Page 1


www.cadeosindico.com.br

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

3


EDITORIAL

Núbia Cristina Santos Editora

A

infiltração pode compro­ meter a estrutura do imó­ vel. O síndico deve ficar atento e procurar ajuda especializada nos primeiros sinais de umidade: man­ chas, bolhas e mofo. E atenção: tudo isso pode afetar a saúde dos moradores do imóvel. O alerta e as dicas para elimi­ nar e prevenir esse problema comum es­ tão em nossa matéria de capa. Você pensa em dar novo rumo à sua carreira? Quer mudar de área? Então leia a matéria sobre as oportunidades que o mercado baiano oferece para os corretores de imóveis. Para atuar nessa área, é preciso investir em qualificação. O primeiro passo é fazer o Curso de Téc­ nicas de Transações Imobiliárias. Quer sa­ ber mais? Então vire as páginas. Na Coluna Sr. Síndico, entenda o papel do síndico e do Conselho Fiscal no que se refere às despesas ordinárias e extraordinárias. Nesta edição, nos­ sos consultores destacam assuntos de intere­sse, como o Novo Seguro Con­ domínio, os cuidados para evitar danos aos elevadores em época de chuva e a legislação condominial. Além da revista impressa, você tem acesso ao conteúdo pela internet. Todas as matérias e comentários podem ser acessados através do site (www.cadeosindico.com.br). A seção de Classificados, com os melhores fornecedores de produtos e serviços para condomínios, você tam­ bém encontra na versão digital da revis­ ta. Vire as páginas, navegue e viaje nesta edição da Cadê o Síndico. Aproveite.

4

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

SUMÁRIO VALORES DE REFERÊNCIA

6

Índices que facilitam sua consulta...................................................

PERFIL

7

Kleber Rebouças, síndico do Iguatemi Ville.......................................

SERVIÇO A Vedacit explica.............................................................................

CARREIRA Há vagas para corretores de imóveis..........................................

10

NOTÍCIA Posse do professor Josué Mello na ABE......................................

DECORAÇÃO

9

13

14

Casa Cor 2011..............................................................................

CARTÃO

Entrega de prêmios de mais uma promoção..............................

CONSULTORIA

22

23

Evite prejuízos com elevadores na época de chuvas...................

www.cadeosindico.com.br


JULHO/AGOSTO 2011• EDIÇÃO 34

CAPA Infiltrações podem comprometer a estrutura do imóvel

16

COLUNAS

DÚVIDAS JURÍDICAS Drª Kátia Gerlin Comarella responde

SR. SÍNDICO Conselho fiscal, despesas ordinárias e extraordinárias

FIQUE SEGURO Novo Seguro Condomínio

26 CLASSIFICADOS

www.cadeosindico.com.br

8 20 24

que informe , o ic d ín Sr. s vista cio na re viu anún entos ar orçam ao solicit

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

5


INDICADORES

Valores de referência 01 – CONTRIBUIÇÃO DO INSS Tabela a ser aplicada, para recolhimento a partir de 01.01.2011. SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO (R$)

ALÍQUOTA PARA FINS DE RECOLHIMENTO AO INSS

Até R$ 1.106,90

8%

De R$ 1.106,91 até R$ 1.844,83

9%

De R$ 1.844,84 até R$ 3.689,66

11%

Pagamento até o dia 20 do mês subseqüente ao de competência. Não havendo expediente bancário fica prorrogado para o prazo do 1° dia útil seguinte.

04 – PISO SALARIAL (VÁLIDO ATÉ 31.12.2011) Data base: janeiro de cada ano

Valores não homologados

R$ 750,00 Supervisor.................................................... R$ 750,00 Zelador.......................................................... R$ 691,00 Administrador..............................................

Porteiro ou agente de portaria e recepcionista............................................ R$ 691,00 Folguista, manobrista, jardineiro e piscineiro................................................... R$ 598,00 Auxiliar de serviços gerais, serventes e boy........................................... R$ 598,00 Ascensorista, vigia, garagista, controlador de veículos............................. R$ 598,00 ADICIONAL NOTURNO: 25% HORAS EXTRAS: 100%

02 – GRPS (INSS) 20% sobre a Folha, como parcela do Con­ domínio.

A convenção de 2010 já saiu, porém não está homologada.

2% sobre a Folha, como contribuição de acidente de trabalho.

05 – REGISTRO DE CONDOMÍNIO

4,5% sobre a Folha, como contribuição de ter­ ceiros (SESC, SENAI, etc...) Salário Família: Até R$ 573,58 = R$ 29,41.

Passos necessários na regularização do con­ domínio 1. Expedição do Habite-se (pela Construtora/ Incorporadora).

De R$ 573,59 a R$ 862,11 = R$ 20,73.

2. Inscrição das escrituras definitivas das unidades no Cartório de Registro de Imóveis.

03 - OBRIGAÇÕES

3. Solicitar o desmembramento do IPTU por unidade.

Admissão/Demissão (CAGED) – Comunicar ao Ministério do Trabalho, até o dia 05 do mês subsequente. Recolhimento do INSS, até o dia 20 do mês subsequente. Recolhimento do FGTS, 8% sobre a Folha de Pagamento, até o dia 7 do mês seguinte. Recolhimento do Pis, 1% sobre a Folha de Pagamento, até o dia 24 do mês subsequente. Recolhimento do ISS, (Sobre serviços prestados) pagamento no dia 5 do mês subsequente.

6

VALE ALIMENTAÇÃO: COND. RESIDENCIAL.....R$ 180,00 COND. COMERCIAL...... R$ 190,00

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

4. Elaboração da Convenção, com assinatura de proprietários de no mínimo 2/3 das frações ideais do condomínio. 5. Convocação da primeira assembléia para eleição de síndico e conselho consultivo. 6. Registro do condomínio no cartório de imóveis, juntamente com a convenção. 7. Inscrição do condomínio no CNPJ, que torna automática a inscrição no INSS (esta é necessária para o condomínio ser empregador). OBS: CNPJ: É o Cadastro de Pessoa Jurídica. O condomínio precisa desse registro porque, apesar de não pagar imposto de Renda (associação sem fins lucrativos), vai reter imposto de Renda dos funcionários na fonte.

www.cadeosindico.com.br


PERFIL

Especialista em gestão de crises Por Indira Naiara

Q

uando assumiu o cargo de síndico do Iguatemi Ville, em abril do ano passado, o administrador de empresas Kleber Re­ bouças mostrou que não tem medo de desafios. O condomínio passava por uma crise financeira e os mo­ radores temiam a falência do mesmo. “Quando assumi a gestão, estávamos vivendo um momento de crise. Tínhamos uma dívida de R$ 52,5 mil e apenas R$ 3,6 mil em caixa”, conta. Para solucionar os problemas, Rebouças fez um estudo detalhado das despesas do Iguatemi Ville e percebeu que era necessário cortar gastos e criar for­ mas de aumentar a receita do condomínio. Redução do número de empregados, aumento da taxa de condomínio e cobrança constante junto aos inadim­ plentes foram algumas iniciativas tomadas por Kleber. Além disso, o síndico conseguiu um abatimento e o parcelamento do valor da dívida. “Fizemos um tra­ balho intenso de contenção de custos e aumento da arrecadação”, destaca. Atualmente, o Iguatemi Ville possui um saldo positivo na conta, todas as dívidas estão quitadas e não existe mais a cobrança de taxa reserva. Além de recuperar o condomínio financeiramente, o síndico fez diversas melhorias no condomínio, como a mon­ tagem de um parque infantil, instalação de portões com abertura pelo próprio condômino, implantação da medição individualizada de gás e de um sistema de coleta de pilhas para reciclagem, entre outras ações. Para Rebouças, paciência, flexibilidade e raciocínio

