Page 1

Março de 2012 - Edição nº 593 TX (março): R$ 27,91, com variação de 0,00% sobre o mês anterior.

Pacote de medidas para o setor de radiodifusão pauta encontro entre Agert e Anatel Página 4

Crédito/Foto: Luiz Cruvinel

Diretores da Agert e Gerente Regional da Anatel, João Jacob Bettoni, reunidos em Porto Alegre

Presidência da Câmara dos Deputados defende a flexibilização da Voz do Brasil Página 8

MiniCom prorroga prazo para conclusão de testes da Rádio Digital Página 6


2

Março de 2012

Editorial

Editorial Exercer a atividade de Radiodifusor em um país como o nosso tem múltiplas responsabilidades. Responsabilidades que também se estendem aos órgãos competentes como o Ministério das Comunicações e a Agência Nacional de Telecomunicações – Anatel, que tomaram importantes decisões para o setor da radiodifusão no mês de fevereiro. São mudanças que prometem uma chegada de ano marcante para os radiodifusores. Uma delas será de fundamental importância: o autocadastramento das emissoras no SRD (Sistema de Controle de Radiodifusão), controlado em conjunto pelo MiniCom e Anatel. Atualmente o cadastro encontra-se desatualizado devido à alta sobrecarga de processos do ministério. Até o final do ano, os radiodifusores poderão fazer o autocadastramento com total segurança pela internet, agilizando o processo, mantendo as rádios atualizadas e evitando o risco de receberem multas equivocadas, o que é comum acontecer no atual sistema. Estivemos reunidos com o Gerente Regional da Anatel, João Jacob Bettoni, na sede da Agert, para tratar sobre esse assunto e apresentar aos diretores da nossa entidade as novas responsabilidades do órgão e o que será alterado a partir de agora. Em compensação, temos que estar muito atentos à consulta pública que o Ministério das Comunicações abriu, pois os termos propostos para alterações de potência de emissoras não estão, no nosso ponto de vista, adequados. Nesta edição, também falaremos do Dia Internacional do Rádio, que pela primeira vez ocorreu em 2012. O mundo reconhecendo o rádio como fiel companheiro. A data expressa o uso do veículo de comunicação como ferramenta fundamental do cotidiano e que avança através de novas tecnologias. Com esse progresso, partimos para a implantação da rádio digital, que chega ao Brasil, para serem testados e analisados os padrões europeu e norte-americano. E a Agert, embora não seja uma entidade fiscalizadora, continuará atuando, já que pode – e deve – estar atenta às emissoras ilegais, denunciando e cobrando atuação das autoridades competentes. E é desse modo que pretendemos fazer a diferença para o dia a dia dos nossos associados. Boa leitura!

Alexandre Gadret Presidente da Agert

RÁDIOS ANIVERSARIANTES Rádio Cinderela AM Rádio São Lourenço AM Rádio União FM Rádio Maisnova FM Rádio Maisnova FM Rádio Mais Nova FM Rádio Mais Nova FM Rádio Itaí AM Rádio Litoral Sul FM Rádio Ativa 103.1 FM Rádio Prata AM Rádio Chiru AM Rádio Sideral AM Rádio Jovem Pan 2 FM Rádio Atlântida FM Rádio Difusão 94,9 FM Rádio Quaraí AM Rádio Cruzeiro AM Rádio Águas Claras AM Rádio Virtual FM Rádio Atlântica AM Rádio Shamballa FM Rádio Maisnova FM Rádio Gazeta AM Rádio Atlântida FM Rádio Veranense AM Rádio Guaíra FM Rádio São Leopoldo AM Rádio Caibaté AM Rádio Itapema FM Rádio FM Cultura

Campo Bom São Lourenço do Sul Novo Hamburgo Marau Caxias do Sul Soledade Vacaria Porto Alegre São Lourenço do Sul Campina das Missões Nova Prata Palmitinho Getúlio Vargas Osório Rio Grande Erechim Quaraí Itaqui Catuipe Erechim Constantina Cerro Largo Santo Ângelo Carazinho Porto Alegre Veranópolis Santa Rosa São Leopoldo Caibaté Santa Maria Porto Alegre

3/3/1978 6/3/1955 6/3/1980 9/3/1999 10/3/1999 10/3/1999 10/3/1999 8/3/1982 10/3/1990 10/3/2001 11/3/1979 12/3/1990 14/3/1970 15/3/1982 15/3/1985 16/3/1980 17/3/1957 17/3/1978 17/3/1987 19/3/2007 20/3/1989 20/3/1993 22/3/1980 22/3/1983 23/3/1976 24/3/1957 25/3/1986 26/3/1949 28/3/1988 29/3/2004 29/3/1975

