Page 1

Portfรณlio de Arquitetura Rodrigo Santos Camargo


Rodrigo Santos Camargo

Contato

Acadêmico de Arquitetura e Urbanismo 10º Período | UDESC | BR Período de Mobilidade Internacional | UMinho | PT

PERFIL

+ 351 939 421 002 arq.camargo@outlook.com

EDUCAÇÃO

Cursando um período de mobilidade internacional por um ano no Mestrado Integrado em Arquitetura e Urbanismo na Universidade do Minho em Guimarães | PT. No Brasil cursando o 10° período de Arquitetura e Urbanismo na Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC, desenvolvendo o Trabalho de Conclusão de Curso I na área da arquitetura do desporto, especificamente um Centro Regional de Excelência Esportiva e Paradesportiva no município de Lages/SC. Extremamente dedicado, responsável, proativo, comprometido e minuciosamente perfeccionista, amo arquitetura e tudo o que envolve a concepção de espaços. Prezo em trabalhar com pessoas criativas, especialmente as que compartilham interesses e ideias. Porque não trabalhamos juntos? Avalie meu portfólio e entre em contato. FERRAMENTAS

Fevereiro 2018 - Presente Mestrado Integrado em Arquitetura e Urbanismo Escola de Arquitetura - Universidade do Minho Guimarães | PT Julho 2013 - Presente Bel. Arquitetura e Urbanismo Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Laguna | BR Fevereiro 2012 - Junho 2013 Técnico em Construção Civil | Habilitação - Edificações CEDUP Renato Ramos da Silva Lages | BR

Softweres Adobe InDesign Adobe Illustrator Adobe Photoshop Adobe Premiere Adobe After Effects Autodesk AutoCAD Autodesk 3dsMAX Autodesk Revit ASRx CorelDRAW Lumion Office QGIS Sketchup Vray Habilidades Desenho Técnico Detalhamentos Modelos Físicos Planilhas Orçamentárias Representação Gráfica

COMPETIÇÕES

EXPERIÊNCIA DE TRABALHO

Julho 2017 - Dezembro 2017 Estagiário Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional | IPHAN Laguna | BR Fevereiro 2017 - Julho 2017 Monitor de Desenho Técnico Laboratório de Preservação do Patrimônio | LABPPAT Laguna | BR Abril 2016 - Julho 2016 Estagiário Escritório de Cooperação Técnica do CERES | UDESC KLABIN Laguna | BR Junho 2014 - Julho 2016 Estagiário Escritório de Cooperação Técnica do CERES | UDESC Laguna | BR

LÍNGUAS

AGO2017 10° Concuso CBCA para Estudantes de Arquitetura Berçário e Jardim de Infância OUT2016 Concurso Nacional de Projetos de Arquitetura e Complementares - Unidades Habitacionais Coletivas Sol Nascente Quadra_700 SET2016 Concurso 018 - Abrigo de Emergência Projetar.org

PORTUGUÊS Nativo

INGLÊS

Intermediário

PUBLICAÇÕES

BIZ, C; CAMARGO, R. S; MULLER, Y. L. Curitiba Trifásica. Revista Canteiro, Laguna - SC, vol.2, nº2, Nov. 2014. Disponível em: <http://revistacanteiro.com/2015/experiências>

Rodrigo Camargo | 2018


Projetos AcadĂŞmicos UDESC | Faculdade de Arquitetura e Urbanismo | Laguna | BR 2014 | 2015 | 2016 | 2017


Refúgio do Morro Espaço Residêncial | 2014 Fazenda do Morro | Rio dos Touros | Urupema | SC

Casa Horizonte Espaço Residêncial | 2014 Rua Voluntário. Benevides | Centro | Laguna | SC

Sabor Serrano - Restaurante Espaço Comercial | Planejamento de Interiores | 2015 Av. Manoel Pereira de Medeiros | Centro | Urupema | SC Colaboração | Mayara Schmitt

Abrigo de Emergência Arquitetura Efêmera | 2016 Região do Vale do Rio Itajaí | Santa Catarina | SC Colaboração | Caroline Mourão