www.cadeosindico.com.br

rápido são algumas das característi­ cas que um síndico deve ter para re­ alizar uma boa gestão. É necessário saber se comunicar e se mostrar sem­ pre disposto ao diálogo para solucio­ nar problemas. “Em caso de conflitos, costumo atuar como mediador das discussões, buscando deixar de lado as emoções que envolvem a questão e focando nos pontos convergentes para Kleber Rebouças : que se chegue a um acordo”, diz. equilíbrio Além de síndico do Iguatemi Ville, Kleber é funcionário da Petrobras e faz pós-graduação em Gestão de Pessoas, pela ESPM do Rio de Janeiro. Ele é pai da pequena Nicole, de 1 e meio, e apesar da vida corrida participa bastante do cotidiano de sua filha. “Eu dou banho, comida, troco fraldas, brinco, levo para passear e boto para dormir”, afirma. Kleber se desdobra para conseguir cumprir todos os compro­ missos do dia a dia. “Até o momento tenho tido muito sucesso”, conclui. O síndico diz que conta com a ajuda da internet e do celular para se manter mais próximo da família. “Para compensar a ausência física, faço-me presente virtualmente a todo instante”. Apesar de todos os desafios, Kleber diz que gosta muito de ser síndico e que exerce a função com muito prazer. Ele conta que pretende continuar exercendo o cargo e se especializar para ser síndico profissional em outros condomínios. “Está nos meus planos iniciar um curso de especialização de gestão condominial até o próximo ano e assumir a gestão de outros con­ domínios, principalmente os que se encontram em situação de crise”, afirma. CS

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

7


DÚVIDAS JURÍDICAS

Por Kátia Gerlin Comarella

Dra. Kátia Gerlin Comarella Responde

No caso de infiltração na estrutura do prédio, onde a mesma poderá ocasionar um desabamento, como aconteceu em Pernambuco, o síndico poderá responder civil e criminalmente? O Novo Código Civil prevê esta pena? R.: O síndico é responsável pela segurança integral da estrutura do imóvel. A priori será examinado se o imóvel em questão é novo, ou se foi feito alguma reforma. Será necessário analisar vários aspectos tais como: se esta infiltração é re­ cente, se foi realizado algum tipo de serviço para remover as infiltra­ ções, e qual está sendo a posição do síndico. Não podemos respon­ sabilizar o síndico inicialmente se não temos os fatos. Em tese este é responsável, mas temos que aferir porque está ocorrendo a in­ filtração. O Código Civil prevê sim as penalidades cabíveis, edifica­ ção contra o risco de incêndio ou destruição, total ou parcial (arts. 1346 e 1348, IX). O proprietário de um apartamento pode fazer uma divisão em seu apartamento e sublocar?

R.: O proprietário do aparta­ mento pode dividir o seu aparta­ mento internamente desde que não interfira na parte externa, e que seja comunicado a adminis­ tração para as alterações que pre­ tende realizar. É importante que se consulte também a Convenção do Condomínio a fim de obter infor­ mações diante do caso em tela e formalizar parâmetros. Caso esta seja omissa quanto a questão, ten­ da a resolver diretamente com a administração do Condomínio. Quanto à sublocação, pelo que entendemos quem está locando é o proprietário, portanto, não há que se falar em sublocação, é lo­ cação mesmo, creio que sejam 02 (duas) locações, é importante an­ tes de fazer estas locações que o Condomínio seja informado sobre estas novidades, até para não por em risco os demais condôminos. Sublocação é quando o imóvel é locado pelo locatário, ou seja, ter­ ceiros. O inquilino pode sublocar o apartamento que ele alugou? Mesmo que a con-

venção do condomínio permita? R.: Neste caso tem que obser­ var o contrato de locação, caso não tenha esta disposição con­ tratual, pode ser feito um acordo de vontades entre as partes, e e­xecutar a sublocação. Moro em um condomínio na Pituba, onde as normas referente à prevenção de incêndio não estão sendo respeitadas, portanto gostaria de saber: 1. As portas corta fogo devem ser obrigatoriamente pintadas de vermelho? Sim; as portas devem ser obriga­ toriamente pintadas de vermelho. 2. Os extintores podem ser afixados nas escadas de fuga ou emergência ou no rol de cada andar? Nos halls dos an­ dares, para facilitar o acionamen­ to de eventual sinistro. 3. Quanto ao alarme de incêndio, ele é obrigatório? Qual é a Lei? O alarme é obrigatório nos edifícios, a norma que regula este procedimento é o anexo XIV ao decreto nº 3.950, de 25 de janeiro de 2010. Norma Téc­ nica nº 14 - sistemas de detecção e alarme de incêndio.CS

Drª Katia Gerlin Comarella, titular do escritório KGC Advogados Associados, é especialista em direito condominial, há 16 anos atua na cidade do Salvador, tendo estendido a sua especialidade também no estado do Espírito Santo, na cidade de Vitória e Vila Velha, onde também atua, com ampliação ao seu escritório a Gerlin & Horta Ltda, dando seguimento aos seus trabalhos. • Tel.: 3345-2727 • drkatiagerlin@hotmail.com

8

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

www.cadeosindico.com.br


SERVIÇO

Umidade tem limite.

A Vedacit explica

O

período das fortes chuvas costuma também ser o período em que aumenta a procura de soluções para problemas com infiltração, pois é exatamente quando esse tipo de ocorrência se manifesta com maior intensidade. Isso se dá por conta do grande índice de negligên­ cia em relação à impermeabilização na fase de cons­ trução da obra. Os casos mais comuns dizem respeito às infiltrações nas fachadas e às provenientes do acúmulo de água na superfície das lajes. Os prejuízos são inúmeros e vão desde o cheiro de mofo a danos na pintura. Mas o que fazer para lidar com a situação das in­ filtrações? Prevenir. Quando se pensa nos processos de impermea­ bilização ao longo da obra, além de evitar futuros transtornos, o proprietário do imóvel acaba fazendo uma economia considerável, visto que, segundo pes­ quisas, a impermeabilização no início da construção custa cerca de 3% do valor total da obra. Já para cor­ rigir os prováveis problemas futuros esse gasto sobe mais de 30% em relação ao valor inicial, além da perda de tempo, dos danos nos móveis e até problemas de saúde que podem vir a surgir devido à umidade e pre­ sença de mofo e fungos. Porém, o que se vê com muita frequência são os casos em que o problema já está instalado, ou seja, fachadas saturadas e lajes encharcadas por conta das fortes chuvas. Como proceder nesses casos? O primeiro passo para tratar a situação da fachada é observar se a mesma está com trincas aparentes. Em caso positivo, as trincas deverão ser abertas conica­

www.cadeosindico.com.br

mente e preenchidas com massa acrílica, em seguida, com o substrato limpo e isento de partículas soltas, uma emulsão acrílica deve ser aplicada. No que diz respeito às lajes, o tratamento começa pela regularização da mesma, que deve ser feita a partir da adição de Vedacit, que é um aditivo hidrofu­ gante, ao traço da argamassa, além disso, os cantos devem formar uma meia cana e um caimento de 1% em direção aos ralos. Posteriormente, é necessária a utilização de determinados produtos para efetivar a impermeabilização. Para as lajes descobertas e com tráfego de pessoas é recomendado o uso de Mantas Asfálticas Vedacit ou emulsão asfáltica - Veda­ pren, sendo que esse tipo de produto requer uma proteção mecânica fi­ nal. No caso de lajes sem tráfego o que se reco­ menda são membranas líquidas acrílicas – Veda­ pren Branco ou Manta As­ fáltica Vedacit de Alumínio, já que esses produtos podem ficar expostos. O que fica evidente diante disso é que um trata­ mento preventivo evitaria uma série de transtornos e diminuiria os gastos, pois bastava que no processo de construção, com um reboco novo e a obra em an­ damento, se aplicasse os produtos indicados. Haveria então maior durabilidade e a preocupação com re­ forma para esse tipo de patologia poderia ser adiada. Em resumo: Prevenir ainda é o melhor remédio.

