Page 1

32504

REABILITAĂ‡ĂƒO / REMODELAĂ‡ĂƒO DE EDIFĂ?CIOS E ESPAÇOS COMERCIAIS

BOM ANO 2013

31670

Agora com Financiamento AutomĂłvel Protocolo Liberty

Agente: PREÇO 0,75\ | 2ÂŞ SÉRIE | ANO 13 | NÂş 656 | 10 JANEIRO DE 2013 SEMANĂ RIO Ă€ QUINTA-FEIRA | EDIĂ‡ĂƒO COIMBRA DIRECTORA LINA VINHAL | www.campeaoprovincias.com | telef. 239 497 750 | fax 239 497 759

Telm. 963 081 997

A sua Loja BPgas em V. N. Poiares BPgas – gås para a vida

Sindicalismo com IndependĂŞncia

GĂĄs

EficiĂŞncia EnergĂŠtica

- Revendedor BPGås - Entidade instaladora, montadora e exploradora de redes de gås - Projectos e certificação de redes de gås

- Projectos de climatização - Auditorias e certificaçþes energÊticas - Comercialização de produtos que reduzem significamente as suas contas da ågua, da luz e do gås.

32439

Antero Paiva na Tocha

VerdeClick Soluçþes EnergÊticas, Lda. | Rua Dr. Augusto Duarte Simþes | 3350-159 V.N. Poiares| Telef. 239 428 286 | geral@verdeclick.pt

Pena Ê passível de recurso para o Tribunal da Relação

3229

Advogado de Coimbra condenado por IDOVLĂ€FDomRGHGRFXPHQWR

SERVIÇO ESPECIALIZADO DIESEL E TURBOS

Sempre pelo arroz GR%DL[R0RQGHJR Quando se fala dos campos do Baixo Mondego e da principal cultura, o arroz, sobressai, desde KiGpFDGDVRQRPHGH&DUORV/DUDQMHLUDTXHWHP estado sempre à frente da luta pela melhoria dos rendimentos dos orizicultores e pugnado pela concretização da obra de fomento hidroagrícola. Nem os seus 74 anos o fazem esmorecer e continua a bater-se contra o que, na Europa e em Portugal, não se faz para defender as produçþes nacionais. Neste percurso de vida, tem sete manifestaçþes com corte de estradas, muitas presidências de DVVRFLDo}HVLQ~PHURVGLDVSDVVDGRVHP/LVERD DLQFRPRGDUR0LQLVWpULRGD$JULFXOWXUDVHPSUH em prol do Mondego. Pågina 05

Faculdade de Medicina da UC SRVWDHP[HTXH

Na sequência de uma acção interposta em Tribunal, o reitor da Universidade de Coimbra, João Gabriel Silva, acaba de anular um procedimento concursal para frequência de um curso de pósgraduação da Faculdade de Medicina, contestado por um candidato, soube

o “CampeĂŁoâ€?. A revogação de actos concursais praticados, ordenada pelo reitor, foi fundamenWDGDFRPD´YHULĂ€FDomRGDRFRUUrQFLDGHYiULRV vĂ­cios de violação de leiâ€?, causadores de “ofensa aos princĂ­pios da imparcialidade, transparĂŞncia e legalidadeâ€?. PĂĄgina 20

7 DIAS POR SEMANA 365 DIAS POR ANO

APOIO DOMICILIà RIO 24 HORAS Acompanhamento - Higiene e Conforto onforto Apoio na alimentação - Limpezas domÊsticas - Babysitting NO CONFORTO DA SUA CASA Bom Ano 2013 Telm.: 965 428 381 | 932 013 490 | 915 391 740 Email: ventosdasaudade@gmail.com - www.ventosdasaudade.com

Av. IrmĂŁos Duarte, n.Âş 16 - 3300-013 Arganil Tlf.: 235 096 080 - Tlm: 961 188 302 / 933 343 510 www.pautaemmovimento.blogspot.com - escola.pautaemmovimento@gmail.com

3DUDHOHYDUFRQKHFLPHQWRGRVMRYHQVGRSecundĂĄrio

LAR S. MIGUEL

,QVWLWXWRFULDGRSRUFLHQWLVWDGH&RLPEUD DSRVWDHPFXUVRVDYDQoDGRVPĂĄgina 12

ANTODELPA

PUBLICIDADE

32503

VENTOS DA...

32198

&RQFXUVRSDUDSyVJUDGXDomRDQXODGRSHORUHLWRU

Carlos Laranjeira

Contactos: 913 925 328 - 239 982 504 | coimbradiesel@sapo.pt Rua da Fonte, ArmazĂŠm s/n Valongo | Antanhol - 3040-589 COIMBRA

lar de idosos, Lda. Sobral de Baixo 3130-548 Soure Telef.: 239 501 731 - Fax: 239 501 732 - Email: outono.dourado@sapo.pt

32197

Vidas (d)escritas

32357

LUĂ?S SOARES facebook.com/coimbradiesel

Um advogado de Coimbra, LuĂ­s Miguel Rodrigues, e um ex-funcionĂĄrio das Finanças, Augusto SimĂľes, foram punidos, esta semana, por falsificação de documento, com 22 meses de prisĂŁo, cuja execução PĂĄgina 03 foi suspensa por igual perĂ­odo, soube o “CampeĂŁoâ€?.

FUNERĂ RIA BORRALHO Atendimento Permanente 239 820 560

Victor Manuel MagalhĂŁes, Unipessoal, Lda.

31316

Novas Instalaçþes

32178

Rua Manuel Pinto de Abreu - Edifício Rainha Santa, Loja 8 Santa Clara (a seguir ao Observatório) – COIMBRA Telms. 967 263 923 - 919 201 985 | vmagalhaes.lda@gmail.com

30965

Software de GestĂŁo PHC Software Profissional para CafĂŠs, Pastelarias e Restaurantes Software Profissional para Cabeleireiros, EstĂŠtica e SPAS

32449

SOLUÇÕES INFORMà TICAS PARA RETALHO

31203


POLĂ?TICA

2

10

QUINTA-FEIRA

w w w . campea o p r o vin cia s.co m

DE JANEIRO DE 2013 CAMPEĂƒO DAS PROVĂ?NCIAS

Iniciativa promovida por Norberto Pires

Segurança Social

Debate sobre o poder autĂĄrquico em Condeixa-a-Nova

DĂ­vidas baixas punĂ­veis com prisĂŁo

dada, rigorosa e sustentĂĄvel das vĂĄrias ĂĄreas polĂ­ticas. Debater o poder au“Vou convidar ao lontĂĄrquico e dar a conhecer go deste ano um conjunto “autarcas modelosâ€? sĂŁo os de pessoas que permitem principais objectivos do demonstrar que um poder ciclo de conferĂŞncias “Po- autĂĄrquico nĂŁo se limita a der AutĂĄrquico, Desafios resolver os problemas das de Futuroâ€?, organizado pessoas como o fazem por Norberto Pires, can- de for ma sustentĂĄvelâ€?, didato do PSD Ă liderança assegurou Norberto Pida Câmara Municipal de res, notando que os bons Condeixa-a-Nova. exemplos devem ser valoO primeiro debate re- rizados. aliza-se, hoje, Ă s 21h00, no “HĂĄ autarcas que tĂŞm Cine-Teatro de Condeixa- as contas dos municĂ­pios a-Nova, com entrada livre, equilibradas, sem buracos e tem como convidado o Ă€QDQFHLURV TXH DYDQoDP presidente da autarquia de FRPSURMHFWRVFRPĂ€QDQĂ?lhavo, Ribau Esteves. FLDPHQWR GHĂ€QLGR H FXMRV O empreendedorismo, prazos de pagamento a a dinamização da actividade fornecedores rondam os 90 econĂłmica, os equipamen- diasâ€?, reiterou o candidato tos culturais e a lei das social-democrata. Ă€QDQoDVORFDLVVHUmRDOJXQV Com uma periodicidados temas abordados. de trissemanal, as confeSegundo o organizador, rĂŞncias serĂŁo organizadas a ideia ĂŠ contrariar a ima- em inter vençþes de 50 gem que os portugueses minutos, seguindo-se um tĂŞm dos autarcas, dando a debate de 40 minutos. conhecer exemplos de plaO presidente da Câmaneamento e execucação cui- ra Municipal de Tondela, B.O.

O ciclo de debates marca o arranque da candidatura de Norberto Pires

Carlos Marta, e o presidente da Câmara Municipal de Figueira de Castelo Rodrigo, AntĂłnio Edmundo Ribeiro, serĂŁo os prĂłximos convidados do ciclo “Poder AutĂĄrquico, Desafios de Futuroâ€?, respectivamente a 23 de Janeiro e 13 de Fevereiro.

Os autarcas de Sintra, Abrantes, Mealhada e Castelo Branco deverĂŁo ser outros dos intervenientes da iniciativa. Norberto Pires deverĂĄ apresentar a sua equipa e o respectivo programa eleitoral atĂŠ Março, sendo que o projecto deverĂĄ ser concebido para mais do que um mandato. O candidato socialdemocrata reconhece que o concelho de Condeixaa-Nova tem “um conjunto de coisas bem feitas ao nĂ­vel das infra-estruturasâ€?, mas defende que hĂĄ potencialidades que estĂŁo subvalorizadas. “O concelho precisa de Ă­mpeto econĂłmico e comercial, de dinamizar os seus produtos endĂłgenos e de revitalizar a ĂĄrea cultural. Condeixa precisa de ter um propĂłsito para alĂŠm do residencial, que tambĂŠm ĂŠ importante, tirando partido da excelente localização HVWUDWpJLFDÂľDĂ€UPRX1RUberto Pires.

Poiares/PS

Vera Carvalho aspira a suceder a Jaime Soares Vera LĂşcia Carvalho, que jĂĄ exerceu funçþes no Conselho da UniĂŁo Europeia, ĂŠ a candidata proposta pelo PS para a presidĂŞncia da Câmara Municipal de Vila Nova de Poiares, segundo anunciou a ComissĂŁo PolĂ­tica Concelhia socialista. Para aquela estrutura partidĂĄria, liderada por Pedro Roberto Carlos, trata-se de “uma candidata muito forte, com condiçþes para ganhar as eleiçþes autĂĄrquicas e lançar Poiares no rumo de um desenvolvimento dinâmico e sustentĂĄvelâ€?. Recorde-se que este ĂŠ um concelho cuja Câmara ĂŠ presidida, desde o 25 de Abril de 1974, sempre pelo social-democrata Jaime Soares, que agora nĂŁo se pode recandidatar por entrada em vigor da lei de limitação de mandatos, tendo o PSD jĂĄ avançado com o empresĂĄrio Carlos Henriques, actual lĂ­der da bancada deste partido na Assembleia Municipal.

A candidato do PS, agora anunciada, residente no lugar de Entroncamento do Poiares, casada e mãe de três ÀOKRVpOLFHQFLDGDHP)LORVRÀDQD)DFXOGDGHGH/HWUDV da Universidade de Coimbra e realizou o mestrado em educação de adultos.

Accionista da empresa CH – Business Consulting, onde desempenha as funçþes de provedora de recursos humanos, Vera Carvalho preside à Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Es-

colas de Daniel de Matos, integra o grupo de teatro amador “Acompanh’arteâ€? e, em 2012, fundou a associação “Icreateâ€?, que se dedica Ă promoção em vĂĄrias ĂĄreas, desde a arte, Ă  ciĂŞncia e Ă  reabilitação psicopedagĂłgica.

Candidata irĂĄ ser julgada Vera LĂşcia Carvalho irĂĄ ser julgada, a partir de 15 de Abril [de 2013], sob a acusação de co-autoria de fraude na obtenção de subsĂ­dio, apurou o “CampeĂŁoâ€?. Ex-secretĂĄria do Conselho da UniĂŁo Europeia, a potencial autarca ĂŠ arguida a par de AntĂłnio Henriques, administrador do Grupo CH - Consulting (de que ambos sĂŁo accionistas), e de outras 15 pessoas. Henriques preside ao Clube de EmpresĂĄrios de Coimbra. Sobre alguns arguidos recai a suspeita GHWHUHPDJLGRQRVHQWLGRGHĂ€JXUDUHP Ă€FWLFLDPHQWH FRPR SDUWLFLSDQWHV QXP projecto de formação profissional ao abrigo do Programa de Incentivos Ă Modernização da Economia (PRIME). O Grupo CH recebeu do Instituto de Apoio Ă s Pequenas e MĂŠdias Empresas

e à Inovação 11 768 euros – verba restituída, entretanto, ao IAPMEI –, tendo deixado de embolsar 40 000 euros. A acusação deduzida pelo MinistÊrio Público, que delegou na Polícia Judiciåria a realização das averiguaçþes inerentes ao inquÊrito do foro criminal, foi reiterada pelo Tribunal de Instrução Criminal de Coimbra. Para o advogado António Manuel Arnaut, a imputação sofre de vício de HUURQDTXDOLÀFDomRMXUtGLFDSRUTXDQWR a instrução do processo de candidatura tendente à obtenção de subsídio seguiu a tramitação legalmente imposta. Se fossem acusados à luz do nº.01 do artigo 37º. do Decreto-Lei nº. 28/84, os arguidos incorreriam em pena de cadeia atÊ dois anos ou multa; neste caso a moldura penal Ê mais elevada.

As dívidas à Segurança Social superiores a 3 500 euros podem passar a ser punidas com pena de prisão, noticiou o Jornal i. A alternativa à condenação atÊ três anos de cadeia Ê a punição com multa atÊ 180 000 euros para pessoas singulares; a multa aplicåvel às sociedades poderå ascender a 3,60 milhþes de euros. Com a medida, que tambÊm pode abranger os trabalhadores independentes, o Governo visa alertar as empresas para a obrigatoriedade

de entregarem Ă Segurança Social os seus contributos e os descontos feitos ao pessoal. Nuno Carvalhinha, presidente da Associação Nacional de Pequenas e MĂŠdias Empresas (ANPME), declarou ao i que a medida consiste num desastre. “Quando as empresas nĂŁo pagam nĂŁo ĂŠ por nĂŁo quererem, ĂŠ por nĂŁo terem dinheiroâ€?, disse o dirigente associativo, vincando que mais de 90 por cento das dĂ­vidas Ă  Segurança Social sĂŁo de montantes acima de 3 500 euros.

Soure/PS

MĂŁo-cheia de nomes para suceder a JoĂŁo Gouveia O(a) potencial sucessor(a) socialista de JoĂŁo Gouveia na presidĂŞncia da Câmara de Soure tarda a despontar, falando-se de, pelo menos, uma mĂŁo-cheia de nomes, soube o “CampeĂŁoâ€? de fontes partidĂĄrias. Dos nove concelhos do distrito de Coimbra cujas câmaras sĂŁo lideradas por edis do PS, Soure ĂŠ o Ăşnico ainda sem candidato daquele partido. LĂ­der do MunicĂ­pio hĂĄ 19 anos, o economista estĂĄ impedido de se recandidatar por estar a completar o quinto mandato consecutivo (trĂŞs eleito pelo PSD e dois pelo PS). Qualquer dos quatro vereadores socialistas pode aspirar DSHUĂ€ODUVHSDUDDVXFHVVmR AntĂłnio Santos Mota (vicepresidente), Ana Treno, AmĂŠrico Nogueira e MĂĄrio Jorge (lĂ­der local do PS), sendo perceptĂ­vel a falta de entusiasmo

de Gouveia perante a eventual candidatura da vereadora. À margem dos quatro edis, tem-se falado de Victor Baptista (ex-deputado à Assembleia da República), António Simþes Cardoso (co-fundador do Instituto de Pedro Hispano - Cooperativa de Educação e membro da Comissão Política da Federação conimbricense do PS) e Nådia Gouveia (igualmente membro da CPF, filha de João Gouveia e mulher do líder distrital socialista, Pedro Coimbra). Santos Mota não estarå inclinado a candidatar-se e AmÊrico Nogueira tem contra ele o facto de aguardar o desfecho de um processo em que estå acusado de peculato (apesar de ter sido absolvido, em primeira instância, o MinistÊrio Público interpôs recurso para o Tribunal da Relação de Coimbra).

FMI acena com dispensa de 50 000 professores A dispensa de 50 000 professores, subjacente a uma poupança atĂŠ 710 milhĂľes de euros, o aumento das taxas moderadoras no Serviço Nacional de SaĂşde e uma redução de todas as pensĂľes sĂŁo algumas das medidas propostas do Fundo MonetĂĄrio Internacional (FMI) num relatĂłrio pedido pelo Governo sobre cortes nas funçþes do Estado, noticiou o Jornal de NegĂłcios. No documento, o FMI sugere “um corte permanente na despesa de quatro mil milhĂľes de euros a partir de 2014, o qual poderĂĄ ser precedido de

uma redução de 800 milhĂľes jĂĄ este anoâ€?. Diminuição de funcionĂĄrios e de salĂĄrios na Educação, SaĂşde e forças de segurança, a par de cortes no Estado social, sĂŁo algumas das ĂĄreas a que o Fundo dĂĄ particular atenção. O documento alude a FODVVHVSURĂ€VVLRQDLV SROtFLDV militares, professores, mĂŠdicos e juĂ­zes) com “demasiadas regaliasâ€?. Para o FMI, o corte dos salĂĄrios dos funcionĂĄrios pĂşblicos e nas pensĂľes sĂŁo as duas vias centrais para a redução da despesa do Estado.


QUINTA-FEIRA

ACTUALIDADE

DE JANEIRO DE 2013 CAMPEĂƒO DAS PROVĂ?NCIAS

3

www.ca m p e a o p r o vin cia s.co m

Injustiça tributåria

Coimbra

APRe! admite recorrer aos tribunais para travar OE

Condenados por IDOVLĂ€FDomRGHGRFXPHQWR

solidariedadeâ€? e a subida do IRS, os pensionistas porA Associação Nacional tugueses vĂŁo pagar mais de Aposentados, Reforma- impostos do que os franceses dos e Pensionistas (APRe!) e alemĂŁes, entre outros de admite vir a recorrer Ă Justiça paĂ­ses europeus. para combater o aumento AtravĂŠs de simulaçþes GD FDUJD Ă€VFDO SUHYLVWR QR e depois de analisar a triOrçamento do Estado (OE) butação sobre rendimentos para 2013. do trabalho e as pensĂľes, a “Sentimos que estamos a consultora concluiu que os ser alvo de um saque porque, mais penalizados pelas mede facto, ĂŠ um roubo o que didas previstas pelo OE vĂŁo estĂŁo a fazer aos reformados. ser os pensionistas. Com a Vamos lutar contra isso, va- “contribuição extraordinĂĄria PRVSDUDWULEXQDOÂľDĂ€UPRX de solidariedadeâ€?, os reforMaria do RosĂĄrio Gama, mados portugueses passam a presidente da APRe!. ter uma tributação trĂŞs vezes A professora reformada, superior Ă  dos alemĂŁes, refere antiga directora da Escola a KPMG. SecundĂĄria de D. Maria, O estudo revela que, na comentou, desta forma, as Alemanha, os pensionistas conclusĂľes do estudo da com rendimentos acima de consultora KPMG, divulga- 300 000 euros por ano tĂŞm do pelo DiĂĄrio EconĂłmico, uma taxa de tributação efecsegunda-feira, que coloca em tiva de 24,40 por cento (casal evidĂŞncia as discrepâncias GHVHPĂ€OKRV (P3RUWXJDO tributĂĄrias entre os vĂĄrios pa- a taxa ĂŠ de 64,20 por cento Ă­ses da UniĂŁo Europeia (UE). (trĂŞs vezes mais) e, em EspaSegundo o documento, nha, de 44,90 por cento. com o pagamento da “conMaria do RosĂĄrio Gama tribuição extraordinĂĄria de alerta para os cortes brutais GERALDO BARROS

que se perspectivam e que, na sua opiniĂŁo, traduzem a intenção do Governo em “taxar os mais pobres e os que nĂŁo tĂŞm possibilidade de fazer greves e de adoptar outras medidas de lutaâ€?, disse Ă agĂŞncia Lusa. HĂĄ cerca de uma semana, a APRe! congratulou-se com a decisĂŁo do Presidente GD5HS~EOLFDHPSHGLUDĂ€Vcalização sucessiva do OE, pelo Tribunal Constitucional. No entender da associação, o Chefe de Estado agiu bem no que concerne Ă s medidas que tĂŞm impacto sobre os subsĂ­dios de fĂŠrias e de Natal dos pensionistas e Ă  “contribuição extraordinĂĄria de solidariedadeâ€?. Contudo, Maria do RosĂĄrio Gama lamenta que a redução dos escalĂľes do IRS “nĂŁo tenha levantado dĂşvidasâ€? a AnĂ­bal Cavaco Silva e lembra que, a partir de 600 euros, os reformados jĂĄ vĂŁo sofrer cortes nas suas pensĂľes. “Contrariamente ao que diz o sr. primeiro-ministro,

não são nove em cada 10 os que não vão sofrer cortes, mas sim 75 por cento�, sublinha a presidente da APRe!. Na última semana, a associação foi ouvida na Assembleia da República, onde teve a oportunidade de apresentar aos parlamentares uma petição em defesa dos aposentados, pensionistas e reformados. Munindo-se dos pareceres de reputados constitucionalistas, Maria do Rosårio Gama, Henrique Rodrigues e Fernando Martins contestaram a legalidade do Orçamento de Estado para 2013, perante a Comissão do Orçamento, Finanças e Administração Pública. Os representantes da APRe! vincaram, ainda, vårios aspectos que traduzem uma quebra do compromisso que o Estado tem para com aqueles que, ao longo de uma vida de trabalho, fizeram os descontos na perspectiva de ter uma reforma condigna.

$Ă€PGHWUDYDURSURFHVVRGHFHQWUDOL]DomR

Movimento Ideais do Centro apoia o Porto contra Lisboa L.S.

O Movimento Ideais do Centro (MIC) incentivou o Porto e a regiĂŁo Norte a “assumirem o confronto polĂ­tico com o Terreiro do Paçoâ€?, porque “a desvalorização da RTP Norte, os cortes na Casa da MĂşsica e a privatização da ANA, sem respeitar as legitimas ambiçþes do aeroporto Francisco SĂĄ Carneiro, comprovam o crescente centralismo lisboetaâ€?. Numa posição subscrita por AntĂłnio Queiroz, Cândido Ferreira, Jaime Ramos, Jorge Antunes, JosĂŠ Veludo e Maria do CĂŠu Cotrim, o Movimento Ideais do Centro GHVDĂ€D´DVOLGHUDQoDVSROtWLcas, autĂĄrquicas, intelectuais e econĂłmicas, nĂŁo localizadas em Lisboa, a criarem uma frente que exija que se pare com o processo de centralização em cursoâ€?. “Tal como o Brasil, Holanda, Nova Zelândia, AustrĂĄlia e EUA, em Portugal devemos separar o poder polĂ­tico do poder econĂłmi-

co, instalar a capital polĂ­tica numa cidade que nĂŁo seja a capital econĂłmicaâ€?, refere o MIC, o qual considera que “os movimentos cĂ­vicos, independentes dos partidos polĂ­ticos, devem defender o Ă€PGRFHQWUDOLVPRFULDQGR um regime com uma democracia mais prĂłxima dos cidadĂŁosâ€?. Para o MIC, “a necessidade de combater a voracidade lisboeta, para permitir o desenvolvimento de Portugal e o bem-estar dos portugueses, ĂŠ um objectivo que exige solidariedade entre os distritos abandonados, de Faro a Bragança, sem esquecer os Açores e a Madeiraâ€?. “Urge que os poderes polĂ­ticos instalados fora de Lisboa sejam capazes de colaborar entre si para liderar um processo que questione o absurdo de concentrar todo o poder e toda a riqueza em Lisboa. ImpĂľe-se criar solidariedades nas diferentes cidades de Portugal, de Viana a Lagos, de Bragança a Vila Real de

Santo AntĂłnioâ€?, defende o MIC. O Movimento Ideais do Centro manifesta-se “contra a governação (PS, PSD/ CDS) de encerrar serviços nos pequenos municĂ­pios, desde escolas a centros de saĂşde, esvaziando as capitais de distrito e tudo concentrar em Lisboaâ€?, porque “o paĂ­s WHPGHGHĂ€QLUXPPRGHORGH desenvolvimento diferente, mais equilibrado e melhorâ€?. Referindo que “nada hoje justifica a ideia obsoleta de que todo um Governo, ou toda a superestrutura tecno-burocrĂĄtica de um Estado tenha de estar numa mesma cidade, ou num mesmo Terreiro do Paço dos tempos da monarquia absolutistaâ€?, o MIC dĂĄ as seguintes sugestĂľes: “O MinistĂŠrio das Finanças pode estar no Porto, a SaĂşde em Beja, Educação em Coimbra, o do Mar em Aveiro, a IndĂşstria em Leiria, o Ambiente na Guarda, o Turismo em Faro, a Administração Interna em

Bragança, Obras PĂşblicas em Évora‌ A PresidĂŞncia da RepĂşblica pode ser instalada em GuimarĂŁes, a Assembleia da RepĂşblica em Coimbra, o Tribunal de Contas em Viseu, o Tribunal Constitucional em Faroâ€?. Prosseguindo contra o centralismo, o MIC adianta que “nas Ăşltimas dĂŠcadas as grandes empresas criadas por iniciativa do Estado localizaram-se todas em Lisboa, movimento de concentração que exigiu a destruição e esvaziamento de estruturas regionais, originando pior emprego e menos riqueza fora da capitalâ€?. Para o MIC, “um modelo de desenvolvimento sustentĂĄvel, que assente na coesĂŁo social do nosso paĂ­s, impĂľe transferir muitas dos serviços e empresas controladas pelo Estado para outras capitais de distritoâ€?, porque “Lisboa continuarĂĄ demasiado grande, mesmo que muitos dos serviços pĂşblicos sejam mudados para outras cidades, equilibrando mais o nosso paĂ­sâ€?.

sequer era usado Ă data dos alegados factos. Um advogado de CoimLuĂ­s Miguel, que incorria bra, LuĂ­s Miguel Rodrigues, e em pena de cadeia atĂŠ trĂŞs um ex-funcionĂĄrio das Finan- anos ou de multa, foi punido ças, Augusto SimĂľes, foram ao abrigo do nÂş. 01, a) do punidos, esta semana, por falsi- CĂłdigo Penal; SimĂľes incorria Ă€FDomRGHGRFXPHQWRFRP em pena atĂŠ cinco anos devido meses de prisĂŁo, cuja execução Ă  qualidade de funcionĂĄrio Ă  foi suspensa por igual perĂ­odo. data do alegado cometimento A condenação, preconiza- do crime. da pela magistrada do MinisFonte conhecedora do tĂŠrio PĂşblico Conceição Des- assunto disse ao “CampeĂŁoâ€? terro em fase de alegaçþes, foi que Augusto SimĂľes pediu a proferida por uma magistrada aposentação por ter sido alvo judicial do Tribunal Criminal de de processo disciplinar. Coimbra, Ana LĂşcia Gordinho. Segundo a primeira alĂ­nea Os arguidos poderĂŁo re- do nÂş.01 do artigo 256Âş. do correr para o Tribunal da Re- CĂłdigo Penal, pratica o refelação. rido crime quem fabricar ou Augusto SimĂľes terĂĄ sido elaborar documento falso, ou conivente com o advogado qualquer dos componentes no âmbito de uma diligĂŞncia destinados a corporizĂĄ-lo, supostamente em prol de uma com intenção de causar preempresa cliente de LuĂ­s Mi- juĂ­zo a outra pessoa ou ao guel. Segundo funcionĂĄrios das Estado, de obter para si ou Finanças chamados a prestar para outra pessoa benefĂ­cio depoimento testemunhal, um ilegĂ­timo, ou de preparar, carimbo presumivelmente facilitar, executar ou encobrir utilizado para o efeito nem outro crime. R.A.

7UDEDOKDYDPQRGLVWULWRGH9LVHX

0pGLFDHGHOHJDGR DFXVDGRVGHEXUOD Uma mÊdica, que trabalhou num Centro de Saúde do distrito de Viseu e se aposentou, e um ex-delegado de informação mÊdica acabam de ser acusados, pelo MinistÊrio Público (MP), de burla qualificada e falsificação de documento. A dois mÊdicos e quaWURSURÀVVLRQDLVGHIDUPiFLD foi deduzida acusação por falsificação de documento, sendo que os clínicos, caso sejam condenados a mais de 36 meses de cadeia, incorrem em pena acessória que consistirå na suspensão de funçþes por um período de dois a cinco anos. A mÊdica e um dos colegas dela jå foram condenados no âmbito de outro processo,

cujas averiguaçþes tambĂŠm foram efectuadas pela PJ de Coimbra. Presume-se que o delegado obteve a colaboração dos mĂŠdicos, que ter-se-ĂŁo disponibilizado a entregarlhe formulĂĄrios de receitas, autenticadas com as vinhetas dos clĂ­nicos e dados alusivos a EHQHĂ€FLiULRV$YDQWDJHPGRV mĂŠdicos consistiria no reforço das respectivas posiçþes junto de um laboratĂłrio farmacĂŞutico enquanto prescritores. “Em qualquer dos casosâ€?, conclui o MP, “estavam bem cientes de que nenhum dos medicamentos referidos nessas receitas se destinavam aos utentes do Serviço Nacional GH6D~GHTXHQHODVĂ€JXUDYDP como destinatĂĄriosâ€?.

