Issuu on Google+

As mulheres do MST: Conheça a produção, organização e a luta

su eSP E p In lem CIA fa e l! n nt ti l o

{pág 16}

2ª quinzena de novembro de 2010 Edição Nº 5

R$ 0,50 solidário: R$ 1,00

Acampamento Zumbi dos Palmares completa dois anos de muita luta {pág 20}

Ato na Prefeitura de Sumaré exige solução para a Flaskô {pág 12}

Empresa de ônibus desrespeita passageiros {pág 04}

Indústrias de armas financiam eleição de deputados {pág 05} Três operários morrem em empresa de Paulínia {pág 09} Saiba como acompanhar o orçamento de sua cidade {pág 03} WWW.FABRICASOCUPADAS.ORG.BR


02

/opinião

A crise continua nos bastidores Assine

Queremos que o nosso jornal seja também seu, que ele seja NOSSO. Por isso convidamos você leitor a participar. Pretendemos que esse jornal seja quinzenal, por isso sua ajuda é muito importante. Assine o jornal Atenção. Procure um de nossos colaboradores ou entre em contato pelo e-mail jornal@fabricasocupadas.org.br

“Somos o que fazemos, mas somos, principalmente, o que fazemos para mudar o que somos.” Eduardo Galeano

Banco Panamericano. É o banco do Silvio Santos. Há mais de um ano atrás para não quebrar a Caixa Econômica Federal comprou 36% das ações. Hoje as ações caíram mais de 50% e o banco está para quebrar. Tudo foi preparado pelo estado para ajudar o Silvio. E mais dinheiro se prepara para ajudá-lo. Agora são 2,5 bilhões. SBT, a crise não poderia deixar de afetar o canal. Que já anunciou demissões, terceirizações e fechamento do canal em algumas regiões do país. Há dois anos o movimento das fábricas ocupadas anunciava a necessidade de se estatizar o Banco Panamericano. E colocá-lo sob o controle dos trabalhadores. Pois a

gestão privado do Silvio tinha já mostrado seu papel. Todo o sistema privado de TV no país há décadas demonstra que não serve efetivamente para informar o povo trabalhador e nem educar nossas crianças. Esta seria a hora de se estatizar o canal e colocá-lo sob o controle dos trabalhadores, dos movimentos populares e sindicais. Para organizar a comunicação para o povo. O Jornal Atenção continua atento para informar as trabalhadoras e aos trabalhadores o que possa ajudar a avançar. E sabemos que este caminho passa pela luta. E por nos afastarmos das alianças com patrões e fazendeiros que há séculos governa nosso país.

TV Flaskô O comitê de mobilização da Flaskô está constituindo uma TV na Internet. Com notícias diárias sobre o movimento das fábricas e outras. Acompanhem no site: www.fabricasocupadas.org.br

Preço do rango O preço dos alimentos tem subido em todo o mundo. Para nós brasileiros é um verdadeiro absurso, pois temos muita carne e o preço sobe, temos muitos grãos e o preço sobe. Temos até gasolina e o présal e o preço sobe.

Jornal Atenção – Publicação da Associação Centro de Memória Operária e Popular - Tiragem: 5.000 exemplares Edição Coletiva Redação: Carolina Chmielewski, Josiane Lombardi, Alexandre Mandl, Fernando Martins, Bruno Rampone, Luciano Claudino, Ana Elisa, João da Silva, Luana Raposo, Batata, Pedro Santinho, Letícia Teixeira Mendonça, Cristina Alvares, Rafaela Camargo, Daniela Morais e Fátima da Silva.. Colaboração: Coletivo Comunicadores Populares, Carlos Latuff, Coletivo Miséria, MTST Acampamento Zumbi dos Palmares, MST Regional Campinas, Grupo de Teatro Cassandras, Trabalhadores Fábrica Ocupada Flaskô, Universidade Popular e Comitê pelo direito de Lutar. Fotografias: Neander Heringer, Fernando Martins, João da Silva, Luciano Claudino, Mauricio Azevedo, Nelson (Inveval) e Filipi Jordão Jesus - Telefone: (19) 3854 7798 / 3832 8831 / 3864 2624 - contato@fabricasocupadas.org.br - fabricasocupadas.org.br


/cidades 03

Orçamento: O que você tem com isso? que a saúde vai piorar. Se o governo não pretende gastar mais com educação, é porque a educação vai piorar. E podemos assim nos preparar para lutar. Oficialmente, o governo gastou, até 2008, 30,57% do orçamento com juros e amortizações da dívida pública (R$ 282 bilhões). Ao lado, um gráfico que mostra o drama da divisão do orçamento em 2008.

O que é o Orçamento? Todo ano, tanto as prefeituras, como os governos estaduais e o governo Federal precisam aprovar a lei orçamentária. Mas o que é isto? É uma lei na qual se prevê tudo que entrará de dinheiro dos impostos. A partir disto se calcula uma previsão de gastos para o governo. Nesta lei se aprova

quanto será investido em educação, em saúde, em reforma agrária, em novos investimentos. Enfim, todos os gastos. Por isso é fundamental a pressão sobre os prefeitos, governadores e o governo federal, pois com a aprovação da Lei saberemos o que será feito no próximo ano.

Transferência a Estados e Municípios 13,61% Previdêncial Social 27,84% Juros e amortizações da dívida 30,57%

0,05% 0,02% 5,13% 0,51% 1,92% 0,46% 1,40% 0,59% 2,01% 0,20% 3,08% 0,51% 0,04% 0,14% 0,17% 0,27% 0,79%

Saúde Trabalho Educação Direitos da Cidadania Cultura Urbanismo Habitação Saneamento Gestão Ambiental Ciência e Tecnologia

4,81% 2,38% 2,57% 0,10% 0,06% 0,12% 0,02% 0,05% 0,16% 0,43%

Orçamento de Campinas será votado em dezembro A Lei Orçamentária Anual (LOA) de Campinas, que define o orçamento municipal para o ano seguinte, será votada até o final de dezembro. Essa votação definirá o quanto de verba será repassado para as áreas de saúde (postos de saúde, hospitais), educação (escolas,

creches), cultura (espaços culturais e artísticos, teatros, museus), melhorias dos bairros, entre outras áreas. Na cidade de Campinas, o documento com a proposta do Prefeito Dr. Hélio foi encaminhado à Câmara no dia 30 de setembro e entrará em votação até o final do

ano. O que quase ninguém sabe, no entanto, é que nós podemos reivindicar verbas para as áreas que consideramos mais importantes. No dia da votação, os vereadores propõem emendas orçamentárias, com sugestões de mudanças na proposta do

Prefeito. A população também pode sugerir uma emenda popular ou procurar algum vereador antes da votação ocorrer. Todas as votações da Câmara dos Vereadores são abertas à população. Fique ligado na votação da Lei Orçamentária Anual de sua cidade e participe.

