Page 1

ISSN 1807-9733

LÁCTEO Guia dereferência referência do setor lácteo do SETOR Guia de

2014 Aditivos e Ingredientes

Embalagem

Armazenagem, Paletes e Transporte

Produtos e Serviços

Análise Laboratorial

Refrigeração

Higienização e Segurança

Equipamentos e Acessórios


COMO CONSULTAR

3

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

Veja como é fácil consultar o seu Anuário: 1

SUMÁRIO

Guia de referência do SETOR

SUMÁRIO A página inicial de cada seção é indicada no sumário com sua respectiva cor e marca o início do conteúdo relativo ao tema: artigos e lista de produtos.

Editorial

10

O melhor ano em trinta

14

Avanços em edulcorantes naturais voltados para a percepção sensorial dos consumidores

18

Ingredientes lácteos proteicos

44

Impacto dos patógenos contagiosos da mastite sobre os limites de contagem de células somáticas estabelecidos na legislação federal

50

Avaliação celular do leite produzido em Pedregulho Embalagem

58

57

Quando a embalagem é mais importante que a marca

67

Sistemas de isolamento térmico para baixas temperaturas

Refrigeração

67

79

Leite como alimento – A importância da sua qualidade para a garantia da segurança alimentar do consumidor

Armazenagem, Paletes e Transporte

82

Na guerra pela higiene e segurança a melhor aliada é a água

89

A importância dos recursos hídricos nas atividades da pecuária

102

Água na alimentação de bovinos

106

Caracterização da produtividade leiteira em uma região da Zona da Mata de Minas Gerais

162

Lista de endereços em ordem alfabética, onde estão indicadas as páginas para consulta.

2

06

Aditivos e Ingredientes Análise Laboratorial

Higienização e Segurança Produtos e Serviços

81

89

Equipamentos e Acessórios 101 Índice de Anunciantes

Lista de Endereços

CONTEÚDO

As páginas do Anuário têm a seguinte estrutura:

Indicação da seção Lista de endereços

Nome do fornecedor

Na Lista de Endereços, encontram-se os dados de contatos das empresas relacionadas nas listas de produtos de cada seção.

13

43

Lista de produtos

147

79

LÁCTEO

LÁCTEO


SUMÁRIO 06

Editorial

10

O melhor ano em trinta

14

Avanços em edulcorantes naturais voltados para a percepção sensorial dos consumidores

18

Ingredientes lácteos proteicos

44

Impacto dos patógenos contagiosos da mastite sobre os limites de contagem de células somáticas estabelecidos na legislação federal

50

Avaliação celular do leite produzido em Pedregulho

58

Quando a embalagem é mais importante que a marca

67

Sistemas de isolamento térmico para baixas temperaturas

79

Leite como alimento – A importância da sua qualidade para a garantia da segurança alimentar do consumidor

82

Na guerra pela higiene e segurança a melhor aliada é a água

89

A importância dos recursos hídricos nas atividades da pecuária

102

Água na alimentação de bovinos

106

Caracterização da produtividade leiteira em uma região da Zona da Mata de Minas Gerais

162

Índice de Anunciantes


Guia de referência do SETOR

Aditivos e Ingredientes Análise Laboratorial Embalagem

57

Refrigeração

67

13

43

Armazenagem, Paletes e Transporte Higienização e Segurança Produtos e Serviços

81

89

Equipamentos e Acessórios 101 Lista de Endereços

147

79

LÁCTEO


ISSN 1807-9733 ANO XXII • No 146 • Março/Abril 2014

6

EDITORIAL

Janeiro/Fevereiro 2012

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

LÁCTEO

Guia de referência do SETOR

Sólido progresso

LÁCTEO

DIRETOR GERAL DA AMÉRICA LATINA DO INFORMA GROUP Marco A. Basso

CHIEF MARKETING OFFICER DA BTS INFORMA Araceli Silveira

COORDENADORA DE PUBLICAÇÕES

Crislei Zatta  crislei.zatta@informa.com

GROUP DIRECTOR

O

José Danghesi  jose.danghesi@informa.com

retrato de um ano especial, repleto de boas notícias a todos os envol-

GERENTE COMERCIAL

vidos na cadeia produtiva do setor lácteo, está solidamente exposto

COORDENADOR COMERCIAL

no Anuário Leite & Derivados. Uma série de fatores positivos eleva

a confiança de especialistas e aponta a um futuro de grandes perspectivas. Instituições renomadas e empresas tradicionais, listadas nas próximas páginas, reforçam o panorama: se alguns ajustes ainda precisam ser feitos, as oportunidades apresentadas são imensas. Em interessante artigo de abertura, publicado na seção Conjuntura,

Marilda Meleti  marilda.meleti@informa.com José Renato Lopes Mesquita  jose.mesquita@informa.com

DEPARTAMENTO COMERCIAL

Cristiane Castro  cristiane.castro@informa.com Elena Bernardes  elena.bernardes@informa.com Elizabeth de Luca  elizabeth.deluca@informa.com Kelly Martelli  kelly.martelli@informa.com EXECUTIVO DE VENDAS INTERNACIONAIS Priscila Fasterra  priscila.fasterra@informa.com ATENDIMENTO AO CLIENTE Márcia Lopes  marcia.lopes@informa.com

pesquisadores da Embrapa Gado de Leite – como Paulo do Carmo Martins

EQUIPE VENGA

– avaliam as últimas três décadas da produção láctea brasileira. A conclusão

André Toso MTB 54.450  andre@agenciavenga.com.br

EDITOR

não poderia ser mais favorável: na história recente, se analisados os inte-

EDITOR-ASSISTENTE

resses do produtor, da indústria, do varejo e do consumidor, jamais o país

REDAÇÃO

vivenciou um ano tão favorável quanto 2013. “Então, ganhou o Brasil”,

ARTE

salientam os especialistas. Uma disposição de serviços diversos, capazes de agregar necessidades do consumidor e da indústria com importantes conceitos como funcionalidade, eficiência e qualidade, também facilita a consolidação desses novos ventos. É o que se pode, por exemplo, encontrar nas páginas de Produtos e Serviços, Refrigeração, Embalagem e Armazenagem, Paletes e Serviços. Trabalhando em conjunto e possibilitando que cada peça da engrenagem se ajuste de maneira precisa, o setor ruma forte ao crescimento e ao progresso. Alguns desafios, é verdade, ainda precisam ser melhor encarados.

Itamar Cardin  itamar@agenciavenga.com.br Mariana Naviskas  mariana.naviskas@agenciavenga.com.br Adriano Cantero  adriano@agenciavenga.com.br CONSELHO EDITORIAL Adriano G. da Cruz, Alex Augusto Gonçalves, Anderson de S. Sant’Ana, Ariene G. F. Van Dender, Carlos Augusto Oliveira, Célia Lucia L. F. Ferreira, Douglas Barbin, Glaucia Maria Pastore, Guilherme A. Vieira, Jesuí V. Visentainer, José Alberto B. Portugal, José de Assis Fonseca Faria, José Renaldi F. Brito, Lincoln de C. Neves Fº, Luiza C. Albuquerque, Marcos Fava Neves, Nelson Tenchini, Paulo Henrique F. da Silva, Ricardo Calil, Susana Marta Isay Saad, Walkiria H. Viotto PERIODICIDADE: Bimestral (mensal em julho e agosto) ASSINATURA ANUAL – R$ 113,00 Saiba mais sobre assinaturas, edições anteriores, catálogos, anuários e especiais através de nossa Loja Virtual. Acesse: www.lojabtsinforma.com.br Para mais informações, entre em contato pelos telefones:

Como avalia João Luis dos Santos, especialista em qualidade da água na

Central de Atendimento ao Assinante SP (11) 3512-9455 / MG (31) 4062-7950 / PR (41) 4063-9467

produção animal, a melhor utilização dos recursos naturais, sobretudo da

Assinante tem atendimento on-line pelo Fale Conosco:

água, é uma batalha relegada a segundo plano, ainda pouco encampada na indústria leiteira. Sua importância, entretanto, é vital para garantir a

www.lojabtsinforma.com.br/faleconosco IMPRESSÃO

Gráfica IPSIS

manutenção da prosperidade. Com uma série de artigos qualificados, informativos e bem-estruturados, e uma lista de empresas e produtos ainda mais

REDAÇÃO E PUBLICIDADE Rua Bela Cintra, 967 - 11º andar - Cj. 111 Bela Vista - 01415-000 - São Paulo/SP - Brasil Fone: (55 11) 3598-7800 | Fax: (55 11) 3598-7801 www.btsinforma.com.br

completa e diversificada, o Anuário Leite

& Derivados apresenta-se como importante guia não apenas para mapear as princi-

IMPRESSÃO

pais referências do setor, mas também para

A BTS Informa, consciente das questões ambientais e sociais, utiliza papéis com certificação FSC® (Forest Stewardship Council®) na impressão deste material. A certificação FSC® garante que uma matéria-prima florestal provém de um manejo considerado social, ambiental e economicamente adequado. Impresso na Gráfica IPSIS - certificada na cadeia de custódia - FSC®.

facilitar a compreensão desse momento histórico. Aproveitem o material e tenham uma ótima leitura! José Danghesi

03_13_conjuntura146.indd 6

A revista não se responsabiliza por conceitos ou informações contidas em artigos assinados por terceiros.

26/03/2014 21:36:17

Untitled


Fique por dentro de tudo o que acontece na indĂşstria laticinista Mais de

22 anos

de credib ilidade no merca do

Assine a revista pioneira do setor Acesse jĂĄ! www.lojabtsinforma.com.br Estaremos na

Fispal Tecnologia 2014 Visite nosso stand


8

BEM-VINDO

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

LÁCTEO

Informação simples e eficiente

A

elaboração de um produto

cil e organizada. O Anuário Leite &

complexo como o Anuário

Derivados , assim, repete a fórmula

Leite & Derivados exige

do ano anterior e divide as seções

um árduo trabalho coletivo, envolvendo diferentes esferas, amplos componentes e profissionais antenados, capazes de sintetizar dados de diferentes interesses e segmentos. Os anos de experiência, entretanto,

por dobras e cores. Basta apenas consultar o sumário, ver o segmento desejado e ir direto à página. Esperamos que essa objetividade possa assegurar um conhecimento

levaram-nos a uma conclusão espe-

ainda maior do mercado, facilitar

cial: informação boa é a informação

o diálogo entre setores e, conse-

simples e eficiente.

quentemente, catalisar a realização

Trabalhar com qualidade na con-

de bons negócios. É isto, afinal, em

cepção de um produto fundamental

um momento tão especial à indús-

é, sobretudo, permitir que o leitor te-

tria láctea, o que todos almejamos.

nha acesso aos dados de maneira fá-

Tenham uma excelente consulta!

