Issuu on Google+

Universidade Federal de São João del-Rei - UFSJ

AVALIAÇÃO ECOFISIOLÓGICA DE CLONES DE VIDEIRAS cv. SYRAH

Alunos (as): Ana Luiza de Carvalho Silva Camila Calsavara Rocha Conrado Luiz Danielle Storino de Freitas João Paulo Sacramento Otávio Goulart de Almeida Professor (a): Fernanda Nery Disciplina: Fisiologia Vegetal São João del-Rei – Maio de 2012


INTRODUÇÃO • Vitis vinifera (espécie); • Seleção clonal; • Foram estudados fenologia, produção e ecofisiologia.

http://www.google.com.br/imgres?q=SYRAH&um=1&hl=pt-BR&sa=G&tbm=isch&tbnid =mMflmiTpOu5iWM:&imgrefurl =http://www.eu-gourmet.com/2012/03/koyle-syrah-reserva-2008.html&docid =GyjGPgX8Ljj30M&imgurl =http://2.bp.blogspot.com/-umNid6ZFNsU/T1Z3-rRXQ5I/AAAAAAAABN8/pB7TigRkA6A/s1600/Syr


METODOLOGIA • Clones escolhidos: - 100 (fertilidade elevada e produtiva); - 174 (fertilidade elevada e baixa produtividade); - 470 (fertilidade baixa e baixa produtividade). • Avaliações: - Estado fonológico de floração e maturação; - Peso e número de cachos/planta; - Curva de crescimento dos sarmentos; - Trocas gasosas foliares.


RESULTADOS


• Clone 470 apresenta expressão vegetativa ou vigor nitidamente superior aos demais; • Fertilidade afetada devido a forte expansão vegetativa no momento da florada;


• O Clone 470 é expresso por um forte crescimento dos ramos; • Avaliação da atividade fotossintética não foi capaz de revelar variação entre os clones; • As plantas estudadas eram cultivadas sem restrições hídricas, nestas condições não limitantes não ocorrem possíveis variações no comportamento ecofisiológico.


CONCLUSÃO O Clone 470 mostrou-se ao mesmo tempo mais precoce, mais vigoroso e menos produtivo, confirmando o seu potencial de clone qualitativo. Por outro lado, não foram verificadas diferenças de comportamento entre os clones, para a assimilação de carbono e condutância estomática em condições não limitantes à fotossíntese.


Fisiologia