Page 1

TCP/TEEB Nossa Banda - nº 3 01 de janeiro de 2011 - www.caminhodapaz.com.br

A Caminho da Paz

MENSAGEM DO MÊS:

ENTREVISTA:

Mensagem dos Mentores do TCP.

Armando Fernandes: Presidente do  Templo Nossa Banda ●  1 A Caminho da Paz


Editorial Queridos Irmãos,

Sugestões, dúvidas e críticas:

A

A revista Nossa Banda, é uma publicação do Templo A Caminho da Paz e da Tenda Espírita Estudantes do Bem. Todos os direitos reservados. Copias e matérias são autorizados, mediante aos devidos créditos.

Revista Nossa Banda nesta edição presta homenagem ao Templo A Caminho da Paz, pelo seu 10º Aniversário.

caminhodapazmidia@gmail.com

Vamos contar como foi a fundação da instituição e seus projetos sociais realizados. Armando Fernandes, presidente e fundador do TCP nos concede uma entrevista especial. Nesta edição trazemos também fotos da Sessão Anual de Praia, Sessão festiva das Yabás. Que de 2011 seja de saúde, paz e prosperidade para todos os irmãos. Boa leitura a todos. Que o Pai Oxalá nos ilumine. TCP/TEEB caminhodapazmidia@gmail.com

O que é Umbanda? Não precisa criar teorias mirabolantes, é só seguir exatamente o que o Caboclo das Sete Encruzilhadas nos ensinou. Umbanda é Amor e Caridade. Para nós filhos de fé, essa mensagem do Caboclo tem que estar sempre viva em nossa mente e principalmente em nosso coração, pois só o Amor nos fortalece, nos revigora, nos da luz, e o ato da Caridade nos faz renovar nossos sentimentos, faz o Amor se propagar por todos os que estão a nossa volta. Essa é a “nossa banda”, a “banda do Um”, a nossa Umbanda, a banda do Amor e da Caridade.


Sumário 6 - Mensagem do Mês 11 - Perguntas e Respostas 12 - Sessão Anual de Praia 16 - 10 Anos do TCP

»

22 -Assistência Social - TCP 26 - Entrevista - Armando Fernandes 32 -Calendário 34 -Cantinho de Pai Cipriano 38 -Casa de Zarithamy 40 - Casa do Caboclo Sete Flechas

»


Dirigentes do TCP

Armando Fernandes (Presidente do TCP) e Cristina Fernades (Subcomandante do TCP)

TCP/TEEB - www.caminhodapaz.com.br


PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

LEI N.º 3.735 DE 14 DE ABRIL DE 2004 Concede o título de utilidade pública ao Templo a Caminho da Paz. Autora:Vereadora Eliana Ribeiro O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1.º Fica considerado de utilidade pública o Templo a Caminho da Paz, com sede e foro no Município. Art. 2º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

CESAR MAIA

http://twitter.com/caminhopazmidia

http://www.youtube.com/caminhodapazmidia Nossa Banda   ●  5


Mensagem do Mês Mensagem do Caboclo Sete Flechas Foi na beira de um riacho de águas cristalinas ,abençoado pela floresta e por toda força elemental da natureza, onde um grupo de irmãos,cuja preocupação, naquele momento, era buscar o progresso espiritual através do Caminho da Paz. Naquela hora, uma estrela brilhante desceu de Aruanda confirmando mais um pontinho de luz que seria um novo Templo de Umbanda plasmado no astral em 20 de janeiro do ano de 2001 na Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. Abençoado pelas forças do Caçador Divino, este humilde índio foi o escolhido para ser o arauto dessa boa nova: Um novo Caminho para que todos soubessem que a UMBANDA é fé, humildade, amor e caridade. Com as primeiras diretrizes traçadas, com as bênçãos de Tupã e a proteção dos sagrados Orixás, nascia um novo caminho para todos que desejassem a transformação, a cura e a paz interior: “O Templo a Caminho da Paz”. Dez anos se passaram desde aquele mágico encontro de forças na floresta. Dez anos de trabalho na prática da caridade sem distinção. O desejo da Cúpula Espiritual, no décimo ano de fundação dessa instituição, é de continuar sempre elevando o nome da Sagrada Lei de Umbanda praticando a caridade sem olhar a quem, transformando corações, curando almas e ensinando aos filhos a buscar a sua paz interior com o edificante trabalho de servir ao próximo. Caboclo Sete Flechas das Almas Rio de Janeiro, 14 de dezembro de 2010

6  ●  Nossa Banda


Mensagem de Pai Cipriano das Almas Saravá filhinhos do Caminho! “Véio” não tem muito a falar. ”Véio” gosta mesmo”mizifios” é de trabalhar. Fazer o bem a quem precisar. Mas tem uma coisinha que ficou marcada na estrada desse “Véio". Sempre por ser obediente aceitou os maiores dos mistérios. Tudo em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo. Militei por muitos anos, com o meu menino, na caridade. No atendimento direto aos necessitados de uma palavra, uma direção na vida, um simples abraço fraterno. Um belo dia, na Macaia, uma estrela iluminou um valoroso grupo, dando início ao Templo a Caminho da Paz. Fiquei no meu cantinho quieto, como sempre faço. Foi então que o “Penacho” desta casa, numa reunião no astral superior, anunciou quem seria o regente dessa orquestra de Oxalá. Que surpresa pra “Véio”! Seria esse “nego véio”o comandante dessa nova seara! Ao aceitar humildemente essa missão, muito grato pela confiança da espiritualidade, “Véio” deixou claro como pretendia militar como Comandante desse barco. Saberia ouvir e respeitar a todos os militantes da Cúpula Espiritual do Caminho, mas teria sempre a palavra final que deveria ser respeitada por todos. E assim, é o que tem ocorrido nesses dez anos. Os espíritos amigos dessa seara respeitam a batuta do “Véio” e juntos seguimos fraternalmente na mais completa harmonia. Os “fios” encarnados do Caminho é quem muitas vezes desarmonizam a vibratória da Casa e dão o maior trabalho ao ‘Véio” para consertar tudo. Mas “nego” é paciente! Aprendeu na escola da vida que a fruta só é saborosa quando colhida no tempo certo. Os filhos vão aprender, com o exemplo da Cúpula Espiritual desse Caminho, a prática do amor fraternal. Estamos juntos completando dez anos de fundação desta Seara bendita onde milito com todo meu amor e dedicação. Deixo a todos a minha gratidão por me acompanharem nessa missão e pelo respeito à batuta desse humilde “Nego Véio”. Que o manto azul de Nossa Senhora da Conceição Aparecida possa cobrir e iluminar cada passo dos filhos do Templo a Caminho da Paz. Com o carinho de sempe,

Pai Cipriano Rio de Janeiro, 14 de dezembro de 2010 Nossa Banda   ●  7


O presidente do Templo A Caminho da dos, para a Sessão Festiva pelo 10º ição que será realizad

Rua Pompílio de Albuquerq 20 de janeiro de 20


a Paz, tem o prazer de convidar a toAniversário de Fundação da Instituda em sua Matriz na

que, 236 - Encantado no dia 011, às 16 horas.


