país, há um certo limite para

mentos”, revela. Já com relação ao setor de Recursos Humanos, o estado possui um amplo espaço para produção que o deixa mais promissor, mas ao mesmo tempo, o estado dispõe de pouca gente o

que o investidor pode fazer no Estado, há uma limitação desses investimentos pelo governo federal. Já para o economista para o governo os investimentos estrangeiros não são como um inibidor. “ Está sendo discutido um projeto de lei para a flexibilização na aquisição de terras por estrangeiros (maioria vinculada a projetos de longo prazo e intensivo em capital). O problema que vejo, é o ambiente de negócios, tais como burocracia e política tributária (que afetam brasileiros e estrangeiros) e não a segurança jurídica dos investi-

que gera um problema operacional para o setor. Para a secretária Tereza Cristina o estado enfrenta dificuldades nesta área assim como os demais estado e vive o dilema da mão-de-obra qualificada. Embora o estado esteja acima da média nacional, sobre a geração de emprego e renda, são enfrentadas dificuldades para achar pessoas capacitadas. “Veja o que acontece na região leste do Estado, onde se localiza o munícipio de Três Lagoas, todos os dias são frequentes a chegada dos ônibus que vêm das cidades paulistas trazendo pessoas para trabalha-

42

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

rem nas indústrias da cidade, isto porque as empresas não encontram pessoas qualificadas para trabalhar. E Mato Grosso do Sul está investindo nessas pessoas para suprir o mercado. Porém, para Lucas o saldo ainda é positivo mesmo com a falta de mão de obra qualificada. “O resultado é pertinente e Mato Grosso do Sul não está tão mal nesse contexto, pois com as mudanças na economia dos últimos anos, ele tem se mostrado dinâmico e atraindo investimentos sólidos em áreas diversificadas, sendo comparado aos estados mais competitivos da federação”. Um dos projetos de investimentos do Governo Federal em parceria com o Governo do Estado é o projeto Qualifca, em Dourados. O projeto da prefeitura capacita empresas para prestarem serviços para o setor sucroenérgetico de Mato Grosso do Sul, através da qualificação da mão-de-obra. De acordo com a secretária Municipal de Desenvolvimento Sustentável de Dourados, Neire Colman, cerca de mais de 16 empresas participam do projeto na cidade. “A cada ano formamos mais trabalhadores com este projeto que faz parte de ações de trabalho para transformamos o município de Dourados em um polo de prestação de serviços para o setor”, diz. Mesmo com esse problema o setor sucroenergético ainda é responsável pela segunda massa salarial da indústria. Conforme o governo do Estado cerca de 29 mil empregos diretos e mais de 90 mil indiretos foram gerados neste ano. “Nos locais


em que as usinas se instalaram no Estado, as cidades deram um grande salto no índice de qualidade de vida. Por exemplo, a cidade de Nova Alvorada do Sul, onde está a empresa ETH Bioenergia. Faça um comparativo, pegue fotos de 10 anos atrás e veja como está hoje, a cidade dispõem de uma infraestrutura muito boa, a cidade tem quase todas a agências de bancos, ao contrário do que muito se falou no passado, hoje é um motivo de grande desenvolvimento”, finaliza a secretária. Projeções Essa nova potência considerada por muito especialistas do setor como a nova fronteira bioenergética do país deixa o estado com grandes perspectivas de crescimento. Conforme dados da Biosul, em 2020 os produtores querem abastecer 50% da demanda dos veículos flex do país com o etanol que hoje atende apenas 36% da frota. Roberto de Holanda explica que para isso acontecer é preciso dobrar a produção até lá. “De todos os etanois que são produzidos no mundo, pesquisas apontam que o etanol brasileiro é o que mais se adapta ao mercado porque entre todos que são produzidos, o nosso é o mais eficiente”, revela Hollanda. A projeção é que o mercado americano também seja abastecido em torno 13,2 bilhões de litros de etanol para a exportação. E mais 5 bilhões de litros para serem utilizados para outros fins, como bebida e agentes químicos. Já para o açúcar as projeções também são mais animadoras, o objetivo é que

até 2020 a produção deva suprir todo o mercado interno e o Brasil deverá manter a participação em 50% no mercado mundial. Na geração da bioeletrecidade, o objetivo é que o setor aumente de 2% para 18% na participação da matriz elétrica brasileira. Mas para que isso aconteça é necessário que o Brasil crie mais 120 novas usinas e que dobre sua produção para atingir essa meta. E a expectativa está na região Centro-Oeste, que ainda pode abrigar novas usinas e aumentar a produção e produtividade. Mato Grosso do Sul é o único que tem a possibilidade de ir muito além da sua produção, por possuir áreas de terras degradas onde para a agricultura não é aproveitada, mas para que a cana é o suficiente para o plantio. “Estudos indicam que só em