Presidente Alexandre Alvarez Gadret - presidente@agert.org.br Vice-Presidentes Antonio Tigre - tigre@gruporbs.com.br Ary Cauduro dos Santos - ary.santos@rbs.com.br Carlos Piccoli - geral@gruporscom.com.br Cláudio Brito - claudio.brito@rdgaucha.com.br Cláudio Zappe - nativafm@via-rs.net Geraldo Corrêa - geraldo@gruporbs.com.br Jerônimo Fragomeni - jeronimo@rduirapuru.com.br Kamal Badra - kamal@terra.com.br Leonardo Meneghetti - leonardomeneghetti@band.com.br Luciano Hintz Mallmann - luciano@jornalnoroeste.com.br Luis Cruz - luiscruz@sbt.com.br Myrna Proença - myrnah@terra.com.br Nelcy Adão de Souza - sonia@radioitapui.com.br Osébio Borghetti - borghetti@alsb.org.br Pedro Edir Farias - radioosorio@terra.com.br Pedro Ricardo Germano - prgermano@radiofandango.com.br Renato Albuquerque - renato@oceanofm.com.br Wanderley Ruivo - ruivo@pampa.com.br Diretores Alexandre Kannenberg - comercial.dial@903fm.com.br Cláudio Albert Zappe - albertzappe@yahoo.com.br Cristiano Casali - cristiano@maisfm.net Cyro Martins - cyro.martins@gruporbs.com.br Edson de Bem - edisondebem@hotmail.com Eloy Scheibe - eloy@radiosimpatia.com.br Gabriel Casara - gabriel.casara@gruporbs.com.br Hilmar Kannenberg - kannenberg@903fm.com.br Ildomar Joanol - nativa.fm@gmail.com João Vianei - gerencia@radiosobradinho.com.br José Cunha - jcalfa@via-rs.net José Luis Bonamigo - jlbona@terra.com.br Luciana Markus - radiopelot@terra.com.br Marcos Dytz Piccoli - marcos.piccoli@gruporscom.com.br Miguel Puretz Neto - mpneto@tupa.am.br Ricardo Brunetto - ricardobrunetto@independente.com.br Rossana Saraiva Carriconde - rocarriconde@terra.com.br Vanderlei Roberto Uhry - vanderlei@radiomatoleitao.com.br Verdi Ubiratan de Moura - rdlider@terra.com.br Conselho Consultivo Presidente: Roberto Cervo Membros do Conselho: Afonso Antunes da Motta, Antônio Abelin, Fernando Ernesto Corrêa, Gildo Milman, Otavio Gadret, Paulo Sérgio Pinto, Ricardo Ferro Gentilini Conselho Fiscal Presidente: José Henrique Gallo Membros do Conselho: Aniceto Paganin, Alcides Zappe Assessores Assessoria Jurídica: Gildo Milman advmilman@hotmail.com Assessoria Contábil: Ronaldo Silva de Oliveira ronaldooliveira@via-rs.net Assessoria Fiscal: Paulo Ledur afledur.ez@terra.com.br

AGERT - Entidade fundada em 13 de dezembro de 1962 Coordenação Jornalística: Wanderley Ruivo dos Santos Mtb 8363 Realização: Eliana Camejo Comunicação Empresarial Comercialização: Diego Alves Redação: Mariana Caldieraro Colaboração: Cláudia Jobim Diagramação: Renato Dambros Impressão: 1000 exemplares O Agert Informa é uma publicação mensal da Associação Gaúcha de Emissoras de Rádio e Televisão Rua Riachuelo, 1098 CJ. 204 - Centro CEP: 90010-272 - Porto Alegre/RS Telefone: (51) 3228.3959 - www.agert.org.br Contato: comunicacao@agert.org.br


3

Março de 2012

Rádio digital tem prazo prorrogado para conclusão de testes O Ministério das Comunicações prorrogou para abril o prazo final para concluir os testes com os sistemas de rádio digital. São analisados os padrões europeu Digital Radio Mondiale – DRM e o norte-americano HD Radio. Segundo informações do MiniCom, a análise da performance do DRM está em fase final nas faixas de FM de curto alcance (usadas pelas rádios comunitárias). Já o desempenho da Ibiquity, detentora da tecnologia IBOC para rádio digital utilizada nos EUA, deve

começar a ser testado em breve, ainda conforme o ministério. Os testes foram iniciados em junho do ano passado nas capitais Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. As avaliações levam em conta critérios relacionados à área de cobertura, condições de propagação nas diferentes regiões do país, qualidade do sinal e adequação do sistema à portaria que criou o sistema brasileiro de rádio digital.

Ação bem sucedida feita pela Anatel em Campo Bom A Anatel realizou vistoria técnica em uma rádio comunitária na cidade de Campo Bom, onde constatou a operação da entidade de forma irregular com utilização de dois sistemas irradiantes, um transmissor de FM de 300W não autorizado, um amplificador de potência em FM não homologado e um transmissor de FM de 25W. A equipe de fiscalização aplicou as medidas cautelares, previstas em procedimentos de fiscalização, para que as irregularidades não interferissem mais em outras estações de rádio; e que houvesse um comprometimento com a legislação e com os ouvintes, já que a potência utilizada, de 300W, era muito acima do permitido. A equipe interrompeu o funcionamento da rádio, o equipamento transmissor de 300W foi lacrado e o amplificador de potência apreendido, ja que não era homologado. A entidade foi autuada pelas irregularidades de ordem técnica e não técnica. A Agert comemorou o sucesso da ação que mostra o trabalho eficiente da Anatel em prestar um serviço cada vez melhor para a população. Segundo o Gerente Regional da Anatel, João Jacob Bettoni, a vistoria técnica é um tipo de atividade de fiscalização que visa à verificação dos parâmetros técnicos quanto ao seu atendimento previsto nos regulamentos no sentido de um eficiente controle do espectro radioelétrico, também objetivando evitar as radiointerferências. “Neste contexto, enquadra-se o atendimento à verificação de denúncia de clandestinidade, como uma atividade de fiscalização”, conclui.

40 anos da televisão colorida no Brasil Uma data para jamais ser esquecida na história: 19 de fevereiro de 1972. Esse foi o dia da primeira transmissão externa em cores realizada na televisão brasileira, que aconteceu em Caxias do Sul, diretamente da Praça Dante Alighieri, no centro da cidade. As câmeras EMI da emissora porto-alegrense captaram as imagens do desfile de carros alegóricos na abertura da XII Festa da Uva e da VI Exposição Agroindustrial. Era o início oficial da televisão em cores no Brasil. Em comemoração a os 40 anos deste fato inédito, a edição de 2012 do evento teve com tema “Uva, Cor, Ação, a safra da vida na magia das cores”, destacando o fato no corso alegórico, na decoração da cidade e no parque de exposições. A Televisão Difusora de Porto Alegre, Canal 10 foi a responsável pelo evento, que contava entre os colaboradores da iniciativa, o então diretor executivo da emissora, frei Osébio Borghetti. Em 1971, durante uma reunião de empresários da televisão brasileira, realizada em São Paulo, o então ministro das Comunicações, o caxiense Higino Corsetti, desafiou os empresários a lançarem a televisão em cores. Ele sonhava em utilizar as imagens da Festa da Uva, de Caxias do Sul para testar o sistema PAL-M, alemão, enquanto que emissoras do Rio de Janeiro queriam transmitir cenas do carnaval e no sistema NTSC, americano. “O diretor técnico da Difusora, Frei Cyrillo Mattielo, aceitou o convite”, afirma Borghetti. Um engenheiro da emissora viajou à Inglaterra para adquirir uma unidade móvel da EMI. “Foi tudo montado às pressas, o governo ajudou na liberação da importação dos equipamentos e, em 19 de fevereiro de 1972, foi realizada a primeira transmissão externa de televisão em cores do Brasil, com decisivo apoio da Embratel, que transportou o sinal para todo o país e convidou lojistas que já tinham alguns

