Issuu on Google+

CONFIRA OS EVENTOS DE INVERNO EM VÁRIAS CIDADES

Ver Ano III • n˚11 • Distribuição gratuita e dirigida

Vale

www.revistavalever.com.br

MARIA DA FÉ SALÃO DO TURISMO O Brasil em exposição na maior

A cidade mais fria de Minas

feira de turismo do país

FOZ DO IGUAÇU Roteiro de 4 dias em uma das

cidades mais turísticas do Brasil

AGO R

Os encantos da capital mineira, e capital mundial dos bares

ENTREVISTA EXCLUSIVA

Secretário Frederico Costa do Ministério do Turismo.

O TWITTER AN

@ re

er

BEAGÁ

vistava

lev

OS!

SIGA-N


EDITORIAL Quanto mais longe, mais perto. Podemos definir assim o caminho que trilha a Vale Ver.

A 1450 metros de altitude na Serra da Mantiqueira em Gonçalves no sul de Minas. Desde 2000 se destaca com acomodações charmosas e aconchegantes num local privilegiado, rodeado deslumbrantes (área de preservação ambiental). Seus 15 chalés garantem o conforto e descanso merecidos.

A Pousada do Rio oferece piscina de água de nascente e corrente, sauna seca a lenha, playground, lago, cachoeira, prainha de rio, sala de estar com tv, livros e na recepção internet wireless. O Restaurante atende com reserva para almoço e jantar.

Quando foi lançada, há pouco mais de dois anos, falava das belezas do Vale do Paraíba, e essas, inegavelmente ainda nos encantam. Os horizontes sempre se ampliaram para nós, e nos levaram a outras regiões e Estados vizinhos para nos surpreender com mais diversidade. Chegamos a outros países e percebemos que, para chegar mais perto do nosso sonho de imprimir um olhar diferenciado sobre turismo, qualidade de vida e sustentabilidade, era preciso ir mais longe, em todos os sentidos. Nós fomos! A partir desta edição, que consideramos um divisor de águas, a tiragem da revista dobrou, ampliamos a distribuição e ganhamos asas à bordo de companhias aéreas que transportam passageiros aos destinos que visitamos. Para marcar esse momento, investimos em novas mídias e queremos convidálo a nos acompanhar em mais essa viagem, pois ela é feita para você!

ÍNDICE Confira Festivais de inverno e muito mais nas cidades da região.

06 Maria da Fé

Conheça a cidade mais fria de Minas Gerais e seu artesanato exclusivo.

10 Beagá Os encantos da capital Mineira.

22 Foz do Iguaçu

Roteiro de 4 dias em uma das cidades mais turísticas do Brasil.

34 Salão do Turismo

O Brasil em exposição na maior feira de turismo do país.

44

Entrevista com o Secretário Frederico Costa do Ministério do Turismo

52 Expediente Revista Vale Ver – No 11 – Ano III – Julho de 2010. Conselho editorial: Apostole Lazaro Chryssafidis, Aline Pupim, Alessandra Jorge, Jordana Mercado, Celina Rodstein Rodrigues, Marcílio Sousa Lima. Diretor editorial: Apostole Lazaro Chryssafidis Diretor de arte: Camilo Alvarez – arte@revistavalever.com.br Jornalista Responsável: Alessandra Jorge MTB-48711 Textos: Alessandra Jorge, Camilo Alvarez Netto Revisão: Jordana Mercado Tradução: Fabíola Santos Tiragem: 10.000 exemplares Impressão: Silvamarts Gráfica e Editora Capa: Kochergin Contato Comercial:José Rubens de Carvalho – comercial@revistavalever.com.br e revistavalever@revistavalever.com.br (12)3206-1607 Atendimento ao leitor: Para receber a Revista Vale Ver, escreva para: sac@revistavalever.com.br A Revista Vale Ver é uma publicação da HC Comunicação e Marketing Ltda. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo sem prévia autorização.

(35) 3654.1346 / (11) 3083.4149 www.pousadadorio.com.br Estrada dos Venâncios km 7 Gonçalves Minas Gerais

www.revistavalever.com.br


CONFIRA Inverno com o clima e sabor de Campos do Jordão Dolnikov Denys

A Associação Cozinha da Montanha que reúne mais de 20 restaurantes de Campos do Jordão (SP), iniciou em 11 de junho sua Temporada Gastronômica de Inverno. Até 08 de agosto, quando se encerra essa programação, o cliente poderá saborear uma variedade de pratos preparados com ingredientes produzidos na região. Além da excelente qualidade dos ingredientes, a criatividade no preparo, e apresentação dos pratos servidos, também serão excelentes razões para visitar cada um dos restaurantes participantes.  Informações no site www.cozinhadamontanha.com.br

Valter Pereira/PMJ

Jacareí promove Festival do Bolinho Caipira Até o dia 17 de agosto, a Fundação Cultural de Jacarehy José Maria de Abreu, promove o Festival do Bolinho Caipira, uma deliciosa disputa entre bares, restaurantes, padarias e demais estabelecimentos do gênero. A disputa será feita em três categorias: “melhor bolinho tradicional” (com farinha de milho branca e linguiça); “melhor receita original” (tipo de recheio e massa livres), e ainda o “melhor acompanhamento de bolinho”, no qual os concorrentes terão de usar a criatividade para criar a melhor combinação do tradicional bolinho com algum tipo de molho, antepasto ou bebida específica. JÚRI POPULAR – Qualquer cliente poderá participar da votação, por meio de cédula que estará disponível nos estabelecimentos, e concorrer ao sorteio de brindes. Além da votação popular, a Fundação Cultural irá constituir um júri técnico para cada uma das três categorias.  Mais informações no site: www.fundacaocultural.com.br

Valter Pereira/PMJ

6


Hospitalidade e programação cultural em Cunha Sua opção no inverno e no verão

Cunha(SP) é um charmoso e acolhedor roteiro turístico do Estado de São Paulo. De 08 de julho a 01 de agosto, o município realizará a 17ª edição do Festival de Inverno “Acordes na Serra”, com extensa programação cultural. Para os amantes da boa mesa, oferece, nesse período, um

roteiro gastronômico especial distribuído em três eixos: “Guara-Cunha”, “Urbano” e “Cunha-Paraty”. E, para completar a oferta de atrativos, diversas atividades de ecoturismo.  , Outras informações e a programação completa no site www.cunha.sp.gov.br

Paraty promove Festa Literária Em sua 8ª edição, a Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) acontece entre 4 e 8 de agosto, na cidade do sul fluminense. Segundo a organização, a Flip 2010 terá a participação de 35 autores, de 14 países, reunidos em 19 mesas literárias e na conferência de abertura.

Para completar a homenagem, o Quarteto de Cordas da Academia Osesp e Edu Lobo, farão show, com direção artística de Arthur Nestrovski.  Confira a programação completa no site www.flip.org.br

Eduardo Girão

Outro destaque é a variedade de temas: de política a escravidão, de quadrinhos a fábulas, roteiros policiais, e-book, i-pad e música. Haverá também uma programação especial em homenagem ao escritor e soci-

ólogo Gilberto Freyre. Além da Conferência de abertura, com as participações do sociólogo e ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e do historiador Luiz Felipe de Alencastro, três mesas dedicadas ao autor de Casa Grande & Senzala.

www.pousada4estacoesdepinhal.com.br

(12) 3666-2260 / (12) 9717-4545 atendemos também casais GLS


CONFIRA Festival de Inverno em Maria da Fé

José Rubens

Leonardo Bueno

Maria da Fé, município do sul de Minas Gerais referência em design, promove entre os dias 15 e 18 de julho, o 3o Festival de Inverno – Artesanato e Design, com o tema “Sustentabilidade e Transformação”. Na programação estão previstas visitas às oficinas e ateliês da cidade, onde os visitantes poderão conhecer o trabalho de renomados artistas, como Leonardo Bueno e Domingos Tótora, além das peças produzidas pelos artesãos da cidade.