Se você tem uma reclamação envie para nosso jornal. Email: jornal@ fabricasocupadas.org.br ou telefone (19) 3854-7798

Vamos iniciar uma série durante algumas edições sobre o orçamento dos governos. Pretendemos apresentar os casos das situações das cidades de Sumaré, Campinas e dos governos do Estado e Federal. Isto é fundamental para entendermos pelo que e como lutarmos. Assim já sabemos o que vai acontecer. Se o prefeito e os vereadores em novembro não estão prevendo gastar mais em saúde, é por

Energia Desporto Lazer Encargos Especiais Legislativa Judiciária Essencial à justiça Administração Segurança Pública Defesa Nacional Relaçoes Exteriores Assistência Social Transporte Comunicações Comércio e Serviços Indústria Organizaçao Agrária Agricultura


04 /cidades PONTE NOVA EUROPA X PARQUE BANDEIRANTES

Prefeitura de Hortolândia diz que atraso é culpa do governo do Estado

O Jornal Atenção procurou a prefeitura de Hortolândia pra saber sobre a construção da ponte entre o Parque Bandeirantes (Sumaré) e o Nova Europa (Hortolândia). A assessoria de imprensa da Prefeitura de Hortolândia nos informou que a culpa

Viação Ouro Verde não respeita passageiros

Manifestação contra demora dos ônibus em Goiás

Os passageiros da Viação Ouro Verde andam insatisfeitos com o serviço da empresa. Uma das reclamações é sobre a forma como

Moradores do bairro continuam esperando

do atraso é do governo estadual, do PSDB. A prefeitura (PT) falou que se o Estado demorar com o projeto, vai entrar com pedido junto ao governo federal (Lula/Dilma). Nesse conflito entre prefeitura, governo estadual e federal quem leva a pior é a população.

os idosos são tratados. Mesmo que tenha banco vazio atrás com a inscrição “acento reservado para gestantes, deficientes e idosos”,

O jornal Atenção também conversou com moradores do Parque Bandeirantes e do Nova Europa. Abaixo alguns depoimentos: “Não aguento mais subir isso aqui todo dia”,

Veículos insuficientes Além do desrespeito, a empresa Ouro Verde não disponibiliza veículos suficientes para transportar a população: “Quando quebra um ônibus eles não mandam outro no lugar e você tem que ficar esperando o próximo, o que significa esperar mais 1 hora e meia.” reclama uma senhora que mora em Sumaré.

eles são obrigados a ficar em pé, espremidos, na parte da frente. Questionada sobre esses fatos, a empresa Ouro Verde respondeu ao Jornal Atenção que a lei não permite que os idosos sentem nos bancos de trás, uma vez que, se houver algum acidente, é mais fácil retirar as pessoas da parte da frente.

O que podemos fazer diante dessa situação? A verdade é que a Ouro Verde, como empresa privada, não está tão preocupada com os passageiros do transporte público, mas, sim, com o seu

nos contou uma senhora de mais de 70 anos. “Eles tão prometendo que vão construir essa ponte há muito tempo e nada”, falou um vendedor da região. “Eu acho que a única forma da gente conseguir a construção da ponte é se organizando e ir bater panela lá na prefeitura”, nos falou um jovem de Hortolândia.

lucro. É bom lembrar que as empresas de transporte recebem permissão do Estado e cabe ao Poder Público fiscalizar esse serviço. Por isso, podemos e devemos cobrar o

Poder Público. Uma boa opção é organizar um abaixo-assinado e mobilizar a população que depende dessa linha, e, ainda, buscar a Defensoria Pública, que tem um serviço especializado em proteção ao idoso. A defensoria funcio-

na na cidade judiciária de Campinas, na Rua Francisco Xavier de Arruda Camargo, 300, Jardim Santana. Assine o abaixo assinado na Flaskô. Para maiores informações, ligue para 3832-8831


/brasil

05

Deputados se elegeram com dinheiro das armas

7

Fabricantes de armas e munições declararam à Justiça EleitoDeputados ral ter doado mais de 1 receberam milhão e meio de dódinheiro da lares a deputados. indústria bélica. O dinheiro finanSomente um não ciou congressistas da foi eleito em 2010. chamada bancada da bala. Esses deputados Os três políticos atuam no congresso o que mais recebetempo todo defendendo a indústria de armas ram recursos foram

reeleitos. São eles os deputados Onyx Lorenzoni(DEM-RS), Sandro Mabel(PRGO) e Abelardo Lupion (DEM-PR). Todos eles receberam dinheiro da Taurus e da Aniam (Associação Nacional de Armas e Munições), que reúne Taurus e CBC (Companhia Brasilei-

ra de Cartuchos). Outros políticos financiados pelas armas foram a senadora eleita Ana Amélia Lemos (PP-RS), os deputados federais Paes de Lira (PTC) e Vicentinho (PT) e o estadual Fernando Capez (PSDB). Desses, só Lira não conseguiu se reeleger.

Diretora de escola é deposta na Zona Sul de São Paulo Pais, mães, alunos, professores e outros funcionários da Escola Estadual Joaquim Álvares Cruz, localizada no bairro de Parelheiros, Zona Sul de São Paulo, se organizaram contra os abusos da direção da escola. Essa direção cometeu vários absurdos. Chegou a permitir que um

aluno fosse interrogado por um policial em uma sala de aula a portas fechadas. A comunidade se organizou, juntou forças e conseguiu depor a gestora autoritária. Eis aí uma demonstração do que pode ser o Poder Popular no contexto de uma comunidade escolar.

Famílias Sem Terra sofrem despejo em Macaé

Comunidade se organiza contra direção de escola pública na Zona Sul de São Paulo

cumprir com sua função social e ambiental. No dia 1º de setembro, a fazenda foi decretada de interesse social para fins de Reforma Agrária. Mesmo assim, o No dia 17 de novembro, a Polícia Fe- 400 famílias Sem Terra no último dia proprietário pediu a reintegração de deral deu início ao despejo do acampa- 7 de setembro, tem 1600 hectares e foi posse. Desde a ocupação, ruralistas e mento Osvaldo de Oliveira, na fazenda considerado improdutivo pelo Institu- latifundiários da região aliados a parte Bom Jardim, em Macaé (RJ). to Nacional de Colonização e Reforma do Judiciário local vêm se organizando O latifúndio, que foi ocupado por Agrária (Incra) ainda em 2006, por não para a realização do despejo.

As famílias denunciam que o proprietário da fazenda não respeita a legislação ambiental. A área de Reserva Legal não estava registrada no Ibama e as áreas de proteção permanente também não estavam protegidas. O MST propõe criar na área um assentamento com princípios agroecológicos e de forma cooperada. fonte: www.mst.org.br


06

/mundo

França: Trabalhadores vão as ruas

A faixa diz: “Aposentadoria. Em greve até aposentarmos!”