CD No Clarão da Lua!

Lançamento da Ayom Records em parceria com o Templo A Caminho da Paz e a Tenda Espírita Estudantes do Bem. O CD “No Clarão da Lua” é uma iniciativa com mais de 50 pontos de Ciganos e Malandros

Entre em nosso site e saiba como adquirir o seu.

TCP/TEEB - www.caminhodapaz.com.br 10  ●  Nossa Banda


!

Perguntas e Respostas Igor Chaves - RJ

Assunto: Exu e Orixás / Nome dos Guias

Pergunta: Um guia, no caso Exu, pode ser regido (não sei se essa é a palavra correta), por 3 orixás? Tipo, Obaluaie e Ogum, mais Iansã? Resposta: Normalmente Exu é capagueiro de um Orixá apenas, podendo sofrer irradiação de outras falanges. Pergunta: O sr. já ouviu falar de algum guia que carrega 2 "sobrenomes", tipo Pai Joaquim de Aruanda das Almas, Exu Tranca Rua das Almas e Encruzilhada? Ou é só de Aruanda ou é só das Almas, almas ou encruzilhada? Resposta: Já ouvi falar. Mas, não é o correto. Os espíritos por afinidade escolhem a falange que irão trabalhar. Se é da calunga não pode ser da encruzilhada.

ENVIE SUAS PERGUNTAS PARA NÓS, A UMBANDA É ÚNICA, COM VARIOS FUNDAMENTOS E SE TRANSFORMA A CADA DIA. NÃO GUARDE SUAS DÚVIDAS PARA VOCÊS. QUE O PAI OXALÁ ILUMINE A TODOS! FELIZ 2011!

caminhodapazmidia@gmail.com Nossa Banda   ●  11


Mensagem Enviada

No dia 12 de dezembro de 2010, foi realizada a Sessão Anual de Praia do Templo A Caminho da Paz, Sessão Festiva das Yabás.

sessão ao Povo da Malandragem.

A

A sessão transcorreu sem nenhum problema e todos retornaram a suas residências felizes pelo trabalho realizado e contando os dias para a próxima Sessão Anual de Praia do Templo A caminho da Paz.

sessão foi muito especial e emocionante. Os médiuns começaram a chegar às 16 hs. A Praia do Pontal estava lotada, mas o incrível é que tinha um espaço que parecia que estava reservado para o TCP. Foram preparadas todas as oferendas e às 18 hs teve inicio a sessão. Foram homenageadas todas as linhas de Umbanda, o atendimento ao público foi feito pelo Povo da Malandragem. Malandro Bahiano nos deu um depoimento, agradecendo a confiança dos mentores do TCP, por ter entregue o atendimento da 12  ●  Nossa Banda

O ponto alto da noite foi a homenagem à Yemanjá e a entrega dos barcos.


Nossa Banda   ●  13


14  ●  Nossa Banda


4º Aniversário Casa de Zarithamy

O presidente do Templo A Caminho da Paz, tem o prazer de convidar a todos, para a Sessão Festiva pelo 4º Aniversário da 1ª filial do Templo A Caminho da Paz, Casa de Zarithamy, que será realizada na Rua Arquias Cordeiro, 490 - Méier no dia 06 de janeiro de 2011, às 20 horas. Nossa Banda   ●  15


» 10 Anos do Templo A Caminho da Paz

E

m 20 de janeiro de 2011, o Templo A Caminho da Paz comemora 10 anos. Nesses 10 anos a instituição foi crescendo, crescendo, e hoje além de sua matriz, Cantinho de Pai Cipriano, possui mais duas filiais, Casa de Zarithamy e Casa do Caboclo Sete Flechas. São 200 médiuns, sessões 7 dias por semana e mais de 2000 atendimentos mensais. Não sabemos se seu fundador e presidente Armando Fernandes e todos aqueles que estavam presentes no dia de sua fundação poderiam imaginar ou projetar um futuro tão próspero para instituição, mas vemos hoje que Armando Fernandes e os médiuns do TCP vieram durante os anos estruturando a instituição para chegar ao patamar que vemos hoje em dia. Qual seria o segredo para o sucesso da instituição? Organização? Pontualidade? Comprometimento? Disciplina? Acho que o grande segredo é o trabalho de sua diretoria e seus médiuns, pois no cotidiano vemos a dedicação de todos ao TCP. 16  ●  Nossa Banda

O Templo A Caminho da Paz tem como seu carro chefe a desobsessão com caboclos, trabalho esse que o Caboclo Sete Flechas, sempre nos lembra ser de suma importância numa Casa de Umbanda. Outra área que é tratada com muita atenção dentro da instituição é a evangelização infantil, no TCP o futuro da nossa Umbanda é tratado com muito amor e carinho. Na parte social a instituição nunca deixou de lado a comunidade, tendo vários projetos sociais. (na página 22, matéria sobre os projetos sociais do TCP) Não são todas instituições de Umbanda que se dedicam tanto ao trabalho na caridade como o Templo A Caminho da Paz, temos muito a agradecer ao seu presidente Armando Fernandes e aos seus médiuns pelo tempo dedicado a caridade, pelas sessões diárias e pelo carinho para com a assistência. E temos muito mais a agradecer aos mentores do TCP, que a cada sessão nos mostra e ensina a verdadeira Umbanda.


COMANDO ESPIRITUAL DO TEMPLO A CAMINHO DA PAZ Orixás de Sustentação do TCP: Oxalá - Oxum e Oxóssi; Pretos Velhos Dirigentes: Pai Cipriano das Almas e Pai Antonio da Bahia; Caboclos Dirigentes: Caboclo Sete Flechas das Almas e Caboclo Boiadeiro de Imbaúba; Dirigentes Mirins/Beijadinhas: Francisquinho da Cachoeira; Entidades Dirigentes dos trabalhos de Mesa: Pablo Juan, Pe. Mariano e Mestre Zarithamy; Mestre do Oriente Dirigente: Mestre Zarithamy; Cigano Barô: Pablo Juan D'Espanha; Padrinhos: Caboclo das Sete Encruzilhadas, Caboclo Branca Lua e Preta Tiana; Malandro Dirigente: Malandro Bahiano; Guardiões: Tranca-Ruas das Almas, Maria Figueira e Exú Caveira.

