Issuu on Google+

NÚCLEO DE PRODUÇÃO CRIATIVA

Camila Schiavetto

em ESPAÇO FABRIL


ÍNDICE PONTO DE PARTIDA apresentação objeto_pré-tgi

LEITURAS conformação do centro espaços centrais

APROXIMAÇÃO área lugar

AÇÕES novos percusos camadas núcleo criativo


PONTO DE PARTIDA

“Deve-se reconhcer que todas as épocas e as várias fases da produção humana possuem interesses e são mercadorias de estudo, mas isso não significa preservar todo e qualquer testemunho, material ou não, ligado pelo passado. É indesejável conservar de modo indiscriminado e é ainda mais irrenponsável demolir ou transformar de forma incontrolada”. (KUHL,2008).


A proposta desse trabalho de TGI s u r g e a p a r t i r d e questionamentos sobre os tempos construtivos da cidade, e de como essa dinâmica altera e constitui o espaço urbano e arquitetônico. Nesse contexto, busca estabelecer uma relação entre as estruturas existentes e as novas lógicas urbanas constituintes da cidade. O processo inicia-se na disciplina de pré-TGI, na produção de um objeto que possa traduzir e c o n f o r m a r e s s e s q u e s t i o n a m e n t o s . Po s t e r i o r m e n t e m o s t ra - s e necessária a escolha de um local e um objeto arquitetônico que sirvam de aparato para a tradução dessa intervenção. A partir de então podem ser estudas as reações decorrentes dessas ações.


OBJETO_PRÉ-TGI

AÇÃO

RE-AÇÃO

A questão chave desse trabalho são intervenções que se conformam a partir do espaço no qual se insere. Para tanto, incorporam o entorno na c o n c e p ç ã o d o p ro j e t o . A materialidade do projeto é decorrente dessa relação. O objeto se conforma a partir de uma fusão. Dessa maneira o material, gesso, se molda e estabelece uma relação direta entre os diferentes materiais. As aberturas possibilitam que essa interferência possa ser observada por pontos de vista distintos. Através da associação da forma e de materiais transmite a idéia de uma arquitetura que incorpora o entorno, se funde e se molda a partir dele. Da mesma forma, representa a reposta à essa ação.


LEITURAS

“A ocupação industrial , que pela sua escala deverá ser objeto de atenção, está situada ao longo dos bairros cortados pelas linhas ferroviárias e pelos eixos rodoviários que acompanham o processo de construção da metrópole, induzindo a sua expansão territorial e o seu adensamento p o p u l a c i o n a l . ”


A configuração urbana da cidade se modifica em função dos fatores sociais e econômicos que estabelecem a associação de usos e funções e os espaços públicos e privados dos quais depende a vida urbana. Os processos construtivos do espaço urbano conformam camadas constrututivas que deixam suas marcas ao longo do tempo. A expansão das cidades deixa vazios no centro da cidade que ainda abriga dinâmicas urbanas próprias. Ao intervir nesses espaços deve se considerar a importância dessas camadas constituintes da cidade.

1949

1975

1984

2005


CONFORMAÇÃO_CENTRO

ESTAÇÃO

A primeira grande intervenção urbana na Vila de Ribeirão Preto foi a implantação da estação ferroviária, em 1885, que estabelece um centro de fluxo de mercadorias e pessoas no seu entorno. A linha férrea Mogiana configura o tecido urbano e estrutura as atividades de indústrias, comércio e serviços que se localizam ao longo do seu eixo.

RIBEIRÃO PRETO

1949


CONFORMAÇÃO_CENTRO

CERÂMICA SÃO LUIZ

CERVEJARIA ANTÁRTICA

RIBEIRÃO PRETO

1975

Em função do declínio do transporte ferroviário, em 1964, a retirada dos trilhos e a demolição da estação ferroviária em 1967 , ditam uma nova realidade urbana não relacionada diretamente ao setor industrial que foi implementado na região.


CONFORMAÇÃO_CENTRO

MERCADO MUNICIPAL

RIBEIRÃO PRETO

1984

A transferência das indústrias se deve à prioridade dada ao uso do transporte rodoviário. Em 1976, o terminal rodoviário é inaugurado e apenas algumas estruturas como o mercado municipal e o teatro Dom Pedro mantém sua função no centro.


ESPAÇOS_CENTRAIS

RIBEIRÃO PRETO

2005

Uma somatória de atividades vinculadas a equipamentos públicos PRAÇA SHIMIDIT urbanos como a praça Schimidt, o mercado municipal, o prontosocorro, e o terminal MERCADO MUNICIPAL rodoviário conferem vitalidade ao centro. Este se configura como ponto de TERMINAL RODOVIÁRIO convergência do sistema de circulação. É ao mesmo tempo o ponto de partida e o destino tanto das pessoas que realizam atividades na própria cidade quanto das que se deslocam para fora dela. As alterações de uso apenas reafirmam a persistente impôrtancia do local na dinâmica urbana.