Unidades Habitacionais Coletivas Sol Nascente Espaço Residêncial | Habitação de Interesse Social | 2016 Quadra 700 | Sol Nascente | Ceilândia | DF Colaboração | Prof. Dra. Gabriela Pereira | Giovanni Concer | Luis Augusto Moraes | Stephanie Spuldaro

Sede do IAB - SC Espaço de Trabalho | 2016 Av. Eng. Max de Souza | Coqueiros | Florianópolis | SC Colaboração | Chayane Galvão

147 - Coworking e Moradia Estudantil Patrimônio Arquitetônico | 2017 Rua Pinto Bandeira | 147 |Centro | Laguna | SC Colaboração | Melina Monks e Paola Lorenzetti

Artífices - Escola de Conservação e Restauro Patrimônio Arquitetônico | 2017 Rua Gustavo Richard | 564 |Centro | Laguna | SC Colaboração | Melina Monks e Paola Lorenzetti

Praça Paulo Calil Bulos Espaço Público | Planejamento Paisagístico | 2017 Rua Eduardo Silva | Mar Grosso | Laguna | SC Colaboração | Caroline Mourão e Paola Lorenzetti

Biblio(tec) Espaço Coletivo | 2017 Travessa Mário Camilo | Progresso | Laguna | SC Colaboração | Caroline Mourão | Chayane Galvão e Giovan Monteiro

Guapo - Restaurante e Escola de Gastronomia Patrimônio Arquitetônico | 2017 Rua Barão do Rio Branco | 107 | Centro | Laguna | SC Colaboração | Melina Monks e Paola Lorenzetti

Centro Regional de Excelência Esportiva e Paradesportiva Masterplan | Espaço Público |Espaço Coletivo | 2017 Av. Antônio Ribeiro dos Santos | Universitário | Lages | SC


01

Refúgio do Morro Espaço Residêncial | 2014 Fazenda do Morro | Rio dos Touros | Urupema | SC


06


07


02

Casa Horizonte Espaço Residêncial | 2014 Rua Voluntário. Benevides | Centro | Laguna | SC


09


10


03

Sabor Serrano - Restaurante Espaço Comercial | Planejamento de Interiores | 2015 Av. Manoel Pereira de Medeiros | Centro | Urupema | SC Colaboração | Mayara Schmitt


12


13


04

Abrigo de Emergência Arquitetura Efêmera | 2016 Região do Vale do Rio Itajaí | Santa Catarina | SC Colaboração | Caroline Mourão


15

=3,5m²

03. Uma estrutura rígida pré-determinada recebe placas de vedação criando uma casca. 04. A partir do corte esquemático determina-se a ventilação cruzada através das faces principais, também e adotado a coleta de água da chuva e o aquecimento de água através de energia obtida por painéis fotovoltaicos. 05. O módulo desenvolvido junto a placa de junção pode conectar-se com outro módulo, assim dois dormitórios para quatro pessoas torna-se um módulo que atende 8 pessoas. 06. O segundo módulo desenvolvido atende as funções onde há maior reunião de público, deste modo o módulo pequeno teve seu comprimento multiplicado, mantendo a mesma conguração. No módulo maior as placas superiores são adaptadas para abrir e fechar, fazendo o ar quente subir e sair do ambiente criando outra circulação de ar, a abertura também permite a entrada de luz no ambiente 07. O fechamento das faces principais é composto por uma grelha, que quando não vedada recebe uma tela na para proteção contra insetos. 08. O projeto desenvolve-se a partir dos dois módulos, que podem ser adaptados a partir de cada função, assim o módulo menor recebe os vestiários, sanitários, dormitórios, administração e consultórios, sala de aula e capela, já o módulo maior pode abrigar o refeitório e o ambulatório. Podem também ser adaptados de acordo com o número de pessoas desabrigadas.

Dormitório 1 Módulo > 4 Pessoas 2 Módulos> 8 Pessoas

03

02

01

04

05 1 MÓDULO

3,00

01. A forma pré-determinada pela área ocupada por cada pessoa respeita a regra de 3,5m² por indivíduo, assim, partindo de um prisma retangular que tem seus vértices suavizados, obtêm-se a uma forma de cápsula. 02. A cápsula atendendo a modulação de cinco e três metros respectivamente, totalizando 15m² recebe apoios para car distante do solo.

