Page 1


TABLE OF CONTENTS Title Page Direitos Autorais Dedicação Elogios para Tanya Anne Crosby Prologue Capítulo 1 Capítulo 2 Capítulo 3 Capítulo 4 Capítulo 5 Capítulo 6 Capítulo 7 Capítulo 8 Capítulo 9 Capítulo 10 Capítulo 11 Capítulo 12 Capítulo 13 Capítulo 14 Capítulo 15 Capítulo 16 Capítulo 17 Capítulo 18 Capítulo 19 Capítulo 20 Capítulo 21 Capítulo 22 Capítulo 23 Capítulo 24 Capítulo 25 Capítulo 26 Capítulo 27 Capítulo 28


Capítulo 29 Capítulo 30 Capítulo 31 Epilogue Conclusão Glossário Sobre a Autora


AJOELHADO AOS TEUS PÉS TANYA ANNE CROSBY Translated by

TANIA NEZIO


Ajoelhado Aos Teus Pés Elogios para Tanya Anne Crosby Prologue Capítulo 1 Capítulo 2 Capítulo 3 Capítulo 4 Capítulo 5 Capítulo 6 Capítulo 7 Capítulo 8 Capítulo 9 Capítulo 10 Capítulo 11 Capítulo 12 Capítulo 13 Capítulo 14 Capítulo 15 Capítulo 16 Capítulo 17 Capítulo 18 Capítulo 19 Capítulo 20 Capítulo 21 Capítulo 22 Capítulo 23 Capítulo 24 Capítulo 25 Capítulo 26 Capítulo 27 Capítulo 28 Capítulo 29 Capítulo 30 Capítulo 31 Epilogue Conclusão


Glossรกrio Sobre a Autora


Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser usada ou reproduzida ou transmitida de qualquer maneira, por via eletrônica, por via impressa, ou de qualquer outra forma, sem a permissão prévia e por escrito de Oliver-Heber Books e de Tanya Anne Crosby, exceto no caso de breves citações, comentários e críticas.

NOTA DO EDITOR: Esta é uma obra de ficção. Nomes, personagens, lugares e incidentes são produtos da imaginação do autor ou são usados ficticiamente. Qualquer semelhança com pessoas reais, vivas ou mortas, estabelecimentos comerciais, eventos ou localidades é total e simplesmente uma coincidência.

Copyright © 2016 Tanya Anne Crosby Published by Oliver-Heber Books “Ajoelhado Aos Teus Pés” Escrito por Tanya Anne Crosby Traduzido por Tânia Nezio Created with Vellum


Aos irmãos — porque os dois que eu tenho são os melhores.


ELOGIOS PARA TANYA ANNE CROSBY “Os personagens de Crosby mantêm os leitores envolvidos...” PUBLISHERS WEEKLY

“Tanya Anne Crosby nos mostra uma época boa e realiza isso com humor, com uma estória gostosa e a quantidade certa de romance.” THE OAKLAND PRESS “Um romance cheio de encanto, paixão e intriga...” AFFAIRE DE COEUR

“Ms. Crosby mistura a quantidade certa de humor e amor... Fantástico, tentador!” RENDEZVOUS

“Tanya Anne Crosby escreveu um conto que tocará sua alma e viverá para sempre em seu coração.” SHERRILYN KENYON #1 NYT - AUTOR DE BEST-SELLERS


PROLOGUE

Colin Mac Brodie estava cercado por riso. As pessoas eram atraídas para ele — assim como Seana — como todas as pessoas sempre eram atraídas. Assistindo a uma distância segura, sentada sob a sombra de uma árvore, Seana mordiscava uma torta que ela tinha roubado da janela de alguém que a tinha colocado para esfriar. Ela se sentia culpada, mas a fome a fez fazer isso. Agora, as crianças estavam todas fazendo algazarra, todas estupefatas sobre um novo punhal que Colin estava mostrando para elas. Os rapazes estavam com inveja e as garotas adequadamente impressionadas enquanto Colin se gabava para eles — como somente Colin podia fazê-lo — e radiante ele colocou o punhal na sua cintura. Mais do que apenas admirá-los Seana queria se juntar a eles. Risos e vaias repentinos chamaram a atenção dela e ela olhou para ver que Lagan MacKinnon estava olhando na direção dela. Ela congelou. Seana não gostava de Lagan. Ele tinha olhos cruéis sempre cheios de raiva e de inveja. E agora, eles estavam preenchidos com ódio, dirigidos a Seana. "Ladra!" ele gritou e jogou uma pedra na direção dela. A pedra bateu na árvore atrás de Seana e seu coração começou a bater mais rápido. Ela não tinha medo, ela disse a si mesma. "Bruxa feia e coxa!" Lagan persistiu.


Seana se forçou a se manter calma. Eles teriam sua diversão e tudo passaria — como sempre passava. Coxa de uma perna, desde seu nascimento, Seana estava acostumada a sofrer zombarias. As pessoas pareciam ter medo dela por causa de sua perna manca, embora ela não soubesse exatamente por que. Ela segurou a respiração quando Lagan inclinou-se para pegar outra pedra, pois parecia que a situação estava pior do que o habitual. Ela se abraçou quando ele jogou a pedra, que lhe bateu no ombro, desta vez. Ela não chorou, mas algumas lágrimas apareceram em seus olhos, e ela engoliu a tristeza que subia sufocando sua respiração. "Colin não gosta de você!" ele disse, "Vá embora, bruxa!" Seana sentiu como se ela fosse se afundar no chão. Ela não respondeu, não teve coragem. Todos viraram para Colin, provocando-lhe de repente... sobre Seana. "Case com ela, Colin!" Lagan o provocou, rindo cruelmente enquanto ele empurrava o ombro de Colin. "Decida-se e se case com a bruxa feia!" COLIN EMPURROU Lagan e olhou para Seana. Seana engoliu o choro. Eles estavam apenas provocando-o, ela sabia por que já os tinha visto fazer a mesma coisa várias vezes, mas ela percebeu que Colin não estava gostando. "Ela roubou essa torta da sua Minny!" uma das garotas disse para Lagan, lançando um olhar enojado para Seana.


Os olhos de Lagan se estreitaram. "Ladra!" ele disse. "Bruxa coxa com verruga na cara!" Ele pegou o punhal de Colin de repente e jogou-o na direção de Seana, rindo maliciosamente. "Vá pegá-lo Colin!" O punhal quase alcançou Seana, pousando ao lado dela. Ela piscou, pensando que ele poderia ter tirado seu olho fora. "Droga, Lagan, seu bundão!” Colin disse. "Vá — e pegue o punhal!" Lagan se sentiu insultado. Mas Colin simplesmente ficou ali parado, olhando para Seana, sua expressão frustrada. O coração de Seana começou a martelar quando ela encontrou o olhar dele e... oh, mas os olhos azuis dele eram lindos. Ele tinha medo de vir pegar o seu punhal, ela percebeu. Mas não havia nenhum ódio em seus olhos, apenas medo. Será que eles estavam com medo de que a fraqueza na perna dela fosse contagiosa? Seana não entendia, mas sentia — como ela tinha sentido inúmeras vezes nos seus quase onze anos de vida — que ela deveria ter vermes que deveriam ser erradicados. Engolindo seu próprio medo, ela estendeu a mão, com o punhal de Colin em suas mãos. Ela ouviu mais risadas e mais vaias, mas ela se levantou, apesar de ter feito algum esforço. Ela endireitou os ombros, enfrentou-os, deu uma respiração profunda e caminhou em direção a multidão de crianças, mantendo o seu olhar fixado em Colin para ter forças. "Olha, olha!" gritou outro menino. "A aleijada pode andar!" Seana ignorou o riso e caminhou na direção de Colin, suas bochechas queimando de vergonha e os olhos ardendo com as lágrimas que ela se recusava a soltar. Ela entregou-lhe a faca. Todos os seus companheiros começaram a zombar dele ferozmente.


Colin tirou das mãos dela. "Onde você conseguiu a torta?" alguém perguntou. "Você roubou da Minny de Lagan como a Edith disse?" Seana tentou ignorá-los. Eles começaram a cantar: "Colin e Seana se beijando sob uma árvore!" "Vá embora!" Colin gritou para ela, de repente, sentindo-se sob pressão. "Eu não gosto quando você nos segue, ouviu! Eu não gosto de você, Seana!" SEANA VACILOU COM A SUA CRUELDADE, mas seus pés não se moveram. Ela manteve seu olhar fixo nele, embora ela não soubesse por quê. Parecia que seu coração estava se quebrando. "Vá embora!" ele gritou novamente quando a balbúrdia ficou mais alta. Ele lhe deu aquele olhar, aquele olhar que ela não podia suportar ver — cheio de ódio e repulsa. Desta vez Seana se virou e fugiu. "E não volte ladra estúpida!" ele gritou para ela. Seana tentou correr mais rápido, mas sua perna não o permitia. As lágrimas corriam pelo seu rosto. De repente começaram a voar pedras em volta dela, mas ela não ousava se virar para ver quem as lançava. Uma a acertou na cabeça, e ela gritou, mais com medo do que com dor. Atordoada, ela se virou para olhar, e encontrou o olhar de Colin Mac Brodie. Ele estava ali com uma expressão estranha em seu rosto. Por quê? Como ele podia fazer isso? Ela só ousava amá-lo — como todos os outros faziam. Todos os seus companheiros riam dela, dizendo palavras feias,


mas ele simplesmente ficou parado, olhando para ela, e nesse instante, Seana acreditou que ela o detestava. Ela se virou e fugiu, correndo até que ela já não conseguia mais correr... correu até ela ouvir seu nome ao vento. "Seana!" Ela se virou para ver que Broc Ceannfhionn a seguia. Seana tropeçou em sua perna. Frustrada, ela sentou e chorou... e Broc veio hesitante e sentou ao lado dela. Broc Ceannfhionn era mais velho do que ela e do que Colin também, embora ela não se importasse com isso. "Ele não queria fazer isso," Broc defendeu seu amigo. Ele não estava sem fôlego como Seana. "A culpa foi de Lagan, com certeza." Seana não se importava. Ela voltou a chorar. "Oh," ele exclamou e estendeu-se desajeitadamente para abraçá-la. "Não pense mal de Colin, Seana. Ele não é uma pessoa ruim." Ele enxugou as lágrimas dela. "Não chore," ele implorou a ela. Por causa de Broc, Seana tentou não chorar, mas mesmo que ela vivesse mil anos, ela não achava que ela poderia esquecer o olhar no rosto do Colin Mac Brodie... o som da sua risada. Se Broc olhasse para ela, dessa maneira também, ela pensou que poderia morrer. Ela olhou para o estranho gigante e ele sorriu para ela. Seana limpou o rosto com a manga da blusa. "Você sabe como é quando você está com amigos," ele tentou explicar, dando-lhe um olhar simpático. "Ele não queria que isso acontecesse, Seana."


SEANA ABANOU A CABEÇA. "Eu não tenho amigos." "Sim, você tem," disse Broc. "Você tem a mim." Antes do dia de hoje, os dois raramente tinham se falado. Seana piscou, e ele acenou com a cabeça para ela, como se para garantir-lhe que era verdade. "Você vai ser meu amigo?" Ele balançou a cabeça novamente, mais resolutamente. "E se você precisar de mim é só me chamar," ele disse. "Você não tem que sofrer esses insultos por mais tempo. Você me conta Seana e eu vou fazer com que o nariz deles fique sangrando." Seana sorriu. "Verdade?” Ele assentiu. "Verdade." Ele era o único que tinha ousado se considerar seu amigo. "Você não vai se arrepender, Broc Ceannfhionn. Eu juro que um dia vou encontrar um jeito de recompensá-lo!" Ela jogou os braços ao redor dele, abraçando-o com gratidão. "Oh, Seana, você não tem que me recompensar." Ele afastou os braços dela, e levantou seu queixo. "Esse seu sorriso bonito é suficiente como agradecimento." Ele piscou para ela. O coração dela acelerou e suas bochechas ficaram mais vermelhas, mas ela simplesmente sorriu timidamente para ele. E naquele instante, Seana realmente pensou que o amava. Um dia, ela jurou para si mesma... não importava que ele dissesse que ela não precisava... um dia... ela não sabia quando ou como, mas ela ia encontrar uma maneira de mostrar para Broc Ceannfhionn quanto isso significava para ela. Um dia...


CAPÍTULO 1

Colin Mac Brodie era o maior patife de toda a Escócia. Ele também era o trunfo para Seana realizar seu maior desejo: casar com Broc Ceannfhionn. Desde que eles eram bem pequenos, Seana amava Broc, sonhava em um dia se tornar sua esposa. Ela queria cuidar dele, como ele fazia com ela frequentemente. Ela nunca iria esquecer o dia em que pela primeira tinha falado com ele, no mesmo dia que Colin Mac Brodie tinha despedaçado seu coração. Mas Seana não se enganava. Naquele dia Broc apenas sentiu pena dela. Como ele não poderia? Ela tinha sido uma criança coxa, com dificuldade para andar. Desde então, os anos tinham sido gentis com ela. Com muita determinação e a ajuda do seu da (1), ela tinha fortalecido sua perna e agora era quase imperceptível o seu coxear. Ela ainda não tinha nada para oferecer para Broc e começava a temer que este dia pudesse nunca chegar. Mas agora ela era forte e capaz e sabia que estava pronta para ser a esposa que ele precisava e merecia. Broc era um homem amável e bom, e Seana achava que ela era capaz de dar a ele um bom lar. Ela só precisava de um pouco de ajuda para convencê-lo. Por que ela era uma maldita covarde? Colin não podia mais machucá-la.


Bem — ela olhou para ele pelo canto do olho, vendo as fortes linhas de seu corpo — ele poderia machucá-la, mas nem mesmo Colin Mac Brodie era um homem tão cruel que pudesse bater numa mulher. Além disso, não havia muito que temer, mesmo assim, ela hesitou de se aproximar dele. "Maricas," ela murmurou para si mesma. "Você é pior que um maldito Sassenach!" E ela franziu a testa em reprovação aos seus pés que estavam plantados firmemente ao chão. Ela tinha vindo a este casamento não para comemorar, porque apesar das pessoas não serem seus inimigos, também não eram seus amigos. Não, ela tinha vindo para falar com Colin Mac Brodie — embora a irritasse precisar da ajuda dele. Mas ela não era tão orgulhosa e não estava disposta a perder o homem que ela amava. Parecia que todo mundo estava se casando — o MacKinnon, Meghan Brodie e em breve Alison MacLean. Era só uma questão de tempo antes de Broc também se casar. Agora era a hora de agir — antes que ela o perdesse para sempre. Então o que ela estava esperando? SEANA FRANZIU a testa enquanto contemplava a resposta para essa pergunta. Seu olhar se dirigiu para a noiva feliz e ela ficou olhando-a melancolicamente. Meghan tinha sido a inveja de todas as mulheres da Escócia, com seu lindo cabelo cobre e seu rosto perfeito. De alguma forma, as mulheres da família Brodie tinham sido amaldiçoadas com a beleza, Seana pensou, e não com a loucura como diziam. Meghan era tudo o que Seana não era, mas de alguma forma


Seana nunca poderia ter inveja dela. A irmã de Colin era linda, sim, mas tinha vivido uma vida solitária tal como Seana tinha vivido. Claro, Seana tinha seu da, mas o da de Seana nunca tinha sido sua força. Pelo contrário, Seana tinha sido a força dele. Falando nisso... Ela voltou seu rosto para o céu para tentar descobrir a hora. Estava ficando tarde e seu da agora deveria estar com fome. Para a maioria dos convidados, a alegria estava apenas começando, mas se Seana não fosse para casa em breve, seu da iria dormir sem jantar. Nem ela apreciava o pensamento de andar pela floresta tarde da noite e se aprofundar nas sombras que se tornavam ainda mais negras. Ela não tinha medo, claro, mas ficaria simplesmente muito escuro para encontrar a estrada. Vai lá falar com ele, ela se ordenou. Ele não pode machucá-la. Ainda assim, ela hesitava. A celebração do casamento de Meghan tinha sido grandiosa. Os irmãos dela não tinham negado nada a ela, apesar do casamento ter acontecido tão de repente. A festividade começou de manhã bem cedo e ia continuar até de madrugada, até que os homens estivessem bêbados o suficiente para beijar o chão e suas mulheres fossem forçadas a arrastá-los para casa pelos pés. Seana teria adorado ter trazido seu da, mas seu da não saía mais de casa, então Seana foi forçada a vir sozinha. Sem pertencer ao clã dos MacKinnon ou dos Brodie e tendo vivido praticamente sozinha a maior parte de sua vida, Seana tinha poucos amigos e nenhum deles era próximo a Broc como Colin Mac Brodie. Na verdade, ela duvidava que alguém conhecesse Broc melhor do que Colin — certamente Colin era seu melhor amigo. Então... quem melhor para lhe ensinar como ganhar o homem que ela amava do que o homem que melhor o conhecia?


Afora isso... ninguém sabia melhor o que atraia um homem para uma mulher do que Colin Brodie — mulherengo como ele era! Não, não havia nenhuma outra maneira; ela precisava de ajuda, e Colin era o único que podia fornecê-la. Ela já tinha tentado todos os seus ardis com Broc; nada pareceu funcionar. Broc permanecia alegremente inconsciente de seu interesse, e também de sua presença. Ele era um homem tão doce, e pensar nele, como sempre, lhe trouxe um sorriso aos lábios. ELA ACENOU com a cabeça em desgosto ao considerar suas opções... quase pedindo-lhe, sem rodeios, para se casar com ela, pois ela havia tentado tudo o que ela podia fazer. Colin Mac Brodie era seu último recurso. Juntos, ela e seu pai há anos comercializavam uisge beatha para os clãs vizinhos, mas eles não precisariam mais fazê-lo se ela se casasse com Broc. Ela estava cansada de trabalhar sozinha, porque o da não tinha mais condições de ajudá-la. Ele estava doente e precisava de uma nova casa, uma que não fosse feita de pedras empilhadas. É hora de engolir seu orgulho, Seana! Seu olhar se voltou para Colin, e ela pensou que provavelmente ele não se lembrava mais dela. Ela tinha tido cuidado em se manter longe dele todos esses anos. Não havia nada a temer, ela disse a si mesma — exceto que ela se lembrava. A lembrança de sua crueldade ficaria impressa em seu coração para sempre. A noite estava caindo. Começando a sentir um crescente senso de urgência, Seana


procurou por Broc, sem sucesso. Alto como ele era, ela tinha sido capaz de mantê-lo dentro de sua visão a maior parte do dia, mas ele tinha desaparecido no momento e não estava perto do seu amigo. Ele e Colin estavam separados agora... mas ela não sabia por quanto tempo mais... Seana endireitou seu corpo, balançou as mãos atrás das costas e foi em sua direção, mas de repente parou. Colin não era melhor que ela, ela garantiu a si mesma — embora ele certamente pensasse o contrário. Seu olhar se voltou para Colin Mac Brodie e sua sobrancelha se levantou. Os anos tinham sido muito gentis com ele, ela pensou amargamente. Ele não precisava ter os dentes tão brancos nem o seu cabelo ser da cor do ouro ao crepúsculo! Quantos corações ele tinha despedaçado sem nem ao menos ter se preocupado? Muitos, com certeza, Seana pensou com algum nojo. O dela tinha sido um deles, mas, claro, ela era jovem e estúpida! Mesmo enquanto ela ficou lá olhando, duas moças passaram por Colin, rindo uma para outra e lançando-lhe olhares apaixonados. Seana revirou os olhos e pensou que com certeza ela não tinha estômago para assistir esse tipo de cena. Para aquelas mulheres, Colin decidiu dar um dos seus sorrisos que não lhes daria chance de escapar. Seana gostaria de ter rastejado na cama dele uma noite, enquanto ele estivesse dormindo e arrancado alguns dos seus lindos dentes brancos — para o bem de todas as mulheres! Que homem tinha o direito de ganhar e jogar fora tantos corações?


QUANTO MAIS ELA PENSAVA NISSO, mais irada ela ficava. Oh, mas Colin Mac Brodie deveria ter sido aliviado de sua masculinidade no momento de seu nascimento! Ele não merecia isso! Patife sujo que ele era! Em uma tentativa de acalmar-se, ela se obrigou a olhar para o feliz casal. Por causa de Meghan, Seana esperava que o Sassenach (2) a amasse verdadeiramente. Se alguém merecia, certamente essa pessoa era Meghan. Era incrível como duas pessoas podiam ter vindo do mesmo ventre e serem tão diferentes. Sacudindo a cabeça, ela lançou um olhar fulminante para o irmão de Meghan, embora ele permanecesse alheio — como sempre — do seu olhar. Do que Seana sabia sobre Meghan, ela era gentil e doce, bem como adorável, e o fato dela ter Alison MacLean como amiga dizia muito para Seana. Alison MacLean, assim como Seana, tinha nascido diferente, e apesar de Seana não conhecer Alison muito bem, ela sabia como as pessoas olhavam para a pobre garota. Para Alison, eram os seus olhos cruzados que fazia com que todos se sentissem desconfortáveis. E elas tinham mais uma coisa em comum... Colin Mac Brodie. Alison estava enamorada por Colin há muito tempo e Seana ficou satisfeita ao saber que Leith Mac Brodie teve suficiente bom senso de olhar para além daqueles olhos estrábicos direto para o coração dela. Seana esperava que Colin fosse se arrepender algum dia.


Ela sinceramente esperava que as malditas bolas de Colin apodrecessem e caíssem e ele um dia se encontrasse sem filhos e sem esposa para aquecer sua cama à noite. Isso não seria perfeito para ele? Um pequeno sorriso apareceu em seus lábios. Enquanto ela estava parada lá, as vozes das duas moças que jogavam olhares para Colin chegaram aos seus ouvidos. Seana não podia deixar de escutar. Não era culpa dela, claro. Elas estavam falando muito alto. "Ele é tão lindo!" A garota mais baixa exclamou. Seus lindos cachos dourados emolduravam um rosto encantador, sem sardas ou manchas de sol. "Sim!" disse a mais alta das duas tão animadamente que Seana pensou que ela fosse sufocar. "Você viu ele me olhando, eu sei que ele olhou!" "Não!" a outra disse, seu rosto adorável de repente se tornando ofensivo, "Ele estava sorrindo para mim!" Seana revirou os olhos. Elas realmente iam lutar por Colin? Garotas bobas! Ele não valia à pena, será que elas não sabiam? Um pensamento perverso passou de repente pela cabeça dela. DIZIAM pelas costas dela que ela era uma Bodachan Sabhaill, e ela era, porque raramente ela podia resistir uma tentação. Uma ladra ela não era, mas ela era maliciosa e travessa, sim. Seu da sempre dizia que ela não poderia negá-lo. Suprimindo um sorriso endiabrado, ela se virou para a mulher que estava ao lado dela, quando as duas garotas passavam por ela e disse num tom de voz alto, "Oh, mas não é pena o que está


acontecendo com Colin Mac Brodie?" A mulher que estava ao lado dela, a qual Seana não conhecia, parou uma conversa animada com uma amiga na mesma hora, virou-se para Seana e perguntou com as sobrancelhas levantadas, "O que está acontecendo com Colin Mac Brodie?" Seana tentou não rir quando as duas garotas se viraram para ouvir melhor. A mais baixa das duas fez questão de parar e se preocupar com o sapato, balbuciando algumas besteiras sobre um graveto imaginário que tinha machucado o pé dela. A outra se juntou a ela, fazendo um estardalhaço por causa do sapato da amiga. Seana teve que abster-se de rir. "Oh," Seana disse, em seu tom mais preocupado. "você não ouviu!" A mulher mais velha ao lado dela balançou a cabeça e a curiosidade em seus olhos azuis quase fez Seana rir. Qualquer coisa que Colin pudesse ser, ele certamente era um prato cheio para fofoca. Parecia que todos queriam saber sobre Colin Brodie! "Oh meu Deus!" Seana disse com gravidade fingida e abanou a cabeça. "Eu pensei que todos soubessem! Mas agora eu acho que não devo falar." Ela se afastou da mulher mais velha, colocando seu olhar de volta para o feliz casal de noivos, fingindo educadamente descartar o tópico. O amor de Lyon Montgomerie estava agora aparecendo em seus olhos, e sua adoração em cada olhar que ele dava para sua amada Meghan. Seana suspirou, pensando que seria maravilhoso um dia encontrar alguém para olhá-la assim. O sonho dela era que Broc um dia a olhasse desta maneira, e ousava esperar que finalmente


ele olhasse para ela e percebesse que ela não era mais a garota lamentável de tanto tempo atrás. As duas garotas ao mesmo tempo começaram a sussurrar uma para outra. "O que você acha que ela sabe?" Seana ouviu uma perguntar para a outra. "Eu não sei!" Seana fingiu não ouvi-las, mas foi tudo que ela pôde fazer para não explodir em gargalhada. A mulher mais velha tocou Seana no ombro. "Me diga o que você ouviu moça. Tenho uma filha, e você entende..." Ela acenou para Seana. Seana suspirou. Uma nova vítima. Será que nenhuma mulher tinha o bom senso de ficar longe de Colin Mac Brodie? "É claro." Seana assentiu com simpatia. "Você deve saber então..." Ela veio para perto da mulher mais velha. "Bem, você vê," ela começou, colocando uma mão em sua boca, num gesto de maior segredo. AS DUAS MENINAS pararam de se fingir interessadas com o sapato, ficando caladas para ouvirem Seana, obviamente não querendo perder uma palavra. "Ouvi que Colin Mac Brodie está perdendo sua masculinidade," Seana disse em um sussurro alto para que sua audiência atenta pudesse ouvi-la. E ela deu um aceno. "Oh!" a mulher mais velha exclamou. "O que você quer dizer?" "Bem," Seana continuou, apenas um pouco mais suave agora,


fazendo as garotas se moverem para mais perto para ouvir sua fofoca. "Não posso saber se isso realmente é verdade, você vê... mas conheço alguém que sabe... que me disse que sua masculinidade está cada dia pior. Logo, logo seu willy (3) não vai mais ser capaz de conceber bairns!" Um olhar de horror passou pelos olhos da mulher mais velha. "Oh, você está me dizendo que ele está ficando broxa!" Um suspiro coletivo veio das duas meninas. Seana assentiu sobriamente. "Sim," ela disse. "' É verdade — e isso me foi contado por alguém que viu com seus próprios olhos, acredito que vocês possam compreender por que eu não posso dizer quem foi. Mas, sim, ele me disse que está ficando broxa... ele acredita que seja alguma doença no pênis dele!" A mulher mais velha disse. "Ele deve estar pagando," ela disse ameaçadoramente. "Por tudo de errado que ele fez!" As sobrancelhas de Seana se levantaram. "Talvez," ela concordou e assentiu com a cabeça como um presságio. "Como o pai dele!" Todos os homens do clã Brodie, exceto Leith, tinham de alguma forma sido manchados por safadeza. Todos os seus antepassados tinham sido patifes e safados, todos eles. Suas mulheres tinham sido belas e doces e mesmo assim os olhos dos seus homens sempre tinham procurado outras mulheres. E Colin... Colin era certamente a cópia fiel do seu pai! De repente, a mulher mais velha, as duas meninas e Seana, olharam na direção de Colin. Ele estava parado completamente alheio a fofoca, e Seana, mais uma vez, quase explodiu de tanto rir quando as duas meninas de repente juntaram suas cabeças, sussurraram algo entre elas e


foram para o meio do multidão para espalhar a fofoca mais recente. "Que Deus esteja com o rapaz!" a mulher mais velha disse gravemente e fez o sinal da cruz. "Sim," Seana concordou, com a cabeça. Que Deus esteja com ele, porque ele ia precisar de toda a ajuda que ele puder obter se Seana ficar no seu caminho!

PATIFE PODRE! Sentindo-se bastante encorajada de repente, ela saiu de perto da mulher mais velha e foi em direção a Colin Brodie. Não era como se ela estivesse pedindo por caridade. Não, ela estava disposta a dar-lhe em troca sua posse mais valiosa — algo que há muito tempo todos os clãs cobiçavam e ele seria um tolo se ele se recusasse a ajudá-la.

(1) Da – pai. (2) Sassenach - - termo (escocês) ofensivo de referência a uma pessoa inglesa (3) Willy - gíria para pênis.


CAPÍTULO 2

U

m casamento não era precisamente algo de bom que Colin achasse que devesse celebrar. Ele realmente esperava que sua irmã entendesse no que ela tinha se metido. Por alguma razão ele nunca havia imaginado que Meghan um dia se casaria, mas vê-la presa a um demônio Sassenach era o suficiente para revoltar seu maldito estômago — bem pior do que este maldito uisge beatha que Leith tinha comprado. Ele bebeu o resto do conteúdo de sua caneca, fazendo careta quando seu estômago começou a queimar. Onde diabo estava Broc? Ele tinha saído para pegar para eles uma cerveja melhor. Nenhum deles tinha sido capaz de digerir bem o uisge beatha, mas Broc ainda não tinha voltado e Colin precisava de algo para limpar esse gosto amargo da boca. Não era fácil assistir Meghan se entregar ao inimigo. Não era fácil recuar e engolir seu orgulho. Na verdade, ele preferia estar removendo o coração do Sassenach, mas neste momento ele se contentaria com uma simples caneca de uma cerveja decente. Droga, mas seu maldito copo estava vazio e ele não conseguia encontrar seu melhor amigo. Ele sorriu para uma jovem que passou por ele. Ela tinha olhos azuis profundos e cabelo dourado pálido, não muito diferente do seu próprio, e um sorriso que aquecia seu sangue.


As mulheres eram sua maior ruína. Broc, por outro lado, parecia satisfeito em ficar na sua companhia. Colin nunca tinha conhecido um homem tão à vontade consigo mesmo e com o mundo. E verdade fosse dita, ele invejava isso em seu amigo. Em parte foi o que atraiu Colin para Broc, embora Colin estivesse apenas começando a perceber isso. Algo estava faltando em sua própria vida, e parecia que Broc tinha a chave do que este algo podia ser. Colin estaria amaldiçoado, no entanto, se ele vivesse a vida de um maldito monge. Talvez fosse bom o suficiente para Broc, mas seria uma vida miserável para Colin. Automaticamente, seu olhar foi atraído para uma beleza ardente de olhos verdes profundos que lhe lançava um olhar. Ela estava com sua mãe, segurando seu irmão ainda bebê nos braços... ou talvez seu filho, que Colin esperava que não fosse. Ele piscou para ela, admirando o rubor rosado que apareceu em seu doce rosto redondo. As mulheres eram bonitas. As mulheres eram dádivas de Deus. Ele ficou parado, admirando a moça ruiva, imaginando o calor da sua pele em seus lábios... até que foi brutalmente interrompido. “NÃO ME DIGA que você seria capaz de ir para cama com a mulher de outro homem, Colin Mac Brodie!" Colin lançou um olhar irritado para a portadora da voz, ofendido com a insinuação. No entanto ele não reconheceu o rosto. Cabelo preto enquadrado num formoso rosto que tinha certamente muitas vezes sido beijado pelo sol. Os lábios eram rosa como as pétalas de


uma rosa e estavam franzidos em desaprovação. Os olhos verdes brilhantes olhavam para ele. Ele estava surpreso, em primeiro lugar, pela aparente animosidade. Nenhuma mulher jamais tinha olhado para ele dessa forma. O que o diabo ele tinha feito para merecer seu rancor? "Eu nunca traí um homem em toda a minha vida!" ele argumentou. Ela levantou uma sobrancelha e olhou para ele, as mãos dela indo para a cintura num óbvio gesto de desafio. Estava claro que ela não acreditava nele. "Não?" ela perguntou. "Por quê? Porque você não tem coragem para se meter com o homem dela? Ou porque, Deus me livre, porque você ainda tem um pouquinho de honra?" Quem era essa moça que se atrevia a falar com ele assim? Colin olhou para ela, tentando se lembrar quando ele alguma vez podia ter cruzado seu caminho... Com certeza ele a tinha desprezado há algum tempo... ou talvez a sua irmã. Ele não podia entender por que ele era vítima de sua língua mordaz. E ainda... ele não podia imaginar ter desprezado esse rosto lindo. Não, ela não era bonita da forma que sua irmã era, mas, no entanto ela era linda. Aqueles olhos eram verdes como de uma fresca clareira da floresta e aquela pele... suave e macia. E os lábios... de repente ele teve vontade de vê-los franzidos... mas não por desprezo. "O que te aflige moça?" ele perguntou perplexo. "Parece que você anda chupando uvas azedas." Ele piscou para ela, tentando melhorar seu humor. "Um sorriso ficaria melhor nesse rosto bonito, muito melhor!" "Sim?" Ela levantou uma sobrancelha com desprezo. "E se eu


gostar de chupar uvas azedas?" Ela levantou-se na ponta dos pés olhando para ele desafiadoramente. Rapariga atrevida. Ele gostaria de dar-lhe algo para chupar, ele pensou, e seus lábios se curvaram em um sorriso malandro. "Então chupe suas uvas azedas," ele cedeu. Ignorando-a, ele mudou seu olhar, e toda a sua atenção, para sua irmã e seu marido Sassenach. Ele ficou olhando os dois dançarem juntos, tentando ignorar a diabinha ao seu lado. Moça irritante. COM O CABELO NEGRO, ela tinha uma disposição tão cruel como Eva diante do pecado. Ela seria maldosa na cama? Ele não conseguia adivinhar, mas se perguntar e com este pensamento sua respiração se acelerou. Ele tinha certeza de que aqueles lábios tinham sido feitos para muito mais do que simplesmente chupar uvas. Ela não saiu de perto dele, ele notou, mas manteve-se teimosamente ao seu lado, esperando para torturá-lo um pouco mais. Bem, ela estava fazendo um bom trabalho sem sequer abrir a boca, e ela nem imaginava. Seu perfume doce dançava direto para o seu nariz, insultandoo... alecrim... e sol... e... alguma outra coisa que ele já estava irremediavelmente viciado. Mulher. Ele inalou profundamente e prendeu sua respiração, saboreando o odor agradável. Se ela não se afastasse dele — e logo — ele ia arrastá-la para a floresta e adorar aqueles seios firmes que o estavam provocando. Oh, mas quanto tempo tinha passado desde que ele esteve com uma mulher? Um dia? Uma semana? Um mês? Ele se sentiu


faminto de repente... como se tivesse passado alguns malditos anos. Sua boca ficou molhada só de pensar em beijar aqueles lábios impertinentes, e seu willy ficou duro em resposta. Ela estava vendo Montgomerie dançar com sua irmã, Colin percebeu, e ele pensou tê-la ouvido suspirar. "Meghan é tão linda," ela disse, e Colin assentiu com a cabeça concordando. Ela suspirou novamente e ele se virou para olhar para ela. A expressão dela era melancólica, sem ser invejosa. "Ela é," ele concordou, estudando o rosto dela. E ela também era, será que ela não sabia? Poucas mulheres tinham sido dotadas com a perfeição sublime da beleza de Meghan, mas Colin conseguia ver beleza em quase todas as mulheres. Quase todas, mas algumas tinham sido atingidas com infortúnio, como Alison MacLean. O rosto dela não era tão terrível, mas Colin não conseguia olhar para ela por causa da deformidade dos seus olhos. Ele se sentia mal de tê-la tratado tão duramente, mas esta deficiência fazia mal para ele. Isso o enfureceu muitas vezes, ele não poder tolerar esse problema, mas ele simplesmente não conseguia. "Você não se lembra de mim não é?" ela perguntou. Seu olhar voltou-se para o rosto dela. Ele olhou-a fixamente, tentando se lembrar. Alguma coisa nela era vagamente familiar, embora ele pudesse jurar que nunca a tinha visto antes de hoje. Algo sobre aqueles olhos verdes, no entanto, o deixava nervoso. O velho Angus, do clã MacKinnon, com os cabelos brancos e os olhos vermelhos, passou por eles naquele instante, cantando embriagado, balançando uma caneca de uisge na mão... "Eu tenho um pênis gentil! Ele fica feliz o dia todo!


Ele me faz levantar cedo, bem cedo mesmo! Ah, sim, eu tenho um pênis gentil!" Ele parou para piscar para a misteriosa mulher ao lado de Colin e depois murmurou para si mesmo. "Bah, quem precisa casar! Ela nem me deixaria olhar para todas as moças bonitas — iria arrancar meus olhos!" Ele assentiu com a cabeça para Colin e exclamou, "Não queira nunca nenhuma noiva, rapaz! Você não precisa de uma!“ Ele acenou com a mão e voltou a caminhar e cantar. "Eu posso olhar o que me agrada!" ele murmurou embriagado, "e ninguém pode me parar! Ah, é isso mesmo!" ele disse, e sua voz desvaneceu-se no meio da multidão. "Eu tenho um pênis gentil..." Colin riu e voltou-se para ver que a mulher misteriosa estava olhando fixamente para ele, esperando... o quê? Maldição será que ele já tinha saído com ela e esquecido completamente? Seria possível? Suas sobrancelhas se fecharam. Oh, mas ele se orgulhava de sua memória. Ele apreciava todas as lembranças que tinha armazenado... todos os nomes de todas as mulheres que ele já tinha beijado, cada doce trêmulo suspiro que já tinha ouvido... cada nota melódica de cada gemido... cada cheiro delicioso... Ele balançou a cabeça. Caramba, mas ele não se lembrava. "Não, moça," ele admitiu um pouco embaraçado. "Eu não me lembro de você." Ela assentiu com a cabeça, parecendo pouco convencida com a resposta dele. "Claro que não. E por que deveria?" Seu lindo narizinho se franziu no que Colin interpretou como desprezo. Bem, ele não tinha culpa de não se lembrar. Sua memória era geralmente muito boa, e ele decidiu que não poderia possivelmente ter se esquecido dela se o encontro deles tivesse


sido mais do que um simples olá. Ele esperou que ela o esclarecesse, pensando que talvez ele fosse o homem errado, mas ela simplesmente olhou para ele, suas sobrancelhas levantadas, como se estivesse tentando ler os pensamentos dele. Um latido de cachorro chamou sua atenção. Ele levou seu olhar para longe da mulher misteriosa tempo suficiente para se virar e ver que Merry, o mais fiel companheiro de quatro patas de Broc, estava correndo por debaixo das pernas de seus parentes. A visão trouxe um sorriso em seus lábios. Onde estivesse Broc, Merry estava. Os dois eram inseparáveis. "JÁ NÃO ERA SEM TEMPO!" ele murmurou para si mesmo. Ele estava seco como uma pedra esperando Broc retornar. Merry, o doce vira-lata, veio pulando, empoleirando-se em cima do peito dele para lamber o rosto dele. "Que o inferno seja amaldiçoado!" Colin, exclamou. "Besta miserável! Seu mestre não lhe ensinou nada além de grosseria! Sem beijos!" ele exigiu e empurrou o rosto para trás, conseguindo evitar uma lambida na sua bochecha. A língua dela raspou seu queixo. Ele limpou-o e então deu um tapinha na cabeça de Merry, "Ok, ok!" ele disse, "Eu também gosto de você, sua viralata!" e ele fez um carinho nela. "Pelo menos ela não tem mais pulgas," ele se virou e disse para a mulher misteriosa. "Graças à noiva de MacKinnon..." Ela tinha ido embora. Ele procurou pela multidão por algum sinal dela, mas ela tinha desaparecido — tinha ficado apenas seu cheiro.


Ela o tinha deixado falando sozinho. Agora, por que ela tinha feito isso? Ele se virou e franziu a testa para o cão ainda ofegante perto do seu rosto. "Isso foi muita grosseria dela!" ele falou para Merry. "Ela poderia ter ao menos se despedido, você não acha?" Ele não se lembrava de alguma vez ter sido tão facilmente descartado por uma mulher. Merry colocou suas patas sobre o ombro dele, virou seu focinho ofegante para o céu e a carranca de Colin ficou maior. "Você deve tê-la assustado com esse seu mau hálito. Maldito cachorro!" ele resmungou para si mesmo. Ele teve uma bela mulher ao seu lado — e como ele podia preferir ficar abraçando um cão fedorento? Esse não era o dia dele — sua irmã ia embora casada com um ladrão Sassenach e o cachorro do seu melhor amigo era seu único parceiro de dança! Broc tocou-lhe no ombro, de repente. "Essa é a minha mulher com quem você está se metendo," ele disse, e seu sorriso era tão grande que Colin achou que ele fosse dividir o rosto dele. "Filho da puta," Colin disse e empurrou o cachorro. Merry sentou-se diante dele, ofegante e abanando o rabo alegremente. Broc riu. "Já não era sem tempo, você demorou a fazer o caminho de volta!" Colin disse, seu humor tinha ficado mais azedo por ter sido abandonado pela segunda vez no mesmo dia. Se possível, o sorriso do Broc se alargou ainda mais. "Sim, bem, eu teria vindo mais cedo, mas me atrasei por causa de um rumor que ouvi." Ele entregou para Colin uma caneca de cerveja.


COLIN LEVANTOU AMBAS AS SOBRANCELHAS. "Boato? Oh, não me diga que você agora faz fofoca como uma mulher velha, Broc!" Broc mantinha seu bom humor. "Este era particularmente interessante, pelo menos eu achei. Parece que ouvi que as bolas de algum pobre tolo estão murchas!" O rosto de Colin ficou congelado. "Quer dizer que você demorou a trazer minha cerveja só para ouvir a fofoca sobre as malditas bolas de algum homem? Jesus Cristo!" Broc levantou uma sobrancelha. "Sim, mas as bolas não são de qualquer homem." Ele riu. "São as suas bolas, Colin Mac Brodie!" Demorou um instante para ele registrar as palavras de Broc, e em seguida Colin exclamou um pouco alto, "minhas bolas!" Broc desatou a rir e não conseguia parar. Seus ombros sacudiam com alegria. "O que diabo você está falando? Minhas bolas?" Colin perguntou novamente. Broc assentiu com a cabeça, sem conseguir falar por causa do seu riso. "Oh, minhas bolas não estão murchas!" Colin protestou, e sua exclamação indignada chamou a atenção de todos perto deles. Broc riu ainda mais. "Bem, você falou mais alto e disse que era mentira?" Colin perguntou agora realmente ofendido. Broc deu-lhe um olhar insultado. "Você queria que eu falasse mais alto em defesa das suas bolas? Nem pensar Colin Mac Brodie!" Ele acenou com o queixo na direção de Merry. "Já tem suficiente rumores comigo por causa desse maldito vira-lata que dorme na minha cama! Você pode muito bem defender suas próprias bolas!" "Caramba!" Colin, exclamou e levou sua caneca à boca. Ele


bebeu tudo de uma vez e, em seguida, limpou a boca com a manga. "Esse realmente não é o meu dia," ele murmurou. "Não é mesmo o meu dia!" Agora era o momento certo para ficar bêbado e mandar para o inferno todas as mulheres! Por Deus, elas eram a ruína de sua existência.


CAPÍTULO 3

S

eana tinha passado muitas horas no casamento de Meghan tentando reunir coragem, e então quando finalmente ia confrontar Colin, ela passou o tempo provocando-o. Ela ainda estava se amaldiçoando por isso. Embora ela fingisse não gostar dele, ela viu que a raiva que sentia dele já tinha passado há muito tempo. Ela passou anos, na verdade, tentando esquecer sua maldade. Então por que ela demonstrou tanta amargura hoje? Não era algo bom para a alma, ela lembrou-se, alimentar a raiva. Só fazia com que o próprio portador se machucasse, porque o receptor quase sempre não tinha conhecimento ou não se importava. Colin Mac Brodie merecia toda a raiva que ela podia lhe dar, mas não lhe convinha dar sua energia para um homem que ia desperdiçar seus sentimentos. Nem, na verdade, ele ia dar para ela o que ela realmente queria dele. E isso, ela decidiu, era a coisa mais importante. Ela queria — precisava — se casar com Broc Ceannfhionn. A vida era dura, e ela não queria passar o resto de sua vida sozinha. Ela sentiu o nó em seu vestido se desfazendo e parou para segurar o pão que ela tinha escondido em sua saia. Ela não o


roubou da festa só para perdê-lo agora. Oh, ela estava cansada, mas assim que desse o jantar para o seu da, ia ter que sair correndo para a destilaria do uisge. A próxima carga era para o MacLean, que pretendia comprá-lo para a festa de casamento de sua filha. E o barril posteriormente ficaria com ele, um presente de Seana para Alison. Apesar de Seana não a conhecer bem, Alison tinha um lugar especial no coração de Seana. Ela estava muito feliz pela filha de MacLean. Alison e Meghan, as duas, eram moças que Seana adoraria poder ter chamado de amigas, e pensar em Alison rodeada por pequenos Leiths fazia Seana sorrir. Colin Mac Brodie um dia ia engasgar com sua inveja, quando visse o bem que seu irmão tinha feito em se casar com a filha de MacLean! E Seana adoraria estar por perto no dia que ele percebesse que a beleza às vezes cegava o mais feio dos corações. Do que serviria para Colin se casar com alguém cujo rosto fosse bonito, mas cuja alma fosse negra. Ele não sabia que às vezes os maiores tesouros eram encontrados cobertos na lama mais profunda? Um pouco de amor e carinho para escová-lo e fazê-lo ficar limpo era tudo o que era necessário.

UM SORRISO FICARIA MUITO melhor nesse rosto bonito. As sobrancelhas de Seana se uniram com a lembrança de suas palavras. Maldito por tê-la chamado de “rosto bonito”! Ele não tinha mudado nada. Ele provavelmente achava todas as mulheres bonitas... pelo menos cada mulher cujo rosto e corpo fosse perfeito o suficiente para não embrulhar seu estomago. Quanto a Alison ou


Seana... ele era muito cabeça-oca para ver além de seus defeitos. Mas Seana não se importava! Nem ela se importava se ele tinha um sorriso perfeito, ou se a cor azul dos seus olhos era como o pálido azul de um céu de verão. Era Broc que ela queria. Ela não queria Colin. E ela queria ter filhos, também. Ela queria o riso, e as mãozinhas puxando suas saias. Ela queria cuidar de Broc e remendar as camisas dele. Ela queria beijos e um corpo quente ao lado dela na cama à noite — todas essas coisas e muito mais. Ela franziu a testa com esse pensamento. Na verdade... por mais que ela tentasse, ela não podia se ver beijando Broc. Talvez porque ela nunca tinha beijado um homem antes e não sabia como fazê-lo? Broc, com certeza era um belo espécime de homem, alto e forte, com cabelos dourados e com todos os seus dentes. Seana não tinha nenhum problema em imaginar como uma mulher poderia desejar beijá-lo. Ela tinha certeza, aliás, que o motivo dele ainda não estar casado, era simplesmente porque ele era muito alto para observar como as mulheres o cobiçavam. Ele parecia estar eternamente acima de suas cabeças, alheio aos seus olhares de desejo — os olhares dela também. Broc vai ser um marido maravilhoso para alguma mulher de muita sorte, e Seana queria que esta mulher fosse ela. Amanhã, bem cedinho, ela ia procurar Colin mais uma vez e pedir a sua ajuda para conquistar Broc. Ela só precisava saber um pouco sobre o gentil gigante... por qual tipo de mulher Broc era


atraído? E como ela devia agir? Talvez Colin pudesse falar bem dela para Broc... ou simplesmente fazê-lo ficar ciente do interesse de Seana por ele. Ela não sabia exatamente o que ela queria de Colin, embora ele certamente parecesse ser especialista em questões entre homens e mulheres. Ela assentiu com a cabeça, satisfeita com seu plano, mesmo evasivo como ele era. Ela não iria perder a próxima oportunidade quando ela surgisse, ou ela passaria o resto da vida sozinha... com apenas um maldito gato cuja confiança e afeição ela nunca iria ganhar. Seu olhar avistou uma sombra movendo-se na escuridão da floresta. Gato desgraçado! SEANA GOSTARIA de pensar que ele tinha passado a gostar dela e amá-la tanto que ele não podia se afastar dela, mas ela sabia que não era essa a verdade. Ele a seguia por toda a parte, mas nunca tinha permitido Seana acariciá-lo. Ela podia chegar perto o suficiente para tocá-lo, mas nunca fazer um carinho. Ele fugia no instante em que ela começava a alisar seu pelo preto lustroso. "Eu estou te vendo," ela disse para o gato. "Eu acho que você gosta de me torturar, animalzinho bobo!" Seu pai havia encontrado o animal anos atrás, quando os olhos dele estavam começando a ficarem fracos. Ele tinha saído para verificar a destilaria e voltou com o gato que ele sempre se referia como "Meu Amor." Seana parou de repente. Ela não podia evitar. "Meu Amor," ela gritou, só para ver se ele viria até ela.


Ela estava sempre tentando ganhar o afeto do gato — mas até o presente momento nada tinha adiantado. O gato parou quando percebeu que ela já não estava mais andando. Seana olhou para a floresta nublada para tentar ver um vislumbre de seu corpo esguio e escuro se movendo em direção a ela. Meu Amor era lindo, para falar a verdade, bonito e inteligente e um pouco selvagem. "Aqui, Meu Amor," ela gritou, tentando persuadi-lo mais uma vez. O gato olhou para ela por trás de uma árvore. Seana pegou o vislumbre de um olho dourado através das sombras da floresta. Ela se inclinou, fazendo murmúrios macios tentando ganhar a confiança do animal. "Aqui gatinho," Ela enfiou a mão na saia dela e arrancou um pedaço de pão e segurou-a em sua mão na direção do gato. Estava ficando muito escuro para ver, mas aqueles olhos amarelos brilhantes eram mais afiados do que os dela própria, ela sabia. "Maldito gato!" ela falou, quando era óbvio que ele não viria até ela. Ela colocou o pedaço de pão na sua própria boca e bateu as migalhas para fora de seus dedos. O gato ficou simplesmente assistindo, sem se mover, imperturbável com a sua indignação. Certamente, ele estava impassível com seu gesto — ou até mesmo o fato de que ela estava comendo o que tinha acabado de oferecer. Ela voltou a caminhar determinada a ignorar o animal de uma vez por todas. Um farfalhar de folhas continuava a segui-la, quase demasiado fraco para ser ouvido, mas Seana sabia que ele estava lá. "Eu não sei por que você se incomoda em me seguir!" ela suspirou. "Eu acho que você está tentando me enlouquecer!" "Você ainda tem algum maldito perverso senso de humor, Meu Amor! Eu tenho certeza de que você está rindo por trás desses seus


olhos malvados! Bem, eu não me importo!" Ela garantiu. "Cai fora, gatinho — vá embora!" E ela começou a cantar: "Oh, eu tenho um pênis gentil..."


CAPÍTULO 4

C

olin ficou ciente que a manhã tinha nascido por causa da sua dor de cabeça, e o peso de um braço e de uma perna em cima de sua bunda pelada. Ele tinha bebido demais, e sua cabeça estava latejando... quase tanto

quanto seu... Cristo, mas estava gelado... ele gemeu, mas não se atreveu a se mexer, com medo de se causar mais danos — não que ele estivesse com medo de um pouco de dor... mas ele tinha muito medo de um pouco de dor lá. Ele tinha desmaiado, parecia — embora não sozinho — no chão. Ele tinha bebido muito para esquecer a frustração de a mulher misteriosa tê-lo deixado. Ele agora estava cercado por tórax fartos, e bundas gordas e lamentava o fato de que sua cabeça estava doendo demais para ele pudesse se virar e tentar descongelar seu pênis. Ele gemeu e abriu um olho e, em seguida, fechou-o novamente. Dor batia como um martelo em sua cabeça, e ele pensou ter ouvido sua irmã brigando com ele, mas ele sabia que era apenas uma criação tortuosa do uisge na sua cabeça. Colin Mac Brodie! Olhe para você! Quem vai tomar conta de você, agora, seu pateta? Oh, ninguém, ele reconheceu, sentindo pena de si mesmo. Ele mesmo respondeu, pois ele sabia que Meghan não estava mais lá.


A irmã dele estava bem e devidamente casada, ele gostando ou não — para melhor ou para pior — com seu marido Sassenach! Era melhor Montgomerie cuidar bem de sua irmã, ou o cão ia responder primeiro para o seu punho, e depois para a sua espada. Mas agora, sua primeira preocupação era descongelar seu pênis. O que tinha feito ele se despir e dançar nu diante da fogueira, ontem à noite? Estúpido, ele bradava para si mesmo. O que ele estava tentando fazer? Provar para todos que ele não era broxa? Ele abriu os olhos, e na mesma hora franziu por causa dos raios brilhantes da manhã e olhou para trás para um pé sobre a sua coxa. Era um pé masculino. "Maldição!" ele disse, chutando-o e rolando seu corpo na direção do fogo, indiferente as brasas remanescentes da fogueira. "Aaayyyyyyyiiii!" ele uivou e deu um pulo quando uma brasa quente chamuscou-o em cima da bunda. Um pênis congelado e uma bunda queimada! Quanto pior podia começar o dia! BROC RESMUNGOU, abrindo os olhos e olhando para ele. Um sorriso divertido de repente apareceu em seus lábios. "Bastardo filho da puta!" Colin protestou. "Quem lhe disse que minha bunda foi feita para aquecer seu maldito pé!" Ele olhou para a sua carne chamuscada, se amaldiçoando sob sua respiração. Broc não parecia nem ao menos sentir remorso. Na verdade, seu sorriso se alargou. "Não gosto da idéia do meu pé na sua bunda, Mac Brodie, mas ninguém disse para você ficar nu. Oh, mas


nós não precisamos sofrer por isso, maldito bastardo!" "Sim, Mac Brodie," resmungou Cameron, o jovem primo de Broc, acordando, com a mão na cabeça. "Maldito uisge." Ele gemeu de dor. Ele olhou em volta. "Hmmph... onde foram todas as mulheres?" Colin franziu a testa. "Para casa," ele respondeu irritado. "Onde estão as minhas roupas?" Broc riu. "Foi com as mulheres," ele revelou, e Colin respondeu com uma maldição. Havia algo muito errado com essa cena; um bando de homens tolos aquecendo suas bundas na fogueira e nenhuma mulher por perto! Cristo! As mulheres tinham sido inteligentes o suficiente, para roubar antes do amanhecer e agora estavam provavelmente dormindo tranquilamente com suas cabeças deitadas sobre almofadas suaves, enquanto os homens tinham sido deixados aqui para apanhar pedras com as suas bundas e queimar suas bolas sobre as brasas. Ele viu sua túnica sob a cabeça de Cameron e seu breacan jogado sobre as pernas de Broc e cuspiu outra série de xingamentos. Ele arrancou a túnica debaixo de Cameron e o breacan das pernas de Broc. "Bem, você não estava usando isso!" Cameron disse se defendendo, e não foi o que ele disse, mais o olhar dele que irritou Colin. Colin rosnou para ele e Cameron falou com tristeza, "preciso fazer xixi." "Sim, faça isso!" Colin insistiu para ele, olhando-o com rancor. "E não tenha pressa enquanto você estiver mijando!" Cameron deu um pulo, se limpou da grama em seu corpo e foi para a floresta para se aliviar. Colin balançou a cabeça enquanto


observava o rapaz. "Se ele não fosse seu primo..." "Ele é jovem," Broc respondeu. "Dê a ele alguns anos." Colin deu um olhar para Broc. "Para quê?" ele surtou e puxou sua túnica. Broc encolheu os ombros. "De qualquer maneira," Colin aconselhou alisando o amassado de sua túnica, “não sou eu quem precisa tomar conta deste rapaz." Ele assentiu com a cabeça na direção da floresta onde Cameron tinha ido. Merry levantou a cabeça e olhou para ele, como se sentisse seu olhar. "Me parece que ele tem suas próprias idéias sobre como as coisas devem ser feitas. Eu vejo isso nos olhos dele." BROC DEU DE OMBROS NOVAMENTE. "Ele está naquela idade, Colin. Cheio de certezas e vin aigre e acha que agir como no passado é errado." Merry sentou-se e clamou por sua atenção. Broc estalou os dedos e ela veio correndo em direção a ele. Ele estendeu a mão para acariciar as costas dela e ela se sentou no chão entre as pernas. "Com esses malditos Sassenachs invadindo as nossas vidas, ele pode muito bem estar certo!" Colin, comentou. "Em breve eles não vão precisar de nenhum motivo para levantar a espada contra nós! Eles vão acabar com a nossa geração! Eles acham que nós somos estúpidos, pois não? Que nós não sabemos quais são os planos deles! O Rei David é um tolo ou é apenas um Sassenach!" Broc ignorou suas terríveis previsões. Ele olhou novamente na direção do bosque por onde Cameron tinha desaparecido. "Ele não


aceitou a nova esposa do Iain." "Oh?” Colin levantou ambas as sobrancelhas. "Por que não?" "Bem... Eu não sei exatamente porque, mas acho que ele não confia nela. Ele a culpa de não ter decidido entre Iain e Lagan, este é o meu palpite." Lagan era primo de Iain MacKinnon. Tudo o que Colin sabia do homem era que ele tinha caído das falésias de Chreagach Mhor logo após seu retorno da Inglaterra. Os detalhes, no entanto, eram obscuros, e os MacKinnons eram bons em manter seus segredos. Ele podia perguntar para Broc, mas mesmo sendo bons amigos como eles eram Broc era um verdadeiro MacKinnon. Colin assentiu com a cabeça. "Eu não posso dizer que eu o culpo por isso. Eu não gosto muito da minha irmã ter se casado com um maldito Sassenach, não gosto nem um pouco e nem o Leith gostou. Há uma diferença, eu acho, entre ser a noiva de um Sassenach e a noiva de um Sassenach que é laird (4)." Broc deu-lhe um olhar. "Sim, bem, muito em breve você não terá que se preocupar. Ele vai se casar com a filha de MacLean." "É o que parece," Colin concordou desconfortável com isso. Ele estava ciente do olhar de Broc... mas o ignorou. Que seu irmão ia se casar com Alison MacLean não lhe perturbava nem um pouco. Ele não queria a garota mais do que antes. E se Leith tinha se adiantado para se casar com ela quando Colin não podia sequer olhar para ela fazia Colin se sentir um homem de caráter fraco. Qual era o problema dela ser estrábica? Ela era doce e gentil como Meghan sempre dizia, e Colin não gostava dessa parte dele que não podia aceitar sua imperfeição. Ele a tinha machucado, ele sabia. Sua irmã estava certa; ele era um tolo e superficial.


