Issuu on Google+

ab

Domingo, 26 DE FEvErEiro DE 2012

HHH

empregos 5

Rotatividade exige saída pacífica

Bom desempenho em emprego anterior abre portas para retornar em outro momento de carreira Karime Xavier/Folhapress

CAMILA MENDONÇA

COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Não importa o que leva o profissional a pedir demissão —novas oportunidades, insatisfação ou estagnação—, deixar as portas abertas é possível. O quanto depende mais do histórico e das marcas deixadas que do comportamento no momento da saída, afirma Irene Azevedo, diretora de negócios na LHH/DBM. Em época de alta rotatividade —56% dos executivos pretendem trocar de emprego, segundo pesquisa feita com 1.200 pessoas em 2010 e 2011 pela consultoria Mercer—, sair bem pode ser providencial para a carreira. É o que mostra a trajetória de Karen Teles, 25. Em dois anos, ela passou de assistente da área de marketing para analista júnior na academia Competition, em São Paulo. Só decidiu pedir demissão depois de conversar com os chefes sobre a possibilidade de atuar com redes sociais. Mas eles disseram não haver projetos no curto prazo. Um ano depois, Teles recebeu proposta de voltar como analista sênior. “Saí por um desafio; voltei por outro.” Ponto positivo para Teles foi ter acertado a forma de fazer a despedida da empresa. Há duas regras que devem ser seguidas, ensina Lúcia Almeida, coordenadora de RH do Grupo Nova Visão Humana. Uma é dar tempo para a empresa encontrar um substituto. Outra é deixar os motivos da saída claros. O alto escalão requer mais cuidados na hora do adeus. “Normalmente, a saída não é tranquila”, avalia Almeida. Ela explica que, nesse nível hierárquico, o executivo tem informações importantes da empresa e a transição é mais demorada. sucessão

Para evitar desgastes e sair bem, Robson Campos, 41, preparou-se com antecedên-

Karen Teles voltou para a mesma empresa

cia de dois anos. O executivo, que até 2009 ocupava cargo de diretoria na empresa de energia Wärtsilä, não enxergava mais caminhos a serem percorridos. “Planejei tudo, preparei sucessor, saí com a decisão tomada e não dei brecha para eles negociarem.” Como Campos estava havia 20 anos na empresa, a notícia de sua saída assustou os demais, afirma. Oito meses depois, ele recebeu convite para voltar como presidente. Para o executivo, o tempo de casa, o fato de não ter ido para concorrente e a transparência nos relacionamentos no trabalho o fizeram voltar.

ANTES DE DIZER ADEUS

Cargos operacionais > Aproximar-se das chefias > Dar ideias de melhorias no setor > Apresentar bons resultados > Buscar desafios, não apenas salário mais alto

Cargos gerenciais

Cargos de alto escalão

> Fazer mudanças inéditas > Ser referência no setor > Relacionar-se com demais gerentes e diretores > Buscar postos mais altos e evitar concorrentes

> Ser bom gerenciador de conflitos > Manter bom relacionamento com os líderes > Aproximar-se da presidência > Dar ideias para melhorar processos na empresa

VOCÊ SAIU BEM QUANDO > Recebeu avaliações positivas > Trouxe resultados para a empresa > Não teve problemas com a chefia direta > Deixou claro os motivos da saída > Evitou falar mal de processos e pessoas > Ouviu elogios na conversa final Fontes: consultores de RH


Saindo bem da empresa