O presidente da França, Nicolás Sarkozy, resolveu aumentar o tempo necessário para os trabalhadores se aposentarem de 60 para 62 anos. Isso faz parte do plano de go-

verno de tirar dinheiro e direitos dos trabalhadores para ajudar os empresários, que estão cada vez mais endividados. Neste caso, é a Reforma da Previdência que está em quesFoto: SWER

Imigrantes lutam pelo fim da deportação de jovens

tão. Os trabalhadores sabem que isto faz parte do plano de ajudar as irresponsabilidades dos empresários, que só querem aumentar os lucros e não se preocu-

Juventude luta nos EUA.

pam com a qualidade de vida dos cidadãos franceses. Por conta disso foram às ruas e “fecharam” a França em protesto. Fecharam quase todas as estradas de acesso a Paris.

da deportação de jovens. Nos dois primeiros anos do governo Pouco se houve fa- Obama nada mudou. lar da juventude nos E o Senado tem se reEUA. Mas o ano de cusado a votar uma lei 2010 começou no EUA que torna os estudantes com uma marcha de Universitários, que es2.580Km organizada tão há mais de 5 anos pelo Movimento Estu- no pais cidadãos amedantil. O principal pon- ricanos. O que acontece hoje to na pauta foi o fim

Mulher é morta por injeção letal nos EUA

Quem aparece na foto é a americana Teresa Lewis, de 41 anos, acusada de conspirar para matar o marido e o enteado. Foi morta por injeção letal em 23/09. A 12ª vez que uma mulher foi executada nos EUA. No mesmo período morreram 1.215 homens. Lewis tinha um Q.I. de 72, sendo 70 o limite abaixo do qual se considera que a pessoa é portadora de defici-

é que os estudantes são capturados, arrancados das salas de aula e deportados. Muitos deles nascidos nos EUA, ou que passaram quase toda sua vida lá. Por isso no colégio o movimento estudantil levantou a bandeira de defesa dos imigrantes. “A High School é

ência mental. Na mesma semana o iraniano Ahmadinejaad denunciou uma "campanha midiática contra o Irã" no caso Sakineh Mohammadi Ashtiani, uma iraniana de 43 anos condenada à morte sob acusação de adultério e participação no assassinato do marido. A imprensa se mostrava indignada contra a execução da iraniana mas calava-se sobre Teresa Lewis.

uma máquina de assimilação, nossos colegas nos veem como americanos. Crescemos juntos e não aceitaremos mais calados a separação ao atingir a maioridade”, afirma Felipe Matos, brasileiro e um dos dirigentes do Studentes Working for Equal Rights.


/cultura Agenda Cultural Museu da Imagem e do Som Programação de Novembro / 2010 Exibição de filmes A mulher sem cabeça Dia: 26 / 11 / 10 (sextafeira) - 19h Direção: Lucrecia Martel Ano: 2008 – (Argentina / França / Itália / Espanha) 87 min Serviço Dia: 27 / 11 / 10 às 16h Direção: Brillante Mendoza Ano: 2008 – (Filipinas) Para maiores de 18 anos. Aviso: inclui cenas de sexo explícito não pornográfico. Rip – a história viva do punk Dia: 29 / 11 / 10 às 19h Exposições Novo horário para visitação pública das exposições: de terça a sextafeira, das 10h às 18h e sábados, das 10h às 16h. Ponto Infinito Exposição coletiva de pesquisa e criação que reúne 47 artistas formandos em 2010 do curso de Artes Visuais com ênfase em Design da PUC Campinas. Abertura: 12/11, às 20h. Visitação: de 13/11 a 04/12, de terça a sextafeira, das 10h às 18h e sábados, das 10h às 16h.

Don Ramón: vida e obra nas artes circenses Com a curadoria de Daniel de Carvalho Lopes e Erminia Silva, a exposição retrata a vida de Ramón Martin Ferroni, Don Ramón, um dos mais importantes artistas de circo que atuou no Brasil. Abertura: 16 de novembro, às 16h. Visitação: de 17/11 a 11/12, de terça a sextafeira, das 10h às 18h e sábados, das 10h às 16h. Ciclo de filmes comentados “A Contemporaneidade do cinema de David Lynch” Realização: Oficina Cultural Hilda Hilst Coordenador: Márcia Martins Ramos A oficina gratuita é direcionada a adultos, cinéfilos, estudantes e interessados na filmografia de David Lynch e tem por intuito apresentar e debater conceitos e procedimentos envolvidos na obra deste importante cineasta. Período de Realização: 13/10 a 01/12 - quartas-feiras – 18h30 às 21h30 Público: iniciantes Faixa Etária: adultos Seleção: primeiros inscritos Inscrições: 04/10 a 13/10 Vagas: 30

MIS Campinas: união de cultura e participação popular O Museu da Imagem e do Som de Campinas, mais conhecido como MIS, é um dos poucos espaços culturais da cidade com participação direta da população. O Museu funciona no Palácio dos Azulejos, no centro, oferecendo diversas atividades

gratuitas, como exibição de filmes, exposições temporárias e permanentes, oficinas e cursos. Além disso, o Museu conta com um riquíssimo acervo, acessível ao público, com 75 coleções de fotografias (aproximadamente 35.000 imagens),

mais de 2.000 filmes (em vídeo e em película) e 20.000 discos no acervo musical. O Museu fica aberto de segunda a sábado, das 10h00 às 17h00, com possibilidade de visitas agendadas para grupos e escolas. Aos interessados em propor alguma atividade

na programação ou participar de alguma atividade, basta entrar em contato ou comparecer no Museu. Endereço: Rua Regente Feijó, 859, Centro, Campinas. Tel: (19) 3236-7851 Site: http://www.miscampinas.com.br/

Abaixo-assinado é contra a transferência do MIS Campinas

Paradinha no MIS Audições comentadas de LPs Tom Jobim e Edu Lobo Dia 18/11, às 17h30, na sala de audição. Maria Bethânia Dia 25/11, às 17h30, na sala de audição.

07

A população de transferência do MIS Campinas e região foi de sua atual sede: o pega de surpresa com Palácio dos Azulejos. A mudança prea notícia da possível

diversas atividades culturais, artísticas e educativas, oferecidas gratuitamente. Em resposta a esta ameaça, foi criado o Movimento MIS no Palácio, contra a transferência do Museu, que vem divulgando um abaixoassinado para que a população se manifeste. Para quem quiser assinar a petição, está disponível no site:

judicará o acervo do Museu e provavel- http://www.miscammente impossibilita- p i n a s . c o m . b r / p e t i rá a continuidade das cao_online.php


08

/fábrica de esporte e cultura

Entrevista:

Cleber Dib fala sobre a Fábrica de Esportes e Cultura Jornal Atenção: Quais as atividades que acontecem na parte de esportes? Cleber Dib: Aqui há alguns projetos da Secretaria de Esportes e Cultura, como o vôlei e o Projeto Cidadania com o judô e o tênis de mesa. Tínhamos também o Projeto 2º Tempo, do governo federal, mas este está em fase de renovação devido às eleições. No 2º Tempo são trabalhados esportes coletivos, o esporte do ponto de vista social. Dentro deste projeto temos futebol, vôlei e iniciação de xadrez e dama. Pela Associação Dib trabalhamos o xadrez e a dama para competição. Tivemos uma equipe mista de damas e uma de tênis de mesa feminina vice-campeãs dos jogos regionais de 2010 e ganhamos medalha de bronze com o xadrez. Todos estes representando a cidade de Sumaré. J. Atenção: Quantas crianças e jovens frequentam o espaço semanalmente? Dib: Entre 150 e 200 crianças e jovens diferentes e 25 adultos e idosos. Alguns vêm até mesmo em horário que não tem aula. Jogam futebol, pingue-pongue...