DIRETORIA DO TEMPLO A CAMINHO DA PAZ A Diretoria do Templo A Caminho da Paz,a partir de março de 2008, ganha um Conselho Diretor contendo: 3 sócios fundadores, 3 associados contribuintes e 2 sócios beneméritos, composto de 8 membros, que terá a seguinte formação inicial: Nomes Categorias: 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º

Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro

– – – – – – – –

Armando Fernandes – Sócio Fundador Maria Cristina Rosário – Sócio Fundador Laert Chaves – Sócio Fundador Maria Amélia Martins – Associado Contribuinte Zelina de Almeida Gomes – Associado Contribuinte Maria Cristina Ferreira – Associado Contribuinte Maria das Dores de Oliveira – Sócio Benemérito Reinaldo Mendonça Farias - Sócio Benemérito

Nossa Banda   ●  17


Templo A Caminho da Paz: Surgimento de uma Casa de Caridade. Não cai um afolha de árvore que não seja pela vontade do Pai... E assim surgiu o Templo a Caminho da Paz, por vontade de Deus e da espiritualidade que nos assiste. Por vezes, imaginamos que determinado acontecimento é uma tragédia em nossas vidas e estamos enganados, aquilo que nos parece ruim, é tão bom que a espiritualidade resolve provocar uma situação desagradável momentaneamente, para que tenhamos um pouco mais de paz, amor e equilíbrio. Foi então, que movidos pelo Amor Fraterno, marcamos um encontro inesquecível na Floresta da Tijuca, no dia 20 de Janeiro de 2001, nela envolvidos pelas forças da natureza, começamos a planejar esta nova Casa, vários acontecimentos (sinais) espirituais foram sentidos por diversos integrantes do grupo. Por fim, entregamos as nossas oferendas ao Caçador das Almas, nosso Glorioso Oxóssi, no dia de São Sebastião. Dali seguimos para um restaurante em Jacarepaguá, onde se formou uma grande mesa e a conversa transcorreu em clima de alegria e contentamento. Neste dia, em razão da impossibilidade de alguns membros do grupo em irem a Floresta foi marcada uma reunião de todos, naquela tarde, em residência de Dona Avany, avó de Karina e Vinícius (médiuns de Templo, na época). A reunião tinha como objetivo inicial definir o posicionamento do grupo perante aos acontecimentos. Porém, logo se transformou em Assembléia de Fundação do templo a Caminho da Paz, elegendo-se Diretoria que na mesma data tomou posse.Desde então, o templo a Caminho da Paz, passou a funcionar provisoriamente em locais cedidos por alguns integrantes do grupo. Neste meio tempo recebemos o apoio da nossa querida e estimada Zilméia Morais da Cunha, filha do saudoso, Zélio Moraes, médium do Caboclo das Sete Encruzilhadas. Que em seu nome e na qualidade de Presidente da Tenda Espírita Nossa senhora da Piedade (primeiro templo de Umbanda do mundo). Nos diz D. Zilméia: Neste mundo de Deus, quanto mais casas de caridade forem abertas, mas necessitados serão atendidos... -...Podem contar conosco para aquilo que precisarem... São palavras como estas de D. Zilméia que nos fazem crer que estamos a trilhar os Caminhos da Paz. 18  ●  Nossa Banda


O TEMPLO A CAMINHO DA PAZ UTILIDADE PÚBLICA - Lei 3.735 de 2004 É uma Instituição Religiosa de Umbanda, sem fins lucrativos, detentora de personalidade jurídica própria sob o nº 188.810 e CNPJ nº 044658930001-00, com sede na Rua Pompílio de Albuquerque, nº 236, Encantado, Rio de Janeiro - RJ – Brasil. Fazem parte de nosso culto de Umbanda fundamentos provenientes de suas raízes, tais como defumadores, guias de contas, pontos cantados e riscados, preces, fitas coloridas, roupas brancas (uniforme) etc., e tudo mais que se fizer necessário para o bom andamento harmônico do culto, observados para tanto os ensinamentos do CABOCLO DAS SETE ENCRUZILHADAS (Anunciador da Umbanda no Planeta Terra). Nosso trabalho é realizado no sentido de amparar e ajudar os necessitados de tratamentos espirituais e também, na medida do possível, os materialmente necessitados, sem preconceitos, sem discriminação, seja ela qual for, sem salvas, sem gratificações. Nossos trabalhos espirituais são inteiramente gratuitos. Não existe Camarinha, nem recolhimento, e tampouco sacrifícios de animais. Todas as nossas atividades, sem exceção, são voltadas exclusivamente para o Bem, e visam o aprimoramento e a transformação de todos os que nos procuram. Armando Fernandes - Presidente

Visite nosso blog! http://caminhodapazmidia.blogspot.com

Nossa Banda   ●  19


FUNDAÇÃO DO TCP Certo dia na macaia Um grupo se encontrou A luz se fez presente O caminhou iniciou Encontraram bela árvore Foi ali que começou Com os mantras da Molambo Cantaram em louvor. Abraçando aquela árvore Sentiram a necessidade De seguir mais adiante Pra encontrar belo riacho. Neste recanto Divino As cantigas brotaram Foi então que uma criança Se aproximou dizendo: "Toma cá, tiozinho Está aqui a segurança Botarás na firmeza Deste novo caminho" Não podemos esquecer Dos banquinhos em pedras Dos amigos Pretos Velhos Que por lá se encontravam Prosseguindo o caminho Os sinais se repetiam Escutaram o trinado Do pássaro de Ossãe Que momento sublime Todos se arrepiaram Foi com grande vibratória Que os pássaros cantaram Pra louvar seu Sete Flechas Que veio anunciar Templo a Caminho da Paz Na Bandeira de Oxalá

20  ●  Nossa Banda


CD Adorei as Almas!

O maior acervo de cânticos para Pretos Velhos. CD “ADOREI AS ALMAS”!!!

Entre em nosso site e saiba como adquirir o seu.

TCP/TEEB - www.caminhodapaz.com.br Nossa Banda   ●  21


Assistência Social no Templo A Caminho da Paz

Atendimentos realizados em Assistência Social no Templo A Caminho da Paz.