Equipe Leite & Derivados


10

CONJUNTURA

O melhor ano em trinta O ano de 2013 entrou para a história do setor lácteo brasileiro. Afinal, em trinta anos, foi a primeira vez que todos ganharam: o produtor, a indústria, o varejo, o consumidor. Então, ganhou o Brasil! Nos anos 80, o país viveu um ambiente de descontrole das contas públicas, com o fim do chamado “milagre econômico”. A capacidade de investir do governo caiu significativamente e tivemos naquela década as duas maiores recessões de nossa história republicana, em 1981 e 1983. A inflação saiu do controle, crescendo em espiral. Neste ambiente, os

produtores descobriram que o tabelamento de preços não era um mecanismo de proteção da categoria, mas ferramenta de controle inflacionário. Como leite e derivados formava uma categoria que pesava muito no cálculo da inflação (e ainda pesa), o governo passou a adiar ao extremo o aumento do produto. O resultado, via preço, foi a transferência de renda dos produtores de leite para os consumidores. Além disso, com custos subindo sem controle, ocorreu uma pauperização dos produtores de leite. A indústria não perdeu margens. Na sequência, nos anos 90, tivemos três momentos. Com o fim do tabelamento logo no início do

governo Collor, produtor e indústria passaram a conviver em um ambiente de negociação, prática até então desconhecida no setor. As margens da indústria cresceram, dado o seu poder de barganha. Mas, com a implantação do Plano Real, entramos no segundo momento da década: a demanda cresceu tanto que leite voltou a ser um bom negócio para o produtor. Nesse ambiente, com o preço elevado, o consumidor perdeu e a “âncora cambial” ganhou espaço. Com o real valorizado frente ao dólar e com o produto mais caro na prateleira do supermercado, os próprios varejistas passaram a importar leite diretamente de firmas euro-


11

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

peias, forçando a queda de margens na cadeia de valor para produtores e indústria. Mas, como estava fácil importar, a indústria encontrou nessa via a maneira de proteger suas margens. Portanto, quem passou a viver momentos ruins, de maneira solitária, foi o produtor de leite. Na década seguinte, a primeira deste milênio, os produtores receberam atenção especial de parlamentares, traduzindo em pressão sobre o Poder Executivo para que medidas fossem tomadas, no sentido de reduzir a perda de renda que visivelmente estava ocorrendo. Em resposta, o Brasil criou dificuldades para a entrada de leite proveniente do Mercosul, sob o argumento de que estaria havendo uma triangulação do produto, ou seja, estaria chegando leite proveniente da União Europeia, como se tivesse sido produzido em países do Mercosul. Esta barreira, traduzidas em salvaguardas comerciais, resultaram na melhoria de margem para os produtores – nada, entretanto, que levasse a grandes comemorações. Na primeira metade da década passada, correspondente ao segundo governo FHC e ao início do governo Lula, a demanda crescia pouco em função do baixo crescimento do PIB. O cenário começou a mudar a partir de 2007. O mercado internacional passou a apresentar resultados surpreendentes, com crescimento de preço e no volume de transações. Chegamos ao recorde de US$ 5 mil por tonelada de leite em pó. É evidente que o produtor ganhou, assim como a indústria. Estávamos no auge da janela de felicidades, gerada pelas exportações brasileiras. Entre 2004 e 2008 foi crescente a nossa participação no mercado internacional, a ponto das empresas decidirem investir na ampliação da capacidade de processamento, exatamente para dar suporte à demanda internacional. O leite brasileiro chegou a fazer-se presente no mercado de 86 países. Portanto, ganhou produtor e indústria, mas não houve ganhos

adicionais para varejo e consumidor, que conviviam com preços elevados internamente, puxados pelo mercado internacional. Esse cenário, entretanto, mudou repentinamente. Com a crise financeira de 2008, o mercado internacional desapareceu em 2009, com as transações em tendência contínua de queda a patamares insustentáveis para quem, como o Brasil, não tinha tradição de participar de um mercado tão estreito e imperfeito. Naquele momento, o país buscava criar reputação e alianças comerciais. As empresas nacionais exportadoras tiveram de fazer um esforço imenso para internalizarem a quantidade anteriormente exportada. Evidentemente, não se faz uma operação dessas sem perdas de margem. Os preços internos, assim, começaram a cair, afetando também os laticínios que não exportavam. Nesse ambiente, também perderam os produtores. A indústria brasileira conviveu com margens estreitas até 2011 e mui-

LÁCTEO

tas empresas registraram EBITDA negativo. O mercado interno, felizmente, estava aquecido, desejoso por consumir lácteos. Mas a demanda era por produtos que a maioria das empresas não tinha capacidade de atender plenamente, como iogurtes e queijos, já que o parque industrial brasileiro era fortemente estruturado para leite fluido e leite em pó. Além disso, como estavam com problemas sérios para gerar caixa, algumas das grandes empresas viram na possibilidade de serem vendidas a única saída para solucionar os problemas financeiros agudos que enfrentavam. Isso levou-as a atuarem no sentido de defender suas regiões de captação, traduzindo em bons preços pagos aos produtores, ou pelo menos acima daqueles que seriam de equilíbrio. Nesse ambiente, portanto, ganhou o produtor, mas também o varejo, que aproveitou para crescer suas margens em cima dos laticínios. Afinal, o que quebra uma empresa é a falta de


12

CONJUNTURA

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

LÁCTEO

caixa e, para fazer dinheiro, o Gráfico 1. Custo de Produção e Preço ao Produtor por número índice. Minas Gerais. preço de comercialização da Janeiro a Dezembro de 2013 (dez =100) produção é inverso à taxa de 130 desespero! OUT O cenário começou a mudar 125 128,7 em 2012. Indústria e boa parte Custo das empresas tiveram bons re120 sultados financeiros. Para o proPreço dutor, o preço começou o ano 115 em um patamar excelente, mas caiu no período de entressafra (maio a setembro) e voltou a 110 DEZ subir no período de safra. Como 111,2 os preços dos insumos estavam 105 set DEZ elevados, quem não era proDEZ 102,2 100 102,0 abr dutor tinha a falsa impressão 100 97,2 out de que tudo corria bem, o que 99,3 não era totalmente verdade. O 95 ano não foi ruim, mas também Fonte: Os autores, tendo por base o Preço Cepea/Esalq/USP (2014) e Custo ICPLeite Embrapa Gado de Leite (2014) não foi de fortes comemorações para os produtores. Melhorou apenas no final do ano, quando as cipalmente a partir do segundo seAh! Faltou dizer sobre o consumimargens ficaram melhores. mestre – o que está fazendo o nome dor. Inegavelmente, preços ficaram Já o ano de 2013 é daqueles e dando moral a muito dirigente elevados em 2013 e o leite puxou a que deixam saudades. O gráfico a de laticínio, sobretudo aqueles que inflação. Bom, mas as vendas caíram? seguir mostra o comportamento dos sabem surfar nos resultados do mer- Não... Ao contrário, continuam aquepreços recebidos pelos produtores cado e vender a ideia que os méritos cidas. E você viu alguma manifestae a evolução do custo de produção dos bons resultados são seus. Isso, é ção contrária aos preços? Em junho, (os dados consideram o mercado de claro, se traduz em polpudos bônus. no auge das manifestações urbanas, Minas Gerais. Preços recebidos tive- Além disso, foi a primeira vez na o movimento era para reduzir o preço ram como fonte o Cepea/Esalq/USP e história brasileira que dirigentes fo- da passagem de ônibus. Portanto, custos foram medidos pelo ICPLeite, ram convidados a se reunirem com nesse quadro, há de se considerar elaborado mensalmente pela Em- o Ministério da Fazenda, sem que o que também os produtores não esbrapa Gado de Leite). Perceba que assunto fosse explicar o motivo do tão contabilizando perdas. Ademais, de fevereiro a maio foi mais barato preço dos derivados lácteos estar a descoberta de novas fraudes e a produzir leite que em janeiro. A par- comprometendo o esforço do gover- punição de casos ocorridos anteriortir de junho, os custos sobem, mas no no combate à inflação. Eles foram mente se traduzem em ganhos para em valores tímidos. Em dezembro, lá convencidos que o assunto seria o os produtores, pois sinalizam ganhos produzir leite foi mais caro que em mesmo de 30 anos. Mas a surpresa institucionais na organização desse janeiro somente em 2%. Já o preço foi a agenda que encontraram. O setor. A experiência dos anos 80 recebido cresceu continuamente governo queria discutir como esti- demonstrou que diminuir os preços e chegou a ser 28,7% a mais que mular o aumento da produtividade e artificialmente gera perdas para os em janeiro. Como era de se esperar, como devolver o PIS/COFINS retido. produtores que, desestimulados, caiu em dezembro, mas ainda assim Portanto, além do ganho financeiro, produzem menos. Tudo isso termina terminou o ano em percentuais ele- a indústria registrou ganho institucio- em desabastecimento. Se você não vados. Considerando que a inflação nal. O varejo, por sua vez, também viveu os anos 80 e não lembra das brasileira ficou em 5,8% em 2012 e ganhou. Afinal, manter 20% de frequentes carências na disponibilidaque o produtor, em média, vendeu o margem para um produto de risco de de leite, não tem problema. Veja o leite 11,2% mais caro em dezembro zero, que alavanca outras vendas e problema vivido pelo nosso vizinho, em relação a janeiro, é inegável que que gira rapidamente, é algo que so- a Venezuela. Leite caro é aquele que ele acumulou ganho de renda. você quer comprar e ele não existe! mente o setor lácteo pode oferecer. Já a indústria também não tem do que se queixar em 2013, pois Autores do Texto: Paulo do Carmo Martins, Alziro Vasconcelos Carneiro e Manuela Sampaio Lana, registrou ganhos substanciais, prinPesquisadores da Embrapa Gado de Leite


ADITIVOS E INGREDIENTES


14

ARTIGO TÉCNICO

Aditivos e Ingredientes Débora de Freitas Almeida1, Alisson Borges de Souza2, Rodrigo Stephani3, Henrique de Castro Neves4

Ingredientes lácteos proteicos Introdução

As proteínas de origem animal e vegetal estão sendo cada vez mais utilizadas como ingredientes em um grande número de alimentos formulados. Os benefícios das proteínas do leite originam-se de suas excelentes propriedades nutricionais e de sua capacidade de contribuir para propriedades tecno-funcionais, sensoriais e reológicas nos produtos finais. O mercado de produtos com alto teor de proteína já é uma realidade. O iogurte grego, por exemplo, já não é mais uma novidade, e atualmente tem surgido produtos como snacks com alto teor de proteína, iogurte liofilizado, bebidas para praticantes de atividade física, bebidas com alto teor de proteína láctea combinada a proteínas de fontes vegetais, entre outros. A Gemacom Tech tem investido fortemente em pesquisas para apresentar ingredientes lácteos proteicos (ILP) que proporcionem melhor tecno-funcionalidade dentro de cada perfil de produto. Atualmente, oferecemos ao mercado uma completa linha de proteínas lácteas isoladas e combinadas a diferentes estabilizantes e espessantes, atendendo a crescente demanda de produtos com maior teor proteico. Em nosso Centro de Inovação Tecnológica (CIT), é uma realidade a apresentação de inovação em produtos com alto teor de proteína. Este CIT se configura como um dos mais modernos do Brasil no segmento de alimentos, contendo planta piloto UHT, liofilizadores, sistema de homogeneização de alta pressão, setor de

padaria e confeitaria. Já é grande o número de pesquisas realizadas que tem gerado sucesso na apresentação de produtos inovadores ao mercado de alimentos, em que os produtos com alto teor de proteína são o principal sucesso nos últimos anos.

