Page 16

16

Sábado - 23 a 26 de fevereiro e 2013

Polícia recupera moto roubada de equipe brasileira

Comunidade

Brasileiro tenta se livrar da pena de morte em Nebraska Mineiro é um dos três envolvidos na chacina da família Szczepanik

O José Oliveira Coutinho foi condenado pelo homicídio de três pessoas em Nebraska

Agentes à paisana acompanharam de longe a troca da motocicleta, avaliada em US$ 70 mil

N

a terça-feira (19), a equipe brasileira DMS Racing Team anunciou que recuperou a motocicleta Kawasaki ZX – 10R, ano 2013, fabricada especialmente para corridas de alta velocidade. A equipe havia oferecido a recompensa de US$ 5 mil por pistas que levassem aos ladrões. A motocicleta foi roubada na madrugada de sábado (16), no interior da garagem do DMS, no município de Doral, no Condado de Miami Dade. As câmeras de segurança instaladas na garagem registraram 6 homens estacionando um caminhão na entrada principal para levarem a moto de corridas, avaliada em US$ 70 mil. O incidente virou notícia nos veículos de comunicação locais. Ainda na terça-feira (19), a equipe recebeu um telefonema anônimo de um jovem que alegou saber o paradeiro da motocicleta roubada e exigia o pagamento da recompensa. Membros da equipe marcaram um encontro em uma casa localizada na cidade de Opa Locka, onde ocorreu a troca. A motocicleta será utilizada pelo corredor brasileiro Nico Ferreira no campeonato Daytona-500 2013, na cidade de Homestead (FL). Rod Alves, chefe da equipe, explicou que a moto foi fabricada sob encomenda para corridas, portanto, não pode ser utilizada como meio de transporte regular, pois desenvolve velocidades acima da média permitidas em perímetros urbanos. Ele especula que os ladrões tinham noção do que procuravam, porque roubaram somente a Kawasaki, deixando outras motocicletas na garagem. Policiais à paisana acompanharam de longe a troca da motocicleta pela recompensa e detiveram o rapaz para interrogatório. Até o fechamento dessa edição, nenhum suspeito havia sido preso.

Edição 1468 –

s advogados de defesa do mineiro José Oliveira Coutinho, de 38 anos, condenado pelo homicídio dos também brasileiros, Vanderlei Szczepanik, sua esposa, Jacqueline e o filho do casal, Christopher Szczepanik, de 7 anos, apresentaram uma moção judicial que tenta livrá-lo do corredor da morte. Ele é um dos três imigrantes brasileiros acusados de matar a família no estado de Nebraska. Ano passado, Coutinho foi considerado culpado das 3 acusações de homicídio em primeiro grau e 1 acusação de roubo, no Tribunal Distrital do Condado de Douglas. Os investigadores disseram que José e seus dois comparsas espancaram Vanderlei até à morte e enforcaram sua esposa e filho, no interior da residência da família, e jogaram os cadáveres no rio Missouri. O crime foi considerado hediondo e chocou a opinião pública norte-americana. Os advogados de Coutinho alegam na moção judicial que a lei de morte no estado de Nebraska é inconstitucional. Em 5 de outubro do ano passado, os jurados do Condado de Douglas demoraram apenas 3 horas para considerarem culpado o operário da construção civil José Carlos Oliveira Coutinho das 3 acusações de homicídio em primeiro grau. O réu foi considerado o pivô na morte da família de missionários

