Page 1

Câmara Notícias Órgão de Divulgação da Câmara Municipal de Novo Hamburgo

Ano III/Edição 25

Jornal Mensal/Março - Abril de 2012

Novo Hamburgo: cidade plural

D

ados estatísticos nem sempre refletem a diversidade de um povo. Em Novo Hamburgo, por exemplo, o censo 2010 apontou que 90,4% da população é formada por brancos, 6% por pardos, 3,3% por negros, 0,1% por índios e 0,2% por orientais. Apesar de os números do IBGE indicarem uma certa homogeneidade étnica de seus habitantes, essas informações não fornecem detalhes importantes dessa jovem cidade. O Município é formado por Beckers, Schaefers, Rubenichs, descendentes dos primeiros alemães que colonizaram a região, mas também deve muito de sua prosperidade aos Silvas, Oliveiras, Polessos, entre outros nomes que, com o seu trabalho, moldaram a cidade, que comemora neste mês de abril a sua emancipação. Novo Hamburgo acolheu imigrantes no século XIX e, recentemente, recebeu uma leva expressiva de trabalhadores

de outras cidades gaúchas seduzidos pelas oportunidades de emprego que a indústria coureiro-calçadista oferecia na década de 1980. Pessoas oriundas de todos os cantos do Estado vieram buscar em terras hamburgueses sustento e um lar para seus familiares e filhos. A expansão demográfica vivida no passado não é mais realidade. As projeções populacionais do IBGE para Novo Hamburgo não foram confirmadas. As estimativas eram de que a população chegaria a 258 mil em 2009. Contudo, o censo 2010 indicou que a cidade tinha 238.940 habitantes, oitavo Município com maior densidade demográfica do Rio Grande do Sul. Mais de 98% dos hamburguenses se concentram na parte urbana da cidade. O restante vive em um recanto privilegiado: Lomba Grande. A área rural tem 156,31 quilômetros quadrados de um total de 223,6 quilômetros

quadrados. Nesse refúgio verde, encontra-se uma das mais antigas igrejas luteranas do Brasil, tombada pelo patrimônio histórico municipal. A diversidade religiosa é outra característica da cidade desde os seus primórdios. Em 1824, o primeiro barco com imigrantes trazia da Europa católicos e evangélicos. Esses grupos, quando aqui desembarcaram, encontraram índios, charruas e minuanos, que também tinham seus cultos religiosos e uma cultura rica. Essa, porém, foi perdida por conta do extermínio dos indígenas no passado e da segregação na sociedade atual. Não foram apenas europeus que batalharam seu sustento nas colônias. Os escravos também eram força de trabalho. Novo Hamburgo, assim como o restante de nosso País, é resultado da miscigenação e do empenho de muitos. E a todos eles devemos o nosso muito obrigado nesses 85 anos!

Reforma do Plenarinho fica pronta, e sessões voltam a ser realizadas na Câmara Municipal Pág. 3

Luta dos vereadores: Nova Central de Polícia é inaugurada e traz mais segurança para hamburguenses Página: 7

A voz da comunidade: Vereadores participam de audiências e sessões comunitárias para ouvir reivindicações Página: 8

Distribuição gratuita

Os nomes da cidade

O povoado que formou o núcleo inicial de Novo Hamburgo era conhecido desde a sua fundação como Hamburger-Berg, o que significa Morro dos Hamburguenses. Acreditava-se que era uma corruptela de Hampetersberg – Morro do Hampeter, ou João Pedro Schimitt, um dos primeiros comerciantes do local. Contudo, a origem remonta a outro comerciante, chamado Luiz Kersting, natural de Hamburgo. Ele costumava despedir-se de seus clientes com a seguinte frase: “Não se esqueçam de voltar à casa do velho hamburguês”. Em 1919, Hamburger-Berg ganhou outras denominações. Gabriel de Azambuja Fortuna, intendente municipal de São Leopoldo, pelo ato nª° 75 de 23 de fevereiro daquele ano, resolveu “mudar o nome da sede e do 2ª distrito de São Leopoldo, Novo Hamburgo e Hamburger-Berg, que passarão a denominar-se Borges de Medeiros”. Mais tarde, com o ato nª 82, de 11 de junho, resolveu: “o povoado de nome Hamburger-Berg denominar-se-á Coronel Genuíno Sampaio”. Borges de Medeiros não aceitou a homenagem, e os moradores também não gostaram da ideia. Ainda em 1919, o sucessor de Fortuna, Mansueto Bernardi, revogou os atos nª 75 e nª 82, restabelecendo o nome de Novo Hamburgo e transformando Hamburger-Berg em Hamburgo Velho. Houve ainda outra tentativa de mudança. Em 1942, durante a administração de Odon Cavalcanti Carneiro Monteiro, que, durante os Festejos da Semana da Pátria, chamou Novo Hamburgo de Floriano. A tentativa, porém, não encontrou respaldo nem no governo federal. Fonte: O Município de Novo Hamburgo – Monografia, de Leopoldo Petry.

No dia 2 de maio, às 19h, será realizada sessão comunitária na Vila Kroeff, bairro Santo Afonso. A reunião acontece na E.M.E.F. Padre Réus, localizada na rua Flamengo, 186. Participe!


Editorial Câmara

A história da Câmara de Vereadores confunde-se com a do Município. Afinal, a instituição surgiu em 1927, pouco tempo depois da emancipação, quando foi eleito o Conselho Municipal – à época, função equivalente ao Poder Legislativo. Formado por nomes como Alberto Adams, Arduíno Brodbeck e Bertholdo Rech, o grupo teve como seu primeiro ato a fundação de uma sociedade beneficente que atendesse, gratuitamente, os doentes pobres. Os anos se passaram e ao longo de mais de oito décadas os representantes do povo buscaram atender as recomendações do primeiro intendente, Dr. Jacob Kroeff Netto, com objetivo de “erigir o grande monumento de progresso que se chama Novo Hamburgo....” Hoje, com quase 240 mil habitantes, a cidade situa-se como uma das maiores do Estado. O boom calçadista que tanto trouxe notoriedade à Capital Nacional do Calçado nos anos 1980 passou, deixando sequelas ao Município que aos poucos busca retomar sua identidade de lugar próspero. A lembrança dos tempos áureos, no entanto, faz com que sigamos nosso destino de povo trabalhador e determinado a vencer. Todo esse processo é acompanhado de perto pela Câmara, que luta diariamente não só pelo progresso mas para que a população seja assistida nas áreas de saúde, segurança, educação, lazer e cidadania. Além disso, os vereadores, assim como todos os hamburguenses natos ou que escolheram Novo Hamburgo para viver, guardam lembranças que só quem é daqui pode saber. Por isso, esta edição traz um pouco dessas recordações e também algumas curiosidades sobre nossa pequena/grande terra.

