Page 1

Horário: Dias úteis da terça a sexta - das 16 às 20 horas - Sábados e Domingos - das 15 às 19 horas

Galeria de exposições temporárias Rua Gil Vicente 86-A | 3000-202 Coimbra Telef.: 239 703 259 / 917 766 093 http://galeriaalima.com

33133

Albuquerque e Lima

32962

Fernando Luís Vassalo SERVIÇOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

PREÇO 0,75\ | 2ª SÉRIE | ANO 14 | Nº 705 | 31 DEZEMBRO DE 2013 SEMANÁRIO À QUINTA-FEIRA | EDIÇÃO COIMBRA DIRECTOR LINO VINHAL | www.campeaoprovincias.pt | telef. 239 497 750 | fax 239 497 759

TAVEIRO Tlm. 914 660 410

Sindicalismo com Independência

Nova Unidade de Saúde e Bem Estar Vivenda S. Francisco Aceitam-se inscrições para utentes, inclusivé familiares de emigrantes que necessitem de ser tratados e acarinhados na Vivenda S. Francisco

A VIVENDA S. FRANCISCO REÚNE TODAS AS CONDIÇÕES EXIGIDAS PELO MINISTÉRIO DA SAÚDE E SEGURANÇA SOCIAL

Rua Joaquim Pereira Júnior, n.º 121- Labrengos- Covões - Tlf. 231 460 495 - policentro@sapo.pt

ASSOCIAÇÃO CENTRO CÍVICO POLIVALENTE “O EMIGRANTE” (I.P.S.S.)

A aguardar a aposentação

32299

José Martins Nunes em vias de deixar a presidência do CHUC

Tasquinha do Queirós 34020

AGORA COM: * ENTREGA AO DOMICÍLIO * TAKE-AWAY ‡Almoços executivos a partir de 10\ com tudo incluído ‡ ‡Jantares a partir de 12,50\‡ ‡Preços especiais para grupos ‡ ‡Sala com excelentes condições para ver jogos ‡ www.tasquinha.pt | 239 780 783 | 910 116 445 Rua Daniel Rodrigues, 98 - Malheiros - Chão do Bispo

Vidas (d)escritas

34015

Primeiro presidente do Centro Hospitalar Universitário de Coimbra (CHUC), José Martins Nunes, 63 anos de idade, está em vias de se aposentar e de sair do cargo, apurou o “Campeão”. A substituição do médico anestesista, investido naquela função em Dezembro de 2011, deverá ocorrer no primeiro trimestre de 2014. Do Conselho de Administração do CHUC também fazem parte José Pedro Figueiredo (director clínico), António Marques (enfermeiro-director), António Pedro Lopes e Pedro RolPágina 20 dão (único gestor que transitou do CA dos Hospitais da Universidade). Mediante decisão judicial

Varela Pècurto, um dos mais reputados fotógrafos portugueses e profundo conhecedor da cidade, lamenta que as pessoas em Coimbra sejam “um pouco apáticas em relação ao que de bom têm”. “Acho que viver num mundo que se ignore é muito mau. A gente tem de conhecer o sítio onde vive”, comenta, observando que há muitos conimbricenses que nunca visitaram os principais tesouros arquitectónicos da região. Página 08

A Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro acaba de ser intimada, pelo Tribunal Cível de Coimbra, no sentido de suspender o pagamento de 6,95 milhões de euros à empresa Somague. A Somague e a sociedade Bascol - Construção Civil (declarada, este ano, insolvente) constituíram, em 2005, um agrupamento complementar de HPSUHVDVSDUDHGLÀFDomRGDVQRYDVLQVWDODo}HVGR+RVSLWDO Página 03 Pediátrico de Coimbra.

PUBLICIDADE

DE:

Rui Humberto da Silva Neves

MÓVEIS POR MEDIDA Deseja a todos os Clientes Feliz 2014

34022

Coimbra não dá valor ao que tem de bom

ARS obrigada a suspender pagamento à Somague

Telem.: 968 855 927 Rua da Carvalheira, n.º 12 PORTO GODINHO - 3090-813 BORDA DO CAMPO

José Augusto da Silva Lopes )$%5,&2'((672)26‡5(67$85$d®2'(0Ð9(,6(62)É6 Deseja aos seus Clientes um Feliz 2014

Telem. 91 752 0250 Resid. Rua Santa Teresa, 12,14,18 - COIMBRA

34024

Varela Pècurto

32297

FUNERÁRIA BORRALHO

Rua Dr. António José de Almeida, 185 3000-044 Coimbra 32517

Rua do Brasil, n.º 489, 1.º Dto - 3030-175 COIMBRA

Tel: 239 838 745 Fax: 239 838 745 coimbra@snqtb.pt

33867

32820

32298

Atendimento Permanente 239 820 560


31

POLĂ?TICA

2

QUINTA-FEIRA

www.campeaoprovincias.pt

DE DEZEMBRO DE 2013 CAMPEĂƒO DAS PROVĂ?NCIAS

Despesas com pessoal pesam apenas 20 por cento

Câmara de Penela com orçamento mais reduzido dos Ăşltimos 10 anos A Assembleia Municipal de Penela aprovou o orçamento da Câmara para 2014, que ascende a 9,99 milhĂľes de euros, sendo preciso recuar a 2003 para se encontrar um valor idĂŞntico, segundo realça a autarquia. Na apresentação dos documentos Ă Assembleia Municipal, o presidente da Câmara sustentou que “este orçamento representa o começo de uma nova etapa, de um tempo novo, em que os modelos de gestĂŁo autĂĄrquica se tĂŞm de adaptar, nomeadamente atravĂŠs da redução dos cus-

tos de funcionamento, com a consequente libertação de UHFXUVRVĂ€QDQFHLURVSDUDR investimento indispensĂĄvel ao desenvolvimento estratĂŠgico do territĂłrioâ€?. Segundo LuĂ­s Matias, este ĂŠ um orçamento que “jĂĄ tem em consideração as orientaçþes da nova Lei das Finanças Locais, perspectivando-se que a taxa de execução se posicione entre os 80 e os 90 por centoâ€?. O autarca realça, ainda, que “dos seis milhĂľes de euros de despesas correntes, cerca de metade correspondem a verdadeiro

investimento em ĂĄreas como a educação (transportes e refeiçþes escolares, actividades de enriquecimento curricular e empreendedorismo), a cultura e o patrimĂłnio, a juventude e o desporto, o abastecimento pĂşblico, o desenvolvimento econĂłmico e o ambienteâ€?. “As despesas com pessoal pesam 20 por cento no total do orçamento, bastante abaixo da mĂŠdia nacional, e a despesa corrente aponta para uma redução, face a 2013, na ordem do meio milhĂŁo de eurosâ€?, referiu o edil. “No entanto – faz ques-

tão de frisar - este Ê um orçamento que, com quatro milhþes de euros para despesas de capital, consubstancia claramente um profundo respeito pelo compromisso celebrado com os penelenses no último ato eleitoral, que se traduz em assumir a realização de um conjunto de projectos que, contribuindo para atrair investimentos estruturantes, aportem novas dinâmicas da criação de riqueza e geração de emprego indispensåveis ao desenvolvimento do território�. O autarca destaca o programa Habitat de Inovação

Empresarial nos Sectores (VWUDWpJLFRVDUHTXDOLĂ€FDomR dos acessos Ă Villa Romana do Rabaçal, a pavimentação de caminhos agrĂ­colas, a FABLAB Aldeias do Xisto e o Centro de Caprinicultura da Ferraria de S. JoĂŁo. Segundo LuĂ­s Matias, “o MunicĂ­pio mantĂŠm, ao mesmo tempo, o turismo como um sector de desenvolvimento estratĂŠgico, reforçando a aposta nos produtos endĂłgenos e nos factores distintivos do territĂłrio, nas redes temĂĄticas como a dos Castelos e Muralhas do Mondego, das Al-

deias do Xisto e o projecto intermunicipal Villa Sicó, assente na dinamização do eixo da romanização�. O autarca acrescenta que o Município vai contiQXDUD´GHQVLÀFDUDVUHODo}HV e as parcerias territoriais no âmbito da Rede Europeia de Living Labs e do Smart Rural Living Lab, para potenciação de um ambiente de suporte ao desenvolvimento de projectos de investigação e inovação de produtos e serviços destinados ao espaço rural, orientados para as necessidades reais dos utilizadores�.

Montante era de dois milhĂľes de euros

Vice-presidente da Câmara de Condeixa

3RLDUHVĂ€UPDDFRUGRSDUDVDOGDU dĂ­vida Ă Ă guas do Mondego

Liliana Pimentel lidera a comissĂŁo de menores

O presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Poiares assinou, no dia a seguir ao Natal, um documento, que permite Ă DXWDUTXLDS{UĂ€PDRGLIHrendo existente com a empresa Ă guas do Mondego, obtendo uma redução de mais de 200 000 euros ao montante da dĂ­vida de dois milhĂľes de euros. O acordo, estabelecido entre JoĂŁo Miguel Henriques e as Ă guas do Mondego, atravĂŠs do presidente do Conselho de Administração, Nelson Geada, vai permitir Ă  Câmara Municipal de Poiares o pagamento, durante cinco anos, da dĂ­vida encontrada pelo actual Executivo, e que totalizava quase dois milhĂľes de euros. “Trata-se do resultado de uma negociação estabelecida entre o edil e a emSUHVDHTXHS}HĂ€PDXP litĂ­gio que tem oposto ambas as partes ao longo dos trĂŞs Ăşltimos anosâ€?, refere a autarquia, esclarecendo que com este enWHQGLPHQWRFKHJDPDRĂ€P trĂŞs processos em tribunal, sendo que o MunicĂ­pio jĂĄ havia perdido um deles. “O acordo estabelecido permitiu, ainda, uma poupança para os cofres do MunicĂ­pio, que viu serem retirados mais de 200 000 euros ao valor total em dĂ­vida, fruto de

A vice-presidente da Câmara de Condeixa e vereadora da acção social, Liliana Pimentel, foi recentemente nomeada para liderar a ComissĂŁo de Protecção de Crianças e Jovens (CPCJ) daquele concelho, lugar que desde Setembro vinha sendo ocupado interinamente por Cristina PĂłvoa, tĂŠcnica da autarquia. Com a entrada em funçþes do novo Executivo JoĂŁo Henriques e Nelson Geada colocaram fim municipal, foram ainda designados a integrar a aos litĂ­gios que corriam em tribunal CPCJ os cidadĂŁos Maria uma negociação do custo e a renegociar contratos JoĂŁo SimĂľes, Maria Celeste das estruturas integradas jĂĄ existentesâ€?. “Exemplos Santos, Lurdes SimĂľes e e a integrar pelas Ă guas disso sĂŁo os entendimentos Paula Travasso. do Mondegoâ€?, adianta a jĂĄ estabelecidos com a EDP Na Ăşltima reuniĂŁo alarCâmara. e a Transdev, bem como gada daquele ĂłrgĂŁo, foram A autarquia sublinha uma renegociação dos ainda admitidos Paula que, “em apenas dois me- contratos com as operado- Marcelino, representante ses, desde que o actual ras de telecomunicaçþes, das associaçþes de pais/ Executivo liderado por cuja factura totalizava 80 encarregados de educação, JoĂŁo Miguel Henriques 000 euros/ano e, fruto do Albano Leandro, em reptomou posse, foi possĂ­vel trabalho desenvolvido por resentação dos escuteiros, chegar a uma plataforma de este Executivo, desceu para e Paulo SimĂľes, represententendimento que resultou os 16 000 euros/anoâ€?, con- ante do Clube de Condeixa. no acordo hoje celebrado e cretiza a autarquia. MantĂŞm-se os repreque teria, necessariamente, O MunicĂ­pio conclui sentantes da Segurança de ser estabelecido ain- que “estes sĂŁo algumas das Social, Santa Casa da Mida este ano, sob pena do medidas que estĂŁo a ser sericĂłrdia, Centro Social MunicĂ­pio ser alvo de um tomadas pelo actual Exe- da Ega, GNR, MinistĂŠrio enorme corte nas trans- cutivo, de forma a corrigir da SaĂşde, MinistĂŠrio da ferĂŞncias das verbas do as enormes dificuldades Educação e trĂŞs elementos Estadoâ€?. Ă€QDQFHLUDV UHVXOWDQWHV GD cooptados da autarquia. A Câmara de Vila Nova herança do passado e que, A CPCJ ĂŠ uma institude Poiares adianta, ainda, ao mesmo tempo, sĂŁo a re- LomRRĂ€FLDOQmRMXGLFLiULD que, “o presidente tem conquista da credibilidade com autonomia funcional, procedido, paralelamente, a do concelho e dos poia- e que visa a promoção e diversas reuniĂľes de forma renses junto das diversas protecção dos direitos das a negociar outras dĂ­vidas entidades e instituiçþesâ€?. crianças e jovens, de forma

A vice-presidente da Câmara tem o pelouro da acção social

a afastar o risco em que se encontram, promovendo condiçþes que proporcionem segurança, saúde, formação e educação, de forma a contribuir para o bem-estar e desenvolvimento eståvel. A Comissão Ê a entidade responsåvel pelo acompanhamento e eventual encaminhamento para outras entidades de processos relacionados com negligência, maus-tratos, abandono escolar e consumo de aditivos, referenciados por instituiçþes de solidariedade social, escolas e, tambÊm, pela própria comunidade. A comunicação Ê obrigatória por qualquer

pessoa (a própria criança, vizinhos ou familiares) ou instituição (entidades escolares, policiais, estabelecimentos de saúde, etc...) que tenha conhecimento de situaçþes que ponham em risco a vida e a integridade física ou psíquica da criança ou jovem. Quem quiser contactar a Comissão de Condeixa poderå fazê-lo pessoalmente nos Serviços de Acção Social, por escrito, ou pelo telefone 239 945 307, ou fax 239 945 739. Em alternativa, poderå ser contactada a GNR, que integra a Comissão (telefone 239 941 155 , 239 945 197). A participação Ê anónima, sempre que solicitada.


31

QUINTA-FEIRA

ACTUALIDADE

DE DEZEMBRO DE 2013 CAMPEĂƒO DAS PROVĂ?NCIAS

3

www.campeaoprovincias.pt

Anunciado na reactivação do Elevador do Mercado

ElĂŠctricos na linha e nova ligação Ă â€œAltaâ€? L.S.

Uma nova ligação de ascensor entre a “Baixaâ€? e a “Altaâ€?, a partir da rua da Alegria, e os velhos elĂŠctricos a circularem nos carris, num percurso Ă beira-rio, sĂŁo dois projectos anunciados pelo presidente da Câmara Municipal de Coimbra, na reactivação do Elevador do Mercado, na antevĂŠspera de Natal. Manuel Machado referiu que a reparação e reentrada em funcionamento do ascensor que liga o Mercado D. Pedro V Ă  rua de padre AntĂłnio Vieira, que passa novamente para a gestĂŁo dos Serviços Municipalizados Urbanos de Coimbra (SMTUC), significa uma aposta na mobilidade urbana. “Trata-se de retomar um transporte quotidiano para os moradores, de facilitar o acesso e revitalizar o Mercado Municipal, mas, tambĂŠm, para os que visitam

a cidade desfrutarem de uma bonita paisagem e terem um fåcil acesso à Alta, fazendo todo o sentido com a clasVLÀFDomR FRPR 3DWULPyQLR da Humanidade�, sustentou o autarca. No âmbito da mobilidade, Manuel Machado diz estar a ser estudada uma ligação, a nascente, mais próxima da beira-rio, à zona histórica da Universidade, junto ao Jardim Botânico, assim como a colocação de carris, contornado todo o Parque Verde do Mondego, para aí circularem os elÊctricos que se encontram parados no museu dos transportes. Uma atenção reforçada à mobilidade na cidade foi uma promessa deixada pelo presidente da Câmara Municipal de Coimbra, sublinhando que a autarquia aprovou no Orçamento para 2014 um montante de nove milhþes de euros para os custos sociais dos transportes. O Elevador do Mer-

Que pensa Machado da revisĂŁo do PDM? RUI AVELAR

Perguntei, hå dois meses, ao presidente da Câmara de Coimbra que pensa ele da revisão do Plano Director Municipal (PDM), mas Manuel Machado não me respondeu e para o efeito invocou dúvidas acerca da tramitação do processo. A aprovação da revisão estå apenas à mercê de deliberação da Assembleia Municipal, sob proposta da edilidade. A oportunidade de a Câmara acelerar o assunto despontou, em 2012, com a publicação de um decreto-lei (nº. 239), cujo teor instituiu

uma alteração ao regime jurídico da Reserva Ecológica Nacional (REN). Neste contexto, a autarquia realizou, hå um ano, uma reunião extraordinåria, aberta a munícipes. Dois meses são tempo razoåvel para o presidente do Município concluir uma de duas coisas: preconizar à Câmara que proponha à $VVHPEOHLD D UDWL¿FDomR GH nova versão do Plano Director ou dar outro impulso à revisão daquele importante instrumento. Um PDM com 19 anos carece, naturalmente, de acertos; o limbo para que a indecisão remete Ê incompatível com a delicadeza do assunto.

cado, constituído por um ascensor vertical, nos primeiros 20 metros, e por um funicular atÊ ao topo, aos 51 metros, volta a funcionar, todos os dias, das 07h30 às 21h00, gratuito para os detentores de passe social, ou do Centro Histórico, e com o custo de uma senha dos SMTUC. O sistema foi inaugurado a 22 de Novembro de QRÀQDOGRPDQGDWR de Manuel Machado, e custou cerca de um milhão de euros, tendo o seu funcionamento sido interrompido em 30 de Abril do corrente ano, sob a presidência de João Paulo Barbosa de Melo, e agora retomado após uma reparação que ascendeu a 25 000 euros. A respectiva conservação e manutenção Ê retomada pela Schmitt, empresa que as garantira durante 12 anos, com estas operaçþes a apresentarem de futuro um custo anual de 5 387,40 euros, com IVA incluído.

O elevador ĂŠ constituĂ­do por um ascensor vertical, nos primeiros 20 metros, e por um funicular atĂŠ ao topo

Mediante decisĂŁo judicial

ARS intimada a suspender pagamento à empresa Somague A Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro acaba de ser intimada, pelo Tribunal Cível de Coimbra, no sentido de suspender o pagamento de 6,95 milhþes de euros à empresa Somague. A Somague e a sociedade Bascol - Construção Civil (declarada, este ano, insolvente) constituíram, em 2005, um agrupamento complementar de empresas SDUD HGLÀFDomR GDV QRYDV instalaçþes do Hospital Pediåtrico de Coimbra (HPC). A suspensão, em ordem a acautelar os interesses dos credores da Bascol, vigora atÊ haver decisão sobre questþes suscitadas por alguns deles acerca de um pagamento por parte da dona da obra do HPC. Ao ser declarada insolvente, a Bascol - Construção Civil tinha dívidas de montante superior a 30 milhþes de euros. A ARS/Centro estå a liquidar, este ano, 16,70 milhþes de euros à Somague,

A saga do PediĂĄtrico assemelha-se a uma interminĂĄvel novela

ao abrigo de um veredicto de um tribunal arbitral, tendo invocado um acordo entre aquela sociedade e

a Bascol para se limitar a pagar Ă primeira. Organismo desconcentrado do MinistĂŠrio da tutela, a

Administração Regional de Saúde jå entregou 9,75 milhþes de euros à Somague. A ARS/Centro, sob a liderança do anterior presidente, João Pedro Pimentel, aceitou a constituição de um tribunal arbitral em alternativa aos tribunais comuns para se dirimir o FRQà LWR FRP R FRQVyUFLR Somague / Bascol. A Inspecção-Geral de Actividades em Saúde (IGAS), que pôs em xeque o trabalho do consórcio construtor do novo edifício do HPC, estranhou, por outro lado, que o organismo desconcentrado do MinistÊrio da Saúde tenha abdicado da prerrogativa de recurso acerca da decisão do tribunal arbitral. Uma acção inspectiva, efectuada, este ano, pela IGAS, estimou em dezenas de milhþes de euros o prejuízo sofrido pela Administração Regional de Saúde do Centro com as GHÀFLrQFLDVQDFRQVWUXomR do novo edifício do Hospital Pediåtrico de Coimbra.


FIGURAS DO ANO

4

www.campeaoprovincias.pt

31

QUINTA-FEIRA

DE DEZEMBRO DE 2013 CAMPEĂƒO DAS PROVĂ?NCIAS

Ao longo do ano de 2013, diversas individualidades foram notĂ­cia nas pĂĄginas do “CampeĂŁoâ€?. Semanalmente, o nosso Jornal deu destaque a figuras e personalidades que tiveram impacto A S U B I R na actualidade noticiosa da regiĂŁo, do paĂ­s e do mundo. Os textos que aqui reproduzimos – e AntĂłnio Henriques Gaspar – O juiz conselheiro foi eleito, que foram publicados na rubrica “Figura da Semanaâ€? – sĂŁo uma forma de recordar o ano que em Julho, para presidir ao Supremo Tribunal de Justiça (STJ), agora termina, devendo, por isso, ser lidos como um apontamento temporal, correspondente WRUQDQGRVHDTXDUWDĂ€JXUDGDKLHUDUTXLDGR(VWDGRVXFHGHQGRD Ă data em que foram divulgados e devidamente assinalada. /XtV1RURQKDGH1DVFLPHQWRTXHOLGHURXRyUJmRGHF~SXODGR poder judicial durante sete anos. Com a maior parte da sua carreira Miguel Figueira JoĂŁo de Deus Ramos QR0LQLVWpULR3~EOLFRIRLGHOHJDGRGRSURFXUDGRUGD5HS~EOLFD O arquitecto Miguel Figueira, natural de Coimbra, foi distinguido, O diplomata e estudioso do Oriente JoĂŁo de Deus Ramos ĂŠ o par do artista plĂĄstico JoĂŁo Queiroz, de Lisboa, com os PrĂŠmios da vencedor do PrĂŠmio Universidade de Coimbra deste ano, divulgou, na SURFXUDGRUQRFtUFXORGH&RLPEUDHMXQWRGR7ULEXQDOGD5HODomR aAssociação Internacional de CrĂ­ticos de Arte (AICA). Miguel Figueira, passada quinta-feira, o reitor JoĂŁo Gabriel Silva. JoĂŁo de Deus Ramos 1DTXDOLGDGHGHSURFXUDGRUJHUDODGMXQWRLQWHJURXR&RQVHOKR de 43 anos de idade, ĂŠ responsĂĄvel pelo projecto “Cidade Surfâ€?, que “tem sido um incansĂĄvel estudioso e divulgador da cultural oriental, e a instalação de um ‘by pass’ como a melhor solução para a em particular da chinesaâ€?, e tido “uma intervenção notĂĄvelâ€? no estabe&RQVXOWLYRGD3URFXUDGRULD*HUDOGD5HS~EOLFDHUHSUHVHQWRXR defende reposição da deriva litoral na Figueira da Foz, e do Centro NĂĄutico lecimento “de pontes entre essa cultura e Portugalâ€?, justificou o reitor (VWDGRSRUWXJXrVQR7ULEXQDO(XURSHXGRV'LUHLWRVGR+RPHP de Alto Rendimento de Montemor-o-Velho. Com um valor pecuniĂĄrio da instituição. JoĂŁo Gabriel Silva referiu ainda que a atribuição deste de 20 000 euros, partilhado em partes iguais pelos galardoados, os PrĂŠmios AICA foram prĂŠmio tem um “significado especialâ€?, uma vez que “o peso do mundo &RPXPFXUUtFXORSUHVWLJLDQWHSDVVRXSHOR&RPLWp'LUHFWRUGRV global instituĂ­dos hĂĄ 30 anos para distinguir anualmente criadores das ĂĄreas das artes plĂĄsticas e estĂĄ a mover-se para o Oriente, em termos econĂłmicosâ€?. O especialista 'LUHLWRVGR+RPHPHSHOR&RPLWp&RQWUDD7RUWXUDGDV1Do}HV da arquitectura, tendo este ano o apoio da Fundação Millennium BCP. Professor do curso de no Oriente vai receber o galardĂŁo precisamente no ano em que se celebra a passagem de cinco do pĂłlo de Viseu da Universidade CatĂłlica, Miguel Figueira tem no seu curriculum, sĂŠculos desde a chegada dos portugueses Ă  China. Trata-se de uma “coincidĂŞncia interessanteâ€? e 8QLGDVWHQGRFKHJDGRDR67-HPeVREUHWXGRXPMXL] arquitectura entre muitos projectos, a ciclovia que ĂŠ para ser construĂ­da ao longo do rio Mondego, entre “obviamente vamos procurar aproveitarâ€? este facto, observou o reitor, adiantando que os laureados FRPXPDUHSXWDomRLQDWDFiYHODOLDGDDFUHGLELOLGDGHH[SHULrQFLD Coimbra e a Figueira da Foz, a frente urbana de Montemor-o-Velho e o concurso pĂşblico de sĂŁo sempre convidados a fazer uma apresentação na sua ĂĄrea de especialização. De referir que para a reabilitação da rua da Sofia, em Coimbra. JoĂŁo Queiroz, de 55 anos de idade, ĂŠ os missionĂĄrios, que foram para aquelas paragens apĂłs a descoberta do caminho marĂ­timo para a HFRPSHWrQFLDTXDOLGDGHVTXHVHH[LJHPDTXHPGHVHPSHQKD ideias natural e residente em Lisboa, onde começou a expor pintura e desenho na primeira metade Ă?ndia pelos portugueses, eram formados no ColĂŠgio de Jesus, cujo edifĂ­cio faz parte do patrimĂłnio WmRDOWRFDUJRMXGLFLDO dos anos 80, enquanto estudava Filosofia na Faculdade de Letras da capital. edificado da UC. A ligação entre Coimbra e o Oriente ĂŠ “muito antigaâ€? e “intensa historicamenteâ€?, destacou o reitor. JoĂŁo de Deus Ramos foi o primeiro embaixador de Portugal em Pequim, China, 03 DE JANEIRO DE 2013 e membro “decisivoâ€? nas negociaçþes para a transição de Macau para a soberania chinesa. Hoje JosĂŠ de Faria Costa –'RXWRUDGRHDJUHJDGRHP'LUHLWR reformado, JoĂŁo de Deus Ramos ĂŠ AcadĂŠmico de NĂşmero da Academia Portuguesa da HistĂłria, primeiro membro portuguĂŞs da Associação Europeia de Estudos Chineses. [07 de MARÇO] O antigo QDiUHDGDVFLrQFLDV-XUtGLFRSHQDLVSHOD)DFXOGDGHGH'LUHLWRGD embaixador recebeu o PrĂŠmio Universidade de Coimbra a 01 de Março. Esta distinção, no valor Paulo TrincĂŁo 8QLYHUVLGDGHGH&RLPEUD )'8& -RVpGH)DULD&RVWDpGHVGH pecuniĂĄrio de 25 000 euros, foi entregue a 1 de Março, durante a SessĂŁo Solene comemorativa TrincĂŁo ĂŠ o novo director do Jardim Botânico, sucedendo no do 723.Âş aniversĂĄrio da UC, consagrando a longa carreira do diplomata e os anos que dedicou ao -XOKRR3URYHGRUGH-XVWLoD$OpPGHSURIHVVRUFDWHGUiWLFRGD cargo aPaulo Helena Freitas. O antigo diretor do Museu da CiĂŞncia e da TĂŠcnica estudo da expansĂŁo portuguesa para o Oriente e da influĂŞncia da cultura chinesa em Portugal. da Universidade de Coimbra (UC) estava a trabalhar em Coimbra desde )'8&-RVp)DULDGD&RVWDDQRVGHLGDGHSUHVLGLXDR&RQalguns meses, mas sĂł agora foi formalizada a mudança. A vice-reitora 31 DE JANEIRO E 07 DE MARÇO DE 2013 VHOKR'LUHFWLYRGDTXHODIDFXOGDGHHDR,QVWLWXWRGH'LUHLWR3HQDO hĂĄ da UC, Helena Freitas, deixa o lugar com o sentimento de dever cumprido (FRQyPLFRH(XURSHX)RLDLQGDPHPEURGD&RPLVVmRGHeWLFD e com a convicção de que “estĂŁo agora criadas as condiçþesâ€? para que jardim dĂŞ um salto qualitativo. Helena Freitas promete continuar a GRV+RVSLWDLVGD8QLYHUVLGDGHGH&RLPEUDGR&RQVHOKR*HUDOGD oacompanhar as actividades deste emblemĂĄtico jardim, atĂŠ porque ĂŠ a Adelino Martins coordenadora do projecto do Quadro de ReferĂŞncia EstratĂŠgica Nacional (QREN) que estĂĄ em 8QLYHUVLGDGHGH&RLPEUDHGR&RQVHOKR6XSHULRUGD0DJLVWUDWXUD SĂłcio-fundador da Orquestra de Sopros de Coimbra, Adelino Ascensor (Retrospectiva de 2013)

curso e que modificarĂĄ profundamente este jardim centenĂĄrio.

Manuel Machado –1RGHVIHFKRGDV~OWLPDVHOHLo}HV DXWiUTXLFDVDQRVDSyVWHUSHUGLGRD&kPDUDGH&RLPEUD SDUDRVRFLDOGHPRFUDWD&DUORV(QFDUQDomRRVRFLDOLVWD0DQXHO Machado reconquista a autarquia para o PS. O socialista lidera, WDPEpPGHVGH1RYHPEURD$VVRFLDomR1DFLRQDOGH0XQLFtSLRV 3RUWXJXHVHV $103 VXFHGHQGRD)HUQDQGR5XDV 36' 3DUD 0DQXHO0DFKDGRDXWDUFDVHPXQLFtSLRVVmRKRMHHPGLDGHSRVLWiULRVGDHVSHUDQoDGDVSRSXODo}HV´eSDUDHVWDUPRVjDOWXUD GHVVDHVSHUDQoDTXHQRVGHYHPRVRUJDQL]DUHWUDEDOKDU¾DÀUPRX o edil conimbricense. A

D E S C E R

JosÊ Almeida Rodrigues –$LQYHVWLJDomRDRDVVDVVLQDWRGH )LORPHQD*RQoDOYHV²H[HPSUHViULDDEDWLGDDWLURKiPHVHV HP0RQWHV&ODURV &HODV ²WHPGDGRŠiJXDSHODEDUEDªj3ROtFLD -XGLFLiULDOLGHUDGDSRU-RVp$OPHLGD5RGULJXHV$OpPGDVLQVXÀFLrQFLDGRWUDEDOKRSROLFLDODYXOWDRIDFWRGHD'LUHFomRGD3-WHU VXVSHQGLGRRSDJDPHQWRGRVDOiULRDXPDLQVSHFWRUDFRQVWLWXtGD DUJXLGDID]HQGRWiEXDUDVDGRIDFWRGHHODKDYHULQWHUURPSLGR DSUHVWDomRGHWUDEDOKRGHYLGRDRFXPSULPHQWRGHXPDPHGLGD GHFRDFomRGHFUHWDGDMXGLFLDOPHQWH Eduardo Simþes – /tGHUGD$FDGpPLFD2$)GHVGH'H]HPEURGH-RVp(GXDUGR6LP}HVIRLFRQGHQDGRHVWHDQR SHOR6XSUHPR7ULEXQDOGH-XVWLoDDPHVHVGHSULVmR SHQD VXVSHQVD SRUFRPHWLPHQWRGHFULPHVGHFRUUXSomRSDVVLYD SDUDDFWROtFLWRHDEXVRGHSRGHU2DUJXLGRLQWHUS{VUHFXUVRH SRULVVRDSXQLomRQmRWHPFDUiFWHUGHÀQLWLYR-RVp(GXDUGRIRL GLUHFWRUGHXUEDQLVPRGH&RLPEUD  DRPHVPRWHPSR TXHH[HUFLDIXQo}HVGLUHFWLYDVQD%ULRVDHHVWiVREVXVSHLWDGH IDYRUHFLPHQWRGHSURPRWRUHVLPRELOLiULRVDWURFRGHGRQDWLYRV SDUDRFOXEH$FUHVFHTXHDVXDSDUWLFLSDomRQDPDLVUHFHQWHVHVVmR GD$VVHPEOHLD*HUDOGD$FDGpPLFD2$)ÀFRXDTXpPGRTXH VHULDH[SHFWiYHOGHXPSUHVLGHQWHGDLQVWLWXLomR Paulo Portas –2VLJQLÀFDGRGDSDODYUDLUUHYRJiYHOWHP GHVGH-XOKRXPVLJQLÀFDGRG~ELR$UHVSRQVDELOLGDGHpGROtGHU GR&'6333DXOR3RUWDVTXHDRDSUHVHQWDUDVXDGHPLVVmRDRSULPHLURPLQLVWURGLVVHWUDWDUVHGHXPSHGLGR´LUUHYRJiYHO¾6XFHGH porÊm, que Portas se manteve no Governo e, inclusivamente, viu UHIRUoDGDDVXDLPSRUWkQFLDDVFHQGHQGRDYLFHSULPHLURPLQLVWUR GR([HFXWLYR(VWH´DUUXIR¾HQWUHRJRYHUQDQWHFHQWULVWDH3HGUR 3DVVRV&RHOKRFXVWRXDRSDtVFHUFDGHPLOPLOK}HVGHHXURV ao fazer disparar os juros da dívida soberana.