terras de pastagens subaproveitadas existem 8 milhões de hectares, ou seja, existe espaço suficiente para que não só a cana, mas como outras culturas sejam produzidas no estado”, revela Hollanda. De acordo com o secretário de Produção e Agronegócio do Ministério da Agricultura, José Gerardo Fontelles o governo desenvolve pesquisas para saber qual o melhor tipo de cana é melhor para aumentar o plantio no Cerrado. Mato Grosso do Sul embora tenha alguns problemas e desafios a vencer, deve ser em breve o maior estado produtor neste setor do Brasil. Além de ser referência e garantia para o desenvolvimento de um futuro melhor e a nova joia para o setor sucroenergético do país. Rodson Willyams

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

43


GENTE QUE FAZ

Força renovada no

agronegócio

E

duardo Ridel tomou posse da presidência da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul) na noite de 10 de agosto. Lideranças do setor do agronegócio de Mato Grosso do Sul estiveram presentes durante a solenidade que aconteceu em Campo Grande no Grand´Mere Buffet. Emocionado, Ridel agradeceu aos familiares e amigos pela apoio que recebeu e afirmou que agora o trabalho é para se conquistar um novo campo. Assumem o mandato do triênio 2012-2015 Eduardo Ridel na presidência da Famasul juntamente com a equipe composta por Nilton Pickler como vice-presidente; Ruy Fachini como diretor-secretário e o diretor-tesoureiro Almir Dalpasquale.

10 44

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

Eduardo Riedel assume definitivamente a presidência da Federação da Agricultura e Pecuária de MS até 2015

Fotos: Fernanda Yafusso


Trabalhador

levado a sério

Melhorias no trabalho no campo garantiram à Barralcol o recebimento do selo “Empresa Compromissada”

46

H

á mais de 30 anos atuando no município de Barra do Bugres,em Mato Grosso, a usina Barralcool preza pela qualidade de seus produtos e também pela segurança de seus trabalhadores. Em apenas 4 anos a usina teve uma uma redução em mais de 86% nos acidentes de trabalho graças às ações de orientação realizada todos os anos aos trabalhadores. Dentre as ações de prevenção aos acidentes de trabalho que a empresa realiza estão a Integração (quando o funcionário ingressa na empresa); DDS (Diálogo Diário de Segurança) que é realizado todos os dias antes do início do turno; Rondas diárias dos técnicos para análise de falhas e posteriores orientações;

Reunião mensal com as lideranças para a análise de melhorias; avaliação de EPIs e o gerenciamento de riscos mensais. Atualmente além das orientações sobre a prevenção de acidentes o colaborador do campo recebe também o transporte, café da manhã reforçado, aplicação de protetor solar, isotônico para repor os sais minerais perdidos e equipamentos de proteção para cabeça, olhos e face, proteção auditiva, respiratória e proteção para os troncos. Além dos equipamento para proteger os membros superiores e inferiores. Só no primeiro semestre de 2012 ocorreram 8 acidentes na usina. Já no ano passado esse número foi de 15 acidentes durante todo o ano, em 2007 mais de 100 acidentes foram registrados na

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

Em 5 anos, Barralcool reduz em 86% número de acidentes com trabalhadores

empresa, e as ações implantadas em 2008, tiveram grandes resultados. Um forte sistema de ações do departamento de segurança, entre eles a brigada de incêndio, fortaleceu as ações pois eles auxilissem na propagação das informações. Para o Gerente de RH da Barralcool, Roberto Romas, as ações promovidas pelo departamento de segurança do trabalho em parceria com a Cipa gera um ambiente de melhorias e percepção por parte dos colaboradores. “A nossa diretoria tem a preocupação com as condições do trabalhador e sua saúde”, explica Romas. A empresa vem se dedicando para obter melhorias na execução do seu trabalho no campo junto aos seus colaboradores, e a prova desse compromisso foi o recebimento do selo “Empresa