O mercado de ingredientes lácteos proteicos

O aprimoramento da cadeia de produtos lácteos em pó já é mundialmente estabelecido e se enquadra

atualmente como um dos mercados que mais crescem, sobretudo, em razão da necessidade constante dos consumidores por produtos com maior valor nutricional. De acordo com a Figura 1, a cada avanço em tecnologia e em conceitos ligados à melhoria da especificidade nutricional e tecno-funcional, temos um enquadramento dos produtos em uma nova geração. Diante da realidade do mercado nacional, somos significativos produtores de leite em pó


15

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

Figura 1. Gerações de Produtos Lácteos em Pó

integral e desnatado, além de soro em pó. Pensando na capacidade produtiva das indústrias lácteas, assim, estamos enquadrados na 1ª Geração de produtos lácteos desidratados. Analisando os produtos enquadrados na 2ª Geração, verificamos que o Brasil é hoje um grande importador destes itens, mas já se visualiza os primeiros passos das indústrias nacionais para atender este mercado, principalmente pensando em

concentrado proteico de soro (WPC). Contudo, quando pensamos em relação à 3ª Geração, denominada de ingredientes tecno-funcionais, já encontramos algumas indústrias nacionais trabalhando de maneira intensa para atender a necessidade do mercado consumidor. É nesse cenário que a Gemacom Tech tem investido em suas pesquisas para apresentar a seus clientes ingredientes lácteos proteicos. Eles são desenvolvidos

LÁCTEO

avaliando exigências sensoriais e tecnológicas dos produtos, bem como as realidades de cada processo industrial, considerando suas diferenciações e especificidades quanto ao tipo de tratamento térmico e necessidades reológicas dentro dos processos, por exemplo. O uso de diferentes tratamentos térmicos é um dos principais fatores de influência sobre as propriedades tecno-funcionais dos ILP’s, dentre as quais a desnaturação térmica das soroproteínas é determinante para a obtenção das características desejáveis no produto processado. A compreensão do comportamento da desnaturação térmica destas proteínas é de fundamental importância para o controle tecnológico do processamento. Os tradicionais produtos lácteos proteicos – leite em pó desnatado (SMP) e o soro em pó (WP) – têm


16

ARTIGO TÉCNICO

Aditivos e Ingredientes

uma longa história de uso como ingredientes nos produtos alimentícios, como em bebidas, sorvetes, pães e bolos, entre outros. O SMP pode ser classificado quanto ao índice de desnaturação protéica (WPNI) como baixo, médio e alto tratamento térmico. Leite em pó com alta concentração de proteína, variando entre 500 g.kg-1 a 850 g.kg-1, é normalmente classificado como concentrado proteico de leite (MPC), sendo os principais o MPC56, MPC70 e MPC85, em que o número é referente à concentração aproximada de proteína na base seca. O processo de fabricação do SMP consiste em diferentes etapas: (i) desnate e pasteurização do leite cru, (ii) pré-aquecimento do leite com possíveis combinações entre tempo/temperatura, (iii) concentração do leite em evaporadores de múltiplos efeitos, (iv) tratamento térmico do concentrado para reduzir a viscosidade inicial na entrada da câmara de secagem e (v) secagem do concentrado. Na fabricação do MPC, o leite desnatado é concentrado por ultrafiltração (UF) para aumentar o conteúdo de proteína e remover parte da lactose e dos sais. Para os produtos com concentração mais alta de proteína (normalmente acima de 700 g.kg-1 de proteína na base seca), é aplicada normalmente a diafiltração (DF). Geralmente, nenhuma etapa de pré-aquecimento é necessária. Depois da UF e DF do SMP, o retentado é evaporado para aumentar a concentração de sólidos e depois desidratado em câmara de secagem. Os MPCs são comumente adicionados ao leite ou queijos formulados para aumentar a concentração de proteínas e/ou rendimento do produto final. Pode, também, ser utilizado para melhorar as características de textura do iogurte, requeijões e queijos processados. O uso do MPC em bebidas nutricionais vem crescendo nos últimos anos no Brasil. Nestas aplicações, ele contribui com ambas as proteínas do leite

(caseína e soroproteínas) na mesma proporção, porém com menor concentração de lactose. A produção dos derivados de soro em pó envolve a combinação de diferentes processos, como UF, NF, DF, osmose reversa, troca iônica, evaporação e secagem. Os produtos comerciais incluem os concentrados protéicos de soro (WPCs), isolados protéicos de soro (WPIs) e proteínas fracionadas como a- LA e b-LG. Sob o ponto de vista comercial, os mais importantes são o WPC (aproximadamente 850 g.kg-1 de proteína) e o WPI (aproximadamente 950 g.kg-1 de proteína). O WPC tem aplicação em produtos cárneos, bebidas, panificação e produtos infantis. As principais características de funcionalidade dos derivados de soro incluem a forte interação com a água, emulsificação, aeração e geleificação. As funcionalidades destes produtos não dependem somente da composição, mas também dos vários processos a que são submetidos durante as etapas de fabricação.

Conclusão

As propriedades reológicas dos alimentos dependem da interação da água com outros constituintes, especialmente com as macromoléculas, tais como proteínas e polissacarídeos. O estudo da viscosidade de proteínas permite determinar a relação entre as interações das moléculas protéicas, suas funcionali-

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

LÁCTEO

dades e também as propriedades de processamento, as quais impactam diretamente na configuração das linhas de industrialização, no gasto energético e na otimização do uso das matérias-primas. Industrialmente, é de grande importância a compra de uma proteína láctea com parâmetros quantitativos bem definidos. Também se faz imperativo, porém, o conhecimento das características reológicas dos produtos, pois estas podem sofrer alterações pelo tipo de processamento na obtenção, sazonalidade e tempo de estocagem. Em muitos casos, a melhor opção é utilizar combinações de diferentes proteínas, obtidas por processos diferenciados, capazes de potencializar as suas propriedades industriais quando combinadas. Assim, a Gemacom Tech tem trabalhado com uma ampla linha de ingredientes lácteos proteicos que representam hoje, diante da necessidade do mercado mundial de alimentos, as mais indicadas formas de formulação de ingredientes que proporcionam o máximo desempenho durante o uso em processamento térmico. Dentro deste cenário, a Gemacom Tech é uma das apoiadoras do 2º Simpósio sobre Tecnologia de Leites Concentrados e Desidratados, que será realizado nos dias 14 e 15 de maio de 2014 no Instituto de Laticínios Cândido Tostes, em parceria com UFV, UFJF e INRA/França (www. simposio30anos.com.br).

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS REFERÊNCIAS SOUZA, A. B. Avaliação da influência tecnológica da relação soroproteínas/ caseínas durante condições simuladas de processamento térmico. 2013. Juiz de Fora. 80 p. Dissertação de Mestrado – Universidade Federal de Juiz de Fora. STEPHANI, R. Comportamento de produtos lácteos proteicos em diferentes condições simuladas de processamento térmico. 2010. Juiz de Fora. 147 p. Dissertação de Mestrado – Universidade Federal de Juiz de Fora. 1 Mestranda em Ciência e Tecnologia do Leite e Derivados. Pesquisadora da Gemacom Tech. debora@gemacomtech.com. 2 Mestre em Ciência e Tecnologia do Leite e Derivados. Pesquisador da Gemacom Tech. alisson@gemacomtech.com. 3 Doutorando em Química. Gerente Técnico da Gemacom Tech. rodrigo@gemacomtech.com. 4 Doutorando em Ciências Econômicas Aplicadas à Administração de Empresas. Diretor de Operações da Gemacom Tech. henrique@gemacomtech.com.


18

ARTIGO TÉCNICO

Aditivos e Ingredientes

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

LÁCTEO

Avanços em edulcorantes naturais voltados para a percepção sensorial dos consumidores

E

mbora muitos consumidores queiram reduzir a ingestão de calorias, eles não estão dispostos a comprometer o sabor. Por isso, é importante desenvolver produtos com baixa caloria, alta qualidade, excelente sabor e sem sabor residual persistentes. A percepção dos edulcorantes, entretanto, ocorre de maneira diferente para cada indivíduo. Consequentemente, a grande variedade de edulcorantes é benéfica para os consumidores, pois lhes permite optar pelo que melhor atende suas necessidades.

Sensibilidade ao sabor amargo

A compreensão das diferentes percepções de dulçor é um elemento importante no desenvolvimento de novos edulcorantes com melhor sabor. Um aspecto relevante é examinar as diferenças de sensibilidade ao sabor residual. Os edulcorantes de


20

ARTIGO TÉCNICO

Aditivos e Ingredientes

Figura 1: Sensibilidade ao gosto amargo de edulcorantes à base de estévia

rial, sem sabor residual, serão aceitos por uma parte maior da população.

Opções naturais Muito sensível Pouco sensível Nada sensível

estévia já são conhecidos há muitos anos, mas representam um desafio devido ao sabor amargo, parecido com o do alcaçuz. Estudos sensoriais mostraram que 40% da população é muito sensível ao sabor residual do rebaudiosídeo A (Reb A) e, consequentemente, tende a rejeitar edulcorantes de estévia (figura 1). A experiência sensorial tem um componente genético. E a capacidade de compreender a percepção do sabor amargo por parte dos consumidores pode ajudar a impulsionar pontuações mais favoráveis (figura 2).

Human Psychometric and Taste Receptor Responses to Steviol Glycosides

Caroline Hellfritsch †, Anne Brockhoff ‡, FraukeStähler ‡, Wolfgang Meyerhof ‡ e Thomas Hofmann *† J. Agric. Food Chem., 2012, 60 (27), pp 6782–6793 “A comprehensive screening of 25 human bitter taste receptors revealed that two receptors, hTAS2R4 and hTAS2R14, mediate the bitter off-taste of steviol glycosides.” Consequentemente, os edulcorantes que exibem bom perfil senso-

Figura 2: Componente genético da experiência sensorial

O amargor leva à rejeição por parte dos consumidores

O dulçor (sem amargor) leva à aceitação por parte dos consumidores

Embora exista uma gama de adoçantes naturais, a fruta do monge e os extratos de estévia são os mais utilizados como adoçantes.

Extrato de fruta do monge

A fruta do monge (Siraitia grosvenorii), ou luo han guo, como é chamada na China, é da família do melão. Tem sido cultivada por centenas de anos no país asiático, onde é usada para adoçar bebidas e na medicina natural. Possui diversas substâncias naturalmente doces, conhecidas como mogrosídeos. Esses compostos normalmente estão presentes em cerca de 1% do fruto maduro e consiste em uma cadeia de diterpeno acoplada com açúcares. O mogrosídeo mais abundante é o mogrosídeo V (figura 3).

Extratos de estévia

Os extratos de folha de estévia contêm, ao menos, de 10 a 12 substâncias doces. Elas são chamadas de glicosídeos de esteviol, sendo o esteviosídeo e o Reb A os mais abundantes. A potência de dulçor e a qualidade do sabor dos glicosídeos remanescente variam consideravelmente (Carakostas et al., 2012). Consequentemente, o sabor e a qualidade de adoçantes comerciais à base de estévia dependem de sua composição específica de glicosídeos de esteviol.

Processo de desenvolvimento Os consumidores têm diferentes graus de sensibilidade a compostos amargos como o Reb A

Essa sensibilidade tem um componente genético; consumidores

A abordagem da Tate & Lyle no desenvolvimento de adoçantes naturais de alta potência, com sabor melhorado, consiste em três etapas principais, conforme ilustrado na figura 4. Tanto os extratos de fruta do monge quanto os edulcorantes de estévia apresentaram desafios em relação aos sabores desagradáveis,


Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

dificultando a formulação de produtos de baixa caloria e com sabor agradável. A Tate & Lyle viu a oportunidade de desenvolver melhores opções com base na compreensão dos impulsionadores de atratividade e das diferenças entre os sabores que os consumidores consideram atraentes. Figura 4: Abordagem progressiva ao desenvolvimento de adoçantes de alta potência e sabor agradável

Isolar as Substâncias

Avaliar o sabor

LÁCTEO

Figura 5: Teste de preferência comparativo entre o PUREFRUIT™ Select e a estévi

Teste de preferência PUREFRUIT™ SELECT 88% Estévia 12%

Estévia 12%

PUREFRUIT™ SELECT 88%

Projetar as melhores misturas

Usando essa abordagem e aplicando sua tecnologia de separação, a Tate & Lyle desenvolveu o PUREFRUIT™ Select, um extrato de fruta do monge de gosto agradável, com sabor doce e equilibrado, sem o amargor associado aos edulcorantes de estévia, tais como Reb A. A potência aproximada é de 200 vezes a do açúcar e os testes sensoriais confirmaram ser significativamente mais aceito que o Reb A (figura 5).