José Oliveira Coutinho foi condenado pelo homicídio de três pessoas em Nebraska

evangélicos Vanderlei, Jacqueline e Christopher Szczepanik. Além disso, ele foi considerado culpado de roubar dinheiro das vítimas. O Departamento de Polícia de Omaha, Nebraska, e a promotoria do Condado de Douglas construíram um caso baseado em cir-

cunstâncias contra o brasileiro. Os fatos incluíram uma conversa que José Carlos teve com o colega de trabalho, Valdeir Gonçalves dos Santos, durante a qual detalhou como ele, o réu e outro operário, Elias Lourenço Batista, espancaram até à morte Vanderlei Szczepanik em dezembro de 2007 e, então, enforcaram Jacqueline e Christopher. Os fatores agravantes no caso aceleraram a decisão e os jurados demoraram somente 3 horas para condenarem José Carlos. O painel formado por 8 homens e 4 mulheres decidiram apenas meia hora antes de serem informados das agravantes: 1) A ocorrência de homicídios múltiplos (chacina); 2) os homicídios foram cometidos por razões financeiras e 3) dois homicídios foram cometidos para encobrir o primeiro. Quando o veredito foi lido, José Carlos não demonstrou emoção, enquanto escutava a tradução para o português da decisão. Já Tatiane Klein, filha mais velha de Jacqueline Szczepanik, gritou de alegria. Segundo uma amiga, Tatiane temia o veredito, pois achava que as evidências contra Coutinho não eram contundentes o suficiente. Os jurados no caso consideraram agravantes as circunstâncias do crime, tornando o réu elegível para a pena de morte. Um painel formado por 3 jurados decidirá em 11 de abril se Coutinho será enviado ao corredor da morte ou pegará a prisão perpétua.

Polícia e imigração interceptam barco lotado de indocumentados Após chegarem à terra firme, os imigrantes entraram em duas caminhonetes que os aguardavam

N

a manhã de quinta-feira (21), agentes da Guarda Costeira prenderam 11 pessoas, depois que um barco lotado de imigrantes indocumentados aportou clandestinamente em um canal na cidade de Boca Raton (FL), divulgou a porta-voz Elee Erice. Ela detalhou que os detidos foram transferidos para um centro de triagem em Riviera Beach para serem devidamente autuados e, posteriormente, detidos, divulgou o canal de TV CBS 12. Nestor Yglesias, porta-voz do Departamento de Imigração (ICE), informou que o Departamento de Segurança Interna (DHS) estava investigando o incidente. “Até o momento, não estamos divulgando nenhuma informação sobre o caso, uma vez que ele se encontra sob investigações”, disse ele. O Departamento de Polícia de Boca Raton respondeu à uma ligação feita pela Guarda Costeira aproximadamente às 9:15 da manhã, na quinta-feira (21), informando que uma embarcação do órgão estava seguindo um barco que aportava em um canal de Boca Raton, informou o porta-voz do Departamento de Polícia, Mark Economou. O barco, oriundo das Bahamas navegava rumo a Boca Raton, detalhou Economou. “O

Agentes vasculharam porta-malas de carros nas estradas vizinhas na esperança de encontrar outros fugitivos

status migratório dos passageiros era incerto. Até recebermos a ligação telefônica da Guarda da Fronteira, o barco já estava no canal”. Quando os policiais chegaram ao local, a embarcação havia sido abandonada. Após chegarem à terra firme, os imigrantes entraram em duas caminhonetes que os aguardavam, disse o porta-voz. Os ocupantes dos veículos foram presos instantes depois. Após receberem a primeira ligação telefônica, a polícia instalou uma barreira na S.

Ocean Drive e fechou o tráfego na A1A. Agentes vasculharam porta-malas de carros na esperança de encontrar outros fugitivos que estavam a bordo da embarcação. Helicópteros realizaram buscas aéreas e barcos do xerife do condado nos canais vizinhos. Conforme estatísticas da Guarda Costeira, 90 estrangeiros foram detidos tentando entrar clandestinamente no país entre 1 e 9 de fevereiro. Entre eles, 38 dominicanos, 11 mexicanos e 7 pessoas de diversas nacionalidades.

Edição 1468 de 23 a 26 de fevereiro de 2013  
Edição 1468 de 23 a 26 de fevereiro de 2013  

• Brasileiro é preso peladão no “drive-thru” em MA • Brasileiro tenta se livrar da pena de morte em Nebraska • Sindicatos e empresários anun...