receptores a colocá-los em vitrinas para que os brasileiros avaliassem o que era sair das imagens em preto e branco”. Os poucos televisores disponíveis serviram para comprovar que a decisão do ministro estava correta. Esta foi a única experiência de uma transmissão externa de TV em cores, depois de 22 anos de televisão em preto e branco do Brasil e um teste que teve o apoio decisivo do então Ministro das Comunicações, o caxiense Higino Corsetti, e do presidente Médici, antes de iniciar a nova fase da história da Televisão no Brasil, com as transmissões em cores em 31 de março de 1972.“As repercussões foram excelentes”, recorda o religioso.

Frei Osébio Borghetti, um dos responsáveis pelo evento que marcou a história da televisão brasileira


4

Março de 2012

Agert e Anatel se reúnem para apresentar pacote de medidas O encontro, que foi pautado pelas últimas mudanças anunciadas pelo Ministério das Comunicações para o setor de radiodifusão, aconteceu na sede da Agert - Associação Gaúcha das Emissoras de Rádio e Televisão, no dia 28 de fevereiro, com a presença do Gerente Regional da Anatel, João Jacob Bettoni. Uma das medidas mais importantes adotadas é o autocadastramento das emissoras no SRD (Sistema de Controle de Radiodifusão). Estas informações são utilizadas atualmente em conjunto pelo Ministério das Comunicações e pela Anatel. A atual sobrecarga de processos no MiniCom, acaba resultando em um cadastro desatualizado da situação de cada emissora, o que tem implicado em fiscalizações sem as informações corretas das estações e, por sua vez, multas, recursos e trabalho (tanto por parte da Anatel, quanto do Ministério e dos radiodifusores) desnecessários e ineficientes. O autocadastramento permitirá que a própria emissora informe sua situação técnica e assuma a responsabilidade por tais informações. Milhares de processos no MiniCom serão eliminados. A Anatel passará a ter total segurança na sua fonte de informações técnicas para fins de fiscalização das emissoras e, acima de tudo, o cadastro terá informações corretas sobre a situação de cada emissora. O autocadastramento é feito entre o interessado e a Agência Nacional de Telecomunicações – Anatel, para permitir o cadastramento remoto (via internet) das suas estações de sistema de radiocomunicação diretamente no Banco de

Dados da Anatel ou seja, não será mais necessária a entrega de documentos físicos, agilizando o processo. Isso com toda a segurança que, atualmente, os sistemas que a Anatel utiliza já oferecem. “A Anatel e o Ministério das Comunicações

nunca estiveram tão unidos para resolver essas questões”, enfatiza Bettoni. Até o final de 2012 o sistema de autocadastramento deverá estar totalmente funcional. Outra novidade é que, até lá, o Ministério das Comunicações trabalhará ainda mais em sintonia com as equipes de fiscalização da Anatel para que as emissoras que serão fiscalizadas tenham seus cadastros atualizados com preferência, evitando a aplicação de multas equivocadas. Através do pacote de medidas, a Anatel também ampliará suas competências. Agora, passa a avaliar todos os processos de engenharia do setor, como alteração de características técnicas e mudança de local. Somente a primeira aprovação do local continuará a cargo do Ministério. O objetivo do MiniCom é agilizar a operação das emissoras de rádio e TV para que possam ofertar o serviço à população em menos tempo. Segundo o presidente da Agert, Alexandre Gadret, “com estas medidas, as emissoras de rádio e TV poderão concentrar mais seus esforços e sua atenção na prestação de um serviço de alta qualidade à população e não, como atualmente acontece, resolvendo questões administrativas, técnicas e legais que não contribuem para atingir os objetivos de cada emissora”. A Agert está reunindo mais sugestões para que a Anatel e o MiniCom possam trabalhar de maneira ainda mais eficiente, com o objetivo de colaborar neste processo.

Como ocorreram as mudanças para o setor da radiodifusão: O Ministério das Comunicações apresentou um pacote de medidas para desburocratizar os processos de radiodifusão. No encontro que aconteceu no dia 15 de fevereiro, as mudanças foram anunciadas pelo ministro Paulo Bernardo e pelo secretário de Comunicação Eletrônica, Genildo Lins. Estavam presentes na reunião os dirigentes da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) e de entidades estaduais de radiodifusão de todo o país. Uma licença provisória coletiva foi assinada pelo ministro permitindo o funcionamento legal de todas as rádios e geradoras de TV que já possuem o documento de aprovação do local. A medida evita a aplicação de sanções fiscais pela Anatel. As emissoras outorgadas que ainda não têm a aprovação do local receberão de uma só vez esta autorização e o licenciamento provisório. Já as futuras concessionárias terão esses dois documentos em mãos no ato da outorga. O objetivo do Ministério é agilizar a operação das emissoras de rádio e TV para que possam ofertar o serviço à população em menos tempo. “As emissoras que já tiverem o documento de aprovação do local, mas que ainda aguardam a licença provisória podem funcionar sem esperar esse licenciamento, sem medo da fiscalização”, afirmou o ministro Paulo Bernardo. Um decreto a ser colocado em consulta pública nos próximos meses definirá as regras para as retransmissoras. De acordo com Bernardo, a ideia é que elas também recebam em um só momento a aprovação de local e a licença provisória de funcionamento. Outra medida anunciada é a ampliação das competências da Anatel, que passa agora a avaliar todos os processos de engenharia do setor, como alteração de características técnicas e mudança de

