Issuu on Google+

PORTFĂ“LIO

sau sandler arquitetura e urbanismo


sau sandler arquitetura e urbanismo rua duarte da costa 1178 alto da lapa - s達o paulo - sp cep 05080-000 55 11 3834-2489 contato@sau.arq.br www.sau.arq.br


ÁREAS DE ATUAÇÃO

PLANEJAMENTO E MEIO-AMBIENTE: » Plano Diretor Ambiental - PDA » Plano diretor estratégico » Plano viário » Plano habitacional » Coordenação de estudos ambientais multidisciplinares » EIA-RIMA » AAE - Análise Ambiental Estratégica

PROJETO: » Estudos de viabilidade » Urbanização » Arquitetura » Estruturas náuticas » Gerenciamento de projetos complementares de infra-estrutura e edificação


PRINCIPAIS CLIENTES

PARCEIROS

ACISA Armando Conde Investimentos S.A. Andrade Gutierrez Arcobras Comercial e Incorporadora LTDA Brasil Development Investimentos Turísticos Brasterra Empreendimentos Imobiliários BASF Birmann S.A. Comércio e Emprendimentos Blue Tree Hotéis CONFIDE Construtora Sandor LTDA Delphi Engenharia LTDA Schain Empreendimentos Imobiliários DTA Engenharia Graça Empreendimentos LTDA Grupo Pedra Verde Willer Arquitetura e Planejamento CPEA Consultoria Paulista de Estudos Ambientais Funcef - Fundação dos Economiários Federais IES Instituto Embu de Sustentabilidade NURAP Núcleo Rotary de Aprendizagem Profissional Prefeitura Municipal do Guarujá Prefeitura Municipal de Porto Feliz Prefeitura Municipal de São Paulo Prefeitura Municipal de São Sebastião Prefeitura Municipal de Santa Fé do Sul Prefeitura Municipal de Hortolândia

FUNDESPA - Fundação de Estudos E Pesquisas Aquáticas LABOMAR - Instituto de Ciências do Mar PLAN - Arquitetura e Urbanismo Vec or Projetos S/C Ltda EGT Engenharia S/C Ltda LINEAR TECNOAMBIENTE - consultores, estudios tecnicos del medio ambiente ARCPLAN DFREIRE Consultoria Ambiental EPAM