10 DE JANEIRO DE 2013

MĂĄrio Nunes A PrevidĂŞncia Portuguesa, liderada por MĂĄrio Nunes, estĂĄ de parabĂŠns. A instituição mutualista acaba de completar 84 anos, dando provas de grande vivacidade e dinamismo. A par do reforço de parcerias na ĂĄrea mĂŠdica a nĂ­vel nacional, a associação mutualista tem-se destacado com a criação de novos projectos, o que lhe valeu recentemente o tĂ­tulo de mutualista mais inovadora do paĂ­s, num total de 101 associaçþes mutualistas. O feito da instituição conimbricense nĂŁo fica por aqui. É que o novo impulso, em muito devido ao empenho e dedicação de MĂĄrio Nunes, reflecte-se tambĂŠm num aumento considerĂĄvel de novos sĂłcios, como jĂĄ nĂŁo se via hĂĄ mais de uma dĂŠcada. A instituição ĂŠ a Ăşnica que, a par do Montepio, abrange todo o territĂłrio nacional, oferecendo aos seus associados uma panĂłplia de regalias que abrangem todas as dimensĂľes da vida. Liberdade, Igualdade e Fraternidade sĂŁo os trĂŞs princĂ­pios base da instituição que procura ir sempre ao encontro das necessidades da comunidade. A PrevidĂŞncia Portuguesa assinalou a efemĂŠride – algo que jĂĄ nĂŁo sucedia hĂĄ alguns anos –, no sĂĄbado, com uma cerimĂłnia, que teve como pontos altos as intervençþes de Cristina Rodrigues, directora do jardim de infância, e Martins de Oliveira, secretĂĄrio da direcção, e a homenagem aos trabalhadores e colaboradores que completaram 25 anos ao serviço da associação. [Edição de 09 de Maio] MĂĄrio Nunes foi eleito para presidir Ă Assembleia Geral da Associação Portuguesa de Mutualidade – REDEMUT, recentemente criada, com sede no Porto. Coimbra, atravĂŠs de “A PrevidĂŞncia Portuguesaâ€?, a segunda mutualidade generalista do paĂ­s, a seguir ao Montepio Geral, integra o grupo fundador da Associação Portuguesa de Mutualidades. Actualização: MĂĄrio Nunes faleceu, vĂ­tima de doença, a 29 de Junho, aos 75 anos de idade. Ex-vereador da Câmara de Coimbra, natural de Espinhal (Penela), foi bancĂĄrio, licenciou-se em HistĂłria e dedicou-se Ă  divulgação e preservação do patrimĂłnio atravĂŠs do Grupo de Arqueologia e Arte do Centro (GAAC). AlĂŠm de autarca empenhado, integrou os ĂłrgĂŁos sociais de diversas colectividades, com um contributo que todos assinalam como empenhado e fundamental para o desenvolvimento local e regional.

17 DE JANEIRO E 09 DE MAIO DE 2013

FĂĄtima Ramos

Martins foi homenageado no passado sĂĄbado, no âmbito da Gala comemorativa dos 30 anos da instituição, que decorreu no Teatro AcadĂŠmico Gil Vicente. Depois de trĂŞs dĂŠcadas como maestro, arranjador e compositor da Orquestra, Adelino Martins passa a “batutaâ€? a AndrĂŠ Granjo, ficando como maestro honorĂĄrio. Adelino Martins sai a seu pedido da direcção da Orquestra de Sopros de Coimbra, encerrando, desta forma, um ciclo importante na sua vida. Natural de Feteira, Adelino Martins herdou da parte do seu pai a paixĂŁo pela mĂşsica, tendo ao longo da sua carreira sido um importante dinamizador do ensino da mĂşsica em Coimbra. O ConservatĂłrio de MĂşsica Coimbra foi outras das instituiçþes que Adelino Martins ajudou a impulsionar e a fundar.

07 DE FEVEREIRO DE 2013

Polybio Serra e Silva O mĂŠdico cardiologista vai cumprir mais um mandato como presidente da direcção da Delegação Centro da Fundação Portuguesa de Cardiologia (FPF). Na reuniĂŁo de tomada de posse dos corpos sociais, a 6 de Fevereiro, Polybio Serra e Silva revelou contentamento pela “honra em continuar a representar a FPFâ€?. Na outra face da moeda, admite, “[fica] o desânimo por verificar que nĂŁo houve mais listas concorrentesâ€? Ă delegação da instituição que luta pela prevenção das doenças cardiovasculares. “Gostaria de ver mais empenho [na prevenção das doenças responsĂĄveis por cerca de 40 000 mortes anuais em Portugal] â€?, reforça. Prosseguir com o Programa de Iniciação Ă  Actividade FĂ­sica (PIAF) destinado a homens e mulheres, entre os 16 e os 75 anos, com obesidade ou excesso de peso, ĂŠ uma das suas prioridades no decorrer do novo mandato. O segundo projecto a que se propĂľe dar continuidade ĂŠ ao estudo que pretende provar que os triglicerĂ­deos sĂŁo valores determinantes na detecção do risco de doenças cardiovasculares. Aos 84 anos, Polybio Serra e Silva mostra-se bem capaz de continuar a dar cartas na ĂĄrea da prevenção vascular e diz estar “pronto para trilhar o caminhoâ€? enquanto presidente da delegação da FPF. Tomaram ainda posse na direcção Manuel VerĂ­ssimo, Armando Gonsalves e Raul Martins (vice-presidentes); Arnaldo Paredes (tesoureiro); Maria PatrocĂ­nio Matos Dias e Pedro Carvalho (secretĂĄrios); Eduardo Castela, Marina Montezuma, Felisberta Leal e Manuel LobĂŁo (vogais). Para o conselho da delegação foram empossados Augusto Antunes (presidente); Maria Aurora Branquinho e Rui Costa (vice-presidentes); Maria do CĂŠu Cotrim e HorĂĄcio Poiares (secretĂĄrios); Luiz Santiago, AntĂłnio Carvalho, LuĂ­s Lavrador e Pedro Ferreira (vogais).

14 DE FEVEREIRO DE 2013

A presidente da Câmara de Miranda do Corvo fez, hå dias, o balanço de 11 anos de gestão autårquica. A edil, que assumiu a liderança do Município em 2001, deixa obra feita no concelho e alguns projectos que, em continuidade, contribuirão para melhorar a qualidade de vida da população e, atÊ, atrair novos residentes àquele território. Fåtima Ramos destaca como corolårio do seu exercício a transformação do parque escolar do município – com a renovação e construção de estabelecimentos de ensino –, a melhoria das acessibilidades e uma aposta concreta no sector do turismo, mediante investimentos que permitem potenciar estas åreas e fazer de Miranda do Corvo um destino atractivo e aprazível. Eleita pelo PSD, sempre com maioria no executivo camarårio, a autarca nunca desfrutou de idêntica posição do seu partido na Assembleia Municipal, facto que releva como significante pois, mesmo assim, conseguiu colocar o seu projecto em pråtica, mesmo com os constrangimentos financeiros que surgiram nos últimos anos. Apesar de satisfeita com o trabalho levado a cabo ao longo de 11 anos, a edil considera que o aspecto mais negativo dos seus mandatos se prende com a suspensão das obras de requalificação do ramal ferroviårio da Lousã, no âmbito da implementação do Sistema de Mobilidade do Mondego (Metro). Fåtima Ramos lamenta que o poder político não tenha percebido a importância deste meio de transporte, enquanto necessidade absoluta para as populaçþes mas, tambÊm, de afirmação de uma lógica de desenvolvimento regional. Actualização: Após 12 anos na liderança da Câmara Municipal de Miranda do Corvo, a social-democrata Fåtima Ramos foi impedida de se recandidatar pela lei de limitação de mandatos. O candidato do PSD, SÊrgio Seco, acabou por ser derrotado pelo socialista Miguel Baptista, que agora lidera a edilidade.

O mĂĄgico natural de AnsiĂŁo comemora em 2013 o seu 25.Âş aniversĂĄrio. Em Coimbra, LuĂ­s de Matos estĂĄ associado aos cĂŠlebres “Encontros MĂĄgicosâ€?, que ano apĂłs ano trazem Ă cidade dos estudantes diversas especialistas da arte do espectĂĄculo internacionais. O mais conhecido mĂĄgico portuguĂŞs começou o ano com a gravação da sĂŠrie “Por Arte de Magiaâ€? para o canal de televisĂŁo espanhol laSexta. Trata-se da versĂŁo espanhola da sĂŠrie inicialmente produzida para o canal 1 da BBC, no Reino Unido, em 2011, onde igualmente participou. A sua emissĂŁo estĂĄ prevista para os prĂłximos meses de Março e Abril. TambĂŠm no mĂŞs de Abril, a “Academy of Magical Artsâ€? voltarĂĄ a distinguiu os melhores mĂĄgicos do mundo, entre os quais se conta LuĂ­s de Matos. O mĂĄgico portuguĂŞs serĂĄ distinguido pela sua visĂŁo e trabalho desenvolvido na criação e concretização da “Essential Magic Conferenceâ€?, o primeiro congresso mundial de magia transmitido em directo para o mundo inteiro, a partir de Portugal, via Internet. No inĂ­cio do segundo semestre, LuĂ­s de Matos vai DQXQFLDURSURJUDPDFRPHPRUDWLYRGRVHXžDQLYHUViULRSURÂżVVLRQDOVHQGRTXHRSURMHFWRLQWLWXODGRÂł5(67$57 promete ter uma grande dose de ambição, interacção e impacto. LuĂ­s de Matos apresentou-se pela primeira vez HPS~EOLFRDRVRQ]HDQRVPDVIRLDRVTXHVHWRUQRXHYLGHQWHRSURÂżVVLRQDOLVPRFRPTXHDEUDoRXDFDUUHLUD de mĂĄgico. [24 de Outubro] O mĂĄgico portuguĂŞs foi distinguido, em Londres, pelo “The Magic Circleâ€?, o maior e mais prestigiado clube de mĂĄgico do mundo, fundado em 1905. O ilusionista, que promove todos os anos, em Coimbra, os Encontros MĂĄgicos, recebeu o “The Devant Awardâ€?, sendo o mais jovem artista de entre todos quantos, atĂŠ hoje, jĂĄ foram distinguidos com o galardĂŁo, considerado o mais relevante dos trofĂŠus atribuĂ­dos, anualmente, pelo centenĂĄrio clube britânico. Este prĂŠmio ganha um peso ainda mais simbĂłlico, porque ĂŠ recebido no ano em TXH/XtVGH0DWRVFRPSOHWDDQRVGHDFWLYLGDGHSURÂżVVLRQDOHFULDWLYD

24 DE JANEIRO DE 2013

21 DE FEVEREIRO E 24 DE OUTUBRO DE 2013

LuĂ­s de Matos

PUBLICIDADE

32501


31

QUINTA-FEIRA

DE DEZEMBRO DE 2013 CAMPEĂƒO DAS PROVĂ?NCIAS

OctĂĄvio Alexandrino

FIGURAS DO ANO Maria Filomena Gaspar

OctĂĄvio Alexandrino foi reeleito como presidente da Secção Regional do Centro da Ordem de Engenheiros. As eleiçþes para o triĂŠnio 2013/16 decorreram atĂŠ sĂĄbado passado. O engenheiro apresentou-se a um segundo mandato, liderando a Ăşnica lista candidata ao Conselho Directivo Regional do Centro. Sob o lema “Continuidade para uma Ordem em mudançaâ€?, OctĂĄvio Alexandrino era acompanhado por AntĂłnio Heleno Martins Canas (vice-presidente), AntĂłnio Ferreira Tavares (secretĂĄrio) e Maria da Graça Bontempo Vaz Rasteiro (tesoureira). A lista para a Assembleia Regional era constituĂ­da por Celestino FlĂłrido Quaresma (presidente), Maria Helena PĂŞgo TerĂŞncio e JoĂŁo Carlos Gonçalves Lanzinha (secretĂĄrios). O representante da Secção Regional do Centro da Ordem GRV(QJHQKHLURVMXVWLÂżFRXDUHFDQGLGDWXUDÂłQmRSRUTXDOTXHUDPELomRSHVVRD´PDVSRUTXHÂłDSyVWUrVDQRV WRGRVVDEHPTXHSRGHPFRQWDUFRPXPDHTXLSDFRHVDHPSHQKDGDLQĂ€XHQFLDGRUDHFRQVHTXHQWHQDVVXDV opçþes regionais e nacionaisâ€?. O actual BastonĂĄrio, Carlos Matias Ramos, tambĂŠm foi reconduzido no cargo.

Brincar dez minutos diĂĄrios com os filhos em idade prĂŠ-escolar, sem direito a fazer mais nada em simultâneo, e de forma cooperativa, contribui para reduzir os distĂşrbios de comportamento, como por exemplo hiperactividade, dĂŠfice de atenção, oposição (a criança opĂľe-se a TXDOTXHURUGHPGRDGXOWR HGHVDILRHDJUHVVLYLGDGH(VWDpXPDGDV principais conclusĂľes de um estudo da Faculdade de Psicologia e CiĂŞnFLDVGD(GXFDomRGD8QLYHUVLGDGHGH&RLPEUDTXHWHP0DULD)LORPHQD Gaspar como uma das coordenadoras. Financiado pela Fundação para a CiĂŞncia e Tecnologia (FCT) e pelo programa FEDER-COMPETE, o estudo teve como objetivo testar, em Portugal, o impacto e eficĂĄcia do programa americano “Anos IncrĂ­veisâ€? em figuras parentais de crianças dos trĂŞs aos seis anos de idade, com problemas de comportamento diagnosticados e envolveu 125 mĂŁes e pais e outros cuidadores (avĂłs), de Coimbra e do Porto, indicados por pediatras, psicĂłlogos e jardins-de-infância.

21 DE FEVEREIRO DE 2013

18 DE ABRIL DE 2013

Rui Vilar Rui Vilar, antigo ministro e ex-líder da Fundação de Calouste Gulbenkian, foi eleito, no início da semana, para presidir ao Conselho Geral (CG) da Universidade de Coimbra. Licenciado pela Faculdade de Direito de Coimbra, (PtOLR5XL9LODUIRLHVFROKLGRDRDEULJRGRV(VWDWXWRVGD8&RVTXDLVDWULEXHP DSUHVLGrQFLDGDTXHOHyUJmRDXPGRVVHXVGH]HOHPHQWRVFRRSWDGRV GH proveniência externa). O CG da Universidade de Coimbra Ê composto por 35 elementos, sendo 25 deles internos: 18 professores e investigadores, cinco estudantes e dois funcionårios (escolhidos pelos seus pares). O Conselho Ê responsåvel pela eleição do Reitor. Sob proposta deste, compete ao CG aprovar as linhas gerais de orientação da Universidade e o seu plano anual, GHVLJQDURSURYHGRUGRHVWXGDQWH¿[DURYDORUGDVSURSLQDVRXGHOLEHUDUVREUHDFULDomRWUDQVIRUPDomRIXVmR ou extinção de unidades orgânicas. Emílio Rui Vilar foi fundador e primeiro presidente da SEDES - Associação para o Desenvolvimento Económico e Social, ministro da Economia dos II e III Governos Provisórios (1974/75) e ministro dos Transportes e Comunicaçþes do I Governo Constitucional (1976/78). Foi ainda diretor-geral da Comissão das Comunidades Europeias, em Bruxelas (1986/89), comissårio-geral para a Europålia (1989/92) e presidente do Conselho de Administração da Fundação Calouste Gulbenkian, desde 2 de Maio de 2002 atÊ 2 de Maio de 2012. Desde 1996 Ê tambÊm presidente do Conselho de Auditoria do Banco de Portugal.

14 DE MARÇO DE 2013

Joana Marques Vidal Na visita ao Distrito Judicial de Coimbra, realizada no passado GLD  D 3URFXUDGRUD*HUDO GD 5HS~EOLFD 3*5  -RDQD 0DUTXHV Vidal, destacou “alguns bons exemplos de processos de corrupção TXHWLYHUDPr[LWRQmRVyQDDFXVDomRPDVWDPEpPQDFRQGHQDomRH TXHMiWUDQVLWDUDPHPMXOJDGRUHODWLYDPHQWHDWpDWLWXODUHVGHFDUJRV polĂ­ticosâ€?. A responsĂĄvel inteirou-se ainda dos projectos inovadores TXHHVWmRDVHUGHVHQYROYLGRVQRGLVWULWRHQWUHRVTXDLVVHFRQWDXP UHODWLYDPHQWHjJHVWmRGDTXDOLGDGHGDiJXDHTXHFRQJUHJDDDFWLYLGDGHGHLQWHUYHQomRGR MinistĂŠrio PĂşblico, na ĂĄrea do Direito Administrativo, em conjugação com a ĂĄrea cĂ­vel e futuramente, tambĂŠm com a ĂĄrea criminal. No encontro com os jornalistas, a Procuradora Geral GD5HS~EOLFDDGPLWLXDIDOWDGHIXQFLRQiULRVXPSUREOHPDTXHDWLQJHÂłWRGRRWHUULWyULR´HTXH serĂĄ tido em conta de acordo com as necessidades determinadas pelo novo mapa judiciĂĄrio. Ă€ margem da conferĂŞncia, o Procurador-Geral Distrital de Coimbra, Euclides Dâmaso, advertiu para o “risco de colapsoâ€? do Departamento de Investigação de Acção Penal (DIAP) devido Ă ÂłIDOWDGHIXQFLRQiULRV´XPDYH]TXHÂłKRXYHUHFHQWHPHQWHTXDWURDSRVHQWDo}HVHKiPDLVWUrV pedidos [de reforma]â€? Ă  espera da resposta da Caixa Geral de Aposentaçþes.

21 DE MARÇO DE 2013

Jaime Soares O líder cessante da Câmara Municipal de Vila Nova de Poiares foi eleito, sábado, para presidir à Mesa da Assembleia Geral do Sporting. Para dirigir o FOXEHRVVyFLRVHVFROKHUDP%UXQRGH&DUYDOKRTXHHPDQWHULRUSURFHVVR HOHLWRUDOSHUGHUDSDUD/XtV*RGLQKR/RSHV-DLPH6RDUHVTXHWULXQIRXHP eleições consecutivas para a liderança do Município poiarense, sucede a Eduardo Barroso à frente do plenário de sócios do Sporting. Membro do Conselho Nacional do PSD, Soares também preside ao Conselho Executivo da Liga dos %RPEHLURV3RUWXJXHVHV>GH2XWXEUR@$VHOHLo}HVDXWiUTXLFDVGHGRPLQJR PDUFDPXP¿PGHFLFORQDYLGDGH-DLPH6RDUHVSUHVLGHQWHFHVVDQWHGD&kPDUD0XQLFLSDOGH9LOD1RYD de Poiares. Considerado um dos decanos dos autarcas portugueses, Jaime Soares dedicou os últimos 39 anos à causa poiarense, tendo sido um acérrimo defensor das populações deste concelho e dos seus DQVHLRV'HWHUPLQDGRFRQVHJXLXFRPRQLQJXpPDXPHQWDUDTXDOLGDGHGHYLGDGRFRQFHOKRHODQoDU PmRDXQVWDQWRVVtPERORVJDVWURQyPLFRVTXHSDVVDUDPD¿JXUDUQRVURWHLURVWXUtVWLFRV-DLPH6RDUHV dirige a Câmara de Poiares desde 1974, primeiro como membro da comissão administrativa provisória e GHSRLVYHQFHQGRHOHLomRVREUHHOHLomRGHVGH&KHJRXDKRUDGDGHVSHGLGDSRUTXHRGHFDQRj semelhança dos demais, estava impedido de se recandidatar. Actualização: Em 2013, o PS conseguiu vencer as eleições autárquicas em Vila Nova de Poiares, pela primeira vez, desde 1974.

28 DE MARÇO E 03 DE OUTUBRO DE 2013

LĂ­dio Lopes A Associação HumanitĂĄria dos Bombeiros VoluntĂĄrios da Figueira da Foz aprovou, por unanimidade, em reuniĂŁo de direcção, a proposta para atribuição do CrachĂĄ de Ouro da Liga Portuguesa dos Bombeiros a LĂ­dio Lopes. O social-democrata preside desde 1997 jTXHOD FRUSRUDomR GH ERPEHLURV ILJXUDQGR Mi FRPR R SUHVLGHQWH com maior “longevidadeâ€? da histĂłria da associação. “Ao tomar posse QXPPRPHQWRSDUWLFXODUPHQWHGLItFLOTXHUGHDXWRHVWLPDTXHUGH patrimĂłnio, LĂ­dio Lopes entregou, com entusiasmo, tudo de si a uma causa e a uma casa tendo, com a sua vincada capacidade de liderança, encontrado, ao longo GHVWHVDQRVDVVROXo}HVSDUDDWUDQTXLOLGDGHQDJHVWmRGHWRGRVRVVHXVUHFXUVRVHSDUD o necessĂĄrio investimento atempado nas necessidades operacionais do corpo de bombeiros, VHMDHPIDUGDPHQWRRXHPHTXLSDPHQWRHHPYLDWXUDV´UHIHUHRGRFXPHQWR/tGLR/RSHVWHP ÂłSRVWRjSURYDTXDOLGDGHVGHFRPSHWrQFLDULJRUHHVStULWRKXPDQLVWDDVVXPLQGRXPDH[HPSODU conduta cĂ­vica, pautando o seu relacionamento por nĂ­veis elevados de cooperação, sentido de dever e alto sentido de responsabilidadeâ€?, acrescenta a proposta. Actualização: Recentemente, a 13 de Dezembro, a lista Ăşnica, liderada por LĂ­dio Lopes, candidata aos ĂłrgĂŁos sociais da Associação HumanitĂĄria dos Bombeiros VoluntĂĄrios da Figueira da Foz (AHBVFF), foi reeleita, por unanimidade.

Carlos Silva Presidente do Sindicato dos Bancårios do Centro, com sede em Coimbra, Carlos Silva foi eleito, no passado domingo, secretårio-geral da 8QLmR*HUDOGH7UDEDOKDGRUHV 8*7 QR;,,&RQJUHVVRTXHGHFRUUHXHP Lisboa. Natural de Figueiró dos Vinhos, Carlos Silva foi sufragado com perto de 89 por cento dos votos de congressistas, sucedendo no cargo a João Proença. Carlos Silva foi dirigente do Sindicato dos Bancårios do Sul e Ilhas entre 1997 e 2000 e depois integrou a direcção do Sindicato dos Bancårios do Centro, tendo assumido a presidência deste sindicato em 2007. É militante do Partido Socialista e integrou a Juventude Socialista aos 14 anos, tendo sido apoiante da candidatura do agora líder do PS, António JosÊ Seguro, à liderança da JS em 1990 e, depois, TXDQGR FRQFRUUHX SDUD VHFUHWiULRJHUDO GR SDUWLGR &DUORV 6LOYD  DQRV p OLFHQFLDGR HP 5HODo}HV,QWHUQDFLRQDLVHpTXDGURGR%DQFR(VStULWR6DQWRSDUDRQGHHQWURXHPDQR HPTXHIRLHOHLWRSUHVLGHQWHGDGLVWULWDOGH/LVERDGD-6

25 DE ABRIL DE 2013

Horácio Antunes +RUiFLR$QWXQHVYDLOLGHUDUGXUDQWHPDLVTXDWURDQRVD$VVRFLDomR de Futebol de Coimbra. A lista apresentada pelo dirigente para o TXDGULpQLR REWHYHYRWRVTXHFRUUHVSRQGHPDSRUFHQWRGRXQLYHUVR total de votos. A eleição decorreu na sexta-feira, tendo contado com a SDUWLFLSDomRGHFOXEHVGDTXHOHPRYLPHQWRDVVRFLDWLYR+RUiFLR$QWXQHV foi presidente da Câmara Municipal da Lousã (1982-1999), governador civil de Coimbra (1999-2002) e deputado do PS na Assembleia da República durante a X legislatura (2005-03-10 a 2009). O dirigente foi ainda presidente do Conselho de Arbitragem da Associação de Futebol de Coimbra.

01 DE MAIO DE 2013

Cleonice Berardinelli A Universidade de Coimbra atribui, no prĂłximo sĂĄbado, pelas 11h00, o doutoramente honoris causa a Cleonice Berardinelli, considerada a maior especialista em literatura portuguesa no Brasil. Professora emĂŠrita da Universidade Federal do Rio de Janeiro e da PontifĂ­cia Universidade CatĂłlica do Rio de Janeiro, Cleonice Berardinelli ĂŠ especialista em CamĂľes e Fernando Pessoa. Licenciada em Letras Neolatinas pela Faculdade de Filosofia, CiĂŞncias e Letras da Universidade de SĂŁo Paulo (1938) e doutorada em Letras ClĂĄssicas e VernĂĄculas pela Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil (1959), a especialista recebeu ao longo da sua carreira LQ~PHURVSUpPLRVGLVWLQo}HVHKRPHQDJHQVHQWUHDVTXDLVVHFRQWDD&RPHQGDGD2UGHPGR ,QIDQWH'+HQULTXHFRQFHGLGDSHOR*RYHUQRSRUWXJXrVHPRJUDXGH$FDGpPLFR&RUUHVSRQGHQWHGD$FDGHPLDGDV&LrQFLDVGH/LVERDD&RPHQGDGD2UGHPGH6DQWLDJRGD(VSDGD FRQFHGLGDSHOR*RYHUQRSRUWXJXrVHP3UpPLR*ROILQKRGH2XURFDWHJRULD(GXFDomR FRQFHGLGRSHOR*RYHUQRGR(VWDGRGR5LRGH-DQHLURHP*Um&UX]GD2UGHPGH6DQWLDJR GD(VSDGDFRQFHGLGDSHOR*RYHUQRSRUWXJXrVHPPHGDOKDGD2UGHPGR'HVDVVRVVHJR concedida pela Casa de Fernando Pessoa em 2010.

16 DE MAIO DE 2013

Carlos Fonseca O investigador do Departamento de Biologia da Universidade de $YHLURTXHWHPGHGLFDGRJUDQGHSDUWHGRVHXWUDEDOKRjPRQLWRUL]DomR da população de veados da Serra da LousĂŁ, Carlos Fonseca foi distinJXLGRFRP3UpPLRÂł,QYHVWLJDomRHP&DoD´(VWDIRLDSULPHLUDYH]TXHD Federação Portuguesa de Caça entregou o galardĂŁo a um investigador SRUWXJXrV 2 SUpPLR TXH GLVWLQJXLX WDPEpP D VXD HVSHFLDOLVWD IRL entregue no passado dia 12, em SantarĂŠm, durante o XXI Encontro VenatĂłrio da 25.ÂŞ Feira Internacional da Caça e das Armas. Na ocasiĂŁo, RSUHVLGHQWHGD)(1&$d$-DFLQWR$PDURGHVWDFRXTXHHVWDpXPDGLVWLQomRGRVÂłFDoDGRUHV portugueses pela grande relevância dos seus trabalhos de investigação em espĂŠcies de caça, de caça menor mas, especialmente, de caça maior (javali, veado, corço, gamo e muflĂŁo), nas ĂĄreas da ecologia, monitorização, gestĂŁo, genĂŠtica e sanidade, por todo o paĂ­sâ€?. [26 de Setembro] Docente e investigador no Departamento de Biologia/CESAM da Universidade de Aveiro, Carlos Fonseca foi galardoado, em Badajoz, com o “PrĂŠmio IbĂŠrico FECIEX 2013â€?. O prĂŠmio, DQXDOGLVWLQJXHSHUVRQDOLGDGHVLQVWLWXLo}HVRXRUJDQL]Do}HVTXHVHWHQKDPGHVWDFDGRSHOR trabalho desenvolvido em prol da potenciação dos valores ibĂŠricos da caça, da pesca e da FRQVHUYDomRGDQDWXUH]DHTXHWHQKDIRPHQWDGRRHQFRQWURHQWUH(VSDQKDH3RUWXJDOQHVWDV ĂĄreas. Carlos Fonseca coordena a Unidade de Vida Selvagem do Departamento de Biologia da 8QLYHUVLGDGHGH$YHLURTXHGHVHQYROYHLQYHVWLJDomRHPRQLWRUL]DDIDXQDVHOYDJHPQD6HUUD da LousĂŁ, entre outras localizaçþes. O biĂłlogo jĂĄ tinha sido galardoado em Maio passado com o prĂŠmio “Investigação em Caçaâ€?.

23 DE MAIO E 26 DE SETEMBRO DE 2013

Manuela Grazina

Aluno da Universidade de Coimbra, JoĂŁo Rito, venceu o desafio SURPRYLGRSHOD6RFLHGDGH0XQGLDOGH$TXDFXOWXUDHPSDUFHULDFRP a norte-americana NOVUS, uma das maiores empresas mundiais de SURGXomR H LQYHVWLJDomR HP DTXDFXOWXUD (8$  H YDL HVWDJLDU QXP centro de investigação no Vietname. O desafio lançado a alunos de mestrado e doutoramento de todo o mundo passava por criar um projeto FLHQWtILFRTXHYLVDVVHVLPXOWDQHDPHQWHDUHGXomRGHFXVWRVHDXPHQWR GHSURGXomRPLWLJDQGRRLPSDFWRDPELHQWDOHPDTXDFXOWXUDGHPRGR D TXH HVWD VH WRUQH PDLV VXVWHQWiYHO -RmR 5LWR DOXQR GH GRXWRUDPHQWR HP %LRFLrQFLDV QD UC, concorreu com o projecto intitulado “Glycerol as a novel feedstock supplement for sparing RIGLHWDU\SURWHLQFDWDEROLVPDQGWKXVUHGXFLQJIHHGFRVW´TXHÂłYLVDWHVWDUDLQFOXVmRGHXP subproduto da produção de biodiesel, o glicerol, nas dietas para peixesâ€?.

Investigadores, liderados por Manuela Grazina, coordenadora GR /DERUDWyULR GH %LRTXtPLFD *HQpWLFD GR &HQWUR GH 1HXURFLrQFLDV H Biologia Celular (CNC) e docente da Faculdade de Medicina da Universidade Coimbra (FMUC), identificam, pela primeira vez, os perfis de metabolização da população portuguesa com implicaçþes nas doenças QHXURSVLTXLiWULFDVLQFOXLQGRDVWR[LFRGHSHQGrQFLDV$HTXLSDLGHQWLILFRX DVDOWHUDo}HVGRJHQH&<3'TXHFRGLILFDXPDGDVSULQFLSDLVHQ]LPDV HQYROYLGDV QR PHWDEROLVPR GRV IiUPDFRV XWLOL]DGRV SDUD WUDWDU GRHQoDV QHXURSVLTXLiWULFDV como por exemplo a depressĂŁo e as toxicodependĂŞncias. O estudo estĂĄ em fase de publicação QDWHYLVWDÂł3HUVRQDOL]HG0HGLFLQH´6HJXQGRRVLQYHVWLJDGRUHVGD8&HGH%DGDMR]KiTXDWUR principais perfis de metabolização â&#x20AC;&#x201C; ultrarrĂĄpidos, muitos lentos, extensivos e intermĂŠdios â&#x20AC;&#x201C; VHQGR RV GRLV SULPHLURV VmR DOWDPHQWH SUREOHPiWLFRV XPD YH] TXH ÂłD HILFiFLD GR IiUPDFR administrado depende da forma como o organismo o processaâ&#x20AC;?. â&#x20AC;&#x153;Se a reacção ĂŠ muito lenta, o medicamento acumula-se no organismo e pode gerar efeitos indesejĂĄveis. Se a reação ĂŠ muito rĂĄpida, o fĂĄrmaco ĂŠ degradado, influenciando igualmente a resposta terapĂŞutica. Ou seja, as caracterĂ­sticas genĂŠticas de cada individuo decidem a eficĂĄcia dos fĂĄrmacos consumidos e o aparecimento de efeitos tĂłxicosâ&#x20AC;?, refere a coordenadora do estudo. Estes resultados, acrescenta Manuela Grazina, â&#x20AC;&#x153;alĂŠm de muito importantes para melhorar a segurança dos medicamentos, VmR XPD IHUUDPHQWD HVVHQFLDO SDUD D SUiWLFD FOtQLFD SRUTXH SHUPLWH DR PpGLFR SUHVFUHYHU D PHGLFDomRHDGRVHPDLVDGHTXDGDVTXHSRGHPHYLWDURVXUJLPHQWRHIHLWRVSDWROyJLFRV0DLV de um milhĂŁo de portugueses poderia beneficiar deste conhecimentoâ&#x20AC;?.