local. Somente a primeira aprovação do local continuará a cargo do Ministério. De acordo com Genildo Lins, a Anatel organizará seminários regionais para explicar as novas atribuições da autarquia. Para ele, a medida vai acelerar os processos e facilitar a vida do radiodifusor porque a agência tem um quadro técnico maior e possui mais unidades espalhadas por todo o país. Informatização O ministro Paulo Bernardo também anunciou um trabalho que está sendo realizado pela Câmara de Gestão, ligada à Presidência da República, com o objetivo de diagnosticar os problemas do ministério e propor medidas que garantam mais eficiência na gestão de processos. A médio prazo, a ideia é implantar um sistema informatizado para dar mais rapidez ao trabalho. No futuro, cada emissora terá uma senha de acesso ao sistema e poderá alterar informações, consultar processos e realizar outras operações. Enquanto o novo sistema é preparado, o ministério promete até agosto adotar outras medidas para “organizar, sistematizar e acelerar a administração dos processos”. “Os recursos públicos são escassos, mas faremos o que tiver a nosso alcance para melhorar a situação do setor”, afirmou Lins.


5

Março de 2012

Prazo de 60 dias para os inadimplentes quitarem dívida de outorga Em reunião com dirigentes da Abert e de entidades estaduais da radiodifusão, o ministro Paulo Bernardo anunciou que convocará os empresários que ainda não pagaram a primeira ou a segunda parcela da outorga de radiodifusão obtida no processo de concorrência. Os que estiverem inadimplentes até 31 de março receberão um boleto com prazo de 60 dias para o pagamento. Já os que se tornarem devedores a partir do dia 1º de abril serão enquadrados nas novas regras: caso a primeira parcela não for paga, a outorga será repassada para o segundo classificado na licitação. Para aqueles que não quitarem a segunda parcela, o caso será encaminhado para a Advocacia-Geral da União. Para a Renovação Até 31 de maio, o ministério aceitará somente os pedidos “que estiverem no prazo” de renovação de outorgas. Antes, o órgão vinha aceitando alguns processos fora do prazo legal de renovação, o que não será mais realizado. Paulo Bernardo salientou que as emissoras atrasadas na renovação da outorga e que não respeitarem o prazo-limite estabelecido pelo ministério, terão seus pedidos indeferidos, automaticamente.

Veja algumas das alterações do novo Regulamento da Radiodifusão: DECRETO Nº 7.670, DE 16 DE JANEIRO DE 2012 Altera dispositivos do Regulamento dos Serviços de Radiodifusão aprovado pelo Decreto no 52.795, de 31 de outubro de 1963, e dos Decretos no 88.066, de 26 de janeiro de 1983, e no 5.820, de 29 de junho de 2006. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, alínea “a”, da Constituição, e tendo em vista o disposto na Lei no 4.117, de 27 de agosto de 1962, DECRETA: Art. 1° O Regulamento dos Serviços de Radiodifusão, aprovado pelo Decreto no 52.795, de 31 de outubro de 1963, passa a vigorar com as seguintes alterações: “Art. 16. .................................................................... § 1° Para a classificação das propostas, serão considerados os seguintes critérios, conforme ato do Ministério das Comunicações: a) tempo destinado a programas educativos - máximo de vinte pontos; b) tempo destinado a serviço jornalístico e noticioso - máximo de vinte pontos; c) tempo destinado a programas culturais, artísticos, educativos e jornalísticos a serem produzidos no município de outorga - máximo de trinta pontos; e d) tempo destinado a programas culturais, artísticos, educativos e jornalísticos a serem produzidos por entidade que não tenha qualquer associação ou vínculo, direto ou indireto, com empresas ou entidades executoras de serviços de radiodifusão - máximo de trinta pontos. ............................................................................................. § 8° O valor da outorga será o ofertado pela entidade vencedora, que deverá: a)observar as condições estabelecidas no edital objeto da licitação; e b) comprovar o pagamento integral do valor da outorga no ato de assinatura do contrato. § 9° Os termos da proposta da entidade licitante e os preceitos e obrigações dispostos no art. 28 constarão do contrato de concessão ou permissão. § 10. As outorgas para as entidades de direito privado mencionadas no art. 7o, alíneas “d” a “f”, serão formalizadas por meio de assinatura de contrato administrativo com a União, por intermédio do Ministério das Comunicações. § 11. O Presidente da República ou o Ministro de Estado das Comunicações, conforme competência definida neste regulamento, poderá outorgar a exploração de serviços de radiodifusão com finalidade institucional para Estados, Distrito Federal e Municípios, sendo vedada qualquer tipo de transferência.” (NR) “Art. 29. A entidade vencedora deverá submeter à aprovação do Ministério das Comunicações, no prazo de quatro meses contado da data de adjudicação do objeto da licitação, os locais escolhidos para a montagem da estação, bem como as plantas, orçamentos e todas as demais especificações técnicas dos equipamentos, sob pena de decair o direito à contratação, o que ocasionará a convocação dos licitantes remanescentes. Parágrafo único. Não será admitida a prorrogação do prazo descrito no caput, salvo em caso de força maior ou caso fortuito, devidamente comprovados perante o Ministério das Comunicações.” (NR) “Art. 30. O Ministério das Comunicações disponibilizará boleto para pagamento, em até trinta dias contados da publicação do ato de aprovação de locais e equipamentos, do valor integral de outorga ofertado pela entidade vencedora do certame. § 1° O boleto a que se refere o caput será disponibilizado pelo Ministério das Comunicações, preferencialmente por meio da internet. § 2° Não será admitida a prorrogação do prazo de pagamento do valor integral da outorga previsto no caput, salvo caso de força maior ou caso fortuito, devidamente comprovados perante o Ministério das Comunicações. § 3° Transcorrido o prazo previsto no caput sem o pagamento do valor da outorga, decairá o direito da entidade à contratação. § 4° O Ministério das Comunicações poderá, na hipótese do § 3o, convocar os licitantes remanescentes, na ordem de classificação, para assinar o contrato, em igual prazo e nas mesmas condições propostas pelo primeiro classificado, inclusive quanto aos preços atualizados de conformidade com o ato convocatório, ou revogar a licitação, independentemente da aplicação das multas previstas no edital. § 5° No caso de serviços de radiodifusão de sons e imagens, será publicado decreto de outorga pelo Presidente da República, após a indicação pelo Ministério das Comunicações do licitante apto à contratação.” (NR) “Art. 31. Os contratos de concessão e permissão somente serão assinados após a comprovação do pagamento integral do valor da outorga proposto, no prazo de até sessenta dias após a notificação para a sua celebração, e terão extrato publicado no Diário Oficial da União. § 1° A notificação a que se refere o caput indicará a data, hora e local de celebração do

