Page 1

Animação

Eleições 2010

Cinema

Artista gráfico Banksy faz nova abertura de “Os Simpsons”

Candidatos que ajudaram a eleger mais colegas de partido ou coligação

Lista completa dos filmes que disputam Venda de ingressos para segundo vaga ao Oscar de filme estrangeiro show de McCartney começa hoje

Edição Nº 356

JORNAL

Show

www.ojornal.com.br Quinta-feira, 07 de outubro de 2010

R$ 2,00

Dilma tem 49% e Serra 43%, diz Ibope Evolução dos índices mostra que, desde o início do mês, presidenciável tucano avançou mais. A candidata governista aparece em primeiro lugar graças aos eleitores do sexo masculino e de baixa renda e escolaridade, principalmente os que vivem no Nordeste e no Norte/Centro-Oeste. Levando-se em conta apenas os votos válidos (excluídos nulos, brancos e eleitores indecisos), Dilma lidera com seis pontos de vantagem (53% a 47%). No primeiro turno, a candidata do PT teve 46,9% dos votos válidos, contra 32,6% do adversário. A evolução dos índices mostra que, desde o

início do mês, Serra avançou mais, absorvendo a maior parte dos eleitores de Marina Silva (PV), que teve 19,3% dos válidos. Na Região Nordeste, Dilma lidera com 21 pontos porcentuais de vantagem (57% a 36%). No Norte/CentroOeste, ela vence por 51% a 43%. Serra colhe seu melhor resultado no Sul, onde lidera por 54% a 41%. Quanto menor a renda dos eleitores, maior a probabilidade de voto na candidata do governo. Há um empate entre os dois candidatos no eleitorado feminino. Pag A3

Resgate termina com sucesso, no Chile Após dois meses soterrados a 700 metros de profundidade, trabalhadores voltam à superfície,

Presidente chileno, Sebastian Piñera, abraça Florencio Ávalos, o primeiro mineiro resgatado

Cerca de 100 membros do PV deverão anunciar, no próximo domingo, a decisão do partido sobre o apoio ou não para Dilma Rousseff (PT) ou José Serra (PSDB), os dois candidatos que concorrem à Presidência da República neste segundo turno das eleições. Por volta das 17h, 53 membros da executiva do PV estiveram reunidos fazendo um levantamento sobre os resultados do primeiro turno. Pag B2

Serra e Dilma em campanha presidencial.

O resgate que emocionou o mundo foi acompanhado em tempo real por milhares de familiares, mais de mil jornalistas e foi transmitido ao vivo para vários países. A operação começou às 23h55 de terça, com a subida do mineiro Florencio Ávalos à superfície na cápsula Phoenix 2, decorada com as cores pátrias chilenas, e terminou às 21h56 de hoje, com a retirada de Luís Urzua, que liderou o grupo durante o tempo em que estiveram presos."Espero que isso nunca mais volte a acontecer", disse Urzua, marcando o fim da operação. "Obrigado a todos, obrigado a todos os socorristas, obrigado a todo o Chile". "O parabenizo porque cumpriu com seu dever saindo por último, como faz um bom capitão", disse o presidente do Chile, Sebatián Piñera, depois de abraçar o mineiro. "Quero diante de você agradecer aos milhares e milhares que trabalharam incansavelmente para que vocês estivessem aqui conosco", acrescentou o governante, entre aplausos da multidão. aplausos da multidão. O resgate bem-sucedido também foi um ponto positivo para a popularidade do presidente Sebastián Piñera. Pag A4

PV adia decisão de apoio no 2º turno

Mundo

Jornais argentinos alertam sobre risco de falta de papel

Cotidiano

Juiz manda mãe assistir a aula com filha em escola de Fernandópolis Mercúrio jogado em área pública de Sp contamina pelo menos 12 Para reduzir filas, PF estende horário de agendamento de passaportes

Aécio, Anastasia e Itamar assinarão carta por Serra O comando da campanha de José Serra (PSDB) articulou ontem a divulgação de uma carta assinada pelo trio Aécio Neves (PSDB), Antonio Anastasia (PSDB) e Itamar Franco (PPS) em apoio ao candidato tucano à Presidência. Pag B3