Fotos: Divulgação/Barralcol

CAPA


Compromissada”, concedido a usinas sucroenergéticas cumpridoras do “Compromisso Nacional para Aperfeiçoar as Condições de Trabalho na Cana-de-Açúcar”. Campeonato Mas não é só de prevenção de acidentes que os trabalhadores têm o olhar especial da empresa. Todos os anos o Grupo Barralcool realiza também eventos da Cipa e Sipat, que são considerados grandes eventos para todos colaboradores com premiações e mini maratona. Além desses eventos em comemoração ao dia do trabalhador rural é realizado também o sorteio de vários brindes para os trabalhadores do campo. O evento que é realizado após o turno de atividades dos colaboradores rurais, tem o sorteio de bolas de futebol de couro, kits escolares e ainda jogos de dama e jogos de dominó. E entrega de kits de coletes para apoiar os jogos de futebol do tradicional campeonato da região que tem a parceria da empresa com o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Barra do Bugres. Dentre as premiações os três primeiros colocados recebem troféus, medalhas e kits para churrasco contendo carne, cerveja e refrigerante, oferecidas pelo Grupo Barralcool. Fernanda Yafusso

Acima: trabalhadores recebem café da manhã. Abaixo: final do campeonato de futebol. No detalhe: informativo sobre a segurança no trabalho AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

47


AGROBUSINESS

Controle

A

FMC Agricultural Products, uma das maiores empresas do segmento de defensivos agrícolas do país, lançou seu produto inovador Locker, em Brasília (DF). Os principais produtores de soja do cerrado brasileiro estavam presentes. Mais de 120 pessoas participaram do evento. Dessa forma, a FMC chega com força no mercado de fungicidas e disponibiliza a formulação inédita Locker, criado para atender às necessidades mais recentes dos produtores, ao agir no controle de doenças como a mancha alvo (Corynespora cassiicola), mancha olho de rã (Cercospora sojina), mancha parda (Septoria glycines), oídio (Mycrosphaera difusa) e antracnose (Colletotrichum truncatum). “O Locker é um fungicida sistêmico, sendo o primeiro produto a possuir triplo

modo de ação. Desenvolvido e lançado no Brasil, para controle de doenças foliares da soja e do trigo. Sem dúvidas, trata-se de um grande avanço no tratamento de doenças para ambas as culturas”, explica Flávio Centola, Gerente de Produtos fungicidas da FMC. Durante o evento, o pesquisador do Instituto Phytus e da Universidade Federal de Santa Maria, Ricardo Silveiro Balardin, abordou sobre as principais doenças da soja no Brasil e como manter a soja saudável para aumentar a produtividade nas lavouras baseadas nas pesquisas realizadas pelo Instituto. Balardin também destacou a importância do manejo integrado e a proteção nas lavouras. O pesquisador recomenda: “a primeira aplicação é a mais importante e a mais efetiva, desde que a planta esteja preparada

Na soja, a Cercospora kikuchi - (manchapurpura da semente, crestamento-foliar) é um dos alvos do fungicida

48

FMC lança fungicida revolucionário para exterminar as principais doenças da soja

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

para absorver o produto”. Centola destacou a estratégia da FMC para o mercado e abordou as principais características do fungicida Locker como o efeito sinérgico e equilibrado de seus ativos, que proporcionam importantes benefícios ao produtor, como: amplo espectro de controle de fungos e excelente efeito residual. “A formulação avançada do Locker é capaz de extrair a máxima eficácia dos seus três componentes, e essa é nossa grande conquista”, destaca Centola, complementando que “ao adquirir um produto com amplo espectro de controle, o produtor passa a ter um melhor manejo fitossanitário de sua lavoura”. Outro diferencial do manejo é a indicação de posicionamento dos produtos ao longo do ciclo, de maneira rotacionar ingredientes ativos. O Diretor de Negócios da FMC, Ronaldo Pereira, agradeceu a presença de todos e disse que para a FMC ser um dos maiores players também no segmento de soja são necessários três fatores: inovação tecnológica, pessoas preparadas no campo e também na área de desenvolvimento para crescimento do agronegócio e conveniência para produtor. Pereira também destacou as ações das FMC para sempre apoiar o produtor. “A FMC aumentou a sua equipe e está focada em buscar e desenvolver produtos que possam ser aplicados com as condições do produtor”, destaca Pereira.