Festival de Rock em Pedralva Pedralva, no Sul de Minas, realiza de 23 a 25 de julho, a 10ª edição do Pedrock, no Parque de Exposições da cidade. A mostra reúne bandas de diversos estilos e tem o objetivo de abrir espaço para promoção da música brasileira. Entre os destaques da programação está a banda “O Terço”, que se apresenta no dia 24. Os músicos Flávio Venturini, Sérgio Hinds e Sérgio Magrão farão uma releitura dos sons da década 70, época em que a banda foi considerada como a melhor de rock do Brasil. No domingo (25), a grande atração é a cantora Marina

Machado. Mineira de Belo Horizonte, ela apresenta os sucessos do seu mais novo trabalho “Tempo Quente”, que tem a direção artística de Milton Nascimento. Para o público infantil acontece o Pedrockinho, evento paralelo com atividades artísticas como teatro, dança e pintura. Segundo a organização, o Pedrock é carbono zero, ou Também serão oferecidos passeios turísseja, toda emissão de CO2 produzida pelo ticos de carruagem, cavalgadas, shows evento será compensada com o plantio de culturais, oficinas técnicas e exposição de árvores na região.  produtos. Na Alameda do Azeite, montada na Praça Getúlio Vargas, haverá também Mais informações: www.pedrockfestival.com.br e www.pedralva.mg.gov.br orientação sobre o cultivo das oliveiras e ainda apresentação de cosméticos feitos com as folhas. As baixas temperaturas, muitas vezes abaixo de zero e a gastronoCircuito mia mineira, completam os atrativos. 

Belo Horizonte cria Cultural Praça da Liberdade

Secretaria de Turismo: (35) 3662-1135

tural Banco do Brasil. Há também um café, que está sendo construído entre o Museu Mineiro e o Arquivo Público Mineiro. Esses seis novos espaços irão se somar à Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa, ao Museu

da Liberdade. Além do Palácio da Liberdade fazem parte do novo circuito: o Espaço TIM UFMG do Conhecimento; Museu das Minas e do Metal; Memorial de Minas Gerais Vale; Centro de Arte Popular Cemig; Centro Cul-

Mineiro, ao Arquivo Público Mineiro e ao Centro de Apoio Turístico Tancredo Neves, conhecido como a Rainha da Sucata.  Para saber mais www.circuitoculturalliberdade.mg.gov.br

Robert Serbinenko

8

A Praça da Liberdade é um complexo paisagístico e arquitetônico que sintetiza os estilos eclético e neoclássico, marcos da história de Belo Horizonte. Para promovê-lo, está sendo formatado o Circuito Cultural Praça


Descha Cam

Um festival feito de música, história e natureza

O Festival Vale do Café, é um projeto implementado desde 2003 para criar um pólo turístico cultural e acelerar o desenvolvimento econômico do interior do Estado do Rio de Janeiro. Depois de receber mais de 500 mil pessoas em suas sete edições, o Festival resgata o patrimônio imaterial, estimulando o amor à natureza e divulga

o patrimônio histórico e arquitetônico encontrado nas praças, igrejas e fazendas históricas do Vale do Paraíba fluminense que são o cenário das atrações do 8o Festival Vale do Café que acontece entre os dias 23 de julho e 1o de agosto.  Saiba mais através do site www.festivalvaledocafe.com

Ilhabela promove a Semana Internacional da Vela

gatas disputadas no Canal de São Sebastião das Praias do Perequê até a Vila, centro do agito de Ilhabela. Durante a competição são promovidos shows pela prefeitura da Ilha.  Mais informações nos site www.risw.com.br e www.ilhabela.sp.gov.br

Daniel Forster / Rolex

Com a participação de cerca de 150 barcos e 1300 velejadores, acontece de 17 a 24 de julho, a 37ª Rolex Ilhabela Sailing Week (Semana Internacional da Vela), no Yacht Club de Ilhabela (YCI), litoral norte de São Paulo. Considerada a mais importante competição náutica da América Latina, reúne os principais veleiros em atividade do Brasil, Argentina, Uruguai e Chile. Na classe ORC Internacional, o Brasil terá os seus principais representantes como o atual campeão Loyal/Carmim, Marcelo Massa e o grande campeão Gol/Touché Super, Ernesto Breda, que ganhou este ano a Semana da Vela em Santa Catarina. O público poderá ver as re-


10

Leonardo Bueno


Maria da Fé

Exemplo de sustentabilidade e superação no Sul de Minas Por Alessandra Jorge – editorial@revistavalever.com.br

De grande polo produtor de batatas a referência internacional em design. Essa é a trajetória de Maria da Fé, cidade no Sul de Minas Gerais, que descobriu na atividade artesanal a oportunidade de criar sua identidade e fazer do turismo uma fonte de renda, geradora de empregos e atrativa para os turistas.

11


Maria da Fé

Example of sustainbility and overcoming in South of Minas Great potato pole producer and international reference in design. That is the trajectory of Maria da Fé, city located in the south of Minas Gerais, that discovered in its activity the opportunity to establish their identity and a way to attract tourists. The work focus is the sustainability. The pieces are made with natural fibers and they are exposed in workshops all over the city. The concern with the nature is also present in the organic farming and biodynamics (plantation without using pesticide) which predominates in rural properties.

Leonardo Bueno

Another atractive is the cold weather. In this year the thermometers reached 23,6°F and changed the landscape of the city that is full of olive and cherry trees. In the city it is also produced the first olive brazilian oil, with the degree of acidity in 0.39%, classifying the product as high level of purity and quality.

12

O foco do trabalho é a sustentabilidade. As GEADAS – Mas, Maria da Fé é muito mais peças são feitas com a fibra da bananeira, do que arte. Localizada a 1.300 metros de palha, cipó, papelão, sacos de cimento e altitude, mantém temperaturas amenas o juta, sobras de madeira e ano todo e tem frequentes jornal. Tudo vira arte nas geadas no inverno. Neste ano, mãos dos artesãos, que os termômetros chegaram Neste ano, os expõem seus trabalhos termômetros chegaram -4,6°C e mudaram a paisagem em casa e nos ateliês esda cidade repleta de oliveiras -4,6°C e mudaram a palhados pela cidade. Há e cerejeiras. paisagem... ainda peças de tricô, fuxiE se o assunto é Oliveiras, a co, licores e alimentos. história do local com a árvore A preocupação com a natureza também também é vitoriosa. Maria da Fé é produtora está presente na agricultura orgânica e bio- do primeiro azeite genuinamente brasileiro, dinâmica (plantio sem uso de agrotóxicos) fruto de mais de trinta anos de pesquisas que predomina nas propriedades rurais. desenvolvidas na Fazenda Experimental da Epamig (leia texto na página 18).


ARTE&DESIGN Mandala produzida pelos artesãos do ateliê Gente de Fibra

J os

éR

ub

e ns

Donizete Castilho

13


Maria da Fé

Setur Maria da Fé

PIONEIRISMO – O artesanato surgiu como surgiu a Cooperativa Mariense de Artesanato alternativa, quando o cultivo da batata (Fibras com Arte), hoje com 55 artesãos. sofreu uma forte crise e “Eu fazia bordado e ponto deixou grande parte da cruz e o Domingos se ofeTivemos que vencer a população sem emprego. receu para ensinar a gente. A virada começou pelas desconfiança da cidade que Tivemos que vencer a desmãos do artista plástico comentava que a gente iria confiança da cidade que Domingos Tótora e cinco mexer com lixo. comentava que a gente mulheres que aceitaram iria mexer com lixo. Hoje, o desafio de produzir arte, todos têm orgulho. Eu nunca imaginei que em 1998. chegaríamos a esse nível. Hoje vendemos Quem conta essa história é a artesã Valéria para fora do país, para vários Estados, particiMendes, uma das “corajosas” que acredita- pamos de feiras, e aparecemos em revista. O ram em Tótora e resolveram aprender com nosso sonho é construir a sede da Cooperatiele, a fazer arte com fibra de bananeira e pa- va e montar um showroom com os trabalhos pel reciclado. Nascia assim a Oficina Gente de todos os artistas”, confessa Valéria.  de Fibra, atualmente com 13 artesãos. Para- Para saber mais acesse www.fibrascomarte.com.br e lelamente surgiram outras oficinas. Em 1999, www.mariadafe.mg.gov.br.