Uma abordagem semelhante foi usada para desenvolver o TASTEVA™ Stevia Sweetener, um edulcorante de estévia com uma composição otimizada de glicosídeos de esteviol, com sabor doce e equilibrado. A avaliação das qualidades sensoriais de diferentes composições de estévia, assim como o posterior isolamento dos glicosídeos de esteviol individuais para avaliações sensoriais mais detalhadas, permitiram estabelecer

uma compreensão do impacto das diferentes composições de glicosídeos de esteviol sobre o sabor geral do edulcorante. Essa compreensão permitiu o desenvolvimento de um processo exclusivo para produzir o TASTEVA™. TASTEVA™ Stevia Sweetener é composto de 95% de glicosídeos de esteviol e cumpre as especificações JECFA para glicosídeos de esteviol (960). Seu sabor doce e


22

ARTIGO TÉCNICO

Aditivos e Ingredientes

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

LÁCTEO

Figura 6: Resultados de testes de preferência entre bebidas adoçadas com TASTEVA™ e Reb A

(Nenhum açúcar adicionado —e quivalência a 10% de açúcar)

Bebida cítrico Redução de 60% de açúcar — equivalência a 9% de açúcar

100%

100%

80%

80%

60%

60%

40%

40%

20%

20%

0% PreferênciaD TASTEVA

ulçor Reb A

0% PreferênciaD TASTEVA

ulçor Reb A

equilibrado, sem o sabor residual amargo semelhante ao alcaçuz, permite-lhe ser utilizado na substituição de altos níveis de açúcar sem prejudicar o sabor. O TASTEVA™ Stevia Sweetener é cerca de 200 a 300 vezes mais doce que o açúcar, embora sua potência, como a de outros edulcorantes, varie segundo a aplicação e nível de dulçor usado. Testes sensoriais mostraram que bebidas adoçadas com o TASTEVA™ Stevia Sweetener são significativamente preferidas em relação a produtos correspondentes adoçados com A (Reb A 97), especialmente quando são substituídos por 50% ou mais de açúcar (figura 6). Devido às diferenças individuais na percepção do sabor, os consumidores serão bem atendidos por conta da variedade de edulcorantes disponíveis. Compreender os condutores da preferência dos consumidores pode ajudar os desenvolvedores de produtos a criar edulcorantes de sabor aprimorado que sejam mais amplamente aceitos.

Referências Carakostas et al., 2012: Alternative Sweeteners, 4ª edição, capítulo 11 Fonte da informação: TATE & LYLE


24

LISTA DE PRODUTOS

Aditivos e Ingredientes

A ACESSULFAME - K Clariant S.a. Doce Aroma Doremus Hexus Sweetmix Univar Vogler Ingredients

ACHOCOLATADO EM PÓ Alibra Ingredientes Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Riberdoces

ACIDIFICANTES Ashland / Germinal Doce Aroma Somarole Comercial Ltda. Vogler Ingredients

ÁCIDO ACÉTICO Casa Forte Doce Aroma

ÁCIDO ASCÓRBICO Doce Aroma Doremus Prozyn Bio Solutions For Life Sweetmix Vogler Ingredients

ÁCIDO CÍTRICO Abc de Itaperuna - rj Casa Forte Doce Aroma Doremus Sweetmix Vogler Ingredients

ÁCIDO CÍTRICO ANIDRO Doce Aroma Vogler Ingredients

ÁCIDO ERITÓRBICO Doce Aroma Doremus Sweetmix

ÁCIDO FOSFÓRICO Clariant S.a. Doce Aroma Sweetmix

ÁCIDO FUMÁRICO

AÇÚCAR REFINADO

Doce Aroma Doremus Metachem

Nutrimilk

ÁCIDO LÁTICO Abc de Itaperuna - rj Casa Forte Doce Aroma Doremus Granotec/granolab do Brasil Somarole Comercial Ltda. Vogler Ingredients

ÁCIDO MÁLICO Doce Aroma Sweetmix Vogler Ingredients

ÁCIDO NÍTRICO Abc de Itaperuna - rj Casa Forte

ÁCIDO PERACÉTICO Casa Forte

ÁCIDO SÓRBICO Abc de Itaperuna - rj Casa Forte Clariant S.a. Doce Aroma Doremus Hexus Sweetmix Vogler Ingredients

ÁCIDO TARTÁRICO Doce Aroma Vogler Ingredients

ACIDULANTES Cargill Casa Das Desnatadeiras Doce Aroma Doremus Makeni Chemicals Tate & Lyle Brasil S.a. Univar Vogler Ingredients

AÇÚCAR CRISTAL Nutrimilk

AÇÚCAR GRANULADO Nutrimilk

ADESIVOS ALIMENTÍCIOS Doce Aroma Tecnoshoes

ADITIVOS Ashland / Germinal Casa Forte Clariant S.a. cp Kelco Doce Aroma Doremus Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Genkor Ingredientes Granotec/granolab do Brasil Hexus Kerry Nexira Tebracc Tecnoshoes Univar Vogler Ingredients

ADOÇANTES Ashland / Germinal Cargill Clariant S.a. Doce Aroma Doremus Hexus Ingredion Brasil Kerry Vogler Ingredients

ÁGAR-ÁGAR Casa Forte Hexus Vogler Ingredients

AGENTES DE AERAÇÃO Doce Aroma Doremus Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Genkor Ingredientes Hexus Kerry Nexira


25

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

AGENTES DE CORPO Clariant S.a. cp Kelco Doce Aroma Doremus Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Genkor Ingredientes Hexus Kerry Nexira Vogler Ingredients

AGENTES DE CREMOSIDADE Alibra Ingredientes Clariant S.a. Doce Aroma Doremus Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Genkor Ingredientes Hexus Kerry Nexira Vogler Ingredients

AGENTES E SISTEMAS TEXTURIZANTES Clariant S.a. cp Kelco Doce Aroma

Doremus Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Genkor Ingredientes Hexus Ingredion Brasil Kerry Nexira Vogler Ingredients

LÁCTEO

Kerry Riberdoces

AMIDO COMUM Doce Aroma Doremus Horizonte Amidos Ingredion Brasil

AMIDO DE ARROZ Clariant S.a.

AMIDO DE MILHO AGENTES TURVANTES Alibra Ingredientes Doce Aroma Hexus Kerry Nexira Vogler Ingredients

ALGINATOS Bionov Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Hexus Kerry Vogler Ingredients

AMACIANTES DE PÃES E PANETONES Clariant S.a. Genkor Ingredientes

Casa Forte Doce Aroma Doremus Horizonte Amidos Ingredion Brasil

AMIDOS Abc de Itaperuna - rj Clariant S.a. Doce Aroma Doremus Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Horizonte Amidos Ingredion Brasil Vivare Vogler Ingredients

AMIDOS DE BATATA Ingredion Brasil Tate & Lyle Brasil S.a.


26

LISTA DE PRODUTOS

Aditivos e Ingredientes

AMIDOS DE MANDIOCA bv Bela Vista Doce Aroma Doremus Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Horizonte Amidos Ingredion Brasil Podium Alimentos Tate & Lyle Brasil S.a.

AMIDOS DE MILHO Cargill Doce Aroma Doremus Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Horizonte Amidos Ingredion Brasil Tate & Lyle Brasil S.a.

AMIDOS E FÉCULAS Cargill Doce Aroma Horizonte Amidos Metachem Podium Alimentos

AMIDOS MODIFICADOS Abc de Itaperuna - rj Ashland / Germinal Cargill Clariant S.a. Doce Aroma Doremus Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Hexus Horizonte Amidos Ingredion Brasil Tate & Lyle Brasil S.a. Vogler Ingredients

AMIDOS PRÉ-GELATINIZADOS

Cargill Clariant S.a. Doce Aroma Hexus Ingredion Brasil Podium Alimentos Tate & Lyle Brasil S.a.

AMINOÁCIDOS

Doce Aroma Univar

ANTIFÚNGICOS

Doce Aroma Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Granotec/granolab do Brasil Kerry Prozyn Bio Solutions For Life

ANTIMICROBIANO

Doce Aroma Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Granotec/granolab do Brasil Icl Food Specialties Prozyn Bio Solutions For Life

ANTIMICROBIANOS NATURAIS

Fermentech Kerry

ANTIMOFO

Ashland / Germinal Doce Aroma Doremus Dutra Máquinas Fermentech Globalfood Advanced Food Technology Granotec/granolab do Brasil Prozyn Bio Solutions For Life Vogler Ingredients

ANTIOXIDANTE NATURAL

Doremus Dupont Nutrição & Saúde Nexira Vogler Ingredients

ANTIOXIDANTES

Ashland / Germinal Clariant S.a. Doce Aroma Doremus Dupont Nutrição & Saúde Globalfood Advanced Food Technology Nexira Tecnoshoes Univar Vogler Ingredients

ANTIUMECTANTES

Ashland / Germinal Doce Aroma Fermentech Univar

AROMA DE FUMAÇA

Casa Forte Doce Aroma Doremus Fermentech

Kerry Somarole Comercial Ltda. Vogler Ingredients

AROMAS

Abc de Itaperuna - rj Ashland / Germinal Doce Aroma Fermentech Globalfood Advanced Food Technology Kerry

AROMAS ARTIFICIAIS

Abc de Itaperuna - rj Casa Forte Doce Aroma Fermentech Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Kerry Vogler Ingredients

AROMAS DOCES E SALGADOS

Doce Aroma Doremus Fermentech Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Kerry Univar Vivare Vogler Ingredients

AROMAS IDÊNTICOS AO NATURAL

Abc de Itaperuna - rj Doce Aroma Fermentech Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Kerry Somarole Comercial Ltda. Univar Vivare Vogler Ingredients

AROMAS LÍQUIDOS E EM PÓ

Casa Forte Doce Aroma Fermentech Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Kerry Univar Vivare Vogler Ingredients

AROMAS NATURAIS

Casa Forte


27

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

Doce Aroma Fermentech Gemacom Tech Indústria e Com. Ltda Kerry Univar Vivare Vogler Ingredients

AROMAS PARA IOGURTES

Abc de Itaperuna - rj Casa Forte Doce Aroma Fermentech Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Kerry Somarole Comercial Ltda. Vivare Vogler Ingredients

ASCORBATO DE SÓDIO

Sweetmix

ASPARTAME

Ajinomoto Doce Aroma

Doremus Hexus Sweetmix Univar Vogler Ingredients

B B.H.A - BUTIL-HIDROXIANISOL

Doce Aroma Dupont Nutrição & Saúde Vogler Ingredients

B.H.T - BUTIL-HIDROXITOLUENO Doce Aroma Doremus Dupont Nutrição & Saúde Vogler Ingredients

BACTERICIDA Doce Aroma Fermentech Granotec/granolab do Brasil Icl Food Specialties Prozyn Bio Solutions For Life