"De qualquer forma..." Colin deu de ombros, "... porque Cameron deveria gostar dela simplesmente porque ela é mulher do Iain?" "Não é simplesmente uma questão de gostar dela ou não gostar dela," Broc disse. "Ele não a trata com o devido respeito como mulher do seu laird. A paciência de Iain está se esgotando." "ENTÃO DEIXE que ele sofra a ira de Iain. Talvez o faça se tornar humilde. Ele pode usar um pouco de humildade na vida dele, eu acho." Broc lançou um olhar preocupado para ele. "Eu sou responsável por meu primo. Quando seu pai morreu, ele foi confiado a mim para protegê-lo — ele e sua pequena irmã, Constance, embora eu não saiba o que fazer com ela! Ela corre nua a maior parte do dia, perseguindo Merry, e não há ninguém que consiga que ela mantenha suas roupas no corpo." Colin riu. "E Page?" ele perguntou. "Será que ela não pode ver que Cameron é apenas um garoto e simplesmente dar-lhe tempo?" Broc franziu a testa. "Não é de Page que ele tem raiva. Na verdade, ela finge não perceber, mas eu posso ver muito bem que isso a magoa. Você não entende Colin, e você não sabe a estória toda. Você não pode culpar a filha do FitzSimon pelo o que se passou entre Lagan e Iain simplesmente porque ela é inglesa. Page não teve nada a ver com isso." Colin lançou-lhe um olhar curioso. "Talvez, mas desde quando você começou a defender os Sassenachs?" Broc, Colin sabia, tinha mais direito do que qualquer outro para detestá-los. Seu pai tinha sido assassinado por um — o pai de


Cameron, também — em defesa de suas terras. Broc tinha feito um voto e jurado vingar seu pai. Tudo o que tinha acontecido para mudar isso, Colin não sabia. Ele não via Broc desde seu retorno da Inglaterra onde eles tinham ido para recuperar o filho de MacKinnon do traiçoeiro FitzSimon. Mas de alguma forma, seu amigo parecia ter mudado de idéia após o seu regresso. "Isso foi o que Cameron também me perguntou." Colin estudou seu amigo de longa data, procurando alguma pista do porque de sua mudança. "E o que você respondeu?" "Não tenho nenhum amor pelos ingleses," Broc admitiu. "Mas eu não acho que todos eles sejam pessoas más." Houve uma pausa de silêncio reflexivo. "Não penso mais assim." Colin tinha ouvido rumores sobre Lagan e Iain, que na verdade eles eram irmãos e não primos. Ele estava curioso, como todos, para saber o que realmente tinha acontecido naquela noite quando Lagan tinha ido ao penhasco, mas ele não sabia se devia perguntar. Ele não gostava de testar a confiança de Broc. Amigo ou não, a primeira lealdade de Broc era para com Iain MacKinnon e era inabalável. Como devia ser. Colin aceitava isso, e mais do que tudo ele respeitava. "Vocês encontraram o corpo de Lagan?" Broc assentiu com a cabeça. Ele olhou para Colin, mudando o assunto. "Colin você faria bem em dar a uma chance para Montgomerie. Ele não pode ser tão ruim se Meghan o ama." COLIN OLHOU PARA LONGE. "Talvez, mas eu não gosto do jeito que ele cortejou minha irmã. Ela merecia muito mais do que ser levada como um saco de farinha! Eu conheço Meghan, e ela não queria


mesmo se casar!" "Sim, mas ela se casou," Broc rebateu. "E ela o fez de livre vontade." Colin fez uma careta. "Sim, ela o fez." "Então, talvez, ela tenha encontrado algo em Montgomerie para amar?" Colin não disse nada sobre isso porque era verdade. "Para mim ela não me pareceu como uma mulher que estava sendo forçada a ir para o leito conjugal," Broc assinalou. "Para mim ela parecia ser uma mulher apaixonada." Colin deu um olhar irado para seu amigo. "Você sabe... Eu estava disposto a não dar para a filha do FitzSimon uma chance, também... no começo. Mas ela provou que ama Iain de verdade e ele não podia ter encontrado uma noiva mais justa e boa e corajosa, como ela. Mairi, que Deus salve sua alma, não chegava aos pés dela." A primeira esposa de Iain, Mairi a filha mais velha de MacLean morreu após dar à luz ao filho de Iain. Ela se atirou de uma janela da torre bem na frente de Ian. Ainda assim, Colin nunca tinha conhecido um Sassenach que ele tivesse gostado. Ele se virou para olhar para Broc, levantando uma sobrancelha. "Esta é a verdade," Broc persistiu. Ele deu um pulo, pronto para uma batalha que não seria travada. Sua reação surpreendeu Colin. Merry também. Assustada, ela correu para longe deles. "Qualquer homem ficaria orgulhoso de chamá-la de esposa, Sassenach ou não!" Colin viu a cadela fugindo, com a cauda entre as pernas. Ela parou a uma distância segura e se virou para olhar seu confuso dono. Colin também. "Cristo que você seja amaldiçoado, Broc.


Calma. Soa para mim como se você tivesse mais do que amizade pela moça." Merry se lamentou. "Não!" Broc negou ao mesmo tempo, embora sem raiva, parecendo perceber, de repente, como a reação dele podia ter parecido. "Eu não tenho," ele assegurou para Colin. "Tem certeza?" Broc sorriu de repente, mudando de assunto. "Tão certo quanto os tomates não são enrugados!" Colin fechou seu rosto. "Filho da puta bastardo," ele disse sem raiva, depois riu. BROC SENTOU-SE MAIS uma vez e Merry retornou ao seu lugar entre as pernas dele. Broc voltou a acariciar-lhe e ela virou de costas, oferecendo sua barriga. Ela abanava a cauda alegremente, e Broc olhou para ele. "Embora eu espere encontrar alguém como ela algum dia," ele confessou, com o rosto vermelho. "Ela é linda, ela é corajosa e cheia de espírito!" Colin sentou-se também. "Oh, mas eu não conheço nenhuma mulher solteira que eu possa chamar de corajosa. Suave e doce, com certeza... até mesmo sagaz... mas corajosa?" Ele levantou uma sobrancelha para Broc. "Sim," Broc manteve sua afirmação. "Corajosa! Você devia tê-la visto!" Ele sorriu. "Ela não se acovardou diante de Iain, nem piscou um olho para olhar na minha cara." "Odeio dizer, mas você não é tão assustador, Broc," Colin rebateu, sorrindo. "Você gosta de pensar que sim, mas seu rosto é tão doce quanto o de uma donzela."


"Page me chama de gigante", ele disse orgulhosamente em defesa de si mesmo. O sorriso de Colin se alargou. "Um gigante com cara de bebê." Broc estreitou os olhos. "Você é um bastardo!" Colin riu. Broc ficou em silêncio por um momento e, em seguida, disse, "Imagine o que poderia ter acontecido para você se você tivesse rejeitado seu da. Aquele desgraçado não a queria, Colin." Ele balançou a cabeça em desgosto. "Ele nos disse para mantê-la ou para matá-la, ele não se importava com ela. Que tipo de homem faz isso, diga-me!" Colin não precisava imaginar. Seu da nunca tinha ficado satisfeito com seus filhos. Ele encontrava falhas em tudo o que Colin fazia. Ele nunca gostava de nada. Meghan e Gavin tinham sido poupados da sua ira e da sua mão pesada, mas ele e Leith tinham suportado o fardo das expectativas do seu pai. Mesmo assim, nem seu próprio da poderia ter sido tão frio. "Um homem cruel," Colin respondeu. "Bem, Page nunca deixou seu espírito se arrefecer," Broc disse com admiração. "A jovem tem o coração de uma santa por trás da armadura. Oh, mas ela pode matar com um olhar. Tenho pena de Iain quando seu temperamento acordar!" Colin riu da imagem de Iain MacKinnon agachando-se diante de sua adorável esposa, e de repente ele se lembrou de sua mulher misteriosa. "Moça atrevida," ele disse, lembrando seu olhar e sua língua rápida. Caramba, mas aqueles lábios deviam ser doces... ainda que a língua não fosse. Ele gostaria de ter provado aquela língua, ele pensou e sentiu-


se agitar com as imagens que vieram a sua mente. Quem era ela? "SIM, ela é," Broc disse, pensando que Colin ainda estava falando sobre Page. "Você devia vê-la desafiar Iain. Oh, mas, sim... você devia vê-la desafiar a todos nós!" Ele riu para si mesmo. "A bruxa astuta! Ela nos manteve acordados cantando canções de ninar e roubou nossos malditos cavalos, tivemos que persegui-la nus pela fronteira!" Colin franziu a testa, agora preocupado com seus próprios pensamentos para focar nas histórias do seu amigo. O que será que tinha acontecido com a moça? Ele procurou por ela a noite toda, tentando ouvir sua voz, tinha procurado por ela na multidão sem sucesso. Ela simplesmente tinha desaparecido. E então ele ficou totalmente bêbado e mais uma vez conseguiu agir como um tolo. O que tinha de errado com ele que ele tinha que provar a si mesmo... despido? Ele estremeceu quando se lembrou dos boatos... ele estava ficando broxa? Quem diria uma coisa tão cruel? Quem seria tão rancoroso para lançar dúvidas sobre sua capacidade de ser pai e fazer uma mulher feliz na cama? Mas o que o enfureceu mais foi que parecia que ele precisava provar que o boato era uma mentira! Ele deveria ter deixado todos eles pensarem o que eles quisessem e continuar a ser como ele sempre foi! Por que ele se importava com o que alguém podia pensar sobre ele? Ele não gostava desta face dele, estar constantemente tentado se provar embora ninguém perguntasse nada para ele.


"Por que diabo ele está demorando tanto?" Broc perguntou, olhando impaciente para a floresta. "Ele disse que só ia mijar — quanto tempo leva?" "Ehhh, deixe ele em paz. Talvez porque ele bebeu demais ele tenha necessidade de uma boa limpeza." Broc fez uma cara de nojo. "Sim, bem, talvez ele esteja vomitando suas tripas, seu bêbado maluco!" Por Deus, ele podia estar. Ele de repente não estava se sentindo tão bem. Maldito uisge mata-ratos. O som da flecha fez Cameron sair de atrás da árvore tropeçando nos seus próprios pés. Ele viu tarde demais, próximo de onde ele tinha estado se aliviando. Ele não teve nem tempo para sentir o pulo do seu coração, porque logo ele se viu rodeado por soldados. Ingleses. Vestidos com túnicas e calções e armados até os dentes, sete deles estavam olhando para ele. Ele podia ter tido medo naquele momento, mas ele reconheceu o mais velho, o mais robusto do grupo. Seus olhos se encontraram com os olhos do homem, e ele não se preocupou em se levantar de onde estava sentado. "ESTÁVAMOS ESPERANDO POR VOCÊ," o homem mais velho disse presunçosamente. "Esta não é uma maneira de se cumprimentar um homem!" Cameron falou, incomodado com os sorrisos nos seus rostos. As sobrancelhas do velho subiram. "Homem?" ele disse e se virou para olhar para seus companheiros. "Ele disse homem?" Os outros riram. E isso irritou Cameron.


"Eu não vejo nenhum homem aqui!" disse um dos seus soldados, e o homem reprimiu seu riso. Cameron olhou furiosamente para eles. Sassenachs fedorentos, todos eles! Não importava. Eles eram os meios para um fim. E precisavam dele tanto quanto ele precisava deles. Com isso em mente, ele ficou de pé, interessado em seus olhares maliciosos. Ele bateu a sujeira de suas mãos e, em seguida do seu traseiro, e olhou para o líder com a maior arrogância que ele conseguiu achar. "FitzSimon," ele disse em saudação ao homem. "Você foi um maldito tolo por não ter pegado ela ontem à noite quando você teve a chance!" "Estou pensando se você gostaria de manter a sua língua, escocês!" outro dos seus soldados disse. FitzSimon levantou a mão para o homem. "MacKinnon não saiu do lado dela," ele disse melancolicamente. "O que você queria que eu fizesse? Fosse até ele e a arrancasse dos seus braços?" "Você é o pai dela!" Cameron lembrou-lhe. "Sim, mas minha filha perdeu seu juízo desde que conheceu este homem. Ele a roubou da minha casa e ela de alguma forma conseguiu perder seu coração para ele! Tolinha! Ela não faria isso há dois meses, por que ela fez agora? Não, você deve trazê-la para mim, em vez disso." Cameron fechou seu rosto. "Eu!” Ele apontou para si mesmo incrédulo. "Você quer que eu a arraste da cama do meu laird?" FitzSimon estreitou o olhar dele. "Você é um garoto esperto. Você encontrará um jeito de atraí-la para longe dele." "Eu não!” Cameron se recusou. Era uma coisa informar para FitzSimon sobre o paradeiro de Page para que ele mesmo pudesse


pegá-la e era outra coisa inteiramente diferente ser responsável pelo seu rapto. Iain colocaria ele num espeto! "Eu não sou criança," ele disse, lançando adagas com seus olhos, "e também não sou um tolo!" As sobrancelhas do homem se levantaram. "Oh!" Ele caminhou para frente e parou diante de Cameron. "Você não é um tolo?" Cameron se recusou a ser intimidado, embora seu olhar se deslocasse nervosamente de um homem de FitzSimon para outro. Todos o estavam observando, sorrindo com seus dentes podres a mostra. FitzSimon estendeu a mão para ele de repente, e ele não se conteve. Ele vacilou. O riso dos homens incomodava seus ouvidos. DELICADAMENTE, ele bateu no rosto de Cameron. "Suave como o seio de uma donzela," ele comentou, e um calafrio passou por Cameron, apesar de sua fúria crescente. Os homens do FitzSimon riam em uníssono. Cameron tirou a mão de FitzSimon do seu rosto. "Tsk tsk.... Eu nunca deveria ter esperado que um rapaz fizesse o trabalho de um homem," FitzSimon disse e abanou a cabeça. "Vá para casa para sua mãe, Cameron." O rosto de Cameron ficou vermelho, embora não de desgosto, mas de raiva. Ele não era um menino, e ele não tinha mãe fazia tanto tempo, que ele tinha esquecido como era ter uma mãe! Ninguém lhe respeitava! Ele não era estúpido e ele tinha um sentimento horrível sobre FitzSimon e sua filha. No que lhe dizia respeito ambos podiam voltar para o inferno de onde tinham vindo! "Não se preocupe... eu vou levá-la até você!"


Os olhos de FitzSimon brilharam de repente. Em seus lábios apareceram uma enorme satisfação. "Se você jurar levá-la embora — todos vocês!" Cameron fez um movimento de varredura com a mão. "De volta para sua maldita terra Sassenach e vocês têm que prometer que vão ficar lá para sempre!" "É claro." FitzSimon assentiu com a cabeça. "Você tem a minha palavra." Cameron cuspiu no chão. "Isso é o que penso sobre a palavra de um inglês!" ele disse para FitzSimon. "Você está louco!" Um dos homens de FitzSimon se atirou na direção dele, mas FitzSimon colocou-se entre eles, blindando Cameron. O homem parou, olhando para Cameron com raiva. Ficou claro para Cameron o que o inglês gostaria de ter feito a ele, se ele tivesse tido a chance. FitzSimon virou-se para ele. "Você não é muito inteligente, não é rapaz?" Ele cuspiu no chão bem no pé de Cameron. Cameron olhou furiosamente para ele. "Vou levá-la até você, FitzSimon!" ele jurou, seus pés firmemente plantados no chão e seus ombros eretos. "Mas depois eu quero vocês fora daqui para sempre!" Os dois se olharam por um longo instante, e então FitzSimon assentiu com a cabeça. "Traga a minha filha de volta para mim... e sim, nós vamos embora." Cameron deu um aceno. "Está combinado, então," ele concordou. O velho sorriu e estendeu a mão para agarrar um dos ombros de Cameron. Cameron deu de ombros, lançando-lhe um olhar com um brilho


malévolo. "Nunca mais me toque!" ele falou e girou sobre os calcanhares, para ir embora. "Deixe-o ir" FitzSimon disse quando seus homens se moveram para detê-lo. Ele esperou até que Cameron tivesse desaparecido de vista. "Eu quero ele morto depois que minha filha voltar," ele disse casualmente. "SIM, meu senhor," disse o Capitão. "Pequeno escocês arrogante! Ninguém — ninguém pega o que é meu!" SEANA NÃO CONSEGUIU PARAR CONSTANCE tempo suficiente para perguntar para a criança onde estava Broc. Com as bochechas coradas com sujeira, a pequenina estava perseguindo as galinhas na ausência de Merry, com um sorriso travesso no rosto enquanto elas protestavam sempre que ela conseguia pegar uma pena. Seana suspirou, seguindo atrás da criança nua. "Constance, onde está seu irmão?" ela insistiu. Constance deu uma risadinha, puxando outra pena de uma galinha estridente. "Eu não sei," ela conseguiu responder, em seguida, tropeçou de repente e caiu sobre a barriga dela. "Ai!" Ela fez um beicinho, mas ela segurava sua pena como um prêmio na frente dela. Seana caiu de joelhos ao lado da criança. "Você está bem?" Constance assentiu com a cabeça e sorriu. "Bom," Seana declarou. "Constance, onde estão suas roupas?" A criança abanou a cabeça. "Não sei!” "O que quer dizer, você não sabe," Seana perguntou.


A criança novamente balançou a cabeça. Senhor, ninguém parecia notar que ela nunca usava roupas? As pessoas a ignoravam, sem se importar com a criança e Seana pensou que quando ela se casasse com Broc, seria seu dever dar a criança um lar adequado... e roupas adequadas. Apenas a noiva de MacKinnon parecia notar sua nudez. Ela veio até onde Seana e Constance estavam e disse, "Constance onde estão suas roupas, querida?" Constance olhou para Page e agitou os braços como uma galinha. "Eu não sei!" a criança disse e Page a pegou nos seus braços, sorrindo para Seana. Seana sorriu para ela. Page nunca a tinha tratado indelicadamente, sempre parecia feliz em vê-la. "Eu não vi Broc esta manhã," ela informou para Seana. SERÁ que todo mundo já tinha notado o interesse dela por Broc, exceto Broc? Ela se perguntou. Suspirando, Seana ficou de pé, passando as mãos pelo vestido. "Bem, ok então" ela declarou. "Quero descer!” Constance, exclamou. "Quero descer!” E ela se balançou nos braços de Page, deixando-se cair a seus pés. "Merry!" ela gritou. Page deixou-a ir, sacudindo a cabeça. "Essa criança!" ela proclamou, e as duas assistiram Constance correndo atrás de Merry que parou de repente, então se virou e fugiu mais uma vez para a floresta de onde tinha vindo. "Ali está ele!" Page anunciou, e o coração de Seana começou a


bater mais forte. Ela tinha vindo para vê-lo, mas de repente se sentiu como Merry e queria fugir para a floresta. Constance correu rindo atrás do pobre cão, e Page e Seana se viraram uma para a outra, rindo com a visão dela correndo nua como no dia em que nasceu. Page abanou a cabeça, em seguida, disse, sorrindo, "Vou deixar vocês conversarem." Seana deu um sorriso tímido. Assim que Broc se aproximou, Page já tinha ido, e ela ficou ali parada, sentindo-se como uma tola. "Seana!" Broc, exclamou e estendeu a mão para abraçá-la, mas o olhar dele ainda estava sobre a noiva de MacKinnon. Ele levantou Seana e a girou, e assim que ele a colocou de volta no chão afagou sua cabeça como se estivesse acariciando seu cão. "O que você está fazendo aqui, moça?" Seana encolheu os ombros. Parecia para ela que a resposta era óbvia, mas Broc nunca parecia entender. Com a língua presa, ela suspirou. Apesar deles se conhecerem a muito tempo, ultimamente havia sempre um silêncio desconfortável entre eles. Seana achava que talvez a culpa fosse dela. Parecia que ela nunca sabia o que dizer. O olhar de Broc procurou Page mais uma vez, e Seana desejava que ela fosse mais como Page ou como Meghan. Nenhuma delas nunca parecia estar precisando de atenção, e nenhuma delas buscava atenção. Ele inclinou a cabeça como se pedisse desculpas. "Preciso falar com a mulher do meu laird Seana. Você vai estar aqui mais tarde?" Seana encolheu os ombros. "É sobre Cameron," ele explicou, e Seana sabia que ele estava preocupado com seu primo. "Não seja bobo!" Ela acenou-lhe para ir embora. "Vá e eu falo


com você outro dia. Eu preciso ir ver meu da, de qualquer maneira." Ele estendeu a mão, pegando a cabeça dela e a abraçou. Ele beijou o alto da cabeça dela e a soltou. "Eu sabia que você entenderia,” ele disse. "Eu vou falar com você mais tarde, minha doce jovem!" SEANA ASSENTIU com a cabeça enquanto o via ir embora e suspirou mais uma vez, desejando que ela soubesse o que fazer para fazê-lo entender. Tanto quanto ela odiava o pensamento, Colin Mac Brodie parecia ser a única chance dela e para o bem dela e do seu pai, ela não devia adiar por mais tempo. Ela não precisava gostar dele, ela disse a si mesma. Mas ela precisava ir falar com ele, e reforçando sua coragem, ela foi procurar Colin Mac Brodie, determinada a contar com sua ajuda de uma vez por todas. "COMA, Da," Seana pediu ao pai. "Deixe o gato em paz e se alimente!" Em vez de ir ver Colin, ela tinha voltado diretamente para o cairn, dizendo a si mesma que iria encontrar Colin, assim que ela se cuidasse do seu da... e verificasse o uisge, é claro... e alimentasse o gato. Ela não podia ir cuidar dos seus problemas até que ela soubesse que seu da estava bem cuidado — pelo menos isso é o que ela tinha dito a si mesma. Mas a verdade era que ela tinha um maldito coração de galinha e bem no fundo ela sabia que se ela não fosse agora, ela talvez não


fosse nunca mais. Seu da tossiu profundamente, e Seana assistiu, impotente. Ela queria ajudá-lo, mas não sabia como. Nas últimas semanas, sua condição tinha piorado, ela pensou, e parecia que lhe faltava energia para ele se levantar da sua palete (5). Seu uisge o tinha ajudado antes, mas já não parecia mais fazer qualquer efeito. Ela agora tinha a certeza de que era necessário ter urgência e afastá-lo daquele frio, aquele lugar úmido que eles descansavam suas cabeças a cada noite. Ela olhou-o com impaciência, enquanto ele continuava a brincar com o gato que não se dignava a gostar dela. Oh, mas ela detestava aquele gato! Pelo menos era o que dizia a si mesma. Na verdade, ela não podia odiar alguém ou alguma coisa... nem mesmo Colin Mac Brodie. Como se estivesse lendo a mente dela, o animal levantou seu olhar para ela, olhos de ouro reluzentes nas sombras mais profundas do cairn. Seu da parecia gostar de ficar lá, escondido nas sombras... onde era mais frio, Seana pensou com raiva. Pegando seu próprio cobertor, ela o levou para ele. O gato correu com a sua aproximação. Colocando o cobertor sobre as pernas do seu da, ela se inclinou para arrumá-lo melhor. Meu Amor miou no que parecia ser um protesto pela presença dela tão perto de seu pai. "GATO PODRE." "Não, Seana!" seu da protestou. "Meu Amor é doce, minha filha!"


"Ela não me deixa chegar perto dela, Da!" Seana disse melancolicamente. Ela se orgulhava de sua capacidade de encantar as criaturas da floresta. Eles, afinal, tinham sido seus únicos amigos quando as pessoas a abandonaram, mas aquele gato era impossível! "Ela me vigia também — juro por Deus!" "Sim," ela respondeu para seu da com um aceno de cabeça fraco. "Por minha causa!" Oh, ele não acreditava nisso, certo. Sua declaração levantou suas sobrancelhas. Ela olhava para o rosto dele, tentando avaliar sua expressão. A cara dele não tinha nem um traço de humor. Ele estava falando sério, ela percebeu. Ele a encarou, embora sem encontrar seu olhar — ele quase não fazia mais isso — e a escuridão da caverna não ajudava muito. Ele colocou um dedo nos lábios, pedindo para ela ficar calada, e seu gesto a fez olhar em volta, embora ela não tivesse ouvido nenhum som. "É a sua minny!" ele anunciou num sussurro. "Ela veio para cuidar de você quando eu for embora." Seana franziu o nariz para ele. "Oh, papai!" “Eu não queria dizer, Seana, mas sim! O meu amor voltou para mim!" Ele parecia acreditar verdadeiramente. O rosto de Seana se fechou, sem estar convencida, sem querer ficar convencida. Ela levantou uma sobrancelha. "Esse gato é a minha mãe?" "Sim! Meu Amor!" Seana revirou os olhos. "Oh, papai!" "É verdade, Seana!" ele disse. "Este não é um gato comum!" Seana levantou-se e olhou para seu da. Ele agora parecia tão


pequeno para ela deitado sob os cobertores, mas seu rosto brilhava com a sua convicção. Ele acreditava nisso, não importava quão ridículo podia parecer para ela. Ela queria mais do que qualquer coisa tirá-lo deste lugar cavernoso e frio, levá-lo para algum lugar onde ele pudesse conversar com pessoas ao invés de animais intratáveis. "Ela vigia você agora que eu não posso!" Seana recusava-se a acreditar que aquele gato mal-humorado era a mãe dela! Oh, mas sua sanidade mental estava ótima! Os olhos dela se encheram de água e ela engoliu sua dor. Agora parecia para ela que ele estava se desvanecendo muito rapidamente. Sua tosse era profunda e sua pele estava muito pálida. Ele já nem sequer lhe permitia trazê-lo para o sol para aproveitar o dia. SEU OLHAR VOLTOU-SE para a forma preta lustrosa do gato enquanto o bicho escapou da caverna para a luz do sol. Como se ela soubesse os pensamentos de Seana, o animal se esquivou pelos arbustos, desaparecendo da vista, miando. Seu pai suspirou. "Ela se foi," ele se lamentou. Ótimo! Seana pensou. Gato bobo! Ela franziu a testa para seu da, querendo repreende-lo, embora algo tenha segurado sua língua. Se ele se sentia melhor acreditando que o gato era sua minny, que mal isso podia fazer? Seu da suspirou mais uma vez, pateticamente. "Sei que você não acredita em mim, criança," ele disse com tristeza, "mas é verdade." Ele apontou um dedo para ela. "E agora você a fez ir embora magoada!"


Esse gato não te, sentimentos! Mas Seana absteve-se de dizer isso. Ele começou a tossir novamente, e Seana caiu de joelhos ao seu lado, preocupada. Ela colocou uma mão sobre os seus ombros e então passou para a cabeça quando sua tosse diminuiu. Estava frio, mas então... qual era a surpresa... ele deitado no cairn tão escuro? Ela puxou os cobertores para mais perto do pescoço dele. Ele acenou com a distância. "Deixe-me agora, Seana." "Não, Da." A destilaria certamente podia esperar até mais tarde, porque quanto mais cedo ela falasse com Colin Mac Brodie, mais cedo ela poderia conquistar Broc... e mais cedo ela seria capaz de tirar seu da deste lugar. O que estava errado com ela? Do que ela tinha medo? "Talvez ela devesse ficar com ele hoje?" "Não, pode ir trabalhar," o pai dela disse, liberando-a. "Mas parece que você não está se sentindo muito bem esta manhã, Da!" "Bah! Eu me sinto bem o suficiente!" Ela sabia que era mentira. Ela podia ver a palidez do seu rosto. Ele sorriu de repente. "Só tome conta da destilaria e não tente beber todo o meu uisge!" ele avisou. "Porque eu saberia. Meu Amor vai me contar!" Ele fez um gesto sarcástico, de alguma forma se divertindo com isso. Claro que ele saberia, mas ele não precisava de um maldito gato para dizer-lhe. Ele iria sentir o cheiro no instante em que ela entrasse no quarto. Sua receita fazia homens velhos se tornarem meninos e cabelo branco brotar sobre os seios das mulheres! Seana ficava sem respiração quando apenas ousava respirar o ar perto da destilaria. Ela não colocaria seus lábios na bebida jamais a não ser que ela realmente precisasse.


"Meu Amor me conta tudo," ele jurou e sorriu astutamente. Seus olhos brilhavam com uma intensidade febril. Seana suspirou. "Sim, Da." O que ela podia fazer quando ele lhe dava um sorriso tão gostoso? Se ele precisava acreditar que aquele maldito gato era sua minny, que assim fosse — embora ela fizesse uma careta pensando na besta ingrata e estremecesse ao pensar que sua minny pudesse ter sido tão fria! SEANA não se lembrava da mãe, mas seu da sempre tinha falado dela com carinho. Não, aquele gato podre não tinha nada a ver com a sua minny, ela decidiu. "Você não precisa acreditar em mim, minha filha." Seana sorriu e beijou-o suavemente. "Eu voltarei para casa tarde," ela disse, mudando de assunto e sentiu uma pontada de culpa por deixá-lo. Mas ela não podia evitar. Se tudo corresse bem, ela se casaria com Broc muito em breve e seu da teria uma cama de verdade para dormir. Resolvida, finalmente, Seana começou a procurar por Colin Mac Brodie. A destilaria podia esperar, ela decidiu. Da não podia.

(4) Laird - proprietário de terras na Escócia. (5) Palete - palavra de origem inglesa (pallet) que significa um estrado de madeira.


CAPÍTULO 5

Colin não conseguia parar de pensar nela. Ela tinha aparecido ontem por alguns momentos, o tinha repreendido e então tinha desaparecido e ele não conseguia parar de pensar naquela boca linda. Ele bateu com um golpe rápido o machado na árvore, estalando com força a madeira que ele precisava para a vedação de algumas casas. A árvore estava podre por dentro, e ele conseguiu facilmente dividir a madeira, e murmurou uma maldição sob sua respiração. Quem era ela? Ele não se lembrava dela das redondezas. Onde ela poderia possivelmente ter se escondido esse tempo todo para ele não reconhecer o rosto dela? Ela parecia saber bastante sobre ele, mas ele não sabia nada sobre ela. Ele deixou o machado cair, inclinou-se para levantar a madeira e puxou a lenha para bem longe do resto. Eles usariam a lenha mais tarde. Ele inspecionou a madeira podre, encontrou alguns bichos dentro e franziu a testa. Montgomerie tinha devolvido os animais que ele tinha roubado, mas a cerca permanecia em mau estado. Neste ritmo, eles não teriam a cerca pronta até o inverno. Para cada árvore que eles derrubavam, parecia que a próxima estava podre. Jogando a madeira ruim para o lado, ele murmurou outra maldição. Maldito Montgomerie.


Como Meghan pôde perder seu coração para o infeliz? Colin ia sentir falta dela. De todos os seus parentes, Meghan tinha sido a mais próxima dele. Ela sempre o aceitou totalmente do jeito que ele sempre foi, com suas falhas e tudo mais, e ela conhecia o pior dele, porque ele sempre lhe contava tudo. Gavin vivia fazendo sermões para ele, e Leith... bem Leith era como o seu da — pelo menos no sentido de que mesmo que ele fosse perfeito não seria suficientemente bom para ele. Seu irmão mais velho dirigia a todos do clã. De qualquer maneira, se Colin pudesse ser honesto consigo mesmo, não havia ninguém tão parecido com seu da do que ele mesmo. Ele poderia negá-lo se ele desejasse, mas que bem faria isso? Ele via a verdade muito bem. Seu da tinha conquistado cada mulher que ele alguma vez tivesse posto os olhos em cima. Colin tinha aprendido a lidar com as mulheres antes da maioria de seus amigos terem saído debaixo das saias das suas Minnys. Sua mãe tinha feito vista grossa para a vagabundagem do seu pai. Embora ela devesse saber, nunca tinha dito nenhuma palavra. Mas não foi à toa que o coração dela foi conquistado quando outro homem a cercou de atenção. Tinha sido bom para seu da conquistar cada mulher em seu caminho, mas seu orgulho tinha sido danificado pelo pretendente da mãe dele e ele desafiou o homem para um duelo. SEU PAI TINHA PERDIDO a vida naquele dia. E a mãe dele tinha perdido o juízo. Até hoje Colin não tinha noção se sua mãe tinha traído seu da, mas ele acreditava que não. Seu luto pela morte de seu pai tinha


sido demasiado real. Sua morte roubou sua vontade de viver. Ele nunca se lembrava dela sorrindo após aquele dia terrível. Ele nunca ia querer ver Meghan se machucar assim. Parecia ser o destino das mulheres Brodie sofrer por seus homens — sua Minny Fia, e sua mãe e Meghan... Por Deus, se Montgomerie alguma vez a fizesse chorar uma lágrima... Colin estrangularia o bastardo inglês com suas próprias mãos. Não que ele mesmo fosse algum santo. Colin não bebia como seu pai costumava beber. Se deitar com as mulheres era uma coisa, mas quem precisava acordar se sentindo do jeito que ele estava se sentindo neste momento. A cabeça dele ainda estava doendo e o estômago continuava embrulhado e foi sua culpa se deixar envolver pela mulher misteriosa. Quem era ela? O sol batia nele e ele levantou sua túnica para limpar o suor do rosto. A maldita roupa estava encharcada de suor então ele tirou, jogando-a em cima da pilha de madeira boa para secar sob o calor do sol. Olhando para a pilha de madeira, ele se perdeu em seus pensamentos. Ele estava pensando tão profundamente em suas próprias reflexões que não viu sua visitante até que ela falou. Ela o observava, com as mãos sobre os quadris Colin piscou surpreso, e ao mesmo tempo, seu ânimo se elevou ao vê-la. Por um instante, Seana pode apenas olhar, fascinada com a visão dele. Ele era um belo espécime de homem. Não era a toa que todas as mulheres se derretiam a seus pés. Sua pele escura parecia


macia como seda, apesar de seu abuso do sol. Ela piscou, tentando não ficar embasbacada e se perguntou por que ele tinha ombros tão largos ou uma pele tão suave que fazia com que ela ansiasse alcançá-lo e acariciá-lo. Ela se forçou a se lembrar de seu propósito aqui, recordando-se de que ele era um patife e um vagabundo. Ele parecia ser o único homem trabalhando aqui. E ela tinha imaginado que ele passava o tempo todo perseguindo mulheres. "Onde está Gavin?" Ele se virou para olhar para ela e seus olhos azuis ficaram tristes por um instante e então de repente alegres. Ele não podia estar satisfeito por vê-la — ou ele podia? Seana se repreendeu por ter tido esse pensamento. SUA EXPRESSÃO TRANSFORMOU-SE e ele aparentava estar se divertindo com a menção de seu irmão. "Onde Gavin estaria moça? Estudando suas orações e rezando pela as almas dos perdidos." As sobrancelhas de Seana se elevaram com o seu sarcasmo. "A sua alma sem dúvida! E Leith?" "Namorando seu novo amor," ele respondeu com naturalidade. Seana achou que ela não tinha ouvido qualquer nota de ressentimento em seu tom, embora ela esperasse que ele estivesse arrependido. "Mas há muito trabalho a ser feito aqui." Era fácil de ver. "Por que você está trabalhando sozinho?" "Todo mundo está alimentando suas barrigas. Eles vão retornar depois da comida." Ela franziu a testa. "E por que você não está comendo?" Ele


não podia ser tão diligente. Ela se recusava a pensar nele assim! Ele sorriu e piscou para ela. "Está preocupada comigo, moça?" Seana piscou para o branco brilhante de seus dentes. Suas bochechas ficaram mais coradas. "Claro que não! Mas todo homem tem que comer." "Sim," ele respondeu, piscando para ela, "mas a minha... fome... é por outra coisa inteiramente diferente." Bastardo! Seana se recusava a flertar com ele. Bajulação vinha muito facilmente em sua língua! "Qual é o problema, Mac Brodie?" ela perguntou e encontrou o olhar dele parecendo que ele não tinha entendido a pergunta. "Você não conseguiu se deleitar o suficiente a noite passada?" O sorriso dele desapareceu e foi substituído por uma carranca. "Era o casamento da minha irmã. Eu não sou tão ladino assim." As sobrancelhas de Seana se levantaram mais uma vez. As mãos dela foram para a cintura e ela ficou na ponta dos pés, desafiando-o. "Oh, não?" "Não." "Isso não foi o que eu ouvi." Ele olhou para ela, mas ela não se importava se ele soubesse que ela o estava provocando. Ela esperava que isso o frustrasse. "Bem, não acredite em tudo o que você ouve," ele a censurou. Seana teve que segurar o desejo de lhe perguntar se ele tinha ouvido algum boato na véspera. Ela não podia suprimir o sorriso que vinha aos seus lábios quando pensava no escândalo que ela provavelmente tinha começado: Colin Mac Brodie ficando broxa. O pensamento quase a fazia rir em bom som.


SERÁ que era por isso que ele não tinha apaziguado sua fome na véspera? Bem, isso era bom para ele. Ainda assim... patife ou não... Ele tinha o corpo mais incrível... Deus a ajudasse, mas ela não conseguia parar de olhar, apesar de tentar. Colin não sabia o que fazer com seu sorriso endiabrado. Ela revelava uma tempestade dentro de seus olhos, despertando sua curiosidade. Ele já tinha visto amantes com aquele olhar alegremente travesso, mas ele sempre manteve segredo de seus pensamentos, seus pensamentos eram somente para ele. Que pensamentos ímpios estavam por trás do lindo rosto dela? E então um pensamento de repente ocorreu-lhe — ela o tinha procurado — e o sorriso dele voltou. Ela gostava dele. Não era nenhuma coincidência, ele tinha certeza — que ele nunca tivesse colocado os olhos em cima dela antes de ontem, mas agora de repente ela tivesse aparecido duas vezes, materializada do nada ao seu lado. Ele não ia deixá-la sumir dessa vez, como tinha sumido ontem à noite, sem primeiro descobrir quem ela era porque ele gostava dela. Tudo o que ele sabia sobre ela é que ela tinha uma boca atrevida e era linda. Ele queria saber se ela tinha um sabor delicioso como parecia. Silêncio. Ela estava olhando para o peito dele, ele percebeu. "Eu estava pensando," ela disse de repente. Seu olhar se dirigiu para os seus lábios, em seguida, para os olhos, depois voltou mais uma vez para o seu peito nu. Colin sentiu um forte senso de satisfação com o apreço


evidente em seu olhar. Ela ficou calada, mais uma vez, e os lábios dele se curvaram em um sorriso. "Você estava pensando?" ele perguntou, provocando-a. Ela saiu de seu estupor e conseguiu se recompor. "Eu estava pensando," ela começou mais uma vez. Só para ver se ela tinha se recomposto completamente, ele moveu os músculos do seu peito. Ela ficou em silêncio novamente, e o sorriso se alargou. "Sim?" ele perguntou novamente. "Sim o que?" ela disse um pouco distraidamente. Suas sobrancelhas se fecharam quando ela encontrou o seu olhar. "Huh?" Colin suprimiu seu riso com a expressão desnorteada dela. "Há algo que você estava pensando, moça..." Ela de repente pareceu ficar afobada. Suas bochechas logo ficaram vermelhas. Ela caminhou até a pilha de madeira boa e sentou-se, olhando para o chão. POR UM INSTANTE, ela ficou sem falar, apenas olhando para seus pés descalços. Pés adoráveis, ele não podia deixar de notar... e um vislumbre dos tornozelos magros... "Bem, você vê... Estou precisando de sua ajuda, Colin Mac Brodie," ela disse finalmente, e parecia tão desanimada que Colin imediatamente se perguntou o que poderia estar errado. Preocupado com o tom dela, ele foi até ela, ajoelhou-se diante dela, querendo tranquilizá-la. Se algo estava errado, e ele pudesse ajudar, ele o faria. "O que é moça?" Ela olhou para ele, seus olhos verdes escuros como o


crepúsculo na floresta, e Colin na mesma hora se viu perdido neles. Sua mulher misteriosa. Os olhos dela o hipnotizavam. Mais profundo que qualquer olho que ele já tinha fitado, eles estavam cheios de pensamentos que ele não conseguia decifrar. Seus lábios se separaram para falar, apesar das palavras não saírem. Obviamente não era fácil para ela dizer o que tinha vindo pedir. Ela deu uma respiração profunda. "Você tem que me ensinar a conquistar um homem," ela disse suavemente. Colin se perguntou se ele tinha ouvido direito. Seu rosto se fechou. "Você quer que eu faça o que?" Ela assentiu com a cabeça. "Preciso que você me ensine a conquistar um homem," ela disse mais uma vez, um pouco mais firme, um pouco mais alto. Ele se surpreendeu com o pedido dela. "Oh, moça, você entendeu tudo errado! Não é a mulher que deve fazer uma coisa dessas!" Seus olhos verdes se estreitaram quando ela olhou para ele. "Quem disse?" Sua voz ficou mais macia, e ele estendeu a mão para tocar seu rosto. "Você não entende. Você não tem necessidade de conquistar qualquer homem, moça!" Será que ela não sabia que era linda? Ela encolheu os ombros para longe de seu toque e deu-lhe um olhar que ele não conseguiu interpretar. Nunca tinha acontecido de uma mulher rejeitar o toque de Colin. Ela o pegou de surpresa. Ela podia até fazer beicinho como uma menina mimada, mas a expressão dela mostrava que algo estava errado.


"Mas eu não posso mais perder tempo!" Ela lamentou com lágrimas nos olhos. "Todo mundo está se casando!" Ela lhe lançou um olhar sitiado. "Você é o único que pode me ajudar agora," ela declarou. A expressão de Colin era pura confusão. "Eu?” "Sim, Colin Mac Brodie! Você!" ELE SENTOU-SE sobre a grama e levantou os joelhos, envolvendo seus braços sobre eles, resignado a ouvir o que ela tinha para lhe dizer. Ele franziu a testa. "Como?" "Você sabe o que faz um homem ficar atraído por uma mulher," ela disse. "Certo?” As sobrancelhas de Colin se levantaram. " Tudo me atrai numa mulher." Ela balançou a cabeça, olhando para ele sutilmente. "Não... não pode ser tudo!" Colin a estudou por um momento. Ela parecia estar querendo lhe dizer algo, acusando-o mesmo. Mas... acusando-o de quê? O que ela teria para acusá-lo quando, em toda sua vida, ele nunca tinha colocado os olhos nela antes da noite anterior. A expressão dela permanecia sombria. Ela estava falando sério? Ela parecia perfeitamente sóbria. Ou este era algum esquema para chamar a atenção dele? Ele tinha as mulheres caindo no seu colo, na verdade; sempre doces e suaves; várias o tinham arrastado para trás dos estábulos dos seus pais e corajosamente lhe ofereceram beijos e muitas outras coisas.


Talvez isso fosse meramente sua maneira de chamar atenção, ele raciocinou, e seus lábios se curvaram em um sorriso. Ele pensou que seria isso — ele queria que fosse — e maldito fosse ele se ele pudesse pensar em algo melhor para fazer do que ter a sensação dela se derretendo em seus braços. Ele inclinou a cabeça enquanto olhava para ela. Lindos olhos, lábios adoráveis, lindo cabelo escuro. Ele gostaria de ensinar-lhe algumas coisas. Ele estreitou os olhos. Se ela estivesse falando sério... ela deveria ser totalmente ingênua, ou astuta como o diabo... e Colin pretendia descobrir em qual das duas categorias que ela se enquadrava. Ele olhou para ela deliberadamente. "E precisamente o que você tem em mente que eu deva ensinar a você, moça?" Ela evitou seus olhos, encolheu os ombros, parecendo nervosa, e então olhou para ele mais uma vez. Desta vez, ela manteve seu olhar com firmeza, disposta a ver o perigo que ela estava enfrentando pedindo tão corajosamente que ele a... ajudasse. Ele nunca deu o merecido valor para as mulheres... nunca pensou que elas compreendessem a influência que exerciam sobre ele... nunca roubou nenhuma inocência... não sem prévio aviso. Ela não desviou seu olhar, mas em vez disso, ela parecia determinada a recrutá-lo, e uma parte de Colin gritou com alegria. Seu corpo vibrou com antecipação. O sangue se acelerou em suas veias. Ele queria aquela boca... queria sentir o deslize da sua língua entre os lábios... Ele baixou o olhar. Ele queria esses seios em suas mãos.


ENGOLINDO com dificuldade mais uma vez, olhando para ela... não estava totalmente convencido de que ela soubesse o que estava pedindo. Ela devia estar confusa, ele pensou. Talvez ele devesse mostrar a ela. Olhando diretamente para os olhos dela, ele estendeu a mão para colocar seus dedos no seu calcanhar. Seus pés estavam descalços, macios com poeira. Ela não protestou, nem parecia que ele a tinha tocado, e então ele deslizou a mão para a parte de trás da sua panturrilha, suavemente acariciando-a. Ele ouviu-a inalando o ar mais profundamente, assim que ele a tocou, mas ela não se afastou. Ela piscou. "O que... o que você está fazendo, Mac Brodie?" Colin sorriu, seu sorriso mais poderoso. "Te ensinando, é claro," ele respondeu. Emoções conflitantes brilharam no rosto dela antes de ela olhar para ele. "Então você vai me ajudar?" A expressão dela era esperançosa, embora ela tenha engolido nervosamente quando viu a mão dele por baixo da saia dela. O sorriso dele aumentou quando viu a expressão dela ficar mais incerta. Ela bateu sua mão sobre a dele, de repente, travando seu progresso, segurando seus dedos, como se ela fosse quebrá-los se ele os movesse. "E o que precisamente você está me ensinando?" Ela perguntou para ele. "O que o seu doce coração desejar," ele respondeu maliciosamente. Seu corpo endurecido. "Você precisa... precisa fazer isso?" ela perguntou. Sua voz vacilando. "Você quer minha ajuda, ou não, moça?" A sua mão aliviou um pouco. "Eu quero... mas... mas..." Ele tinha parado de mover seus dedos quando seu aperto se


intensificou dolorosamente. "Ai! Regra número um," ele anunciou, largando a perna dela. "Não quebre os dedos do seu amante se você quiser que ele valorize você!" "Mas você não é meu amante!" Ela disse e deu-lhe um olhar decepcionado. Ele também lhe deu um olhar decepcionado. "Então," ele perguntou: "você tem alguém em mente... alguém que você queira conquistar?" "Broc Ceannfhionn," ela anunciou sem hesitação e se levantou da pilha de lenha. Colin viu mais do que um flash das panturrilhas bem torneadas antes dela dar a sua declaração. "Broc!" ele exclamou e se sentiu irritado, mas ele não podia compreender por que. "Sim, Broc Ceannfhionn!" "Eu ouvi na primeira vez, moça!" Ele não quis levantar a voz. Ela virou as costas para ele então, meditando. Broc era seu melhor amigo. Ele não podia possivelmente ter inveja dele, e mesmo assim ele estava. Ele agora não se admirava dela ter desaparecido quando Broc apareceu na festa. ELE OLHOU PARA ELA. De costas ela era inconfundível, com o cabelo preto como asas de um corvo e um corpo que fazia que as mãos de um homem doessem divagando sobre suas colinas e vales. Nem mesmo seu vestido esfarrapado e velho podia desvirtuar isso. Linda. Era o suficiente para estragar o apetite de um homem. "Eu o amo desde sempre!" ela declarou, virando-se para ele,


suplicando com aqueles olhos verdes profundos. "E você é seu melhor amigo, Colin Mac Brodie!" Havia lágrimas nos olhos dela. "Você pode me ajudar a ganhar seu coração, se você apenas quiser!" Colin de repente se sentiu sem vontade de fazer caridade. "E por que eu deveria ajudá-la a enfeitiçar meu bom amigo? Eu não sei nem seu nome, moça!" Ela deu-lhe um olhar magoado, embora ele não conseguisse entender por que esse simples fato devia incomodá-la. "E ainda mais, eu não sei de qual clã você veio!" "Nenhum clã," ela respondeu. "Você não tem família?" ele perguntou-lhe com desconfiança. "Só o meu da." "E quem é seu da?" Seus lábios ficaram de repente juntos e trancados, recusandose a falar. "Broc pode encontrar suas próprias malditas mulheres!" Colin disse para ela. Se ela não podia nem responder sua simples pergunta, ele não ia obrigá-la. Ela puxou uma respiração e Colin pensou que ela estava prestes a chorar. Orgulho pareceu endireitar sua coluna. "Meu da não está bem de saúde," ela disse com naturalidade. "Eu preciso me casar! Ele precisa de um lugar quente para dormir!" "Eu posso lhe dar todos os cobertores que você precisar" Colin a tranquilizou. "Mas eu amo Broc Ceannfhionn! Eu posso fazê-lo feliz se eu tiver a chance!" Colin mexeu na terra com o seu pé. "Bem, eu não posso te ajudar." Broc era seu melhor amigo.


"Você o conhece melhor do que qualquer pessoa, Colin Mac Brodie! Você poderia me ajudar se você apenas quisesse!" Colin abanou a cabeça, recusando a acreditar nela. "Eu não vou." Ele a ajudaria se ela não tivesse o enfeitiçado primeiro? Ele não podia fazer isso. Era apenas seu orgulho ferido que o impedia de ajudá-la? Quantas vezes ele pensou que seria melhor para Broc encontrar uma boa mulher? Ele tinha vinte e cinco anos e ainda era virgem. Sua honra seria a morte dele. "Eu tenho algo para lhe dar em troca," ela disse com relutância. "Um pagamento por sua ajuda." ELE ESTREITOU o olhar para ela. Por um momento, ele pensou que ela tinha a intenção de pagá-lo com seus favores, mas a expressão dela estava longe de ser sedutora. Oh, mas seus doces olhos verdes suplicavam-lhe, clamando por algum tipo de vergonha que há muito estava enterrado e que o fazia sentir-se miserável. Era algo que ele não sentia tão agudamente há muito tempo, e ele não apreciava a sensação. "E o que seria?" "A receita do meu da para o uisge beatha." Colin estreitou os olhos, inspecionando-a mais perto, o rosto de repente lhe parecendo familiar. Ele estremeceu como uma memória que o atacou. "A receita do seu da?" "Sim," ela disse. "Isto é tudo que eu tenho para dar, mas eu daria tudo para ter Broc como meu marido!" Colin engoliu desconfortavelmente, de repente confrontado com


a memória mais feia de si mesmo. Ele gostaria de nunca ter que se lembrar, mas aqui estava ela, depois de todos estes anos, como se estivesse lhe batendo na cara com o passado. "Donal o bêbado é seu da?" ele perguntou, chocado com sua transformação. Oh, mas os anos tinham sido muito bons para ela. Ele certamente não se lembrava dela assim. Os olhos dela se estreitaram e as mãos dela foram para a sua cintura. "Não o chame assim, Colin Mac Brodie!" Colin abanou a cabeça. Ele queria saber onde diabos ela tinha se metido, mas não tinha ouvido nada exceto que o velho tinha ficado cego e era sua filha que agora fazia seu cobiçado uisge beatha. Homens viajavam léguas para comprar sua água de fogo. Onde diabo ela tinha se escondido? "Eu não preciso da sua receita!" ele disse para ela. "Você pode muito bem ficar com ela!" Ela nunca trazia o melhor dele — nunca trouxe — e ele não desejava que ela tivesse reaparecido em sua vida. Ele pegou sua túnica da pilha de lenha e virou-se para ir embora, vestindo-se enquanto saía. Ele não gostava de como ela o fazia se sentir, e não ia demorar para ele se lembrar. Como tinha acontecido anos antes, ele saiu sem olhar para ela — podia senti-la olhando para ele, mas não se atreveu a se virar. Ele a tinha enfrentado naquele dia a muito tempo e tinha sido deixado ferido pela acusação silenciosa daqueles olhos verdes expressivos. Ele não ia ficar para vê-la chorando mais uma vez. Mesmo sem sua presença constante como um lembrete, ele tinha


levado anos para esquecer a culpa que ele sentiu do mal que tinha feito para ela. MAS DESTA VEZ, ele não tinha feito nada de errado, e ele se amaldiçoaria se ele fizesse um esquema com ela para prender seu melhor amigo para se casar com ela. Não importava que ele estivesse agora vacilante. No espaço de poucos minutos, ele havia sido rejeitado e depois tinha revivido um dos seus momentos mais ignóbeis — cortesia da mulher que tinha enchido cada pedaço de sua mente desde o instante que ele colocou os olhos em cima dela.


CAPÍTULO 6

O que ela deveria fazer agora? Seana sentou-se numa pedra perto da engenhoca que seu pai tinha construído para destilar seu uisge beatha, ouvindo os sons que ela fazia. Como uma mulher, ela era praticamente invisível para Broc. Ela podia dizer pelo olhar em seus olhos que ele ainda a via como a pobre menina que ela tinha sido. Não parecia que ele tinha registrado que agora ela tinha se tornado uma mulher. Oh, mas era suficiente para fazê-la chorar. Como Colin ousava estar zangado com ela! Ela não tinha noção do que tinha dito para perturbá-lo tanto, mas ele tinha se afastado dela, sem sequer olhar para trás. Tudo o que ela fez foi pedir sua ajuda. Que mal havia nisso? Ela na verdade, tinha até se oferecido para pagar-lhe com a única coisa de valor que possuía. Isso deveria ter sido suficiente para ele perceber o grande valor que ela tinha oferecido para ele — sem mencionar que isto era muito importante para ela. Quais eram suas opções agora? Ela roia uma unha enquanto pensava. O som e o cheiro do destilado de alguma forma acalmavam sua mente. Era familiar e reconfortante, lembrando-lhe dos tempos que ela ficava sentada assistindo seu pai trabalhando. Com um suspiro sincero, ela deslizou da pedra para o chão,


ouvindo o barulho da engenhoca lembrando-se de um tempo quando seu da era forte e cheio de vida. Seana sabia muito pouco sobre a sua mãe. Ela tinha morrido ao dar à luz a Seana. Embora Seana frequentemente se sentisse culpada pela dor que tinha causado para sua mãe e seu da, seu pai nunca a tinha culpado por isso. Ele a amava sem se importar que seu coração tivesse sido partido com sua perda. E ele falava da mãe de Seana com muito carinho, sempre dizendo para Seana que ela era muito parecida com a mãe. Os dois tinham se amado tanto que eles tinham fugido de suas casas para viverem em solidão, porque a mãe de seu pai não tinha desejado o casamento deles. Seu nascimento tinha sido difícil, seu da tinha lhe dito. Ela tinha sido muito teimosa para nascer. A perna dela tinha sido torcida dentro do útero de sua mãe e tinha se quebrado durante o parto. A parteira aconselhou que seu da deixasse Seana para os lobos... alegou que ela era muito pequena e fraca e que as pernas dela nunca iriam se curar, que ela seria sempre um fardo. Seu da se recusou. Mesmo com toda a tristeza após a morte da mãe, ele a amou e a protegeu, e quando Seana atingiu certa idade, ele trabalhou com a perna dela para fortalecê-la e curá-la. SEANA TINHA SOFRIDO MUITO durante esses anos, embora ela nunca tenha reclamado, porque ela tinha visto a dor nos olhos de seu da enquanto ele a assistia sofrer. Mesmo quando ele tinha quebrado a perna dela para reajustar, ele não queria machucá-la, mas tinha sido necessário, ele disse, para endireitá-la. E agora, ela estava melhor, e seu coxear era pouco perceptível, exceto à noite, quando o ar tornava-se frio e no inverno quando o vento frio lhe


trazia a dor mais uma vez. Uma sombra negra passou através de seus olhos, chamando sua atenção. Meu Amor saiu de uma moita e sentou-se a observando de uma distância segura. Seana franziu a testa com a visão do gato. "Vá embora," ela resmungou. "Volte para onde você veio, seu animal ingrato!" Meu Amor miou para ela, o som de uma queixa sincera e simplesmente olhou para ela com os olhos amarelos que brilhavam no crepúsculo da floresta. Seana recusou-se a se importar com o gato. Deixou-o ficar sentado onde estava. Se o maldito gato não gostava dela, tudo bem! O sentimento era mútuo! Ela tinha coisas mais importantes para se preocupar agora. Como ganhar a atenção de Broc. Seana não tinha noção como fazer isso se Colin não a ajudasse. Será que simplesmente uma pessoa devia se dirigir a outra e jurar amor? Ou ficar olhando para a pessoa até que seus olhos ficassem cegos e seus cílios caíssem? Qual era a melhor maneira de ganhar o amor de um homem? Ele acharia que ela era boba se ela se enfeitasse para ele? Ou ele nunca a notaria se ela não o fizesse? Será que o caminho para seu coração era pela sua barriga? Ou talvez ela devesse simplesmente deixá-lo bêbado com o destilado do pai dela e arrastá-lo para o altar... O pensamento a fez dar uma risada. Como se ela pudesse arrastar o gigante gentil. Oh, mas se ela tivesse menos consciência ela poderia fazê-lo ficar bêbado e se deitar com ele e testar seu senso de honra. Mas ela não podia.


Infelizmente, ela não tinha a menor idéia de como proceder. Ela não tinha ninguém para perguntar essas coisas — e ela não tinha nenhum parente com quem ela pudesse contar. Ela estava totalmente perdida sobre o que fazer. Mas Colin Mac Brodie sabia. Homem miserável. Ele conhecia Broc e ele certamente conhecia as mulheres. Ela deveria persegui-lo onde quer que ele fosse e espiá-lo em cada conquista — ele certamente iria fazer isso pelo menos por um dia! MEU AMOR SENTOU-SE DIANTE dela, como se a vigiasse, olhando-a com seus olhos cor de ouro, e o olhar de Seana retornou para o animal. Seu pelo preto parecia tão macio e brilhante até mesmo a esta distância. Apesar da falta de amor de Seana pelo animal e o nervosismo de Meu Amor, ela se dirigiu para o gato, lentamente, com a intenção de acariciá-lo. Certamente se ele vinha para perto dela tão frequentemente, então ele devia ter alguma afeição por ela? Ela nem tinha chegado à metade do caminho quando Meu Amor miou um protesto e se arremessou para longe na direção dos arbustos. Seana murmurou um juramento sob sua respiração e suspirou. "Peste de gato!" ela falou. Era um caso triste, ela pensou, quando nem o maldito gato queria a sua companhia! Ela sentou-se e fez uma careta. Ela não ia passar o resto da vida sozinha, por Deus! Seu da não viveria para sempre — ele não era um homem saudável — e apesar


dela gostar de sua solidão, ansiava por um toque humano. Companheirismo. Ela não ia desistir de Broc! Ela não podia desistir tão facilmente. Colin a tinha recusado uma vez. O que seria pior que ele podia fazer, mas recusá-la novamente? Persistência era a chave para o sucesso, não era? Isso era o que seu pai tinha dito quando ele tinha trabalhado para aperfeiçoar sua receita — mesmo depois de suas primeiras tentativas terem sufocado a respiração dele e quase deixado em chamas a destilaria. Sim, ela decidiu e resolveu tentar de novo. Até mesmo Colin Mac Brodie não era feito de pedra. Ele era de carne e osso e tinha um coração que batia dentro daquele peito enorme dele. Seana pretendia apelar para isso. "POR FAVOR!" ela lhe suplicou. Por Deus, Colin não era feito de pedra! Ele era um homem de carne e osso, com desejos de um homem, e ao contrário de seu irmão, Gavin, ele não tinha aspirações para a santidade. A rapariga atrevida estava parada diante dele agora, completamente alheia à tentação que ela era. Ela tinha entrado no meio de seu banho, pedindo para falar com ele, e Colin não tinha conseguido pensar em nenhuma palavra que pudesse avisá-la do seu estado de alma. ELE ESTAVA COM FOME. Voraz.