SUSTENTABILIDADE

Alimentando

A

tecnologia utilizada pela indústria da cana-de-açúcar no Brasil, que concilia a produção de etanol e açúcar, é um dos destaques de uma nova publicação que oferece sugestões para evitar que a produção e distribuição de alimentos no mundo sejam comprometidas. Com a agricultura e o combate à fome como pano de fundo, o livreto “11 passos para alimentar 7 bilhões” foi lançado para comemorar o primeiro ano de atividades do Portal Sou Agro, iniciativa multissetorial do agronegócio brasileiro apoiada por 18 empresas e entidades, entre elas a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA). Em 18 páginas, o livreto lista opiniões de especialistas renomados em biocombustíveis e segurança alimentar, entre eles o diretor geral do Instituto de Estudos do Comércio e Negociações Internacionais (ICONE) e coordenador da RedeAgro, André Nassar; o representante da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) na América do Sul, Helder Mutéia; o ex-ministro da Agricultura durante o governo Geisel, Alysson Paulinelli; e o pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Reprodução/Mario Vendramini

7 bilhões

Nova publicação associa setor sucroenergético brasileiro a segurança alimentar

(Embrapa), Alexandre Auad. O prefácio é de um dos idealizadores do Movimento Sou Agro, o ex-ministro da Agricultura, coordenador do Centro de Agronegócios da Fundação Getúlio Vargas (GVAgro) e embaixador especial da ONU para Alimentção e Agricultura, Roberto Rodrigues. Segundo a publicação, “a agricultura tem que responder ao mesmo tempo às crescentes demandas por alimentos e por combustíveis renováveis,” e o grande desafio principalmente de países como os Estados Unidos é fazer com que a produção de etanol de milho não eleve os preços do grão e não diminua

a oferta da ração animal. A indústria canavieira do Brasil é apontada pelos especialistas como uma atividade sustentável justamente por conciliar a produção de etanol com as necessidades alimentícias da sociedade. Lançado em julho de 2011, o Portal Sou Agro tem como objetivos esclarecer e aproximar o cidadão urbano do produtor agrícola, destacando as contribuições do agronegócio para o desenvolvimento do País.

Publicação defende que biocombustíveis não devem ser produzidos com matérias-primas alimentícias

Faça o download do livreto http://www.souagro.com.br/ wp-content/uploads/2012/07/ SouAgro_11para7.pdf

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação

49


CANANET A versão on-line da Cana S.A. www.canaldacana.com.br UN Photo / Mark Garten

Sorgo sacarino A Ceres Sementes do Brasil foi declarada vencedora do processo seletivo aberto pela Embrapa, no licenciamento para a cultivar BRS 511 de sorgo sacarino. Os termos do contrato respaldam ações conjuntas na área de pesquisa e desenvolvimento, que visam a transformar o sorgo sacarino em cultura energética de escala e alto desempenho no País. Ceres e Embrapa, esta por intermédio do Centro Nacional de Pesquisa de Milho e Sorgo, irão desenvolver nos próximos dois anos um plano de trabalho conjunto.

Reconhecimento

Agilizando

A Braskem recebeu reconhecimento do Independent Project Analysis (IPA), principal organização de consultoria e benchmarking nos Estados Unidos. O IPA realiza anualmente uma avaliação da eficácia de gestão de projetos das principais indústrias no mundo. A empresa marca presença entre as 50 maiores organizações na aplicação do Front-End Loading (FEL), metodologia que orienta a gestão de investimentos e a implantação de projetos.

A máquina está substituindo o homem no trabalho do corte da cana queimada nos canaviais de São Paulo. No Vale do Paranapanema, as máquinas já fazem a colheita em cerca de 80% da área de cana.

Visita

Conferência

A Destilaria Alcoeste, do Grupo Arakaki, instalada em Fernandópolis (SP), recebeu a visita de estudantes japoneses em julho. Dez jovens de Okinawa, uma província situada no sul do Japão, vieram ao Brasil para conhecer a cultura brasileira. A unidade paulista fez parte do roteiro dos estudantes que puderam conhecer a colheita mecanizada dacanade-açúcar e também o processo de produção de etanol.

A capital paulista vai sediar nos dias 15 e 16 de outubro um dos mais importantes eventos do calendário mundial de açúcar e etanol: a 12ª Conferência Internacional Datagro. Essa edição terá como tema principal a saída da crise com produtividade e novas tecnologias. O evento é promovido pela Datagro e tem o apoio da UDOP - União dos Produtores de Bioenergia. O objetivo do encontro é reunir autoridades do setor e promover debates sobre as perspectivas do mercado, planejamento estratégico e comercial para os diferentes elos da cadeia de produção e comercialização.

50

AGOSTO 2012 | CANA S.A. | A energia da informação


Profile for Cana S.A.

Revista Cana S.A. - Ed. 05  

Agosto de 2012.

Revista Cana S.A. - Ed. 05  

Agosto de 2012.

Profile for cana_sa
Advertisement