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

9


CARREIRA

Há vagas para corretores de imóveis

A porta de entrada na carreira é o curso de Técnicas de Transações Imobiliárias. Compromisso com o cliente e qualificação são fundamentais

Por Evandro Filho

C

om o mercado imobiliário aquecido, a carreira de corretor de imóveis ganha cada vez mais destaque no estado. O profissional pode se tornar empresário, profissio­ nal autônomo ou atuar como empregado de em­ presas do setor. A profissão é regulamentada, por isso, antes de atuar na intermediação de compra e vendas de imóveis, é necessário obter licença junto ao CRECI 9ª Região/BA (Conselho Regional de Cor­ retores de Imóveis). A porta de entrada na carreira é o curso de Técnicas de Transações Imobiliárias. Em Salvador, apenas três instituições oferecem o curso reconhecido pelo Conselho Estadual de Educação (CEE) e pela Secretaria de Educação do Estado. Espaço Novo e Total Cursos disponibilizam a modalidade presencial, enquanto o Instituto de Educação e Tecnologias (INET) oferece o curso de Técnicas de Transações Imobiliárias a distância. O diploma é reconhecido em todo o território nacio­ nal e após o recebimento do diploma o aluno pode se inscre­ver em um conselho regional de qualquer es­ tado. Segundo a diretora ad­ ministrativa do Curso Total, Cristiane Mascare­nhas, para efe­tuar a matrícula, o candi­ dato precisa ter concluído o Ensi­ no Médio e ser maior de 18 anos. No caso dos cursos presenciais, a carga horária geralmente é de 800 horas. Mas o aluno deve fazer estágio supervisio­nado de 150 horas e acompanhar as au­ las frequentemente. Para o diretor geral do Instituto de Educação

10

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

e Tecnologias (INET), Waldeck Ornélas, a Educação a Distância (EAD) é moderna e permite a inclusão de novas técnicas, devido à sua flexibilidade. “Essa modalidade permite ao futuro corretor admi­ nistrar os seus horários de estudo e as atividades online; ela ganha viabilidade com o recente desen­ volvimento das telecomunicações, em especial da a internet”, comenta. O Presidente do CRECI/BA, Samuel Prado, co­ loca o modelo presencial e o curso a distância no mesmo patamar. O conteúdo é o mesmo, o curso de EAD tornou-se mais interessante, ou mais aces­ sível pelo valor e pela opção de organização em relação ao tempo disponível. “Já o curso presen­ cial demanda uma disponibilidade de tempo maior, mas ambos são válidos. O que me deixa feliz é per­ ceber o quanto temos avançado nesse aspecto: o inte­resse do corretor de imóveis em investir na ca­ pacitação profissional, o que reflete positivamente no perfil da categoria”, declara. Já a coordenadora do curso de Negócios Imobi­ liários da Estácio FIB, Leda Lessa, discorda e acredi­ ta que a formação presencial gera o envolvimento entre os colegas, aumentando o relacionamento e a troca de conhecimento. O EAD é mais focado no sujeito que não tem tempo para ir à universi­ dade. Entretanto, exige mais disciplina e dedicação do aluno. “O importante é a formação, a postura profissional e ética. É estar preparado para dar o resultado que o empregador ou o cliente neces­ sita”, alerta. O setor imobiliário tem se destacado na econo­ mia baiana e apresenta capacidade de atrair inves­ timentos, gerando empregos, movimentando a indústria e o comércio. “A Bahia vive um momento muito interessante para o setor de construção civil e consequentemente para o mercado imobiliário, que está diretamente alinhado. Para o corretor www.cadeosindico.com.br


i­mobiliário é sem dúvida uma grande oportuni­ dade de negócios”, afirma Leda. De acordo com o sócio diretor da imobiliária Remax Alpha Exclusive, Pablo Moura, “as chances de sucesso são maiores quando o profissional dedica-se por mais tempo à sua formação e mer­ gulha no mundo das informações do seu negócio, em especial, quando o seu mercado é um dos mais competitivos da grade profissional, como é o caso do mercado imobiliário”. Segundo o CRECI/BA, em 2011 houve uma redução no total de pedidos de inscrição, en­ tretanto, a procura pela profissão ainda é grande, em virtude do aquecimento do setor, “Talvez o número de inscrições tenha diminuído, em função do cumprimento da carga horária exigida pelos cursos, que há algum tempo vem sendo mais co­ brados pelo CEE”, declara a secretária executiva do Conselho. “Os corretores de hoje não são meros ven­ dedores, mas intermediadores de transações imobiliárias de pequeno, médio e grande porte, onde estão envolvidos interesses distintos”, de­ clara a presidente do Sindicato dos Corretores de Imóveis da Bahia, Eliene Freitas. Para ela, uma boa capacitação se tornou indispensável ao exercício

www.cadeosindico.com.br

desta atividade. O corretor não pode deixar que as necessidades ultrapassem os limites da ética e do compro­ misso com a total satisfação das necessidades dos seus clientes, res­ salta Moura. “Nesta profissão o céu é o limite, mas o cuidado com a car­ reira tem de ser permanente e vigi­ lante”, destaca. O bom corretor precisa ser ético, ter conhecimento do produto que vai oferecer para venda, conhecer a legislação do CRECI e estar atualizado com o mercado de tra­ balho. “O corretor tem de acompanhar a evolução do mercado, estar atento às medidas econômicas do país, entender sobre as linhas de crédito, finan­ ciamento e ter informações sobre documentação”, alerta Samuel Prado. “Não cabe mais o improviso para alcançar melhores resultados”, alerta. A diretora pedagógica do Espaço Novo, Graça Rodrigues, lembra que seja a distância ou pre­ sencial o curso inclui e exige estágio, realizado nas empresas do setor, devidamente registradas no CRECI. Além disso, os futuros corretores são fisca­ lizados pelo Conselho.CS

Pablo Moura: “O céu é o limite”

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

11


12

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

www.cadeosindico.com.br


NOTÍCIA

Diretor do Colégio e da Faculdade 2 de Julho, toma posse na Academia Baiana de Educação