Apesar de quem ela era, ou o que ela dizia querer dele, ele tinha sido despertado por ela... como ele jamais tinha sido antes em sua vida. Porque a presença dela o fazia arder, ele não conseguia dizer ou entender, mas ele estava duro como pedra, debaixo da superfície da água. Ela não estava ajudando nada, sentada no banco, falando com ele como se ele fosse algum tipo de sacerdote. Ele estava grato pela profundidade da água, pois ela não podia espiar sua reação com a visão daquelas belas pernas bem torneadas. Maldição se estas não eram as pernas mais sensuais que ele jamais tinha visto em uma mulher — muito menos para quem tinha sido coxa — elas eram longas e magras e fortes. Como ela tinha conseguido tal feito, ele não conseguia adivinhar, mas seus olhos podiam constatar a verdade. Ele engoliu convulsivamente com a visão que ela involuntariamente lhe proporcionava, e seu coração começou a bater. "Por favor, Colin!" Colin recuou com o tom apaixonado de sua voz. "Eu te dou o que você quiser!" ela jurou, e ele apertou a mandíbula para não deixar escapar o pagamento que ele queria dela. Aquele corpo delicioso. Ela não queria nada com ele, ele se lembrou, e este fato quase o matava por dentro. Por que ele se importaria, quando ele podia ter qualquer mulher que ele escolhesse? Porque ele a queria, dizia um pequeno demônio dentro dele que o incomodava. Era sua recompensa, algumas pessoas podiam dizer, porque ela


queria seu melhor amigo e não a ele. Ele não a merecia depois da maneira como a tinha tratado no passado. "Não quero nada de você," Colin persistiu e tentou forçar seu olhar para longe do banquete que estava entre suas doces pernas. Oh, a mãe dela nunca a tinha ensinado a sentar-se como uma dama? Ela não sabia que o estava deixando louco de tesão? Ela não entendia que estava fazendo com que ele ficasse com tanta fome por causa da doce festa que ele antecipava entre as coxas dela mesmo que sua culpa não conseguisse afastar sua fome? Ele respirou fundo e olhou para o céu azul brilhante, tentando não olhar para ela. O sol batia em cima de seus ombros nus, e a água escorria de seu cabelo molhado. A sensação da água descendo pelas suas costas o fez pensar nos... dedos dela — ele não ousava pensar na sua língua... úmida e macia deslizando ao longo das costas dele. Ele engoliu seco, estremecendo quando encontrou o olhar dela. SEUS DOCES OLHOS verdes encontraram seus olhos azuis cheios de fome. "Eu não sou muito orgulhosa para pedir," ela avisou. "Não quando é algo tão importante como o que estou querendo! Eu te imploro Colin Mac Brodie!" Colin franziu a testa para ela. Agora ao invés de pedir ela estava implorando, e ela fazia isso muito bem. Como ela sempre tinha feito todos esses anos, seu coração estava à vista, numa expressão que ela usava como uma mártir em sua crucificação. Era um olhar que oferecia perdão e ao mesmo tempo pedia algo e mesmo assim, de alguma forma, preenchido com muito orgulho.


Como ele podia mandá-la embora? Como ele podia recusá-la? Será que ele se recusaria a ajudá-la se ela fosse alguém diferente de quem ela era? Sim, ele iria, ele decidiu, porque Broc era amigo dele, e ele não ia fazer um trato com ela para prendê-lo numa armadilha — mesmo se Broc fosse ficar muito melhor com uma mulher de carne e osso na sua cama, ao invés daquele cachorro pulguento. Mas mais do que qualquer outra coisa... porque ele a queria para ele. "Você me deve, Colin Mac Brodie!" ela deixou escapar, levantando uma pequena pedra e jogando na água, longe de onde ele estava, mas ainda assim... Colin encontrou seu olhar brilhante, verde vívido e abastecido com algo mais do que orgulho. "Você está em dívida comigo," ela repetiu, batendo com seu pé. O gesto furioso fez com que sua saia subisse um pouco mais, dando-lhe uma visão mais clara do prêmio que ela iria oferecer ao seu melhor amigo, "e eu não vou aceitar um não como resposta!" Rapariga insolente. Naquele instante uma vontade sincera de ajudá-la rompeu dentro dele, culpa do que tinha acontecido no passado e era um desejo tão intenso que ele podia sentir se mexer dentro dele, apesar da ferocidade do seu brilho. Ele não estava aborrecido por suas palavras, ele podia até rir de pura alegria com o desafio que ela lhe presenteava. Quando tinha sido a última vez que ele tinha se sentido tão feliz com a mera visão de uma mulher? Quando tinha sido a última vez que ele tinha sentido seu sangue ferver mesmo sob o calor da raiva?


E quando alguma vez ele tinha sido totalmente dispensado por uma mulher em favor de outra pessoa? Nunca. E MALDIÇÃO ISSO O PROVOCAVA. Ele queria beijá-la, droga — queria ver por si mesmo se aqueles lábios eram tão suaves e doces como eles pareciam. Ele começou a sair do lago, de propósito movendo-se em sua direção. Ele estreitou o olhar para ela. "Não lhe devo nada," ele lhe assegurou. "Mas vou lhe dizer, que..." A raiva na expressão dela sumiu imediatamente e foi substituída com um olhar de tão pura esperança que Colin queria sorrir. Mas ele não se atreveu, porque ele não queria que ela pensasse que ele estava interessado neste jogo. Ela e sua consciência o estavam arrastando, chutando e gritando de todas as maneiras. A expressão dela ficou mais cautelosa com a sua abordagem, e ainda mais cautelosa quanto mais perto ele se aproximava, mas ele não vacilou. Ele nadou pela parte rasa, sem deixar de olhar para ela. Ele estava prestes a dizer para ela que a levaria até sua irmã, e que Meghan poderia ajudá-la, porque ele não podia, mas as palavras que saíram da sua boca o surpreenderam. "Eu vou fazer isso por um beijo," ele disse. Ela ficou calada, olhando para ele, como se ela não tivesse acreditado no que ele tinha dito. O rosto dela parecia confuso, e talvez um pouco de aversão, quando ela viu que ela tinha, na verdade, ouvido ele corretamente. "Um beijo?” "Um beijo," afirmou Colin. "Um simples beijo."


Ela estava sentada perplexa, vendo-o se aproximar. Ele nadou na direção dela, e ela continuava com a cabeça inclinada, olhando para ela, parecendo totalmente confusa. "Eu não quero a sua destilaria," ele declarou, de repente satisfeito com a sua decisão. "Fique com a receita. Um beijo é tudo que eu quero como meu pagamento, ou não temos nenhum trato!" Se ela realmente amasse Broc, ele saberia por seu beijo. A boca de uma mulher não mentia, nem a batida do seu coração sob a sua mão. E se ela não amasse Broc... bem, ele saberia. E ele iria poupá-la sem piedade. Ela encolheu os ombros e pareceu momentaneamente impossibilitada de falar. Em seguida ela piscou e disse depois de um instante, "Muito bem... um... um beijo..." "Para selar o acordo,” ele assegurou e se impulsionou em direção a ela. Ela estava sentada na grama, olhando para ele. Ele levantou-se para fora da água, de repente, ficou de pé, em toda sua glória. Ela deu um grito um pouco assustada. Colin sorriu com a reação dela. ELA SE LEVANTOU de uma só vez, com os olhos arregalados. "Doce mãe de Jesus, eu tenho que ir!" ela declarou. "Eu esqueci algo muito importante!" Ela se virou para ir, mas não sem antes dar outro olhar de relance em sua direção. Colin não se conteve. Ele sorriu. "E meu beijo?" ele perguntou descaradamente sem fazer nenhum movimento para se cobrir. Ela parou e virou-se para ele, mas fez um grande esforço para


não olhar, para abaixo de seus ombros, desta vez. "Oh," ela exclamou, "bem... Eu... Eu poderia lhe dar... mas eu tenho que... Eu tenho que — verificar o uisge! Sim, é isso!" ela declarou e acenou com a cabeça vigorosamente. Ela se virou e fugiu, falando enquanto fugia, "Eu vou te beijar da próxima vez! Tenho que ir! Até logo!" Colin assistiu-a indo embora e seu sorriso era tão cruel quanto seus pensamentos quando ela desapareceu na floresta. Ele riu bastante satisfeito. Então... ela não era tão imune a ele como ela gostaria de pensar, e a descoberta o agradou imensamente. SEANA NÃO PAROU até que ela chegou à clareira perto do antigo cairn onde ela e seu da tinham feito sua casa. Sem fôlego, ela se inclinou contra um pilar caído, ofegando suavemente. Essas colinas estavam salpicadas com os restos de seus antepassados, e a presença deles era tangível na beleza quase mágica na terra do seu nascimento. Aqui, escondida no mais profundo coração das Highlands, Seana quase podia sentir seus espíritos. Ela quase podia acreditar em sua magia. Ela quase podia vê-los dançando no cobertor de névoa quando caía à noite. Embora ela tivesse feito a cama dela sobre o solo que eles tinham pisado, ela nunca tinha lamentado a falta deles, pois ela os sentia vivos em espírito. Que ela não tinha nenhum travesseiro para colocar a cabeça em cima, nunca tinha sido um problema para ela. O cheiro do barro doce ao adormecer, e a brisa nas noites de verão tinha acalmado suas preocupações. De alguma forma, era um


lembrete de que ela era apenas uma pequena parte de algo muito maior do que ela. Mas agora... ela lamentava a falta de um travesseiro para sua cabeça e temia a chegada da noite. Porque ela amava seu da. Ele era tudo o que ela tinha neste mundo. Ela olhou para seus pés descalços. Colin Mac Brodie era um malandro sem vergonha! Mas ela sabia disso. ELA NÃO PODIA DIZER ao certo, mas achou que talvez ele estivesse rindo dela enquanto ela fugia. Trouxe de volta aquela terrível lembrança, mas ela não conseguiu evitar. Ela tinha entrado em pânico ao vê-lo — ali, totalmente nu! Um simples beijo para selar o negócio parecia ser um pequeno preço a pagar... até que de repente ele tinha vindo em sua direção. Seu coração começou a bater mais rápido e a próxima coisa que ela percebeu foi que ela estava voando — mais uma vez correndo para escapar dele e a razão pela qual ela tinha corrido não parecia importar no momento. Seu riso estava ecoando em seu cérebro, e ela não tinha sido capaz de dizer naquele instante de histeria se ela estava correndo por causo do riso do menino ou do homem. Ela engoliu com dificuldade quando pensou sobre a lembrança que tinha ferido seu espírito há muito tempo. Ela achou que as lembranças tristes da infância estavam distantes, mas era óbvio para ela agora que não estavam. De repente, a noção de pedir Colin Mac Brodie ajuda para ela conseguir um marido parecia totalmente ridícula. Ela tinha se convencido, ela percebeu agora... e ela teve que se


perguntar por que ela faria uma coisa dessas. Bem, ela pensou que sabia o porque. Ela se sentou, contemplando os motivos dela, Meu Amor entrou em sua linha de visão. O gato do seu da sentou-se e olhou para ela com aqueles olhos lindos. Seana olhou para ele de volta, incapaz de resistir ao conforto da sua presença. Era pena que seu único amigo era um animal que não tinha nenhum interesse em fazer carinhos nela, mas era verdade. Meu Amor era o mais próximo de um amigo que Seana jamais teve. "Pestinha," ela disse, sem realmente achar isso. O gato simplesmente olhou para ela, sem piscar, e Seana suspirou. A verdade era que... ela procurou Colin porque tinha algo a provar a si mesma. Depois de todos esses anos suas palavras cruéis ainda a magoavam. Ela tinha negado tudo, tinha dito a si mesma que ela estava imune a ele. Ela tinha até tentado provar a si mesma que ele não mais podia prejudicá-la, que ela estava fora do seu alcance. Ela tinha se convencido que ele era a solução para ganhar Broc — e ela queria Broc! — mas de repente estava aparente que esse não tinha sido o motivo para ela procurar Colin Mac Brodie. Então, o que ela realmente queria? Queria que Colin olhasse para ela e visse o erro que ele tinha feito? PARA ELE FICAR IRREMEDIAVELMENTE APAIXONADO por ela, pois assim ela poderia combater a arrogância de seu rosto depois de tanto tempo e rejeitá-lo? Por quê? Para que ela pudesse dizer... haha... Olhe para mim agora... Eu não era boa o suficiente para você, mas


agora você não é bom para mim! Bem, ela falhou miseravelmente qualquer que fosse sua intenção. Colin Mac Brodie tinha nascido com um rosto que fazia com que as mulheres se ajoelhassem a seus pés. Ela não era ninguém para lhe ensinar lições. E ele só iria brincar com seu coração e em seguida, jogá-la fora como o miolo de uma maçã que ele tivesse gostado, mas já não tinha mais uso. Naquele instante quando ele tinha se aproximado dela, querendo seu beijo como pagamento, Seana tinha se sentido tão vulnerável como ela tinha se sentido naquele dia, tanto tempo atrás. Talvez ela não estivesse ansiosa pelo beijo, talvez o coração dela não ficasse mais perturbado com sua presença, talvez ela realmente não gostasse dele, mas de alguma forma, até o presente momento, ele conseguia incutir nela, pelo espaço de um instante... puro terror. Que tola ela era! Não, ela ia ter que encontrar outra maneira para fazer Broc notá-la. Se ela tivesse que ir até ele e lhe dizer olhando para a sua cara — oh, era preferível sofrer com a presença de Colin Mac Brodie! "Um beijo de Colin Mac Brodie é a última coisa que eu quero agora!" ela assegurou para Meu Amor. O gato piscou e continuou a olhar para ela, interessado. "Eu não gosto daquele homem!" ela disse para o gato. "Eu não gosto dele como eu não gosto de você!" ela acrescentou irascível. Meu Amor piscou novamente e abaixou a cabeça. O animal teve a audácia de se sentir chateado por suas


palavras! Seana o conhecia bem. "Você não pode me enganar com esse olhar lamentável!" ela assegurou ao animal e repreendeu-se silenciosamente por conversar com um maldito gato. Ela precisava de um homem. Ela precisava de um companheiro. E seu da precisava de um lugar mais macio, mais quente para reclinar a cabeça. Faltava uma semana para o casamento de Alison MacLean. Se ela não visse Broc antes disso, ela certamente iria vê-lo lá. Era hora de formar um novo plano. ELA NÃO PRECISAVA da ajuda do Colin Mac Brodie — e para o inferno com seu maldito beijo! Seana preferia beijar um maldito sapo! Falando nisso... Levantando-se da pedra, ela disse para Meu Amor, "Vamos encontrar algo para Da comer. Sem querer te ofender gato, mas eu não acho que seus presentes para ele são o que ele precisa!" Ela ficou enojada ao encontrar aves mortas e ratos na cabeceira do seu da. Ela não sabia como ele tinha recebido esses presentes! Ela não tinha percebido quanto tempo tinha permanecido na destilaria, até que começou a escurecer. Meu Amor simplesmente olhava para ela, incapaz de se mexer. Enquanto a noite caía, as árvores começaram a tremer com pequenas luzes quase imperceptíveis. Se Seana não tivesse visto esta cena mil vezes antes, ela podia ter questionado as aparições cintilantes, mas ela não as questionava. Ela simplesmente aceitava assim como aceitava


o gato olhando para ela. Seu da alegava que as luzes cintilantes eram fadas mágicas. Para ela não eram mais do que pequenos insetos minúsculos piscando. De qualquer modo, era hora de ir para casa. Ela fez seu caminho de volta para o cairn, certa de apenas duas coisas naquele momento: um, Meu Amor a seguiria quando tivesse vontade. E dois, ela não ia honrar o negócio feito com o diabo — não amanhã ou qualquer outro dia — Colin Mac Brodie que se danasse!


CAPÍTULO 7

Ele não ia deixá-la escapar tão facilmente. Colin não tinha certeza do porque ele não podia deixá-la ir, mas ele simplesmente não podia. Ele não parava de pensar nela. Ele não a via há dias — desde que ela tão arrogantemente tinha interrompido seu banho no lago. Mulher descarada. Foi confrontá-lo no seu banho e corajosamente exigiu a ajuda dele e fugiu com a ameaça de um simples beijo. Na verdade, ele não sabia se devia se divertir ou devia se sentir inferiorizado. Nenhuma mulher jamais tinha fugido do seu toque. E ela não ter retornado desde este dia, era o suficiente para dar coceiras por todo o seu corpo. Ele disse a si mesmo que a curiosidade o tinha levado para estas florestas para procurar a feiticeira matreira. E ele tinha se convencido, depois de passar quatro horas procurando a casa dela, que era melhor para o bemestar dela se ele continuasse a busca. Ela não podia ter ficado tão horrorizada com a perspectiva de seu beijo. Ele se recusava a acreditar nesta possibilidade. Ele estava começando a se perguntar se o povo da aldeia não tinha apontado para ele a direção errada. Não havia nenhum sinal de nenhuma cabana para ser encontrada. Estas florestas eram desabitadas, menos para os animais que moravam aqui. Ele se amaldiçoou com a percepção de que o céu estava


ficando cada vez mais escuro e sombrio. Assim que o crepúsculo caiu, ficou escuro num piscar de olhos, e ele estava a pelo menos uma hora de casa. Além disso, ele não tinha nem pensado em levar um lanche e a barriga dele estava reclamando em alto e bom som. Ele parou debaixo de um pesado galho de árvore, estendeu as mãos e passou-as pelo tronco, pensando o que fazer a partir daqui. A barriga dele dizia para ele ir para casa. Seu orgulho dizia que não. Sua barriga fez um barulho um pouco mais alto, como se estivesse xingando seu orgulho. "Fique quieto," ele disse. Ele sentiu o cheiro antes de ouvi-la. O aroma pungente do destilado do pai dela. Era inconfundível, porque ninguém conseguia fazer um destilado como Donal o bêbado. Ele seguiu a direção, até que ele a ouviu — o murmúrio de uma voz feminina. "Coisa má e podre!" COLIN SEGUIU a voz e descobriu que a dona dela pairava sobre uma estranha engenhoca que ele nunca tinha visto. O cabelo dela estava atado na sua nuca, e suas mãos estavam sujas de trabalhar na... geringonça. Ela bateu nela com uma das mãos e a estranha besta se engasgou e estalou. "Eu não quero mais fazer isso!" ela exclamou. "Eu nem mesmo gosto de uisge beatha! Por que eu não podia ser a filha de um padeiro!" Colin tentou não rir com a visão dela. Neste instante, ela parecia à mesma criança suja e abandonada que ele tinha


conhecido, que roubava tortas dos peitoris das janelas e o seguia por toda a parte com os restos do seu roubo borrado na cara. "Então, é aqui que você se esconde?" ele perguntou. Ela deu um pequeno grito e se virou para enfrentá-lo, seus olhos alarmados. No instante em que ela percebeu que era ele, no entanto, a expressão dela se tornou contrariada. "Sua minny nunca lhe ensinou boas maneiras?" Colin simplesmente levantou uma sobrancelha para ela. "Homem miserável!" ela disse e virou as costas para ele, mandando-o embora para que ela voltasse a trabalhar na geringonça de aparência ridícula. Ele ignorou a ironia. "O que é isso?" "Bem, o que você acha que é?" ela respondeu sem se virar. "Quem é meu da?" ela acrescentou irascível. "Sim, mas isto não explica esta monstruosidade," ele disse. "Nunca vi uma coisa dessas." Ela permaneceu em silêncio e continuou a trabalhar no dispositivo. "Eu não sei o que é, também," ela confessou depois de um momento. "Isso é uma invenção do meu pai... para preparar uisge beatha." "Ah!" disse Colin. "E onde está seu da?" "Em casa." Ela tinha nas mãos as extensões do aparelho. Colin podia ver agora que uma peça tinha quebrado e que ela estava tentando colocar as duas partes juntas de novo. Era trabalho para um caldeireiro. Suas mãos e seu vestido estavam sujos de fuligem, e ele sentiu uma súbita aversão por seu pai porque ele deixava a filha fazer a bebida dele, enquanto ele tropeçava com o seu uisge. "Bêbado?" ele lhe perguntou.


"Não!" ela respondeu, voltando-se para ele, seus adoráveis olhos verdes ainda mais brilhantes por causa da fuligem que escurecia o rosto dela. "Eu faço o licor podre, eu não o bebo!" Ele tinha dito o pai dela, mas pelo seu humor ele viu que não valeria a pena ele lhe esclarecer esse ponto. Ele a observou lutando com o dispositivo por um instante e depois caminhou até onde ela estava trabalhando, lutando em vão para juntar as duas partes. "Você não pode fazer isso," ele ressaltou. ELA LARGOU as duas peças de uma só vez e limpou as mãos na sua saia, tornando-a ainda mais asquerosa. “Não me diga o que eu posso ou não fazer!" ela explodiu, lançando-lhe um olhar irritado. Aqueles lábios carnudos dela já não estavam cor de rosa. Eles estavam manchados de preto, mas Colin queria beijá-los de qualquer maneira. "Vá embora!" Ela exigiu dele e voltou para o trabalho. Colin não queria ir embora. Ele tinha passado horas procurando por ela e ele não se perdoaria em se virar e ir embora. "Você é uma moça mal-humorado, sabia?" Ela não se preocupou em olhar para ele. "E você é um malandro malvado que parte os corações das mulheres!" A sobrancelha de Colin se levantou com a brutal difamação do seu caráter. Nem mesmo Meghan tinha alguma vez lhe dito coisas tão cruéis. "Isso foi há muito tempo," ele protestou. Ela se virou para encará-lo. "Oh? E você não parte mais corações, eu suponho?" Os lábios de Colin se torceram em uma careta. Ele certamente


não queria, mas ele não tinha nenhuma defesa pronta para si mesmo. Na verdade, ele tinha quebrado uma grande quota de corações... embora ele nem tentasse. "Ajudaria se eu dissesse que sinto muito?" Ela voltou a trabalhar. "O que você sente muito?" Raios o partissem, se ela ia fazê-lo dizer o que. Colin a observava, incerto do que dizer agora. "Então onde esteve?" Ela não respondeu, apenas continuou a trabalhar no seu dispositivo miserável. "Fiquei preocupado," ele confessou. "Você não voltou, e eu pensei que você estava doente." Ela bufou. "Claro, Colin Mac Brodie! E essa seria a única razão para que uma mulher não voasse para os seus braços a fim de ser beijada!" A carranca de Colin ficou maior. Ela se virou para ele de repente, frustração aparecendo em suas feições. "Porque você veio aqui?" Ela exigiu saber. "Eu estava preocupado," ele disse e pensou consigo mesmo que era uma desculpa esfarrapada. Ele não sabia por que ele tinha vindo aqui. Ele estava se perguntando isso há horas. Mas até agora ele não tinha uma resposta. Ele estava atraído por ela. Ele não conseguia pensar em outro motivo. "Bem!" ela assegurou-lhe. "Eu não preciso de sua ajuda e eu certamente não quero os seus beijos, Mac Brodie, então você pode muito bem ir para casa agora!" Ele não queria. "Eu gostaria de ajudar."


"EU DISSE que não preciso de sua ajuda!" ela rebateu teimosamente. "Posso cuidar de tudo sozinha muito bem, muito obrigada!" Ela voltou ao trabalho. "Você não pode consertá-lo assim," ele disse. "Você precisa de um ferreiro. Por que você não me deixa te ajudar?" Ela chutou a base do alambique. "Porque você é um patife egoísta que não pode fazer nada para ninguém, sem querer algo em troca, e eu não vou beijar você, não hoje, nem qualquer outro dia! É por isso! Maldita coisa!" Ela chutou a engenhoca mais uma vez nervosa. Não era exatamente verdade, Colin protestou, embora silenciosamente porque ele não podia pensar em alguma ocasião que ele não tinha lucrado com a situação. Ele tinha certeza que haveria uma ocasião especial, mas não era da natureza dele passar por cima das oportunidades. A vida era cheia delas, mesmo nos tempos mais sombrios. Não era nenhum crime ajudar a si mesmo enquanto ajudava aos outros, também. Ela cuspiu uma sequência de maldições que teria feito sua irmã corar. "Eu não sei por que eu te pedi ajuda para começar!" ela confessou. "Você é um maldito patife que não se importa com ninguém além de si mesmo!" As sobrancelhas de Colin se fecharam ao ouvir a opinião que ela tinha dele. E ele não gostou. "Então por que você pediu?" "Porque eu fiz o erro de acreditar que você tinha um coração, Colin Mac Brodie!" "Porque você não para de me chamar pelo meu nome


completo! Você fala como a minha grandminny Fia (6)! Meu nome é Colin. Eu não preciso ser lembrado que sou filho do Brodie." Ela lhe lançou um olhar amargo. "Eu não quero chamar você de Colin! Não gosto de você Colin Mac Brodie!" "Oh, mas eu nem mesmo sei o seu nome!" ele deixou escapar e ele pensou que não tinha feito a coisa certa, porque seus olhos verdes atiravam punhais nele. "E porque você deve se lembrar do nome de cada menina cujo coração você partiu?" ela perguntou com sua mandíbula tensionada de raiva. Ele queria acariciá-la até que ela se afrouxasse sob seu toque, queria beijá-la até a raiva se derreter através do seu corpo. "Ouch!" ele disse e se sentiu de repente um inseto sendo esmagado debaixo dos seus pés. "Vá embora," ela disse de novo. Ele não conseguia. Como ela poderia lançar tais acusações para ele e então esperar que ele fosse embora? Se ele pudesse compensar o passado ele queria tentar. Obviamente, ela tinha sido ferida por ele, e agora era seu dever fazer as coisas certas. Ela estava certa, ele estava lhe devendo. "Oh," ele cedeu, "Eu vou te ajudar... você nem precisa me beijar, moça."

(6) Grandminny – Avó.


CAPÍTULO 8

S

eana deu a Colin um olhar descrente. "Somente agora você está descobrindo quem você é?" As bochechas dele coraram. Seana não tinha certeza se era de raiva ou desgosto. Em ambos os casos, ela não se importava — a destilaria exigia a atenção dela, Colin Mac Brodie que se danasse! O pai dela tinha feito a engenhoca há muito tempo. Ele era ferreiro na cidade onde ele e a mãe de Seana haviam se conhecido. Seu próprio avô tinha fabricado o uisge beatha, até a sua morte, de uma receita transmitida de geração para geração. Todos os antepassados de Seana tinham sido destiladores da "água da vida" — o uisge beatha. A família era a guardiã da receita. Para os seus antepassados, ele tinha o poder de ressuscitar um corpo cansado e com falta de ânimo, expulsar o frio do inverno e reacender esperança e a fé nos deuses. Seana era a última de sua família a guardar a valiosa receita — além do seu da. E ela quase tinha quebrado sua promessa. Ela não tinha a coragem de lhe dizer. "Você não vai consertar isso sem um ferreiro," ele assegurou para ela. Ele ainda foi espreitar por cima do ombro dela, irritando-a com sua presença. Ela não conseguia se concentrar com ele ali... respirando nela... Ele estava perto demais! "Vá embora, Mac Brodie!"


Seana não queria nada mais do que lhe dar uma cotovelada, para extravasar sua frustração, mas ela absteve-se de fazê-lo. Ela nunca tinha tido uma índole para a violência, não importava a circunstância. "Isto não é tão simples, eu não posso chamar um ferreiro!" ela explicou tão pacientemente quanto foi capaz. "Cada mudança nesta geringonça altera o sabor do destilado!" Nem mesmo dois barris, mesmo sendo feitos pelas mesmas mãos, não produzem o mesmo destilado. Algumas pessoas alegavam que o processo era mágico, mas o pai de Seana parecia achar que a diferença estava no silêncio. "Então o que você faz quando ele quebra?" "Eu não sei!" Seana respondeu um pouco histérica, apesar de sua determinação em manter a calma. "Ela nunca quebrou antes!" Tudo estava complicado para ela. Ela se jogou no chão, sua saia voando e amuada como uma criança. "Eu não sei o que fazer!" ela disse, se sentindo miseravelmente impotente. E COLIN MAC Brodie era a última pessoa que ela desejava que fosse testemunha do seu primeiro ataque de histeria, que ela já tinha tido na vida dela! "Vá embora!" ela disse de novo sem conseguir se conter. Ficou parecendo mais uma lamentação. Lágrimas apareceram nos olhos dela, e ela cometeu o erro de olhar para Colin através de seus olhos lacrimejantes. Ele a estava encarando, sua expressão cheia de pena ou algo parecido, e Seana não estava suportando isso. Suas lágrimas começaram a cair de uma só vez.


"Eu não sei como consertar isso!" ela chorava, abanando sua mão com desgosto na direção da besta mecânica. "Eu não quero matar ninguém!" O resto de suas palavras saiu incoerente. "Meu da... não pode... não pode mais ver para consertá-la... e... e eu posso ser uma boa esposa!" ela gemia. Ela não precisava da pena de Colin! Era a última coisa que ela queria. Ele não tinha que gostar dela! Ele podia não gostar dela, mas ela não queria sua piedade! "Maldito gato!" ela protestou e não tinha certeza porque tinha dito isso. Pela primeira vez, Meu Amor não estava por perto. Mas o maldito gato também não ia nunca gostar dela! Seana enterrou o rosto em suas mãos e começou a soluçar penosamente. Ela ficou vagamente ciente que Colin se aproximou e se ajoelhou ao lado dela. Ela sentiu a mão dele sobre sua nuca, timidamente no começo, e depois mais firmemente, tentando consolá-la. Ela não queria ser consolada, por ninguém, muito menos por ele, mesmo assim ela não se afastou dele. Ela o deixou acariciar sua cabeça, maravilhada pela sensação de ter outro toque humano. Seu da nunca tinha sido muito carinhoso — nunca lhe dava um abraço ou mesmo tapinhas na cabeça, apesar de seu amor por ela estar sempre evidente em seus olhos — olhos que já não podiam vê-la muito bem. "Não chore, moça," ele sussurrou. "Eu posso chorar se eu quiser!" Colin sorriu para sua resposta. Há tantos anos atrás, quando ele a tinha magoado... falado palavras cruéis para ela e depois rido com seus amigos... Ela não tinha chorado. Ela tinha olhado para ele, seu coração em suas mãos, e depois tinha fugido, mas não antes de olhar para ele, com


uma expressão de tristeza que fez com que ele se sentisse asfixiado. Ela era uma mulher forte, ele sabia. Ela tinha que ser forte para sobreviver aqui nesta floresta sozinha com o seu pai bêbado. Vê-la chorar agora quase arrancou o coração de Colin para fora do seu peito. Ele sabia que não devia ser fácil para ela chorar diante dele. Ele queria abraçá-la. Ele sentou-se no chão ao lado dela e acariciou sua cabeça, deixando-a chorar. "Então chore," ele sussurrou. "às vezes faz bem chorar, garota." Seu choro diminuiu um pouco, e Colin sorriu. Garota teimosa. Se ele pedisse para ela respirar, ele pensou que ela pudesse parar só para irritá-lo. "Vá embora!" ela disse de novo, embora com muito menos certeza. "E SE EU NÃO QUISER?" ele perguntou baixinho. Dois podiam jogar este jogo. Mulher teimosa. Ele levantou a mão, levantou os joelhos e passou seus braços sobre eles. Ela espiou as mãos dela, olhando para ele com os olhos marejados. De alguma forma, pareciam mais verdes agora — aqueles lindos olhos. Eles tinham os mais vívidos tons de verde, que ele já tinha visto. Eles se destacavam contra seu rosto sujo. Apesar de ela estar chorando, ela conseguia fazer com que eles tivessem um brilho malévolo. Colin sorriu para ela. "Isso, moça," ele brincou. "É melhor assim." "Não gosto de você, Colin Mac Brodie!" ela disse com raiva.


"Bem, não gosto de você também," ele mentiu. "Que bom!" "Mas eu quero te beijar," ele confessou e piscou para ela. Ela se virou para olhar para ele. "Então você é um patife pior do que eu imaginava!" Ela olhou para ele friamente. "Como você pode querer beijar alguém que você não gosta?" "Facilmente... quando ela tem os lábios mais belos que já vi em alguma mulher." Ela piscou, e Colin não deixou de ver o pequeno suspiro de surpresa, que ela tentou esconder. Ela colocou seus braços em cima de sua boca, tentando privá-lo da visão exuberante. "É verdade," ele afirmou, tentando limpar uma mancha negra de sua testa. Ela não protestou. Ele ansiava para colocar um dedo entre suas sobrancelhas e tentar afastar sua carranca, mas ele não o fez, não querendo abusar da sorte. Cada avanço era uma vitória, não importava quão pequena, e paciência sempre foi sua maior virtude. Suas sobrancelhas contorceram-se ligeiramente, e ele sabia que ela estava tentando ler os pensamentos dele. "Por que você veio aqui?" ela exigiu saber. "Eu te disse. Porque quero te ajudar." Não era bem a verdade. Ele não sabia por que diabos ele tinha vindo. Mas ele tinha, e agora que ele realmente desejava ajudar. Ela deu-lhe um olhar duvidoso. "Mesmo que eu acredite em você, Colin Mac Brodie, você não pode me ajudar. Foi tolice minha lhe pedir." "Talvez," ele disse, alcançando e enxugando uma lágrima que escorregava por sua bochecha. "Mas acho que posso ajudar, mas


temos que colocar as coisas em ordem," ele disse. "E a engenhoca? Você quer dizer que nunca quebrou antes de hoje?" Ela deu de ombros. "Meu pai consertava." "E por que ele não pode agora?" "EU JÁ DISSE, que ele não está bem." Colin tinha certeza de que ele tinha entendido o que ela tinha dito. Ele não estava bem? Ele se sentiu revoltado ao pensar no pai dela deitado bêbado em algum lugar, deixando sua filha trabalhar no lugar dele. Ele olhou para sua roupa suja, e viu que ela estava sozinha aqui no bosque, e sua raiva se intensificou. "Onde ele está?" Seus cílios vibraram e ela olhou para baixo. "Provavelmente dormindo." A mandíbula de Colin ficou tensionada de raiva. Que tipo de pai deixava a filha trabalhar desta forma, apenas para satisfazer seus vícios. Seu olhar caiu para os seus pés descalços. Como ele podia dormir enquanto sua filha estava sem sapatos ou comida para comer? Seu próprio da tinha falhas em abundância, e Colin as odiava, mas seu pai nunca abandonara suas responsabilidades para com sua esposa ou seus filhos — não no que dizia suprir suas necessidades básicas. Na primeira oportunidade que tivesse, Colin queria enfrentar seu da e exigir respostas pelo bem da sua filha. "E se levarmos essa... coisa..." Ele indicou a geringonça. "... para o meu ferreiro... e você pode supervisionar os reparos e falar o que deve ser feito."


As sobrancelhas dela se levantaram. "Você faria isso?" Colin assentiu com a cabeça. "Sim, moça. Eu posso levar comigo esta noite, e ele começará os reparos amanhã de manhã, quando você chegar para instruí-lo." O olhar dela se reduziu mais uma vez. "E o que você exigiria em troca?" "Só você parar de chorar." Ela lhe deu um olhar desconfiado. "Nada mais?" Colin abanou a cabeça. "Quanto a Broc, quando acabarmos com o conserto, vou te levar para se encontrar com Meghan. Minha irmã vai ajudar você, porque eu não posso." Ela estudou-lhe por um longo momento. Colin pensou que ela podia estar tentando decifrar o motivo dele. Pela primeira vez em sua vida ele não tinha nenhum motivo — a não ser aliviar sua consciência. E esta era razão suficiente. Ainda assim, ele não podia resignar-se a ajudá-la a ganhar Broc — por duas razões. Primeiro porque Broc era seu amigo. E segundo, porque mesmo que ele pudesse ensiná-la, ele tinha a certeza de que Broc jamais iria querê-la depois. Ou melhor, Meghan saberia melhor o que fazer. Mas ele estava determinado a ajudar onde podia. "E não há nada que você queira em troca de sua ajuda?" Ela parecia como se não acreditasse nele. "Só uma coisa," ele cedeu. A expressão dela disse-lhe que ela esperava que ele nomeasse a condição. "Ah!" "Eu gostaria de saber seu nome." ELA PISCOU, e a surpresa que apareceu no rosto dela fez Colin


querer rir. "Meu nome?” Ele piscou para ela. "Sim, seu nome, moça — e me perdoe por não me lembrar dele." Por um instante, ela não entendeu, e Colin pensou se ela ia dizer-lhe. "Seana," ela disse depois de um momento. Ele sorriu. "Seana," ele repetiu, testando o nome em sua boca. Eles estavam sentados juntos ao crepúsculo, rodeados pelo cheiro potente do destilado do pai dela, e Colin sentiu um prazer inebriante com o sorriso que ela lhe deu. Nenhuma cerveja ou uisge beatha podia ter feito ele se sentir tão bem como ele se sentiu com a gratidão nos olhos dela naquele momento. Ele ficou sentado com ela um pouco mais, sem se falarem, com medo de quebrar o encanto do momento. Seu corpo se sentia mais vivo naquele instante do que qualquer outro momento da vida dele. O cheiro do uisge do pai dela pairava docemente no ar misturado com o perfume da floresta. Seus lábios estavam secos. O ar da noite arrepiava os pelos dos seus braços. Todos os seus sentidos estavam aguçados. Mais do que tudo... ele queria pegá-la em seus braços e beijála... Uma brisa suave soprava nas florestas, jogando seu cabelo no rosto, escondendo seus lindos olhos. No passado, em momentos como esse, ele teria feito muito mais. Ele podia estender suas mãos e enterrar seus dedos nos seus cabelos negros. Ele podia levantar seu rosto para o beijo que ele tanto queria desde o momento em que ele colocou os olhos nela. Seu corpo se agitou com o mero pensamento. Mas ele não fez nenhuma dessas coisas, além de saborear o pensamento. Pela primeira vez em sua vida, ele tinha prazer


simplesmente pela maneira que seu corpo se sentia na sua presença, sem vontade de satisfazê-lo. E ainda assim tudo o que ele podia pensar era se ela sentia o mesmo... aquele sedutor langor no ar que fazia sua respiração ficar mais difícil. O calor que se agitava dentro do seu próprio corpo e intensificava seus sentidos... a antecipação que acelerava o ritmo de seu coração. Ela não falava, e o corpo de Colin estava endurecido com as imagens que vinham brincar nos seus pensamentos, provocando-o, tentando-o... "Obrigada, Colin,” ela disse suavemente e engoliu. Ele podia ver o movimento na garganta dela, e Colin sabia que ela estava sentindo o mesmo. O som da sua voz, tão deliciosamente baixa, como o sussurro de uma amante, fez seu coração saltar. Sua carne vibrou onde o ar fresco da noite tocava sua pele quente. Ele, também, engoliu com dificuldade. "É melhor ir para casa agora," ele aconselhou-a. ELA NÃO FALAVA, apenas olhava para ele, seus olhos verdes brilhando na floresta onde a luz se desvanecia. Ele não sabia, mas pensou que poderia haver lágrimas dentro deles. "Está escurecendo," ele sussurrou, persuadindo-a. Era melhor que ela fosse embora. Antes que ele mudasse de idéia e a seduzisse aqui onde eles estavam. Apesar de suas palavras de raiva e todo seu poder, o olhar em seus olhos neste instante dizia que se ele realmente desejasse... ela


seria sua esta noite... Ela assentiu com a cabeça. "Sim." E se levantou. Ele colocou uma mão sobre o ombro dela, não podia evitar querer tocá-la. Ele não queria evitar. Ele queria dizer-lhe para correr. Ele queria dizer-lhe para ficar. "Boa Noite," ele disse. "Te vejo amanhã?" "Boa noite," ela disse e colocou sua mão sobre a dele, em cima de seu ombro. Por um instante, ela não fez nada mais, e então tirou a mão dele e fugiu. Ela parou uma vez para olhar para trás e disse, "até amanhã.” E então ela sorriu e foi embora, desapareceu na floresta como uma fada. Colin ficou olhando durante muito tempo o lugar onde ela tinha desaparecido, vendo o sorriso dela novamente em sua mente. Tinha sido um sorriso perfeito, um que tinha brilhado até seus olhos, um sorriso que aqueceu seu coração... Com um piscar de olhos, a noite tinha caído, e agora onde ela tinha passado não havia nada a não serem sombras... e um par de olhos dourados brilhando na escuridão. Eles desapareceram no instante em que ele olhou. Colin piscou os olhos e olhou de novo, mas não havia mais nada lá. Algumas pessoas diziam que estes bosques estavam cheios de fadas e duendes e que à noite sua magia iluminava a floresta como poeiras das estrelas caindo, mas para Colin eram estórias das mulheres velhas e ele não acreditava nelas. Era provavelmente algum maldito animal olhando para ele...


talvez uma raposa ou um gato. Ele balançou a cabeça e deu uma respiração profunda para limpar seus sentidos e, em seguida, recolheu o que pôde da engenhoca partida para levar para casa com ele. Ela obviamente tinha começado um novo lote de destilado, porque o pote estava pesado com a substância. Ele odiava desperdiçá-lo, mas ele não podia carregá-lo para casa, então esvaziou um pouco no chão. Mas ele odiava perder tudo. Colin levantou o pote e então esvaziou o resto na boca. Era um destilado bom e forte, e ainda estava um pouco quente. Ele engasgou um pouco, mas não parou de beber. Ele despejou na garganta dele. Um pouco se derramou pelo seu queixo. HAVIA QUEM MEDISSE a masculinidade de um homem pela forma como ele bebia seu uisge. Colin bebia desde que teve idade suficiente para seu da enfiar a bebida pela sua boca. Uma pequena queimação nunca matou um homem, dizia seu da, mas ele não tinha tanta certeza disso. Um pouco de uisge beatha algumas vezes matava. Mas era tudo parte do jogo e nenhum homem valia seu nome se ele se esquivasse da água de fogo. Você coloca sua fé, não em Deus, mas em seu cervejeiro, e seus lábios na... boca da garrafa... ou então... que você colocasse seus lábios na boca do cervejeiro... Oh, mas seu cérebro ficou confuso, enquanto ele bebia. Este destilado era forte. Ele terminou e reuniu os pedaços da geringonça e, em seguida, foi para casa, como ele tinha prometido a ela, ignorando as brilhantes rajadas de luz que piscavam ao longo do caminho


iluminando a estrada. Pó de fada é o que parecia — se ele acreditasse nessas coisas, mas ele não acreditava... Magia vivia apenas nas mentes de mulheres velhas como a sua grandminny Fia — que Deus guardasse sua alma — e em um pequeno gole de um bom uisge beatha. E no sorriso de Seana. Ele sorriu, para a imagem que estava impressa em sua mente... e ele de repente viu que se sentia melhor do que ele tinha se sentido em anos. E não era por causa do uisge beatha.


CAPÍTULO 9

Foi o maldito uisge beatha. Maldição, mas Colin estava com uma ressaca tão grande como ele nunca tinha tido em sua vida. Esta era a segunda vez no espaço de uma semana que ele se via vomitando as tripas por causa daquela maldita bebida que ela fazia. Ele não tinha percebido até esta manhã, mas o uisge que ele tinha bebido no casamento de Meghan era da destilaria do pai dela. Quem foi o idiota que tinha adquirido esse lixo? Não tinha sido ele, e que todos fossem para o inferno. Leith, talvez. Ele tinha que falar com Leith e certificar-se de que eles nunca mais comprariam aquele mata-ratos. Se ele não a conhecesse ele pensaria que ela estava tentando envenená-lo! Rolando em sua cama, ele jogou um braço para o lado. Que Cristo o ajudasse, mas ele estava morrendo. Era isso o que queria dizer aquele sorriso secreto dela ao entrar na floresta, deixando-o lá com o pote de veneno. Ela sabia que ele ia beber e que depois ficaria deitado sofrendo, esperando para dar seu ultimo suspiro. Ela não conseguiu matá-lo na primeira vez, então ela tinha inventado uma maneira de se meter na cabeça dele e ficar lá até que ele expulsasse a luxúria e a loucura e fosse encontrá-la. E então ela poderia envenená-lo de novo. Não importava que ela não tivesse forçado a bebida por sua garganta. Ela sabia que ele ia beber.


Como ela devia saber que ele viria atrás dela. Ele tentou lembrar... será que Broc tinha passado mal com o seu destilado também? Ele achava que não, mas Cameron certamente tinha. O pobre rapaz tinha ido para a floresta e eles não o viram novamente até o final do dia. Colin gemeu em sua miséria. Ele rolou mais uma vez na cama e jogou o braço sobre os olhos para protegê-los da luz. "Alguém quer me matar," ele murmurou para si mesmo. "Alguém vai e esta pessoa pode ser Meghan," Leith disse na porta do quarto dele. "Você é sortudo por ela estar na cama do Montgomerie agora e não poder mais atormentar seus irmãos." Colin teria rido de Leith, mas ele não tinha forças. "Vá e digalhe para vir para casa!" ele exigiu de seu irmão mais velho. "Sim," Leith disse, "e ela viria até este quarto e bateria com uma vassoura na sua cabeça." COLIN GEMEU se sentindo um miserável. “Mas então ela me daria uma de suas poções, e eu me sentiria um novo homem," ele argumentou. Leith riu. "Para onde você foi... um minuto você estava lá ao meu lado trabalhando na cerca e no minuto seguinte você foi embora." "Para falar com a filha de Donal o bêbado," Colin murmurou. Leith levantou uma sobrancelha. "Ah!" ele disse "Agora eu entendo!" "Não, você não entende," Colin argumentou, cobrindo seus olhos mais uma vez. Caramba, mas ele ia morrer.


"De qualquer maneira, você tem uma moça aqui procurando por você, diz o ferreiro." Colin olhou para o irmão parado na porta do seu quarto. Leith levantou uma sobrancelha. "Ela por acaso não seria a filha de Donal o bêbado, ou seria?" "Ele está consertando a engenhoca da destilaria do pai dela," Colin respondeu em legítima defesa... ou talvez em defesa de Seana. "Eu entendo," disse Leith, sorrindo "Não, você não entende," Colin protestou mais uma vez. "Desta vez não é o que você está pensando." "E você não está dormindo fora e ficando bêbado também," Leith rebateu e riu sem piedade. "Vá para o inferno!" Colin murmurou. Ele tentou levantar-se. "Droga," ele disse e tropeçou para fora da cama. Leith riu. "Vou levar a jovem para ver Meggie hoje," Colin explicou. "Bem, é melhor você estar sóbrio, ou você nunca vai conseguir o que quer que seja. Meggie vai acabar com a sua bunda!" Colin lançou-lhe um olhar irritado. "O que lhe faz pensar que eu quero algo dela?" ele perguntou para Leith, ofendido pela suposição do seu irmão. Leith encolheu os ombros. Todo mundo sempre espera que ele queira alguma coisa? Nunca assumem que ele gostaria de ajudar? Ele pensou nisso e foi forçado a se perguntar... Quando foi a última vez que ele tinha feito algo simplesmente por causa de outra pessoa e não por causa dele próprio? Era uma pergunta difícil, mas ele ainda pensava nela quando


ele chegou à loja do ferreiro. "Eu não quero que você conserte! Ela tem que estar torta como sempre foi quando você terminar!" "OH, moça, seria mais fácil para você fazer uma nova peça do que tentar encaixar esta peça da maneira que você quer que eu faça! Eu não posso fazê-lo! Se você quer a peça torta, vou te dar uma nova!" O ferreiro levantou o tubo de cobre que ele tinha estado trabalhando e torceu com o joelho em um só golpe. "Pronto, está torta!" "Eu quero a minha peça de volta!" Seana exigiu furiosamente. "Eu conserto! Você não tem idéia do que está fazendo, homem teimoso!" Foi esta a cena que Colin viu quando entrou na loja do ferreiro. O ferreiro segurava a peça impedindo-a de pegá-la. "Colin disse para eu consertá-la e eu vou consertá-la!" ele disse para Seana, recusando-se a devolvê-la. Seana puxou a engenhoca, tentando arrancá-la dele. "Não, você não vai seu grande tolo! Ela não pertence ao Colin! Ela pertence ao meu pai! Devolva-me!" Colin estava grato da sua dor de cabeça ter passado ou ele não seria capaz de lidar com os dois. Ele caminhou até eles e pegou a peça das mãos do ferreiro. Seana tentou tirá-la dele, mas ele a segurou no alto. Ela deu-lhe um olhar que poderia embrulhar seu estomago se ele já não estivesse embrulhado por causa do uisge beatha. Ele sorriu para ela tranqüilizando-a. "Eu vou fazer com que ele conserte da maneira que você quiser," ele prometeu. E então


devolveu a peça de cobre para o ferreiro. "Conserte como ela lhe disser." "Oh, mas Colin!" "Se alguém pode fazer isso, é você esta pessoa," ele assegurou para o ferreiro. "E eu tenho certeza de que você encontrará uma maneira." A cara do homem mais velho se contorceu com nojo. "Como se eu não tivesse nada melhor para fazer!" ele queixou-se, pegando a peça da mão de Colin. Ele voltou para sua bancada. "Mas eu não vou levantar nem um dedo para fazer o conserto enquanto ela continuar na minha presença," ele jurou e se recusou a trabalhar enquanto eles permanecessem. Ele cruzou os braços e inclinou-se contra seu banco, esperando ansiosamente eles saírem. "Hmmph!" Seana exclamou. "Não se preocupe," Colin disse para o homem. "Nós estaremos fora do seu caminho em um minuto." "Eu não vou!" Seana protestou. Colin inclinou-se para sussurrar em seu ouvido. "Um homem tem o seu orgulho, moça." O cheiro da pele dela era doce, como a grama verde fresca e a luz do sol, distraindo-o momentaneamente. Mais do que tudo, ele gostaria de colocá-la deitada em algum prado e fazer amor com o seu doce corpo... OH, Deus, como ela podia afetá-lo assim mesmo no estado miserável que ele se encontrava? "Ele vai corrigi-lo para você como você quiser. Você tem a minha palavra." Ele deu-lhe um olhar de súplica, do tipo de que


reservava para Meggie quando ele precisava da ajuda dela e ela não queria lhe ajudar. Sua irmã sempre foi o seu maior desafio. Ela não podia ser seduzida pelo seu charme — ela era a irmã dele, afinal. "Muito bem," ela cedeu. Colin sorriu e fez um carinho no queixo dela. Ele deu-lhe uma piscadela, saboreando o fato de que ela não era totalmente imune a ele. "Vamos nos encontrar com a Meghan, moça." Toda a esperança não estava perdida, ele pensou, mas o que ele podia esperar, ele não tinha idéia.


CAPÍTULO 10

E

ra uma longa caminhada para a casa de Meghan, mais longa do que Seana tinha imaginado, mas ela não se importava. Verdade fosse dita, esta manhã ela estava desfrutando a companhia de Colin. Ele era encantador, quando ele queria ser, e ela podia entender por que as mulheres se sentiam atraídas por ele, além do seu lindo rosto. No entanto ela não podia dizer isso para ele. Não era nem mesmo fácil de admitir para si mesma. Para ela parecia que algo havia mudado entre eles. Depois da noite passada, ela sentia certa gratidão por ele que ela não esperava sentir. Mas, além disso... outra coisa também estava diferente. Hoje havia companheirismo entre eles, e ela podia ver que ele, também, estava gostando da intimidade entre eles. Apesar do fato dele parecer doente esta manhã, ele estava jovial e brincalhão e não tinha se queixado nem um pouco quando ela se recusou a subir no seu cavalo. Ele desmontou e, segurando o animal pelas rédeas, caminhou pacientemente ao lado dela, mesmo quando as pernas dela ficaram cansadas e seu coxear ficou evidente. Seana não tinha medo do animal. Era uma linda égua negra e parecia mansa, mas ela não tinha seus membros reforçados para que pudesse se permitir a ser transportada sobre ela. Não, era bom


andar. Se as pernas dela doessem um pouco, era um pequeno preço a pagar pela simples alegria de colocar um pé diante do outro. O pior de tudo era seu coxear por causa da longa caminhada que a traía agora, e ela estava certa de que era por isso que o clima tinha se tornado mais calmo entre eles. Seana não perdeu o olhar dele estudando suas pernas, embora ele fingisse ignorá-las. Ele estava inquieto, ela podia dizer pelo seu silêncio, embora não pudesse dizer se ele se sentia repelido pela debilidade em si ou se era simplesmente sua culpa que o fazia evitar olhar para ela. Em qualquer caso, não importava. Era um problema para ele superar, ela decidiu, porque ela já tinha lidado com isso. Não tinha sido fácil, mas ela tinha encontrado uma maneira de gostar dela mesma apesar das fraquezas do seu corpo... e talvez até mesmo por causa delas. Colin Mac Brodie tinha seus próprios demônios para superar, Seana percebeu. Mas Colin não era problema dela agora. Ganhar um marido era, e encontrar um lugar melhor para seu da colocar a cabeça. "Você tem certeza de que você não quer montar, moça?" SEANA LANÇOU um olhar para ele. Ela sorriu para ver se ele aliviava as rugas da testa e brincou com ele, "você já está cansado, Colin Mac Brodie?" Ele sorriu de volta, apesar de suas linhas de preocupação não terem desaparecido completamente. "Talvez eu esteja" ele respondeu, mas Seana, de alguma forma, sabia que esta resposta era apenas para seu benefício.


"Sim," ela concordou, provocando-lhe, "você não me parece bem, é verdade." Ela olhou para ele com preocupação e não tentou sorrir quando ele ficou ofendido. "O que você quer dizer com eu não pareço estar bem!" "Que você não parece," Seana respondeu, em seu tom mais inocente. Suas sobrancelhas se uniram. "Você parece um tanto frágil, na verdade." Ela continuou a provocá-lo, embora não fosse inteiramente mentira. Ela duvidou que ele estivesse acostumado a ouvir essas coisas das mulheres com quem ele estava acostumado a se relacionar. "Frágil!" ele exclamou e parecia irritado por ver que ela pensava assim. "Bem, você não quer que eu minta para você, ou quer?" ela falou, franzindo os lábios para não rir da expressão dele; uma mistura de surpresa e perplexidade e talvez angústia porque ela não o achava perfeito. Oh, mas ele era perfeito... aquela cara... aquela boca... aquele corpo... Seana tentou não pensar nisso. Ele estava tentando decidir se ela estava falando a verdade, e Seana resolveu deixá-lo pensar que ela tinha sido sincera. Faria bem para ele, ela pensou, para que ele ficasse um pouquinho menos certo de si mesmo. Todos sofrem insegurança em algum momento da vida... exceto Colin Mac Brodie. Oh, mas não era normal ser tão seguro de si. Seana decidiu que um pouco de humildade lhe cairia bem. "Bem, você também não parece estar bem," ele disse. Seana estava certa que não, e ele achar isso não era nenhuma


grande surpresa. "Não?" ela perguntou o seu tom completamente desprovido de preocupação. "Não!" "Oh, bem," Seana lamentou e aumentou seu ritmo. Ela não ia confessar que tinha um bom motivo, porque a perna dela, na verdade a incomodava. "Acho que devemos montar," ele persistiu. "Não, obrigada," rebateu Seana teimosamente. "Oh, mas você mesmo disse moça, que eu não pareço estar bem! Tem dó de mim e monte na égua comigo!" Seana deu-lhe o seu sorriso mais agradável. "Você pode montar se quiser. Não me importo." Ela percebeu que ele estava ficando frustrado, mas ela não precisava da sua preocupação. "Eu nunca montei um cavalo na minha vida," ela confessou, tentando tirar a atenção dele da sua perna, "e eu não preciso começar agora." ELE PARECIA SURPRESO COM ISSO. "NUNCA?” "Nunca. Nem todo mundo nasceu com tais luxos, Colin Mac Brodie!" "Ela não vai lhe fazer mal, moça." Seana continuou a andar, sua expressão alegre, ignorando seus apelos. "Eu sei." "Mulher teimosa!" Seana deu-lhe um aceno de acordo. "Meu da sempre diz isso também. Mas se eu não fosse tão teimosa, eu acho que não seria capaz de andar hoje. Ser teimosa às vezes não é uma má idéia, Colin Mac Brodie!" Ela tinha lhe dado uma abertura, ela sabia, mas ela queria falar


sobre isso com ele. Sua perna não era algo para se ter pena ou medo ou menosprezo. Também não era algo que não se devesse falar. Era simplesmente um fato da vida, um obstáculo a ser superado — e ela certamente tinha feito isso! Ainda assim, ele não parecia capaz de fazê-lo. Ele abriu a boca para falar, ela viu, mas em seguida, fechou-a novamente e voltou a manter seus próprios pensamentos em segredo. Suas sobrancelhas permaneceram fechadas, e ele olhava para o chão onde pisava, meditando. Será que ele estava preocupado com o conforto dela? Ou ele estava simplesmente desconfortável na presença dela agora que seu coxear tinha se tornado perceptível? Nenhuma das opções a satisfaziam, mas a segunda a perturbava muito mais do que a primeira. Trazia para ela muitas lembranças dolorosas. "Não sinto nenhuma dor," ela mentiu, dando-lhe o benefício da dúvida. "Não se preocupe comigo, Colin." Colin sabia que era mentira. Ele podia dizer pelo jeito que ela estremecia a cada passo que dava. Ela não estava mesmo ciente do gesto revelador, ele pensou, mas, no entanto estava lá. Ele estava tentando descobrir uma maneira de colocá-la em seu cavalo, mas a não ser pegá-la e jogála sobre sua montaria, ele não via uma maneira de conseguir. A cada passo que ela dava, sua consciência perturbava-o cada vez mais. Em todos os anos passados, ele nunca tinha tido consideração por ela — nem sua dor física nem a emocional — e neste momento ele não gostava de si mesmo por sua falta de compaixão. Ele era um homem egoísta, que só pensava em si mesmo. Então como ele


podia ter tido consideração por ela? DURANTE TODA A MANHÃ ele tinha tentado se lembrar de... uma única vez que ele tivesse dado o seu suor por alguém sem se preocupar com o que ele receberia em troca. Ele não conseguia pensar em uma única vez. Isso o perturbava. Ele sabia que seu irmão não queria atormentá-lo esta manhã, mas ele tinha sido a segunda pessoa no espaço de dois dias que tinha lhe dito que ele era egocêntrico e egoísta. Durante toda a sua vida ele tinha sido o centro da atenção de alguém, mas nunca tinha pedido isso. Não era como se ele implorasse por atenção ou favor. Ele simplesmente recebia. Nunca realmente lhe ocorreu que ele nunca tinha dado algo em troca, porque ele simplesmente assumia que não era o que as pessoas esperavam dele. Mas agora era evidente para ele, como a vida podia ser injusta para alguns, enquanto favorecia outros tão generosamente. Tinha sido dada para Seana uma cruz para carregar, e ela tinha suportado tudo com dignidade. E até o presente momento ela a carregava com o mesmo orgulho que ele tinha visto nos olhos dela há tantos anos atrás. Ele a admirava. Ele queria ajudá-la. Mas ele se sentia impotente porque ela não deixava, o que o levou a pensar como deveria ter sido difícil para ela vir a ele e pedir sua ajuda para ganhar o amor de Broc. Agora ele se sentia mal por ter se recusado de uma maneira tão rude, particularmente porque ele tinha feito isso tão somente por causa de seu orgulho ferido. Realmente não havia nada de errado com o que ela estava fazendo.