PUBLICIDADE

32080

10


ACTUALIDADE

4

10

QUINTA-FEIRA

w w w . campea o p r o vin cia s.co m

Financiamento a trĂŞs universidades e dois institutos da regiĂŁo Centro

DE JANEIRO DE 2013 CAMPEĂƒO DAS PROVĂ?NCIAS

Mosteiros de Santa Clara

Projectos de ciĂŞncia e tecnologia ÉUHDVFODVVLĂ€FDGDV vĂŁo ser ampliadas recebem 13,51 milhĂľes de euros ĂŠ representar 20 por cento do PIB nacional, situar-se As universidades de no “Innovation Leaderâ€?, Aveiro, Beira Interior e ter 40 por cento da popuCoimbra, assim como dois lação jovem com formação institutos (Sistemas e RobĂł- superior e uma taxa de detica e de Telecomunicaçþes) semprego inferior a 70 por vĂŁo investir 16,46 milhĂľes cento da mĂŠdia nacional. de euros em 22 projectos de Dos 22 projectos fiGHVHQYROYLPHQWRFLHQWtĂ€FR nanciados, essencialmente e tecnolĂłgico, montante das ĂĄreas de investigação que ĂŠ comparticipado em e tecnologia em saĂşde, 13,51 milhĂľes de euros comunicaçþes e energia, pelo programa operacional oito sĂŁo da Universidade regional “Mais Centroâ€?. de Coimbra e envolvem Para o presidente da um investimento global de ComissĂŁo de Coordena- quase 10 milhĂľes de euros, ção e Desenvolvimento FRPXPĂ€QDQFLDPHQWRGH da Regional do Centro oito milhĂľes de euros. (CCDRC), este investiO reitor, JoĂŁo Gabriel mento vai no sentido de Silva, declarou que o paĂ­s catapultar Ă 1.ÂŞ divisĂŁo esta S{V Ă€P j ´HUD GR EHWmR H regiĂŁo, que se encontra en- do equipamentoâ€? e apontou tre as 100 mais inovadoras o conhecimento como “a da Europa. saĂ­da para o desenvolvimenPara Pedro Saraiva, a toâ€?, destacando que os proambição da regiĂŁo Centro jectos aprovados permitem L.S.

contratar 80 investigadores, 10 a 20 dos quais de carreira, e nĂŁo apenas durante trĂŞs anos, salientando que “o envelhecimento do quadro de investigadores ĂŠ o pior que estĂĄ a acontecer Ă universidade portuguesa, com cada vez menos capacidade econĂłmica para contratarâ€?. Em relação Ă  Universidade de Aveiro foram aprovados cinco projectos, num investimento total de 4,85 milhĂľes de euros, o que, segundo o reitor, Manuel Assunção, vai “manter e renovar a capacidade instaladaâ€?, jĂĄ que irĂŁo ser contratados 61 investigadores, com renovação de vĂ­nculo para alguns dos que tinham terminado contrato. Para a Universidade da Beira Interior foram aprovados cinco projectos, com um investimento de 1,16

O Governo acaba de DPSOLDUDViUHDVFODVVLĂ€FDmilhĂľes de euros, permitin- das dos mosteiros de Santa do, de acordo com o reitor, Clara-a-Nova e de Santa -RmR 4XHLUyVD Ă€[DomR GH Clara-a-Velha. A medida consta do 30 novos investigadores, numa instituição sediada Decreto nÂş. 31-A/2012, na CovilhĂŁ e que tem 7 000 publicado, a 31 de Dezembro de 2012, em DiĂĄrio da alunos e 111 cursos. Os institutos de Sis- RepĂşblica. AtĂŠ agora, a superfĂ­cie temas e RobĂłtica (ISR) e de Telecomunicaçþes tĂŞm FODVVLĂ€FDGD QD FROLQD QmR dois projectos aprovados, incluĂ­a a totalidade das decada um, com apoios do pendĂŞncias conventuais e o FEDER de 352 000 euros perĂ­metro da Cerca. Com o novo diploma, e de 117 647 euros, respecprocede-se Ă ampliação da tivamente. A sessĂŁo de apresen- FODVVLĂ€FDomR FRPR PRQXtação dos projectos, que mento nacional, de forma a decorreu, sexta-feira, na abranger “todo o conjunto CCDRC, foi encerrada pelo monĂĄstico, designadamente presidente da Fundação a igreja, o claustro principal, para a CiĂŞncia e a Tecnolo- o refeitĂłrio, o dormitĂłrio, a gia (FCT), Miguel Seabra, o cozinha, a sala do capĂ­tulo qual anunciou um sistema e parte das estruturas perde incentivos, para que as tencentes a um segundo entidades nacionais con- FODXVWURÂľ $ iUHD FODVVLĂ€corram mais intensamente a programas comunitĂĄrios.

Reitor preocupado com envelhecimento da instituição

UC perdeu 10 por cento dos docentes B. O.

Dez por cento dos docentes da Universidade de Coimbra (UC) pediram a aposentação no final de 2012. Segundo adiantou o reitor da UC, João Gabriel Silva, numa reunião com investigadores, que decorreu na passada sexta-feira, esta situação, de todo invulgar, deve-se à lei da reforma do

sector pĂşblico, que estabelece o aumento da idade da reforma para os 65 anos jĂĄ este ano. A convergĂŞncia entre a idade de reforma do sector pĂşblico e privado jĂĄ estava em curso, mas de uma forma faseada, atĂŠ 2015. A nova lei deixa cair esta progressĂŁo, pelo que em 2013 os funcionĂĄrios pĂşblicos sĂł poderĂŁo ir para a reforma se tiverem 65 anos e 15

PUBLICIDADE

Vara de Competência Mista e Juízos Criminais de Coimbra Vara Competência Mista -1.ª Secção Palåcio da Justiça - 3004-502 Coimbra Telef: 239096597 - Fax: 239096659 - Mail: coimbra.varm@tribunais.org.pt

ANĂšNCIO Processo: 29-C/1998

Habilitação de Herdeiros

anos de serviço. Quem optar pela reforma antecipada, implica uma penalização de seis por cento por cada ano de antecipação. JoĂŁo Gabriel Silva mostrou-se preocupado com o envelhecimento dos professores da instituição e manifestou-se esperançado na abertura de novos concursos em breve. “Espero que se faça um esforço muito particular para contratar gente nova. AtĂŠ porque de outra forma a UC morreâ€?, frisou. O reitor lembrou que a UC ainda nĂŁo tem conhecimento da dotação orçamental para este ano. De referir que apĂłs uma tomada de posição conjun-

ta dos reitores das universidades pĂşblicas portuguesas, o Governo recuou no corte GRĂ€QDQFLDPHQWRGDVXQLversidades, apresentado anteriormente. A UC estĂĄ a passar por um momento de grande dificuldade econĂłmica, devido Ă s restriçþes orçamentais, tendo nos Ăşltimos dois anos sofrido cortes de financiamento na ordem dos 30 por cento. “O paĂ­s tem esperança ĂŠ no conhecimento avançadoâ€?, considerou JoĂŁo Gabriel Silva, defendendo, por isso, que o prĂłximo Quadro de ReferĂŞncia EstratĂŠgica Nacional (QREN) dedique uma percentagem “cinco YH]HVVXSHULRUDHVWHVĂ€QVÂľ

N/ReferĂŞncia: 3374829 Data: 20-12-2012

Requerente: Adalberto Manuel Rodrigues Mota Caceiro Requerido: Viviane Rodrigues Oliveira e outro(s)... Nos autos acima identificados, correm Êditos de 30 dias, contados da data da segunda e última publicação do anúncio, citando Requerido: Viviane Rodrigues Oliveira, domicílio: Rua Padua Correia, Nº 22, Mafamude. 4400-238 VILA NOVA DE GAIA e Rua Manoel Andrade, 2279 Coroa do Meio, Aracaju - Sergipe - Brasil com última residência conhecida nas moradas indicadas, para no prazo de 10 dias, decorrido que seja o dos Êditos, contestar, querendo, a habilitação de herdeiros, sob pena de vir a ser julgado sucessor do falecido António Fernando Ferreira Quintela, para consigo prosseguir a causa principal, tudo como melhor consta do duplicado da petição inicial que se encontra nesta Secretaria, à disposição do citando. Fica advertido de que Ê obrigatória a constituição de mandatårio judicial. O Juiz de Direito, Dr. António P. Ferreira O Oficial de Justiça, Rosa Angelo Campeão das Províncias, n.º 656, de 10 de Janeiro de 2013

Lei da reforma do sector pĂşblico abre “corridaâ€? a aposentaçþes

cada passa a contemplar a cisterna (poço), que abastecia o espaço conventual, a capela isolada no espaço da Cerca e a hospedaria. Fundado por D. JoĂŁo IV, em 1647, para albergar a as freiras provenientes do convento de Santa Clara-aVelha, o mosteiro de Santa Clara-a-Nova estĂĄ ligado ao culto da Rainha Santa e constitui um dos exemplares de referĂŞncia do gĂłtico portuguĂŞs. $ iUHD FODVVLĂ€FDGD GR mosteiro de Santa Clara-aVelha, adjacente ao “Portugal dos Pequenitosâ€?, passa a abranger “todo o conjunto monĂĄstico, no qual se incluem a igreja, o claustro principal, o dormitĂłrio, o refeitĂłrio, a cozinha, a sala do capĂ­tulo e parte das estruturas pertencentes a um segundo claustroâ€?.


10

QUINTA-FEIRA

VIDAS (D)ESCRITAS

DE JANEIRO DE 2013 CAMPEĂƒO DAS PROVĂ?NCIAS

5

www.ca m p e a o p r o vin cia s.co m

Carlos Laranjeira

O senhor do arroz coisa. O paĂ­s deve muito Ă minha pessoa e a todos “Nasci no dia 17 de os que me acompanharam Novembro de 1938, em nas jornadas, em que nunca Murtede, no concelho de pedimos nada sĂł para o Cantanhede, porque a mi- Baixo Mondego, enquannha mĂŁe, professora primĂĄ- to, agora, hĂĄ outros que ria, era de lĂĄ e tinha muita buscam benefĂ­cios para FRQĂ€DQoDQDSDUWHLUDPDV eles, com as vantagens dos os meus pais viviam em gabinetes, e isso magoaMeĂŁs do Campo, Monte- me. O Mondego lutou por mor-o-Velho, para onde causas nacionais, lutou pela vim com oito dias de idade. terra, pela ĂĄgua, pela obra Aqui tive o meu quartel ge- KLGURDJUtFRODSHORVSUHoRV neral e comecei a funcionar do arroz, do milho, com o desde pequenino com a apoio de algumas pessoas sensibilidade, com a vivĂŞn- do Sul, que eu jĂĄ homenacia e com o sofrimento dos geei em pĂşblico no CAE da mondeguinos. Figueira da Foz. O meu pai, JosĂŠ de Quem controla? Oliveira Laranjeira Pereira, pessoa com muita personaNeste momento, em lidade, reprovou a primeira vez no terceiro ano de termos de arroz, tudo ĂŠ Direito e disse que nunca possĂ­vel. Quem controla mais ninguĂŠm o chumba- o que entra no paĂ­s, em va. Alistou-se no ExĂŠrcito, termos de qualidade? E hĂĄ esteve em cavalaria, em coisas gravĂ­ssimas... NĂłs Aveiro, atĂŠ ser capitĂŁo, para tivemos, na Universidade abandonar e dedicar-se ao de Coimbra, uma grancampo, com agricultura, de senhora, uma grande gado bravo e cavalos. Ter- cientista chamada Irene minou como presidente Silveira, que fez um trabada Câmara Municipal de lho notĂĄvel sobre o arroz Montemor-o-Velho e fale- mal conservado e que vem ceu ainda novo, em 1961, nos porĂľes dos barcos, sem controlo de qualidade, com uma crise cardĂ­aca. 7LYHVyXPĂ€OKRTXHVH sem controlo de humidade formou em Sociologia, mas desde a origem. Com a preferiu vir trabalhar co- ajuda dela parei, em 2005, migo, tendo falecido num a entrada no mercado euDFLGHQWH GH YLDomR R TXH ropeu de arroz que estava foi o meu maior desgosto. armazenado na GrĂŠcia e Éramos como o ir mĂŁo em ItĂĄlia desde 1996. Esse mais velho e o irmĂŁo mais arroz tinha, seguramente, novo, sempre soubemo-nos toxinas e micro-toxinas altamente cancerĂ­genas, e respeitar. Ao meu pai devo a per- quando levantei a questĂŁo sonalidade e a dureza que Mi GRLV WHUoRV GHVVH DUUR] tenho mantido atĂŠ agora, tinha desaparecido e ouporque sem isso nĂŁo tinha WURWHUoRLGRSDUDDDMXGD chegado atĂŠ aqui, com um alimentar. Tal como estĂĄ, caminho longo pelo Mon- a Europa ĂŠ um vergonha e dego, mas com vontade de razĂŁo tĂŞm os Ingleses em ainda fazer mais qualquer sĂł aderirem a uma parte. LUĂ?S SANTOS

Haja bom-senso, porque o Mondego ĂŠ o Ăşnico rio portuguĂŞs com dimensĂŁo e tem 50 por cento de uma obra feita num perĂ­odo de mais de 10 anos. Agora, ninguĂŠm faz nada, ninguĂŠm conserva nada, a obra estĂĄ parada... e isso ĂŠ grave porque apregoa-se tanto que a agricultura pode ser R PRWRU GD UHFXSHUDomR nacional e, depois, nĂŁo se apoia! HĂĄ um sem nĂşmero de coisas que nos falta nos vales secundĂĄrios, que ĂŠ o FRUDomR GD SURGXomR GR arroz nacional em termos de qualidade, onde ainda se anda a regar como hĂĄ 50 anos! Os agricultores estĂŁo a investir no vale do Arunca, estĂŁo a fazer obras Ă custa GHOHVHPOLJDomRFRPDDVVRFLDomRHLVWRpLQDGPLVVtvel, porque hĂĄ 600 milhĂľes para aguentar o barco, no Alqueva, mas nĂŁo hĂĄ 50 milhĂľes para acabar a obra do Mondego. Agora, com a reforma da PolĂ­tica AgrĂ­cola Comum, o que ĂŠ que vai acontecer? Vamos fechar a porta! Fazem-se negociatas com o arroz, com uma comissĂŁo parca, entre o MinistĂŠrio da Agricultura, D GLVWULEXLomR H DV FRQIHGHUDo}HV SDUD UHJXODU RV prazos de pagamento dos fornecimentos e mais umas coisas que ainda nĂŁo vieram todas a lume. NĂłs queremos que seja englobada a base, porque ainda nĂŁo H[LVWH XP GHĂ€QLomR DFWXalizada do arroz carolino WLSRGHĂ€QLQGRVHSDUkPHtros para que toda a gente saiba qual a viscosidade, as dimensĂľes, etc... (PUHODomRDRDUUR]FDrolino do Baixo Mondego

HVWiWXGRGHÀQLGRDSURYDdo e publicado em Diårio da República, faltando um conjunto de requisitos que Bruxelas pediu. (XIDoRXPDDFXVDomR - e se quiserem ponhamme em tribunal: averigúem tudo o que estå dentro dos pacotes de alguns tipos de arroz carolino, pois tem arroz agulha, tem arroz partido. Não me importo que, para baixarem o preoR DWp Oi SRQKDP WULQFD do cão, mas o pacote tem que dizer o que tem e não referir apenas que Ê arroz carolino. As donas de casa vêmVHDà LWLQKDVSDUDFR]LQKDUR arroz e Ê por isso que vão à feira dos 23, à da Tocha e à de Montemor comprar arroz produzido no Mondego, cultivado e descascado por pequenos agricultores. O P de Português que tem os pacotes vendidos nos supermercados pode não representar nada! É uma falsidade, porque basta que o arroz seja branqueado e embalado nas indústrias portuguesas, mesmo vindo da China, do Japão, da Venezuela, venha de onde vier. Gostava de sair com a certeza de que o Mondego tinha a obra assegurada e os agricultores viviam melhor. Quero fazer um esIRUoRSDUDTXHRVXUEDQRV não vejam os agricultores como parasitas, porque não recebemos subsídios, PDV VLP FRPSHQVDo}HV j perca de rendimento, dado que a Europa não se atreve a controlar o produto que entrava na Europa. Em Portugal andou-se a fugir da agricultura, mas, agora, jå toda a gente quer ter uma horta!�.

BI

Tudo pelo Mondego Carlos JosĂŠ Machado Laranjeira Pereira, com 74 anos, conhece os campos do Mondego como a palma das mĂŁos, pois ali nasceu, cresceu e fez toda a sua vida, saindo sempre em defesa destas terras agrĂ­colas. Todos reconhecem o seu empenho, quer no nosso paĂ­s, quer na Europa. O associativismo ĂŠ o seu forte: Fundou a Cooperativa AgrĂ­cola de Monte-

PRUSUHVLGLXj$VVRFLDomR GH %HQHĂ€FLiULRV GD 2EUD de Fomento HidroagrĂ­cola do Baixo Mondego, Ă AsVRFLDomRGRV2UL]LFXOWRUHV de Portugal, ĂŠ director da $VVRFLDomR GH $JULFXOWRres do Vale do Mondego e YRJDOGD&RQIHGHUDomRGH Agricultores de Portugal, onde representa a nĂ­vel nacional o sector do arroz. Para alĂŠm da defesa da orizicultura, onde represen-

tou o sector em Bruxelas (UniĂŁo Europeia), Carlos Laranjeira ĂŠ um apaixonaGRSHODFDoDSHORVWRXURV e pelos cavalos, estando entre os fundadores do Centro HĂ­pico de Coimbra e do Centro Equestre de Montemor-o-Velho. De 1968 a 1974 frequentou vĂĄrios cursos de PHFDQL]DomR DJUtFROD H agricultura nos EUA, AlePDQKD ,WiOLD )UDQoD H

Espanha, e tambÊm teve a sua incursão pela política. Em 1979, foi candidato à Câmara de Montemor-oVelho, pela AD, e foi deputado da Assembleia da República, eleito pelo CDS no círculo de Coimbra, na 4.ª legislatura (1983 RQGHDRÀPGHHVWDU apenas 20 minutos no Parlamento, deu logo nas vistas ao quebrar a disciplina partidåria.

Segundo Carlos Laranjeira, faltam 50 milhĂľes de euros para acabar as obras do Baixo Mondego

E AINDA

“Andava no ColĂŠgio D. JoĂŁo de Castro, em Coimbra, tinha 14 anos, e as notas mĂĄs acabaram quando o meu pai pĂ´s-se a trabalhar no campo, a partir das 6 de manhĂŁ, durante um DQROHFWLYRDLUGHELFLFOHWDGDV0HmVSDUD$OIDUHORV$RĂ€P de cinco meses, o mesmo pai que me castigou duramente, quando chegou o mĂŞs de Agosto, e estĂĄvamos na Figueira da Foz, ofereceu-me um livre trânsito para as matinĂŠs do Casinoâ€?. ´$QGHLGXUDQWHGRLVDQRVGHUHODo}HVFRUWDGDVFRPÉOYDUR Amaro. ZangĂĄmo-nos porque ambos dissemos aquilo que nĂŁo era conveniente termos dito, em directo na televisĂŁo, aquanGRGHXPDPDQLIHVWDomR0HVPRDVVLPQXQFDGHL[HLGHWHU UHXQL}HVFRPHOHHRÉOYDUR$PDURSHUJXQWDYDVHPSUHXPD FRLVDTXHHXMDPDLVHVTXHFHUHL$EHPGDQDomRHGR%DL[R Mondego, o que ĂŠ que temos hoje?â€? “Nunca ĂŠ de mais dizer muito obrigado a quem muito DMXGRXR%DL[R0RQGHJRÉOYDUR$PDURTXHIRLVHFUHWiULR de Estado da Agricultura, e o ministro Arlindo Cunha. Nada se deve sĂł a mim e todos os mondeguinos devem agradecer a quem colaborou connosco: AntĂłnio JosĂŠ da Veiga Teixeira, XPJUDQGHVHQKRUIXQGDGRUGD$VVRFLDomRGRV$JULFXOWRUHV de Portugal e que me ensinou o que era um ribatejano e um alentejano; Fernando Palha, um grande ganadero e um dos ~OWLPRVVHQKRUHVGHVWHSDtV$QWyQLR$OEHUWR*RQoDOYHV)HUUHLUDĂ€OKRGHXPGRVPLQLVWURGR3URI6DOD]DURHQJHQKHLUR Francisco Lino; o engenheiro Joaquim GusmĂŁo; a eng.ÂŞ LuĂ­s Albuquerque, mĂŁe do actual secretĂĄrio de Estado da Agricultura; os directores-gerais, todos os que colaboravam connoscoâ€?. ´)L]VHWHPDQLIHVWDo}HVHXPDGHODVIRLDPLQKDFRURDGH glĂłria. A Estrada Nacional n.Âş 1 esteve cortada na Redinha (Pombal), durante 48 horas, e o entĂŁo primeiro-ministro, Pinto BalsemĂŁo, veio de helicĂłptero dialogar comigo e com os que PHDFRPSDQKDYDP2PLQLVWURGD$GPLQLVWUDomR,QWHUQD era Ă‚ngelo Correia, com quem eu tenho, ainda hoje, boas UHODo}HV4XDQGRQRVHQFRQWUDPRVDLQGDSHUJXQWD7HPRV DOJXPDPDQLIHVWDomR"Âľ “Acima da Serra da Mira de Aire nĂŁo muda sĂł o clima, hĂĄ um paĂ­s chamado Portugal com uma vivĂŞncia e uma sensibilidade diferentes. Destaco Arlindo Cunha, AntĂłnio Serrano e Capoulas Santos, porque foram ministros da agricultura, om divergĂŞncias e convergĂŞncias, a quem o Mondego deve muitoâ€?. “Participei no Campeonato Nacional de Ralis, com um Wolksvagem 1303 S. Era funcionĂĄrio da Guerin, empresa importadora dos equipamentos agrĂ­colas John Deere, de que eu era o responsĂĄvel do Centro e Norte do paĂ­s. Fui um dia, a brincar, com o meu colega JosĂŠ Rolo, um homem do Clube AutomĂłvel do Centro, aos montes alentejanos, e saĂ­ de lĂĄ com o primeiro lugar da classe e o sexto da geralâ€?.


FIGURAS DA SEMANA

6

w w w . campea o p r o vin cia s.co m

Ascensor A

S U B I R

Joaquim Gomes Canotilho – O Conselho de Administração (CA) da Fundação de Calouste Gulbenkian elegeu o constitucionalista para administrador nãoexecutivo da instituição. Para alÊm de Joaquim Gomes Canotilho, tambÊm António Guterres, alto-comissårio das Naçþes Unidas para os Refugiados, desde 2005, irå desempenhar idênticas funçþes, juntamente com Rui Vilar, outrora presidente do CA da Fundação de Calouste Gulbenkian. Guterres e Gomes Canotilho vão substituir os administradores não-executivos Eduardo Lourenço e AndrÊ Gonçalves Pereira, que em Setembro (2012) atingiram o limite de mandato. Natural de Pinhel (Guarda), professor catedråtico jubilado da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, Joaquim Gomes Canotilho Ê especialista em Direito Constitucional. Outrora conselheiro de Estado, foi distinguido com o PrÊmio Pessoa, em 2003.

10

QUINTA-FEIRA

DE JANEIRO DE 2013 CAMPEĂƒO DAS PROVĂ?NCIAS

Paulo TrincĂŁo Paulo TrincĂŁo ĂŠ o novo director do Jardim Botânico, sucedendo no cargo a Helena Freitas. O antigo diretor do Museu da CiĂŞncia e da TĂŠcnica da Universidade de Coimbra (UC) estava a trabalhar em Coimbra desde hĂĄ alguns meses, mas sĂł agora foi formalizada a mudança. A vice-reitora da UC, Helena Freitas, deixa o lugar com o sentimento de dever cumprido e com a convicção de que “estĂŁo agora criadas as condiçþesâ€? para que o jardim dĂŞ um salto qualitativo. Helena Freitas promete continuar a acompanhar as actividades deste emblemĂĄtico jardim, atĂŠ porque ĂŠ a coordenadora do projecto do Quadro de ReferĂŞncia EstratĂŠgica Nacional (QREN) que estĂĄ HPFXUVRHTXHPRGLĂ€FDUiSURIXQGDPHQWHHVWHMDUGLPFHQWHQiULR

EmĂ­lia Cortez – Maria EmĂ­lia Cortez, mĂŁe do secretĂĄrio de Estado do Ensino Superior, JoĂŁo QueirĂł, e viĂşva do outrora catedrĂĄtico de Direito Afonso QueirĂł, faleceu, na semana passada, em Coimbra, com perto de 100 anos de idade. Governante desde meados de 2011, JoĂŁo Filipe QueirĂł ĂŠ catedrĂĄtico de MatemĂĄtica. A extinta tambĂŠm era mĂŁe de LuĂ­s QueirĂł (presidente da Mesa VirgĂ­lio do Nascimento Antunes – O bispo de do Congresso do CDS/PP e marido da antiga ministra da Justiça Coimbra surpreendeu com as palavras proferidas em dia Maria Celeste Cardona), Manuel QueirĂł (docente universitĂĄrio GHDQRQRYRTXHpGHGLFDGRjSD]QmRVHĂ€FDQGRSRU de Engenharia Civil) e Clara QueirĂł (mulher do ex-director uma abordagem meramente compartimentada ao campo clĂ­nico dos HUC JoĂŁo Pedroso de Lima). Outrora deputado Ă religioso. VirgĂ­lio Antunes olhou para o que se passa ao Assembleia da RepĂşblica eleito pelo cĂ­rculo de Coimbra, Manuel redor, na sociedade, e disse que hĂĄ responsabilidades in- QueirĂł foi secretĂĄrio-geral do CDS; LuĂ­s, alĂŠm de tambĂŠm ter dividuais no entrave Ă  construção da paz, nomeadamente sido deputado Ă  AR, foi membro do Parlamento Europeu. por parte das pessoas que sĂŁo “escravasâ€? do poder, de Afonso Rodrigues QueirĂł morreu, aos 81 anos de idade, em “mĂĄquinas partidĂĄrias, dos lĂłbis, da opiniĂŁo comum ou Dezembro de 1995. das ideologiasâ€?. Para o prelado, “os que detĂŞm na sociedade a autoridade e o poder de decisĂŁo, tanto ao nĂ­vel Jorge Fernandes e Joana Diogo – Os atletas do Judo social, como polĂ­tico ou econĂłmico, incluindo os que Clube de Coimbra, Jorge Fernandes (-73 kg) e Joana Diogo (-48 nĂŁo ocupando papĂŠis de grande relevo no tecido social, kg), foram convocados pela Federação Portuguesa de Judo para decidem diariamente no âmbito da vida familiar, laboral, participarem no EstĂĄgio Internacional de Mittersill, na Ă ustria. A social, conduzidos pela cultura dominante, marcada pela dupla conimbricense participou, desde terça-feira, na concentração busca exclusiva do bem individual e pelo desprezo do bem austrĂ­aca, que marca o arranque da preparação para o perĂ­odo comumâ€?, numa “sociedade agressiva, intolerante, escrava competitivo que se aproxima, no qual se incluem grandes provas de interesses particularesâ€?. da modalidade a nĂ­vel europeu e mundial.

abertura prevista para breve, o curso destina-se a licenciados e SURĂ€VVLRQDLVQDVPDLVGLYHUVDViUHDV2REMHFWLYRVHJXQGR/XtVD Veiga, ĂŠ oferecer um mestrado que se alargue num amplo leque disciplinar e com uma forte ligação Ă prĂĄtica. Previstos jĂĄ estĂŁo diversos seminĂĄrios interdisciplinares, que serĂŁo proferidos por UHSXWDGRVSURĂ€VVLRQDLVOLJDGRVDRPXQGRGDFULPLQRORJLD2ž aniversĂĄrio do ISBB foi assinalado com uma conferĂŞncia subordinada ao tema “Justiça e ciĂŞncias forenses: que futuroâ€?, proferida por Duarte Nuno Vieira, presidente do Instituto Nacional de Medicina Legal e CiĂŞncias Forenses. No âmbito da cerimĂłnia comemorativa foram ainda entregues os diplomas e cartas de curso aos recĂŠm-diplomados. JosĂŠ Azevedo e Silva – Professor jubilado da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, JosĂŠ Azevedo e Silva proferiu, ontem, na Biblioteca Municipal de Coimbra uma conferĂŞncia subordinada ao tema “A vida a bordo na Carreira da Ă?ndia no SĂŠculo XVIâ€?. A intervenção decorreu no âmbito do ciclo “Conversas DRĂ€PGDWDUGHÂľSURPRYLGRSHOD&DVD0XQLFLSDOGD&XOWXUDGH Coimbra.