370.000

375.000

380.000

385.000

370.000

375.000

380.000

385.000

GA

I O

Í P I O

IC

A

N U

M

N

IC

G A

U

IO

A OG

E RTI -B

G J

IO

Á

RU JÁ

T

U

R

R

GU A

Praia do Camburí

I O

D

D

B

Praia Preta

M

T

E

E

U

R

ES

G

TR ADA

E

E

ÍP

IO

T R

Praia Preta

A

B

D E

Ilha da Prainha

Ilha da Prainha

E

B

Prainha Branca

D E

Prainha Branca

B E G U R T I A R O U J G A Á

7.360.000

MORRO DA ARMAÇÃO

7.360.000

Ilha do Guará

U

M

N

U

N

IC

I C

ÍP

ÍP

IO

Praia do Camburí

Ilha do Guará

M

PLANEJAMENTO MUNICIPAL Plano diretor

CA N

CA

NA

L

DE

BE

IO RT

AL

DE

BE

RT

IO

GA

GA Ilha Rasa

Ilha Rasa

Praia do Pinheiro

Praia do Pinheiro

Guararú

Praia do Iporanga

Praia do Iporanga

Praia das Conchas ou do PC

Praia das Conchas ou do PC

Praia de São Pedro

R

Ú

L ar g o

di n h

o

U

N

IC

S J Á U

C anal

R

R

A

R

A

R

Ú

Ilhote da Praia Grande

A

C

E

D

E

S

U

O

D

R

S A N

T O

e

TOS I O

N

IO

C

U

I

M

Canal

N

lB

B

ÍP

I C

Í P

Ca

na Ca

do C an

G ri nd ad

SAN

Ilhote da Praia Grande

na

lC

A

D E

A N T O S

S

U A R U J Á

E

G

D E

I O

D

ÍP O

IC

M

R

M

U

MORRO

I

N

A

DA CALÇADA

ira Caip

Í

P

U

U

O

A

R

R

Canal A

Canal A

M a Caipir

E

T

G D

S

G U A

a nd in h o

ade

7.355.000

do C

Ri o

rin d

TOS

Rio

7.355.000

Praia de São Pedro

L arg o

T

SAN

Rio

E07 Ilha do Perequê

Rio Ilha do Perequê

Jardim Progresso O

RO

DA

CANA

DA

MORR

A CAN

C54

MOR

MEIO

Itapema

E12

MOR

raú

RO

E

MOR

lR

io

BUC O NAM PER DO

R

A

Saúde Rio Pouca

N

RE DO

TANC VIA

m

AV DOM

o ar

AD

ESTR

O M

DO

SO

OT R OC

UB

O DO

COSTÃO / PRAIAS

DE BARROS

O DA

A

1.000

metros 3.000

2.000

REGIÕES ADMINISTRATIVAS REGIÃO ADMINISTRATIVA I REGIÃO ADMINISTRATIVA II

REGIÃO ADMINISTRATIVA IV

O DO

LEO

F MALU

PEN

MORR

RO

FON MOR

DA

DA

A SEC O DOR

Ic an

e io

h em

a

. DEO

R io

Rio

do

M

Praia do Congava

AV

MAL Praia das Pitangueiras

Ilha da Pompeba

A

PROTEÇÃO AMBIENTAL PRESERVAÇÃO AMBIENTAL RECUPERAÇÃO AMBIENTAL

Astúrias Marinas

C

S

Ilha das Palmas

REESTRUTURAÇÃO URBANA

DESENVOLVIMENTO COMPATIVEL

RECUPERAÇÃO URBANA

OCUPAÇÃO DIRIGIDA

T

L

Â

N

T

IC

O

O

A

URBANIZAÇÃO QUALIFICADA QUALIFICAÇÃO URBANA

Ilha das Cabras

N

Praia das Astúrias ou do Guarujá

REGIÃO ADMINISTRATIVA I

REGIÃO ADMINISTRATIVA II

REGIÃO ADMINISTRATIVA III

REGIÃO ADMINISTRATIVA IV

SANTO ANTONIO PITANGUEIRAS SANTA ROSA ASTÚRIAS TOMBO GUAIÚBA MARINAS

JARDIM PROGRESSO ITAPEMA PARQUE ESTUÁRIO PAE CARÁ VILA ÁUREA RETROPORTO JARDIM BOA ESPERANÇA PORTO CONCEIÇÃOZINHA

ENSEADA JARDIM VIRGÍNIA MAR E CÉU TORTUGA PERNAMBUCO JARDIM ACAPULCO PEREQUÊ SANTO AMARO GUARARÚ

CRUMAÚ MORRINHOS VILA ZILDA CACHOEIRA

MACROZONA

URBANA

SETOR

URBANIZAÇÃO QUALIFICADA

PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

QUALIFICAÇÃO URBANA

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL

PROTEÇÃO AMBIENTAL

E

SETOR

O

C08 P19

Praia do Éden

Tortuga

C

O

E

P20

URBANA

AV.