14

Setur Maria da Fé


Pousada Maria da Fé

Maria da Fé proporciona vivenciar o turismo Primata Turismo & Aventura

Visitar uma fazenda que pratica a agricultura biodinâmica e aprender mais sobre essa técnica agrícola que cultiva sem o uso de agrotóxicos, com a possibilidade de colher uma espiga de milho diretamente do pé. Produzir pessoalmente uma obra de arte ou curtir um momento de vida na fazenda cuidando de um cavalo. Essas são algumas atividades de vivência disponíveis em Maria da Fé. Com a utilização de técnicas de equoterapia, o visitante participa de todo o preparo do cavalo, desde buscá-lo no pasto até escovar e alimentar o animal. A atividade segue com um relaxamento e alongamento sob o cavalo e termina com uma cavalgada. Segundo o agente receptivo, Marcelo Gesualti, que opera roteiros na cidade, os pacotes são personalizados, e o turista escolhe o que quer fazer. Primata Turismo & Aventura

FAZENDO ARTE – Além da oportunidade de conhecer de perto como é feito o trabalho desenvolvido nos ateliês, o visitante pode também sentir a emoção de produzir uma peça. “O turista conhece um pouco da nossa história, conhece a fibra e aprende a produzir uma peça, que leva pra casa”, disse a artesã, Valéria Mendes. 

José Rubens

Está situada nas altas montanhas da Serra da Mantiqueira, em meio a matas e rios, belas e bem conservadas estradas levarão você a conhecer os encantos da cidade de Maria da Fé. A pousada está localizada logo na entrada da cidade e possui um espaço amplo e arborizado, que permite oferecer aos seus hóspedes, contato direto com a natureza. A pousada Maria da Fé oferece: Salas de estar com lareira, estacionamento privativo. Estadia em suítes com TV, frigobar, internet wireless free e café da manhã. (35) 3662.1299 ou (35) 3662.1411 pousadamariadafe@gmail.com www.pousadamariadafe.com.br


Maria da Fé PIONEERING – The handicraft sector has emerged as an alternative, when the cultivation of potato past through a strong crisis and great part of the population had no job. It started with the plastic artist Domingos Tótora and five women that accepted the challenge to produce art from the fiber of the banana tree and recicled paper, in 1998. NETWORK – With a little more than 200 beds, most of them in familiar lodging, Maria da Fé, is seeking for entrepreneurs to increase its touristic infrastructure. With this purpose was created the Enterprise Network Mariense, responsible for promoting the Winter Festival of Handicraft & Design, which has its third edition in 2010.

16


Qualidade

Artista aposta na Certificação José Rubens

Filho de produtores de batata, o artista “Já era o que eu praticava, mas para manLeonardo Bueno, virou artista por aca- ter a certificação e o selo do IQS, que é so. Depois de estudar Turismo, retornou renovado anualmente, sou obrigado a a Maria da Fé, montou uma pousada e trabalhar com madeiras ecológicas. Dá começou a produzir peças em madei- para viver de arte, mas o segredo é pensar ra para decorá-la. Hoje, suas obras são como empresário. As pessoas aqui estavendidas pelo país e estão expostas num vam acostumadas com a batata que tem showroom em Paris. retorno rápido e estão aprendendo a viver com a arte, que é mais lento. A cidade tem O sucesso no exterior foi impulsionado um potencial muito grande, só faltam inpela certificação dos produtos pelo Instivestidores”, disse Leonardo Bueno.  tuto de Qualidade Sustentável (IQS).

Investimento

Cidade busca empreendedores

José Rubens

Com pouco mais de 200 leitos, a maioria “A cidade é pequena e aconchegante. Nosso deles em Pousadas Familiares, Maria da Fé, artesanato tem sofisticação internacional, está em busca de empreendedores para com artistas premiados. Temos azeite de incrementar sua infraestrutura turística. alta qualidade e estamos em busca de empreendedores interessados em investir na cidade”, disse a Secretária de Turismo de Maria da Fé, Ana Paula Torres Santos. Com esse objetivo, foi criada a Rede Empresarial Mariense visando a promoção de oportunidades empresariais que contribuam para a consolidação de Maria da Fé como destino turístico. O primeiro fruto desta união, foi a realização do Festival de Inverno Artesanato & Design de Maria da Fé, que está na sua terceira edição. Saiba mais na seção Confira na pág. 8 dessa edição. 


Maria da Fé

Artist bets on Certification Son of a potato producer, Leonardo Bueno, became an artist accidentally and today has his works exposed even abroad, in a showroom in Paris. This success outside the country was promoted by the certification of the products by the Sustainable Quality Institute (IQS). “The city has an excellent potential, but there are no investors”, said Leonardo.

Maria da Fé provides tourism experience

Cidade produz primeiro azeite do Brasil A oliveira, símbolo de Maentre os viajantes que pasria da Fé, é encontrada nas savam de trem. Hoje, só na praças e ruas, e está aos Epamig, há 70 mil pés de 56 O produto poucos recuperando a voespécies. chama a atenção cação agrícola da cidade. Em março deste ano, foi pelo grau de acidez Depois de mais de 30 anos extraído o primeiro azeite de 0,39% de pesquisas desenvolvidas brasileiro. Até o início da na Fazenda Experimental da comercialização em 2011, o Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas visitante pode degustá-lo no comércio e na Gerais (Epamig), um azeite de alta qualidade Epamig, que oferece visitas monitoradas. começa a ser produzido na cidade. Segundo os pesquisadores, o produto chaA história com as oliveiras teve início em ma a atenção pelo grau de acidez de 0,39%, 1946, quando as primeiras mudas foram que classifica o azeite de Maria da Fé, como plantadas para fazer propaganda da cidade alto nível de pureza e qualidade. 

José Rubens

Maria da Fé offers many different experiences, like visit a farm that practices the biodynamics agriculture and learn more about that agricultural tecnique which the plantation is cultivated without the use of pesticide, with the possibility to harvest a cob of maize directly where it was planted. Produce personally a work of art or enjoy the life in a farm near the horses.

Pioneirismo

18


José Rubens

Ambiente acolhedor com vista panorâmica

Trutas, grelhados, massas, caldos, fondues, opções vegetarianas, priorizando produtos orgânicos da região e de nossa própria horta.

FAZENDA EPAMIG Acima, algumas das 56 espécies de azeitonas cultivadas Ao lado, viveiro de oliveiras.

Estrada Sertão do Cantagalo, Km 7,5 Gonçalves — MG (35) 3654.1350

www.pousadabichodomato.com.br


Belo Horizonte

cosmopolita, acolhedora, vibrante e Por Alessandra Jorge – editorial@revistavalever.com.br

22


Robert Serbinenko

e:

e saborosa

23


Belo Horizonte Belo Horizonte é cosmopolita, acolhedora, vibrante e saborosa. A capital mineira famosa por seus botecos, também é referência em meio ambiente, tendo sido indicada “Cidade Modelo na Área Ambiental” pela OMS (Organização Mundial de Saúde), pela média de 32 metros quadrados de área verde por habitante. Visitar Beagá, como carinhosamente é chamada, é viajar no tempo e vivenciar a história a céu aberto com a riqueza de estilos da Praça da Liberdade ou nos mais variados espaços como o Museu Abílio Barreto, Museu de História Natural, Museu de Artes e Ofícios, Museu Giramundo, entre outros.