15m²

=14m² 5,00

08

07

06

Boiler

Boiler

Água potável

Gerador de energia

Estação de tratamento de euentes móvel

Vestiário 2 Módulos> 10pessoas

Esgoto

Tubulações

Água pluvial

Sanitário 2 Módulos> 10pessoas

Módulo Abrigo 2

Módulo de Conexão Módulo Abrigo 1

Consultório 1 Módulo

1 MÓDULO


16

Refeitório > 6 Módulos Grande Cozinha > 1 Módulo Grande

Escritório > 2 Módulos Capela > 2 Módulos

Sala de Aula > 3 Módulos Grandes Ambulatório > 5 Módulos Grandes

Painéis solares fotovoltaicos. Revestimento externo em painéis tipo sanduíche modulares industrializados – Chapas de aço pintadas com interior de poliuretano. Placa de conexão entre módulos em painéis tipo sanduíche modulares industrializados – Chapas de aço pintadas com interior de poliuretano Conexão tipo encaixe macho-fêmea . Estrutura metálica em pers de alumínio estrutural, parafusadas umas as outras. Esquadria modular tipo veneziana em madeira laminada colada e impermeabilizada. Fechamento modular em madeira laminada colada e impermeabilizada. Tela mosquiteiro em polietileno branco . Revestimento interno em placas tipo OSB modulares industrializadas e impermeabilizadas Corrimão modular em alumínio tubular. Rampa modular em placas modulares madeira laminada com revestimento de piso antiderrapante de borracha preto. Suporte tipo macaco hidráulico com capacidade de carga de 2000kg tipo garrafa.


05

Unidades Habitacionais Coletivas Sol Nascente Espaço Residêncial | Habitação de Interesse Social | 2016 Quadra 700 | Sol Nascente | Ceilândia | DF Colaboração | Prof. Dra. Gabriela Pereira | Giovanni Concer | Luis Augusto Moraes | Stephanie Spuldaro


18

Eixos de permeabilidade visual

Implantação

0 5

15 25


19 B

A’

A A

b

b

A

b

B’

corte longitudinal- AA’

corte transversal- BB’

3

9

18


06

Sede do IAB - SC Espaço de Trabalho | 2016 Av. Eng. Max de Souza | Coqueiros | Florianópolis | SC Colaboração | Chayane Galvão


20

Planta de Locação Esc: 1/250

En Av.

h gen

eiro

Ma

xd

eS

ouz

a

Rua João Alcântara da Cunha

Acessos

Núcleo rígido

Circulação vertical

Setorização

Condicionamento Bioclimático


25,62m

22 As esquadrias do tipo veneziana permitem que o usuário controle a incidência de luz no ambiente. Desta forma fazendo um jogo de cheios e vazios na fachada que estará em constante mudança

Nos andares inferiores, no período da manhã, a luz é barrada por árvores de copa larga plantadas ao longo da via, no período da tarde, através de uma barreira de vegetação caduca, deixando a luz e o calor passar durante o inverno e barrando e tornando o ambiente interno mais fresco durante o verão.

Elevação Nordeste ESC: 1/200

5.Pav. 19,82m

4.Pav. 16,44m

Elevação Sudeste ESC: 1/200

A captação da água da chuva é feita pela laje de cobertura, assim uma parte direcionada para uma cisterna no subsolo, para a manutenção do prédio e jardins. Outra parte armazenada em um reservatório superior para ser utilizada nas bacias sanitárias e manutenção do prédio

3.Pav. 13,06m

Manta impermeabilizante Manta impermeabilizante Contra-piso Preenchimento de concreto Bloco de EPS Viga de concreto armado

2.Pav. 9,96m Veneziana de abrir em madeira

Janela de vidro 4 folhas de correr com montante em madeira

A orientação do edifício favorece a incidência de ventos quentes, tornando os ambientes mais frescos e arejados.