Miguel Ventura – Miguel Ventura vai continuar a presidir a Associação de Desenvolvimento Integrado da Beira Serra (ADIBER), que prevĂŞ a melhoria da qualidade de vida das populaçþes da regiĂŁo da Beira Serra – Arganil, GĂłis, Oliveira do Hospital e MĂłnica Bettencourt-Dias – Investigadora principal Olga Cavaleiro – A presidente da Confraria da Doçaria TĂĄbua. Os novos corpos sociais para o biĂŠnio 2013/2014 tomam, do grupo de Regulação do Ciclo Celular do Instituto Conventual de TentĂşgal, Olga Cavaleiro, tomou posse, este sĂĄ- hoje, posse. A criação de condiçþes no sentido de aumentar a Gulbenkian de CiĂŞncia, MĂłnica Bettencourt-Dias foi bado, como presidente da Federação Portuguesa das Confrarias DWUDFWLYLGDGHSDUDTXHRVMRYHQVWDOHQWRVTXDOLĂ€FDGRVVHĂ€[HP distinguida, recentemente, com a bolsa Keith R. Porter. GastronĂłmicas. A cerimĂłnia de tomada de posse decorreu na na regiĂŁo, a promoção do desenvolvimento rural, atravĂŠs da O prĂŠmio anual, atribuĂ­do pela Sociedade Americana de Igreja da MisericĂłrdia de TentĂşgal, tendo contado com a presença nova abordagem denominada “Desenvolvimento Promovido Biologia Celular, foi estabelecido em 1999, como forma de de 58 confrarias de todo o paĂ­s. Olga Cavaleiro tem como prio- pelas Comunidades Locaisâ€? (metodologia LEADER) e, ainda, reconhecer a excelĂŞncia do trabalho de um biĂłlogo celular ULGDGHDĂ€UPDURSDSHOGDVFRQIUDULDVQDVRFLHGDGHHHFRQRPLDH a preparação do novo Quadro EstratĂŠgico Comum 2014-2020, QRLQtFLRRXPHLRGDVXDFDUUHLUDFLHQWtĂ€FD2WUDEDOKRGD propĂľe-se, em concreto, fazer um levantamento e inventariação sĂŁo os trĂŞs grandes objectivos a concretizar em 2013. investigadora portuguesa, 39 anos de idade, centra-se no do receituĂĄrio tradicional. O levantamento do receituĂĄrio visa, InĂŞs Henriques e Francisco AcuĂąa – Os atletas InĂŞs estudo da multiplicação e movimento das cĂŠlulas. defendeu, proteger o patrimĂłnio gastronĂłmico portuguĂŞs. A Federação Portuguesa das Confrarias GastronĂłmicas tem como Henriques e Francisco AcuĂąa foram os grandes vencedores do Lionel Messi – O futebolista argentino foi eleito presidente da Assembleia Geral Joaquim Almeida, da Confraria VI Grande PrĂŠmio de Montemor-o-Velho de Marcha AtlĂŠtica de jogador do ano 2012 na gala da FIFA, batendo Cristiano GastronĂłmica das Almas Santas, da Areosa, e JosĂŠ EspĂ­rito Santo, Estrada, que decorreu no sĂĄbado. No total, a prova foi disputada Ronaldo e AndrĂŠs Iniesta. Messi, jogador do Barcelona, da Confraria do Maranho, como presidente do Conselho Fiscal. por 112 atletas. Organizada pela Associação Distrital Atletismo Coimbra (ADAC) conjuntamente com as Associaçþes de Leiria consegue mais uma proeza ao ser distinguido com a quarta %RODGH2XURFRQVHFXWLYDSRUXPM~ULGHTXHĂ€]HUDP ClĂĄudia Norte – Um grupo de investigadores, coordenado e SantarĂŠm, a prova contou com os apoios da Câmara Municipal parte seleccionadores nacionais, capitĂŁes de equipa e um por ClĂĄudia Norte, desenvolveu um estudo pioneiro em Por- de Montemor-o-Velho, Junta Freguesia de Montemor-o-Velho e grupo seleccionado de jornalistas. tugal sobre o papel das aves como hospedeiras e reservatĂłrio Caixa de CrĂŠdito AgrĂ­cola MĂştuo do Baixo Mondego. Na ocasiĂŁo, da bactĂŠria causadora de uma doença denominada borreliose o presidente da Câmara Municipal, LuĂ­s Leal, referiu que “esta ĂŠ de Lyme. A investigação concluiu que o melro-preto ĂŠ um dos uma prova que jĂĄ faz parte do calendĂĄrio desportivo concelhioâ€? A D E S C E R principais hospedeiros e reservatĂłrio da bactĂŠria responsĂĄvel e que “contribui para reforçar a vocação, a oferta e a dinâmica GlĂłria AraĂşjo – A deputado do PS foi detida, em pela maleita, que se nĂŁo for tratada na fase inicial, provoca desportiva do territĂłrioâ€?. Lisboa, por conduzir com excesso de ĂĄlcool. GlĂłria graves lesĂľes no sistema neurolĂłgico, dermatolĂłgico e articular. AraĂşjo foi interceptada pelas autoridades, durante uma Financiado pela Fundação para a CiĂŞncia e Tecnologia, o estudo Francisco Braga – Desde domingo Ăşltimo que deixou de RSHUDomRGHĂ€VFDOL]DomRUHDOL]DGDQRFHQWURGDFDSLWDO foi desenvolvido ao longo dos Ăşltimos trĂŞs anos por uma equi- ser titular da Direcção Regional de Economia do Centro. Frandurante a madrugada. A socialista apresentou uma taxa pa de cinco investigadores (da UC, do Centro de Estudos de cisco Braga, que liderava aquele organismo, sediado em Aveiro, de alcoolemia de 2,41 gramas por litro de sangue, o dobro Vectores de Doenças Infecciosas do Instituto de Ricardo Jorge hĂĄ cerca de um ano, apresentou o seu pedido de exoneração do do limite a partir do qual esta infracção ĂŠ considerada e da Universidade suíça de Neuchâtel). cargo Ă tutela, com efeitos imediatos. Com larga experiĂŞncia na FULPHWHQGRVLGRQRWLĂ€FDGDSDUDFRPSDUHFHUSHUDQWHR indĂşstria, Braga pautou o exercĂ­cio de funçþes por uma grande LuĂ­sa Veiga – O Instituto Superior Bissaya Barreto (ISBB), aproximação aos empresĂĄrios da regiĂŁo, com quem se reunia Tribunal de Pequena Instância Criminal de Lisboa. Natural de Aveiro, licenciada em engenharia mecânica, GlĂłria que assinalou o 20.Âş aniversĂĄrio no passado sĂĄbado, vai alargar a regularmente. Essa postura de abertura e dinâmica, enquadrada AraĂşjo faz parte da ComissĂŁo para a Ética, a Cidadania e oferta formativa Ă  criminologia, ĂĄrea de especialização atĂŠ agora numa nova lei orgânica que diminui a intervenção da Direcção a Comunicação, sendo suplente na ComissĂŁo de NegĂłcios apenas disponĂ­vel em duas escolas no Porto. Segundo a directora Regional, terĂĄ sido um dos motivos que levou a Francisco Braga Estrangeiros e Comunidades Portuguesas e na ComissĂŁo do ISBB, LuĂ­sa Veiga, o novo mestrado jĂĄ estĂĄ acreditado pela a apresentar a sua demissĂŁo, disseram ao “CampeĂŁoâ€? fontes AgĂŞncia de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior. Com daquele organismo. de Defesa Nacional. PUBLICIDADE

30962


10

QUINTA-FEIRA

DE JANEIRO DE 2013 CAMPEĂƒO DAS PROVĂ?NCIAS

FACTOS DA SEMANA

7

www.ca m p e a o p r o vin cia s.co m

ANAI tem novas instalaçþes A Associação Nacional de Apoio ao Idoso (ANAI) iniciou, no dia 03, o segundo trimestre do ano lectivo 2012/2013, da Universidade do Tempo Livre (UTL), nas novas instalaçþes, sitas na rua de Pedro Monteiro, n.º 68, em Coimbra. Este edifício acolhe, ÀQDOPHQWHWRGDVDVDXODVGD87/HQFRQWUDQGRVHDLQGDDEHUWDV inscriçþes para as disciplinas de alemão, antropologia no feminino, FLQHPDFRQYHUVDVVREUHÀORVRÀDGDQoRWHUDSLDJLQiVWLFDGHPDQXWHQomRHFRUUHFomRSRVWXUDOKLGURJLQiVWLFDKLVWyULDGDDUWHKLVWyULD GDP~VLFDLQIRUPiWLFDLQJOrVOLWHUDWXUDSRUWXJXHVDPXVHRORJLD conservação e restauro, pintura, religiþes e yoga. Encontram-se WDPEpPDEHUWDVLQVFULo}HVSDUDRVFXUVRVGHFXOLQiULD EtEOLFD greco-romana, etc), doutrina social da Igreja, jardinagem, nutriFLRQLVPRHRÀFLQDGRSDWULPyQLRFXOWXUDOSRSXODU5HÀUDVHTXH D$1$,YDLUHDOL]DUQRGLDXPDYLDJHPD/LVERDTXHLQFOXLUi visitas a exposiçþes na Fundação Calouste Gulbenkian, no Museu 1DFLRQDOGH$UWH$QWLJDHQR3DOiFLR1DFLRQDOGD$MXGDFRP informaçþes sobre as inscriçþes atravÊs do telefone 239 827 412, RXWHOHPyYHO

Espaço renovado para atender os munícipes 2VPXQtFLSHVGH&RLPEUDWrPGHVGHVHJXQGDIHLUDXPUHQRYDGRHVSDoRGH DWHQGLPHQWRQD&kPDUDUHVXOWDQWHGHXPSURFHVVRGHPRGHUQL]DomRDGPLQLVtrativa. Para facilitar o acesso dos cidadãos à informação, foi criado um balcão único, tendo como algumas vantagens menos tempo de espera e, simultaneamente, redução dos custos, erros e desperdícios. são algumas das vantagens. O objectivo GDUHTXDOLÀFDomRGHVWHHVSDoRIRLRGHPHOKRUDURDWHQGLPHQWRSUHVHQFLDOQD &kPDUD0XQLFLSDOGH&RLPEUDUHFRUUHQGRDQRYDVWHFQRORJLDVHjFHQWUDOL]DomR GRVVHUYLoRV´1XPFRQWH[WRHPSURIXQGDPXWDomRWRUQDVHLPSUHVFLQGtYHOTXH DVDXWDUTXLDVWHQKDPFDSDFLGDGHGHFRUUHVSRQGHUGHIRUPDHÀFD]HÀFLHQWHHHFRQyPLFDjVH[SHFWDWLYDVGRV cidadãos e empresas�, explica o Município, em comunicado.

Ă€QDOGRDQRDFHGrQFLDGHPiTXLQDVUHFXUVRVKXPDQRVHHTXLpamentos. Ao congratular-se com “a rentabilização dos recursos e a melhoria na capacidade de intervençãoâ€? permitidas com os SURWRFRORVRSUHVLGHQWHGD&kPDUD/XtV/HDOOHPEURXTXHD GH-DQHLURFRPSOHWDUDPVHDQRVHPTXHLQLFLRXRPDQGDWR LousĂŁ solidĂĄria com 250 famĂ­lias ´$RORQJRGHVWHVDQRVDDXWDUTXLDWHPPLOK}HVGHHXURVGH 1DTXDGUDGR1DWDOGLYHUVDVHQWLGDGHVGRFRQFHOKRGD/RXVm obras pagas e um montante de 11 milhĂľes de euros transferido HD&kPDUDSURFHGHUDPjHQWUHJDGHFDED]HVFRPJpQHURV para as juntas de freguesia, associativismo e protecção civilâ€?, referiu. ADFP com energias renovĂĄveis A Fundação ADFP, de Miranda do Corvo, obteve a apro- DOLPHQWDUHVDIDPtOLDVHPYXOQHUDELOLGDGHHFRQyPLFDLGHQWLĂ€FDGDV Junta de Outil recebe antigas escolas YDomRGHXPDFDQGLGDWXUDDSRLDGDSHOR)('(5HQRkPELWR pelos serviços de acção social e saĂşde do MunicĂ­pio, em articu$&kPDUDGH&DQWDQKHGHIRUPDOL]RXDFHGrQFLDGHPDLV GR3URJUDPD2SHUDFLRQDO5HJLRQDOGR&HQWURSDUD lação com a rede social e com a delegação da segurança social. instalação de colectores solares tĂŠrmicos. Trata-se da instalação de $LQLFLDWLYDFRQWRXFRPRDSRLRHHQYROYLPHQWRGD&RQIHUrQFLD GRLVHGLItFLRVHVFRODUHVHQFHUUDGRVSHOD'LUHFomR5HJLRQDOGH sistemas de produção de energia, com base em radiação solar, no )HPLQLQDGH6mR9LFHQWHGH3DXOR-XYHQWXGH6RFLDOLVWDGD/RXVm (GXFDomRQRkPELWRGDUHRUJDQL]DomRGDUHGHHGXFDWLYDFRPD &HQWUR6RFLDO&RPXQLWiULR'U-DLPH5DPRVRQGHUHVLGHPFHUFD H-XQWDVGH)UHJXHVLDGD/RXVmHGH9LODULQKR$&kPDUDSDUD DWULEXLomRGDVDQWLJDVHVFRODVSULPiULDVGH2XWLOHGH9LOD1RYD GHSHVVRDVHQWUHFULDQoDVMRYHQVSRUWDGRUHVGHGHĂ€FLrQFLDH DOpPGRDSRLRjDTXLVLomRGHJpQHURVSDUDFRPSRUDOJXQVGRV j-XQWDGH)UHJXHVLDGH2XWLO$VVLQDUDPRDFRUGRRSUHVLGHQWH GD&kPDUD0XQLFLSDO-RmR0RXUDHRSUHVLGHQWHGD-XQWD LGRVRV2LQYHVWLPHQWRVHUiGHHXURVFRPSDUWLFLSDGR de Freguesia de Outil, Paulo Santos, com a presença da viceHPSRUFHQWRFRPDSURGXomRGHHQHUJLDDSDUWLUGDVIRQWHV Carla SUHVLGHQWHGDDXWDUTXLD+HOHQD7HRGyVLRHGRVYHUHDGRUHV UHQRYiYHLVDWUDGX]LUVHQXPDSRXSDQoDGHSRUFHQWRQR Estudando PĂłs-graduação em GestĂŁo Pedro Cardoso e Pedro Castro. Segundo o lĂ­der do executivo DTXHFLPHQWRGDViJXDVHQDUHGXomRGDHPLVVmRGH&2 na FDPDUiULR´HVWDpXPDERDVROXomRSDUDGDUXWLOLGDGHDLQVWDODo}HVTXHGHRXWURPRGRWHQGHULDPDGHJUDGDUVHUDSLGDPHQWH Prendas para Lar de Infância da ADFP London School of Economics FRPDYDQWDJHPGHTXHYmRHVWDUDRVHUYLoRGDVFRPXQLGDGHV O gerente e subgerente do balcĂŁo do BPI foram ao Lar Passatempo: Natação ORFDLVSDUDUHDOL]DomRGHDFWLYLGDGHVTXHFRQWULEXHPSDUDR GH,QIkQFLDH-XYHQWXGHGD)XQGDomR$')3HP0LUDQGD UHIRUoRGDFRHVmRVRFLDOÂľ6HJXQGRRSUHVLGHQWHGD-XQWDDOL GR&RUYRHQWUHJDURIHUWDV EULQTXHGRVURXSDMRJRVHWF  irĂŁo ser realizadas actividades de Ă­ndole cultural e recreativa, DQJDULDGDVQRkPELWRGDFDPSDQKDSURPRYLGDSHOREDQFR FRPHVSHFLDOLQFLGrQFLDHPSURMHFWRVGLUHFFLRQDGRVSDUDRV intitulada â€œĂ rvores de Natal - Ajude uma criança a sorrirâ€?. jovens e para a população mais idosa. 7DPEpPR-DUGLPGH,QIkQFLDGRV0RLQKRV 0LUDQGDGR &RUYR HR-DUGLPGH,QIkQFLDGDV/HYHJDGDV /RXVm RIHUHTorneio na AdĂŠmia de futebol infantil FHUDPURXSDVHEULQTXHGRVQR/DUGD,QIkQFLDH-XYHQWXGH 1RkPELWRGDVFRPHPRUDo}HVGRžDQLYHUViULRD da Fundação ADFP, denominado Centro de Acolhimento Associação Desportiva e Cultural da AdĂŠmia (Coimbra) H(PHUJrQFLD,QIDQWLOTXHUHFHEHFULDQoDVHPUHJLPHGH UHDOL]DViEDGR GLD RWRUQHLRGHIXWHEROLQIDQWLO3HGURH LQWHUQDWRGRVWUrVPHVHVDRVDQRVSRUHQFDPLQKDPHQWR ,QrVQRVHVFDO}HVGHWUDTXLQDV VXEDQRV HEHQMDPLQV VXE da Segurança Social, ComissĂŁo de Protecção de Crianças e DQRV QRUHOYDGRVLQWpWLFRGRFDPSRGHMRJRV5DPRVGH -RYHQV7ULEXQDOH'LUHFomR5HJLRQDOGH5HLQVHUomR6RFLDO Curso IELTS (30 ou 40 horas) inĂ­cio a 22 de Janeiro ( terças e quintas feiras Ă s 20.00 h ) &DUYDOKR1DSURYDSDUWLFLSDPHTXLSDVGD$'&$GpPLDGD International House Nova ĂŠpoca de golfe em Cantanhede UniĂŁo de Leiria (Leiria), de Cova-Gala (Figueira da Foz) e de Rua Antero de Quental 135 - 3000-032 Coimbra No domingo, dia 06, realizou-se o primeiro torneio Telem.: 937 902 886 - Tel: 239 822 971 $Qom &DQWDQKHGH 2SURJUDPDLQLFLDVHSHODVKFRP E-mail: info@ihcoimbra.com RGHVĂ€OHGDVHTXLSDVSDUDPLQXWRVGHSRLVFRPHoDUHPRV “pitch&puttâ€? do ranking do Clube de Golfe de Cantanhede. www.ihcoimbra.com jogos, com o torneio a terminar pelas 17h30, com a entrega de 1DSURYDFRPMRJDGRUHVFODVVLĂ€FRXVHHPžOXJDU/XtV SUpPLRV$LQLFLDWLYDFRQWDFRPRDSRLRGD&kPDUD0XQLFLSDO 3DXOR0DQDWDHP´JURVVÂľH0LJXHO5HLV3HUHLUDHP´QHWÂľ com o programa geral de torneios a inclui uma prova no primeiro FDED]HVVXSRUWRXDLQGDFHUFDGHFDED]HVDGLFLRQDLVSDUDTXH de Coimbra, das juntas de freguesia de Trouxemil e de Santa Cruz GRPLQJRGHFDGDPrVDRORQJRGRSULPHLURVHPHVWUH2HQVLQR WRGDVDVIDPtOLDVTXHFRQVWDYDPGDOLVWDHODERUDGDSXGHVVHPWHU e, ainda, da Associação de Futebol de Coimbra e do Conselho de FRQWLQXDDWHUXPSDSHOGHGHVWDTXHQDVDFWLYLGDGHVGR&OXEHGH XP1DWDOPDLVGLJQRHQRTXDORVYDORUHVFRPRDVROLGDULHGDGHH Arbitragem da AFC. *ROIHGH&DQWDQKHGHTXHDOpPGDHVFRODSDUDRVPDLVQRYRV IUDWHUQLGDGHJDQKDPDLQGDXPPDLRUVLJQLĂ€FDGR Sem abrigo na Escola de Hotelaria PDQWpPGXUDQWHHVWHPrVXPDDXODGHIDPLOLDUL]DomRGDPRGDOLMĂşsicos de rua cantaram as Janeiras $&kPDUD0XQLFLSDOGH&RLPEUDSURPRYHKRMHXPDOPRoR GDGHDEHUWDjLQVFULomRGHWRGRVRVTXHDTXLVHUHPH[SHULPHQWDU 1DVPDQKmVGRVGLDVHD´%DL[DÂľGH&RLPEUDIRL para pessoas em situação de exclusĂŁo social, nomeadamente a VHPTXDOTXHUHQFDUJR DQLPDGDSRUXPDRUTXHVWUDGHP~VLFRVGHUXDUHFHQWHPHQWH SRSXODomRVHPDEULJRHPSDUFHULDFRPD(VFRODGH+RWHODULDGH Judocas de Coimbra com 19 medalhas FRQVWLWXtGDTXHLQWHUSUHWRXP~VLFDDOXVLYDjWUDGLomRGDV-DQHLUDV &RLPEUDTXHSURQWDPHQWHVHGLVSRQLELOL]RXGHIRUPDJUDWXLWDD Os judocas de seis clubes inscritos na Associação Distrital de )RUDPRLWRP~VLFRVDPDGRUHVTXHFRPOHWUDHP~VLFDRULJLQDO SURSRUFLRQDUXPDH[SHULrQFLDGLIHUHQWHQDiUHDGDJDVWURQRPLD -XGRGH&RLPEUD $'-& FRQTXLVWDUDPPHGDOKDVQR2SHQ tocaram e cantaram, apelando a todos os transeuntes para uma 6HJXQGRDDXWDUTXLD´DLQLFLDWLYDYLVDSURSRUFLRQDUjVSHVVRDVHP GH&RLPEUDGH-XQLRUHVH-XYHQLV1DSURYDRGHVWDTXHYDLSDUD SHTXHQDFRQWULEXLomRSDUDRVDMXGDUDHQIUHQWDUHVWHQRYRDQR´6H VLWXDomRGHFDUrQFLDHFRQyPLFDDVDtGDGRVFLUFXLWRVLQVWLWXFLRQDLV -RDQD)HUQDQGHVDWOHWDGR-XGR&OXEHGH&RLPEUD -&& TXH DFULVHMiFXVWDDWRGRVVREUHWXGRRVTXHWrPXPDYLGDRUJDQL]DGD DTXHUHFRUUHPQRVHXGLDDGLDÂľ apesar de estar a cumprir o primeiro ano de cadete, venceu a LPDJLQHVHHVWDVSHVVRDVSREUHVFRPGLĂ€FXOGDGHVFXMRVXVWHQWR CEARTE entrega certificados FDWHJRULDGHNJQRHVFDOmRGHMXQLRUHV0DULD,QrV5RGULJXHV e rendimento auferidos provĂŠm apenas da prestação exercida na e incentiva Ă  formação H-RDQD$QWXQHVDPEDVGD$FDGpPLFD $$& VXELUDPDRVžH YLDS~EOLFDÂľUHIHULX)HUQDQGHV4XLQWDVTXHWHYHDLGHLDGHMXQWDU &HUFDGHDGXOWRVTXHFRQFOXtUDPRVSURFHVVRVGH žOXJDUHVUHVSHFWLYDPHQWHGRSyGLRGHNJ$FDPSHRQtVVLPD YiULRVP~VLFRVTXHDFWXDYDPQDUXDLVRODGDPHQWH$DFWXDomR -RDQD'LRJR -&& WULXQIRXQDFDWHJRULDGHNJFRP&DWDULQD HPSOHQD´%DL[DÂľGDRUTXHVWUDGHP~VLFRVGHUXDVHUYLXWDPEpP 5HFRQKHFLPHQWR9DOLGDomRH&HUWLĂ€FDomRGH&RPSHWrQFLDV Costa (AAC) a garantir a 2.ÂŞ posição e LuĂ­sa Silva, da Associação para se dar a conhecer aos comerciantes e Ă  população, depois 59&& FRPHTXLYDOrQFLDDRžHžDQRUHFHEHUDPRV &ULVWmGD0RFLGDGH $&0 DDVVHJXUDURžSRVWR(PNJ da estreia deste conjunto, no dia de Natal, no PavilhĂŁo Centro FRUUHVSRQGHQWHVFHUWLĂ€FDGRVQD~OWLPDVH[WDIHLUD$WUDYpV 'LDQD9DOHQWH *yLV REWHYHDÂ?SRVLomRHQTXDQWR$QD0DU- 3RUWXJDODSDGULQKDGDSHODSUHVLGHQWHGD'LUHFomRGD2UTXHVWUD GR&($57(HPSDUFHULDFRPYiULDVHQWLGDGHVHLQVWLWXLçþes da regiĂŁo, estes formandos conseguiram elevar as suas TXHV $$& H'DQLHOD%DUDWD *yLV VXELUDPDRVžHžOXJDUHV &OiVVLFDGR&HQWUR(PtOLD0DUWLQV TXDOLĂ€FDo}HVHDGTXLULUQRYDVFRPSHWrQFLDVUHOHYDQWHVSDUD respectivamente, na categoria de -63 kg. TambĂŠm em juniores, no Juntas de Montemor recebem 385 000 euros RPHUFDGRGHWUDEDOKR/XtV5RFKDGLUHFWRUGR&($57( VHFWRUPDVFXOLQR)LOLSH/RSHV $&0 JDQKRXRVNJHQTXDQWR $&kPDUD0XQLFLSDOGH0RQWHPRUR9HOKRFHOHEURXFRPDV GHVDĂ€RXRVSDUWLFLSDQWHVDFRQWLQXDUHPDDSRVWDUQDVXDIRURVDFDGHPLVWDV/XtV0HQGHVH(GXDUGR6LOYDĂ€FDUDPSRUHVWD ordem, com as 1.ÂŞ e 2.ÂŞ posiçþes na prova de -66 kg. No Open juntas de freguesia protocolos de colaboração e de delegação de PDomR1DFHULPyQLDHVWLYHUDPSUHVHQWHVWDPEpP$OEHUWR GH&RLPEUDGH-XYHQLV,QrV6LP}HV NJ H)UDQFLVFD0RXUmR FRPSHWrQFLDVQRPRQWDQWHGHHXURV UHVSHLWDQWHV Costa, presidente do Conselho de administração da institui NJ DPEDVGR*yLVFRQTXLVWDUDPRžOXJDUHQTXDQWR0DULD DHTXHWUDQVLWDPGH RTXDOYDLVHUHQWUHJXHDWp ção, e Ana Cristina Mendes, coordenadora do Centro Novas 4XHLUyV NJ H(ULFD&DUYDOKR NJ WDPEpPGRFOXEHGH ao terceiro trimestre, mantendo-se em regime de rotatividade, atĂŠ 2SRUWXQLGDGHVGR&($57( *yLVDUUHFDGDUDPDÂ?SRVLomR1DFDWHJRULDGHNJ'DQLHOD /RXUHQoRGD(VFRODGH-XGRGH&RLPEUDWHUPLQRXQRžSRVWR -RVp%HUQDUGR 0RQWDQKD&OXEHGD/RXVm JDQKRXDSURYDGH NJFRP-RmR)HUQDQGR $&0 DDVVHJXUDURžOXJDUHPNJ

Estudar no Estrangeiro?