Mercado

Ação judicial não impede diplomação de Tiririca

Arrecadação no Porto de Santos bate recorde no terceiro trimestre do ano

Uma eventual ação judicial para cassar o mandato de Francisco Everardo Oliveira Silva (PR-SP), o Tiririca, por conta do suposto analfabetismo do humorista, só poderá ser apresentada à Justiça após a diplomação dos candidatos. Pag B5

Bolsa fecha em queda de 2,61%, pior tombo em quase 4 meses

Justiça federal suspende contrato para concurso público dos Correios

min 19º max 25º poucas nuvens

“O FMI concorda com paulo Bernardo: o próximo governo terá de arrumas as contas públicas” PAG A5


Colunas

Nós e vocês contra ‘eu e você’

Editorial Na formação do jornal, primeiramente elaboramos o nome e em seguida criamos o logo. Quando escolhi o nome “O jornal” queria que o nome falasse por ele mesmo, se alto explicasse.Pensei em um projeto gráfico que se identificasse com algo virtual, como se ao olharmos, veriamos algumas semelhanças, sem perder as características de um jornal. Essas semelhanças, podemos observar nas cores, mais vivas, em elementos mais geométricos e sem dúvida, na escolha da fonte sem serifa, mesmo se tratando de um jornal formador de opinião. Se tratando de um jornal formador de opinião, procurei deixar elementos que desse o ar de sofisticação ao jornal, que foi na escolha da letra serifada para as manchetes, e suas variações, do light até o bold. Em relação ao conteúdo do jornal formador de opinião, houve diversos cuidados para que o mesmo se apresentasse desta maneira. Primeiramente, na escolha das matérias, que precisam não só

Quinta feira, 07 de outubro de 2010

POR ELIANE CATANHÊDE possuir um bom conteúdo, mas tinham que ser acontecimentos importantes na história do país, e do mundo. Na capa duas grandes manchetes, que são na atualidade, grandes acontecimentos, que levariam o leitor a se interessar pelo jornal, e disposto no restante da página, em corpo menor, as principais matéria dos cadernos restantes. As fotos que aparecem na capa, conduzem a leitura e a visão do leitor a ser percorrida por toda a página. Jornais formadores de opinião, tem a sua parte editorial com os colunistas que expressam sua opinião a respeito dos principais acontecimentos, sempre de acordo com o posicionamento do jornal. As maoires dificuldades, foi achar as matérias que se encaixariam ao conteúdo do jornal, as fotografias, e como as mesmas eram dispostas na página. Procurei elaborar um projeto que os diversos públicos se interessasem pela leitura, e fiquei bastante satisfeito com o resutado obtido. POR CARLOS EDUARDO GOMES.

A diferença de Dilma Rousseff para José Serra caiu de 14,3 pontos nas urnas do dia 3 para 8 pontos na primeira pesquisa Datafolha no segundo turno, considerando-se os votos válidos. Essa é uma pesquisa fundamental, porque traça as condições da largada. Tal como na aritmética, a conclusão é simples: tem jogo. A oposição anima-se principalmente porque esse não é apenas o retrato do momento, mas a confirmação da tendência de queda que Dilma vem registrando desde a reta final do primeiro turno. O governo demonstra não apenas perplexidade como dúvida sobre o caminho a seguir. Esse estado de ânimo se reflete claramente sobre os dois candidatos, porque a imagem de vitoriosa que Dilma exibiu durante toda a campanha ruiu e a postura insegura de Serra evoluiu para um gestual mais otimista, mais afirmativo. Ela parece desconfortável, ele passa a impressão de estar mais à vontade. É assim que os dois candidatos chegam hoje à

noite ao primeiro debate do segundo turno, na TV Bandeirantes. Dilma perde votos e Serra ganha segurança, mas os dois estão igualmente numa encruzilhada: não podem ficar meramente na defesa, passando de boa moça e de bom moço, mas muito menos podem partir para o ataque. Ataques na TV costumam ter efeito bumerangue, voltando-se contra quem ataca. Principalmente se o duelo é entre um homem e mulher. Tem de ser milimetricamente ajustado. Dilma certamente falará da inclusão de 28 milhões de pessoas e insistirá na comparação das obras dos últimos oito anos com os oito de FHC, enfatizando o seu "partido", diga-se "o presidente Lula" e "o nosso governo". Serra vai mostrar o que "eu fiz", fazendo uma nova excursão sobre o Ministério da Saúde, a Prefeitura de São Paulo, o governo do Estado. Mas vai ter de falar de Erenice, mas sem falar da Erenice. Como? Não faço a menor ideia. Mas eles devem estar quebrando a cabeça com isso.