J. Atenção: Qual é a luta aqui da parte de esportes? Dib: Temos uma luta diária para que as crianças tenham uma vivência de esporte, uma oportunidade de mudança de vida. Muitas delas tinham problemas na escola e, depois de começar a praticar esportes, melhoraram muito seu desempenho. Queremos tirar as crianças da rua, das drogas. Além disso temos uma grande dificuldade de manutenção do espaço. A prefeitura não paga por ela porque estamos em uma propriedade particular. J. Atenção: Você é à favor da desapropriação deste espaço? Dib: Sim. Se a prefeitura desapropriasse este espaço ela teria que se responsabilizar pela estrutura, pela limpeza, pela manutenção. Poderíamos ir além da iniciação ao esporte e nos tornar um centro de treinamentos. Ao final da entrevista Cleber Dib agradeceu à Secretaria de Esportes e Cultura pela parceria.

Oficinas Fábrica de Cultura Flaskô

Curso de Jazz – turma acima de 14 anos – sábado das 7h30 às 8h30 Curso de Dança de Salão – turma acima de 15 anos – 2ª das 19h30 às 20h30 Curso História em Quadrinhos – todas as idades – 5ª das 14h às 15h30 Cinema infanto-juvenil – todas as idades – 3ª às 15h Mais informações: 3864-3491 (Carolina)

Curso de Ballet – turma de 4 a 7 anos – 2ª a 6ª feira das 18h às 19h30 / turma acima de 8 anos – 3ª e 5ª das 19h20 às 21h

O que é a Fábrica de Esportes e Cultura

A fábrica ocupada Flaskô criou a Fábrica de Esportes e Cultura como protesto contra a falta de atividades culturais e esportivas na região de Sumaré, principalmente em sua periferia. Junto com

09

a Associação Dib e alguns pais de alunos, transformaram um galpão abandonado da fábrica neste espaço de lazer aberto à comunidade. Alguns coletivos foram se juntando à Fábrica de Esportes e Cultura, como é o caso do grupo de capoeira Raízes Baianas, o grupo de teatro Cassandra e Coletivo Miséria de história em quadrinhos. Atualmente a Secretaria de Esportes e Cultura mantém ali atividades como judô e o projeto 2º Tempo. Há o desejo de que a prefeitura transforme o projeto em curso em um projeto público com recursos e com a transformação da Fábrica de Cultura e Esporte em um centro cultural e esportivo municipal controlado democraticamente por seus professores, seus alunos e pela comunidade. A Fábrica de Esportes e Cultura está aberta para sugestões, críticas e novas oficinas. Venha você também fazer parte da construção deste espaço coletivo!


/trabalho

Três operários são assassinados pelo lucro Foto: quimicosunificados.com.br

Explosão e incêndio em fábrica de Paulínia mata três trabalhadores

Na manhã da última quarta-feira, 4 de novembro, ocorreu um grave acidente na Fênix Lubrificantes, indústria petroquímica de Paulínia.

Uma explosão seguida de incêndio no setor de clarificação de óleo matou na hora um jovem de 25 anos, Valdemir Cabral. Além dele, mais dois trabalhadores,

Cristiano Barbosa de 37 anos, e Nicolau Luis Drosdoki, de 44 anos, ficaram gravemente feridos com as queimaduras e faleceram nessa quinta e sexta-feira.

Fábricas continuam fechando A Federação dos patrões (FIESP) discute o risco de desindutrialização em função do aumento das importações. Os trabalhadores devem saber o que fazer: fábrica fechada é fábrica ocupada, que deve ser estatizada sob o controle dos trabalhadores. Mesmo com a economia em crescimento continuam os fechamentos de fábricas. Ao mesmo tempo que o desemprego diminui. Ocorre que as multinacionais estão concentran-

do sua produção e o desemprego cai principalmente com o trabalho na construção civil. O que farão os operários quando as construições acabarem? Por isso a importância de se discutir a ocupação das fábricas. A CUT em Pernambuco se enfrenta com o fechamento da Philips Eletrônica do Nordeste. O Jornal Atenção tem acompanhado a questão e voltará ao tema.

09

Químicos discutem campanha salarial

Os trabalhadores quimicos de campinas e região realizaram assembléia em 14/11 para discutir a campanha salarial. A assembléia discutiu a proposta patronal de 8% de reajuste, o que significaria em torno de 2% de aumento real. As intervenções em real afirmavam que era possível mais. No entanto como não havia mais negociação foi aprovado aceitar e continuar a luta em cada fábrica. Também foi discutido a necessidade de se fazer a campanha pela redução da jornada de trabalho para 40h. Os trabalhadores da Flaskô

apresentaram a proposta de realizar um plebliscito, antecedido de uma campanha de esclarecimento até o Primeiro de Maio. A taxa negocial, apresentada pela patronal também foi discutida: após diversas intervenções foi aprovado por maioria. Foi esclarecido pelos trabalhadores da Flaskô e por membro da oposição que é importante o sindicato discutir a questão mais profundamente. Principalmente porque entende que a luta dos trabalhadores deve ser sustentada pelos esforço dos proprios trabalhadores.

www.memoriaoperaria.org.br


10

/humor

O dia em que o morro descer e não for carnaval ninguém vai ficar pra assistir o desfile final na entrada rajada de fogos pra quem nunca viu vai ser de escopeta, metralha, granada e fuzil (é a guerra civil) No dia em que o morro descer e não for carnaval não vai nem dar tempo de ter o ensaio geral e cada uma ala da escola será uma quadrilha a evolução já vai ser de guerrilha e a alegoria um tremendo arsenal o tema do enredo vai ser a cidade partida no dia em que o couro comer na avenida se o morro descer e não for carnaval O povo virá de cortiço, alagado e favela mostrando a miséria sobre a passarela sem a fantasia que sai no jornal vai ser uma única escola, uma só bateria quem vai ser jurado? Ninguém gostaria que desfile assim não vai ter nada igual Não tem órgão oficial, nem governo, nem Liga nem autoridade que compre essa briga ninguém sabe a força desse pessoal melhor é o Poder devolver à esse povo a alegria senão todo mundo vai sambar no dia em que o morro descer e não for carnaval. Wilson das Neves (1936) é baterista, cantor e compositor. Carioca, tocou bateria com vários artistas brasileiros, como Cartola, Nelson Cavaquinho, Elis Regina e Chico Buarque.