O

através das cestas básicas tinham seus filhos atendidos pelo REFORÇO ESCOLAR com atendimento semanal e individual ;esta atividade foi ampliada e passou a atender à comunidade infanto/juvenil TCP como a das áreas próximas.

Estas famílias que eram atendidas

A entrega das cestas básicas foi substituída pelo cadastramento de 50 famílias no Programa Cheque Cidadão. Com ampliação do nº de famílias assistidas por este programa, nossos atendimentos também se ampliaram:passamos a oferecer assistência médica e pediátrica a aproximadamente 180 crianças que além da consulta médica levavam na hora

riundas do Tenda Espírita Fraternidade da Luz , sete famílias nos procuraram para confirmar a manutenção das cestas básicas que vinham recebendo. Além de mantermos a continuidade deste atendimento, o ampliamos para 14...21...28 famílias assistidas.Este suporte era possível com a colaboração do Corpo Mediúnico do TCP e com a complementação destes gêneros para fechar as cestas através da participação da própria casa.

22  ●  Nossa Banda


a medicação que lhe era prescrita. Deixamos aqui nossos eternos agradecimentos ao DR.NIVALDO e ao DR.PAULO CESAR VICTER pelo carinho e empenho dedicado nestes atendimentos. Estas famílias eram acompanhadas também por Psicólogos, Terapeutas Holísticos /Alternativos. Esses atendimentos se iniciaram com CROMOTERAPIA, SHIATSU, REIKI, FLORAIS DE BACH, MASSAGEM TERAPEUTRICA, ACUPUNTURA, HARMONIZAÇÃO DE CHAKRAS. Nossos eternos agradecimentos à DRA. YARA DANTAS, DRA.CECíLIA AMIN e DRA.CÉLIA MAYNARD, DRA. CONCEIÇÃO BASTOS, DRA. ELAINA, DRA.ELEONORA, DRA. ELISABETH e a todos que de alguma forma estiveram envolvidos nestes atendimentos tornando possíveis estas realizações. Mensalmente realizávamos um CAFÉ DA MANHÃ COMUNITÁRIO com as famílias assistidas pelo Programa Cheque Cidadão e outras que de certa forma eram envolvidas com o TCP. No Natal as 180 crianças dessas famílias assistidas eram apadrinhadas por médiuns do TCP que as vestiam , as calçavam e as presenteavam numa linda festa com a presença de Papai Noel para a entrega dos presentes. .Estes atendimentos eram abertos à comunidade TCP: médiuns / familiares/assistência. Atualmente a Sala de Cura Caboclo

Sete Flechas das Almas mantém o atendimento em Cromoterapia, Harmonização de Chakras, Reiki, Acupuntura com a participação de terapeutas do Corpo Mediúnico do TCP, da Casa de Zarithamy da Casa do Caboclo Sete Flechas das Almas. Este grupo de médiuns de nossas Casas garante e qualidade e comprometimento do Templo a Caminho da Paz. O Reforço Escolar ampliou-se atendendo a mães que buscavam um pouco de segurança para voltar aos bancos escolares; foi com grande emoção que alfabetizamos uma avó. É com grande alegria que ao correr do tempo chegavam a nós notícias de que várias mulheres tinham voltado a estudar e conseguido um emprego melhor. Estas atividades foram ampliadas, oferecendo a estas famílias do Cheque Cidadão e à assistência /comunidade TCP cursos de artesanato em sabonetes , velas e saches. Confecção de bijuterias e cartões de Natal. Estes produtos eram comercializados no Bazar TCP e também pelas próprias produtoras a partir de seus contatos como geração de renda. Tivemos pelo período de 4 meses um curso de corte e costura aberto à comunidade ,com profissional habilitado; este curso se propunha a confeccionar os uniformes utilizados pelos médiuns, garantindo assim a absorção da produção. Tivemos a participação de 10 alunas , o material a ser utilizado e a ajuda Nossa Banda   ●  23


de custo da profissional foram proporcionados integralmente pelo TCP, mas infelizmente não obtivemos o resultado esperado por dificuldades de relacionamento entre esta profissional e as demais participantes. Tivemos como norma a entrega dos Cheque Cidadão sempre após a realização de palestras informativas sobre Educação e Saúde. Contamos para tanto com a colaboração de diretoras de escola, pedagogas, enfermeiras(palestras sobre DST e gravidez precoce – ADOLESCENTES); obesidade, diabetes,hipertensão, atividade física eram temas abordados frequentemente pelos profissionais da área de saúde e bem-estar . Estas atividades retratam as atividades realizadas pelo TCP durante estes 10 anos; agradecemos a todos profissionais, colaboradores, médiuns que possibilitaram a realização destas atividades . Gostaria de fazer reconhecimentos especiais : Armando Fernandes que , em todos os momentos que lhe procurávamos levando uma idéia, saímos felizes com seu apoio total o que nos estimulava a continuar “ trilhando juntos o Caminho da Paz”; ao nosso querido Pai Cipriano que nos abençoava em todos os passos e caminhos que se iluminavam com seu amor; a nossa querida irmã Maria José Silveira Duarte que com seu sorriso e colaboração esteve presente com seu amor 24  ●  Nossa Banda

em

todos estes momentos.

Meu sincero agradecimento a nosso Pai Oxalá, ao querido Velho Cipriano, ao grande amigo Caboclo Sete Flechas das Almas, a toda a cúpula espiritual da nossa querida Casa pela oportunidade que me foi dada em algum momento da vida de estar envolvida nesta egrégora de AMOR,ESPIRITUALI DADE,RESPEITO,FÉ e PAZ Com muito carinho e gratidão, Cristina Rosario


Como Ajudar? AJUDE AO TCP/TEEB A AJUDAR VOCÊ ACEITAMOS DOAÇÕES: BANCO: ITAÚ AGENCIA: 8077 CONTA CORRENTE:13.749-8 NOME: TEMPLO A CAMINHO DA PAZ Se você ainda não é associado, associe-se. Participe dos eventos e atividades, das rifas, da campanha do mês. Colabore com a cantina e o bazar. Contribua em nossas listas de arrecadação. Entre em contato conosco e descubra outras formas de nos ajudar. www.caminhodapaz.com.br / caminhodapazmidia@gmail.com

Nossa Banda   ●  25


» Entrevista

"O Templo A Caminho da vida, e a minha vida em p Em 20 de janeiro de 2001, uma nova casa surgia na Umbanda: O Templo A Caminho da Paz. Armando Fernandes, o fundador da mesma, começou a trabalhar de imediato, conseguindo o abrigo para esta nova realidade no dia 1º de abril daquele ano. Nesse mesmo mês foram dadas obrigações para que ele pudesse assumir a direção espiritual. O trabalho foi inaugurado oficialmente pelas mãos de sua madrinha Zilméa Moraes da Cunha, em 23 de junho de 2001. O Templo a Caminho da Paz hoje é uma realidade sólida, que tem uma diretoria atuante, com importantes serviços prestados na área da assistência social à comunidade carente dos bairros Encantado, Méier e Vila Isabel, além dos atendimentos espirituais ininterruptos, com 26  ●  Nossa Banda

sessões sete dias por semana e mais de 2000 atendimentos mensais.