11 DE ABRIL DE 2013

30 DE MAIO DE 2013

04 DE ABRIL DE 2013

JoĂŁo Rito

5

www.campeaoprovincias.pt

Rui Antunes Professor adjunto da Escola Superior de Educação de Coimbra, Rui Antunes foi reeleito, na passada sexta-feira, presidente do Instituto Politécnico de Coimbra (IPC). Rui Antunes, natural de Lubango (Angola), 53 anos de idade, é licenciado em Psicologia, mestre em Psicologia Pedagógica e doutorado em Psicologia Social pela Universidade de Coimbra e irá continuar DGLULJLUDLQVWLWXLomRSRUPDLVTXDWURDQRV³'HVHQYROYLPHQWRGDLQYHVWLJDomR aplicada e a promoção de projectos de transferência de conhecimento e WHFQRORJLDFULDomRGHUHGHVHGHSDUFHULDVFRPLQVWLWXLo}HVGDFRPXQLGDGH QRPHDGDPHQWHHPSUHVDVHRXWUDVLQVWLWXLo}HVGHHQVLQRVXSHULRUUHFUXWDPHQWRGHHVWXGDQWHVLQWHUQDFLRnais e a captação de novos públicos, e sustentabilidade e modernização da gestão e da governação do ,3&´VmRDVTXDWURSULRULGDGHVHVWDEHOHFLGDVQDVEDVHVSURJUDPiWLFDVGDFDQGLGDWXUDGH5XL$QWXQHVD 3UHVLGHQWHGR,3&SDUDRWULpQLRHPWRUQRGDVTXDLVFRQVLGHUDTXHHVWDLQVWLWXLomRGHHQVLQR VXSHULRUGHYHGH¿QLUDVVXDVRSo}HVHVWUDWpJLFDV5XL$QWXQHVIRLR~QLFRFDQGLGDWRjSUHVLGrQFLDGR IPC, tendo obtido no acto eleitoral 26 votos a favor. O escrutínio registou ainda dois votos brancos. Além de ter exercido o cargo de presidente do IPC de 2009 a 2013, Rui Antunes, em termos institucionais foi já YLFHSUHVLGHQWHHPHPEURGD$VVHPEOHLD(VWDWXWiULDGR&RQVHOKRGH*HVWmRHGR&RQVHOKR*HUDOGR,3& presidente da Assembleia de Aprovação dos Estatutos, presidente do Conselho Directivo e membro da Assembleia de Representantes e da Assembleia Estatutária da Escola Superior de Educação de Coimbra, e ainda membro do Conselho Directivo da ARIPESE (Associação das Escolas Superiores de Educação).

06 DE JUNHO DE 2013

Mary Fisher Mary Fisher profere, no prĂłximo dia 19, pelas 19h30, no Centro de Congressos dos HUC-CHUC, uma conferĂŞncia sobre o VIH/Sida. Utilizando-se como um exemplo vivo, uma mulher branca, de 65 anos, proveniente de uma famĂ­lia rica e mĂŁe de dois ÂżOKRV0DU\)LVKHUGiDFDUDSHOR9,+VHQVLELOL]DQGRDRSLQLmRS~EOLFDSDUDHVWD doença crĂłnica. ApĂłs a conferĂŞncia, Mary visita as instalaçþes da CĂĄritas Diocesana de Coimbra (CAT Farol). Autora, artista e activista, Mary passou os Ăşltimos 20 anos FRPSDUWLOKDQGRDVPHQVDJHQVFKDYHR9,+VLGDQmRGLVFULPLQDHTXDOTXHUSHVVRDSRGHFRQWUDLUDGRHQoDRV afectados sĂŁo humanos e merecem compaixĂŁo. A palestrante tem viajado o mundo como ex-embaixadora do Programa Conjunto da ONU para o VIH/Sida e irĂĄ partilhar a histĂłria da sua vida e da sua jornada, em Portugal, entre os dias 15 e 20 de junho. Mary jĂĄ levou as suas mensagens de coragem e compaixĂŁo a centenas de milhĂľes de pessoas, tendo começado a sua intervenção, em 1992, na Convenção Nacional Republicana â&#x20AC;&#x201C; um GLVFXUVRVREUHRTXDO1RUPDQ0DLOHUHVFUHYHXÂłTXDQGR0DU\)LVKHUIDORXFRPRXPDQMRQDTXHODQRLWHRSLVR HVWDYDHPOiJULPDVHSRVVLYHOPHQWHDQDomRWDPEpP´0DLVGHXPDGpFDGDGHSRLVTXDQGRRVDQDOLVWDV SROtWLFRVDPHULFDQRVIRUDPFRQYLGDGRVDFODVVLÂżFDURVGLVFXUVRVPDLVLPSRUWDQWHVGD$PpULFDGRVpFXOR XX, a intervenção de Mary Fisher, em Houston, foi consensualmente seleccionado.

13 DE JUNHO DE 2013

MĂłnica Zuzarte e Elisa Figueiredo A QualityPlant - Investigação e Produção em Biotecnologia Vegetal ĂŠ a mais recente empresa â&#x20AC;&#x153;spin-offâ&#x20AC;? da Universidade de Coimbra, incubada no Instituto Pedro 1XQHVHTXHYLVDDXPHQWDUDSURGXomRHPHOKRUDUD TXDOLGDGHGRYLQKRHGRD]HLWHQDFLRQDLVDVVLPFRPR preservar as castas em vias de extinção e variedades nacionais relevantes (Galega). As fundadoras da empresa sĂŁo MĂłnica Zuzarte, biĂłloga, com mestrado em Biotecnologia Vegetal e pĂłs-graduação em medicamentos e produtos de VD~GHjEDVHGHSODQWDVH(OLVD)LJXHLUHGROLFHQFLDGDHPELRWHFQRORJLDHTXHMiHVWiDID]HURGRXWRUDPHQWR Apostando em mĂŠtodos de cultura in vitro (tĂŠcnicas de clonagem) para preservação e propagação de plantas, DWHFQRORJLDGD4XDOLW\3ODQWSHUPLWHQmRVyJDUDQWLUDSURGXomRGHSODQWDVGHHOHYDGDTXDOLGDGHÂżWRVVDQLWiULD mas, essencialmente, assegurar a redução dos custos de produção para os viveiristas/agricultores, associados Ă eliminação de pragas ou doenças, e melhorar a sua produtividade. Outra grande aposta ĂŠ a criação de um banco de germoplasma (conservação do patrimĂłnio genĂŠtico das plantas), um â&#x20AC;&#x153;seguro de vidaâ&#x20AC;? das plantas onde os produtores podem â&#x20AC;&#x153;guardarâ&#x20AC;? o germoplasma das suas variedades mais promissoras, garantindo a sua preservação e futura utilização, por exemplo em casos de perdas naturais (cheias, secas, pragas).

20 DE JUNHO DE 2013

Manuel Gameiro da Silva O docente e investigador da Universidade de Coimbra (UC) Manuel Gameiro da Silva foi eleito membro do Direction Board da Rehva (www.rehva.eu), GXUDQWHD$VVHPEOHLD*HUDOGHVWDLQVWLWXLomRTXHGHFRUUHXUHP3UDJD 5HS~EOLFD Checa). Fundada em 1963, a Rehva, Federação Europeia das Associaçþes de $9$& $TXHFLPHQWR9HQWLODomRH$U&RQGLFLRQDGR UHSUHVHQWDXPDUHGHGHPDLV de 100 000 engenheiros, de 26 países europeus. O Conselho Directivo da Rehva pFRPSRVWRSHORSUHVLGHQWHTXDWURYLFHSUHVLGHQWHVHRVHFUHWiULRJHUDOFRP0Dnuel Gameiro da Silva a ter uma vice-presidência com o pelouro da coordenação do High Education Committee, sendo tambÊm membro do External Relations Committe, onde tem a missão de desenvolver as relaçþes com a AmÊrica Latina. O docente da UC faz, tambÊm, parte da estrutura de FRRUGHQDomRGD,QLFLDWLYDGD8&(QHUJLDSDUDD6XVWHQWDELOLGDGH (I6 XPSURMHFWRHVWUDWpJLFRTXH SUHWHQGHD¿UPDUDLQWHUYHQomRGD8QLYHUVLGDGHGH&RLPEUDQDHFRQRPLDQDFLRQDOHLQWHUQDFLRQDOHTXH reúne docentes e investigadores de diferentes faculdades, departamentos e centros de investigação da UC.

27 DE JUNHO DE 2013

Ricardo Pocinho Ricardo Pocinho sucedeu a Carlos Silva na liderança da UGT/Coimbra. â&#x20AC;&#x153;Trabalho com direitos - dignidade socialâ&#x20AC;? foi o lema do congresso extraordinĂĄrio GD8*7&RLPEUDUHDOL]DGRQRViEDGRSDVVDGRTXHIRUPDOL]RXDSDVVDJHP de testemunho da presidĂŞncia da estrutura conimbricense da UniĂŁo Geral de Trabalhadores. O conclave reuniu-se no auditĂłrio do Instituto Superior de Contabilidade e Administração (ISCA) de Coimbra e elegeu por unanimidade o novo lĂ­der. Investigador do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Vocacional e Social da Universidade de Coimbra (IPCDVS/UC), Ricardo Pocinho era o secretĂĄrio executivo do Secretariado cessante da UGT/Coimbra. Ricardo Pocinho vai continuar e UHIRUoDURWUDEDOKRGHVHQYROYLGRSRU&DUORV6LOYDVHQGRTXHXPDGDVSULRULGDGHVpGDUj8*7ÂłXPSDSHOPDLV DFWLYR´QDVRFLHGDGH(QWUHRVSURMHFWRVTXH3RFLQKRFRQWDGHVHQYROYHUQRVSUy[LPRVTXDWURDQRVFRQWDVH 2SHUDomR'HVHPSUHJDGRVTXHYLVDDSRLDUTXHPQmRWHPHPSUHJR2QRYRSUHVLGHQWHGD8*7&RLPEUDTXHU YHUDHVWUXWXUDTXHOLGHUDQRVyUJmRVFRQVXOWLYRVGD8QLYHUVLGDGHHGR3ROLWpFQLFRGH&RLPEUDHVHUDXVFXOWDGR HPWHPiWLFDVFRPRDXPHQWRGHSURSLQDVHGLUHLWRVGRVWUDEDOKDGRUHVHVWXGDQWHV'HUHIHULUTXH&DUORV6LOYD DVFHQGHXUHFHQWHPHQWHjOLGHUDQoDQDFLRQDOGDTXHODFHQWUDOVLQGLFDO

04 DE JULHO DE 2013

Martins de Oliveira O secretĂĄrio da direcção de A PrevidĂŞncia Portuguesa, Martins de Oliveira, ascendeu Ă liderança da instituição mutualista de Coimbra. A Assembleia Geral TXHFRQÂżUPRXRVXFHVVRUGH0iULR1XQHVH[YHUHDGRUGD&kPDUDGH&RLPEUD falecido no passado dia 29 de Junho, aos 75 anos de idade, realizou-se na Ăşltima segunda-feira. Segundo Martins de Oliveira, a direcção vai dar continuidade ao trabalho desenvolvido por MĂĄrio Nunes e apostar na projecção da instituição a nĂ­vel nacional. â&#x20AC;&#x153;Vamos alargar as parcerias e a base de associados em todo o SDtVVHQGRTXHDFWXDOPHQWHHVWmRFRQFHQWUDGRVHP&RLPEUD6DQWD0DULDGD Feira e Gondomarâ&#x20AC;?, adiantou o dirigente, sublinhando a vocação nacional de A 3UHYLGrQFLDÂłeOyJLFRTXHQXPDSULPHLUDIDVHDLQFLGrQFLDVHFHQWUDVVHQRGLVWULWRGH&RLPEUDDJRUDYDPRV alargar a rede de protocolosâ&#x20AC;?, assegurou. A preservação e o registo do patrimĂłnio (A PrevidĂŞncia tem mais de XPDFHQWHQDGHLQTXLOLQRV VmRRXWUDVGDSULRULGDGHVGDDFWXDOGLUHFomR0DUWLQVGH2OLYHLUDDQWLJRUHVSRQViYHO SHOD'LYLVmR3DWULPyQLRH$SURYLVLRQDPHQWRGD&kPDUD0XQLFLSDOGH&RLPEUDDÂżUPDVHHPSHQKDGRQDFDXVD mutualista e crente no seu progresso. Tem 58 anos e ĂŠ empresĂĄrio hĂĄ longa data.

11 DE JULHO DE 2013


31

FIGURAS DO ANO

6

QUINTA-FEIRA

www.campeaoprovincias.pt

Sara Gil A bailarina Sara Gil, do Centro Norton de Matos, conquistou duas medalhas de ouro e dois prĂŠmios de melhor solista no Dance World Cup de 2013, que se realizou recentemente em Brighton, Inglaterra. A bailarina alcançou dois primeiros lugares a solo, em ballet clĂĄssico (com â&#x20AC;&#x153;Auroraâ&#x20AC;?, obtendo uma pontuação de 93,67) e em dança moderna e contemporânea (com 95,17 pontos com â&#x20AC;&#x153;Quimeraâ&#x20AC;?). JĂĄ num dueto com Rita Rouxinol, Sara Gil obteve o terceiro lugar, em dança contemporânea, com â&#x20AC;&#x153;EquilĂ­brioâ&#x20AC;? (90,17 pontos). Estes prĂŠmios comprovam o excelente nĂ­vel tĂŠcnico e artĂ­stico alcançado pela Academia de Dança do CNM. De referir que a participação da Academia de Dança do CNM no Dance World Cup de 2012, realizado na Ă ustria, tinha jĂĄ trazido para Portugal o tĂ­tulo mundial de melhor bailarino na categoria jĂşnior, com uma performance de ballet clĂĄssico e ainda, QDJDODÂżQDORVSUpPLRVEHVWFODVVLFDOVROREHVWPDOHGDQFHUDZDUGHEHVWRXWVWDGLQJSHUIRUPDQFHRYHU $FRPLWLYDGR&10FXMRHQVLQRpFHUWLÂżFDGRSHOD5R\DO$FDGHP\RI'DQFHDWUDYpVGDSURIHVVRUD Teresa Gouveia, foi composta por 58 bailarinas, tendo participado num total de 14 provas (seis em grupo, dois duetos e seis solos). Para alĂŠm das medalhas, a Academia alcançou dois 4.Âş lugares (entre 12 e 27 participantes), um 5.Âş (entre 19), um 6.Âş (entre 16) e dois 9.Âş (entre 20 e entre 22 participantes), dois 11.Âş (em 30 concorrentes), dois 13.Âş (de entre 22 e de entre 28 participantes) e um 14.Âş lugar (em 22). A Academia realizou, na sexta-feira, no Teatro AcadĂŠmico de Gil Vicente, o espetĂĄculo de encerramento do ano lectivo.

Paulo Niemeyer

JosÊ de Faria Costa, ex-director da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, foi empossado, ontem, como titular da Provedoria de Justiça. O catedråtico, especialista em Direito Penal, sucede a Alfredo JosÊ de Sousa. Faria Costa alcançou 72 por cento dos sufrågios de 207 deputados à Assembleia da República intervenientes na votação (150 a favor, 16 contra, 18 abstençþes, 21 boletins em branco e dois nulos). A eleição implicava a obtenção de maioria de dois terços (perto de 67 por cento). Anteriormente, tinha sido eleito, igualmente pelo Parlamento, para fazer parte do Conselho Superior de Magistratura. Apoiante da candidatura presidencial de Manuel Alegre, Faria Costa presidiu ao Conselho de Fiscalização dos Serviços de Informação da República (SIRP), cargo de que se demitiu, e fez parte de comissþes de reforma do Código Penal. A Assembleia da República elegeu ainda o antigo ministro do PSD David Justino para presidente do Conselho Nacional de Educação. David Justino, assessor da Presidência da República que participou como observador nas recentes negociaçþes entre a maioria e o PS para um compromisso de salvação nacional, foi eleito com 145 votos a favor, 14 votos contra, 13 abstençþes, 24 votos em branco e um voto nulo. Os 207 deputados votantes elegeram ainda João Tiago dos Santos Machado, indicado pelo CDS-PP, para membro do Conselho Nacional de Educação, com 154 votos a favor, 47 contra e seis nulos. Foram ainda eleitos os representantes dos grupos parlamentares neste Conselho: Nilza Sena (PSD), Bravo Nico (PS), Manuel Homem Cristo (CDS), Francisco Nunes dos Santos (PCP), Alda Macedo (BE) e Antero Resende (PEV), como membros efectivos, e Maria Castelo Branco (PSD), Acåcio Pinto (PS), Maria Noronha e Castro (CDS), Maria Freire (PCP), Tiago Ivo Cruz (BE) e Maria Arrojado (PEV), como suplentes.

01 DE AGOSTO DE 2013

Ricardo Castanheira O advogado conimbricense Ricardo Castanheira abraçou, na semana passada, XPQRYRGHVDÂżRSURÂżVVLRQDODRDVVXPLUROXJDUGHGLUHFWRUJHUDOQR%UDVLOGD0RWLRQ Picture Association â&#x20AC;&#x201C; AmĂŠrica Latina, entidade que representa os seis maiores estĂşdios de cinema do mundo: a Walt Disney Studios, Paramount Pictures, Sony Pictures, 20th Century Fox, Universal Pictures e Warner Bros. O jovem socialista esteve os Ăşltimos sete anos na Microsoft, em Portugal e no Brasil. Na sua pĂĄgina no Facebook, o jurista faz um reconhecimento pĂşblico Ă empresa fundada por Bill Gates, na qual, admite, aprendeu bastante. â&#x20AC;&#x153;Devo-lhe das maiores alegrias SURÂżVVLRQDLVTXHMiWLYHRFRQWDFWRFRPPHQWHVEULOKDQWHVRVLJQLÂżFDGRSURIXQGRGDVSDODYUDVFRPSURPLVVR e â&#x20AC;&#x153;accountabilityâ&#x20AC;?, assim como o entendimento do que ĂŠ inovação. Devo-lhe, acima de tudo, ser um cidadĂŁo melhor e globalizado. A Microsoft ĂŠ uma escola ĂŠtica de negĂłcios e uma universidade de cidadania. A responsabilidade social nĂŁo ĂŠ uma palavra vĂŁ, assim como nĂŁo ĂŠ o engajamento com o desenvolvimento econĂłmico de cada paĂ­s onde estĂĄ presente. Tudo isto faz parte do verdadeiro ADN da Microsoft e de cada um dos seus colaboradoresâ&#x20AC;?. Embora transite para um sector completamente diferente, Ricardo Castanheira considera que os ensinamentos da Microsoft serĂŁo uma â&#x20AC;&#x153;enorme valiaâ&#x20AC;?.

22 DE AGOSTO DE 2013

Carlos Marta Carlos Marta, presidente da Câmara de Tondela durante três mandatos consecutivos, tomou, ontem, posse como o novo presidente da Fundação do Desporto. Carlos Marta termina assim um ciclo de 12 anos como autarca do PSD para se dedicar ao fomento do desporto, sobretudo de alta competição. A instituição, com quase duas dÊcadas, dedica-se a apoiar eventos e praticantes de vårias modalidades desportivas, assim como à organização de VHPLQiULRVHFRQIHUrQFLDV2PDLRUGHVD¿RYDLVHUQRWRXDQJDULDUDSRLRV¿QDQFHLURVMXQWR do tecido empresarial português para as unidades locais que constituem a rede de Centros de Alto Rendimento no país. Carlos Marta Ê licenciado em Educação Física pelo Instituto de Superior de Educação Física (ISEF), tendo dado aulas na preparatória e depois na secundåria de Tondela. Em 1988, iniciou as funçþes de delegado da Direção-Geral dos Desportos de Viseu, altura em que foi tambÊm director do Centro Desportivo de Lamego. Presidiu ao Conselho Superior do Desporto entre 2002 e 2003, à Associação de Futebol de Viseu e liderou a Comissão Parlamentar de Fiscalização do Euro 2004. Recentemente presidiu ainda ao Clube Desportivo de 7RQGHODHj&DVDGR%HQ¿FDGH7RQGHODHIRLFDQGLGDWRjSUHVLGrQFLDGD)HGHUDomR3RUWXJXHVDGH)XWHERO

29 DE AGOSTO DE 2013

Guilherme Sousa Guilherme Sousa, de Coimbra, foi o melhor solista em oboĂŠ na 27ÂŞ edição do PrĂŠmio Jovens MĂşsicos (PJM), que decorreu no Ăşltimo sĂĄbado. O PrĂŠmio Jovens MĂşsicos ĂŠ uma competição promovida anualmente pela RTP, atravĂŠs da Antena 2, para descobrir novos WDOHQWRVQDFLRQDLV RXUHVLGHQWHVHP3RUWXJDO QDiUHDGDP~VLFDHUXGLWD2MRYHPpÂżOKR do jornalista Manuel de Sousa e da educadora de infância Dulce Costa. A vitĂłria torna Guilherme Sousa, de 23 anos, candidato ao tĂ­tulo de â&#x20AC;&#x153;Jovem MĂşsico do Anoâ&#x20AC;?, a eleger entre os solistas vencedores nas diferentes modalidades a concurso. O prĂŠmio ĂŠ composto por um valor pecuniĂĄrio, de 2 000 euros, uma gravação para a Antena 2 e um recital inserido na temporada de concertos daquela estação radiofĂłnica, um concerto na Casa da MĂşsica, no Porto, em 2014, e a participação no concerto Grande Final 3-0FRPD2UTXHVWUD*XOEHQNLDQDWUDYpVGDH[HFXomRGHXPDQGDPHQWRGDREUDDSUHVHQWDGDQDÂżQDO JĂĄ a Fundação Gulbenkian vai atribuir ao jovem mĂşsico um prĂŠmio para formação, no valor de 1 500 euros. â&#x20AC;&#x153;Esta ĂŠ uma vitĂłria importante, porque o prĂŠmio dĂĄ muitas oportunidades de concerto e recitais em pontos LPSRUWDQWHVGRSDtVHDSRLDÂżQDQFHLUDPHQWHRVHVWXGRVQRHVWUDQJHLUR-XOJRTXHYDLDMXGDUGHDOJXPPRGR a minha carreira. NĂŁo a vai fazer por inteiro. Tenho de estar sempre atento e a desenvolver. Mas actuar com a Orquestra Gulbenkian ĂŠ algo que nĂŁo estava Ă espera tĂŁo cedoâ&#x20AC;?, referiu Guilherme Sousa. O concurso deste DQRFRQFUHWL]RXVHQDVPRGDOLGDGHVGHRERpWURPERQHFRQWUDEDL[RĂ&#x20AC;DXWDYLRORQFHORP~VLFDGHFkPDUDHMD]] combo. O prĂŠmio PJM deste ano culmina com a realização do 3.Âş Festival de Jovens MĂşsicos, nos dias 26 e 28 de Setembro, no Centro Cultural de BelĂŠm, evento em que participarĂŁo os vencedores nas diferentes categorias.

05 DE SETEMBRO DE 2013

Cristina Pereira Uma equipa de investigadores das universidades de Coimbra e do Funchal desenvolveu um modelo que permite caracterizar e aprofundar o conhecimento sobre o processo de envelhecimento do Vinho Madeira, com o objectivo de salvaguardar as caracterĂ­sticas que o tornam Ăşnico e garantir a mĂĄxima qualidade em cada colheita, revelou, a UC. Os criadores do apetrecho propĂľem algo capaz de permitir saber, por exemplo, quais os compostos mais importantes para explicar o comportamento dinâmico do envelhecimento do produto, explica a investigadora Cristina Pereira. O desenvolvimento do â&#x20AC;&#x153;enĂłlogo digitalâ&#x20AC;? ocorreu em parceria com a empresa Madeira Wine Company. Com o conhecimento detalhado das caracterĂ­sticas, ĂŠ, atĂŠ, possĂ­vel detectar eventuais prĂĄticas abusivas de comercialização, protegendo a identidade Ăşnica deste produto de excelĂŞncia, assinala a investigadora. ConcluĂ­dos os estudos de caracterização dos compostos do Vinho da Madeira e o desenvolvimento de modelos explicativos e preditivos, os investigadores vĂŁo agora focar-se na possibilidade de desenvolver mĂŠtodos correctivos a eventuais desvios detectados.

12 DE SETEMBRO DE 2013

Ă lvaro Amaro

Bisneto do carismĂĄtico Oscar Niemeyer (que projectou a cidade de BrasĂ­lia e colaborou no projecto de arquitetura da sede das Naçþes Unidas, em Nova Iorque), Paulo Niemeyer profere, este sĂĄbado, pelas 16h00, no Museu da CiĂŞncia, em Coimbra, uma palestra sobre inovação na arquitectura das cidades. O arquitecto vai ainda presidir Ă entrega dos PrĂŠmios â&#x20AC;&#x153;StartUp Quiosqueâ&#x20AC;?, um concurso de ideias promovido pela DivisĂŁo de Inovação e TransferĂŞncia do Saber (DITS) e pelo Departamento de Arquitetura da Universidade de Coimbra, em parceria com a Câmara local. Este concurso tem por objetivo de â&#x20AC;&#x153;revitalizar os espaços pĂşblicos da cidade, em localizaçþes privilegiadas, apoiando a criação de empresas relacionadas com as IndĂşstrias Criativas e/ou criar quiosques urbanos, facilmente amovĂ­veis, a serem disponibilizados a promotores de projetos empreendedores, fomentando a divulgação dos seus produtos/serviçosâ&#x20AC;?. Paulo Niemeyer vai estar em Coimbra, amanhĂŁ e no sĂĄbado, no âmbito do Inov C, programa estratĂŠgico na ĂĄrea da inovação na regiĂŁo Centro. No primeiro dia, o arquitecto EUDVLOHLURYLVLWDDiUHDXUEDQDGH&RLPEUDUHFHQWHPHQWHFODVVLÂżFDGDFRPR3DWULPyQLR0XQGLDOSHOD81(6&2 Paulo Niemeyer ĂŠ autor do projecto da nova cidade de Duque de Caxias, no Rio de Janeiro, que visa transformar aquele municĂ­pio num modelo de sustentabilidade, apostando na despoluição dos rios da regiĂŁo e na construção de uma cidade do conhecimento, com museus e hotĂŠis â&#x20AC;&#x153;verdesâ&#x20AC;?. O brasileiro ĂŠ herdeiro do escritĂłrio de arquitectura de maior prestĂ­gio no Brasil.

O novo presidente da Câmara Municipal da Guarda, Ă lvaro Amaro, foi eleito, sĂĄbado, em Cantanhede, para liderar a ComissĂŁo PolĂ­tica Nacional dos Autarcas Social Democratas (ASD), no decorrer do 6.Âş Congresso desta estrutura e que teve a presença do presidente do PSD e primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho. Ă lvaro Amaro ainda preside, atĂŠ o inĂ­cio de Dezembro, ao Conselho Regional do Centro, ĂłrgĂŁo da ComissĂŁo de Coordenação, no âmbito do mandato anterior como presidente da Câmara Municipal de Gouveia, que culminou 12 anos Ă frente daquela autarquia. Apesar de todos estes anos dedicados Ă  zona serrana e agora presidir ao mais importante municĂ­pio da comunidade das Beiras e Serra da Estrela, Ă lvaro Amaro mantĂŠm em Coimbra a sua residĂŞncia de famĂ­lia e â&#x20AC;&#x153;sofreâ&#x20AC;? com a sua â&#x20AC;&#x153;AcadĂŠmicaâ&#x20AC;?.

19 DE SETEMBRO DE 2013

Ana Paula Pais, directora da Escola de Hotelaria e Turismo de Coimbra, foi eleita presidente de Associação Europeia de Escolas de Hotelaria e Turismo (AEHT). O sufrågio decorreu, no passado dia 13, a bordo do Cruzeiro Costa Mediterrânea, aquando da realização da Assembleia Geral da 26ª Conferência Internacional da AEHT. Ana Paula Pais estå associada à AEHT desde hå dez anos, tendo sido eleita vice-presidente, pela primeira vez, em 2006. A responsåvel sublinhou, no discurso de apresentação da candidatura à liderança da AEHT, que pretende dar continuidade nos próximos quatro anos ao trabalho iniciado pelos meus DQWHFHVVRUHVGHVHQYROYHQGRSURMHFWRVTXHJDUDQWDPDVXVWHQWDELOLGDGH¿QDQFHLUDGDDVVRFLDomRHDVXD D¿UPDomRFRPRDVVRFLDomRLQWHUQDFLRQDOGHUHIHUrQFLD2EWHQomRHDSRLRV¿QDQFHLURVMXQWRGD&RPLVVmR (XURSHLDREWHQomRGHDSRLRV¿QDQFHLURVMXQWRGR7XULVPRGH3RUWXJDOUHIRUoRGHSURMHFWRVLQLFLDWLYDVGH promoção e marketing da associação, procura de reforço dos patrocínios dos agentes/empresas do sector e desenvolvimento das iniciativas de intercâmbio e formação de professores, atravÊs da implementação de projectos intra-rede, são algumas das medidas preconizadas por Ana Paula Pais.

18 DE JULHO DE 2013

JosĂŠ de Faria Costa

DE DEZEMBRO DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

Jorge Fernandes O judoca Jorge Fernandes alcançou a medalha de ouro no Campeonato da Europa Universitårio, que decorreu no Pavilhão Multidesportos Mårio Mexia, de sexta-feira a domingo passado. O atleta pertence ao Judo Clube de Coimbra, mas representou a Associação AcadÊmica de Coimbra nesta prova de dimensão internacional. Jorge Fernandes disputou a categoria de -73 kg, tendo na final derrotado o francês Julien El Faiz. O jovem judoca manifestou-se bastante feliz com a vitória, atÊ porque significa que estå em excelente forma. O resultado Ê animador para Jorge Fernandes que recentemente recuperou de uma lesão, que o obrigou a falhar o Europeu de Seniores. Face à Êpoca menos feliz, o jovem não foi apurado para o último Mundial de Seniores. Esta vitória då novo alento e confiança ao judoca de Coimbra que hå dois anos ficou em terceira posição no Campeonato da Europa Universitårio, disputado na Bósnia. Igualmente às finais chegou Antoine Massart. O atleta da AcadÊmica, que combateu em representação do Instituto PolitÊcnico de Coimbra, acabou por ficar em quinta posição, tambÊm na categoria de -73 kg.

10 DE OUTUBRO DE 2013

Jorge Catarino A tomada de posse do novo executivo camarĂĄrio de Cantanhede teve um momento marcante, ao constituir, tambĂŠm, a despedida de Jorge Catarino de 20 anos de funçþes autĂĄrquicas. Foi presidente da Câmara durante dois mandatos (1997-2005), soube sair por sua prĂłpria vontade, mas manteve-se colaborante com o seu concelho ao presidir Ă Assembleia Municipal atĂŠ Ă  passada sexta-feira. Ovacionado de pĂŠ, depois do reeleito presidente da Câmara (JoĂŁo Moura) ter prestado o seu tributo, em nome de todos os cantanhedenses, Jorge Catarino declarou sentir-se â&#x20AC;&#x153;enormemente honradoâ&#x20AC;? por ter desempenhado as funçþes, tendo apenas feito â&#x20AC;&#x153;o que soube e pĂ´deâ&#x20AC;?. Na despedida, ficou, tambĂŠm a mensagem, do economista, empresĂĄrio e ex-autarca: â&#x20AC;&#x153;O mundo mudou, assim como a forma de fazer polĂ­tica e aumentaram as exigĂŞncias para os autarcas. Desejo que tenham força anĂ­mica e capacidade para mais e melhor desenvolvimentoâ&#x20AC;?.

17 DE OUTUBRO DE 2013

Rui Vasques Jovem designer natural de Coimbra, Rui Vasques criou um projecto de uma cidade sustentĂĄvel, o que lhe valeu o prĂŠmio de melhor aluno de curso do IADE (Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing) em 2012. O designer criou, de raiz, um modelo de comunidade que responde aos desafios sociais, econĂłmicos e ambientais da actualidade. O projecto tem como tĂ­tulo â&#x20AC;&#x153;Eco-Village Communityâ&#x20AC;? e tem sido apresentado nĂŁo sĂł em Portugal como tambĂŠm em mercados internacionais. Trata-se de um modelo que apresenta uma maneira possĂ­vel de viver segundo os princĂ­pios de construção e produção local, de auto-suficiĂŞncia e cooperação, aproveitando as melhores soluçþes tecnolĂłgicas. A permacultura (mĂŠtodo para planear e manter sistemas como jardins e aldeias ambientalmente sustentĂĄveis), a bioconstrução (construçþes onde a preocupação ecolĂłgica estĂĄ presente da conceção Ă ocupação) e a bushcraft (arte de sobreviver no mato, ou seja, de aplicar a longo prazo as tĂŠcnicas de sobrevivĂŞncia mais primitivas) sĂŁo trĂŞs dos conceitos associados ao projecto. O objectivo de Rui Vasques ĂŠ de implementar no terreno um modelo, criado de raiz, que responda aos problemas sociais, econĂłmicos e ambientais atuais, contribuindo para a transição para a era do desenvolvimento sustentĂĄvel. Em termos energĂŠticos, a comunidade concebida pelo designer utiliza energia solar, eĂłlica, produção de biomassa e biocombustĂ­veis, energia cinĂŠtica e, se necessĂĄrio, energia geotĂŠrmica, dependendo das condiçþes locais. As estruturas da â&#x20AC;&#x153;Eco-Villageâ&#x20AC;? estĂŁo projectadas para serem construĂ­das em superadobe (tĂŠcnica de construção a partir de sacos com terra criada nos anos 80), pelo que teriam elevada resistĂŞncia, baixo custo e mĂ­nimo impacto ecolĂłgico pela utilização de materiais locais. Este modelo pode ser aplicado em todo o mundo, mediante estudo prĂŠvio das condiçþes climatĂŠricas e potencial energĂŠtico do local.