O povo quer saber Como fazer o cartão do SUS?

A Resolução nª 250 da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) determinou que os usuários de plano de saúde também precisam ter o Cartão SUS. O objetivo é integrar os cadastros, proporcionando, entre outras coisas, o ressarcimento ao SUS pelos atendimentos prestados na rede pública a beneficiários de planos de saúde. Para o cidadão, possibilitará o registro eletrônico único nas bases de dados dos hospitais públicos e privados. Para providenciar o Cartão SUS é necessário apresentar os seguintes documentos: cópia da carteira de identidade, cópia do CPF, certidão de nasci-

Expediente

mento (no caso de não possuir CPF e RG) e comprovante de residência em Novo Hamburgo atualizado (contas de água, luz ou telefone). Caso o comprovante de residência esteja em nome de outra pessoa, deve ser assinado pelo titular garantindo que o solicitante mora no local. É preciso ainda, nesse caso, anexar cópia da carteira de identidade do titular. Em Novo Hamburgo, o local de solicitação fica ao lado do Sindicato dos Sapateiros – rua Joaquim Nabuco, 177. Horário de atendimento: das 8h30min às 17h30min, sem fechar ao meio-dia.

Sua sugestão será bem-vinda 3594.0521/0510

Ficha Técnica:

Textos e fotografias: jornalistas Daniele Souza (Mtb: 12.797), Maíra Kiefer (Mtb: 11.235), Melissa Barbosa (Mtb: 10.652 ) e Tatiane Lopes de Souza (Mtb:12.272). Estagiários em jornalismo: Douglas Cypriano e Graziela Salles. Projeto Gráfico e Diagramação: Tatiane Lopes de Souza Jornalista Responsável: Tatiane Lopes de Souza Coordenadora de Comunicação: Daniele Souza Siga-nos no Twitter: Impressão: Grupo Sinos Tiragem: 34 mil exemplares Periodicidade: mensal Distribuição gratuita Valor da impressão: R$ 5.436,00

Comissão participa de audiência sobre rua Rincão O vereador Gerson Peteffi, relator da Comissão de Saúde, participou no dia 2 de março de uma reunião, organizada pela Prefeitura, na sede da Associação dos Moradores dos Bairros Rincão e Petrópolis. Ele estava representando também os outros integrantes do grupo de trabalho: Jesus Maciel (presidente) e Raul Cassel (secretário). O tema do encontro foi a duplicação e a pavimentação da rua Rincão, uma luta antiga dos vereadores. Cerca de 30 cidadãos participaram. Na ocasião, foram esclarecidos detalhes do processo necessário para o início das obras. Primeiramente, os proprietários de cerca de 40 imóveis da via deverão assinar um documento se comprometendo a doar ao Município parte do terreno – com a condição de que a obra seja realizada.

Peteffi, que é médico da rede pública, explicou que a precariedade da via tem consequências negativas na saúde da população. A poeira, por exemplo, pode causar graves problemas respiratórios. “É dramática a situação vivida pelos moradores da rua Rincão, em especial no trecho entre as ruas Rússia e Hungria, que convivem diariamente com a poeira ou barro. Essa via tem trânsito intenso, inclusive com linha de ônibus regular”, disse o vereador.

Arroio Pampa preocupa Comissão de Obras

www.camaranh.rs.gov.br

Blog: jornalcamaranoticias.blogspot.com Câmara Notícias Jornal da Câmara Municipal de Novo Hamburgo 25ª Edição - março e abril de 2012 Rua Almirante Barroso, 261/CEP: 93510-290 Fone: (51) 3594.0500/Fax: (51) 3594.1385 Ligue para a gente. E-mail: jornalismo@camaranh.rs.gov.br Mesa Diretora 2012 Gilberto Koch: presidente Ricardo Ritter: vice-presidente Volnei Campagnoni: 1ª secretário Antonio Lucas: 2ª secretário

Jornal da Câmara Municipal de NH/Março-Abril de 2012

www.twitter.com/camaranh Acesse o Youtube: www.youtube.com/tvcamaranh

A Comissão de Obras, integrada por Ito Luciano, Antonio Lucas e Ricardo Ritter - Ica, ouviu a comunidade dos bairros São José (vilas Kephas e Diehl) e São Jorge (Redentora) no dia 27 de fevereiro. Os moradores reclamaram do depósito irregular de lixo às margens do arroio Pampa e de sua nascente. Segundo eles, quando há chuva forte, o arroio transborda e traz prejuízos ambientais e econômicos. Os próprios moradores revelaram a necessidade de uma campanha de conscientização ambiental. Além disso, cobraram limpeza frequente e alargamento do Pampa. “Estamos cansados de promessas. Queremos solução para esse problema, que já tem 40 anos”, apontaram em massa os moradores. A Comissão de Obras, em busca de uma solução para o caso, reuniu-se com o secretário de Obras e Serviços Urbanos, Luiz Fernando Farias, no dia 12

de março. Ito afirmou que a cada chuva mais forte os moradores veem a água invadir suas casas. Ele explicou que, além do lixo, há o assoreamento do arroio Pampa. Outro obstáculo é uma ponte cujo o alicerce de cerca de 1,5 metro interrompe o fluxo da água. Ica sugeriu a construção de um canal, que teria um custo bem menor do que alterar a estrutura. Já Lucas apontou a limpeza de um matagal na rua Jacob Gerhardt, próximo à nascente do arroio. Há também o encontro dos arroios na rua Chapecó, um local que sempre ocorre alagamentos. Farias ressaltou que a Prefeitura está trabalhando. “Estamos no trecho entre as ruas Jaburu e Javari, próximo a RS 239, porque a limpeza das margens tem que ser feita no sentido da foz à nascente”. A grande preocupação dos parlamentares é que a questão seja resolvida logo, antes de se iniciar o período das chuvas. |2|