Vidro xo com montante em madeira Vidro xo com montante em madeira

1. Pav. 6,38m Elevação Sudoeste ESC: 1/200

Marquise de concreto ancorada na laje Pers de aço da estrutura auxiliar para xação das placas do forro Placas de forro mineral acústico

Elevação Noroeste ESC: 1/200

Barrilete

Barrilete

25,62m

25,62m

Cobertura

Cobertura

23,12m

23,12m

5Pav.

5Pav.

19,82m

As calçadas do contorno do edifício são compostas de piso permeável com faixas de substratos como areia e brita, assim a água pluvial já é ltrada quando absorvida pelo solo, já que o pavimento do subsolo não ocupa a totalidade do lote.

Barras de aço do tipo metalon com diâmetro de 20cm (suporte auxiliar para marquise)

Sobreloja. 3,15m

Viga estrutural Janela de vidro xo com montante de alumínio

Trepadeira

19,82m

Grade metálica para sustentação de trepadeira 4 Pav.

4 Pav.

16,44m

16,44m

3 Pav.

3 Pav.

13,06m

13,06m

2 Pav.

2 Pav.

9,96m

9,96m

1Pav.

1Pav.

6,38m

6,38m

Sobreloja

Sobreloja

3,15m

3,15m

As paredes cegas de concreto funcionam como barreiras para o sol, tornado os ambientes mais frescos, e liberando parcelo do calor absorvido para dentro da edicação durante a noite, já que no inverno as temperaturas são baixas durante o inverno.

Sobreloja. 3,15m

Chapa metálica de xação da grade

Barras de aço do tipo metalon xadas a profundidade de 50cm no solo

Parede diafragma

Manta impermeabilizante Argamassa de contra piso Laje de assentamento concretada in loco Seção da pele ESC: 1/50

Corte A-A

Corte B-B


07

147 - Coworking e Moradia Estudantil Patrimônio Arquitetônico | 2017 Rua Pinto Bandeira | 147 |Centro | Laguna | SC Colaboração | Melina Monks e Paola Lorenzetti


24


25


08

Artífices - Escola de Conservação e Restauro Patrimônio Arquitetônico | 2017 Rua Gustavo Richard | 564 |Centro | Laguna | SC Colaboração | Melina Monks e Paola Lorenzetti


27


28


09

Praça Paulo Calil Bulos Espaço Público | Planejamento Paisagístico | 2017 Rua Eduardo Silva | Mar Grosso | Laguna | SC Colaboração | Caroline Mourão e Paola Lorenzetti


30

A área foi ocupada de forma diferente A s e s q u i n a s s ã o d e  n i d a s p e l a da projetada no loteamento de 1978, ao quantidade de informação visual invés da quadra funcionar como ilha, uma facilitada a um pedestre. A medida que via cruzava a praça dividindo assim em se aproxima, a esquina projetada é duas parcelas. visível de qualquer ponto ao longo da rua.

Projetos de praças desenvolvem uma variedade de caminhos pressupostos a partir de informações concretas ou subjetivas do entorno, o espaço urbano abriga estes caminhos e os transforma em delimitadores, limites ou fronteiras.

Aspectos visuais e sonoros, de maior relevância (o morro e o mar), são tratados na conguração do desenhos e indicação de uxos, como na divisão de atividades e delimitação de materiais.

A sintaxe entre elementos formais e texturas das fachadas junto a espaços de áreas verdes intercalados formam o mosaico do plano inicial. Os espaços verdes devem assim, serem cortados por caminhos onde posa-se sentar ou caminhar por estes.

É necessário pensar e planejar a partir da perspectiva do usuário e como o indivíduo se comportaria no espaço construído, adaptando ideias, as relações de altura e distância, desenho e escala de modo a traçar planos visuais que tornem o espaço agradável e seja convidativo a partir da rua.

A funcionalidade dos espaços deve ser resultante da locação das atividades. Cada espaço deve funcionar separadamente, mas juntos, como um todo. Cada espaço deve-se ligar com outro a partir de elementos verticais ou de perspectivas desenhadas, criando único espaço urbano.