Ela alegou que amava Broc, e o que estava errado com a tentativa dela de ganhar a atenção dele? Na verdade nada. Broc seria um homem de muita sorte por ter uma mulher como Seana. Colin estava começando a ver quão afortunado ele seria. Apesar de se sentir incomodado por ela querer seu melhor amigo, ele pretendia fazer o que pudesse para ajudá-la. E se ele não pudesse ajudá-la diretamente, ele sabia que Meghan poderia. Ele não era bastante caridoso para entregar alguém que ele queria para si mesmo. Certo ou errado, era a maneira que ele era. Ele não podia evitar — não queria ajudar por algo que ele não queria dar. Droga, ele queria ela para ele. Não queria uma maldita esposa. Mulher teimosa. Como o diabo é que ele ia colocá-la no seu cavalo? DESESPERADO, Colin fingiu tropeçar. Ele tropeçou, deu um pequeno grito, e rolou do seu cavalo. Ele não queria assustar o animal e se matar simplesmente para que ela parasse de andar a pé, mas isso foi praticamente a única coisa que ele pôde pensar em fazer. Ela correu até ele, seu olhar com tanta preocupação que Colin teve que se forçar a não rir. "Oh meu Deus!" ela exclamou. "Você está bem?" Ela pegou suavemente a cabeça dele com suas mãos embalando-o. Aqueles lábios estavam de repente tão perto dele... tão perto e


ele fez uma careta, embora não fosse de dor. Ele teve que lutar contra seus instintos para não puxá-la para baixo e beijá-la, e deslizar sua língua entre seus lábios macios, cheios. Seu corpo se agitou com o cheiro da sua pele. "O que diabo foi isso?" ele perguntou confuso, embora não por causa da sua queda. Raios que o partissem se ele tivesse que fingir que estava confuso. O cheiro dela distorcia o cérebro dele. Balançando a cabeça tentando tirar esses pensamentos, ele olhou para o caminho de onde eles vieram. Ela olhou por cima do ombro, estudando o terreno tentando ver alguma pedra ou rocha onde ele podia ter tropeçado. Seu cavalo ficou pacientemente parado, assistindo-os. Neste instante, Colin não se importava se ele tinha caído ou não. A doce curva do peito dela era a vista mais bonita do que qualquer uma que ele tinha visto há muito tempo. Um homem daria de bom grado sua vida para proteger esses seios. Ele engoliu e esbofeteou mentalmente suas próprias mãos que queriam alcançar aquelas ondas suaves, pois suas mãos estavam com fome... Seu olhar voltou para ele depois de um momento, e sua expressão tornou-se duvidosa. Garota esperta. “O que foi?" "Nada" ela respondeu. "Eu não vejo nada." E estreitando suas sobrancelhas. "O que aconteceu?" "O que aconteceu?" Colin piscou os olhos, dando-lhe um olhar verdadeiramente bestificado. Ele tinha se jogado no chão, sem saber o que falar.


Como diabos ele deveria saber o que tinha acontecido? "Eu tropecei," ele mentiu. Aqueles lábios sensuais se curvavam em um sorriso astuto. "Entendo." Colin fingiu uma careta de dor. "Eu não acho que eu posso andar agora." ELA DEIXOU a cabeça dele cair no chão duro, sem misericórdia. "Oh, coitadinho!" ela exclamou e deu-lhe um olhar que lhe disse que ela sabia precisamente o que ele estava tentando fazer. E ela não parecia gostar. Colin fez uma careta de verdade desta vez. Ele já tinha tido uma dor de cabeça gigante por causa do seu destilado, e agora a dor tinha sido agravada pela batida da sua cabeça contra o chão. "Eu suponho que você agora vai ter que montar," ela lhe disse muito docemente. "Eu não quero que você se sinta desconfortável," ela assegurou-lhe e batia seus cílios para ele. Moça esperta, mas se funcionasse ele não se importaria se ela soubesse seu jogo. Ele sorriu contente porque seu plano estava funcionando. "Você pode montar, Mac Brodie, mas eu vou caminhar!" E ela sorriu para ele, o sorriso mais brilhante que Colin já tinha visto. Maldita mulher! Ele pensou e franziu a testa. Ela e Meghan se dariam muito bem. "Só mais uma coisa," Colin disse e segurou o braço dela, quando ela tentou se levantar. Ela olhou para ele, inteiramente feliz consigo mesma. "Sim?"


Ele empurrou-a até onde ele estava deitado, puxando-a para cima dele. As mãos dele a prenderam quando ela estava caindo. Ele podia perdê-la para Broc, mas não antes de ele provar aqueles lábios doces. "Ayeeeee, o que você —" Colin a silenciou com seu beijo, sem lhe dar tempo para resistirlhe. Ele deslizou a língua entre os lábios dela para roubar o néctar delicioso da sua boca. Era mais forte do que ele esperava... doce, ao contrário de qualquer lábio que ele já tinha beijado em toda a sua vida... Ela não o beijou de volta, mas também não o empurrou, e ele teve que lutar contra a vontade de deslizar suas mãos para baixo para testar a curva doce do seu corpo. "Perdoe-me, moça," ele sussurrou perto da sua boca. "Tive de fazê-lo... Seana piscou surpresa. Ela estava tão atordoada pelo seu beijo que se esqueceu de protestar. As mãos dela tinham ido para o pescoço dele contra a sua própria vontade. Não foi até que ela precisou respirar que percebeu que não tinha oferecido nenhuma resistência, e as bochechas dela ficaram vermelhas. Ela empurrou a cabeça para trás alarmada. OH e ela estava deitada em cima dele! E mais... ela estava completamente sem fôlego... e muito consciente de cada pedaço de seu corpo por baixo dela. Uma perna dele apareceu de repente sobre ela, entrelaçada


nela, abraçando-a. Seu corpo se movia contra ela provocativamente e Seana ficou tonta com as sensações que ele despertava nela. Ela congelou. Ele sorriu para ela, seu sorriso era envolvente demais para permitir que a raiva dela permanecesse por causa da ousadia dele. Sem nenhum tipo de auto-aversão, ela percebeu que uma parte dela o queria — o malandro! Como ele podia fazê-la esquecer sua própria determinação? Ela levantou uma sobrancelha. Dois podiam jogar este jogo. Ela não era nenhuma moça boba cujo cérebro se derretia meramente com o seu olhar. Ele não podia suportar que ela não o quisesse, será que ele podia? Ela podia ver nos olhos dele. Seu orgulho estava ferido porque ela tinha se atrevido a querer seu amigo em vez dele. Bem, se ele pretendia dar-lhe algo para pensar... então, ela também poderia... Seana deu um leve sorriso e se descansou em seus braços, deixando-o segurá-la. Das pontas dos seus dedos até os lábios... ela apertou lentamente seu corpo contra ele, vendo seus olhos se transformarem de um brilho de divertimento para um lampejo de surpresa. Quando ela pressionou os lábios contra os dele, mais uma vez, o gemido de prazer que escapou de suas bocas unidas era o dele. "Oh, moça!" ele exclamou suavemente, seus braços sobre a cintura dela. "O que foi?" ela perguntou-lhe um pouco timidamente. Levou um momento para responder. "Bem," ele disse, depois de um momento confuso, "Eu não acho que você precisa de alguém para te ensinar a beijar." Ele suspirou e olhou para ela, os olhos brilhando e Seana pensou por um instante que ela tinha conseguido


confundi-lo um pouquinho. Ele piscou para ela, e ela viu que ele estava brincando com ela. "Continue," ele disse para ela, sua expressão um pouco lamentável, "e Broc não terá nenhuma chance." Seana riu suavemente, sentindo-se muito satisfeita com ela mesma sobre sua reação, apesar de sua atitude arrogante. Talvez, apenas talvez, seu professor tivesse ainda algumas coisas a aprender? E a própria noção de alguma forma, lhe dava prazer.


CAPÍTULO 11

O

lhar para Meghan Montgomerie dava uma sensação de inferioridade, mas ao mesmo tempo estar na presença dela dava uma sensação de se sentir melhor. Ela era tão linda que mesmo Seana não podia fazer nada além de ficar olhando para ela, e Meghan tinha um jeito de falar com as pessoas que fazia com que elas se sentissem importantes. Elas nunca tinham se conhecido antes de hoje, mesmo assim, Meghan a recebeu de braços abertos, tratando-a como se fosse uma irmã que ela não via há muito tempo. Um olhar nos olhos de Meghan e Seana compreendeu porque Piers de Montgomerie não tinha se importado com a maldição das mulheres Brodie. Não havia nada de "louco" em Meghan Brodie e seus olhos eram os mais sagazes que Seana já tinha olhado. Na verdade, seus olhos faziam Seana um pouquinho desconfortável, pois eles pareciam perceber tudo em demasia. Havia coisas que Seana preferia manter para si mesma. Ela e Colin chegaram na hora de compartilhar a refeição do meio-dia com os Montgomeries. Pelo que Seana reparou, era a primeira vez que Colin Mac Brodie compartilhava a mesma mesa com Lyon, e ele estava visivelmente desconfortável com a ocasião. Os dois homens estavam. Oh, mas ela não sabia por que ela devia se importar, mas resolveu tornar tão indolor quanto possível para


Colin. Ela sabia como era sentir-se só, ser a pessoa que não fazia parte da turma. Deixando de lado suas próprias dúvidas por enquanto, ela deu toda a sua atenção para Colin e esperava que ele sentisse um senso de companheirismo. Não importava para Seana se Montgomerie pensasse que eles eram amantes. A irmã de Colin saberia a verdade em breve, e ela agradeceria a Seana ter cuidado de seu irmão. O único problema era... Seana nunca tinha comido estas coisas em sua vida. Ela raramente comia carne, e nunca tinha visto carne deste tipo. Ela e seu da apenas comiam o que a floresta e os rios forneciam e Seana não conseguia imaginar como uma pessoa podia engolir um pedaço de carne do tamanho deste javali. Ela olhou para a carcaça que estava diante deles na mesa e se perguntou, sinceramente, se estava lá apenas para ser visto. A boca do animal estava recheada com uma maçã, e a maça estava enfeitada com penas do rabo para parecer como um pequeno pássaro. SEANA OLHOU PARA COLIN, vendo-o conversar com Lyon, desejando que ele lhe desse alguma pista do que fazer com a maldita comida, mas ele começou a falar longamente sobre a cerca. Os dois homens começaram um debate acalorado sobre quem tinha sido originalmente responsável pela rivalidade, e quem deveria ser responsabilizado pelos reparos. Por causa de Meghan, ela sabia que eles iriam manter a conversa num tom civilizado, mas Seana compreendia a conversa oculta entre eles.


"Bem, agora... se vocês estão atribuindo a nós a responsabilidade," Meghan interrompeu com um tom despreocupado, "talvez possamos fazer Alison MacLean ser responsável pela cerca?" Ela olhou para seu marido e para seu irmão e sorriu. As sobrancelhas de Seana se levantaram em surpresa. "Afinal," Meghan continuou, "ela começou. Foi Alison quem levou a primeira cabra, não foi? Se você me perguntar, eu acho que ela deve ser a responsável em colocar a cerca! Você não acha Seana?" Seana não sabia o que responder. Ela piscou confusa com a pergunta, até que olhou diretamente para os olhos de Meghan e entendeu a intenção dela. Seana teve que resistir à vontade de rir. Meghan era uma mulher que seguia seu próprio coração. Seana resolveu jogar o jogo dela. "Oh, sim!" ela exclamou. "E também acho que ela deveria cortar a madeira, também!" Meghan assentiu com a cabeça dando seu de acordo, olhando muito séria. Os dois homens simplesmente se olharam como se estivessem pensando que tanto Meghan quanto Seana estavam loucas. "Oh!" Meghan disse, então, "e eu acredito que ela deva fazê-lo enquanto todos estejam olhando." Seana concordou. "Na verdade, deveríamos todos trazer cestas de piquenique e nos sentarmos para podermos observar que ela não está fazendo nada errado!" Lyon e o Colin permaneceram em silêncio, curiosamente olhando para elas. "Sim!" Meghan exclamou, soando cruel e Seana podia ver o


olhar perverso que apareceu em seus olhos, exceto que ela estava certa de que Meghan não queria dizer nada disso. "Oh, e alguém deve trazer um chicote, caso ela decida parar para beber água!" Lyon Montgomerie levantou uma sobrancelha e estudou sua esposa com um olhar divertido no rosto dele. Meghan piscou para Seana, estendeu a mão com um punhal pequeno e esfaqueou o lombo de javali. "Vamos fazer isso!" ela declarou e começou a cortar um pedaço da traseira do animal. Ela entregou a carne para Seana e voltou a cortar um pedaço da perna para si mesma, que ela então passou a comer com os seus dentes perfeitos... dentes tão brancos como os de Colin. SEANA NÃO CONSEGUIU EVITAR. Ela caiu na gargalhada. Meghan Montgomerie com sua beleza delicada estava absolutamente ridícula comendo uma enorme fatia de carne e fazendo palhaçada. Ela piscou para Seana novamente e então, jogou o osso, ainda cheio de carne, atrás dela para o gato, que foi até ele para cheirá-lo e, em seguida, piscou para sua dona com uma expressão tão confusa quanto a que Colin tinha agora em seu rosto. Colin abanou a cabeça. "As mulheres são muito estranhas!" Lyon Montgomerie assentiu com a cabeça vigorosamente em acordo. Meghan levantou-se de seu assento na mesa. "Venha, Seana!" Ela pegou alguma comida para carregar com ela e acenou para Seana fazer o mesmo. Seana levantou-se um pouco hesitante, lançando um olhar para Colin. Ele acenou encorajando-a e Seana pegou alguma comida da mesa e seguiu Meghan.


"Homens!” Meghan exclamou quando elas estavam longe para eles ouvirem. "Oh, como eles gostam de discutir por bobagens," ela acrescentou, "eles podem muito bem brigar sozinhos!" Seana realmente não sabia o que dizer. Ela não tinha a menor experiência com famílias ou brigas ou qualquer outra coisa nesse sentido. Ela e seu da nunca tinham brigado. Nem era a sua casa para ela falar qualquer coisa, quando ela nem sabia quais eram as circunstâncias. "Vivi toda a minha vida com os homens," Meghan disse para ela. "Se eles são irmãos ou marido não importa, pois eles são todos iguais! Tolos teimosos! Deixaremos o Colin e Lyon resolverem isso," ela disse, "e espero que eles percebam que não importa de quem é a culpa. O que está feito está feito, e agora é hora de esquecer e seguir em frente!" Seana concordou plenamente, e ainda assim, ela não sabia se aqueles dois homens deviam ser deixados sozinhos. Ela olhou para a mesa enquanto subia as escadas atrás de Meghan, pensando que os homens eram conhecidos por matar uns aos outros por muito menos. "Mas você acha mesmo que nós devemos deixá-los? Eles podem se machucar." Meghan acenou com uma mão, descartando esta afirmação. "Eles devem ficar suficientemente bem sozinhos. Colin tem um gênio difícil — mais até do que os meus outros irmãos — mas Lyon prefere debater algo até a morte. Agora, me diga," Meghan exigiu, mudando de assunto e levando-a pelo braço enquanto elas fugiam para o andar de cima, "há quanto tempo você conhece o meu irmão?" Era evidente no olhar dela e no entusiasmo em seu tom, que


ela não tinha entendido o motivo de sua visita. Seana ficou feliz pelo simples fato de Meghan recebê-la tão carinhosamente, mas ela certamente não gostaria que ela pensasse que ela e Colin — que Colin e ela — esta noção era impensável! Por algum tempo, ela quis responder a verdade, e não se importava de explicar. "ACABAMOS de nos conhecer no seu casamento," Seana disse, e de muitas maneiras era a verdade, "mas não é o que você está pensando!" ela protestou imediatamente e começou a explicar. Ela contou para Meghan tudo... sobre Broc... sobre pedir para Colin ajudá-la... tudo, exceto a verdade pungente sobre como ela e Colin haviam se conhecido muito tempo atrás. De alguma forma, no momento, isso não parecia importar. Seana parou mais uma vez no topo da escadaria tentando ouvir o que estava acontecendo no salão. Meghan não perdeu seu suspiro suave quando o olhar dela caiu em cima de Colin. Ela se virou para olhar para seu irmão. Ele não estava ouvindo nenhuma maldita palavra que Piers estava dizendo para ele, e Meghan sorriu com prazer. Ela escutava Seana sem interromper, mas depois de ver os dois juntos na mesa, ela sabia que não era o que parecia. Estes dois tinham alguma coisa mais — era óbvio pela maneira que eles olhavam de soslaio quando um pensava que o outro não estava olhando — da forma que ela tocou seus lábios quando olhou para Colin — e da maneira que ela corou agora quando garantiu para Meghan que não havia nada entre eles. "Eu realmente amo Broc," declarou Seana e Meghan sorriu.


Meghan pensou que talvez Seana protestasse um pouquinho demais. "Claro que sim," Meghan disse agradavelmente. "Todo mundo adora Broc. Você não pode fazer nada a não ser amar aquele brucutu. Colin estava certo em te trazer aqui! Nós vamos fazer tudo o que pudermos para que você o ganhe!" Seana piscou os olhos. "Broc?" ela perguntou. "Claro," respondeu Meghan e Seana deu um longo olhar por cima do ombro de Meghan na direção de Colin. Meghan lançou outro olhar atrás dela e então quase teve que empurrar Seana pelas escadas, porque era óbvio que ela queria ficar parada lá para sempre. Colin tinha virado seu olhar para Seana várias vezes. Ela sorriu um sorriso secreto enquanto elas faziam seu caminho para o seu quarto, pensando que finalmente o irmão dela tinha encontrado a mulher que ia fazê-lo ficar de joelhos. E já era tempo!


CAPÍTULO 12

C

ameron ia bater no bumbum de Constance quando a encontrasse. Já estava ficando escuro e ninguém conseguia encontrá-la. Sem dúvida ela estava de novo perseguindo Merry. O pobre animal era sempre perseguido por ela, embora Merry parecesse inclinada a gostar das palhaçadas de Constance. Ela parecia entender que Constance era apenas uma criança — uma moleca, sem dúvida — mas não obstante uma criança. Não havia esperança para sua irmã. Desde a morte de seu da, ela tinha se tornado incontrolável — mesmo antes disso, porque na verdade eles eram homens e não tinham noção do que fazer com uma garota. Eles poderiam ensiná-la a cuspir e a mijar de pé, mas isso era tudo que eles podiam fazer. Por Deus, ele nem sabia onde ela estava na maior parte do tempo. Se ela não se jogasse na sua cama todas as noites para abraçá-lo, chorando um pouquinho, ele nem saberia que ela estava por lá. Era naqueles momentos que ele mais odiava os ingleses, pois eles privaram sua pequena irmã de seu da que ela amava. Ele já era um homem feito e podia se virar sozinho, mas Constance... ela precisava de piscadelas e tapinhas na cabeça e às vezes um tapa firme no seu bumbum para mantê-la fora de problemas. Cameron odiava lidar com o inglês — assassinos bastardos era


o que eles eram! Mas ele estava convencido de que a filha de FitzSimon tinha envenenado a mente de Iain. Ninguém ousava falar da morte de Lagan desde o incidente. Era como se todos juntos tivessem decidido fingir que ele não tinha existido e que ele não tinha morrido tão violentamente e tão injustamente. Os acontecimentos daquela noite foram cercados em segredo, e Cameron não conseguiu saber dos detalhes com o seu primo Broc, embora tivesse perguntado inúmeras vezes. Broc geralmente lhe respondia com silêncio, e quando ele finalmente resolveu dar uma resposta, ele simplesmente disse para Cameron perguntar para o seu laird e assegurou-lhe que se Iain quisesse que ele soubesse, Iain lhe contaria. Mas Cameron sabia que ele não podia perguntar para Iain. Tinha sido Iain quem tinha ordenado este silêncio. O que tinha acontecido naquela noite quando Lagan e Page tinham ido até o despenhadeiro, Cameron não sabia, mas apenas Page tinha voltado. Lagan não tinha. E o simples fato que Iain pudesse ignorar a morte de Lagan tão friamente quando ele e Lagan tinham sido sempre muito unidos... o fato de que ele pudesse continuar com sua noiva como se os dois não se importassem com nada no mundo... lhe dizia que Iain não era ele mesmo. SIM, quanto mais cedo ele removesse a moça do meio deles tudo retornaria à forma como deveria ser. Page FitzSimon não era boa para Iain — nem para Broc! Ele nunca tinha visto seu primo tão enamorado de uma moça em toda a sua vida. Broc podia negá-lo, mas estava lá nos olhos dele — ele a tinha em alta estima e respeito. Ninguém podia falar


uma única palavra contra ela. Era como se ele mesmo houvesse se nomeado seu guardião em nome de Iain. Mas era óbvio para Cameron que seu primo ficou abalado e se era óbvio para Cameron devia ser óbvio para todas as outras pessoas. E onde isso levaria Broc e Iain no final? Page em breve faria com que um arrancasse a garganta do outro! Sim, era melhor levar a moça para longe de todos que gostavam dela. Ele sentia-se culpado de fazer tudo pelas costas de Broc e Iain, mas uma vez que Page fosse embora, e eles pudessem ver claramente de novo, eles lhe agradeceriam. Ele tinha a certeza que sim. Oh, mas seu da era um bastardo da pior espécie. Ele certamente não queria que sua filha voltasse de novo para seu rebanho. Mas isso não era problema de Cameron. Cameron encontrou o acampamento de FitzSimon com bastante facilidade. Como ele ainda não tinha sido descoberto era um mistério para ele. Os ingleses eram um bando de arrogantes mimados. Como ele se considerava intocável e não se importava que soubessem de sua presença, ele deixou sua bandeira voando no alto da sua tenda de seda berrante. Cameron podia não ter a experiência de Iain ou de Broc, mas nem mesmo ele entendia a estupidez em anunciar seu paradeiro no meio do território inimigo. Se um homem não queria ser apanhado, ele dormia no chão e cobria-se com samambaia. Se ele fosse idiota suficiente para ser visto, certamente traria mais do que sete homens inúteis para entrarem em combate. Mas FitzSimon era um cretino inglês que evidentemente se importava mais com seu próprio conforto do que com sua vida. Se


Cameron não acreditasse que ele merecia sua maldita filha de volta, ele estaria inclinado a mostrar ao bastardo Sassenach como era lidar com homens de verdade — chamá-lo de menino, que audácia! "Estou aqui para ver FitzSimon," ele disse para os três homens que o cumprimentaram — se por acaso o gesto pudesse ser chamado de saudação. Fazendo-se como uma barreira humana, eles se colocaram entre ele e seu pequeno acampamento. Cameron olhou para eles com uma cara divertida. Os idiotas não sabiam nem como tratar um aliado. "Agora?" o homem do meio perguntou. Ele olhou para Cameron com olhos brilhantes. "Agora." Cameron cuspiu no chão a seus pés. Ele balançou a cabeça para eles. "Vocês não são muito inteligentes," ele os informou. "Vocês não acham? OOF!" ele exclamou quando um dos homens deu um soco no seu estomago. Ele não viu qual deles, porque de repente todos caíram sobre ele, espancando-o. "O QUE DIABO está acontecendo aqui — deixe-o!" uma voz falou em alto tom. "Pensem seus imbecis! Não precisamos lhe dar algo mais para explicar!" Cameron reconheceu a voz, embora ele não tenha conseguido ver FitzSimon por causa da montanha de homens em cima dele. Ele lutava embaixo deles e gritou quando chutaram sua virilha com um joelho. "Escoceses bastardos!" "Traga-o para dentro!" FitzSimon ordenou. Eles arrastaram-no na direção da barraca do seu mestre —


todos eles eram capachos de FitzSimon! Cameron aterrissou na tenda aos pés de FitzSimon. O bastardo gordo inglês estava sentado em uma maldita cadeira! O que estava errado nesta cena? Ele pensou. Ele olhou para o homem com olhos que já estavam começando a ficar inchados dos golpes, enquanto o sabor de sangue pairava em sua língua. Ele ouviu um riso abafado atrás dele e decidiu que ele ia matar um destes idiotas antes deles partirem. Sim, ele ia ajudar FitzSimon a obter sua filha de volta, tudo bem, porque era importante, mas o sangue de um destes vermes inglês ia alimentar o solo escocês antes deles partirem! Cameron olhou para a figura embaçada de FitzSimon sentado diante dele. "É desta maneira que você trata seus aliados, FitzSimon?" FitzSimon inclinou-se para frente, ficando mais clara a visão dele para Cameron. "Eu não tenho aliados," ele disse baixinho. Ele acariciou a cabeça de Cameron. "Rapaz," ele falou e sorriu. Cameron arrastou-se até ele, limpando o suor do rosto. Ele olhou para sua túnica. Sangue. Malditos bastardos Sassenach! Como diabo eles tinham tirado tanto sangue dele num período tão curto? Ele olhou por cima do ombro para eles, com um olhar malévolo. Eles caíram na gargalhada. O rosto da Cameron ficou vermelho, uma mistura de desgosto com raiva. Eles estavam montando guarda na entrada da tenda, bloqueando-a. Cristo, mas ele tinha vindo por vontade própria. Idiotas. "Onde está minha filha?" "Eu já te disse, FitzSimon! Eu não vou arrastá-la da cama de


Iain. Não tive nenhuma oportunidade para trazê-la para você." "Estou ficando impaciente, rapaz," ele disse, fazendo uma pobre imitação do sotaque do escocês. Isso irritou Cameron, mas ele não disse nada. Algo estava muito estranho aqui. Eles nunca o tinham tratado com um mínimo de respeito, mas algo não estava certo. "EU VIM para lhe dizer sobre uma nova oportunidade," Cameron começou. FitzSimon inclinou a cabeça dele, para ouvir. "Sim?" Havia um brilho novo em seus olhos, algo que incomodou Cameron. "Bem, fala homem!" FitzSimon exigiu, embora não estivesse com raiva. De alguma maneira, o tom dele demonstrava uma paciência que era desconcertante. "O casamento de Alison MacLean será em alguns dias," Cameron começou, e ao mesmo tempo estudava a expressão de FitzSimon. "Isso é um fato?" FitzSimon perguntou alegremente. Cameron contorceu seu rosto — oh, mas isso doía. "Sim," ele respondeu. "Vai ser a oportunidade perfeita para você recuperar sua filha," ele explicou. "Se você não conseguir fazer isso lá, será quase impossível fazer em qualquer outro lugar — ela e o MacKinnon estão sempre juntos." "Entendo," FitzSimon disse, concordando. O problema é que... estamos ficando sem tempo. É só uma questão de tempo antes de sermos descobertos aqui. " Cameron concordou, acenando. Caramba, mas alguém tinha lhe dado um golpe forte.


"Mas não vou voltar para a Inglaterra sem a minha filha," FitzSimon continuou. "Você me entende?" Cameron acenou com a cabeça e seu olhar se encontrou com o de FitzSimon. FitzSimon era um homem frio, ele podia ver isso muito bem. Não havia nem um pouco de calor nos olhos dele. "Você quer sua filha de volta. Eu entendo isso. Ela pertence ao seu da," ele concordou e sentiu que esta era a verdade. "Estou satisfeito que concordamos," FitzSimon respondeu. "Ninguém toma o que é meu! Você entende?" Cameron assentiu com a cabeça novamente, embora ele agora encarasse FitzSimon. Pela primeira vez ele pensou em Page... se isso era realmente a coisa certa a fazer, jogá-la de volta nas mãos desse homem. FitzSimon gostaria de espancá-la até a morte por ter ferido seu orgulho. Nem uma vez ele perguntou como ela estava, ele percebeu. Que tipo de pai ele era que se preocupava mais com o retorno de sua propriedade do que o bem-estar da sua carne e sangue? Talvez Iain tivesse feito a coisa certa. Talvez Cameron não tivesse dado a Page tempo suficiente? Talvez, mas ele não gostava de pensar em seu laird casado com uma inglesa — mesmo que ela fosse Nossa Senhora, mãe de Jesus. Mesmo assim, ele não tinha que ajudar FitzSimon... "Mostre-lhe," FitzSimon ordenou a seus homens. CAMERON OUVIU um barulho atrás dele e se virou a tempo de ver algo voando para a tenda sobre a cabeça dele. Caiu entre ele e FitzSimon com um baque pesado.


Seu estômago subiu para a sua garganta, e seu coração começou a bater mais forte. "Constance!" ele gritou. E se virou para a abertura da tenda. "Onde está minha irmã!" ele exigiu. Os homens responderam com sorrisos maliciosos. "Bastardos!" ele gritou com eles e se virou para olhar para o corpo de Merry. O doce cão de Broc estava deitado diante dele. A língua caía para um lado e um pouco de sangue escorria do lado da sua boca. Seu pescoço tinha sido quebrado, era óbvio. Cameron se sentiu mal, enjoado de repente. Esse cão tinha sido companheiro constante do seu primo pelo tempo que Cameron podia se recordar. Porque eles tinham feito isso? O que ele tinha feito? Pela primeira vez, ele percebeu o erro que tinha feito ao lidar com homens como estes. Não se podia confiar nos ingleses. Ele devia ter sabido. A morte de seu pai não tinha lhe ensinado-lo nada? Seu estômago se agitou, e ele pensou que ia vomitar as tripas bem onde ele estava. Ele ficou olhando para Merry, momentaneamente paralisado de medo. Lágrimas dançavam em seus olhos. "Bastardos!" ele cuspiu e começou a tremer. Ele olhou para a cara de FitzSimon. O homem estava radiante. Cameron teve que se conter com a alegria dele que o deixava doente. "Onde está minha irmã?" ele exigiu de FitzSimon. "Não está aqui, claro," FitzSimon respondeu. Ele estendeu a mão e pegou a bochecha de Cameron. "Porque nós não somos tão estúpidos como você pode pensar!"


"Onde ela está!" Cameron persistiu, se levantando, pronto para atacar FitzSimon. "Onde está Constance?" Seus homens entraram na tenda, ficando à sua volta. Os olhos do FitzSimon brilharam maldosamente. "Segura o suficiente." Cameron queria chorar de alívio. "Onde?" "Pelo menos por enquanto," FitzSimon continuou ignorando sua pergunta. "Agora," ele disse, "Eu proponho uma troca..." Cameron não conseguia pensar. Sentia-se como uma criança, totalmente indefeso. Ele queria chorar! Ele queria matar o filho da puta! Ele olhou para baixo para Merry, enxugando as lágrimas que ele se recusava a deixar rolar pelo seu rosto. Ele estendeu a mão e acariciou o pelo de Merry. Ela não se mexia e a garganta dele ficou ainda mais apertada. Seu da poderia estrangulá-lo, se soubesse o que ele tinha feito. Broc nunca o perdoaria. E se algo acontecesse com Constance... Ele engoliu suas emoções. Ele jurou "se você machucar um único fio de cabelo da minha irmã," ele jurou, "se você respirar perto dela, eu juro por Deus que eu te mato com minhas próprias mãos — ou vou morrer tentando!" "VOCÊ NÃO ESTÁ em posição de fazer ameaças, rapaz," FitzSimon falou. "Mas eu vou te dizer sinceramente... traga a minha filha de volta para mim e você vai ter a sua irmã de volta sã e salva. Ou... se você contar isso para alguém... Nem sequer vou te devolver o corpo dela assim como devolvi este maldito cão. Vou mandá-la para você em pedaços. Ouviu?" Cameron assentiu com a cabeça, compreendendo.


"Agora vá," FitzSimon ordenou. "E leve este maldito cão com você... antes que eu sirva suas entranhas aos meus homens para o jantar." Embora ele estivesse tremendo, Cameron imediatamente apanhou Merry em seus braços. Ele não teria deixado o cão de qualquer maneira. O que ele poderia dizer para Broc? "Dê o fora daqui," FitzSimon exigiu mais uma vez. Cameron lançou-lhe um olhar e virou-se para ir embora, carregando o cão com toda a dignidade que ele pôde conseguir. Sorrindo malevolamente, os homens se separaram para deixá-lo ir e Cameron levantou a cabeça, ignorando os olhares maliciosos enquanto ele passava. Quando ele passou pelo o último deles, um pé foi colocado para fora, e ele tropeçou. Em meio a vaias e risos, ele caiu em cima de Merry, mas o pobre animal não podia mais reclamar. Lágrimas apareceram em seus olhos. Sem dizer uma palavra, ele se levantou mais uma vez, lembrando-se que eles ainda estavam com sua irmã. Ele não podia fazer nada porque eles estavam com Constance. Ele não tinha nenhuma escolha, mas fazer o que eles disseram.


CAPÍTULO 13

Meghan estava na janela do seu quarto, enquanto seu marido estava sentado em sua mesa, rabiscando seus diários. Era um ritual que ele tinha todas as noites, um que ela não ousava perturbar porque lhe dava paz interior. Às vezes ele compartilhava suas reflexões, às vezes não, mas Meghan não se importava de qualquer maneira. Quando ele acabou de escrever, guardou sua caneta e fechou o manuscrito, colocando-o de lado. Virou-se para olhá-la. Meghan podia sentir seu olhar sobre ela e sorriu. "É um belo pôr do sol!" ela disse-lhe. Seu irmão já tinha ido embora com Seana — os dois já deviam estar longe — mas parecia que ela não era capaz de se afastar para longe da janela. A beleza da paisagem a segurava paralisada. "Sim," seu marido concordou. "Eu juro que posso sentir algo no ar!" Ela virou-se, inclinandose sobre o peitoril da janela, e falou para seu marido. "Eu sinto coisas acontecendo lá fora hoje!" ela jurou. "A noite está cheia de possibilidades, você não sente?" Ela puxou uma lufada de ar da noite doce. "Nunca vi Colin tão preocupado com uma única mulher em toda a sua vida!" Píers sorria pra ela, e ela sabia que ele não estava ouvindo nem uma palavra que ela dizia. Ele estava olhando para os peitos dela. Bem, ela não estava pronta para ir para acama. Deixe-o olhar!


Dava prazer a ela, de qualquer forma, ver o jeito como ele a observava, ela ficava toda arrepiada. "Você sabia que ele nunca levou uma mulher em casa para a gente conhecer?" O marido piscou os olhos. "Uh-huh," respondeu ele. Meghan riu para si mesma, sabendo que ele não tinha a menor compreensão do que ela estava dizendo. Ela podia falar qualquer coisa naquele momento e sua resposta seria a mesma. "Isso não parece coisa dele," ela continuou, ignorando a maneira que seus olhos a despiam. Na verdade, ela também estava de muito bom humor esta noite. Ela puxou uma respiração e deslizou um dedo dentro do decote do seu vestido, acariciando a curva do seu peito com um dedo, sabendo que ele podia ver tudo através do tecido transparente. PIERS A TINHA VESTIDO com as melhores sedas, panos que ela nunca tinha visto em toda a sua vida. Era maravilhoso com eles acariciavam sua pele... de um modo macio e delicado... de uma maneira sedutora como a brisa quente de verão que explodia através da janela. Os panos acariciavam o corpo dela, provocandoa, da mesma forma que os olhos do marido dela a acariciavam. Ela se sentia perversamente ousada. "Sério?" Piers se ajeitou na cadeira, olhando para ela. Meghan teve que pensar um instante para se lembrar o que ela tinha dito. Ele tinha esse poder sobre ela, fazê-la dispersar seus pensamentos e sua respiração parar com a antecipação de seu toque. Ele não estava com pressa, ela percebeu. Ele raramente estava.


O marido dela era um mestre da sedução. Sua boca ficou seca, e ela umedeceu os lábios. "Há mais sobre essa mulher que o meu irmão está disposto a revelar, eu acho. Você viu a maneira que ele olha para ela?" Piers balançou a cabeça. "Eu vi somente você," ele lhe assegurou. "Eu acho que gostei do jeito que você devorou aquela perna durante a refeição. Na verdade, tem outra coisa que eu agora gostaria de ver em cima desses lábios..." Meghan deu uma risadinha. "Você quer me mostrar agora?" "Sim," ele respondeu. "Venha ver". Meghan sorriu para ele. Ela balançou a cabeça, negando-lhe. Ela deslizou a mão dela ainda mais dentro de seu vestido e colocou todo o peito dentro de sua mão, sorrindo para ele. Ele engoliu, e seus lindos olhos azuis estavam cheios de ansiedade. "Bruxa malvada," ele disse baixinho. "Eu gosto dela," Meghan disse docemente, fingindo inocência. "De quem?” "Seana, claro!" Ele tirou sua túnica lentamente pela cabeça. Meghan viu seus músculos sobre as costelas quando ele a tirou para fora dos ombros. "É claro." Ele a jogou na cama e se virou para olhar para ela mais uma vez, piscando. "Ela diz amar Broc Ceannfhionn, mas eu não acredito." "Ceannfhionn?" Seus olhos se estreitaram. "Não conheço esse nome." "Este não é um nome de família. Ceannfhionn... significa o loiro," Meghan traduziu. "Entendo." Suas sobrancelhas levantaram-se, quando ele pensou como alguém podia ter um nome tão simples.


"NÃO ME OLHE ASSIM, meu marido!" Meghan o repreendeu. "E o seu próprio nome, Lyon?" ela perguntou. “Guilherme, o Conquistador, ou qualquer outro. Não tem nada diferente chamar um homem de Ceannfhionn, do que dar-lhe o nome de Rufus, Curthose ou mesmo Shortie, por causa do comprimento de suas pernas ou a cor do seu rosto! Vocês ingleses não são diferentes de nós escoceses," ela assegurou. "Então não me olhe desta maneira!" Ele sorriu para ela. "Bem colocado, meu amor. Mas agora não dou a menor importância sobre os nomes Ceannfhionn ou William Rufus. Vem cá," ela ordenou a ela. Meghan inclinou a cabeça para ele, dando- lhe um sorriso tímido. "Não quero agora!" Ele puxou o cordão de seus calções. "Venha," ele sussurrou. Meghan deu uma risadinha. "Homem malvado," ela disse. Ele sorriu para ela e puxou-a, pressionando-a para mais perto. Meghan foi até ele. "Acho que ela seria boa para o meu irmão," ela informou ao marido. Ele assentiu, enquanto ela se aproximava e colocou-a no seu colo. Meghan montou-o por cima da cadeira. Ela jogou os braços sobre o pescoço dele. Ela inclinou a cabeça quando algo lhe ocorreu e mordeu seu lábio enquanto pensava. "Ela não comeu nada," ela disse ao marido. "Ela pediu um saco para levar a comida para seu da. Eu acho isso estranho, você não acha?" "Talvez esteja doente e não possa comer sozinho?" "Talvez," Meghan concordou. "Eu não sei nada sobre a Seana ou seu da — a não ser o que me disseram hoje."


Ele colocou os braços em volta dela. "E o que seria?" "Bem... que meu irmão prometeu ajudá-la a ganhar a atenção de Broc... e que ela ama Broc..." "E que o pai dela faz o mais forte destilado que existe." Piers beijou um seio, depois o outro. "Não devemos esquecer isso." As sobrancelhas de Meghan se levantaram. "Ele faz?” "Sim... foi o destilado servido no nosso casamento, minha querida... tão forte que ele faz seus olhos ficarem estrábico após um único gole. Eu joguei fora o meu porque eu já estava bêbado... com você." Ele mordeu o peito dela suavemente. Meghan deu uma risadinha. "Você é um sem vergonha desonesto," ela o acusou e beijou-lhe. Ele riu. "Pobre Baldwin nunca soube o que o atingiu," ele continuou, "nem o resto dos meus homens... eles caíram no chão após algumas míseras canecas. Você não notou todas as pobres almas desmaiadas no chão, quando saímos? Eles caíram em cima dos seus copos e não se mexeram novamente até de manhã, foi o que eu ouvi." "Ah, então foi por isso que eles estavam todos doentes no dia seguinte," Meghan supôs. "Bem, que lhes sirva de lição!" "UH-HUH", ele concordou. Meghan suspirou quando ele mordiscou um mamilo através de seu vestido, provocando-a. Ela segurou a respiração com a doce sensação deste toque. Um arrepio correu pela sua espinha. Ela nunca sabia o que esperar dele. Cada noite era uma viagem para o desconhecido. Ele tocava o corpo dela como se fosse o mais fino dos tesouros, lhe dava prazeres que ela nunca tinha imaginado


existir. Ele colocou o mamilo dela mais profundo em sua boca, mamando-o através do pano. Meghan ofegou em deleite. Ele olhou para ela, seus lábios curvados no sorriso malandro que ela agora amava. "Você estava dizendo?" "Talvez eu pergunte para Colin amanhã," ela cedeu. "Talvez ele saiba." "Talvez sim,” disse o marido e deslizou sua mão ao longo de uma perna. Seus dedos se fecharam sobre o vestido e ele o tirou. Por um momento seu sorriso se tornou lúdico em vez de ímpio. Meghan deu uma risadinha. Ela olhou para ele e estremeceu quando sua boca se fechou sobre o peito dela mais uma vez. "Muito melhor," ele disse enquanto a chupava. "Não está seco sem o vestido... e muito... muito mais macio" ele murmurou. “O que eu faço com você?" ela perguntou para ele, embora ela soubesse muito bem o que ele responderia. "Alimente-me, é claro." "É claro." "Eu te amo, Meghan," ele sussurrou contra sua pele. Sua respiração estava quente e deliciosa, e enviava tremores por sua espinha. "Eu te amo, também," ela sussurrou de volta e era verdade, ela o amava com cada pedaço de seu ser. Ela caiu contra ele, forçando sua cabeça, beijando o pescoço dele. Ele deixou sua cabeça cair para o lado, mostrando seu pescoço para ela, permitindo-lhe que ela fizesse o que queria. Meghan afundou seus dentes na sua carne delicadamente. "Somente mais uma pequena coisa," ela disse timidamente. Em resposta ele deslizou suas mãos para baixo para o seu tesouro.


Meghan sorriu. "E isso seria..." "Bem... Acho que talvez você devesse enviar alguns homens para ajudar meus irmãos a reconstruir aquela cerca..." "Ummmmmmhhhhhh," ele concordou e estremeceu quando ela mordeu-lhe mais uma vez. Meghan inalou profundamente, tendo prazer na resposta do seu corpo ao seu toque. Ele se levantou. Virou-se e jogou-a em cima da cama. Meghan riu suavemente. "Eu mesmo irei," ele prometeu para ela. "Amanhã!" E ele se jogou sobre ela em cima da cama, de alguma forma conseguindo prendê-la. Meghan estava muito feliz do seu entusiasmo e disse para ele. "CALADA, mulher!" ele ordenou a ela, apesar de seu sorriso de menino mimado. "Mostre-me quão grata você está." Meghan riu, levantando as pernas para segurá-lo sobre sua cintura. "Não, não, não, homem ganancioso, ganancioso!" ela exclamou. "Esta é a sua vez de me mostrar!" "Caramba, mas você é uma negociadora implacável!" ele disse e piscou. Ele desbloqueou as pernas dela e guiou-as para baixo. "Mas achei que você nunca me pediria," ele disse e se deslizou para baixo de seu corpo enquanto lambia seu corpo. Meghan suspirou de prazer e fechou os olhos, antecipando o beijo inebriante que ele ia lhe dar. Não havia nenhum prazer maior do que isto... ficar entre os braços do homem que ela amava.


CAPÍTULO 14

O

sol lançava um tom dourado ao longo do horizonte, como se Deus tivesse acendido uma vela e colocado sua luz dourada dentro de seu pequeno mundo. A escuridão aparecia em algum lugar além desses limites, mas aqui neste pequeno lugar, todas as sombras tinham sido banidas. Era quase surreal. E certamente perfeito. Era um começo de noite excepcionalmente quente, também. Até a brisa que afagava o cabelo de Seana carregava um sussurro persistente do sol. Misturados com os sons suaves dos suspiros de Colin em suas costas, a agradável corrente de vento mais fresco, confundia os sentidos de Seana, enviando pequenos arrepios pela sua espinha. A égua de Colin parecia não ter pressa. O animal avançava preguiçosamente o que suavizava o clima ainda mais, permitindo a Seana e Colin o lazer de uma boa conversa. E mesmo assim, nenhum deles falava para não romper o silêncio acolhedor. Mas não por muito tempo. "É um lindo pôr do sol," Seana disse depois de um tempo. Ela levantou a cabeça para o céu, admirando a vista. "Sim," Colin concordou. O hálito em cima do seu ombro lançou um arrepio através dela.


"Está com frio, moça?" Seana balançou a cabeça. Ela não estava, na verdade, muito consciente do homem às suas costas. Ele tinha colocado os braços sobre ela, timidamente no começo. O coração de Seana bateu um pouco mais rápido com o seu toque. "E se eu estiver?" ele lhe perguntou então. "Você me negaria calor, moça?" Sua voz era tão macia e sedosa que Seana engoliu, incapaz de falar, até mesmo para provocá-lo. Ela se virou para olhar para ele, e seus olhos azuis brilharam para ela. Seana evitou seu olhar, olhando para frente. Quando ela não protestou, ele apertou seu braço sobre ela e inclinou o queixo sobre o ombro dela. "Você agora consegue ver que eu não mordo," ele disse jovialmente. Ele estava se referindo a sua hesitação para ir com ele em cima de sua égua, apesar do adiantado da hora. Meghan a tinha convencido, dizendo para ela que seu irmão não mordia... Seana não estava de todo certa que ele não mordia. "BEM... agora nós veremos, não é? Talvez você esteja apenas dando um tempo," ela disse, em uma tentativa de manter a conversa. "E talvez você gostasse?" ele falou brincando e abaixou os lábios para o ombro dela. Ele abriu a boca ligeiramente, preparando-se para mordê-la, ela pensou, para afundar seus dentes em seus ombros. Seana estremeceu e se afastou para longe da tentativa de toque de seus dentes.


"Oh, Colin! Não tente," ela avisou. "Por que não?" ele perguntou, e o tom dele estava bastante brincalhão para que Seana ficasse ofendida. Ele parecia um menino travesso, e conseguiu desarmá-la, quando ela pensou que ele não poderia. Era assim que ele agia com suas mulheres? Ela se perguntou — as fazia se sentir tão à vontade na presença dele que elas não ficavam cientes do perigo para seus corações? Bem, ela não estava interessada em ser uma das conquistas de Colin, embora ela já não sentisse mais nenhuma raiva dele. Hoje, ela tinha passado muito tempo ao lado de sua irmã, ouvindo as estórias da infância de Colin. Ela entendia agora por que Colin tinha sido tão repelido por ela, mesmo que ele não entendesse a si mesmo. Meghan lhe contou do relacionamento de Colin com seu pai — como ele exigia perfeição de Colin e de Leith, nunca achando que eles atendiam as suas expectativas. Meghan não tinha conhecido seu da tão bem, e nem Gavin tinha, mas Colin, muito mais que Leith, tinha sido o filho dourado do seu da. Desde o instante que Colin tinha sido desmamado do peito de sua mãe, seu da tinha ficado do seu lado e o tinha subjugado em cada ação e pensamento. Seu pai tinha sido obcecado pela beleza e pela perfeição, a tal ponto que ele tinha afetado cada um dos seus filhos, bem como sua esposa. E no final, isso o tinha matado. Meghan alegou que seu da tinha morrido lutando contra o suposto amante da mãe dela, mas foi seu próprio ciúme que o tinha feito acreditar nessa estória. A mãe dela era inocente. Seana ouviu a estória de uma forma um pouco diferente.


Seana tinha ouvido que o da de Colin tinha levado chifre do irmão de MacLean, e que o irmão de MacLean tinha tentado lhe tirar a mulher — a vaidade dos homens — mas a mãe de Meghan tinha tanto amor por seu marido ciumento que nem conseguia notar as atenções de outro homem. A pobre mulher não tinha feito nada mais do que dar um sorriso para o irmão de MacLean e por isso ela se culpou o resto da sua vida. Na realidade, o da de Meghan tinha sido um bastardo que não tinha confiado o suficiente em sua linda esposa. Ele tinha traído quase todos os homens das Highlands e tinha partido mais corações do que seu filho jamais podia imaginar. Ele valorizava a perfeição e nada mais. Ele deixou para seus filhos e sua filha um legado amargo que tinha afetado a cada um em sua própria maneira. SEANA TINHA o dom de ver as coisas como elas eram. Isso deixava seu da espantado, mas havia pouco para saber sobre isso. Ela simplesmente ouvia as pessoas falarem e comparava as palavras com o que ela via em seus corações. Como Seana observou, Meghan tinha medo de sua própria beleza — era inteligente o suficiente para saber que ela não ia durar, e então o seu maior medo era ser posta de lado. Pelo o que Meghan disse, em resposta a seu pai, Gavin e Leith pareciam impor perfeição a eles mesmos, em suas próprias maneiras — Leith através de seu dever e Gavin através de Deus. E Colin... Seana sabia o que ele procurava. Colin... procurava a perfeição nos outros... talvez temendo a


falta em si mesmo. Ele era, na verdade, o filho do seu pai, mas ele via claramente o suficiente para saber que isso significava ver o mal nesta procura, e a dor que ele infligia aos outros. Seana pensou que, talvez, ele se visse como uma blasfêmia contra a perfeição... talvez ele se cercasse de beleza como uma forma de negação. Em suma, o pai de Meghan tinha uma reputação que superava até mesmo a do seu filho. Colin não tinha tido uma maldita chance. Tal pai, tal filho. Seana já não podia odiá-lo por isso. Na verdade, o dia tinha sido um prazer, e Colin tinha sido um amigo para ela de uma forma que nenhum homem ou mulher jamais tinha sido. Nem mesmo Broc. Ela estava começando, mesmo, a ver a verdade do que a atraía no gigante loiro. Tinha sido Broc quem tinha vindo atrás dela naquele dia terrível, e a tinha colocado sobre uma pedra e enxugado suas lágrimas. Para uma menina jovem com poucos amigos no mundo e ninguém mais a não ser seu da para fazer-lhe companhia e mostrar-lhe bondade, o simples ato de Broc tinha feito ele se tornar querido para ela. Seana tinha pensado que ela o amava. Pela mesma razão... para alguém que se sentia feia e aleijada, a crueldade infantil de Colin tinha ficado impressa em seu coração. Ela achou que o odiava. Agora tudo estava confuso. Ela já não odiava Colin, mas ela não se atrevia a amá-lo. E ela também não amava Broc.


Ela podia amar Broc, mas não era amor até que ele fosse compartilhado por duas pessoas. Depois de ver Meghan e seu marido juntos, Seana compreendeu o que era amor. Não era o que ela sentia por Broc. Ou era? ENTÃO O QUE ela sentia por Broc? Ela pensou sobre isso por muito tempo, procurando os sentimentos dentro do seu coração para senti-los num grau máximo. Gratidão. Ela sentia muita gratidão por Broc. Através dos anos, ele tinha sido o único homem que sempre lhe sorriu e falava com ela como se ela fosse a coisa mais preciosa do mundo. Ele nunca virou a cara com nojo dela — apesar dela ter sido uma criança feia, magra e manca. O que mais ela sentia por ele? Ela tentou pensar em seus lábios... ela se esforçou, mas eles apareciam borrados pelos lábios do homem em suas costas. Ela tentou pensar em seu rosto, mas os olhos azuis cintilantes de Colin a encaravam de volta. De que cor eram os olhos de Broc? Oh, mas ela nem conseguia se lembrar! Seana franziu a testa. Ela não se atrevia a explorar seus sentimentos por Colin — ela não queria! De alguma forma, ela sentia que não levaria a nada de bom. Colin era Colin, e ninguém podia mudá-lo agora. Seana nem


pretendia achar que ela fosse capaz de curar seu coração perturbado. Sua vida parecia ser preenchida apenas com prazer, e ele ia morrer com um sorriso na sua face e o peito de alguma mulher na boca dele. Ela franziu a testa com a visão que lhe veio de repente em sua mente. Bem... não era da sua conta o que ele fazia. Ela não podia ser ciumenta. Broc era um homem de bem e um homem bom, e Seana seria uma mulher de sorte, se ela pudesse ganhar seu coração. Broc poderia dar-lhe tudo o que ela sempre quis; uma casa, filhos e segurança diferente de tudo o que ela já tinha tido. Sim, ela podia ser feliz com Broc. "Por que está tão quieta, moça?" Colin murmurou para ela. Seana encolheu os ombros. "Só estou preocupada com meu pai," ela disse, e era a verdade. Ela não teria pressa nenhuma para se casar com alguém, exceto que ela queria dar a ele um lar melhor. O cairn lhes serviu bem o suficiente, mas agora ele estava demasiado frágil. Seana tinha certeza de que ele nunca conseguiria passar o inverno lá. Ele parecia tão indefeso como uma criança. Ela inclinou-se para sentir o saco que tinha amarrado à sela da égua de Colin e suspirou de alívio ao encontrá-lo ainda lá. Seu da provavelmente não tinha comido nada desde que ela o tinha deixado esta manhã. A culpa transbordou em seu peito por tê-lo abandonado tanto tempo. "ESTOU CERTO de que ele está bem, Seana." Foi a primeira vez desde que ele tinha perguntado o nome dela


que ele tinha falado seu nome e para ela o som nos seus lábios foi uma surpresa deliciosa. Ela se virou para olhar para ele. Colin teria dado qualquer coisa no mundo para saber quais eram seus pensamentos. Era muito bom tocá-la, embora pela primeira vez em sua vida, ele estava sem ter certeza de que seu abraço era bem vindo. Ele podia se permitir a saborear o cheiro da sua pele, mas não se atrevia a se dar esse prazer. Ele podia enterrar os lábios em seu cabelo e deixar suas mãos acariciarem seus fios, mas ele não queria aborrecê-la. Não o impediu, no entanto, de colocar sua boca em cima da dela... e sentir o sabor dos seus lábios. Ver sua irmã e seu marido juntos fez com que ele ansiasse por algo mais do que uma cama vazia de manhã. Ele já tinha passado uma noite inteira com uma de suas amantes? Tinha tido mais do que momentos roubados? Ele não se lembrava de alguma vez ter visto um único nascer do sol nos braços de sua amante. Ou melhor, seus beijos sempre tinham sido apressados, para que ele não fosse flagrado por algum pai ou irmão... ou até mesmo um marido. Colin tinha jurado nunca se casar, mas de repente ele estava repensando a sua decisão. O pensamento de ir todas as noites para a cama, ansioso por uma manhã preguiçosa com os beijos da mulher que ele amava parecia uma imagem poderosa para um homem que sempre ia para sua própria cama, sozinho, muito tempo depois que o sol já tinha nascido e acordava sozinho, ao som de seus dois irmãos problemáticos. Meghan tinha adicionado suavidade na casa, uma voz suave para acalmá-los após um dia cansativo. Ele sentia falta de suas broncas de manhã, quando ela o repreendia por causa de sua noite


na farra. Mas Meghan tinha ido embora, e sua casa tinha se tornada fria. Onde sua irmã colocava flores para animar o quarto dele, agora estava com hastes murchas, rodeadas por pétalas caídas que ninguém se importava o suficiente para limpar. Alison estaria lá em breve, mas Colin não estava certo de que iria melhorar — vivendo com dois homens geniosos, ou acordar ao som de seu irmão e sua nova esposa fazendo amor no quarto. Não que ele se lamentasse por seu irmão ter encontrado um pouco de felicidade, nem ele queria Alison para si mesmo, mas isso só serviria para enfatizar sua cama vazia. Ele não estava precisamente ansioso. As paredes eram demasiado finas naquela casa. Quantas vezes ele adormeceu, ouvindo sua mãe chorando? Muito frequentemente. DOÍA SEU CORAÇÃO, saber que ela chorava por um homem que não merecia seu amor eterno. Quantas vezes ele desejava falar isso pra ela e não conseguiu fazê-lo? Quantas vezes ele tinha rastejado para fora da cama, só para vê-la do corredor... enterrando seu rosto no travesseiro e chorando amargamente pelo seu infiel da... e o tempo todo sabendo que ele tinha sido feito do mesmo pano. Seu pai tinha sido duro com ele — com ele e com Leith. Colin compreendeu que seu pai não queria que eles se tornassem como ele. E felizmente para Leith, ele não tinha, embora as repreensões implacáveis de seu da não o tivessem deixado ileso. Até Meghan e Gavin... ambos eram demasiado jovens para se lembrarem de seu da, mas não tão jovens para não serem influenciados.