BACTERIOSTÁTICO

Fermentech Icl Food Specialties

BARRILHA LEVE

Abc de Itaperuna - rj

BASE PARA COBERTURA - CHANTILLY

Genkor Ingredientes Hexus Kerry Riberdoces

BASES AROMATIZADAS DE COBERTURAS DIVERSAS

Doremus Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Kerry Riberdoces

BASES PARA BEBIDAS LÁCTEAS

Alibra Ingredientes Doce Aroma

LÁCTEO


28

LISTA DE PRODUTOS

Aditivos e Ingredientes

Doremus Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Genkor Ingredientes Hexus Kerry Prativita Vogler Ingredients

BASES PARA FARINHA LÁCTEA E MINGAUS

BICARBONATO DE AMÔNIO

Doce Aroma Doremus

BICARBONATO DE SÓDIO

Abc de Itaperuna - rj Casa Forte Doce Aroma Doremus

BIOCONSERVANTES

Alibra Ingredientes Kerry Prativita

Dupont Nutrição & Saúde Granotec/granolab do Brasil Prozyn Bio Solutions For Life

BASES PARA IOGURTES

cp Kelco Doce Aroma Doremus Fermentech Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Genkor Ingredientes Hexus Icl Food Specialties Kerry Nexira Vogler Ingredients

Doce Aroma Doremus Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Genkor Ingredientes Hexus Kerry Prativita

BASES PROTÉICAS PARA QUEIJOS E REQUEIJÃO

Bionov Doremus Hexus Kerry

BASES SABORIZANTES

Doce Aroma Genkor Ingredientes Hexus Kerry

BASICREME

Abc de Itaperuna - rj

BEBIDAS LÁCTEAS

Kerry Prativita Tangará Foods

BENZOATO DE SÓDIO

Casa Forte Doce Aroma Doremus Metachem Sweetmix Univar Vogler Ingredients

BETA CAROTENO

Clariant S.a. Tebracc Vogler Ingredients

BLENDS

BLENDS DE EDULCORANTES

Ashland / Germinal Kerry Sweetmix

BLENDS DE ESTABILIZANTES

Ashland / Germinal Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Kerry Nexira

BLENDS EM PÓ

Alibra Ingredientes Doce Aroma Doremus Kerry Nexira

BLENDS PROTÉICOS

Alibra Ingredientes Ashland / Germinal Doremus Hexus Kerry

C CACAU

Doce Aroma

CACAU EM PÓ LECITINADO, ALCALINO E NATURAL

Tangará Foods

CACAU NATURAL, ALCALINO E LECITINADO

Doce Aroma Tangará Foods

CAFÉ VERDE

Nexira

CAFEÍNA ANIDRA

Doce Aroma

CÁLCIO LÁCTEO

Fermentech

CÁLCIO LÁCTEO EM PÓ

Alibra Ingredientes Fermentech

CARBONATO DE CÁLCIO

Prozyn Bio Solutions For Life

CARBOXIMETIL CELULOSES SÓDICAS

cp Kelco Doce Aroma Hexus Kerry Vogler Ingredients

CARBOXIMETILCELULOSE

Ashland / Germinal cp Kelco Doce Aroma Doremus Fermentech Hexus Kerry Sweetmix Vogler Ingredients

CARMIM

Doce Aroma Fermentech Somarole Comercial Ltda.

CARRAGENAS

Cargill cp Kelco Doce Aroma Doremus Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Genkor Ingredientes Hexus Kerry Nutrassim Vogler Ingredients

CEREAIS E INCLUSÕES PARA LÁCTEOS

Kerry

CHÁ VERDE

Nexira


29

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

CHOCOLATE EM PÓ

Doce Aroma Kerry Riberdoces

CHOCOLATE EM PÓ 32 E 50%

Kerry Riberdoces Tangará Foods

CHY MAX

Chr. Hansen

CICLAMATO

Doce Aroma Hexus Vogler Ingredients

CICLAMATO DE SÓDIO

Abc de Itaperuna - rj Doce Aroma Doremus Hexus Sweetmix Univar Vogler Ingredients

CITRATO DE POTÁSSIO

Doremus

Hexus Sweetmix

CITRATO DE SÓDIO

Abc de Itaperuna - rj Casa Forte Doce Aroma Doremus Granotec/granolab do Brasil Hexus Nutrassim Sweetmix Vogler Ingredients

CITRATOS

Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Doce Aroma Doremus Hexus Nutrassim Tate & Lyle Brasil S.a. Vogler Ingredients

CLORETO DE CÁLCIO

Abc de Itaperuna - rj bv Bela Vista Casa Forte

Doce Aroma Doremus Fermentech Somarole Comercial Ltda.

CLORETO DE CÁLCIO LÍQUIDO

Abc de Itaperuna - rj bv Bela Vista Casa Das Desnatadeiras Doce Aroma Fermentech Somarole Comercial Ltda.

CLORETO DE CÁLCIO PÓ

Abc de Itaperuna - rj Doce Aroma Doremus Fermentech

CLORETO DE CÁLCIO SOLUÇÃO 40%

Abc de Itaperuna - rj bv Bela Vista Casa Das Desnatadeiras Doce Aroma Doremus Fermentech Somarole Comercial Ltda.

LÁCTEO


30

LISTA DE PRODUTOS

Aditivos e Ingredientes

CLOROFILINA

Fermentech

CMC

Doce Aroma Fermentech

CMC - CARBOXIMETILCELULOSE

cp Kelco Doce Aroma Fermentech Genkor Ingredientes Hexus Metachem Sweetmix Univar Vogler Ingredients

COADJUVANTE TECNOLÓGICO

Clariant S.a. Doremus Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Hexus Nexira

COAGULANTES

Abc de Itaperuna - rj bv Bela Vista Casa Forte Chr. Hansen Fermentech Granotec/granolab do Brasil Prozyn Bio Solutions For Life Somarole Comercial Ltda.

COALHO LÍQUIDO E EM PÓ

bv Bela Vista Casa Das Desnatadeiras Fermentech Somarole Comercial Ltda.

COALHOS

bv Bela Vista Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Chr. Hansen Fermentech Globalfood Advanced Food Technology Prozyn Bio Solutions For Life Somarole Comercial Ltda.

COBERTURAS

Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Kerry Riberdoces Tangará Foods

COBERTURAS LÍQUIDAS

Genkor Ingredientes Kerry Riberdoces

COBERTURAS PARA QUEIJO

Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Granotec/granolab do Brasil

COMPOSTOS LÁCTEOS

Genkor Ingredientes Kerry Tangará Foods

COMPOSTOS LÁCTEOS EM PÓ

Alibra Ingredientes Hexus Kerry

COMPOSTOS LÁCTEOS EM PÓ SEM GORDURA TRANS

Alibra Ingredientes Kerry

COMPOSTOS LÁCTEOS EM PÓ SEM LACTOSE

Alibra Ingredientes Kerry

CONCENTRADO DE ARROZ

Clariant S.a.

CONCENTRADO PROTÉICO DE LEITE EM PÓ

Alibra Ingredientes Doremus Kerry

CONCENTRADO PROTÉICO DE SORO DE LEITE

cp Kelco Doremus Hexus Kerry

CONCENTRADO PROTÉICO DE SORO DE LEITE EM PÓ

Alibra Ingredientes cp Kelco Doremus Hexus Kerry

CONCENTRADO PROTÉICO DO SORO DE LEITE 35%

Doremus Hexus Kerry Vogler Ingredients

CONCENTRADO PROTÉICO DO SORO DE LEITE 80%

Doremus Hexus Kerry Vogler Ingredients

CONCENTRADOS LÁCTEOS NATURAIS

Hexus Inox Tecnologia

CONDENSADOS DE FUMAÇA

Icl Food Specialties

CONDIMENTO EM PÓ SABOR QUEIJO

Alibra Ingredientes bv Bela Vista Doce Aroma Doremus Fermentech Kerry

CONDIMENTOS

Ashland / Germinal bv Bela Vista Doce Aroma Doremus Fermentech Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Kerry Tebracc

CONDIMENTOS PREPARADOS

Corantec Doce Aroma Doremus Fermentech Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Kerry Tebracc

CONSERVANTE ÁCIDO SÓRBICO

Clariant S.a. Doce Aroma Metachem Nutrassim

CONSERVANTE NATURAL - SISTEMA ENZIMÁTICO

Clariant S.a.

CONSERVANTE SORBATO DE POTÁSSIO

Clariant S.a. Fermentech Somarole Comercial Ltda.

CONSERVANTES

Ashland / Germinal Casa Forte Clariant S.a. Doce Aroma Doremus


31

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Globalfood Advanced Food Technology Granotec/granolab do Brasil Makeni Chemicals Nutrassim Somarole Comercial Ltda. Univar Vivare Vogler Ingredients

Casa Forte Corantec Doce Aroma Epa Quimica Fermentech Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Tebracc Univar Vogler Ingredients

CONSERVANTES NATURAIS

Abc de Itaperuna - rj Corantec Fermentech

Casa Forte Clariant S.a. Doremus Fermentech Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Granotec/granolab do Brasil Kerry Nexira Nutrassim

CORANTE CARAMELO

CORANTE CARMIM

CORANTE CARMIM DE COCHONILHA

bv Bela Vista Casa Forte Chr. Hansen Corantec Doce Aroma Doremus

LÁCTEO

Fermentech Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Tebracc Vogler Ingredients

CORANTE NATURAL CARMIM DE COCHONILHA

Bionov bv Bela Vista Casa Forte Chr. Hansen Corantec Doce Aroma Doremus Fermentech Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Genkor Ingredientes Somarole Comercial Ltda. Vivare Vogler Ingredients

CORANTE NATURAL DE URUCUM

Abc de Itaperuna - rj


32

LISTA DE PRODUTOS

Aditivos e Ingredientes

Bionov bv Bela Vista Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Chr. Hansen Corantec Doce Aroma Doremus Fermentech Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Somarole Comercial Ltda. Tebracc Vivare

CORANTES

bv Bela Vista Casa Forte Doce Aroma Fermentech Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Sweetmix Tebracc Vivare Vogler Ingredients

CORANTES ARTIFICIAIS

bv Bela Vista Casa Forte Doce Aroma Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Vogler Ingredients

CORANTES LACA DE ALUMÍNIO

Vogler Ingredients

CORANTES NATURAIS

Abc de Itaperuna - rj Ashland / Germinal bv Bela Vista Chr. Hansen Corantec Doce Aroma Doremus Fermentech Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Genkor Ingredientes Icl Food Specialties Makeni Chemicals Tebracc Vogler Ingredients

CORANTES NATURAIS PARA PRODUTOS LÁCTEOS

Bionov bv Bela Vista Chr. Hansen

Corantec Doce Aroma Doremus Fermentech Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Somarole Comercial Ltda. Vogler Ingredients

CORRETORES DE PH

Doce Aroma Doremus Hexus Vogler Ingredients

CRANBERRY

Nexira

CREME CONFEITEIRO

Genkor Ingredientes

CREME DE LEITE EM PÓ

Alibra Ingredientes Kerry

CULTURAS

Chr. Hansen Fermentech Globalfood Advanced Food Technology Granotec/granolab do Brasil Somarole Comercial Ltda.

CULTURAS (STARTER)

Chr. Hansen Fermentech Somarole Comercial Ltda.

CULTURAS LÁCTEAS

Ashland / Germinal bv Bela Vista Chr. Hansen Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Granotec/granolab do Brasil Somarole Comercial Ltda.