Coletivo Miséria: Para ler mais charges entre em miseriahq.blogspot.com Para ler mais tirinhas entre em tirasdamiseria.blogspot.com

O Dia Em Que o Morro Descer e Não For Carnaval


suplemento Infantil

Jornal

Que nome deve ter a parte infantil do jornal atenção? Mande sua sugestão de nome para revistamiseria@yahoo.com.br com o título sugestão de nome.


fazendo arte

Desenhos: Ícaro, Willian, Guilherme, Rogério, Kauan, Adriano e Gabriel, pessoal do Bom Retiro, Vila Operária e Parque Bandeirantes, que participam do curso de quadrinhos.

Quadrinho coletivo feito por todos os participantes do curso de História em Quadrinho que acontece todas as quintas-feiras, as 14h, na Fábrica de Esporte e Cultura da Flaskô


cruzadinha

o que e, o que e?

`

1-Que mesmo sendo seu, é mais usado pelos outros? 2-Que sempre cai, mas nunca se machuca? 3-Que fala e ouve, mas não é gente? 4-Que quando estamos deitados está em pé, e quando estamos em pé está deitado?

`

Endereço: Av. Engº Jaime Pinheiro Ulhoa Cintra, nº 2355 – Pq. Bandeirantes Contato: joaomsm@hotmail.com – 3832 8831 – 3864 3491 (Carolina)

RESPOSTAS: 1. Nome - 2. Chuva 3. Telefone 4. Pé

MACACO GALINHA URSO GIRAFA CAVALO OVELHA CACHORRO BOI ONÇA TIGRE VACA COELHO


Faça a assinatura do Jornal Atenção por apenas R$ 5,00 Entre em contato e assine: Email: jornal@fabricasocupadas.org.br Telefone (19) 3854-7798

A assinatura só é cobrada para manter o próprio Jornal. O Atençao não visa lucros e não faz propagandas pagas.

Assinaturas: 5 meses: 5 reais / 10 meses: 10 reais 15 meses: 15 reais / 20 meses: 20 reais


/Vila Operária 09 11

Vila Operária e Popular A ocupação, hoje denominada Vila Operária e Popular está localizada no terreno pertencente à antiga fábrica ocupada Cipla. No mesmo terreno onde se encontra a fabrica ocupada Flaskô. Há mais de cinco anos os trabalhadores da Flaskô e as famílias sem teto da região se unirão para ocupar o terreno e construir a ocupação de moradia batizada Vila Operaria e Popular. Uma luta que se iniciou exigin-

do água e saneamento na prefeitura e hoje já discute a regularização dos lotes. Todo o terreno está penhorado por dívidas dos patrões com o governo, e atualmente a comissão de fábrica da Flaskô responde por sua manutenção. Por isso os trabalhadores da Flaskô têm como decisão lutar pela declaração de interesse social para desapropriação da área e regularização da Vila Operária.

Ato público realizado em 16 de julho mostrou a força dos trabalhores e moradores da Vila Operária

Há perigo na Vila?

Muitos moradores se perguntam sobre as garantias de suas casas. Fomos conversar com o Dr. Alexandre Mandl sobre a questão. Jornal Atenção: Há algum perigo para os moradores?

Mandl: Sim. Sempre na luta do povo trabalhador há perigos. O primeiro é que o patrão e a própria justiça pode atacar a qualquer momento. O segundo é que podemos deixar de lutar, e nos

mas na realidade as dívidas dos que pode também abrir uma saproprietários são maiores que os ída para os moradores da Vila. valores, assim bastaria fazer uma Um exemplo importante para entendermos isso: quando no inícompensação tributária. cio deste ano resolvemos iniciar Jornal Atenção: Qual a impor- a luta da Flaskô com mais força tância da unidade dos moradores em Sumaré e com a proposta de desunir, e sem luta não vamos con- da Vila Operária e a luta dos traba- passeata em direção a prefeitura, nossa força acabou conquistando lhadores da Flaskô? quistar nada. em junho uma lei que obrigado o Mandl: Esta pergunta é muito poder público a colocar água e esJornal Atenção: Como podem importante. Em primeiro lugar foi goto em áreas irregulares. ser regularizadas as moradias? a luta dos trabalhadores da Flaskô Assim foi a mesma coisa agora Mandl: Em primeiro lugar é im- que abriu o caminho para a luta em novembro, pautando as obriportante saber que temos acompa- por moradia. Que impediu que o gações da prefeitura vamos avannhado cotidianamente a questão. dono entrasse com um pedido de çando também na defesa da Vila A maneira em que chegamos mais reintegração de posse e outras me- Operária Por isso penso que temos que fácil é a declaração de interesse so- didas contra os moradores. Em secial para desapropriação do terre- gundo lugar também será a força nos unir mais e mais. Construir no. A prefeitura alega que não te- da luta dos operários por seus em- um comitê de moradores e trabaria dinheiro para a desapropriação, pregos, pela estatização da fábrica lhadores para avançar.


12

/fábrica ocupada

09 09

Ato na Prefeitura de Sumaré exige solução para a Flaskô Em 16 de novembro os trabalhadores da fábrica ocupada Flaskô realizaram um grande ato público na prefeitura de Sumaré. Com o apoio de diversas entidades a passeata tomou o centro da cidade e contou com a presença do MST, do MTST, de estudantes, do Sindicato dos Quimicos Unificados, do Sindicato dos Vidreiros de São Paulo, do Sindicato dos Metalurgicos de Jacarei e outras entidades. O ato foi continuidade da campanha pela declaração de interesse social de toda a fábrica, incluindo o terreno onde está construída a Vila Operária e Popular (veja materia nesta edição) com o objetivo de avançar na estatização da fábrica e na regularização das moradias na Vila. Depois de uma grande pressão o prefeito da cidade recebeu uma comis-

são de trabalhadores da fábrica e de representantes da Vila Operária. “O prefeito disse que não pode desapropriar pois teria que pagar uma indenização aos patrões, mas isto não é verdade pois os patrões devem mais de 120 milhões de reais”, disse Fernando Gomes, trabalhador da Flaskô, após o ato. Como conclusão foi formada uma comissão para dar encaminhamentos no sentido da desapropriação da fábrica e da Vila Operária. Nesta comissão os trabalhadores, representantes da Vila Operária e a prefeitura pretendem avançar no entendimento até o mês de fevereiro de 2011 para poderem adotarar uma solução. A prefeitura também se comprometeu a agendar uma reunião com a nova presidente, Dilma Roussef, no inicio do ano.