ESPAÇOS_CENTRAIS Apesar de toda vida urbana presente na região central, existem edifícios sem uso ou sub-utilizados. A criação HOTEL BRAZIL de um sistema de reutilização desses edifícios que fizeram parte do desenvolvimento CERVEJARIA ANTÁRTICA da cidade no início do século XX, como o hotel brazil, a cervejaria Antártica e a CERVEJARIA PAULISTA

RIBEIRÃO PRETO

2005

cervejaria Paulista complementaria o uso do teatro Dom Pedro, para f i n s TEATRO c u lPEDRO t u raII i s . A o s e apropriar de toda infraestrutura presente na região para conferir uma nova realidade a esses vazios.


APROXIMAÇÃO sobre o centro de Ribeirão Preto: “Seu valor histórico e simbólico está relacionado à formação da cidade, abrigando espaços públicos e edifícios que são referências do período da economia cafeeira, que constitui o “alicerce” do desenvolvimento alcançado pelo município.”(CALIL JÚNIOR, 2003) .


APROXIMAÇÃO_ÁREA

A convergência das vias para o setor central garantem a ligação centro-periferia, possibilitando fácil acesso a toda a população da cidade.

A área especial do Quadrilátero Central é delimitada pelas avenidas Independência, Francisco Junqueira, Jerônimo Gonçalves e Nove de Julho . Estebelecida no plano diretor do município como alvo de programa de reestruturação e requalificação urbana.

VIAS ESTRUTURAIS_ Quadrilátero Central


AV .M

AL .C

OS TA

E

SI LV A

APROXIMAÇÃO_ÁREA

AV .F

RA N

AL VE S

CI SC O

ER ÔN IM OG ON Ç

VIAS LOCAIS

NQ UE

ÁREA DE INTERVENÇÃO IR A

ESPAÇOS PERMEÁVEIS

AV .J

AVENIDAS ESTRUTURAIS

JU

GI PE

BA RR E

A

PA R

M ÃO

RI O

DE

CA

QU EI RR UA A A

XI AS

BR

BR

BU

UN

AL

M AR

DO

EN O

E

AN

CA

QU E

AJ

CO

AL VA R

DU

IA N

ÁREA DE INTERVENÇÃO

OR

A

AR

AM AD

RU

IS CO ND

NH A

AM

A

O

UE IR A

IO BO NI FÁ C JO SÉ

AD

RU

RU AV

SA LD A

DU M ON T

PR

HA

A

TI NI CO

UN

RU

AL VE OG ON Ç C

M AR

JU NQ

RU

GU S

DA

IS CO

RU

DE

.L OY OL A

TO S

UI Z

NC

RU

DR

SA N

AL

RÔ N IM

S AL VE RU A

A

FR A

IN HO

S

S

RT OL OM EU

A

RU

AÍ BA

CO

ES

TO

BU

A

BA

RU

CA ST RO RU A RU

A

NA

IO

DI A AL VE S

O NÇ G A RU

RU

UI M

AL VE S

RO DR RU A

RU

A

CO

MALHA RÍGIDA

IG UE S

NS EL HE IR O

DA

OA Q

AS ER

AV .F ÁB

RU

AJ

NT AS

RU

RU

NTES

JE

DEIRA

AV .J

AV. BA N

OS É

BO NI FÁ C

IO

AV. DO CAFÉ

GE NE RA

L

OZ ÓR I

O


APROXIMAÇÃO_ÁREA


CERVEJARIA PAULISTA


Fonte: Henrique Altmam

Fonte: Henrique Altmam


APROXIMAÇÃO_LUGAR

A Companhia Cervejaria Paulista foi fundada em 25 de abril de 1913. Sua primeira fábrica foi instalada na Rua Visconde do Rio Branco. Já em 1914 foi inaugurada a nova fábrica, construída à Avenida Jerônimo Gonçalves que hoje abriga o Estúdio Kaiser de Cinema. O prédio de autoria do Arquiteto Construtor Baudílio Domingues, é tombado a nível municipal pelo CONPPAC e estadual pelo CONDEPHAAT. A Cia. Cervejaria Paulista possui extrema importância na história da formação da cidade de Ribeirão Preto pois juntamente com a Companhia Cervejaria Antártica foi o atrativo para obras de infra-estrutura na região além de ter gerado muitos empregos contribuindo para a formação de mão-de-obra especializada, em sua maioria composta por imigrantes. A Companhia também investiu no setor imobiliário com a compra de terrenos e de antigos edifícios localizados na Praça XV de Novembro. Em 1930 inaugurou um Teatro de Ópera, um Edifício Comercial e um Hotel, formando o conhecido Quarteirão Paulista. A Companhia Cervejaria Paulista tornou-se a Cia. Antarctica Niger em 1973 ao se fundir à Cia. Antarctica Paulista. A fábrica continuou sua produção até 1998. De propriedade da O edifício ficou sem uso, até que em 2005, em regime de comodato, a ONG São Paulo Film Comission passou a administrar o conjunto.