CULTURAS LÁCTEAS PARA IOGURTE E BEBIDA LÁCTEA

Abc de Itaperuna - rj bv Bela Vista Chr. Hansen Fermentech Somarole Comercial Ltda. Vivare

CULTURAS LÁCTEAS PARA QUEIJOS DIVERSOS

Abc de Itaperuna - rj

bv Bela Vista Chr. Hansen Fermentech Somarole Comercial Ltda. Vivare

CULTURAS PROBIÓTICAS

Chr. Hansen Fermentech Somarole Comercial Ltda.

CURAS E FIXADORES

Kerry

CURCUMA

Doce Aroma

D DERIVADOS DE ARROZ (AMIDOS, PROTEÍNAS, FARELOS)

Clariant S.a. Kerry

DESIDRATADOS EM PÓ, FLOCOS E PEDAÇOS

Doce Aroma

DESMOLDANTE

Makeni Chemicals Tangará Foods

DEXTRINAS

Cargill Doce Aroma Doremus Horizonte Amidos Ingredion Brasil Vogler Ingredients

DEXTROSE

Doce Aroma Dupont Nutrição & Saúde Ingredion Brasil Sweetmix Vogler Ingredients

D-GLUCORONOLACTONA

Hexus

DIÓXIDO DE SILÍCIO

Doce Aroma Doremus Univar

DIÓXIDO DE TITÂNIO

Doce Aroma Doremus Hexus Tecnoshoes Univar Vogler Ingredients


33

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

DOCE DE LEITE

Inox Tecnologia

DOREMIX SWEET - BLENDS

Doremus Hexus

E EDULCORANTE ESTÉVIA E REBAUDIOSÍDEO A

Clariant S.a. Vogler Ingredients

EDULCORANTES Clariant S.a. Doce Aroma Doremus Hexus Tate & Lyle Brasil S.a. Univar Vogler Ingredients

EMULSIFICANTES

Ashland / Germinal Cargill Doce Aroma Doremus Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Genkor Ingredientes Hexus Kerry Nexira Vogler Ingredients

EMULSÕES

Doce Aroma Hexus Kerry Vogler Ingredients

ENERGÉTICOS

Hexus Vogler Ingredients

ENRIQUECEDORES

Hexus

ENZIMAS bv Bela Vista Chr. Hansen Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Globalfood Advanced Food Technology Granotec/granolab do Brasil Kerry Prozyn Bio Solutions For Life Somarole Comercial Ltda.

LÁCTEO

Tecnoglobo Vogler Ingredients

ERITORBATO DE SÓDIO

Doce Aroma Doremus Sweetmix

ESPESSANTES

cp Kelco Doce Aroma Doremus Dupont Nutrição & Saúde Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Genkor Ingredientes Hexus Icl Food Specialties Kerry Nexira Somarole Comercial Ltda. Vogler Ingredients

ESSÊNCIAS

Doce Aroma Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Kerry Vogler Ingredients

ESTABILIZANTE PARA IOGURTE E BEBIDA LÁCTEA

Abc de Itaperuna - rj bv Bela Vista Casa Forte cp Kelco Doce Aroma Doremus Fermentech Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Genkor Ingredientes Granotec/granolab do Brasil Hexus Kerry Nexira Nutrassim Somarole Comercial Ltda. Vivare Vogler Ingredients

ESTABILIZANTE PARA REQUEIJÃO E PROCESSADOS

Abc de Itaperuna - rj Casa Forte cp Kelco Doce Aroma Doremus Fermentech


34

LISTA DE PRODUTOS

Aditivos e Ingredientes

Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Genkor Ingredientes Granotec/granolab do Brasil Hexus Kerry Nexira Nutrassim Somarole Comercial Ltda. Vivare Vogler Ingredients

ESTABILIZANTES

Abc de Itaperuna - rj bv Bela Vista Cargill Casa Forte Clariant S.a. cp Kelco Doce Aroma Doremus Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Genkor Ingredientes Globalfood Advanced Food Technology Granotec/granolab do Brasil Hexus Icl Food Specialties Kerry Nexira Nutrassim Vivare Vogler Ingredients

ETHIL VANILINA

Doce Aroma Kerry Sweetmix Univar Vogler Ingredients

EXTENSORES DE SHELF LIFE

Doremus Genkor Ingredientes Nexira Vogler Ingredients

EXTRATO DE ALECRIM

Dupont Nutrição & Saúde Vogler Ingredients

EXTRATO DE CAFÉ VERDE

Nexira Vogler Ingredients

EXTRATO DE CHÁ VERDE

Dupont Nutrição & Saúde Nexira Vogler Ingredients

EXTRATO DE CRANBERRY

Nexira Vogler Ingredients

EXTRATO DE ROMÃ

Nexira Vogler Ingredients

EXTRATOS AROMÁTICOS

Kerry Vogler Ingredients

EXTRATOS NATURAIS

Dupont Nutrição & Saúde Kerry Nexira Vogler Ingredients

F FARELO DE ARROZ

Clariant S.a.

FARINHA DE ARROZ

Clariant S.a.

FERMENTO BIOLÓGICO

Tangará Foods

FERMENTOS

Abc de Itaperuna - rj bv Bela Vista Casa Forte Doce Aroma Fermentech Granotec/granolab do Brasil

FERMENTOS LÁCTEOS

Abc de Itaperuna - rj Ashland / Germinal bv Bela Vista Casa Forte Chr. Hansen Fermentech Granotec/granolab do Brasil Somarole Comercial Ltda.

FIBRA DE LARANJA

cp Kelco

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Hexus Nexira Nutrassim Tecnoglobo Vogler Ingredients

FIBRAS ALIMENTARES

Clariant S.a. cp Kelco Doce Aroma Fermentech Hexus Nexira Nutrassim Tecnoglobo Vogler Ingredients

FIBRAS DIETÉTICAS

Clariant S.a. cp Kelco Hexus Nexira Tecnoglobo Vogler Ingredients

FIBRAS FUNCIONAIS

Clariant S.a. Doce Aroma Genkor Ingredientes Hexus Kerry Nexira Nutrassim Vogler Ingredients

FIBRAS INSOLÚVEIS

Clariant S.a. Doce Aroma Doremus Hexus Nexira Nutrassim Tecnoglobo Vogler Ingredients

FIBRAS INSOLÚVEIS DE TRIGO, AVEIA, MAÇÃ E BAMBU

FIBRA INSOLÚVEL SUBSTITUTA DE GORDURA

Clariant S.a. Nexira Nutrassim

FIBRAS

Clariant S.a. Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Hexus Kerry Nexira Vogler Ingredients

Clariant S.a. Genkor Ingredientes Hexus Nexira Vogler Ingredients Ashland / Germinal Clariant S.a. cp Kelco

LÁCTEO

FIBRAS PREBIÓTICAS


36

LISTA DE PRODUTOS

Aditivos e Ingredientes

FIBRAS SOLÚVEIS

Clariant S.a. cp Kelco Doremus Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Hexus Nexira Nutrassim Tate & Lyle Brasil S.a. Tecnoglobo Vogler Ingredients

FLAVORIZANTES

Doce Aroma Doremus Fermentech Kerry Vogler Ingredients

FLOCOS DE BATATAS

Metachem Tangará Foods

FONTES DE CÁLCIO

Doremus Prozyn Bio Solutions For Life

FONTES DE CÁLCIO EM PÓ

Alibra Ingredientes Prozyn Bio Solutions For Life

FOSFATO DISSÓDICO

Abc de Itaperuna - rj Doce Aroma Doremus Hexus

FOSFATO TRISSÓDICO

Abc de Itaperuna - rj Doce Aroma Hexus Nutrassim

FOSFATOS

Ashland / Germinal Doce Aroma Doremus Granotec/granolab do Brasil Hexus Icl Food Specialties Makeni Chemicals Nutrassim Solutech Ingredientes

FOSFOLIPASE

Prozyn Bio Solutions For Life

FRUTOSE

Doce Aroma

Dupont Nutrição & Saúde Sweetmix Tate & Lyle Brasil S.a. Vogler Ingredients

FUMAÇAS LÍQUIDAS NATURAIS PARA PRODUTOS LÁCTEOS

bv Bela Vista Doremus Fermentech Icl Food Specialties Kerry Somarole Comercial Ltda.

FUNGICIDA

Fermentech

G G.D.L- GLUCONODELTALACTONA

Doremus

GELATINAS

Ashland / Germinal Genkor Ingredientes Hexus pb Brasil Rousselot do Brasil Vogler Ingredients

GELÉIAS, COBERTURAS E RECHEIOS

Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Genkor Ingredientes Kerry Riberdoces

GELIFICANTES

Doce Aroma Dupont Nutrição & Saúde Fermentech

GLICOSE

Abc de Itaperuna - rj Doce Aroma

GLICOSE DE MILHO EM PÓ

Doce Aroma Doremus

GLICOSE LÍQUIDA OU EM PÓ

Doce Aroma

GLUCOSE DE MILHO

Cargill Doce Aroma Ingredion Brasil

GLUTAMATO MONOSSÓDICO

Ajinomoto Doce Aroma Doremus

GLÚTEN

Ingredion Brasil Metachem

GOMA ARÁBICA PÓ

Doce Aroma Hexus Kerry Metachem Nexira Vogler Ingredients

GOMA CARRAGENA

cp Kelco Doce Aroma Doremus Fermentech Genkor Ingredientes Hexus Kerry Vogler Ingredients

GOMA GELANA

cp Kelco Fermentech Kerry

GOMA GUAR

Doce Aroma Doremus Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Genkor Ingredientes Hexus Kerry Sweetmix Univar Vogler Ingredients

GOMA JATAÍ

Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Genkor Ingredientes Hexus Kerry

GOMA LBG

cp Kelco Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Genkor Ingredientes Hexus Kerry Tate & Lyle Brasil S.a.


37

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

GOMA TARA

GORDURA FRACIONADA

Fermentech Kerry Metachem Nexira

Doce Aroma Vogler Ingredients

GOMA XANTANA

Dupont Nutrição & Saúde Riberdoces

cp Kelco Doce Aroma Doremus Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Genkor Ingredientes Hexus Kerry Nexira Sweetmix Univar Vogler Ingredients

GOMAS

Ashland / Germinal cp Kelco Doce Aroma Doremus Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Genkor Ingredientes Hexus Kerry Nexira Vogler Ingredients

GOMAS ALIMENTÍCIAS

cp Kelco Doce Aroma Doremus Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Genkor Ingredientes Hexus Kerry Nexira Vogler Ingredients

GORDURA EM PÓ

Alibra Ingredientes Genkor Ingredientes Kerry

GORDURAS VEGETAIS

H HIDROCOLÓIDES

Ashland / Germinal bv Bela Vista Cargill cp Kelco Doce Aroma Doremus Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Genkor Ingredientes Hexus Kerry Nexira Vogler Ingredients

HPPS - PROTEÍNAS HIDROLISADAS VEGETAIS

Kerry

I IMPERMEABILIZANTES

Doremus Icl Food Specialties Tecnoshoes

INGREDIENTES FUNCIONAIS

Alibra Ingredientes Ashland / Germinal Chr. Hansen Clariant S.a. Doremus Dupont Nutrição & Saúde Genkor Ingredientes Hexus Kerry Nexira Vogler Ingredients

INGREDIENTES PARA ALIMENTOS FUNCIONAIS

Alibra Ingredientes Clariant S.a. Doremus Dupont Nutrição & Saúde Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Genkor Ingredientes Hexus Kerry Nexira Vogler Ingredients

INOSITOL

Hexus

INSUMOS PARA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA

Abc de Itaperuna - rj Casa Forte Clariant S.a. Doce Aroma Doremus Genkor Ingredientes Hexus Nexira Riberdoces Vogler Ingredients

INULINA

Clariant S.a. Granotec/granolab do Brasil Metachem Vogler Ingredients

INVERTASE

Kerry Prozyn Bio Solutions For Life

ISOLADO PROTÉICO DE SORO HIDROLISADO EM PÓ

Alibra Ingredientes Kerry

ISOLADO PROTÉICO DO SORO DE LEITE 90%

Doremus Hexus Kerry

LÁCTEO


38

LISTA DE PRODUTOS

Aditivos e Ingredientes

ISOLADOS PROTÉICOS DE SORO EM PÓ

Alibra Ingredientes Doremus Hexus Kerry

L LACTASE

LECITINA DE SOJA

Biologica Doce Aroma Doremus Vogler Ingredients

LEITE EM PÓ (INTEGRAL E DESNATADO)

Tangará Foods

Bionov Biopet Fermentech Granotec/granolab do Brasil Kerry Prozyn Bio Solutions For Life

Nutrimilk

LACTATO DE CÁLCIO

Kerry Riberdoces

LACTATO DE POTÁSSIO

Clariant S.a.