Imagens retiradas do vídeo sobre o Ato em Sumaré,

O que querem os trabalhadores da Flaskô Há oito anos o Movimento das Fábricas Ocupadas luta pela bandeira de estatização sob o controle dos trabalhadores de toda fábrica fálida ocupada pelos operários. Eles entendem que as fábricas devem ser es-

tatizadas para serem de propriedade social. O movimento realizou oito Caravanas a Brasilia com esta reivindicação. Desde 10/02/2010 os trabalhadores apresentaram um projeto de Lei em Sumaré que preve

a desapropriação da Flaskô dos antigos patrões pela prefeitura de Sumaré. A fábrica seria transferida para o estado sob o controle dos trabalhadores e o terreno onde está a Vila Operária seria regularizado para

esportes. Esta medida pode ser feita por meio de um decreto municipal baseado no Interesse Social, como preve a lei 4.132 de 1962.

estar social, na forma do art. 147 da Constituição Federal.

Art. 2º Considerase de interesse social: I - o aproveitamento de todo bem improdutivo fins de Moradia, assim como o galpão da O que diz a lei: ou explorado sem correspondência com as fábrica de esporte e Art. 1º A desapro- necessidades de habicultura seria transformado em um grande priação por interesse tação, trabalho e concentro cultural muni- social será decretada sumo dos centros de cipal controlado de- para promover a justa população a que deve mocraticamente pela distribuição da pro- ou possa suprir por seu juventude, pelos ar- priedade ou condicio- destino econômico. tistas e professores de nar o seu uso ao bem


09 13

Mudança na data do Encontro na Flaskô

, que pode ser visto no canal na TV Flaskô em: www.youtube.com/mobilizacaoflasko

Lançamento do Livro: Flaskô: Fábrica Ocupada O que você faria se fosse demitido hoje? No dia 12 de dezembro acontece, em Sumaré, o lançamento do livro Flaskô: Fábrica Ocupada. A reportagem humanizada, dos jornalistas Luciano Claudino e Camila Delmondes, relata o drama vivido por

trabalhadores do município, em junho de 2003, diante do fantasma do desemprego. A narrativa descreve o drama diante da situação iminente de falência, os momentos que antecedem a ocupação, a conjuntura política da época, com a eleição de Luis Inácio Lula da Silva para presidente da república e a luta diária para manter a fábrica em funcionamento.

Nos dias 11 e 12/12 os trabalhadores da fábrica ocupada Flaskô realizarão um encontro para discutir as perspectivas para a luta dos trabalhadores em 2011. Diante da eleição de um novo governo, os trabalhadores convidam os movimentos populares e sindicais a participarem desta reflexão sobre como fazer avançar a luta de classes. “Nós temos que organizar desde hoje uma grande caravana com os sem terra, os sem teto, e todos os trabalhadores, para uma grande marcha. Não podemos esperar. Nestes 7 anos fizemos todo ano uma caravana, por isso agora, neste encontro de dezembro precisamos decidir ir todo mundo junto”, disse Carlão, trabalhador da Flaskô. A proposta apresentada pelo Conselho da Flaskô é uma caravana no mês de abril do próximo ano. O encontro contará com a participação do MST, do MTST, do Comitê pelo Direito de Lutar de Campinas e outras entidades dos trabalhadores e da juventude.

Programação: Dia 11/12 9h inscrições e café 9h 30 Mesa de Abertura: Serge Goulart – Movimento das Fábricas Ocupadas 11h Mesa de Criminalização: MST, MTST, Abraço, Movimento Fábricas Ocupadas 12h almoço e exposições de fotos 14h Mesa: A luta pela Estatização da Flaskô 15h Mesa: A luta pela (r)estatização no Brasil

Dia 12/12 10 horas: Circulo de debates sobre comunicação e cultura. Peça de teatro: Exceção e a Regra Lançamento do livro Flaskô: Fábrica Ocupada sobre a luta da Flaskô.


14 /galeria LUTA

Acampamento João Cândido 7 de maio de 2007

Prefeito Bacchin promete ajuda a Vila Operária e Flaskô - 8 de fevereiro de 2006

Ato Contra Bush - 9 de março de 2007

4ª Caravana dos trabalhadores da Fla


15

Fábrica ainda Ocupada Cipla, em Joinville-SC 2 de maio de 2007

askô à Brasília - 19 Julho de 2006 Ato do MTD – Palácio Governo do Rio Grande do Sul - 19 de abril de 2007


16

/campo

No Governo Dilma vamos à luta pelos nossos direitos! O governo desrespeitou as próprias metas, criou assentamentos sem acabar com a injustiça na distruibuição de terras e não enfrentou os milionários do campo. A eleição de Dilma Roussef (PT) também não garante conquistas sociais aos trabalhadores e trabalhadoras. Se A eleição de Dilma não garante conquista, mas a luta sim quisermos ter uma vida O MST (Movimento a política de criação de 41% dos recursos des- digna, com terra, trabados Trabalhadores Ru- assentamentos foi aban- tinados a reforma agrá- lho, saúde, alimentação, rais Sem-Terra) luta pela donada. Em 2009, 55.498 ria. Nesse ano também moradia de qualidade, Reforma Agrária, isto é, famílias foram assenta- houve corte de 62% no precisamos nos unir e ir pela distribuição de ter- das em todo o país, sendo orçamento do programa à luta! ras entre os trabalhadores que a meta no início do de educação agrária. Já Toda conquista é frururais. Pressionaram nos governo era de 250 mil os empresários do campo to da luta dos trabalhaúltimos anos para que o famílias por ano. - o agronegócio - ganha- dores! Em 2009, foram cor- ram uma ajuda do goverGoverno Lula cumprisNo Governo Dilma, se o prometido. Porém tados ‘em função da crise’ no de R$ 12 bilhões. vamos à Luta!

As mulheres do MST: produção, organização e luta

Nos assentamentos e acampamentos do MST o “setor de gênero” discute e atua na solução dos problemas que as mulheres sofrem no seu cotidiano. O coletivo de mulheres Luísa Mahin surgiu na região de Campinas em 2007 devido à necessidade das mulheres se organizarem e lutarem por seus direitos. Além das mulheres travarem a luta política por terra, trabalho e moradia, lutam cotidianamente para sobreviver. E, como se não bastasse,

necessitam também lutar contra o machismo, o abuso e a violência que sofrem pelo simples fato de serem mulheres. No último mês as mulheres desse coletivo organizaram uma exposição de fotos durante a 3a Mostra Luta. Através dessas fotos tiradas pelas próprias mulheres foi possível mostrar imagens do MST e do cotidiano das mulheres que não aparecem na grande mídia empresarial. “Queremos mostrar

Quem foi Luiza Mahin Luiza Mahin foi uma ex-escrava africana que lutou toda sua vida pela libertação dos escravos. Viveu em Salvador, na Bahia e foi liberta da escravidão em 1812. De sua

Luísa participou de todas as revoltas e levantes de escravos que sacudiram a Bahia nas primeiras décadas do século XIX. Esteve envolvida na Revolta dos Malês (1835) e na Sabinada (18371838). Caso o levante dos malês tivesse sido vitorioso, Luísa teria Luiza Mahin poderia se tornado Rainha da ter se tornado Bahia. Rainha da Bahia, no caso da vitória dos Malês tivesse acontecido.