31 DE OUTUBRO DE 2013

6RĂ&#x20AC;D0DGHLUD

$ PpGLFD 6R¿D 0DGHLUD IRL QRPHDGD QD VHPDQD SDVVDGD delegada regional do Centro do INEM, por despacho do Conselho Directivo do Instituto. Em regime de substituição, a nomeação produz HIHLWRDSDUWLUGRSDVVDGRGLDGH2XWXEUR6R¿D0DGHLUDpPpGLFD do mapa de pessoal do INEM e tem uma vasta experiência operacional nas diversas vertentes do Instituto: Centro de Orientação de Doentes Urgentes, Viatura MÊdica de Emergência e Reanimação e Helicópteros de Emergência MÊdica. Foi igualmente responsåvel do Centro de Formação da Delegação Regional do Centro e Coordenadora Regional do Serviço de Helicópteros de Emergência MÊdica. De referir que o INEM Ê presidido, desde o início de Outubro, por Regina Pimentel, anterior directora do INEM na região Centro.

7 DE NOVEMBRO DE 2013

Graciano Marques A Assembleia Geral da ACM de Coimbra, realizada no passado dia 29, aprovou, por unanimidade e aclamação, a concessĂŁo dos tĂ­tulos de associado honorĂĄrio e de secretĂĄrio geral honorĂĄrio a Graciano Marques, associado nĂşmero de um da instituição. Figura conhecida e prestigiada no meio social, cultural e desportivo de Coimbra, Graciano Marques ĂŠ associado da ACM hĂĄ 60 anos e defensor dos ideias acemistas e pelo exercĂ­cio da função de secretĂĄrio geral que â&#x20AC;&#x153;assegurou, ininterruptamente, ao longo de 34 anos, com empenho, dedicação, entrega e amor Ă causa da ACM de Coimbra e do Movimento Mundial Acemistaâ&#x20AC;?. Graciano Marques foi campeĂŁo regional de badminton e este sempre ligado ao desporto. Graciano Marques ingressou na direcção da ACM em 1955, reeleito para vĂĄrios mandatos e foi secretĂĄrio-geral a partir de 1973. Homenageado como sĂłcio nĂşmero um pela ACM, em 23 de Junho de 2007, ali se enalteceu a delicadeza com que Graciano Marques lidava com os associados, a prontidĂŁo com que apreendia os problemas e sugeria e apresentava soluçþes. Graciano Marques foi ĂĄrbitro de futebol do quadro nacional, dirigente da Associação de Desportos de Coimbra e de vĂĄrias modalidades como o badminton, de ginĂĄstica, de natação e de atletismo. Presidiu Ă  Junta de Freguesia da SĂŠ Nova (1996/99) e trabalhou durante 40 anos na Secretaria da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra.

14 DE NOVEMBRO DE 2013

21 DE NOVEMBRO DE 2013

Ana Paula Pais

28 DE NOVEMBRO DE 2013

Bruno Matias Bruno Matias, candidato da lista T (Tu Tens AcadÊmica), foi eleito, na madrugada de ontem, presidente da Direcção Geral da Associação AcadÊmica de Coimbra (AAC), com cerca de 48 por cento dos votos. O estudante da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra venceu a segunda volta das eleiçþes com 4 571 votos, contra os 4 224 de Samuel Vilela (44 por cento), que encabeçou a lista A (Mais Academia) e que tinha vencido a primeira volta com 4 216 votos. Num universo de cerca de 23 000 estudantes, o número de votantes (9 476) foi idêntico à primeira volta, tendo sido contabilizados 288 nulos e 393 brancos. Os 293 votos por envelope não foram necessårios contabilizar, SRUQmRVHUHPVX¿FLHQWHVSDUDDOWHUDURUHVXOWDGR¿QDO$SDUWLFLSDomRGRVHVWXGDQWHVQDVHOHLo}HVHP ambas as voltas, foi quase o dobro da que foi registada no anterior acto eleitoral. Bruno Matias representou os alunos da sua Faculdade, durante três anos, no Conselho Pedagógico, liderou o Núcleo de Estudantes de Direito e Ê, actualmente, membro do Senado da Universidade de Coimbra. O dirigente tem 22 anos e Ê oriundo de São Pedro do Sul. Bruno Matias deverå tomar posse em Janeiro, sucedendo no cargo a Ricardo Morgado, que estå hå dois mandatos na Direcção Geral.

05 DE DEZEMBRO DE 2013

Ana Cristina Rego A investigadora Ana Cristina Rego e a sua equipa, do Centro de NeurociĂŞncias e Biologia Celular da Universidade de Coimbra, receberam, na quinta-feira, o PrĂŠmio Santa Casa / NeurociĂŞncias para o tratamento de doenças associadas ao envelhecimento. A distinção confere aos premiados uma bolsa no montante de 200 000 euros, a maior atribuĂ­da em 3RUWXJDODPHPEURVGDFRPXQLGDGHFLHQWtÂżFDQDFLRQDO2VLQYHVWLJDGRUHV desenvolveram uma pesquisa visando contribuir para o esclarecimento dos mecanismos bioquĂ­micos na base da doença de Huntington, uma SDWRORJLD QHXURGHJHQHUDWLYD JHQpWLFD TXH DIHFWD iUHDV HVSHFtÂżFDV do cĂŠrebro humano e conduz Ă demĂŞncia, disse ao â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁoâ&#x20AC;? fonte da Santa Casa da MisericĂłrdia de Lisboa (SCML). Outro prĂŠmio, atinente ao tratamento de lesĂľes vertebro-medulares, foi atribuĂ­do a um projecto apresentado pelo Instituto de CiĂŞncias da Vida e SaĂşde, laboratĂłrio associado da Universidade do Minho, cujo responsĂĄvel ĂŠ o investigador AntĂłnio JosĂŠ Salgado. Sob o lema â&#x20AC;&#x153;Investigação por boas causasâ&#x20AC;?, a SCML apostou, pela primeira vez, na criação destes dois galardĂľes para incentivar a pesquisa na ĂĄrea das neurociĂŞncias. As bolsas foram entregues pelo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, e pelo provedor da SCML, Pedro Santana Lopes. Segundo o neurocirurgiĂŁo JoĂŁo Lobo Antunes, presidente do jĂşri, os projectos vencedores foram escolhidos entre 33 de â&#x20AC;&#x153;muitĂ­ssima qualidadeâ&#x20AC;?. AlĂŠm de cientistas portugueses, candidataram-se a estes prĂŠmios investigadores de 11 paĂ­ses.

12 DE DEZEMBRO DE 2013

Paulo Barradas Rebelo O presidente executivo da Bluepharma, empresa farmacĂŞutica situada em S. Martinho do Bispo Coimbra, foi hoje distinguido com o prĂŠmio â&#x20AC;&#x153;Empreendedor do Anoâ&#x20AC;?, atribuĂ­do pela Gesventure, no decorrer do XIII Congresso Internacional de Capital de Risco e Empreendedorismo. O prĂŠmio ĂŠ â&#x20AC;&#x153;um reconhecimento do desempenho de Paulo Barradas Rebelo na liderança do Grupo Bluepharma e do seu papel activo na dinamização do Ecossistema Empreendedor Nacionalâ&#x20AC;?. O anĂşncio do vencedor teve lugar no passado dia 11, no segundo dia do Congresso realizado pela Gesventure, em parceria com a APCRI e com o apoio do IAPMEI - Instituto de Apoio Ă s Pequenas e MĂŠdias Empresas e Ă  Inovação. Paulo Barradas Rebelo refere que este prĂŠmio â&#x20AC;&#x153;ĂŠ mais um reconhecimento do trabalho que, ao longo dos anos, tem desenvolvido na Bluepharma, e que resulta essencialmente do empenho de uma extraordinĂĄria equipaâ&#x20AC;?. â&#x20AC;&#x153;Ă&#x2030; um trabalho que nos tem permitido alcançar um crescimento sĂłlido e contĂ­nuo, que faz da Bluepharma uma empresa de referĂŞncia em Portugalâ&#x20AC;?, acrescenta. NĂŁo ĂŠ a primeira vez que Paulo Barradas ĂŠ distinguido pelo trabalho exemplar na Bluepharma. Em 2012 foi laureado com o prĂŠmio INSEAD de Entrepreneurship, o qual distingue, anualmente, empresas e gestores portugueses que se destaquem no panorama da economia portuguesa pela sua capacidade de gestĂŁo e empreendedorismo. A Bluepharma recebeu, por sua vez, o estatuto de PME ExcelĂŞncia nos anos de 2011 e 2012, distinção atribuĂ­da pelo IAPMEI em parceria com os principais bancos portugueses, e ainda o prĂŠmio PME Inovação COTEC-BPI 2012. A Bluepharma S.A. iniciou atcividade em Fevereiro de 2001 e tem sede em Coimbra. Ă&#x2030; uma empresa do sector da indĂşstria farmacĂŞutica de capital H[FOXVLYDPHQWHQDFLRQDOFXMDDGPLQLVWUDomRpFRQVWLWXtGDSRUXPJUXSRGHSURÂżVVLRQDLVOLJDGRVjiUHDGD saĂşde. O grupo Bluepharma inclui jĂĄ a participação em dez empresas, nomeadamente start-ups inovadoras.

19 DE DEZEMBRO DE 2013

Emanuel Furtado Durante este ano, o cirurgião Emanuel Furtado realizou 70 transplantes hepåticos no Centro Hospitalar e Universitårio de Coimbra (CHUC), batendo o anterior recorde (68) que pertencia ao seu pai, o Prof. Linhares Furtado, e que tinha sido alcançado em 2001. A Unidade de Transplantação Hepåtica de Adultos e Crianças do CHUC, dirigida por Emanuel Furtado, fez com que deixasse de ser necessårio as crianças portuguesas recorrerem ao estrangeiro, e em 2014 vai, atÊ, ter capacidade para alargar a sua actividade para programas de internacionalização. Se, hå 20 anos, Alexandre Linhares Furtado representou bem o espírito pioneiro da WUDQVSODQWDomRHP3RUWXJDOpDJRUDRVHX¿OKRUHSXWDGRFLUXUJLmRTXHPGiFRQWLQXLGDGHDXPOHJDGR de elevada competência, arrojo e distinta capacidade cirúrgica, única no país e de relevo a nível europeu.

24 DE DEZEMBRO DE 2013


31

QUINTA-FEIRA

DE DEZEMBRO DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

Bombeiros da LousĂŁ apoiam ADFP O corpo de Bombeiro Municipais da LousĂŁ ofereceu roupas e brinquedos, novos e usados, para o Lar de Infância e Juventude da Fundação ADFP, no âmbito de uma iniciativa natalĂ­cia que se iniciou em 2007 e visa, tambĂŠm, o apoio a famĂ­lias desfavorecidas da LousĂŁ, Ă Comunidade Juvenil S. Francisco de Assis de Olho Marinho e Ă  Arcil. â&#x20AC;&#x153;A realidade vivida nestas instituiçþes desperta sentimentos que nos tocam, pois sĂŁo pequenos gestos que podem contribuir para felicidade destas criançasâ&#x20AC;?, refere Valter Serra, delegado do Q~FOHR-XYHERPEHLURV$RFRUSRGH%RPEHLURV0XQLFLSDLVGD LousĂŁ, bem como a toda a população que contribuiu para esta recolha, o Lar de Infância e Juventude e a Fundação ADFP agradecem com um sincero obrigado. Castelo Viegas ofereceu couves A população de Coimbra foi presenteada, na vĂŠspera de Natal, com mais de 700 couves de Castelo Viegas, as quais foram distribuĂ­das, logo pela manhĂŁ, na praça de 08 de Maio, junto Ă  Câmara Municipal. A iniciativa, Ă  semelhança de anos anteriores, foi da Confraria das Couves de Castelo Viegas e as couves eram provenientes da horta comunitĂĄria. A couve de Castelo Viegas ĂŠ diferente, segundo a Confraria, por beQHĂ&#x20AC;FLDUGHXPPLFURFOLPDDSUHVHQWDQGRVHSHTXHQDUREXVWD e adocicada. CM da Mealhada vai alienar TXRWDQD(VFROD3URĂ&#x20AC;VVLRQDO O executivo da Câmara Municipal da Mealhada decidiu, em reuniĂŁo extraordinĂĄria, alienar 98 100 euros da sua particiSDomRQDVRFLHGDGHFRPHUFLDO(VFROD3URĂ&#x20AC;VVLRQDOGD0HDOKDGD Lda., a duas instituiçþes concelhias: a Associação Recreativa de Ventosa do Bairro e ao Jardim de Infância Dr.ÂŞ Odete Isabel. Com esta alienação de 20 por cento da sua quota, a Escola 3URĂ&#x20AC;VVLRQDOGD0HDOKDGD/GDGHL[DDVVLPGHWHUDQDWXUH]D de empresa local, nĂŁo tendo de se regular pela nova Lei do Sector Empresarial Local. A Câmara Municipal passa a ter uma quota de 44,1 por cento na sociedade comercial Escola 3URĂ&#x20AC;VVLRQDOGD0HDOKDGD/GDD&DL[DGH&UpGLWR$JUtFROD 0~WXRGD%DLUUDGDH$JXLHLUDPDQWpPRVVHXVSRUFHQWR e a empresa ganha os dois novos sĂłcios. Joana Diogo ganha torneio em Las Palmas Joana Diogo, do Judo Clube de Coimbra (JCC), conquistou mais um resultado de nĂ­vel internacional ao vencer, em Las Palmas (Espanha), o XIII Torneio Internacional Santiago Ojeda. A competir na categoria de -48 kg, a conimbricense colocou no tapete, instalado no PavilhĂŁo Municipal del BaWiQWRGRVRVVHXVDWULEXWRVHGHUURWRXQDĂ&#x20AC;QDODMXGRFDGDV CanĂĄrias, Suleima Perez Moreno. Convocada pela Federação Portuguesa de Judo, Joana Diogo integrou a selecção nacional de juniores, que encerrou, neste torneio, a participação das selecçþes jovens, em 2013, em competiçþes internacionais. Joana Diogo terminou o ano de 2013 com mais um sucesso, depois de ter conquistado os tĂ­tulos nacionais de juniores e de sub-23, alĂŠm de ter alcançado o 9.Âş lugar no Campeonato da Europa de juniores, realizado em Sarajevo (BĂłsnia-Herzegovina), e no Campeonato do Mundo de juniores, disputado em Ljubljana (EslovĂŠnia). Ainda este ano, a conimbricense venceu a Taça da Europa de Lyon (França), a mais forte prova do circuito internacional de juniores. CM da Mealhada vai alienar TXRWDQD(VFROD3URĂ&#x20AC;VVLRQDO O executivo da Câmara Municipal da Mealhada decidiu, em reuniĂŁo extraordinĂĄria, alienar 98 100 euros da sua particiSDomRQDVRFLHGDGHFRPHUFLDO(VFROD3URĂ&#x20AC;VVLRQDOGD0HDOKDGD Lda., a duas instituiçþes concelhias: a Associação Recreativa de Ventosa do Bairro e ao Jardim de Infância Dr.ÂŞ Odete Isabel. Com esta alienação de 20 por cento da sua quota, a Escola 3URĂ&#x20AC;VVLRQDOGD0HDOKDGD/GDGHL[DDVVLPGHWHUDQDWXUH]D de empresa local, nĂŁo tendo de se regular pela nova Lei do Sector Empresarial Local. A Câmara Municipal passa a ter uma quota de 44,1 por cento na sociedade comercial Escola 3URĂ&#x20AC;VVLRQDOGD0HDOKDGD/GDD&DL[DGH&UpGLWR$JUtFROD 0~WXRGD%DLUUDGDH$JXLHLUDPDQWpPRVVHXVSRUFHQWR e a empresa ganha os dois novos sĂłcios.

FACTOS DA SEMANA www.campeaoprovincias.pt

7

Inundaçþes foram â&#x20AC;&#x153;presenteâ&#x20AC;? na vĂŠspera de Natal Trinta minutos de chuva mais intensa, que se juntou Ă que caiu durante todo o dia, causou vĂĄrias inundaçþes na cidade de Coimbra, na vĂŠspera de 1DWDOFRPDLPDJHPPDLVVLJQLĂ&#x20AC;FDWLYD a ser a da Igreja de Santa Cruz e a praça em frente transformadas num lago (na foto). VĂĄrias lojas da â&#x20AC;&#x153;Baixaâ&#x20AC;? sofreram inundaçþes, com a falta de capacidade de escoamento, assim como muitos outros locais de Coimbra, onde os bombeiros tiveram tambĂŠm de acorrer, mas, felizmente, nĂŁo se registando derrocadas de paredes, feridos, nem desalojados. Particularmente afectada pela forte precipitação foi a Figueira da Foz, com ruas interrompidas e algumas inundaçþes em estabelecimentos, enquanto no mar a forte agitação era visĂ­vel com ondas de mais de cinco metros. O tempo chuvoso manteve-se em toda a regiĂŁo e ameaça tambĂŠm associar-se Ă  passagem de ano. e de 700 crianças das escolas do 1.Âş ciclo do ensino bĂĄsico &(% GRFRQFHOKRUHVSRQGHUDPSRVLWLYDPHQWHDRGHVDĂ&#x20AC;R lançado pelo â&#x20AC;&#x153;iMontemor+â&#x20AC;?, entregando estrelas recortadas de embalagens tetrapack. Para alĂŠm de abrilhantar a praça montemorense, cada estrela entregue habilitava a um prĂŠmio de Natal sorteado na festa dos idosos, onde o Centro Paroquial Susan Learning: Chinese Why?: New markets Location: London Likes: Making connections

Language is a green light. CONVERSATION CLUB 4ÂŞ FEIRA DAS 19.00 H Ă&#x20AC;S 20.00 H PARA MAIORES DE 18 ANOS INFORME-SE E INSCREVA-SE

International House Rua Antero de Quental 135 - 3000-032 Coimbra Telem.: 937 902 886 - Tel: 239 822 971 E-mail: info@ihcoimbra.com

www.ihcoimbra.com

de Solidariedade Social de Arazede foi o feliz contemplado com um cabaz recheado de produtos oferecidos por diversas empresas concelhias. O â&#x20AC;&#x153;iMontemor+â&#x20AC;? ĂŠ um projecto que pretende promover a empregabilidade e combater a situação de vulnerabilidade social, atravĂŠs da interacção, inovação, investimento e inclusĂŁo, funcionando de segunda a sexta-feira no edifĂ­cio da Biblioteca Municipal Afonso Duarte. Clube de Caçadores da Carapinheira festejou 12 anos O Clube de Caçadores da Carapinheira (CCC) comemorou o 12.Âş aniversĂĄrio com um jantar convĂ­vio que juntou FHUFDGHSHVVRDVQRViEDGR&RQĂ&#x20AC;UPDQGRRVXFHVVRH a consolidação do clube e da associativa, Carlos Rodrigues, presidente da assembleia-geral do CCC, manifestou o desejo de â&#x20AC;&#x153;implementar a pesca desportiva no CCCâ&#x20AC;? e de â&#x20AC;&#x153;continuar as obras do antigo depĂłsito de ĂĄguas da Ferreira, para proporcionar melhores condiçþes aos sĂłcios e para que as pessoas usufruam daquele espaçoâ&#x20AC;?.

Blasted Mechanism no SalĂŁo Brasil SĂŁo 29 127 estrelas a brilhar em Montemor A banda portuguesa Blasted Mechanism actua na prĂłxima SĂŁo 29.127 as estrelas que decoram a ĂĄrvore que, atĂŠ dia sexta-feira, 03 de Janeiro, no SalĂŁo Brasil, em Coimbra, sendo GH-DQHLURID]D3UDoDGD5HS~EOLFDGH0RQWHPRUR9HOKR de cinco euros o valor mĂ­nimo dos bilhetes. O concerto estĂĄ brilhar ainda mais. Mais de uma centena de idosos das IPSSâ&#x20AC;&#x2122;s previsto para as 22h30 e insere-se na mini-digressĂŁo que a

EDQGDGHURFNHVWiDID]HUSDUDĂ&#x20AC;QDQFLDURQRYRiOEXPDHGLWDU em Março. A mini-digressĂŁo, que arrancou em GuimarĂŁes, tem a particularidade de o grupo se apresentar sem mĂĄscaras e sem fatos, ao contrĂĄrio do que ĂŠ habitual. A banda de rock refere que estĂĄ, ainda, a promover uma angariação de fundos pela Internet (â&#x20AC;&#x153;crowdfundingâ&#x20AC;?). O objectivo ĂŠ obter 8 000 euros, SDUDĂ&#x20AC;QDQFLDUTXHURQRYRGLVFRTXHUQRYRPDWHULDOFpQLFRH fatos para os concertos. Arganil aposta em Museu do Rali A criação do Museu Internacional do Rali ĂŠ uma das apostas do municĂ­pio de Arganil para 2014, no âmbito do reforço da competitividade local. Segundo o presidente da Câmara, Ricardo Alves, o futuro museu serĂĄ instalado na DQWLJD&HUkPLFD$UJDQLOHQVHTXHIRLUHTXDOLĂ&#x20AC;FDGDQRV~OWLmos anos pela autarquia. Para o efeito, o MunicĂ­pio admite recorrer aos fundos comunitĂĄrios e avançar com diversas parcerias, incluindo com o AutomĂłvel Clube de Portugal. O concelho de Arganil acolheu, durante dĂŠcadas, importantes provas mundiais do Rali de Portugal e, no museu, pretende-se expor alguns dos carros que marcaram a histĂłria dos ralis e por ali passaram. O espaço museolĂłgico da Cerâmica Arganilense disporĂĄ ainda de uma componente interactiva, com recurso Ă s novas tecnologias, incluindo simuladores que ajudarĂŁo a recriar o ambiente dos ralis. A criação do Museu Internacional do Rali estĂĄ incluĂ­do nas grandes opçþes do plano da Câmara Municipal de Arganil para o prĂłximo ano, as quais, tal como o orçamento, no montante de 14,8 milhĂľes de euros, jĂĄ foram aprovadas pelo executivo e pela Assembleia Municipal (AM). Alma de Coimbra abre o ano na Figueira O concerto de Ano Novo do coro e grupo de guitarras Alma de Coimbra, sob direcção musical do maestro Augusto Mesquita, serĂĄ na prĂłxima sexta-feira (dia 03 de Janeiro), pelas 22h00, no SalĂŁo CaffĂŠ do Casino da Figueira da Foz, ao preço de 10 euros, onde serĂĄ apresentado o novo trabalho discogrĂĄĂ&#x20AC;FR´$OPDÂľ(VWHQRYR&'WHPWHPDVVHQGRDUUDQMRV originais de cançþes de JosĂŠ Afonso, AmĂĄlia Rodrigues e de outros cantores e compositores da lusofonia (Angola, Brasil, Cabo Verde e Moçambique), e dois sĂŁo instrumentais para guitarra portuguesa. No concerto no Casino Figueira vai estar como convidado especial o CANTEMUS - Coro Juvenil do MunicĂ­pio de Cantanhede, que participa em dois temas no CD â&#x20AC;&#x153;Alma 2â&#x20AC;?. Portugal dirige informação da RTP JosĂŠ Manuel Portugal, jornalista e professor da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra foi nomeado director de informação da RTP, pela administração da empresa, aguardando, agora, o parecer da Entidade Reguladora para a Comunicação Social. JosĂŠ Portugal ĂŠ director-adjunto dos serviços internacionais da RTP, acumulando com a direcção GR&HQWUR5HJLRQDOGH&RLPEUDGDHPSUHVDS~EOLFDFLGDGH onde esteve, como jornalista, ligado Ă  fundação da estação televisiva SIC. O director demissionĂĄrio de informação da RTP, Paulo Ferreira, que durante 13 meses desempenhou o cargo, foi escolhido quando Miguel Relvas tutelava a RTP, e quando tomou posse sucedeu a Nuno Santos, que fora demitido pela administração.


VIDAS (D)ESCRITAS

8

31

QUINTA-FEIRA

www.campeaoprovincias.pt

DE DEZEMBRO DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

Varela Pècurto

Ia morrendo em trabalho cinco vezes BENEDITA OLIVEIRA

â&#x20AC;&#x153;Sou do alto Alentejo, de uma terra chamada Ervedal, pertencente ao concelho de Avis. Aos oito anos fui para Ă&#x2030;vora, onde completei a primĂĄria. A minha mĂŁe ĂŠ que me ensinou a ler. Era domĂŠstica, mas como o meu pai estava empregado numa quinta muito grande, que tinha fĂĄbrica de moagem, lagar de vinho e de azeite e nĂŁo havia escolas ali, ela ensinou muita gente a ler e a escrever. Quando fui para a escola comecei logo na segunda classe. No liceu, e como a semanada era curta, fazia nĂŁo sĂł o gosto ao dedo (comecei ORJR D JRVWDU GH IRWRJUDĂ&#x20AC;D no liceu) como vendia ainda DV IRWRJUDĂ&#x20AC;DV DRV FROHJDV Declaradamente nĂŁo me virei para mais coisa nenhuma. Uma vez decidido, avisei a famĂ­lia contrariando o que os meus pais queriam. Abdiquei de continuar os estudos e dediquei-me 100 por cento jIRWRJUDĂ&#x20AC;D A minha mĂŁe queria que eu fosse para um banco. Eu entrava com facilidade, porque tinha dois primos que eram directores de bancos. Fazia um simples exame e HQWUDYD(XĂ&#x20AC;]OKHDYRQWDGH e fui fazer o exame a Lisboa. Mas eu resolvi o problema muito facilmente: considerei que 9x3 eram 28 e chumbei. As contas estavam todas mal! Em Ă&#x2030;vora tive os primeiros dois contactos Ă HVFDODSURĂ&#x20AC;VVLRQDO3ULPHLUR com um senhor, onde estive um ano e tal. Mas os conhecimentos desse senhor eram um pouco limitados. Eu fiquei sempre amigo dele, mas um dia disse-lhe: ÂŤsr. Freitas, desculpe, mas eu quero aprender maisÂť. E passei para um outro fotĂłgrafo de Ă&#x2030;vora, que era um profissional muito batido. AĂ­ eu jĂĄ era sĂłcio do Grupo Câmara (Grupo de AmadoUHVGH)RWRJUDĂ&#x20AC;DH&LQHPD 

â&#x20AC;&#x153;Fui sĂłcio-gerente da Hilda, onde estive 50 anosâ&#x20AC;?

e concorri a uma exposição aqui em Coimbra, feita por esse grupo. Tive o primeiro prĂŠmio e a Atlântida Livraria Editora, que era na rua Ferreira Borges, querendo montar uma secção fotogrĂĄĂ&#x20AC;FDHVDEHQGRTXHHXHVWDYD disponĂ­vel, convidou-me para vir para Coimbra. JĂĄ cĂĄ estou hĂĄ 63 anos. Cerca de um ano depois fui convidado para ser sĂłcio-gerente da Hilda, onde estive 50 anos. A Hilda começou com o dr. Moura Relvas (que tinha sido governador civil e presidente da Câmara), o dr. Carlos Gonçalves (mĂŠdico pneumologista que tinha um consultĂłrio na rua da 6RĂ&#x20AC;D HDVHQKRUDTXHHVWDYD empregada na tabacaria na Portagem, para quem foi feita realmente a casa e que se FKDPDYD,OGD$Ă&#x20AC;UPDWLQKD H no nome por sugestĂŁo do dr. Moura Relvas, porque as pessoas depois iriam discutir se em portuguĂŞs levava ou nĂŁo H. E assim aconteceu. Quem inicialmente fazia ainda parte da sociedade era um fotĂłgrafo, que ainda o estabelecimento nĂŁo estava aberto jĂĄ estava Ă briga com a Ilda. Por uma questĂŁo muito simples: mandaram fazer umas caixinhas com a palavra Hilda e ele queria tambĂŠm o nome dele por baixo. O nome que lĂĄ estava era o da loja e nĂŁo da senhora. Ele nĂŁo estava de acordo e saiu. O dr. Carlos Gonçalves, que jĂĄ me conhecia, convidou-me e eu fui para a Hilda.

Era uma tabacaria com XPDVHFomRIRWRJUiĂ&#x20AC;FD(P Coimbra nĂŁo havia uma loja espaçosa, onde os amadores conversassem e trocassem opiniĂľes. Era um centro de acolhimento para esses amaGRUHVGHIRWRJUDĂ&#x20AC;D2IDFWR ĂŠ que a fotografia passou a ser a actividade reinante e as outras passaram para segundo plano. Fotografias percorreram os cinco continentes

Como na altura os jornais nĂŁo tinham fotĂłgrafos, ĂŠramos nĂłs, e outros fotĂłgrafos, que servĂ­amos os jornais. Aquilo começou com o ÂŤDiĂĄrio de CoimbraÂť, ÂŤO DespertarÂť e depois passĂĄmos para Lisboa, para o ÂŤSĂŠculoÂť, ÂŤDiĂĄrio de LisboaÂť; no Porto foi o ÂŤJornal de NotĂ­ciasÂť, o ÂŤComĂŠrcioÂť, o ÂŤJaneiroÂť. Tive de formar uma equipa, porque nĂŁo WLQKD JHQWH VXĂ&#x20AC;FLHQWH SDUD as solicitaçþes. Depois apareceram tambĂŠm os jornais desportivos nacionais... NĂłs estĂĄvamos 24 horas por dia Ă disposição dos jornais. Depois apareceu ainda a televisĂŁo (a RTP), onde trabalhei como câmara-man durante 20 anos, principalmente na regiĂŁo Centro. Paralelamente continuei sempre a concorrer, colectiva e individualmente, DVDO}HVGHIRWRJUDĂ&#x20AC;D,VVR tambĂŠm contribuiu para me DĂ&#x20AC;UPDUSRUTXHDVPLQKDV

fotografias correram os cinco continentes. Tenho umas 20 taças nacionais, muitas medalhas e cerca de 100 mençþes honrosas internacionais. A Federação InternaFLRQDOGH$UWH)RWRJUiĂ&#x20AC;FD que tem sede na Suíça, reconheceu os meus esforços dentro do Grupo Câmara (cujo boletim começou com uma folha dactilografada e acabou quase como uma revista) atribuindo-me XPJDODUGmRKRQRUtĂ&#x20AC;FR2 tĂ­tulo que me outorgaram foi de excelente. Era uma honra. A parte da televisĂŁo tambĂŠm foi muito movimentada. Ia morrendo em trabalho cinco vezes e escapei por segundos. Em desabamentos, atropelamentos nos ralis, incĂŞndios... Uma vez sai com um repĂłrter do ÂŤDiĂĄrio de CoimbraÂť para um incĂŞndio, em Ceira. AndĂĄmos pela parte queimada, com PXLWDGLĂ&#x20AC;FXOGDGHHGHSRLV chegĂĄmos Ă zona por arder e ele diz: ÂŤEu vou para aliÂť. ÂŤAli ĂŠ a frente da linha de fogo. Isso nĂŁo se fazÂť, respondi eu. Eu jĂĄ tinha muita experiĂŞncia e sabia que se houvesse uma rabanada de vento a encosta desaparecia em trĂŞs minutos. Eu nĂŁo fui. Fui para uma aldeia que estava a ser ameaçada. E aconteceu exactamente o que tinha previsto. Veio uma rabanada de vento, o fogo galgou a encosta, ele estava no meio da linha de fogo e começou a gritar, porque ao fugir pisou uma cova com silvas e ficou preso. Morreu queimado. Um bombeiro voluntĂĄrio de Coimbra ouviu-o e tentou acudi-lo. TambĂŠm lĂĄ morreu. Uma vez tambĂŠm Ă&#x20AC;TXHLFHUFDGRSHORIRJRH como tinha o carro atestado, achava que aquilo ia explodir... Ă&#x2030;, por isso, que estou convencido que vou morrer muito velho.

BI

FotĂłgrafo de mĂŠrito reconhecido Varela Pècurto, 88 anos de idade, ĂŠ uma personalidade marcante do fotojornalismo. Venceu mĂşltiplos prĂŠmios a nĂ­vel nacional e internacional e foi homenageado com o tĂ­tulo de H[FHOHQWHSHOD)HGHUDomR,QWHUQDFLRQDOGH$UWH)RWRJUiĂ&#x20AC;FD com sede na Suíça. (VWiUHSUHVHQWDGRHPYiULDVFROHFo}HVIRWRJUiĂ&#x20AC;FDVHQWUHDV quais se conta o Museu Nacional de Arte Contemporânea e a Fundação Museu Nacional FerroviĂĄrio. Foi operador de câmara

da RTP na regiĂŁo Centro e fotĂłgrafo de livros. Ă&#x2030; ainda autor de livros sobre Penacova (84), Ervedal (2006) e LousĂŁ (2010), este Ăşltimo traduzido em vĂĄrias lĂ­nguas. 2V&77UHSURGX]LUDPHPVHORXPDIRWRJUDĂ&#x20AC;DGDVXD autoria, no âmbito da sĂŠrie comemorativa dos 150 anos do caminho-de-ferro em Portugal. 'RRXRVHXHVSyOLRIRWRJUiĂ&#x20AC;FRDFkPDUDVGRVGLVWULWRV de Coimbra e Viseu.

Quem me dĂĄ apoio ĂŠ a minha mulher, que ĂŠ a eterna VDFULĂ&#x20AC;FDGDSRUHXQmRWLQKD vida social. SĂł quando comecei a ter empregados para me substituir na televisĂŁo ĂŠ que

comecei a viajar. NĂŁo fui um Marco PĂłlo, mas conheço boas partes do mundo. Mas DVPLQKDVIRWRJUDĂ&#x20AC;DVYLDMDram muito mais, porque elas iam sozinhas, pelo correioâ&#x20AC;?.