Hoje o maior desafio de Armando Fernandes, fundador e presidente do TCP, é comandar uma instituição que cresce a cada ano, mantendo o mesmo carinho e respeito, marca do TCP, àqueles que procuram atendimento no Templo A Caminho da Paz.


a Paz é a minha escola de particular." Armando Fernandes Como o senhor define a Umbanda? ARMANDO FERNANDES: De forma simples e direta: "Umbanda - manifestação dos espíritos para a prática da Caridade". Conceito ditado pelo Caboclo das 7 Encruzilhadas em 1908. O que significa o Templo A Caminho da Paz para o senhor? AF: O Templo A Caminho da Paz é a minha escola de vida, e a minha vida em particular. O senhor já sofreu preconceito religioso? AF: Sim, ainda como estagiário de direito fui a uma entrevista. O Advogado me perguntou a religião e eu respondi: Umbandista. Ele retrucou: "Mas, é aquilo que bate tambor?". Naquele momento senti o deboche, o desrespeito no tom. Fiquei muito triste e

simplesmente me levantei e disse: Muito obrigado. Passe bem. Me retirei do escritório. Eu era muito novo e aquilo me marcou demais. Não estava preparado para respondê-lo. Hoje, talvez eu teria uma outra reação.Nunca mais fiquei triste quando não compreendem a minha religião. Hoje sei que cada um tem o seu momento. E devemos seguir os caminhos da tolerância. Como o senhor vê as outras religiões? AF: Como absolutamente necessárias. Deus em sua infinita sabedoria criou ou deixou criar as religiões para que o homem tivesse algo a seu dispor e o ajudasse a caminhar no planeta terra. Para cada grupo e grau de consciência existe uma religião. A Umbanda não poderia atender a todos. Nossa Banda   ●  27


Os guias do senhor interferem ou ajudam nas decisões do homem Armando Fernandes? AF: Depende, na maioria das vezes, não. Pois, eles respeitam demais o meu livre arbítrio. Porém, muitas vezes eles orientam, me chamam atenção, procuram me alertar de determinadas coisas, mas deixando a decisão do ser Armando Fernandes em minhas mãos. E dizem sempre: cabe a você a decisão pois terá que responder por elas, sejam certas ou erradas não poderemos resporder por você. Mas, com relação

a decisões de Terreiro, dificilmente as tomo sozinho. 28  ●  Nossa Banda

Pai Cipriano está sempre no leme. Como foi assumir a direção de uma instituição de Umbanda? AF: Meu filho, 10 anos atrás eu tinha apenas 31 anos de idade. Não tinha noção do peso da responsabilidade. Fui levado a direção pelos guias e por um grupo de irmãos médiuns. Não escolhi ser dirigente. Não tive escolha. Foi entregue a direção e pronto. Eu continuo aprendendo a cada dia com os guias. procuro dirigir de forma fraterna e pacífica seguindo sempre orientações da espiritualidade. Mas, quando assumi a direção espiritual do Templo A Caminho da Paz em 20 de janeiro de 2001, não imaginava por exemplo a abdicação que deveria ter , inclusive, com relação a minha vida pessoal. A vida de um dirigente de Umbanda é puro sacerdócio. Vivemos para a Umbanda e não da Umbanda. Como lidar com a vaidade dentro de um templo de Umbanda? Que conselhos o senhor daria aos médiuns da Umbanda? AF: A vaidade é a grande casca de banana de qualquer médium. Burilar egos


não é fácil. Muitas vezes precisamos intensificar os estudos, falar em palestras e nos desenvolvimentos. No princípio tive muitos problemas com médiuns vaidosos. Mas, o tempo foi passando, alguns médiuns foram se adequando e outros foram buscar caminhos diferentes. E hoje, na graça de Deus tenho a situação em controle. Mas, tem algo que facilitou muito a minha vida com relação a vaidade dos médiuns. No TCP não temos fichas ou caderno para atendimento. Os médiuns de atendimento atendem igualmente aos assistentes. Ou seja, ninguém cresce mais do que o outro. Não há aquelas disputas. Eu atendo mais. Eu atendo menos. Os médiuns incorporados não podem circular na assistência dando conselhos para um e para outros.Não utilizamos vestimentas coloridas, salvo no dia festivo dos Exus, Ciganos e Ibêjis. Quando então é permitido. Agindo assim, não há disputas do tipo um veste tecido importado e o outro chita. Independente da classe social do médium. Dentro do terreiro ele vestirá o guarda-pó branco. Que além da harmonia visual, faz com

que todos naquele momento sejam apenas médiuns de Umbanda. Enfim, ao longo dos anos tomamos algumas medidas para evitar que o médium se perca na vaidade. Um dos livros indicados em nossa casa é o livro: "Aconteceu na Casa Espírita" que retrata dentre outras coisas a decadência do médium vaidoso. O meu conselho ao médium é no sentido de estudar, se aprimorar, e estar preparado para as armadilhas do pólo negativo caminhando com firmeza de propósitos e focando sempre no principal: praticar o bem sem olhar a quem.

Nossa Banda   ●  29


Além do apoio da espiritualidade, a que se deve o crescente desenvolvimento do TCP nesses 10 anos? AF:Creio que está pergunta deveria ser direcionada ao nosso Mentor Espiritual Pai Cipriano. Ele decerto a responderia com maior propriedade do que eu. Mas, me atrevo a dizer que hoje o Templo A Caminho da Paz tem três casas abertas com sete sessões semanais devido a um único fator: TRABALHO TRABALHO - TRABALHO. O Seu Sete Flechas costuma dizer: "É trabalhando que se firma o gongá." E foi, trabalhando e muito que chegamos até aqui e continuamos nesta curva crescente. Como o senhor imagina a Umbanda no futuro? AF: Eu não imagino a Umbanda no Futuro. Eu procuro plantar agora no presente. Realizá-la neste momento. Trabalhando em prol daqueles que necessitam. Dando oportunidade as crianças e aos jovens de nossa Casa em participarem de uma Evangelização para quem sabe no futuro estejam mais bem preparados do que 30  ●  Nossa Banda

a nossa geração. A Umbanda do futuro será aquilo que plantarmos hoje. Se não deixarmos o solo preparado. Deixaremos de realizar o que nos cabe. E sequer poderemos falar em futuro. A Umbanda é movimento e como tal vai girar trazendo coisas esquecidas no passado, coisas novas, e levando embora o que não estiver de acordo com a Lei de Umbanda. Enfim, não vou aqui profetizar nada. Precisamos deixar a gira girar.