1935

união com um português, nasceu Luís Gama - poeta que defendia o fim da escravidão.

as nossas lutas: a luta por justiça social; luta por terra, trabalho e moradia; luta pela sobrevivência; luta por reconhecimento, respeito e dignidade; luta pela igualdade de genero e pela diversidade sexual; luta pela igualdade de direitos entre homens e mulheres; luta pelo fim das opressões, do machismo e da homofobia; resumindo, a luta pela verdadeira transformação social! Por isso, nosso lema é: Mulheres unidas na luta e na vida!”

Produção das mulheres O coletivo de produção das mulheres do MST produz pães, chips de banana e mandioca e bolachinhas e sequilhos deliciosos. Prove você e saboreie também os frutos dessa luta justa.


/direitos 17 Fraudes na relação de trabalho

Trabalhador sem registro na carteira

“Racismo e Capitalismo são faces da mesma moeda”

(Steve Biko)

Ao comemorarmos o dia da consciência negra, devemos ter muito claro: a luta contra o racismo deve ser feita na perspectiva da luta contra o capitalismo, como nos ensina este grande líder da África do Sul. O que nos une ou o que nos separa é nossa posição como patrão e peão, trabalhador e empresário. Vivemos numa sociedade racista, e devemos lutar contra o racismo, que é criado para dividir a classe trabalhadora. Mas, a burguesia é hipócrita e diz que vivemos numa plena democracia. Diz que vivemos em plena igualdade. Sabemos que não é bem assim. Devemos combater a burguesia racista e todas as formas de opressão. Nesta linha, há um importante movi-

A categoria que mais sofre com o problema da carteira assinada são as domésticas

É comum vermos trabalhadores sendo “contratados” por patrões como prestadores de serviço, ou como autônomo, sem registro na carteira de trabalho. Na maioria das vezes o que se percebe é que os trabalhadores são verdadeiros empregados e não estão recebendo os direitos devidos. Segundo a lei, empregado é aquele que recebe salário (por hora, mensal, por obra ou por comissão), exerce sua função com pessoalidade (não pode enviar outro empregado em seu lugar),

são subordinados (recebem ordens) e exercem a atividade com certa freqüência (todos os dias ou até mesmo duas vezes por semana). A fraude acontece porque os patrões não querem pagar todos os direitos trabalhistas do empregado, como o Fundo de Garantia, férias, décimo terceiro, etc. A categoria que mais sofre com essa atitude são as empregadas domésticas, que já não tem muitos direitos garantidos em lei, e ainda, sofrem com fraudes no seu

contrato de trabalho. Os trabalhadores devem ficar atentos aos seus direitos e exigir o registro na carteira de trabalho, pois isso é importante para a contagem do tempo para aposentadoria. Em último caso, a Justiça do Trabalho é o meio para resolver esse tipo de situação, onde o trabalhador deverá fazer prova de que era realmente empregado, devendo o patrão ser condenado ao pagamento de todas as verbas devidas durante todo o período em que o trabalhador prestou serviço para ele.

mento de luta contra o racismo chamado "Movimento Negro Socialista". Veja mais em www.mns.org.br Junto com a luta política, um dos instrumentos para combater o racismo é denunciar! Racismo é crime! A Constituição Federal de 1988, em seu artigo 5º, inciso XLII, passou a considerar a prática do racismo como crime sem direito à fiança e sem prescrição. A Lei 8081/90 acrescentou o art. 20 à lei anterior, a Lei nº 7.716/89: Praticar, induzir ou incitar, pelos meios de comunicação social ou por publicação de qualquer natureza, a discriminação ou preconceito de raça, cor, religião, etnia ou procedência nacional. Pena: reclusão(prisão) de 2 (dois) a 5 (cinco) anos.

A escravidão nos dias atuais Ainda hoje há trabalhadores em condições de escravidão. Nos campos são muitos os casos, mas também nos grandes centros urbanos, como foi o caso recentemente divulgado da empresa Marisa, que foi multada pelo Ministério Público do Trabalho porque mantinha trabalhadores bolivianos em condições desumanas.

Você sabia que... O crime de escravidão (art. 149 do Código Penal) tem pena menor do que a de furto de carro. Para o legislador o patrimônio vale mais que a dignidade do ser humano!

Há um projeto de emenda constitucional (PEC do trabalho escravo) que pretende incluir nas hipóteses de desapropriação, sem direito à indenização, propriedade que mantém trabalhadores em condições de escravidão.


18

/juventude

Consciência Jovem e Negra Com o movimento da cultura negra,seja o rap, reggae, o funk, e juntamente com o samba brasileiro, os ataques racistas aumentaram muito nos anos 80. O jovem negro ganhou estilo com as influências africanas que vieram de vários lugares do mundo. Mas, ainda hoje em dia, se um “muleque” do rap usando calças largas, bonés, cabelo black power, entrar num restaurante, por exemplo, já é discriminado na hora. Até por aqueles que dizem: “não sou racista”. Ou um jovem, cabelo rasta, não importa

por onde passa é tachado de drogado, nunca é bem visto pela sociedade. O racismo não é só desmerecer uma pessoa, só por causa da cor de sua pele. Racismo também é desmerecer a cultura negra: as músicas, o modo de vida, jeito de se vestir, as tradições e as lutas dos antepassados negros. No Brasil e em vários lugares do mundo onde a cultura dos povos negros se espalharam, desde a época em que os africanos foram forçados a deixar sua Mãe África.

Erros no ENEM geram protestos

Rede da Juventude e Meio Ambiente terá V Encontro Nacional O Enem foi marcado por muitos protestos dos estudantes, após erros na aplicação da prova nacional. No Rio de Janeiro cerca de 300 estudantes fizeram na sexta-feira (12/11) uma manifestação contra o que consideram de-

sordem no Enem. Eles se concentraram na Cinelândia e caminharam, com narizes de palhaço, caras-pintadas, carro de som e faixas, até o Palácio Gustavo Capanema, onde funciona a sede do Ministério da Educação (MEC).

A Rede da Juventude pelo Meio Ambiente e Sustentabilidade (REJUMA) se caracteriza como rede autogestionada, está presente em todo o país, criando ou articulan-

do estruturas organizacionais em escolas, comunidades e espaços de relevância socioambiental. A rede se prepara para o V Encontro Nacional de Juventude e

Meio Ambiente, de 8 a 12 de dezembro em Brasília, onde 120 jovens com idade entre 15 e 29 anos devem discutir o futuro das Políticas Públicas de Juventude e Meio Ambiente no Brasil.