E AINDA

â&#x20AC;&#x153;Quando cheguei a Coimbra, pensei em vĂĄrias maneiras de me salientar no meio da minha classe. Foi por isso que escrevi uma crĂłnica semanal no ÂŤJornal de CoimbraÂť, com o compromisso de ser sempre ligada a Coimbra. Como tĂ­nhamos bons jornalistas em Coimbra, assim como agora, eu tinha de me agarrar a algo que eles nĂŁo ventilassem. Comecei a conhecer a cidade ao nĂ­vel do solo, sob o solo e pelo ar.â&#x20AC;? â&#x20AC;&#x153;Por exemplo, sob a avenida SĂĄ da Bandeira passa um regato das nascentes que estĂŁo, ainda hoje, a verter ĂĄgua no Jardim da Sereia. Eu entrei no tĂşnel perto do Mercado do peixe e fui sair Ă Sereia, com dois bombeiros, sempre por baixo do chĂŁo. Descobri coisas muito engraçadas, que estĂŁo Ă  vista de toda a gente e ninguĂŠm repara nelas.â&#x20AC;? â&#x20AC;&#x153;As pessoas de Coimbra sĂŁo um pouco apĂĄticas em relação ao que de bom tĂŞm. HĂĄ pessoas que nascem, vivem e morrem sem nunca irem ao Museu Nacional Machado Castro, Ă  Biblioteca Joanina, Ă  SĂŠ Velha... como ĂŠ possĂ­vel? Acho que viver num mundo que se ignore ĂŠ muito mau. A gente tem de conhecer o sĂ­tio onde vive.â&#x20AC;? â&#x20AC;&#x153;Todas estas coisas todas foram contribuindo e somando-se de tal forma que a Câmara Municipal de Coimbra atribuiu-me a medalha de mĂŠrito cultural. Toda a minha vida ĂŠ resultante de um princĂ­pio que estabeleci a mim prĂłprio quando decidi ser fotĂłgrafo: eu tinha de fazer mais qualquer coisinha que os meus colegas, se nĂŁo era mais um nome anĂłnimo no mundo GDIRWRJUDĂ&#x20AC;DÂľ â&#x20AC;&#x153;O Miguel Torga pensou em fazer uma exposição de textos HSRHPDVLOXVWUDGRVHYLHUDPWHUFRPLJR(HXĂ&#x20AC;]DVIRWRJUDĂ&#x20AC;DV A exposição foi inaugurada no Chiado, depois foi para Lisboa, Porto, Europa, EUA e atĂŠ a Pequimâ&#x20AC;?. ´2XWUDFRLVDTXHWDPEpPĂ&#x20AC;]TXHQLQJXpPFiID]LDHFRQWLQXDDQmRID]HUpIRWRJUDĂ&#x20AC;DDpUHDÂľ ´)L]YiULDVH[SRVLo}HVLQGLYLGXDLVPDVMXOJRTXHĂ&#x20AC;]DPDLRU que alguma vez se tenha feito sobre as nove ilhas dos Açores. $TXHĂ&#x20AC;]VREUHD0DGHLUDWDPEpPIRLPXLWRERD7HYHXP catĂĄlogo esplĂŞndido, com o texto em portuguĂŞs, francĂŞs, inglĂŞs, alemĂŁo e sueco.â&#x20AC;? â&#x20AC;&#x153;A exposição dos Açores era espectacular. AtĂŠ agora nĂŁo conheço ninguĂŠm que tenha feita uma exposição tĂŁo completa. O catĂĄlogo dos Açores foi pago pela Secretaria de Estado do Turismo. Era na altura primeiro-ministro o Mota Pinto, que me disse: ÂŤesta exposição ĂŠ excepcional. Vamos inaugurĂĄ-la em LisboaÂť. E eu respondi-lhe: ÂŤĂł dr. eu nĂŁo tinha isso nos meus planos. Ă&#x2030; em Coimbra que eu vivo; Ă&#x2030; lĂĄ que gostava que fosse inauguradaÂť. O entĂŁo ministro da Marinha ĂŠ que veio cĂĄ inaugurĂĄ-la. Publiquei uma medalha comemorativa dessa exposição, tal como jĂĄ tinha publicado da Madeira. Ambas foram executadas pelo Vasco Berardo.â&#x20AC;? â&#x20AC;&#x153;Para mim, no capĂ­tulo da polĂ­tica, todo aquele que ultrapassa as exigĂŞncias de servir Portugal, substituindo essa função em nome do partido polĂ­tico a que pertence nĂŁo estĂĄ no caminho certo. Acima de tudo estĂĄ o bem da Nação. Depois ĂŠ que podemos pensar na polĂ­tica.â&#x20AC;? â&#x20AC;&#x153;Estou convencido que o dr. Manuel Machado pode fazer uma governação boa da cidade pelo simples facto de ele nĂŁo ser um principiante. Estou muito esperançado na presidĂŞncia do dr. Manuel Machado.â&#x20AC;?


31

QUINTA-FEIRA

ACTUALIDADE

DE DEZEMBRO DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

9

www.campeaoprovincias.pt

Francisco Baptista deverĂĄ investir meio milhĂŁo de euros

Coimbra

EmpresĂĄrio de TĂĄbua salva sector tĂŞxtil de Avelar

PSD sofre de palavras a actos

B.O.

O futuro do sector têxtil da freguesia de Avelar, concelho de Ansião, estå nas mãos do empresårio Francisco Baptista. O investidor de Tåbua adquiriu as empresas têxteis Pivot, Fareleiros, Fiar e Finistex, evitando a sua liquidação. A Assembleia de Credores, que decorreu no início do mês, no Tribunal de Ansião, aprovou ainda a junção das quatro empresas numa só. A comissão de credores era composta pela Caixa Geral de Depósitos, Segurança Social e trabalhadores, que sempre se manifestaram a favor da fusão das unidades fabris. Esta não Ê a primeira vez que o empresårio ligado ao sector vai em socorro de empresas de confecçþes em processo de insolvência. Hå precisamente três anos, Francisco Baptista adqui-

riu a HBC, de Oliveira do Hospital, em circunstâncias idĂŞnticas. Representava 130 postos de trabalho. ActualPHQWHDĂ&#x20AC;UPDVXFHVVRUDD AzuribĂŠrica, emprega 180 pessoas, sendo um exemplo de recuperação econĂłmica no sector. As quatro empresas tĂŞxteis de Avelar totalizam 120 postos de trabalho. A revitalização deste sector industrial reveste-se de extrema importância tanto ao nĂ­vel econĂłmico como social, por conta da falta de oportunidades de emprego que caracteriza o concelho e esta regiĂŁo do Interior do paĂ­s. Francisco Baptista deverĂĄ investir meio milhĂŁo de euros na recuperação das unidades fabris. Este desfecho deve-se tambĂŠm ao empenhamento do Sindicato dos Trabalhadores dos TĂŞxteis, LanifĂ­cios e VestuĂĄrio do Centro, que nunca desistiu de procurar uma solução.

â&#x20AC;&#x153;Depois de tanto sofrimento e de uma longa espera, conseguiu-se encontrar uma soluçãoâ&#x20AC;? que vai de encontro aos desejos dos trabalhadores, regozijou-se FĂĄtima Carvalho, presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos TĂŞxteis, LanifĂ­cios e VestuĂĄrio do Centro, realçando o empenhamento do prĂłprio presidente da Câmara Municipal de AnsiĂŁo, Rui Rocha, no processo. â&#x20AC;&#x153;Os trabalhadores nĂŁo queriam a liquidação, porque sempre acreditaram na continuidade [das confecçþes]. Estes trabalhadores sabem que vivem numa zona muito degradada. Sabem que nĂŁo hĂĄ alternativas de emprego. Ă&#x2030; por tudo isto que este ĂŠ um processo exemplarâ&#x20AC;?, referiu a sindicalista, realçando a sintonia entre os principais credores, poder local e forças vivas da sociedade, nomeadamente sindicato e trabalhadores. Este processo de insol-

vĂŞncia arrastou-se durante cerca de dois anos, tendo o investidor desistido inicialmente por falta de apoio do Governo. Para a dirigente sindical, nĂŁo basta mudar a lei das insolvĂŞncias. Ă&#x2030; tambĂŠm preciso â&#x20AC;&#x153;mudar mentalidadesâ&#x20AC;?, nĂŁo sĂł das pessoas e como dos tribunais. Este processo ĂŠ revelador que â&#x20AC;&#x153;querer ĂŠ poderâ&#x20AC;?, observou FĂĄtima Carvalho, fazendo votos para que agora o Governo â&#x20AC;&#x153;tenha em conta este projecto e o apoieâ&#x20AC;?. â&#x20AC;&#x153;Penso que estes projectos deviam ter uma outra sensibilidade por parte do Governo. Na minha opiniĂŁo, ĂŠ salvando as empresas que criamos condiçþes para que o desemprego seja combatidoâ&#x20AC;?, defendeu a dirigente sindical. O empresĂĄrio ĂŠ proprietĂĄrio de vĂĄrias unidades tĂŞxteis, nomeadamente em Mangualde, distrito de Viseu.

Miranda do Corvo

Parque Biológico tem pombal de competição

Um pombal de competição foi inaugurado no Parque BiolĂłgico da Serra da LousĂŁ, em Miranda do Corvo, para a prĂĄtica da FROXPERĂ&#x20AC;OLD SRU SDUWH GRV jovens residentes na Fundação ADFP e motivação para trabalharem, assumindo responsabilidades no maneio e treino dos pombos. O pombal, instalado junto ao restaurante Museu da Chanfana, foi inaugurado por Jaime Ramos, presidente do Conselho de Administração da Fundação ADFP, e JosĂŠ Tereso, presidente da Federação Portuguesa de &ROXPERĂ&#x20AC;OLDHGD)HGHUDomR &ROXPEyĂ&#x20AC;OD,QWHUQDFLRQDO Juntamente com LuĂ­s BrandĂŁo, presidente da Associação ColumbĂłfila do Distrito de Coimbra, que tambĂŠm assinou o protocolo, tambĂŠm estiveram presentes VĂ­tor AraĂşjo, coordenador do projecto, Pedro Faria, director do Parque biolĂłgico, e Paula Santos, do Lar de Infância e Juventude que serĂĄ responsĂĄveis pela

Jaime Ramos e JosÊ Tereso, rodeados das crianças que vão cuidar dos pombos

manutenção e limpeza do pombal, assim como Rui Repas, funcionĂĄrio federativo. ApĂłs a visita a este pombal de competição, actualmente ainda sĂł com quatro pombos-correios, e que constitui mais uma atracĂŁo do Parque, decorreu a assinatura do protocolo entre as trĂŞs entidades. JosĂŠ Tereso tomou a palavra para dizer que â&#x20AC;&#x153;o pombo-correio ĂŠ sĂ­mbolo que atravessou toda a civilização, sobretudo nos exĂŠrcitos e na marinha, e que hoje ainda continua ser utilizadoâ&#x20AC;?, acrescentando que â&#x20AC;&#x153;ĂŠ preciso trazer a

juventude para uma modalidade que tem muito a dar Ă sociedadeâ&#x20AC;?. Aos jovens referiu que ĂŠ uma â&#x20AC;&#x153;excelente ocupação dos tempos livres, saudĂĄvel, onde se aprende histĂłria, JHRJUDĂ&#x20AC;DSRUWXJXrVHPDtemĂĄticaâ&#x20AC;?. Amigo de longa data de Jaime Ramos, que conheceu em 1970, JosĂŠ Tereso confessou-se â&#x20AC;&#x153;admiradorâ&#x20AC;? do Parque BiolĂłgico da Serra da LousĂŁ, onde â&#x20AC;&#x153;faltava um pombal, patrimĂłnio biolĂłgico da humanidadeâ&#x20AC;?, e cuja inauguração foi a sua Ăşltima acção enquanto presidente da Federação

Com votos destes não se ganham eleiçþes

Votos de â&#x20AC;&#x153;um Natal tĂŁo bom como o nossoâ&#x20AC;? acabam de ser formulados, em Coimbra, sob anonimato, ao PSD, cuja sede foi alvo, hĂĄ dias, de um acto de vandalismo. A par da acutilância verbal, compreensĂ­vel numa conjuntura de crise econĂłmica e social, ocorreu um episĂłdio lamentĂĄvel, que consistiu numa tenta-

tiva de atear fogo à porta do edifício onde funciona a sede local do principal partido do Governo. O PSD fez uma participação criminal contra desconhecidos. A sede conimbricense do CDS/PP, aliado do PSD para a formação do actual Governo, tambÊm foi alvo de actos de vandalismo, em Outubro de 2012.

Câmara reduziu em 14,1 por cento

Orçamento de Miranda com menos 2,30 milhþes

O Orçamento e Grandes Opçþes do Plano para 2014 da Câmara Municipal de Miranda do Corvo, aprovado em reuniĂŁo do executivo, ĂŠ marcado pela contenção, que 3RUWXJXHVDGH&ROXPERĂ&#x20AC;- se traduz numa redução de lia, cujo terceiro mandato 2,3 milhĂľes de euros (- 14,1 expirou com eleiçþes no por cento comparativamente a 2013). dia 21 de Dezembro. De acordo com a auJaime Ramos, apĂłs agradecer a JosĂŠ Tereso e tarquia, presidida pelo LuĂ­s BrandĂŁo, sublinhou socialista Miguel Baptisque â&#x20AC;&#x153;jĂĄ hĂĄ muito tempo que ta, a redução orçamental existia a ideia do pombal de justifica-se â&#x20AC;&#x153;em face dos competiçãoâ&#x20AC;?, sublinhan- tempos de crise e Ă situação do a importância para os econĂłmica do MunicĂ­pioâ&#x20AC;?, jovens da Fundação, que, sublinhando, contudo, que atravĂŠs dos pombos-cor- â&#x20AC;&#x153;existe um reforço da comreios, â&#x20AC;&#x153;poderĂŁo criar ami- ponente social e uma forte aposta no turismoâ&#x20AC;?. gos por todo o mundoâ&#x20AC;?. A Câmara, refere, ainda, O objectivo do pombal ĂŠ permitir que os jovens, que o Orçamento para 2014 residentes na Fundação, â&#x20AC;&#x153;ĂŠ de ajustamento Ă  nova â&#x20AC;&#x153;se motivem para trabalhar Lei das Finanças Locais, e assumirem responsabili- que coloca novas exigĂŞncias dades no maneio e treino aos municĂ­piosâ&#x20AC;?, e faz face Ă  dos pombos, preparando- GLPLQXLomRGRVPHLRVĂ&#x20AC;QDQ-os para pessoas adultas ceiros disponĂ­veis, como, por capazes de terem um papel exemplo, â&#x20AC;&#x153;ao corte registado no presente ano econĂłmico adequado na sociedadeâ&#x20AC;?. ´$ FROXPERĂ&#x20AC;OLD SRGH nas transferĂŞncias do Estado ser um contributo para a que acrescerĂĄ um novo corte realização destes jovens, para 2014 da ordem dos 155 especiais como pessoas 000 euros (-3,8 por cento). No Orçamento aprovabem inseridas na sociedade e com bons contactos em do, a Câmara refere que â&#x20AC;&#x153;os todo o paĂ­sâ&#x20AC;?, referiu Jaime documentos previsionais de 2014 sĂŁo os mais adequados Ramos.

para enfrentar o grande deVDĂ&#x20AC;R TXH R 0XQLFtSLR WHP pela frente, num contexto extremamente exigente, missĂŁo que municĂ­pio encararĂĄ com elevado sentido de responsabilidade e realizarĂĄ com rigor, transparĂŞncia e sensibilidade socialâ&#x20AC;?. O Plano Plurianual de Investimentos (PPI) e as Actividades Mais Relevantes (AMR), que integram as Grandes Opçþes do Plano, apresentam uma dotação JOREDO GHĂ&#x20AC;QLGD GH UHVSHFtivamente, 5,2 milhĂľes de euros e 2,9 milhĂľes de euros. Entre os futuros projectos conta-se um novo Parque Empresarial em Lamas, DVVLPFRPRDUHTXDOLĂ&#x20AC;FDomR da zona industrial da Pereira, estando tambĂŠm prevista a conclusĂŁo das obras no Mercado Municipal (ĂĄrea envolvente e incubadora de empresas) e a realização da Expomiranda. Na ĂĄrea do turismo destacam-se os projectos do Centro de EstĂĄgio de TrailRunning e BTT, a Feira de Gastronomia, Caça e Turismo, o Parque Aventura, a reconstrução dos Claustros do Mosteiro de Semide (em parceria) e um programa de valorização turĂ­stica.


31

ACTUALIDADE

10

QUINTA-FEIRA

www.campeaoprovincias.pt

DE DEZEMBRO DE 2013 CAMPEÃO DAS PROVÍNCIAS

Lojas de produtos diferentes unidas pelo nome e a localização

Os três reis estão lado a lado... numa rua da “Baixa” de Coimbra

A artéria junto à estação ferroviária de Coimbra-A já é designada como a rua dos três reis LUÍS SANTOS

Não são o Melchior, o Baltazar e o Gaspar juntos a visitarem o menino Jesus, mas três lojas seguidas com o nome de “Rei”, na rua de dr. António Granjo, junto à Estação Nova, aproveitando esta boa localização na “Baixa” de Coimbra, onde se vai apanhar o comboio e o autocarro. Lado a lado e em sequência, quem entra na rua pelo lado da avenida

de Fernão de Magalhães, temos o “Rei da Fruta”, o “Rei da China” e o “Rei dos Frangos”, duas lojas com géneros alimentícios e a do meio com uma panóplia de produtos, a que já nos habituaram os orientais. Se a muitos passa despercebida aquela sequência, outros transeuntes notam a coincidência e já designam aquela artéria como “a rua dos três reis”. Mas, aparentemente, foram circunstâncias algo aleatórias

que juntaram os estabelecimentos que partilham de um nome comum. O “Rei dos Frangos” é já uma marca conhecida no ramo da alimentação, com o tradicional churrasco e outros pratos de “take-away”, que em Coimbra tem três lojas e mais de uma dúzia espalhadas pelo país. Esta localização, junto à estação de caminho-de-ferro e inúmeras paragens de autocarro, favorece, por certo, o negócio, dado por

ali passarem durante o dia milhares de pessoas, que precisam de alimentar o estômago e, muitas, chegarão tarde a casa e, assim, já levam a refeição adiantada. Outra marca também já com mais de três dezenas de anos, em Coimbra, é a do “Rei da Fruta”, com vários estabelecimentos em diversos locais da cidade, onde os produtos frutícolas e hortícolas estão em destaque, quer pela variedade, quer pelo preço.

Com o frango a “reinar” de um lado e a fruta do outro, a loja chinesa que se instalou no meio foi na mesma onda, seguindo o dito popular que aconselha “em Roma a ser romano”, com os orientais a prescindirem do título de Imperador da China, atribuído a todo o soberano que reinou desde a dinastia Qin (em 221, antes de Cristo), até à queda da dinastia Qing (em 1912, século XX, depois de Cristo).

Rei é rei e não admira, por isso, que o nome seja cobiçado para designar que se é “soberano”. Segundo os vários dicionários, “rei” é a pessoa, coisa ou entidade que tem poder RX LQÁXrQFLD R SULPHLUR ou mais destacado entre RV GD VXD FODVVH RX iUHD que é considerado o mais importante entre outros do mesmo género (o futebol, designado como desporto UHL RXDSULQFLSDOSHoDGR xadrez.

Os (quatro) Reis Magos ERNESTO NUNES*

Naquele tempo (e já lá vão dois milénios...) não eram fáceis as viagens, por carência de vias de comunicação aceitáveis e os meios de locomoção, praticamente, resumiam-se aos animais (burros, cavalos, camelos ou elefantes, consoante a zona do planeta em que se vivesse). Não se estranhava, pois, avistar ao longe, algures no próximo Oriente, um conjunto de camelos transportando quatro personagens, cada qual seguida por seu séquito, mais ou menos numeroso. Avançavam havia perto de duas semanas e, ao longo da jornada, tiveram

de enfrentar alguns ataques de ladrões, mas lá foram, aqui e ali, conforme as necessidades, armando tendas e fazendo fogueiras, para comerem e descansarem. Conhecedores da profecia de Balaão, anunciando para breve o nascimento do Deus-Menino, e avistando, dia e noite, a enorme estrela de brilho incomparável, deslocando-se lentamente no céu, apontando-lhes o destino, rapidamente se UHXQLUDP D ¿P GH UHDOL]Drem a sagrada viagem. … E seguiam todos eles a caminho de Belém, quando três, de nós bem conhecidos, com os nomes de Melchior, Gaspar e Baltasar, descobriram, com surpresa, ter-se o

RXWURDPLJRGHL[DGR¿FDU para trás, a ponto de já não se vislumbrar sua silhueta ao longo do caminho percorrido. Esperaram durante algum tempo, mas, vendo que tardava, decidiram retomar viagem e, chegados ao destino, adoraram o Menino, cumprindo sua nobre missão, deixando-Lhe suas dádivas, que eram: Ouro (em reconhecimento de realeza), Incenso (como prova de divindade), e Mirra (em testemunho de Sua humanidade). Seguidamente, regressaram a suas terras, agora por outras vias, tentando evitar os salteadores, não mais encontrando seu atrasado vizinho e companheiro.

É fácil adivinhar que foi por só os três terem chegado juntos que os Evangelhos não se referem a quatro. Que sucedeu, então, ao quarto Rei Mago? Diz-se que ao passar por uma aldeia, viu um bebé de tenra idade, tão nu, tão choroso com fome, tão carenciado de tudo, que o único calor recebido provinha do regaço da pobre mãe, também ela coberta de míseros andrajos! Não podia haver na terra criancinha, nem família, mais necessitada que aquela – e o Rei não hesitou duas vezes e deu-lhe o melhor que consigo trazia, incluindo a oferenda destinado ao Jesus-

-Menino. Depois, pensou voltar atrás, regressar às suas origens, com vergonha de aparecer a Jesus sem uma lembrança sequer. Logo reconsiderou, porém, e foi ajoelhar-se aos pés do Salvador (já os outros haviam há muito partido...), adorando-O e murmurando apenas: - Meu Deus e meu Senhor! Perdoai nada Vos trazer,mas encontrei uma criancinha tão faminta, tão carente de tudo, que lhe dei quanto Vos destinava: Leite – a sagrada fonte da vida! Perdoai, Senhor, minha tão grande falta!... A Virgem, sentada ao lado, resplandecente de luz e de ternura, presenciava a cena em silêncio e não deixava de admirar

a atitude humilde daquele poderoso Rei de um país estranho e longínquo, adorando Seu Menino, e dirigindo-Lhe palavras esquisitas que não sabia entender. O Menino, então, parecia escutá-lo muito atentamente, de olhos pequeninos muito vivos e brilhantes... E, de súbito, enquanto sua mãozita direita, muito rosada, fazia para ele um gesto de paz e amor, balbuciou, que ele bem ouviu: - Que o Pai te abençõe, irmão, porque acabas de me oferecer o melhor de todos os presentes que eu desejaria receber!... (*) Adaptação livre de ideia alheia


31

QUINTA-FEIRA

SAĂ&#x161;DE

DE DEZEMBRO DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

11

www.campeaoprovincias.pt

Apoio mÊdico a crianças da AmÊrica do Sul

CirurgiĂŁo Abel Nascimento participa em missĂŁo humanitĂĄria com idades atĂŠ aos 16 anos, com diversas malformaçþes e lesĂľes nos membros superioresâ&#x20AC;? explica Abel Nascimento, a propĂłsito da sua deslocação ao Recife (Brasil), ocorrida de 19 a 22 de Dezembro. Apesar de jĂĄ ter integrado missĂľes semelhantes, em Ă frica, esta foi a primeira vez que o cirurgiĂŁo se deslocou ao Brasil com este propĂłsito humanitĂĄrio. A b e l N a s c i m e n t o,

director do Instituto de Cirurgia Reconstrutiva (instalado na Idealmed), realizou, em poucos dias, vårias intervençþes cirúrgicas complexas que decorrem da sua preparação em åreas múltiplas de Cirurgia OrtopÊdica, Plåstica, Nervosa e Vascular, para alÊm do seu conhecimento da Anatomia Cirúrgica, decorrente da sua investigação nesta especialidade, ao long o dos últimos 25 anos.

Pampilhosa da Serra

da Pampilhosa da Serra vai ser HGLĂ&#x20AC;FDGRQXPWHUUHQRFHGLGR pela edilidade liderada por JosĂŠ Brito. Neste processo, foi tido em linha de conta a dimensĂŁo necessĂĄria para responder Ă s necessidade da população e o incremento das condiçþes de prestação de cuidados de saĂşde, no que concerne a funcionalidade, segurança e conforto. O projecto prevĂŞ a construção de um edifĂ­cio com dois pisos, com espaços dife-

Em quatro dias, Abel Nascimento operou 50 crianças ao plexo braquial obstÊtrico PUBLICIDADE

ONDINA JARDIM MĂ&#x2030;DICA ESPECIALISTA

GINECOLOGIA OBSTETRĂ?CIA

Ondina Jardim deseja um Feliz Ano Novo Ă s clientes e familiares

R. FERREIRA BORGES, 185, 1.Âş - TELEF.: 239 823 739 - COIMBRA

Assinado protocolo que viabiliza construção do novo centro de saĂşde O novo centro de saĂşde de Pampilhosa da Serra GHYHUiĂ&#x20AC;FDUFRQFOXtGRGXrante o primeiro semestre de 2015. A construção desta unidade de saĂşde vai ser iniciada nos primeiros meses do prĂłximo ano, em resultado de um protocolo de cooperação assinado, na Ăşltima semana, entre o MunicĂ­pio e a Administração Regional de SaĂşde do Centro (ARS/Centro). O novo centro de saĂşde

O cirurgião jå realizou perto de um milhar de cirurgias ao plexo braquial infantil e do adulto e um número ainda mais elevado de cirurgias nervosas, ao nível do membro superior e inferior. Pioneiro mundial nas vertentes de microcirurgia ner vosa e cir urgia microscópica, quando iniciou este tipo de intervençþes na dÊcada de 80 [sÊc. XX], Abel Nascimento tem introduzido tÊcnicas inovadoras na Europa e no mundo, ao longo dos últimos 25 anos.

33199

O cirurgiĂŁo Abel Nascimento integrou, recentemente, uma missĂŁo humanitĂĄria da SOS Criança, na AmĂŠrica do Sul. A convite desta org anização nĂŁo g overnamental, juntamente com outro cirurgiĂŁo, de nacionalidade francesa, o reputado cirurgiĂŁo de Coimbra operou 50 crianças ao plexo braquial obstĂŠtrico. â&#x20AC;&#x153;Estas cirurgias foram muito complexas, realizadas a crianças

PUBLICIDADE

renciados para o atendimento e a prestação de cuidados de saĂşde, assim como a instalação de equipamento de radiologia e outros de apoio. Pela importância desta obra, MunicĂ­pio e ARS/ Centro consideram que ĂŠ fundamental a colaboração WpFQLFDHĂ&#x20AC;QDQFHLUDHQWUHDV duas entidades. A empreitada conta com Ă&#x20AC;QDQFLDPHQWR FRPXQLWiULR atravĂŠs do Programa Mais Centro.

AtĂŠ meados do mĂŞs de Janeiro

PUBLICIDADE

este exame ĂŠ destinado a mulheres com idades entre os 45 e os 69 anos. Apesar de as mulheres com inscrição actualizada no centro de saĂşde local receberem uma carta com a indicação da data e hora de realização do rastreio, a LPCC alerta para a eventual desactualização dos dados de morada, pelo que recomenda que estas informaçþes estejam correctas. O exame maPRJUiĂ&#x20AC;FRGHYHVHUUHSHWLGR

a cada dois anos, por forma a garantir uma prevenção HĂ&#x20AC;FD] (P FDVR GH G~YLGD ou para marcaçþes, deve ser contactado o Centro de Coordenação do Rastreio, atravĂŠs do telefone 239 487 495 ou do endereço rcmama. nrc@ligacontracancro.pt. â&#x20AC;&#x153;O cancro da mama nĂŁo pode ser evitado. A melhor resposta ĂŠ o rastreio. O exame ĂŠ rĂĄpido, gratuito e pode salvar a vidaâ&#x20AC;?, sublinha o NRC-LPCC.

33925

O NĂşcleo Regional do Centro da Liga Portuguesa Contra o Cancro (NRCLPCC) estĂĄ a promover a realização de rastreios oncolĂłgicos, em Miranda do Corvo, atĂŠ meados do mĂŞs de Janeiro. A realizar na unidade PyYHOGHPDPRJUDĂ&#x20AC;DGLJLWDO que se encontra estacionada junto ao centro de saĂşde daquele concelho (de segunda a sexta-feira, das 09h00 Ă s 12h30 e das 13h30 Ă s 17h00),

34105

Rastreio de cancro da mama em Miranda do Corvo


12

ACTUALIDADE

31

QUINTA-FEIRA

www.campeaoprovincias.pt

DE DEZEMBRO DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

Presidente quer a reabertura da linha

Centro de dia e apoio domiciliĂĄrio

Cantanhede nĂŁo abdica do Ramal da Pampilhosa

Bispo abençoou Lar da Carapinheira

O presidente da Câmara de Cantanhede diz que a autarquia nĂŁo abdica da reabertura do ramal ferroviĂĄrio da Pampilhosa, esperando que a requaliĂ&#x20AC;FDomR GD OLQKD SRVVD VHU uma realidade com verbas do prĂłximo quadro comunitĂĄrio de apoio. â&#x20AC;&#x153;Continuaremos sempre a defender a linhaâ&#x20AC;?, referiu JoĂŁo Moura, autarca eleito pelo PSD, durante o perĂ­odo antes da ordem do dia da reuniĂŁo da Assembleia Municipal de Cantanhede. O ramal da Pampilhosa ID] D OLJDomR HQWUH DTXHOD HVWDomRQDOLQKDGR1RUWH e a Figueira da Foz, e foi desactivado, por razĂľes de VHJXUDQoDDGH-DQHLUR GH  QD DOWXUD SDUD D UHDOL]DomR GH REUDV GH PRGHUQL]DomR TXH QXQFD VHUHDOL]DUDP(PR processo de reabertura foi suspenso e os carris encontram-se a ser retirados, depois de vĂĄrios furtos. JoĂŁo Moura frisou que no Ăşltimo ano decorreram reuniĂľes entre a comunidade intermunicipal do Baixo Mondego (hoje integrada na RegiĂŁo de Coimbra) e a Refer, para discutir a viabilidade de uma eventual OLJDomRIHUURYLiULDGHPHUcadorias entre o porto da Figueira da Foz e Espanha - via ramal da Pampilhosa e linha da Beira Alta - tendo sido elaborado um estudo prĂŠvio nesse sentido.

do ramal de Alfarelos. A Assembleia Municipal de Cantanhede aprovou tambĂŠm, por unanimidade, XPD PRomR DSUHVHQWDGD pelo Partido Socialista que GHIHQGHD PDQXWHQomRGR KRVSLWDO ORFDO QR 6HUYLoR 1DFLRQDOGH6D~GH 616  1R WH[WR GD PRomR a que a agĂŞncia Lusa teve acesso, ĂŠ declinada a intenomRGDWXWHODHPWUDQVIHULUD gestĂŁo do hospital Arcebispo JoĂŁo CrisĂłstomo para a Santa Casa da MisericĂłrdia de Cantanhede â&#x20AC;&#x153;ou para outra qualquer entidade privada, em defesa da sua permanĂŞncia na rede pĂşEOLFD GR 6HUYLoR 1DFLRQDO de SaĂşdeâ&#x20AC;?. $PRomRGHIHQGHDLQGD D PDQXWHQomR GDV 8QLGDdes de Internamento de &RQYDOHVFHQoDH3DOLDWLYRV â&#x20AC;&#x153;as quais jĂĄ foram referĂŞncia a nĂ­vel nacionalâ&#x20AC;?, a cirurgia do ambulatĂłrio e as especialidades e valĂŞncias existentes na unidade hospitalar â&#x20AC;&#x153;como garantia de mais e melhor saĂşde para os munĂ­cipesâ&#x20AC;? e a continuidade de cuidados de proximidade. Da parte da bancada do PSD, maioritĂĄria da Assembleia Municipal, CarHospital deve los Pessoa lembrou que o continuar no SNS protocolo a assinar com o Apesar de defesa da ministĂŠrio da SaĂşde - que OLJDomRYLD3DPSLOKRVDDR devolve a gestĂŁo do hospiporto da Figueira da Foz, a tal Ă MisericĂłrdia - â&#x20AC;&#x153;ainda estrutura portuĂĄria jĂĄ pos- nĂŁo ĂŠ conhecidoâ&#x20AC;? e que os VXLXPDOLJDomRIHUURYLiULD hospitais de Fafe, Anadia DWpjOLQKDGR1RUWHDWUDYpV e Serpa, este Ăşltimo na â&#x20AC;&#x153;O estudo vai ser aprofundado. E, no futuro, espero que seja possĂ­vel candidatar [a requalificaomR@ D IXQGRV HXURSHXVÂľ frisou o autarca. A esse propĂłsito, referiu que uma primeira estimativa de custos de reTXDOLĂ&#x20AC;FDomRDSRQWDYDSDUD  PLOK}HV GH HXURV PDV que esse valor desceu para RV  PLOK}HV ´XP YDORU muito razoĂĄvel a dividir pelos municĂ­pios e pela Referâ&#x20AC;?, argumentou JoĂŁo Moura. O presidente da Câmara minimizou a retirada dos carris, sublinhando que esta ocorreu devido aos DVVDOWRVYHULĂ&#x20AC;FDGRV´2TXH importa ĂŠ que aquele canal se mantenha e possa ser recuperadoâ&#x20AC;?, adiantou. A esse propĂłsito, JoĂŁo Moura sustentou que o ramal da Pampilhosa estĂĄ no plano estratĂŠgico da comunidade intermunicipal, â&#x20AC;&#x153;tal como o Metro Mondegoâ&#x20AC;?, e que os municĂ­pios de Cantanhede, Mealhada, Montemor-o-Velho e Figueira da Foz nĂŁo abdicam GD VXD UHTXDOLĂ&#x20AC;FDomR ´DWp SHODIRUoDTXHHVWiDWHUR porto da Figueiraâ&#x20AC;?, disse.

primeira semana de Janeiro GH´´VHUYLUmR FRPR experiĂŞncias pilotoâ&#x20AC;? daqueODLQWHQomR JĂĄ na bancada socialisWD SURPRWRUD GD PRomR Abel Carapeto frisou que D GHIHVD GD PDQXWHQomR GR KRVSLWDO QR 616 ´QmR ĂŠ nada contraâ&#x20AC;? a MisericĂłrdia de Cantanhede. â&#x20AC;&#x153;O que nĂŁo queremos ĂŠ uma SULYDWL]DomRHQFDSRWDGDGR hospitalâ&#x20AC;?, frisou. 2 WH[WR GD PRomR UHfere, ainda, que o despacho da tutela que criou um grupo de trabalho para DQDOLVDU DV FRQGLo}HV GH GHYROXomRjVPLVHULFyUGLDV das unidades de saĂşde que se encontram sob gestĂŁo pĂşblica â&#x20AC;&#x153;foi aprovado sem o conhecimento dos cidadĂŁos, do poder local e GRV SUySULRV VHUYLoRV GH saĂşdeâ&#x20AC;?. Por outro lado, os proSRQHQWHV GD PRomR  TXH serĂĄ enviada, entre outros, ao Presidente da RepĂşblica, ministro da SaĂşde e grupos parlamentares da Assembleia da RepĂşblica - dizem que nĂŁo se conhece o futuURGHWRGRVRVSURĂ&#x20AC;VVLRQDLV do hospital de Cantanhede e que a unidade de saĂşde possui recursos humanos e materiais, infraestruturas e equipamentos â&#x20AC;&#x153;que devem ser rentabilizados, na linha do primado da sustentabilidade e da complementaridade na rede pĂşblica GR 6LVWHPD 1DFLRQDO GH SaĂşdeâ&#x20AC;?.