N

uma noite bastante emocionante e prestigiada por intelectuais, educado­ res, artistas, estudantes, professores e colaboradores, o professor Josué da Silva Melo, dire­ tor geral do Colégio e da Faculdade 2 de Julho, tomou posse da Cadeira número 37 da Academia Baiana de Educação, da qual foi ocupante o acadêmico Fran­ cisco Pinheiro Lima Júnior e que tem como patrono o professor Possidônio Dias Coelho. A apresentação do novo acadêmico, ocorrida na sexta-feira, 10 de junho, no Auditório Baker, ficou sob a respon­sabilidade da educadora Leda Jesuíno dos Santos, presidente de honra da Academia Baiana de Educação, integrante do Conselho de Curadores da Fundação 2 de Julho, escritora e poeta. Em seu dis­ curso de posse, o professor Josué Mello agradeceu e se referiu ao professor José Rogério Vargens, “como companheiro de outras jornadas, mestre pela sa­ bedoria e pelo exemplo de educador comprometido, coe­rente e íntegro como cidadão e profissional”. Tam­ bém ho­menageou aos padrinhos Leda Jesuíno dos Santos e Geraldo Leite, responsáveis pela indicação do seu nome junto à Assembleia de eleição. Emocionado, o professor Josué Mello prosseguiu: “Vejam, confrades, as convergências do destino, am­ pliando meus sentimentos de felicidade e de honra. Fui eleito para a Cadeira 37, ocupada antes pelo edu­ cador professor Francisco Pinheiro Lima Junior. Não bastasse a alegria de substituir um acadêmico ainda vivo, em plena atividade intelectual, e­levado recente­ mente à condição de membro emérito, dão-me a

www.cadeosindico.com.br

honra de suce­ der a um mestre querido. Dele fui aluno no Curso de Licenciatura do Ins­ tituto de Filosofia e Ciências Humanas da UCSAL, concluído em 1971, cujo diploma está por ele assinado. Orien­ tou-me nas disciplinas Introdução à Filosofia e Teoria do Conhecimento”. “Então, vale clarear, senhor presidente: posso ocupar a cadeira 37 com muito orgulho, mas não pos­ so suceder ao seu ocupante anterior. Ele é, para mim, uma estrela maior cuja culminação o ex-aluno jamais poderá alcançar”. Ao final do seu discurso, Josué Mel­ lo também compartilhou a homenagem dessa posse com a esposa e “companheira da caminhada”, profes­ sora Tecla Dias de Oliveira Mello, com os filhos, netos e bisnetos, “motivações de nosso viver”.

Foto: Antônio Aguido

Por Sílvio César Tudela

Josué Mello: Cadeira 37

Histórico Sergipano de Lagarto, o professor Josué Mello che­ gou em Salvador em 1953, para estudar como bolsista no ainda americano Colégio 2 de Julho, onde foi um dos responsáveis pela sua nacionalização e também o primeiro presidente da Fundação 2 de Julho. Bacha­ rel em Teologia pela Faculdade do Centenário (1964), Josué Mello possui graduação em Sociologia pela Uni­ versidade Federal de São Carlos (1966), Licenciatura em Filosofia pela Universidade Católica do Salvador (1971), Especialização em Ciência Política pela Universidade Federal da Bahia (1975) e mestrado em Educação pela Universidade Federal da Bahia (1993). CS

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

13


Fotos: Divulgação/CASACOR GOIÁS

DECORAÇÃO

Casa Cor: Fonte: Grupo Casa Cor

P

restes a completar 25 anos, o Grupo CASA COR comemora o sucesso da mostra reconhecida internacionalmente como o maior evento de arquitetura e decoração das Américas, e o segundo maior do mundo. Sua primeira edição em 1987, em uma propriedade da família Forbes, no Jardim Europa (bairro da cidade de São Paulo), apresentou 22 ambientes, idealizados por 25 profissionais e visitados por 6,7 mil pessoas. Desde a sua inauguração, a mostra vem alcançando números grandiosos e hoje integra o calendário dos eventos mais importantes da cidade de São Paulo. Em 2010, cerca de 159 mil visitantes conferiram as novi­ dades do setor, um crescimento de dois mil por cento em público em relação a primeira edição. A ideia do evento surgiu quando a brasileira Yo­ landa Figueiredo e a argentina Angélica Rueda, duran­ te uma viagem para Buenos Aires, encontraram seus amigos Javier Campos Malbrán e Ernesto Del Castilho, que fizeram a proposta às duas para organizar um

14

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

25 anos de sucesso

evento de decoração no Brasil. A partir daí, CASA COR tornou-se referência de bom gosto, influenciando formadores de opinião e agregando valor às marcas as quais se associa. Em 2000, a marca foi adquirida por um fundo de investimentos administrado pelo Pátria Banco de Negócios. O histórico de sucesso repercutiu e ga­ nhou mais força em março de 2008, quando ocorreu a aquisição por ABRIL S/A e GRUPO DORIA. Desde en­ tão, diversas inovações surgiram, como um audacioso plano de licenciamento de produtos com a marca, in­ vestimento em opções de entretenimento e a criação e expansão de outros eventos e franquias. Atualmente o Grupo CASA COR conta com 21 fran­ quias, sendo 17 nacionais (Amazonas, Bahia, Brasília, Campinas, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Santa Catarina) e quatro internacionais (Chile, Panamá, Perú e Punta Del Este). CS

www.cadeosindico.com.br


Informe Publicitário

NET Serviços chega a Salvador trazendo banda larga de 100 Mega e telefone fixo sem assinatura A NET Serviços de Comunicação, maior empresa de multisserviços via cabo da América Latina, anuncia a sua entrada em Salvador. A empresa lança na cidade as ultravelocidades de acesso à internet do NET Virtua, com opções de 5, 10, 20 e 100 Mega, além de opção e economia na telefonia fixa, com o NET Fone via Embratel. Para levar seus serviços a Salvador, a NET investiu 100 milhões na construção de uma rede de fibra óptica, de última geração. “Todos os domicílios atendidos por nossa rede terão dis­ poníveis pacotes de banda larga com até 100 Mega e o único telefone sem assinatura do mercado, uma vantagem exclusiva para quem portar o número para a NET”, afirma o gerente de operações da NET Salvador, Leonardo Sarrizo. A NET tem opções de preços a partir de R$ 49,90. Para atender aos condomínios, a NET neces­ sita de autorização para executar os serviços de construção da rede interna no edifício. “Um prédio com mais operadoras concorrentes dis­ poníveis gera melhoria na qualidade de serviço, com aumento de banda larga por preços mais acessíveis”, afirma Sarrizo. “Sabemos que outras empresas já atuaram em Salvador usando a marca NET, mas é impor­ tante ressaltar que não se trata da mesma compa­ nhia, nem dos mesmos serviços. A NET Serviços

www.cadeosindico.com.br

Da esquerda para direita: Luiz Antonio Alves (Diretor Regional da NET), Leonardo Sarrizo (Gerente de Operações da NET Salvador), Rodrigo Marques (VP de Estratégias da NET), Daniel Barros (VP de Operações da NET), José Félix (Presidente da NET), Márcio Carvalho (Diretor de Produtos e Serviços da NET), Fernando Magalhães (Diretor de Programação da NET), Vera Renno (Diretora da Ouvidoria e Relacionamento com Clientes), André Borges (Diretor do Jurídico e RI da NET).

é líder em inovação e pioneirismo, e chega para oferecer internet e democratizar a telefonia fixa, levando mais velocidade, economia e vantagens”, explica Sarrizo. A NET Salvador, além de oferecer planos de banda larga e telefonia fixa para residências, conta também com o NET Empresas a partir de R$ 121,63 para 10 Mega e duas linhas de telefonia fixa. Até o final deste ano, a NET estenderá sua rede também para a cidade de Lauro de Freitas. A NET está localizada na Av. Paulo VI, 1819 na Pituba. Para maiores informações de aquisição, ligue para a central de vendas 4004-8844.