Como Colin podia ter blasfemado contra seu da, quando ele na verdade não era melhor do que ele? Seu da deve ter reconhecido em Colin a mesma doença que ele tinha dentro de si mesmo, porque ele tinha sido mais duro com Colin do que com os outros. Colin tentou não ser como seu da, mas ele sempre lutou em vão. Ele não sabia como ser outra coisa. Ele era atraído para as mesmas coisas que seu da tinha sido atraído, e então ele passou a entender seu da de uma maneira que seus irmãos nunca poderiam. Era uma doença dentro dele. De alguma forma, preenchia o vazio que ele não saberia como preencher. Ele não sabia se seu da tinha amado sua minny, mas ele pensava que sim. E mesmo assim ele a tinha machucado. Colin tinha medo de fazer o mesmo, e então ele amava todas as mulheres com bastante distância e na verdade não amava ninguém. E ainda assim ele era ciente de que de alguma forma ele ainda conseguia magoá-las. Ele tentava fazê-las se sentir bem, tentava fazê-las felizes e de alguma forma as deixava com o coração partido. "Meghan disse que devo contar para ele olhando no seu rosto," Seana anunciou. Colin piscou os olhos. "Dizer o que?" ele perguntou momentaneamente confuso. Ele tinha estado perdido em seus próprios pensamentos. "Broc... Meghan disse que devo contar a ele que eu o amo sem rodeios e que eu gostaria de ser sua esposa." Colin estremeceu um pouco por ouvir tão concisamente... para não mencionar as imagens que apareceram em sua mente... Seana e Broc juntos... este pensamento estava se tornando tão


desagradável para ele como o sabor do uisge feito por seu da. "Meghan disse que os homens são cegos demais para ver alguma coisa, a não ser o que eles desejam ver," ela continuou. Colin revirou os olhos. Soava da maneira que sua irmã rabugenta costumava falar. Meghan certamente era bonita, mas Colin tinha pena de seu marido porque sua irmã ia fazer com o Sassenach o que ela quisesse. "E Meghan disse —" "NÃO ESCUTE tudo o que Meghan diz, moça." "Meghan é maravilhosa!" Seana exclamou. "Obrigada por levarme para conhecê-la, Colin." Ela olhou para ele e sorriu e a respiração de Colin o deixou por um instante. De alguma forma, ela ficava cada vez mais adorável, e agora com o sol esvaindo-se em seu rosto, sua pele parecia dourada e seus olhos verdes brilhavam com uma luz interior. Seu cabelo preto era rico e sedoso. Alguns fios se agarravam no rosto dele, mas ele não os tirava, em vez disso, ele saboreava a sensação sedosa e tentava apanhar o perfume e levá-lo para seus pulmões. "Meghan é maravilhosa," ele concordou, colocando alguns fios do seu cabelo atrás das orelhas, "mas você também é, Seana." Ela piscou e pareceu surpresa com sua declaração. Seus cílios se abaixaram. Ele estendeu a mão e levantou o rosto dela perto do seu. "É verdade," ele insistiu, quando ela não quis olhar para ele. Ele sabia o que ela estava pensando e odiava a criança que ele tinha sido, odiava pensar que ele pôde ferir tão terrivelmente uma pessoa tão adorável quanto Seana e que ela não conseguia vê-la como ela


realmente era. Não acreditava que ele tivesse estado sozinho em sua cruel tirania contra ela, mas ele certamente a tinha ferido bastante porque ela nunca tinha esquecido... nem ele também. "Você é linda, Seana," ele assegurou para ela. E embora doesse seu coração dizer ele acrescentou, "e Broc vai ser um homem de sorte de ter você. Ele será um homem estúpido se ele não carregar você de uma vez para a cama dele." Ela estremeceu com suas palavras, e ele pensou que talvez a perspectiva do leito nupcial a assustasse. As bochechas dela se avermelharam; ele podia ver a cor aparecendo até na luz que desvanecia. "Nem todo casamento é baseado nisto, Colin Mac Brodie!" ela exclamou. "Você nunca pensa em alguma outra coisa? Oh!" Colin riu suavemente e confessou honestamente, "Não, moça." "Homens!" ela declarou, embora Colin soubesse muito bem o que ela queria dizer. "Não há nada de tão errado em fazer amor." "Isso," ela respondeu, "não é tudo o que o amor é!" "Permita-me discordar. Não me diga que você tem medo do toque de um amante, Seana. Oh, mas você não me parece ser uma mulher que tem medo de muitas coisas." "Claro que não!" Ela se afastou dele. "Mas se você tiver... Eu posso certamente ajudar!" Colin sorriu de volta. ELA LHE LANÇOU um olhar sobre o ombro. "Eu tenho certeza! "Eu não tenho medo, ela jurou, e Colin queria muito poder ajudar — ele queria ser o primeiro a mostrar prazer para ela, queria compensar


todo o mal que ele lhe tinha feito... ele queria se dar a ela, e pela primeira vez em sua vida, ele não se importava o que ela ia devolver. Aquele sorriso dela era recompensa suficiente. "A única ajuda que eu preciso de você, é a única coisa que não vai me dar!" O que ela faria se ele colocasse os braços sobre a cintura dela? Ela iria empurrá-lo? Ele não ousava tentar. Ele inclinou-se para o cheiro do cabelo dela. "Sim?" Colin perguntou, "e o que pode ser moça?" Ela virou uma vez mais, vendo que ele estava muito perto, e Colin fingiu achar algo no cabelo dela. Ele arrancou... apesar de não ter nada lá. Suas sobrancelhas se levantaram. "O que foi isso?" Colin abanou a cabeça. "Talvez um inseto, que já foi embora. E o que você estava dizendo?" Ela deu-lhe um olhar perplexo, embora a explicação dele parecesse satisfazê-la suficientemente bem. "Eu quero saber sobre Broc. Que tipo de mulher ele gosta?" Colin pensou um instante. Por Deus, ele nunca tinha ouvido Broc Ceannfhionn mencionar alguma mulher... Salvo a nova esposa do seu laird... Ele realmente não sabia que tipo de mulher Broc gostava, mas será que ele honestamente ia lhe dizer caso soubesse? “Ele gosta de mulheres com cabelos claros," Colin disse, sabendo muito bem que ela não tinha. Ele espiou os peitos dela. Bonitos e cheios, mas não eram grandes. Eram perfeitos para suas próprias mãos. "Com o peito grande," ele acrescentou. Ele sentiu-a endurecer diante dele, e sorriu.


"O que mais?” "Com costas resistentes," ele respondeu, tentando manter uma expressão sóbria. "Para trabalhar duro. Ele não gosta de mulheres frágeis." "Eu não sou pequena ou frágil!" ela protestou. Colin sorriu. "Eu não disse que você era, ou disse?" Silêncio caiu entre eles por um instante, enquanto ela considerava suas revelações. "Oh e olhos azuis," ele acrescentou, embora ele não tivesse a mínima idéia que tipo de olhos seu amigo gostava. Ele apenas sabia que Seana tinha olhos verdes... lindos olhos verdes... o tipo que ele poderia olhar para o resto da sua vida. "De que cor são os meus exatamente?" ela perguntou e virouse para enfrentá-lo, sua expressão esperançosa. "Talvez um pouco azul?" Ele balançou a cabeça com pesar. "De jeito nenhum, infelizmente." ELA SUSPIROU E SE VIROU. "Ele gosta de mulheres com o tipo de Page," ele acrescentou em seguida, embora na verdade ele não tivesse idéia de que cor eram os olhos da mulher de Iain MacKinnon. Ela se virou para olhar para ele mais uma vez. "Ele gosta do tipo da mulher de Iain?" "Sim," Colin respondeu, acenando sobriamente. "Quase tanto quanto ele gosta de seu cão." Ela fechou seu rosto adorável, e Colin não queria nada mais naquele instante do que beijar a ponta do seu nariz e dizer-lhe para não se preocupar, que ela era linda, mas ele não fez nada. De jeito


nenhum ele ia estragar o que tinha feito. "Seu cachorro?” Colin assentiu com a cabeça. "O verdadeiro amor de sua vida." As sobrancelhas de Seana se colidiram. Ela inclinou a cabeça com desconfiança e olhou para ele. "Você está me provocando?" Colin apenas sorriu. "Desgraçado!" ela disse e se virou. Ele riu de volta. Deixaram a encosta e em seguida entraram pela floresta. Ele não sabia exatamente onde ela morava. Ele perguntou, mas sua resposta foi vaga. "Deixe-me aqui," ela disse para ele, quando eles chegaram onde o pai dela tinha deixado seu pote e parecia que ela estava ansiosa para ele parar. Colin parou e ela saltou da sua montaria. Ela imediatamente tirou o saco que tinha prendido na sela e o agradeceu pelo dia. Colin não estava pronto para dizer boa noite. Ainda não. "Espere!" ele disse, mas ela balançou a cabeça, virou-se e fugiu. "Eu te vejo amanhã de manhã!" ela gritou para ele e mais uma vez sumiu nas sombras da floresta. Colin ficou sentado, sentindo como se ele devesse segui-la, para ter certeza de que ela tinha ido para casa em segurança. Mas ela obviamente não queria que ele a seguisse, e ele se assegurou que ela conhecia esta floresta tão intimamente como ele conhecia os corpos de suas amantes. Ele a deixou ir, embora com relutância e consolou-se sabendo que ele iria vê-la novamente no dia seguinte.


CAPÍTULO 15

S

eana não sabia por que de repente a incomodava tanto morar no que basicamente parecia ser uma sepultura de grandes dimensões. Até o presente momento, tinha sido perfeitamente adequado e ela não se preocupava muito com o que as outras pessoas pensavam. Ela dormia no velho cairn desde que podia se recordar. Seu da tinha encontrado a tumba monstruosa antes do nascimento de Seana. Inicialmente, tinha servido como abrigo de uma tempestade, mas seu da e sua mãe nunca mais tinham saído de lá. Então a mãe dela ficou doente e Seana nasceu, e sua mãe faleceu. Ela e seu da estavam aqui desde essa época. Pouco mais do que um monte oco de entulho contra a lateral de um penhasco, servia bem o suficiente para o seu propósito. Do lado de fora, parecia um pouco mais do que uma pilha de pedras, mas por dentro, era cavernoso. Seu da alegou que na pré-história os mortos eram enterrados aqui, e enterrados com seus bens mais valiosos e às vezes, Seana pensava que ela ouvia vozes atrás das paredes de terra. Parcialmente enterrado sob o solo e mais profundamente no penhasco, as paredes eram feitas de barro, enquanto o teto tinha sido construído de pedras, grandes e pequenas, apoiado em ripas de madeira fixadas no penhasco. As paredes de barro impediam o vento de esmurrar seus corpos, embora o telhado raramente os mantivesse secos. E ainda assim,


ela nunca tinha reclamado. Ela não tinha a mínima idéia por que, de repente, ela se sentia envergonhada de sua casa. Talvez porque ninguém antes tinha vindo aqui para vê-la. Oh, mas por que ela deveria se importar com o que Colin pensava? Não dizia respeito a ele onde ela colocava sua cabeça à noite! Então por que ela saiu correndo pela floresta, lançando olhares sobre o ombro com medo de que ele a estivesse seguindo? Ela chegou ao cairn e achou que estava escuro, pois apenas uma única vela estava acesa. Seana abriu a porta que seu da tinha construído e entrou. Na mesma hora ela foi vê-lo. Ele estava deitado em cima de sua palete com os olhos meio abertos, olhando para o teto. Por um instante, o coração de Seana parou. "Da!" ela exclamou e caiu de joelhos. ELE PARECEU DESPERTAR de sua letargia e se virou para olhar para ela. Ele sorriu. "Oh, minha filha, eu estava apenas me lembrando..." Seana estendeu a mão para tocar seu rosto, para colocar seu cabelo para o lado, mas ele segurou a mão dela e trouxe-a para seu coração, pressionando-a lá. "Você se lembra, Seana... quando eu te deixei aqui sozinha, aqui neste cairn... Seana se lembrava. Sem ele falar outra palavra, ela sabia de que noite ele estava falando. Com o coração doendo, ela apertou a mão dela contra o peito dele. "Sim, Da." "Eu nunca teria deixado você sozinha, criança — não a noite toda — mas eu adormeci perto do rio. — e quando eu voltei


encontrei você chorando, seus doces olhos cheios de lágrimas." Seana sentou-se ao lado dele e segurou sua mão, lembrando-se também. Ela não tinha mais do que dez verões. "Eu tinha medo que você tivesse ido embora e tivesse me deixado, mas eu era uma garotinha boba, da. Agora eu sei que você jamais faria isso!" "Me deitei aqui esta noite," ele disse, "e ouvi você chorando como se fosse uma criança novamente. Eu tive que me lembrar que não era você, e que você não era mais uma criança." Seana franziu a testa. Ele agora estava ouvindo coisas. Ela engoliu o desgosto que subia tentando sufocá-la. "Você fica muito tempo sozinho, Da!" Ela reclamou. "Quem me dera que às vezes você fosse comigo verificar a destilaria... como costumávamos fazer." "A luz do sol não me ama, criança." A luz do sol nunca poderia ser tão terrível, Seana queria argumentar, mas ela não era ele; ela não sabia se seus olhos doíam como ele afirmava, e então ela não disse nada. Ele acariciou a mão dela e sorriu-lhe. "Eu não fui o melhor da," ele confessou. "Oh," Seana exclamou, "você é um pai maravilhoso!" "Não." Ele sorriu para ela. "Mas você é uma filha maravilhosa!" Por um instante, houve silêncio entre eles. Era um silêncio frio e tranquilo, e lhe deu um sentimento de mal-estar. Ela nunca tinha olhado para este lugar de um modo tão estranho. Depois de ter ficado com Meghan o dia todo, vendo sua casa tão viva com pessoas, esta caverna de alguma forma parecia exatamente à tumba que ela era. "Eu fiz uma amiga hoje," ela disse para seu pai. "Meghan Brodie."


Seu da piscou os olhos, como se tentasse se lembrar e então olhou para ela. "Você se lembra dos Brodies, Da?" "Não sei," ele respondeu com uma careta. AS SOBRANCELHAS de Seana se uniram de tristeza. Não havia muita chance dele ter esquecidos os Brodies, — não o Brodies, nem os MacLeans, nem o MacKinnons, qualquer um deles. Eles tinham sobrevivido por causa dessas famílias, tinham feito a vida através deles. Que ele não pudesse se lembrar disse a Seana que sua mente estava ficando cada dia mais fraca. Lágrimas encheram os olhos dela. Mais uma vez ela tentou alcançar e tocar seu rosto, para acariciar sua bochecha, mas ele segurou a mão dela, não permitindo que ela assim o fizesse. Ela precisava desesperadamente encontrar um lugar melhor para ele descansar. Um sentido de urgência encheu todo o seu ser. Amanhã. Amanhã ela ia ver Broc. Ela não podia vacilar, não podia perder tempo. Ela não sabia o que faria se ela perdesse seu da. Meghan Brodie podia viver em uma casa cheia de luz e ela podia ter irmãos para rir e para brincar, mas pelo o que Meghan tinha revelado, eles não tinham tido o amor do seu pai. Seana sempre teve. Não importava que seu pai tivesse tido seus problemas, que ele tivesse algumas vezes bebido um pouco demais, ou que eles vivessem em um cairn, ele tinha dado a ela todo o amor que qualquer garota poderia desejar. E ela tinha que agradecer ao seu da por suas pernas estarem quase perfeitas. Ela nunca esqueceria as lágrimas em seus olhos


quando ele teve que quebrar a perna dela para consertá-la. Seana tinha chegado em casa chorando por causa de Colin Mac Brodie e seu da tinha acariciado sua cabeça e a tinha colocado em seus braços abraçando-a como um bebê, tinha chorado com ela e então... quando as lágrimas secaram, ele a sentou no chão e disselhe o que ele pretendia fazer. Seana ainda se lembrava o medo que tinha tomado todo o seu corpo, mas ela confiava nele. Ele era seu da, afinal de contas. Ele estava determinado, e tinha falado com ela duramente para que ela não ficasse lutando contra o que ele ia fazer, mas ao mesmo tempo... corriam lágrimas pelo seu rosto. E depois que tudo foi feito, ele tinha enfaixado a perna dela e a tinha abraçado, e tinha chorado. Seana o amava mais que tudo neste mundo. "Eu não desejaria alguma coisa diferente na minha vida," ela disse. Sem aviso, Meu Amor pulou em cima de uma pequena mesa ao lado dela, e Seana se assustou. O gato arrogante miou para ela, e seu da sorriu. "Essa gata podre vive me assustando!" Seana exclamou. "Argggh! Por que ela faz isso?" Seu da riu e, em seguida, começou a tossir. Seana não gostou do som da tosse. "VOCÊ AMA ESSA GATA," seu da disse-lhe quando finalmente pôde falar. "Não!" "Você ama, e quando eu me for, ela será sua fiel companheira."


"Oh, papai, não diga isso!" Seana repreendeu-o. "Você nunca vai me deixar!" ela disse ciente de que tinha soado mais como uma exigência. "Você também é muito teimoso para se deixar morrer!" Ele olhou para ela um pouco triste, e suspirou. "Um dia," ele começou e olhou para Meu Amor. Os dois compartilharam um olhar estranho um com o outro, um olhar que Seana podia jurar que eles compreendiam. Meu Amor piscou os olhos para ele, e seu da sorriu e, em seguida, voltou seu olhar para Seana. "Um dia... você vai ver um gato... com Meu Amor... e serei eu tomando conta de você." Seana sentiu seu coração pesado. "Se você me tratar como Meu Amor faz, Da, provavelmente vou acertá-lo na cabeça e enterrá-lo uma segunda vez," ela avisou. O pai dela riu. Meu Amor olhou para ela com olhos semicerrados. Seana olhou de volta para a gata. Oh, mas ela estava ficando maluca como seu da! Seu da estendeu a mão e acariciou seu joelho. "Não diga tais coisas na frente de Meu Amor, criança. Você vai magoá-la." Meu Amor estava sentada placidamente não mais do que dez passos de onde ela estava com seu pai. Seana se perguntou se ela deveria tentar tocá-la. Ela decidiu que não. Só porque no momento ela parecia sem nenhuma pressa para fugir não queria dizer que o maldito animal não corresse no instante que Seana fizesse um avanço. Seana deu ao gato um olhar de ódio. Ele olhou para ela, piscando. A mão de seu da relaxou dentro da dela. De alguma forma ele tinha adormecido. Ela podia ouvi-lo


respirar com dificuldade e podia ver seu peito subindo e descendo com dificuldade. Ela arrumou os cobertores e deu-lhe um beijo em sua testa. "Boa noite, Da," ela sussurrou. "que as fadas do sonho lhe dêem belos sonhos hoje à noite." Ele não se mexeu. Seana suspirou e se levantou, mas não até ela ter parado de olhar para seu da, que ela notou que Meu Amor tinha ido embora. Agora a mesa estava vazia. Seana olhou em volta e não viu nem sinal do gato. Animal estúpido. Como uma sombra ás vezes ela simplesmente estava lá, e logo depois ia embora. Até hoje Seana não tinha nenhuma idéia de como ela aparecia tão silenciosamente. Sacudindo a cabeça, ela foi em direção a sua própria cama. SEU ÚLTIMO PENSAMENTO antes de ela dormir... foi Colin Mac Brodie... a expressão do rosto dele quando ela tinha se virado e pegado ele cheirando o cabelo dela... algo parecido com ternura... algo como desejo... nada como alguém jamais tinha olhado para ela antes. Nem pense nisso, ela repreendeu a si mesma. Colin era um maldito ladino, que perseguia todas as mulheres com duas pernas bonitas — e ela se lembrou como ele tinha olhado para ela uma vez... quando as pernas dela ainda não eram fortes. Era essa expressão que ela devia se lembrar até o dia que ela morresse... ou Colin Brodie mais uma vez partiria seu coração. Ela teve um sono perturbado... E sonhou.


Ela se viu sozinha no cairn... como uma criança pequena... enrolada num canto... sozinha, esperando seu da voltar... com medo que ele talvez nunca voltasse. A vela solitária há muito tinha apagado e o cairn estava negro como a noite... e ela estava chorando... chorando... O som do seu choro infantil assombrou seus sonhos durante a noite toda. LÁGRIMAS ROLAVAM pelas bochechas de Broc, quando ele colocou a última pá de terra sobre a sepultura de Merry. Ele acariciou a terra carinhosamente, e ele estava grato pela escuridão que escondia seu rosto. Ele tinha vergonha de chorar como uma garota boba, mas ele não se conteve. Merry tinha sido seu fiel companheiro desde que Cameron era uma criança. O primo dele o observava à distância, e Broc queria saber o que diabo Cameron ia contar para sua irmã Constance. Constance era tão apegada a Merry quanto Broc, embora Merry não tivesse sempre compartilhado essa noção. Pobre Merry quase sempre fugia para descansar, porque Constance não a deixava em paz. Broc acariciou o túmulo com sua pá e ficou olhando para ela na escuridão, as lágrimas continuando a rolar pelo seu rosto. Ele não sabia quanto tempo tinha ficado lá, mas foi Page quem violou seus pensamentos. “Desculpe-me, Broc. Sei que ela era muito importante para você." Broc assentiu com a cabeça, incapaz de falar. Ele levantou o olhar e viu Cameron observando-os.


"Venha para casa," ela insistiu para ele. "Iain vai te dar uma caneca de cerveja." Broc abanou a cabeça, recusando-se. Ele jogou a pá no chão e se sentou ao lado da recém cavada sepultura de Merry. PAGE FICOU parada um instante e depois se sentou ao lado dele. "Você vai pegar um resfriado," Broc disse para ela. Ele não desejava falar agora. Nem ele queria ser consolado. Ele se sentia um tolo, porque na verdade Merry era apenas um cão, mas... mas era tudo o que ele tinha verdadeiramente tido no mundo. Page não se moveu. "Eu ficarei bem," ela lhe assegurou. "Parece-me que Cameron precisa de companhia também," ela sugeriu, olhando para seu primo. Broc encolheu os ombros. "Não foi culpa dele." "Talvez você deva ir dizer-lhe isso?" "Ele não deve se culpar," Broc adicionou teimosamente. "Mas ele está se culpando," Page rebateu. "Qualquer um pode ver isso." Broc lançou um olhar para o primo dele. Era verdade. Embora Cameron estivesse um pouco longe desde que tinha deixado o cachorro para Broc, ele não tinha ido embora. Seu primo permaneceu lá para vê-lo enterrar seu cachorro, só assistindo, sem dizer nada. Broc tinha entendido a relutância do primo de ir embora, mas ele não tinha sido bastante homem para deixar Cameron à vontade. Além disso... ele não acreditava na estória de Cameron. Algo estava errado. "Não vai adiantar nada ficar com raiva dele, Broc."


"Não estou com raiva." "Você está" Page argumentou. "Vejo isso nos seus olhos. Você está, e ele também sabe que você está." "Ele está mentindo," Broc disse. "Ele está mentindo e eu não sei por quê." Page estendeu a mão e acariciou carinhosamente o túmulo de Merry. "Sim," ela concordou. "Ele está." "Ele disse que ela caiu do penhasco, mas Merry não chegava perto dos malditos penhascos!" "Isso não é o que me preocupa agora," admitiu Page. Broc encontrou o olhar dela. Ela assentiu com a cabeça na direção do seu primo. "Você não fica com uma cara assim ao cair de um penhasco, os olhos negros e os lábios sangrando e o nariz inchado," ela observou. "Lembre-se do corpo de Lagan quando ele finalmente foi recuperado... estava todo quebrado." Broc pensou nisso apenas por um instante e soube que ela estava certa. Seu primo estava agindo de um modo muito estranho ultimamente, desaparecendo durante longos períodos de tempo e reaparecendo apenas para espreitar à distância, observando, sempre observando... Page se levantou limpando sua saia. "Vou deixar você ver se descobre o que está acontecendo," ela falou. "Converse com ele," ela persistiu e então acrescentou, "você é um homem maravilhoso, Broc e meu melhor amigo. Não gosto de ver você tão triste." ELA VEIO ATÉ ELE, então se inclinou para beijar o topo de sua cabeça.


Broc não podia responder. Sua garganta estava muito pesada para falar. "Eu sei como é se sentir sozinho neste mundo. Só vim até aqui para te lembrar que você não está sozinho." Broc ousou olhar para cima, em seguida, suas lágrimas começaram a fluir mais uma vez. A esposa de seu Laird sorriu para ele. "Você não é o tipo de se fazer de coitadinho," ela disse para ele. "Não é nenhum crime chorar, Broc. Lembre-se disso. "Chore tudo que você precisar e então se levante e vá falar com seu primo,” ela pediu. Broc permaneceu teimosamente em silêncio. Ele evitou seu olhar, e mais uma vez olhou a sepultura de Merry. "Iain e eu não vamos dormir agora, se você desejar vir e conversar," ela lhe disse. Ele assentiu. E com isso ela deixou-o pensando nas palavras dela.


CAPÍTULO 16

"Eu serei amaldiçoado!" Leith, exclamou. Colin compartilhava seu sentimento, mas as palavras lhe falharam naquele instante. Ele olhou em choque com a visão que os cumprimentou esta manhã. O campo estava cheio de homens, todos trabalhando na cerca. Mas eles não eram Brodies. "Mas que diabos?" Leith disse novamente e Colin pensou que ele podia estar em estado de choque. "Estes são os homens do Montgomerie." "Sim!" A voz de Meghan veio até eles como uma canção. "Eles são homens do meu marido!" Colin e Leith viraram para ver Meghan se aproximar, seu sorriso brilhante como sempre. As sobrancelhas de Leith se levantaram. "E onde está o seu marido," ele perguntou desconfiado. Meghan inclinou a cabeça dela na direção dele, claramente se divertindo com isso. Colin não a culpava. Ele preferia não ter ficado atordoado com a visão de tantos homens do Montgomerie, mas depois de estar junto com sua irmã e seu marido, ele não estava nem um pouco surpreso que Montgomerie estivesse disposto a fazer as pazes. As mãos de Meghan foram para suas ancas. "Meu marido, querido irmão..." Ela assentiu com a cabeça na direção do campo.


Colin virou-se e olhou, "... está lá no campo também. Onde mais ele estaria?" Leith virou também e viu Montgomerie no meio dos seus homens, sem camisa, trabalhando ao lado deles. "Eu serei amaldiçoado," ele disse e abanou a cabeça. "Nosso presente de casamento para você e Alison!" Meghan disse. "E também uma oferta de paz." Leith claramente emudeceu. Ele não se preocupou em agradecê-la. Ele ficou lá, examinando Montgomerie e seus homens, sem dizer uma palavra. Colin olhou para seu irmão mais velho e disse. "Este é um presente muito bom, querida Meggie." O entusiasmo de Meghan diminuiu um pouco, quando Leith não respondeu. "Ele não é um homem mau," Meghan disse, e a voz dela pareceu triste de repente, como se ela fosse chorar a qualquer momento. Colin estendeu a mão e arrastou-a para os braços dele, abraçando-a. "EU O AMO", ela disse, e Colin fez um carinho nas suas costas. "Eu sei, Meggie e eu não culpo você, querida." Ela olhou para ele com esperança. "Não?” Colin balançou cabeça, enquanto Leith ignorou-os. Meghan lançou um olhar para seu irmão mais velho e depois baixou seus olhar. Colin limpou a garganta, e Leith se virou para olhar para ele. Colin deu-lhe um olhar significativo e Meghan e Leith franziram a testa.


"Foi um bom presente, Meghan," Leith disse, relutantemente. Meghan olhou para ele. "Você acha?” "Claro," Colin assegurou, apertando seu abraço. O sorriso dela voltou ao seu rosto. Colin assentiu com a cabeça para seu irmão, pedindo-lhe para dizer algo mais, persuadindo-o sem palavras. Ele sabia muito bem que o orgulho de Leith, acima de tudo, tinha sido ferido pela decisão de Meghan de se casar com Montgomerie. Ele estava pronto para lutar por ela, como todos eles, e ela tinha saído da capela, agarrada ao pescoço dele, repudiando-os e tinha ido embora com Montgomerie naquela noite. Leith tinha passado por momentos difíceis ao lidar com o que ele achava ser deslealdade. "Verdadeiramente," Leith respondeu, por fim, quando se virou para assistir Montgomerie trabalhando. Não havia como negar que Montgomerie estava tentando. Ele poderia ter mandado apenas um punhado de homens, como se fosse um pequeno sinal de desculpas, e ainda assim ele não tinha feito isso. Ele enviou o que parecia ser uma legião. E ele estava trabalhando ao lado deles. Com sorte, a cerca estaria pronta no final do dia. "Na verdade," Leith adicionou, "esta noite nós vamos matar um cordeiro para celebrar a paz." Os olhos de Meghan brilharam mais uma vez. Ela se afastou de Colin e em seu entusiasmo pulou em cima de Leith, agarrando-se ao seu pescoço. "Você é o irmão mais maravilhoso do mundo!" Leith abraçou-a e riu. "Oh, Meggie," ele protestou, mas Colin sabia que ela tinha conseguido penetrar na sua armadura. Colin riu também. "E quanto a mim?" Ela olhou para ele ainda abraçando Leith e sorriu. "Sim, bem, você também," ela lhe assegurou. "Vou até lá para ajudar," Leith disse para Meghan. "Não posso


ficar aqui e deixar esse maldito Sassenach fazer todo o trabalho para mim, não é verdade?" Meghan deu uma risadinha. "Sim," ela concordou, mas antes dele ir, ela ficou na ponta do seu pé e beijou suavemente a bochecha de Leith. "Este é um gesto muito gentil, Leith Mac Brodie, trabalhar ao lado de meu marido, e eu te agradeço por isso!" "Sim, Meggie, mas é a minha cerca," ele lembrou para ela. A expressão dele ficou sóbria. "Tudo o que quero saber é se você está feliz?" A EXPRESSÃO de Meghan ficou solene. "Mais feliz do que nunca — eu juro pelo céu e pela terra!" Leith sorriu para ela. "Isso é tudo que importa, então." Ele se inclinou para beijá-la em cima do nariz e então ergueu as suas mãos. "Agora, eu vou construir uma maldita cerca," ele disse para ela. Colin permaneceu com Meghan, querendo falar com ela em particular. Ela viu Leith se juntar a seu marido. Eles falaram apenas por um momento e então juntos começaram a trabalhar. Meghan suspirou alegremente. Colin quase suspirou também, porém ele não queria admitir que o momento pudesse ter mexido com ele também. Sua irmã virou-se para enfrentá-lo com lágrimas nos olhos. "Eu sabia que ele não recusaria a ajuda de Piers! Afinal, você é o mais teimoso, e mal-humorado irmão que eu tenho," ela lhe disse, quase chorando enquanto falava. "Eu sabia que se Piers pudesse ganhar você, ele podia ganhar Leith, também." "Oh, Meggie!" Colin protestou. Ele não sabia se tinha gostado


da descrição que ela tinha feito dele, mas ele tinha que admitir que a maior parte fosse verdade. Ainda assim, ele não achava que as pessoas eram generosas com ele. Leith e Seana o acusaram de egoísta, e agora a sua querida irmã o acusava de ser mal-humorado e teimoso. Caramba, mas o que alguém podia gostar nele? Ele não se admirava de Seana querer Broc em vez dele. Meghan riu. "Por Deus, não sei o que Seana vê em você, seu grande palerma!" "Ouch!" ele disse, porque ela acertou bem no alvo dos seus próprios pensamentos. "Sim, bem, não é a mim que ela quer," ele lembrou sua irmã. Ela olhou para ele. "Tolo!" ela declarou. "Você está tão cego quanto um morcego!" Colin franziu a testa para ela. "Você não faz muito bem para o meu orgulho," ele disse para ela. Meghan sorriu para ele. "Sim, bem... você não precisa que eu cuide do seu orgulho, Colin Mac Brodie." Colin deu-lhe um olhar de advertência, mas estragou o efeito com o seu sorriso. Meghan se afastou dele, dando-lhe um olhar manhoso. "Onde está Seana?" Colin deu de ombros. Ele não a tinha visto esta manhã. Pensou com certeza que ela viria para recuperar a geringonça com o ferreiro. "Gostaria de saber sobre seu da," Meghan disse. "Qual é o problema com ele que ele não pode se alimentar?" Colin inclinou a cabeça dele. "O que você quer dizer?"


SEANA INALOU uma respiração e se virou para ver o marido trabalhando. "Ela não comeu nada ontem." "Oh, bem, você a arrastou para longe da mesa, Meggie." "Sim, mas ela levou comida com ela, você não se lembra, mas ela não comeu. Ela me pediu um pano e depois amarrou tudo direitinho e disse que ia levar para casa. Ela disse que era para o seu da. Ele está doente?" Colin tentou recordar o que ela tinha dito. Suas sobrancelhas se uniram. "Ela disse que ele estava ficando velho, mas não me disse que ele estava doente... ou pelo menos eu acho que não..." Meghan levantou uma sobrancelha. "Talvez você deva ir e ver se eles estão bem?" Ela sugeriu. Colin olhou para ela com os olhos apertados. Seria uma desculpa perfeitamente boa para ir procurar por ela. Ele tinha tentado se dissuadir de fazer isso a manhã toda. Ele queria vê-la, mas não tinha uma razão — ele olhou para sua astuta irmãzinha — até agora. Ela tinha dito que ia ver Broc hoje; seu estomago se apertou com este pensamento. Ele não queria que ela visse Broc. Droga, ele não queria que ela quisesse Broc — ele ficaria arrasado se ele a deixasse ir vê-lo sem uma maldita luta. Ele estimou a hora. Era de manhã ainda, mas a tarde estava quase chegando. Se ela não tivesse vindo pegar a peça da destilaria ainda, devia ser porque ela estava indo falar com Broc. De repente, sentiu-se ansioso para ir atrás dela. Talvez se ele corresse, pudesse encontrá-la antes que ela fosse. "Sabe, Meggie, acho que você tem razão. Além disso, eu preciso lhe dar de volta a peça da destilaria," ele raciocinou e apressadamente puxando Meghan em seus braços. Deu-lhe um beijo rápido em cima da


testa. "Sim, isso é o que eu vou fazer — eu devo levar a peça para ela," ele reiterou "e ver se está tudo está bem com eles." Ele se virou para ir embora. "Espere!" Meghan exclamou. "E a cerca? Leith vai me perguntar por que você não está ajudando com a cerca! O que digo para ele?" "Diz que fui devolver a peça — diga que eu fui ver um amigo doente — diabos, não me importo com o que você diga Meghan!" E com isso ele foi embora. Meghan ficou lá sorrindo, vendo-o partir. E então, cantarolando uma melodia alegre, ela foi ver como seu irmão e seu marido estavam se saindo. "Para onde Colin foi?" Leith perguntou como ela sabia que ele faria. Meghan sorriu docemente. "Ele está apaixonado," ela falou e piscou para o marido. Leith fez uma careta impaciente. "Oh! Outra vez!" Meghan lançou um olhar na direção para onde Colin tinha ido.

ELE TINHA ESQUECIDO a peça da destilaria. Ele tinha ido para a floresta sem a peça para entregar para Seana. Ela sorriu para si mesma. "Talvez pela última vez," ela disse e depois beijou o marido sobre os lábios. "Para que serve isso?" ele perguntou. "Esta peça serviu uisge beatha no nosso casamento,” ela respondeu. Piers fez uma careta, claramente confuso, e Meghan deu uma risadinha.


"Mulheres," Leith disse. "Elas são muito confusas." "Sim," Piers concordou compartilhando um olhar sociável com seu irmão, "mas que diabo, por beijos como este, se é uisge o que ela quer, uisge ela vai ter." Os dois riram juntos, e o som deste riso era como um bálsamo para a alma de Meghan. A vida era muito boa, ela decidiu. Muito, muito boa.


CAPÍTULO 17

S

eana escapou do cairn antes do seu da acordar. Ela tinha verificado ele rapidamente, deixado um pouco de comida para ele comer — tudo o que tinha trazido ontem, porque ela não tinha tido chance de entregarlhe quando chegou à noite, antes dele adormecer. Ele não sabia o que ela estava fazendo e provavelmente não ia gostar se soubesse que ela estava em campanha por um marido, a fim de lhes dar uma vida melhor. Ela não podia lhe dizer, mas depois que tudo acabasse ela tinha certeza de que ele ficaria feliz se Seana estivesse feliz. E Seana seria muito, muito feliz. Ela estava determinada a ser feliz. Então por que ela de repente se sentia triste sobre a possibilidade de um casamento com Broc Ceannfhionn? Oh e ele mesmo nem tinha concordado em tê-la como esposa! Ela olhou para o que tinha restado da destilaria do seu da, contemplando sua própria idiotice. Ela realmente deveria ter ido recuperar a peça esta manhã, mas ela não teve coragem para ir. Ver Broc parecia mais importante. O uisge podia esperar. Seu da não podia. Embora, na verdade, ela se sentisse culpada por vender uisge tão pobre em qualidade. Ela ainda não tinha deixado alguns lotes envelhecerem. Seu da avisoua várias vezes, que se ela não desse para as fadas seu quinhão da


água da vida, sua ira podia ser terrível para aqueles que bebessem o destilado. Na verdade, seu da tinha escolhido este lugar na floresta, porque ele tinha alegado sentir a presença delas mais forte aqui, e apesar de Seana achar ridículo, ela tinha que admitir que com o passar do tempo, ela achou que as sentia, também. E nas noites claras e quentes, a floresta parecia acesa com suas magias cintilantes. Cética como ela podia ser às vezes ela não conseguia explicar o que os olhos dela viam. Porque algumas coisas na vida... simplesmente não tinham nenhuma explicação. Por exemplo, ela não sabia por que ela sentia um grande vazio agora. Oh, mas ela tinha um maldito coração de galinha, ela repreendeu a si mesma. E ficar sentada aqui não ia fazê-la conseguir chegar mais perto de seu objetivo. Então porque ela não se levantava e ia embora? Ela sentou-se no seu tronco favorito e ficou pensando nessa questão. Sem prévio aviso, Meu Amor de repente saltou para cima do tronco ao lado dela e miou em saudação. SEANA OFEGOU em alarme e quando pensou em repreender o animalzinho pensou que ele nunca tinha chegado tão perto dela, como neste instante. Ela segurou a respiração, com medo de se mexer, para que o gato não ficasse indignado e fugisse. Seana olhou fixamente para o animal. Meu Amor olhou em volta, piscando para ela e então olhou para o lugar vazio onde a peça do seu da deveria estar.


"Gato podre," ela disse, sem ser capaz de permitir-se a esperança de que ele tinha apenas lhe feito um gesto carinhoso. Por tudo o que Seana sabia, era apenas outra maneira para o animal magricela tentar os nervos dela — chegar tão perto e então apressar-se para fugir, deixando-a com a mão no ar, novamente rejeitada. Ela virou-se, determinada a ignorá-lo, mas o malvado animal miou e se roçou nas pernas dela. Seana olhou para ele surpresa. Hesitante, ela esticou a mão para colocá-la em cima de seu pelo preto lustroso. Meu Amor não se mexeu, nem fugiu como sempre fazia, e Seana encontrou-se segurando a respiração enquanto acariciava as costas do gato. "Bem, eu estou gostando!" ela declarou e sorriu. Meu Amor se encostou à perna dela e Seana ousou erguer o animal em seus braços, abraçando-o. "Oh, Meu Amor!" ela exclamou muito feliz. "Oh Meu Amor!" ela balbuciou. "Eu sabia que você viria até mim algum dia!" Ela realmente não sabia por que devia se sentir tão delirantemente feliz que este animal intratável finalmente tinha se dignado a se aproximar dela, mas ela realmente estava. Apesar de todas as vezes que o animal bobo a tinha enfurecido com o seu distanciamento, ela sentia uma onda de amor por ele. "Meu doce Amor," ela murmurou com alegria, levantando o gato até o rosto dela, acariciando-o suavemente. Ela mal podia esperar para contar para seu da! "Tanto tempo eu esperei para te abraçar!" Colin ficou paralisado com o som da voz de Seana. O coração dele se afundou em seu estômago. Ele tinha chegado tarde demais.


Ela tinha ido até Broc e Broc não era bobo. Como ele possivelmente poderia não querer o coração de Seana? "Eu sabia que você viria para mim, um dia," ele a ouviu dizer com um suspiro ofegante, e a voz dela veio diretamente para o arbusto onde ele estava. Ele tentou ouvir a voz de Broc e não sentiu nenhum alívio quando não ouviu nada. Maldito bastardo provavelmente estava mordiscando a garganta dela como uma maldita sanguessuga! Ele queria colocar seu punho contra essa maldita boca! "Oohhhhhh," ele ouviu Seana exclamar, e ele não pensou, apenas reagiu ao som. Ele foi direto na direção dela através dos arbustos e tropeçou no tronco onde ela estava sentada. ELE QUASE CAIU em cima dela. Seana gritou em alarme. Ele ouviu um miado de indignação e algo caiu em cima de sua cabeça, o arranhando. Ele cavou suas garras na cabeça dele, pronto para pular fora, mas Colin gritou e se virou, cobrindo o rosto, rolando sobre o animal. Com um uivo, a besta se libertou e fugiu. Colin viu sua bunda preta desaparecer no mato e se virou para olhar para Seana, confuso. Ela estava ali sentada em estado de choque, encarando-o. Colin olhou para ela de volta. Era um gato. Um maldito gato! Alívio subiu através dele. Não era Broc. Ele não conseguiu parar de rir de tão aliviado ele estava.


"Eu serei amaldiçoado," era tudo o que ele pôde pensar para dizer naquele momento. Ele se sentia demasiado aliviado mesmo tendo a boca cheia de mato e malditas marcas de garras em suas costas. Seana virou para olhar ansiosamente para os arbustos onde o gato tinha desaparecido. Seu olhar voltou-se para ele e sua expressão não revelava o menor prazer em vê-lo. Por Deus, ele nem mesmo ligava para isso. Ela não estava com Broc. "Oh, Colin!" Ela levantou as mãos para o ar, obviamente revoltada com ele. "Olha o que você fez!" Ela sentou novamente no tronco e colocou seus cotovelos sobre os joelhos, seu rosto em suas mãos, e ela estava tremendamente bela e arrogante. Ela lhe lançou um olhar cansado, e Colin teria rido de puro prazer com a visão dela tentando lhe salvar da besta. "Peço desculpa" ele disse, embora ele não precisamente soubesse o que tinha acontecido, nem por que ela estava tão irritada com ele — ou sobre que assunto ele deveria se desculpar. Ele não podia estar mais satisfeito com ela neste momento e ele não conseguia parar de sorrir. Nem ele possivelmente poderia desejar beijá-la mais do que ele queria nesse instante. Ela mordeu os lábios, ainda fazendo beicinho, e sua expressão era tão mal-humorada como a de uma criança que tinha sido privada de seus doces. "Foi a primeira vez em dois anos que esse gato se dignou a chegar perto de mim, e você chegou e estragou tudo, Colin Mac Brodie!" Ela voltou a chamá-lo pelo seu nome completo. Ele levantou a sobrancelha.


"TALVEZ ele não vá querer olhar para mim de novo, por isso tira esse sorriso estúpido da tua cara!" Ela exigiu dele. Colin tentou. Ele realmente tentou. Sem sucesso. "O que você está fazendo aqui de qualquer maneira, Mac Brodie?" O sorriso de Colin virou irônico, e suas bochechas ficaram um pouco vermelhas. "Vim trazer a peça para você," ele disse, sentindo-se um pouco envergonhado de repente. Ela levantou a cabeça de suas mãos e inspecionou as mãos dele. "Sim, bem, onde está então?" Colin torceu os lábios. "Hmmm... essa é uma pergunta muito boa." Ela estreitou os olhos para ele. "E qual é a resposta?” "Eu esqueci." Ela levantou uma sobrancelha, de repente parecendo demasiado presunçosa para o gosto de Colin. "Você esqueceu?" Colin assentiu com a cabeça. "Oh, e quando foi que você notou que tinha esquecido Mac Brodie?" "Bem, agora, eu estava distraído pela preocupação," ele disse para ela, em uma tentativa de desviar a atenção dela. "Preocupado com o que?" "Porque você deveria ter ido buscar a peça ainda esta manhã," Colin lembrou-lhe. "Ou você esqueceu?" Seana abanou a cabeça e colocou-a mais uma vez dentro da palma da sua mão, parecendo de repente sem esperança. "Eu ia pegar a peça mais tarde, no meio da tarde," ela revelou,


soando desanimada. "Eu queria ver Broc esta manhã... mas não consegui ir," ela confessou com um suspiro desanimado. Colin sentou-se para enfrentá-la. "Por que não?" Não que ele particularmente quisesse que ela fosse ver Broc, mas ele desejava saber por que ela não tinha sido capaz de ir. E ele se atreveu a ter esperança de que ela não tivesse ido por causa dele. Ela deu de ombros. Colin viu-se olhando fixamente para os lábios dela enquanto ela falava. "Porque eu sou uma covarde," ela disse baixinho, mas não desviou seu olhar. "É por isso!" O coração de Colin começou a bater mais rápido. Ele se atreveu a mover-se para mais perto, atraído por aqueles lábios deliciosos, como se eles fossem um imã. "Não, moça," ele murmurou. "Você não é covarde." Havia poucas mulheres que poderiam superar tanta coisa e acabar fortes e cheias de vida. Ela era linda do coração até aqueles lábios suculentos, e ele tinha sido um rapaz cego e tolo, muito tolo, que não podia ver além de suas pernas imperfeitas. Que imbecil ele tinha sido... e que alto preço ele estava pagando agora. ELA NEM SEQUER O tinha considerado, e ele não a estava começando a ver a si mesmo através dos olhos ele não sabia se gostava do que via. "Sim," ela argumentou. "Eu sou! Você não sabe importante para mim," ela revelou, "e mesmo assim fazê-lo!"

culpava. Ele dos outros e como isso é não consigo


Aqueles lindos olhos verdes se tornaram líquidos, e Colin queria beijar os olhos dela, para ter o sal das suas lágrimas na língua dele. "Você não é covarde, Seana." "Eu nunca vou me casar," ela lamentou. "Oh, moça... qualquer homem seria um tolo de não querer casar com você." Ela piscou ao ouvir suas palavras, suas sobrancelhas se fecharam e ela abaixou o olhar dela. Colin sabia que ela não acreditava nele. Ele estendeu a mão para tocar o queixo dela, com a intenção de levantar o rosto dela na sua direção, para fazê-la ver a verdade de suas palavras, mas ele se encontrou acariciando sua pele macia. Ela não protestou, e ele não parou. Seu coração começou a martelar agora, e sua barriga vibrou mais forte. O que ela faria se ele a puxasse para seus braços? Ela lutaria com ele? Ela iria bater em seu rosto e fugir? Ou ela se derreteria com a aproximação do seu corpo e o deixaria fazer amor com ela? Aqueles olhos verdes austeros se encontraram com os dele, e por um instante, Colin perdeu o fôlego. Nem ele podia encontrar palavras para falar. A guarda dela baixou. O desejo estava lá; ele reconheceu isso em seus olhos, mas, ele também viu confusão. Havia vulnerabilidade naqueles olhos verdes que o fazia ansiar protegê-la de tudo e de todos — incluindo ele próprio. Ela merecia um homem melhor do que ele. Ela queria alguém melhor do que ele.


Ela queria Broc Ceannfhionn. O coração de Seana parou com a doçura de sua carícia. Ela inclinou seu rosto na mão dele. Nunca na sua imaginação mais selvagem ela tinha imaginado este momento entre eles. E sentir... a ternura do seu toque... ver o calor dos seus olhos... roubou sua respiração e a deixou sem nenhum pensamento racional. A barriga dela vibrou quando ele colocou todo seu rosto inteiro na palma da sua mão. O gesto era tão carinhoso que ela ficou momentaneamente tonta. Nem mesmo seu da jamais tinha tocado seu rosto com tanto carinho... nenhum homem sequer a tinha olhado daquele jeito. Seana fechou os olhos e colocou a mão em cima da dele, deslizando os dedos entre seu rosto e a mão dele, só começando a erguê-la porque ela não tinha vontade de querer se ver livre. Seu coração batia freneticamente. "SEANA," ele sussurrou. Seana abriu os olhos, de frente para ele. Ele tinha sido seu tormento, agora ele era amigo dela... O olhar em seus olhos sugeria muito mais... e Seana ainda tinha que desacelerar o coração dela para que ele não a traísse. Este era Colin Mac Brodie, ela tinha que se lembrar — o homem que ela nunca devia confiar. O que estava errado com ela que ela pudesse se esquecer tudo o que tinha acontecido entre eles com um simples toque? Como ela podia reagir a ele tão estupidamente? E o pior disso era que... era evidente que, embora ela negasse, ela ainda ansiava por ele e isso a apavorava.


Seana engoliu seco. Ela não podia, por um instante, respirar. "Você é linda, Seana," ele sussurrou. A mão de Seana tremeu em cima da dele. Ela queria mais do que tudo manter a mão dele no seu rosto — queria mais do que tudo sentir o seu carinho. Ela era fraca — Oh, Deus — e sentia fome do que os olhos dele pareciam lhe prometer. "E você é a jovem mais corajosa que eu conheço," ele lhe assegurou, seus olhos perfurando a blindagem de seu coração. "Olhe para você," ele exigiu. "Você recuperou o uso de ambas as pernas..." Ela tirou a mão dele do seu rosto, o coração dela se torcendo por causa de suas palavras. "Eu sempre tive o uso das minhas pernas," ela lhe lembrou amargamente, "você simplesmente não gostava do jeito que elas funcionavam!" "Oh!" ele continuou, ignorando-a, "e você tem um da que nem ao menos larga seu copo para alimentar sua filha —" Isso era exatamente o que Seana precisava ouvir para afastálo. Ela ficou com raiva. Ela se levantou. "O que você sabe do meu pai, Colin Mac Brodie? Você não sabe nada sobre o meu pai! Você não tem o direito de falar dele!" Ele não reagiu, apenas ficou sentado lá, ousando olhar boquiaberto para sua explosão e Seana queria bater no seu rosto arrogante. "Deixe-me lhe falar sobre o meu pai," ela disse. Lágrimas saltavam dos seus olhos. Ela não podia evitar. "Foi meu pai quem enxugou minhas lágrimas quando você me chamou de bruxa coxa!"


Ele estremeceu e Seana continuou. "Sim e foi meu pai quem encontrou força para quebrar a minha perna!" Ela acenou para os membros. "Para endireitar as minhas pernas! E foi meu pai quem cuidou de mim até eu ficar forte. Sim!" ela gritou para ele, quando ele piscou surpreso. "Então nunca mais fale nenhuma outra maldita palavra contra meu pai, Colin Mac Brodie, ou eu... Eu...” SEANA QUERIA CHUTÁ-LO, mas ele estava sentado parecendo se lamentar do que tinha falado e com os olhos cheios de desculpas que ela não podia nem mesmo encontrar o ódio que uma vez ela tinha usado para proteger o coração contra ele. "Eu nunca mais quero falar com você novamente!” ela disse para ele, usando a raiva como seu escudo. "Fique longe de mim e nunca mais se aproxime de mim!" E após dizer isso Seana saiu — antes que ele pudesse falar algo para se defender — antes que ela pudesse ser persuadida a acreditar nele. Ela fugiu da clareira, correndo de volta para o cairn o mais rápido que suas pernas conseguiram carregá-la. Ela não precisava da ajuda dele. Ela não queria vê-lo novamente! Não era seguro. Colin Mac Brodie era um maldito patife e ela agiria corretamente se nunca mais colocasse os olhos nele novamente. Era Broc que ela queria. Broc seria melhor marido para ela. Então por que ela não parava de chorar? Seana mal podia ver o caminho diante dela por causa de suas lágrimas. Ela se dirigiu para sua casa por instinto, precisando mais do que qualquer coisa o conforto de seu pai. Seu da saberia o que fazer. Ele saberia o que dizer para suas


lĂĄgrimas secarem. Oh, mas ela realmente nĂŁo sabia o que faria sem ele.


CAPÍTULO 18

Relutante, Colin deixou-a ir. Ele ficou sentado vendo-a mais uma vez se afastar, sentindo-se impotente para detê-la. Ele não sabia o que dizer. Ele tinha sido um maldito bastardo por feri-la tão profundamente, mas ele não sabia como consertar as coisas. Ele sentia seu coração pesado e sua consciência estava mais pesada do que seu coração. Seana merecia mais do que ele podia lhe dar. Ele era filho do seu pai, literalmente, e ela merecia morrer velha em sua cama, sem a dor no coração que sua mãe tinha suportado. Ela merecia um marido dedicado ao seu lado, que sempre a amasse. Se ele pudesse lhe dar isso, ele daria... mas ele não podia. Mas ele podia ajudá-la a conseguir... Broc era um bom homem, com um coração puro — mesmo ele estando muito concentrado em seus deveres e tarefas para notar o amor de uma mulher a não ser que ela lhe batesse na cabeça. Bem, Colin pretendia fazer isso... dar para Seana o que ela queria tão desesperadamente. Levantando-se ele partiu em busca de Broc. "DA?” O pai dela não respondeu, e o peito de Seana se apertou dolorosamente.


Ela encontrou-o deitado na escuridão e ela acendeu outra vela e trouxe para o lado de sua cama, seu coração martelava com medo enquanto ela o inspecionava. Ele estava deitado mais calmo do que Seana jamais o tinha visto e ela teve que colocar a mão no seu peito para sentir as batidas de seu coração. Seu rosto estava pálido. Ela colocou uma mão na testa dele e viu que sua pele estava quente e úmida. Febre. "PAI," ela sussurrou... e ele não reagiu. Seana apertou o ombro dele delicadamente, tentando acordá-lo, precisando da tranquilidade do seu olhar. Ele se mexeu, mas com dificuldade. "Não," ele disse para ela, e o som era quase áspero. Com o coração batendo mais forte, Seana inclinou-se mais perto, para ouvi-lo. "Da," ela chamou-o. "Não... chore," ele disse para ela um pouco delirantemente, sem se preocupar em abrir os olhos. Ele balançou a cabeça. "Não chore Seana..." "Da..." Seana começou a gemer baixinho, o medo aumentando em seu coração. "Qual é o problema, Da?" Ela o sacudiu novamente, mais forte desta vez e seus cílios vibraram. Seana achou que ele a tinha visto, mas ele deu-lhe um olhar muito esquisito. Ela nunca o tinha visto parecendo tão... incoerente. Mesmo quando ele se encharcava com bebida, ele nunca lhe pareceu tão confuso. "Seana... criança... Eu não quis..." Ele parou para engolir, e parecia muito difícil para ele engolir. "Eu nunca quis deixá-la


sozinha tanto tempo," ele terminou e parou para respirar. Ele estendeu a mão para tocar seu rosto. "Eu não gosto de ouvir você chorando," ele disse num sussurro, seus velhos olhos verdes nublados. Seana tentou não chorar. Ela acariciou seu rosto carinhosamente. "Diga-me o que fazer," ela exigiu. "Diga-me como eu posso te ajudar," ela implorou. "O que está te afligindo, Da?" "Estou cansado," ele murmurou e fechou os olhos novamente. A cabeça caiu para um lado. "Da!” Seana gritou. O coração dela batia mais forte com o impasse. "Da!” Ele não reagia, e ela lhe deu um tapa em seu rosto um pouco mais firme. Ela não tinha noção alguma de como ajudálo — particularmente quando ela não tinha noção do que lhe afligia. Pânico se instalou na sua mente. Ele não acordava, e Seana não sabia o que fazer. Ela não sabia como tratar uma pessoa doente! Ela levou seu rosto em suas mãos e caiu no choro mais uma vez, porque ele se sentia tão frágil. " Da!” ela falou chorando. Quando ele não abriu os olhos, ela tentou segurá-lo na tentativa de levantá-lo, mas por mais frágil que ele estava, ainda assim ele era muito pesado para ela levantar. O que ela devia fazer agora? Ela não podia deixá-lo deitado lá para morrer! Se ela não conseguisse levantá-lo, ela teria que tentar obter ajuda. Era a única coisa a fazer, mas ela não queria deixá-lo sozinho. E se ele morresse enquanto ela estivesse fora? LÁGRIMAS ESCORRIAM POR SEU ROSTO.


"Da," ela disse num soluço e então se levantou, olhando para ele e se sentindo impotente. O que ela devia fazer? Se ela ficasse aqui sem fazer nada então ele certamente morreria. Ela teria que ir atrás de ajuda. Era a única solução. Ele tremeu e ela reuniu todos os cobertores e, em seguida, empilhou todos sobre ele. Ele tinha que ficar aquecido. E ela devia se apressar! Onde buscar ajuda? Seu primeiro pensamento foi Colin. Pelo bem do pai dela, ela não tinha o direito de ficar com raiva dele e não pedir ajuda. Ela não podia pensar em mais ninguém para pedir ajuda. Os MacKinnons eram os que estavam mais próximos do cairn. Talvez, Broc estivesse lá? O coração dela batia freneticamente enquanto ela tentava decidir o que fazer. Os MacKinnons estavam mais próximos, ela pensou novamente. Ela deu-lhe um beijo no rosto e o acariciou com uma mão trêmula. "Eu volto bem rápido," ela prometeu e correu para procurar ajuda, rezando para que não fosse tarde demais. "SIM, Seana. Você se lembra dela?" Colin perguntou. Broc estava sentado num banquinho, cortando uma vara, e parecia em profunda contemplação, apesar dele estar fazendo uma força tremenda para aparecer satisfeito com a visita de Colin. "Quem?" ele perguntou, olhando para cima. Colin franziu a testa para ele. A vara de Broc estava rapidamente se tornando uma vara fina. "Seana." Broc continuou a talhar ferozmente... quase como se ele estivesse jogando toda sua frustração na vara e Colin o assistiu com curiosidade, imaginando seus pensamentos. Ele parecia tranquilo


quando Colin chegou, acolhedor, mas contemplativo. Mas a atenção dele era somente para seu primo, que agora estava sentado sobre seu traseiro contra um muro de pedra, parecendo tão preocupado quanto Broc. "A FILHA de Donal o bêbado," Colin respondeu e sentiu uma pontada de culpa por repetir o epíteto, apesar de Seana não estar perto para ouvi-lo. Ela tinha sido muito defensiva com relação ao seu da. Colin não queria machucá-la, apenas tomou a sua defesa contra a negligência do seu da. Ele só queria que ela visse a mulher extraordinária que ela tinha se tornado. Broc assentiu com a cabeça. "Oh, sim," ele disse, dando a Colin um olhar estranho antes de voltar sua atenção para seu primo. Não que Colin verdadeiramente desejasse falar com Broc sobre Seana, mas ele estava ficando irritado com essa conversa... ou a falta dela. "O que tem ela?" Broc perguntou de repente. Colin olhou para baixo para ver que Broc o observava curiosamente agora. "O que você acha dela?" ele perguntou. "Ela é uma moça doce," foi a resposta imediata de Broc. E ele piscou para Colin. Colin cerrou os dentes com a piscadela. Ela certamente era doce, mas de repente ele se viu imaginando quanto tempo os dois tinham passado juntos e o que eles tinham feito durante esse tempo, e este pensamento embrulhou o seu estomago. "Bonita também," Broc adicionou. Colin franziu a testa. "Sim... o quanto você a conhece?" ele não pôde evitar em perguntar e sabia que ele parecia territorial.