Jornal Câmara Notícias

Sessões voltam para Câmara: Plenarinho fica pronto A reforma do Legislativo hamburguense começou no dia 12 de dezembro, com o objetivo de garantir a acessibilidade a todos os cidadãos e a integridade do patrimônio público. As obras estruturais e adaptações das dependências da Câmara foram aprovadas por todos os vereadores

Desde o dia 2 de fevereiro, quando ocorreu o fim do recesso parlamentar, as sessões foram realizados no Centro Administrativo. Os primeiros encontros ocorreram no auditório do 10ª° andar. Em seguida, os vereadores passaram a utilizar uma sala da secretaria de Educação e Desporto, no 4ª° andar. Todas as sessões foram gravadas e veiculados pela TV Câmara, canal 16 da NET.

Após 13 sessões realizadas fora da sede do Legislativo hamburguense, os vereadores voltaram a apreciar os projetos de lei na Câmara Municipal, no dia 20 de março. As reuniões foram feitas provisoriamente no estúdio da TV Câmara, no 5ª andar, e voltaram a ser transmitidas ao vivo pelo canal 16 da NET.

No dia 29 de março, com a conclusão das obras no Plenarinho Pedro Thöen, as plenárias passaram a ocorrer nesse espaço. O próximo passo da reforma é a conclusão do hall de entrada do prédio da Câmara e de sua recepção. O Plenário segue em obras. É importante salientar que as sessões sempre foram abertas ao público. Ocorrem terças e quintas, a partir das 14h30min.

Prestação de Contas Comissão de Finanças convoca Executivo A Comissão de Finanças da Câmara convocou reunião para que o Executivo prestasse contas do quadrimestre (setembro/dezembro 2011), apresentando avaliação do cumprimento das metas fiscais. O encontro ocorreu no dia 28 de fevereiro. A apresentação do balanço ocorre conforme disposto no § 4° do artigo 9° da Lei Complementar nª° 101/2000 (Lei de Responsabilidade Fiscal). Mauro Batista Bittencourt, diretor de Contabilidade da Prefeitura, representou o secretário da Fazenda, Gilberto dos Reis. Segundo ele, na educação foram investidos 25,34%, e na saúde, 18,42%, sendo atingido, em ambas as áreas, o mínimo constitucional da Receita Corrente Líquida. O presidente da Comissão, Leonardo Hoff, juntamente aos demais integrantes – Sergio Hanich e Alex Rönnau –, acompanhou a prestação de contas. Também estiveram presentes Gilberto Koch, presidente da Câmara, Matias Martins e Carmen Ries.

Prefeito na Câmara Na sessão do dia 22 de março, o prefeito Tarcísio Zimmermann falou sobre a arrecadação e os investimentos realizados em 2011. De acordo com a Lei Orgânica Municipal, o Executivo precisa prestar contas do exercício do ano anterior dentro de 60 dias após o início do ano legislativo. Os vereadores fizeram diversas perguntas. Segundo Tarcísio, a receita de 2011 foi 17% maior do que em 2010. O principal motivo foi a municipalização da saúde, realizada no final de 2010. Desde então, o governo federal entrega ao Município as verbas para o pagamento dos prestadores de serviço do SUS. Além disso, houve aumento na arrecadação de ISS. E o prefeito apontou um significativo aumento nos investimentos: foram R$ 27 milhões em 2011. Em 2009, em contraste, não passaram de R$ 8,3 milhões. Mas nem todas as notícias foram boas: a dívida com o Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores Municipais (Ipasem) é de R$ 13 milhões, e o repasse de ICMS tem diminuído, resultado da perda de dinamismo econômico de NH.

Comissão participa de Fórum de educação ambiental A Comissão de Meio Ambiente, integrada pelos vereadores Luiz Carlos Schenlrte, Ito Luciano e Matias Martins, participou do VII Fórum Brasileiro de Educação Ambiental – Rumo à Rio+20 e às Sociedades Sustentáveis. O congresso foi realizado em Salvador, na Bahia, de 28 a 31 de março. A ampla programação construída nas dimensões ambiental, social, cultural e econômica, como formato de mesas redondas, fóruns, rodas

de conversa, painéis e oficinas, dentre outros, convergia para a produção de documentos que serão referência para atuação no campo socioambiental. Matias ficou surpreso com a adesão do público. “Éramos mais de três mil pessoas, ambientalistas, índios, educadores, políticos, discutindo sustentabilidade, respeito à natureza, a influência dos grandes conglomerados, a venda do maior bem que temos: a água”, contou. Ito relatou que todas as salas estavam lotadas, mas enfati-

zou que o Rio Grande do Sul mandou poucos representantes. “No mundo, 900 milhões de pessoas já não possuem acesso a água potável. Além disso, discutimos o descaso com as áreas de preservação.” Carlinhos concordou que o País precisa de leis mais rígidas e de uma fiscalização mais forte. O desmatamento da Amazônia foi um dos temas mais explorados, assim como o convívio humano com o meio ambiente, disse o vereador.

Aumento de pedágio A Câmara encaminhou ao presidente da Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos – Agergs uma moção de repúdio ao aumento da tarifa dos pedágios na RS-239. A iniciativa atende a um pedido da Associação dos Legislativos dos Vales do Sinos e Paranhana – Alsipa, entidade na qual Leonardo Hoff representa Novo Hamburgo. O vereador destacou que textos similares também foram aprovados em diversas cidades da região. A Moção nª 3/2012 foi assinada por Hoff, Sergio Hanich e Raul Cassel e contou com o voto favorável de todos os legisladores. De acordo com o texto, apesar da boa arrecadação, não há retorno visível dos recursos para os municípios cortados pela estrada. “A sinalização está em más condições, e a capina e o roçamento dos canteiros e laterais ocorrem de modo muito espaçado. Ainda se formam longas filas na praça do pedágio nos finais de semana e feriados.”