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

15


CAPA

Infiltrações podem comprometer estrutura do imóvel

Os síndicos devem ficar em alerta e procurar ajuda especializada nos primeiros sinais de umidade

Por Indira Naiara

P

resença de manchas, bolhas e mofo nas paredes ou no teto muitas vezes não recebem a atenção devida, mas é necessário ter cuidado, pois esses são sinais de infiltração. Além do aspecto visual desagradável, ela causa problemas que podem comprometer a estrutura dos imóveis e a saúde dos mora­ dores. De acordo com o enge­ nheiro calcu­ lista Maurício Bastos, a infiltra­ ção isoladamente não constitui um problema estrutural, mas a umidade em contato com as arma­ duras (as estruturas metálicas da construção) auxilia no pro­ cesso de oxidação, provocando a corrosão das mesmas e, consequentemente, da­ nos estruturais. Para quem mora em condomínios de prédios o cuidado com a infiltração deve ser maior do que em casas. “Em casas e pré­ dios, os efeitos provocados pela infiltração podem ser bastante danosos, no entanto, numa edificação

16

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

verticalizada um problema pontual pode compro­ meter todo o conjunto, além do que, em um pré­ dio, as correções podem ser mais custosas pela di­ ficuldade de acesso”, diz o engenheiro. A água da chuva, falhas nas tubulações de água e esgoto e a umidade do terreno podem provocar infiltrações. Fabiane Argolo, do departamento téc­ nico da Vedacit, explica que ao serem notados os primeiros sinais de infiltração é necessário detectar a causa do problema, pois só assim ele poderá ser resolvido. Para isso, é indispensável que uma em­ presa ou profissional qualificado seja contratado. “É importante contratar um profissional especializado, pois ele irá garantir a eficácia e a durabilidade do processo de impermeabilização”, afirma. Ao contratar o serviço é necessário que o síndi­ co tenha cuidado tanto na escolha da empresa quanto na escolha do material. É importante verifi­ car se a empresa tem registro no Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (CREA) ou se é sócia do Instituto Brasileiro de Impermeabiliza­ ção (IBI). O síndico deve verificar se no orçamento da empresa constam os gastos com mão de obra, material, transporte e encargos. Argolo explica que verificar esses dados é importante, para evitar que apareçam novos custos no decorrer da obra. Mas o ideal é que a impermeabilização seja feita durante a construção do imóvel o que, de acordo com Argolo, além de prevenir os futuros desgastes é muito mais econômico. “É mais barato fazer a impermeabilização durante o período de cons­ trução, já que esta etapa corresponde a, aproxi­ madamente, 3% do valor total da obra. Porém, quando aparecem os sinais de infiltração, o gasto se aproxima de 30% a 40%, dependendo do porte da obra”, conta. CS www.cadeosindico.com.br


Casa doente Além de comprometer a estru­ tura do imóvel, a infiltração afeta a saúde dos moradores. Má ven­ tilação e umidade tornam o local propício ao desenvolvimento de fungos. De acordo com o doutor Paulo Freitas, médico pneumolo­ gista, os ambientes que possuem essas características se enquadram no conceito de “casa doente”. Para o médico, nesses casos é necessário tratar não apenas o doente, mas também a casa. “Quando se vive em um ambiente que não é saudável, os sintomas das doenças vão sempre aparecer”, alerta. Sendo assim, é necessário manter a casa ventilada, livre de

Mestre de obras, estudante de arquitetura e urbanismo da UFBA, consultor do programa Metrópole Imobiliário e autor do livro Conhecen­ do Obras, Isaac de Cristo ensina aos leitores da revista Cadê o Síndico a solucionar problemas relacionados à infiltração. Cadê o Síndico - Como impermeabilizar parede externa sem revestimento? Isaac de Cristo - Toda parede externa deve ser revestida. Se for uma parede de reboco, recomendamos a utiliza­ ção de tinta impermeável. Como corrigir umidade em rodapés? IC – O reboco deve ser retirado desde o piso até uma faixa de 50 centíme­ tros acima da parte úmida. Em segui­ da, deve-se aplicar argamassa poli­ mérica em três ou quatro demãos cruzadas, chapiscar com composto adesivo e rebocar com argamassa feita com aditivo plastificante. Como deve ser feita a impermeabilização da laje? IC – O primeiro passo é regularizar a laje, deixando uma queda de 1% na direção dos ralos e arredondar os can­ tos formando uma meia-cana. Para a impermeabilização, recomenda-se a utilização de manta asfáltica, emulsão www.cadeosindico.com.br

umidade, a fim de prevenir o apare­ cimento do mofo. Além de doenças respiratórias e alérgicas, como rinite, sinusite e asma, os fungos que se desen­ volvem em um ambiente úmido po­ dem provocar micoses e doenças no aparelho digestivo. De acordo com o pneumologista, o aparecimento de doenças ocasionadas pelo mofo independem da idade, mas idosos e crianças sofrem mais com esses problemas, pois passam muito mais tempo em casa. “O mofo também é prejudicial para quem não sofre nenhum tipo de alergia. Por isso, esse tipo de problema deve ser evi­ tado”, alerta o médico.

asfáltica ou emulsão acrílica. Como tratar fissuras em paredes rebocadas? IC – Considerando que as fissuras es­ tejam estabilizadas, deve-se abri-las em V. Aplicar o mástique acrílico, com pistola especial para cartuchos sobre a superfície perfeitamente limpa, seca e isenta de poeira. O produto deve ser aplicado com tem­ po firme para que, durante a seca­ gem inicial (cerca de quatro horas), não receba chuva. Caso se observe retração, após 24 horas, reaplicar o produto com espátula. Como tratar trincas em lajes e caixas d´água? IC – A superfície deve estar perfeita­ mente seca e limpa. Recomenda-se a aplicação de massa asfáltica com es­ pátula, sobre pintura prévia, com uma demão de tinta asfáltica. Aplicar uma fina camada (1 mm) de massa asfál­ tica, comprimindo-a bem. Estando a camada perfeitamente seca, aplicar a segunda demão. Toda laje descoberta deve receber uma impermeabilização flexível, assim como toda caixa d´água deve ser impermeabilizada. Confira a entrevista completa em nossso site. Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

17


Informe Publicitário

Astrap: novas tecnologias a serviço do cliente Diversificação e inclusão de novas recer aos condomínios redução no custo soluções para atender às necessidades dos de terceirização de mão de obra. “A ideia é clientes são prioridades para a Astrap. Es­ eliminar os transtornos vividos por síndicos pecializada no atendimento a condomínios, e conselheiros, que em geral exercem fun­ a empresa presta serviços nas áreas de por­ ções que caberiam às empresas prestado­ taria, limpeza e jardinagem. ras de serviços”, afirma Belchior. Com a determinação de fazer mais e me­ “Somos parceiros de nossos clientes, lhor pelo cliente, a empresa adere às novas identificando suas reais necessidades e tecnologias para a prestação de serviços, a adaptando nossos serviços, com a maior exemplo da leitura biométrica de placas de qualidade possível”. A carteira de clientes veículos. O sistema de da Astrap é formada por Diversificação e inclusão res­trição de acesso foi im­ condomínios, médias e plementado em grandes grandes empresas (de de novas soluções para condomínios. Ele permite vá­rios setores), além de atender às necessidades a entrada automática das órgãos públicos. placas cadastradas, evi­ O atendimento é ou­ dos clientes são tando mal entendidos e tro diferencial. Antes de prioridades para a Astrap visitantes indesejados. qualquer orçamento, o cli­ Outra novidade acessível ente recebe uma visita de aos clientes da Astrap é o reconhecimento um representante, previamente agendada facial. por telefone. O orçamento é precedido de De acordo com o sócio diretor, Isaac de um diagnóstico, para que atenda às necessi­ Belchior, a empresa tem foco na diversifica­ dades do cliente. ção de serviços e na especialização, com Para o sócio diretor, uma das metas da o objetivo de agregar valor para o cliente. empresa é continuar conquistando reco­nhe­ “Utilizamos o que há de melhor no mercado cimento como símbolo de qualidade e segu­ mundial de segurança eletrônica, aliando rança. “Sempre buscamos proporcionar um homem e máquina”, afirma Belchior. elo de confiança, indispensável nesse tipo Um dos diferenciais da empresa é ofe­ de serviço”.