Dilma vai insistir em grudar em Lula, ou seja, no "nós". Serra vai forçar a comparação direta, cara a cara, falando no "eu". Pelos dados do Datafolha, Dilma está na frente graças ao Nordeste (62%), ao interior, aos homens e aos de menor renda. Serra tem vantagem nas demais regiões dentro da margem de erro e ganha no Sul, nas capitais, vence com pequena margem entre as mulheres. Os espaços de crescimento parecem ser mais promissores para Serra: os 51% dos votos de Marina (Dilma tem apenas 22%) e os indecisos saíram principalmente de Dilma. Podem até voltar, mas tendem a manter a marcha até migrar para a candidatura de oposição. A ver, dependendo dos rumos da campanha.Como faltam três semanas, muita coisa pode acontecer. Mas, pelas linhas da pesquisa, uma coisa é certa: o tempo corre contra Dilma, a favor de Serra. E nenhum dos dois lados pode errar. E nenhum dos dois lados pode errar..

captaram a tendência, deflagrando uma operação de redução de danos. Se confirmado como um fenômeno de grandes dimensões, seria a primeira vez que a religião se torna uma variável relevante em eleições majoritárias no Brasil. É justamente aí que mora o problema. Longe de mim sugerir que pastores e padres não têm o direito de convencer seus rebanhos a votar segundo a palavra de Deus, ainda que esta esteja aberta às mais diferentes interpretações, muitas vezes inconciliáveis entre si. A democracia só existe quando as pessoas são livres para dizer o que pensam, mesmo que sejam besteiras ou fantasias delirantes, e o eleitor vota prestando contas apenas à sua consciência. Mas ninguém jamais afirmou que a democracia era a autoestrada para o paraíso. Como celebremente observou o estadista britânico Winston Churchill: ‘Ninguém pretende que a democracia seja perfeita ou sem defeito. Tem-se dito que a democracia é a pior forma de governo, salvo todas as demais formas que têm sido experimentadas de

tempos em tempos’. O perigo de utilizar uma lógica espiritual para pautar a política é que ela introduz absolutos morais em questões que precisam ser resolvidas de uma perspectiva essencialmente prática, normalmente com recurso a negociações. Em suma, tudo o que não precisamos é trazer para as leis e políticas públicas é a noção de pecado. É claro que existe um equivalente laico do conceito de pecado, que é o crime. A diferença é que, enquanto este último tem uma justificação exclusivamente racional em bases mais ou menos utilitárias e comporta gradações, o primeiro, por ter sido ditado por uma autoridade superior e supos-

tamente incontestável, nos chega na forma de pacotes inegociáveis. De certo modo, pensar religiosamente é negar a política. Não estou evidentemente nem chegando perto de sugerir que essa novela em torno do aborto e a vergonhosa capitulação de partidos que sempre defenderam um Estado laico-- nos coloca mais perto de uma teocracia. O próprio desenho institucional do país já veta essa possibilidade. Mas não é sem tristeza que assisto à negação da lógica laicista, que é a melhor coisa que aconteceu ao Ocidente nos últimos 300 anos. Não é sem tristeza que assisto à negação da lógica laicista, que é a melhor.

Rodrigo Rosa

Fé na eleição POR HÉLIO SCHWARTSMAN Deu segundo turno. Isso anima os tucanos, mas não creio que a festa ranfastídea irá durar muito. Se tudo o que já li sobre ciência política e neurociência aplicada a eleições vale alguma coisa, o advento do segundo escrutínio significa apenas que Dilma Rousseff terá de esperar até o fim do mês para comemorar sua assunção à Presidência da República. Para sair derrotada, a candidatura petista precisaria perder eleitores que já conquistara, um fenômeno que até pode ocorrer, mas que é relativamente raro. Dilma terminou com 47% dos votos válidos. Para atingir a marca dos 50% que a entroniza no Planalto, precisa apenas herdar 1,5 de cada dez simpatizantes de Marina Silva. Colocando de outra forma, Serra precisaria arregimentar algo como 90% dos eleitores do PV para reverter o quadro. Pelas pesquisas das vésperas do primeiro turno, ele de fato incorpora a maioria dos verdes, mas numa proporção inferior à necessária: 50%. Cerca de 30% tendem a migrar para o PT. Não são, contudo, essas platitudes aritmético-eleitorais que me motivam a escrever a coluna de hoje. A crer no que dizem marqueteiros, pesquisistas e jornalistas, foi a polêmica em torno