Frente Pró-Copa O Legislativo hamburguense esteve presente no Seminário Geral de Centros de Treinamentos de Seleções, representado pelo vereador Ricardo Ritter - Ica, presidente da Frente Parlamentar Pró-Copa. O evento foi realizado em Vitória, Espírito Santo, no dia 30 de março. O objetivo foi informar sobre o planejamento e os critérios de avaliação adotados em relação à estrutura que será exigida dos possíveis locais candidatos a centro de treinamento de seleções (CTS) durante a Copa do Mundo de 2014. “Entreguei ao diretor executivo de competições e operações, Ricardo Trade, um fôlder contendo informações sobre Novo Hamburgo”, disse Ica. A cidade do Vale dos Sinos concorre com outras 278 em todo o País. Segundo Ica, o número cairá em breve para 80/90. Todos os estados da federação e o Distrito Federal estiveram representados no seminário, que contou com mais de 600 inscritos.

|3|


Alex Rönnau

A sétima família a se instalar no vila Kipling, em Canudos, foi a do vereador Alex. Na época, a estrutura do local era muito precária. A cada inverno, quando ocorriam chuvas mais fortes, os moradores deixavam suas casas e eram levados para abrigos da Prefeitura. Carmen Ries

Moradora do Jardim Mauá, Carmen relembrou os tempos em que havia diversas vertentes no local. Outra recordação da vereadora era o alvoroço causado, principalmente pelas crianças, com a chegada dos ciganos que se instalavam no campo do Avenida. Gilberto Koch

Um padre chamado Afonso Schmitt deu origem ao nome do bairro Santo Afonso, hoje o segundo maior do Município. Criado no local, Betinho lembra que a vila se desenvolveu muito ao longo dos anos. A maior diversão da criançada, por volta dos anos 1960, era jogar bola no Esporte Clube Santo Afonso.

Jesus Maciel

Antonio Lucas

Natural de Santa Catarina, ele chegou a NH no final dos anos 80. O que mais lhe impressionou eram os carros de som oferecendo empregos, muitas vezes nas portas de outras fábricas, pois não havia mão de obra suficiente para atender a demanda do setor calçadista. Gerson Peteffi

Como médico do Município, Peteffi começou a trabalhar há mais de 25 anos no bairro Primavera. Na época, a infraestrutura era bastante precária. Para melhorar a situação, muitos moradores doaram recursos para canalização e pavimentação das ruas.

Novo Hamburgo: 85 Como moradores de Novo Hamburgo, os vereadores têm muitas recordações da cidade. Para comemorar os 85 anos, eles contam algumas histórias e lembranças do nosso Município. Também buscamos outros relatos para ilustrar a trajetória da nossa cidade nessas mais de oito décadas de emancipação

As lições da primeira hamburguense O primeiro a saber da notícia foi José J. Martins, ao anoitecer de 5 de abril de 1927. Uma de suas filhas saiu para avisar as outras famílias do então distrito de São Leopoldo. Não era uma tarefa tão complicada como parece, pois, naquela época, havia poucos habitantes. Pouco depois, às 20 horas, Martins leu em voz alta o decreto que viera de Porto Alegre. É assim que Nair Schimidt narra, 85 anos depois, a emancipação de Novo Hamburgo. Não que ela tenha testemunhado os fatos: só nasceu às 13 horas de 16 de abril de 1927, filha de Arno Artur e Maria Martha Schimidt. Seu registro é de 25 de abril, o que faz de Nair a primeira hamburguense – ao menos quando o assunto são documentos. O oficial do cartório era Carlos Diestenbach. Mas ela também tem deixado sua marca na história da cidade de outras formas. Como professora, por exemplo, ensinou matemática a mais de 2 mil alunos. Nair conta que sempre foi uma criança arteira, mas querida por todas as pessoas e muito boa em contas. Também fez diversos trabalhos comunitários, muitos ao lado de Irmã Valéria, da Paróquia São Luiz. Está há 16 anos na Pastoral da Saúde.

Ito Luciano

Apesar de ter sido registrado em Santo Antônio da Patrulha, Ito nasceu no bairro Liberdade, em NH. Ele lembra da época em que a avenida Sete de Setembro era uma estrada de barro vermelho. Tempos depois, transferiu-se para Canudos, na época em que se podia trocar um terreno por uma vaca.

Nascido em Santo Antônio da Patrulha, Jesus mudou-se em busca da prosperidade hamburguense, aclamada em todo o Estado. Ao chegar, chamou-lhe a atenção o exemplo de organização e trabalho demonstrado pelos imigrantes alemães que aqui residiam.

Como ficou viúva cedo, Nair criou sozinha suas duas filhas. Hoje, Maria Inês é uma médica reconhecida internacionalmente, e Sônia administra uma rede de laboratórios. Os netos estão formados, e a nova geração é representada pela bisneta de cinco anos. Toda a família é fã do Esporte Clube Novo Hamburgo, o Nóia – seu pai foi tesoureiro do clube por mais de 20 anos.

Nair pode não ter visto a emancipação, mas acompanhou todo o desenvolvimento da cidade. Ela lembra de quando a prosperidade das fábricas locais atraía trabalhadores, que se instalaram nos novos bairros. Com a sua experiência de cidadã, professora e mãe, deixa mais uma lição: é preciso trabalhar com amor.