18

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

www.cadeosindico.com.br


www.cadeosindico.com.br

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

19


SR. SÍNDICO

Por Ionara Ribeiro

Conselho Fiscal, despesas ordinárias e extraordinárias

M

uitos condôminos frequentemente questionam a res­ peito da regularidade da aquisição de bens de valor significativo e rea­ lização de obras sem prévia aprova­ ção da assembleia, pelo síndico do condomínio. O síndico é o encarregado de praticar atos de administração e de representar e preservar os inte­ resses do condomínio. O Código Civil Brasileiro dispõe acerca da competência do síndico em seu art. 1348: Compete ao sindico: (...) II – representar, ativa e passivamente, o condomínio, praticando, em juízo ou fora dele, os atos necessários à defesa dos interesses comuns; (...) IV - cum­ prir e fazer cumprir a convenção, o regimento interno e as determina­ ções da assembleia; V – diligenciar a conservação e a guarda das partes comuns e zelar pela prestação dos serviços que interessem aos pos­ suidores; Da leitura do artigo supramen­ cionado se extrai que o síndico deve garantir a manutenção e /ou

conservação do condomínio, bem como a moralidade, segurança e os serviços que interessam a todos os moradores do edifício. Isto significa, que uma obra realizada dentro do “critério da essencialidade” tem o objetivo de conservar o bem ou evitar a sua de­ terioração, tendo, portanto, caráter essencial para o prédio, principal­ mente aos aspectos relacionados com a manutenção e conservação das áreas comuns do condomínio. O que deve constar na previsão or­ çamentária do condomínio. Já as despesas e obras ex­ traordinárias devem ser custeadas por receitas extraordinárias e é necessário que haja aprovação da assembleia para institui-las e tam­ bém para que sejam definidas quais benfeitorias devem ser realizadas no condomínio. O Código Civil estabelece em seu art. 1341, quorum para aprova­ ção da realização de obras no con­ domínio, o voto de dois terços dos condôminos se as obras a serem realizadas forem voluptuárias, ou da maioria absoluta se forem úteis.

Entretanto, as Convenções de con­ domínio podem estabelecer quo­ rum diferenciado. O Conselho Fiscal deverá fun­ cionar como órgão consultivo do síndico, para assessorá-lo na solução dos problemas que digam respeito ao condomínio. É tarefa do Conselho Consul­ tivo Fiscal fiscalizar e evitar que a receita do condomínio seja uti­ lizada de maneira inadequada, por isso, o Conselho deve ser um órgão consultivo do síndico e assessorá-lo sempre que necessário para solu­ cionar problemas do condomínio, emitindo ainda pareceres sobre as suas contas e, consequen­temente, sobre as despesas extraordinárias do condomínio. Importante que os condôminos fiquem atentos às despesas do condomínio, inclu­ sive às despesas extraordinárias, procurem sempre verificar os ba­ lancetes do condomínio e dialogar com o Conselho Fiscal, que é quem tem melhores oportunidades para avaliar se o síndico está adminis­ trando o condomínio de maneira conveniente. CS

Advogada do Arrais Ribeiro Advogados Associados, especializada em condomínio edilício e incorporações imobiliárias. ionararibeiro@arraisribeiroadvogados.adv.br. Tel.: 71 3797-6277 / 3011-5801

20

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

www.cadeosindico.com.br


Informe Publicitário

Tecnologia aumenta a chance de negócios para administradoras de condomínio Sistema utilizado para gestão de condomínios tem feito diferença na escolha dos síndicos e moradores

A

dministrar um condomínio é uma tarefa que exige empenho e responsabilidade dos síndicos. Mas a maioria deles não é profissional da área de administração, e sim moradores de boa vontade que se dispõem a rea­ lizar esse nobre trabalho. Com a exigência do alto ní­vel de profissionalismo na gestão aumentando a cada dia, muitos deles recorrem à terceirização do serviço. As administradoras de condomínios devem atentar para alguns requisitos avaliados por eles na hora da contrata­ ção, que podem fazer a diferença para destacar a em­ presa e aumentar a competitividade nesse mercado. Para escolher uma administradora, os síndicos pre­ cisam fazer orçamento com pelo menos três empresas, pesquisar sobre a história de cada uma delas, buscar referências e conhecer os fornecedores. Porém, um item que passa despercebido pelas administradoras tem sido destaque e conferido relevante peso na hora da decisão: o software utilizado pelos profissionais. A constante alteração na legislação e a impossibilidade de gerenciar várias unidades por meio de planilhas exi­ gem novos métodos e tecnologias avançadas que pos­ sibilitem um aumento na produtividade e na qualidade dos serviços prestados, sem perder de vista a relação custo-benefício. Os sistemas de administração per­ mitem emissão de relatórios sem erros, transparência

www.cadeosindico.com.br

na prestação de contas, praticidade e facilidade para que o morador acesse e fiscalize as informações referentes à gestão de seu condomínio. Recorrer a um software é a maneira mais segura de conseguir atender a todas as demandas em menor tempo, economizando recursos e mantendo o custo da prestação de serviços competitivo. Além disso, o soft­ ware também aumenta consideravelmente as chances para as administradoras ampliarem sua base de clientes. Com um bom sistema de gestão e controle de dados integrado, é possível reduzir o tempo gasto no controle de cada condomínio, aumentando a produtividade da equipe sem que seja necessário ter mais gastos com mão-de-obra. Para Rodrigo Monteiro, diretor executivo da Group Software, empresa que desenvolve o sistema Con­ domínio21, o software é o grande diferencial para o negócio das administradoras. “O Condomínio21, por ser um software completo para administração de con­ domínios, se tornou referência no setor e é utilizado por administradores em todo o Brasil. Ele é fácil de usar e possui todas as rotinas de gerenciamento. Constata­ mos os resultados positivos por meio de uma pesquisa realizada no último trimestre do ano passado. Aproxi­ madamente 95% dos clientes disseram estar satisfeitos com o produto, suporte técnico e atendimento da em­ presa”, destaca. Definir a empresa responsável por todo o pro­ cesso administrativo e a vida em condomínio exige muito cuidado dos síndicos. Por isso, estar atento aos fatores que eles avaliam é um bom começo para rea­ lizar bons negócios.

Rodrigo Monteiro, diretor executivo da Group Software

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

21


CARTÃO

Entrega de prêmios da promoção

A

promoção de julho do cartão Cadê o Síndico foi finalizada com a entrega dos prêmios aos ganhadores pela Prospere

Consultoria e a Revista Cadê o Síndico. Cada um dos premiados terá direi­to a uma inscrição no Curso de Qualificação para funcionários de condomínios. Os ganha­

D’Ávila, representado pela a­dministradora Silvani Cer­

dores foram:

queira de Sousa. 4. Condomínio Edifício Lindembergue

1.