24


Belo Horizonte: offers to the visitant nature and history Belo Horizonte is cosmopolitan, cozy, vibrant and tasty. The Minas Gerais capital is famous for its pubs, and it is also reference in the environment, it has an average of 32 square meters of green area per inhabitant. But, visit Beagá, as its fondly nicknamed, is to travel in time and experience the history in the many museums of the city. Camilo Alvarez

E o que dizer do Complexo da Pampulha, Aproveitando a facilidade do transporte onde a genialidade do arquiteto Oscar aéreo, sugerimos iniciar o roteiro a partir Niemeyer, aliada ao talendo Aeroporto de São José to do paisagista Roberto dos Campos, de onde aos Burle Marx, do pintor Cân‘Cidade Modelo na sábados é possível embardido Portinari e dos esculÁrea Ambiental’ pela car em um voo às 7h e chetores Alfredo Ceschiatti, gar uma hora depois, às 8h, OMS, pela média de no Zamoiski e José Pedrosa, Aeroporto da Pampulha, 32 m2 de área verde brindam os visitantes com localizado a 9 quilômetros por habitante. marcos da arquitetura modo Centro. dernista como a Igreja de MERCADO – Alguns estuSão Francisco de Assis e o Museu de Arte diosos costumam dizer que para se coda Pampulha, com suas 900 peças da arte nhecer a essência de uma cidade, basta brasileira moderna e contemporânea (leia visitar o Mercado Municipal e em Belô não mais na página 29). é diferente. São 400 lojas que oferecem de

The essence of Minas Gerais can be felt at Municipal Market, where everything can be found: handicraft, sugar cane drink, cheeses, flowers, seasonings and exotic spices, vegetables, typical fruits and also imported, beyond bars and restaurants. Every sunday the capital hosts a Handicraft Fair located downtown on Afonso Pena Avenue. It has three thousand exhibitors, divided into 17 sectors: food, jewelry, clothes, handicraft, furnitures, decoration, among other attractions. Its broad variety of products and acessible prices attracts both tourists and locals, as they are sure they will always find something interesting.

25


Belo Horizonte Robert Serbinenko

Henry Yu

ALMA MINEIRA Mercado Central reúne produtos de várias partes de Minas. Bares e restaurantes são ponto de encontro aos finais de semana.

tudo: artesanato, cachaças, queijos, flores, temperos exóticos e especiarias, legumes, frutas típicas e importadas, além de bares e restaurantes e, é claro, uma boa prosa. Pastel de angu, torresmo, bolinho de feijão fradinho e queijos são algumas delícias que fazem sucesso no local. No entanto, nenhuma delas é páreo para o tira-gosto símbolo do Mercado Central: fígado com jiló. Aliás, o legume é uma grande atração, sendo encontrado na composição de inúmeros pratos.

FEIRA DA AFONSO PENA – A Feira de Artesanato surgiu em 1969 na Praça da Liberdade. Cresceu tanto que foi transferida em 1991 para a Avenida Afonso Pena, sendo hoje considerada a maior da América Latina. Nela, três mil expositores, divididos em 17 setores (alimentação, artes plásticas, bijuterias, bolsas e cintos, calçados, decoração, vestuário, entre outros), atraem sempre aos domingos, das 8h às 14h, visitantes de várias partes do país e até do exterior. OUTROS PONTOS – Também vale uma vi-

opção

BH animal

26

O recém inaugurado Aquário da Prefeitura – Bacia do Rio São Francisco, com cerca de 1200 peixes de 50 espécies, distribuídos em 22 aquários, é mais uma opção na Pampulha. No local também é possível conhecer aspectos socioambientais e culturais das populações que ocupam as margens do Rio São Francisco com produção artesanal de peças como carrancas, redes de pesca e cerâmicas.

é a segunda maior área verde de Belo Horizonte e recebe anualmente 1,2 milhão de pessoas. Em sua área funciona o Zoológico, um dos mais completos da América Latina, com cerca de mil animais de 200 espécies do Brasil e do Mundo. Há também Borboletário, Jardim Botânico, com estufas e jardins temáticos e pergolado, praças, lagos, fonte e anfiteatro. Recentemente, o local também ganhou um Jardim Japonês. 

ZOO-BOTÂNICA – Com 1,4 milhão de metros quadrados, a Fundação Zoo-Botânica

Mais informações Fundação Zoo Botânica www.pbh.gov.br/zoobotanica

Robert Serbinenko


DE TUDO UM POUCO Com mais de 3 mil expositores, Feira da Afonso Pena é grande atrativo aos domingos

sita à Praça Raul Soares onde o ar bucólico contrasta com a modernidade. Além da região da Savassi, centro de compras e reduto de bares e restaurantes, o Parque das Mangabeiras, com uma paradinha imperdível em seu mirante e a Praça do Papa. 

Henry Yu

Outras informações acesse: Belotur – www.belotur.com.br Mercado Central – www.mercadocentral.com.br Prefeitura de Belo Horizonte – www.pbh.gov.br Belo Horizonte Convention Bureau www.bhcvb.com.br Alô Turismo – Diariamente das 8h às 18h. Tel. (31) 3220.1310

Robert Serbinenko

Zoo-Botanic Foundation and Aquarium The newly opened Aquarium – San Francisco watershed, with almost 1200 fishes of 50 species, distributed in 22 aquarium, is another option in Pampulha. In the same region, the Zoo- Botanic Foundation receives anually 1,2 million people. In its area operates the zoo, with nearly one thousand animals of 200 species of Brazil and from all over the world. There is also butterfly house, botanical garden with themed gardens, greenhouses and pergola, parks, lakes, fountain and amphitheater. Recently, the site also received a Japanese Garden. 27


Belo Horizonte

Arquitetura

Pampulha: Marco do modernismo brasileiro

Robert Serbinenko

28

Robert Serbinenko


Coube ao pintor Cândido Portinari deixar o conjunto ainda mais fantástico. É dele a autoria dos 14 painéis que retratam a Via Sacra e a vida de São Francisco, presentes na Igreja de São Francisco de Assis, conhecida como a Igrejinha da Pampulha. Também fazem parte do conjunto, a Casa do Baile, que possui curvas que acompanham a Lagoa. Inaugurada em 1943 para ser um espaço de dança popular, hoje

abriga a sede do Centro de Referência em Urbanismo, Arquitetura e Design, que promove eventos e exposições sobre o tema. O MUSEU DE ARTE – O antigo cassino vivenciou muitas noites de gala, até a proibição do jogo no Brasil em 1946. Hoje, abriga o Museu de Arte da Pampulha, com 900 peças de arte brasileira moderna e contemporânea. Conta com salas de multimídia, biblioteca, café/bar e loja de souveniers. OUTROS – Os estádios Governador Magalhães Pinto – o Mineirão e o Jornalista Felipe Drummond, o Mineirinho, foram incorporados ao complexo. O Mineirão, que é considerado um dos mais belos estádios de futebol do mundo, passa atualmente por obras e deverá ser reaberto em 2013, adequado para a Copa de 2014. 

Pampulha Architectural Complex: Reference of Modern Brazilian Architecture The Pampulha Architectural Complex was projected in the 1940 decade by the architect Oscar Niemeyer, the sinuous forms of the renowned architect together with the beautiful landscaping Roberto Burle Marx, also received the sculptures of Alfredo Ceschiatti, Zamoiski e José Pedrosa. The artist Candido Portinari received the mission to leave the complex even more fantastic. It is his autorship the 14 panels that portray the Sacred Road and Saint Francisco’s life, present in the Church of St. Francis of Assisi, known as the little Church of Pampulha. THE ART MUSEUM – It was a casino until 1946, when the game was prohibited in Brazil. Today, houses the Pampulha Art Museum, with some modern and contemporary Brazilian art work.

Robert Serbinenko

O Complexo Arquitetônico da Pampulha é um retrato da genialidade de Oscar Niemeyer, que sob encomenda do então prefeito Juscelino Kubistchek, o projetou na década de 1940. As formas sinuosas do renomado arquiteto se juntaram ao belo paisagismo de Roberto Burle Marx, que também recebeu as esculturas de Alfredo Ceschiatti, Zamoiski e José Pedrosa.