Um recado para os médiuns do TCP: AF: Meus filhos, Agradeço o carinho, o trabalho realizado em prol da caridade no TCP e a escolha da nossa Casa para realização do trabalho mediúnico que lhes cabem. Busquem sempre o aprendizado. Observem os trabalhos dos guias. Interajam na vida templária. Servir é sinal de inteligência e progresso espiritual. Que as bençãos especiais dos Mentores do TCP recaiam sobre cada um de vocês, indulgentemente, no mês de aniversário de nossa Instituição. Paz e bem.

Um recado para os médiuns de Umbanda: AF: Médiuns de Umbanda sejam humildes e clementes e acima de tudo obdientes aos seus guias e aos guias mentores de suas Instituições. Estudem com afinco. Não usem suas casas de umbanda como mero encontro social. Uma mensagem para todos os leitores da Nossa Banda: AF: Aos leitores da Revista Nossa Banda, quero apenas agradecer e espero que as matérias contidas na Revista possam de alguma forma despertá-los para o mundo maravilhoso que se chama Umbanda.

Nossa Banda   ●  31


Calendário Dezembro

32  ●  Nossa Banda


Nossa Banda   ●  33


Cantinho de Pai Cipriano

Homenagem a Pai Cipriano

V

amos contar um pouquinho desta história ... Era o primogênito de uma família abastada e nobre. Herdeiro direto do trono daquela tribo, ainda bem jovem, por volta dos vinte anos, forte, saudável e cheio de vida, fui iniciado nos preceitos e conceitos religiosos do meu povo. Logo estava recebendo o "Decá" (autorização para a prática religiosa da minha tribo de origem). Foi um espanto geral! Ninguém quis acreditar. Como um menino daquele conseguira um encargo tão valoroso? Talvez por ser o filho primogênito do Chefe tribal. A partir da minha consagração as coisas começaram a ficar difíceis, Os demais membros da minha comunidade não mais me dirigiam a palavra. O ambiente foi ficando insuportável. Afastado da convivência com os outros irmãos, sofrendo discriminação e recebendo vibrações de ódio causadas pelo imenso despeito dos meus irmãos, preferi me isolar e me entreguei cada vez mais à prática dos meus 34  ●  Nossa Banda

ensinamentos religiosos. Num dia em que sozinho clamava aos Orixás por minha tribo, quando pedia a doce Mãe Oxum que suavizasse o coração dos meus irmãos, sofri uma terrível emboscada. E num dia cinzento, chuvoso, dia em que a tribo não participava tão intensamente do trabalho em grupo devido ao tempo, fui arrancado à força de minha maloca e levado para um lugar distante da minha Luanda, minha querida Angola... Indaguei todo tempo o que se passava, reivindicando a minha posição de membro da família real. Mas mesmo assim fui levado por uns homens estranhos que me carregaram à força, sem piedade, como se eu fosse um animal e eles os caçadores implacáveis. Ali começou o meu martírio. Mas dor maior senti ao avistar por perto três dos meus sete irmãos de sangue. Nesse momento me conscientizei da terrível traição que sofri e que deitou uma profunda ferida na minha alma. Amarrado como um bicho, passei três dias amontoado em cima de uma carroça, onde cada vez mais eram colocados negros em grande número, uns por cima dos


outros, como se faz com pele de animais. E assim fiquei, por baixo daquele amontoado de infelizes, faminto e sedento. Desespero maior eu senti ao ser retirado da carroça e jogado no porão imundo de uma grande embarcação. Dali por diante nós nos unimos em preces, dor e saudade na longa viagem ao Brasil, terra distante e desconhecida. Maltratado durante a interminável viagem, assistindo com horror cenas que jamais poderia imaginar, vi meus irmãos de raça e de religião sendo esmagados em sua hombridade; vi humilhação e revolta no olhar dos meus irmãos de destino; vi o açoite cortar impiedosamente a carne daqueles que ousavam manifestar a menor reação de revolta; vi corpos jogados ao mar e a peste se alastrar, ceifando a vida de muitos irmãos. Apesar do horror do navio negreiro consegui chegar com vida nesta terra distante chamada pelos seus nativos de Brasil. Clamei a Olodumaré por forças, pois pensei que não aguentaria tanta fome e tanto sofrimento dentro daquela embarcação maldita que me obrigava a tomar água salgada, e de barriga inchada deixei n'África distante minha juventude e alegria. Aqui chegando, fui levado para uma feira, como as batatas compradas hoje por vocês, e vendido, pelos dentes fortes e bons que

tinha, para uma rica família fazendeira de café. Dei duro dia e noite, trabalhando duro nos cangais, sofrendo mais humilhação, mais dor. "Nego Véio" era humilde e obediente e tudo fazia para agradar aos senhores brancos. Logo fui recompensado pela docilidade, passando a trabalhar para Sinhá dona como escravo de dentro, "catiço” de Sinhá. Por isso, "Nego" sofreu novamente a inveja dos irmãos de cor, que passaram a maltratar o "Véio" na senzala, acusando o "Véio" de não mais pertencer àquela raiz. Como estavam enganados! Se "Nego Véio" pudesse, tirava todos das correntes do cativeiro. "Nego Véio" era apenas obediente e manso. Rejeitado por meus irmãos catiços, procurei aprender escondido com Sinhá moça, linda e formosa, as primeiras letras. "Nego Véio" esperto, logo aprendeu a ler e a escrever. Com isso, passei a fazer as anotações da fazenda. Conquistei a amizade do Sinhô e também acabei despertando, por isso, a inveja do capataz da fazenda, que era ruim "por demais”. O caminho de espinhos ainda não estava longe dos pés do "Véio”, e o destino prega nos "fio" umas brincadeiras ingratas. Bonito, jovem, agora letrado, fui me enamorar por quem nunca deveria sequer levantar os olhos: Sinhá Moça! Mas foi impossível não me Nossa Banda   ●  35