A expressão do Broc se tornou mais curiosa. "Bem o suficiente," ele respondeu. Colin de repente se sentiu impaciente com as respostas do seu amigo. "O que você acha dela é a pergunta?" Broc, rebateu, de repente, olhando incisivamente para ele. Uma sobrancelha levantou-se... em desafio, Colin pensou. De repente, ele não desejava falar sobre Seana por mais tempo. Ele não desejava lutar com seu velho amigo, mas por Deus, ele não queria que Broc tivesse qualquer interesse por Seana. Na verdade, ele não queria saber o que Broc pensava sobre ela. Ele queria ajudar Seana a conseguir o que ela mais queria — o problema era... que estava contra o que ele queria e ele nunca tinha conseguido lançar suas mulheres para os braços de outro homem. "O que está acontecendo com Cameron?" Colin perguntou, na tentativa de mudar o assunto — antes que ele ficasse bastante irritado com seu melhor amigo e tivesse vontade de torcer e jogar fora as suas bolas. Ele não gostava do que ele estava sentindo neste momento. Nunca em sua vida se ele sentiu tanto ciúme por causa de uma mulher — e por causa de uma mulher que não era dele, e nem queria ser! O que diabo o estava afligindo? ELE NUNCA TINHA SIDO CIUMENTO. Ele nem mesmo sabia se já tinha experimentado este sentimento, mas de qualquer forma ele não gostou. "Não estou certo," disse Broc voltando sua atenção para seu primo.


Colin retornou aos seus pensamentos. No que dizia respeito a ele, se qualquer mulher o quisesse — e ele não tinha conhecido muitas que não o quisessem — tudo estava bem com ele. E se elas não o quisessem, havia muitas outras que o queriam. Seana era diferente. Seana era... Seana. Ela não era como as outras mulheres. Ela era corajosa e ela era ousada e ela era brilhante e cheia de paixão. Ela era teimosa, também — e ela o fazia sorrir, mesmo quando ela não estava tentando... Ele encontrou-se sorrindo agora, simplesmente por pensar nela... Seu atrevimento o divertia, e o seu modo decisivo de lidar com a vida dela o fazia admirá-la, como ele nunca tinha admirado muitos homens. Ela não tinha tomado seu problema nas pernas como uma desculpa para se sentar e murchar em algum lugar escuro, até que ficasse velha e muito abatida para se importar com o que as pessoas sentiam por ela. Sim, e ela não parecia se importar com o que alguém pensava. Ela fez a sua vida da sua própria maneira e que se danassem os que não gostavam. "Ele tem agido estranhamente," Broc falou. Naquele instante, Colin estava totalmente perdido em seus pensamentos para perceber de quem Broc falava. "Como assim?" ele perguntou, assim que entendeu que ele falava de Cameron. O rapaz estava sentado, batendo os dedos uns contra os outros e parecendo irritado e impaciente. Colin se perguntou o que estava acontecendo.


Broc sacudiu a cabeça e disse, "Eu não consigo entender, mas algo não está certo com esse rapaz... desde que ele veio com o corpo de Merry..." "Seu vira-lata?” Colin perguntou, agora confuso. A cabeça de Broc desmoronou. Ele olhou para o chão. "Sim, ela está morta," ele revelou e pareceu quase engasgar com a declaração. Colin piscou surpreso. "Oh! Como?” "Eu não sei," Broc disse e olhou para Colin, seus olhos vidrados com lágrimas. Mas Broc não estava chorando. Ele disse novamente, "Eu não sei." E então ele endireitou-se e afastou o sofrimento de sua expressão. Ele deixou cair à vara que ele estava esculpindo a seus pés e voltou a olhar para o primo dele. "Ele devia estar tomando conta de sua maldita irmã!" ele comentou, "em vez de ficar sentado sentindo pena de si mesmo." COLIN NÃO SABIA o que dizer. O vira-lata de Broc tinha sido sua companhia constante desde quando Colin podia se lembrar. "Sua irmã?” "Sim," Broc disse com raiva. "Ele me disse que ela está doente, e ele fica sentado aqui como um bastardo egoísta de mau humor." De repente ele se levantou. "Vou ver com ela está!" Ele começou a andar em direção a casa do seu primo, e Colin se perguntava se ele devia segui-lo. Ele não queria se envolver em assuntos de família. Ele não tinha nada a ver com isso. Broc parou e olhou para ele por cima do ombro. "Você vem?” Colin deu de ombros e se afastou da parede. "Ela deve estar chorando a morte de Merry."


"Broc!" Cameron chamou-o. Broc continuou andando, ignorando seu primo, mas Colin parou. Cameron foi atrás deles. "Aonde vocês vão?" ele perguntou, soando angustiado. "Ver Constance," Broc disse sem se virar. "Você não precisa ir!" Cameron disse-lhe. "Eu vou fazer isso!" Broc continuou ignorando-o e Colin permaneceu onde estava. "Não a incomode!" Cameron gritou, e Broc parou de repente, voltando-se para enfrentá-lo. “Não me diga o que eu posso fazer Cameron,” Broc disse. "Eu disse que estou indo ver Constance e eu vou vê-la." Os dois pararam se encarando um ao outro, e Colin pensou que eles iam brigar. "O que está escondendo, Cameron?" Broc o acusou. O rosto da Cameron ficou vermelho — de raiva ou de desgosto, Colin não sabia qual. "Quem disse que eu estou escondendo alguma coisa? Deixe minha irmã em paz!" Nenhum deles falou nada. Ficaram olhando um para o outro, ambos com suas expressões cheias de frustração e raiva. Foi então que ele ouviu a voz dela. Seana. Ela veio cambaleando para fora da floresta, chamando o nome de Broc enquanto corria. Colin foi em direção a ela, no mesmo tempo — apesar de não ser ele quem ela estava procurando — instintivamente sabendo que algo estava errado. Seana quase chorou de alívio quando viu o rosto de Colin. Ela


correu em direção a ele, sem fôlego e aterrorizada porque talvez fosse tarde demais para ajudar o pai. "É meu pai!" ela disse histericamente, caindo nos braços de Colin. Seu rosto estava vermelho de tanto que ela tinha chorado, mas ela não se importava. COLIN SEGUROU A CABEÇA DELA, forçando-a olhar para ele. "O que está errado, moça? Diga-me!" A preocupação em seus olhos fez suas lágrimas começarem de novo. Elas se derramavam pelo seu rosto. Ela provava em seus lábios. Nunca na vida dela ela tinha implorado algo para qualquer pessoa, mas ela não tinha nenhum orgulho neste momento. Pelo pai dela, ela poderia vender a sua alma. "Meu da," ela chorou. "Ele está muito doente!" Colin segurou-a, senão ela teria desabado, porque a perna dela doía após a longa e dura corrida. "Eu não sei — eu não sei o que está errado!" Ela balançou a cabeça histericamente. "Ele estava deitado no escuro!" ela explicou. "Eu pensei que ele não estava respirando, mas ele estava! Oh, eu não quero que ele morra!” ela gritou, seu coração dolorosamente angustiado. "Onde ele está?" Broc perguntou. Seana estendeu a mão e segurou o braço de Broc. "Em casa," ela disse. "Ajude-me, por favor, Broc! Eu não sei o que fazer! Ele está com febre e eu não sei o que fazer!" Broc a abraçou, como ele tinha feito muitos anos atrás. Ele a segurou tranqüilizando-a e bateu nas suas costas. "Não se preocupe, Seana, nós vamos fazer o que pudermos! Eu prometo moça — nós faremos o que pudermos!"


"Por favor, depressa!" Ela implorou, e ele pegou a mão dela. "Vamos pegar nossos cavalos," ele disse para ela. Ela gritou em surpresa quando Colin a levantou de repente em seus braços. "Ela vai comigo," ele disse, e seu tom não tolerava nenhum argumento. Seana estava tão aliviada pelo suporte dos dois que não quis protestar. As pernas dela estavam doendo demais para que ela insistisse que ele a colocasse no chão. Ela se inclinou contra ele e chorou baixinho contra seu pescoço, agarrando-se a ele. Ela temia que fosse tarde demais. O cheiro da sua pele, de alguma forma, acalmou-a, e o sal da sua carne se misturava com o de suas lágrimas. "Obrigada," ela sussurrou para ele e o abraçou ferozmente. Colin a apertou em resposta. "Tudo vai dar certo, Seana," ele sussurrou. "Não se preocupe." Nada parecia certo, a não serem os braços que a abraçavam. Seana o apertou com força e orou com toda sua força.


CAPÍTULO 19

C

olin deixou-a chorar enquanto eles cavalgavam, permitindo Broc assumir a liderança. Por um momento ele ficou irritado porque Broc parecia saber para onde devia ir sem precisar perguntar — mas apenas por um instante, porque a dor de Seana estava rasgando seu coração. Antes de ela desmoronar em seus braços, ele tinha espiado o olhar em seu rosto. Embora ela tivesse tentado escondê-lo, ele tinha visto. Isto mais do que qualquer outra coisa tinha sido a razão pela qual ele a tinha levantado em seus braços e a carregado para o seu cavalo. Apenas por um breve instante ele tinha experimentado uma pontada de ciúme ao ver Broc arrastando-a para longe dele. Mas não havia tempo agora para sentir um orgulho mesquinho de macho, e ele se recusou a permitir que esse sentimento o dominasse. Quando Broc parou sua montaria bem na borda da floresta, no lugar onde o penhasco alto subia acima de Chreagach Mhor — a antiga fortaleza druida dos MacKinnon — ele veio e a levou em seus braços, ele a deixou ir com ele e desmontou para segui-los. Por um instante, ele ficou perplexo, pois ele não viu nenhuma cabana em qualquer lugar. Somente quando Seana os levou para uma pequena entrada ao longo do penhasco ele percebeu onde ela os tinha trazido. Era um enorme cairn, um dos muitos que tinha nesta terra.


Este cairn em particular, entretanto, era significativamente maior, quase como uma caverna, embora não fosse. A única diferença entre este cairn e uma caverna eram as numerosas fissuras que deixavam a luz do sol penetrar. Ele se abaixou para entrar com Seana e Broc e respirou o perfume de barro úmido. O quarto estava iluminado e escassamente mobiliado. Grãos de poeira dançavam por onde os raios do sol entravam na antiga cripta druida. O pai de Seana estava deitado em uma palete estreita na parte de trás do quarto e Seana se dirigiu a ele e caiu de joelhos ao seu lado. Um gato preto, talvez o mesmo que tinha caído em cima dele na floresta, estava sentado ao lado de Donal, observando-o. "Da," sussurrou Seana. Ela estendeu a mão e acariciou o gato, como se ela estivesse grata por sua presença. O pai dela não se mexia. COLIN FICOU MOMENTANEAMENTE ESTARRECIDO com o lugar onde ela morava. Algo como raiva fluiu através dele, mas ele não sabia por que ou de quem. Como alguém podia viver assim por toda a sua vida? Ele se sentiu doente com a situação, e ele se ajoelhou ao lado do pai dela. Seana deu-lhe um olhar cheio de lágrimas e ele tentou tranquilizá-la, mas as palavras não conseguiam sair de sua boca. "Ajude-o... por favor," ela implorou, e se levantou para dar a Colin o espaço que ele precisava. Assim que ela se levantou, Broc puxou-a para seus braços a fim de consolá-la. Colin imediatamente inspecionou seu pai. O homem não se mexia. Ele estava deitado como uma pedra, e gelado, como se ele tivesse sido há muito tempo enterrado dentro desta antiga cripta.


Colin colocou sua mão contra as narinas do homem para sentir se ele ainda respirava. "Ele está muito doente," ele disse para Seana, e sua sobrancelha se levantou de preocupação. "Nós precisamos tirar ele daqui!" "Eu tentei" Seana disse-lhe chorando e começou novamente a soluçar. "Mas eu não consegui." "Vou levá-lo até Meghan, Seana. Meghan vai saber o que fazer por ele." Sabendo que não havia tempo a perder, ele levantou o pai dela nos seus braços e o levou para fora do cairn, estremecendo enquanto seus olhos se ajustavam a luz solar. Somente quando seus pulmões se encheram de ar quente ele percebeu o frio que tinha se infiltrado em seu corpo enquanto ele ficou dentro do cairn. As palavras escaparam dele ao realizar como ela tinha vivido todo esse tempo — em sua própria crueldade. A expressão dela há muito tempo atrás — o olhar ferido que ela tinha lhe dado — voltou para assombrá-lo mil vezes. O gato seguiu-os para fora. Sentado como uma sentinela no portal e miou atrás deles. O primeiro pensamento coerente de Colin foi que ele não ia deixá-la voltar. Nunca mais. Se fosse preciso ele daria a ambos uma maldita casa, ela não ia mais deitar, nem mais uma noite, a sua cabeça contra esse solo encharcado. Ele não conseguia entender como os dois não tinham morrido há muito tempo naquele lugar, e ocorreu-lhe de repente que agora ele entendia porque Seana não o tinha deixado segui-la até em casa. Seu coração se apertou por ela.


Raiva e vergonha arranhavam seu corpo. Como ele pôde se atrever a tentar entender a sua dor? Como podia ele a ter tratado tão cruelmente no passado. Seana era a pessoa mais corajosa que ele já tinha conhecido. Não havia um pingo de pena de si mesma em seu corpo, e ele jurou nunca mais deixá-la ver pena nos olhos dele. Ele a amava demais para magoá-la novamente. Sim, ele a amava, droga! ELE A AMAVA, e ele não se importava se ela não o amasse de volta. Não importava. Tudo o que importava para ele neste instante era Seana. Ele faria qualquer coisa, para vê-la feliz — mesmo que isso significasse deixá-la ficar com Broc. COLIN TINHA RAZÃO. Com o benefício das lições sobre medicamentos aprendidas com a sua avó, Meghan soube exatamente o que fazer. Seana estava grata a Meghan pela forma como ela tratou seu pai, como se ele fizesse parte da família dela. Ela deitou-o dentro de um quarto na sua mansão e cuidou dele diligentemente, dandolhe poções para aliviar sua dor e abaixar sua febre, além de colocar panos úmidos em sua testa. Ele oscilou entre quente e frio e frio para quente e Seana tinha medo da palidez de sua pele. "Ele ficará bem?" ela perguntou para Meghan. Meghan abanou a cabeça. Ela deu um olhar para Seana por cima do ombro. "Eu não sei," ela disse gravemente. "Ele está muito doente, Seana." Um soluço estava preso na garganta de Seana e ela quis chorar,


mas ela sabia que isso não ia adiantar. Meghan não precisava de distração agora, e Colin e Broc estavam conversando com o marido de Meghan. "Eu fiz tudo o que sei," admitiu Meghan, lançando outro olhar preocupado para Seana. Os olhos verdes de Meghan se encontraram com os de Seana. Meghan transmitia conforto e força tentando preparar Seana para o pior. Seana engoliu seco e caminhou para o outro lado da cama do pai dela. Ela sentou-se, tentando ser tão discreta quanto possível e precisando estar próxima ao seu da quanto tempo ela pudesse. "Uma vez, eu tratei alguém com essa doença." Meghan olhou para Seana enquanto ela arrumava um pano sobre a testa de seu pai. Seana estava grata pela forma gentil que Meghan tinha colocado o pano sobre o seu rosto magro. "Minha grandminny Fia..." Seana mal se lembrava da velha. Ela às vezes tinha se deparado com ela quando revirava as matas atrás das ervas. Às vezes, até mesmo, Meghan estava com ela, mas Seana era demasiado tímida para falar com as duas. Ela ficava escondida nos arbustos, assistindo a uma distância segura, desejando que ela tivesse tido uma grandminny que acariciasse sua cabeça tão amorosamente e beijasse delicadamente sua bochecha. O OLHAR dela voltou-se para o seu pai. Seu da não tinha sido afetuoso, mas ele era tudo o que ela tinha no mundo. Seana não sabia o que faria se ele morresse. "O que aconteceu com a sua grandminny?" Seana ousou perguntar.


Meghan abanou a cabeça tristemente, Seana baixou o olhar, em compreensão. Ela pegou a mão do seu pai e se atreveu a prendê-la entre a sua, segurando-a suavemente. O coração dela saltou quando ele de repente abriu os olhos. Ele olhou para Seana e falou. "Meu amor," ele disse, apesar de sua voz estar fraca Seana conseguia entendê-lo. "Você veio..." Seana engoliu e apertou sua mão. "Logo você ficará bem, Da," ela prometeu. "Não é verdade, Meghan?" Ela olhou esperançosamente para irmã de Colin. Meghan assentiu com a cabeça, embora hesitante, e Seana atreveu-se a acreditar. Ele tremeu. "Deixei Seana chorando," ele divagava e Seana percebeu que ele não a reconhecia. Ele devia estar pensando que Seana era sua mãe. "Nós temos que ir... ir até ela..." Ele fechou os olhos. "Ela é só um bebê chorão," ele disse e pegou no sono mais uma vez. "Eu estou aqui, Da" ela tentou tranquilizá-lo, e seus olhos voltaram a abrir mais uma vez. Desta vez, Seana pensou que ele a tinha reconhecido. "Seana?" ele perguntou fracamente. Seana sorriu. "Sim, sou eu Da." Ele sorriu-lhe e então suspirou um pouco contente. "Você vai ficar bem, Da." Ele fechou os olhos e balançou a cabeça. "Sim!" ela rebateu com firmeza. "Você vai ficar bem!" Ele deu uma respiração profunda e reabriu os olhos. "Vou me juntar a meu amor agora... mas um dia," ele disse, "você vai me ver novamente, minha querida..."


Seana recusou-se a ouvi-lo. "Não, Da, você não pode me deixar!" "Sim," ele falou com a voz fraca. Ele parecia de repente perceber que ela estava segurando sua mão e a apertou. "E você vai me ver novamente," ele prometeu. "Você verá Meu Amor e vou estar ao lado dela. Ela está esperando por mim agora, você sabia?" Ele deu um sorriso fraco e então tossiu por causa do esforço por falar. "Da!” Seana protestou. Lágrimas caíam sobre as bochechas dela. Ele deu um olhar para Meghan. Meghan permaneceu em silêncio, removendo o pano de sua testa quente. "DOIS GATOS," ele disse, voltando-se para Seana. "E nós vamos ser a sua sombra, olhando sempre por você, minha filha. Você verá...” "Não, Da," Seana protestou, segurando a mão dele mais apertado, como se pudesse mantê-lo longe de qualquer perigo. "Você ainda não vai morrer!" "Procure por mim," ele comandou. Ele tossiu e, em seguida, fechou os olhos, voltando mais uma vez para um sono perturbado. Quando ele voltou a abrir seus olhos, parecia que ele não a reconhecia. Seus olhos estavam vitrificados com febre e distantes. "Meu amor," ele sussurrou com a voz rouca e estendeu a mão como se fosse tocar o rosto dela. Seana engoliu, porque ele nunca a tinha chamado assim em toda a sua vida, e ela sabia quem era que ele achava que estava vendo. A mãe dela.


"Não deixe Seana chorando sozinha," ele implorou para ela e, em seguida, tentou se levantar. Seana pediu-lhe para voltar a deitar. "Descanse, Da!" "Não a deixe chorar!" ele disse com urgência. Seu olhar de repente focado nela. Seana abanou a cabeça. Ele não a reconhecia. As lágrimas jorravam de seus olhos e ela engoliu de volta a sua dor. "Ela... Eu não vou deixar," ela prometeu. "Vá até ela agora!" ele exigiu. Seana esforçou-se para não explodir em lágrimas. Ela não sabia o que fazer ou o que dizer. Eu estou aqui, Da, ela queria gritar. Eu estou aqui! Meghan mais uma vez tentou esfriar o rosto dele com o pano úmido, e ele mais uma entrou num sono descontínuo. Seana estava ao seu lado, chorando baixinho enquanto ouvia sua respiração ofegante. "Eu deveria ter trazido ele mais cedo," ela lamentou. "Eu deveria não tê-lo deixado tanto tempo..." "Você fez o melhor que você pôde" Meghan a tranquilizou. "Eu devia ter tirado ele de lá," Seana soluçou, culpando a si mesma. Se ela tivesse sido corajosa o suficiente para encontrar um marido mais cedo... Se ao menos ela tivesse ido diretamente para Broc, ao invés de ir até Colin. Mas, mesmo assim ela não tinha garantias de que Broc se casaria com ela, e ela tinha sido incapaz de fazer qualquer coisa. Broc era bom e gentil com ela, mas não olhava para ela como Colin olhava... "Colin," ela murmurou sem perceber, precisando


desesperadamente que ele estivesse lá ao lado dela. Ela estava vagamente ciente que Meghan olhava para ela, mas ela não sabia por que e não se importava. Os olhos dela estavam inchados de tanto chorar, e sua cabeça doía quase tanto quanto o coração dela. A porta do quarto abriu, mas Seana não levantou a cabeça ou abriu os olhos. Ela ouviu Meghan sussurrar para quem quer que estivesse atrás dela, mas Seana se recusava a aceitar o que ela tinha ouvido. Ele não podia morrer. Ela não ia deixar. DE ALGUMA FORMA, ela adormeceu ao lado do pai, chorando. A última coisa que Seana se lembrou foi o toque de uma mão em seu queixo, mas não tinha sido Meghan, ela sabia. Era uma mão masculina, áspera, mas suave no seu toque. De alguma forma, ela sabia a quem pertencia e ela estendeu a mão, ousando pressioná-la contra a sua bochecha. As lágrimas que escorriam através de seus cílios eram por causa da revelação de seu da. Mas esta mão de alguma forma, tinha conseguido aquecer seu coração e sua presença a confortou — seu toque a deixou mais forte. Seu sussurro de "boa noite” a aliviou e ela conseguiu dormir... ou talvez ela apenas tivesse sonhado... com um beijo suave na sua testa que conseguiu acalmar a preocupação em seu rosto, e talvez em seu coração. Naquele instante, ela soube que Colin Mac Brodie não era afinal um patife sem coração.


CAPÍTULO 20

O

pai de Seana morreu durante a noite enquanto ela dormia. Eles o enterraram na manhã seguinte em um túmulo solitário, bem na borda da floresta. Colin, juntamente com o marido de Meghan e Broc, cavou uma cova onde o colocaram para descansar. Seana nunca se sentiu tão sozinha no instante em que eles fecharam a cova sobre o corpo de seu da. O sol brilhava, como nos dias em que ela e seu pai passavam horas sentados sob o sol juntos... quando os olhos dele não eram tão frágeis e a luz não o incomodava. Essas pessoas eram boas e carinhosas, mas ninguém falou algumas palavras sobre ele. Aqui ninguém o conhecia. Eles o conheciam apenas como Donal o bêbado, mas Seana o conhecia como o mais maravilhoso da que qualquer garotinha podia ter tido. Sim, ele bebia demais e algumas vezes ele desmaiava e se esquecia de voltar para casa. E talvez ele não tivesse olhado por Seana como os outros pais faziam, mas Seana sempre soube que ele a amava, e ele a tinha aceitado incondicionalmente. Aos olhos de seu da ela tinha sido sempre perfeita — mesmo quando os outros a viam como algo lamentável. Ele não tinha consertado as pernas dela porque tinha vergonha dela. Ele tinha consertado as pernas dela porque Seana implorou para ele que o fizesse.


"Você vai ficar comigo?" Meghan perguntou para ela, e Seana suspeitou que Colin tivesse falado para ela sobre sua casa. Ela podia ver nos olhos de Meghan, e mesmo assim... apesar do seu orgulho querer que ela recusasse a oferta, ela não podia suportar o pensamento de voltar sozinha para aquele lugar escuro. O pai dela tinha feito dele um lar. Mas agora não era nada mais do que um grande monte de pedras. Seana assentiu com a cabeça e tentou agradecê-la, mas as palavras não vieram. "Você é bem-vinda para ficar o tempo que quiser Seana." Ela lançou um olhar para o irmão dela e então olhou mais uma vez para Seana. Lágrimas chegaram aos olhos de Seana, mas ela não as derramou. Alison MacLean tinha vindo para uma visita a Meghan e ficou ao lado de Meghan, concordando com a sua oferta. Seana não a conhecia, mas o olhar nos olhos de Alison disse para Seana que o coração de Alison era tão bom e amável quanto Seana sempre tinha suposto. Havia lágrimas em seus olhos, embora ela não tivesse conhecido seu da. COM A ÚLTIMA PÁ de terra colocada sobre a cova, muitos daqueles que tinham vindo para prestar homenagem começaram a ir embora, dando acenos de condolências enquanto partiam... alguns outros davam pancadinhas no seu braço. Colin ficou ali com a pá na mão, falando baixo para Broc. Os dois falaram durante um longo tempo, sobre o que Seana não tinha idéia. "Se houver alguma coisa que eu possa fazer," acrescentou


Alison. Seana assentiu com a cabeça em agradecimento e tentou ser corajosa na frente de tantos estranhos. "Eu ficarei bem," ela garantiu para as duas. Alison lançou um olhar para Broc. "Meghan me disse o que você sente por ele," ela disse, "e eu acho que ele é um bom homem. Mostra seu caráter ele ter vindo para confortá-la sobre a perda do seu da." Realmente tinha sido gentil da parte dele, com certeza. Ele sempre estava presente para ajudar Seana quando ela precisava dele. Sua presença esta manhã não a surpreendeu, e não a confortou... como a presença de Colin. Foi Colin quem manteve o olhar em Seana, e Colin a tranqüilizava com olhares enquanto ele trabalhava ao lado de Broc e Piers. Ela queria que Colin a confortasse. Eram os braços de Colin que ela queria ao redor do corpo dela. Se ele se oferecesse agora, e a chamasse mesmo sem dizer palavras, Seana pensou que ela se lançaria para ele sem a menor hesitação e se desintegraria em seu abraço. Ela ansiava por ele ao lado dela. "Eu sei o que vai te animar," Alison anunciou e estendeu a mão para pegar a mão dela. "Ah, mas eu devo ficar" Seana protestou e resistiu quando Alison tentou arrastá-la para longe. Uma mulher prática, Seana sabia que era inútil ficar aqui chorando o dia todo quando a vida devia continuar, mas ela precisava estar perto de Colin. Ela não ousava dizer, mas ela não queria deixá-lo. "Venha," Meghan exigiu, e o tom dela não tolerava nenhum argumento. "Nós vamos voltar para visitar o túmulo em breve. Por


Deus não vai lhe fazer bem ficar aqui." Seana cedeu e deixou-as levá-la embora, mas não sem virar e buscar o olhar de Colin. Ele estava olhando para ela, e quando ela encontrou os olhos dele, ele sorriu suavemente. Seana não pôde parar de olhar para ele; ela ficou olhando até que não conseguia mais vê-lo. "Broc não vai embora sem se despedir," Alison prometeu, puxando a mão dela. Mas não era Broc, que ela queria ver. Era Colin. Seu coração chorava por Colin "ESTA É a última moda entre as mulheres inglesas," Alison disse enquanto cobria o rosto de Seana com um pó que fez Seana espirrar. "Parece lama," ela disse, franzindo o nariz enquanto estendia a mão para sentir a textura com os dedos. Seu rosto estava suave, e isso a surpreendeu. Era como se a pele dela tivesse resistido a uma década de seca, e não estava mais rachada e ressecada. "Feche os olhos," Alison exigiu. Seana hesitou, lançando-lhe um olhar desconfiado. Alison enfiou a mão em uma pequena bolsa e retirou uma substância preta com a ponta dos dedos. "Dizem que os homens não conseguem resistir a uma mulher com o rosto pintado." Alison disse. Seana não tinha certeza de que ela queria qualquer homem para quem ela tivesse que cobrir o rosto com tinta. Ela franziu a testa com esse pensamento, e Meghan sorriu para ela e piscou. Seana fechou os olhos, e Alison espalhou o pó preto ao redor de seus olhos.


"Oh, mas você vai ficar linda!" Alison, exclamou. "Ela é adorável," Meghan assegurou-lhe. "Qualquer homem seria um tolo de não querer você!" O coração de Seana torceu um pouco, porque Colin tinha dito a mesma coisa para ela. Em seguida, Alison removeu da sua bolsa algo que parecia para Seana como sangue seco. Seana entrou em pânico quando a mão de Alison se aproximava e ela pegou seu pulso. "Oh, o que é isso?" "Para os lábios e bochechas," Alison falou e Seana teve uma súbita visão de si mesma, parecendo como um bobo da corte. "Sim, mas o que é isso?" Alison olhou curiosamente para Meghan. Meghan encolheu os ombros. "Eu não sei," ela confessou, "mas estava no baú que Piers me deu que estava cheio de panos de seda." Seana engoliu e decidiu confiar nelas. Meghan continuou a sorrir, e Alison parecia tão feliz em estar ajudando que Seana deixou-a chegar perto com a tinta vermelha. "Eu gostaria de saber se alguma virgem era sacrificada com isso," ela murmurou sob sua respiração. "O que você disse?" Alison perguntou, preocupada com sua tarefa. Seana levantou as sobrancelhas que estavam duras com a tinta que já tinha secado. "Eu disse... obrigada pelo tempo que você está gastando tentando me ajudar," ela mentiu, mas Meghan tinha ouvido o que ela tinha falado e começou a rir. Seu sorriso era contagioso e logo Seana também estava rindo.


"SE ELE NÃO QUISER TE beijar com estes lábios vermelhos, acho que ele é um grande tolo," declarou Alison. Seana só esperava que Colin não risse dela. Ela de repente não se importava com o que Broc pensava. Ela já não tinha uma razão para se casar com ele e não tinha coragem de dizer para Meghan e para Alison que elas estavam perdendo tempo. Ela não precisa de um homem para cuidar dela. Ela ainda tinha a destilaria e ela sabia como fazer uisge. Ela podia tomar conta dela mesma. "Pronto!” Alison declarou e deu um passo para trás para admirar sua obra-prima. Seana olhou para Meghan, esperando ver a reação dela, mas Meghan apenas inclinou a cabeça e disse em voz baixa, "Oh meu Deus." Seana não sabia o que precisamente significava. Havia pouco na sua expressão facial que entregasse seus pensamentos. "Colorido," ela disse e sorriu. "Como uma borboleta que acabou de sair do seu casulo!" Alison declarou. Seana sentiu que estava prestes a estourar, e ela queria limpar a bagunça em seu rosto, mas não queria ferir os sentimentos de Alison MacLean. Ela viu pela expressão cuidadosamente branda de Meghan que Meghan pensava igual à Seana sobre o trabalho de Alison, então Seana apenas sorriu e agradeceu a Alison. "Foi um grande prazer!" Alison disse-lhe com uma piscadela. "Broc não vai ser capaz de resistir a você!" ela prometeu. "Tenha certeza." Seana não queria pensar sobre isso. Ela sorriu cansada e


esperava que Colin não fosse rir dela quando ele a visse. Ela precisava de um abraço. Ela precisava do seu da, também, mas agora era impossível, e ela estava apavorada por pensar que a pessoa a quem ela mais estava ligada agora era Colin Mac Brodie. Ele tinha quebrado o coração dela uma vez, e ele podia fazê-lo de novo. Ele talvez não pretendesse, mas ele era bem capaz disso. Tudo o que ela precisava para lembrá-la deste fato era examinar o rastro de corações partidos, que ele deixava em seu caminho. Mantenha distância, Seana, ela avisou a si mesma. O coração de Colin Mac Brodie pertencia somente a ele mesmo. Talvez ele não fosse mais o garoto cruel, egoísta que ela se lembrava, mas ele não estava pronto a abrir seu coração e jurar amor eterno também — certamente não para a pobre filha de um fabricante de uisge.


CAPÍTULO 21

S

eana apreciava tudo o que Meghan tinha feito por ela. Embora seus parentes não tivessem conhecido o pai de Seana, Meghan ordenou que todos ficassem um dia de luto em respeito à Donal e a Seana. E apesar de Seana saber muito bem que eles não tinham conhecido seu da o suficiente para derramar uma lágrima por ele, de alguma forma ver o respeito deles a deixou um pouco mais calma. Ela deixou a mansão, cheia de pessoas, para ir para o ar livre e ter um momento de solidão para refletir sobre os acontecimentos do dia. Ela sempre soube que seu da iria morrer um dia e que ela sozinha iria enterrá-lo e chorá-lo. Tendo se preparado para sua morte há muito tempo não fez com que a realidade fosse mais fácil. A presença de Colin e os cuidados de Meghan tinham sido muito importantes para manter sua sanidade neste momento. Meghan tinha lhe dito mil vezes, que ela era muito corajosa, mas ela não era. Por dentro ela sentia muito medo e solidão. Pela primeira vez na vida de Seana... ela estava realmente sozinha. A noite estava nebulosa, mas quente e ela escapou pela bruma, sem ser observada. Ninguém sentiria falta dela, ela estava certa. Duas das empregadas domésticas de Meghan estavam flertando com Colin e Meghan conversando com Alison, que tinha decidido


passar a noite na mansão, em vez de se aventurar a ir para casa no meio do nevoeiro. Seu pai, ela tinha dito, entenderia e desejaria que ela permanecesse segura com Meghan, ao invés de se pôr em perigo tentando voltar para casa. Com este pensamento, Seana se permitiu um momento de auto-piedade. Pelo menos Alison tinha alguém esperando por ela em casa que sentiria sua falta... e logo... ela teria Leith... e um monte de crianças... talvez meninos, que se pareceriam com o pai ou com ela...que iriam continuar o seu legado e fazer todos orgulhosos. Seu da não tinha vivido, nem mesmo para ver seus netos — não que Seana tivesse certeza que teria filhos. Neste momento, não parecia que ela teria. Ela estava de repente sem qualquer sentimento de amor em seu coração, e Broc Ceannfhionn não parecia querer alguma coisa com ela. Broc já há algum tempo, vinha murmurando desculpas e falando algo sobre seu primo Cameron e seu cão e Seana não sabia o que diabos ele estava falando, nem se ela devia perguntar. ELA ENCONTROU um lugar isolado no campo perto da mansão dos Montgomerie e sentou-se sobre a grama. Seana não tinha noção de quanto tempo ela ficou lá, meditando. Podiam ser minutos ou horas. A lua brilhava, mas as nuvens a cobria de vez em quando. O nevoeiro rodopiava como as bainhas vertiginosas dos vestidos... Qualquer outra noite isso podia parecer estranho, mas não nesta noite. Esta noite ela precisava deste manto. Seu coração estava pesado e batia muito rápido... como se não


conseguisse decidir se devia parar ou continuar. Ela engoliu seco e olhou para as estrelas... tão vasto... o céu... que parecia continuar até a eternidade. Ela começou a cantar... O rosto de Coolins encarando a noite está assustando a lamúria da banshee que está a nossa volta para nos impressionar. Os olhos azuis em Duin se apagam chorando desde que você se foi e não voltou... Era uma canção que seu da cantava para ela quando era ainda uma criança, apenas o olhar em seus olhos era melancólico e Seana sabia que ele estava cantando para a mãe dela. Bem, ele agora estava com sua mãe e ela esperava que os dois pudessem ouvir sua canção... e eles ficariam sabendo que ela estava bem. A canção a acalmou e ela continuou, com sua voz macia no meio da noite... A brisa dos bens está soprando gentilmente. Os riachos nos vales estão fluindo suavemente. E as tonalidades mais escuras dos galhos estão aparecendo. Pássaros choram por você que jamais vai retornar... Colin a tinha seguido quando ela saiu da sala, mas com a névoa espessa nesta noite ele a tinha perdido. Ele a ouviu antes de vê-la e seguiu o som da sua canção. A voz dela estava muito triste, mas havia uma força nela que ele admirava e amava. ELE ENCONTROU-a sentada na grama e poderia tê-la perdido, mas


sua música, como a canto das sereias, o atraiu. A névoa da noite a cercava, abraçando-a, enrolada em seu corpo como o abraço do amante. "Seana?" Quando ela ouviu o som de sua voz, ela parou de cantar e se virou para olhar para ele. "Eu não queria te assustar," ele disse. Ela deu uma respiração ofegante, e disse uma mentira. "Você não me assustou." "Achei que você podia precisar de companhia," Colin disse e esperava que ela dissesse que sim. Nunca em sua vida ele tinha conhecido uma mulher tão independente de qualquer homem. Ela assentiu com a cabeça e voltou a olhar para as estrelas, dando-lhe as costas. Colin veio para o lado dela e sentou-se. Seu joelho, inadvertidamente, tocou sua coxa e ele segurou a respiração, esperando que ela não pedisse para ele movê-lo. Ele sentiu o que tinha sentido quando ainda rapaz ele teve seu primeiro amor — animado e nervoso por estar ao lado dela — como se fosse a primeira mulher que ele já tinha tocado. Seu coração batia um pouco mais rápido. "Eu sei que você sente falta dele, moça." De repente sua boca estava muito seca para falar. Ele sentia-se como um tolo e talvez um pouco culpado por ficar excitado simplesmente com a sua presença, quando ela, obviamente, não o via como um amante, e além de tudo ela estava de luto. Ela provavelmente estava completamente alheia a ele — ela certamente agia assim — e foi a primeira vez em sua vida que ele tinha se sentido invisível para uma mulher. Ele não gostou.


"Você está linda nesse vestido", ele disse e não gostou do jeito que sua voz tremeu, traindo-o. Ela se virou para enfrentá-lo, com aqueles lindos olhos verdes e aqueles lábios deliciosos... e ele queria limpar todos os vestígios de pó e tinta vermelha que sua irmã e Alison tinham colocado em seu rosto. Ela não precisava disso. O rosto dela era perfeito para os seus olhos. "Oh!" ela exclamou e deve ter sentido os pensamentos dele porque ela evitou olhar para ele, e voltou seus olhos para o colo dela, onde torcia suas mãos de nervoso. "Eu me sinto boba," ela confessou. "Eu não queria ferir os sentimentos da Alison, mas sintome boba por estar pintada desta maneira." Colin sorriu para ela. "Você certamente não precisa disso." Ela deu de ombros. "Alison disse que iria me fazer irresistível para Broc." “HMMMM," Colin disse e sorriu. "Vamos ver." Ele se aproximou, fingindo inspecionar o rosto dela, ciente de cada respiração, de cada gesto dela. Ele respirou perto dela e capturou seu cheiro, atraindo-o para seus pulmões, saboreando-o. Seus olhos se fecharam. Ele queria provocá-la, para chegar perto para... ele não sabia o qual era a intenção dele... só que era bom demais respirar o cheiro dela... e ele nunca mais queria parar de fazer isso. Seu corpo tremia de desejo, mas ele se obrigou a ter compostura, ou ele iria puxá-la para a grama e fazer amor com ela neste exato momento. Ela não o queria, ele lembrou a si mesmo. Ela queria Broc. Suas entranhas ardiam com esse pensamento.


Ele olhou para ela para descobrir que ela o observava com cautela. "Então?” Colin inocentemente piscou para ela. "Então o que?" "Bastante resistível, eu acho," ela concluiu, quando ele não se moveu em direção a ela. Ela riu baixinho. Seu sorriso ficou torto. Ele não podia evitar. Ele era ladino e estava muito velho para negá-lo. "Sim, mas este cheiro..." Ele cheirou o ar. "É o suficiente para fazer um homem ficar estúpido com luxúria." Suas doces sobrancelhas se uniram confusas. "Que cheiro? Elas não colocaram perfumes em mim." Colin cheirou o ar novamente, provocando-a. "Com certeza elas devem ter colocado." "Não!" ela jurou quando ele se colocou de joelhos, brincando como um cachorrinho, farejando o ar ao seu redor. Ela deu uma risadinha e encorajou-o. Ele queria ouvir suas gargalhadas, ver seu sorriso. Ele chegou mais para perto dela, farejando suas costelas, e ela gritou surpresa. Ela jogou suas mãos no ar, mas não o empurrou. Colin continuou a cheirá-la... movendo-se para o pescoço dela. "Colin Mac Brodie!" ela protestou. "O que você está fazendo?" "Eu não consigo evitar," ele confessou, empurrando suas costas contra a grama com o seu nariz. O riso dela aumentou. "Isso faz cócegas! Oh, Colin Brodie o que você está fazendo!" Caindo de amor por ela, era isto o que ele estava fazendo.


PROFUNDAMENTE E LOUCAMENTE APAIXONADO, E ELE NÃO CONSEGUIA RESISTIR. Ela caiu para trás contra a grama orvalhada, rindo, e o coração dele se sentiu feliz ao ouvir sua risada. Como um caçador ele sentiu sua vulnerabilidade e moveu-se sobre ela, prendendo-a sob ele. Ele não ia lutar de forma justa. Ele sabia como conquistar uma mulher, sabia como agradá-la, e ele não ia perdê-la sem lutar. Ele podia fazê-la feliz, se ela deixasse. Ele queria a chance de fazer isso mais do que ele queria respirar. Ele sorriu para ela enquanto ela ria. As mãos dela estavam em seus ombros, mantendo-o suavemente afastado. Colin se recusava a ceder e então ela parou de forçar, deixando aqueles dedos longos e magros em cima de sua pele... provocando-o... Ela parou abruptamente de rir, e ele a ouviu inspirar ar, uma respiração assustada, como se só agora, percebesse sua posição. Seu corpo se endureceu, embora ele tentasse manter seu desejo contido. Seana olhou para ele, assustada de se encontrar embaixo de Colin tão facilmente. Seu coração começou a bater mais forte, como o som de tambores na noite. A pele dele estava quente ao toque onde os dedos dela encontravam a sua carne, e ela segurou a respiração às sensações que atravessavam através de seu corpo. Seus olhos azuis estavam iluminados pelo luar, perfurando o coração dela, e seu cabelo prateado. Se espalhava, como ouro derretido, contra ela, acariciando seu rosto. Sua pele era pálida contra sua barba escura que começava a crescer, fazendo com que seu rosto parecesse mais cinzelado.


Seana engoliu. "E muito bom ouvir você rir." O coração de Seana martelava o seu peito. Ela engoliu de novo. "Sim, bem... é bom... rir," ela sussurrou de volta. "Você é tão linda, Seana," ele disse para ela, e Seana não teve chance de protestar. Ela segurou a respiração quando ele estendeu a mão para tocá-la. "E você não precisa disso..." Ele passou o polegar contra os lábios dela, removendo a tinta, firmemente a princípio, mas depois passando a acariciá-los gentilmente que Seana não conseguiria parar se ela fosse capaz. Ela era incapaz de manter seus pensamentos por causa do seu toque. Ela não conseguia falar nada. Fechando os olhos, ela saboreou a sensação da carícia do seu dedo sobre seus lábios. Isso provocou algo profundo dentro dela a cada carícia suave, trazendo seu corpo de volta para a vida de maneiras que ela nunca tinha imaginado. DE REPENTE, tudo parecia mais intensificado... seu senso de cheiro... o percepção da noite fresca do ar sobre a pele dela... as cores escuras e sensuais da noite... a sedutora névoa... o toque em seu corpo com os dedos suaves... o cobertor azul escuro acima deles... Seana deu uma longa respiração e perdeu-se no seu toque. No momento, não importava que as mãos de Colin já tivessem tocado tantas mulheres. Neste instante, ele a fazia sentir-se como se ela fosse a única. Seu toque a acalentava, ela se sentia como nunca tinha se sentido antes...


Ela levantou seus cílios para encontrá-lo olhando para seu rosto, sua expressão tão intensa que a fez querer chorar. Ela não podia evitar... lágrimas começaram a jorrar dos olhos dela. "Eu estou com medo," ela disse e o ouviu engolir. Seus lábios começaram a tremer e ela não tinha noção do por que. Naquele momento, ela não tinha controle sobre suas emoções. Era como se eles de repente estivessem subindo acima das profundezas e ela se engasgou. "Eu sei." Ele acariciou seu lábio inferior com ternura e Seana abriu a boca para ele... seus lábios se separaram inconscientemente. Sua cabeça pendeu para trás quando ela o sentiu abaixar seu corpo sobre ela, até que ele estava deitado suavemente em cima dela. A sensação era tão deliciosamente quente e inebriante que ela engoliu seco o suficiente para saborear as lágrimas no fundo de sua garganta. "Do que você tem medo, Seana?" De você, ela queria gritar. Ela se sentiu tonta com o calor do corpo dele. "De ficar sozinha," ela confessou, embora com dificuldade, porque a traía mais do que ela desejava... se ele soubesse... Se apenas ele entendesse que era ele a pessoa que ela não queria viver sem... Ele ia fugir com o rabo entre as pernas nos braços da próxima mulher. Oh, Deus, ela precisava dele em sua vida e esta contestação a assustou ainda mais, mesmo até do que a morte do pai dela. Colin tinha conseguido de alguma forma encontrar o caminho para o coração dela. "Você nunca vai estar sozinha," ele jurou. "Você um dia vai


morrer com os seus netos reunidos ao seu redor." Ela não conseguia ver essa cena. Não parecia com ela. Uma lágrima escorreu pelo seu rosto, encontrando seu cabelo. "Não chore moça." Sua voz era suave e macia. "Não chore." E ENTÃO ELE abaixou sua boca até a bochecha dela e delicadamente afastou as lágrimas com a sua língua. O corpo de Seana estremeceu com o choque do seu toque. Desejo guerreava com medo. Ele beijou a bochecha dela então, mudou-se para os lábios e o coração de Seana começou a martelar.


CAPÍTULO 22

Ele não conseguia parar. O desejo de beijá-la era muito grande, era incontrolável. Lentamente, ele colocou sua boca na dela, antecipando o primeiro toque quente de sua adorável língua contra seus lábios febris. Seus lábios eram mais suaves do que ele imaginava... e tremiam docemente para ele. Ela não fechou seus lábios para não recebê-lo, mas também não os abriu, e ele pensou que talvez ela não soubesse o que fazer. "Abra para mim," ele sussurrou e estremeceu quando ela obedeceu. "Oh, moça” ele murmurou e rolou seus quadris contra ela, saboreando cada curva deliciosa de seu corpo. "Você é tão gostosa..." Ele afundou as mãos em seu cabelo, colocando sua cabeça entre suas mãos, pressionando-se mais profundamente em sua boca, provando-a, precisando estar dentro dela. Nunca ele quis alguém mais do que a queria. Ele fechou os olhos e aprofundou seu beijo, incapaz de parar e gemeu com prazer quando ela lhe ofereceu sua língua doce e macia. Doce. Deliciosa. Ele tomou o que ela estava oferecendo avidamente, sugando sua língua suavemente, bebendo o néctar inebriante de sua boca.


Ele queria devorá-la. Como a névoa da noite, o cheiro dela o cercava, tecendo sobre seus sentidos, enchendo sua cabeça com pensamentos possessivos, que ele nunca tinha experimentado tão intensamente. Ele a queria — queria que ela fosse dele. Só dele. Mais do que tudo, ele queria pegar esta mulher e fazê-la ser dele, queria encher seu corpo com sua vida. Ele queria dar prazer a ela... queria mostrar a ela que ele podia dar sem querer algo em troca... Seu coração começou a bater ferozmente, até que ele bateu como um tambor de guerra em seus ouvidos. Ela gemia baixinho e ele ficou totalmente duro. Ele se sentia na beira, ele sabia... na beira da razão... ELE DESLIZOU a mão pelo seu corpo, testando suas curvas sob seu toque... linda... a cintura tão pequena e os quadris tão perfeitamente curvos... feitos para embalar o corpo de um homem... feitos para recebê-lo, somente a ele... Como devia ser se afundar dentro de seu corpo... fazê-lo sentir que ela o recebia totalmente... Ele podia tê-la, ele sabia. O olhar confuso em seu rosto lhe dizia isso. O coração do Seana batia de uma maneira impiedosa em suas orelhas. Seu corpo já não pertencia mais a ela para que ela pudesse comandá-lo. Como um flautista obedecendo a um chamado, o corpo dele


obedecia a cada sussurro, a cada toque. Deus, mas mesmo os suaves gemidos que ele dava a deixava encantada. Era música para o seu coração. O som a preenchia e elevava seu espírito, e a fazia ansiar a dar para ele tudo o que ele quisesse dela... Ela queria fazê-lo feliz, queria agradá-lo. Ela queria dar-lhe filhos e acariciar seu rosto, enquanto ele dormia. Ela queria dar-lhe tudo naquele instante, qualquer coisa que ele quisesse... Se ele quisesse o coração dela, ela o daria também. Se ele quisesse sua respiração, ela daria com prazer. Ele beijou sua garganta, e Seana instintivamente empurrou sua cabeça para trás, permitindo-lhe pegar tudo o que ele quisesse. A língua dele fazia magia em cima de sua carne, provocando-a... degustando-a... "Colin," ela disse com um gemido. Ele não respondeu, continuou a beijá-la, e Seana pensou que ela fosse morrer se ele parasse. Sem aviso, ele abriu a boca contra o pescoço dela e afundou os dentes suavemente na carne dela, mordendo-a com ternura. Seana gritou de prazer, e seus quadris instintivamente subiram... buscando algo mais... Ele a pressionou para baixo outra vez, rolando seus quadris contra ela, gemendo contra a garganta dela e seu corpo estremeceu com prazer. Oh, mas ela queria mais... precisava de mais... queria que ele a ajudasse a encontrar esse algo mais. Ela separou suas coxas, sentindo-o duro onde ela precisava dele mais desesperadamente, e


ele deslizou entre suas pernas, forçando-se mais profundamente. Seana respondeu desenfreada, entrelaçando suas pernas com as dele, sentindo cada nervo do seu corpo. Ele se mudou suavemente para cima dela, e ela pensou que fosse morrer de prazer. Naquele instante, ela detestava a roupa que se interpunha entre eles... queria algo mais profundo... mais perto... Ah, Deus... ela queria mais... algo que ela sabia instintivamente que só ele poderia dar a ela. MAS ELE SE afastou naquele instante, e Seana pensou que ele tinha tirado sua alma de seu peito com esta simples retirada. Ele olhou para ela, seus olhos azuis pálidos iluminando a escuridão e seus pensamentos ilegíveis na mente dele. Ele era tão lindo, que ela sentia vontade de chorar. A cabeça dela estava confusa. Seu olhar a tinha seduzido... seus lábios a faziam ansiar por seu toque macio... suas mãos a faziam tremer com desejo... Ela queria trazê-lo de volta, queria gritar para ele nunca deixála, mas ela não se atrevia. "Linda," ele sussurrou. O coração dela batia mais forte em seu peito. "Você é linda, Seana," ele disse de novo. Mas ele não podia estar falando a verdade. Lágrimas saltavam dos seus olhos. A maneira que ele estava olhando para ela agora era muito diferente da forma como ele tinha olhado para ela há muito tempo... Seana não podia falar, não podia se mover, podia apenas olhar nos olhos dele como um animal indefeso quando confrontado com


um caçador implacável... só que não era medo que a mantinha presa. Era uma saudade tão grande que a oprimia. O olhar dele a enchia de emoções que a desnorteavam. Ela não queria sentir-se grata por isso... O coração dela apertou em seu peito quando ela sentiu que ele se retirava. Oh, Deus, ele a tinha enfeitiçado tão facilmente. E agora ele podia parar tão facilmente, e ela ficar querendo. Seana engoliu as emoções que subiam sufocando-a. Ele agora a acalmava com palavras doces, mas em seu coração ele a tinha rejeitado mais uma vez, e ela não podia suportar a dor. Havia desejo nos olhos dela — era inconfundível — e Colin estremeceu ao vê-lo. Mas não havia lágrimas... lágrimas que ele sabia que ela estava se esforçando para não derramar. Ele não queria machucá-la. Mais do que qualquer coisa ele só queria agradá-la. Desejo não era amor, e ele não queria que ela se arrependesse mais tarde. Foi a coisa mais difícil que ele teve que fazer, mas ele de alguma forma se afastou. Os braços tremendo com moderação, ele saiu de cima dela, rolou para o lado e em seguida, levantou uma mão para tirar os cabelos da testa dela. Ele queria vê-la... queria segurá-la... queria amá-la... sempre... mas ele não podia forçá-la... não podia seduzi-la. Ela não. Ela devia vir para ele por vontade própria. E AINDA ERA MUITO CEDO.


Ela estava demasiado vulnerável esta noite, pois seu da tinha sido enterrado ainda nesta manhã. Não, ele a queria, mas ele queria que ela quisesse ficar com ele. Ele não queria que ela simplesmente ficasse porque precisava de alguém para abraçá-la. No passado, ele não teria se importado do porque ela o teria deixado amá-la, mas importava para ele neste momento. E era muito importante. Ele não se deixou dominar por seu desejo, tentando não pensar sobre o quanto ele a queria... dor latejava sua virilha. Ele engoliu, acariciando a bochecha com o polegar. "Nunca esconda esse rosto lindo novamente," ele sussurrou. Como a noite estava quente, ele chegou mais perto, e tirou sua túnica. Ele levantou a roupa no rosto dela e começou a remover a pintura do seu rosto. “Não ouça Alison," ele ordenou a ela, enxugando as lágrimas dela junto com o pó. Ele riu suavemente, tentando aliviar o clima entre eles. "E enquanto você estiver lá... não ouça Meggie também." Ele ia se chutar mais tarde, ele sabia. Nunca na vida ele tinha se afastado de algo que ele queria tão desesperadamente — e nunca de uma mulher que também o queria. "Minha irmã não é uma campeã de homens," ele revelou, piscando para ela. Ele se dobrou para dar-lhe um beijo casto em cima da ponta de seu nariz. "Eu não preciso de sua piedade, Colin Mac Brodie!" ela exclamou, afastando o rosto. Ela se afastou dele e se levantou. Colin sentou-se, chocado com a reação dela. Seana não podia aguentar.


Como ela podia ter se permitido a ficar presa aos seus beijos, a sua doce língua e suas carícias gentis? Ela estava fraca e ela se odiava neste momento por ter se colocado em uma posição para deixá-lo mais uma vez machucá-la. Ela tinha estado orgulhosa de si mesma... tinha pensado ser tão forte, e era óbvio que ela não era! Ela se levantou, limpando seu vestido, voltando a sufocar os soluços que ameaçavam traí-la. Ela se afastou dele, as lágrimas correndo pelo seu rosto. "Seana?" "Não preciso de sua piedade!" ela disse-lhe e jurou que não seria fraca novamente. Ele estendeu a mão para ela, segurando a bainha do vestido de Meghan. Seana empurrou-o. "Não me toque!" "SEANA," ele suplicou. "O que eu disse? O que eu fiz?" "Nada!" ela disse, e a voz dela estava magoada. Ele não tinha dito nada! E também não tinha feito nada — e foi esse o problema! E Seana estava furiosa com ela por querer que ele tivesse continuado. Que loucura era essa? Que tola ela era! Como ela podia ficar tão magoada por ele tê-la abandonada tão facilmente aos seus desejos, renunciando aos seus próprios! Era o que Colin Brodie fazia melhor do que tudo — amar as mulheres e deixá-las! Só que com ela, ele nem mesmo tinha se preocupado em seduzi-la. Ela não era boa o suficiente para ele — nunca tinha sido! Ela não podia voltar para a mansão de Meghan, não podia ficar perto de sua irmã. "Diga a Meghan que amanhã eu devolvo o


vestido dela!" E ela correu, antes que ela pudesse se envergonhar ainda mais de tanto soluçar. "Seana!" ele chamou. Ela não parou, não podia enfrentá-lo. Lágrimas caiam por suas bochechas e ela tentava afastá-las, tentando ver através da névoa espessa da noite. Ela não pertencia aqui. "Onde você está indo, moça?" "Para casa!" ela respondeu e fugiu para a floresta antes que ele pudesse detê-la.


