Page 1


MANEJO DA ADUBAÇÃO DO CAFEEIRO ANTONIO EDUARDO FURTINI NETO Departamento de Ciência do Solo Universidade Federal de Lavras


O GRANDE DESAFIO O GRANDE DESAFIO MUNDIAL MUNDIAL 1990 2000 2025 1990

2000

2025

POPULAÇÃO MUNDIAL (BILHÕES)

5,2

6,2

8,3

DEMANDA DE ALIMENTOS (BILHÕES t)

1,97

2,45

3,97

PRODUTIVIDADE (t/ha)

2,5

2,9

4,5

Fonte: Bourlaug e Dowswell, 1993.


ÁREA AGRICULTÁVEL DO BRASIL (550 milhões ha) vs ÁREA TOTAL DE 32 PAÍSES DA EUROPA Áustria Hungria Romênia Holanda Lituânia Itália Polônia Estônia Tchecoslováquia França Irlanda Bélgica Albânia Portugal Espanha Bulgária Reino Unido Alemanha Letônia Dinamarca Suécia

Grécia Ucrânia Bósnia Croácia Macedônia Islândia Iugoslávia Noruega Finlândia Suíça Bielo Rússia

Fonte: J. L. Coelho, John Deere, 2001.


FERTILIZANTES NO BRASIL Balanço entre Suprimento e Demanda - 2007 9%

12%

25% 36%

49% 58% 91% 88%

64% 75%

Nitrogênio Nitrogênio Nitrogênio

51% 42%

Fósforo Fósforo Fósforo

Potássio

Potássio Potássio

Produção interna

Fonte: ANDA e SIACESP

Importações


Total Nutrientes

Nacional Importado

86%

68%

65%

32%

35% 14%

1983

2006

2025

Fonte: ANDA. Projeções: MB Agro, 2007


NOSSO ATUAL DESAFIO... PODER DE TROCA DO CAFÉ – sacas café tipo 6 Média 1997

Média 2007 Maio 2008 Set 2010

Sulfato de amônio

1,28

2,69

3,88

2,51

Uréia

1,75

3,94

5,39

3,72

Super simples

0,84

2,12

3,95

2,25

Cloreto de Potássio

1,35

3,38

6,32

3,47

20-05-20

1,48

3,42

5,64

3,17

Mão de obra D/H

0,04

0,09

0,10

0,15

Uno Mille 0 Km

59,61

91,29

97,11

76,00


Objetivos: Maximizar o LUCRO Melhorar a QUALIDADE Minimizar o IMPACTO AMBIENTAL Minimizar os RISCOS


SOLUÇÕES FÁCEIS PARA A CAFEICULTURA ??? NOVOS PARADIGMAS NO USO DA TECNOLOGIA ???

(PRODUTOS E SERVIÇOS)


ANTES DA ADOÇÃO DOS NOVOS PARADIGMAS... ALGUNS PROCEDIMENTOS ...


Redução na produtividade vegetal ocasionada por diversos fatores de produção


SOLOS DO BRASIL 70 % apresentam uma ou mais limitação séria de fertilidade Correto manejo da fertilidade: > produção Adubação e calagem: 30 - 50% do custo de produção(cafeeiro = ~ 40%) Adubação errada: poluição ambiental, toxidez NÃO ADUBAR x ADUBAÇÃO INCORRETA ?????


Avaliação da fertilidade do solo Radiografia da área Análise Interpretação Recomendação de correção e adubação


Análise de solo: fatos

No Brasil: 1,2 milhão de análises/ano (Ideal: 4-8 milhões/ano) Maioria das análises: fertilidade de rotina. micronutrientes, textura ??? Ainda pouco valorizada Custo barato Ferramenta imprescindível para recomendar dubos e corretivos:único método preditivo !!!


Amostragem do solo

ETAPA MAIS CRÍTICA DA ANÁLISE DE SOLO !!!


Amostragem do solo Local de coleta:

Formação

Tradicional

Rua + Projeção da copa Adensado


Amostragem do solo Profundidade de coleta de solo: 1. Implantação da lavoura: 0-20 e 20-40 cm 2. Lavoura formada: 0-10, 0-20 e 20-40 cm Avaliar o grau de acidez do solo


CALAGEM


Calagem: saturação por bases ideal

café 60%

Soja 60% Fonte: Adptado de Raij et al. (2001)

Batata 50%


MÉTODO DA SATURAÇÃO POR BASES NC (t/ha)= [ (V2 - V1) .T ] / 100 V1 = saturação por bases da análise do solo T = CTC potencial (análise do solo) V2 = saturação por bases ideal para a cultura (Tabelado)

V = f (Ca + Mg + K) Equilibrio entre as bases

Classificação calcários ???