prender aos encantos daquela jovem formosa, de pele rosa, carinhosa e doce como uma flor sem espinhos. Até os dias de hoje, quando me lembro, suspiro. E como Zâmbi não separa os filhos por cor quando traça o seu destino, a jovem Sinhá também se encantou com a doçura do "Nego". E o que aconteceu vocês já podem imaginar... "Véio" sucumbiu aos encantos da Sinhá e por isso mais uma vez tive o meu destino mexido e remexido. Fui arrancado, numa noite, da minha esteira, levado para um cemitério distante e lá fui abandonado. O feitor me alertou dizendo que dali não poderia mais sair. Que deveria tomar conta de todas as campas, que comesse o que conseguisse plantar e nunca mais aparecaparecesse nem na Casa Grande, nem na senzala. Pois eu traíra a confiança do Sinhô e que ele só não me matava, porque não queria sujar as mãos com o sangue do pai do neto dele. Ali naquele cemitério, isolado e triste, eu vivi até o fim dos meus dias. Distante de quem eu amei, distante do meu povo... Passei a fazer feitiços fortes para o meu povo, que passou a me procurar quando os feitores estavam bravos com eles, quando adoeciam, quando tinham algum problema. Procuravam a minha rega, a minha magia forte. E o sacerdócio recebido 36  ●  Nossa Banda

na África, acabei exercendo aqui nesta terra, dentro de uma Calunga, onde fui por muitos anos o "Guardião Encarnado”! "Nego Véio" tem consciência de que não sofreu porque era bonzinho. Teve culpa passada e por isso resgatou. Quando retornei à “Pátria Espiritual”, verifiquei que não precisava, se quisesse, reencarnar no planeta Terra. Mas, como a mágoa é péssima companheira e deveria me livrar dela de alguma forma, por misericórdia do Pai a mim foi oferecida a oportunidade de trabalhar na "Lei de Umbanda” para, através da caridade e do amor, depurar esse "tiquinho” de mágoa existente. Certo dia, ao baixar no terreiro, esse “Véio” cantou: "Cipriano Quimbandeiro, chorou no cativeiro. Hoje chora de alegria o Rosário de Maria. Chora, chora, saravando Angola..." Curimba de força e de fé. Para os filhos que não sabem, Cipriano é convertido na Lei de Deus. Dentro desta pequena história têm várias outras. Mas, o viver na caridade é o mais importante neste momento, fazer o bem sem olhar a quem, em nome de Oxalá. Esta missão permanece com o ”Véio". Que as bênçãos de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, Mamãe Oxum, lhes fortaleçam o caminhar. Pai Cipriano, em 25 de setembro de 2003.


Segura com fé Na Mão de Cipriano Pra colher flores Ou espinhos retirar Ele nos trás a Luz Divina de Aruanda O brilho da Estrela Guia As benções de Oxalá Se o caminho é de Paz Cipriano é amor Vou segurar com fé Nas mãos do meu vovô

Nossa Banda   ●  37


Casa de Zaritamy

Homenagem ao 4º aniversário da Casa de Zarithamy. Salve o Povo do Oriente! Salve o Mestre Zarithamy!

O

Povo do Oriente é composto de espíritos que atuam de modo efetivo nos processos de curas físicas, emocionais e espirituais. Formado por espíritos chamados de médicos do astral. Esses médicos do astral, não são necessariamente espíritos de médicos convencionais, como podemos pensar. Mas espíritos muito, muito evoluídos de grandes sábios, profundos conhecedores de química, biologia, psicologia, física, medicina oriental, técnicas de curas milenares com uso e domínio da energia mental e espiritual sobre energia condensada da matéria. Essa linha, também, trabalha na Umbanda, mas está presente em muitos outras manifestações espirituais como Centros kardecistas e outras Fraternidades, sendo denominados de "Mestres" e "Mestras", pois são conhecedores, zeladores e guardiões de grande sabedoria ancestral, revelada apenas aos "escolhidos iniciados". 38  ●  Nossa Banda

Embora chamada de Oriente, agrega espíritos que tenham encarnado em diversos continentes de nosso planeta e ainda de outros sistemas do Cosmos, ou seja, algo que está muito além de nossa limitada capacidade de elaboração intelectual. É a Linha de trabalho com o poder de acessar as egrégoras de pura luz de mestres ascencionados, profetas, santos e tronos angelicais. Usam como elemento principal em seus trabalhos, o ectoplasma dos médiuns e assistentes presentes, raramente usam os elementos materiais convencionais utilizados por entidades de outras linhas da Umbanda. Quando o fazem, servem-se de luzes e cores, cristais e materiais de radiestesia, contas e rosários budistas e hindus, ou outros objetos específicos ao trabalho daquela entidade especificamente, ou ao caso que estejam tratando. Suas manifestações mediúnicas, em seus médiuns podem se dar em forma de incorporação (quando na Umbanda) psicofônia; psicografia mecânica,semimecânica, intuitiva; efeitos físicos (cura,materialização, transfiguração, transporte...), atuam através de seus médiuns passistas, também nos passes


aplicados nas sessões de Centros kardecistas. O médium ativo dessa linha, não deve fumar ou consumir bebidas alcoólicas com frequência, pois além da vibração perispiritual das entidades ser muito sutil, precisam manter uma qualidade pura de ectoplasma, para os trabalhos de passes magnéticos, e os de "efeitos físicos", entre eles os de energia de cura. Todas as pessoas que trabalham com a cura, em qualquer seguimento, têm sempre por perto como mentor, um espírito da Linha do Oriente. Naturalmente que 90% delas não tem consciência dessa aproximação e orientação. Sua influência estende-se ainda a educadores, terapeutas, , sacerdotes, místicos, religiosos. Os médiuns que não tem conhecimento de sua condição mediúnica e não a exercem de modo formal, também podem ser beneficiados pelos Mentores, através de intuições e sonhos. São Seres de pura Luz, "literalmente falando" que nos transmitem sensações de profunda paz, quietude mental, amor universal, fé e confiança. SALVE O ILUMINADO POVO DO ORIENTE, sempre nos auxiliando em nossa caminhada! Texto de Emidio de Ogum