CAPÍTULO 23

C

ameron tinha desaparecido na floresta e Broc estava determinado a encontrá-lo. Broc chegou em casa, após prestar seus respeitos a Seana, só para ver seu primo sumir na direção da floresta. Ele estava se comportando estranhamente, bem como espreitando por cima do ombro para ver se estava sendo seguido. Embora ele tenha lançado um olhar na direção de Broc, ficou claro para Broc que Cameron não o tinha visto, porque seu primo tinha entrado apressado na floresta sem dar nenhum sinal de ter visto qualquer pessoa. A noite estava enevoada e provavelmente tinha escondido Broc da visão de Cameron. O problema era que ela também escondia Cameron da dele. Havia poucos sons a serem ouvidos na floresta hoje — nem um animal a ser vigiado. A quietude era quase assustadora. Ele fez seu caminho através da floresta com habilidade, confiando em sua memória para guiá-lo. Estes bosques eram familiares para ele porque ele tinha passado muito tempo aqui quando era criança. Estas eram as regiões que faziam fronteira entre as terras dos MacKinnon, dos MacLean, e dos Brodie — e agora do Montgomerie também. Não era claro a qual clã esta floresta pertencia e por muito tempo eles estavam disputando a terra, mas acima de tudo a floresta pertencia a quem tivesse a maior e mais forte espada. No momento parecia que ela pertencia a


Montgomerie, mas dificilmente Broc aceitava que ele fosse o dono. Quando crianças, eles tinham lutado nestes bosques, um clã contra o outro — os MacKinnons e os Brodie particularmente, empunhando varas ao invés de espadas. Foi como ele e Colin se tornaram amigos, apesar de suas lealdades divididas. Foi quando ele conheceu Seana, também. Era óbvio para Broc que havia algo entre seus dois amigos, embora nenhum deles parecesse perceber isso. No passado ele nunca imaginou os dois juntos, mas Seana tinha se tornado uma mulher encantadora, e apesar de Broc gostar imensamente de Colin, era uma espécie de justiça poética vê-la ter tanto poder sobre Colin. Já era tempo do seu amigo ser nocauteado por uma mulher. E era muito doce ver que era por Seana que Colin tinha caído de amores. Embora o humor dele estivesse sombrio, pensando sobre seu primo, ele não podia reprimir uma risada ao pensar nos dois juntos. COLIN E SEANA; quem poderia ter imaginado. Talvez houvesse um Deus apesar de tudo. "Bem feito, seu adulador bastardo!" ele sussurrou para si mesmo. Ele esperava que Seana o laçasse pelas orelhas e o enforcasse pelas bolas como um troféu. Passos apressados chamaram sua atenção. Eles pareciam vir em sua direção. Cameron! Broc não teve tempo nem de se esconder, uma vez que a figura veio correndo por entre as árvores direto para ele. Ele congelou


onde estava. Primeiro a silhueta estava irreconhecível, e em seguida, ele a viu. Ela não estava observando onde estava indo e bateu diretamente nele, sem parar, sem olhar, até que fosse tarde demais. Embora ele não tenha se movido, ela conseguiu tirar o ar dos pulmões dele. Ela gritou quando bateu nele, e ele teve que pegá-la para que ela não caísse. "Seana!" Ela estava chorando, quase que histericamente, muito chateada até mesmo para ter medo. Broc a abraçou e sacudiu-a suavemente. "Seana! O que está errado, moça — diga-me!" Seana mal podia ver onde ela estava indo, mas ela reconheceu a voz de Broc e se aninhou imediatamente em seus braços, grato por vê-lo. "Colin!" ela chorou, mas não quis falar nem uma palavra sobre o seu sofrimento, e ele a atraiu para mais perto do seu abraço. "Oh, Seana!" Ele a acariciou. "O que ele fez agora, moça?" Seana tinha o rosto encharcado de lágrimas, porque ela não esperava encontrar alguém que pudesse vê-la. Seu coração doía, mas não era culpa de Colin; a culpa era somente dela. Ela tentou tranquilizar Broc, acariciando-o de volta, se lembrando da última vez que ele veio para socorrê-la. Ela não queria ficar entre eles — e na verdade Colin não tinha feito nada. Ela tinha sido tola e tinha deixado que ele entrasse em seu coração, mesmo sabendo o que ele era... quem ele era. Colin não tinha feito nada mais do que simplesmente ser ele mesmo. Seana secou suas lágrimas com a túnica de Broc. "Ele não fez nada, Broc." Ela estendeu a mão, acariciando seu peito grande. "Ele


não fez nada," ela assegurou-lhe, olhando para o gentil gigante, que ela achou que pudesse amar. Mas ela não podia. Agora que seu da tinha ido, e a urgência a tinha deixado, ela via Broc com uma clareza que ela não tinha antes. Ela certamente tinha esperado poder amá-lo, e talvez ela pudesse tê-lo amado... mas tinha o Colin. Coração bobo. "Foi tudo minha culpa!" BROC NÃO A AMAVA TAMBÉM — nem mesmo ele olhava para ela de uma forma que a fazia sentir que ele poderia amá-la. Certamente não como Colin olhava para ela. Ela engoliu seco. "Oh, Seana," ele disse de novo e beijou sua cabeça como uma vez tinha feito há muito tempo. Era um gesto amigável, afetuoso, mesmo, mas dificilmente um gesto de um amante esperançoso. Seana sorriu com a confirmação. "Ele deve ter feito algo para você estar tão triste! Diga-me e eu vou quebrar o nariz do maldito bastardo. Ele magoou você uma vez, e uma vez foi o suficiente!" Seana riu um pouco histericamente. "Não! Você não vai machucá-lo!" Ela exigiu de seu amigo. “Eu juro que ele não fez nada! A culpa foi minha." Ela jurou. Colin não fez nada, exceto ser ele mesmo e eu sou apenas uma tola!" Ele pareceu entender o que ela estava dizendo, porque ele lhe deu um olhar compreensivo. "Ah, você não é tola!" ele protestou e abraçou-a mais uma vez. "Você não é tola, Seana querida!" Seana começou a chorar novamente, apesar de sua determinação de não o fazer.


"Oh, você teve um dia duro," ele disse, consolando-a. "Deixeme te levar para casa." Seana assentiu com a cabeça, e ele olhou para a floresta, hesitando apenas um momento instando-a a segui-lo. "Venha," ele disse, franzindo a testa. Seana não protestou. A noite estava nublada, e seu coração doía como nunca tinha doído antes. Ela precisava de um ombro, e Broc sempre foi generoso em oferecer o ombro dele para ela. O nevoeiro estava tão denso que Seana mal podia ver o caminho diante deles. "Você quer falar sobre isso?" ele perguntou enquanto eles andavam. Seana estremeceu e abanou a cabeça. Ele não a pressionava. Só a abraçava para mais perto. "Esta uma maldita noite estranha," ela disse, mudando o assunto. "Nunca vi uma névoa tão espessa!" "Sim," Broc concordou. "uma noite estranha e maldita." E ele ficou olhando à procura de algo ou de alguém... Seana tremeu novamente apesar dela não estar sentindo frio. Um sentimento de mal-estar passou por seu corpo. "O que você está fazendo aqui, afinal?" Ele apertou-lhe suavemente enquanto caminhavam. "A questão é... o que você está fazendo aqui tão tarde? Pensei que você ia ficar com Meggie, moça? Você nunca se preocupa consigo mesma?" "EU MORO AQUI, Broc! Eu conheço os caminhos destes bosques — com ou sem nevoeiro. Já caminhei por estas florestas muitas noites para verificar a destilaria. De qualquer forma, tudo o que vai


acontecer, acontece," ela lhe disse e era realmente o que ela acreditava. "Você não pode viver sua vida com medo!" Seu pai a tinha ensinado a não ter medo. Por mais pobres que eles podiam ter sido, ele tinha enfrentado cada dia com muita esperança. "Não," concordou Broc. "Você não pode. Isso é verdade." Ela ia sentir muito a falta de seu da, mas ele tinha deixado sua esperança com ela e por isso Seana era agradecida. Negra como a noite podia parecer, Seana sabia que a luz brilharia de manhã. "Seu da ficaria orgulhoso de você, moça." Seana sorriu para Broc. Era uma coisa muito gentil dizer isso para ela e talvez fosse a única coisa que pudesse fazê-la ficar um pouco mais alegre neste momento. "Você é a única pessoa que nunca o desmereceu, Broc. Ele gostava muito de você!" "Eu também gostava dele," Broc disse. "Ele era um bom homem." Seana sorriu. "Oh, você só gostava do uisge dele!" ela brincou. "Mas sim, ele era..." Ela engoliu o nó que subiu na sua garganta e se esforçou para não chorar novamente. "... um homem muito bom." Eles caminharam em silêncio e Seana estava grata por isso, porque ela não achava que pudesse manter a compostura e ao mesmo tempo falar de seu da. O clima entre eles estava tão sombrio como o ar da floresta. "Então o que você vai fazer agora que ele se foi?" Seana contemplou as opções apenas brevemente, poucas como elas eram. "Fabricar uisge beatha," ela disse sem hesitação. "é o legado do meu da, e não vejo por que eu não deva continuar. Não são muitos os que sabem sobre destilaria como ele sabia."


"Verdade," Broc concordou. "Mas Seana," ele começou, num tom consciente e Seana sabia o que ele estava prestes a dizer. "Moça..." Ele não queria magoá-la, ela sabia, mas a destilaria era apenas uma mera sombra de seu da. Na verdade, seu uisge não estava tão bom como costumava ser. Seu da teria provavelmente enterrado tudo, ao invés de dá-lo para outra alma viva, pois ele defendia muito a sua receita. "Eu sei, Broc," disse Seana grata. "Mas não é culpa minha. Tem havido muitas celebrações e não tenho tido tempo suficiente para envelhecer o uisge. É isso o que acontece quando você não dá para as fadas a parte delas." Broc segurou seu estômago e Seana não perdeu seu gesto defensivo. Ele a fez sorrir, apesar de seu humor. “De qualquer forma, você gostou, Broc! É isto o que acontece quando um homem bebe tanto!" "OH!" ele exclamou. "Você está falando como a maldita esposa de Iain! Sem nenhuma misericórdia por um homem que está sofrendo!" Seana riu. "Já gosto dela," ela disse pata Broc. "Ela parece uma mulher que pensa como eu!" "Ela é uma mulher maravilhosa," ele confessou. "Foi muito ruim Iain tê-la encontrado primeiro." Ele riu. "Se ele não fosse meu laird e amigo, eu iria fazê-la tornar-se viúva, eu acho." Seana riu com ele. "Mentiroso! Você não faria mal a uma mosca, Broc Ceannfhionn!" Ele balançou a cabeça, admirado. "Por que todo mundo diz


isso?"


CAPÍTULO 24

E

le a deixou ir, mas foi um erro. A noite era muito perigosa para ela andar sozinha nestes bosques. Ela era muito emocional. Colin seguiu-a pela floresta, chamando o nome dela, mas ela se recusou a responder. Ele não sabia o que tinha feito para aborrecêla. Ele tinha tentado fazer a coisa certa... para protegê-la... até dele mesmo. "Seana!" ele chamou. Nenhuma resposta — e Cristo, ele não conhecia esta floresta tão bem quanto ela. Pelo o que ele podia ver, ele estava andando em círculos. Murmurando uma maldição, ele parou para tentar arrumar seu rumo e ficou contemplando a floresta. Maldita névoa! Para onde ela podia ter ido? "Seana!" Nenhuma resposta. "Maldição!" ele suavemente disse para si mesmo. Que diabos ele tinha feito para magoá-la? Ele ficou parado, tentando entender e não conseguiu. "O que diabo eu fiz?" ele não perguntava a ninguém em particular e estava meio assustado fora de seu juízo, quando um assobio soou acima de sua cabeça. Colin gritou em alarme e tropeçou para trás. Seu olhar procurou e encontrou o culpado.


Era um gato. O mesmo maldito gato que tinha caído em cima de sua cabeça, no dia que ele tinha encontrado Seana na destilaria do pai dela. O cabelo na nuca dele se arrepiou, e ele cuspiu uma sequência de xingamentos. "Gato do diabo!" ele disse, olhando para ele. O gato apenas olhou de volta para ele, seus olhos brilhando suavemente na escuridão, piscando. Era um gato preto... não que ele fosse supersticioso. Ele deixava essa bobagem para a sua grandminny e para sua irmã. Ainda assim, ele não podia deixar de notar sua cor, porque ele quase imperceptivelmente se misturava com a noite. Qualquer coisa podia ficar escondido aqui. Trêmulo, ele virou as costas para o gato, se sentindo de repente um pouco desesperado para encontrar Seana. Os bosques estavam silenciosos... muito silenciosos... ELE SENTIU no fundo do seu ser que alguma coisa estava errada... algo mais do que apenas as coisas que tinham acontecido entre eles. Ele chamou o nome dela novamente e correu tentando encontrá-la, esperando que ela estivesse bem. Ele nunca se perdoaria se algo acontecesse a ela. O CAIRN ESTAVA da maneira que Seana tinha deixado. Claro que estava; por que não estaria? Não havia ninguém aqui agora para mudar as coisas — não que seu da tivesse saído muito do leito, nas últimas semanas. E eles também não tinham muitas


coisas para desarrumar no seu pequeno lar. Sua casa tinha poucas coisas em comparação com a maneira que os outros viviam. Seana quase sempre espiava pelas janelas dos outros e invejava seus quartos acolhedores, com cobertores espalhados e uma mobília encantadora. Neste momento, no entanto, ela não conseguia encontrar nada para invejar. Seu próprio mobiliário era tosco, mas tinha sido feito carinhosamente pelas mãos do seu pai. Seana tinha ajudado sempre que podia, e ele nunca reclamava quando ela fazia algo errado. Ela andou até a mesinha onde ela e seu da ceavam juntos e passou os dedos sobre a madeira áspera. Um canto estava lascado... do esforço que Seana tinha feito para ajudar. Em seu zelo, ela bateu o machado com muita força e tinha removido uma porção considerável da madeira. Seu da não tinha gostado, mas ele também não tinha ficado com raiva. Ela não devia trabalhar com o machado de seu da, porque ela ainda era muito pequena, mas ela tinha, e por isso tinha lascado a madeira. Ela sorriu com a lembrança. Seu da tinha ficado dividido, ela se lembrou, entre orgulho e decepção. Seana tinha sido uma criança fraca... sua força com o machado a tinha deixado imensamente satisfeito. E... ele tinha esculpido o tampo da mesa e não tinha alisado os lados para evitar lascas quando eles se sentassem para comer. Oh, ele nem mesmo a tinha repreendido. Suas sobrancelhas tinham se fechado apenas por um instante antes dele elogiar com apreço seu trabalho. Seana tinha sorrido com prazer, cheia de orgulho. Ela suspirou. Ele tinha deixado a mesa como ela ainda estava até hoje...


apenas tinha lixado o lugar onde ela tinha destruído a madeira, e Seana muitas vezes o apanhou passando os dedos sobre a borda áspera, com um leve sorriso em seus lábios. NÃO... ela não tinha tido todos os confortos que os outros tiveram... e talvez seu da bebesse um pouco demais e com freqüência... mas ele tinha dado a ela algo que ninguém mais tinha. E ela duvidava que alguém ainda viesse a lhe dar. Amor incondicional. "Você vai sentir a falta ele?" Broc, disse. Não foi uma pergunta. Lágrimas vieram aos olhos dela, mas ela não as derramou. "Sim," ela disse e suspirou. Broc veio por trás dela e puxou uma das pequenas cadeiras que seu da tinha feito para a mesa. Ele se sentou, e a sobrancelha de Seana se levantou quando ele caiu para trás sobre o seu traseiro. Apesar das lágrimas nos olhos dela, ela não pôde suprimir uma risadinha. "Ela tem uma perna mais curta," ela lhe disse tarde demais. Broc não se preocupou em se levantar. "Oh, mas só agora você me diz!" Seana riu. "Bem, você não perguntou!" Broc riu e então começou a inspecionar o cairn. "Maldição, Seana... Eu nunca entendi como vocês puderam viver aqui," ele admitiu, balançando a cabeça em desgosto óbvio. "Não era muito ruim!" ela jurou. E então ela riu suavemente, mudando de idéia. "A não ser no inverno e quando chove." Alguns raios de luar passavam por onde as pedras estavam ligeiramente separadas. Não importava como alguém olhasse para


o lugar, ele era muito pobre para qualquer pessoa colocar a cabeça durante a noite, mas havia algumas pessoas que não tinham um teto, e Seana olhando para trás, para a sua vida, não mudaria nada. Broc ainda estava espiando o lugar, com suas sobrancelhas levantadas. "Hmmm," foi o que ele conseguiu dizer. E Seana riu novamente, porque ela sabia que ele não tinha o que dizer em resposta a fervorosa defesa feita por ela da sua casa. Mas Broc dificilmente podia apreciar as coisas que Seana podia. Ele não tinha vivido aqui. Ele não tinha conhecido seu da como ela tinha. Não, ele não entenderia. "Sim, bem..." Ele lançou um olhar pela casa. "Você não precisa mais ficar aqui." "Eu sei," ela respondeu e caminhou até os barris carvalho que seu da tinha alinhado contra a parede. A maioria deles estava vazia agora, pois tinha havido muitas celebrações em muito pouco tempo, mas alguns ainda estavam cheios, e o odor pungente de envelhecimento do uisge enchia os pulmões. Ela carinhosamente acariciou um barril, pensando que pela primeira vez na vida ela não tinha que fazer nada. Não havia ninguém em nenhum lugar que precisasse dela. Ela podia fazer qualquer coisa que desejasse e ir a qualquer lugar que ela tivesse vontade. Mas nada disso precisava ser decidido agora, e ela não se importava discutir seus planos para o futuro com Broc. ELA SE VIROU para olhá-lo, apoiando-se contra o barril. Ele estava olhando para ela, sua expressão repleta de piedade. "Oh!" ela exclamou e aproximou-se dele, sacudindo um dedo


para ele. "Não se atreva a sentir pena de mim, Broc Ceannfhionn!" Broc piscou surpreso com a sua inesperada repreensão. "Por que eu acredito que sou a mulher mais sortuda que conheço!" ela lhe disse e pensou que realmente achava isso. Broc assentiu com a cabeça, assustado com sua explosão. As sobrancelhas de Seana se uniram, pensando como suas reações eram diferentes das de Colin. Colin, o patife arrogante, teria sorrido para ela, e a reação dele iria fazê-la ficar furiosa, mas também iria fazer ela se divertir. Ela balançou um dedo para ele. "Agora eu não tenho nenhum homem para me dizer o que tenho que fazer e tenho os meios e os clientes para me sustentar! O que mais poderia uma mulher desejar?" Broc continuou a acenar a cabeça, sua expressão sóbria. "Você tem os meios e os clientes... a menos que você mate todos os seus malditos clientes com esse uisge podre que você tem feito," ele ressaltou. As sobrancelhas de Seana se levantaram. Ele sorriu para ela. "Oh, você é um grande palhaço!" Ela pisou o dedo do pé dele com o pé dela. "Ai!" ele exclamou, mas estragou sua queixa com um sorriso. E depois acrescentou, "Oh, mas parecia uisge barato, quando eu o bebi, Seana! E você sabe que eu não diria uma coisa dessas se não fosse verdade, moça." Seana mordeu o lábio e fez uma careta porque ela sabia que era verdade. "Eu sei," ela confessou. Ele cheirou o quarto e então sorriu novamente, suavizando o golpe de suas palavras. "Acenda uma chama," ele disse, "e não


sobra nada de nenhum de nós dois para nos preocupar!" Seana queria bater nele. Oh, não era tão ruim assim! Mas ela riu e disse. "Calado, Broc!" Mas ele tinha dito algo certo, e ela puxou uma cadeira para se sentar e pensar sobre o assunto. O uisge beatha era demasiado forte para um homem ou um animal — até mesmo para um escocês mais resistente. Ela tinha sorte de não ter mortes na sua consciência, embora ela até agora realmente não tivesse considerado a força de seu destilado. Ela tinha estado bastante preocupada simplesmente suprindo a demanda. "Não se preocupe Seana. Vou te ajudar... até que você tenha um lote melhor para vender. Não se preocupe moça." O orgulho lhe disse para recusar. O senso comum lhe disse que ela não devia. Ela inclinou a cabeça para olhar para ele sentado no chão. "Você é um bom amigo para mim, Broc. Um excelente amigo." ELE PISCOU PARA ELA. "E você é uma moça muito doce. E vai ficar bem, eu acho." Se apenas o coração dela não doesse. Se ao menos ela não quisesse o único homem que ela não podia ter. Ela estava sentada contemplando suas opções, tentando não pensar em Colin ou quão perto ela tinha estado para dar-lhe tudo o que ela possuía. Não era somente o nome dela que ela tinha arruinado, porque agora ela não tinha a quem dar satisfações. Ela era filha de Donal o


bêbado, e por isso ninguém jamais esperava nada dela — salvo que ela pudesse roubar suas despensas e roubar suas roupas! Sim, mas esta noite ela tinha chegado perto de perder a única coisa que ela não podia suportar perder. Ela quase perdeu seu orgulho. ELA ESTAVA BEM. Colin ficou do lado de fora da sua porta escutando as vozes que vinham de dentro. Seana e Broc. Broc devia ter vindo aqui para esperar por ela, e Seana obviamente nunca tinha tido a intenção de permanecer com Meghan. De que outra forma os dois poderiam se encontrar tão rapidamente, quando ela o tinha deixado apenas há alguns minutos? Não admirava que ela tivesse entrado em pânico e fugido. Ele tinha quase a seduzido e o coração dela ainda pertencia a Broc. "Sim, bem... você não precisa ficar aqui," ele ouviu Broc dizer. Colin não se conteve. Ele tentou fugir, mas não conseguiu. Ele ficou lá escutando, sentindo-se como um palhaço, o coração apertado. "Eu sei," Seana respondeu. Suas vozes ficaram abafadas por um momento, e Colin se encostou mais próximo a porta tentando ouvi-los, engolindo seu orgulho. "Por que, acho que sou a mulher mais sortuda que conheço!" Seana disse, e Colin ouviu verdade em seu tom. Ela acreditava nisso. Ela estava apaixonada por Broc.


Ela lhe disse isso desde a primeira vez que se viram, e ele não quis acreditar nela. Ele nem sequer se importou em bater. Ele não queria se intrometer. Ele estava se enganando tentando acreditar que ele tinha uma chance de conquistá-la. Ele não a merecia. Ela merecia muito mais do que Colin podia dar a ela. SUAS VOZES se desvaneceram atrás dele, e era o melhor que podia acontecer para ele não dar meia volta e entrar explodindo como um louco em sua casa. Lute por ela, uma voz lhe dizia. Volte e lute por ela, se você a ama! Broc era seu melhor amigo. Ele não podia fazer isso. Seana certamente valia à pena, mas ele não podia ir atrás dela depois de ter ouvido a alegria na voz dela. Por que, eu acho que sou a mulher mais sortuda que conheço! Ele ouviu-a dizendo mais uma vez, e ele estremeceu. Ele queria isso para ela. Ele realmente queria. Ela merecia felicidade e Broc poderia dar a ela, então era isso que ele queria... Que Deus o ajudasse, ele encontraria uma maneira de ser feliz por ela, porque Seana era a melhor mulher que ele já tinha conhecido. Mas ela tinha lhe estragado para sempre. Ele não podia se imaginar agora beijando outros lábios... não podia imaginar passar os dedos por cabelos mais macios dos que os dela... Ele não queria ninguém mais. Seu coração se apertou dentro do seu peito enquanto ia


embora. A cada passo, a floresta ficava mais escura, como um cobertor sombrio que nunca mais iria ser levantado. Sem ela, nada mais parecia importar.


CAPÍTULO 25

O som de choro chamou a atenção de Seana. Por um instante, ela pensou que pudesse ter imaginado, mas ela lançou um olhar para Broc e viu a mesma expressão no rosto dele. Sua testa se franziu enquanto ela ouvia. Ela não podia dizer se estava longe... ou perto... mas era sem dúvida soluços de uma criança. "Não deixe Seana chorar," seu da tinha dito para ela. Podia ser desse choro que ele estava falando? Ele, em seu estado febril, imaginou que essa criança fosse ela? Exceto que... Seana não se lembrava do choro quando ela esteve aqui. "Você está ouvindo isso?" Broc perguntou, inclinando sua cabeça. "Sim!" Ela se levantou. "De onde vem esse choro?" "Eu não sei," respondeu Seana, vagando pelo aposento enquanto escutava o som distante. Era uma criança pequena, ela estava certa. Não parecia ser um animal, apesar de este ter sido o seu primeiro pensamento. Ela andou para mais perto da palete do pai dela, tentando seguir o som. O som ficou mais alto — um pouco, mas ficou. Alongando-se ela tocou na parede de terra ao lado da cama do seu pai. O som parou. Ela se virou para olhar para Broc. Ele estava


deitado ainda sobre o chão, ouvindo atentamente, com uma expressão curiosa. Todo tipo de pensamento passou pela mente de Seana — tudo, desde os mais espirituais até os mais mundanos: ela não acreditava em magia... ou em fadas. Nem acreditava em espíritos — ou que Meu Amor pudesse ser sua querida Minny que tinha voltado à vida como um maldito gato! Mas seu pai tinha certamente uma mente diferente, e o som da criança chorando mandou um arrepio por toda a sua coluna. "Parou," ele disse, e Seana levantou uma sobrancelha por ele ter falado o óbvio. A expressão dele permanecia pensativa. Seana se moveu para longe da parede, e no mesmo instante o choro começou de novo. "Oh!" ela exclamou. "Isso soa como se estivesse vindo do outro lado desta parede!" "E O QUE tem do outro lado da parede?" Broc perguntou. "Nada," Seana respondeu, tornando-se tão confusa quanto Broc parecia estar. "Nada." Ela se mudou para a porta, só para ver se o som se mantinha forte, mas o choro ficou mais distante... embora ainda fizesse eco na sala. Ela se moveu novamente em direção a parede, e ele ficou mais forte. Intrigada, tocou na parede, tentando senti-la... O choro continuou, e Seana se ajoelhou em cima da palete do pai e colocou a orelha na parede. Depois de um momento, o choro parou. "Isto é muito estranho." Ela balançou a cabeça, virando o rosto para Broc. "Esta parede... soa como se fosse oca por trás..." "Isso é possível?"


Seana deu de ombros e se virou mais uma vez para colocar a orelha contra ela. "Acho que não... mas talvez sim. Existem muitos cairns nesta área. Meu pai usava este, porque ele era muito grande, mas existem muitos outros. Só não achava que eles estivessem tão perto!" Broc se levantou do chão de terra e veio ficar ao lado dela. O choro começou mais uma vez. "Há uma entrada, talvez... por este quarto?" Seana olhou para ele e lhe deu um olhar de admoestação por causa de sua pergunta. "Oh, mas se houvesse você não acha que eu saberia após todos estes anos? Não tem nenhuma entrada," ela assegurou-lhe. "Soa como uma criança," ele disse, a sua voz preocupada. Seana concordou. Ambos ouviram o som, e apesar de Seana conhecer bem o lugar, ela tateou a parede à procura de alguma forma de... algum buraco nela... algo... As paredes do cairn pareciam sólidas. As pedras estavam empilhadas altas contra o penhasco que formava Chreagach Mhor, criando um teto sobre esta caverna... um telhado que estava repleto de rachaduras. Mas a maior parte do quarto realmente ficava abaixo do solo, mantendo-os abrigados do vento. Esta parede, no entanto, além de ser solida ... estava nivelada com o precipício... ou ela achava que sim... "O que tem por trás desta parede, Seana?" ele perguntou mais uma vez, e Seana sabia que ele estava frustrado com a primeira resposta. Mas se ele queria que ela o esclarecesse isso não ia acontecer. "Eu pensei que era a parede do penhasco. Eu não sei Broc... Eu realmente não sei..."


Broc empurrou a parede, de repente, tentando deslocá-la com sua força. Apesar de ele ser grande a parede não ia se mover, e Seana sabia que ele ia descobrir isso por conta própria. Ou talvez alguma parte dela esperava que ela estivesse errada. Eles realmente não tinham imaginado o choro e quem quer que fosse, certamente estava em perigo. E se fosse uma criança... SEANA EMPURROU A PAREDE TAMBÉM, totalmente em vão, mas desesperada para ajudar. "Não há nenhuma maneira da gente entrar!" ela disse para Broc. O choro da criança aumentou... Se eles podiam ouvir, e esse pensamento ocorreu-lhe de repente... talvez a criança também pudesse ouvi-los? "Tem alguém aí?" Seana gritou e se sentiu uma boba por fazer esta pergunta. Se ela e Broc ouviram o choro, obviamente havia alguém lá. "Quem está aí?" Broc gritou a plenos pulmões, inclinando a cabeça contra a parede de pedra. O som dele reverberou com tanta força que surpreendeu Seana. O choro parou de repente. "Allooooo!" Seana gritou e bateu na parede com a mão, sem sucesso. "Tem alguém aí?" Não houve resposta, mas Seana não ficou satisfeita. Ela tinha ouvido o choro e Broc também, e tinha alguém lá! Se fosse uma criança, não era de admirar que ela não respondesse. Crianças pareciam ter medo do que eles não viam! Ela saiu de perto da


parede e foi para fora. Correndo pelo lado de fora, ela olhou acima do penhasco, inspecionando-o. Muito acima dele, ela viu a silhueta de Chreagach Mhor contra o céu noturno, a fortaleza do MacKinnon, em toda a sua glória. Suas paredes de pedra compunham a única fortaleza nestas Highlands (7) , mas tudo... os cairns... as pedras que a guardavam... estava aqui há bem mais tempo do que Seana podia imaginar. Eram remanescentes de épocas passadas... relíquias dos antigos... envoltas em mistério... como o uisge beatha que seu pai fazia. Os penhascos ficavam de fato atrás de sua casa... as pedras ficavam empilhadas contra ela... Seana não conseguia imaginar como era possível alguém poder estar lá... Na escuridão ela estudou a construção. Broc seguiu-a e ficou ao lado dela. "O que foi?" "Ela ainda está chorando? Eu não posso ouvi-la daqui." "Sim," respondeu ele. Seana abanou a cabeça, confusa. "É como se ela estivesse enterrada no precipício," ela disse em voz alta. "O som está vindo do outro lado da parede... mas não tem nada lá." Broc permaneceu em silêncio, estudando a construção do cairn juntamente com Seana. "Eu pensei que talvez eu pudesse ouvi-la aqui do lado de fora, mas não..." Os penhascos ficavam aninhados contra as florestas. Era difícil, então, ver qualquer coisa que não fosse imediatamente visível aos olhos. Para explorar o penhasco, uma pessoa teria que procurar através do mato e da floresta, e Seana nunca tinha feito isso...


PODIA HAVER OUTRA ENTRADA? Havia outro cairn adjacente a este? Não lhe parecia provável, mas aquele choro vinha de algum lugar. Ela não podia ouvi-lo do lado de fora, e por isso não podia ser apenas um eco vindo da parte de baixo e chegando até o penhasco. "Vem comigo, Broc," ela exigiu cheia de determinação e ele a seguiu para dentro do cairn. Ela pegou duas tochas, acendeu-as, entregou uma para Broc e acenou-lhe para ir para o lado de fora mais uma vez. "Você pesquisa o lado direito do penhasco. Eu vou pesquisar o lado esquerdo," ela disse. "Se você achar alguma coisa, me avise e eu farei o mesmo." Broc pegou a tocha e acenou concordando. Seana não esperou pela resposta dele. Ela deixou Broc olhando um pouco confuso, e se perguntou se ele estava habituado a receber ordens de uma mulher. Bem, ela não podia evitar. Havia uma criança lá fora precisando ser encontrada, e eles não iam conseguir realizar a tarefa do lado de fora do cairn, ou se fazendo perguntas tolas. Ela começou a procurar através do penhasco, procurando pela mata e pelos bosques, na esperança de encontrar alguma outra entrada, uma abertura pela qual uma criança conseguisse entrar. Ela conhecia esta terra melhor do que Broc, então ela o mandou na direção do lago, onde a floresta era menos densa e o penhasco era muito mais aparente. Nesta direção, a floresta era bem mais espessa, e os penhascos ficavam cobertos com mata cerrada. Esta terra era linda, tão cheia de belezas, os prados e colinas e lagos e rios... as falésias


majestosas que ficavam como um avô orgulhoso, tomando conta de suas criações. Mas esta hora a noite era negra, e a névoa estava muito grossa para que se pudesse usar a luz da lua. A tocha piscava e cuspia em protesto contra o ar úmido da noite, mas Seana sabia que ela continuaria a queimar com resistência. Seu pai tinha feito estas tochas. Ela manteve seus ouvidos alertas para qualquer som de choro da criança, mas não ouviu nada. Não havia como alguém pudesse cair em um buraco tão profundo e poder ser ouvido de dentro do cairn... não das falésias acima... certamente não sem se matar. Era quase como se a pessoa estivesse enterrada dentro da própria terra, e Seana tinha que acreditar que havia outra maneira para entrar... Resolvida a encontrar, ela procurava furiosamente, seus próprios problemas esquecidos. Mais tarde ela poderia sentir pena de si mesma... mais tarde, quando ela estivesse sozinha e não houvesse ninguém para vê-la...

(7) Highlands - área montanhosa na Escócia, moradia dos Highlanders.


CAPÍTULO 26

"Onde ele está?" FitzSimon perguntou. "Na floresta,” respondeu o homem. "Muito perto do lugar onde escondemos a pirralha." As sobrancelhas grossas de FitzSimon se fecharam. Ele se inclinou em sua cadeira, contemplando esse fato. "Ele está procurando por ela." "Parece que sim, meu senhor." "Bastardo estúpido." A mandíbula de FitzSimon mostrava toda a sua raiva, embora ele continuasse reclinado na sua cadeira, seu corpo relaxado com um langor nascido da arrogância."Bem, ele já desperdiçou bastante o meu tempo," ele disse, após um momento de contemplação. "Ele podia tê-la recuperado com bastante facilidade se ele simplesmente encontrasse uma maneira de devolver o que é meu." "O que você quer que a gente faça. meu senhor?" FitzSimon balançou a cabeça. "Estúpido bastardo escocês," ele disse de novo e levantou a mão demonstrando frustração. Ele suspirou, resignado. "Mate-o," ele ordenou ao homem e depois acrescentou "a criança também." As sobrancelhas do homem se contorceram. "Meu senhor?" ele disse, incerto se ele tinha ouvido corretamente. "Melhor ainda," disse FitzSimon, observando o gesto de fraqueza do seu homem. Nenhum de seus homens podia se


acovardar e não cumprir as suas tarefas e deveres. "Traz Cameron e sua irmã mimada para mim," ele disse. "Eu quero ver a cara dele enquanto ele assiste sua irmã morrer." O homem engoliu visivelmente. "Sim, meu senhor," ele disse e acenou com a cabeça. FitzSimon sorriu, satisfeito com a reação do seu homem. Todos os seus homens deveriam ver como ele tratava quem o traía. Já fazia muito tempo que ele não fazia uma demonstração para eles. Cameron poderia ser um bom exemplo, afinal. Quanto a Page, ele teria que encontrar outra maneira de recuperar a puta traidora da sua filha. Ele fez um sinal para ele. "Vá pegá-los," ordenou para o homem. "E não perca tempo. Estou cansado e quero terminar logo com isso," ele disse. A perspectiva do que estava por vir fazia com que seu tédio ficasse bem menor. O homem se virou para ir, e FitzSimon sorriu. TALVEZ ELE SE atrevesse a enviar as suas cabeças em cima de almofadas bordadas — seu presente de casamento para MacKinnon e sua noiva! "Puta ingrata!" ele disse em voz alta, quando o homem já tinha ido e ele estava sozinho. "Como a maldita mãe!" Ele pretendia fazê-la pagar — até o maldito dia que ela morresse! O SOM de choro o surpreendeu. Estes bosques não eram o lugar onde alguém vagasse a noite e, muito menos hoje.


Colin seguiu o som, cauteloso tentando não se revelar porque não parecia ser soluços de uma mulher. Ele ficou nas sombras, tentando descobrir quem era a figura sentada sobre o chão úmido. O garoto... parecia um jovem rapaz... tinha a cabeça enfiada em seus braços e seus braços sobre os joelhos... mas Colin não o reconheceu, até que ele levantou a cabeça, assustado pelo barulho dos passos de Colin. "Cameron!” Colin, exclamou. "O que diabo você está fazendo aqui, rapaz?" "Quem está aí?" Cameron perguntou, fechando os olhos para ver melhor. Ele rapidamente passou a mão nas lágrimas de seus olhos. "Colin Brodie." Mais uma vez, Cameron enterrou a cabeça dentro de seus braços. "Vá embora!" ele exigiu. Colin saiu das sombras e ficou diante do rapaz, olhando para ele curiosamente. "Que diabos você está fazendo aqui no bosque, Cameron?" "O mesmo que você está fazendo aqui, este é o meu palpite!" o rapaz respondeu acidamente. "Fazendo-se um tolo de si mesmo, atrás de uma mulher que não quer nada com você?" Colin respondeu honestamente. Cameron olhou para ele, suas sobrancelhas colidindo. Colin deu-lhe um olhar tímido. Cameron arqueou uma sobrancelha com desdém. "Eu pensei que todas as mulheres queriam Colin Mac Brodie?" Colin não ligou para o que ele falou afinal ele viu que o rapaz estava perturbado. "Acho que não."


"HMMPH!" Cameron declarou. "Eu não posso acreditar! O quê?" ele acrescentou amargamente. "Broc mandou você atrás de mim? Porque se ele fez isso, você pode ir embora e pode dizer para ele que eu não preciso de uma babá!" Colin levantou uma sobrancelha para a raiva que o rapaz aparentava. "Por que ele me mandaria atrás de você, Cameron?" "Porque eu não sou estúpido!" o rapaz cuspiu para ele, os olhos atirando punhais. "Eu sei que ele estava me seguindo. Mas ele não é tão astuto como ele gosta de pensar que é!" Colin não estava a fim de lidar com um menino chorão. "E você não é homem bastante que você acha ser, você concorda?" "Você, não se atreva!" Cameron se levantou pronto para lutar. Colin levantou uma sobrancelha. "Nem pense em tal coisa, rapaz ou você vai cuspir dentes por uma semana." Cameron estava, tremendo de raiva dele, embora ele não tenha se mexido. Ele não se atreveria, Colin sabia, pois o rapaz estava longe de ser capaz de lutar contra Colin — não somente porque ele era menor em tamanho, mas ele não tinha nem força e nem habilidade. "Por que diabos você está chorando, Cameron?" "Não lhe diz respeito!" O rosto de Cameron estava tenso com raiva, mas Colin podia ver muito mais nos olhos do rapaz. Havia medo, também — e não era medo de Colin. Ele estava desconfiado, sim, mas esperto o suficiente para saber que não deveria lutar, mas ele não estava com medo de Colin. E mesmo assim, havia medo nos olhos dele.


"Eu quero ajudar," Colin se ofereceu, "mas eu não posso se você não me permitir." De repente ele se atirou na direção de Colin, os braços tremendo e Colin rosnou em desgosto. Ele parou o rapaz com um movimento rápido, apenas colocando um braço sobre seu pescoço. Cameron fez um som de quem estava engasgado e Colin apertou um pouco mais, não com a intenção de machucá-lo, mas querendo que Cameron entendesse sua situação. "Você é sortudo porque eu gosto muito do Broc," Cameron disse, seu tom repleto de aviso. "Porque estou de muito mau humor!" Cameron fez outro som totalmente sufocado, suas mãos tentando em vão tirar o braço de Colin do pescoço dele. Colin jogou ele no chão. "Agora," ele perguntou mais uma vez, "que diabos você está fazendo aqui?" CAMERON CAIU de joelhos com um ataque de tosse, e Colin franziu a testa, Ele não o tinha segurado tão forte para que ele se comportasse dessa maneira. E então ele começou a soluçar de repente, e Colin ficou ali em pé, totalmente desajeitado, incerto sobre o que fazer. "Maldito inferno! Porque você está chorando como uma mulher velha, Cameron?" Cameron abanou a cabeça, chorando cada vez mais, e Colin não sabia o que dizer. "Oh!" Colin, exclamou e caiu de joelhos ao lado de Cameron. "O que é isso, rapaz?"


Cameron olhou para ele, o vermelho dos seus olhos visíveis mesmo na escuridão. "É Constance," ele cedeu, as lágrimas escorrendo pelo seu rosto. "Minha irmãzinha." Um arrepio passou por Colin por causa do temível olhar nos olhos dele. "FitzSimon," Cameron adicionou, e Colin viu os lábios do rapaz tremerem com a menção do nome do homem... lábios que só agora estavam começando a se curar. "FitzSimon?" Colin piscou na confusão. "A esposa de Iain?" "Não," Cameron disse engolindo as lágrimas, a garganta dele balançando com o esforço. "O bastardo Sassenach do pai dela!" Colin ainda não estava entendendo, e Cameron contou-lhe tudo — da parte de Cameron no plano de devolvera filha para FitzSimon, até a traição de FitzSimon... seqüestrar sua irmã, matar o cachorro de Broc. A estória o deixou cambaleando. Nem mesmo seu próprio encontro com Montgomerie tinha sido tão frio. "Maldito bastardo," Colin sussurrou. E ele colocou uma mão sobre o ombro de Cameron. "Eu estou procurando por ela a noite toda!" Cameron disse-lhe. "Eu fiquei vigiando e eles vieram aqui para alimentá-la. Eu sei que ela está aqui em algum lugar, mas não consigo encontrá-la. Eu tenho que encontrá-la, Colin!" "Oh, eu sei, rapaz." Cameron passou a mão em seu rosto novamente, para secar suas lágrimas. "Você não viu Merry," ele disse e não se conteve. Ele começou a chorar novamente. "Malditos bastardos!" Colin assentiu com a cabeça e sacudiu-o pelo ombro. "Broc sabe?" Cameron abanou a cabeça, mais uma vez, enxugando as


lágrimas. "Não. Eu não tive coragem para lhe dizer... e eles disseram que matariam Constance se eu falasse uma palavra. Eu não poderia correr o risco." "Agora é o momento certo para ele saber," Colin disse para o rapaz. "Faça isso por mim, rapaz... vá e conte para o Iain. Eu sei onde Broc está e eu digo para ele, e juntos vamos encontrar Constance." Ele acariciou o ombro de Cameron. "Juro por Deus que vamos encontrá-la. Agora levanta e seja forte por Constance." CAMERON E COLIN SE LEVANTARAM. "Eu juro se ele a machucou..." "Não pense nisso," Colin lhe disse. "Vai buscar Iain, e eu vou buscar Broc." "Não! Eu vou com você!" ele disse. Mas Colin não quis perder tempo discutindo. Ele se virou e correu de volta para o cairn.


CAPÍTULO 27

E

stava ficando frio, o vento soprava forte e ela não sabia onde Broc estava. Seana não sabia quanto tempo ela estava procurando, mas até o momento, não tinha encontrado nada, e estava começando a sentir que não havia nada para ser encontrado. Ela escutou atentamente para ver se ainda ouvia o som do choro, mas o único som que alcançava seus ouvidos era o uivo suave do vento através das antigas pedras. Era em noites como esta que as pessoas tinham que acreditar em banshees e fantasmas, Seana pensou — uma criança chorando que não podia ser encontrada... o grito do vento como uma banshee chamando seu amante para a morte. Este não era o tipo de noite para ficar se vagando pela floresta. Era o tipo de noite para se ficar com as portas fechadas e se esconder debaixo de cobertores pesados. Era o tipo de noite que a gente esquecer que era verão. Mas Seana não acreditava em fantasmas... e ela não estava com raiva. Ela sabia o que tinha ouvido. Havia uma criança lá fora que precisava de ajuda, e isso a manteve na sua busca. Finalmente, sua perseverança a recompensou. Ela ouviu os soluços da criança antes que encontrasse a abertura da caverna. "Allooo!" ela gritou. Antes de entrar, ela gritou chamando Broc. Mas o choro tornou-se mais frenético e Seana não esperou para ver


se Broc a tinha ouvido chamá-lo. Ela entrou atrás da criança. A luz de sua tocha dançava jogando sombras ao longo das velhas paredes. A caverna era pequena, mas muito profunda, e Seana correu através da passagem, pensando que ela devia cortar perpendicularmente o cairn. "Oh, Deus!" ela exclamou, ao ver a criança no final da passagem. Seu coração se apertou ao vê-la. Ela estava amarrada, as mãos presas nas suas costas, os pés também estavam amarrados, e a boca amordaçada, embora o pano estivesse um pouco solto. Seana prendeu a tocha no suporte da parede, e desamarrou primeiro a boca da criança. O pano estava encharcado de lágrimas e saliva, e a menina tremia com medo quando Seana mudou-se para soltar suas mãos. "Está tudo bem, querida!" ela sussurrou, espreitando para a entrada por cima do ombro. "Está tudo bem. Tudo está bem agora... está tudo bem... não se preocupe." Ela esticou a mão para acariciar a cabeça da criança, com esperança de que Broc a tivesse ouvido e estivesse a caminho. NA VERDADE, ela não sentiu que estava tudo bem. Alguém tinha deixado a criança aqui, e quem quer que fosse certamente ia retornar. Desfazendo rápido o nó da corda em seus pulsos, Seana então desamarrou as pernas dela, estremecendo ao ver as marcas que as amarras tinham feito em sua carne tenra. A pobre criança estava suja e assustada e parecia vagamente familiar, embora o rosto dela estivesse demasiado sujo para ser reconhecido. Ela queria gritar novamente chamando Broc, mas não se atreveu. E se seus raptores estivessem por perto? A criança


continuou a chorar, e Seana a levantou, depois pegou a tocha e ficou confortando-a enquanto elas saíam. A criança se abraçou nela, soluçando histericamente. "Shhhhh," disse Seana. "Quietinha querida... vamos sair daqui, então você pode me contar tudo. Shhhh..." Ela saiu correndo da caverna, dando um suspiro de alívio quando viu o ar enevoado da noite e viu que não havia ninguém à vista. A entrada da caverna estava longe da casa dela e ela duvidava que alguém fosse procurá-las lá, assim ela se dirigiu ao cairn, esperando que ninguém viesse atrás delas e com a esperança de que Broc tivesse ouvido seus gritos. Ela não ousava chamá-lo agora, não ousava chamar a atenção para si mesma. Quem podia fazer isso a uma criança frágil não podia ter um coração. "Eu quero... Eu-eu quero o meu irmão," a criança disse chorando, e foi a primeira coisa que ela falou. Seana acariciou seu rosto, acalmando-a. "Nós vamos encontrálo em breve," ela prometeu. "Não se preocupe!" Ela começou a correr da melhor maneira que podia, carregando a tocha e a criança. Ela estava com tanta pressa e a neblina era tão espessa que ela não viu os vultos imediatamente até que fosse tarde demais. Eles a viram primeiro, seus olhares atraídos por sua tocha. O coração de Seana quase saltou do seu peito com medo antes que ela percebesse que era Colin... e outra pessoa. "Oh, Deus!" exclamou o rapaz que estava com Colin. "Constance!” Ele correu até ela, mas Seana não teria entregado a criança até que ela desse algum sinal de que o conhecia, mas ela pulou para os seus braços. Ela agarrou-se a ele, soluçando freneticamente.


"Onde você a encontrou?" Colin perguntou. Seana não conseguiu evitar; ela se lançou nos braços de Colin, o coração batendo freneticamente. "Escondida em uma caverna," ela disse, agarrando-se desesperadamente a ele. Ela estava tão feliz de vê-lo, ainda bem que ele tinha vindo! Ela não sabia por que ele estava aqui, mas no momento isso não importava. Ela precisava dele para abraçá-la. "BROC e eu ouvimos uma criança chorando de dentro do cairn," ela explicou apressadamente. "Nós saímos à procura dela. Eu a encontrei em uma pequena gruta, amarrada com uma corda e amordaçada." Colin estremeceu. "Vá para dentro," ele disse para Cameron, acenando em direção ao cairn e a fraca luz que brilhava lá dentro. "Leve-a com você e apaga a luz!" ele comandou para o rapaz. Pela primeira vez, Cameron obedeceu sem discutir e se escondeu dentro do cairn, abraçando calmante sua irmã enquanto eles corriam para dentro. Ele segurava-a firmemente, e Seana pensou que ele pudesse quebrá-la. "Quem pode ter feito uma coisa dessas?" Seana perguntou, tremendo. "FitzSimon," ele disse, segurando-a mais perto. Seana não queria que ele a deixasse ir nunca mais. Colin engoliu o nó que subiu em sua garganta. Que Deus o ajudasse, mas ele não queria deixá-la ir nunca mais. Ele pressionou o queixo contra sua testa, atrevendo-se a segurá-la, atrevendo-se a respirar o perfume dela, querendo


protegê-la. Sempre. "Onde está Broc?" "Ainda procurando. Nós nos separamos," ela explicou, "para procurar mais rapidamente." Ela se agarrou a ele, e o coração de Colin bateu mais rápido. "Quem é FitzSimon?" ela perguntou para ele, tremendo novamente. "É o pai da Page.” Seus dedos agarram seus ombros, segurando-o e Colin se deliciava com a paixão com que ela o abraçava. Ela estava com medo, ele sabia, mas o motivo não importava. Ele apreciava a sensação que estava tendo em seus braços. Ela olhou para ele. "A noiva de MacKinnon?" "Sim." A expressão dela ficou confusa, e ela inclinou a cabeça. Cristo, mas ele queria beijá-la naquele instante. Ele queria pegar a cabeça dela em suas mãos e baixar sua boca até os lábios e provar o doce néctar da sua boca. "Ele quer sua filha de volta," ele explicou, "e não vai parar por nada até tê-la de volta — bastardo Sassenach!" Ela apertou-lhe de repente aparentando medo. "Eles estão vindo atrás dela? Querido Deus — Broc!" ela exclamou, e o coração de Colin doeu com pavor ao pensar em Broc se confrontando com FitzSimon e seus homens. "Ele não sabe de nada, Colin! E se eles aparecerem diante dele?" A última coisa que ele queria fazer era deixá-la, mas Broc era seu amigo, e ele não queria vê-lo prejudicado. Ele deslizou seu braço em volta do seu pescoço, trazendo-a para mais perto dele, ousando abraçá-la, sabendo que provavelmente esta seria a última


vez. Ela não era sua mulher, nunca tinha sido.

ELA NÃO O AMAVA. "Vou encontrá-lo," ele jurou. "Eu prometo que eu vou encontrálo. Não se preocupe Seana!" O vento levantou o cabelo dela, golpeando-o como se estivesse sussurrando contra o seu rosto. Ele encontraria Broc, porque ele a amava. Porque ele queria que ela tivesse tudo o que ela merecia... e tudo o que ela desejasse. Por um longo instante, ele não conseguiu se afastar. Seu coração doía só de pensar que ele podia perdê-la, embora na verdade ela nunca tivesse sido dele. Ele queria se lembrar da sensação de tê-la em seus braços, do cheiro da pele dela... da sensação do seu cabelo no rosto dele. Ele queria beijá-la... Ele não conseguia se conter. Que Deus o amaldiçoasse, mas ele não conseguia parar a si mesmo. Ele abaixou sua boca até a dela e se apossou de seus lábios sem lhe pedir. Ela gritou e tentou se afastar, mas ele gemeu em protesto. "Por favor," ele implorou, sussurrando febrilmente contra seus lábios. "Só um beijo, Seana..." Seana era muito fraca para resistir-lhe. Ela queria esse beijo muito mais do que ele podia imaginar — mais do que ela se atrevia a revelar. Ela se derreteu contra ele, confiando nele para segurá-la, porque suas pernas, de repente não iam conseguir. Seu beijo queimava seus lábios, sua língua estava quente contra a sua boca... Ela a abriu para ele, deixando que ele a provasse, deixando-o entrar — e oh... Deus... foi a mais doce rendição que ela jamais


poderia imaginar. Seus pensamentos voaram na sua cabeça e seu coração bateu com força, quando ela se atreveu a beijá-lo de volta. Colin estremeceu com a sensação da sua língua contra seus lábios... ele a sugou avidamente... pegando tudo o que ela pudesse lhe dar. Ele podia ser um desgraçado por estar fazendo isso, mas ele esperava que ela se lembrasse deste beijo cada vez que Broc a segurasse em seus braços. Ele esperava que ela se lembrasse do sabor de sua boca, a sensação de sua língua... Ele deu um suave beijo em seus lábios uma última vez, sussurrando algo em sua boca... Ele a empurrou suavemente ou ele nunca conseguiria ir embora. "Eu vou encontrá-lo, Seana," ele prometeu, "mas é melhor ele tratá-la bem, ou eu mesmo vou matá-lo!" Ele a deixou lá, parada, vendo-o partir, os olhos vidrados por causa das palavras que ele tinha sussurrado em sua boca Seana levantou os dedos até seus lábios, agora com o sabor da paixão do seu beijo. O coração dela batia loucamente, e a cabeça dela girava.

EU TE AMO, ele tinha sussurrado. Eu te amo, Seana. Ela piscou, pensando que certamente ela tinha apenas imaginado. Ele não podia ter dito essas palavras para ela... Tinha que ser o vento fazendo truques cruéis em seus ouvidos... somente não era


possível. Seus lábios ainda vibravam com o gosto dele... Ele a tinha desnorteado tanto que ela se esqueceu de entrar. Ela ficou lá, parada, olhando para a escuridão muito tempo depois que ele já tinha desaparecido de vista... E se atrevendo a ter esperança.


CAPÍTULO 28

Colin chegou tarde demais. Ele ficou escondido na floresta, escondido nas sombras das árvores, observando a cena que se desdobrava no prado, ainda não estando pronto para se revelar. Havia quatro deles, fortemente armados, para somente um Broc. Broc era muito maior do que qualquer um deles, mas contra os quatro o tamanho dele não era nada. Broc não teve nenhuma chance por estar desarmado, salvo o punhal no cinto dele. Colin também não estava armado. Ele não tinha deixado a casa de Meghan com a intenção de ir para uma batalha. Ele não pretendia deixar a casa de Meghan... se não fosse por Seana. Ele estremeceu quando eles forçaram Broc a ficar de joelhos. Um deles acertou um soco nas costas dele. Colin pensou em ir atrás deles, sua fúria cada vez maior. Mas ele hesitou, pesando as opções, seu corpo rígido com raiva. Suas escolhas eram poucas: ele podia ir embora e deixá-los matar seu melhor amigo... o homem que Seana amava... ou ele podia dar um grito de guerra e voar em cima deles, se arriscar e lutar ao lado de Broc... e morrer ao lado dele também. A segunda era certamente uma opção, por mais desagradável que parecesse, mas a primeira, nem pensar. Ele não podia deixar Broc à mercê deles. E nem Broc faria isso com ele, e ele sabia. Ainda assim, mesmo sendo dois, as chances contra eles eram altas.


E não havia tempo para ele sair à procura de ajuda. Broc estaria morto antes de Colin voltar e os bastardos Sassenach estariam longe. Na verdade, tudo o que precisava ser feito, precisava ser feito agora. Ele podia ouvi-los falando, mas as vozes estavam demasiado baixas. Um deles tirou uma espada e foi para trás de Broc. "Bastardo!" Colin sussurrou ferozmente. Covarde! Ele não conseguia encarar um homem para matá-lo! A imagem de Seana chorando por causa da morte de Broc revoltou seu estomago. Ela já tinha sofrido demais. O que ele podia fazer, desarmado, como ele estava... o que ele podia fazer? A TENSÃO o oprimia enquanto ele assistia questionarem Broc. Um dos homens o chutou nas costas, Broc caiu para frente, enquanto outro o chutou no rosto. Os dedos de Colin se fincaram no tronco da árvore onde ele se escondia. Quando o homem que estava atrás de Broc levantou sua espada, Colin não pensou, não conseguiu ficar parado, apenas reagiu. "Pare!" ele gritou. Todos os quatro homens e Broc olharam de relance em sua direção. Ele sabia que eles não podiam vê-lo escondido como ele estava. Ele engoliu, de repente com medo embora ele nunca tivesse sentido uma fraqueza tão grande antes. Mas ele nunca tinha recuado diante a um assassinato a sangue frio, sem uma chance de lutar.


Força, ele se lembrou. Nunca fique numa posição de fraqueza. "Bastardos Sassenach!" ele cuspiu essas palavras para eles, e seus olhares procuraram pela voz. O homem com a espada deu um passo à frente, abaixando-a, mas apenas ligeiramente. "Mostre-se, covarde!" ele gritou para Colin. Oh, mas Colin neste momento se sentiu como um covarde. Seu coração batia mais rápido do que uma virgem na sua primeira noite. Seu braço para lutar era bom, mas ele tinha passado muito pouco tempo praticando — não quase tanto tempo quanto ele tinha gastado empunhando outra espada, mais íntima. Esta ele empunhava muito bem, mas ela não ia conseguir tirá-lo desta confusão. "Venha me pegar!" ele escarneceu e riu. "Mas ao fazê-lo você vai levar uma maldita flecha no seu coração! Você pode conseguir me pegar, sim, mas eu vou levar todos vocês para o inferno comigo! Bastardos Sassenach!" Eles ficaram ali parados, um olhando para o outro e depois de volta para a floresta. Oh, mas ele esperava que isso funcionasse. Se não, ele ia acabar com a maldita espada na bunda dele. "Venha, agora! Dê-me um motivo para sair daqui!” ele exigiu deles, esperando que eles pensassem que ele carregava uma besta (8) . Nenhum deles se moveu. O coração de Colin batia ferozmente. "Solte-o!" ele gritou. O homem com a espada desembainhada zombou de sua ordem. "Por quê?" ele perguntou, e Colin tentou achar uma resposta.


Por que ele deveria soltá-lo? Oh, mas com os diabos como ele podia saber! Se ele estivesse em seu lugar, ele dificilmente pensaria em acatar o pedido de alguém escondido na mata. Não tão facilmente, enfim. Droga, ele estava numa situação difícil e desagradável. "PORQUE VOCÊ É um homem inteligente!" ele respondeu e estremeceu com a pobre resposta que deu. Neste ritmo ele ia fazer com que ambos fossem mortos. "É verdade?" o líder voltou a zombar. "Sim, FitzSimon," Colin rebateu. "Ele não é o FitzSimon!" Broc, gritou de repente. "Ele é um de seus estúpidos lacaios!" Por ter falado isso ele levou um chute na cabeça. Ele caiu e Colin sabia que Broc estava se aproximando de seu ponto de ruptura. Se FitzSimon não estava com eles... eles precisariam voltar para ele com alguma coisa. Seana e Cameron tinham salvado a criança... Broc não tinha idéia de onde a criança estava, e ele não revelaria se soubesse... mas será que eles sabiam que a criança já não estava mais no esconderijo? Ele duvidava... Eles deviam ter prendido Broc, quando eles estavam indo recuperar a criança... Ele confessou: "Eu tenho a criança!" Ele viu que tinha chamado a atenção deles. A adrenalina do seu corpo aumentou, assim que eles imediatamente começaram a confabular um com o outro. Como era impossível ler a linguagem corporal deles, Colin continuou. "Estamos sozinhos no momento," ele advertiu, "mas não por muito tempo! MacKinnon vai esfolar a


pele de suas bundas, ele prometeu e desejava, mais do que tudo, que Cameron tivesse ido atrás de ajuda. Maldição! Ele podia ver que eles estavam considerando suas palavras, porque a conversa entre eles ficou mais acirrada. O que diabos ele devia fazer agora? Na verdade, ele só estava ganhando tempo. Sua única chance era que eles decidissem deixar Broc ir e se retirarem... "Solte-o!" ele gritou-lhes uma vez mais. "Deixe-o ir agora, enquanto vocês têm a oportunidade de sair com a cabeça e com seus corpos intactos!" O líder dos Sassenach levantou a cabeça, de repente, olhando na direção de Colin. "Escocês bastardo!" ele cuspiu. "Quem diabos você acha que é!" Um homem estúpido sem nenhum maldito plano, era o que ele pensava quem era. O líder Sassenach levantou sua espada. "Você o quer de volta?" ele perguntou. "Vou lhe dar ele de volta!" Ele acenou para seus homens para segurarem Broc, o que eles fizeram facilmente, embora Broc tenha tentado se soltar. "Eu vou tirar a cabeça dele e você pode levá-la como uma mensagem para MacKinnon! FitzSimon quer sua filha de volta,e ele não vai embora sem ela!" Ele se virou na direção de Broc... e levantou sua espada. "Não!" Colin, gritou. "Não! Tirem a minha cabeça!" O homem parou e olhou em sua direção. "Por que devo me preocupar com qual cabeça devo remover?” ELE NÃO TINHA idéia de onde veio a resposta. "Porque Iain MacKinnon é meu irmão!" Colin mentiu. Broc tentou levantar a cabeça — em estado de choque, Colin


sabia — mas manteve-se calado. Mas sua mentira chamou a atenção do líder. "Seu irmão, você diz?" "Sim!" Colin mentiu novamente, desta vez com mais determinação. "Se isso é verdade, por que você quer que eu troque você por este homem?" "Porque ele tem uma mulher que vai chorar por ele, e eu não tenho!" "Colin!" Broc, gritou furioso por ainda estar impotente em meio a tantos, e enfurecido por que eles ainda o tinham preso. "Não faça isso! Não confie nestes bastardos!" "Solte-o!" Colin falou mais uma vez para eles, ignorando Broc. "Deixe-o ir e vou largar meu arco e me entregar em troca da sua vida!" "Que garantias temos que você não vai virar e fugir?" "Porque eu te dou minha palavra como um MacKinnon," Colin respondeu e pensou que ele devia estar meio louco. "Não é o bastante!" o Sassenach informou. "Um escocês não tem honra — e um MacKinnon menos ainda!" "E você tem?" Colin, rebateu. "Você está usando uma criança para lutar a batalha de um homem! E se você não soltá-lo, "Colin blefou, "você será o primeiro homem a morrer! Eu sou um excelente atirador!" Silêncio. Colin continuou. "Se você vai libertá-lo, vou largar o meu arco e vou me colocar num lugar onde você possa me ver," ele disse, confirmando que eles não tinham arcos, mas apenas espadas. Por Deus — ele estava certamente louco.