do aborto que custou a Dilma a vitória no primeiro turno. Insuflados por clérigos que denunciaram o passado pró-abortista da candidata, eleitores religiosos (principalmente evangélicos, mas também católicos) teriam trocado a petista por Marina, genuinamente evangélica e contrária ao aborto desde criancinha. Para não perder a piada, eu diria que votaram na pessoa certa pelas razões erradas. (Recado aos adivinhadores de sufrágio: não, não votei em Marina). A tese do efeito aborto é verossímil. Infelizmente, é difícil comprová-la porque os dois principais institutos de pesquisa, o Datafolha e o Ibope, na reta final, para reduzir o tempo das entrevistas, deixaram de perguntar aos eleitores a sua fé. O Datafolha excomungou a questão religiosa no final de junho, e o Ibope, em 23 de setembro. Os dados deste último, contudo, chegaram a registrar um esvaziamento de Dilma entre os evangélicos no mês passado. O fato de o comando petista ter reagido firmemente procurando lideranças religiosas nos últimos dias da campanha e esconjurando a descriminação do aborto de seu programa também é sugestivo de que as sondagens do partido


Mundo

Quinta feira, 07 de outubro de 2010

Europa cai do pedestal e Brasil sobe 13 posições em liberdade de imprensa De São paulo O Brasil subiu 13 posições no ranking anual de liberdade de imprensa da ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF) --passando de 71º para 58º. O estudo sobre a situação em 200 países foi divulgado nesta terça-feira. Finlândia, Islândia, Holanda, Suécia e Suíça lideram o ranking. O relatório destaca também que, pela primeira vez desde a criação da classificação anual, em 2002, Cuba não faz parte dos dez últimos, embora ocupe o 166º lugar. “Esta progressão se deve principalmente à libertação de 14 jornalistas e 22 militantes durante o verão de 2010. No entanto, a situação no país não evoluiu muito, a censura e a opressão são ainda cotidianas para os dissidentes políticos e os profissionais da informação”, afirma a RSF. A ONG alertou ainda que vários países membros da União Europeia continuam perdendo posições --e prejudicando a imagem de exemplo para outras nações. Também preocupa a linha-dura sendo adotada pelos governos no pé da lista: Ruanda, Iêmen e Síria se juntaram

a Mianmar e Coreia do Norte no grupo dos países mais repressivos aos jornalistas no mundo. “Mais do que nunca antes, vemos que desenvolvimento econômico, reforma institucional e respeito aos direitos fundamentais não necessariamente caminham juntos”, disse o secretário-geral da ONG, Jean-François Julliard. “A defesa da liberdade de imprensa continua sendo uma batalha, uma batalha de vigilância nas democracias da velha Europa e uma batalha contra a opressão e a injustiça nos regimes totalitários ainda espalhados ao redor do mundo.” A ONG prestou homenagem aos ativistas de direitos humanos, jornalistas e blogueiros que defendem o direito de expressão no mundo e reiterou ao governo chinês o pedido para libertar o dissidente Liu Xiaobo, vencedor do prêmio Nobel da Paz deste ano. A ONG alerta para a situação deteriorante da liberdade de expressão na União Europeia, tendência confirmada pela última pesquisa. Dos 27 Estados membros da UE, 13 estão entre os 20 primeiros da

lista da RSF. Porém, a distância entre os países que têm desempenho bom e os que têm desempenho ruim está aumentando. Dos outros 14 países da UE, alguns estão em posições bem baixas. A Itália aparece em 49º., a Romênia em 52º., e Grécia e Bulgária estão empatados em 70º.. Em alguns países não foi registrado nenhum avanço: França e Itália não conseguiram reverter a tendência de redução da liberdade de imprensa. No ano passado, houve casos de violação do sigilo das fontes dos jornalistas, além da contínua concentração das empresas de mídia, mostras de desacato e impaciência da parte de autoridades do governo em relação a jornalistas e seu trabalho, e intimações judiciais. Vários países dividem o título de melhor nação para atuação jornalística, e o norte da Europa se mantêm no topo. Neste ano, Finlândia, Islândia, Holanda, Noruega, Suécia e Suíça ficaram em primeiro lugar no ranking da Repórteres Sem Fronteiras. Todos eles já estiveram nesta posição antes, e Noruega e