29


Belo Horizonte

Para todos os gostos e bolsos Capital Mundial dos botecos surpreende pela diversidade Com mais de 12 mil estabelecimentos, Belo Horizonte oferece aos visitantes uma opção variada entre bares, restaurantes, botecos e afins. A tradicional culinária mineira caminha lado a lado com os deliciosos petiscos servidos nos botecos e inspira a alta gastronomia. Para quem procura diversidade, a região da Savassi

Henry Yu

The World Capital of bars surprises because of the diversity With more than 12 thousand establishments, Belo Horizonte offers to its visitor a great option of pubs and restaurants. The traditional cuisine, is varied with the delicious appetizers which inspires the high gastronomy. Performing Gastronomic Festivals has been the main strategy of the city to promote the local gastronomy. One of the most known is the “Comida di Buteco”, but they also have the Bar in Bar Festival, Brazil Flavor Festival and the Flavor and Art Festival.

30

as refeições, e mais arroz, ovo e linguiça. Na década de 70, o prato ganhou farofa e couve e nos anos 80, o torresmo. Hoje, ele pode vir acompanhado de pernil, carne cozida, dobradinha, língua ou peixe.

Petiscos e música são atrações nos botecos.

BOEMIA – Popular reduto da boemia mineira, o bairro Santa Tereza, foi berço de ícones da música brasileira

é a indicada pela grande opção de bares, restaurantes e pubs. O local também é um excelente polo de compras. Com a mesma característica, porém com mais tranquilidade, o bairro Sion também vale a visita. O endereço da alta gastronomia é o bairro Lourdes, um dos mais requintados de Beagá, reduto de grifes de renome internacional.

como Milton Nascimento, Fernando Brant, Marcio e Lô Borges (o chamado Clube da Esquina). Com construções que remetem à Beagá de antigamente, tem uma programação cultural bem animada. Nele também é encontrado o popular “Espaguete do Bolão” (macarronada à bolonhesa), geralmente consumido pelos baladeiros nas madrugadas.

HISTÓRIA – No centro da cidade está localizado o restaurante mais antigo de Beagá, o Café Palhares, cuja história iniciada em 1938, se confunde com a da própria capital mineira. Mas, o que levou o Palhares a se tornar famoso foi o Kaol. O prato foi batizado com as iniciais de suas guarnições: cachaça, grafada com K numa alusão glamurosa à bebida que costumava proceder

FESTIVAIS – A realização de Festivais Gastronômicos tem sido uma das principais apostas da cidade para promover a gastronomia mineira. Um dos mais conhecidos é o “Comida di Buteco”, que esse ano chegou à sua 10ª edição com a participação de 41 estabelecimentos.  Mais informações: Circuito do Ouro www.circuitodoouro.org.br


Robert Serbinenko

Praรงa Raul Soares, no centro de BH.

31


Belo Horizonte

pERTO DE bh

Near Beagá. Historic Cities of Minas Gerais reveals the wealth and the Brazilian baroque style

Patrimônio Histórico

Auro Queiroz

Minas Gerais capital is the starting point for the best of the Brazilian baroque style. The tour to the historic cities of Mariana, São João Del Rey, Ouro Preto, Tiradentes and Diamantina reveals the wealthness of the Gold Cycle, with its churches, museums and constructions. Besides, the tour also keeps masterpieces of Aleijadinho and other great artists of the 18th and 19th centuries. For more information access the Gold Circuit website – www.circuitodoouro.org.br

O entorno da capital ofereBelo Horizonte é o ponto de ce ainda o passeio às cidapartida para o melhor do Cidades propiciam des históricas de Mariana, barroco brasileiro, e leva o viagem a história da turista a outras histórias que São João Del Rey, Ouro Prearte mineira to, Tiradentes e Diamantina reservamos para as próxique revelam a riqueza do mas edições.  Ciclo do Ouro, com suas igrejas, museus e casario. Além disso, o roteiro conduz às obras-primas de Aleijadinho e outros gran- Mais informações: Circuito do Ouro www.circuitodoouro.org.br des artistas dos séculos 18 e 19.

Luis Gustavo Lucena

COMO CHEGAR EM BELO HORIZONTE

32

De avião pela Trip Linhas Aéreas IDA – Saída Aeroporto de São José dos Campos – 7h / Chegada 7h59 no Aeroporto da Pampulha. VOLTA – Saída do Aeroporto de Pampulha 21h /Chegada 22h30 em São José dos Campos. Outros horários acesse www.voetrip.com.br Carro: São Paulo: BR-381 (rodovia Fernão Dias) Passando pelo Sul de Minas (Extrema, Pouso Alegre, Itajubá, Varginha). Rio de Janeiro: BR-040. Passando por Petrópolis (RJ), Juiz de Fora (MG), Barbacena (MG) e Conselheiro Lafaiete (MG). Ônibus: Terminal Rodoviário – www.pbh.gov.br/linhasrodoviarias


34


FOZ

DO IGUAÇU A ÁGUA GRANDE DO BRASIL Achim Baqué

por Camilo Alvarez Netto – editorial@revistavalever.com.br

35


Foz do Iguaçu

The Large Water of Brazil Large Water or Iguaçu in Tupi-guarani etymology, is the second biggest complex of waterfalls in the world. Is one of the main attractions of the country, and attracts almost one million tourists per year. “Poor Niagara” said the ex-first lady of United States Ms. Eleanor Roosevelt, during her visit to Foz.

First Day – The Brazilian side Before anything else, unless you really need to choose one side of the waterfalls, visit the two sides. They are unique experience and they complement each other. Few meters before you enter the Iguaçu National Park, to the right, is located the Birds Park where the tourist can get into (yeah, inside!) some vivariums and you can see hundreds of birds species . Be careful with the snack you are eating because the quatis attacks distracted tourists.

36

Água Grande ou Iguaçu em tupi-guarani é o segundo maior complexo de cachoeiras do mundo. É uma das principais atrações do país, e chega a atrair quase um milhão de turistas por ano, de todas as partes do mundo, segundo a administração do parque. “Poor Niagara” disse a ex-primeira-dama norte-americana Eleanor Roosevelt, em sua visita a Foz, referindo-se às cataratas na divisa de seu país com o Canadá.

os dois lados, mas fica muito dificil escolher qual a melhor vista.

A cidade tem outros pontos turísticos que, com certeza, valem uma visita. A usina de Itaipu, depois das cataratas, é sem dúvida o mais impressionante. Os brasileiros sempre são tentados a fazer umas compriPoor Niagara disse a ex-primeira- nhas no Paraguai, que está do outro lado do rio, a apedama norte-americana nas alguns minutos.

Eleanor Roosevelt...

Esse espanto não é raro. Logo do ônibus os turistas já percebem que a extensão é bem maior do que parece nas fotos e o volume de água, durante o período de cheias, absurdo. O Parque das Cataratas do Iguaçu faz divisa com a Argentina. As próprias cachoeiras estão divididas entre os dois países e, para se ter uma visão completa, é necessário visitar

Com muito ou pouco tempo disponível para essa viagem, é aconselhável preparar roteiros de um dia, para ajudar a se programar e aproveitar ao máximo os passeios.

A melhor época para se visitar é no período das cheias, de novembro a abril. A partir da Páscoa, começa o período de estiagem e, em certas ocasiões, a maioria dos saltos seca quase que completamente. 