Santa Rosa Praia do Góes

Diretriz de Ciclovia

O

MACROZONA

500

A

O

IC

Ca nal

T

d o Ci ng

A UL ÍNS PEN DA RR O

N

NTE EGA

M OR R O DO O TEI R O U

Via Coletora Consolidada

MO

N

Praia das Astúrias ou do Guarujá

Â

7.345.000

M

E02 P21

S

L

TIOG

INA CAMP

MIL

T

ER

MORR

Praia Sta. Cruz dos Navegantes

Via de Transporte de Carga Via de Pedestres Ciclovia Existente

Diretriz de Via Estrutural Diretriz de Via Coletora

A

AV DOS CAICARAS

AV DOS CAICARAS C14 C13

REGIÃO ADMINISTRATIVA I

Pitangueiras

Via Estrutural Consolidada

MAL

-B

A RUJ U

REGIÃO ADMINISTRATIVA III AV. ADHEMAR

Classificação do viário DO

Ilha da Pompeba

0

Praia da Enseada

O ESTEFN AV MIGUEL

MACROZONA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL

MAL Praia das Pitangueiras

FANO ESTÉ

MORR

Santo Antônio

MACROZONA URBANA

A

UF RO MOR

FON

. DEO

PEDRO

Á

REGIÕES ADMINISTRATIVAS

RO

ÍNS ULA

VI

EIRA

CHO

CA DA

RO

O

Praia do Éden

R

AG

RR

AD

MO

ESTR

A

Rio S an to A

TIOG

LISI PUG

DA

VETORIZAÇÃO REALIZADA SOBRE ORTOFOTOS DIGITAIS DE ALTA-RESOLUÇÃO DA AGEM. (CONFIRMAÇÃO EM CAMPO).

Enseada Praia do Sorocutuba

LEGENDA

IU

DO AG

de

MOR

ER

AV

O

P10

A SEC

P07

Mar e Céu

A

-B

RUJ UA

C07 P11

P09

AV.

C02

AV ATLÂNTIC

Saú

E

ca

RR

C03 MIL LEO

C04

P02

DO PITIÚ

PROJEÇÃO UNIVERSAL TRANSVERSA DE MERCATOR POSIÇÕES REFERIDAS AO DATUM HORIZONTAL SAD-69

RUA ACRE

CO

ONT

2.000

Jardim Virgínia

I

C53

Á

DOR

e

INS MART

DUM

C06

P04

AV

do C ing

LYDIO

TOS

IA

P03

Canal

R.

SAN

ÓR

LISI PUG

GL

P01

O

RR MO E03

V A S ANTA C. DO S N A R AD

1.000

Cachoeira

B P28

CAM

CV11

RA

VE

AV

AV

DA

C19

500

Ilha do Mar Casado Praia do Mar Casado

Praia do Sorocutuba

C47 C45

P27

Praia da Enseada

MOR

R RO MO

C15

DA

Ilha da Laje

SIL BRA AV.

A

ES EV

Descrição e quadro de hierarquia do sistema viário, vide ANEXO III

C46

P26

C01

AV MIGUEL

PINA RO

Praia do Pernambuco

VIA

NI RANGO

CV03

N

ICO

C52

C37

O ESTEFN

C05

C16

an h em a

E

S

S

O

I

P25

C35

E04

E04

C17

C18

D RO M PE

A

E05

C33

P24

C30

io

do

0

C44

O AV D

AV ATLANTIC

HO

P23

C31

O DOMEN CÔNEG

Á

T

E

CV08

VIA

DAIG

J

N

O

U

A

RR

TEL

CV03

C19

C23

BO

Vila Zilda Ilha dos Arvoredos

Conceiçãozinha

metros 3.000

E06

C41

C39

DO

C34

C20

Praia Sta. Cruz dos Navegantes

Ic

IO

R

S

T

CO

C42 C38

C36

CV04 CV05

RO

MO

CV01 C25

C15 C29 CV10

VETORIZAÇÃO REALIZADA SOBRE ORTOFOTOS DIGITAIS DE ALTA-RESOLUÇÃO DA AGEM. (CONFIRMAÇÃO EM CAMPO).

C47

C51

R O DO ENG ENHO

R

C32

CV08

C26 DE BARROS C24

C22

R io

MAR

A

INS MART

RUA ACRE

LYDIO

S

C55

C27

C26

CV09

7.345.000

AV

U

N

E

G

Porto

Ilha do Mar Casado

CV12

C48

C51

C40

E11 C32

C30

Morrinhos

Praia do Mar Casado

C49

C44

C43

ES NE V

C31 C27

EST

D

A

Ilha da Laje

R.