Islândia sempre apareceram em primeiro lugar --exceto em 2006 (Noruega) e 2009 (Islândia). Esses países constituem exemplos de liberdade de imprensa, e continuam melhorando. A Islândia, por exemplo, estuda um projeto de lei para conceder um nível único de proteção à mídia. Nos últimos anos, a ONG chamou atenção especial aos três países que sempre estão nas três últimas posições: Eritreia, Coreia do Norte e Turcomenistão. Este ano, um grupo maior de dez países --marcado pela perseguição da imprensa e por uma falta total de informação e notícias estão juntos no final da lista. “A situação de liberdade de imprensa continua se deteriorando nesses países cando cada vez mais difícil dizer qual é o pior”, informa a ONG. Afeganistão, Paquistão, Somália e México --países que estão em guerra aberta, guerra civil ou que enfrentam algum tipo de conflito interno-- mostram uma situação de caos permanente e uma cultura de violência e impunidade se enraizando, tendo a mídia como um dos principais alvos. Eles estão entre os países mais perigosos do mundo, e combatentes miram diretamente em jornalistas --caso, por exemplo, dos jornalistas da TV francesa, Stéphane Taponier e Hervé Ghesquière, mantidos reféns no Afeganistão nos últimos 300 dias.

Estudante de 20 anos e candidata única assume comando da polícia em cidade mexicana De France Presse Marisol Valles tem 20 anos, um filho ainda bebê e 19 policiais sob seu comando, os quais chefia a partir desta quarta-feira como comandante da polícia do povoado mexicano de Praxedis Guadalupe Guerrero. O local é castigado pela violência e fica em uma das passagens mais usadas pelos cartéis para levar drogas aos Estados Unidos. Ninguém mais quis assumir o cargo de chefe de polícia na cidade de 10.000 habitantes, às margens do fronteiriço rio Bravo. O prefeito foi assassinado em junho. Essa estudante de criminologia decidiu enfrentar o desafio, embora reconheça que sinta medo. “No México, todos temos medo agora. O que precisamos é que o medo não nos vença”, disse a jovem magra, que usa óculos e prende os cabelos, enquanto segura um caderno de estudante. Valles foi nomeada na tarde de segunda-feira (18). Quero que as pessoas não vivam mais com medo.

Corte de apelação decide manter proibição de gays no serviço militar nos EUA De São Paulo Uma corte americana de apelação decidiu nesta quarta-feira que o serviço militar dos Estados Unidos pode manter a proibição de gays assumidos em seus quadros temporariamente, enquanto o processo tramita na Justiça. A política conhecida como "Don't Ask, Don't Tell" ["Não pergunte, não conte", em tradução livre], em vigor há 17 anos, determina que as Forças Armadas não devem perguntar aos militares sobre sua orientação sexual, e os miltares não devem divulgá-la A Corte de Apelações de São Francisco aceitou um pedido do governo de Barack Obama para congelar temporariamente a decisão de uma juíza federal. A juíza Virginia Phillips, de Riverside, Califórnia, considerou a proibição de gays assumidos no serviço militar uma regra inconstitucional e ordenou que, a partir de 12 de outubro, os militares parassem de aplicá-la.