contrato de concessão ou permissão. § 2° O contrato será assinado pelo dirigente da entidade e pelo Ministro de Estado das Comunicações que, no ato, representará o Presidente da República no caso de serviços de radiodifusão de sons e imagens, devendo ser publicado em extrato no Diário Oficial da União. § 3° Transcorrido o prazo previsto no caput sem a assinatura do contrato, decairá o direito de contratar da entidade e o Ministério das Comunicações convocará os licitantes remanescentes, na forma prevista no § 4o do art. 30, sem prejuízo da aplicação das multas previstas no edital.” (NR) “Art. 40. A entidade poderá enviar, em até cento e oitenta dias após a emissão da autorização para funcionamento em caráter provisório, laudo de vistoria da estação elaborado por engenheiro devidamente habilitado.” (NR) “Art. 41. Caso a entidade não envie o laudo referido no art. 40 ou o laudo apresentado esteja em desacordo com as exigências regulamentares, o Ministério das Comunicações solicitará à Agência Nacional de Telecomunicações a realização de vistoria na estação.” (NR) “Art. 42. Nenhuma estação de radiodifusão poderá iniciar a execução do serviço sem a autorização para funcionamento em caráter provisório ou a licença de funcionamento.” (NR) “Art. 93. A transferência direta de concessões ou permissões só poderá ser efetivada se a sociedade para a qual será transferida a concessão ou permissão se condicionar às exigências constantes do art. 28.” (NR) “Art. 94. O requerimento de transferência direta de concessão e permissão será apresentado ao Ministério das Comunicações. § 1° O pedido de que trata o caput será formulado em conjunto pela entidade detentora da concessão ou permissão e por aquela para a qual a outorga será transferida, e será instruído com os formulários e documentos estabelecidos em ato do Ministro de Estado das Comunicações. § 2° A concessão ou permissão será transferida observados os mesmos prazos e condições originais. § 3° Compete ao Ministério das Comunicações a decisão sobre os pedidos de transferência direta de concessão e permissão de serviços de radiodifusão sonora. § 4° Compete ao Presidente da República a decisão sobre os pedidos de transferência direta de concessão de serviços de radiodifusão de sons e imagens, que serão previamente instruídos pelo Ministério das Comunicações.” (NR) “Art. 95. A transferência indireta de concessões ou permissões só poderá ser efetivada se a sociedade interessada se condicionar às exigências constantes do art. 28.” (NR) “Art. 96. O requerimento de transferência indireta de concessão e permissão será apresentado ao Ministro de Estado das Comunicações. § 1° O pedido de que trata o caput será instruído com os formulários e documentos estabelecidos em ato do Ministro de Estado das Comunicações. § 2° Compete ao Ministro de Estado das Comunicações a decisão sobre os pedidos de transferência indireta de concessão e permissão de serviços de radiodifusão sonora. § 3° Compete ao Presidente da República a decisão sobre os pedidos de transferência indireta de concessão de serviços de radiodifusão de sons e imagens, que serão previamente instruídos pelo Ministério das Comunicações.” (NR) “Art. 98. As alterações contratuais ou estatutárias das empresas concessionárias e permissionárias de serviços de radiodifusão que não impliquem alteração dos objetivos sociais ou modificação do quadro diretivo e as cessões de cotas ou ações ou aumento de capital social que não resultem em alteração de controle societário deverão ser informadas ao Ministério das Comunicações, no prazo de sessenta dias a contar da realização do ato.” (NR) “Art. 106. As concessionárias ou permissionárias de serviços de radiodifusão sonora ou de sons e imagens não poderão aumentar a potência de seus transmissores sem prévia autorização do Ministério das Comunicações.” (NR) “Art. 141. Das decisões administrativas dos órgãos do Ministério das Comunicações caberá um único recurso, que deverá ser interposto no prazo de trinta dias para a autoridade que proferiu a decisão. Parágrafo único. Caso a autoridade de que trata o caput não reconsidere a decisão no prazo de cinco dias, deverá encaminhar o recurso à autoridade superior, nos termos da Lei no 9.784, de 29 de janeiro de 1999.” (NR) Brasília, 16 de janeiro de 2012; 191o da Independência e 124o da República. DILMA ROUSSEFF Cézar Santos Alvarez Este texto não substitui o publicado no DOU de 17.1.2012 A Agert, através do escritório do Dr. Gildo Milman está à disposição para maiores esclarecimentos sobre o regulamento. Telefone: 51-3211.4249


