Page 1

VAREJO

Outubro - 2012

Mobile Payment – como facilitar a vida do consumidor e vender mais

O que é “Mobile Payment”? “Mobile Payment” ou Pagamento Móvel, também conhecido como Dinheiro Móvel (“Mobile Money”) ou Carteira Móvel (“Mobile Wallet”), genericamente, refere-se ao serviço de pagamento que é operado através de dispositivos eletrônicos móveis, como os celulares. As diversas soluções existentes em mercado foram desenvolvidas em uma parceria entre instituições financeiras, empresas de TIC e Operadoras de Telecomunicação.

¹ Fonte imagem: Disponível em: <http://faixamobi.com/wp-content/uploads/2012/04/Lumia610_NFC.jpg>. Acesso em 05/10/2012 às 12:19.


Na prática é uma grande evolução nas formas de pagamento, que permite ao consumidor dispensar o uso de dinheiro, cheque ou cartão de crédito. A história dos meios de pagamento revela que a evolução nos últimos anos tem sido muito veloz (vide a figura abaixo).

As transações eletrônicas no mercado finan-

ceiro vêm apresentando crescimento substancial nos últimos anos. Bankfone, Internet, caixas eletrônicos, cartões e smartcards substituem o espaço anteriormente ocupado pelo caixa do banco, dinheiro e cheque. Os benefícios são inúmeros e já aceitos pelo consumidor, tais como a redução de custos, a agilidade na compensação, a segurança, etc. Por outro lado, uma tecnologia nova sempre é alvo de controvérsias e a “bola da vez” é o “mobile payment”, considerado uma tendência, porém acompanhado de muitas ressalvas. A ideia de transformar o celular em um terminal para compra de qualquer coisa, de um refrigerante a passagens de avião, em que o pagamento possa, alternativamente, ser debitado na conta telefônica, sempre

seduziu os usuários. E isso agora começa a se transformar em uma realidade. Na verdade, existem atualmente três formas de pagamento: pré, pós e em tempo real. Os pagamentos pré-pagos implicam em acordos com determinadas companhias que oferecem os serviços e solicitam um depósito de onde serão debitados seus pagamentos. O sistema pós-pago funciona como a fatura de um cartão de crédito: o comprador utiliza os serviços dentro do limite pré-aprovado e recebe uma fatura no fim do período determinado. Já no sistema em tempo real, basta efetuar o pagamento e os dados com o valor da compra são transmitidos para a conta bancária do comprador e o débito é feito automaticamente, como ocorre com o cartão de débito.


Como o “Mobile Payment”pode alavancar os negócios das MPE de varejo A grande vantagem da nova tecnologia para a MPE de Varejo é que a solução não requer muitos investimentos por parte do empresário. Na verdade, o que a empresa precisa não difere do que os serviços de cartão de crédito já exigem, a não ser quando a solução passa por débito em conta telefônica, onde um acordo com a operadora de telefonia se faz necessário. Pelo lado do consumidor o ideal é que ele disponha de um dispositivo móvel (celular, smartphone, tablet, etc.) ligado à internet e/ou a uma linha telefônica. Isso significa que os custos para a empresa se resumem ao que já é conhecido e aceito pelo comércio, tais como aluguel/aquisição de equipamentos, taxa de administração, taxa de

desconto sobre vendas, etc. Portanto, as soluções estão ao alcance das MPE do varejo. A nova tecnologia se torna uma grande oportunidade para o varejo, quando se considera o número de celulares no país atualmente. A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) publicou as estatísticas da telefonia móvel do mês de janeiro de 2012. O mês fechou com 245,2 milhões de linhas ativas, embora a maioria seja de dispositivos com poucos recursos tecnológicos e que dificultam o uso das soluções de “mobile payment”. No entanto, mais de um quinto dos aparelhos possuem acessos através da banda larga móvel – 3G.

“A grande vantagem da nova tecnologia para a MPE de Varejo é que a solução não requer muitos investimentos por parte do empresário”.

¹ Fonte imagem: Disponível em: <http://envolverde.com.br/portal/wp-content/uploads/2012/01/economia_2005. jpg>. Acesso em 05/10/2012 às 12:58.