IELTS Ê a solução


PENACOVA

8

10

QUINTA-FEIRA

w w w . campea o p r o vin cia s.co m

DE JANEIRO DE 2013 CAMPEĂƒO DAS PROVĂ?NCIAS

Reorganização Administrativa do Território

MunicĂ­pio rejeita “abateâ€? de freguesias No concelho de Penacova vive-se um clima de apreensĂŁo em relação Ă proposta apresentada pela Unidade TĂŠcnica para a Reorganização Administrativa do TerritĂłrio (UTRAT), tal como sucede em vĂĄrios outros concelhos do paĂ­s. Os pareceres e moçþes aprovados pelas assembleias das vĂĄrias freguesias, a Assembleia Municipal e a Câmara de Penacova sĂŁo de rejeição Ă  Lei 22/2012, que determina a Reorganização Administrativa do TerritĂłrio. Autarcas e população sĂŁo unânimes na defesa da manutenção do actual mapa de freguesias do concelho de Penacova e opĂľem-se ao diploma que, dizem, vai “abaterâ€? seis das 11 autarquias. A proposta da UTRAT prevĂŞ a agregação da freguesia de SĂŁo Pedro de Alva Ă  de SĂŁo Paio do Mondego, a de Paradela da Cortiça Ă  de FriĂşmes e a de Travanca do Mondego Ă  de Oliveira do Mondego. Em Setembro de 2012, no âmbito da Assembleia

Municipal (AM) de Penacova, foi criado um grupo de trabalho, com representatividade de todos os partidos, que apĂłs estudar o assunto decidiu, por unanimidade, rejeitar a proposta de reorganização administrativa para o concelho. Ă€ data, os deputados municipais pronunciaramse “contra uma eventual agregação ou extinção das freguesias de Paradela, SĂŁo Paio do Mondego e Travanca do Mondego, bem como de qualquer uma das 11 freguesias do concelho de Penacovaâ€?. $TXHOH yUJmR GH Ă€VFDlização autĂĄrquica fez notar que, antes que qualquer mudança pudesse ser implementada, seria necessĂĄrio “ouvir todos os cidadĂŁos e de forma atempadaâ€?. JoĂŁo Azadinho (PS), presidente da Junta de Travanca do Mondego, argumenta que o processo de Reorganização Administrativa do TerritĂłrio estĂĄ mal concebido, desde o inĂ­cio. O autarca estranha que primeiro se extingam as freguesias e, posteriormente, se

discutam, na Assembleia da República, as suas competências. Azadinho defende, ainda, que uma solução inteligente devia ter sido conduzida da forma inversa, ou seja, antes de mais, esclarecer os órgãos do Poder Local sobre as suas atribuiçþes e, só depois, sugerir eventual reforma do mapa autårquico. Lei vaga e pouco esclarecedora

“[O diploma da UTRAT] nĂŁo tem em conta quaisquer conhecimentos e respeito pela identidade histĂłrica e cultural de Travanca do Mondegoâ€?, lamenta o presidente da Junta. Azadinho diz nĂŁo ver na lei qualquer medida que venha reforçar os interesses das populaçþes e, por isso, considera-a “um ataque ao Poder Local democrĂĄticoâ€?. “A lei ĂŠ tĂŁo vaga e pouco esclarecedora, que nem ĂŠ possĂ­vel decifrar quais as mudanças que poderĂĄ trazer no quotidiano da populaçãoâ€?, argumenta o autarca. Por outro lado, “nada garante que os serviços prestados actu-

Penacova pode perder trĂŞs freguesias

almente possam continuar e a proximidade eleito-cidadĂŁo tornar-se-ĂĄ mais difĂ­cilâ€?, prevĂŞ JoĂŁo Azadinho. Para alĂŠm das crĂ­ticas Ă estrutura concelhia socialdemocrata, “que se absteve [na Assembleia Municipal] SDUDĂ€FDUQXPDVLWXDomRFRQfortĂĄvelâ€?, o autarca de Travanca do Mondego lamenta,

Presidente da Câmara contra

Extinção de freguesias representa “uma agressĂŁoâ€? â€œĂ‰ uma polĂ­tica cega e insensĂ­vel, que agride o bem-estar das populao}HV GDV IUHJXHVLDVÂľ DĂ€UPD +XPberto Oliveira, presidente da Câmara Municipal de Penacova, a propĂłsito das intençþes do Governo sobre a reorganização administrativa. O edil, independente eleito pelo PS, considera que o diploma nĂŁo tem em conta os interesses das populaçþes das freguesias cuja agregação estĂĄ prevista e lembra que, contra a vontade da generalidade dos autarcas do concelho, “[a reforma] coloca em causa serviços de qualidade e de proximidade prestados Ă s populaçþes, que acrescentam grande valor VRFLDOVHPLPSDFWRVLJQLĂ€FDWLYRQR Orçamento de Estado para 2013â€?. Oliveira defende que o valor das transferĂŞncias da Administração Central para as freguesias â€œĂŠ uma parca percentagem do Produto InWHUQR%UXWRHSRULVVRLQVLJQLĂ€FDQWH

na questĂŁo da poupança e na resoluomRGRGpĂ€FHGR(VWDGRÂľ Na opiniĂŁo do presidente da Câmara de Penacova, a Reorganização Administrativa do TerritĂłrio â€œĂŠ uma amputação socialâ€?, resultado de uma lei que apresenta falhas por ter sido feita Ă pressa, “em cima do joelho, com urgĂŞncia desmedida e despropositadaâ€?, sustenta o edil. “O processo nĂŁo foi agregador e criou instabilidade e desuniĂŁo QR SDtV UHDOÂľ DSRQWD +XPEHUWR Oliveira. Para alĂŠm de nĂŁo trazer quaisquer mais-valias, a aplicação do diploma vai acentuar os sacrifĂ­cios exigidos Ă s populaçþes. “Em tempos de crise e emergĂŞncia social, as juntas de freguesia e os seus presidentes tĂŞm um papel preponderante na sinalização e na ajuda da resolução dos casos mais contundentesâ€?, lembra o edil.

Humberto Oliveira diz que a reorganização autårquica ameaça o bem-estar das populaçþes

32355

PUBLICIDADE

Cravo & Nogueira, Lda. Serviços de Consultoria Contabilística e Fiscal

32356

JoĂŁo Nogueira - SĂłcio Gerente Rua Oliveira Matos, 5 - 3360-258 S. Pedro de Alva Telef.: 239 456 685 / Fax: 239 458 090 Email: nogueirajpr@gmail.com

ainda, que o ex-presidente da Câmara Municipal de Penacova e deputado eleito nas listas do PSD, MaurĂ­cio Marques, “tenha aprovado uma reorganização no seu concelho, que ele prĂłprio sabe que nĂŁo faz sentidoâ€?. Gilberto Duarte, presidente da Junta de Freguesia de Oliveira do Mondego, partilha da opiniĂŁo do autarca de Travanca do Mondego, freguesia com a qual estĂĄ prevista agregação. “Caso a reorganização administrativa prossiga nos moldes aprovados, as mudanças sĂŁo para pior, pois no lugar das duas freguesias vai surgir uma outra, maior, mas com os mesmos recursosâ€?, lembra o autarca da CDU. Para alĂŠm do maior distanciamento da população, “o acesso aos serviços autĂĄrquicos vai ser mais difĂ­cil e a capacidade de resposta Ă s necessidades das pessoas vai diminuir, em prejuĂ­zo dos cidadĂŁosâ€?, sublinha Gilberto Duarte. O presidente da Junta de Oliveira do Mondego considera que “esta lei nĂŁo resolve nada em termos de dĂŠfice pĂşblico, nem traz nenhum benefĂ­cio para as populaçþesâ€?. Para alĂŠm disso, acres-

centa, a legislação aprovada pelos partidos da maioria parlamentar (PSD e CDS/ PP), â€œĂŠ uma imposição cega, sem legitimidade democrĂĄtica, feita a rĂŠgua e esquadro por indivĂ­duos em Lisboa, que nĂŁo conhecem a realidade concreta do paĂ­sâ€?. “Trata-se de um atentado contra a Democracia e os prĂłprios cidadĂŁosâ€?, acusa Gilberto Duarte. Em Paradela da Cortiça, cuja agregação estĂĄ prevista com a freguesia de FriĂşmes, as pessoas estĂŁo desanimadas e revoltadas com o que o Governo pretende levar por diante. Concretizada a aprovação da proposta de lei na AR, o diploma aguarda a promulgação pelo Presidente da RepĂşblica. “Mais despesas e mais GLĂ€FXOGDGHVÂľID]QRWDU3DXlo Dias, autarca socialista que preside Ă Junta de Freguesia de Paradela da Cortiça. Tal como os autarcas de Oliveira e Travanca do Mondego, Dias estĂĄ em desacordo com os critĂŠrios de decisĂŁo da UTRAT e sublinha que “a lei foi feita nos gabinetes, com o total desconhecimento da realidade localâ€? das freguesias. O “CampeĂŁoâ€? contactou os presidentes de junta de S. Pedro Alva, Luis Abel Martins & Oliveira, Lda. de Adelino, e Electricidade e Canalização S. Paio do Instalador de GĂĄs M o n d e g o, Aquecimento Central Rega AutomĂĄtica AntĂłnio CaMontagem de PainĂŠis Solares tela, que sobre este assunto declinaram tecer Rua Principal, 58 - Silveirinho - 3360-259 S. Pedro de Alva Telef.: 239 456 583 - Telem.: 935746293 comentĂĄrios. 32444

INĂŠS TORRES


10

QUINTA-FEIRA

VILA NOVA DE POIARES

DE JANEIRO DE 2013 CAMPEĂƒO DAS PROVĂ?NCIAS

9

www.ca m p e a o p r o vin cia s.co m

Semana gastronĂłmica decorrerĂĄ de amanhĂŁ atĂŠ dia 21

Jaime Soares, o mais antigo autarca do paĂ­s

Chanfana elevada a manjar dos deuses

Concelho tem os alicerces

L.S.

“O supremo manjar dos deuses!â€? ĂŠ o apelativo slogan adoptado para a edição deste ano da Semana da Chanfana, que irĂĄ decorrer, de amanhĂŁ (dia 11) a 21 de Janeiro, em 10 restaurantes do concelho de 9LOD1RYDGH3RLDUHV Denominada como “Capital Universal da Chanfanaâ€?, desta vez Poiares associou tambĂŠm este tradicional prato Ă deusa da alimentação, o qual foi finalista do concurso “7 Maravilhas da Gastronomia Portuguesaâ€?, o que prova a genuinidade e o YDORUGHVWDLJXDULD Associada Ă  Câmara Municipal, esta semana ĂŠ promovida pela Confraria da Chanfana, que tem como mordomo-mor (presidente) Madalena Carrito, a qual cessou recentemente o mandato como lĂ­der da Federação Portuguesa das Confrarias *DVWURQyPLFDV “EstĂŁo todos convidados

para degustar a melhor chanfana do universo�, desafia Madalena Carrito, assegurando que todos os restaurantes estão empenhados em apresentar o melhor, quer em termos de qualidade do prato, quer de serviço aos clientes, atÊ porque tudo serå avaliado por um M~ULTXHQRÀQDODWULEXLUiRV SUpPLRV Esta iniciativa anual visa, igualmente, proporcionar uma receita adicional aos restaurantes e ao comÊrcio local, atraindo visitantes a Poiares atravÊs desta acção promocional, divulgando o que de melhor tem a gastroQRPLD A chanfana tem como principal ingrediente a carne de cabra velha, confeccionada em forno de lenha num açoilo de barro preto, temperada com vinho tinto, banha de porco, colorau, louro, cabeças de alho HSLULSLUL Para alÊm da chanfana, cujo preço sugerido Ê de 10

Onde saborear

SĂŁo 10 os restaurantes aderentes A Semana da Chanfana tem 10 restaurantes aderentes, onde se pode saborear este tradicional prato, os quais vĂŁo ser, tambĂŠm, sujeitos a apreciação por parte GHXPSDLQHOGHSURYDGRUHVDĂ€PGHREWHUHPDGLVWLQomRGHHVWDEHOHFLPHQWRUHFRPHQGDGRSHOD&RQIUDULD Os restaurantes que sĂŁo parte activa da iniciativa sĂŁo os seguintes: O Confrade /DUJRGR'U'DQLHOGH Matos); A Grelha (Entroncamento, junto Ă EN 17); As Meas (Meas, junto Ă  EN 17); Barro Preto (Entroncamento, junto Ă  EN 17); Brasa Kente $YGRV%RPEHLros VoluntĂĄrios); Dona Elvira (Entroncamento, junto Ă  EN 17); Estrela da MĂł (SĂŁo Miguel, junto Ă  EN 17); O Cantinho do Bitoque (Rua de General Humberto Delgado); Paddock (KartĂłdromo, Zona Industrial); Sol Dourado (QWURQFDPHQWRMXQWRj(1 

Jaime Soares preside hĂĄ 38 anos Ă Câmara Municipal de Vila Nova de Poiares e irĂĄ celebrar, no prĂłximo domingo, pela Ăşltima vez, o feriado municipal Ă  frente dos destinos do seu concelho e como o mais antigo autarca do paĂ­s, dado que nĂŁo se poderĂĄ recandidatar QDVHOHLo}HVGRĂ€QDOGHVWHDQR Eleito para a comissĂŁo administrativa municipal em Maio de 1974 (sĂŠculo XX), Jaime Soares diz ao “CampeĂŁoâ€? que se pautou sempre por “um espĂ­rito inovador e arrojado, em Madalena Carrito diz que esta ĂŠ a melhor busca de soluçþes que permichanfana do universo tissem o desenvolvimento da euros por dose, os restaurantes habitual espaço do mercado de FRPXQLGDGHSRLDUHQVHÂľ “HĂĄ uma esperança inabapodem proporcionar outros Vila Nova de Poiares, possibipratos tĂ­picos, como o arroz litando a todos que levem para lĂĄvel em que o futuro permita de bucho e os negalhos, nĂŁo casa a riqueza dos produtos do prosseguir as potencialidades e capacidades do concelho, podendo faltar, nos doces, o FRQFHOKR “Poiaritoâ€?, Esta iniciativa, que durante continuando a atrair pessoas No âmbito da Semana da o ano decorre mensalmente, ĂŠ de outras paragens, com quaChanfana existe outro atractivo, promovida pela Associação de lidade de vida para todosâ€?, que ĂŠ a realização do Mercado Desenvolvimento Integrado de refere o autarca, sustentando de Produtos Tradicionais e Poiares (ADIP), juntamente que “o passado de luta contra Demais, o qual decorrerĂĄ nos com o MunicĂ­pio e a Confraria DVGLĂ€FXOGDGHVVXSRUWDDVVLWXDo}HVDFWXDLVHĂ€UPH]DSDUDDV dias 13 e 20, ao domingo, no GD&KDQIDQD XOWUDSDVVDUÂľ O presidente da Câmara No prĂłximo domingo diz estarem “construĂ­das as Paulo Macedo e Almeida Henriques infraestruturas para a sustentabilidade de Vila Nova de no Feriado Municipal Poiares, alavancando o desenVila Nova de Poiares tem no Bombeiros VoluntĂĄrios de Vila volvimento, com visĂŁo ampla prĂłximo domingo (dia 13) o seu Nova de Poiares e da FilarmĂł- e aberta, quer para a população, feriado municipal, o qual assinala QLFD)UDWHUQLGDGH3RLDUHQVH quer para que os empresĂĄrios RžDQLYHUViULRGDUHVWDXUDomR 10h30 – SessĂŁo solene nĂŁo percam a esperança no dia GHILQLWLYDGRFRQFHOKR3DUDDV no salĂŁo nobre da Câmara GHDPDQKmÂľ cerimĂłnias sĂŁo convidados ofi- Municipal, com entrega de Com um parque industrial ciais o ministro da SaĂşde, Paulo condecoraçþes a funcionĂĄrios completo, Jaime Soares dĂĄ conMacedo, e o secretĂĄrio de Estado HLQGLYLGXDOLGDGHV ta de que outro estĂĄ a ser lanAdjunto da Economia e Desen12h00 – Visita Ă  Unidade çado, para captar investimento volvimento Regional, AntĂłnio de Cuidados Continuados de no concelho, onde se orgulha $OPHLGD+HQULTXHV 9LOD1RYDGH3RLDUHV de apresentar equipamentos de O programa comemorati12h30 – Inauguração do qualidade na ĂĄrea da educação, vo serĂĄ o seguinte: &HQWUR(GXFDWLYRGH60LJXHO da cultura, do desporto e do 10h00 – Recepção de bo- GH3RLDUHV OD]HUVHPHVTXHFHURVLGRVRV as-vindas Ă  entrada dos Paços 12h45 – Inauguração do “Poiares tem alicerces bem do Concelho, com guarda de -DUGLPGH6DQWR$QGUp Ă€UPHVHSDUDHQIUHQWDUDVSUyhonra da PolĂ­cia Municipal, dos K²$OPRoR ximas dĂŠcadas com esperançaâ€?,

Jaime Soares ĂŠ presidente hĂĄ 38 anos

refere o autarca, que nĂŁo deixa de ter algumas mĂĄgoas para FRPR3RGHU&HQWUDO-DLPH Soares lamenta a falta de apoio para as acessibilidades, nomeadamente a ligação PoiaresCoimbra e conexĂŁo ao IC3, desejando, igualmente, uma variante Ă vila e inĂ­cio da ligação DR,3 “Lamentamos nĂŁo terem sido feitas estas obras necessĂĄrias, enquanto se esbanjaram milhĂľes de euros num projecto megalĂłmano de ferrovia para elites, ainda nĂŁo concretizado e que antes jĂĄ dava prejuĂ­zo, em detrimento da Estrada da Beiraâ€?, declara o presidente da Câmara de Poiares, o qual nĂŁo se conforma, tambĂŠm, em ter sido “espoliadoâ€? de 1,3 milhĂľes de euros para a zona industrial, no âmbito da Comunidade InWHUPXQLFLSDOGR3LQKDO,QWHULRU â€œĂ‰ com orgulho que dissemos que o rei vai nu e demos uma pedrada no charco, sendo os primeiros a aderir Ă  Comunidade Intermunicipal do Mondego, que tem grandes parceiros e possibilitarĂĄ mais riqueza e desenvolvimento para o distrito de Coimbra e FRQFHOKRVYL]LQKRVÂľFRQFOXLX

Pizzaria Selopan

32329

32326

PUBLICIDADE

Telef./Fax: 239 428 380 - Telem.: 913 800 166 Vila Nova Poiares - isabelpatricio78@gmail.com

EdifĂ­cio Pinheiro Manso, Lote 1 R/C Vila Nova de Poiares - Telef.: 239 423 168

Agora com novo horĂĄrio mais alargado: de 2.ÂŞ a 6.ÂŞ das 8:30h Ă s 13h e das 14h Ă s 18:30h SĂĄbados: 8:30h Ă s 13h Zona Industrial S. Miguel | 3350-214 V.N. Poiares Telef. 239 423 028 | www. cipabe.pt

32436

Avenida Dr. Daniel de Matos V.N. Poiares - Telef.: 239 423 444

32343

3 pratos do dia variados Diversos Petiscos


SAÚDE

10

10

QUINTA-FEIRA

w w w . campea o p r o vin cia s.co m

DE JANEIRO DE 2013 CAMPEÃO DAS PROVÍNCIAS

Revista do Centro Cirúrgico de Coimbra

Primeiros “Olhares” do ano sobre a mulher e GHGLFDGD j PXOKHU D SULPHLUD HGLomR GR DQR GD UHYLVWD ´2OKDUHVµ SXEOLFDGD SHOR &HQWUR &LU~UJLFR GH &RLPEUD $V GLIHUHQoDV HQWUH RV VH[RV SDUD DOpP GRTXHGLWDDJHQpWLFDHRV FURPRVVRPDVVmRDERUGDGDV SRUHVSHFLDOLVWDVGHGLYHUVDV YHUWHQWHVGDPHGLFLQD ´$KLVWyULDFRPHoDDVHU FRQWDGDQRQ~FOHRGHWRGDV DVFpOXODVQRVFURPRVVRPDV eDtTXH WDPEpPFRPHoDDGLIH-

UHQoDGHJpQHUR2XVHWHP XP;GXSORRXXPSDUGH ;<µH[SOLFDDPpGLFD0DUJDULGD)LJXHLUHGR'LDV 6HJXQGRDJLQHFRORJLVWD REVWHWUDGR&HQWUR&LU~UJLFR GH&RLPEUDDXWRUDGRWH[WR TXHDEUHDSULPHLUDSXEOLFDomR GH  Ki GLIHUHQoDV entre os sexos, embora nem WRGDV WHQKDP VLGR Mi UHYHODGDV ´0DVVHQDVFHXFRPXP SDU ;; SDUDEpQV SHUWHQFH D XP JpQHUR HVSHFLDO R

IHPLQLQR3RUPXLWRTXHVH LQYHVWLJXH TXH VH DQDOLVH H TXHVHHVWXGHHODVVmRGLIHUHQWHV3DUDREHPHSDUDR PDO1mRVHWUDWDGHPHGLU IRUoDVVXSHULRULGDGHRXLQIHULRULGDGH 6mR GLIHUHQWHV EDVWDµ FRQFOXL 0DUJDULGD )LJXHLUHGR'LDV 1D 0HGLFLQD R TXH p GHVFREHUWR SDUD R KRPHP QHPVHPSUHpYiOLGRRXH[WHQVtYHOSDUDDPXOKHU8PH RXWURUHDJHPGHIRUPDGLIHUHQWHDRQtYHOQHXURTXtPLFR

KRUPRQDOHPHWDEyOLFRHQWUH RXWURV 7DO IDFWR Mi IRL GHPRQVWUDGRSHODFLrQFLD ´2FRUDomRGHXPHGR RXWUR VRIUH GDQRV GLIHUHQWHV 2V GLYHUVRV tQGLFHV GH PRUWDOLGDGH VmR GLIHUHQWHV H R FDQFUR WDPEpP WHP HYROXo}HV GHVLJXDLV (VWDV VmRDOJXPDVGDVUD]}HVTXH MXVWLILFDP XP ROKDU SDUD HODVµGHIHQGHDPpGLFD 'H FDUiFWHU WULPHVWUDO D UHYLVWD FRRUGHQDGD SRU &RQFHLomR $EUHX H 5REHUW

YDQ9HO]HWHPXPDWLUDJHP GHH[HPSODUHVHpGH GLVWULEXLomRJUDWXLWD 1HVWDHGLomRSDUDDOpP GH XP YLVOXPEUH VREUH D %LEOLRWHFD -RDQLQD GD 8QLYHUVLGDGH GH &RLPEUD H GH XPH[FHUWRGDREUDGH0LD &RXWRVREUHDPXOKHUWLUDGR GH´$&RQÀVVmRGD/HRDµKi DUWLJRVVREUHYiULDVHVSHFLDOLGDGHVPpGLFDV 7HQGRRVH[RIHPLQLQR FRPR FHQWUR GD UHIOH[mR SDUWLOKD GH FRQKHFLPHQWRV

H H[SHULrQFLDV D UHYLVWD ´2OKDUHVµ LQWHJUD WH[WRV DVVLQDGRV SHOR PpGLFR RIWDOPRORJLVWD $QWyQLR 7UDYDVVRV R FLUXUJLmR SOiVWLFR 0iULR -RUJH )UHLUH GRV 6DQWRV D SVLFyORJD FOtQLFD $QD %HDWUL] &RQGLQKR D JLQHFRORJLVWDREVWHWUD0DUJDULGD 6LOYHVWUH R PpGLFR LPXQRDOHUJRORJLVWD &HOVR 3HUHLUD D FDUGLRORJLVWD SHGLiWULFD 3DXOD 0DUWLQV H D SVLTXLDWUD GD LQIkQFLD H GD DGROHVFrQFLD$OH[DQGUD3DLV

Acreditação pelo INEM

CHUC habilitado a dar formação em emergência médica WrQFLDVQHFHVViULDVjFRUUHFWD DERUGDJHPGHXPDYtWLPDHP SDUDJHPFDUGLRUHVSLUDWyULD 6HJXQGRR,1(0´HVWD DFUHGLWDomRUHSUHVHQWDRUHFRQKHFLPHQWRH[WHUQRGHTXHD HQWLGDGHWHPWRGDVDVFRQGLo}HVSDUDGDUIRUPDomRHP determinadas áreas da emerJrQFLDPpGLFDSUpKRVSLWDODUµ

habilitando o CHUC a dar IRUPDomR DRV SURILVVLRQDLV SUySULRVHDRXWURVH[WHUQRV jTXHODXQLGDGHGHVD~GH $REWHQomRGHDFUHGLWDomR LPSOLFDRULJRURVRFXPSULPHQWRGHXPFRQMXQWRDODUJDGRGH UHTXLVLWRVGHVGHLQVWDODo}HVD UHFXUVRVPDWHULDLVHKXPDQRV -RVp0DUWLQV1XQHVSUHVL-

PUBLICIDADE

dente do Conselho de AdmiQLVWUDomRGR&+8&DÀUPRX TXH´DIRUPDomRHRHQVLQR VmRXPDRSomRHVWUDWpJLFDµ (P GHFODUDo}HV j DJrQFLD /XVDRDGPLQLVWUDGRUKRVSLWDODUGLVVHDLQGDTXHDLQVWLWXLomR´WHPYLQGRDFRQVWLWXLUVH FRPRSDUFHLURGHHQWLGDGHV H[WHUQDVµYLVDQGRDIRUPDomR $RDEULJRGDOHLRUJkQLFD DSURYDGD HP )HYHUHLUR GH R,1(0SDVVRXDWHU

CHUC é o primeiro hospital do país a ser acreditado pelo INEM

FRPSHWrQFLD SDUD DFUHGLWDU HQWLGDGHVH[WHUQDVSDUDSURFHGHUHPjUHDOL]DomRGHDFo}HV GHIRUPDomRWHQGHQWHVDDXPHQWDUDFDSDFLGDGHIRUPDWLYD H[LVWHQWHQRSDtV

3DUD DOpP GR &+8& KiRXWUDVXQLGDGHVGHVD~GH GR SDtV TXH Mi LQLFLDUDP RV SURFHGLPHQWRV WHQGHQWHV j REWHQomRGHDFUHGLWDomRUHYHODR,1(0

Universidade de Coimbra

Medicina e Arquitectura são tema de colóquio 2&ROpJLRGH6%HQWRQD ´$OWDµGH&RLPEUDRQGHHVWi LQVWDODGR R 'HSDUWDPHQWR GH &LrQFLDV GD 9LGD H $QWURSRORJLD UHFHEH DPDQKm XP FROyTXLR GHGLFDGR DR WHPD ´,PDJHQV 0HGLFLQD H $UTXLWHFWXUDµ 3URPRYLGR SHOD8QLYHUVLGDGHGH&RLPEUD

DWUDYpVGR&HQWURGH(VWXGRV 6RFLDLV5HGHGH,QYHVWLJDomR HP$QWURSRORJLDH&HQWURGH ,QYHVWLJDomRHP$QWURSRORJLD H6D~GHRHQFRQWURpRUJDQL]DGR SHORV SURIHVVRUHV H LQYHVWLJDGRUHV6DQGUD;DYLHU H3DXOR3URYLGrQFLDDSDUWLU GDV K 1HVWH FROyTXLR

FRPEDVHHPFDVRVGHHVWXGR RVSDUWLFLSDQWHVYmRDERUGDU RSDSHOGRVHTXLSDPHQWRVGH VD~GHHGDVLPDJHQVPpGLFDV HRX DUTXLWHFWyQLFDV D HOHV DVVRFLDGDVQDFRQTXLVWDSURJUHVVLYDGHYLVLELOLGDGHVRFLDO SRUSDUWHGD0HGLFLQDHGD $UTXLWHWXUD

Figueira da Foz

Angariação de fundos para a Cruz Vermelha A Canção de Coimbra e R)DGRGH/LVERDDVP~VLFDV GHLQWHUYHQomRHGRFDQFLRQHLUR WUDGLFLRQDO SRUWXJXrV VmRSDUWHGRDOLQKDPHQWRGH XPHVSHFWiFXORDPDQKmFXMD UHFHLWD GH ELOKHWHLUD UHYHUWH SDUDDGHOHJDomRGD)LJXHLUD GD )R] GD &UX] 9HUPHOKD 3RUWXJXHVD (PSDOFRQR&HQWURGH

$UWHVH(VSHFWiFXORV &$(  DSDUWLUGDVKYmRHVWDU JUXSRVFDQWRUHVHLQWpUSUHWHV FXMD DFWXDomR YLVD H[FOXVLYDPHQWH DMXGDU D DSRLDU DV REUDVGHDFomRVRFLDOGDTXHOD LQVWLWXLomRÀJXHLUHQVH 2HVSHFWiFXORFRQWDFRP D SDUWLFLSDomR GH 9LWRULQR 5LFDUGR 'LDV 0DQXHO 5RFKD5RVDULQKR3DXOR%DUURV

$QWyQLR $OPHLGD (GXDUGR &DUYDOKRHRVJUXSR'LDER D6HWH5HPHQGRV)DGRVGH &RLPEUD&DQWLFXV&DPDUDH e de Cantares da Casa do 3HVVRDOGR+RVSLWDO'LVWULWDO GD)LJXHLUDGD)R] 2VLQJUHVVRVSDUDRFRQFHUWR FXVWDP  HXURV H HVWmR j YHQGD QD ELOKHWHLUD GR&$(

32446

PUBLICIDADE

CAMPOS COROA CLÍNICA OFTALMOLÓGICA, LDA

Dr. José Emilio Campos Coroa Dr.ª M.ª Helena Campos Coroa

Consultórios: COIMBRA - Largo da Portagem, 27 - 2.º - Telef.: 239 821 403 FIGUEIRA DA FOZ - Praceta D. Maria Madalena Azevedo Perdigão, n.º 30 Telef.: 233 423 541 | ARGANIL - Rua Dr. Veiga Simões, Telem.: 935 106 927 TÁBUA - Av. da Ribeira, Edf. Ómega 1, 1.º C - Telem.: 934 224 930 COJA - Rua Dr. Albino Figueiredo, Telem.: 935 106 928 GÓIS - Rua Comendador Augusto Luís Rodrigues Telem.: 934 225 140 PAMPILHOSA DA SERRA - Rua Rangel Lima Telem.: 935 106 935

31872

2 &HQWUR +RVSLWDODU H 8QLYHUVLWiULR GH &RLPEUD &+8& DFDEDGHVHUDFUHGLWDGRSHOR,QVWLWXWR1DFLRQDOGH (PHUJrQFLD0pGLFD ,1(0  SDUDGDUIRUPDomRHPVXSRUWH GHYLGDDYDQoDGD 7UDWDVHGDSULPHLUDHQWLGDGHKRVSLWDODUDUHFHEHUR DYDOSDUDPLQLVWUDUDVFRPSH-


10

QUINTA-FEIRA

ACTUALIDADE

DE JANEIRO DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

11

www.ca m p e a o p r o vin cia s.co m

Encontros na regiĂŁo Centro

Entusiastas da Mercedes juntaram-se em Coimbra G. B.

LuĂ­s Soares conduz um Mercedes 300 TD, de 1991. Outro LuĂ­s, Pires de apelido, tem um Mercedes C220 CDI. A estes dois entusiastas da marca germânica juntou-se JosĂŠ Filipe, proprietĂĄrio de um E220, Gonçalo Fernandes, detentor de um E270 e, por Ăşltimo, Pedro Ferreira e a esposa, Susana Santos, que tĂŞm um Mercedes SLK 230 Kompressor. Poucos, mas motivados e com a expectativa de passar a mensagem e juntar mais gente numa prĂłxima ocasiĂŁo, assim foi o primeiro encontro de â&#x20AC;&#x153;mercedistasâ&#x20AC;? da zona de Coimbra. O aerĂłdromo de Cernache foi o local escolhido, hĂĄ uma semana, para um cafĂŠ e dois dedos de conversa. A intenção ĂŠ, quinzenalmente, juntar mais entusiastas da marca germânica que, sem grandes formalismos, queiram reunir-se regularmente, tal como jĂĄ acontece em outras cidades do paĂ­s, sob o signo do Clube dos Mercedistas, colectivo fundado hĂĄ cerca de seis anos.