5 anos de histórias

Leonardo Hoff

Luiz Carlos Schenlrte

Uma outra história de Novo Hamburgo

A história de uma cidade não é apenas aquela contada nos livros escolares. Também é aquela contada pelos nossos parentes e amigos. Por isso Henrique Schneider escreveu Avenida de Histórias. Lançado em 2009, com ilustrações de Diogo Fatturi, traz diversos contos que mostram um outro lado de Novo Hamburgo

CN - Como surgiu o livro? Henrique Schneider - Não surgiu como livro. A inspiração foi um anedotário da Rua da Praia. Saíram três volumes, contando historinhas bem- humoradas de Porto Alegre. Tinha um jornal aqui, a Folha de Novo Hamburgo, e me disseram para publicar nele. A partir disso, tínhamos esse material. Isso foi na década de 90. Em algum momento, eu e os demais colaboradores, falamos sobre a possibilidade de transformar essas historinhas num livro. E a gente se divertiu muito fazendo isso. Não vai sair o próximo, não tenho tempo. Mas acho que outra pessoa poderia fazer. Acho um desperdício essas histórias não serem recolhidas.

CN - Como chegou a elas? Henrique Schneider - Conversando com as pessoas. Novo Hamburgo é uma cidade muito séria, ri pouco de si mesma. No meio da macro-história, há várias historinhas pequenas. E muitos personagens de uma também são de outra. Um dos grandes personagens desse livro é meu pai (Nestor Fips Schneider), que teve um papel de destaque. Foi prefeito, deputado, presidente da Fenac.

CN - Teve algum problema para publicar essas histórias?

As casas da Cohaburgo, no Operário, e o antigo estádio do Esporte Clube Novo Hamburgo, na Vila Rosa, remetem à infância de Leonardo, em um tempo em que a cidade era mais tranquila e segura. A avenida Pedro Adams Filho, ainda de paralelepípedos, dava a Novo Hamburgo ares de município do interior. Matias Martins

Trabalhar e estudar. Esses foram os motivos que trouxeram Matias a Novo Hamburgo nos anos 1980. Ele lembra das centenas de trabalhadores chegando e saindo das fábricas, principalmente da Calçados Quilate e da Calçados Klaser, situadas nas proximidades da avenida 25 de Julho. Ricardo Ritter

Na década de 1960, a sensação de alguns domingos era as corridas de “baratinhas”. Crianças e adultos amontoavam-se nos barrancos da rodovia para ver os carros passarem em alta velocidade. Carlinhos lembra ainda de quando ele e os amigos podiam nadar no arroio Luiz Rau. Raul Cassel

São muitas as recordações da infância vivida no bairro Rio Branco, em uma época em que as crianças andavam por toda a cidade de bicicleta. Cassel lembra dos comerciantes que chegavam a todo momento nas proximidades da rodoviária, dos famosos desfiles de Sete de Setembro e das compras no mercado Samas, um dos maiores da cidade. Sergio Hanich

Henrique Schneider - Quando a gente foi para a publicação, só entraram as que foram autorizadas. Teve três ou quatro pessoas que não autorizaram. Não sei o porquê. Considero essas historinhas uma espécie de homenagem bem-humorada.

CN - Qual o teu causo preferido? Henrique Schneider - Gosto muito de O Sucesso do Comício, no qual meu pai é a vítima. É que ele aplicava brincadeira em todo mundo. E conseguiu sair da política com mais amigos do que entrou. Quando me contaram essa história, parecia piada. Em 78, meu pai era prefeito em Campo Bom e se licenciou para ser coordenador de campanha de um industrial da região para deputado federal. Foi coordenador de um comício em Pelotas que foi um sucesso. No domingo, estava no Café Avenida contando a história. Brincou que os mais conhecidos devem dar força aos menos conhecidos. Então um homem, o Barito, falou: “Mas isso sempre é assim. O dono do circo ninguém conhece. Mas o palhaço todo mundo sabe quem é”. Quando contei para meu pai para ver se era verdade, ele aproveitou e me contou mais duas do Barito.

CN - Com Novo Hamburgo ficando maior, ainda há espaço para esse tipo de história? Henrique Schneider - Acho que o espaço diminui, pelo crescimento da cidade e pela outra forma de vida. Hoje, a vida é muito rápida, o espaço para se armar uma brincadeira quase não existe. Mas elas continuam acontecendo – mas cada vez menos percebidas, vistas pela gente. A repercussão também é menor.

Ica lembra das muitas olarias que existiam no Rondônia. Como a área verde era bastante grande, eles precisavam utilizar trilhas para chegar até o Aeroclube, onde assistiam, especialmente aos domingos, aos saltos de paraquedas.

A construção do Kephas, no início dos anos 1980, marcou a vida de Volnei. Recém- ingresso no serviço público, ele lembra que foram 418 famílias contempladas, e todas as casas foram feitas por meio de mutirões. Aos finais de semana, o local lembrava um formigueiro com centenas de trabalhadores atuando juntos.

Canudos era uma localidade cercada de mato quando Serjão chegou em Novo Hamburgo ainda garoto. Trabalhou como garçom, em fábrica de calçados, mas queria mesmo era ser motorista. Aqui, realizou esse sonho, atuando em uma cidade onde o trânsito ainda era tranquilo. Volnei Campagnoni

Saiba mais sobre a história de Novo Hamburgo no blog do jornal: jornalcamaranoticias.blogspot.com


Jornal da Câmara Municipal de NH/Março-Abril de 2012

Anita de Oliveira retorna ao Legislativo Alex Rönnau despede-se da vereança Alex Rönnau desempenhou a vereança ao longo dos três últimos anos. Eleito suplente nas eleições de 2008, ele assumiu a vaga da vereadora Anita Lucas de Oliveira, licenciada para ocupar o cargo de secretária da Cultura. Ao 35 anos, recém -completados, foi o parlamentar mais jovem da 15º Legislatura, tendo como foco do seu mandato o voluntariado e a economia solidária. Em 2010, foi 1ª secretário da Mesa Diretora e líder de bancada. Oriundo do bairro Canudos, atuou na Câmara com dedicação plena ao mandato, criando o gabinete móvel para atender a comunidade. Participou das comissões de Educação, de Direitos Humanos e Cidadania, além das frentes parlamentares em Defesa da Criança e do Adolescente e em Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa. Entre seus principais projetos destacam-se o que cria o banco de prótese mamária, o que determina a instalação de banheiros químicos adaptados