SITUAÇÃO DESEJÁVEL DE BASES NO SOLO

%Ca = Ca/CTC

40 a 60%

%Mg = Mg/CTC

10 a 20%

%K = K/CTC

3 a 5%


RELAÇÃO

RELAÇÃO DE CONSUMO CALCÁRIO/FERTILIZANTES BRASIL, 1973/2006

3,5 3

Relação de consumo calcário/fertilizantes 2002 = 0,97:1; 2005 = 0,84:1; 2006 = 0,69:1

2,5

CALCÁRIO FERTILIZANTES

2 1,5 1 0,5 0 73 80 85

90

93

96

99

02

05 06

ANO Fonte: ANDA, ABRACAL, 2007


MELHORIA DO AMBIENTE RADICULAR GESSAGEM •GESSO AGRÍCOLA: CaSO4 . 2H2O •REAÇÕES DO GESSO NO SOLO


[CaSO4 . 2H2O] + H2O

[Ca2+ + SO42-] + [CaSO40] ⇓

* GESSAGEM NÃO SUBSTITUI A CALAGEM * REQUER ÁGUA PARA PERCOLAR * POSSIBILIDADE DE PERDA DE K e Mg

- Fornecimento de Ca - Menor atividade de Al em solução

- Raízes profundas - Maior absorção de água e nutrientes - Maior resistência à seca


NITROGÊNIO...


FERTILIZANTES NITROGENADOS SULFATO DE AMÔNIO

(NH4)2SO4

2 NH4+

+

SO42-

NH4+

+

NO3-

NITRATO DE AMÔNIO

NH4NO3 URÉIA

CO(NH2)2 + H2O NH3

urease

H+ OH-

2 NH3 NH4+

+

CO2


FÓSFORO...


Planta ???

Cálcio

FÓSFORO: ALTAMENTE “DISPUTADO” Fósforo

Alumínio

Ferro


o

o

Quantidade de fósforo “fixada”pelo solo

As “montanhas” e “vales” da fixação As “montanhas” e “vales” da fixação de fósforode fósforo Muito alta

“Montanha” No 1 maior fixação

Amplitude para maior disponibilidade de fósforo “Montanha” No 2 alta fixação

Alta

Média

“Vale” o Fixação de N 1 fósforo pelo ferro Fixação de fósforo pelo alumínio

Baixa pH 3

pH 4

pH 5 pH 6 Solos ácidos

“Montanha” No 3 média fixação “Vale” No 2

pH 7 Neutro

Fixação de fósforo pelo cálcio

pH 8 pH 9 Solos alcalinos

A disponibilidade de fósforo varia com o pH do solo. Fonte: Lopes, 1989. o

o


FOSFATOS SOLÚVEIS Ca10(PO4)6F2 + 7H2SO4

3Ca(H2PO4)2 + 7CaSO4 + 2HF = S.Simples

Ca10(PO4)6F2 + 14H3PO3 + 10H2O

10Ca(H2PO4)2 . H2O + 2HF = S.Triplo

NH3 + H3PO4

NH4H2PO4 = MAP

2NH3 + H3PO4

(NH4)2HPO4 = DAP


Potássio ... Dinâmica mais “tranqüila” no solo Lixiviação Chuvas intensas últimos anos Principal fonte: KCl


ENXOFRE... ALGUMAS PREOCUPAÇÕES: FERTILIZANTES MAIS CONCENTRADOS MENORES IMPUREZAS TEOR DE MATÉRIA ORGÂNICA


MICRONUTRIENTES

VIA SOLO E VIA FOLIAR


AMOSTRAGEM FOLIAR ♦ Após, pelo menos, 30 dias do 2º parcelamento de fertilizantes ou de uma pulverização foliar e na fase de chumbinho, (em dezembro). A amostragem de folhas para análise deve ser uma prática rotineira feita todos os anos, para orientar as adubações.