O padre JosĂŠ LuĂ­s Ferreira ĂŠ o impulsionador do Lar de Nossa Senhora das Dores

1D SULPHLUD GHVORFDomR Ă parĂłquia da Carapinheira, o bispo de Coimbra, D. VirgĂ­lio $QWXQHVDEHQoRRXQRGLD DVQRYDVLQVWDODo}HVGR&HQWUR Social e Paroquial (CSPC) daquela localidade do concelho de Montemor-o-Velho. As obras agora inauguradas englobam a cozinha e equipamentos, lavandaria, UHIHLWyULRLQVWDODo}HVVDQLWiULDV e salas de estar e de convĂ­vio, apetrechadas com mobiliĂĄrio adequado Ă s caracterĂ­sticas de mobilidade reduzidas dos utentes. ´eDEHQomRGHXPVRQKR que vem jĂĄ de hĂĄ muito tempo e de uma realidade que contiQXDDVHUXPVRQKRÂľDĂ&#x20AC;UPRX o prelado na cerimĂłnia de LQDXJXUDomRGDSULPHLUDIDVH GDVREUDVGR/DUGH1RVVD Senhora das Dores, que contou FRPDSUHVHQoDGHGLYHUVDV entidades e da comunidade que quis partilhar, em primeira mĂŁo, esta ocasiĂŁo especial para a freguesia. â&#x20AC;&#x153;Hoje ĂŠ um dia muito esSHFLDOSDUDHVWDLQVWLWXLomRÂľVy DOFDQoDGR´JUDoDVDXPFRUSR de colaboradores incansĂĄveis, a uma comunidade, sempre amiJDHJHQHURVDjVLQVWLWXLo}HV que tanto tĂŞm ajudado esta casa, aos apoios dos fundos comunitĂĄrios, atravĂŠs de uma candidatura Ă  ADELO, e Ă  Câmara Municipal de Montemor-

-o-Velhoâ&#x20AC;?, disse o padre JosĂŠ LuĂ­s Ferreira. Visivelmente satisfeito, o pĂĄroco da Carapinheira e presidente do CSPC falou dos nĂşmeros das obras realizadas, que â&#x20AC;&#x153;jĂĄ estĂŁo a dar resposta plena a mais de uma centena de utentes do Centro de Dia e Apoio DomiciliĂĄrioâ&#x20AC;? e que resulta de um investimento JOREDOGHHXURVFRP financiamento ADELO de HXURV ´2V UHVWDQWHV   euros sĂŁo fundos prĂłprios GD LQVWLWXLomR TXH FRQWUDLX HPSUpVWLPRVQRYDORUGH HXURVRTXHVLJQLĂ&#x20AC;FDTXH enquanto nĂŁo se pagar este valor, nĂŁo prosseguiremos para a segunda fase desta obra: o Lar GH1RVVD6HQKRUDGDV'RUHVÂľ referiu o pĂĄroco, revelando-se FRQĂ&#x20AC;DQWHGHTXH´FRPDDMXGD dos carapinheirenses podemos continuar a sonharâ&#x20AC;?. TambĂŠm EmĂ­lio TorrĂŁo, presidente da Câmara Municipal de Montemor-o-Velho, acredita que, â&#x20AC;&#x153;agora que o velho espĂ­rito dos carapinheirenses estĂĄ a renascer, o sonho do Lar vai ser uma realidadeâ&#x20AC;?. $SHVDUGDVGLĂ&#x20AC;FXOGDGHVTXH a autarquia atravessa, o edil mostrou-se disponĂ­vel para ajudar o CSPC: â&#x20AC;&#x153;existe uma grande criatividade e uma forte vontade de trabalhar nesta ĂĄrea VRFLDOÂľUHIRUoRX

DĂ­vida condiciona gestĂŁo camarĂĄria

Montemor-o-Velho com orçamento de rigor para 2014 A Assembleia Municipal de Montemor-o-Velho aproYRXRRUoDPHQWRSDUD TXHVXSHUDRVPLOK}HV de euros. EmĂ­lio TorrĂŁo, presidente da Câmara, teceu, na sessĂŁo, que decorreu na passada VH[WDIHLUDFUtWLFDVjVRSo}HV governativas anteriores, que UHGXQGDUDPQD´DVĂ&#x20AC;[LDÂľĂ&#x20AC;nanceira do MunicĂ­pio. O edil sublinhou que o executivo â&#x20AC;&#x153;tinha e tem o seu projecto polĂ­tico e tem as VXDV DPELo}HV H D YRQWDGH de fazer trabalhoâ&#x20AC;?, mas que o legado da dĂ­vida obriga a

XPRUoDPHQWR´GHULJRUÂľH a â&#x20AC;&#x153;uma gestĂŁo sustentada do municĂ­pioâ&#x20AC;?. Albertina Jorge, do PS, reconheceu que o documento aprovado â&#x20AC;&#x153;nĂŁo representa o sonho do PS para o concelhoâ&#x20AC;? e apelou Ă GHĂ&#x20AC;QLomRGHXPDHVWUDWpJLD de desenvolvimento para o futuro. Ă&#x2030; necessĂĄrio â&#x20AC;&#x153;pensar que obras ĂŠ que vĂŁo ser feitasâ&#x20AC;?, de modo a contribuir para o desenvolvimento concelhio, afirmou, congratulando-se pelos pontos da ordem de trabalho terem voltado a ser discutidos antes

GHVHUHPFRORFDGRVjYRWDomR Cristina Jorge, da coligaomR´0DLVSRU0RQWHPRUÂľ do PPD-PSD/CDS-PP, conVLGHURXTXH´RRUoDPHQWRp XPYD]LRGDVVROXo}HVDSUHJRDGDVÂľSHOR36HSHOD&'8 JĂĄ Oliveira e Sousa, do Partido da Terra â&#x20AC;&#x201C; MPT, DĂ&#x20AC;UPRX TXH 0RQWHPRUR-Velho â&#x20AC;&#x153;ĂŠ um concelho sem estratĂŠgiaâ&#x20AC;?. Em defesa do executivo socialista, Ricardo Brites, da &'8 TXH YRWRX IDYRUDYHOPHQWH R RUoDPHQWR SDUD UHWRUTXLXTXH´PXLWR foi feito em dois mesesâ&#x20AC;?,

dado que â&#x20AC;&#x153;seria quase impossĂ­vel fazer o levantamento geUDOGDVLWXDomRGR0XQLFtSLRÂľ Ricardo Brites defendeu ainda que â&#x20AC;&#x153;todo o investimento deveria ter uma reSHUFXVVmR>Ă&#x20AC;QDQFHLUD@SDUDR MunicĂ­pioâ&#x20AC;?, garantindo que â&#x20AC;&#x153;no curto prazo, as medidas YmRFRPHoDUDVHUYLVtYHLVH TXHMiHVWmRHPSUHSDUDomRDOJXPDVDFo}HVQRPHDGDPHQte uma estrutura vocacionada SDUDDFULDomRGHHPSUHJRÂľ $ FRQWUDWDomR GH HPprĂŠstimos de curto prazo, a DSURYDomRGDHVWUXWXUDRUJkQLFDGRV6HUYLoRV0XQLFLSDLV

e do mapa de pessoal do MunicĂ­pio de Montemor-o-Velho, a proposta para DSUHVWDomRGHVHUYLoRVSRU ajuste directo e as propostas GHUHJXODPHQWRGHDWULEXLomR de apoio Ă s freguesias foram alguns dos pontos que tamEpPĂ&#x20AC;]HUDPSDUWHGDRUGHP de trabalhos da Assembleia Municipal. 2RUoDPHQWRSDUDp GHPLOK}HVGHHXURVYDlor que inclui o montante de PLOK}HVSDUDDPRUWL]DomRGHHPSUpVWLPRVDQWLJRV no âmbito do processo de UHHTXLOtEULRĂ&#x20AC;QDQFHLUR

O actual executivo da Câmara de Montemor-o-Velho â&#x20AC;&#x153;herdouâ&#x20AC;? um plano de saneamento financeiro, SDUDXPSHUtRGRGHDQRV VREXPHPSUpVWLPRGH milhĂľes de euros, sendo que este ano o MunicĂ­pio falhou o SDJDPHQWRGHWUrVSUHVWDo}HV trimestrais. O passivo total da Câmara montemorense passou de PLOK}HVHPSDUD PLOK}HVHPWHQGRDXmentado, nos Ăşltimos quatros DQRVPDLVGHSRUFHQWR SDUDRVDFWXDLVPLOK}HV de euros.


31

QUINTA-FEIRA

ACTUALIDADE

DE DEZEMBRO DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

13

www.campeaoprovincias.pt

/tGHUGD$FDGpPLFD2$)LQWHUSHODGRHPVHVVmRGD$VVHPEOHLD*HUDO

7UiĂ&#x20AC;FRGHGURJD

(GXDUGR6LP}HVLJQRUDTXHVW}HV VREUHHPSUpVWLPRGHOHj%ULRVD

7ULEXQDORXYLXWHVWHPXQKDV VHPDUJXLGRVSUHVHQWHV SDUDDWHQXDUDTXHVWmR GDIDOWDGHPHPyULD

A sessĂŁo de sexta-feira (27) da Assembleia Geral da AcadĂŠmica/OAF foi parca em esclarecimentos acerca do montante da dĂ­vida para com o presidente da Direcção, JosĂŠ Eduardo SimĂľes, que sobre o assunto entrou mudo e saiu calado. Vice-presidente do elenco directivo, Salvador Manuel Arnaut remeteu para um relatĂłrio do Conselho Fiscal, datado de 2005, ocasiĂŁo em que, alegadamente, JosĂŠ Eduardo era credor de 3,50 milhĂľes de euros. Salvador Arnaut respondia a perguntas de JoĂŁo Paulo Pinto Mendes, que questionou â&#x20AC;&#x153;uma Direcção HP Ă&#x20AC;P GH FLFORÂľ R PDQdato expira em meados de 2014), designadamente sobre os contornos da dĂ­vida da instituição em relação a SimĂľes e/ou ao empresĂĄrio EmĂ­dio Mendes, promotor do empreendimento urbanĂ­stico Jardins do Mondego. Arnaut limitou-se a esclarecer que EmĂ­dio Mendes nĂŁo ĂŠ credor da AcadĂŠmica/OAF, mas JosĂŠ Eduardo nĂŁo inter veio apesar de Pinto Mendes o haver instado nesse sentido. O montante de 3,50 milhĂľes de euros terĂĄ sido emprestado a JosĂŠ Eduardo pelo sobredito empresĂĄrio. SimĂľes indicara, em 2010, ter sido liquidada uma parte do emprĂŠstimo. Director de urbanismo de Coimbra no triĂŠnio 2003/05, JosĂŠ Eduardo SimĂľes foi condenado por corrupção passiva para acto lĂ­cito devido a favorecimento de promotores imobiliĂĄrios a troco de donativos para o clube. JosĂŠ Eduardo assumiu o cargo de vice-presidente da AcadĂŠmica/OAF, em

A mais recente reuniĂŁo da Assembleia Geral da AcaGpPLFD2$)Ă&#x20AC;FRXPDUFDGD pela saĂ­da intempestiva de Frederico Valido e MĂĄrio Campos, sendo Frederico o presidente do NĂşcleo de Veteranos e MĂĄrio irmĂŁo de VĂ­tor Campos, sĂłcio nĂşmero um do NV. A saĂ­da dos mĂŠdicos ocorreu imediatamente a seguir a uma alusĂŁo do lĂ­der da

2003, quando foi investido na função de director de urbanismo, e, no final de 2004, ascendeu Ă liderança do clube, tendo sido reconduzido em Abril de 2008 e em Junho de 2011. Em Maio de 2010, a AcadĂŠmica/OAF, atravĂŠs do presidente do Conselho Fiscal (CF), AntĂłnio Preto, declinou prestar esclarecimentos ao â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁoâ&#x20AC;? acerca das contas entre o clube e JosĂŠ Eduardo SimĂľes. Uma das perguntas enviadas a AntĂłnio Preto, vice-presidente da Direcção no triĂŠnio 2005-07, questionava, por exemplo, se JosĂŠ Eduardo ĂŠ credor da Briosa. Noutra, o presidente do CF era instado a dizer se o clube procedeu ao pagamento de cerca de 3,50 milhĂľes de euros alegadamente emprestados a Eduardo SimĂľes pelo empresĂĄrio EmĂ­dio Mendes. Cautela e caldos de galinha...

JosÊ Eduardo pediu a outro antigo presidente do CF, Alberto Santos (jurista), para trocar impressþes com Maria JosÊ Vicente, advogada e membro da Mesa da Assembleia Geral da Briosa, sobre a redacção de um documento complementar das actas da Direcção alusivas ao sobredito emprÊstimo. Segundo Alberto Santos, que renunciou ao cargo a meio do mandato, seria conveniente haver um documento a indicar que Eduardo Simþes não interveio na deliberação. Para Alberto Santos, tratava-se de a Direcção acatar a disponibilidade do presidente e anuir acerca da contracção de um emprÊstimo por ele concedido. Na

perspectiva do referido jurista, os vice-presidentes nĂŁo podiam limitar-se a tomar conhecimento da obtenção do crĂŠdito. Nesse contexto, o entĂŁo presidente do CF sugeriu a Maria JosĂŠ Vicente, mulher de AntĂłnio Preto, a redacção de um documento para constar que Eduardo SimĂľes nĂŁo interveio na discussĂŁo, em sede de Direcção, nem na deliberação respeitante a tal emprĂŠstimo. Na base do pedido feito por Eduardo SimĂľes a Alberto Santos esteve a dificuldade de Maria JosĂŠ Vicente em perceber que ĂŠ que a Direcção queria que Ă&#x20AC;JXUDVVHQRUHIHULGRGRFXmento. Segundo ela, parte das actas limitam-se a assinalar que Eduardo SimĂľes comunicou o emprĂŠstimo aos demais directores, aspecto que o outrora lĂ­der do CF FRQVLGHURXLQVXĂ&#x20AC;FLHQWH Na conversa com Alberto Santos, Maria JosĂŠ aludiu a HYHQWXDOGLĂ&#x20AC;FXOGDGHHPVXVtentar que Eduardo SimĂľes nĂŁo interveio na tomada de decisĂŁo. Algumas actas, disse ela, narram que o presidente emprestou dinheiro ao clube. Contactado pelo nosso Jornal, em Fevereiro de 2006, o entĂŁo presidente do Conselho Fiscal esclareceu que a dĂ­vida de 3,50 milhĂľes de euros resultava de emprĂŠstimos parcelares e considerou expectĂĄvel que fosse liquidada atĂŠ ao termo do mandato que expirou em Abril de 2008. Na opiniĂŁo de um jurista auscultado pelo â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁoâ&#x20AC;?, profundo conhecedor dos Estatutos da Briosa, o montante do emprĂŠstimo concedido pelo presidente da instituição devia ter mere-

'RLVSHUFDOoRV

AcadÊmica/OAF, JosÊ Eduardo Simþes, às fases de convalescença de Vítor Campos e de JosÊ Emílio Campos Coroa (ex-presidente da instituição). JosÊ Eduardo formulou votos no sentido do restabelecimento da saúde de Vítor e JosÊ Emílio; Mårio Campos indignou-se alegando que o irmão faz parte de uma geração de antigos futebolistas rotulados por Simþes de aiatolas

(altos dignitårios na hierarquia religiosa do islamismo xiita). O outro percalço consistiu numa advertência feita pelo presidente da Mesa da Assembleia Geral, Fernando JosÊ Oliveira, a Joaquim Luís Borges (vice-presidente). Desejoso de ver as contas sujeitas à apreciação do plenårio de associados, numa ocasião em que Nuno Teodósio Oliveira ainda aspirava

Para se sentirem desi- roâ&#x20AC;? ĂŠ pai de duas arguidas nibidas, vĂĄrias testemunhas e de um arguido e avĂ´ de GHXPSURFHVVRGHWUiĂ&#x20AC;FR outros. de droga, em que estĂĄ a Os 19 arguidos sĂŁo sete ser julgado o lĂ­der do â&#x20AC;&#x153;ClĂŁ homens e 12 mulheres (trĂŞs Monteiroâ&#x20AC;?, prestaram de- delas bastante jovens). poimento, hĂĄ dias, sem a TrĂŞs dos indivĂ­duos presença dos arguidos. estĂŁo igualmente acusados Ainda assim, um delas de autoria de um crime de começou por dizer nĂŁo se branqueamento de capitais. lembrar se conhecia deO MP preconiza que a terminados rĂŠus, alegando DOJXQV GHOHV VHMD LQĂ LJLGD falta de memĂłria, e, depois, ainda, a punição de perda admitiu haver falado com de milhares de euros a favor um arguido identificado do Estado. por uma alcunha. O advogado de defesa A uma pergunta de um de trĂŞs arguidos considerou magistrado do MinistĂŠrio que eles estĂŁo inocentes, PĂşblico (MP), sobre se a alegando que foram acutestemunha comprara pro- sados com base em meras dutos estupefacientes a um denĂşncias feitas sob anoarguido, ela respondeu ser nimato. provĂĄvel. Embora tenha pedido, ProvĂĄvel?, insistiu o anteriormente, para presprocurador. Comprei, re- tar declaraçþes sem estar Contas aprovadas conheceu o autor do depoi- acompanhada pelos demais e sem orçamento mento testemunhal. acusados, uma das arguidas Embora tenha alegado jovens acabou por falar na As contas da AcadĂŠmi- problemas de memĂłria, presença de todos. ca/OAF inerentes Ă ĂŠpoca uma das pessoas disse, A rapariga, que impufutebolĂ­stica de 2012-13 fo- num repente, sem hesitar, tou a um rĂŠu autoria de ram aprovadas, pela Assem- o nĂşmero do respectivo WUiĂ&#x20AC;FR GH HVWXSHIDFLHQWHV bleia Geral, com 54 votos a telemĂłvel. foi alertada pelo magistrado favor e 31 abstençþes. Por mais de uma vez, o do MP para o facto de haContudo, a entidade presidente do colectivo de ver dito coisas distintas, em proprietĂĄria da AcadĂŠmica - juĂ­zes e o procurador foram diferentes ocasiĂľes, acerca Futebol SDUQ (Sociedade VHQVtYHLVjVGLĂ&#x20AC;FXOGDGHVGDV de uma eventual dĂ­vida de Desportiva Unipessoal por testemunhas em falarem do um indivĂ­duo. Quotas criada para disputar que sabem, mas nem por Campos do BolĂŁo, Peo campeonato da I Liga) isso os magistrados deixa- drulha, Ingote, avenida de ainda nĂŁo possui orçamento ram de alertar as pessoas FernĂŁo de MagalhĂŁes e para 2014. para o dever de responder Terreiro da Erva sĂŁo alguns Na certificação legal, com verdade. dos pontos de Coimbra R UHYLVRU RĂ&#x20AC;FLDO GH FRQWDV Dezanove arguidos es- referidos na peça acusatĂłria alude a subvalorização do tĂŁo a ser julgados, desde 21 como locais da prĂĄtica do passivo da instituição em de Novembro [de 2013], alegado crime. 1,10 milhĂľes de euros devido pela Vara Mista de CoimCinco inspectores da a falta de reconhecimento de bra, tendo o mais velho (de PolĂ­cia JudiciĂĄria e mais de contingĂŞncias em processos apelido Monteiro) 86 anos uma dezena de membros da Ă&#x20AC;VFDLVUHFODPDGRVHHPSUR- de idade. PSP foram arrolados para cessos judiciais. O lĂ­der do â&#x20AC;&#x153;ClĂŁ Montei- depor como testemunhas. Quanto Ă  exploração do bingo, o presidente da Aca&RLPEUD dĂŠmica/OAF, JosĂŠ Eduardo SimĂľes, considerou que ela nĂŁo tem futuro. cido parecer favorĂĄvel da Assembleia Geral. Nos termos estatutĂĄrios, compete exclusivamente Ă  AG autorizar a Direcção a contrair emprĂŠstimos e outras operaçþes de crĂŠdito cujos prazos de liquidação ultrapassem o mandato dos ĂłrgĂŁos sociais e excedam 10 por cento da despesa do ano anterior. Ao candidatar-se a presidente da Mesa da AG, o advogado JosĂŠ Manuel Ferreira da Silva considerou que os actos, resoluçþes ou deliberaçþes dos ĂłrgĂŁos sociais contrĂĄrios aos Estatutos â&#x20AC;&#x153;nĂŁo obrigamâ&#x20AC;? a AcadĂŠmiFD2$)´Ă&#x20AC;FDQGRSHVVRDOH solidariamente responsĂĄveis todos os dirigentes intervenientesâ&#x20AC;?.

0DSDSDUDIDFLOLWDU RXVRGHDXWRFDUURV

O encontro mensal Improve Coimbra vai lançar, a usar da palavra, Borges em Janeiro de 2014, um exortou Oliveira a ordenar, de mapa inspirado nos metros imediato, a votação; Fernando de Madrid, Londres e Paris JosĂŠ invocou a qualidade de presidente da Mesa para con- SDUDIDFLOLWDUHVLPSOLĂ&#x20AC;FDUR vidar Joaquim LuĂ­s a abster-se uso de autocarros na cidade. O mapa, desenvolvido de semelhantes observaçþes. Borges estĂĄ bastante durante trĂŞs meses, destinaLGHQWLĂ&#x20AC;FDGRFRPDVSRVLo}HV se a turistas, estudantes esde JosĂŠ Eduardo, enquanto trangeiros ou atĂŠ a cidadĂŁos Oliveira procura que o seu de Coimbra que andem papel seja pautado pela im- pouco de autocarro na cidade. parcialidade.

Henrique Macedo, designer que participa no Improve Coimbra, Ê um desses cidadãos que pouco anda de autocarro pela cidade e que teve a ideia de criar um mapa de metro para autocarros, quando, um dia, estava à espera desse transporte, e lhe fez confusão toda a informação e nomes desconhecidos que encontrava nos horårios da paragem.


EMPRESAS & NEGĂ&#x201C;CIOS

14

www.campeaoprovincias.pt

Cooperativa AgrĂ­cola de Apicultores da LousĂŁ e Concelhos LimĂ­trofes

PrÊmios e distinçþes encerram bodas de prata da Lousãmel

O evento, que decorreu no Hotel PalĂĄcio da LousĂŁ, distinguiu ainda SĂ­lvio Matias e Paulo Moura com o PrĂŠmio Produtor, Maria LuĂ­sa Ferreira com o PrĂŠmio Mulher e Diamantino Lucas e EmĂ­dio SimĂľes com o PrĂŠmio Cooe os ex-autarcas Fernando perador. O PrĂŠmio Mel DOP BENEDITA OLIVEIRA Antunes (que desempenhou Serra da LousĂŁ foi atribuĂ­do Ă A LousĂŁmel â&#x20AC;&#x201C; Cooperativa um papel extremamente rele- Câmara Municipal da LousĂŁ e AgrĂ­cola de Apicultores da vante no envolvimento dos dez o PrĂŠmio Dedicação homeLousĂŁ e Concelhos LimĂ­trofes concelhos na LousĂŁmel, assim nageou AntĂłnio Carvalho (hĂĄ encerrou, no passado sĂĄba- como na criação da DOP 20 anos na cooperativa) e JosĂŠ do, as comemoraçþes dos 25 - Denominação de Origem Brito Dias (o actual presidente anos de actividade, com uma Protegida), Fernando Carvalho do MunicĂ­pio da Pampilhosa sessĂŁo solene que prestou ho- (que apoiou logisticamente o da Serra foi presidente da Asmenagem Ă s individualidades projecto e a criação da nova sembleia Geral da LousĂŁmel). e instituiçþes â&#x20AC;&#x153;que sempre central meleira) e HorĂĄcio Outro dos momentos acreditaram no projectoâ&#x20AC;?. Antunes (um dos mentores da altos da sessĂŁo solene foi o Na cerimĂłnia, a LousĂŁ- prĂłpria cooperativa). lançamento do livro infantil mel distinguiu com o PrĂŠmio Os municĂ­pios da Lou- â&#x20AC;&#x153;Risquinha AntĂłnia ou a LenPersonalidade: Duarte Pes- sĂŁ, GĂłis, PedrĂłgĂŁo Grande, da do Melhor Mel do Mundoâ&#x20AC;?, soa (consultor da LousĂŁmel Pampilhosa da Serra e Penela da autoria de Ana Paula, com e grande entusiasta do desen- e a Turismo do Centro, atravĂŠs LOXVWUDomRGH,QrV0DVVDQR volvimento do mel Serra da de Pedro Machado, foram â&#x20AC;&#x153;Este ĂŠ um momento LousĂŁ), Amândio Torres (ac- tambĂŠm distinguidos pelo seu de reconhecimento de quem tual presidente da Assembleia empenho no desenvolvimento acreditou no nosso projecto. Municipal da LousĂŁ e grande HDĂ&#x20AC;UPDomRGRPHO6HUUDGD Sem eles, nĂłs nĂŁo estarĂ­amos dinamizador da cooperativa) LousĂŁ. onde estamos. Temos de ser humildes e reconhecer aqueles que foram nossos amigos. Esta ĂŠ uma simbĂłlica homenagem, mas um profundo reconhecimentoâ&#x20AC;?, comentou AntĂłnio Carvalho, adiantando que o objectivo ĂŠ instituir este tipo de homenagens e distinçþes anualmente, provavelmente no âmbito da Feira do Mel da LousĂŁ. O presidente da direcção faz â&#x20AC;&#x153;um balanço extremamente positivoâ&#x20AC;? da LousĂŁmel, reconhecendo que a cooperativa se deve â&#x20AC;&#x153;nĂŁo sĂł ao trabalho da A produção da LousĂŁmel caiu cerca de 40 por actual direcção como tambĂŠm cento este ano devido Ă s condiçþes climatĂŠricas aos dirigentes antecessoresâ&#x20AC;?. Abertura 1988 Presidente da Cooperativa AntĂłnio Carvalho Morada Zona Industrial dos Matinhos 3200-100 LousĂŁ Telefone 239 995 249 Endereço electrĂłnico lousamel@lousamel.pt

Ana Paula e AntĂłnio Carvalho

â&#x20AC;&#x153;A LousĂŁmel resulta de muito trabalho e dedicação e nĂŁo podia deixar de dar uma palavra de apreço a quem fundou a cooperativaâ&#x20AC;?, notou AntĂłnio Carvalho. Segundo o dirigente, a LousĂŁmel tem-se empenhado em dois vectores fundamentais: na qualidade e aumento da produção e na formação. â&#x20AC;&#x153;Temo-nos focado muito na melhoria das condiçþes de trabalho de quem estĂĄ na LousĂŁmel e no trabalho tĂŠcnico de apoio aos apicultores, ao nĂ­vel da formação e de projectosâ&#x20AC;?, acrescentou. Face ao patamar de desenvolvimento que a LousĂŁmel atingiu, o presidente da direcção considera que a instituição WHPFRQWULEXtGRSDUDDDĂ&#x20AC;UPDção da actividade nĂŁo sĂł na regiĂŁo como no paĂ­s. â&#x20AC;&#x153;TambĂŠm temos responsabilidade no desenvolvimento da apicultura a nĂ­vel nacional, atravĂŠs da formação e no incentivo Ă adesĂŁo de jovens Ă  apiculturaâ&#x20AC;?, observou o dirigente.

â&#x20AC;&#x153;A apicultura ĂŠ difĂ­cil, dura e trabalhosa, mas para mim ĂŠ talvez das actividades da agricultura mais lucrativas e penso que hĂĄ cada vez mais jovens a apostar nesta ĂĄreaâ&#x20AC;?, continuou. Este ano, a LousĂŁmel teve uma quebra de produção na ordem dos 40 por cento, devido a condiçþes climatĂŠricas adversas. â&#x20AC;&#x153;Nesta temporada sĂł tivemos 25 toneladas, o que ĂŠ muito pouco para as nossas QHFHVVLGDGHVÂľDĂ&#x20AC;UPRX$QWynio Carvalho, notando que a instituição tem um contrato de distribuição com a Sonae para todo o paĂ­s. â&#x20AC;&#x153;O nosso mel estĂĄ sempre todo vendido. Os alemĂŁes adoram o nosso mel, mas sĂł quando temos em excesso ĂŠ que mandamos para outros paĂ­ses. Privilegiamos o nosso paĂ­sâ&#x20AC;?, contou o responsĂĄvel. O Mel Serra da LousĂŁ DOP ĂŠ considerado um â&#x20AC;&#x153;embaixadorâ&#x20AC;? da regiĂŁo, chegando, ainda que em pequena quantidade, aos quatro cantos do mundo.

Que sensibiliza para a reciclagem de materiais

Centrotorneiras com ĂĄrvore de Natal original

A Centrotorneiras, localizada na rua Adriano Lucas, em Eiras, volta a apostar numa decoração natalĂ­cia original. Ă&#x20AC; semelhança de anos anteriores, a empresa montou

uma årvore de Natal com madeira de paletes. A instalação, de uma altura consideråvel, då as boas-vindas a todos os clientes, sensibilizando-os simultaneamente para a importância da reciclagem.