O

CR TAN

E DO

MOR

Sant o Amaro

C29

EST

V A S AN TA C. DOS N A RAD

Ilha das Cabras

NTE EGA

Tombo

REESTRUTURAÇÃO URBANA

DESENVOLVIMENTO COMPATIVEL

RECUPERAÇÃO URBANA

OCUPAÇÃO DIRIGIDA

C09

PORTUÁRIO

PORTUÁRIO

C12

P18 P17

O RR

PROJEÇÃO UNIVERSAL TRANSVERSA DE MERCATOR POSIÇÕES REFERIDAS AO DATUM HORIZONTAL SAD-69

Praia do Pernambuco

AV.

C55 E08

A

Rio

C28

MO

E

Ilha dos Arvoredos C48

SIL BRA

C63

A

C90

ou

AV. ADHEMAR

l Rio na

Pernambuco

D

E

A

C64

VE

T

C67

C66

BAR O DA

IO

S

R

ÍP

R

C50

O

IO

N

J Á

VIA

A

U

S

NI RANGO

S

R

O

A

E

IC

ICO

E

U

T

D

G

S

N

N

O

E

D

C55

C65 C62

M

ÍP

C56 CV13

CV05

T

U

S

C58

CV05

C90

N

IC

O DOMEN CÔNEG

E

I

D

A

ÍP

S

IC

IO

C68

CV01

A

M

VIA

N

ÍP

U

DAIG

M

IC

IO

N

C69

E01

C21

MOR

RO

Ca

N

U

MAR

M

AV

A C59

Jardim Boa Esperança

U

C60

E10 E10

C88

P Rio

Pe d

RRO

d

M

C61 C57

M ORR

DO

PEIX

na

7.350.000

Ca

o

DO

Jardim Acapulco

MO

eixe

oP E05

REGIÃO ADMINISTRATIVA IV

O

7.350.000

C90

ixe

PER

ONT

NAM

DUM

CV15

E08

C70

Ilha das Palmas

Per Rio

MOR

TOS

Retroporto

BUC O

SAN

C89

CV14 C71

C87

Rio

equ

ê

PEIX DO RO

Rio

AV

C74

MOR

ê Per equ

R SAO JORGE

E11

C72

Praia do Góes

RO

Pae Cará

E

AU

C86

C75

REGIÃO ADMINISTRATIVA II

R O D OS LIMÕ ES

DO

CAÇ ÃO DO

AU

ACAR

R SAO JORGE

Crum Rio

Vila Áurea

E13

E15

MOR

A

Perequê

ACAR

REGIÃO ADMINISTRATIVA III

Rio

AV

AV

E14

C86

C77

C76

DO VIGI

IA

maú Cru

C78

C85

RO

AV PRES. VARGAS

FERR EIRA

VIG

C79

CV01

C84

CV01

MOR

Santo Amaro

Parque Estuário

THIA GO

RRO DO

P30 P29

C83

Praia do Congava

RO

RO

Rio Mar a t anuá

AV

MO

C86

CV07

CV01

C80

C73

MOR

MEI DO

Praia do Perequê

C90 CV06

AV PRES. VARGAS

E09

FERR EIRA

Crumaú

Aca Rio Maratanuá

C82 THIA GO

Acar

O

Rio

Rio

E09

C81 AV

Praia do Perequê

DO

ICA

NH

EMA CV02 P13

C10

P12

Praia do Tombo

RETROPORTUÁRIO / INDUSTRIAL

RETROPORTUÁRIO / INDUSTRIAL

C11 E02

Praia do Tombo

CV02 P14

ZONA

ALTA DENSIDADE MÉDIA DENSIDADE BAIXA DENSIDADE

USO

RESIDENCIAL

P16

Praia do Guaiúba

RO

DO

PIN

ESPECIAIS: INTERESSE SOCIAL INTERESSE DE PATRIMÔNIO INTERESSE TURÍSTICO INTERESSE MILITAR INTERESSE PÚBLICO

TO

MOR

Guaiúba

Praia do Guaiúba

ZONA

ALTA DENSIDADE MÉDIA DENSIDADE BAIXA DENSIDADE

USO

RESIDENCIAL

ESPECIAIS: INTERESSE SOCIAL INTERESSE DE PATRIMÔNIO INTERESSE TURÍSTICO INTERESSE MILITAR INTERESSE PÚBLICO

Praia do Bueno

Praia do Bueno

Ilha do Mato ou Prainha Praia do Monduba

NÃO RESIDENCIAL

Praia do Monduba

Ilha do Pau a Pino

NÃO RESIDENCIAL

PORTUÁRIO RETROPORTUÁRIO/ INDUSTRIAL AEROPORTUÁRIO

Ilha do Pau a Pino MORRO DO MONDUBA