"Colin, não!" Broc, gritou. "Não seja estúpido! Eles vão matar nós dois!" "Não," argumentou Colin, gritando para Broc. "Eles não vão... porque eles não têm mais Constance para negociar, nem Cameron também. Eles precisam enviar um mensageiro para Iain com sua oferta e nós dois somos tudo o que eles têm! Deixe-o ir!" ele persistiu, gritando para os homens de FitzSimon. "E vocês podem me manter como refém, em vez disso!" O homem considerou a proposta por um longo tempo. E durante esse tempo, a floresta era um eco do silêncio. As antigas pedras eram testemunhas de sua insanidade. Colin cerrou os dentes enquanto ele esperava. "E você está dizendo que é irmão do MacKinnon?" o líder Sassenach finalmente gritou. "Sim!" Colin respondeu com a esperança de que Broc não lhe chamasse de mentiroso. De repente, ele precisava fazer isso. TODA A SUA VIDA ele tinha tomado, tomado, tomado — Seana estava certa. Ele nunca tinha dado alguma coisa para alguém sem esperar algo em troca. Pela primeira vez na vida, ele queria fazer uma coisa altruísta. Ele queria mostrar para ela que ele tinha mudado. O silêncio continuou. Seu peito parecia martelar, e suas mãos começaram a suar. Na verdade, ele não tinha ninguém para chorar por ele. Mas Seana iria lamentar a perda de Broc e a vida de Colin não teria sido perdida em vão se Broc retornasse para ela. Ele não tinha ilusões. Ele sabia


que as chances de sobreviver eram mínimas. Iain dificilmente iria desistir de sua noiva, não por Broc ou por Colin. Qualquer uma dessas vidas estaria perdida. Colin era mais dispensável. Droga, ele era. "Muito bem!" o Sassenach concordou. "Apareça!" Maldição! Que garantias ele tinha de que eles não matariam os dois? Broc estava certo. "Largue o seu arco," o homem exigiu, e Colin fez uma careta, desejando que ele realmente tivesse um. Ele teria dado um caloroso adeus a cada um deles. "Libere Broc primeiro!" Colin gritou para eles. "Deixe-o livre e o faça caminhar na minha direção!" Eles o libertaram, deixando-o ficar de pé. Colin podia dizer pela postura rígida de Broc que ele era totalmente contra a trama de Colin. Colin saiu detrás das árvores, bem ciente de que eles não podiam vê-lo muito claramente. Mas podiam vê-lo. "Afaste-se deles, Broc," ele mandou. Broc assim o fez, mas com relutância. "Você é um estúpido filho de uma puta, Colin! Estúpido!" "Talvez eu seja" Colin concordou com ele. "Ande na minha direção, Broc e vai contar tudo para Iain!" Broc não se incomodou de olhar para seus captores. Ele simplesmente obedeceu, vindo em direção de Colin. O líder Sassenach gritou para Broc. "Diga para Iain MacKinnon que se ele quiser seu irmão de volta, ele vai entregar a filha do FitzSimon. Se ele não o fizer, seu irmão certamente morrerá!" Colin estremeceu com a ameaça. Por Deus, MacKinnon não ia negociar com FitzSimon. Colin podia se considerar um homem


morto. Ele passou por Broc. "Diga a Seana... diga-lhe para se lembrar do que eu falei para ela." "Iain ama sua mulher," Broc avisou-lhe. “Você vai morrer." "EU SEI," Colin confessou e continuou a andar em direção aos homens de FitzSimon, não querendo dar-lhes razão para voltar atrás na sua palavra. A troca era tênue, na melhor das hipóteses, e eles estavam observando com cautela, prontos para lutar se houvesse necessidade. Ele e Broc podiam tentar correr para um lugar seguro, mas nenhum deles estava disposto a se arriscar — pelo menos Colin não estava e Broc parecia que também não estava. "Isto não é a sua batalha, Colin!" Broc murmurou em suas costas, parando e voltando-se para lhe dar mais uma oportunidade para mudar de idéia. "Corra — nós dois podemos correr agora! Talvez a gente consiga!" "E talvez não. Seana ama você," Colin disse calmamente, sem se virar. "Trate bem dela, Broc." Os homens de FitzSimon se apressaram para frente de repente, agarrando-se nele como lobos raivosos. O líder Sassenach levantou sua espada, ferindo-o. E a última coisa que Colin ouviu antes dele cair no chão, foi Broc à distância, gritando... "Vocês vão pagar por isso seus malditos bastardos!" Então ele viu o sorriso de Seana... o preto do seu cabelo como meia-noite e aqueles olhos luminosos.


(8) Besta - uma arma com a aparĂŞncia de uma espingarda, com um arco de flechas acoplado no lado oposto da coronha, acionada por gatilho, que projeta dardos similares a flechas, porĂŠm mais curtos


CAPÍTULO 29

E

ra um grande momento, um que seria lembrado por séculos vindouros, pois era o momento em que todos os feudos estavam reunidos e tinham resolvido ficar unidos — os MacKinnons e Brodies, e os Montgomeries

e MacLeans. Eles estavam reunidos, no mesmo lugar de onde Colin tinha sido levado, cercados por grandes pedras que tinham sido esculpidas por seus antepassados. Os MacKinnons estavam sentados com os Maclean, cuja rixa tinha começado muito antes que alguém pudesse se lembrar e tinha progredido com a morte de Mairi a filha mais velha de Dougal MacLean. Ela tinha se jogado de uma janela da torre por não querer suportar o toque do seu marido. E os Brodies estavam em conferência com Montgomerie — o Sassenach que tinha se atrevido a vir até as suas terras e tinha roubado Meghan Brodie debaixo dos narizes de seus irmãos por causa de uma cabra. E lá também estava Seana... que não pertencia a nenhum destes clãs e ainda assim se sentia parte de todos eles, de alguma forma. "Quantos são os que nós devemos temer?" Dougal MacLean, laird dos MacLeans, perguntou. "Olhe à sua volta, Iain! Juntos nós podemos esmagá-los debaixo dos nossos pés!" Iain MacKinnon estava no centro de todos os clãs. O seu clã era


de longe o mais forte dessas Highlands. Descendente dos poderosos filhos de MacAlpin, ele era o líder de todos eles. Nem Dougal MacLean, nem qualquer um do Brodies, nem qualquer um dos outros clãs confessaria isso, mas mesmo assim lhe prestavam deferência. E isso era evidente pela forma que eles estavam reunidos, formando um círculo ao seu redor para ouvir seus conselhos. Até Montgomerie, que não tinha nascido nestas terras, lhe prestava o devido respeito. A filha de FitzSimon sentava-se calmamente ao lado de MacKinnon, sua expressão cheia de preocupação. A mão do marido descansava em sua cabeça, acariciando seu pescoço inconscientemente enquanto ele considerava a proclamação de Dougal. O encontro tinha deixado Dougal animado, ecoando seus sentimentos, jorrando uma terrível tragédia que deveria recair sobre FitzSimon e cada um de seus homens. De repente, Leith Mac Brodie pulou em cima de uma pedra. "É o meu irmão que ele levou!" Ele gritou sobre o barulho de vozes. "É muito fácil para todos vocês dizerem tais coisas quando não é a sua própria carne e sangue que pode ser derramado! Se fizermos como vocês desejam o que vai impedir o maldito bastardo de matar meu irmão?" O CORAÇÃO de Seana quase saiu de seu peito ao ouvir a verdade dessas palavras. Ela segurou o peito com uma mão e tentou não chorar diante de todas essas pessoas. Oh, mas ela não ia suportar... se ela nunca tivesse a chance de dizer para ele que o amava.


Sim, ela sabia agora que ele a amava também. Ele tinha se sacrificado quando ele não precisava. Ele podia ter ido buscar ajuda, desarmado, como ele estava. A maioria dos homens teria feito isso, Seana estava convencida. Mas Colin tinha ficado, salvando a vida de Broc, e arriscando sua própria vida para que Seana pudesse ter Broc de volta para ela. "Ele não vai saber o que o atingiu!" Dougal, rebateu. "Digo que podemos pegá-lo enquanto ele dorme e cortamos a garganta do Sassenach!" "Não!" Meghan protestou. Ela levantou e apelou para os presentes. "Eu não vou deixar você brincar com o sangue do meu irmão!" Ela começou a soluçar e seu marido pegou-a em seus braços, consolando-a. Lágrimas encheram os olhos de Seana. Ela estava sofrendo com tantas emoções: ela queria confortar Meghan, queria ser consolada, e ainda assim ela não tinha nem uma palavra a dizer de como isto devia ser tratado. Seus lábios estavam secos. Iain MacKinnon mudou-se para trás de sua esposa. Ele segurou-a pelos ombros, espremendo-os com um gesto consolador. "Nós somos fortes o suficiente," ele interrompeu. A multidão silenciou, embora ele não tivesse levantado sua voz. "Pegar FitzSimon a força..." Seu olhar encontrou Dougal MacLean, em seguida, Leith Brodie e finalmente Montgomerie. "Mas a que preço?" ele perguntou-lhes. Ele se virou para MacLean. "Qual é seu interesse nisto?" ele perguntou para o mais velho dos laird presente. Dougal MacLean franziu a testa em resposta. "Eu não quero nenhum Sassenach em cima da minha terra!" ele respondeu


finalmente. A reunião ficou em silêncio. Alguns ecoaram seus sentimentos com simples acenos, mas ninguém se manifestou. Page FitzSimon então falou, sua expressão repleta de dor e tristeza. "Eu conheço a vontade do meu pai, ele não hesitará... em matar Colin." O marido a atraiu contra ele querendo protegê-la. Tudo o que qualquer pessoa sentisse por seu pai, ficou claro que Iain MacKinnon não ia tolerar que sentissem por ela. O clima entre eles se tornou ainda mais sombrio. Iain MacKinnon virou-se para Leith Brodie. "Entendemos que vocês querem que ele volte para casa, ileso, Leith... parece-me apenas que não temos escolha. Por experiência sei que FitzSimon é cruel." Ele olhou para sua esposa. UM HOMEM QUE, quando falava de sua própria filha e dizia, "fique com ela ou pode matá-la, eu não me importo" não era para ser subestimado. A mandíbula de Leith permaneceu fechada. A raiva, claramente escrita em seu rosto. "Deveria ter sido eu," Broc Ceannfhionn declarou, em pé ao lado de seu laird. Ele olhou para Leith Mac Brodie, e depois para Dougal. "Eu não sei qual é a melhor maneira de fazer isto, mas se depender de mim... Eu quero viver para ver esse bastardo morrer!" Page ofegou suavemente, a mão dela voando para a boca, e Broc percebeu, tardiamente, a importância de suas palavras. Não importava o que ele fizesse, ele ainda era o pai dela. "Oh, você não merece isso, Page," ele disse quase sussurrando,


e apenas Seana e Iain ouviram seu estranho pedido de desculpas. Lágrimas jorravam dos olhos de Page. "Isso é tudo minha culpa!" ela declarou, o tom dela cheio de remorsos. "Não!" Iain disse. "Não é!" E apertou-lhe suavemente, como se tentasse persuadi-la a acreditar. "Não é culpa sua!" ele disse-lhe mais uma vez. O olhar de Seana se encontrou com o de Page, e ela se atreveu a colocar sua mão em cima da mão dela. "Não é sua culpa," ela disse e realmente ela não achava que era. "Você não pode se culpar pelo o que seu pai faz ou deixa de fazer." Page sorriu baixinho e virou a mão para aceitar o gesto carinhoso de Seana. Elas ficaram sentadas, uma segurando a mão da outra, mas o coração de Seana doía em agonia por causa de Colin. Page de alguma forma entendeu a expressão de dor de Seana. "Você o ama?” Page perguntou num sussurro. Seana assentiu com a cabeça, lágrimas em seus olhos, e seu coração na garganta. Page deu um pequeno aperto em sua mão. "Bem, ele arriscou a vida por mim," Broc disse para os membros da reunião, "Eu não vou deixá-lo ser sacrificado!" "Nós não vamos negociar com ele!" seu laird disse, segurando sua esposa para mais perto, parecendo tão frustrado como todos os outros. Eles tinham discutido esse assunto toda a manhã e não tinham conseguido chegar a nenhuma conclusão. Seana sabia que todo mundo estava se sentindo tão indefeso quanto ela estava. Ela só queria poder fazer algo. Ela não suportava a idéia de perder Colin e detestava este sentimento de desamparo total.


Devia haver alguma coisa que eles pudessem fazer... Devia haver alguma coisa que ela pudesse fazer... OH, mas ela não podia ficar apenas sentada como uma tola insensata e perdê-lo para sempre, enquanto estes homens debatiam o destino dele. Nenhum deles podia concordar com um plano, e ninguém parecia inclinado a fazer alguma coisa até que todos concordassem com o mesmo plano. Como Seana via, eles estavam perdendo um tempo precioso. Se FitzSimon achasse que sua oportunidade estivesse perdida, ele mataria Colin e fugiria. "Eu preciso de uma maldita bebida!" O velho Angus declarou de repente. "Todos nós precisamos," ele acrescentou quando todo mundo virou-se para olhar para ele. Seana se virou para olhá-lo, olhar seu rosto corado, uma idéia germinando em sua mente... Sim... mas talvez tivesse algo que ela pudesse fazer. Será que as mulheres podiam realizar algo que estes homens não podiam. As espessas sobrancelhas brancas de Angus se uniram. "Pela maldita pedra, o que eu disse?" O coração de Seana começou a se encher de esperança. Ela saltou da pedra onde estava sentada e exclamou animada, "Eu tenho uma idéia! Oh, Deus! Eu sei o que fazer!" E ela podia até mesmo ter começado a pular de alegria, exceto que por um instante, sua declaração foi recebida com silêncio e reprovação ao mesmo tempo. As expressões dos homens estavam na melhor das hipóteses confusas. Dougal MacLean foi o primeiro a falar. "Sente-se, moça." Ele acenou para ela. "Deixe os homens resolverem —"


"Mas..." Seana não podia fazer nada sozinha. Ela precisava de ajuda. Eles deviam pelo menos deixá-la falar! Ela olhou para Meghan, suplicando Para o marido de Meghan também. "Calado, pai!" Alison MacLean disse de repente, se levantando. As mãos dela foram para as ancas. "Deixe Seana falar!" Meghan Brodie pisou para frente e, em seguida, com uma expressão esperançosa. "Sim," ela exigiu, "Deixe-a falar!" "Sim!" veio um clamor do resto das mulheres. Uma por uma, elas desafiaram seus homens. Um resmungar de protesto respondeu-lhes, mas Seana de repente sentiu esperança. "Vá... diga-nos," Iain MacKinnon pediu para ela. As batidas do coração de Seana se aceleraram freneticamente dentro de seu peito. Ela olhou por Iain MacKinnon, grata pelo seu apoio e depois olhou para Page e sorriu. Page sorriu de volta para ela. Encorajada, Seana contou o plano dela. "Mas preciso de ajuda," ela implorou para todos. Silêncio foi a sua resposta. O OLHAR dela encontrou o de Meghan uma vez mais... em seguida, o de Alison... e o de Page... "Eu topo!" Meghan declarou sem hesitação. "E meu marido tem tudo o que precisamos!” "Eu também topo!" Alison concordou, dando um passo para frente. "É um plano muito bom, Seana," Page disse. "Embora ele possa me reconhecer... Vou ajudar no que eu puder."


Seana sorriu. "Obrigada," ela disse. E virou-se tentando encontrar mais voluntários. "Vou ajudar também," disse uma mulher, dando um passo à frente. "E eu!" exclamou outra. "Eu também!" disse outra. E outra. E outra. E outra. Seana passou a mão no seu peito, grata pela primeira vez por todas as mulheres de Colin. Ela não podia evitar. Ela riu com alegria e em seguida, gritou com alegria, vamos para a casa de Meghan, então!" Uma por uma, as mulheres foram na direção de Meghan, algumas abandonando seus pais e outras seus irmãos e até mesmo algumas abandonando seus filhos e maridos. Todas ignorando os protestos, resolvidas no seu desejo de ajudar. Seana abanou a cabeça, maravilhada com o número de mulheres que se juntaram, jovens e velhas igualmente. As mãos dela foram para as bochechas ardentes. "Seu patife bastardo!" ela disse pensando em Colin, mas ela sorriu quando disse...


CAPÍTULO 30

Colin acordou com uma tremenda dor de cabeça. Bastardos Sassenachs. Eles não precisavam ter acertado a cabeça dele. Ele não pretendia fugir. Ele tentou mexer suas mãos e pernas, mas elas estavam amarradas e seu esforço foi em vão. Inferno, pelo menos ele ainda estava vivo. E assim, pelo menos, ele teria tempo suficiente para tentar descobrir como se libertar... ou tempo para pensar sobre a sua morte iminente. Ele fez uma careta por causa do que ele estava pensando e tentou mexer seu corpo, gemendo com o esforço. Todo o seu corpo doía, e ele achou que era porque eles o tinham amarrado e o atirado num canto da tenda do seu gordo senhor sem a menor preocupação de como estavam fazendo isso. Seus membros estavam torcidos numa posição extremamente desconfortável, e ele não sabia há quanto tempo ele tinha ficado desacordado desta maneira... ou que hora era agora... Ele devia ainda se encontrar com FitzSimon, ou se ele já tivesse se encontrado, com certeza não se lembrava. A julgar pela pouca luz na tenda, ainda era noite... Ele olhou para o alto... ainda era noite... Cristo, quanto tempo ele tinha ficado desacordado? Ele estava deitado lá, tentando pensar... pensando em Seana...


Ele queria que ela fosse feliz — esperava que ela fosse muito feliz com Broc. Um som fraco de música chegou a seus ouvidos e ele fechou os olhos, pensando que talvez estivesse apenas imaginando... pensando que era alguma lembrança voltando para assombrá-lo... a primeira vez que ele tinha revisto Seana... a noite do casamento de Meghan... a música tinha sido animada... mas então, havia uma celebração. Não havia motivo para celebração hoje à noite. Ou talvez houvesse. Se fosse verdade, como eles disseram que ele tinha quebrado muitos corações... talvez todas as mulheres que ele tinha conhecido agora podiam estar celebrando sua morte. Mas ele ainda não estava morto. COLIN GEMEU COM O PENSAMENTO, insatisfeito com a vida que tinha levado. Oh, mas ele queria ser pai. Ele queria voltar para casa para Seana e tê-la esperando por ele com muitos beijos e... uisge! Será que ela sabia como fazer alguma coisa? Ele fez uma careta ao pensar em beber seu destilado. A bebida era forte o suficiente para matar um homem. E se ele não morresse enquanto bebia, ele certamente ia desejar isso na manhã seguinte. Bem, isso não importava. Ele não se importava se ela não soubesse cozinhar. Ele a amava de qualquer jeito. O som da música ficou mais forte... e mais alegre, e Colin levantou suas sobrancelhas imaginando o que estava acontecendo. Vozes acompanhavam o som... vozes femininas... e barulho de


festa... O que eles estavam fazendo? Tendo uma maldita festa? Cristo, Colin pensou, ele sabia que MacKinnon não ia negociar com FitzSimon, mas ele ainda não estava morto! Frustrado, ele tentou se libertar mais uma vez, em vão. Ele sozinho não podia se soltar. Ele bateu com a cabeça contra o chão, amaldiçoando-se sob sua respiração. FITZSIMON INCLINOU A CABEÇA ENQUANTO ESCUTAVA. "O QUE DIABOS É ISSO?" Mulheres, risos e música assaltavam a pacífica noite. Hoje à noite, ao contrário da noite anterior, os céus estavam claros, o que lhes permitia uma visão perfeita... mas ainda assim ele não conseguia ver as mulheres. A festa ecoava no ar da noite, a música doce, mas alegre. "Não sei, meu senhor." "Vá e veja o que está acontecendo, então, idiota!" FitzSimon exigiu. Seu homem se virou no mesmo instante, abandonando sua refeição. FitzSimon fez sinal com a cabeça para outro homem, enquanto ele dava uma mordida em sua lebre. "Vá com ele," ele ordenou. O homem parou no meio da mordida. "Sim, meu senhor," ele disse e saiu correndo. "Malditos escoceses!" FitzSimon protestou. "Um homem não pode nem comer em paz!" Outro dos seus homens perguntou. "Devemos alimentar o prisioneiro?" "Inferno não!" FitzSimon respondeu. Ou ele vai estar de volta


com seu irmão logo e vai poder encher sua barriga, ou ele vai ser morto e não precisa ter a barriga cheia. É simples assim!" "VERDADE, meu senhor," concordou o homem e voltou para o seu prato, resolvendo cuidar de seus próprios assuntos, para que ele não tivesse que sacrificar sua própria refeição. FitzSimon sorriu enquanto arrancava outro pedaço de sua carne. Respeito era tudo o que importava. Os dois homens que ele tinha enviado para investigar retornaram rapidamente, com sorrisos em seus rostos. "É apenas um bando de mulheres, meu senhor." O rosto de FitzSimon mostrou surpresa. "Mulheres? Fazendo o quê?" O homem balançou a cabeça e os ombros. "Dançando." "Elas estão dançando!" exclamou o outro, com um olhar sonhador. "Talvez elas sejam mulheres seguidoras de acampamentos?" sugeriu o homem que havia perguntado sobre a alimentação do prisioneiro. "Vocês têm certeza de que são apenas mulheres?" A expressão de FitzSimon estava perplexa. Nenhum homem respeitável iria enviar uma mulher para lutar suas batalhas. Ele não achava que MacKinnon fosse um covarde. A festa continuava a uma distância respeitosa, ou ele podia achar suspeito... Ele jogou a carne no prato e se levantou, pois a curiosidade estava tomando conta dele. Todos os seus homens se levantaram também.


"Não, não, não, não!" ele bradou para eles. "Nós não podemos todos ir até lá!" Ele acenou para o homem que tinha se oferecido para alimentar o prisioneiro. "Fique" ele comandou e fez um gesto para os outros o seguirem. Foi bem fácil seguir o som, mas a visão de seus vestidos voando ao vento não era o que FitzSimon esperava. Pequenos corpos suaves e ágeis dançavam sob a luz da lua... Era uma visão totalmente etérea que ele nunca tinha visto, e por um instante... ele pensou que tinha morrido e ido para o céu. Ou para o inferno. Ele as assistiu dançando ao redor das antigas pedras. SEANA DANÇAVA pela vida de Colin. Ela dançava, embora não soubesse como. De alguma forma, com a música e os bonitos vestidos que Meghan tinha fornecido, ela se sentiu linda pela primeira vez na vida dela. ELA SABIA que eles estavam assistindo agora. Havia homens posicionados nas árvores, assistindo da floresta, sem serem visto por qualquer pessoa, a não ser pelas mulheres que dançavam. O aviso de que eles tinham chegado fez com que Seana começasse a dançar com seriedade. Elas tinham decidido por este pedaço de terra, porque o acampamento de FitzSimon estava perto. Com esperança de que seu plano funcionasse, ela e Meghan e Alison e as outras dançavam perto dos barris de uisge, como se fosse um ritual pagão em homenagem aos espíritos da bebida. Elas


pareciam uma enxurrada de seda, juntas, voando em uma dança que parecia tão velha quanto às pedras em torno delas. Como elas haviam planejado, duas garotas começaram a remover o véu da outra, e Seana sabia que este seria o momento. Se os homens de FitzSimon iam se mostrar agora era a hora. Mas e se eles não o fizessem? O que elas fariam? Cameron disse que havia apenas sete ou oito deles — não era páreo para elas que estavam em número maior, e ainda assim eles deviam ficar afastados do acampamento para seu plano dar certo. E pior, e se eles suspeitassem de algo e matassem Colin? Seana não podia deixar de pensar nisso. Ela não suportaria perdê-lo logo depois de perder seu da — não suportaria perdê-lo nunca. Não, elas não podiam falhar!


CAPÍTULO 31

"O que o diabo elas estão fazendo?" FitzSimon sussurrou. "Não sei, meu senhor." "Parece ser algum tipo de ritual pagão," um dos seus homens sugeriu. "Sim, é o que parece," FitzSimon concordou. "Malditos selvagens." "Sim," meu senhor, disse outro homem, "mas são selvagens adoráveis. Há muito tempo não vemos tanta beleza em um só lugar?" "Não," FitzSimon foi forçado a concordar. "Parece que elas estão orando para aqueles barris," seu capitão salientou. "Não," respondeu outro homem. "Me parece que elas estão orando para o que está dentro deles. Veja aquela ali... como ela inclina a cabeça como se estivesse bebendo. Deve haver algum tipo de torneira lá." "O que poderia ter dentro deles?" "Quem sabe. Pode ser qualquer coisa. Talvez sangue." "Meu Deus!" FitzSimon declarou. "Olhe para elas!" O corpo dele não podia deixar de responder à visão diante dele. Duas delas agora estavam se despindo, uma despia a outra, tirando véus, um de cada vez. Uma delas já estava com os seios à mostra, e a outra dançava sedutoramente perto dela. Ele respirou fundo.


"Inferno... Eu as vejo, meu senhor. Eu as vejo!" "Deve ser algum tipo de dança para o diabo," FitzSimon declarou. "Talvez elas sejam bruxas?" "Talvez," concordou o capitão. Mas o resto dos seus homens permanecia em silêncio, todos de boca aberta com o que se apresentava diante deles. "Mas essas são as bruxas mais belas que já vi," suspirou um dos seus homens. FitzSimon não conseguia achar palavras para repreendê-lo. Raios que as partissem, mas elas estavam se sentindo cada vez mais confortáveis. Duas mulheres estavam praticamente nuas agora, e o resto delas dançava indolentemente sob o luar, completamente despreocupadas se tinham público ou não. Todos os homens de FitzSimon estavam atordoados com a visão delas. "Você acha que elas vão... bem aqui?" perguntou o capitão. FitzSimon engoliu. Ele não podia falar. Sua luxúria agora lhe dominava. "Devemos nos juntar a elas?" um dos seus homens perguntou, com uma nota de esperança na voz dele. "Não, e se for um ardil?" "BAH! "São apenas mulheres, declarou FitzSimon. "E prostitutas... porque nenhuma mulher respeitável possui vestidos assim. E nenhum homem respeitável deixaria sua mulher se vestir assim." "Sim, mas como você disse, elas são selvagens, meu senhor!" argumentou o seu capitão.


"Esses não são vestidos que uma selvagem usa," rebateu FitzSimon, contemplando a maneira que elas estavam vestidas. "Eu vi mulheres enfeitadas assim apenas no Oriente. Não, elas não são selvagens... talvez ciganas." "Ou bruxas," o capitão lembrou-lhe, "envolvidas numa dança de sedução e sacrifício." As duas mulheres nuas começaram a passar a mão uma na outra, retorcendo-se juntas em uma dança sensual. FitzSimon nunca tinha visto nada parecido... nem no Oriente. "Sim e elas vão se banquetear em nossos corpos e jantar em nossos corações!" "Por Deus! Deixe-as se banquetearem em meu corpo," declarou um dos seus homens. "Se eu morrer esta noite, eu vou morrer feliz!" E ele se levantou e andou em direção as mulheres que estavam dançando. O resto dos homens olharam para FitzSimon. Seu rosto queimava, mas seu desejo era muito grande para ele se importar. Nenhum deles podia dizer uma palavra porque todos estavam tão duros quanto às malditas pedras. "São apenas mulheres," FitzSimon disse outra vez, e todos os seus homens concordaram. Eles se viraram para ver o companheiro e esperaram para ver como ele seria recebido. Ele alcançou o círculo de mulheres, e ao mesmo tempo, elas correram em direção a ele, devorando-o com sua dança sedutora, puxando as roupas dele. Ele parecia estar em êxtase sob o ataque de seus beijos e carícias. Todos eles estavam vidrados olhando para ele, e FitzSimon engoliu convulsivamente. A protuberância em suas calças agora era visível, e seu coração agora estava batendo em seus ouvidos.


Mas algo não estava certo... "Vamos embora," ele disse para eles, mas eles não o compreenderam completamente. De repente, eles correram em direção as mulheres que agora se encontravam em êxtase. As mulheres os levaram para perto dos seus barris e um deles estava deitado com o rosto embaixo da torneira bebendo enquanto uma mulher acariciava seu corpo. "Inferno!" ele exclamou e foi atrás deles, dizendo para si mesmo que ele não ia sucumbir... não, ele apenas queria recuperálos. E então ele pegaria suas bundas, de todos eles — e daria muitas joelhadas nesses homens fracos! RAPIDAMENTE ELE ALCANÇOU SEUS HOMENS, e assim que ele chegou às mulheres começaram a... tocá-lo, seduzi-lo. Ele tentou resistir, mas parecia que não havia como, parecia que havia muitas delas... muitas mulheres... então muitas malditas mãos e seios nus... Ele cairia lutando, ele tentou se convencer. Certamente eram bruxas — seus homens estavam certos! Seana escorregou para a floresta, determinada a seguir para o acampamento do FitzSimon. Não era parte do plano, mas ninguém podia mantê-la afastada dele. Ela alcançou a floresta quando Broc estava descendo da árvore e o seguiu. "Volte Seana," ele ordenou. "Não," ela se recusou e o seguiu, ele gostando ou não. Ela não ia descansar até que visse o rosto de Colin. Ele deu-lhe um olhar severo, mas não a fez voltar — nem ele poderia mesmo que tivesse tentado. Ela teria se agarrado as pernas dele e o obrigado a levá-la arrastada.


Eles encontraram o acampamento de FitzSimon com bastante facilidade, e o soldado solitário que tinham deixado para proteger Colin fugiu ao ser surpreendido pelo grande número de homens que vieram atacar o acampamento. O velho Angus desatou a rir ao assistir o homem correndo e Leith abanou a cabeça, rindo também e disse, "Sassenach idiota!" Seana não podia ver nada engraçado nesta situação até que ela viu por ela mesma que Colin estava vivo e bem. Eles o encontraram na tenda de FitzSimon, amarrado em um canto. Ao vê-lo, ela finalmente conseguiu respirar e correu para o seu lado, querendo ser a pessoa a libertá-lo, com necessidade de abraçá-lo. "Seana!" Colin, exclamou, assim que ela tirou sua mordaça. "O que o diabo você está fazendo aqui?" Ele deu-lhe um olhar desnorteado, como se ele não pudesse entender qual era sua parte em seu resgate. O orgulho de macho que se danasse! Quanto mais cedo os braços dele estivessem livres, mais cedo ela poderia se aconchegar neles. Lágrimas de alegria corriam pelo seu rosto enquanto ela desamarrava os nós. "Estou te salvando, Colin Mac Brodie! O que parece que estou fazendo?" Não havia nenhuma pressa agora, então os homens permitiram que ela ajudasse Colin. FitzSimon e seus homens estavam provavelmente bem no caminho para ficar bêbado com o seu uisge e iam ser amarrados e amordaçados na primeira oportunidade — e ficaria bêbado de novo ao amanhecer se o uisge de Seana fizesse seu trabalho. Este lote era muito mais potente do que qualquer um que ela já tinha feito! E as mulheres em vantagem de dez para um. Eles não tinham nenhuma chance contra elas. Mas se por acaso o


plano falhasse, a maioria dos homens tinha permanecido de guarda, pronto para descer das árvores e atacar. "EU SEREI AMALDIÇOADO," disse Broc, parecendo perceber, de repente, que o plano de Seana tinha sido um sucesso. "Ela salvou sua inútil bunda, Mac Brodie!" Seana libertou as mãos de Colin e se jogou nos seus braços. Ela o segurou e não queria nunca mais deixá-lo ir. Colin a abraçou também, ainda perplexo com a sua presença. Ela riu alegremente e não se importava de que alguém pudesse ouvi-la. "Eu te amo, Colin Mac Brodie! Nunca mais me amedronte assim!" "Você me ama?" Colin perguntou, olhando para seu rosto, para ter certeza de que ele não estava sonhando. Ela assentiu com a cabeça. Colin de repente não se importava o mínimo que alguém testemunhasse a sua alegria. Ele a atraiu para seus braços, beijando-a ferozmente. "Oh, você me ama!" ele exclamou e beijou-a novamente. "Ela me ama!" ele anunciou para seus irmãos. E ele beijou-a mais uma vez... ignorando os sorrisos em torno deles. "Parece-me que vamos ter outro casamento," Leith observou, balançando a cabeça maravilhado. "Com certeza!" Colin disse, dando um pulo e ficando de joelhos. Nenhum momento seria melhor do que agora. Nenhuma mulher jamais poderia agradá-lo tanto. Ele puxou-a para ela ficar de pé em frente a ele e olhava para seu lindo rosto. "Seana," ele começou, perdendo a coragem por um breve instante. Ele inalou uma


respiração, olhando para ela com esperança em seus olhos... todos os seus sonhos espelhados em seu rosto. "Minha querida..." Por um instante, ela parecia desnorteada, então ela cambaleou quando percebeu qual era a sua intenção. Um pequeno suspiro lhe escapou... e os olhos dela estavam cheios de lágrimas. Ela engoliu, no momento que elas começaram a fluir pelo seu rosto. Colin estendeu a mão para enxugar suavemente seu rosto. "Seja minha mulher!" ele implorou. "Seja minha amante, Seana!" Ela balançou a cabeça, mas Colin, de alguma forma, entendeu que ela não o estava recusando, ela simplesmente não conseguia falar. "Eu quero te dar meu coração e minha alma!" ele continuou. "E nunca deixar você se arrepender de ter me aceitado!" Não se ouvia nem um sopro dentro da tenda. Todos esperavam para ouvir sua resposta. "Sim!" ela disse. "Já era tempo que alguém amansasse o rabo dele!" Gavin disse. Um conjunto de gritos subiu pela tenda para saudá-los. Com a exceção do velho Angus. "Alguém tem que verificar esse maldito uisge que ela faz!" ele declarou, enojado com a visão dos amantes. "Em todos esses anos nunca vi tantos homens se casando! Eu falei para esse menino para ele não se casar!" Ele se virou e saiu da tenda, reclamando, "Oh, deve haver algo nesse maldito uisge!" O RISO substancioso de Broc se juntou aos dos outros, mas Seana e Colin já não os ouviam.


Colin a beijou, alheio à brincadeira. Neste instante, ele só se preocupava com Seana. Fora da tenda, o som da música na distância parou, e vozes gritavam em triunfo. Tinha passado mais de meio século desde que os MacKinnons, os Brodies, e os MacLeans tinham comemorado alguma coisa juntos. Hoje, um novo pacto entre eles estava sendo firmado... e um novo clã nascia no meio deles... As estrelas pareciam mais brilhantes com o som da festa. Podia ser um truque dos olhos, e não podia ser culpa do uisge de Seana, mas as estrelas pareciam brilhar como o pó de fada nas florestas. Todo mundo viu, ninguém imaginou. Eles esfregaram os olhos e culparam a visão ao uisge de Seana. Mas nas sombras da floresta nubladas, liderados por fadas, dois pares de olhos dourados piscaram conscientes na barraca cheia de riso. Depois de um momento, dois gatos pretos se afastaram para a floresta para brincar.


EPILOGUE

Já era hora de que ele seduzisse sua mulher. Colin tinha esperado tanto quanto ele pode. Nunca em sua vida ele ficou tanto tempo sem fazer amor, mas ele desejava que Seana acreditasse que ele tinha se casado com ela pelo simples fato de que ele a amava. "A noiva!" Lyon Montgomerie brindou e levantou sua taça. Todos o seguiram, levantando seus copos em honra de Seana. Colin levantou seu copo mais alto do que todos os outros, e sua esposa lhe deu um sorriso brilhante que fez seu coração palpitar. Foi um gesto educado, um pouco mais suave do que seu povo estava acostumado, mas Lyon Montgomerie se adiantou para entregar Seana no lugar de seu pai, e Colin tinha ficado para trás e tinha lhe permitido assumir esse papel. Parecia agradar a Seana. Sua irmã e seu marido tinham levado Seana para sua casa, tratando-a como se fosse parente, e o sorriso no rosto de Seana valia qualquer medida de desconforto, que ele pudesse sentir por causa da sua influência estrangeira. O casamento tinha sido comemorado dentro de casa, e quatro clãs agora estavam juntos dentro do salão do Montgomerie. Como diabos todos conseguiram entrar, Colin não sabia. Uma harpista tocava baladas inglesas que faziam que os amantes quisessem se desfalecer nos braços um do outro, mas não havia qualquer espaço para dançar. Ele queria segurar sua mulher em seus braços.


Ela estava mais bonita do que ele jamais a tinha visto. Seu vestido de noiva foi o mesmo usado por Meghan, e por Deus, apesar de Meghan ser sua irmã e mais bonita do que ela tinha o direito de ser, Seana conseguiu tirar seu fôlego. Seu longo cabelo negro se derramava pelo pano de marfim, brilhando lindamente. Suas bochechas rosadas estampavam saúde em seu rosto e o seu sorriso estava brilhante. Ela riu com sua irmã e seu marido, agradecendo-lhes profusamente, parecendo uma princesa, com um cálice de bom vinho inglês que deixava o desejo do espírito da floresta selvagem que ele conhecia sumido embaixo da elegância. Ele mal podia esperar para dar o fora daqui... não podia mais esperar para levar sua esposa até seu leito de núpcias. Ele sorriu, então, porque essa era a parte da cerimônia Sassenach que lhe agradava imensamente — a parte onde ela seria carregada pelas escadas para o quarto que eles iam compartilhar. Colin não tinha intenções de permitir que mais ninguém a tocasse hoje à noite. Ele mesmo carregaria sua própria mulher para a cama! COM ISSO EM mente e sem avisar, ele se inclinou e pegou-a em seus braços, pedindo desculpas a sua irmã por ter derramado vinho no vestido dela que Seana estava usando. Seana gritou em alarme. Seu cálice caiu no chão a seus pés. Ele ignorou os protestos do Seana. "Hora de dormir!" ele exclamou. "Oh, mas você é um bruto!" Meghan o acusou, fazendo uma careta para ele.


Colin, apenas sorriu para ela. "Você sabe muito bem que paciência nunca foi a minha maior virtude," ele lembrou a irmã e beijou-a na testa. "Boa noite, querida Meggie." Seana gritou novamente, desta vez rindo, quando ele começou a passar com ela pela multidão. "Saiam do meu caminho," ele exigiu dos convidados. Seana enrolou suas mãos no pescoço dele. "E o que você acha que está fazendo, meu marido?" "Levando-a para cama!" ele disse, seu tom não admitindo nenhum argumento. Ele piscou para ela, ignorando as vaias que recebeu quando ele passou pelos seus parentes. A multidão se separava para eles, gritando conselhos obscenos para os recémcasados. Os homens de Montgomerie eram muito educados, em comparação aos seus homens, mas ele não perdeu o brilho de gratidão em seus olhos quando ele passou por eles também. Seana riu quando ele começou a subir a escadaria. "Oh, mas nós ainda nem comemos!" Colin sorriu para ela, sentindo-se bastante impiedoso. "Eu tenho outra festa em mente, mulher." Ele se inclinou para beijar sua boca, não se importando quem visse, ou ouvisse. Riso e obscenidade os seguiram até o quarto. "Não pensem em nos seguir," ele disse sem se virar. Mas ele sabia que os homens estavam lá porque ele podia ouvi-los ofegantes em suas costas. "Ah," veio uma resposta em uníssono. "Bastardo!" disse Angus do clã MacKinnons. "Claro!" Colin disse e bateu a porta ignorando seus protestos. Ele carregou Seana para dentro. Ninguém ia pôr os olhos em sua noiva, a não ser ele. Ele caminhou até a cama e a colocou e, em


seguida, voltou para a porta e colocou uma barra fechando-a... só por precaução. Esta festa era só para ele desfrutar. Seu coração pulava em seu peito, e Seana susteve a respiração quando viu seu marido se aproximar. Ela tinha antecipado este momento e o temia também, pois ela tinha certeza de que ele não a acharia boa o bastante. Oh, mas ele esteve com tantas mulheres! Ele era um homem tão lindo, como ele poderia querê-la? Como ele podia olhar para ela como se ela fosse perfeita, quando ela estava tão longe de ser? Seana tremeu apesar de seu desejo por ele, e o viu colocar uma barra na porta. Ele virou para ela, e sorriu maliciosamente. SEU OLHAR FOI ATRAÍDO de repente para a janela aberta. Ela piscou em surpresa ao ver dois gatos pretos sentados em cima do parapeito da janela. "Meu Amor?” Como o diabo eles tinham conseguido chegar aqui? "O som de que você falou é tão bonito em seus lábios," Colin disse, ajoelhando-se em cima da cama. Seana olhou para ele, confusa. "Não é você!" ela exclamou. "O gato!” Ele olhou para a janela agora, seguindo o olhar dela. "O que eles estão fazendo aqui?" "Como o diabo eu saberia!" Seana respondeu. Havia dois deles. Dois gatos. Como seu da tinha alegado que haveria — mas ela não tinha acreditado. Não podia. Ela acenou com a cabeça, confusa com


a visão deles. "O que é, Seana?" Ela olhou para o marido mais uma vez. O que ela poderia dizer? Ele também nunca acreditaria. "Nada," ela mentiu, franzindo a testa. Acariciando as coxas dela sobre seu vestido, ele se esqueceu dos. Embora ela nunca tivesse sido mais feliz na vida dela, ela realmente não conseguiria consumar os seus votos matrimoniais... não enquanto sua mãe e seu pai... podiam estar assistindo. "O que é, meu amor?" Oh, mas isso soou ridículo para Seana. Como poderia ela falar isso em voz alta? "Nada," ela disse novamente e fez uma careta enquanto olhava para seu marido. Ele era o marido dela agora, e por que ela não deveria ser capaz de fazer amor com ele na frente de dois gatos magricelas? Sua mão escorregou para baixo o vestido dela... para o seu tornozelo, acariciando-a suavemente e, em seguida, se deslizou para seus lábios, curvando-se maliciosamente enquanto ele a observava. Seana afastou-se dele. Malditos gatos iam estragar sua noite de núpcias! "Não tenha medo, minha querida," ele persuadiu-a, obviamente sem entender seu medo. "Eu amo você toda," ele assegurou-lhe, a voz dele caindo como um sopro de seda. "Cada polegada de seu lindo corpo..." O coração dela martelava contra suas costelas quando ele empurrou as suas saias, seus dedos acariciando-a suavemente. Seana gemeu e colocando sua cabeça na cama, dividida entre querer se afastar dele para fechar as persianas... e querendo que


ele nunca parasse. Seu toque a fazia ficar tonta. "Colin," ela murmurou, perdendo a vontade de resistir. "Quietinha, Seana," ele disse e deslizou a mão ainda mais para baixo, descobrindo as pernas dela. SEANA SUSTEVE A RESPIRAÇÃO, quando ele caiu ao lado da cama, ajoelhando-se diante dela. Olhando para ela primeiro, ele removeu um sapato e depois outro... jogando para o lado. "Colin," ela choramingou em protesto, mas seu coração batia mais rápido, ele puxou-a para a borda da cama. "Oh, Colin," ela exclamou e engoliu o caroço que apareceu na garganta dela, quando ele se inclinou para beijar os pés dela. Ele beijou cada um dos seus dedos depois... o tornozelo... em seguida, transferiu-se para acariciar sua panturrilha com seus lábios macios e quentes. Seana engoliu a emoção que jorrava na garganta, pois sua intenção não era machucá-la. Ela sabia o que ele estava fazendo, e o que ele fazia a tocou mais do que qualquer coisa que já tinha acontecido em sua vida. As pernas dela... não havia nenhuma cicatriz visível sobre elas, mas ela era consciente delas. Mas ele não estava se importando com isso... ele empurrou seu vestido para cima... amando-a sem reservas. "Linda," ele sussurrou, e os olhos de Seana se encheram de lágrimas. Ele encontrou o olhar dela e sussurrou com carinho, "Eu te amo, Seana." O coração de Seana estava perto de estourar com a adoração tão evidente em seus olhos.


"Eu amo você também, Colin," ela sussurrou de volta e fechou os olhos. Ela gemeu com choque e prazer... quando ele separou as pernas dela e levou seu rosto para o meio delas, beijando-a naquele lugar mais privado... "Deixe-me," ele implorou a ela quando ela se contorceu em protesto e enterrou seu rosto entre suas pernas trêmulas. Seana queria... Ah, meu Deus, ela queria! Sua boca era deliciosa, e fazia coisas maravilhosas com ela, fazia com que seu corpo se contorcesse sob a sua língua. O coração dela batia furiosamente e sua cabeça caiu para trás... e então, ela se lembrou dos malditos gatos. "Ah!" ela exclamou e tentou sentar-se. Colin segurou-a e olhou para ela, sua língua ainda se movendo suavemente sobre ela, e a cara do Seana ficou vermelha. Ela abaixou a saia na cabeça dele. "Seana?" ele apelou, sem se incomodar de sair debaixo do vestido dela. "O que você está fazendo, moça?" "Não podemos fazer isso agora!" ela declarou. "Não é uma boa hora!" Ele riu. "É claro que podemos, ele argumentou, e a língua dele continuava degustando-a de uma forma tão escandalosa, que Seana pensou que fosse morrer... de prazer... ou mortificação. Meu Amor, pelo menos Seana achava que era Meu Amor, deu um pequeno miado do peitoril da janela, e Seana disse para si mesma que ela seria louca de pensar que ele era mais do que um gato bobo. COLIN DESLIZOU as mãos por baixo de seu corpo de repente e


empurrou-a para mais perto, provocando-a mais uma vez com a língua... mais profundamente. Seana gemeu em protesto. "Colin!" ela gritou. "Você não entende!" Oh, mas era só um gato bobo, ela disse a si mesma! Nada mais do que um gato! Dois gatos. Como seu pai tinha dito. "Ah, mas eu entendo," ele assegurou-lhe. "E eu te dou minha palavra que vou ser gentil, Seana." Ele a beijou mais uma vez, intimamente, da mesma forma que ele tinha beijado a boca dela... e Seana implorou-lhe, "por favor... oh, por favor... Oh, Deus, por favor, não pare," ela implorou. "não... mas não na frente dos gatos!" Ele puxou a saia da cabeça de repente... e deu-lhe um olhar confuso, seus olhos azuis se estreitando. "O que diabos você está falando, Seana?" Seana deu de ombros e acenou timidamente na janela. "Não podemos em frente dos gatos!" As bochechas dela queimavam com desgosto. "O que eles vão pensar?" Por um momento, ela temia que ele estivesse ficando maluca, mas ele parecia estar se divertindo mais do que qualquer outra coisa. "Eles não pensariam nada, minha querida esposa, mas se isso te faz se sentir melhor, eu posso colocá-los para fora agora mesmo." E ele se levantou da cama, pegou os gatos no peitoril da janela, antes que eles pudessem fugir e os carregou para a porta. Ele abriu-a e jogou-os para fora, sobre as cabeças de dois homens que estavam ouvindo pelo buraco da fechadura. Ele barrou a porta


mais uma vez e se virou para olhá-la. “Obrigada," Seana disse e deu uma risadinha com a sua expressão. Suas sobrancelhas se levantaram. "Algo mais?” Seana abaixou-se e levantou sua saia, convidando-o uma vez mais. O olhar de pura luxúria que ele deu a ela, fez com que ela se sentisse de repente encorajada. "Oh, Seana," Colin disse e não conseguia tirar os olhos do tesouro que ela lhe oferecia. Ele fechou a distância até a cama com alguns passos, e poderia mergulhar até ela, exceto que ele queria ser gentil com ela, na sua primeira vez. Ele queria agradá-la, queria que ela se sentisse querida... Ele gostava da maneira que ela olhava para ele... aquela mistura de alegria de uma menina e orgulho de uma mulher. Ele tirou sua túnica e parou diante dela, querendo que ela visse todo o seu corpo. Querendo que ela soubesse o quanto ele a queria. Seus olhos se arregalaram, e o sorriso de Colin ficou maldoso. Ele ficou parado diante dela, pedindo-a com um gesto para ela se levantar. ELE A AJUDOU A TIRAR O VESTIDO, puxando-o sobre a cabeça dela, deixando ela nua para seu olhar faminto. Linda. Ele tocou seus seios com reverência... testando o seu peso contra as palmas das suas mãos. A luxúria se apossou do seu corpo. O corpo dela era uma festa para os sentidos. Ele não conseguia pensar por mais tempo. Empurrando-a para


cima da cama, ele subiu em cima dela, divertindo-se com a nudez entre eles... uma carne macia e quente acariciou-lhe quando ele se deitou sobre ela. "Você é minha!" ele disse, para que ela nunca se esquecesse e se dobrou para beijar aqueles lábios que o tinham insultado por muito tempo. Suas palavras enviaram um arrepio através do corpo dela, mas Seana não podia falar para responder. Ela engoliu convulsivamente com o peso de seu corpo em cima dela e fechou os olhos. Ela gemeu baixinho quando ele levou sua boca na dela, beijando-a suavemente primeiro, depois mais profundamente, oferecendo-lhe a língua. Seana sugou-a avidamente, seus braços agarrados em seu marido, e ele gemeu em aprovação. Ela ficou satisfeita com o som que ele fez. Ela confiava nele totalmente... sabia que ele não iria machucála e então ela, corajosamente, abriu as pernas para ele, puxando-o para mais perto. Ele estremeceu em resposta e Seana sorriu suavemente. "Oh, Deus!" ele exclamou e começou a mover-se contra ela e Seana pensou que seu coração fosse parar. Calor escoou através de seu corpo, enchendo-a em profusão. Ela se moveu com ele... seus corpos dançando juntos no ritual antiquíssimo dos amantes. E então ela o sentiu lá... duro e completo com o seu desejo... e susteve a respiração quando ele se empurrou para dentro... lentamente... tão lentamente que Seana pensou que pudesse morrer. Sem pensar, apenas sentindo, ela empurrou os quadris para cima, recebendo-o totalmente, e ele caiu em cima dela, seus braços


trêmulos com o prazer. A dor era mínima... o corpo dela o queria tão desesperadamente. Qualquer dor que ela estivesse sentindo foi substituída por uma união doce e Seana já não queria mais se sentir separada dele. Agora eles eram um. Ele fez amor com ela, segurando-a mais perto, adorando-a com seus beijos, trazendo-a para a borda da razão... do prazer... do êxtase... Seana gritou, seu corpo estremecendo com alegria embaixo dele. ELE DEU um grito respondendo e seu próprio corpo tremeu. Ele caiu contra ela, segurando-a firme. "Neste momento, eu te dou o meu coração e a minha alma, Seana... até que a morte nos separe." Seana suspirou, já não tinha medo da verdade. "Eu te daria o meu," ela sussurrou, se descansando em seus braços, suas mãos acariciando seu cabelo, "mas você já o tem há muito tempo, Colin Mac Brodie." Seana sentiu que ele sorria contra o peito dela... e ela sorriu em retorno. "Eu apreciarei isso sempre," ele jurou. E ele a apreciou... duas vezes mais nesta noite antes do sol aparecer em sua janela... E cada dia pelo resto de suas vidas.


CONCLUSÃO

Uisge beatha, pronuncia-se "ooshkie bayhta" é o termo gaélico para água da vida, ou mais comumente conhecido como uísque. Para os antigos celtas, o uísque continha propriedades curativas e eles o adoravam (até hoje, quantos escoceses — ou irlandeses! — você conhece que têm ciúme de suas garrafas de Jameson!). As origens da destilação de uísque são obscuras, mas existem documentos de tentativas feitas na Ásia por volta dos anos 800 A.C. Ninguém sabe quando a prática começou na Grã-Bretanha, mas o mais antigo registro documentado de destilação na Escócia é do ano de 1494 no documento público Exchequer Rolls pedindo 1500 garrafas de aqua vito, o que implica que a prática da destilação de uísque já há muito tinha se estabelecido. Por volta do século 17, uisge beatha foi abreviado para uiskie e em 1715 passou a ser chamado de whiskie. No meu mundo (e neste livro), Seana é exatamente o tipo de pessoa que teria nascido para preparar esta bebida... "Brindemos a saúde, a colina e a urze, ao capote, ao xadrez, ao kilt e a pena!" (*) (*) Como os escoceses brindam antes de beberem


Glossário Abaixo estão incluídas algumas palavras e frases que usei em todos os livros da minha série escocesa. Costumo usar o site learngaelic.net como fonte, e só por diversão, você pode tentar este tradutor escocês: www.scotranslate.com Am Monadh Ruadh: Cairngorms, literalmente as colinas vermelhas, distinguindo-as da Am Monadh Liath, as Colinas cinzentas. Aurochs: gado selvagem, atualmente extinto Bairn: bebê Bampot: idiota Bean sìth (banshee): demônio ou diabo (feminino) da morte (personagem folclórico irlandês) Ben: nome dado na Escócia a uma montanha alta ou o pico de uma montanha Bliaut: túnica comprida usada por homem ou mulher do século XI ao XIII Bhràthair: irmão Bràthair-cèile: cunhado Breacan: abreviação de breacan-um-feileadh, ou grande kilt Bhrìghde: irmã de Cailleach Bheur Bodachan Sabhaill: uma fada maliciosa Brollachans: fantasma Cailleach Bheur: a mãe azul do inverno Cairn: pilha de pedras, muitas vezes, construída como um memorial ou sobre o túmulo de alguém Caoineag the Weeper: o espírito banshee que assombrava os lagos e as cachoeiras. Dizia-se que se podia ouvi-lo se lamentando antes da morte de alguém de um clã Chreagach Mhor: grandes montanhas Clach-na-cinneamhain: pedra do destino Claidheamh-mor: espada escocesa (claymore) Clipe: informante Corries: montanhas, ou colinas Crannóg: antiga habitação de madeira usada como casa, construída sobre a água de um lago ou pântano na Escócia Drogue: droga Dwale: bebida feita de beladona, muitas vezes usada como anestesia Fashious: problemático, desordeiro Gaol: cadeia


Geamhradh: inverno Guarderobe/ garderobe: como era chamada a privada na época Medieval Keek stane: uma pedra mágica ou uma bola de cristal Ken: saber, conhecer Leabhar: livro Loch: lago Mac na h-Alba: filho da Escócia Minny: mãe Muckle: grande Pawky: ter senso de humor Pechts: Picts - conhecido como 'Picti' pelos romanos, em latim significa 'os pintados' tribos que constituíam o maior reino na Escócia na Idade das Trevas Quintain: equipamento para treinamento usado para justas, muitas vezes no formato de uma pessoa Reiver: assaltante na fronteira entre a Escócia e a Inglaterra Righ Art: o Grande Rei e o Chefe dos Chefes Sassenach: termo (escocês) ofensivo se referindo a uma pessoa inglesa Sùilean gorm: olhos azuis Scotia: Escócia, também conhecida como Alba Sìol Ailpín: família formada por sete clãs escoceses capazes de traçar sua descendência desde Ailpín, pai de Cinéad mac Alpín, Rei dos Picts, que a tradição escocesa considera o primeiro Rei da Escócia. Tailard: um estrangeiro, um inimigo ou um inglês Sluag: Deus do submundo Siùrsach: prostituta Targe: escudo circular usado para defesa The Mounth: cadeia de montanhas no extremo sul de Strathdee no nordeste da Escócia; também conhecida como Monadh. As colinas são conhecidas como Monadh Liath e Monadh Ruadh, que significam a Montanha Cinza e a Montanha Vermelha. Trews: calças de tartan (tartan: pano de lã tecido com listras de diferentes cores e larguras, usado principalmente pelos Highlanders escoceses, cada clã, tendo seu próprio desenho) Uisge-beatha: uísque, literalmente significa água da vida Vin aigre: vinagre ou vinho azedo Woad: corante azul extraído da planta woad


SOBRE A AUTORA Os romances de Tanya Anne Crosby sempre fazem parte de inúmeras listas de best-sellers, incluindo a dos jornais The New York Times e USA Today. Mais conhecida por escrever histórias carregadas com emoção e humor e preenchidas por personagens imperfeitos, seus romances têm conquistado elogios de leitores e de críticos. Ela mora com o marido, dois cães e dois gatos temperamentais na parte norte de Michigan. Para mais informações @tanyaannecrosby t

anyaannecrosby

www.tanyaannecrosby.com tanya@tanyaannecrosby.com

Profile for Camila Brito

Esposas das terras altas vol 3 ajoelhado aos teus pés  

Esposas das terras altas vol 3 ajoelhado aos teus pés  

Advertisement