O cenário do “Mobile Payment”no Brasil e no mundo O pagamento móvel está sendo adotado em todo o mundo de maneiras diferentes. Considerando todas as formas de pagamentos móveis, as transações globais devem chegar a mais de US$ 600B em 2013 [1], o que seria o dobro do valor das de fevereiro de 2011 [2]. Nos EUA, por exemplo, 58% dos correntistas entre 18 e 42 anos mudaram de banco para ter acesso a soluções de “mobile payment” em 2009 [3], movimentando US$ 73,4 Milhões em transações por essa modalidade. Apesar de termos uma realidade diferente em pagamento móvel no Brasil, as tendências indicam um forte crescimento nos próximos anos. Ainda segundo o Gartner, as transações efetuadas por meio de dispositivos móveis em todo o mundo irão ultrapassar U$ 171 bilhões em 2012, o que representa um crescimento de 62% em relação aos U$ 106 bilhões verificados no ano anterior. Mais de 70% dos brasileiros estão dispostos a utilizar o celular como cartão de crédito ou débito. No entanto, apenas 5% dos usuários do aparelho fizeram pagamento pelo celular nos últimos três meses e 7% acessaram algum banco por meio desse dispositivo no mesmo período [4]. O Governo Federal, através de um projeto de lei (PLS - projeto de lei do Senado, Nº 635 de 2011) estuda regulamentar o sistema de pagamentos pelo celular no Brasil. A iniciativa tem como prioridade tornar o “mobile payment” acessível a celulares comuns usando o número de telefone para realizar pagamentos de baixo valor e confirmando as operações via SMS, já que os smartphones na prática possuem acesso aos serviços bancários pela Internet. A ideia não é fazer com que Operadoras de Telefonia realizem operações de crédito e sim de democratizar o pagamento móvel, especialmente para consumidores que não têm contas bancárias. Outra opção tecnológica é o pagamento por proximidade, onde o estabelecimento conta com um dispositivo leitor, no qual é necessário que o usuário tenha um celular com um chip e antena para armazenar seus dados de conta corrente. Alguns fabricantes já lançaram aparelhos com essa tecnologia, chamada Near Field Communication (NFC), mas ainda não há previsão de disponibilidade no mercado nacional. No Brasil o pagamento móvel está disponível desde de 2006 e hoje os serviços mais comuns são de táxi, recarga de celular, delivery, compra de passagens, farmácias, redes de fast-food e compras on-line. Estes serviços estão disponíveis nas maiores capitais em mais de 22 mil estabelecimentos credenciados. Além disso, a tecnologia está sendo utilizada em outros países em catracas de trens e metrôs, máquinas de refrigerantes, tickets de lazer, pagamentos de restaurantes e lojas de conveniência.


O lado positivo do “Mobile Payment” Sob a ótica das empresas varejistas, algumas grandes vantagens surgem com a massificação dessa tecnologia: • Ampliação do número de consumidores com mais uma alternativa na forma de pagamento; • Futuramente o celular também poderá ser utilizado como fonte de informações comportamentais e ferramenta de apoio para gerar uma gestão de inteligência; • O aparelho pode permitir a divulgação de ofertas on-line, envolvendo lojistas, operadoras de cartões de crédito e companhias telefônicas; • O mobile poderia gerar estratégias de marketing instantâneo, agregando valores para o varejista e redução de custos. O conceito de marketing instantâneo

está associado às ações de marketing em que uma empresa consegue impactar o consumidor em pouco tempo após o envio da mensagem, impulsionando-o ao consumo imediato (email marketing com link para páginas de e-commerce, SMS em que o usuário pode aceitar a promoção de imediato, etc.; • Essa nova forma de pagamento poderia gerar um “Customer Relationship Management” (CRM) transacional, ao envolver todos os players da cadeia. O CRM, ou Gerenciamento do Relacionamento com Clientes, é um conjunto de estratégias que define como uma empresa irá se relacionar com cada segmento de mercado, estabelecendo uma oferta de produtos e serviços diferentes para cada segmento, de acordo com o seu perfil de consumo.

Uma das vantangens do “Mobile Payment” é a ampliação do número de consumidores com mais uma alternativa na forma de pagamento.

¹ Fonte imagem: Disponível em: <http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/2/22/Mobile_payment_03.JPG/1280px-Mobile_payment_03.JPG>. Acesso em 08/10/2012 às 14:17.