DIA 1

O LADO BRASILEIRO

Antes de mais nada, a não ser que você re- desanime pois, geralmente, o tempo de almente precise escolher um lado das cata- espera não é longo. ratas, visite os dois. São experiências únicas Tome um ônibus, desça em frente ao Hotel e complementares. das Cataratas e siga a trilha em direção a Poucos metros antes de entrar no Parque Garganta do Diabo. Não vale a pena ficar Nacional, à direita, está o Parque das Aves, descrevendo o que você irá encontrar, mas que pode passar por um mini zoológico vale repetir que fotos ou palavras não fazem comum, mas reserva uma grande surpresa juz à experiência. ao turista que entra em alguns dos viveiros ALMOÇO – Para terminar o dia de emoe fica cara a cara com tucanos, araras, pações, o buffet livre do restaurante Porto pagaios, tuiuius e dezenas de espécies de Canoas, com vista para as cataratas, é um pássaros do Brasil e do mundo. A visita dura, luxo acessível. Se desejar opções mais ecoem média, uma hora, dependendo de quannômicas, há diversas lanchonetes próxitas fotos você tirar. Aliás, não se esqueça de mas ao restaurante, mas cuidado com os reservar memória e bateria para as cataratas, quatis que estão em todo parque, princivocê não vai querer economizar nos cliques. palmente na praça de alimentação. Eles Na entrada do Parque Nacional, provavel- são bonitinhos, mas atacam para roubar mente encontrará filas enormes, mas não o lanche de turistas desavisados. 

Camilo Alvarez

Camilo Alvarez

37


Foz do Iguaçu

DIA 2

CATARATAS ARGENTINAS

É necessário passar pela imigração para visitar as cataratas argentinas. Diga aonde vai, mostre o RG ou passaporte, e dirija-se à entrada do Parque. Do lado dos nossos hermanos, o passeio é feito todo em um mini-trem. Desça na primeira parada e visite os saltos superiores primeiro. Depois faça o percurso dos saltos inferiores e prepare-se para se molhar, pois as passarelas ficam bem próximas das cataratas. Se você curte emoção veja o Box sobre os passeios de barco na pag 39. GARGANTA DO DIABO – Da parada do trem até a garganta são vários minutos de caminhada sobre passarelas. Realmente você não vai dar nada pelo passeio, mas parece que esse percurso sem graça foi feito intencionalmente para acentuar o ponto máximo da experiência nas cataratas. À tarde você pode passar em Puerto Iguazu. Bem menor que Foz, tem um pequeno centro com lojas de artesanato, couro e empórios. Há também um cassino na cidade. 

38


Camilo Alvarez

Camilo Alvarez

AVENTURA

BANHO DE CACHOEIRA

Tanto no lado brasileiro como no lado argentino há passeios de bote inflável. O lado argentino é mais barato e se passa por mais cachoeiras. Ambas empresas fazem o “Batismo na cachoeira”, portanto já vá preparado para se molhar da cabeça aos pés (não há chance de uma capa de chuva evitar que se encharque). São fornecidos sacos a prova d’água para câmeras e calçados. Também se pode fazer rafting, rapel e canoagem.  Mais informações: http://www.macucosafari.com.br e http://www.iguazujungle.com Camilo Alvarez

39


Foz do Iguaçu

DIA 3

PARAGUAI E ITAIPÚ

Camilo Alvarez

Second Day Argentinean Waterfalls TGet down in the first stop and visit the higher leaps . After prepare yourself to be wet and go to the lower leaps, because there you stay really close to the waterfalls. GARGANTA DO DIABO - “Devil´s Throat” from the train stop until the “throat” are several minutes walking on the bridge until you can experience the waterfalls. In the afternoon you can visit Puerto Iguazu where there are many handicrafts, leathers and department stores. And there is also a Casino you can go.

Adventure in the Iguaçu River In both sides Brazilian and Argentinean there are tours with inflatable bote. In the Argentinean side the tours are cheaper and they pass by through more waterfalls. Both companies does the “Baptism in waterfalls”, so prepare yourself to be wet from head to toe.

40

PARAGUAI – Quem já foi à Rua 25 de Março, em São Paulo, próximo ao Natal, pode imaginar como é Ciudad Del Este. É um pouco pior na verdade: transito caótico, ruas não muito limpas e dezenas de galerias e shoppings apinhados de gente. Chegue cedo para aproveitar bem o dia e não se chateie com os congestionamentos frequentes na ponte da Amizade. Ela pode ser atravessada a pé, mas como furtos são comuns, cuidado com carteiras e bolsas. CUIDADOS – É muito importante já ter em mente o que pretende comprar e uma ideia de preço, caso contrário, você vai se perder com tantos produtos, modelos, regalos (brindes) e valores. Papel e caneta na mão, jamais deixe de pechinchar. Não compre nada na rua, porque quase tudo é falsificado. Mesmo nas lojas, alguns itens deixam dúvidas sobre a procedência e originalidade da marca. Os campeões, sem dúvida, são os pendrives e as pilhas recarregáveis.

Os lojistas aceitam reais, dólares ou euros, além de cartões de crédito internacionais. Mas é com dinheiro vivo que se negocia os melhores descontos. FISCALIZAÇÃO – É obrigatório passar pela Aduana na volta para Foz (veja quadro com limites de importação na pag. 41). Taxistas e mototáxis costumam garantir que passam direto sem serem fiscalizados mas, mesmo que isso seja verdade na fronteira, nas estradas do Paraná há vários postos de fiscalização aduaneiros – então, cuidado para não transformar uma pechincha em um grande prejuízo. ITAIPU – Se ainda tiver pique, à tarde, vá a Itaipu. É a maior usina hidrelétrica do mundo em geração de energia. A monstruosidade da obra impressiona, especialmente após refletir sobre os números da construção exibidos em um documentário de 15 minutos. Depois do vídeo, há um tour de ônibus pelo exterior da represa. À noite, há a opção de ver um show de luzes nas paredes da represa, mas sem o tour. 


Third Day – Paraguay and Itaipu

Iladm

TChaotic traffic, dirty streets and dozens of galeries and shopping malls full of people. The stores accept real, dollars or euros, and also international credit card. Another interesting tour is to visit the Itaipu Hidroelectric Plant, the largest in the world of its category. After a 15 minutes video , there is a bus tour outside the dam. At night you have the option to see a light show in the dam walls, but without the tour.

Iladm

COTA S E M U LTA S D E I M P O R TAÇ ÃO COTA: US$ 300,00 por pessoa. Tanto por via terrestre como de avião saindo de Foz. Para quem volta de avião pelo aeroporto de Ciudad del Este, a cota é de US$ 500,00. Acota só pode ser utilizada a cada 30 dias e é pessoal e intransferível, ou seja, duas ou mais pessoas não podem juntar suas cotas.

Não entram na cota roupas e outros artigos de vestuário, artigos de higiene, beleza ou maquiagem e calçados, para uso próprio, em quantidade que não caracterize comércio dos produtos adquiridos. MULTA – O valor do bem será o constante da fatura ou da nota de compra. Além

disso, aplica-se multa de 50% sobre o valor excedente à cota de isenção dos bens quando o viajante apresentar DBA falsa ou inexata (em outras palavras, 50% de imposto + 50% de multa, para tudo o que passar de 300 dólares). Boas compras.  41


Foz do Iguaçu

Fourth Day Buddhist Temple and Mosque The city has the second largest Islamic brazilian community and one of the most magnificent mosque in Brazil. But to visit the Temple and the mosque you previously need to schedule the visit. BUDDHIST TEMPLE- The robustness of this temple attracts tourists since 1996. The area is filled with gardens with dozens of deities statues, as the Budha that has seven meters height.