Ilha do Mato ou Prainha

MISTA

RO

DO

M ONDUB

A

MISTA

PORTUÁRIO RETROPORTUÁRIO/ INDUSTRIAL AEROPORTUÁRIO

MOR

Praia de Fora ou do Moisés

Praia de Fora ou do Moisés

PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARUJÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARUJÁ

ESTADO DE SÃO PAULO

ESTADO DE SÃO PAULO

ESTÂNCIA BALNEÁRIA

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

7.340.000

7.340.000

Plano Diretor Democrático

ESTÂNCIA BALNEÁRIA

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

Ilha Aleluia

Ilha Aleluia

Ilha da Moela

Ilha da Moela

MOBILIDADE

ABAIRRAMENTO

Data / Revisão

Escala

Desenho

Folha

Data / Revisão

Escala

Desenho

Folha

20/12/2006 V02 R03

1:25.000

Dalia Katz Fábio Lima

07/18

20/12/2006 V02 R03

1:25.000

Dalia Katz Fábio Lima

18/18

do Guarujá, SP 2006 O plano diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade de acordo com a lei Federal 10.257, o Estatuto da Cidade.

O PLANO DIRETOR DEMOCRÁTICO DO GUARUJÁ é estruturado de acordo com as características ambientais e a capacidade de suporte do

ASPECTOS QUANTO AO MEIO FÍSICO

território, considerando aspectos SÓCIO-

- extensão, importância e significação da cobertura vegetal;

ECONÔMICOS e:

Foi realizado um estudo do território junto a uma equipe interdisciplinar, alem de desenvolvimento propositivo e legal, para a realização do Plano Diretor Democrático do

ASPECTOS QUANTO A OCUPAÇÃO

Município do Guarujá.

- equipamentos públicos.

- densidade construída; - infra-estrutura; - situação fundiária; - uso do solo;

- características geomorfologicas; - grau de preservação dos ecossistemas naturais;

- importância e significação paisagística; - possibilidade de ocupação com vistas ao desenvolvimento econômico controlado; - existência de ocupação prévia com possibilidade de expansão.


PLANEJAMENTO MUNICIPAL

FUNÇÕES DO PDA:

Plano diretor ambiental - PDA

- definir estratégias para controle do uso da terra e das atividades desenvolvidas, especialmente daquelas capazes de produzir fortes impactos ambientais;

PDA de Porto Feliz, SP 2007 e PDA de Santa Fé do Sul, SP 2006 O PDA é um instrumento de gestão municipal que tem por objetivo promover a melhoria da qualidade de vida e do bem estar da população por meio do desenvolvimento econômico sustentável compatível com as condições e potenciais ambientais do território. O PDA PARA O MUNICÍPIO: - gestão integrada de água e solo; - agilidade administrativa; - redução de impacto ambiental; - economia sustentável; - controle de uso da terra; - municipalização do licenciamento; - apoio à iniciativa privada; - maximização de recursos; - identificação de potenciais; - planejamento do crescimento.