Nossa Banda   ●  39


Casa do Caboclo Sete Flechas

Homenagem ao Caboclo Sete Flechas

A

vibração original do Caboclo 7 Flechas é a vibração de Oxossi, porém temos que ter em mente que o Caboclo foi agraciado com 7 flechas em que cada uma representa uma vibração de cada Orixá, tendo assim a incumbência de enviar seus Falangeiros a todas as outras vibrações. Por este fato é que encontramos Caboclos que usam o nome do seu chefe de legião (Caboclo 7 Flechas), espalhados por todas as 7 Linhas e sub-Linhas da Umbanda, ou seja, em todas vibrações existentes dentro da Umbanda. O Caboclo das 7 Encruzilhadas e a Falange que ele comanda vibra junto a todos Orixás. O Caboclo 7 Flechas, recebeu essas flechas de 7 Orixás, a mando de Oxalá e essas flechas podemos tentar definir cada uma, lógico que esta definição não é algo que repasso de forma pretensiosa, mesmo porque eu não trabalho com este Caboclo, eu O tenho em grande estima e sempre o rogo vossa proteção, pois este era o Caboclo que trabalhava com meu Pai no Santo (desencarnado). 40  ●  Nossa Banda

- Oxossi colocou uma flecha no seu braço direito, flecha da saúde para que derrame sobre nós os bálsamos curadores. - Ogum colocou uma flecha no seu braço esquerdo, flecha da defesa para que sejamos defendidos de todas as maldades materiais e espirituais. - Xângo cruzou uma flecha em seu peito, para nos defender das injustiças da humanidade. - Iansã cruzou uma flecha em suas costas, para nos defender de todas as traições de nossos inimigos. - Iemanjá colocou uma flecha sobre sua perna direita, para abrir nossos caminhos materiais e na senda da espiritualidade. - Oxum colocou uma flecha sobre sua perna esquerda, para lavar os nossos caminhos, iluminar os nossos espíritos e nos defender de todas as forças contrárias à vontade de Deus. - Omulu/Obaluaiê entregou em suas sagradas mãos a flecha da força astral superior, para distribuir à humanidade a Divina força da fé e da verdade. O Caboclo 7 Flechas tem um conhecimento profundo das ervas e das folhas de nossa flora e da flora de outros países, trabalha na cura, exímio vencedor de grandes demandas espirituais e como alguns costumam dizer ele é um Caboclo Mandingueiro, ou seja, quebrador de mandingas


destinadas a seus filhos e a seus protegidos, manipulador das energias do Astral e não fica “preso” a nenhuma vibração, ele trabalha dentro de todas as vibrações com os Falangeiros que ele comanda. Infelizmente alguns de nossos irmãos O confundem com o Caboclo Pena Branca justamente por ele trabalhar em todas as Linhas e em todas as vibrações junto a seus Falangeiros, assim também acontece com o Caboclo Pena Branca e seus Falangeiros, mas são Caboclos diferentes, vibrações diferentes e principalmente “ordenanças” diferentes, um tem sua vibração original junto a Oxossi e o outro junto a Oxalá. Após estas poucas linhas que tento repassar o que penso conhecer sobre este Caboclo, que eu sempre respeitei e de imediato rogo ao mesmo Agô por algum erro, por algum equivoco ao tentar repassar aos meus amados irmãos de Umbanda algo em sua homenagem e na tentativa de ser entendido por todos, que de nada adianta histórias e sim o que estes espíritos do Astral superior vem fazer em nossos Terreiros em nome Deus, dentro da humildade, dentro da caridade, do amor e da Fé e aqui termino deixando abaixo algumas linhas de um livro escrito pelo nosso irmão Wilson T. Rivas que ele deu como titulo Umbanda é Luz, que segundo o autor é uma mensagem do Caboclo 7 Flechas. Texto de Emidio de Ogum Nossa Banda   ●  41


Prece ao Caboclo Sete Flechas

Salve Zambi, Pai e Criador de todo o Universo! Salve Oxóssi, Rei da Mata e chefe de todos os Caboclos! Salve Seu Sete Flechas e sua falange guerreira! Sete Flechas, baixai sobre nós um jato da vossa divina luz, iluminando os nossos espíritos para que possamos entrar em comunicação com esta centelha de luz divina que emana das vossas sagradas flechas, defendendo e amparando-nos neste mundo terreno. Salve as sete flechas que vos foi dada, espiritualmente, para defender-nos de todas as provas que não nos vem de Zambi. Bendito seja Oxóssi que vos o colocou sobre o vosso braço direito a flecha da saúde para que derrame sobre nós os bálsamos curadores; bendito seja Ogum, que colocou sobre vosso braço esquerdo a flecha da defesa para que sejamos defendidos de todas as maldades materiais e espirituais; bendito seja Xangô que vos cruzou uma flecha em vosso peito para defender-nos das injustiças da humanidade; bendita seja a grande Mãe Yemanjá que colocou uma flecha em vossas costas para defender-nos das traições de nossos inimigos. Bendito seja Oxalá que vos colocou uma flecha sobre vossa perna direita para cobrir os nossos caminhos materiais e a senda da espiritualidade, bendita seja as Santas Almas que vos botou uma flecha sobre vossa perna esquerda, para lavar os nossos caminhos, iluminando os nossos espíritos e defendendo-nos de todas as forças contrárias à vontade de Deus. Bendito seja os Ibejis que entregaram em vossas sagradas mãos a flecha do astral superior, para dar à humanidade a divina força da fé e da verdade. Zambi foi quem ordenou, os Orixás as flechas vos entregou. Com as forças das sete flechas, Seu Sete Flechas me abençoou.

42  ●  Nossa Banda


HIno da Umbanda Refletiu a luz divina Com todo seu esplendor É do reino de Oxalá Onde há paz e amor Luz que refletiu na terra Luz que refletiu no mar Luz que veio, de Aruanda Para todos iluminar A Umbanda é paz e amor É um mundo cheio de luz É a força que nos dá vida E a grandeza nos conduz. Avante filhos de fé, Como a nossa lei não há, Levando ao mundo inteiro A Bandeira de Oxalá ! Levando ao mundo inteiro A Bandeira de Oxalá !


Templo A Caminho da Paz / TEEB

Cantinho de Pai Cipriano Casa de Zarithamy Casa do Caboclo Sete Flechas

HINO O Templo A Caminho da Paz Segue em frente a sua jornada Suas portas estão abertas Para apoiar os desvalidos A caridade é o nosso lema E bandeira do Pai. Aqui reina a paz Aqui reina o amor Aqui soa bem forte O brado do Pai Oxóssi Está formado o triângulo No ápice, Pai Oxalá Com Oxóssi à sua direita E Mãe Oxum pra coroar

Edição de Janeiro/2011 - Revista Nossa Banda  

Nossa revista virtual vai contar os últimos acontecimentos do TCP e vamos divulgar nossos principais eventos do mês que se inicia. Nesta edi...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you