6

Março de 2012

Dia Internacional do Rádio é celebrado pela primeira vez em 2012 13 de fevereiro de 2012. Essa é a data em que o Brasil e o mundo comemoram, pela primeira vez, o Dia Internacional do Rádio. A data foi aprovada e instituída pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura – Unesco, em 03 de novembro do ano passado. Para a agência da ONU, essa é uma ocasião para incrementar a cooperação entre as redes internacionais de rádio e promover maior acesso à informação por meio desse veículo, incluindo aqui as rádios comunitárias. É uma grande oportunidade para chamar atenção para o valor do rádio, que ainda é o melhor meio para alcançar a mais ampla audiência, afirma a Unesco em seu site. A União Internacional das Telecomunicações (UIT), órgão responsável por padronizar as regras internacionais do setor de telecomunicações, incluindo o da radiodifusão, se comprometeu em reforçar o fiel companheiro de milhões de pessoas, o rádio, como tecnologia mundial de comunicação mais acessível e multilíngue. O objetivo é garantir que o rádio continue a ser uma ferramenta extremamente poderosa para a entrega de benefícios sociais e econômicos. Segundo a Unesco, o rádio atinge 95% de qualquer segmento da população mundial. Nos países em desenvolvimento, mais de 75% dos lares têm um aparelho de rádio. A data foi escolhida para lembrar a criação da Rádio ONU, em 1946. Para celebrar o Dia, a Rádio ONU produziu vários programas especiais recordando os 66 anos de história.

Em discurso conjunto, o secretário-geral da UIT, Hamadoun Touré, e a diretora geral da Unesco, Irina Bokova, defenderam que, em um mundo em transformação, deve-se explorar ao máximo a capacidade do rádio de conectar as pessoas e as sociedades para compartilhar conhecimento e informação e reforçar o entendimento. "Este Dia Internacional do Rádio é o momento de reconhecermos a maravilha desse veículo e aproveitar seu poder em benefício de todos", concluíram. A Unesco proclamou o dia 13 de fevereiro como o Dia Internacional da Rádio, após a proposta espanhola de uma jornada para celebrar a radiodifusão, melhorar a cooperação internacional entre os organismos de radiodifusão internacionais e facilitar o acesso à informação através do rádio. Segundo o presidente da Agert, Alexandre Gadret, a comemoração demonstra o poder do rádio e o impacto na sociedade. “Ao declarar um dia mundial para o rádio, estamos valorizando o veículo considerado o meio que alcança o maior número de pessoas no mundo”, enfatiza.

Planilhas de execução de músicas devem ser enviadas ao ECAD até dia 5 de cada mês Devido à informatização de todo o sistema do ECAD, as emissoras devem enviar até o dia 5 de cada mês as planilhas com as músicas executadas em suas programações, para obtenção do desconto de 25% nas mensalidades de broadcasting e de simulcasting. Antes da informatização, o ECAD recebia as planilhas até o dia 10. Conforme o convênio, para ter direito ao desconto, a emissora associada à ABERT deve estar em dia com a entidade e o ECAD. Caso o radiodifusor não disponha de um programa para geração das planilhas, pode solicitar ao ECAD uma cópia do software TecRádio, produzido pelo escritório. Segundo o ECAD, a vantagem desse programa é que a alimentação dos relatórios ocorre uma única vez e as informações constantes no banco de dados podem ser manipuladas de acordo com a necessidade da emissora.


7

Março de 2012

Aberta consulta pública para pedidos de aumento de potência por emissoras O Ministério das Comunicações colocou em consulta pública a proposta de novas regras para os pedidos de mudança de potência feitos pelas emissoras de radiodifusão. A portaria que autoriza a consulta foi publicada no Diário Oficial da União no dia 1º de março. As sugestões poderão ser encaminhadas para a Agert, através do email secretaria@agert.org.br, até o dia 30 de março, data em que serão encaminhadas ao Ministério das Comunicações. De acordo com o diretor do Departamento de Outorga de Serviços de Comunicação do MiniCom, Dermeval da Silva Junior, o texto em consulta visa aprimorar a regulamentação já existente, diminuindo a burocracia e tornando mais claras as regras para a mudança de potência. "As emissoras podem mudar. Há casos em que faz sentido, pois as cidades evoluem, crescem, e o aumento de potência pode ser justificado para aumentar a cobertura. Mas temos que criar condições mínimas para que emissoras não concorram a potências muito baixas nas licitações e, logo depois, peçam para aumentar", diz. Ele explica que a licitação é um pré-requisito para a outorga dos serviços de radiodifusão comercial. Durante o processo, é estabelecido um valor mínimo da outorga, que varia de acordo com a frequência e área de cobertura pretendidas. Quando uma entidade muda de uma classe de potência para outra, é como se ela mudasse a condição de outorga que tinha originalmente. "Quando você aumenta a cobertura, é uma outra situação que, se tivesse sido colocada na licitação, geraria outros tipos de ofertas com valores maiores aos ofertados", detalha o diretor. Pela regulamentação em consulta, uma emissora só pode ter a mudança autorizada depois de dois anos funcionando em caráter definitivo na potência para a

qual ganhou a licitação. Outra novidade é o estabelecimento de uma nova fórmula de cálculo para estipular a diferença que deve ser paga ao ministério pelas emissoras que aumentam a potência. Esse valor será estipulado de acordo com o preço mínimo para a nova potência solicitada. Para solicitar a alteração, as emissoras precisam apresentar ao MiniCom um projeto de instalação nas condições pretendidas e justificar as vantagens das mudanças, tendo em vista o atendimento adequado do município atendido. No caso das retransmissoras de TV e das emissoras educativas, o ministério avalia apenas esse projeto. Ela não precisam pagar a diferença pelo aumento de potência, já que sua outorga não é onerosa. De acordo com Dermeval da Silva Junior, atualmente existem cerca de mil processos de mudança de classe de potência em estoque no ministério. A nova regra em consulta se aplicará tanto a esses pedidos quanto aos novos que chegarem ao MiniCom.