- orientar as ações públicas a partir da diretriz de desenvolvimento sustentado;

- dotar a administração pública municipal de um instrumento de gestão para a política ambiental dos recursos do município; - identificar os potenciais produtivos do município e região, orientados para a qualificação ambiental; - referenciar a iniciativa privada com uma base de dados eficiente e atualizada capaz de subsidiar a tomada de decisão do investimento; - assegurar à iniciativa privada procedimentos claros e previsíveis quanto ao licenciamento de seus empreendimentos. ABRANGÊNCIA


PLANEJAMENTO MUNICIPAL Plano viário

Plano Viário de Mogi das Cruzes (PVMC) , SP 2006 Constitui objetivo do PVMC o aprofundamento das questões tratadas no Plano Diretor sobre a política municipal de mobilidade urbana, em especial das diretrizes que foram nele fixadas, a saber: IAdequar o sistema viário, tornando-o mais abrangente e funcional, visando à sua estruturação e ligação inter-bairros; II-

Prever a estruturação

do sistema viário visando ao

desenvolvimento econômico e urbano ordenado nas áreas periféricas do Município; IIIProporcionar as ligações metropolitanas e regionais do Município de Mogi das Cruzes com os municípios vizinhos; IVMelhorar e descentralizar o fluxo de veículos por meio da realização de obras viárias, inclusive obras de arte, complementando o

sistema de circulação e mobilidade do Município; VMelhorar e tornar mais homogênea a circulação no território municipal, priorizando o pedestre; VI-

Prever o abastecimento,

distribuição de bens e escoamento da produção do Município, de modo a reduzir seus impactos sobre a circulação de pessoas e sobre o meio ambiente.


URBANIZAÇÃO Indústria e logística

NHAPIUM Cubatão, SP 2006 Desenvolvimento de Master Plan e licenciamento para empreendimento em área de 1.100.000,00 m² que contempla um ceasa, área habitacional, institucional, empresarial e comercial. A área empresarial poderá abrigar serviços como logística, frigorificação, armazenagem alfandegada, “draw back”, etc. O centro empresarial e comercial poderá abrigar escritórios e serviços diversos e o centro de abastecimento, funcionará como um ceasa, atendendo atacado e varejo. O setor habitacional terá 1000 unidades, sendo 400 delas para atendimento da população dos bairros vizinhos a ser removida de áreas de risco.

Trata-se de um empreendimento destinado a empresas não poluentes, que prevê a preservação e proteção integral dos manguezais do entorno (aproximadamente 267 hectares), manejo e proteção à fauna existente e contará com sistema autônomo de tratamento de efluentes.


URBANIZAÇÃO Indústria e logística

RETROPORTO Guarujá, SP 2007 Desenvolvimento de Master Plan para retroporto a ser implantado na margem esquerda do porto de Santos. O empreendimento com área de 410 ha, prevê área para containers, indústrias não poluentes, armazéns alfandegados, tancagem, além de patio de serviço e apoio ao caminhoneiro.


URBANIZAÇÃO Indústria e logística

AMPLIAÇÃO DO AEROPORTO DE RIBEIRÃO PRETO Ribeirão Preto, SP 2007

efeito de instrução de processo de licenciamento ambiental em âmbito estadual. Foram tratados especialmente os aspectos urbanísticos quanto a zoneamento, circulação, sistema viário.

ra ue ng ha An via

O trabalho consistiu na análise dos impactos gerados pela proposta de ampliação da pista de pouso, para

Rio Pardo

Local do projeto

via

Ribeirão Preto - centro

fér rea


URBANIZAÇÃO Loteamentos e condomínios

CONDOMÍNIO NÁUTICO DE TIJUCOPAVA Guarujá, SP 2006 Master Plan, projeto executivo e licenciamento ambiental de condomínio náutico em área de 53.900 m², com 28 lotes, marina privada, galpão para armazenagem de barcos a seco, clube náutico, quadras esportivas, equipamentos de apoio à marina, heliponto e centro comercial. A marina possui capacidade para 29 vagas molhadas sendo 7 pra embarcações de até 45’, 11 de 52’, 6 de 60’, 4 de 80’ e 1 de 120’ e o galpão possui capacidade para 30 vagas em seco de até 35’.