Biopet Doremus Biopet Doremus

LACTATO DE SÓDIO

Biopet Doce Aroma Doremus

LACTATO DE SÓDIO EM PÓ

Biopet Doce Aroma

LACTATOS MINERAIS

Biopet

LACTITOL

LEITE EM PÓ (INTEGRAL, DESNATADO, MODIFICADO) LEITE EM PÓ MODIFICADO SEM GORDURA TRANS

LICOPENO

Alibra Ingredientes Doremus Kerry Spadaro Imports

MELHORADORES DE CREMOSIDADE

Doremus Genkor Ingredientes Hexus Kerry

METABISSULFITO DE SÓDIO

LIPASE

bv Bela Vista Casa Forte Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Granotec/granolab do Brasil Prozyn Bio Solutions For Life Somarole Comercial Ltda.

L-ISOLEUCINA

Fermentech Granotec/granolab do Brasil Prozyn Bio Solutions For Life

LACTOSE MICRONIZADA EM PÓ

MATÉRIAS-PRIMAS DIVERSAS

Casa Forte Doce Aroma Genkor Ingredientes Hexus

Fermentech Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Kerry

LACTOSE

LACTOSE EM PÓ

Doce Aroma

LIGAS NEUTRAS

Abc de Itaperuna - rj Genkor Ingredientes Hexus Kerry

Doremus

Alibra Ingredientes Biopet Doce Aroma Doremus Kerry Spadaro Imports

MANTEIGA DE CACAU (DESODORIZADA, NATURAL, ETC)

Doce Aroma Doremus

Biopet Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Biopet Doce Aroma Doremus Kerry

Tate & Lyle Brasil S.a. Vogler Ingredients

LISOZIMA

L-LEUCIANA

Doremus

LUTEÍNA

Clariant S.a.

L-VALINA

Doremus

M MALTODEXTRINA

Cargill Doce Aroma Doremus Fermentech Spadaro Imports

MISTURA DE CONDIMENTOS

MISTURA DE EMULSIFICANTES

Doce Aroma Doremus Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Gemacom Tech Indústria e Com. Ltda Genkor Ingredientes Hexus Kerry Nexira Riberdoces

MISTURA DE ESTABILIZANTES

Doce Aroma Doremus Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Gemacom Tech Indústria e Com. Ltda Genkor Ingredientes Hexus Kerry Nexira Riberdoces

MISTURA EM PÓ AROMATIZADA

Fermentech Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Genkor Ingredientes Kerry Riberdoces


39

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

MISTURAS EM PÓ

Alibra Ingredientes Doce Aroma Gemacom Tech Indústria e Com. Ltda Genkor Ingredientes Hexus Inox Tecnologia Kerry Nexira Riberdoces

MISTURAS FUNCIONAIS PARA PANIFICAÇÃO

Genkor Ingredientes Kerry Nexira Riberdoces

MISTURAS LÁCTEAS

Doce Aroma Genkor Ingredientes Kerry

MISTURAS LÁCTEAS EM PÓ

Alibra Ingredientes Doce Aroma Genkor Ingredientes Hexus Kerry

MISTURAS LÁCTEAS EM PÓ SEM GORDURA TRANS

Alibra Ingredientes Doce Aroma Genkor Ingredientes Kerry

MISTURAS LÁCTEAS EM PÓ SEM LACTOSE

Alibra Ingredientes Genkor Ingredientes Kerry

MOLHOS

Doce Aroma Doremus Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Kerry

MOLHOS E RECHEIOS SALGADOS

Doremus Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Kerry

MONOGLICERÍDEO DESTILADO DE ÁCIDOS GRAXOS VEGETAIS (SATURADOS, INSATURADOS)

Hexus

MPC

Alibra Ingredientes Doremus

N NATAMICINA

Abc de Itaperuna - rj Bionov Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Granotec/granolab do Brasil Metachem Prozyn Bio Solutions For Life Somarole Comercial Ltda.

NEOTAME

Sweetmix

NISINA

Abc de Itaperuna - rj Bionov bv Bela Vista Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Granotec/granolab do Brasil Metachem Prozyn Bio Solutions For Life Somarole Comercial Ltda.

NITRATO DE SÓDIO

Abc de Itaperuna - rj Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Doce Aroma Doremus

NITRITO DE SÓDIO

Doce Aroma Doremus

O ÓLEO DE GIRASSOL

Metachem

OLIGOFRUTOSE

Clariant S.a.

ÔMEGA 3

Clariant S.a.

P PASTAS DE QUEIJOS E CONDIMENTOS

Gemacom Tech Indústria e Com. Ltda West Equipamentos

PECTINA

Cargill cp Kelco

LÁCTEO

Doce Aroma Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Hexus Vogler Ingredients

PECTINA CÍTRICA

cp Kelco Doce Aroma Fermentech Hexus Vogler Ingredients

PECTINASE

Kerry Prozyn Bio Solutions For Life

PERMEADO DE SORO DE LEITE EM PÓ

Spadaro Imports

PÓ PARA RECHEIO DE DOCE DE LEITE

Kerry

POLIDEXTROSE

Doce Aroma Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Hexus Sweetmix Tate & Lyle Brasil S.a. Vogler Ingredients

POLIFOSFATOS

Clariant S.a. Doce Aroma Granotec/granolab do Brasil Hexus

POLPA DE FRUTAS

Casa Forte Doce Aroma Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Somarole Comercial Ltda. Vivare Vogler Ingredients

POLPA PARA REFRESCO

Gemacom Tech Indústria e Com. Ltda Kerry Vogler Ingredients

PÓS SABORIZANTES PARA FABRICAÇÃO DE SORVETES E PICOLÉS

Abc de Itaperuna - rj Kerry Riberdoces


40

LISTA DE PRODUTOS

Aditivos e Ingredientes

PRÉ MISTURAS PARA PÃES

Kerry Riberdoces Tangará Foods

PRÉ MISTURAS PARA SORVETERIA, PANIFICAÇÃO E CONFEITARIA

Doce Aroma Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Genkor Ingredientes Hexus Kerry Riberdoces

PRÉ MIX ACHOCOLATADO PARA BEBIDA LÁCTEA

Kerry

PREBIÓTICOS Clariant S.a. Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Hexus Kerry Nexira Vogler Ingredients

PREPARADOS DE FRUTAS

Abc de Itaperuna - rj Ashland / Germinal Casa Forte Doce Aroma Doremus Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Vogler Ingredients

PREPARADOS DE POLPAS PARA IOGURTES

Casa Forte Doce Aroma Doremus Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Somarole Comercial Ltda. Vogler Ingredients

PROBIÓTICO

Chr. Hansen Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Vogler Ingredients

PRODUTOS FORMULADOS EM PÓ

Alibra Ingredientes Doce Aroma Hexus

PRODUTOS PARA EMPANADOS

Kerry

PROPIONATO DE CÁLCIO

Doce Aroma Metachem Vogler Ingredients

PROPRIONATO DE SÓDIO

Doce Aroma Metachem Vogler Ingredients

PROTEASES

Fermentech Kerry

PROTEÍNA CONCENTRADA DE SOJA 70%

Doce Aroma Doremus

PROTEÍNA DE SOJA

Doce Aroma Doremus Dupont Nutrição & Saúde

PROTEÍNA ISOLADA DE SOJA 90%

Doce Aroma Doremus

PROTEÍNA TEXTURIZADA DE SOJA 50%

Doce Aroma

PROTEÍNAS

Clariant S.a. Doremus Hexus Kerry Nexira Nutrassim

PROTEÍNAS DE ARROZ

Clariant S.a. Nexira

PROTEÍNAS DE SORO DE LEITE

Doremus Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Hexus Kerry Makeni Chemicals

PROTEÍNAS DE SORO DE LEITE EM PÓ

Alibra Ingredientes Doremus

Gemacom Tech Indústria e Com. Ltda Kerry Vivare

PROTEÍNAS LÁCTEAS

Ashland / Germinal Doremus Hexus Kerry Spadaro Imports

PROTEÍNAS LÁCTEAS EM PÓ

Alibra Ingredientes Doremus Kerry

PURÊ DE BATATAS

Tangará Foods

PYSILLIUM

Clariant S.a.

Q QUEIJO ANÁLOGO MATÉRIA PRIMA

Kerry

QUEIJO MUSSARELA

Intercarta Tangará Foods West Equipamentos

QUEIJOS EM PÓ

Alibra Ingredientes Kerry

R REALÇADORES DE SABOR

Doce Aroma Kerry

RECHEIOS

Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Kerry Tangará Foods

RECHEIOS ANTICONGELANTES E FORNEÁVEIS

Doce Aroma Genkor Ingredientes Kerry

REGULADORES DE ACIDEZ

Doce Aroma Doremus Icl Food Specialties


41

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

S SABORES DE FUMAÇA

Doce Aroma Doremus Fermentech Kerry

SABORES NATURAIS EM PÓ

Alibra Ingredientes Doce Aroma Fermentech Kerry

SABORES PÓS

Fermentech Genkor Ingredientes Kerry

SABORES PÓS E LÍQUIDOS

Doce Aroma Fermentech Kerry

SABORIZANTES EM PÓ OU EM PASTA

Doce Aroma Fermentech Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Genkor Ingredientes Kerry

SACARINA

SISTEMAS DE EMULSIFICANTES

Doce Aroma Doremus Dupont Nutrição & Saúde Genkor Ingredientes Hexus Nexira Vogler Ingredients

SISTEMAS DE EMULSIFICANTES + HIDROCOLÓIDES

SODA CÁUSTICA LÍQUIDA E ESCAMAS

SISTEMAS DE FIBRAS

Ashland / Germinal Doce Aroma Nexira Tecnoglobo

SISTEMAS DE GOMAS

Doremus Hexus Nexira Vogler Ingredients

SEQUESTRANTES

Vogler Ingredients

SODA CÁUSTICA

SISTEMAS DE ESTABILIZANTES

bv Bela Vista Doremus Dupont Nutrição & Saúde Genkor Ingredientes Globalfood Advanced Food Technology Hexus Nexira Vogler Ingredients

SAIS FUNDENTES

Ashland / Germinal

Doremus Genkor Ingredientes Kerry

Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Doce Aroma

Doce Aroma Hexus Sweetmix Vogler Ingredients

SAIS FUNDENTES COM SÓDIO REDUZIDO

SISTEMAS PROTÉICOS PARA PETIT

Dupont Nutrição & Saúde Hexus Nexira Vogler Ingredients

Ashland / Germinal Nexira

Abc de Itaperuna - rj Ashland / Germinal Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Doce Aroma Doremus Fermentech Genkor Ingredientes Granotec/granolab do Brasil Hexus Icl Food Specialties Somarole Comercial Ltda. Vivare