Para receber o maior evento de futebol do mundo, a Copa do Mundo, a comunicação no Brasil precisa estar alinhada para uma eficiente repercussão em todos os continentes. Pensando nisso, um seminário realizado em Brasília, no final de fevereiro, reuniu 12 cidades sedes da Copa do Mundo da FIFA 2014, para debater a comunicação como uma importante ferramenta na promoção do evento. Estiveram presentes o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, e a ministra Helena Chagas, da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República. O inglês Mike Lee, consultor internacional que já desenvolveu trabalhos como diretor de Comunicações e Assuntos Públicos da candidatura de Londres aos Jogos Olímpicos de 2012, conselheiro da candidatura do Rio de Janeiro aos Jogos Olímpicos de 2016 e estrategista que ajudou o Qatar a conquistar o direito de sediar a Copa do Mundo da FIFA de 2022 foi o convidado especial do encontro. Lee afirma que há um grande otimismo internacional em relação à Copa 2014. “É importante identificar, desde já, as oportunidades para promover os valores do país, as mensagens chave e o engajamento da população. O Brasil tem feito um bom trabalho e tem tudo para organizar um evento com competência”, disse. Segundo o ministro do Esporte, essa parceria entre as cidades é uma das ações realizadas para mobilizar o país para o evento. “As cidades têm trabalhado lado a lado, conhecendo experiências e trocando informações. Os desafios são comuns e é esse trabalho em equipe que nos dá a certeza de uma grande Copa do Mundo em 2014”, afirmou.

Foto: Glauber Queiroz/Ministério do Esporte

Seminário aborda tema sobre a comunicação na Copa de 2014

O Governo do Estado, por meio do Comitê Gestor da Copa 2014 RS (CGCopa), participou do evento realizado em Brasília. Durante o seminário, a equipe de comunicação do CGCopa apresentou as ações já desenvolvidas e as estratégias de comunicação e divulgação do Rio Grande do Sul visando à Copa 2014.


8

Março de 2012

Júri aberto Santana do Livramento deu ao Brasil um belo exemplo de transparência, democracia e exercício pleno de cidadania. Fez valer todo o significado da instituição do Júri. Em julgamento de processo de muita repercussão, não podendo acolher no plenário do foro a população inteira, que tinha direito a tanto, o juiz Frederico Conrado autorizou que o rádio cumprisse o sagrado papel de difusor do que acontecia no salão onde a sociedade local julgava o crime que talvez tenha sido o mais chocante da história da cidade: o caso do açougueiro que matou a ex-namorada, esquartejou, congelou e ocultou seu corpo. Quem não conseguiu lugar no auditório ficou de ouvido colado no rádio. Nas praças de Livramento, havia grupos acompanhando nos celulares e, em vários lugares do mundo, santanenses ouviram pela internet. A Rádio RCC FM, da Rede Gaúcha Sat, transmitiu do primeiro ao último instante, com exceção dos momentos em que algumas testemunhas pediram para que não fossem ao ar suas declarações. Os debates entre o promotor José Eduardo Gonçalves, seus assistentes e os defensores Fernando e Felipe Góes vararam a madrugada. Foram todos muito competentes. Quem esteve ligado o dia inteiro não deixaria de ouvir a réplica e a tréplica, todos os apartes e, ao fim, a leitura solene da sentença, que foi condenatória. O importante, mais que o resultado, foi o cumprimen-

to, por inteiro, dos princípios norteadores do tribunal popular. O juiz não esqueceu de mandar abrir as portas do salão antes de ler a sentença. Eram mais de 3h da madrugada. Quem estava do lado de fora também soube o que os jurados decidiram e o magistrado consolidou ao fixar a pena do condenado. Em qualquer canto do mundo, também foi possível saber. O rádio permitiu o Júri aberto plenamente. Diferente do que aconteceu em outros lugares, onde se tem impedido o trabalho da imprensa no plenário, cercando de mistérios e contradições a realização da Justiça pelo povo. O ocorrido em Santana do Livramento merece repetir-se em todos os julgamentos. O Júri existe para ser assim, aberto, pleno, induvidoso, muito claro. Se a limitação do plenário admite apenas algumas dezenas ou centenas de espectadores, que se abram as portas aos meios de comunicação. O que alguns, presentes, podem ver, ouvir e sentir, é direito de todos em qualquer lugar. Tanto será possível pelo rádio e televisão e não há razão legal para impedir-se o trabalho dos jornalistas nas sessões do Júri. A Justiça mostrou o caminho em Livramento. Cláudio Brito, jornalista Artigo publicado no jornal Zero Hora em 05/03/2012

O fato que abalou uma comunidade inteira pela atrocidade cometida contra uma jovem professora veio a repercutir em âmbito nacional através do programa da Rede Globo “Linha Direta”, ficando conhecido em todo Brasil. “Dessa forma, quando foi marcado o terceiro e último julgamento, resolvemos solicitar por escrito ao Juiz da Vara Criminal, Frederico Menegaz Conrado, uma autorização para a transmissão na íntegra de todo o júri, pedido esse que veio a ser deferido parcialmente, já que as testemunhas de defesa não autorizaram a veiculação de seus depoimentos, determinação aceita e acatada integralmente pela emissora”, enfatiza o diretor da Rádio RCC FM e vice-presidente da Agert, Kamal Badra.