URBANIZAÇÃO Loteamentos e condomínios

CONJUNTO HABITACIONAL E PARQUE CHÁCARA DAS FLORES São Miguel Paulista, SP 1996 Conjunto habitacional implantado em gleba de 10,7 ha com 1900 unidades de 42 m2, ao lado de um parque público que preserva bosque e restaura os edifícios remanescentes da antiga “Chácara das Flores”.


EQUIPAMENTOS DE LAZER E EDUCAÇÃO

PARQUES RIBEIRINHOS Hortolândia, SP 2009 Estudo de recuperação ambiental dos corpos d’água do município partindo de dois projetos-piloto: Parque Orestes Ongaro e Jardim Adelaide. O primeiro tem problemas como vossoroca, assoreamento e supressão das nascentes. O segundo, tem problemas de descargas de efluentes domésticos, urbanização descontrolada da orla e assoreamento. Os projetos proporcionam recuperação ambiental aliada a provisão de parques públicos, em áreas de densa urbanização e carentes de equipamentos dessa natureza.


EQUIPAMENTOS DE LAZER E EDUCAÇÃO PARQUE DA CIDADE Embu, SP 2009 Projeto para parque municipal com cerca de 1.600.000 m², que buscou responder, a um só tempo, a uma contingência e a uma necessidade: a primeira respectiva ao surgimento de uma área residual – pouco maior que o Parque da Ibirapuera – resultado do traçado do Rodoanel, no município de Embu, que evita ocupar a várzea do rio Embu-mirim visando preservá-la; e a segunda, relativa ao provimento de espaços públicos, abertos, livres numa região altamente adensada e desproporcionalmente atendida quanto a este tipo de equipamento urbano. O processo de elaboração das diretrizes do Parque da Cidade foi feito através de oficinas abertas promovidas pela prefeitura de Embu. Participaram cidadãos, entidades da sociedade civil organizada e membros do poder público.


EQUIPAMENTOS DE LAZER E EDUCAÇÃO

Parque Beira-Rio e Centro Comunitário Rifaina, SP 2008 Estudo de conjunto na orla da represa de Jaguará com equipamentos recreativos e de apoio ao lazer. O programa do Parque BeiraRio contempla estrutura náutica, sanitários públicos, quiosques, restaurantes e centro comunitário, além de recomposição da mata ciliar e trilhas educativas. O centro comunitário contém auditório, salas e oficinas para cursos e encontros, salas para as sedes de associações e cooperativas locais, espaço para exposições, biblioteca e sala multimídia.


EQUIPAMENTOS DE LAZER E EDUCAÇÃO

NURAP - Núcleo Rótary de Aprendizagem Profissional São Paulo, SP 2006 Projeto de complexo educacional e abrigo para portadores de deficiências. O programa compreende salão de eventos, bloco administrativo, bazar, dormitórios, salas de aula, quadra poliesportiva e refeitório. O conjunto necessitou de projetos específicos de mobiliário, caixilhos e utensílios em geral a fim de garantir a segurança dos residentes.


ESTRUTURAS TURÍSTICAS Resorts e hotéis

ARMAÇÃO DA PIEDADE Gov. Celso Ramos, SC 2001 O projeto consiste em um hotel resort em área de 25 ha, sendo 12 ha de bosques naturais preservados. O programa que compõe o complexo hoteleiro contempla 208 unidades residenciais, hotel com 130 unidades, fitness center, clube, restaurante e serviços de apoio.

RESORT ECOLÓGICO SACO DO CÉU Angra dos Reis, RJ 1997 O programa do resort contempla uma sede náutica, sede social, além de 80 chalés com áreas de 20, 30 e 40 m2.


ESTRUTURAS TURÍSTICAS Resorts e hotéis

CONDOMÍNIO DA MARINA CANOÉ Fortim, CE 2007 Concurso de idéias para o desenvolvimento de empreendimento imobiliário numa área de 290 ha, que compreende setor de comercio e serviços, condomínios residenciais, campo de golfe e hotel.