Na segunda-feira (18), a juíza rejeitou um pedido do governo para suspender sua decisão temporariamente. O Departamento de Justiça do governo, então, recorreu a uma corte de apelações. O governo de Obama diz ser a favor de derrubar a proibição de gays assumidos no serviço militar --essa foi uma das promessas de campanha em 2008--, mas quer que isso aconteça apenas depois de uma revisão cuidadosa e de uma ação do Congresso. O governo defende que derrubar essa política por meio de uma ordem judicial e de forma imediata traria um problema ainda maior para as Forças Armadas. Manter a decisão da juíza em vigor agora “criaria uma incerteza tremenda sobre a situação dos membros do serviço que podem revelar sua orientação sexual confiando na decisão e mandado da corte distrital”, afirmou o Departamento de Justiça dos EUA

O ativista gay Dan Choi procurou um centro de recrutamento militar em Nova York para se realistar

em sua última apelação. “Desenvolver treinamento e orientação apropriados efetivamente com respeito a uma mudança de política vai demandar tempo e esforço”, acrescenta o pedido. “O mandado da corte distrital não permite tempo suficiente para tal treinamento ocorrer, especialmente para comandantes e militares servindo em combate ativo.” A decisão da juíza fica suspensa temporariamente, enquanto a Corte de Apelação avalia uma suspensão de longo prazo. Se esse pedido for negado, o governo deve pedir uma revisão à Suprema

Corte dos EUA. Ontem, o serviço militar americano tinha começado a aceitar inscrições de candidatos assumidamente gays pela primeira vez na história dos Estados Unidos. O Pentágono informou nesta terça-feira que seus recrutadores foram instruídos a aceitar inscrições de gays e lésbicas assumidos. “Os recrutadores receberam instruções, e eles vão aceitar inscrições de candidatos que se assumem abertamente como gays ou lésbicas”, disse Cynthia Smith, portavoz do Pentágono. Eles também foram instruídos a informar potenciais recrutas que essa alteração na

política pode ser revertida a qualquer momento, dependendo das decisões judiciais, disse a portavoz. Dan Choi, um ex-veterano da guerra do Iraque, foi suspenso em julho após assumir ser gay. Ele foi a um centro de recrutamento em Nova York hoje para se realistar no Exército. Em sua conta na rede social Twitter, ele disse que passou nos testes de habilidades, apesar de ter deixado três perguntas orais e cinco de matemática em branco. Ele também fez uma clara declaração em seu formulário de inscrição, dizendo que não mentiria sobre sua identidade.


Quinta feira, 07 de outubro de 2010

O Jornal

B2/Mundo

34.ª Mostra de Cinema começa com quase 500 filmes ‘Carlos’, de Olivier Assayas, é a aposta dos como melhor filme do festival Manoel de Oliveira gosta de contrariar. Próximo dos 102 anos de idade (completa no dia 11 de dezembro), o cineasta português não só continua em atividade como mantém a pródiga média de um filme rodado por ano - o mais recente, O Estranho Caso de Angélica, abre amanhã, para convidados, a 34.ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, no Auditório do Ibirapuera. Ele seria o convidado de honra da cerimônia, mas, por conta da manutenção em seu marca-passo, o médico recomendou um descanso de oito dias. Mesmo assim, Oliveira não recusou o convite e virá para os últimos dias da Mostra, no final do mês. Em seu lugar no evento de abertura, estarão dois atores do elenco: Ricardo Trêpa, que também é produtor e neto do cineasta, e a brasileira Ana Maria Magalhães. Em comunicado ao evento,

Humor

Oliveira disse sentir-se louvado e feliz por ter seu filme escolhido para abrir o evento. Não é a primeira vez que ele vem a São Paulo, mas O Estranho Caso de Angélica tornou-se particular em sua carreira. Planejado entre os anos 1949 e 1952, o filme não foi realizado por conta da censura fascista da época. “Era, para eles, algo como que fora do quadro, justamente o que o filme tinha de mais interessante”, disse Oliveira ao Estado, em entrevista realizada por e-mail. Tal desajuste é simplesmente o que o longa tem de mais fascinante. Trata-se da história de Isaac (Trêpa), jovem fotógrafo que certa noite recebe uma ligação urgente de uma família rica para tirar a última foto de Angélica (Pilar López de Ayala), a filha do casal que morrera poucos dias depois de seu casamento. Ao focar a moça estendida em um divã, porém, Isaac leva um susto:

apenas no visor de sua máquina fotográfica, a bela Angélica aparece viva e sorridente. É o suficiente para o rapaz se tornar obcecado pela moça, perseguindo aquela imagem na casa onde ela morava e também no túmulo onde foi enterrada. No momento em que a tecnologia cinematográfica avança a passos largos, Manoel de Oliveira persiste em novamente ser contrário e, para retratar o vulto revivido de Angélica, inspirou-se em técnicas ancestrais, da época do cinema mudo, no ilusionismo criado por Lumière, Méliès, Griffith. Assim, a moça é visualizada por meio de uma imagem levemente turva. Oliveira trata do assunto também no filme, especialmente no papel vivido por Ana Maria Magalhães, uma engenheira brasileira que defende uma tese sobre a antimatéria, embate da modernidade contra o antigo.