O lado negativo do “Mobile Payment” Segundo o levantamento da Acision [4], a principal barreira para o aumento da adesão desses serviços é a segurança, já que 59% dos usuários afirmaram que não aderem à tecnologia por não confiarem nela. E, de fato, o serviço ainda não é 100% seguro. O SMS, normalmente usado para confirmar as transações, pode ser uma porta por onde pessoas mal-intencionadas usarão para fraudar as pessoas. Além do mais, é preciso lembrar que uma pessoa pode ser obrigada a usar seu celular para fazer transações sob ameaça, assim como ocorre com cartões de crédito e débito. A perda do celular pode ser outro risco, se o proprietário não for cuidadoso com a privacidade de seus dados. Outra questão que está em pauta é a possibilidade de instituições financeiras e operadoras de celular entrarem em choque pela briga desse mercado, uma vez que boa parte das transações hoje processadas por bancos pode se transferir para as operadoras de celular. O “lobby” de ambas as partes no Congresso deve esquentar a discussão sobre o projeto de lei que regulamentará a transação. A solução para o conflito está a caminho com o desenvolvimento de um modelo de negócio onde as três partes (operadores de telefonia, instituições bancárias e de cartão de crédito) se associam em uma empresa provedora do serviço ao consumidor. O custo das transações pode ser outro entrave, especialmente para as classes sociais mais baixas. Pode parecer pouco, mas uma transação financeira baseada em aplicativo instalado no aparelho gera um tráfego de dados de até 3 KB, o que representa um custo para o usuário em torno de R$ 0,02. Se o usuário fizer muitas transações esse custo deixa de ser irrisório.

O futuro no “Mobile Payment”no Brasil O futuro do pagamento móvel no Brasil depende ainda de um esforço de regulamentação dessa modalidade de pagamento. Além disso, ainda passará um bom tempo para que, sob o ponto de vista cultural, as pessoas deixem de ter resistência à nova tecnologia. Parte dessa resistência deve-se ao fato de que todo o registro das transações é puramente eletrônico e não há um comprovante em papel, como os consumidores estão acostumados a receber quando fazem uma operação por cartão de crédito, por exemplo. Isso sem falar que a própria tecnologia precisa estar melhor adaptada às exigências do processo, pois boa parte dos aparelhos celulares no Brasil não dispõem de recursos para operar todas os tipos de serviço de pagamento móvel. Sabemos que empresas criativas e inovadoras tendem a ser vitoriosas, pois são as pioneiras na oferta de novidades ao mercado. É necessário que os empresários, mesmo de MPE ou MEI, estejam sempre atentos às tendências de mercado, de modo a estarem no grupo de empresas que inovam e saem na frente das demais. Os desafios são grandes, mas as oportunidades são maiores ainda.


Bibliografia: [1] Juniper Research Forecasts “Total Mobile Payments to Grow Nearly Ten Fold by 2013”; [2] By Bonsoni.com on February 10, 2011 (2011-07-24). “Research shows mobile phone payment double by 2013”. Bonsoni.com. Retrieved 2011-09-19; [3] Projeções da empresa Spring Wireless, publicadas no artigo “Mobile-commerce movimentará quase US$ 1bi em 2011”, em http://www.universowap.com.br/antenado/wap-news/mobile-commerce-movimentara-quase-us-1bi-em-2011/; [4] Pesquisa da Acision, em parceria com a Teleco, realizada em fevereiro de 2010 com usuários de celulares nas cidades do Rio de Janeiro, Porto Alegre e São Paulo, localidades que, juntas, concentram 26% dos celulares do Brasil. • Artigo “Anatel publica estatística da telefonia móvel”, em http://brasil-internet.com/ news/1340-anatel-publica-estatistica-da-telefonia-movel/; • Revista Clientesa, em http://www.eventos.clientesa.com.br/mobile_payment/objetivo.asp ; • Artigo “Mobile payment: quando será que vai pegar no Brasil?”, em http://idgnow.uol.com.br/ blog/plural/2012/03/28/mobile-payment-quando-sera-que-vai-pegar-no-brasil/; • Artigo “Resolva todas as suas dúvidas sobre Mobile Payment”, por Leonardo Rochadel, em http://www.administradores.com.br/informe-se/informativo/resolva-todas-as-suas-duvidassobre-mobile-payment/16543/; • Artigo “Mobile payment ainda requer cuidados” , em http://consumidormoderno.uol.com.br/ financas/mobile-payment-ainda-requer-cuidados;

BOLETIM DE OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS é uma publicação da Unidade de Acesso a Mercados e Serviços Financeiros SEBRAE –Serviço Brasileiro de Apoio as Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional: Roberto Simões Diretor-Presidente: Luiz Barretto Diretor-Técnico: Carlos Alberto dos Santos Diretor de Administração e Finanças: José Claudio dos Santos UAMSF -NIM -Núcleo de Inteligência de Mercados UACC-Unidade de Atendimento Coletivo Comércio - Carteira de Comércio Varejista Consultor Conteudista: Marcos Rabstein Diagramação: Renan Carvalho Endereço: SGAS 604/605, módulos 30 e 31, Asa Sul, Brasília/DF, CEP: 70.200-645

Oportunidades & Negócios - Mobile Payment – como facilitar a vidado consumidor e vender mais  

Boletim mensal do Serviço Brasileiro de Apoio Às Micro e Pequenas Empresas

Advertisement