Em planta, paginação de piso pode parecer um limite adequado, mas indivíduos necessitam de vizinhanças verticais para conectar-se a um espaço, assim elementos que gerem especialidade e oriente direções são essenciais.

A setorização partiu da inserção da área de recreação e desenvolvimento lúdico como eixo principal da praça, em suas extremidades as áreas de estar, estacionamentos, além da cancha e academia.

As áreas de lazer ativo (alaranjado) e contemplativo (amarelo) criam eixos intercalados ao longo da praça, separando atividades e funcionando como apoio uma da outra.

A partir de três eixos principais de circulação desenvolvem-se as atividades, a paginação do piso, e sua composição material indicam subjetivamente, segundo o campo da informação, zonas de limites entre espaços.

A s á r e a s d e e s t a r, j a r d i m e contemplação, distribuem-se em quatro principais pontos atendendo como suporte às áreas de recreação, estimulando ambientes mais calmos e sensoriais através do alfato.

A partir de uma estrutura modular de um cubo desenvolvem-se os equipamentos e mobiliários do eixo de recreação da praça, partindo da ideia de criar espacialidade, os módulos funcionam além de suporte como objetos de iluminação durante a noite, a partir de tas de LED embutidas, criando cores e movimento dentro da própria estrutura.


31

A partir da perspectiva do usuário, delimitam-se ilhas ao longo do espaço projetado, criando ondas volumétricas de formato alongado e inclinado. Além da composição dos desenhos de perspectivas na praça, os canteiros (representados em detalhe) funcionam como caixa de correção e ltragem do solo, permitindo que plantas que não poderiam ser plantadas diretamente no solo atual, possa ser cultivadas nestes . Cada canteiro pode receber uma ár vore de grande porte proporcionando assim sombra em todas as áreas da praça ao longo do dia, seu formato inclinado permite que este também seja acessível, tornando-se parte do mobiliário, e expandindo a área permeável e coberta de grama ao longo da praça sem alterar a paginação de piso proposta.

O novo desenho proposto para a cancha de bocha permite criar perspectivas a partir dos extremos da praça, o telhado tipo borboleta pouco inclinado, convida o usuário a experimentar o espaço. O mobiliário é pensado de forma a trazer continuidade nas perspectivas criadas ao longo da praça, ora indicando caminhos, ora criando espaços de estar integrados com o todo. O plantio das árvores nos canteiros, além de propiciar sombra, criando espaços de estar ao longo de toda a praça, a partir da perspectiva do usuário, têm-se um grande espaço a ser percorrido, no entanto sombreado.

A ideia de alimentar estímulos,na área recreativa parte de módulos, que á noite possam acender criando efeitos de luzes e cores no espaço, da mesma forma a iluminação por balizadores ao longo de toda praça. A iluminação geral parte de sopts de luz embutidos no pavimentos, criando iluminação indireta e nos canteiros abaixo de cada árvore. Além de ser fator iluminador, o módulo também permitira a instalação de diversos brinquedos e atividades. A distribuição destes criara outro percurso a ser experimentado, todos instalados na zona pavimentada por piso de borracha.

Levando em consideração a ideia de percepção do espaço e os fatores inuentes, estes são concebidos com pouco mobiliário e também pouca diversidade de espécies, criando assim p e r s p e c t i va s l i m p a s e f á c i l inteligibilidade. O mobiliários escolhido mantêm uma linha na escala de cores, altura, volume e material, as espécies seguem uma paleta de cores, do verde ao roxo, ao longo do ano todo, fazendo da praça um espaço público de qualidade. Os canteiros menores são criados a partir de dois arbustos, que juntos compõem uma massa que interage diretamente com as mesas dos espaços de lazer.