APROXIMAÇÃO_LUGAR


APROXIMAÇÃO_LUGAR


APROXIMAÇÃO_LUGAR


APROXIMAÇÃO_LUGAR


APROXIMAÇÃO_LUGAR


sobre o SESC Pompéia: “Ao usuário, conhecedor no seu dia-a-dia de tantos espaços homólogos, destinou a tarefa de conferir unidade do conjunto ao percorrê-lo e identificar-se com sua estrutura.”( BARDI, 1996).

“Para a economia urbana contemporânea, a inclusão e o desenvolvimento de uma economia criativa nos antigos setores industriais situados nas grandes cidades têm sido apontados como fatores decisivos de r e n o v a ç ã o

u r b a n a .”

(MEYER;GROSTEIN, 2010).

AÇÕES


NOVOS PERCURSOS

AÇÃO

RE-AÇÃO

Ao abrir o meio de quadra são criados novos percursos na cidade.

O usuário que pode usufrir de um novo espaço urbano que é criado a partir de então, pode compreender a interface entre a edificação e a rua.


CAMADAS

A ação é relizada através de camadas de intervenção no espaço.

CAMADA 1 Retirada dos anexos

CAMADA 5 Conexões

CAMADA 4 Novas construções

CAMADA 2 Aberturas para circulação

CAMADA 3 Fusão: existente e novo


Retirada dos anexos sem valor histórico e/ou em mal estado de conservação


Separação do núcleo central

Abertura do meio de quadra Espaço para novas construções


Construções a serem mantidas parcialmente

Edifício a ser incorporado

Espaço livre


Volume adicionado ao edíficio existente de forma a revelar e intregar os diferentes espaços que formam o conjunto

Estrutura de circulação como eixo de conexão entre os edfícios

Construção de estruturas novas Abertura para permeabilidade dos espaços


NUCLEO DE PRODUÇÃO CRIATIVA

A São Paulo Film Commission além atuar na conservação do conjunto da antiga Cervejaria Paulista tem como objetivo fomentar, apoiar e difundir a produção cinemátográfica e audio visual no estado paulista. Atuando em conjunto com as universidades do município organiza mostras, festivais, sessões de cinema comentadas, cursos, palestras, workshops além de possuir em seu acervo uma biblioteca especializada e videoteca com obras cinematógraficas. No entanto, as condições de funcionamento dos Estúdios Kaiser de Cinema são precárias e os edifícios estão sendo sub-utilizados. Dentro do conceito de “indústria criativa” que abriga a cadeia produtiva artística da produção à comercialização a proposta de criar um Núcleo de Produção Criativa nesse espaço se apresenta de maneira similar à ação projutual sobre a construção em si. A complementação do uso pelas novas mídias tem o objetivo de associar os diferentes meios de produção de imagem e som para que se estabeleça uma relação interna que possa integrar essa diferentes expresões artísticas crinado uma unidade. Da mesma forma, a ação sobre o edíficio busca manter características próprias da construção original mas ao mesmo tempo propõe novas relações entre os espaços internos e externos para que eles se configurem de maneira integrada. A proposta de intervenção se baseia na tentativa de criar um espaço construído coeso que revele a lógica das ações sobre a


NUCLEO DE PRODUÇÃO CRIATIVA

ESTUDOS_PROGRAMA

Concentração dos espaços de

Aberturas pensadas para possibilitar fácil

maior uso público no núcleo

acesso do público ao núcleo. O meio de

central . As construções mantidas

quadra se configura como alternativa para

abrigam os espaços de convívio.

o deslocamento do usúario da cidade que se dá através das ruas internas criadas.


NUCLEO DE PRODUÇÃO CRIATIVA

ESTUDOS_PROGRAMA


PROGRAMA

NUCLEO DE PRODUÇÃO CRIATIVA

LABORATÓRIO DE NOVAS MÍDIAS fotografia digital vídeo digital cinema digital áudio arte web arte

APOIO salas de workshops estúdio de som oficinas para experimentação prática espaço para desenvolvimento de projetos artísticos

NÚCLEO EXPOSITIVO área de exposições auditório cinema

ESPAÇO INTERATIVO midiateca livraria_café



Caderno_Camila_Rennó