para deficientes e a proposta de fechamento dos mercados aos domingos. Segundo Alex, ser vereador foi uma experiência marcante em sua vida. No Legislativo, enfrentou as dificuldades inerentes ao mandato, em especial no que diz respeito à elaboração de projetos. “Foi minha primeira incursão na política, e, como a maioria das pessoas, não entendia as restrições da atividade parlamentar”, ressaltou, citando o fato dos vereadores não poderem apresentar propostas que gerem custos ao Executivo. “Nesse período, desenvolvi um outro olhar sobre a cidade e aprendi a dar muito mais valor à relação do povo com seus representantes.” No dia 10 de abril, Anita reassumiu a vereança. Ao ocupar a tribuna, agradeceu a receptividade dos colegas. Em seu discurso, ela colocou o gabinete à disposição da comunidade, no 4ª andar do Legislativo, sala 404.

Servidores terão reajuste de 6,5% Em votação polêmica, com manifestação de sindicalistas, vereadores aprovaram reajuste do funcionalismo. Servidores do Legislativo terão mesmo índice No início de abril, os vereadores aprovaram uma série de projetos relacionados aos vencimentos dos servidores municipais. O que mais gerou polêmica foi o que concede reajuste de 6,5% aos trabalhadores do Poder Executivo – sendo que 5,2% representam recuperação de perdas e 1,3%, aumento real. Sindicalistas vieram à Câmara falar sobre a insatisfação da categoria com esse número. Porém, como este é um ano eleitoral, seria concedido apenas o percentual equivalente à inflação caso nenhum outro aumento fosse publicado ainda na primeira semana do mês. Por causa desse prazo, inclusive, foi realizada uma sessão extraordinária para aprovação dessa matéria após o pedido de vista de um dia, período

no qual os servidores tentaram uma nova negociação.

favoráveis de todos os parlamentares a proposta que inclui no cálculo de aposentadoria benefícios como ADP e risco de vida, desde que recebidos por, no mínimo, 10 anos consecutivos ou 15 intercalados.

Outras propostas Também foram aprovados projetos que tratam do prêmio concedido a alguns agentes da Comusa e do aumento do vale-alimentação. E foi decidido que os servidores do Poder Legislativo também receberão 6,5% de reajuste e os vereadores, 5,2%.

ADP e risco de vida Contudo, outras reivindicações do funcionalismo foram atendidas. Os vereadores aprovaram a criação do Adicional de Dedicação Plena para coordenador pedagógico ou orientador educacional e a gratificação de risco de vida equivalente a 40% do vencimento padrão para os guardas municipais (até então, era de 30%). Além disso, recebeu votos

Câmara: referência entre Legislativos A Câmara de Novo Hamburgo é referência nos serviços prestados. Em 2012, recebeu a visita de duas comitivas. Os grupos vieram verificar o funcionamento de aplicativos e conferir a estrutura da Casa, que está em reforma desde dezembro de 2011. No dia 13 de março, a assistente administrativa Maristela Guareschi e o operador de mídia Daniel Mazon da Silva, servidores da Câmara de Erechim, vieram a Novo Hamburgo para conhecer o funcionamento do Sistema de Apoio ao Processo Legislativo (SAPL). Maristela disse que conheceu o programa, desenvolvido e oferecido gratuitamente pelo Interlegis, quando participou de uma atividade do Gespública na cidade. “Achei muito interessante, e todo mundo fala bem”, salientou. Em 24 de fevereiro, o presidente da Câmara Municipal de Novo Hamburgo, Gilberto Koch, recebeu a vereadora Jussara Carpes, vice-presidente do Legislativo de Bagé, e o coordenador da TV Câmara de Bagé, Gladimir Aguzzi. Durante o encontro, foi debatido o funcionamento da TV hamburguense, uma das pioneiras do Estado. Foi abordada também a experiência da emissora nas transmissões de 2008, durante o período eleitoral.

Assembleia faz homenagem a NH O presidente Gilberto Koch representou a Câmara, no dia 10 de abril, na Assembleia Legislativa, onde foi realizada uma homenagem a Novo Hamburgo, que completou 85 anos de emancipação político-administrativa no último dia 5. O proponente foi o deputado Luís Lauermann. Betinho fez parte da Mesa Diretora ao lado do prefeito Tarcísio Zimmermann, do reitor da Feevale, Ramon Fernando da Cunha, e do presidente do Grupo Editorial Sinos, Carlos Eduardo Gusmão, entre outras autoridades. Um quinteto de metais da Orquestra de Sopros tocou o hino da cidade. Lauermann destacou as conquistas de Novo Hamburgo ao longo dos anos e a sua importância econômica na região. Betinho lembrou que o Legislativo acompanha a trajetória da cidade desde sua emancipação. Ele destacou, ainda, que se orgulha de ser presidente da Câmara neste momento histórico.

A ampliação do percentual da gratificação de risco de vida foi o motivo que trouxe um grupo da Guarda Municipal à reunião dos líderes de bancada no dia 15 de março. O valor recebido era de 30%, diferente das demais cidades da região, em que o percentual chega a 60%. |6|


Jornal Câmara Notícias

SEGURANÇA: Inaugurada nova Central de Polícia

Desde 22 de março, quando foi inaugurada, a nova Central de Polícia tem beneficiado os hamburguenses com a melhoria dos serviços de segurança oferecidos pelo Estado. O prédio, antiga sede da Prefeitura cedido pelo Município, abriga as 1º e 2º Delegacias, a Delegacia para a Mulher e a Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA). Todos os vereadores participaram do ato, que contou também com as presenças do prefeito Tarcísio Zimmermann, do secretário de Segurança Pública, Airton Michels, do Chefe de Polícia, delegado Ranolfo Vieira Júnior, da ex-governadora Yeda Crusius, que liberou a verba durante o seu governo, entre outras autoridades. A nova Central de Polícia está localizada na rua Júlio de Castilhos, 806, em frente à Praça da Bandeira, próximo ao Palácio 5 de Abril.