O aerĂłdromo de Cernache foi o local escolhido para o primeiro encontro de â&#x20AC;&#x153;mercedistasâ&#x20AC;? da zona de Coimbra

Os modelos antigos e as novidades do reputado construtor de automĂłveis sĂŁo tema incontornĂĄvel das conversas. Contudo, os encontros nĂŁo servem, exclusivamente, para falar da Mercedes-Benz. â&#x20AC;&#x153;O objectivo ĂŠ o de juntar alguns amigos, fomentar o convĂ­vio e trocar ideias sobre vĂĄrios assuntos. TambĂŠm falamos dos nossos carros e daqueles modelos que admiramos, mas a partilha de ideias nĂŁo se esgota aĂ­â&#x20AC;?, garante LuĂ­s Soares. No caso deste entusiasta, a marca ĂŠ referĂŞncia na famĂ­lia e, como tal, habituou-se, desde sempre, a conduzir

Mercedes. Garante que nĂŁo troca o fabricante germânico por nenhum outro, tal ĂŠ a satisfação que sente sempre que se senta em frente ao volante e o conforto durante as viagens, sejam elas curtas ou longas. Esta ideia ĂŠ partilhada pelos restantes participantes neste primeiro encontro de â&#x20AC;&#x153;mercedistasâ&#x20AC;? da zona de Coimbra. Em tom de brincadeira, dizem que hĂĄ apenas duas marcas de automĂłveis no mundo. Uma delas ĂŠ a Mercedes, a outra... as demais. Repondo alguma seriedade na conversa, os entusiastas da insĂ­gnia alemĂŁ sublinham

a qualidade de construção, DĂ&#x20AC;DELOLGDGHHDVHJXUDQoDR conforto e o prazer de condução, argumentos que os levam a preferir as suas viaturas e nenhuma outra. â&#x20AC;&#x153;Ă&#x2030; mais do que um carro ou uma marca. Ă&#x2030; uma forma de estar e de viverâ&#x20AC;?, argumenta LuĂ­s Pires. Pioneiro em Portugal, o Clube dos Mercedistas foi criado, em 2007, por JosĂŠ Carlos Nunes, JosĂŠ JoĂŁo Flores, JoĂŁo Manuel Martins, LuĂ­s Filipe Faisca e Miguel SaturQLQR 5LEHLUR DĂ&#x20AC;UPDQGRVH como um ponto de encontro de entusiastas pelos veĂ­culos Mercedes-Benz. Para alĂŠm da partilha de

experiĂŞncias, online, atravĂŠs do fĂłrum disponĂ­vel em www.mercedistas.pt, os associados do clube [mediante o pagamento de uma quota de 25 euros por ano] tĂŞm a possibilidade de usufruir de descontos e vantagens Ăşnicas em vĂĄrias empresas que prestam serviços no ramo automĂłvel, designadamente, HPVHJXUDGRUDVHRĂ&#x20AC;FLQDVHQtre as quais a Coimbra Diesel. Anualmente, o clube ĂŠ responsĂĄvel pela organização de dois encontros, a nĂ­vel nacional, um no VerĂŁo e outro no Inverno. Nesta ocasiĂŁo, por norma, ĂŠ feito um donativo a uma corporação de bombeiros, como aconteceu,

recentemente, em Vila de Rei, a favor dos soldados da paz daquele concelho. Contando com cerca de 250 associados, o Clube dos Mercedistas incentiva a dinamização de encontros regulares entre os seus membros, algo que jĂĄ acontece em algumas cidades do paĂ­s. O objectivo de LuĂ­s Soares e LuĂ­s Pires ĂŠ criar o hĂĄbito de juntar, quinzenalmente, os â&#x20AC;&#x153;mercedistasâ&#x20AC;? da regiĂŁo Centro. O prĂłximo encontro em Coimbra deverĂĄ realizar-se em breve, podendo os interessados solicitar mais informaçþes atravĂŠs do contacto 913 925 328.

Desempregados plantaram horta em apenas um mĂŞs

Associação PrĂł-Vida promove formação em agricultura biolĂłgica INĂ&#x160;S TORRES

Em pouco mais de um mês, ergueu-se uma pequena horta com uma grande variedade de produtos cultivados a partir de tÊcnicas da agricultura biológica. Dividido em talhþes de quatro metros quadrados, um pequeno terreno da Associação de Desenvolvimento Progresso e Vida da Tocha (Pró-Vida) estå, aos poucos, a permitir a

produção de legumes e plantas aromåticas que dariam para alimentar uma família durante algum tempo. No mesmo solo onde germinam cebolas, alfaces, couves, chícharos, favas, ervilhas e alho francês, estão tambÊm semeadas alfazema, salva, santolina, chicória e hipericão, ervas que servem de sebe ao canteiro de leguminosas.

Prestes a concluir a formação, o grupo fez um balanço positivo do que aprendeu e demonstrou vontade de continuar

Com o objectivo de permitir a mĂĄxima utilização do espaço e rentabilização dos recursos disponĂ­veis, os resĂ­duos do terreno sĂŁo usados, atravĂŠs de um processo de compostagem, mostrando que ĂŠ possĂ­vel, de forma sustentĂĄvel, obter uma grande variedade de culturas. Em tempos de GLĂ&#x20AC;FXOGDGH HVWD IRUPD GH gerir o que a terra dĂĄ pode

representar uma ajuda decisiva na economia familiar. O pequeno quintal da PrĂł-Vida surgiu no âmbito de uma acção de formação â&#x20AC;&#x153;Temos pena que acabe, aprendemos muitoâ&#x20AC;?, reconhecem as formandas Maria Damaris em agricultura biolĂłgica, levada a cabo pelo Centro (Ă esquerda) e Maria Valente GH )RUPDomR 3URĂ&#x20AC;VVLRQDO de Coimbra, entre os meses de Outubro e Dezembro, Dirigido a adultos em EHQHĂ&#x20AC;FLDUHLQWHJUDUJUXSRV com os apoios da Seguran- situação de desemprego, da população desfavoreciça Social e da Rede Social este curso permitiu dar co- dos ou vulnerĂĄveis, neste de Cantanhede. nhecimentos tĂŠcnicos a 18 caso, desempregados. pessoas, assegurando-lhes as Da preparação, manucompetĂŞncias necessĂĄrias Ă  tenção e fertilização dos inserção na vida activa. solos, Ă  protecção das planA agricultura social, tas, passando pela rega e conceito inerente a esta colheita, os formandos acção, constitui uma nova aprenderam â&#x20AC;&#x201C; na teoria e na abordagem pedagĂłgica que, prĂĄtica â&#x20AC;&#x201C; os conhecimentos atravĂŠs do envolvimento na a aplicar no modo de proprodução agrĂ­cola, permite dução biolĂłgico.

â&#x20AC;&#x153;No final, vou fazer a minha prĂłpria hortaâ&#x20AC;?, disse JosĂŠ FelĂ­cio, formando do curso

Nota da Redacção: Na Ăşltima edição do â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁoâ&#x20AC;?, na reportagem sobre as actividades da Associação PrĂł-Vida, o texto principal, intitulado â&#x20AC;&#x153;Associação PrĂł-Vida promove formação em agricultura biolĂłgicaâ&#x20AC;? (pĂĄgina 11), saiu truncado. Aos leitores e visados apresentamos as nossas desculpas e, por isso, procedemos Ă sua correcta publicação.


12

ACTUALIDADE

10

QUINTA-FEIRA

w w w . campea o p r o vin cia s.co m

DE JANEIRO DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

Para alunos e professores do ensino secundĂĄrio

Associação lança críticas ao Governo

Instituto criado por cientista de Coimbra aposta em cursos avançados

Militares da GNR â&#x20AC;&#x153;sentem-se desrespeitadosâ&#x20AC;?

blica o despacho que corrige esta situação. Contudo, os HĂĄ militares da Guarda militares recĂŠm-promovidos ArsĂŠlio Pato de Carvalho, BENEDITA OLIVEIRA se comportam dignamente. Nacional Republicana (GNR) continuam sem saber onde Elevar o conhecimento â&#x20AC;&#x153;As crianças nĂŁo tĂŞm sere- indignados com a forma vĂŁo ser colocados e durante de alunos e professores do nidade nas escolas, porque â&#x20AC;&#x153;desigual e ofensivaâ&#x20AC;? com quanto tempo, pois o Estatuensino secundĂĄrio na ĂĄrea para aprender ĂŠ preciso ter que tĂŞm vindo a ser tratados, to [dos Militares da Guarda] das ciĂŞncias ĂŠ o principal um ambiente propĂ­cioâ&#x20AC;?, tanto pelo Governo, como determina que apĂłs uma objectivo da mais recente desabafou ArsĂŠlio Pato de pela prĂłpria instituição que os promoção haja rotatividade iniciativa formativa do InstiCarvalho, garantindo que acolhe, diz a Associação Na- do efectivo. Segundo o dirigente da tuto de Educação e Cidadauma das premissas da insti- cional de Guardas (ANAG). A revolta surge bem an- ANAG, os militares estĂŁo nia (IEC), criado por ArsĂŠlio tuição ĂŠ a qualidade. Pato de Carvalho, reputado A instituição dispĂľe tes da crise econĂłmica e ĂŠ a trabalhar em condiçþes cientista da Universidade de de biblioteca e biblioteca transversal a mais do que cada vez mais precĂĄrias, que Coimbra (UC), na localidade infantil, espaço de Inter- XPSRGHUSROtWLFRĂ&#x20AC;FDQGRD minam a prĂłpria autoridade da Mamarrosa, Oliveira do net, anfiteatro multiusos dever-se, segundo a associa- e, por isso, â&#x20AC;&#x153;sentem-se desBairro. com capacidade para 100 ção, a medidas tomadas â&#x20AC;&#x201C; ou respeitadosâ&#x20AC;?. Por todo o paĂ­s hĂĄ postos NeurociĂŞncias, Biomepessoas, salas de aula e Ă falta delas â&#x20AC;&#x201C; quer pela actual legislatura quer por anteriores territoriais com um efectivo dicina, QuĂ­mica e Biologia laboratĂłrios. escasso, facto que contribui Molecular sĂŁo os Cursos O IEC tem protocolos governos. Desigualdade nas pro- para o aumento do tempo Avançados que vĂŁo dede colaboração com insOs cursos sĂŁo ministrados por professores FRUUHU DR Ă&#x20AC;PGHVHPDQD titutos de investigação da moçþes, disparidade de critĂŠ- de serviço de cada militar, universitĂĄrios em ambiente de laboratĂłrio no primeiro trimestre de UC (nomeadamente com rios no pagamento de retro- que jĂĄ cumpre um horĂĄrio 2013. Com periodicidade interactivamente, em cenĂĄ- ta, defendendo que â&#x20AC;&#x153;devia o Centro de NeurociĂŞncias activos ou ingresso na nova laboral alargado. Os perĂ­odos trimestral, serĂŁo ministra- rios de investigação cientĂ­- existir um estabelecimento de Coimbra e Instituto do tabela remuneratĂłria e, ainda, de descanso e folgas semanais dos ao longo do ano cursos Ă&#x20AC;FD RV GLYHUVRV FRQFHLWRV deste tipo em cada conce- Mar), Biocant, Universida- o desrespeito pela progressĂŁo nem sempre permitem a reavançados ainda nas ĂĄreas FLHQWtĂ&#x20AC;FRV lhoâ&#x20AC;? para elevar a cultura de de Aveiro, ExploratĂłrio na carreira (antiguidade e cuperação fĂ­sica e psicolĂłgica da FĂ­sica, Microbiologia, ConstruĂ­do hĂĄ quatro dos portugueses. de Coimbra e Centro de cursos) sĂŁo apontados pela desejĂĄvel, sublinha. SĂŁo horas consecutivas MatemĂĄtica Aplicada, Bio- anos, o IEC ĂŠ uma instiNo ano passado, o CiĂŞncia Viva â&#x20AC;&#x153;RĂłmulo de ANAG como causas do tecnologia, Biomedicina e WXLomR VHP Ă&#x20AC;QV OXFUDWLYRV IEC teve 18 000 pessoas Carvalhoâ&#x20AC;? de Coimbra, en- descontentamento entre os ao serviço da defesa dos militares. cidadĂŁos que, segundo os miCiĂŞncias Sociais. vocacionada para a difusĂŁo inscritas nas suas diversas tre outras entidades. A estes factores, juntam- litares, nĂŁo estĂŁo a ser recomA formação destina-se, GHFRQKHFLPHQWRFLHQWtĂ&#x20AC;FR actividades, entre as quais Este pĂłlo de ensino e notou ArsĂŠlio Pato de Car- e para a intervenção cĂ­vica e se destacam cursos para cultura ĂŠ apoiado pela Câ- se â&#x20AC;&#x153;um horĂĄrio de serviço pensadas. â&#x20AC;&#x153;Ă&#x2030; um trabalho de valho, aos melhores alunos cultural, funcionando como crianças, em ĂĄreas tĂŁo di- mara e Junta de Freguesia por regulamentar, sem contar desgaste rĂĄpidoâ&#x20AC;?, diz VirgĂ­lio e professores do ensino se- pĂłlo de ligação entre as uni- versas como MatemĂĄtica locais, AgĂŞncia Nacional com perĂ­odos de descanso, Ministro. Para resolver esta e outras cundĂĄrio e ĂŠ ministrada por versidades e as escolas. Divertida, InglĂŞs, CiĂŞncias e SDUD D &XOWXUD &LHQWtĂ&#x20AC;FD H bem como o alargamento da professores universitĂĄrios, â&#x20AC;&#x153;A ideia ĂŠ servir de in- InformĂĄtica. Semanalmente, TecnolĂłgica (ao abrigo de idade de passagem Ă  reserva, situaçþes, a ANAG pretende em ambiente de laboratĂł- terface entre os grandes o espaço recebe dezenas projectos do CiĂŞncia Viva) desconsiderando o desgas- apresentar uma proposta ao ULR2VFXUVRVGHVDĂ&#x20AC;DPRV centros e escolas principal- de alunos do 1.Âş ciclo do e Fundação Calouste Gul- te e o risco da profissĂŁoâ&#x20AC;?, Comando Geral da GNR e sublinha a associação que Ă  tutela, prevendo a regulaparticipantes a aprenderem, menteâ&#x20AC;?, referiu o cientis- ensino bĂĄsico que, garantiu benkian. representa os militares. mentação de um horĂĄrio que $VGLĂ&#x20AC;FXOGDGHVWrPSHU- respeite tempos mĂ­nimos Associação mutualista foi criada em 1929 sistido e abalam por com- de descanso e a comunicapleto as expectativas que ção atempada da escala de os elementos da GNR ti- serviço. nham quando ingressaram na O Governo pretende acacom os seus colegas, mais Em 2012, a instituição 10h45, na Casa da Mutuali- SURĂ&#x20AC;VVmR6HJXQGR9LUJtOLR bar com a prĂŠ-aposentação G.B. antigos. volta a celebrar o seu aniver- dade. Para alĂŠm das interven- Ministro, o Estatuto dos Mi- (passagem Ă  reserva), a partir A associação mutualista A PrevidĂŞncia Portugue- sĂĄrio. Para que os serviços çþes de Cristina Rodrigues, litares da Guarda Nacional de 2016, e que os militares se A PrevidĂŞncia Portuguesa, VDVXUJLXRĂ&#x20AC;FLDOPHQWHD a prestar e os associados directora do jardim-de-in- Republicana, a Lei Orgânica reformem quando atingem fundada em Coimbra hĂĄ 84 de Janeiro de 1929, como nĂŁo sejam prejudicados â&#x20AC;&#x201C; o fância, e do secretĂĄrio da Di- pela qual se regem e a prĂłpria os 60 anos, quando atĂŠ aqui anos, comemora o seu ani- resultado do esforço e do que poderia acontecer se recção, Martins de Oliveira, Constituição da RepĂşblica se aposentavam pouco depois versĂĄrio no prĂłximo sĂĄbado, querer de um grupo de ho- a efemĂŠride fosse assina- estĂĄ prevista uma cerimĂłnia nĂŁo acautelam aquilo que dos 50. Por considerar que a dia 12 de Janeiro. mens que entendeu levar por lada a 11 de Janeiro, data de homenagem aos traba- era esperado, Ă  partida, por medida nĂŁo ĂŠ justa nem tem O assinalar da data de diante a criação de uma asso- certa â&#x20AC;&#x201C; a festa realiza-se no lhadores e colaboradores aqueles que juraram defender em conta o desgaste da actiYLGDGHSURĂ&#x20AC;VVLRQDOD$1$* fundação ĂŠ uma prĂĄtica que, ciação de socorros mĂştuos, sĂĄbado, juntando todos os que completaram 25 anos ao o paĂ­s e impĂ´r a ordem. pondera agir contra ela. durante anos, caiu no es- em Coimbra. O objectivo era funcionĂĄrio, colaboradores serviço da associação. Antiguidade VirgĂ­lio Ministro acusa quecimento. Contudo, a o de salvaguardar o futuro e dirigentes dâ&#x20AC;&#x2122;A PrevidĂŞncia A festa do 84.Âş aniver(jĂĄ nĂŁo) ĂŠ um posto o Governo de tratar os proactual Direcção, liderada por do familiares dos associados, Portuguesa. sĂĄrio culminarĂĄ com um A tabela remuneratĂłria fissionais da GNR como MĂĄrio Nunes, entendeu que atravĂŠs de mĂşltiplas soluçþes O programa das come- almoço de confraternização, da Função PĂşblica foi aprova- funcionĂĄrios pĂşblicos ou seria oportuno recordar o de produtos mutualistas. moraçþes tem inĂ­cio pelas no restaurante â&#x20AC;&#x153;PadeirĂŁoâ&#x20AC;?. da em 2010. Contudo, desde militares, consoante o que momento inicial, de fulcral 2005 que a progressĂŁo de lhe convĂŠm. â&#x20AC;&#x153;Se nĂŁo somos importância, para que a mePintura escalĂľes salariais na GNR tem iguais a um funcionĂĄrio pĂşblimĂłria do trabalho feito atĂŠ vindo a ser sucessivamente co, nĂŁo podemos ser tratados aos tempos actuais, com o adiada pela tutela. da mesma formaâ&#x20AC;?, sublinha. Inaugurada na Ăşltima semana, estĂĄ contributo de muitas pessoNatural de Pedras Salgadas, Alda HĂĄ casos de militares Os responsĂĄveis da patente ao pĂşblico, em Coimbra, na ga- Belo estĂĄ radicada em Coimbra desde as, nĂŁo se apague. com menos tempo de ser- ANAG reuniram-se, recenteleria de arte da Casa da Mutualidade dâ&#x20AC;&#x2122;A 1976. Professora aposentada, começou O presidente da instituiviço a ganhar o mesmo que mente, em Cantanhede. Entre PrevidĂŞncia Portuguesa, uma exposição a dedicar-se Ă  pintura, enquanto artista ção mutualista explica que, alguns com mais antiguidade; outras acçþes que irĂĄ interpĂ´r de pintura que reĂşne trabalhos da artista autodidacta, e Ă  poesia, duas manifestaâ&#x20AC;&#x153;apesar de a actual crise nĂŁo e outros que, tendo termina- , a associação com sete meses plĂĄstica Alda Belo. ser propĂ­cia a comemoraçþes artĂ­sticas a que tem dado expressĂŁo do os cursos de promoção, de existĂŞncia, decidiu recorrer â&#x20AC;&#x153;Dar Cor Ă  Vidaâ&#x20AC;? ĂŠ o tĂ­tulo desta atravĂŠs de exposiçþes e edição de livros. çþes, seria de inteira justiça estiveram cerca de dois anos Ă  aos tribunais para impedir mostra, que pode ser visitada atĂŠ ao dia homenagear, num sentiDo seu percurso artĂ­stico, conta-se a espera de verem esse esforço a suspensĂŁo da passagem Ă  30 de Janeiro e que integra 30 quadros de participação em cerca de meia centena de mento de equidade, os traUHĂ HFWLGRQRYHQFLPHQWR reserva e contestar os cortes diferentes formatos e temas inspiradores, exposiçþes, colectivas e individuais, bem balhadores e colaboradores 1RĂ&#x20AC;QDOGHIRLSX- nos subsĂ­dios de fĂŠrias e de criados atravĂŠs da tĂŠcnica de Ăłleo sobre tela. como a publicação de trĂŞs obras poĂŠticas. que atingiram os 25 anos de blicado em DiĂĄrio da RepĂş- Natal. serviçoâ&#x20AC;?, tal como aconteceu

A PrevidĂŞncia Portuguesa comemora 84 anos

Casa da Mutualidade com mostra de Alda Belo

INĂ&#x160;S TORRES


10

FIGUEIRA DA FOZ

DE JANEIRO DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

QUINTA-FEIRA

13

www.ca m p e a o p r o vin cia s.co m

Reorganização Administrativa do Território

Agregaçþes e â&#x20AC;&#x153;mega-freguesiaâ&#x20AC;? semeiam polĂŠmica juntas de freguesia do paĂ­s, rem sido â&#x20AC;&#x153;injustiçadasâ&#x20AC;? neste incluindo as do concelho da processo e pretendem, por Recentemente aprovada via da Justiça, impugnar as Figueira da Foz. pelo Parlamento, na gene- agregaçþes, com o argumento â&#x20AC;&#x153;Numa altura particularralidade, a proposta de lei de â&#x20AC;&#x153;defender as populaçþesâ&#x20AC;?. mente sensĂ­vel para o paĂ­s, da Unidade TĂŠcnica para a era fundamental promover a Para o presidente da autarReorganização do TerritĂłrio quia de Brenha, cuja freguesia uniĂŁo de esforços e a comu(UTRAT) prevĂŞ a agregação se deverĂĄ unir Ă de Alhadas, a nhĂŁo de todos em torno da de oito das 18 freguesias da proposta da UTRAT, recenunidade de Portugal. Ora, esta Figueira da Foz, ficando o temente, aprovada no Parlareforma veio apenas promomunicĂ­pio reduzido a apenas mento pelos deputados do YHUFRQĂ LWRVVRFLDLVHSROtWLFRV 14. Alhadas fundir-se-ĂĄ com PSD e CDS/PP, foi de uma sem que, com isso, se obtenha Brenha, PaiĂŁo com Borda do â&#x20AC;&#x153;injustiça atrozâ&#x20AC;?. um resultado determinante Campo, Ferreira-a-Nova com para os objectivos impostos Fausto Loureiro, autarca Santana e SĂŁo JuliĂŁo e Buarcos do PS, defende que â&#x20AC;&#x153;os critĂŠpela ÂŤtroikaÂťâ&#x20AC;?, defende JoĂŁo passarĂŁo a ser uma sĂł freguesia rios tĂŠcnicos foram mal aplicaAtaĂ­de. urbana. Apesar de contactado pelo dosâ&#x20AC;? e lembra que a freguesia Este cenĂĄrio muda de de Brenha tem mais de 400 â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁoâ&#x20AC;?, Euclides Frade, Ă&#x20AC;JXUD GHSRLV GH XPD RXWUD anos de existĂŞncia e de histĂłria, autarca social-democrata que alternativa ter sido apresenta- a que se somam diversas infrapreside Ă  Junta de Freguesia de Seis das 18 juntas de freguesia decidiram recorrer Ă  Justiça da na Assembleia Municipal estruturas bĂĄsicas concluĂ­das e, Ferreira-a-Nova (PSD) â&#x20AC;&#x201C; cuja para impugnar deliberação da Assembleia Municipal (AM) pelo PSD, o Movimento recentemente, um crescimenagregação estĂĄ prevista com a Figueira 100 por cento e dois to demogrĂĄfico acentuado, sustentada em conveniĂŞncias sia de Vila Verde, JoĂŁo Carron- nhuma assembleia de freguesia de Santana â&#x20AC;&#x201C;, declinou tecer presidentes de junta, inde- em virtude da construção de [polĂ­ticas] desfasadas dos inte- da, considera que, durante a do concelho se manifestou a qualquer comentĂĄrio sobre reuniĂŁo extraordinĂĄria da AM favor de qualquer agregação, o este assunto. â&#x20AC;&#x153;Ă&#x2030; muito cedo e pendentes, respectivamente, uma nova urbanização social, resses das populaçþesâ&#x20AC;?. Carlos SimĂŁo, autarca de SĂŁo com mais de uma centena de O socialista JosĂŠ Gaspar Ă&#x20AC;JXHLUHQVH ´KRXYH DWLWXGHV TXHVLJQLĂ&#x20AC;FDTXHHVWDSURSRVWD pode prejudicar a freguesiaâ&#x20AC;?, Pedro, e JosĂŠ ElĂ­sio, de Lavos. apartamentos. DĂ&#x20AC;UPDTXHDGHFLVmRQmRUHV- lamentĂĄveis e de cariz salaza- nĂŁo acolhe a vontade das po- rematou. A proposta, que contemContactados pelo nosso Segundo o autarca, a re- peitou as tomadas de posição rentoâ&#x20AC;?, por parte de alguns pulaçþesâ&#x20AC;?. O edil refere, em nota de Jornal, os demais autarcas plava a agregação de SĂŁo JuliĂŁo organização administrativa das assembleias de freguesia autarcas social-democratas. Apesar de Vila Verde imprensa, que o processo de Ă&#x20AC;JXHLUHQVHV TXH OLGHUDP RV a Buarcos e a criação, assim, de vai afectar, sobretudo, os ido- e apensas se baseou numa uma â&#x20AC;&#x153;mega-freguesiaâ&#x20AC;? urbana, sos e os mais carenciados. A reuniĂŁo da AM â&#x20AC;&#x153;em que pre- manter a sua autonomia, a reorganização administrativa executivos de juntas de fregueacabou por ser aprovada pela população da freguesia olha valeceu o ponto de vista das freguesia irĂĄ perder ĂĄrea em territorial autĂĄrquica â&#x20AC;&#x153;se en- sia afectadas pelo novo mapa dois pontos do territĂłrio. contra cheio de contradiçþes autĂĄrquico, respectivamente, AM figueirense e ratificada para a intenção do Governo juntas do PSDâ&#x20AC;?. e deficiĂŞnciasâ&#x20AC;?, apontando Alhadas, PaiĂŁo, Santana, SĂŁo pela UTRAT, elevando para â&#x20AC;&#x153;com apreensĂŁo e indignação, AutĂłnoma desde 1989, a Contradiçþes como prova disso as inĂşmeras JuliĂŁo e Buarcos, nĂŁo tomaram quatro o nĂşmero de freguesias pois habituaram-se a recorrer freguesia de Borda do Came deficiĂŞncias acçþes judicias interpostas por posição. que podem vir a desaparecer Ă  Junta quando precisam de po teve, em 24 anos, um â&#x20AC;&#x153;Esta reforma nĂŁo acauno concelho. ajuda na resolução dos seus crescimento exponencial, um As seis freguesias inicial- problemasâ&#x20AC;?. grande desenvolvimento e tela os interesses da população FARMĂ CIA mente visadas no processo de TambĂŠm o presidente da uma melhoria das suas infra- do concelho, nem promove a reorganização encetado pelo Junta de Freguesia de Borda estruturas, aponta Gaspar. coesĂŁo cultural e a identidadeâ&#x20AC;?, NOVA DAS ALHADAS Governo decidiram avançar do Campo â&#x20AC;&#x201C; cuja proposta da â&#x20AC;&#x153;Com esta decisĂŁo, vamos disse o presidente da Câmapara o Tribunal Administra- UTRAT prevĂŞ a agregação Ă  perder o que conquistĂĄmos e ra da Figueira da Foz, JoĂŁo 'LUHFWRUD7pFQLFD tivo de Coimbra com uma de PaiĂŁo â&#x20AC;&#x201C;, considera que a o que executĂĄmos com brio e AtaĂ­de, manifestando a sua 'UD-XVHÂżQD/XFDV oposição Ă  deliberação da AM. providĂŞncia cautelar e uma lei aprovada na AR constitui mĂŠritoâ&#x20AC;?, diz. Independente, eleito pelo acção administrativa especial, â&#x20AC;&#x153;uma trapalhada, apoiada em Outro autarca socialista, o Rua MĂĄrio Augusto. n.Âş 34, 36 - 3090-401 Figueira da Foz WHQGHQWHjVXVSHQVmRGHHĂ&#x20AC;- critĂŠrios nĂŁo ponderados e presidente da Junta de Fregue- PS, AtaĂ­de lembra que â&#x20AC;&#x153;ne7HOHIIDUPDFLDDOKDGDV#KRWPDLOFRP cĂĄcia da medida. Em causa, consideram, estĂŁo quer a deliberação da AM (Outubro de 2012) quer a proposta BATE-CHAPAS E PINTURA OFICINA DE REPARAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES DE apresentada pela UTRAT, 2ÂżFLQDGH5HSDUDo}HV*HUDLV$XWR AUTOMĂ&#x201C;VEIS E CAMIĂ&#x2022;ES, LDA. na Assembleia da RepĂşblica Rua do Ateneu, 48 (AR), em Novembro Ăşltimo. SERVIĂ&#x2021;OS RĂ PIDOS Alhadas de Baixo As juntas de freguesia de 3090-401 Alhadas Figueira da Foz Alhadas, Brenha, PaiĂŁo, Borda Telem.: 964 236 195 7HOHI 2ÂżF )D[ Rua de S. BrĂĄs, 61 - 3080-441 Brenha do Campo, Ferreira-a-Nova Telef.: 233 939 133 Telem.: 966 602 012 - Rua de Baixo, n.Âş 4 Telef.: 233 910 657 - Fax: 233 919 034 Fax: 233 939 008 e Santana consideraram te3080-437 BRENHA - FIGUEIRA DA FOZ INĂ&#x160;S TORRES