Condomínio

Edifício

Aguassaí, representado pela

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

Rodrigues.

síndica Ivonete Vieira Alves

A próxima promoção já tem sorteio marcado para

dos Santos. 2. Condomínio

setembro de 2011. Para fazer o cartão Cadê o Síndico,

Paraíso do Resgate, repre­

basta preencher a ficha de adesão dis­ponível no site

sentado pelo síndico Sér­gio

www.cadeosindico.com.br. Mais informações pelo

Marcos Alves Rios. 3. Condo­mínio Edifício Garcia

22

Cardoso, representado pelo síndico José Carlos Santos

telefone 3242-1084. CS

www.cadeosindico.com.br


CONSULTORIA

Época de chuvas:

evite danos e prejuízos com os elevadores

Por Vandilson Alves

N

estes meses de maior incidência de chuvas é muito freqüente a pa­ralisação de elevadores. Seja em decorrência da água que atinge os equipamentos, seja em decor­ rência das descargas e variações elétricas muito comuns nesta época. Resultado: prejuízo material e desconforto para os usuários que são obrigados a utilizar as escadas do prédio. O agravante é que, além de tudo, essa situação também provoca risco à segurança. Para evitar esses transtornos, é importante que o Condomínio tome alguns cuidados, tais como: 1. Em caso de fortes chuvas, as janelas das casas de máquinas devem ser fechadas. Após este perío­ do, elas devem ser abertas, para que a ventilação possa refrigerar os componentes dos elevadores, especialmente do quadro de comando. 2. Deve-se aproveitar esta ocasião para inspe­ cionar, preventivamente, as casas de máquinas, ve­ rificando a existência de infiltrações e as condições das janelas, se estão vedadas corretamente. 3. Caso o edifício possua janelas nos halls dos

andares, essas também devem permanecer fecha­ das nesta época. 4. Caso a água atinja o fundo dos poços, os ele­ vadores devem ser desligados prefe­rencialmente no último pavimento, através da chave geral. Em seguida, deve-se acionar imedia­tamente a empresa responsável pela manu­tenção. 5. Procedimento si­milar ao mencionado acima deve ser adotado caso a água atinja os equipa­ mentos: desligá-los imediatamente na chave geral, qualquer que seja o andar em que se encontre, e acionar a empresa responsável pela manutenção. 6. Devem ser verificadas as condições dos pararaios e do aterramento do prédio, para evitar que as descargas elétricas danifiquem os componentes elétrico-eletrônicos. 7. Se ocorrer falta de energia, deve-se desligar os elevadores, ligando-os somente alguns minutos após o retorno e estabilização da energia. 8. Os usuários também po­ dem colaborar, evitando uti­ lizar os elevadores molhados, bem como usando capas ou guarda-chuvas. Adotando estas medidas preventi­ vas, o Condomínio evitará danos maiores, tanto financeiros - deixando de gerar despesas com reparos e substitui­ções de peças danificadas pelas chuvas quanto os transtornos causados aos usuários pela falta de ope­ ração dos equipamentos. CS

Vandilson Alves é engenheiro, consultor e perito em transporte vertical. contato: vandilson_alves@yahoo.com.br

www.cadeosindico.com.br

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

23


FIQUE SEGURO

Novo Seguro Condomínio exige atenção do corretor nas renovações

Por Nelson Uzeda

C

onforme a Resolu­ ção 218/2010, regu­ lamentada pelo Con­ selho Nacional de Seguros Privados (CNSP), o seguro con­ domínio ganhou novo formato em todo o país a partir de 1º de julho. Com a novidade, o produto é dis­ponibilizado com duas coberturas básicas: a sim­ ples e a ampla. A novidade exige atenção redobrada dos corretores nessa fase de transição para o novo modelo. É possível que nem to­ das as seguradoras já te­nham tudo pronto para as renova­ ções. Então pode ser aconse­ lhável pedir prorrogação das apólices e evitar que os clientes fiquem sem seguro. Em linhas gerais, serão apresentadas duas modali­ dades: básica simples, que mantém as proteções que já existiam, tais como incêndio, queda de raio dentro do ter­ reno segurado e explosão de qualquer natureza.

Já a modalidade básica am­ pla é na verdade um seguro “all risks “, contemplando tam­ bém proteção para desmo­ ronamento, alagamento e pre­ juízos diversos, em virtude de fenômenos naturais. Esses ítens podem ser aco­ plados à modalidade básica simples, mas como adicio­ nais da apólice, não havendo mais possibilidade de vender o produto nos moldes ante­ riores à Resolução. Dessa for­ ma, os planos atuais devem ser adaptados às novas normas. É bom salientar ainda que, em casos de sinistros, cor­ retores e segurados podem contar com a maior agilidade e facilidade de indenização in­ tegral pré-estipulada, por meio da definição de uma Importân­ cia Segurada Única. Poderão ser contratados para condomínios residen­ci­­­­­­­­ ais, escritórios, mistos, consul­ tórios, flats ou apart-hoteis, lembrando também os shop­

ping centers, que por analogia são enquadrados no seguro condomínio. A lei 4.591 esta­ belece as bases para contrata­ ção do seguro ratificadas no Decreto-Lei 73/66. No caso dos seguros das habitações, cujos mutuários de entidade que integram o Sistema Financeiro da Habitação será considerado a 2º risco ab­ soluto, enquanto esteja em cur­ so o contrato de financiamento da sua unidade habitacional e desde que o citado contrato de financiamento tem amparo pelo seguro compulsório. A cobertura a 2º risco contempla exclusivamente os i­móveis dos mutuários, excluin­ do-se as áreas comuns do con­ domínio segurado. Uma das principais vantagens tem rela­ ção com o conceito de primeiro risco absoluto para todas as garantias básicas, ou seja, inde­ pendente do valor arbitrado, a cobertura será de 100% em si­ nistros, sem sublimites. CS

Nelson Uzeda é graduado pela Unifacs em Gestão de Seguros. É consultor docente, Diretor financeiro do Clube dos Seguradores do Estado da Bahia e superitendente executivo da Cia Excelsior de Seguros em Salvador. www.uzedaconsultordeseguros.blogspot.com

24

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

www.cadeosindico.com.br


CS

www.cadeosindico.com.br

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

25


CLASSIFICADOS ACADEMIA - EQUIP. DE GINÁSTICA

ADMINISTRAÇÃO E ASSESSORIA

ADMINISTRAÇÃO E ASSESSORIA

ADMINISTRAÇÃO E ASSESSORIA

ADMINISTRAÇÃO E ASSESSORIA

Sr. síndico, utilize o Cartão Cadê o Síndico e garanta benefícios 26

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

www.cadeosindico.com.br


CLASSIFICADOS ADMINISTRAÇÃO E ASSESSORIA

ADMINISTRAÇÃO E ASSESSORIA

ADMINISTRAÇÃO E ASSESSORIA

Sr. síndico, ao solicitar orçamento, informe que viu anúncio na revista Cadê o Síndico www.cadeosindico.com.br

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

27


CLASSIFICADOS ADMINISTRAÇÃO E ASSESSORIA

ADMINISTRAÇÃO E ASSESSORIA

ADMINISTRAÇÃO E ASSESSORIA

ADMINISTRAÇÃO E ASSESSORIA

ÁGUA - ECONOMIA

ÁGUA - FILTRO DE ENTRADA ADMINISTRAÇÃO E ASSESSORIA

PURITEC EUROPA......................(71) 3381-3999

ÁGUA - INDIVIDUALIZAÇÃO

ÁGUA TRATAMENTO

ÁGUA - EQUIP. DE PURIFICAÇÃO ELETROBARRA..........................(71) 3262-4957 ÁGUA - EQUIP. DE PURIFICAÇÃO EUROPA PURIFICADOR DE ÁGUA............................ ..............................................(71) 3381-3999

Sr. síndico, utilize o Cartão Cadê o Síndico e garanta benefícios 28

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

www.cadeosindico.com.br


CLASSIFICADOS ANTENAS

AQUECEDORES

BOMBAS E MOTORES

AMPLAVISÃO • (71) 3357-1515.............. Veja anúncio no título de Segurança eletrônica ANTENAS

AR CONDICIONADO - MANUT. E VENDA T EC N OA R.............. 3 316 -79 0 0 / 32 0 76365........................Veja anúncio na pág. 4 ASSESSORIA CONTÁBIL ANTENAS

A D V I S E R / E M B R A C O N................. 3 3 2 6 7045........................Veja anúncio na pág. 4 ASSESSORIA JURÍDICA BOMBAS E MOTORES