Falando Claro Sendo franco: tem muitas emissoras jogando dinheiro fora pelo ralo. Seus responsáveis investem em equipamentos da melhor qualidade, utilizam o que há de mais moderno em processamento, só para serem nivelados por baixo por uma causa que não tem mais razão de ser: soar mais alto nos rádios. Essa é uma guerra onde todos perdem. Perde quem investiu em bons equipamentos; Perdem os ouvintes, que não conseguem sintonizar a emissora preferida com um som de boa qualidade; Perdem os artistas, ao terem suas músicas irradiadas cheias de distorção; Perde o Rádio em geral, com os ouvintes fugindo para os players de MP3. O argumento de que "é necessário sobremodular para se defender das piratas" é indefensável. Ao sobremodular, a emissora legalizada acaba agindo como uma "pirata", pois deixa de atender às normas da Anatel - e passa a ter uma péssima qualidade de áudio, de fazer inveja à pior das "piratas". O hábito, comum entre a maioria dos radiodifusores, de ficar "zapeando" entre as estações concorrentes, para ver qual delas está "falando mais alto" e, ao descobrir alguma, correr para aumentar o volume da própria, é vício a ser extirpado. Ouvintes não "zapeiam" entre emissoras de rádio. O que prende a audiência é o "conteúdo": os programas, o formato musical, os apresentadores, as notícias, o humor, o envolvimento nos assuntos locais. E a clareza no áudio, para que todo o conteúdo seja ouvido na melhor qualidade possível. A clareza no som vem em primeiro lugar, com 71,4% da preferência dos entrevistados. Um som "cheio", "definido", "brilhante", foram itens também destacados pelos ouvintes. O "mais alto" amarga um quinto lugar. Para desilusão de alguns, áudios do tipo "treme-quarteirão", com graves tão profundos que racham vidros de carros, chegam na rabeira, ultrapassados até pelos de maior estereofonia - possivelmente devido ao uso disseminado de fones de ouvido. E para os que insistem em rodar MP3 de baixa qualidade, um alerta: MP3 não tem clareza. MP3, principalmente os baixados da internet, de qualquer fonte, é sujo, cheio de artefatos e soa péssimo em um processamento moderno. Não estamos professando que as emissoras devem se "esconder" no dial. Esperamos é que os radiodifusores se conscientizem de que normas de modulação foram feitas para atender aos requisitos técnicos dos sistemas de transmissão e dos receptores de rádio. Que estar fora das normas não só deixa as emissoras sujeitas a punições pela Anatel, mas, principalmente, afugenta os ouvintes, diminuindo a audiência. Isso é válido para o rádio analógico e muito mais válido ainda para o digital, que vem por aí - onde qualquer sobremodulação significará uma enorme distorção e até emudecimento do sinal. Quer silenciar uma "pirata"? Denuncie à Anatel. Um concorrente sobremodula? Denuncie à Anatel. Insista. Este é um país fabuloso, mas ainda temos que aprender a seguir as leis que o regulam. E, denunciar, nesse caso, não é "dedo-durismo". É exercer um direito. É um dever, assim como quem denuncia um assalto, um crime, um mau atendimento. E quem não deve, não teme. Fazer Rádio é uma ciência. Processamento de áudio para Rádio, uma ciência à parte. Ciência depende também de intuição e sorte para avançar. Mas esquecer suas normas básicas é dar chance ao atraso. E jogar dinheiro e audiência pelo ralo. Bertoldo Lauer Filho – Sócio da Rádio 88e7 FM de NH e José Cláudio Barbedo (Formiga) – Diretor Técnico da Rádio 88e7 FM de NH

Prorrogadas até 30 de março inscrições para o 4º Prêmio Agergs/Banrisul de Jornalismo O concurso destacará as matérias veiculadas em 2010 e 2011 que abordaram assuntos ligados à regulação ou áreas reguladas pela Agência. O Prêmio Agergs/Banrisul de Jornalismo é promovido pela Asegergs (Associação dos Servidores Efetivos da Agergs) e Agergs, com patrocínio do Banrisul e apoio da Associação Riograndense de Imprensa (Ari). A comissão julgadora será composta por membros de todas as entidades envolvidas. A data de premiação ainda não está definida. Informações: http://migre.me/7k6Zi

Eventos da Radiodifusão Primeiro semestre de 2012

NAB Show 2012 - Principal Evento Mundial de Tecnologia de Broadcasting - Onde o conteúdo ganha vida Quando: Conferências: 14 a 19 de Abril de 2012 - Feira: 16 a 19 de Abril de 2012 / 09:00 as 18:00 horas Onde: Las Vegas Convention Center (LVCC) - Las Vegas - NV - EUA. Atenção, radiodifusor! Dicas importantes: •Estar em dia com o passaporte. •Brasileiro que viaja aos EUA tem de requisitar, previamente, visto na Embaixada/ Consulado Americano. •Sugerimos que requisite o visto na modalidade Business (B1/ B2). Pela legislação, os Profissionais que participam de Eventos de Negócios devem ter visto na modalidade Business e não somente de turismo. Confira informações em: www.nabshow.com e também no www.set.com.br SET Sul - Seminário em Porto Alegre Quando: 29 e 30 de Maio de 2012 Onde: Local a definir - Mais informações no site: http://www.set.com.br 26º Congresso Brasileiro de Radiodifusão Quando: 19 a 21 de junho de 2012 Local: Centro de Convenções Brasil 21 – Brasília/DF Mais informações: http://www.congressoabert.com.br/

Flexibilização da Voz do Brasil é defendida pela Presidência da Câmara O presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia, defendeu a votação do projeto de lei 595/03, que flexibiliza o horário de transmissão do programa A Voz do Brasil pelas emissoras de rádio. Em audiência com representantes do setor de radiodifusão de todo o país, em fevereiro, Maia disse que é preciso modernizar a lei para se enquadrar nos novos tempos do rádio no Brasil. Segundo ele, o cidadão tem que ter o direito de escolher o que quer ouvir no rádio. As rádios comerciais poderiam escolher entre 7 e 10 da noite para veicular a Voz do Brasil. As rádios Câmara e Senado também poderiam adiar o programa em dias que houver transmissão de sessões do plenário das duas casas. O horário fixo atual das 19 horas ficaria apenas para as rádios educativas. A flexibilização da Voz do Brasil já foi aprovada no Senado e aguarda votação no plenário da Câmara. Algumas emissoras conseguiram liminares na justiça para serem desobrigadas a transmitir o programa às 19 horas. Segundo Marco Maia, ainda não há previsão de data para incluir o projeto na pauta do plenário.

Siga-nos no Twitter!

Agert Informa 593  

Agert Informa 593

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you