Desde hĂĄ cinco anos, a equipa da Centrotorneiras tem aproveitado o material existente nos armazĂŠns para construir a ĂĄrvore de Natal. A Centrotorneiras ĂŠ uma empresa especializada em

tubagens, equipamento de aquecimento, mobiliĂĄrio e acessĂłrios para cozinhas e casas de banho, assim como em painĂŠis solares e ar condicionado. Actualmente, tem em

Com muitas iguarias e alegria

vigor uma Feira de Aquecimento. Em destaque estĂŁo equipamentos que que utilizam material â&#x20AC;&#x153;amigo do ambienteâ&#x20AC;?, como pellets e lenha, e outras soluçþes a preços convidativos.

de iguarias friasâ&#x20AC;? e â&#x20AC;&#x153;primeiros TXHQWHVÂľĂ&#x20AC;JXUDPQDHPHQWD especial com que a unidade KRWHOHLUDYDLFHOHEUDURĂ&#x20AC;PGH-ano e a entrada em 2014. A ocasiĂŁo festiva conta com especialidades tĂ­picas da quadra, como as tartaletes de

requeijĂŁo e doce de abĂłbora, canapĂŠ de salmĂŁo fumado, gambas ao natural, açafate de mousse de sapateira, canja de JDOLQKDFRPĂ&#x20AC;RVRYRVVXSUHmos de garoupa grelhados em FDPDGHDOKRIUDQFrVHSXUpGH cenoura ou cabrito assado no

forno com arroz de miĂşdos. No que respeita a sobremesas, o destaque vai para os doces conventuais. Ă&#x20AC; meia-noite ĂŠ celebrada a entrada do novo ano, brindando com uma taça de espumante Quinta do Valdo-

QUINTA-FEIRA

DE DEZEMBRO DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

B R E V E S

Celbi solidĂĄria com a CĂĄritas A Celbi entregou, no passado dia 21, um donativo de 500 euros Ă CĂĄritas Diocesana de Coimbra, atravĂŠs do seu Centro Nossa Senhora da Boa Viagem na Leirosa. A este apoio generoso somou-se a entrega de diversos bens, recolhidos junto dos colaboradores GDTXHODHPSUHVDĂ&#x20AC;JXHLUHQVH utilizados para a distribuição de cabazes de Matal junto dos utentes da CĂĄritas naquela zona geogrĂĄfica. No total, foram recebidas cerca de 245 unidades de alimentos (como leite, cereais, conservas, azeite e guloseimas), livros, fraldas, produtos de higiene pessoal e puericultura e ainda 8,5 quilogramas de roupa para criança. A CĂĄritas congratulou-se com os gestos de apoio e dĂĄdiva de tantas pessoas e empresas nesta quadra festiva, como ĂŠ o caso da Celbi, em nome daqueles que ajuda diariamente. Go! Walks parceira da Casa Medieval A partir de Janeiro de 2014, a Go! Walks tem como ponto de encontro a Casa Medieval, na rua Sargento Mor, em plena â&#x20AC;&#x153;Baixaâ&#x20AC;? de Coimbra. No estabelecimento, instalado num edifĂ­cio do sĂŠculo XVI, vai ser possĂ­vel consultar todos os serviços que a Go! Walks disponibiliza, assim como efectuar reservas. O objectivo da parceria ĂŠ garantir um serviço mais personalizado, com PDLRUTXDOLGDGHHHĂ&#x20AC;FLrQFLD A empresa continua a contar ainda com o apoio da loja da Anita, tambĂŠm na â&#x20AC;&#x153;Baixaâ&#x20AC;?. A Go! Walks ĂŠ especializada na organização de percursos pedonais de cariz turĂ­stico na cidade de Coimbra. A empresa ĂŠ liderada pela jovem empreendedora Sara Cruz e visa a dar a conhecer aos turistas os locais GHUHIHUrQFLDHP&RLPEUD

PolĂ­cia Municipal adere a campanha da Era A PolĂ­cia Municipal de Coimbra associou-se, pelo segundo ano consecutivo, Ă causa solidĂĄria da Era Coimbra Celas. A instituição entregou, no passado dia 20, os bens angariados entre os agentes. Celso Marques, comandante da PolĂ­cia Municipal, referiu na ocasiĂŁo que â&#x20AC;&#x153;ĂŠ com muito empenho e dedicação que esta eiro, seguindo-se, por volta instituição participa em acçþes das 02h00, a tradicional ceia solidĂĄrias como estaâ&#x20AC;?. A camde S. Silvestre, em que nĂŁo panha de solidariedade da Era IDOWDUiQRĂ&#x20AC;QDORFDOGRYHUGHH Coimbra Celas reverte a favor o chocolate quente. da Associação Portuguesa de Sem alojamento, os preços Pais e Amigos do CidadĂŁo Decomeçam a partir dos 134 Ă&#x20AC;FLHQWH0HQWDO $33$&'0  euros. de Coimbra.

Hotel D. LuĂ­s festeja passagem de ano O Best Western Hotel D. LuĂ­s preparou uma festa de passagem de ano, que prima pelo requinte e pela boa gastronomia. Mesa de boas vindas, cocktail de despedida 2013, jantar de rĂŠveillon e â&#x20AC;&#x153;primeira mesa

31


31

QUINTA-FEIRA

ACTUALIDADE

DE DEZEMBRO DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

15

www.campeaoprovincias.pt

Ramal da LousĂŁ/Metro Mondego

0RYLPHQWR&tYLFRWHPHTXHSURMHFWRĂ&#x20AC;TXH VHPĂ&#x20AC;QDQFLDPHQWRHXURSHX BENEDITA OLIVEIRA

O Movimento CĂ­vico de Coimbra, LousĂŁ, Miranda e GĂłis estĂĄ contra a submissĂŁo das obras do Ramal da LousĂŁ/Metro Mondego a uma comissĂŁo que (in)viabiliza os projectos candidatos a Ă&#x20AC;QDQFLDPHQWRHXURSHX Em conferĂŞncia de Imprensa, realizada na passada quinta-feira, na Estação do Parque, em Coimbra, Jaime Ramos, porta-voz do Movimento CĂ­vico, disse discordar que o Governo ´WUDQVĂ&#x20AC;UDDUHVSRQVDELOLGDde [de execução das obras] para uma comissĂŁo que tudo indica estar subordinada a lĂłbis de grandes LQWHUHVVHVÂľ A comissĂŁo tem por missĂŁo estudar as prioridades de investimento a propor Ă UniĂŁo Europeia para o prĂłximo QREN (Quadro de ReferĂŞncia EstratĂŠgica 1DFLRQDO  Jaime Ramos teme que a comissĂŁo tĂŠcnica nĂŁo reconheça o â&#x20AC;&#x153;elevado interesse social e regionalâ&#x20AC;? do Metro Mondego, em prol de investimentos considerados de â&#x20AC;&#x153;alto valor acresFHQWDGRSDUDDHFRQRPLDÂľ O Movimento CĂ­vico defende que a classe polĂ­tica nĂŁo se deve escudar na comissĂŁo, mas sim â&#x20AC;&#x153;honrarâ&#x20AC;? os compromissos assu-

Jaime Ramos (ao centro) quer uma decisĂŁo polĂ­tica para as obras do Ramal da LousĂŁ/Metro Mondego

midos com a população, garantindo o transporte de passageiros, em ferrovia, HQWUH&RLPEUDH6HUSLQV O Presidente da RepĂşblica jĂĄ se pronunciou favoravelmente pelo projecto, assim como todos os partidos polĂ­ticos, em deliberaçþes realizadas na $VVHPEOHLDGD5HS~EOLFD â&#x20AC;&#x153;NĂŁo concordamos que estas comissĂľes analisem o interesse do projecto, onde jĂĄ foram gastos cerca de 140 milhĂľes de eurosâ&#x20AC;?, sublinhou o porta voz do Movimento CĂ­vico, notando que este subterfĂşgio

serve para â&#x20AC;&#x153;adormecer as SHVVRDVÂľ â&#x20AC;&#x153;A obra nĂŁo pode parar, atĂŠ para rentabilizar o GLQKHLURMiJDVWR8PSDtV FRPDVFRQGLo}HVĂ&#x20AC;QDQFHLras como as nossas nĂŁo se pode dar ao luxo de desperdiçar milhĂľes de eurosâ&#x20AC;?, comentou o responsĂĄvel, jĂĄ jPDUJHPGDFRQIHUrQFLD As obras estĂŁo estimadas em cerca de 100 milhĂľes de euros, sendo que se o projecto for candidato a financiamento europeu terĂĄ uma comparticipação GH  SRU FHQWR 1HVWH caso, o paĂ­s teria de assumir

apenas 15 por cento do investimento, ou seja, 15 PLOK}HVGHHXURV Ramal da LousĂŁ foi desmantelado hĂĄ trĂŞs anos

A continuidade do Ramal da LousĂŁ/Metro Mondego ĂŠ, realçou Jaime Ramos, uma â&#x20AC;&#x153;questĂŁo de honradez SDUDDFODVVHSROtWLFDÂľ O Ramal da LousĂŁ foi desmantelado hĂĄ cerca de trĂŞs anos, durante a governação de JosĂŠ SĂłcrates, com o objectivo de se implementar R0HWUR0RQGHJR

â&#x20AC;&#x153;Foi uma decisĂŁo polĂ­ticaâ&#x20AC;? e atĂŠ o primeiro-ministro Passos Coelho, acrescentou Jaime Ramos, â&#x20AC;&#x153;prometeu que garantiria a ligação em transporte de passageiros, sobre carris, entre Coimbra H6HUSLQVÂľ â&#x20AC;&#x153;JosĂŠ SĂłcrates, agora como comentador televisivo PXLWR LQĂ XHQWH GHYH H[LJLU que o Governo continue com DREUDTXHODQoRX1mRpSRU nĂŁo estar na polĂ­tica activa que se pode alhear de corrigir o que fezâ&#x20AC;?, criticou o portaYR]GR0RYLPHQWR&tYLFR Jaime Ramos apelou igualmente a que Pedro Saraiva, presidente da ComissĂŁo de Coordenação e Desenvolvimento da RegiĂŁo Centro (CCDRC), deputados eleitos pelo cĂ­rculo eleitoral de Coimbra e autarcas defendam o projecto HDUHJLmR

As forças vivas da regiĂŁo devem â&#x20AC;&#x153;manifestar por todas as vias a exigĂŞncia de se concluir esta obra jĂĄ iniciadaâ&#x20AC;?, declarou, sublinhando que, entre todos os autarcas da regiĂŁo, Manuel Machado ĂŠ o que tem â&#x20AC;&#x153;reforçadas obrigaçþesâ&#x20AC;?, por presidir Ă Associação Nacional de MunicĂ­pios Portugueses, entidade que estĂĄ representada QDFRPLVVmRHPTXHVWmR Para Jaime Ramos, este projecto ĂŠ um exemplo paradigmĂĄtico das causas que levaram o paĂ­s Ă  bancarrota: a falta de ĂŠtica, mĂĄ utilização de dinheiros pĂşblicos e falta de dignidade da classe polĂ­tica â&#x20AC;&#x153;que deixou que o Estado tivesse sido capturado por JUDQGHVLQWHUHVVHVÂľ â&#x20AC;&#x153;NĂłs nĂŁo aceitamos que a cidade de Coimbra, os seus lĂ­deres e os cidadĂŁos, se calem perante a afronta que estĂŁo a fazer contra a regiĂŁo se o Ramal/ Machado 0HWURQmRWLYHUFRQWLQXLGDGH com â&#x20AC;&#x153;reforçadas Ă&#x2030; pela dignidade da regiĂŁo que obrigaçþesâ&#x20AC;? estamos aqui nesta luta reivindiFDWLYDÂľUHPDWRX-DLPH5DPRV â&#x20AC;&#x153;Na regiĂŁo, o presidente A concretização do projecda CCDRC Pedro Saraiva nĂŁo to Ramal da LousĂŁ/Metro pode continuar calado sem Mondego depende de ser publicamente exigir a conti- Ă&#x20AC;QDQFHLUDPHQWHDSRLDGRSHOD QXDomRGDREUD1mRSRGHVHU UniĂŁo Europeia no prĂłximo sĂł uma cadeia de transmissĂŁo 45(1 GR *RYHUQR 7HP GH OHYDU Uma primeira decisĂŁo para cima as aspiraçþes da sobre os projectos que Porpopulaçãoâ&#x20AC;?, observou o lĂ­der tugal vai candidatar serĂĄ todo grupo cĂ­vico de defesa do mada no inĂ­cio de Janeiro 0HWUR0RQGHJR GH

Incentivo ao nascimento de bebĂŠs

6ROLGDULHGDGHHQWUHJHUDo}HV

GĂłis quer prosseguir FRPEDWHjGHVHUWLĂ&#x20AC;FDomR

Estudantes apoiam idosos em troca de alojamento

$Ă&#x20AC;[DomRGRVMRYHQVHR FRPEDWHjGHVHUWLĂ&#x20AC;FDomRYmR continuar a ser, em 2014, os SULQFLSDLVGHVDĂ&#x20AC;RVGRPXQLcĂ­pio de GĂłis, que registou este ano pelo menos 18 nascimentos, o nĂşmero de famĂ­lias EHQHĂ&#x20AC;FLiULDVGHXPLQFHQWLYR de 500 euros que a Câmara Municipal atribui por cada QRYRĂ&#x20AC;OKRGHSDLVUHVLGHQWHV QRFRQFHOKR Segundo a presidente socialista da Câmara Municipal de GĂłis, Lurdes Castanheira, o concelho alcançou em 2013 a melhor taxa de natalidade dos Ăşltimos seis anos, quando se iniciou o programa de in-

Um projecto de solidariedade em Coimbra aproxima geraçþes, com centivo, entĂŁo com um apoio uma equipa, em colaboração de ĂĄgua, saneamento bĂĄsico e os estudantes a receberem de 250 euros: 16 nascimentos com as Finanças, a qual vai pavimentação de estradas do alojamento gratuito, dando em 2008; 11 em 2009; 15 em realizar o cadastro da proprie- concelho, conforme refere em troca companhia e apoio a alguns idosos que vivem 2010; oito em 2011; 12 em GDGHĂ RUHVWDOLQLFLDWLYDTXH /XUGHV&DVWDQKHLUD HHP assegura emprego a cinco pesO concelho de GĂłis era VR]LQKRVQDFLGDGH O projecto â&#x20AC;&#x153;Lado a O orçamento municipal soas, alĂŠm de contribuir para habitado por 4 260 pessoas para 2014 ascende a 8,8 mi- o ordenamento e a protecção em 2011, segundo dados Ladoâ&#x20AC;?, criado em Janeiro de lhĂľes de euros, sendo â&#x20AC;&#x153;mais contra incĂŞndios do principal oficiais, menos ainda do 2009, numa parceria entre de 30 por cento absorvido UHFXUVRHQGyJHQRGH*yLV que os 4 894 habitantes que a Associação AcadĂŠmica pelos recursos humanosâ&#x20AC;? da O prĂłximo ano â&#x20AC;&#x153;serĂĄ FRQWDYDHP(P de Coimbra e o Centro de autarquia, que emprega 170 de definição da estratĂŠgia em plena II Guerra Mundial, Acolhimento JoĂŁo Paulo II, WUDEDOKDGRUHV para 2015â&#x20AC;?, tirando partido a população de GĂłis atingiu apenas começou a ter maior ´8PDSDUWHVLJQLĂ&#x20AC;FDWLYD dos fundos comunitĂĄrios da o mĂĄximo dos Ăşltimos dois procura em 2013, tendo agodo orçamento dirige-se Ă s programação financeira do sĂŠculos, com 12 488 resi- ra 11 estudantes e 10 idosos pessoas, Ă  manutenção do perĂ­odo 2014-2020, assim dentes, facto a que nĂŁo serĂĄ GHQWURGRSURJUDPD O estudante da Faculemprego e Ă  criação de opor- como â&#x20AC;&#x153;da realização de obras DOKHLDDDĂ XrQFLDGHPLOKDUHV tunidades de trabalhoâ&#x20AC;?, refere que nĂŁo exigem grandes inves- de pessoas Ă  regiĂŁo, nessa dade de Letras, AntĂłnio a presidente da Câmara, acres- timentosâ&#x20AC;?, designadamente ĂŠpoca, para participarem na Cucu, vive, desde Outubro, na casa de Francisco Moura, centando que a autarquia criou nas ĂĄreas do abastecimento H[WUDFomRGRYROIUkPLR

de 86 anos, que diz estar a â&#x20AC;&#x153;gostar da experiĂŞnciaâ&#x20AC;? e, apesar de com a sua idade se ir perdendo â&#x20AC;&#x153;muita coisaâ&#x20AC;?, garante que nĂŁo ĂŠ â&#x20AC;&#x153;capaz de HVWDUTXLHWRÂľ Sobre a experiĂŞncia, AntĂłnio diz que ĂŠ como estar â&#x20AC;&#x153;em casa com alguĂŠm de IDPtOLDÂľ&KHJDGDIDFXOGDGH pĂľe num canal de informação e ficam os dois a ver televisĂŁo e a comentar as QRWtFLDVTXHVXUJHP Perto da casa de Francisco, vive Alice Almeida, de 85 anos, agora com a companhia das estudantes &DWDULQD H <YHWWH $V Ă&#x20AC;OKDV nĂŁo a queriam ver sozinha, os mĂŠdicos tambĂŠm nĂŁo e, por LVVRGHFLGLXDGHULUjLQLFLDWLYD


24

OPINIĂ&#x192;O

16

QUINTA-FEIRA

www.campeaoprovincias.pt

DE DEZEMBRO DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

Conto de Natal â&#x20AC;&#x153;cratinoâ&#x20AC;?

PUBLICIDADE

novos amigos virtuais, com pouco mais de uma hora, construĂ­dos Ă semelhança dos amigos agora longe. â&#x20AC;&#x201C; Bola ao ar! B u m m m m m m m m mmmmmmmmmmmâ&#x20AC;Ś! Sai um bico daqueles dos pĂŠs de Paulo e a bola lĂĄ vai e vai e vai, para espanto de todos, e vai, olhos arregalados, e espanto nas caras e vai entra varanda da casa do Toni, rapaz que tinha partido com a mĂŁe para Suíça e, segundo as novidades do Facebook, deve vir para a passagem do ano â&#x20AC;&#x201C; E agoraâ&#x20AC;Ś? O que fazemos sem bola? Ă&#x2030; pĂĄ, vamos ter de inventar outra. Olhando Ă  volta, lĂĄ estĂŁo as meias coloridas junto ao caixote do lixo. Artur corre para lĂĄ, para espanto dos amigos, e começa a embrulhar meia apĂłs meia. â&#x20AC;&#x201C; AĂ­ estĂĄ uma Ăşltima meia, uma vermelhinha, ainda reluzente, nĂŁo fosse calcanhar inexistente, resultado das velhinhas Sanjo, oferecidas pela tia de Nitas, de SĂŁo JoĂŁo da Madeira, do tipo que acabaram nos seus pĂŠs numa futebolada louca no seminĂĄrio. AĂ­ estĂĄ Paulo e a nova bola. Com esta pode-se estoirar Ă  baliza â&#x20AC;&#x153;duas pedrasâ&#x20AC;? Ă  vontade, pois nĂŁo aleija. Filipe limpa as lĂĄgrimas GR URVWR Âą (X ÂżFR FRP R Marco. â&#x20AC;&#x201C; Bola ao ar!E lĂĄ sai mais um bico e a bola sobe, VREHHYDLÂżFDUHVSHWDGDQD ponta do pinheiro. - JĂĄaaaaaaaa temos ĂĄrvore de Natal! Começam os quatro rapazes a enrolar meias e a chutar bolas contra a ĂĄrvore e elas iam uma a XPDÂżFDQGRHVSHWDGDVHD ĂĄrvore colorida. SĂł faltava DÂżWLQKDjYROWD â&#x20AC;&#x201C; FĂĄcil, disse o Filipe.

JĂĄ venho. Saiu que nem XPD Ă&#x20AC;HFKD H QXP iSLFH apareceu com um rolo de papel higiĂŠnico. AĂ­ estĂĄ a ĂĄrvore de Natal; sĂł falta o Pai Natal Ă entrada do â&#x20AC;&#x153;estĂĄdioâ&#x20AC;?. O pijama e o robe vermelhos ali estĂŁo, mais uns paus, alguma fagulha e pinhas para encher e ter assim um Pai Natal. Ali junto ao lixo tambĂŠm estĂŁo restos da manifestação ou de uma prova, coisa meia estranha que eles nĂŁo percebem. Os primos de Artur, Hugo e Jaime, tinham ido fazer a prova, por causa de um tal de Crato. Homem a quem D. AmĂŠlia, mĂŁe de Bruno, rapaz um pouco diferente de todos, diz nĂŁo ter acompanhamento especial na escola e, por isso, praticamente, este ano, nĂŁo tem ido Ă  escola, aĂ­ estava DFDUDTXHLDÂżFDUDID]HU de Pai Natal e os rapazes tambĂŠm sabiam ser por causa dele que a sua turma agora tinha 30 alunos. Quem sabe se ele nĂŁo teria grandes responsabilidades pelo cĂĄrcere e trabalhos intelectuais forçados que iriam começar logo no dia 26 para aqueles trĂŞs artistas. Batatas com bacalhau, meias, cuecas, camisolas interiores e pijamas, os primos todos no estrangeiro, aquela campainha da escola estragada a tocar, de vez em quando, fora de horas. (QÂżPXPDQRLWHTXHWLQKD muito para correr malâ&#x20AC;Ś SĂł as anedotas da tia Rosa poderiam salvar a coisa, se bem que eram as mesmas jĂĄ de muitos natais. Hugo estava triste, a pensar o que seria da sua vida se aquela prova vingasse; a injustiça era tal que prometeu a si mesmo

Rua Monsenhor Joaquim Carreira, N.Âş 9 - Souto de Cima - 2420-132 Caranguejeira Telef./Fax: 244 732 653 - Telem.: 962 610 934 - gameiro@sapo.pt

GRANDE OPORTUNIDADE

Limpa ChaminĂŠs Desentupimentos de Esgotos

Dois ArmazĂŠns nos Fornos, em Coimbra

PARA ALUGAR

32386

917 179 115 - JosĂŠ Lopes

HUGO DUARTE

nunca a fazer. Fazia desenhos na janela embaciada para ajudar a combater a tristeza, mas eis que, ao deslizar o dedo no vidro, vĂŞ os barbas longas, Adelino e Pedro, a aquecer-se no Pai Natal â&#x20AC;&#x153;cratinoâ&#x20AC;?; este ardia vigorosamente e parafraseando â&#x20AC;&#x153;Guerra Junqueiraâ&#x20AC;?, em relação Ă Universidade de Coimbra, o â&#x20AC;&#x153;cratinoâ&#x20AC;? sĂł dĂĄ luz quando se lhe deita o fogo. Mensagem para Jaime: â&#x20AC;&#x153;Vai Ă  janela, o â&#x20AC;&#x153;Cratinoâ&#x20AC;? estĂĄ a arderâ&#x20AC;?. - EntĂŁo, Hugo, o que estĂĄs a ver? O Pai Natal pegou fogo e o Adelino e o Pedro aquecem-se! Vamos atĂŠ Ă  rua, levamos-lhes o que sobrou da ceia. Vamos lĂĄ todos! E toda a gente começou a sair de casa e a ir para a fogueira. E tudo poderia estar bem, mas nĂŁo estĂĄ, as quatro negativas de Marco, as cinco negativas de Hugo e a meia dĂşzia de Paulo atrapalham as brincadeiras e acabam sempre por vir Ă  conversa animais que nada tĂŞm a ver com o assunto, famosos pelas suas orelhas. A mĂŁe de Hugo queixa-se. â&#x20AC;&#x201C; EstĂĄ cada vez mais difĂ­cil! NĂŁo sei para o ensinar, a turma e as aulas de apoio tĂŞm cada vez mais alunos. NĂŁo sei se vai fazer a escolaridade obrigatĂłria, nĂŁo tenho dinheiro para explicaçþes. â&#x20AC;&#x201C; O que vai ser deste rapaz?

O Jaime, ao ouvir a lamentação, admirou-se: com tanta loja vazia não haver uma onde se possa dar umas explicaçþes gratuitas à malta mais pobre. Albino, construtor civil que WLQKDHGL¿FDGRTXDVHPHWDde daquele bairro, disse ter uma loja vazia. Se quisessem, podiam utilizå-la; tem ågua e luz. D. Carlota, da mercearia, em tempos de outras fomes emigrante no Brasil, gosta de rondar as conversas onde se fala de negóFLRV¹6H¿]HUHPLVVRGRX uma mercearia ou outra para ajudar os professores desempregados e envolvidos no projecto. Assim, nos natais seguintes, a rapaziada teve melhores notas e animais das orelhas grandes não saíram do presÊpio para as conversas; a prova caiu e os professores continuaram a ensinar e a lutar por emprego que aparecia, de vez em quando, mas mantendo a sua dignidade abençoada pelo Natal. Natal digno Ê que desejo a todos! Em que os direitos humanos existem na casa de cada um. Um 2014 cheio de realizaçþes individuais e colectivas, atravÊs do direito DXPDSUR¿VVmRUHIRUoDGD por um sistema de avaliação justo, amplo, cuidadoso, formativo e respeitador do vosso esforço, pois ela Ê o melhor instrumento da dignidade humana!

PUBLICIDADE

33997

3DXOR WLQKD ÂżFDGR FRP D avĂł e a tia; os pais estavam na Venezuela a ganhar a vida. O pai de Artur era homem doente e as aventuras jĂĄ tinham sido todas vividas. Marco tinha a avĂł doente e os pais tomavam conta da mesma, que hĂĄ muito sofria naquela cadeira de rodas. De repente, aparece Filipe com uma brasuca na mĂŁo, miĂşdo daquele bairro, pouca daquela gente morava numa bela vivenda Ă saĂ­da do quarteirĂŁo. â&#x20AC;&#x201C; Vamos lĂĄ, amigos, mas cuidado com a bola, que ĂŠ nova. Quatro a jogar, uma seca! Quatro nĂŁo dava para nada. â&#x20AC;&#x201C; JĂĄ sei, tive uma ideia. EstĂŁo a ver aquelas canas? â&#x20AC;&#x201C; Sim! EstĂŁo a ver aquelas empas do feijĂŁo verde e aqueles pinheiros novos cortados? Vamos pegar na roupa velha que estĂĄ ali e criar jogadores virtuais, espalhĂĄ-los pelo campo e, depois, quando a bola lhes toca, congela e todos pĂĄram atĂŠ o jogador chegar perto da bola, depois recomeça. Fomos acarretando paus e fagulho para encher os bonecos e atĂŠ uns papĂŠis que, empurrados pelo vento de Norte, ali tinham vindo parar da manifestação dos professores de dia 19, serviram para dar corpo aos novos companheiros. Na baliza, jogava o Rui, hĂĄ muito empurrado para o outro lado da cidade pelo preço da renda; na defesa, Carlos, irmĂŁo de LuĂ­s, a estrela da companhia, tinha ido com os pais para Angola; Miguel, com suas fintas artĂ­sticas e Pedro, sarrafeiro de serviço, tinham ido para França. Pimentinha, uma espĂŠcie de rato atĂłmico, tinha ido com o pai para o Algarve, e Lima para Aveiro, e atĂŠ a SalomĂŠ, que jogava futebol como poucos rapazes, tinha ido para os Açores com a prima. SĂł aqueles trĂŞs estarolas restam por ali, mais os

850 metros quadrados 750 metros quadrados Contacto: 935 325 571

30667

â&#x20AC;&#x201C; Isto nĂŁo ĂŠ um lixo, ĂŠ um luxo! Vamos lĂĄ, freguesa! Meia dĂşzia de cuecas por cinco euros. - Meia dĂşzia das vermelhas, outra das azuisâ&#x20AC;Ś. Pinhal de Marrocos acima, carregada de cuecas, meias, camisolas interiores, pijamas e atĂŠ um robe para substituir o do avĂ´ AntĂłnio, jĂĄ russo pelo tempo. Artur ajuda, uma mĂŁo no saco, outra suja de açúcar, agarra a bola de Berlim. O Natal ĂŠ assim desde que Artur se lembra de ser gente; a crise ĂŠ o tema. Aos poucos, Artur tornou-se especialista. O segredo consiste em fugir Ă palavra â&#x20AC;&#x153;nĂŁoâ&#x20AC;?, aquela que Artur percebe ter como certa em quase tudo! A palavra â&#x20AC;&#x153;nĂŁoâ&#x20AC;? ĂŠ sinĂłnimo de â&#x20AC;&#x153;pobrezaâ&#x20AC;?, mas no Natal custa mais a ouvir. Felizmente, brincar ĂŠ coisa que, pelo menos atĂŠ ao dia 26, estava completamente destinada Ă  palavra â&#x20AC;&#x153;simâ&#x20AC;?. MoĂ­dos e remoĂ­dos os carapaus, a muito custo, com meia dĂşzia de ameaças pelo meio, mĂŁos lavadas, num repente: â&#x20AC;&#x201C; Paulooooooooooooooooooâ&#x20AC;Ś., â&#x20AC;&#x201C; Marcoâ&#x20AC;Śâ&#x20AC;Śâ&#x20AC;Śâ&#x20AC;Ś..,â&#x20AC;&#x153;butâ&#x20AC;? nessa uma futebolada. â&#x20AC;&#x201C; Fonix, que seca, sĂł trĂŞs nem dĂĄ para fazer equipas. O caixote do lixo passa perfeitamente despercebido, ao lado do molho de roupa velha deitada fora pela mĂŁe de Artur. â&#x20AC;&#x201C; Este ano nem parece Natal, as luzes tinham-se apagado, aos poucos, em quase todas a casas! Umas pela misĂŠria que entrara sem bater e outras Ă s quais os donos jĂĄ tinham batido com a porta e emigrado para outras paragens. Outras simplesmente porque os seus proprietĂĄrios jĂĄ nĂŁo existiam no mundo dos vivos. O campo da Malabada, ali todo verdinho, prontinho para um cinco contra cinco e aqueles trĂŞs â&#x20AC;&#x153;pindĂŠricosâ&#x20AC;? sem saber o que fazerâ&#x20AC;Ś

Tempo RĂĄdio do Clube da Comunicação Social de Coimbra No programa â&#x20AC;&#x153;A COR DO SOMâ&#x20AC;? realizado pelo CLUBE DA COMUNICAĂ&#x2021;Ă&#x192;O SOCIAL DE COIMBRA vamos estar Ă conversa com o Maestro AUGUSTO MESQUITA que nos apresenta o novo CD do coro â&#x20AC;&#x153;ALMA DE COIMBRAâ&#x20AC;? que interpreta 17 composiçþes com arranjos originais do maestro.


31

QUINTA-FEIRA

OPINIĂ&#x192;O

DE DEZEMBRO DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

17

www.campeaoprovincias.pt

Paz em 2014 Mundo em guerra, ou melhor, mundo sempre em guerra. Então, Ê igualmente hora, no raiar de mais um ano, de falar na Paz e de lutar por ela, atÊ que seja alcançada, incluída a paz no trânsito, em que os desastres vitimam tanta genWH 8P GRV SHULJRV TXH D Humanidade atravessa Ê a vulgarização do sofrimento. De tanto assistir a ele pela necessåria mídia, parcela dos povos pode passar a tê-lo como coisa que não possa ser mudada. Eis o assassínio da tranquilidade entre pessoas e naçþes quando se deixam arrastar SHOR ³LUUHPHGLiYHO´ 2UD tudo Ê possível melhorar ou corrigir nesta vida, como no exemplo de Bogotå. Se, pelo massacre das notícias trågicas, as famílias se acostumarem ao

absurdo, este irå tomando conta de suas existências. Todos estão profundamente preocupados com a selvageria que campeia na Terra, à cata de uma solução para pelo menos diminuir a violência, que saiu dos lugares ocultos, das madrugadas sombrias, ganhou as ruas e os lares, pois invadiu as mentes. Contudo, hoje, cresce o entendimento de que, se hå violência, não Ê só problema dos governos, das organizaçþes policiais, marcantemente, porÊm, um desafio para todos nós, sociedade. Se ela saiu da noite escura e mostrou-se à luz do dia, Ê porque habita o íntimo das criaturas. Existindo nas Almas e nos coraçþes, se farå presente onde estiver o ser humano.

Sociedade solidĂĄria e altruĂ­stica

perspectiva nascida do Seu coração, que ĂŠ soliGiULD H DOWUXtVWLFD ÂżUPDda no Seu Mandamento Novo: â&#x20AC;&#x153;Amai-vos como (X YRV DPHL´ (YDQJHOKR VHJXQGR -RmR   a Lei da Solidariedade Espiritual e Humana, sem o que jamais este planeta conhecerĂĄ a justiça social verdadeira. Num futuro que nĂłs, civis e militares de bom senso, desejamos prĂłximo, QmRPDLVVHÂżUPDUiD3D] sob as esteiras rolantes de tanques ou ao troar de canhĂľes; sobre pilhas de cadĂĄveres ou multidĂľes GH YL~YDV H yUImRV QHP mesmo sobre grandiosas realizaçþes de progresso material sem Deus. Isto ĂŠ, sem o correspondente avanço ĂŠtico, moral e espiritual.