'Minha Felicidade': longa de Sergei Loznitsa constrói retrato aterrador da Rússia pós-comunista

Todo ano a Mostra se renova e este tem sido segredo de sua permanência. No ano passado, atendendo - de certa forma - aos pedidos dos que esperavam ver a Mostra tornar-se itinerante, viajan-

do pelo Brasil, Leon Cakoff, seu organizador, convenceu produtores e diretores a liberarem um certo número de acessos de filmes pela internet, explicou, na coletiva de imprensa, o sr. Mostra.

Artista gráfico Banksy faz nova abertura de "Os Simpsons"

Por Angeli e Glauco

Da BBC Brasil O grafiteiro britânico Banksy idealizou uma nova abertura para a série americana de animação "Os Simpsons". O artista fez uma sequência final polêmica, mostrando dezenas de pessoas de aparência oriental, algumas parecendo crianças, em um ambiente insalubre trabalhando em animações e produtos Simpsons. A ideia teria sido inspirada em supostas notícias de que os produtores da série terceirizariam a maior parte do trabalho para uma empresa na Coreia do

Sul. O grafiteiro britânico Banksy idealizou uma nova abertura para a série americana de animação “Os Simpsons”. O artista fez uma sequência final polêmica, mostrando dezenas de pessoas de aparência oriental, algumas parecendo crianças, em um ambiente insalubre trabalhando em animações e produtos Simpsons. O grafiteiro britânico Banksy idealizou uma nova abertura. O grafiteiro britânico Banksy idealizou uma nova abertura para a série.

Álbuns de estúdio da Legião Urbana ganham reedição de luxo De São paulo "A Legião Urbana é os Beatles do Brasil." Quem afirma é Jorge Lopes, diretor comercial da EMI Music nacional e um dos responsáveis pelo ambicioso projeto de reedições de oito álbuns da banda de Renato Russo (1960-1996). Previsto para chegar às lojas na próxima semana, o pacote foi inspirado em produto desenvolvido no ano passado pela EMI internacional, que reempacotava em caixa de luxo a discografia da mitológica banda inglesa. Repórter comenta o lançamento. Ouça: Aqui, os oito álbuns de estúdio da Legião --incluindo o póstumo "Uma Outra Estação" (1997),

lançado um ano após a morte de Russo-- ganham novas edições em três formatos: caixa com todos os volumes, CDs avulsos e vinil.Tanto "Uma Outra Estação" quanto "A Tempestade" (1996), vale lembrar, foram lançados originalmente já na era do CD. Esta é, portanto, a primeira versão de ambos em LP. A longa duração desses álbuns fez com que, em vinil, eles tivessem de ser divididos em dois volumes, encartados na mesma capa dupla. Ficaram de fora os discos ao vivo --como "Música p/ Acampamentos" (1992) e "Acústico MTV" (1999). “A Legião Urbana é os Beatles do Brasil.” Quem afirma

é Jorge Lopes, diretor comercial da EMI Music nacional e um dos responsáveis pelo ambicioso projeto de reedições de oito álbuns da banda de Renato Russo (19601996). Previsto para chegar às lojas na próxima semana, o pacote foi inspirado em produto desenvolvido no ano passado pela EMI internacional, que reempacotava em caixa de luxo a discografia da mitológica banda inglesa. A longa duração desses álbuns fez com que, em vinil, eles tivessem de ser divididos em dois volumes, encartados na mesma capa dupla.Ficaram de fora os discos ao vivo. A longa duração desses álbuns.

Integrantes da banda Legião Urbana, na época em que foi lançado o LP "Dois"

O Jornal  

Projeto acadêmico Projeto Gráfico: Cadu Gomes Diagramação: Cadu gomes

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you