Teores foliares de nutrientes considerados adequados ao cafeeiro Macronutriente

Teor (dag/kg)

Micronutriente

Teor (mg/kg)

N P K Ca Mg S

2,90 – 3,20 0,12 – 0,16 1,80 – 2,20 1,00 – 1,30 0,31 – 0,45 0,15 – 0,20

B Cu Fe Mn Zn Mo

40 – 80 8 – 16 70 – 180 50 – 200 10 – 20 0,1 – 0,2


ALGUMAS CONSTATAÇÕES... RELAÇÃO ENTRE NUTRIÇÃO x DOENÇAS Excesso de N

=

> Phoma

Excesso de K

=

> Cercospora

Excesso de Cu

=

> Ácaro


ÉPOCA DE CRISE : VALE A PENA INVESTIR ? ALTERNATIVA INADEQUADA : CORTE DE TECNOLOGIA

Exemplo de Empresa de adubo 1.800 clientes (cafeicultores) 2008/2009 : atendimento a apenas 30% dos clientes 30% atendidos : 70% deles : adubos para 1a e 2a cobertura Então : apenas 9% do total de clientes adubou corretamente Consequência : < produtividade > prejuízo ( custo fixo? )


CUSTO DE PRODUÇÃO DE CAFÉ NO SUL E OESTE DE MINAS GERAIS --------------------------------------------------------------------------------------------------Sacas/ha

Custo em Reais 2007/2008

2009/2010(projeção)

--------------------------------------------------------------------------------------------------40

230,41

256,00

30

262,39

292,00

20

285,80

318,00

10

388,79

432,00

Fonte: Garcia e Matiello, 2008 ---------------------------------------------------------------------------------------------------

SOLUÇÃO : AUMENTO DE PRODUTIVIDADE !!!


PME

Produtividade ou Renda Bruta

PM

C

a d o t us

gia o l o Tecn

Custos fixos

1

Custo total

Maior Receita LĂ­quida = Maior Lucro

2 3 4 5 Unidades Investidas com a Tecnologia

6

Lei dos Incrementos Decrescentes


CRIATIVIDADE (EFICIÊNCIA) NO USO DA TECNOLOGIA “ MANEJO DO MATO” DA ENTRELINHA -DIMINUIR COBERTURAS ( não em quantidade do adubo !!! ) -COMPRA CONJUNTA DE ADUBOS E CORRETIVOS -USO “RACIONAL” DE CALCÁRIO(considerar faixa, profundidade...) -ADUBO ORGÂNICO/COMPOSTO (da propriedade!!! ) Ex. Café São Gotardo -ADENSAMENTO : maior aproveitamento adubo

-ANÁLISE DO SOLO E ANÁLISE FOLIAR !!! -USO “SOMENTE” DE 20-5-20 ou 20-0-20 ( K no solo?) - ADUBAÇÕES FOLIARES – PELO MENOS 4 APLICAÇÕES


CRIATIVIDADE (EFICIÊNCIA) NO USO DA TECNOLOGIA

ADUBAÇÕES ATRASADAS... RENOVAÇÃO DAS LAVOURAS

20 cm Ramos de café Acaiá – 9 anos (ex-adensado)


Fontes CORRETAS  Formas de suprimento do nutriente  Adequação às condições químicas e físicas  Observar interações entre nutrientes  Compatibilidade para serem misturados  Sensibilidade das culturas a determinados elementos  Teor de metais pesados contidos nas fontes

IFA, 2009


Quantidade CORRETA  Avaliar a capacidade do solo suprir nutrientes  Avaliar as fontes de nutrientes disponíveis  Avaliar as demandas da planta  Buscar maior eficiência de uso do fertilizante  Considerar as variações climáticas locais  Considerar exportação dos nutrientes  Considerar o preço por unidade de nutriente

IFA, 2009


Época CORRETA  Fases de maior demanda do nutriente pelas plantas  Avaliar a dinâmica de suprimento de nutrientes pelo solo  Liberação e disponibilidade dos nutrientes do fertilizante  Considerar os fatores climáticos que interferem nas perdas de nutrientes  Avaliar a logística das práticas de cultivo

IFA, 2009


Local CORRETO  Dinâmica das raízes no solo  Variabilidade espacial do solo para as culturas  Ajustar às necessidades das culturas  Limitar o potencial de perda de nutrientes

IFA, 2009


CONCLUSÃO...

SE VOCÊ FOI EFICIENTE E CRIATIVO E NÃO CORTOU TECNOLOGIA...


INSUMOS VOCÊ !!!

NÃO DESISTA NUNCA!!!


OBRIGADO ! afurtini@ufla.br 35 3829 - 1251


PalestraAMPARPatrocinioFinal  

MANEJO DA ADUBAÇÃO DO CAFEEIRO ANTONIO EDUARDO FURTINI NETO Departamento de Ciência do Solo Universidade Federal de Lavras PRODUTIVIDADE (t/...