AQUECEDORES CHURRASQUEIRA

AUTOMÓVEIS - AGÊNCIA

ARQUITETURA E DECORAÇÃO AMÉLIA ZÁU...............................................escri­ torio@ameliazau.com.br......Tel.: 3235-0706

COLETA SELETIVA DE LIXO CAEC.......................................(71) 3293-2737

ARQUITETURA E DECORAÇÃO TICIANA FAHEL..................................arquitetu­ ra@ticianafahel.com.br..........Tel.: 3358-8336

COLETA SELETIVA DE ÓLEO DE COZ. RENOVE..........(71) 3267-0260 / 9979 - 2504

Sr. síndico, ao solicitar orçamento, informe que viu anúncio na revista Cadê o Síndico www.cadeosindico.com.br

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

29


CLASSIFICADOS COMUNICAÇÃO VISUAL

CONSTRUÇÕES E REFORMAS

CONSTRUÇÕES E REFORMAS

CONDOMÍNIOS - MULTISERVIÇOS ANGI SERVICE • (71) 3498-7072/8189-6084 Veja anúncio no título Terceirização de mão de obra CONSTRUÇÕES E REFORMAS

CONSTRUÇÕES E REFORMAS

CONSTRUÇÕES E REFORMAS

Sr. síndico, utilize o Cartão Cadê o Síndico e garanta benefícios 30

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

www.cadeosindico.com.br


CLASSIFICADOS CONTABILIDADE - CONDOMÍNIO

DECORAÇÕES

DISTRIBUIÇÃO DE IMPRESSOS

GP CONTABILIDADE • 3354-3001.............Veja BARBOSA DECORAÇÕES....................................... anúncio no título de Administração e assessoria .............................3489-2909 / 3347-6022 CONTROLE DE PRAGAS

DESENTUPIMENTO – LIMPA FOSSA

ABC PRAG • 3342-1143.............................. ....................................Veja anúncios pág.25 CONTROLE DE PRAGAS

ELEVADORES

DESENTUPIMENTO – LIMPA FOSSA

CURSOS E TREINAMENTOS FACULDADE 2 DE JULHO..................3114-3400 CURSOS E TREINAMENTOS PROSPERE CONSULTORIA..................3014-2882

Sr. síndico, ao solicitar orçamento, informe que viu anúncio na revista Cadê o Síndico www.cadeosindico.com.br

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

31


CLASSIFICADOS ELEVADORES

ELEVADORES

ENTULHO - COLETA

Engeltech • 3278-4005/0800 284 4005 ................................. Veja anúncio página 24

ELEVADORES

ELEVADORES

EQUIPAMENTOS PARA COND.

ELEVADORES - FORRO

Sr. síndico, utilize o Cartão Cadê o Síndico e garanta benefícios 32

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

www.cadeosindico.com.br


CLASSIFICADOS EQUIPAMENTOS PARA COND.

EQUIPAMENTOS PARA COND.

EXTINTORES DE INCÊNDIO

EXTINTORES DE INCÊNDIO

ESQUADRIAS

Sr. síndico, ao solicitar orçamento, informe que viu anúncio na revista Cadê o Síndico www.cadeosindico.com.br

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

33


CLASSIFICADOS FARDAMENTO CASA

DAS

FARDAS

INFORMÁTICA - REC. DE CARTUCHOS •

JOGOS - ARTIGOS E EQUIPAMENTOS

3264-7272/3358-

4999/3378-2180...Veja anúncio na página 7 FARDAMENTO

JOGOS - ARTIGOS E EQUIPAMENTOS

GÁS - MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA BAHIAGÁS • SAC 0800 071 9111...................... ..................................Veja anúncio na contracapa GÁS - MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA

JOGOS - ARTIGOS E EQUIPAMENTOS

BRASILGÁS • Unidade de Apoio ao cli­­­e­nte 0800 70 10 124..........Veja anúncio na página 3 GERADORES - MANUTENÇÃO

IMÓVEIS - COMPRA E VENDA CSO Engenharia • (74) 3641-3277/91973361/(71) 8794-4202/8113-0536............... .............................www.csoengenharia.com.br REMAX ALPHA EXCLUSIVE • (71)

3082-

2000...........................Veja anúncio na página 11 IMPERMEABILIZAÇÃO VEDACIT

3432-8900...............................

...................................Veja anúncio na página 9

Sr. síndico, utilize o Cartão Cadê o Síndico e garanta benefícios 34

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

www.cadeosindico.com.br


CLASSIFICADOS LIMPEZA

MATERIAIS ELÉTRICOS

PARARRAIOS SITELCO • 3312-8698/3252-5000............. .................................Veja anúncio página 14

CONDOMÍNIO & CIA...............3336-5753 / 4417 Veja anúncio no título Equipamentos para cond.

PERSIANAS MÃO DE OBRA - TERCEIRIZAÇÃO

PISCINA MARCAS E PATENTES

MÓVEIS - FÁBRICA/PLANEJADOS

CORÁGUA • (71) 3334-7977 / 3334-3436 ..................................................Veja página 12

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

MÓVEIS PARA ESCRITÓRIO FLEX MAR MÓVEIS • (71) 3242-3798/32423548..........................................Veja página 12 MUDANÇAS E CARRETOS

Sr. síndico, ao solicitar orçamento, informe que viu anúncio na revista Cadê o Síndico www.cadeosindico.com.br

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

35


CLASSIFICADOS PISO - TRATAMENTO E LIMPEZA

RADIOCOMUNICAÇÃO

SEGURANÇA ELETRÔNICA

RADIOCOMUNICAÇÃO

REGISTRO DE MARCAS PROVÍNCIA...........(71) 3016-5574/3481-0325 .........Veja anúncio no título de Marcas e Patentes PISO - TRATAMENTO E LIMPEZA

RESTAURANTE GOETHE CAFÉ............................(71) 3336-4721 SEGURANÇA ELETRÔNICA

PRODUTOS DE LIMPEZA MOVICLEAN Equipamentos • 3313-3464......... Veja anúncio no título Equipamentos para cond.

Sr. síndico, utilize o Cartão Cadê o Síndico e garanta benefícios 36

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

www.cadeosindico.com.br


CLASSIFICADOS SEGURANÇA ELETRÔNICA

SEGURANÇA ELETRÔNICA

SEGURANÇA ELETRÔNICA

Sr. síndico, ao solicitar orçamento, informe que viu anúncio na revista Cadê o Síndico www.cadeosindico.com.br

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

37


CLASSIFICADOS SEGUROS

SEGUROS

TERCEIRIZAÇÃO DE MÃO DE OBRA

TERCEIRIZAÇÃO DE MÃO DE OBRA

SEGUROS

TAPETES BARBOSA DECORAÇÕES......................................... .............................. 3489-2909 / 3347-6022 TELECOMUNICAÇÃO AMPLAVISÃO

3357-1515..........................

Veja anúncio no título Segurânça eletrônica TERCEIRIZAÇÃO DE MÃO DE OBRA

TRATAMENTO DE PISOS PROSPECTO • 3371-6827.............Veja anúncio no título Piso Tratamento e Limpeza TRATAMENTO DE PISOS PROTEC • 8154-0358.................Veja anúncio no título Piso Tratamento e Limpeza TRATAMENTO DE PISOS WW BAHIA • 3355-0409/9926-4330........ Veja anúncio no título Piso Tratamento e Limpeza VENTILADORES TETO E PAREDE ELETROBARRA .........................(71) 3264-4957

Sr. síndico, utilize o Cartão Cadê o Síndico e garanta benefícios 38

Revista Cadê o Síndico • julho/agosto 2011

www.cadeosindico.com.br


Ed34  

Proteja seu imóvel, elimine a infiltração

Ed34  

Proteja seu imóvel, elimine a infiltração

Advertisement