Debate-se em toda a parte a brutalidade inIUHQH H ÂżFDVH FDGD YH] mais perplexo por nĂŁo se achar uma eficiente saĂ­da, apesar de tantas teses brilhantes. Ă&#x2030; que a resposta nĂŁo estĂĄ longe, e sim perto de nĂłs: Deus, que nĂŁo ĂŠ uma ilusĂŁo. 3DXOR$SyVWRORGL]LDÂł9yV sois o Templo do Deus 9LYR´ 6HJXQGD (StVWROD DRV&RUtQWLRV 2UD JoĂŁo Evangelista, por sua vez, asseverou que â&#x20AC;&#x153;Deus p$PRU´ 3ULPHLUD(StVWROD GH-RmR(YDQJHOLVWD  Jesus, o Cristo EcumĂŠnico, o Divino Estadista, pelos milĂŠnios, vem pacientemente ensinando e HVSHUDQGR TXH SRU ÂżP aprendamos a viver em comunidade. Trata-se da

JOSĂ&#x2030; DE PAIVA NETTO*

Outro paradigma Deve haver um paraGLJPD SDUD D 3D] 4XDO" 2VJRYHUQDQWHVGRPXQGR" Todavia, na era contemporânea, enquanto se pþem a discuti-la, seus países progressivamente se armam. Tem sido assim a história da ³FLYLOL]DomR´³4XRXVTXH WDQGHP &DWLOLQD"´ $Wp TXDQGR &DWLOLQD"  $ 6Dbedoria Divina, no entanto, adverte que, se queremos a Paz, devemos preparar-nos para ela. E Jesus nos apre-

sentou um excelente caminho: â&#x20AC;&#x153;Minha Paz vos deixo, minha Paz vos dou. Eu nĂŁo vos dou a paz do mundo. Eu vos dou a Paz de Deus, que o mundo nĂŁo vos pode dar. NĂŁo se turbe o vosso coração nem se arreceie, porque Eu estarei convosFRWRGRVRVGLDVDWpRÂżP GRV WHPSRV´ (YDQJHOKR VHJXQGR-RmR 4XH WDOH[SHULPHQWiOR"  -RUQDOLVWD UDGLDOLVWD escritor e presidente da LegiĂŁo GD %RD 9RQWDGH Âą ZZZOEYSW >$SHGLGRGRDXWRUHVWHWH[WRp publicado segundo as regras do QRYRDFRUGRRUWRJUiÂżFR@

PASSATEMPOS PALAVRAS CRUZADAS â&#x20AC;&#x201C; Problema n.Âş 361 Tema de hoje â&#x20AC;&#x201C; ANO NOVO

PROBLEMA N.Âş 361/A

LEIA O PROVĂ&#x2030;RBIO

Percorrendo todo o tabuleiro, sempre para o lado, $VSDODYUDVGDVROXomRGHVWHSUREOHPD>HKRUL]RQWDLV@ para cima ou para baixo â&#x20AC;&#x201C; nunca em diagonal â&#x20AC;&#x201C; e IRUPDPRYRWRTXHID]HPRVSDUDWRGRVQRTXHVHLQLFLD começando na casa /1 para terminar na /2, encontrar1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 se-Ă um provĂŠrbio popular portuguĂŞs. /1

1

Q

A

N

T

O

A

T

U

M

O

I

F

R

O

4

E

U

N

U

E

A

D

5

S

A

O

M

L

P

E

J

V

O

I

Z

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10 11

1 2 3 4

2

5 6

3

7 8

6 7 8 9 HORIZONTAIS â&#x20AC;&#x201C; Âą4XHU(UD,QIXQGD+DUPRQLD Âą3DL[mR5REXVWH]0DLV(VSHUDQoDÂą2SRUWXQLGDGH-XVWLoDÂą2FRUUHUÂą0XODWRÂą3HG~QFXOR 2ULJHP0HWDOÂą5LO,QYHQWiULRÂą(PSDWDU([FHOsos. 9 â&#x20AC;&#x201C; Peça da armadura que desce da cintura atĂŠ aos joelhos. Alguns. Madrasta. PatrĂŁo. VERTICAIS â&#x20AC;&#x201C; 1 â&#x20AC;&#x201C; Graça. Sedutores. 2 â&#x20AC;&#x201C; Para. NĂłs. BabĂĄ. 3 â&#x20AC;&#x201C; Indigente. Nota musical. 4 â&#x20AC;&#x201C; Prova. 6 â&#x20AC;&#x201C; Corifeu. SĂ­mbolo de rutĂŠnio. 7 â&#x20AC;&#x201C; SĂ­mbolo de sĂłdio. Âą2XYLQWHVÂą3UHVHQWHDU/DEUXVFRÂą'pFLPR 7URQFRÂą$QGHÂą2PLWLUDÂą8PDÂą3DUHQWH SRUDÂżQLGDGH9DPRVÂą3REUHGLDER9L~YR

O

9 10

/2 S.

PRĂ&#x2030;MIOS â&#x20AC;&#x201C; Obra literĂĄria, oferta da PORTO EDI725$ 3UpPLR VXUSUHVD RIHUWD GH Ă&#x2C6;*8,$ H QR ÂżQDO do mĂŞs, mais um prĂŠmio especial: um exemplar do Ăştil e valioso DicionĂĄrio de SinĂłnimos e AntĂłnimos da LĂ­ngua Portuguesa â&#x20AC;&#x201C; Colecção DicionĂĄrios Modernos, que inclui um CD-ROM, edição e oferta da PORTO EDITORA. PRAZO PARA REMESSA DE SOLUĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES â&#x20AC;&#x201C; AtĂŠ ao dia 15 do prĂłximo mĂŞs. ENVIO DE SOLUĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES â&#x20AC;&#x201C; Ernesto Lopes Nunes, Beco dos Unidos, n.Âş 3, Espadaneira, 3045 â&#x20AC;&#x201C; 162 Coimbra. PREMIADOS Passatempos n.Âş 353 â&#x20AC;&#x201C; HorĂĄcio Eduardo Abreu Gomes, do Funchal, com livro da PORTO EDITORA; AntĂłnio Leite Monteiro, de Braga, com prĂŠmio surpresa, oferta de Ă GUIA.

ENIGMA FIGURADO

Interpretando correctamente todos os símbolos e operaçþes apresentadas, encontrar-se-à uma conhecida expressão popular.

11 HORIZONTAIS â&#x20AC;&#x201C; 1 â&#x20AC;&#x201C; Traseiro. Imposto. 2 â&#x20AC;&#x201C; Pequeno pĂŁo de farinha ordinĂĄria. Alvitar. 3 â&#x20AC;&#x201C; Lota. Esqueça. 4 â&#x20AC;&#x201C; Corrige. Fedor. 5 â&#x20AC;&#x201C; Pedagogo. Leque. 6 â&#x20AC;&#x201C; Cevado. PartĂ­cula. SĂ­mbolo de ĂĄstato. 7 â&#x20AC;&#x201C; Muda. Barrigudinho. 8 â&#x20AC;&#x201C; Fruto da ateira. Pregador. 9 â&#x20AC;&#x201C; Perspectiva. Aviva. 10 â&#x20AC;&#x201C; Bofetada. Lavrar. 11 â&#x20AC;&#x201C; Carinhoso. Pega. VERTICAIS â&#x20AC;&#x201C; Âą0DJQLÂżFrQFLD2SDÂą)OXrQFLD HIDFLOLGDGHGHH[SUHVVmR/LJDPÂą3HUÂżOKR(QFRQtro. 4 â&#x20AC;&#x201C; Exame. Agredir. 5 â&#x20AC;&#x201C; Respeito. Tempo. 6 â&#x20AC;&#x201C; Nome de letra grega. Louvor. Epiglote. 7 â&#x20AC;&#x201C; Instituto PortuguĂŞs GH2QFRORJLD DEU 9HQHUDUiÂą4XHWHPGXDVPmRV Nome prĂłprio feminino. 9 â&#x20AC;&#x201C; Exclusivo. Somara. 10 â&#x20AC;&#x201C; PapĂĄ. Perfumes. 11 â&#x20AC;&#x201C; AlĂŠm disso. Sofrera.

SOLUĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES Palavras Cruzadas â&#x20AC;&#x201C; Problema n.Âş 353: Horizontais â&#x20AC;&#x201C; 1 â&#x20AC;&#x201C; tem, simples, bos. 2 â&#x20AC;&#x201C; sĂŠtimo, tempos. 3 â&#x20AC;&#x201C; agora, r, h, estas. 4 â&#x20AC;&#x201C; moro, n, w, dado. 5 â&#x20AC;&#x201C; atĂŠ, sĂł, em, nas. 6 â&#x20AC;&#x201C; escas, falas. 7 â&#x20AC;&#x201C; c, um, que, te, a. ÂąPXLWDVVPHDGDVÂąULFDSURVDOXVD9HUWLFDLV¹¹WDPDFPU 2 â&#x20AC;&#x201C; esgote, ui. 3 â&#x20AC;&#x201C; meores, IC. 4 â&#x20AC;&#x201C; tro, cuta. 5 â&#x20AC;&#x201C; siĂĄ, sama. 6 â&#x20AC;&#x201C; im, nĂłs, sp. 7 â&#x20AC;&#x201C; mor, q, r. 8 â&#x20AC;&#x201C; p, uso. 9 â&#x20AC;&#x201C; LTH, e, s. 10 â&#x20AC;&#x201C; ee, WEF, mĂĄ. 11 â&#x20AC;&#x201C; SME, mate. 12 â&#x20AC;&#x201C; PSD, leal. 13 â&#x20AC;&#x201C; botana, du. 14 â&#x20AC;&#x201C; osadas, as. 15 â&#x20AC;&#x201C; s, sĂłs, asa. Problema n.Âş 353/A - Horizontais â&#x20AC;&#x201C; 1 â&#x20AC;&#x201C; alexandrino. 2 â&#x20AC;&#x201C; rosa, u, emes. 3 â&#x20AC;&#x201C; patri, acesa. 4 â&#x20AC;&#x201C; o, ras, sim, r. 5 â&#x20AC;&#x201C; a, of, r, to, i. 6 â&#x20AC;&#x201C; refocilaria. 7 â&#x20AC;&#x201C; teso, alĂŠm. 8 â&#x20AC;&#x201C; pĂŠ, lar, os. 9 â&#x20AC;&#x201C; ĂĄrido, irosa. 10 â&#x20AC;&#x201C; t, dor, cor, d. 11 â&#x20AC;&#x201C; DIDPDDUDGR9HUWLFDLV¹¹DUSRDUSDWDORDWHUIHVWURIH ida. 4 â&#x20AC;&#x201C; xarafos, dom. 5 â&#x20AC;&#x201C; a, is, colora. 6 â&#x20AC;&#x201C; nu, ri, a. 7 â&#x20AC;&#x201C; d, as, larica. 8 â&#x20AC;&#x201C; recital, ror. 9 â&#x20AC;&#x201C; imemore, ora. 10 â&#x20AC;&#x201C; nes, imos, d. 11 â&#x20AC;&#x201C; osaria, Sado. Cinco sinĂłnimos de surpresa: Assombro, pasmo, espanto, alucinação, engano. (QLJPDÂżJXUDGR2TXHQmRVHHVSHUD


18

CULTURA / VINAGRETAS www.campeaoprovincias.pt

Mealhada dĂĄ as boas-vindas ao Ano Novo e aos Reis A Orquestra Filarmonia das Beiras sobe ao palco do Cine-Teatro Municipal Messias, na Mealhada, a 11 de Janeiro, para um concerto que dĂĄ as ERDVYLQGDV DR $QR 1RYR H Reis. O espectĂĄculo tem inĂ­cio pelas 21h30 e ĂŠ dirigido pelo conceituado maestro AntĂłnio Victorino dâ&#x20AC;&#x2122;Almeida. Este ĂŠ um concerto hĂĄ semelhança do encontro musical que, todos os anos, se celebra em Viena, integrando no seu repertĂłrio valsas, polcas e marchas do compositor Johann Strauss. A escolha de Victorino dâ&#x20AC;&#x2122;Almeida para dirigir este concerto reveste-se de particular importância, uma vez que o maestro portuguĂŞs ĂŠ um dos compositores que mais obra produziu, tendo vivido na cidade de Viena durante duas dĂŠcadas. O preço dos bilhetes ĂŠ de 10 euros, podendo os ingressos ser reservados atravĂŠs dos telefones 231 209 870 e 231 200 980 ou adquiridos na bilheteira do Cine-Teatro, das 14h30 Ă s 18h30 e das 20h00 Ă s 22h00 (Ă s sextas, sĂĄbados, domingos e segundas-feiras). Contos para crianças na Biblioteca de Coimbra O Departamento de Educação, Desenvolvimento Social e Cultural preparou, atravĂŠs da Biblioteca Municipal de Coimbra, um conjunto de actividades destinada aos alunos do prĂŠ-escolar (a partir dos quatro anos), 1.Âş e 2.Âş ciclos do Ensino BĂĄsico. A actividade â&#x20AC;&#x153;Animação do Contoâ&#x20AC;? ĂŠ gratuita, e decorre entre os dias 02 e 31 de Janeiro, sendo necessĂĄria inscrição prĂŠvia na Biblioteca Infantil/Ludoteca ou atravĂŠs do telefone 239 702 630. â&#x20AC;&#x153;Uma Luz na escuridĂŁoâ&#x20AC;? ĂŠ um projecto de animação do conto, baseado na mitologia e na arte dos primeiros habiWDQWHVGR3DFtĂ&#x20AC;FR1RUGHVWH Esta acção, destinada aos mais novos, proporciona uma viagem pela arte desses povos e por uma visĂŁo do mundo em que o Homem nĂŁo ĂŠ o centro, mas apenas XPHQWUHRVĂ&#x20AC;OKRVGD1DWXreza e o mais frĂĄgil de todos eles. SerĂŁo contados mitos dos povos Haida, Salish e 1RRWND TXH KDELWDP QR actual CanadĂĄ e Estados Unidos da AmĂŠrica. Mata Nacional do Buçaco mostra espĂ­rito festivo SĂŁo vĂĄrias as actividaGHVDGHFRUUHUQD0DWD1Dcional do Buçaco, alusivas Ă  ĂŠpoca festiva. Exposiçþes, concertos, teatro e acçþes de solidariedade fazem parte de um programa que pretende atrair visitantes FICHA TĂ&#x2030;CNICA EDIĂ&#x2021;Ă&#x192;O COIMBRA www.campeaoprovincias.pt

ocasiĂľes que a peça â&#x20AC;&#x153;As Alegres Comadres de Windsorâ&#x20AC;? esteve em cena, a cooperativa Bonifrates decidiu prolongar a temporada da sua mais recente peça teatral, a partir do texto original de William 6KDNHVSHDUH 'XUDQWH R mĂŞs de Janeiro, a encenação volta ao Teatro-EstĂşdio Ă quele espaço de grande Bonifrates, na Casa Munibeleza. Sendo uma das ca- cipal de Cultura, nos dias racterĂ­sticas distintivas da 07, 10, 14, 17, 21, 24, 29 0DWD1DFLRQDOGR%XoDFR e 31, com sessĂľes pelas a conjugação do carĂĄcter 21h45. As reservas para sagrado e a adoração de qualquer uma das sessĂľes Jesus Cristo com a nature- deste espectĂĄculo podem za, a Fundação que gere o ser efectuadas atravĂŠs de espaço convida os visitan- mensagem no gravador do tes a aproveitar a ocasiĂŁo telefone 239 716 095. para conhecer melhor este lugar mĂĄgico. Entre outras Galeria actividades, estĂĄ patente de Santa Clara com ao pĂşblico, a partir de 06 exposição de Janeiro, no convento de fotografias de Santa Cruz do Buçaco, AtĂŠ ao dia 29 de Jaa exposição â&#x20AC;&#x153;Cogumelos neiro, pode ser visitada na na Mata do Buçacoâ&#x20AC;?. A Galeria de Santa Clara, em mostra revela imagens dos Coimbra, uma exposição de cogumelos existentes na IRWRJUDĂ&#x20AC;DVTXHGiDFRQKH0DWD1DFLRQDOGR%XoDFR FHURHVSyOLRIRWRJUiĂ&#x20AC;FRGH captadas por AndrĂŠ Aguiar Adriano Barata, falecido hĂĄ e LĂ­sia Lopes (Universida- cerca de um ano. A mostra, de de Aveiro), no âmbito preparada por um conjunto dos trabalhos do Projecto de amigos do outrora doBRIGHT. FHQWHGH)RWRJUDĂ&#x20AC;DH'Hsign no Instituto Superior Bonifrates prolonga de Miguel Torga, constitui temporada â&#x20AC;&#x153;uma homenagem Ă  bede â&#x20AC;&#x153;Alegres Comadres leza e honestidade do seu de Windsorâ&#x20AC;? olharâ&#x20AC;?, explica uma sinopse da exposição. As pessoas e as viagens sempre foram as maiores paixĂľes de Adriano Barata, razĂŁo pela qual ĂŠ reconhecido que, â&#x20AC;&#x153;seria da IRWRJUDĂ&#x20AC;DTXHHVWDULDPDLV prĂłximo, talvez para eterniDepois de grande ade- zar o belo, aquele instante sĂŁo de pĂşblico nas sete perfeito e de felicidadeâ&#x20AC;?. Telefone 239 497 750 | Fax 239 497 759 | E-mail jornalcp@mail.telepac.pt Editor/Propriedade REGIVOZ, Empresa de Comunicação, Lda. Rua Adriano Lucas, 216 Az. D - Eiras 3020-430 Coimbra | NIPC: 504 753 711 Director-Adjunto Rui Avelar (responsĂĄvel executivo por esta edição) | Gerente da Redacção JosĂŠ Fidalgo 239 497 750 (ext. 38) | Redacção LuĂ­s Santos (C.P. 722), Rui Avelar (C.P. 613), Benedita Oliveira (C.P. 6622), Geraldo Barros (C.P. 6555) e LuĂ­s Carlos Melo (C.P. 2555), Telefone 239 497 750 (ext. 55, 56 e 57), Fax 239 497 759 | Sede/

31

QUINTA-FEIRA

DE DEZEMBRO DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

V I N A G R E T A S

Apelo â&#x20AC;&#x201C; â&#x20AC;&#x153;A obra nĂŁo pode pararâ&#x20AC;?, lia-se na faixa improvisada, colocada sobre a inscrição da Estação do Parque, em Coimbra. A frase serviu de mote Ă conferĂŞncia de Imprensa do Movimento CĂ­vico de Coimbra, LousĂŁ, Miranda e GĂłis que, temendo que o projecto do Ramal da LousĂŁ/Metro do Mondego Ă&#x20AC;TXHVHPRDSRLRGRVIXQdos comunitĂĄrios, apelou Ă  mobilização das forças vivas da regiĂŁo em prol desta causa. Projecto de elevado interesse social â&#x20AC;&#x201C; O Metro Mondego ĂŠ um dos temas mais recorrentes na regiĂŁo nos Ăşltimos anos, mas nem por isso (ou talvez por isso) perde interesse noticioso. A imprensa reconhece-o e a teOHYLVmRFRQĂ&#x20AC;UPDR+DELWXDdo Ă s lides jornalĂ­sticas, Jaime Ramos esgrimiu sabiamente argumentos, destacando que este ĂŠ um projecto de â&#x20AC;&#x153;elevado interesse socialâ&#x20AC;? e extremamente relevante para a â&#x20AC;&#x153;coesĂŁo regionalâ&#x20AC;?. LogĂ­stica â&#x20AC;&#x201C; O cenĂĄrio era improvĂĄvel, mas nem uma pequena banca nem cadeiras faltaram Ă  comunicação do Movimento CĂ­vico de Coimbra, LousĂŁ, Miranda do Corvo e GĂłis. $ORJtVWLFDĂ&#x20AC;FRXSRUFRQWD da Fundação ADFP (AssistĂŞncia, Desenvolvimento e Formação Profissional), de Miranda do Corvo, que deslocou para o efeito uma carrinha com o equipamento. Troca de letras â&#x20AC;&#x201C; 1XPD notĂ­cia divulgada pela Lusa, em GLDGH1DWDOKi uma troca de duas letras capaz de fazer assinalĂĄvel diferença. A casa de Buarcos ĂŠ descrita em buracos. Houve uma acumulação de monĂłxido de carbono, a ponto de intoxicar cinco pessoas, PDVIHOL]PHQWHDKDELWDomRQmRĂ&#x20AC;FRXHPEXUDFRV Redacção: Rua Adriano Lucas, 216 Az. D - Eiras 3020-430 Coimbra Director Comercial Carlos Gaspar Directora de Marketing e Publicidade Adelaide Pinto 239 497 750 (ext. 27), adelaide.pinto@mail.telepac.pt Paginação e Maquetagem Nuno Miguel Peres | ImpressĂŁo FIG - IndĂşstrias GrĂĄficas, S.A.; Rua Adriano Lucas, 3020-265 Coimbra | Distribuição VASP - Sociedade de Transportes e Distribuição, Lda. R. da Tascoa, n.Âş 16 - 4.Âş Piso, 2745-003 Queluz, Telef. 214 398 500, Fax 214 302 499 Registo SRIP sob o n.Âş 222567; ISSN: 1645 - 2968; ICS: 122568 | DepĂłsito Legal n.Âş 127443/98 Preço de cada nĂşmero 0,75\ Assinatura anual 30,00\ | Tiragem mĂŠdia: 9.000 exemplares

Os pagamentos para o CampeĂŁo das ProvĂ­ncias em cheque devem ser emitidos em nome de â&#x20AC;&#x153;Regivoz, Empresa de Comunicação, Lda.â&#x20AC;?. TambĂŠm podem ser feitos por transferĂŞncia bancĂĄria atravĂŠs do NIB: 001000003179749000225


31

QUINTA-FEIRA

VINAGRETAS

DE DEZEMBRO DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

19

www.campeaoprovincias.pt

V I N A G R E T A S

S E A R A

A L H E I A

â&#x20AC;&#x153;Parecendo ser este ano o Orçamento constitucionalmente menos complexo do que o de 2013, espera-se tambĂŠm que desta vez os juĂ­zes nĂŁo demorem trĂŞs meses a produzir o seu acĂłrdĂŁo. Espera-se que, entretanto, o Governo e a ÂŤtroikaÂť aprendam que de nada resultam pressĂľes sobre os juĂ­zesâ&#x20AC;?. Editorial do DiĂĄrio de NotĂ­cias de 26/12/2013 Municipalizados de Transportes Urbanos (SMTUC), cujas viaturas tĂŞm de fazer uma tangente ao dito para tomar e largar passageiros numa paragem de Bencanta. Ă&#x2030; verdade que o buraco estĂĄ na margem esquerda do rio Mondego, localização que, para alguns, deverĂĄ assemelhar-se Ă Ă sia 0HQRUPDVMipWHPSRGHS{UĂ&#x20AC;PjLQF~ULD

â&#x20AC;&#x153;Teve entrada de leĂŁo e o saldo ĂŠ ainda claramente positivo, mas no comportamento pĂşblico Bruno de Carvalho tem de passar a ser mais do que um adepto fervoroso do Sporting. (...) Dir-se-ĂĄ dele que tem os defeitos das prĂłprias qualidades, que a mesma paixĂŁo do presidente mobilizador o transforma num chefe de claque deslocado e em momentos imprĂłprios. (...) Os do Sporting estĂŁo convencidos de que foram os mais SUHMXGLFDGRVGRV~OWLPRVDQRVPDVRVGR%HQĂ&#x20AC;FDSHQVDP exactamente o mesmo e atĂŠ os do Porto, apesar das vitĂłrias, acreditam que um poder oculto favorece a capitalâ&#x20AC;?. Carlos Daniel, no DiĂĄrio de NotĂ­cias de 26/12/2013 â&#x20AC;&#x153;Nem mesmo o sportinguista mais inveterado acreditarĂĄ que sempre que nĂŁo ganha a culpa ĂŠ do ĂĄrbitro, e esta ĂŠpoca o saldo leonino atĂŠ regista, pelo menos, equilĂ­brio entre benefĂ­cio e prejuĂ­zo. Este discurso de guerrilha pode ainda ter dois tipos de efeito boomerang que Bruno de Carvalho deveria acautelar.  3RGH%UXQRĂ&#x20AC;FDUFRPRR3HGURGDKLVWyULDXPGLDWHUi mesmo razĂŁo, castigado por um erro de tomo que lhe levarĂĄ um campeonato ou uma taça, e jĂĄ ninguĂŠm o levarĂĄ a sĂŠrioâ&#x20AC;?. Idem, Ibidem

EP desleixada â&#x20AC;&#x201C; A faixa descendente (sentido Sul - Norte) da variante ao IC 2, a Poente de Coimbra, tem o piso parcialmente esburacado, hĂĄ, pelo menos, 15 dias. As viaturas circulam, ali, com relativa velocidade, tanto mais que se trata de uma zona com alguma inclinação e da faixa de ultrapassagem. Cabe Ă Estradas de Portugal proceder Ă  reposição do pavimento. Mas,volvidas duas semanas, a EP jĂĄ merece o rĂłtulo de desleixada.

´>@6HUiXPDQRFKHLRGHGHVDĂ&#x20AC;RVHDRVTXDLVFDGD um de nĂłs responderĂĄ com a mesma responsabilidade e determinação que nos abriu o caminho atĂŠ aquiâ&#x20AC;?. Mensagem de Natal do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho

IncĂşria â&#x20AC;&#x201C; HĂĄ semanas que o buraco aqui retratado ÂŤesperaÂť por uma intervenção, chegue ela atravĂŠs da Estradas de Portugal, da Câmara de Coimbra ou dos Serviços

Pobre povo! â&#x20AC;&#x201C; Diz-se ser o povo â&#x20AC;&#x153;quem mais ordenaâ&#x20AC;?. Mas diz-se muita coisa que anda de braço dado com DĂ&#x20AC;FomRHGHFRVWDVYROWDGDVSDUDDUHDOLGDGH$SDUHGH adjacente Ă sede do PSD em Coimbra serve, hoje em dia, de mural para leitura de uma proclamação anarquista (doutrina dos que defendem a abolição do Estado). A YLGDpIpUWLOHPSDUDGR[RVHDSROtWLFDQmROKHĂ&#x20AC;FDDWUiV$ referida proclamação visa exortar o povo a ordenar e ele pĂ´s o PSD a governar, coisa que os anarcas dispensam em nome de um conceito segundo o qual a anarquia ĂŠ â&#x20AC;&#x153;a PDLVHOHYDGDH[SUHVVmRGDRUGHPÂľ0RUDOGDKLVWyULDD vida nĂŁo ĂŠ fĂĄcil, o mundo estĂĄ perigoso e o povo anda a apanhar bonĂŠs.

F _____ R _____ A

Miranda surpreende com Pai Natal a cavalo A Câmara Municipal de Miranda do Corvo surpreendeu os DOXQRVGRFRQFHOKRFRPDYLVLWDGR3DL1DWDO$PtWLFDĂ&#x20AC;JXUDGD quadra natalĂ­cia apareceu, nĂŁo de moto, como sucede noutras partes do paĂ­s, mas de cavalo. O MunicĂ­pio quis inovar, tendo contado com a colaboração da Quinta da Muralha para levar o projecto avante. â&#x20AC;&#x153;O Pai Natal vai, a cavalo, Ă escolaâ&#x20AC;? foi uma forma diferente de as crianças do concelho comemorarem esta ĂŠpoca. No total, a cĂŠlebre personagem, sĂ­mbolo de alegria e esperança, visitou 345 crianças. O Pai Natal foi montado num lindo cavalo preto e fez-se acompanhar por um dos seus duendes. Entre as traquinices feitas ao Pai Natal, as perguntas da praxe e algumas prendas distribuĂ­das, ainda houve tempo para fazer umas festas ao cavalo.

â&#x20AC;&#x153;O Natal ĂŠ a festa da esperança. Aproveitemos estes dias para recuperar as nossas forças e o sentido de propĂłsito FRPXPTXHQRVGHĂ&#x20AC;QHFRPRSRYR&RPRXPSRYRRUJXlhoso, dono do seu prĂłprio destino, que nĂŁo receia o futuro e que sabe que, do alto de quase 900 anos de histĂłria, os seus melhores anos ainda estĂŁo para virâ&#x20AC;?. Idem, Ibidem â&#x20AC;&#x153;Nesta espĂŠcie de conto de Natal, sem ligação Ă realidade do dia a dia dos portugueses e sem qualquer consequĂŞncia positiva para as suas vidas, as lĂĄgrimas de crocodilo do primeiro-ministro nĂŁo resolvem nadaâ&#x20AC;?. AntĂłnio Galamba (PS), no Jornal de NotĂ­cias de 26/12/2013 â&#x20AC;&#x153;SĂŁo declaraçþes caracterizadas por uma profunda hipocrisia e cinismo. Trata-se de um primeiro-ministro e de um Governo que tencionam continuar a mentir e a enganar os portugueses, acenando com tempos melhores que virĂŁo, mas adaptando efectivamente medidas que pioram cada vez mais a vida (...) de todos aqueles que fazem parte de uma imensa maioria que sofre, para, no fundo, garantir os lucros fabulosos da banca, da especulação e dos grandes grupos econĂłmicos nacionais e estrangeirosâ&#x20AC;?. Pedro Guerreiro (PCP), no Jornal de NotĂ­cias de 25/12/2013 â&#x20AC;&#x153;O Natal ĂŠ realmente um perĂ­odo arriscado para todos e para os polĂ­ticos nĂŁo ĂŠ excepção. Ă&#x2030; por isso que, por uma vez, devemos ter um mĂłdico de compreensĂŁo para esta genWHRVJRYHUQDQWHVHDRSRVLomR  eSUHFLVRUHĂ H[mRQmR apenas acção. Um velho amigo brasileiro que jĂĄ passou por tudo, recessĂľes, perseguiçþes e ditaduras, agora que nos vĂŞ HP3RUWXJDOPXLWRDĂ LWRVHVWiVHPSUHDGL]HUPLQKDJHQWH ĂŠ preciso deixar acontecer. Se tiver de pensar nalguma coisa, SHQVHQLVVRGHL[HDFRQWHFHUÂľ AndrĂŠ Macedo, no Dinheiro Vivo de 25/12/2013

Serviços Centrais: Baixa - Avenida Fernão Magalhães nº.92, 3000-607 Coimbra tel: 239855855 fax: 239855851 | Celas - 239854080 | Vale das Flores - 239793930 Solum - 239792079 | Quinta da Vårzea - 239440666 | Lousã - 239994033 Fig. da Foz - 233403060 | Aveiro - 234425999 | Condeixa - 239944666 | Portela - 239793939

29077

PUBLICIDADE


31

ÚLTIMA

20

QUINTA-FEIRA

www.campeaoprovincias.pt

DE DEZEMBRO DE 2013 CAMPEÃO DAS PROVÍNCIAS

A aguardar a aposentação

José Martins Nunes em vias de deixar de liderar o CHUC R.A.

José Martins Nunes deverá sair, no próximo trimestre, da presidência do Centro Hospitalar Universi-

tário de Coimbra (CHUC), apurou o “Campeão”. O médico, que dirigiu o Serviço de Anestesiologia dos Hospitais da Universidade (HUC), 63 anos de

idade, terá pedido, recentemente, a aposentação. Trata-se do primeiro presidente do CHUC, que resultou da fusão dos HUC, Maternidade de Daniel de

Matos, Centro Hospitalar (Hospital dos Covões, Pediátrico e Maternidade de Bissaya Barreto) e Centro Hospitalar Psiquiátrico. Secretário de Estado da

PUBLICIDADE

Saúde no último Governo de Aníbal Cavaco Silva, tinha sido, em 1990-91, adjunto da Direcção Clínica dos HUC, e, de 2003 a 2005, coadjuvou o Conselho de Administração liderado por Nascimento Costa. Do Conselho de Administração do CHUC também fazem parte José Pedro Figueiredo (director clínico), António Marques (enfermeiro-director), António Pedro Lopes e Pedro Roldão (único gestor que transitou do CA dos Hospitais da Universidade). Médico estomatologista e pessoa das relações de amizade do pri-

meiro-ministro, José Pedro Figueiredo presidiu à Mesa da Assembleia Geral da Sociedade Portuguesa de Estomatologia e Medicina Dentária (SPEMD), liderou a Direcção da mesma instituição e foi subdirector da Faculdade de Medicina de Coimbra. António Pedro Lopes, que liderou a Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares, é presidente do Conselho Fiscal e de Disciplina da APAH, presidiu ao Conselho Fiscal do Serviço de Utilização Comum dos Hospitais (SUCH) e é membro da Mesa da Assembleia Geral do mesmo organismo.

Vítima de roubo agradeceu à PJ

32300

Líder distrital do PS lamenta insinuações

O líder distrital do PS/ Coimbra, Pedro Coimbra, que foi vítima de roubo, há oito meses, agradeceu o trabalho da Polícia Judiciária e lamentou insinuações de que não teria sido alheio ao crime, soube o “Campeão”. “Fui julgado nalguma «praça pública», tendo-se, pela voz e pela mão de alguns, insinuado que (…) eu próprio seria cúmplice ou o autor do crime”, escreveu o engenheiro civil em carta dirigida à Directoria do Centro da PJ. Pedro Coimbra assinala haver pautado a sua vida pessoal, cívica e política pela “total seriedade e lealdade” e acrescenta: “Infelizmente, a sociedade (…) está cada vez mais desestruturada e desigual, mas, também, cada vez mais, cheia de ódios e de invejas”. “A Polícia Judiciária tratou o processo com competência, zelo e dedicação”, assinala a vítima, que agradece, “de forma especial”, ao inspector titular do inquérito. “Fizeram [os inspec-

tores], comprovadamente, um trabalho de excepção”, acentua o engenheiro civil. A Direcção da PJ ordenou a divulgação da carta em ordem de serviço. Pedro Coimbra foi vítima do roubo de um automóvel de marca BMW, na noite de 22 para 23 de Abril [de 2013], em cujo interior havia cerca de 6 000 euros provenientes de um jantar do PS. Em meados de Outubro, a PJ deteve quatro suspeitos: o presumível autor material do crime aguarda o desenrolar do processo com pulseira electrónica e três eventuais mandantes estão obrigados a apresentar-se periodicamente a um órgão de polícia criminal. A Polícia encontrou e apreendeu “alguns objectos e documentos que haviam sido subtraídos” e recolheu indícios de que elementos do bando se dedicavam reiteradamente à actividade por que foram detidos. O principal arguido, que agiu armado e encapuzado, dedicou-se à actividade de segurança privada.

Campeão das Províncias (31/12/2013)  

Edição em PDF do semanário Campeão das Províncias n.º 705, publicado a 31/12/2013

Advertisement