32447

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

AUTO-SERRA

32431

32432

32428

FERNANDO JOSĂ&#x2030; SANTOS MARTINS

Fabricamos

de Ondina Maria L. Bernardes Pereira

EIROS CANDE ES LUSTR

RNAS LANTE ES U IQ L P A

6DOmRGHH[SRVLomR7HOHI)D[&RSHLUR3090-493 PAIĂ&#x192;O - FIGUEIRA DA FOZ 5HVLGrQFLD7HOHI287(,523$,­2),*8(,5$'$)2=

SOCIEDADE DE REPRESENTAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES DO OESTE, LDA.

de: ElĂ­sio Ferreira Curado H0DULD/tFLQLDGH Jesus Pinto Curado COMĂ&#x2030;RCIO DE MADEIRAS PARA CELULOSE Telef.: 233 940 171 - Telem.: 965 539 609 - Rua da Figueira da Foz, 67 - 3090-495 PAIĂ&#x192;O - Figueira da Foz

32429

)iEULFDGH&DQGHHLURVGR&RSHLUR

32427

PUBLICIDADE

AVEIRO MENDES unipessoal, Lda. Telef./Fax: 233 929 383 - Telem.: 969 021 103 - CASAL DO GRĂ&#x160;LO - Alhadas - Figueira da Foz - LOJA E SALA DE EXPOSIĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES: Rua S. JoĂŁo do Vale, n.Âş 4 - Figueira da Foz - Telem.: 966 970 849

32443

FORNECIMENTO E APLICAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DE TODO O TIPO DE ESTORES E PAVIMENTOS Estores em AlumĂ­nio e PVC - Todo o tipo de Automatismos â&#x20AC;&#x201C; Pavimentos Flutuantes, Afagamentos e Envernizamentos


14

EMPRESAS & NEGĂ&#x201C;CIOS w w w . campea o p r o vin cia s.co m

Antero Paiva

+iPDLVGHXPDGpFDGDQDiUHDGRVVHJXURV ABERTURA 2004 GERENTE Antero Paiva MORADA Rua Doutor Manuel Santos Silva, 82 R/C, 3060-715 Tocha TELEFONE 231 442 499

O seguro com mais procura e maior volatilidade ĂŠ CampeĂŁo das ProvĂ­n- o seguro automĂłvel, onde cias (CP) â&#x20AC;&#x201C; HĂĄ quantos existe uma concorrĂŞncia anos trabalha em seguros? agressiva, por vezes pouco Antero Paiva (AP) â&#x20AC;&#x201C; O transparente. Como a minha meu contacto com seguros Ă&#x20AC;ORVRĂ&#x20AC;DGHYLGDpWHQWDUVHPjĂĄ vem da dĂŠcada de 90, pois pre encontrar as melhores o meu pai alĂŠm de ser enfer- respostas e soluçþes para meiro era tambĂŠm mediador as diversas necessidades de da Europeia Seguros, actual proteção dos atuais e potenLiberty Seguros. Ele morre ciais clientes, nĂŁo me canso em 1997 e em 1999 começo a de ser conselheiro e estou dedicar-me a esta ĂĄrea, tendo disponĂ­vel para os clientes na altura ideia de criar uma 24 horas por dia. Mas o loja da ImpĂŠrio. Devido Ă fu- meu produto de eleição ĂŠ o sĂŁo da mesma com a Bonança seguro de vida que considero RSURMHFWRĂ&#x20AC;FRXVHPHIHLWR bastante completo. Se nĂŁo Em 2004 abri um espaço fosse o poder de compra prĂłprio, comercializando diminuto, os clientes teriam seguros da Global (Açoreana ao seu dispor uma diversi), Sagres (Macif) e Liberty Se- dade de coberturas que lhes guros. Em 2010 por sugestĂŁo permitia usufruir uma vida do CEO da Liberty Seguros, mais segura e protegida. dr. JosĂŠ AntĂłnio de Sousa e CP â&#x20AC;&#x201C; Tem parcerias o Gerente do espaço Liberty com que companhias de Seguros de Coimbra, Dr. seguros e instituiçþes banCarlos Aguiar, inaugurei um cĂĄrias? escritĂłrio com mais visibiliAP â&#x20AC;&#x201C; Tenho parceria dade na rua dr. Manuel dos com a Tranquilidade, AçoreSantos Silva, na Tocha. Os ana, Macif e com a Liberty resultados tĂŞm sido positivos Seguros e atravĂŠs desta com e em linha com os objectivos o BBVA Finanziamento. delineados e projectados. CP â&#x20AC;&#x201C; Recentemente CP â&#x20AC;&#x201C; Que tipo de se- estendeu a atividade ao guros comercializa e quais financiamento na ĂĄrea sĂŁo os que tĂŞm maior DXWRPyYHO &RQVHJXH Ă&#x20AC;procura? nanciamentos a 100 por AP â&#x20AC;&#x201C; Sou mediador ha- cento neste caso? bilitado a fazer mediação no AP â&#x20AC;&#x201C; O BBVA Finanramo vida, com oferta de ziamento ĂŠ uma referĂŞncia seguros de vida (com crĂŠdi- no sector do crĂŠdito espeto e sem crĂŠdito) e seguros cializado, em particular no Ă&#x20AC;QDQFHLURVRQGHVHLQFOXHP VHJPHQWRGRĂ&#x20AC;QDQFLDPHQWR os seguros de capitalização e automĂłvel. AtravĂŠs do mesos PPR´s e tambĂŠm do ramo mo sĂŁo possĂ­veis mĂşltiplas nĂŁo vida (tambĂŠm denomi- soluçþes: crĂŠdito automĂłvel, nado ramos reais) onde se Leasing, ALD e Renting. incluem o seguro de respon- Soluçþes atĂŠ 100 por cento sabilidade civil automĂłvel, os do valor da viatura e com acidentes de trabalho, seguro prazos de pagamento de 12 de saĂşde, multirriscos habita- a 120 meses. A completar o ção, seguro de caça, acidentes Ă&#x20AC;QDQFLDPHQWRSRGHVXEVFUHpessoais e seguro de viagem. ver um seguro de proteção BENEDITA OLIVEIRA

Antero Paiva ĂŠ mediador de seguros â&#x20AC;&#x153;vidaâ&#x20AC;? e â&#x20AC;&#x153;nĂŁo vidaâ&#x20AC;? e tĂŠcnico oficial de contas

PLUS ao crĂŠdito, no qual uma das coberturas ĂŠ o desemprego involuntĂĄrio de trabalhadores por conta de outrem, entre outras. CP â&#x20AC;&#x201C; Quais sĂŁo as vantagens de tĂŞ-lo como mediador? AP â&#x20AC;&#x201C; As vantagens ĂŠ de que acompanho o cliente ao longo da vigĂŞncia do contrato (na venda, no pĂłs venda, na proteção jurĂ­dica), enquanto de que nas telefĂłnicas o contacto sĂł ĂŠ possĂ­vel atravĂŠs do telefone ou da Internet, processando-se assim atravĂŠs de um â&#x20AC;&#x153;call centerâ&#x20AC;?. Basta existir um sinistro, para que um cliente tome consciĂŞncia que serĂĄ ele que terĂĄ de tratar de tudo (contactar a companhia, tratar da burocracia envolvida, perder tempo e dinheiro com telefonemas, deslocaçþes). SerĂĄ nestas alturas que o mesmo valoriza o atendimento prestado SHORSURĂ&#x20AC;VVLRQDOGHVHJXURV duma companhia tradicional, e que se depara, de que, DĂ&#x20AC;QDOGHFRQWDVDVFREHUWXUDV do seu seguro atĂŠ sĂŁo mais reduzidas: responsabilidade civil obrigatĂłria, assistĂŞncia

em viagem e proteção jurĂ­dica. RazĂŁo do preço baixo. E terĂĄ sido a melhor opção ter subscrito tal contrato de seguro? E sabem os senhores consumidores de que as companhias telefĂłnicas OK teleseguros, Seguro Direto, Nseguros, e LogoSeguros sĂŁo suportadas por seguradoras tradicionais? Logo, em caso de sinistro-acidente os capitais a suportarem o mesmo, nĂŁo foram gerados pelas companhias maravilhas da Internet, mas sim pelas denominadas tradicionais. Mas os estudos sĂŁo claros: oitenta por cento dos clientes preferem a companhia tradicional (com mediador de seguros). CP â&#x20AC;&#x201C; Na actual situação do paĂ­s, sente que o seu negĂłcio sai prejudicado ou nem por isso? AP â&#x20AC;&#x201C; Um aumento abrupto de impostos retira rendimento Ă s famĂ­lias portuguesas, o que implica menor gasto tambĂŠm nalgumas ĂĄreas de seguros. Mas as companhias sensĂ­veis a esta situação tambĂŠm tĂŞm contribuĂ­do com a sua parte e tĂŞm ajustado as suas tarifas, mesmo nos seguros obriga-

Jardintec

tĂłrios como o automĂłvel e os acidentes de trabalho. Mas se houve decrĂŠscimo no automĂłvel e nos acidentes GHWUDEDOKRMXVWLĂ&#x20AC;FDGRVSHOR desemprego e o encerrar de empresas, tambĂŠm se verificou um crescimento dos seguros de doença, lar e atĂŠ nos planos poupança reforma. A aplicação de taxas moderadoras, a preocupação pela proteção do patrimĂłnio e a sustentabilidade da segurança social com episĂłdios pouco esclarecedores permitem que o consumidor pense com consciĂŞncia qual o melhor para o seu futuro. Penso que o ano 2013 serĂĄ pior, pois as avaliaçþes dos prĂŠdios sofreram aumentos significativos numa altura que nĂŁo ĂŠ a mais propĂ­cia. CP â&#x20AC;&#x201C; Que tipo de clientes tem? Qual a ĂĄrea JHRJUiĂ&#x20AC;FDHPTXHVHLQVHrem esses clientes? AP â&#x20AC;&#x201C; Tenho empresas, mas predominantemente clientes do segmento particulares, pois esta zona ĂŠ pouco industrializada. Mas ĂŠ um segmento que gosto particularmente em virtude de permitir uma grande interacção com as pessoas. Como sou uma pessoa sempre disponĂ­vel para ajudar o meu amigo, tenho a felicidade de ter clientes no Norte, Centro e na ĂĄrea de Lisboa. CP â&#x20AC;&#x201C; O que espera SURĂ&#x20AC;VVLRQDOPHQWH GR IXturo? AP â&#x20AC;&#x201C; Espero que Deus me dĂŞ saĂşde para continuar a minha actividade, que ĂŠ uma actividade que tem um papel de libertar recursos econĂłmicos necessĂĄrios e destinados Ă reposição do patrimĂłnio. Promove tambĂŠm a criação de aforro, desenvolve os princĂ­pios de mutualidade e de solidariedade e, portanto, actua como estabilizador de toda a actividade econĂłmica e que muito contribui para o PIB nacional.

nio Pedro Cerdeira, que usarĂĄ mesmo mĂĄquinas e ferramenWDVSURĂ&#x20AC;VVLRQDLVHPSUHVWDGDV pela empresa Jardicentro, para dar maior realismo Ă novela â&#x20AC;&#x153;Destinos Cruzadosâ&#x20AC;?. Segundo Gil Mota, da empresa Jardintec, foram analisados aspetos tĂŁo distintos quanto o tipo de jardim onde vĂŁo decorrer as cenas da novela, os canteiros, as sebes, as prĂłprias espĂŠcies de plantas e o relvado

que compþem o jardim, as operaçþes de manutenção que se realizam tradicionalmente em jardins com as mesmas características e localização do jardim que servirå de cenårio à novela da TVI, no fundo o espaço e tempo em que decorre a ação do jardineiro da novela, e atÊ as próprias características físicas do actor. A empresa de Meirinhas sugeriu à produção da novela

vårias dezenas de måquinas e ferramentas tradicionais de jardinagem necessårias não só às operaçþes de manutenção normais para aquele espaço durante os meses em que decorre a história, mas tambÊm para ajudar a dar realismo e caracterizar a personagem do jardineiro Luciano Mendes. A empresa Jardintec e a loja Jardicentro têm colaborado com algumas das maiores

QUINTA-FEIRA

DE JANEIRO DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

B R E V E S

Coimbratur promove volta ao mundo A Coimbratur estĂĄ a organizar uma viagem a dez cidades mundiais. A iniciativa tem como mote â&#x20AC;&#x153;Volta ao mundo em jacto privadoâ&#x20AC;? e propĂľe a descoberta das vĂĄrias cidades, com todas as comodidades, desde Ă frica ao Hawai. Os locais a visitar sĂŁo Lisboa, Istambul, Goa, Hong Kong, Macau, Tokyo, Nairobi, Miami, Las Vegas e Hawai. A viagem realiza-se entre 27 de Maio e 9 de Junho e jĂĄ podem ser feitas reservas on line atravĂŠs da pĂĄgina www. coimbratur.com. De referir que ao adquirir um produto Coimbratur, a empresa ajuda automaticamente o Serviço de Oncologia do Hospital PediĂĄtrico de Coimbra.

Nicola Premium abriu no Dolce Vita O centro comercial Dolce Vita ganhou um novo espaço de cafetaria. O Nicola Premium alia o serviço de cafetaria à venda de pão quente. Em breve, o espaço conta alargar a actividade às refeiçþes råpidas. O Nicola Premium dispþe de um leque alargado de produtos na årea da pastelaria e inclui årea de esplanada.

MBM Mobile apela Ă reforma do sector

A MBM Mobile, consultora especializada no segmento automĂłvel, acredita que a solução para a recuperação do sector automĂłvel passa pela total mudança de paradigma, adaptando o modelo econĂłmico do sector Ă realidade da economia portuguesa, que enfrenta uma das piores crises de sempre. JoĂŁo Corga, diretor-geral da consultora, reagindo Ă  queda acentuada de vendas de automĂłveis ligeiros em 2012, defendeu um movimento concertado entre operadores privados e o Estado. â&#x20AC;&#x153;Ă&#x2030; necessĂĄrio refundar o setor, baseado em premissas reais, tendo sempre presente que temos todas as possibilidades de mudar o que hĂĄ para mudar, mas que ĂŠ imperativo haver abertura por parte do Estado para conversar, apresentar um pacote de medidas racionais e de rĂĄpida implementação, a par da refundação, com uma produtoras de televisĂŁo em perspectiva de longo prazoâ&#x20AC;?, Portugal (como Endemol, Plu- considerou JoĂŁo Corga. O ral, NBP e Skylight) e realizado actual estado da situação de trabalhos em programas das es- quebra acentuada na venda taçþes de televisĂŁo (sendo disso de automĂłveis ligeiros em exemplo o programa â&#x20AC;&#x153;Quinta Portugal, na ordem dos 40,9 por cento em 2012, deve-se, das Celebridadesâ&#x20AC;? da TVI) e DĂ&#x20AC;UPRX D XPD FRQMXQWXUD para gabinetes de arquitetura e desfavorĂĄvel, que vai desde o decoração, como Graça Viter- FOLPDGHGHVFRQĂ&#x20AC;DQoDJHQHUDbo, Hayes Studio (EUA), entre lizado dos consumidores atĂŠ muitos outros. Em Coimbra, a Ă s medidas implementadas Ă&#x20AC;UPDFRODERURXFRPR+RWHO pelo Estado, decorrentes das imposiçþes da Troika. Dona InĂŞs.

(PSUHVDGH0HLULQKDVDMXGDDGHĂ&#x20AC;QLUSHUVRQDJHPGHWHOHQRYHOD A empresa Jardintec, de Meirinhas, Pombal, colaborou na produção da nova novela da TVI, produzida pela Plural, definindo a personagem do jardineiro. O estudo visou nĂŁo sĂł a personagem como o espaço do jardim onde decorre a acção da novela, que começa a ser emitida em meados de Janeiro. O papel do jardineiro vai ser desempenhado por AntĂł-

03


10

QUINTA-FEIRA

ACTUALIDADE

DE JANEIRO DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

Peregrinaçþes religiosas

Iniciativa da Junta de Freguesia

Reportagem de Carlos Ferreira dĂĄ origem a livro O livro â&#x20AC;&#x153;Alguma dor cura a almaâ&#x20AC;?, da autoria de Carlos Ferreira, sob a chancela Chiado Editora, vai ser apresentado a 9 de Fevereiro, Ă s 16h30, no CafĂŠ Santa Cruz, na praça 8 de Maio, em Coimbra. Carlos Camponez, docente da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, e Nuno Canilho, peregrino do Caminho de Santiago e hospitaleiro no Albergue de Peregrinos da Mealhada, sĂŁo os oradores convidados para dar a conhecer a obra no cafĂŠ histĂłrico. â&#x20AC;&#x153;Alguma dor cura a almaâ&#x20AC;? relata a experiĂŞncia do jornalista, natural de Pombal, que caminhou 481 quilĂłmetros em 13 dias para escrever a reportagem que originou o livro. Na obra ĂŠ, ainda, destacada a centralidade de Coimbra nos caminhos para Santiago de Compostela e FĂĄtima, atravĂŠs de IDFWRVKLVWyULFRVHGHĂ&#x20AC;JXras como a Rainha Santa Isabel. â&#x20AC;&#x153;Espero que esta seja

15

www.ca m p e a o p r o vin cia s.co m

O livro vai ser apresentado a 9 de Fevereiro no CafĂŠ Santa Cruz

uma grande reportagem e nĂŁo apenas uma reportagem grande. Uma espĂŠcie de reconciliação entre o jornalismo e os leitores, que permaneça para alĂŠm da espuma dos dias. Este ĂŠ o meu desejo mais Ă­ntimo e o meu humilde contributo para demonstrar que o anĂşncio da nossa morte SURĂ&#x20AC;VVLRQDO p XPD QRWtFLD claramente exageradaâ&#x20AC;?, diz o autor Carlos Ferreira.

Carlos Ferreira, natural de Pombal e residente em Leiria, iniciou a carreira de jornalista na RĂĄdio Comercial de Leiria e depois passou por ĂłrgĂŁos de informação como a â&#x20AC;&#x153;Semana de Leiriaâ&#x20AC;? (1985), â&#x20AC;&#x153;Jornal de Leiriaâ&#x20AC;? (1985-1989), â&#x20AC;&#x153;Correio da ManhĂŁâ&#x20AC;? (1986-2012), revista â&#x20AC;&#x153;Dianaâ&#x20AC;? (1989-1990), â&#x20AC;&#x153;Jornal da Batalhaâ&#x20AC;? (19901991) e â&#x20AC;&#x153;O Crimeâ&#x20AC;? (1991-

2001). No â&#x20AC;&#x153;Correio da ManhĂŁâ&#x20AC;? foi, sucessivamente, correspondente, redactor e fotĂłgrafo, chefe de delegação e editor. Tem ainda trabalhos publicados no â&#x20AC;&#x153;DN-Jovemâ&#x20AC;?, â&#x20AC;&#x153;Blitzâ&#x20AC;?, â&#x20AC;&#x153;ComĂŠrcio do Portoâ&#x20AC;?, â&#x20AC;&#x153;RegiĂŁo de Leiriaâ&#x20AC;?, â&#x20AC;&#x153;Bailadoiroâ&#x20AC;? (Leiria), â&#x20AC;&#x153;O Mensageiroâ&#x20AC;? (Leiria), â&#x20AC;&#x153;RĂĄdio Comercialâ&#x20AC;? e â&#x20AC;&#x153;AgĂŞncia NotĂ­cias de Portugalâ&#x20AC;?. Entre as reportagens que realizou nestes 27 anos, na Europa, Brasil e Macau, destaca a cobertura do caso do assassino da Praia do Osso da Baleia (1987), do pĂłs-guerra no Kosovo (1999 e 2007), do Ăşltimo ano da soberania portuguesa em Macau (1999) e das comemoraçþes dos 500 Anos do Descobrimento do Brasil (2000). Ă&#x2030; autor dos livros â&#x20AC;&#x153;Guia do Peregrino-Papa Bento XVI em Portugalâ&#x20AC;? (Presselivre, 2010) e â&#x20AC;&#x153;Na Mente do Assassino-O Serial Killer da LourinhĂŁâ&#x20AC;? (Cofina MĂŠdia Books, 2012), distribuĂ­dos com o Correio da ManhĂŁ.

Santa Cruz mantÊm tradição de cantar as Janeiras

Sorteio do cesto dos Reis na Igreja Matriz da Pedrulha

A Junta de Freguesia de Santa Cruz reedita, este sĂĄbado, pelas 16h30, no Centro OperĂĄrio CatĂłlico, na Conchada, a iniciativa â&#x20AC;&#x153;Cantar as Janeiras com Sorteio de Cesto dos Reisâ&#x20AC;?. Trata-se de uma iniciativa com vĂĄrios anos e que tem vindo a percorrer as diferentes igrejas da freguesia de Santa Cruz. Do programa consta a celebração de uma missa, cantares de Natal pelo Grupo FolclĂłrico do Brinca e um sorteio de cesto dos

Reis, realizado entre o público presente. Cantar as Janeiras Ê uma tradição portuguesa que fomenta a sociabilização e a partilha, estando sobretudo enraizada nas comunidades rurais. As cantigas, normalmente com quadras simples, louvam o nascimento de Jesus e desejam um feliz ano novo. Seguindo a tradição natalícia, a Junta de Freguesia de Santa Cruz volta a promover a iniciativa, visando uma maior proximidade social com os munícipes.

Expofacic 2013 Restaurante Panda

Espaço de comida asiĂĄtica abre em Eiras Coimbra ganhou um novo espaço dedicado Ă gastronomia asiĂĄtica. O Restaurante Panda abriu na quinta-feira e estĂĄ localizado na Estrada de Eiras â&#x20AC;&#x201C; nas imediaçþes do INEM e em frente Ă  empresa de lavagens Venturacar. O restaurante aposta em comida portuguesa, chinesa e japonesa, com destaque para o famoso sushi. O espaço disponibiliza prato do dia, com bebida a copo e cafĂŠ incluĂ­do, a apenas 4,90 euros. HĂĄ ainda um serviço de buffet com duas modalidades: o normal custa 6 euros (sem bebida) e o buffet livre 8,90 euros (Ă  hora de almoço). Ao jantar, o buffet livre, que permite que os FICHA TĂ&#x2030;CNICA EDIĂ&#x2021;Ă&#x192;O COIMBRA www.campeaoprovincias.com

O restaurante tem 600 metros quadros, distribuĂ­dos por dois andares

clientes se sirvam Ă discrição, custa 11,90 euros. De referir que as crianças entre os cinco HGH]DQRVEHQHĂ&#x20AC;FLDPGHXP desconto de 50 por cento. Segundo o gerente Jiang Yifeng, os clientes podem

pedir outras especialidades, como gambas, salmĂŁo, linguado, vaca ou peito de frango, sendo que o prato ĂŠ confecionado na hora. O Restaurante Panda tem amplas instalaçþes â&#x20AC;&#x201C; no total

Telefone 239 497 750 | Fax 239 497 759 | E-mail jornalcp@mail.telepac.pt Editor/Propriedade REGIVOZ, Empresa de Comunicação, Lda. Rua Adriano Lucas, 216 Az. D - Eiras 3020-430 Coimbra | NIPC: 504 753 711 Director-Adjunto Rui Avelar (responsåvel executivo por esta edição) | Gerente da Redacção JosÊ Fidalgo 239 497 750 (ext. 38) | Redacção Luís Santos (C.P. 722), Rui Avelar (C.P. 613), Benedita Oliveira (C.P. 6622), Geraldo Barros (C.P. 6555) e Luís Carlos Melo (C.P. 2555), Telefone 239 497 750 (ext. 55, 56 e 57), Fax 239 497 759 | Sede/

ascende aos 600 metros quadrados distribuĂ­dos por dois pisos â&#x20AC;&#x201C;, e estĂĄ tambĂŠm vocacionado para realizar grandes convĂ­vios e eventos sociais. O espaço tem uma decoração de inspiração asiĂĄtica e prima por um atendimento personalizado. De destacar ainda a ĂĄrea de estacionamento, com capacidade para 50 viaturas, algumas das quais reservadas SDUDSHVVRDVGHĂ&#x20AC;FLHQWHV&RP efeito, o espaço estĂĄ equipado com um mecanismo que permite o acesso de cidadĂŁos com GLĂ&#x20AC;FXOGDGHVPRWRUDVFRPR seja em cadeiras de rodas. O restaurante estĂĄ aberto todos os dias, entre as 12h00 e as 15h00 e as 18h30 e as 24h00.

&RQĂ&#x20AC;UPDGRV Xutos & PontapĂŠs, Tony Carreira e Rui Veloso Tony Carreira, Xutos & PontapĂŠs e Rui Veloso sĂŁo os primeiros artistas FRPSUHVHQoDFRQĂ&#x20AC;UPDGD na edição 2013 da Expofacic, revelou, terça-feira, o MunicĂ­pio de Cantanhede. O certame realiza-se, este ano, entre os dias 25 de Julho e 04 de Agosto. Com estes primeiros nomes a abrir o cartaz musical, a organização aposta num programa que ´VHJXQGR D Ă&#x20AC;ORVRĂ&#x20AC;D TXH tem vindo a ser seguida pela entidade promotora, irĂĄ a manter os factores de ĂŞxito de anos anteriores, reforçados com algumas novidades, sempre com a preocupação de satisfazer

as expectativas de diferentes pĂşblicosâ&#x20AC;?, refere o gabinete de comunicação da edilidade. Para alĂŠm de Xutos & PontapĂŠs (27 de Julho), Tony Carreira (28 de Julho) e Rui Veloso (04 de Agosto), decorre a contratação de mais artistas portugueses para animar a Expofacic, prevendo-se, tambĂŠm, a presença de alguns intĂŠrpretes de projecção internacional. Por ora, estĂŁo a ser ultimados alguns aspectos formais do certame para permitir, em breve, arrancar com o perĂ­odo de prĂŠ-inscrição para os expositores.

Redacção: Rua Adriano Lucas, 216 Az. D - Eiras 3020-430 Coimbra Director Comercial Carlos Gaspar Directora de Marketing e Publicidade Adelaide Pinto 239 497 750 (ext. 27), adelaide.pinto@mail.telepac.pt Paginação e Maquetagem Nuno Miguel Peres | Impressão FIG - Indústrias Gråficas, S.A.; Rua Adriano Lucas, 3020-265 Coimbra | Distribuição VASP - Sociedade de Transportes e Distribuição, Lda. R. da Tascoa, n.º 16 - 4.º Piso, 2745-003 Queluz, Telef. 214 398 500, Fax 214 302 499 Registo SRIP sob o n.º 222567; ISSN: 1645 - 2968; ICS: 122568 | Depósito Legal n.º 127443/98 Preço de cada número 0,75\ Assinatura anual 30,00\ | Tiragem mÊdia: 9.000 exemplares

Os pagamentos para o CampeĂŁo das ProvĂ­ncias em cheque devem ser emitidos em nome de â&#x20AC;&#x153;Regivoz, Empresa de Comunicação, Lda.â&#x20AC;?. TambĂŠm podem ser feitos por transferĂŞncia bancĂĄria atravĂŠs do NIB: 001000003179749000225


16

CLASSIFICADOS / OPINIĂ&#x192;O

10

QUINTA-FEIRA

w w w . campea o p r o vin cia s.co m

ImobiliĂĄrias ABC

2012 e o fim de um mundo

2^\_aPeT]SPTca^RPST_a|SX^b \^aPSXPbP]SPaTbTbRaXcÂ&#x2026;aX^b[^YPbTcTaaT]^b - MORADIA NOVA, pronta a habitar tipologia T4 com cozinha equipada, acabamentos contemporâneos, ar condicionado, recuperador de calor, terraço, no Bairro da Liberdade. Para agendar uma visita contactar 239854730/917225640/964311517. - ARRENDA LOJA COM 43 M2 no Centro Comercial AtriumSolum na Av. Dr ElĂ­sio de Moura em Coimbra. Para mais informaçþes contactar 239854730/917225640/964311517. - ARRENDA LOJA com 2 pisos com ĂĄrea total de 450 m2 na Rua Correia Teles (junto Ă Av. D. Afonso Henriques). Para mais informaçþes contactar 239854730/917225640/964311517. - T4 c/ garagem Rua Arlindo Vicente - T1 na Rua Miguel Torga â&#x20AC;&#x201C; Solum T2, EdifĂ­cio do Centro Comercial Atrium, Solum, na Av Dr ElĂ­sio de Moura com estacionamento. Acabamentos de Luxo, cozinha italiana completamente equipada, aquecimento central, prĂŠ-instalação de ar condicionado. EdifĂ­cio com Parque Infantil. - Terreno para construção sito na LousĂŁ. Ă rea de Construção 765 m2

Marque a sua visita todos os dias da semana Telef.: 239 854 730 - Telem.: 917 225 640

AdPSPB^UXP &$2CT[TU!"('$#&"2>8<1A0

AUTOMĂ&#x201C;VEIS

DE JANEIRO DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

0DC><Ă&#x2021;E48B=>E>B4DB03>B

2a|SXc^Pc|(%\TbTb ADĂ&#x2030;MIA - COIMBRA

Telef.: 239 432 173 - 3020 COIMBRA www.ademiauto.pt

Tempo RĂĄdio do Clube da Comunicação Social de Coimbra Esta semana no TEMPO/RĂ DIO do CLUBE DA COMUNICAĂ&#x2021;Ă&#x192;O SOCIAL DE COIMBRA estaremos Ă conversa com a DRÂŞ ANA ALCOFORADO directora do MUSEU MACHADO DE CASTRO. Os pormenores deste â&#x20AC;&#x153;novoâ&#x20AC;? museu que quer ser uma referĂŞncia da museologia nacional e internacional.