QUANDO: 8 à 12 de dezembro 2010 ONDE: Brasília-DF


/esporte 19 Agenda Cultural

Especial: mês da consciência negra II SOU ÁFRICA EM TODOS OS SENTIDOS Casa de Cultura Fazenda Roseira Av. John Boyd Dunlop, s/n. - Em frente a PUC II - dentro do loteamento – Caminho das Árvores Do dia 15/11 (seg) ao dia 28/11 (dom) Para ver a programação completa: http://comunidadejongoditoribeiro. blogspot.com Destaque para as programações: 19/11 (sex) - Meio Ambiente/Natureza - Essência Ancestral 10h (Oficina) Meio Ambiente e Mestres dos Saberes 14h (Debate/Cinema) – A Semente da Memória 16h Atividade Cultural:

Exibição de filme 19h – Tambores de Ouro 20/11 (sab) – Viva Zumbi dos Palmares Filme: Ninguém Leva Nossa Casa 15h Roda da Comunidade Jongo Dito Ribeiro na Mãe Preta 21/11 (dom) - Povos Tradicionais de Terreiro: Curiosidades e Ensinamentos 10h Benção dos Povos Tradicionais de Terreiro Toques, Comidas, Vestuários: Cultura ou Tradição? 14h (Roda de Conversa) – BAOBÁ - Lideranças de povos e culturas tradicionais, TC – Casa de Cultura Tainã/Rede Mocambos 16h (Debate/Cinema) A Rota dos Orixás - Saúde, Educação, Resistência e Tradição Atividade Cultural: Leitura: As Mulheres de Xangô!

Integração e solidariedade

Futebol e moradia

27/11 (sab) - Memórias da Cidade e Movimentos Sociais 10h (Roda de Conversa) Memórias da Cidade e Movimentos Sociais 13h (Roteiro Afro de Campinas) Memórias da Cidade de Campinas 17h Atividade Cultural 28/11 (dom) - Troca de Saberes/Rede Trançando a Vida e O Estilo da Negritude 10h (Oficina) Maquilagem e Como se Vestir bem/ Desfile Improvisado (Oficina de Tranças) Mulheres da Rede Trançando a Vida 14h (Oficina de MC, Discotecagem e Grafite) – Movimento Hip Hop e Participação da Família MLK 18h Encerramento do II Sou África em Todos os Sentidos

Alimentos, roupas e material escolar foram arrecadados no evento

Aconteceu em São Paulo neste sábado, dia 6, a primeira Copa Dos Movimentos. O evento foi puxado pelo Autônomos F.C., um time de futebol fundado em 2006 “com espírito anárquico”, como dizem, e foi fruto do encontro deste time com a Frente De Luta Por Moradia (FLM)

em algumas ocupações por moradia. Ao final da Copa houve um amistoso entre o Autônomos e o time da FLM. A Copa ocorreu no Centro Desportivo Municipal Bento Bicudo, no bairro da Lapa, em São Paulo, próximo à Ponte do Piqueri e durou quase todo o dia. Além dos

dois times pioneiros, participaram também MST, Movimento pelo Passe-Livre, Associação Nacional dos Torcedores, Rádio Várzea, Movimento Rua São Jorge (Gaviões da Fiel) e Ativismo ABC. Durante o torneio, foram armadas barracas dos movimentos sociais divulgando suas lutas, suas necessidades e sua solidariedade. Solidariedade essa que foi práticada inclusive com arrecadação de alimentos, roupas, colchonetes e material escolar para as famílias das ocupações do centro de São Paulo. Fonte: Autônomos F.C.

Título Veterano ficará no Bom Retiro Neste sábado (20/11), às 15h30, no Centro Esportivo, ocorrerá a partida que vai definir o campeão do título Veterano 2010. Mas independente do time que vença, o título ficará no Bom Retiro. Isso porque em partida disputada pelas semi-finais, E.C. Bom Retiro venceu no sábado (12), no Campo do Ma-

tão o Grêmio Esportivo Família Unida pelo placar de 2 a 1. Com este resultado o E.C. Bom Retiro vai fazer a final com o União Bom Retiro (que bateu o União Bandeirante). No clássico local, o Esporte Clube tem a vantagem de só precisar de um empate pra ser campeão, mas o União promete muita garra.

O E.C. Bom Retiro precisa só de um empate para ficar com o título de 2010


20

/Moradia

Acampamento Zumbi dos Palmares completa dois anos No dia 15 de novembro o Acampamento Zumbi dos Palmares do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) comemora o 2º aniversário na cidade de Sumaré. “Foram dois anos de muitas lutas embaixo de sol e de chuva, com muitos sorrisos e choros. Continuamos com os pés fincados na terra e organizados, tanto no acampamento quanto nos núcleos nos bairros .Neste processo encontramos diversas dificuldades, porque nos deparamos com uma prefeitura do Partido dos Trabalhadores intransigente que se negava a negociar com os trabalhadores sem-teto”, contou um morador do acampamento pro Jornal Atenção. Lutadores do MTST acamparam na frente da casa de Lula Depois da última liminar de despejo, no

mês agosto de 2009, os moradores do acampamento Zumbi foram para o tudo ou nada e realizaram um acampamento em frente à casa do Presidente Lula. Lá enfrentaram muito frio e chuva e conseguiram uma abertura para negociar diretamente com o Governo Federal, que fez a ponte com a Prefeitura de Sumaré. “Hoje temos uma demanda fechada de 835 casas para serem construídas em Hortolândia e Sumaré. Em Hortolândia o projeto já foi assinado e as construções já começaram. Em Sumaré as coisas estão atrasadas e estamos enfrentando um longo processo burocrático para ter o projeto assinado. Atualmente está sendo analisado pelo cartório e pela Prefeitura, após isso será encerrado pela análise da Caixa Econômica Federal com a assinatura final para serem iniciadas as construções.”, informou o movimento.

Placa no acampamento Zumbi dos Palmares deixa claro a força e o poder do povo

Acampamento Zumbi dos Palmares convida todos para aniversário de dois anos

A nossa conquista foi construída com as mãos de muitas pessoas, com o suor e com as lágrimas de todos os acampados, coordenadores, aliados políticos, ou seja, todos aqueles que se dedicaram de alguma maneira para ver a bandeira do MTST erguida. É com muita satisfação que chamamos a todos e a todas para o aniversário de dois anos do acampamento Zumbi dos Palmares que se realizará nos dias 20 e 21 de novembro.

Feira Popular Zumbi dos Palmares, todas as semanas de terça à domingo Mini Mercado Legumes, Verduras, Salgados, pastéis, lanches, churrasquinhos Oficina de costura Venham conhecer! Em frente à escola Do Jd. Denadai TEL: (19) 9810 5007


Jornal Atenção - Edição 5