ESTRUTURAS TURÍSTICAS Resorts e hotéis

PRAIA DURA RESORT Ubatuba, SP 1998 O projeto consiste em um hotel com 144 quartos para treinamento e lazer, real estate com 250 unidades de um, dois ou três dormitórios, área esportiva, piscinas e bosque natural com 50 ha.

PORTO GAVOA RESORT Igarassu, PE 1998 O projeto consiste em complexo turístico divido em duas áreas distintas, uma com 63 ha e a segunda com 71 ha. Seu programa engloba hotéis, real estate, marina, parque aquático e serviços de apoio.


ESTRUTURAS TURÍSTICAS Marinas MARINA ALPHAVILLE JACUHI Vitória, ES 2007 Estudo de dimensionamento e implantação e da estrutura náutica do empreendimento. Conta com 94 vagas molhadas (divididas em 3 bolsões), marina com 120 vagas molhadas para barcos de 30 pés, atracadouro para grandes iates e retromarina com146 vagas secas para barcos de 40 pés.

MARINA PÚBLICA DE SÃO SEBASTIÃO São Sebastião, SP 1997 Desenvolvimento de Master Plan de marina pública com capacidade para 250 barcos em vagas molhadas e 350 em seco. Seu programa abarca: centro comercial, hotel e praça cívica junto ao centro histórico da cidade.


ESTRUTURAS TURÍSTICAS Marinas CABO DE SÃO ROQUE Natal, RN 2006 Desenvolvimento de projeto para a estrutura náutica e recreativa de empreendimento turístico. Duas opções de solução do acesso à marina visam a análise do impacto ambiental e do custo da instalação que consiste em: marina privada, retromarina, sede social, capitania, praça e farol.

PORTO TURÍSTICO JURERÊ Florianópolis, SC 2001 Seu programa é composto por píer, sede náutica, praça receptiva, terminal de passageiros e terminal rodoviário turístico e uma marina para embarcações de pequeno porte (até 68 barcos de 25’) à mega iates (acima de 100”), e mais quatro vagas para tenders, para desembarque de transatlânticos.


ESTRUTURAS TURÍSTICAS Marinas

MARINA CANOÉ Fortim, CE 2006/07 Master Plan e estudo preliminar de marina, com sede social, galpões de armazenagem de barcos e edifício de serviços e de porto dos pescadores, com mercado, restaurante e área de lazer. A bacia tem área aproximada de 32.800 m² e possui capacidade para 144 embarcações de 25 a 60 pés, organizadas em docas flutuantes. Os dois galpões juntos contam com 40 boxes para jet-skys e com 66 vagas secas (30’), com possibilidade para expansão vertical, e assim dobrar a capacidade.


RESIDÊNCIAS Sítio Tijucopava Guarujá, SP 2007 Estudo de viabilidade de unidades residenciais em lotes remanescentes do loteamento Sítio Tijucopava, em meio da reserva ecológica da Serra do Guararu. As 10 áreas identificadas passíveis de ocupação receberam estudos de implantação e volumetria específicos. Para o mínimo impacto, os estudos adaptam-se ao relevo acidentado, mantendo a topografia natural e a cobertura vegetal mais significativa.

Residência Feldman São Paulo, SP 1998 Projeto executivo de residência de 175 m2, em lote de 5,20x22,30. Seu programa engloba: 4 dormitórios, sala de estudo, sala de televisão e terraçojardim na cobertura.


RESIDÊNCIAS

Residência Adroaldo Guarujá, SP 2008 A residência de 1150 m², desenvolvese em 4 pavimentos devido às limitações do relevo acidentado e às restrições de ocupação próprias de áreas de reserva ambiental onde se insere. Abriga 6 dormitórios e diversas salas de lazer e de estar rodeadas por amplas varandas e terraços que procuram a mata e a paisagem local.

Sede da Fazenda Chamalote São Pedro da Aldeia, SP 2000 Projeto de residência de 360 m² com pátios que articulam área social, íntima e jogos. Estrutura de madeira e alvenarias caiadas remetem às construções tradicionais da região.


Portfólio SAU Sandler Arquitetura e Urbanismo antigo