Quem sofreu mastectomia tem direito a prótese Este ano, foi publicada a Lei Municipal nª 2.409/2012, que institui em Novo Hamburgo o Banco de Prótese Mamária. Vinculado à secretaria municipal de Saúde, deve disponibilizar próteses de silicone para as pacientes que necessitam da cirurgia reparadora devido ao tratamento contra o câncer, em especial após mastectomia parcial (quadrantectomia) ou de mastectomia total. Apenas mulheres que tiveram seus casos encaminhados através do Sistema Único de Saúde (SUS) têm direito ao material. Além disso, serão priorizadas as situações de necessidade constatadas a partir de análise socioeconômica. Doações O Poder Executivo poderá fornecer número de conta em agência bancária pública para depósitos vinculados ao Banco Municipal de Prótese Mamária. Também poderá estimular campanhas voluntárias junto a entidades de classe, associações comunitárias e ONGs, em especial, para receber doações de pessoas físicas e jurídicas. Autor A iniciativa é do parlamentar Alex Rönnau, autor do Projeto de Lei nª 110/2011 – aprovado por todos os vereadores. Ele lembrou que lei federais já garantem às mulheres a realização gratuita do procedimento para retirada do tumor e a cirurgia plástica reparadora. Mas a disponibilização de próteses ainda não é uma realidade.

Projetos dão nome a escolas A Escola Municipal de Educação Infantil do bairro São José/Kephas será chamada de Zuleika Mariza Kunz. A proposta de Antonio Lucas foi aprovada por unanimidade. Segundo o vereador, Zuleika sempre levou a cabo seu compromisso em fazer da educação um meio de inserção social. “Escutava a todos – pais, alunos, funcionários e professores”, explicou o autor da homenagem. Outra matéria, de autoria de Leonardo Hoff, dá o nome de Paulo Sérgio Gusmão à Escola Municipal de Educação Infantil do bairro Jardim Mauá. As obras do prédio que abrigará a instituição foram lançadas em dezembro e devem ser concluídas até o final do ano. Gusmão foi jornalista e, em 1960, criou o Jornal NH. Além disso, desenvolveu inúmeros projetos comunitários.

O presidente da ONG Pró-vítima, suplente de vereador Jorge Luz, lembrou a luta para viabilizar a obra, relatando que o projeto teve início em 2007. “É o resultado de esforços do Estado e da comunidade. Tivemos o respaldo da população. Nossa resposta será dada com mais eficiência no combate ao crime”, ressaltou o comissário de polícia. Ele também agradeceu o apoio da Câmara que por duas vezes indicou que parte do seu orçamento fosse destinado ao empreendimento. Antes da solenidade, o chefe de Polícia, Ranolfo Vieira Júnior, entregou uma das chaves das seis viaturas que serão utilizadas por delegacias de

Novo Hamburgo e São Leopoldo. Ranolfo informou que hoje existem 800 alunos em formação na Escola de Polícia, que estarão aptos a integrar a corporação no segundo semestre deste ano. Ele garantiu que o Vale dos Sinos irá receber um aporte considerável de agentes. A nova Central de Polícia tem 140 metros de área construída, com gerador de energia e sistema de climatização. Há uma entrada específica para os presos, para que eles não tenham que passar pelas vítimas e testemunhas. O presidente Gilberto Koch afirmou que isso beneficia toda a população, que agora tem um série de

serviços em um espaço amplo e de fácil acesso. O presidente da Comissão de Segurança, Volnei Campagnoni, parabenizou o esforço do comissário Luz, um dos grandes responsáveis por levar o projeto adiante.

Presidente Betinho e outras autoridades fazem o lançamento oficial do novo espaço

Mudança de data da Fimec agrada expositores Os empresários do setor de máquinas e coureiro-calçadista podem se programar. Em 2013, a Feira Internacional de Couros, Produtos Químicos, Componentes, Máquinas e Equipamentos para Calçados e Curtumes (Fimec) também será em março, de 12 a 15. Até 2011, o evento ocorria em abril, mas por demanda dos expositores, a atividade foi antecipada em 2012, tendo início em 20 e se encerrando em 23 março. A mudança da data da 36º edição da Fimec foi um sucesso, avalia o diretor-presidente da Fenac, Elivir Desiam. Segundo ele, permitiu que materiais e lançamentos apresentados já possam ser utilizados na próxima estação. Apesar do clima de cautela, o balanço final foi positivo. A expectativa da Assintecal (Associação Brasileira das Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos) é de alta de 5% a 10% em vendas no mercado interno. Conforme a ACI-NH/CB/EV, associados projetam crescimento de 15% a 20% nos negócios este ano.

Representantes dos governos federal, estadual e municipal se fizeram presentes na abertura do evento. Além do ministro interino do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Alessandro Teixeira, do governador Tarso Genro, e do prefeito Tarcísio Zimmermann, compareceram Gilberto Koch, presidente do Legislativo, Ricardo Ritter-Ica, vice, Matias Martins, Raul Cassel, Ito Luciano, Jesus Maciel e os integrantes da Frente Parlamentar em Defesa do Setor Calçadista: Antonio Lucas, Sergio Hanich – Serjão, Volnei Campagnoni e Leonardo Hoff. Para Betinho, em cada edição, percebe-se o crescimento da automação no processo produtivo. Por isso, de acor-

do com ele, deve haver investimento em novas tecnologias. Em 15 de março, os vereadores aprovaram até R$ 1,33 milhão para empresas calçadista participarem de grandes feiras fora do Município. A proposta do Executivo prevê que vão ser selecionadas as empresas locais que participarem do edital de seleção e preencherem os requisitos exigidos. As empresas escolhidas vão ter que fazer ações de contrapartida. |7|