Renovação de assinaturas O nosso Jornal relembra que se encontra a decorrer o perĂ­odo de renovação anual da assinatura, ou a inscrição como assinante, pelo que damos a conhecer os principais dados para os nossos leitores o poderem efectuar. O pagamento (no valor de 29,93 euros) para o â&#x20AC;&#x153;CampeĂŁo das ProvĂ­nciasâ&#x20AC;?, em cheque, deve ser emitido em nome de â&#x20AC;&#x153;Regivoz, Empresa de Comunicação,Ldaâ&#x20AC;? e enviado para Rua de Adriano Lucas, 216, Az. D â&#x20AC;&#x201C; Eiras, 3020-430 Coimbra. Se desejar efectuar por transferĂŞncia bancĂĄria, o NIB ĂŠ o seguinte: 001000003179749000225. Qualquer esclarecimento pode ser obtido atravĂŠs do nosso telefone 239 497 750, do fax 239 497 750, ou de e-mail: jornalcp@mail.telepac.pt.

GDLQĂ&#x20AC;XrQFLDGRVDVWURVQR curso dos acontecimentos no planeta: Âł3RURXWURODGRRÂżPGR CalendĂĄrio Maia previsto para o solstĂ­cio de 21 de GH]HPEURGH  QmR apresenta mais do que GXDVTXDGUDWXUDVVLJQLÂżFDtivas de Urano com Sol e PlutĂŁo. Dessa forma, nĂŁo SDUHFH MXVWLÂżFDU DV JUDYHV mudanças que alguns creem que deverĂŁo ocorrer QHVVDGDWD´ â&#x20AC;&#x153;Alguns argumentam que o alinhamento galĂĄctico traria forças maiores diretamente do centro da galĂĄxia, e portanto de fora do sistema solar, mas deveria haver DOJXP LQGtFLR VLJQLÂżFDWLYR refletido mesmo no nĂ­vel menor de um mapa astral calculado apenas dentro do nosso sistema solar, pois, A influĂŞncia caso contrĂĄrio, se estaria dos astros ferindo o Grande PrincĂ­pio HermĂŠtico, ou PrincĂ­pio da Na minha mais recente &RUUHVSRQGrQFLD QR TXDO REUD OLWHUiULD Âł-HVXV R toda a Astrologia sempre 3URIHWD'LYLQR´WUDQVFUHYR VHEDVHRX´ trecho de anĂĄlise de RiÂł,VVR VHULD R PHVPR cardo Lindemann, mestre TXH TXHEUDU DV OHLV EiHP $VWURORJLD PHPEUR sicas da natureza e afirdo Conselho Mundial da PDU DEVXUGDPHQWH TXH R 6RFLHGDGH7HRVyÂżFD,QWHU- macrocosmo entraria em nacional, a partir do estudo contradição ou desarmoDesde a Antiguidade, RWHPD³¿PGRPXQGR´SRvoa a mente de religiosos, cientistas e leigos, nĂŁo LPSRUWDQGRDLQĂ&#x20AC;XrQFLDJHRJUiÂżFDFXOWXUDODVSHFWRV sociais e o que mais o seja, sofrida por eles. Na ânsia de prever o caos derradeiro, muitos marcaram datas para o dia fatĂ­dico, criando, GHFHUWDIRUPDGLÂżFXOGDGHV para um entendimento mais realista das profecias contidas nos mais diversos livros sagrados da Humanidade. Recentemente, uma megaprodução â&#x20AC;&#x153;hollywooGLDQD´EDVHDGDHPVXSRVta profecia maia, ou de forma errĂłnea compreendida, atraiu a atenção mundial, sugerindo o 21 de dezemEURGHFRPRRGLDGD extinção da vida na Terra.

JOSĂ&#x2030; DE PAIVA NETTO*

nia com o microcosmo, nĂŁo mais refletindo este reciprocamente. PorĂŠm, (LQVWHLQWDPEpPGL]LDTXH â&#x20AC;&#x2DC;Deus nĂŁo joga dados com o mundoâ&#x20AC;&#x2122;. Portanto, caso se compare o mapa astral do ÂżPGR&DOHQGiULR0DLDFRP o mapa do eclipse de 11 de agosto de 1999, mesmo um OHLJR p FDSD] GH REVHUYDU que os dois estĂŁo longe de apresentar a mesma magQLWXGHGHDVSHFWRV´ â&#x20AC;&#x153;Dessa forma, nĂŁo hĂĄ indicativos de um fim do PXQGRHPSRLVLVVR nĂŁo aconteceu nem mesmo em 1999, onde se apresentaram indĂ­cios muito PDLRUHV  ´

O exemplo da maçã

odo de excepcionais transformaçþes. Fim de sÊculo, de milÊnio e de um ciclo apocalíptico. Mas, igualmente, início de extraordinåria Êpoca para o mundo. Como na maçã que, mesmo quando podre, encerra futurosas sementes, nesse ¿PODWHMDRHPEULmRGHXP início totalmente novo para a Humanidade. 9HMDP QmR HVWRX D¿Umando que o que estå previsto não ocorrerå, mas daí a determinar o tÊrmino da vida planetåria, existe XPD GLVWkQFLD DEVXUGD Portanto, a questão Ê con¿DU HP 'HXV H VHJXLU HP frente, respeitando nossa única morada coletiva: o planeta Terra. (*) Jornalista, radialista,

1DGpFDGDGH>VpFXlo XX], com a proximidade do novo milĂŠnio, questionaGR VREUH R ÂżP GR PXQGR esclareci que vivemos perĂ­-

escritor e presidente da LegiĂŁo da Boa Vontade â&#x20AC;&#x201C; www.lbv.pt [A pedido do autor, este texto ĂŠ publicado segundo as regras GRQRYRDFRUGRRUWRJUiÂżFR@

Os buracos do Hospital dos CovĂľes Num perĂ­odo que se diz ser de grande crise econĂłmico-financeira, que o mundo e o paĂ­s vivem, tornou-se comum IDODU GH EXUDFRV )RL R E X U D F R  G D  0 D G H L U D   R do BPN, os das PPP, os das autarquiasâ&#x20AC;Ś enfim, IRUDP WDQWRV RV EXUDFRV apontados e falados que Portugal mais parecia um queijo suíço. Para o caso, nĂŁo vimos IDODU GHVVHV ÂłEXUDFRV´ mas antes, sim, no sentido mais estrito dos mesmos. Ou seja, os verdadeiros EXUDFRV Para os utentes do Hospital dos CovĂľes, a quem lhes estĂĄ destinado, entre outros locais, um estacioQDPHQWR VXEMDFHQWH DR heliporto, ĂŠ uma aventura conseguir estacionar o carro sem conseguir evitar um

encontro imediato com um EXUDFR 3HUDQWH WDPDQKR DOIREUHGHEXUDFRVDOLSODQtado, esculpidos pela parceria entre a ågua da chuva e os pneus dos automóveis que ali procuram espaço, Ê LPSRVVtYHO¿FDULQGLIHUHQWH Com um piso de terra EDWLGD REYLDPHQWH ORQJH da solidez dos parques de estacionamento principais asfaltados, o referido espaço encontra-se numa situação de degradação assinalåvel que nem as SRXFDV SD]DGDV GH EULWD ¿QDFRQVHJXHPGLVIDUoDU 6mR EXUDFRV D SHUder de vista para todos os tamanhos e gostos. Uns PDLVSHTXHQRVRXWURVEHP grandes que mais parecem crateras de impacto. Uns mais superficiais, outros mais profundos. Alguns atÊ MiWrPYDVRVFRPXQLFDQWHV

MĂ RIO CARVALHO*

verdadeiros exemplos de Geologia aplicada ao fenómeno da erosão devido às åguas pluviais. Em termos comparativos, ali estå espelhada a VLWXDomRGRSDtVFRPEXUDcos por tudo quanto Ê sítio. 8QVFRPGLUHLWRDEXUDFRV outros com direito a asfalto. Nada de novo, portanto, na nossa maneira lusitana de colocar a sociedade. 6DEHPRV TXH DV GLILculdades são muitas, com DV LQVWLWXLo}HV S~EOLFDV D fazerem verdadeiros exerFtFLRVGHHTXLOLEULVPRSDUD se manterem em funcionamento. Ainda assim, julgamos que o espaço em questão seria merecedor de melhor atenção, jå que ali ocorrem, diariamente,

Publicidade e Assinaturas no

centenas, se não milhares de utentes que, não ligando ao que o actual ministro da Saúde solícita, teimam em ¿FDUGRHQWHV Haja alguma vontade QDUHVROXomRGRSUREOHPD pois os utentes do Hospital dos Covþes, esse mesmo TXH TXHUHP TXH DFDEH merecem que o tratamento no exterior seja equiparado ao tratamento que lhes Ê prestado no seu interior. Viva o Hospital dos Covþes, instituição com grande história na prestação de cuidados de saúde! Pela continuação desta instituição, mas, sem EXUDFRV (*) Membro da Assembleia Municipal de Coimbra, pelo PS

Contacte Telefone 239 497 750 Fax 239 497 759 | Rua Adriano Lucas, 216 - Az. D - Eiras 3020-430 Coimbra


10

QUINTA-FEIRA

PASSATEMPOS

DE JANEIRO DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

17

www.ca m p e a o p r o vin cia s.co m

PALAVRAS CRUZADAS â&#x20AC;&#x201C; Problema n.Âş 310

PROBLEMA N.Âş 310/A

SEIS PALAVRAS RELACIONADAS COM TRIBUNAL

Tema de hoje â&#x20AC;&#x201C; TRIBUNAL

Utilizando todas as sĂ­labas constantes do quadro, formar seis palavras relacionadas com Tribunal. HORIZONTAIS 1 â&#x20AC;&#x201C; Tribunal. Tribunal. Tribunal. 2 â&#x20AC;&#x201C; Sorrira. Poetas. Associação Portuguesa de Argumentistas e Dramaturgos (abr). 3 â&#x20AC;&#x201C; Indignação. Empreenderam. Associação de Telespectadores de TelevisĂŁo (abr). 4 â&#x20AC;&#x201C; Problema. Gero. 5 â&#x20AC;&#x201C; NĂŁo acerta em. Tribunal. 6 â&#x20AC;&#x201C; Casamento. Tribunal. Barrigudinho. Nota musical. 7 â&#x20AC;&#x201C; Tribunal. Tribunal. Tradutor (abr). 8 â&#x20AC;&#x201C; SĂ­mbolo de laurĂŞncio. Gasto. Vai-te! Piedade. 9 â&#x20AC;&#x201C; Quer. Tribunal. Rio de ItĂĄlia. VERTICAIS 1 â&#x20AC;&#x201C; Tema de hoje. 2 â&#x20AC;&#x201C; Ouro. Preciosidade. 3 â&#x20AC;&#x201C; PrisĂŁo. 4 â&#x20AC;&#x201C; Asa. Faltas. 5 â&#x20AC;&#x201C; Tribunal. Porte. 6 â&#x20AC;&#x201C; Tribunal (pl). Lealdade. Âą7ULEXQDO/RFXomR DEU Âą-RUQDGDÂą0DLRU6XÂż[R verbal de ação. 10 â&#x20AC;&#x201C; Enfeitiça. Pronto Socorro (abr). 11 â&#x20AC;&#x201C; Ora. Nome de letra grega. 12 â&#x20AC;&#x201C; Caminhe. Azorrague. 13 â&#x20AC;&#x201C; Acendalha. 14 â&#x20AC;&#x201C; Policial. Fortuna. 15 â&#x20AC;&#x201C; Tribunal.

PRĂ&#x2030;MIOS â&#x20AC;&#x201C; Obra literĂĄria, oferta da PORTO EDI725$3UpPLRVXUSUHVDRIHUWDGHĂ&#x2C6;*8,$HQRÂżQDO do mĂŞs, mais um prĂŠmio especial, um exemplar do Ăştil e valioso DicionĂĄrio da LĂ­ngua Portuguesa â&#x20AC;&#x201C; Colecção DicionĂĄrios Modernos, que inclui um CD-ROM, oferta da PORTO EDITORA. PRAZO PARA REMESSA DE SOLUĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES â&#x20AC;&#x201C; AtĂŠ ao dia 15 do prĂłximo mĂŞs. ENVIO DE SOLUĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES â&#x20AC;&#x201C; Ernesto Lopes Nunes, Beco dos Unidos, n.Âş 3, Espadaneira, 3045 â&#x20AC;&#x201C; 162 Coimbra. PREMIADOS Passatempos n.Âş 302: Maria Adriana F. Silva, do Funchal, com livro da PORTO EDITORA; VĂ­tor Manuel Seia Russo, de Peniche, com prĂŠmio surpresa, oferta de Ă GUIA.

ENIGMA FIGURADO

Interpretando correctamente todos os símbolos e operaçþes apresentadas, encontrar-se-à uma conhecida expressão popular.

HORIZONTAIS 1 â&#x20AC;&#x201C; Canhonadas. 2 â&#x20AC;&#x201C; Fruta-do-conde. Monarca. FlĂşmen. 3 â&#x20AC;&#x201C; Troça. Ă&#x201A;ngulo. SĂ­mbolo de rĂĄdio. 4 â&#x20AC;&#x201C; SĂ­mbolo de ĂĄstato. NasFHQWHV2UoDPHQWR5HWLÂżFDWLYR DEU Âą0DTXLQLVPRSDUDWHFHU Linhagem. 6 â&#x20AC;&#x201C; Doença. Repugnante. 7 â&#x20AC;&#x201C; Esmifras. 8 â&#x20AC;&#x201C; Franzino. Tom. 9 â&#x20AC;&#x201C; Onde? Fulana. Baixa. 10 â&#x20AC;&#x201C; Ides. Nome prĂłprio feminino. 3RUFRÂą3HVVRDTXHWUDEDOKDPXLWR)LORVRÂżD VERTICAIS Âą9XOJDU0iÂą,QĂ&#x20AC;DPDomRGRRXYLGR(VStULWRGHGLVFLplina. 3 â&#x20AC;&#x201C; Ruim. Ă?ntimo. 4 â&#x20AC;&#x201C; Lacrara. Frustrar-se. 5 â&#x20AC;&#x201C; Lavras. Nota PXVLFDO,QVLJQLÂżFkQFLDÂą&HUFH1DWXUH]DÂą6XJLUD2EVHUYHL Nome prĂłprio feminino. 8 â&#x20AC;&#x201C; Boceja. AliĂĄs. 9 â&#x20AC;&#x201C; Caminhar. Abano. Âą2XURV9HULÂżFDÂą&KHJDUDPDRVRXYLGRV9LJRURVRV

SOLUĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES Palavras Cruzadas â&#x20AC;&#x201C; Problema n.Âş 302: Horizontais â&#x20AC;&#x201C; 1 â&#x20AC;&#x201C; bacarĂĄ, p, pĂłquer. 2 â&#x20AC;&#x201C; opa, Estoril, ito. 3 â&#x20AC;&#x201C; lo, r, Macau, a, ad. 4 â&#x20AC;&#x201C; asco, a, m, copo. 5 â&#x20AC;&#x201C; tola, mesa. 6 â&#x20AC;&#x201C; galera, jocosa. 7 â&#x20AC;&#x201C; a, Otelo, notas, s. 8 â&#x20AC;&#x201C; le, aio, a, gas, re. 9 â&#x20AC;&#x201C; amo, amargos, nĂłs. Verticais â&#x20AC;&#x201C; 1 â&#x20AC;&#x201C; bola, gala. 2 â&#x20AC;&#x201C; aposta, em. 3 â&#x20AC;&#x201C; cĂĄ, colo, o. 4 â&#x20AC;&#x201C; a, roleta. 5 â&#x20AC;&#x201C; re, areia. 6 â&#x20AC;&#x201C; asma, alom. 7 â&#x20AC;&#x201C; ta, o, a. 8 â&#x20AC;&#x201C; POC, ar. 9 â&#x20AC;&#x201C; ra, n, g. 10 â&#x20AC;&#x201C; pium, jogo. 11 â&#x20AC;&#x201C; ol, motas. 12 â&#x20AC;&#x201C; q, acecas. 13 â&#x20AC;&#x201C; ui, osos, n. 14 â&#x20AC;&#x201C; etapas, ro. 15 â&#x20AC;&#x201C; rodo, ases. Problema n.Âş 302/A: Horizontais â&#x20AC;&#x201C; 1 â&#x20AC;&#x201C; bom, anĂŁ, res. 2 â&#x20AC;&#x201C; avio, u, vera. ÂąPDOPiVÂżOÂąEOHVDD[LODÂąRQyPDGDV]ÂąPDORLPRVÂąUDUDV caros. 8 â&#x20AC;&#x201C; u, ralas, s. 9 â&#x20AC;&#x201C; n, b, sĂłs, m, b. 10 â&#x20AC;&#x201C; udos, i, maio. 11 â&#x20AC;&#x201C; s, morosas, a. Verticais â&#x20AC;&#x201C; 1 â&#x20AC;&#x201C; bambo, r, nus. 2 â&#x20AC;&#x201C; oval, mau, d. 3 â&#x20AC;&#x201C; milenar, bom. 4 â&#x20AC;&#x201C; o, solar, sĂł. 5 â&#x20AC;&#x201C; a, mamosas, r. 6 â&#x20AC;&#x201C; nua, a, loio. 7 â&#x20AC;&#x201C; ĂŁ, sĂĄdicas, s. 8 â&#x20AC;&#x201C; v, xamas, mĂĄ. 9 â&#x20AC;&#x201C; revisor, mas. 10 â&#x20AC;&#x201C; eril, sos, i. 11 â&#x20AC;&#x201C; salaz, s, boa. Seis palavras relacionadas com casino: Dados, cartas, croupier, mĂĄquinas, Espinho, Algarve. (QLJPDÂżJXUDGR Jogar ao rato e ao gato.

PALPITANDO

$FDGpPLFDHP3DoRVHQWUHGRLV%HQĂ&#x20AC;FDV terreno da equipa que estĂĄ em quarto lugar, o surpreHQGHQWH 3DoRV GH )HUUHLUD Antecedendo esta partida, a â&#x20AC;&#x153;Briosaâ&#x20AC;? deslocou-se, ontem, ao EstĂĄdio da Luz, para a Ăşltima jornada desta ronda GD7DoDGD/LJDMiVHPKLpĂłtese de prosseguir, e irĂĄ

receber, na prĂłxima quintaIHLUD GLD   WDPEpP R %HQĂ&#x20AC;FD GHVWD YH] SDUD RV TXDUWRVGHĂ&#x20AC;QDOGD7DoDGH Portugal, sendo a AcadĂŠPLFDDGHWHQWRUDGRWURIpX Aqui, pelo â&#x20AC;&#x153;Palpitandoâ&#x20AC;?, a GXSOD-RVp$OEHUWR&RHOKR H)UDQFLVFR$QGUDGHSURV-

JOSĂ&#x2030; M. PUREZA

seguem no pódio, com o terceiro lugar a ser disputado por um trio de peso: o FDEHoDGHOLVWDGHGHSXWDGRV do PSD por Coimbra; o exOtGHUSDUODPHQWDUGR%ORFR de Esquerda; e o presidente da Câmara de Gouveia e do &RQVHOKRGD5HJLmR&HQWUR

O calendårio dos jogos GD�MRUQDGDGRHVFDOmR SULQFLSDOGD/LJDGHIXWHbol Ê o seguinte: såbado, GLD²*XLPDUmHV0DUtWLPRjVK 6SRUW7Y  1DFLRQDO%UDJDjVK (SportTv); domingo, dia  ² 6HW~EDO0RUHLUHQVH

MARTA BRINCA

MIGUEL CORREIA

3DoRV GH )HUUHLUD$FDdĂŠmica e Gil Vicente5LR$YHWRGRVjVK 2OKDQHQVH6SRUWLQJ jV K 6SRUW7Y %HQĂ&#x20AC;FD 3RUWR jV K 6SRUW7Y  VHJXQGDIHLUD GLD ²%HLUD0DU(VWRULOjV K 6SRUW7Y 

JOSĂ&#x2030; ALBERTO COELHO

FRANCISCO ANDRADE

P. FERREIRA X ACADĂ&#x2030;MICA

2-1

2-1

1-1

1-0

1-1

1-1

1-1

0-1

0-1

1-1

0-2

1-0

BENFICA X PORTO

2-1

1-0

1-0

1-0

1-0

1-1

0-2

2-1

2-1

1-1

1-0

1-0

OLHANENSE X SPORTING

1-1

1-1

1-1

1-0

0-1

0-1

1-1

0-1

0-1

0-1

1-1

0-1

90

98

99

99

99

100

102

102

108

109

112

112

PALPITES

PONTOS

JOSĂ&#x2030; M. CANAVARRO

Ă LVARO AMARO

FUTEBOL

MĂ RIO NOGUEIRA

FĂ TIMA RAMOS

JOĂ&#x192;O P. BARBOSA MELO

HELENA FREITAS

MĂ RIO CAMPOS

Jogada a jogada, golo a golo, a Briosa joga nesta rĂĄdio...

P. FERREIRA X ACADĂ&#x2030;MICA DOMINGO, DIA 13, Ă&#x20AC;S 16H00 Relato: LuĂ­s Carlos Melo

Ouça na Internet em www.radioregionalcentro.com

ABC

A AcadĂŠmica entrou, este ano, com o pĂŠ direito no campeonato, ao vencer (4-2) o SetĂşbal, e, assim, subir de uma assentada quatro lugaUHVQDFODVVLĂ&#x20AC;FDomRFRPXP ponto acima do Sporting! Contudo, a prĂłxima desloFDomR p GLItFLO SRLV YDL DR


18

CULTURA / VINAGRETAS

QUINTA-FEIRA

w w w . campea o p r o vin cia s.co m

A Escola da Noite estreia nova peça No Teatro da Cerca de SĂŁo Bernardo, a Escola da Noite abre o ano com a apresentação da peça â&#x20AC;&#x153;Novas Directrizes em Tempos de Pazâ&#x20AC;?. Depois das ante-estreias na CovilhĂŁ, em Pombal e em Montemor-o-Velho, a encenação de AntĂłnio AuJXVWR%DUURVFKHJDĂ&#x20AC;QDOPHQWHD&RLPEUDRQGH Ă&#x20AC;FDUiHPFHQDGXUDQWHWUrVVHPDQDVDSDUWLUGH 24 de Janeiro. â&#x20AC;&#x153;Novas Directrizes em Tempos de Pazâ&#x20AC;?, da autoria de Bosco Brasil, ĂŠ considerado um dos melhores textos da draPDWXUJLDEUDVLOHLUDFRQWHPSRUkQHD2GUDPDWXUJRYLUiD&RLPEUDQRĂ&#x20AC;QDOGRPrV associando-se Ă estreia do espectĂĄculo e participando num conjunto de actividades complementares que a companhia estĂĄ a preparar para essa altura. A peça vai estar em cena de quinta-feira a sĂĄbado (21h30) e aos domingos (16h00). Reservas e outras informaçþes podem ser obtidas pelos telefones 239 718 238 e 966 302 488. Actividades didĂĄcticas na Mata do Bussaco

AtĂŠ ao dia 20 de Janeiro, grupos e famĂ­lias sĂŁo convidados a participar nas actividades didĂĄcticas que vĂŁo realizar-se na Mata Nacional do Bussaco. â&#x20AC;&#x153;Um ninho para um passarinhoâ&#x20AC;? pRWHPDGHXPDRĂ&#x20AC;FLQDGH trabalho dedicada Ă criação de espaços apropriados Ă s aves. Nesta actividade, para alĂŠm da sensibilização para a protecção da biodiversidade, os participantes vĂŁo ajudar a construir caixas-ninho para pequenas aves, que depois podem levar consigo para colocarem em locais Ă  sua escolha. A actividade ĂŠ gratuita para crianças atĂŠ aos seis anos, tendo um custo de 10 euros para os restantes participantes. Mais informaçþes podem ser obtidas atravĂŠs do telefone 231 937 000 ou por correio electrĂłnico para o endereço atividades@ fmb.pt. Tubo dâ&#x20AC;&#x2122;Ensaio com exposição de Andrea InocĂŞncio

da atĂŠ ao dia 31 de Janeiro e que corresponde a um projecto que surgiu enquanto Andrea InocĂŞncio escrevia ROLYUR´(XD)RWRJUDĂ&#x20AC;DHD Performanceâ&#x20AC;?, o terceiro da FROHFomR´5HĂ H[ÂľDFRQYLWH do The Portfolio Project. â&#x20AC;&#x153;Noites de Fadoâ&#x20AC;? prolongam-se no Atrium Solum

O Atrium Solum, em parceria com o grupo Fado ao Centro, promove quinzenalmente, Ă sexta-feira, pelas 20h30, uma sessĂŁo de fados. A iniciativa cultural arrancou sexta-feira e continua no prĂłximo dia 18. Em Fevereiro, o fado regressa Ă quele centro comercial nos dias 01 e 15, e em Março animarĂĄ nos dias 01, 15 e 29. Em Abril, a iniciativa decorre nos dias 12 e 26. JĂĄ em Maio estĂĄ agendada para os dias 10 e 24 e, em Junho, nos dias 7 e 21. â&#x20AC;&#x153;Miami & Key Westâ&#x20AC;? por Pedro Mota Curto

Pedro Mota Curto, sobre a cidade de Miami e a ilha tropical de Key West, ambas nos Estados Unidos da AmĂŠrica. Mostra colectiva de arte no RecordatĂłrio Junto ao Portugal dos Pequenitos, o RecordatĂłrio da Rainha Santa/Alfredo Bastos tem patente uma exposição colectiva de pintura e escultura inspirada em InĂŞs de Castro. A mostra, inaugurada na segunda-feira, conta com trabalhos de AntĂłnio Agante, De Matos Ferreira, Eliseu (Filho), Guia PimpĂŁo, MĂĄrio Silva, Nunes Pereira, Pedro Prata, SĂŠrgio Eliseu, Valdemar Peixoto, Vasco Berardo e Victor Costa. Paralelamente, no mesmo local, pode ser visitada a exposição â&#x20AC;&#x153;Livros de Cordelâ&#x20AC;?, de Paulino da Mota Tavares. â&#x20AC;&#x153;Casticismo e Unamuno e Torgaâ&#x20AC;? por Carlos Carranca

Carlos Carranca, poeta, ensaĂ­sta e declamador, ĂŠ o autor do livro â&#x20AC;&#x153;Casticismo em Unamuno e Torgaâ&#x20AC;?, que serĂĄ apresentado no sĂĄbado, pelas 17h00, no auditĂłrio do Centro de Artes e EspectĂĄculos (CAE) da Figueira da Foz. Tendo como base e referĂŞncia as Inaugurada na Ăşltima Escritor e fotĂłgrafo obras de Unamuno e Torga, semana, estĂĄ patente ao pĂş- amador, Pedro Mota Curto RDXWRUHODERURXXPDUHĂ Hblico na galeria do Tubo ĂŠ, tambĂŠm, um viajante xĂŁo sobre o que hĂĄ de mais dâ&#x20AC;&#x2122;Ensaio dâ&#x20AC;&#x2122;Artes, na Figueira e turista ocasional que se profundo na identidade da Foz, uma exposição com assume como aprendiz da nacional. A propĂłsito da trabalhos criados por Andrea complexidade humana. Da obra de Carlos Carranca, InocĂŞncio. Natural de Coim- sua autoria, podem ser apre- o ensaĂ­sta e crĂ­tico literĂĄrio bra, esta artista multidiscipli- ciada uma exposição de fo- EugĂŠnio Lisboa explica nar, com trabalhos nas ĂĄreas WRJUDĂ&#x20AC;DVSDWHQWHDRS~EOLFR que o objectivo do escritor GDIRWRJUDĂ&#x20AC;DSHUIRUPDQFH na sala de Afonso Cruz, do foi o de mostrar â&#x20AC;&#x153;Ă boleia instalação, desenho e produ- Centro de Artes e EspectĂĄ- dos dois grandes escritores ção teatral, fez uma residĂŞn- culos (CAE) da Figueira da ibĂŠricos, um casticismo nĂŁo cia artĂ­stica em Novembro Foz. Intitulada â&#x20AC;&#x153;Miami & redutor, nĂŁo paroquial, nĂŁo Ăşltimo, na Figueira da Foz. O Key Westâ&#x20AC;?, a mostra reve- reaccionĂĄrio, mas, antes, resultado ĂŠ a mostra â&#x20AC;&#x153;Hair in la diferentes pormenores, universal e claramente aberthe Airâ&#x20AC;?, que pode ser visita- captados pela objectiva de to a outros alimentosâ&#x20AC;?.