Camilo

Alvarez

DIA 4

MESQUITA E TEMPLO BUDISTA

Depois de radicalizar nas cataratas, cair nas tentações consumistas do Paraguai e ver uma das maravilhas da engenharia moderna, você pode passar um dia mais zen em Foz do Iguaçu. A cidade tem a segunda maior comunidade islâmica brasileira e uma das mais suntuosas mesquitas do Brasil. A Mesquita Omar Ibn Al-Khatab foi inspirada na Mesquita de Al Akssa, em Jerusalém. Conhecê-la é fácil, é preciso, apenas, agendar a visitação previamente na secretaria. TEMPLO BUDISTA – A pujança desse templo atrai turistas desde 1996. A área é repleta

de jardins com dezenas de estátuas de divindades, como a de um Buda de sete metros de altura. No interior do templo, as almofadas vermelhas convidam à meditação.  Mesquita de Foz do Iguaçu Rua Meca, 599, Jardim Central Horário de Visitação: segunda a sábado, das 9h às 12h e das 14 às 18h (a visita deve ser agendada previamente). Informações: (45) 3573-1126 Site: www.islam.com.br E-mail: info@islam.com.br Templo Budista de Foz do Iguaçu Rua Aluízio Ferreira de Souza, 99, Nova Califórnia Horário de Visitação: terça a sábado das 10h às 17h, e domingo 10h às 15h Informações: (45) 3524-5566

Camilo Alvarez

42


Convention & Visitors Bureau, um instrumento para o desenvolvimento econômico

Parceria entre público e o privado. A boa relação entre os dois setores é uma das alternativas mais viáveis para alavancar o desenvolvimento do Brasil. O São José dos Campos e Região Convention & Visitors Bureau desempenha o papel de reunir iniciativa privada, órgãos governamentais e entidades de classe para fazer o turismo acontecer. O Convention Bureau desempenha um papel essencial para o turismo, realizando a captação de eventos e visitantes para a região. E a realização de eventos qualifica a circulação de capital e amplia a inclusão social reduzindo a sazonalidade da hotelaria e de outros equipamentos voltados a receber o turista, como restaurantes, locadoras de automóveis, espaços para eventos etc. Nós acreditamos que a boa relação entre os setores público e privado é uma das alternativas mais viáveis para alavancar o desenvolvimento do Vale do Paraíba.

Av. Alfredo Ignácio Nogueira Penido, 335 - Sala 1008 Jd. Aquarius - São José dos Campos/SP sjcrcvb@sjcrcvb.com.br / www.sjcrcvb.com.br (12) 3206-7471


O P M U a O l e v D e r U o T DE 5º Salão do Turism

cardo lo Min, Ri aral, Marce Daniel Rei e r: Sergio Am Felipe l, l-E Ka Fotos: Mtu ro go Sá, Cíce Brito, Thia erneck Aurélia W

44


O C U Oa retrato do Brasil Por Alessandra Jorge editorial@revistavalever.com.br

Percorrer um circuito de arvorismo, deslizar sobre uma rampa de gelo, comprar e aprender a fazer artesanato, degustar pratos de várias regiões, conhecer novos destinos ou simplesmente observar. Este foi o cenário de possibilidades encontrado pelos mais de 109 mil visitantes que passaram pelo Salão do Turismo, realizado nos dias 26 a 30 de maio, no Anhembi, em São Paulo, SP. 45


Salão do Turismo

Cesar Ogata

Sergio Amaral

5th. Tourism Salon reveals the image of Brazil. Music, handicraft, gastronomy, dance and numerous attractive tourism of the 26 states and the Federal District might be conferred by more than 109 thousand visitors, who passed in the TOURISM SALON 2010 that was held in Anhembi, from May 26th till 30th. In its fifth edition, the event firmed as a place where the brazilians could get closer to Brazil and it also showed a the pecularity of all the states that gives the tone of the country.

46

Em sua quinta edição, o evento se firma como um espaço que aproxima o Brasil dos brasileiros e revela um retrato da peculiaridade de todos os Estados somadas dão o tom do país.

Nordeste, tirar fotos no estande dos Circuitos Turísticos de São Paulo e no espaço dos Indígenas, entre outros. Esse é o caso da moradora de Bertioga, no Litoral Sul Paulista, Ozana dos Santos, 34 anos, que aguardou com as amigas cerca de uma hora para experimentar a tapioca de Pernambuco.

Durante a Feira foram lançados 20 novos roteiros turísticos, consolidando a política de Regionalização dos destinos, uma das principais políticas desenvolvidas pelo Mi“A feira está envolvendo as pessoas. Eu sou nistério do Turismo. de Sergipe, mas moro em Bertioga e foi muiFILAS – As filas também fizeram parte do to bom visitar o estande da minha terra e Salão e não incomodaram os visitantes. matar a saudade. Aqui você vê as novidades Houve espera para experimentar o caldo e conhece um pouco mais do Brasil.” de piranha do Pantanal, a tapioca da região


Aproveite o que a vida tem de melhor!

INTERATIVIDADE – Mais do que conhecer, vários espaços proporcionaram ao visitante a oportunidade de vivenciar. Foi assim no Espaço Vivências e no Saber Fazer (leia mais na página 48).

aos visitantes a oportunidade de saborear pratos das 5 regiões brasileiras como a moqueca de peixe no tucupi do Acre; arroz de cuxá do Maranhão; a feijoada carioca, a paçoca de pinhão de Santa Catarina e o arroz com pequi de Goiás.

Para o mensageiro Luiz Fernando dos Santos, 32 anos, morador da capital paulista, “Neste ano sinto que as pessoas entendea interatividade foi o destaque do Salão ram a proposta do espaço, vieram realmendeste ano. te com o intuito de conhecer um pouco mais da gastronomia de diferentes regiões “Impressionante como eles conseguiram brasileiras”, disse a chef mineira Raquel Solreunir as particularidades de cada Estado, mucci, responsável pelo cardápio da região sem deixar o Salão monótono”, disse Santos. Sudeste.  GASTRONOMIA – O Espaço Brasil Sabor foi um dos destaques da feira, proporcionando Para saber mais acesse: www.salao.turismo.gov.br

• Charmosos chalés com vista panorâmica, lareira e hidro. • Confortáveis suites com lareira e hidro (opcional) • Apartamentos com lareira Ampla área de lazer: Piscina, sauna, trilha, campo de futebol, playground, sala de ginástica, churrasqueira, Internet wireless, salão de convenção

Estr. São Sebastião, Km 4 B. Boa Vista - Gonçalves (MG) Tel.: (35) 3654.1217 47 www.pousadavidaverde.com.br


Salão do Turismo

ARTE BRASILEIRA

DIA DE ARTISTA Pela primeira vez no Salão do Turismo, de ao trabalhar as tramas em buriti. No o escultor Nicola, pernambucano de rosto, a alegria de quem representa as Jaboatão dos Guararapes, região me- 14 famílias que compõem a Associação tropolitana do Recife, compartilhava dos Artesãos do Vale do Juá. com os frequentadores um pouco da “Estar aqui no Salão é muito importante magia de transformar madeira em arte. pra gente, porque o mercado varejista Talhada a talhada, as mãos hábeis, de é muito tímido e nós precisamos buscar quem aprendeu sozinho a arte há 35 o atacado. Aqui várias empresas já nos anos, trabalhavam a figura de um anjo. procuraram.” “O pessoal tem gostado muito. O resulAPRENDIZ – Em outro espaço da Feira, tado final da obra sempre me surpreeno estudante paulistano Heidy Maeda, 11 de, porque depende muito da caracteanos, aprende com a artesã capixaba rística da matéria-prima e às vezes, você Ana Maria Rebelo Nunes, as técnicas enrosca no processo. Mas, se a madeira para confeccionar flores com as fibras lhe for favorável você se sobressai”, disda taboa. se o escultor, que chega a levar até cinco “Eu gosto do que é novo. Foi ótimo dias para concluir uma obra. aprender e deu vontade de continuar. De Cruzeiro do Sul, no Acre, Angela Já vim outras vezes, mas esse ano tem Normando Sampaio, mostra habilidamuito mais atividades pra fazer.”  Jordana Mercado

Cesar Ogata

During the Fair, 20 new tour itinerary were launched, consolidating the regionalization policy of the destinations, one of the main policies developed by the Ministry of Tourism. EXPERIENCE – The opportunity to learn with the artist, observe the traditional corporal painting of an indigenous village and to attend the creation of a work, were some of the attractions in the “Experience and Know How to Do” area. These attractions were pleasant to the visitors. More informations - www.salao.turismo.gov.br

48

Aos poucos a madeira vai tomando forma e revela a beleza do trabalho do escultor pernambucano Nicola.