Jornal da Câmara Municipal de NH/Março-Abril de 2012

Moradores pedem mais segurança na Vila Kunz

A Comissão de Segurança, integrada por Jesus Maciel, Sergio Hanich e Volnei Campagnoni, promoveu audiência pública na Vila Kunz, em Canudos, para debater a criminalidade. Os vereadores haviam sido procurados por representantes da comunidade, preocupados com o alto índice de assaltos a comércios e residências. A reunião aconteceu na Escola Municipal Presidente Castelo Branco. Também estavam presentes o presidente da Câmara, Gilberto Koch, e os vereadores Luiz Carlos Schenlrte, Ito Luciano e Alex Rönnau. O diretor da Promotoria, José Nilton Costa de Souza, destacou que a sensação de insegurança tem raízes em todas as esferas de poder. “A cada ano, parece haver uma liberalização da lei penal.” O delegado Aírton Martins, titular da 3º DP, destacou que a crise da família e o uso de drogas são fatores que devem ser levados em consideração. Ele

também apontou falhas no sistema jurídico brasileiro. “Não existe ressocialização de quem é preso.” O secretário executivo do Gabinete de Gestão Integrada Municipal, Mauro José da Silva, afirmou que o trabalho em conjunto dos diversos órgãos ligados à segurança tem possibilitado a realização de várias ações. Ele destacou ainda o papel da prevenção através do resgate social. O secretário municipal de Segurança, Danilo de Oliveira, falou que ouvir as demandas ajuda a traçar alternativas. O capitão Wagner Wasenkeske, do comando da Brigada Militar, sugeriu que fossem realizados mais debates.

Resoluções O secretário de Segurança garantiu que a Guarda Municipal estará mais presente nas proximidades da escola. Jesus disse que as reivindicações feitas serão repassadas a todas as autoridades competentes. Betinho frisou que, sempre que a comunidade chamar, o Poder Legislativo vai estar presente. Para concluir, divulgou o Disque-denúncia: 181.

Vereadores questionam situação da saúde no Município No dia 5 de abril, a secretária de Saúde Clarita de Souza participou da sessão para fazer um balanço dos últimos três anos. Ela apresentou os números relativos ao período e respondeu a perguntas dos vereadores. Neste mês, Clarita deixou a pasta, que foi assumida por Florizeu Campos, ex-diretor da Saúde. Segundo a secretária, a substituição dos 1.225 trabalhadores terceirizados foi um dos maiores desafios enfrentados no período em que comandou a pasta. Também foi assumida a gestão plena e implantada a estratégia de saúde da família.

Questionamentos Daniel Schokal perguntou sobre o estado de conservação das ambulâncias e se haverá médicos para atender aos pacientes quando as obras no hospital estiverem prontas. Clarita disse que as ambulâncias estavam em mau estado, mas que os problemas já foram solucionados. Os novos leitos irão substituir as macas que estão sendo utilizadas – ou seja, não será ampliada a capacidade. Júlio Anápio, suplente que estava no lugar de Leonardo Hoff, disse ouvir reclamações de demora no atendimento. Sergio Hanich destacou a impossibilidade de se realizar cirurgias eletivas e certos exames em NH. Volnei Campagnoni

perguntou se haverá mutirão de traumatologia, disse que o Samu está sendo mal-administrado e que a comunidade não entende ainda a distribuição de funções entre a unidade básica da Vila Iguaçu e as equipes de saúde da família. Matias Martins sugeriu que a secretaria de Saúde tenha sede própria. Clarita explicou que a saúde da família é voltada, principalmente, ao atendimento de diabéticos, hipertensos e grávidas. Sobre o Samu, disse que a administração é determinada pelo Ministério da Saúde e pela secretaria estadual. Ela explicou que as cirurgias eletivas não ocorrem por falta de vagas no hospital. Como a principal demanda são procedimentos de varizes e vesícula, deverá ser feito um mutirão com foco nesses casos. Ricardo Ritter – Ica disse que há também uma grande necessidade de cirurgias para pedras nos rins, e pediu que fossem incluídas no mutirão.

Comunitária: parlamentares ouvem demandas da população Uma das principais ferramentas do Legislativo para conhecer as reivindicações da população são as sessões comunitárias. No dia 4 de abril, ocorreu um encontro na Escola Municipal Tancredo Neves, em Canudos. Os moradores fizeram uma série de apelos aos parlamentares: implantação do Distrito Industrial, mais médicos nos postos de saúde e na Unidade de Pronto Atendimento do bairro, uma linha de ônibus que ligue a Marisol ao Hospital Regina, no bairro Hamburgo Velho, e uma quadra de esportes para atender os jovens da Vila Getúlio Vargas. Compareceram o presidente do Legislativo, Gilberto Koch – Betinho, e os vereadores Vol-

TV Câmara completa 16 anos No dia 11 de abril, a TV Câmara de Novo Hamburgo completou 16 anos. Em 1996, após a regulamentação da Lei Federal nª 9877/95, as sessões plenárias da Câmara passaram a ser gravadas e retransmitidas pelo Canal 16 da NET, compartilhado com a Assembleia Legislativa. Para marcar a data, a emissora está reprisando 16 programas que resgatam a história do Município e de seus principais personagens.

O primeiro a ser veiculado foi sobre uma companhia de teatro que fez história em Novo Hamburgo. A TV Câmara também está exibindo um especial sobre os 85 anos de Novo Hamburgo, com depoimento dos vereadores. Se você perdeu a exibição de algum programa, é possível assisti-lo no YouTube: www.youtube.com/ TVCamaraNH.

nei Campagnoni, Alex Rönnau, Sergio Hanich – Serjão e Jesus Maciel. A atividade foi organizada pelo líder comunitário e vereador suplente, Pedrinho de Oliveira. O documento com os apelos dos moradores será discutido e votado em sessão ordinária. Betinho destacou que a comunidade não vai ficar sem resposta e que todas as reivindicações serão repassadas ao Poder Executivo. Ele lembrou ainda que várias obras estão em andamento. Na abertura da atividade, a diretora da instituição de ensino, Geane Schuch Martins, destacou a importância da sessão itinerante. “É um marco para a nossa escola, que vai completar em agosto 25 anos de história”, arrematou.

Câmara Notícias 25ª edição  

Jornal da Câmara Municipal de Novo Hamburgo

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you