10

DE JANEIRO DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

V I N A G R E T A S

â&#x20AC;&#x153;Vinagreâ&#x20AC;?... balsâmico â&#x20AC;&#x201C; As Vinagretas, imagem de marca deste Jornal, anunciam-se enfezadas para este ano. Prevemos uma anemia de grau mĂŠdio susceptĂ­vel de nos afectar a impetuosidade. Nada de grave, mas o bastante para que disso informemos os nossos leitores. Lealdade com lealdade se paga. NĂŁo se trata de um estado anĂŠmico solidĂĄrio com o estado do PaĂ­s ou com a interpretação anĂŠmica que o Presidente da RepĂşblica faz dos seus poderes. Em ano de eleiçþes autĂĄrquicas, talvez seja recomendĂĄvel nĂŁo dar pretexto a que personalidades mais sensĂ­veis se melindrem ou vejam nas Vinagretas intençþes que as prĂłprias Vinagretas nĂŁo comportam. Bem sabemos que hĂĄ quem nĂŁo goste nada desta secção. Porque Ă s vezes pode ser injusta, ĂŠ verdade, e exceder-se aqui e alĂŠm. Mas bastaria um pouco mais de capacidade de encaixe e daqui nĂŁo viria mal nenhum ao mundo. Mas uma secção destas ĂŠ como a emigração para Angola: uns, a grande maioria felizmente, vĂŁo para ganhar a vida; outros, os chicos espertos mais ligados Ă s serventias polĂ­ticas, foram para livrar o rabinho das SRUFDULDVTXHSRUDtĂ&#x20AC;]HUDP

E quando regressarem (e regressam logo que lhes cheire a alcatrĂŁo) voltam a ser uns â&#x20AC;&#x153;senhoresâ&#x20AC;?. Com as Vinagretas ĂŠ parecido. Uns nĂŁo gostam porque alguma vez VHVHQWLUDPMXVWLĂ&#x20AC;FDGDPHQWH ou nĂŁo, melindrados. Temos pena que isso aconteça e pedimos imensas desculpas. Outros nĂŁo gostam por causa dos rabos de palha. Outros nĂŁo gostam ainda porque esta nĂŁo ĂŠ uma forma SDFtĂ&#x20AC;FDQHPLVHQWDGHFUtWLca, de fazer jornalismo. Mas num paĂ­s como este, num tempo como este, Ă s vezes ĂŠ a forma possĂ­vel de remar contra a marĂŠ e de resistir ao conformismo nacional, que ĂŠ uma doença bem mais grave do que esta anemia para que esperamos cura. Assim sendo, e prevenido o leitor, contem connosco. Com a força adequada ao tempo e Ă  ocasiĂŁo. â&#x20AC;&#x153;O segredoâ&#x20AC;? â&#x20AC;&#x201C; A procuradora-geral da RepĂşblica, recentemente investida no cargo, mandou averiguar o desfecho das investigaçþes sobre violação do segredo de Justiça efectuadas nos Ăşltimos dois anos. Eduardo Dâmaso, director-adjunto do Correio da ManhĂŁ, assinala tratar-se de â&#x20AC;&#x153;um crime que incomoda muito as benditas

elitesâ&#x20AC;?; incomoda, diz o jornalista, â&#x20AC;&#x153;quando toca alguns amigosâ&#x20AC;? [das benditas elites], â&#x20AC;&#x153;mas nunca (â&#x20AC;Ś) faz saltar do sofĂĄ quando evolve pessoas anĂłnimasâ&#x20AC;?. â&#x20AC;&#x153;Ă&#x2030; um crime que os incomoda mais do que a corrupçãoâ&#x20AC;? e â&#x20AC;&#x153;mais do que o ÂŤburacoÂť do BPNâ&#x20AC;?. Fim de ciclo ? â&#x20AC;&#x201C; A 06 de Janeiro de 2011, o humorista Ricardo AraĂşjo Pereira aludiu a â&#x20AC;&#x153;razĂľes bastante vĂĄlidasâ&#x20AC;? para acreditar que Portugal podia nĂŁo conseguir durar mais dois anos. ´4XDQGRRĂ&#x20AC;PGRPXQGR chegar, em Dezembro de 2012, o paĂ­s pode jĂĄ ter acabado hĂĄ meses, se ĂŠ que nĂŁo acabou hĂĄ anos (â&#x20AC;Ś)â&#x20AC;?, escreveu o articulista da revista VisĂŁo, acrescentando: â&#x20AC;&#x153;Na eventualidade remota de Portugal nĂŁo ter ainda acabado a 21 de Dezembro de 2012, creio que nĂŁo acabarĂĄ nesse diaâ&#x20AC;?. Eis a explicação para o prognĂłstico, feito em Janeiro de 2011: â&#x20AC;&#x153;O mundo SRGHDFDEDUQRĂ&#x20AC;QDOGH mas Portugal sĂł acabarĂĄ, na melhor das hipĂłteses, no primeiro trimestre do ano seguinte; a 21 de Dezembro nĂŁo estarĂŁo reunidas todas as condiçþes para o encerramentoâ&#x20AC;?, porquanto â&#x20AC;&#x153;determinados directores de organismos terĂŁo ido de fĂŠ-

Ă&#x201A;ngulo inverso

Por quĂŠ te callas, Manuela? GERALDO BARROS

SĂĄbado solarengo. PĂĄtio das Escolas. Todos se juntaram para ouvir Manuela Ferreira Leite, ex-ministra das Finanças e outrora lĂ­der do PSD, a falar sobre â&#x20AC;&#x153;A polĂ­tica nos dias de hojeâ&#x20AC;?, tema de uma conferĂŞncia que a trouxe Ă Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, a convite do Instituto de Direito Penal EconĂłmico e Europeu. Ao contrĂĄrio das expectativas criadas, os jornalistas foram avisados, instantes antes, que nĂŁo poderiam assistir Ă  prelecção. Lamentamos. Interpelada Ă  porta da sala, Manuela Ferreira Leite esclareceu, sem margem para dĂşvidas ou insistĂŞncias, que nĂŁo faria qualquer conside-

ração sobre os assuntos da actualidade. Constata-se que veio preparada para nada dizer â&#x20AC;&#x201C; Ă comunicação social â&#x20AC;&#x201C; algo que pudesse comprometer ou ser entendido como crĂ­tica ao Governo de Pedro Passos Coelho. Mesmo que o tema seja pertinente e dado a tecer consideraçþes sobre o estado da Nação. NĂŁo se percebe. Logo ela, ponderada e coerente que, num exercĂ­cio de admirĂĄvel lucidez, parecia estar imune Ă  cegueira partidĂĄria, de cada vez que fazia alvo de reparos algumas polĂ­ticas do actual Governo. Ela, Manuela Ferreira Leite, que zurziu ferozes crĂ­ticas aos executivos liderados por JosĂŠ SĂłcrates. Que ĂŠ feito de tal conselheira? Calou-se? Aparentemente, sim. Ques-

tionada pelo redactor do CampeĂŁo sobre se as questĂľes sociais teriam cabimento na sua intervenção aos alunos, Ferreira Leite esboçou uma resposta. â&#x20AC;&#x153;A vertente social tem cabimento sempre que se fala de economia. Porque a economia ĂŠ uma ciĂŞncia socialâ&#x20AC;?, disse, sem mais adiantar, apesar da insistĂŞncia. NĂłs, portugueses, jornalistas e cidadĂŁos, que tanto querĂ­amos ouvi-la a falar sobre Portugal, saĂ­mos dali sem um vislumbre, sequer, do que pensa Manuela sobre a polĂ­tica actual, a do seu partido. Assim, nĂŁo restou aos jornalistas outra alternativa se nĂŁo ir beber uma bica ao bar de Direito e pedir a respectiva factura, se faz favor. A bem do paĂ­s e porque Gaspar assim o pede.


10

QUINTA-FEIRA

VINAGRETAS

DE JANEIRO DE 2013 CAMPEĂ&#x192;O DAS PROVĂ?NCIAS

19

www.ca m p e a o p r o vin cia s.co m

V I N A G R E T A S

S E A R A

A L H E I A

â&#x20AC;&#x153;Temos um Presidente da RepĂşblica que, entre a Constituição de que ĂŠ garante e o memorando com a ÂŤtroikaÂť, escolhe este e KLSRWHFDDTXHOD  &DYDFR6LOYDpĂ&#x20AC;JXUDGHUHIHUrQFLDGDVGLUHLWDV tecnocrĂĄticas e dos economistas do deslaçamento social para quem a democracia ĂŠ um estorvoâ&#x20AC;?. JosĂŠ Manuel Pureza, no DiĂĄrio de NotĂ­cias de 04/01/2013 rias e apenas voltam a poder GHVSDFKDUHP-DQHLURÂľ´+DYHUiSDSHODGD ÂŤ jHVSHUD de assinatura e carimbo atĂŠ 0DUoRGHÂľLURQL]DYDR humorista, cujas capacidades de vaticĂ­nio levam a pensar que, contrariando Pedro Passos Coelho, podemos estar mesmo num â&#x20AC;&#x153;ciclo viciosoâ&#x20AC;?. 6LJQLILFDUi D ŠFDOLQDGDÂŞ GH Coelho, que trocou cĂ­rculo por ciclo, a hipĂłtese de estar LPLQHQWHRĂ&#x20AC;PGRFLFORGD (des)governação?

Copacabana â&#x20AC;&#x201C; A Imprensa OLVERHWDUHIHULXVHKiGLDVjVIpULDV GHĂ&#x20AC;PGHDQRGRPLQLVWUR0LJXHO 5HOYDVHGRVH[JRYHUQDQWHV0DQXHO 'LDV /RXUHLUR H -RVp /XtV $UQDXWJR]DGDVQR5LRGH-DQHLUR QR OX[XRVR KRWHO &RSDFDEDQD Palace). Loureiro ĂŠ um cidadĂŁo do PXQGR5HOYDVYDLFRPIUHTXrQFLD DR%UDVLOHRHVFULWyULRGHDGYRFDFLDGH-RVp/XtVWHYHSDUWLFLSDomR QR SURFHVVR GH SULYDWL]DomR GD empresa Aeroportos de Portugal $1$ HQDWHQWDWLYDGHSULYDWL]Dção da TAP.

NĂŁo hĂĄ machado... ²$-6'&RLPEUDDVVLQDORXR ´'LDGH5HLVÂľFRPXPD´DFomRVDWtULFDÂľUHDOL]DGDjSRUWD da sede da Federação distrital do Partido Socialista. â&#x20AC;&#x153;A acção consistiu na entregaâ&#x20AC;?, a cargo dos ÂŤreis magosÂť, de ´SUHVHQWHVTXHGHYHUmRVHU~WHLVjFDPSDQKDGH0DQXHO 0DFKDGRÂľFRPRFDQGLGDWRVRFLDOLVWDjOLGHUDQoDGR0XQLFtSLRFRQLPEULFHQVHLQGLFRXD-6'$RSUHVLGHQWHGD &RPLVVmR&RQFHOKLDGD-6&RLPEUD0DQXHO0LODJUHR FRQJpQHUH GD -6' 'LQR $OYHV HQYLRX D VHJXLQWH PLVVLYD ´(P DJUDGHFLPHQWR DR SRPER WmR DPDYHOPHQWH RIHUHFLGRDR6USUHVLGHQWHGD&kPDUD>-RmR%DUERVDGH 0HOR@D-6'GHFLGLXFHOHEUDUR´'LDGH5HLVÂľGHXPD IRUPDGHPRFUiWLFDQmRHVTXHFHQGRD-XYHQWXGH6RFLDOLVWD nesta quadra natalĂ­cia especialmente dedicada aos mais pequeninos. Tendo sido recentemente divulgado o nome GRFDQGLGDWRGR36jOLGHUDQoDGDHGLOLGDGHRDQWLJRSUHVLGHQWH0DQXHO0DFKDGRHSRUTXHHVWDPRVQXPDpSRFD GHVROLGDULHGDGHYHLRD-6'DFRPSDQKDGDSRUWUrVŠUHLV PDJRVÂŞHQWUHJDUWUrVVLPEyOLFRVSUHVHQWHVQRQÂ&#x17E;GD UXDGH2OLYHLUD0DWRV&RPRFRPSUHHQGHUiGDGDDVLWXDomRHFRQyPLFDHPTXHRHQJ6yFUDWHVGHL[RX3RUWXJDO antes de emigrar para França, (...) o ouro, o incenso e a PLUUDHVWmRIRUDGDVQRVVDVSRVVLELOLGDGHV1RHQWDQWR VDEHQGRGLItFLORFDPLQKRDXWiUTXLFRTXHRVFDPDUDGDVGH &RLPEUDWHUmRGHWULOKDUHPGHFLGLPRVRIHUHFHUYRV WUrVREMHFWRVTXHFRQVLGHUDPRVGHPDLRUXWLOLGDGH(P SULPHLUROXJDUHQWUHJDPRVXPFDOHQGiULRGHSDUD TXHR36&RLPEUDQmRHVTXHoDTXHRWHPSRQmRDQGD para trĂĄs e que o nosso concelho evoluiu, nĂŁo sendo as HVFROKDVGRSDVVDGRVROXomRSDUDRVGHVDĂ&#x20AC;RGRIXWXUR 2VHJXQGRSUHVHQWHFRQVLVWHHPERODVGHQDIWDOLQDSDUD TXH>DV@RIHUHoDPDRFDQGLGDWRTXHWDQWRVDQRVGHSRLV voltaram a tirar do armĂĄrio e que, a bem desta cidade, SDUDOiKiGHYROWDU3RUĂ&#x20AC;PRIHUHFHPRVXPDDOPRIDGD da Zara, para que, caso, em sonhos, vejam cumpridos os

´&DYDFR6LOYDpXPSROtWLFRSURĂ&#x20AC;VVLRQDO(DVXDPHQVDJHP GHDQRQRYRIRLLVVRPHVPRXPH[HUFtFLRGHSXUDSROtWLFDSURĂ&#x20AC;VVLRQDO'DTXHODTXHSRUGL]HUXPDFRLVDHRVHXFRQWUiULRWHP FRQGX]LGRDXPDDOHUJLDFUHVFHQWHGRVSRUWXJXHVHVSHODSROtWLFDÂľ Idem, Ibidem â&#x20AC;&#x153;O que verdadeiramente lhe causa preocupação ĂŠ que possa JDQKDUIRUoDDH[LJrQFLDGHUHQHJRFLDomRGDGtYLGD  &XPSULU o memorando para que tenhamos imagem de bom aluno e os FUHGRUHVSRVVDPFRQWLQXDUDĂ&#x20AC;QDQFLDUXPDHFRQRPLDGHEDL[RV VDOiULRVGHEDL[DTXDOLĂ&#x20AC;FDomRHGHGLUHLWRVPtQLPRV²HVVHpR GHVtJQLRGH&DYDFR6LOYD(SDUDTXHHOHVHFXPSUDR3UHVLGHQWH toca a reunirâ&#x20AC;?. Idem, Ibidem

REMHFWLYRVSDUDDVSUy[LPDVHOHLo}HVDXWiUTXLFDVSRVVDP YROWDUDDGRUPHFHUDQRVVDFLGDGHFRPRĂ&#x20AC;]HUDPQRV anos de marasmo em que estiveram no poder, promovendo Coimbra enquanto pequena cidade provinciana, da â&#x20AC;&#x2DC;Cabraâ&#x20AC;&#x2122; e dos Hospitaisâ&#x20AC;?. Posto isto, o redactor das 9LQDJUHWDVFRQFOXLQmRKDYHUPDFKDGRTXHFRUWHDUDL] j LUUHYHUrQFLD GRV MRYHQV VRFLDOGHPRFUDWDV 4XDQWR j HVFROKDGDDOPRIDGDRUHGDFWRUVyYrXPDMXVWLĂ&#x20AC;FDomR TXHFRQVLVWHQRIDFWRGHRSURSULHWiULRGD=DUDDQGDUD VHUIDODGRFRPRXPGRVHPSUHViULRVPDLVULFRVGRPXQGR6HD-6'&RLPEUDWLYHURXWUDTXHQRODIDoDFKHJDU

´(VWHpXPWHPSRHPTXHRVQRPHVWHQGHPDĂ&#x20AC;FDUGHVORFDdos das coisas que deveriam representar. (...) Chamamos Governo a um grupo de pessoas eleitas por se terem destacado na luta contra as medidas de austeridade do anterior Governo, mas que DJRUDDFWXDPFRPRGHOHJDGRVGRSRGHUHIHFWLYRGRVFUHGRUHV H[WHUQRV8P*RYHUQRTXHSUHIHUHHQIUHQWDURVSDUFHLURVVRFLDLV e os cidadĂŁos comuns a dialogar prudencialmente com a ÂŤtroikaÂť. (VWHpXPWHPSRHPTXHDVFRLVDVPXGDPUDSLGDPHQWHGHIRUPD HOXJDU­VYH]HVĂ&#x20AC;FDPRVVR]LQKRV&RPSDODYUDVYD]LDVÂľ Viriato Soromenho-Marques, no DiĂĄrio de NotĂ­cias de 04/01/2013

NĂŁo hĂĄ azar(a) ² $ &RPLVVmR &RQFHOKLD GD -6 &RLPEUDTXHDFKRXSRUEHP´DJUDGHFHUj-6'ÂľVHQWH VHOLVRQMHDGDSRUHODH0DQXHO0DFKDGRWHUHPVLGR´RV DOYRVÂľ GR JHVWR GH LUUHYHUrQFLD SURYHQLHQWH GD UXD GH /RXUHQoR $OPHLGD $]HYHGR ´&RQWXGR D -6 DQDOLVD D LQLFLDWLYD LUUHYHUHQWH FRP DOJXPD HVWUDQKH]D H LQFRPpreensĂŁo sobre o seu conteĂşdoâ&#x20AC;?, assinalando que â&#x20AC;&#x153;a -6'DJHFRPRVHGHXPDIRUoDGHRSRVLomRVHWUDWDVVHÂľ â&#x20AC;&#x153;Concentrarem-se em atacar o candidato de outro partido GHPRQVWUDDIRUoDHVSHUDQoDHXQLmRTXHDFDQGLGDWXUD GR36HQFDEHoDGDSRU0DQXHO0DFKDGRGiDWRGRVRV FRQLPEULFHQVHVÂľDOHJDDHVWUXWXUDOLGHUDGDSRU0DQXHO 0LODJUH1HVWHFRQWH[WRRVMRYHQVVRFLDOLVWDVDGYHUWHP RVVRFLDOGHPRFUDWDVTXHWDOYH]RFDOHQGiULRIRVVH´PDLV ~WLOÂľDRVPHPEURVGDFROLJDomRGH&HQWUR'LUHLWDGD&kPDUD0XQLFLSDOGH&RLPEUD´SDUDSHUFHEHUHPTXHMiVy WHPPHLDG~]LDGHPHVHVSDUDID]HUDOJRPDLVÂľ4XDQWR jVERODVGHQDIWDOLQDGL]HPRVMRYHQVGDUXDGH2OLYHLUD 0DWRVTXHHODVVmR´SDUDTXHPSiUDHGHVLVWHVHVXEMXJD DRLQHYLWiYHOUXPRVHPHVWUDWpJLDTXHR36'&DUORV(QFDUQDomRH-RmR%DUERVDGH0HORGHL[DUDPjFLGDGHÂľ$ -6&RLPEUDHVWUDQKDSRURXWURODGRDRIHUWDGHXPDDOPRIDGDHMXOJDSUHIHUtYHOTXHIRVVHFRPSUDGDHPTXDOTXHU ORMDGDŠ%DL[DÂŞ´1mRID]TXDOTXHUVHQWLGRGDUDOPRIDGDV para dormir a quem decide arregaçar as mangas de novo, SDUD GDU XPD UHQRYDomR HVWUDWpJLFD j FLGDGH SDUD OKH SHUPLWLUXPQRYRIXWXURHFRORFiODFRPR0XQLFtSLRGH UHIHUrQFLDQDFLRQDODRLQYpVGH0XQLFtSLRGHLQGLIHUHQoD UHJLRQDOÂľDFUHVFHQWDD-XYHQWXGH6RFLDOLVWDTXHDSURYHLWD SDUDUHSOLFDUFRPDWDUGLDUHDEHUWXUDGRFDIp&DUWRODVRE DJHUrQFLDGDQDPRUDGDGHXPDXWDUFDGR36'6HSRVVXL RXWUDH[SOLFDomRSDUDDRSomRGH'LQR$OYHVSHODFRPSUD GH XPD DOPRIDGD GD HPSUHVD PXOWLQDFLRQDO GH RULJHP HVSDQKROD0LODJUHQmRDGLYXOJD­ŠDOĂ&#x20AC;QHWDGDÂŞGD-6' D-6UHVSRQGHTXHQmRKiD]DU D 

â&#x20AC;&#x153;O casamento da ANA, uma historieta que tem tudo para VDLUPXLWRFDUD3DVVRDH[SOLFDUD$1$JHULDRVDHURSRUWRVFRP OXFURVIDEXORVRVSDUDRVHXSDL(VWDGRTXHHQWUHWDQWRIDOLGROHLORRXDĂ&#x20AC;OKDDRPHOKRUSUHWHQGHQWH8PIUDQFrVGHDSHOLGR9LQFL especialista em autoestradas e mais recentemente em aeroportos, SHGLXDQRVVD$1$HPFDVDPHQWR(R(VWDGRHQWUHJRXDSHOD PHOKRUPDTXLD  2*RYHUQRUHMXELORXFRPRHQFDL[HÂľ Daniel Deusdado, no Jornal de NotĂ­cias de 03/01/2013 ´2FDVDPHQWRUHVXOWDUiQLVWRVHFRUUHUEHPRVIUDQFHVHV e grupos envolvidos ganham. Correndo mal, pagamos nĂłs. Se ainda estivermos em Portugal, claro. Idem, Ibidem â&#x20AC;&#x153;NĂŁo tenho dĂşvidas que este ĂŠ o primeiro momento dos ~OWLPRVFLQTXHQWDDQRVHPTXHYLYHPRVVHPHVSHUDQoD(QmR ĂŠ possĂ­vel viver sem esperança! Quando vivĂ­amos em ditadura, tĂ­nhamos a esperança da conquista da liberdade e da democracia. (QTXDQWRGXURXRĂ DJHORGDJXHUUDFRORQLDORVMRYHQVHRVSDLV alimentaram-se da esperança do seu termo inevitĂĄvel. Com a democracia, vivemos, todos, a esperança de um paĂ­s mais desenvolvido e mais justoâ&#x20AC;?. LuĂ­s ParreirĂŁo, nâ&#x20AC;&#x2122;As Beiras de 02/01/2013 ´23UHVLGHQWHGD5HS~EOLFDWHPXPDYLUWXGHLQHVWLPiYHO pSUHYLVtYHO(VWiQRVHXIHLWLRXPFHUWRSDYRUSHODFULDWLYLGDGH 6DEHVHHPFDGDPRPHQWRRTXHYDLID]HU  1LVWRQmRHQJDQD QLQJXpP(UDHVSHUDGRRTXH&DYDFR6LOYDLULDGHFLGLUVREUHR 2UoDPHQWRSURPXOJiORHSHGLUDĂ&#x20AC;VFDOL]DomRVXFHVVLYDDR7ULEXQDO&RQVWLWXFLRQDO)RLRTXHIH]6yHVFXVDYDGHWHUHVSHUDGR atĂŠ ao Ăşltimo dia. (...) desde o primeiro dia que estava tomada a GHFLVmRGHHQYLDUDŠEDWDWDTXHQWHÂŞSDUDRVMXt]HVFRQVWLWXFLRQDLV (OHVTXHGHFLGDPHĂ&#x20AC;TXHPFRPWRGDVDVFXOSDV&DYDFRQmRp homem para grandes passosâ&#x20AC;?. Manuel Catarino, no Correio da ManhĂŁ de 02/01/2013

Serviços Centrais: Baixa - Avenida Fernão Magalhães nº.92, 3000-607 Coimbra tel: 239855855 fax: 239855851 | Celas - 239854080 | Vale das Flores - 239793930 Solum - 239792079 | Quinta da Vårzea - 239440666 | Lousã - 239994033 Fig. da Foz - 233403060 | Aveiro - 234425999 | Condeixa - 239944666 | Portela - 239793939

29077

PUBLICIDADE


10

ÚLTIMA

20

QUINTA-FEIRA

DE JANEIRO DE 2013 CAMPEÃO DAS PROVÍNCIAS

www.ca m p e a o p r o vin cia s.co m

Crédito Agrícola credor de Luís Godinho

Faculdade de Medicina da UC posta em xeque

Reitor anula concurso para pós-graduação R.A.

O reitor da Universidade de Coimbra, João Gabriel Silva, acaba de anular um procedimento concursal para frequência de um curso de pós-graduação da Faculdade de Medicina, contestado por um candidato, soube o “Campeão”. O despacho reitoral teve lugar na pendência de uma acção interposta PUBLICIDADE

em Tribunal que visava a intimação da Faculdade de Medicina a admitir e a inscrever o candidato no sobredito curso de pósgraduação no ano lectivo de 2012/2013, através da criação de uma vaga extra. A revogação de actos concursais praticados, ordenada por João Gabriel, foi fundamentada com a ´YHULÀFDomR GD RFRUUrQFLD de vários vícios de viola-

ção de lei”, causadores de “ofensa aos princípios da imparcialidade, transparência e legalidade”. A juíza do Tribunal Administrativo e Fiscal de Coimbra (TAFC) Beatriz Cruz condenou a Faculdade a pagar as custas do processo, cujo queixoso se fez representar pelos advogados José Pais do Amaral e Ana de Sousa. O referido candidato

recorreu ao TAFC alegando a existência de irregularidades, que, segundo ele, foram reconhecidas por um subdirector da Faculdade de Medicina, José Pedro Figueiredo. Três vagas para um curso de pós-graduação em ortodontia (Medicina Dentária) eram disputadas por nove pessoas. O queixoso tinha reclamado, por escrito, mas não obtivera resposta do júri.

Luís Patrício demarca-se do CF da Académica/OAF O presidente da Caixa de Crédito Agrícola Mútuo de Coimbra (CCAMC), Luís Patrício, não tomou posse para segundo mandato de membro do Conselho Fiscal da Académica/OAF, apesar de ter sido reconduzido em 2011, disseram ao “Campeão” fontes do clube. Patrício ingressou no CF da Briosa, em 2008, perto de um ano depois de ter sido eleito para liderar o Crédito Agrícola de Coimbra. Fontes próximas do gestor disseram ao nosso Jornal que ele está arrependido de ter aceitado o repto do presidente da Direcção, José Eduardo Simões, para SHUWHQFHUDRyUJmRGHÀVFDlização das contas do clube. A CCAMC acaba de ser objecto de intervenção da Caixa Central, ao abrigo

do Regime Jurídico das Cooperativas de Crédito Agrícola. Um dos vice-presidentes da Académica/OAF, Luís Godinho, na qualidade de empresário, é um dos devedores à CCAMC, a par do clube, da sociedade Dan Cake (vide anterior edição) e da Associação Comercial e Industrial de Coimbra (ACIC). Interpelado pelo “Campeão”, o gestor declinou tecer considerações sobre a questão dos créditos, tendo invocado “o dever de sigilo a que alude o artigo 78º. do Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras”. Quanto à intervenção da Caixa Central, Luís Patrício inscreve-a na “necessidade de dar atenção a aspectos organizacionais e de gestão”.

Inconformada com um oito

Candidata impugna concurso da Câmara da Figueira da Foz Catarina Maia, funcionária da Câmara de Penela, vai impugnar em Tribunal Administrativo um procedimento concursal da Câmara Municipal da Figueira da Foz (CMFF) para recrutamento de um(a) técnico(a) superior(a) de planeamento regional e urbano, soube o “Campeão”. A opositora ao concurso, classificada com oito valores na entrevista de avaliação de competências (conduzida apenas por um membro do júri e sem a presença de público), alega que, com nota 10, teria sido a vencedora. Em fase de avaliação curricular, aquela candidata obteve 13,80 valores; duas outras opositoras ao concurso submeteram-se a prova escrita de conhecimentos teóricos, uma alcançou 16,83 valores e outra 10,15. Numa prova de avaliação psicológica a que se submeteram as outras duas mulheres, uma (vencedora do concurso) foi

FODVVLÀFDGD FRP  YDORres e outra com 12. Segundo a CMFF, a aplicação dos métodos de selecção foi “a adequada” à relação jurídica de emprego público pela qual a candidata está abrangida. A mesma autarquia sustenta, ainda, que a entrevista de avaliação de competências obedeceu à tramitação legal para ela estabelecida. O presidente da edilidade figueirense, João Ataíde, negou provimento a um recurso hierárquico interposto pela referida candidata acerca da decisão do júri. Licenciada em planeamento regional e urbano pela Universidade de Aveiro, Catarina Maia efectuou estágio profissional na CMFF, trabalhou no Gabinete de Apoio Técnico sediado na Lousã (destacada da Câmara de Penela), prestou serviços a empresas privadas e, mediante concurso, regressou à autarquia penelense.

jornal656_10_01_2012  

Edição em PDF do semanário Campeão das Províncias n.º 656 de 10/01/2013