Salão do Turismo

CULTURA INDÍGENA

BAHIA NÃO É SÓ AXÉ Pataxós baianos participam pela primeira vez do Salão do Turismo

Urucum, jenipapo e argila compõem a base tem mais índios na Bahia”, disse Wrumã ou das tintas que ornamentam o corpo do ín- Adilson dos Santos, seu nome na língua dos dio Wrumã, pintado pela esposa Adxehê, “brancos”. ambos da aldeia Imbiriba, do A índia Murici, prima de Adilson. Sul da Bahia. ressalta a importância do tra-

Marcelo Min

RITUAL Índios da Aldeia Imbiriba cultuam tradição de pintura corporal feita com urucum, jenipapo e argila.

Jordana Mercado

50

Muitos pensam balho em família e do uso de No espaço, além de sua aldeia, também estão os ha- que não tem mais materiais que encontram na bitantes da Aldeia Velha e natureza. índios na Bahia. Coroa Vermelha que apro“A gente vai e busca a madeira veitam a oportunidade para morta como pau-brasil, arruda. aumentar a renda das famílias e divulgar o A gente come a carne do “bufa” (búfalo) e artesanato tradicional da região. aproveita pra fazer as peças com o osso e “Esse é o modo da gente mostrar a nossa o chifre dele também. Tudo a gente faz em tradição, porque muitos pensam que não família”, conta. 


52


Sérgio Amaral

Frederico Costa

Secretário Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo O Brasil tem um grande desafio pela frente que é se organizar para receber a Copa do Mundo de Futebol em 2014 e os Jogos Olímpicos em 2016, eventos que irão propagar o nome do país e incrementar a infraestrutura turística existente. Para saber um pouco mais do que tem sido feito pelo Ministério do Turismo, a Revista Vale Ver conversou com o Secretário Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo, Frederico Silva da Costa. Na entrevista, ele comenta sobre os programas de financiamento mantidos pelo MTUR, como o Prodetur, que terá reforço de quase US$ 2 bilhões, sobre qualificação de mão-de-obra e ainda aponta os benefícios conquistados após a criação do Ministério do Turismo em 2003. Confira a entrevista.

Revista Vale Ver – Preparar o país para receber a Copa do Mundo e as Olimpíadas é um trabalho que envolve toda a estrutura governamental. Quais competências ficaram a cargo do Ministério do Turismo? Secretário Frederico Costa/MTUR – Quando fizeram a reunião para listar os desafios para a Copa do Mundo, ao Minis-

financiamento para a construção de novos hotéis, além da ampliação e reforma dos já existentes. Em parceria com o BNDES e com os Fundos Constitucionais, lançamos o ProCopa.

isso, há cerca de três meses, lançamos em São Paulo, a âncora deste programa que é o Bem Receber Copa. Em parceria com a Fundação Roberto Marinho demos início a esse trabalho com o Olá Turista, que é um programa piloto para qualificação em idiomas, espanhol e inglês, nas cidadesRevista Vale Ver – Qualificação sempre foi -sede, mas que eventualmente ganhará um problema latente da nossa mão-de-obra. abrangência nacional. Na primeira etapa O que tem sido feito com relação a isso? serão 80 mil pessoas qualificadas.

tério do Turismo foi atribuída a competência de promover o destino brasileiro. Foi determinado que o Ministério daria apoio Secretário Frederico Costa/MTUR – na área de infraestrutura turística como re- Também ficou ao encargo do Ministério cuperação de patrimônio histórico, urbani- montar um programa para fazer frente às zação e obras de interesse turístico. A nós, necessidades de capacitação, qualificação coube também a formatação de linhas de e requalificação na área do turismo. Com

Ainda no âmbito do Bem Receber Copa, estamos atendendo outros setores representativos do turismo, como bares e restaurantes, representados pela ABRASEL e a ABIH, na área de hotelaria. Esses foram os 53


três primeiros lançados e já estamos trabalhando outros setores como a aviação regional capitaneada pela ABETAR, o turismo de aventura, com a ABETA, e as locadoras de automóveis com a ABLA. Os demais setores estão formatando propostas ao Ministério e serão contemplados oportunamente. Nossa meta para o Bem Receber é qualificar 306 mil pessoas até 2013, e para isso contamos com o apoio das entidades representativas do setor.

Vale Ver – O senhor está no MTUR desde a sua criação em 2003. Diante disso, gostaríamos que pontuasse o que isso representou para o país? Secretário Frederico Costa/MTUR – Na minha visão, foi um grande acerto por parte do Presidente Lula. A criação foi uma das primeiras ações do governo dele, que entendendo a potencialidade da pasta para atuar como grande gerador de emprego e renda neste país, nos deu todas as ferramentas necessárias para poder crescer ano a ano. Essa evolução pode ser comprovada pelo salto no orçamento, que em 2003, era de quase R$ 380 milhões, para o montante bilionário de mais de R$ 4 bilhões, que temos hoje. Entre os avanços mais perceptíveis, podemos apontar o crescimento de 165% na entrada de divisas no país, que em 2009 totalizaram US$ 5,3 bilhões, proporcionado pela atividade.

Vale Ver – Vamos conseguir deixar tudo pronto para receber os visitantes em 2014 e 2016? Nossa estrutura permitirá que o turista viaje e seja bem atendido pelo país? Secretário Frederico Costa/MTUR – Eu não tenho dúvida. Primeiro, porque qualquer investimento em infraestrutura que o governo federal realize visando Copa do Mundo vai ter uma utilidade pós-Copa, que é um evento de 60/90 dias. O Brasil com a saúde financeira que tem, possui plenas condições de ajudar os Estados e municípios a se prepararem.

54

Na verdade, a nossa maior preocupação é melhorar a qualidade do nosso receptivo. Obviamente que ações neste sentido serão intensificadas por conta da vinda da Copa do Mundo, mas por outro lado, o Ministério já vem há anos trabalhando alguns programas de qualificação profissional e financiamento. Então, não temos um cenário em que os Estados e Municípios estão sendo pegos de surpresa. O Prodetur (Programa Nacional de Desenvolvimento do Turismo) conta hoje com a participação de mais de 20 Estados e de mais de 10 municípios que executam o programa ao longo de 3 a 4 anos. E como eles já iniciaram essa tomada de empréstimo há um certo tempo, acreditamos que essas ações serão concluídas até a Copa das Confederações em 2013. Se observarmos a clara evolução dos repasses da Caixa Econômica, Banco do Brasil, BNDES e Banco do Nordeste, que aumentaram de R$ 1 bilhão em 2003 para R$ 5,5 bilhões em 2009, perceberemos que existe amplo financiamento para o setor, e que este tem correspondido. Para Estados e Municípios, contando com o Prodetur, o Ministério investiu mais de R$ 6 bilhões em infraestrutura, no mesmo período (2003 a 2009).

Vale Ver – E os aeroportos? Secretário Frederico Costa/MTUR – Os aeroportos são responsabilidade da Infraero, mas sempre que solicitado, o Ministério tem apoiado os Estados e municípios que pleiteiam auxílio para adequar seus aeroportos. O transporte aéreo é um importante vetor de desenvolvimento e expansão do turismo regional.

Vale Ver – Qual é o maior desafio do país para a Copa? Secretário Frederico Costa/MTUR – Por enquanto, o nosso maior desafio é ganhar da Argentina (risos). Fora isso, estamos dentro do planejado e a gente vai dar conta. 


A executiva Ana Gouveia indo para uma reunião de negócios em Salvador. Chegou Avianca. Para você sentir o prazer de voar como se fosse a primeira vez. A Avianca é a primeira companhia aérea das Américas. São mais de 90 anos de experiência e milhares de profissionais apaixonados, voando em uma das frotas mais modernas que existem. Só uma companhia aérea assim é capaz de apresentar aos brasileiros um novo jeito de voar. Com o conforto de poltronas mais espaçosas, um serviço de bordo atencioso e aeronaves equipadas para proporcionar o máximo de entretenimento. Voe pelo Brasil com padrão internacional de qualidade.

www.avianca.com.br I 4004-4040 (capitais) 0300 789 8160 (demais localidades) Ou consulte seu agente de viagem.



Vale Ver 11