32

CÓDIGO DE PLANTIO

NOME POPULAR

NOME CIENTIFICO

CATEGORIA

CLIMA

ALTURA

LUMINOSIDADE

CICLO DE VIDA

Todos

10 cm

Sol pleno, meia sombra

Perene

SOJA

Grama esmeralda

BRUN

Romeu e Julieta

Brunfelsia Uniora

Arbusto

Equatorial, Subtropical, Tropical

1,8 a 2,4 m

Sol pleno, meia sombra

Perene

DURE2

Pingo de Ouro

Duranta Erecta Aurea

Arbusto

Equatorial, Subtropical, Tropical

1,5 m

Sol pleno

Perene

SALE2

Sálvia-bicolor

Salvia Leucantha

Herbácea

Equatorial, Subtropical, Tropical

50 a 90 cm

Sol pleno

Perene

TAIM

Ipê-roxo

Tabebuia Impetiginosa

Árvores

Equatorial, Subtropical, Tropical

6,0 a 9,0 m

Sol pleno

Perene

TECA

Amendoeira da praia

Terminalia catappa

Árvores

Equatorial, Subtropical, Tropical

9,0 m

Sol pleno

Perene

NOME Concreto

Zoysia Japonica Rasteira, forração

IMAGEM

DESCRIÇÃO TÉCNICA Concreto moldado in loco.

Concreto Pigmentado

Concreto com adição de pigmento marrom, moldado in loco.

Piso emborrachado

Pavimento emborrachado na cor preta.

Piso tátil de alerta Piso tátil direcional Piso Intertravado

Piso tátil de concreto na cor cinza. 30x30 cm Piso tátil de concreto na cor cinza. 30x30 cm Paver de concreto na cor cinza. 10x20 cm

IMAGEM


33

01

03

04 02

05

Contenção

06

04 04

Legenda:

01

01 Estacionamento 02 Cancha de Bocha 03 Academia 04 Áreas de estar 05 Eixo de estar 06 Eixo lúdico

Esc: 1/20

Esc: 1/20

Areia grossa Caixa de concreto Prego - 12x12 Tábua de madeira de eucalipto Pavimento de borracha Emboço Contrapiso de concreto Enchimento granular miúdo Enchimento granular graúdo

01

02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13

14 15

01 Legenda: Termilalia Catappa Zoysia Japonica Membrana de impermeabilização Canteiro de concreto

01 02 03 04

Solo: Terra Contenção Ralo: Sistema de drenagem Junta de dilatação

05 06 07

Pavimento de borracha Emboço Contrapiso de concreto Enchimento granular miúdo

09 10 11 12

08

02 03 04 05 06 07 08

Enchimento granular graúdo 13 16

Enchimento granular miúdo 14 Enchimento granular graúdo 15 Lascão de basalto 16

09


10

Biblio(tec) Espaço Coletivo | 2017 Travessa Mário Camilo | Progresso | Laguna | SC Colaboração | Caroline Mourão | Chayane Galvão e Giovan Monteiro


35

Esc: 1/500


36

Planta baixa: Térreo Esc: 1/250

Elevação Sudeste

Esc: 1/250

Planta baixa: 1Pav Esc: 1/250


37

Estrutura do telhado composta por treliças planas com altura de 20cm, apoiadas por pilares de seçao I e dimensões de 15x15cm Piso +8,00 Estrutura composta por vigas de treliças planas com alturas de 50cm Forro

Piso +4,15 Laje alveolar apoiada nas vigas de treliças com 20cm de altura Estrutura composta por vigas de treliças planas com alturas de 50cm Forro

Pilares de seção I com dimensões de 20x80cm

+0,15 Laje radier em contato com o solo com 20cm de altura Sapata de concreto com seção 1,00 x1,00m

Elevação Nordeste

Esc: 1/250


11

Guapo - Restaurante e Escola de Gastronomia Patrimônio Arquitetônico | 2017 Rua Barão do Rio Branco | 107 | Centro | Laguna | SC Colaboração | Melina Monks e Paola Lorenzetti


39


40


12

Centro Regional de Excelência Esportiva e Paradesportiva Masterplan | Espaço Público |Espaço Coletivo | 2017 Av. Antônio Ribeiro dos Santos | Universitário | Lages | SC


42


43


44


45


Obrigado arq.camargo@outlook.com Rodrigo Camargo | 2018 GuimarĂŁes | Braga | PT

Portfólio 2018  
Portfólio 2018  
Advertisement