Hexus Kerry Nexira Vogler Ingredients

SISTEMAS DE HIDROCOLÓIDES + HIDROCOLÓIDES

SISTEMAS ESTABILIZANTES PARA ALIMENTOS E BEBIDAS

Doremus Hexus Kerry Nexira Tate & Lyle Brasil S.a. Vogler Ingredients

SISTEMAS FUNCIONAIS

Alibra Ingredientes Clariant S.a. Doremus Dupont Nutrição & Saúde Genkor Ingredientes

Abc de Itaperuna - rj

SOLUÇÕES COMPLETAS

Casa Forte Doce Aroma Doremus Hexus Vogler Ingredients

SOLUÇÕES PERSONALIZADAS

Biologica Doce Aroma Doremus Hexus Kerry Vogler Ingredients

SORBATO

Casa Forte Doce Aroma Fermentech Hexus Vogler Ingredients

SORBATO DE POTÁSSIO

Abc de Itaperuna - rj Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Clariant S.a. Doce Aroma Doremus Fermentech Hexus Somarole Comercial Ltda. Sweetmix Vivare Vogler Ingredients

SORBITOL

Doce Aroma Fermentech Hexus Vogler Ingredients

LÁCTEO


42

LISTA DE PRODUTOS

Aditivos e Ingredientes

SORO DE LEITE

Guia de referência do SETOR

SUBSTITUTOS DE SAL

Kerry Tangará Foods

Kerry

SORO DE LEITE DESMINERALIZADO

Hexus Sweetmix Tate & Lyle Brasil S.a. Vogler Ingredients

SORO DE LEITE EM PÓ

T T.B.H.Q - TERC-BUTILHIDROQUINONA

Kerry Spadaro Imports Tangará Foods

Alibra Ingredientes Kerry Nutrimilk

SORO EM PÓ DEPROTEINADO

Alibra Ingredientes

SOROS DOCE E PARCIALMENTE DESMINERALIZADO EM PÓ

Alibra Ingredientes Kerry

SUBSTITUTO DE AÇÚCAR

Clariant S.a. Doce Aroma Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Hexus Kerry Vogler Ingredients

SUBSTITUTO DE GORDURA

Clariant S.a. Doce Aroma Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Hexus Kerry Nexira Vogler Ingredients

SUBSTITUTO DE GORDURA SIMPLESSE E SLENDID

cp Kelco

SUBSTITUTOS DE LEITE

Clariant S.a. Genkor Ingredientes Kerry Vogler Ingredients

SUBSTITUTOS DE LEITE EM PÓ

Alibra Ingredientes Clariant S.a. Gemacom Tech Indústria e Comércio Ltda Kerry

Março/Abril 2014

SUCRALOSE

Dupont Nutrição & Saúde Vogler Ingredients

T.B.H.Q.T

Vogler Ingredients

TAURINA

Hexus Metachem Vogler Ingredients

TCP - FOSFATO TRICÁLCICO

Doce Aroma Doremus Hexus

TESTES PARA DETECÇÃO DE ANTIBIÓTICOS

Abc de Itaperuna - rj Idexx Brasil

TETRAPIROFOSFATO DE SÓDIO

Doce Aroma Doremus Fermentech Granotec/granolab do Brasil Hexus

TEXTURIZANTES

Doce Aroma Dupont Nutrição & Saúde Genkor Ingredientes Globalfood Advanced Food Technology Hexus Kerry Nexira Vogler Ingredients

TOCOFEROIS

Dupont Nutrição & Saúde

TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE ANTIMOFO

Icl Food Specialties Prozyn Bio Solutions For Life

TRIPOLIFOSFATO DE SÓDIO

Doce Aroma Granotec/granolab do Brasil Hexus

TURVANTE

Hexus Kerry Nexira Vogler Ingredients

U URUCUM

bv Bela Vista Fermentech Somarole Comercial Ltda.

V VANILINA

Doce Aroma Kerry Sweetmix Vogler Ingredients

VITAMINAS

Clariant S.a. Doce Aroma Granotec/granolab do Brasil Makeni Chemicals Prozyn Bio Solutions For Life Vogler Ingredients

W WPC 34

Alibra Ingr edientes Doremus

WPC 80

Alibra Ingredientes Doremus

WPH

Alibra Ingredientes Doremus

WPI

Alibra Ingredientes Doremus

X XANTANA

Fermentech

TRANSGLUTAMINASE

Ajinomoto Bionov

LÁCTEO

XAROPE DE ARROZ

Clariant S.a.


ANÁLISE LABORATORIAL


44

ARTIGO TÉCNICO

Análise Laboratorial

Impacto dos patógenos contagiosos da mastite sobre

os limites de contagem de células somáticas estabelecidos na legislação federal Guilherme Nunes de Souza, Márcio Roberto Silva, Maria Aparecida Vasconcelos Paiva e Brito, Carla Cristine Lange, João Batista Ribeiro, Humberto de Mello Brandão, Alessandro de Sá Guimarães, Juliane Carine Gern, Wanessa Araújo Carvalho, Letícia Caldas Mendonça Embrapa Gado de Leite - Grupo de Saúde Animal e Qualidade do Leite; endereço eletrônico do autor: gnsouza@cnpgl.embrapa.br

Introdução

O

agronegócio do leite no Brasil vem sofrendo grandes transformações nos últimos anos e tem-se observado, por parte do governo, das empresas de lácteos e dos produtores, um grande esforço com o objetivo de proporcionar melhoria na qualidade do leite cru. Duas importantes ações vieram recentemente da esfera federal: a instituição da Rede Brasileira de Laboratórios de Controle de Qualidade do Leite (RBQL),


45

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

que tem como principal objetivo avaliar e monitorar a qualidade do leite cru produzido nos rebanhos bovinos leiteiros; e a publicação da Instrução Normativa 51 e 62 (IN51 e IN62), que define limites mínimo para os indicadores de qualidade composicional e higiênico sanitário do leite. Entre os indicadores de qualidade do leite estabelecidos na legislação federal, podemos citar a contagem de células somáticas (CCS) e a contagem total de bactérias (CTB), utilizadas para avaliar a saúde da glândula mamária e o processo de higiene adotado na produção e no armazenamento do leite na propriedade. Dados da RBQL têm mostrado que, desde o início da vigência da IN51, o percentual de amostras de leite que não atendem os limites de CCS e CTB não sofreu alterações significativas. Também foi observado que o percentual de rebanhos que não atendiam aos limites estabelecidos na IN51, durante o período de 2008 a 2011, continuava os mesmos para CCS e CTB. Desta forma, a publicação da Instrução Normativa 62 do Ministério da Agricultura, de 29/12/2011, foi uma resposta às dificuldades enfrentadas na implantação da IN51, principalmente no atendimento aos limites de CCS e CTB. Essa medida, apesar de positiva por estender os prazos para atendimento aos limites de CCS e CTB, não é a solução para os problemas, mas apenas a aceitação da realidade de que muitos produtores de leite no Brasil, no momento, não têm condições de atender a legislação apresentada. A redução da CCS e CTB passa necessariamente pela adoção de um programa de controle e prevenção da mastite, pela adequada limpeza dos utensílios e equipamentos utilizados na propriedade e pela refrigeração imediata do leite. Para adotar-se estratégias que promovam a melhoria da qualidade do leite na fazenda, é necessário entender diferenças entre os patógenos da mastite e as principais fontes de contaminação

bacteriana do leite. Entre os patógenos causadores de mastite, Staphylococcus aureus e Streptococcus agalactiae são os mais recorrentes, e o isolamento e importância desses agentes em rebanhos bovinos leiteiros no Brasil têm sido relatado por diversos autores. Um trabalho conduzido com rebanhos da região Sudeste do Brasil mostrou a variação da CCS em função do percentual desses patógenos. A prevalência de vacas infectadas por S. aureus e S. agalactiae nos rebanhos variou de 3,0% a 69,0% e de 9,0% a 42,0%, respectivamente. Os rebanhos infectados por S. agalactiae também estavam por S. aureus e apresentaram CCS superior a 1.000.000 células/mL (Tabela 1). Rebanhos com animais infectados somente por S. aureus apresentaram uma prevalência entre 3,0% e 10,0% e a CCS variou de 285.000 células/mL a 869.000 células/mL. Foi observado em dois rebanhos que a prevalência de vacas para infecção intramamária por S. aureus variou de 9,0% e 10,0%, mas a CCS de 464.000 células/mL a 869.000 células/mL. A diferença provavelmente foi devido ao padrão cíclico de liberação de bactérias pela glândula mamária e CCS. Com base no exposto, o controle e a prevenção da mastite por S. aureus e S. agalactiae é fundamental para que os rebanhos brasileiros possam atender os limites de CCS estabelecidos na IN62, de 400.000 células/mL. Porém, estratégias diferenciadas devem ser utilizadas: controle e prevenção se aplicam ao S. aureus, e o controle, prevenção e erradicação ao S. agalactiae.

Staphylococcus aureus e Streptococcus agalactiae

Na maioria dos países, S. aureus é a causa predominante de mastite subclínica. Elas podem variar da forma hiper-aguda à subclínica, sendo a subclínica crônica com episódios clínicos como a mais observada.

LÁCTEO

Esses casos subclínicos crônicos promovem a atrofia do alvéolo mamário, fibrose e micro-absessos, o que limita a ação fagocítica de células e a ação de antibióticos, causando infecções profundas no tecido mamário, com episódios de liberação de bactérias dos quartos mamários acompanhados de altas CCS. Geralmente, os casos de mastite causada por S. aureus são subclínicos, crônicos e de longa duração, podendo persistir por semanas ou meses. O tratamento com antibiótico dos casos clínicos freqüentemente falha em eliminar o estado de infecção particularmente em vacas mais velhas e com histórico de episódios clínicos da doença. O momento da ordenha é crucial na transmissão de S. aureus entre vacas. A mais importante fonte de infecção são as glândulas mamárias infectadas, duto do teto colonizado, tetos lesionados infectados, conjunto de teteiras do equipamento de ordenha, pano comum para secar animais e mãos do ordenhador. Fatores ambientais, tais como procedimentos de desinfecção, reposição de camas e estado de higiene dos estábulos, também foram associados com o risco de mastite por S. aureus em rebanhos leiteiros. Identificar e eliminar as fontes de S. aureus podem ser crucial para o sucesso de um programa de controle. Infecções intramamárias no início da lactação sugerem que outras fontes, que não as vacas primíparas, podem servir como reservatórios de S. aureus no rebanho. Já o S. agalactiae foi o primeiro microrganismo reconhecido como agente etiológico da mastite. Sua ocorrência pode resultar em infecção clínica aguda até subclínica crônica, em um curso semelhante ao da crônica subclínica causada por S. aureus, com ciclos de liberação de bactérias acompanhados de altas CCS. S. agalactiae produz altas CCS em animais individuais, o que influencia significativamente na CCS do rebanho. Em um grupo de rebanhos com


46

ARTIGO TÉCNICO

Análise Laboratorial

Tabela 1 - Variação da contagem de células somáticas no leite de rebanhos de acordo com o percentual de vacas em lactação dos rebanhos infectadas Staphylococcus aureus e Streptococcus agalactiae Rebanho

Vacas em lactação

S. aureus (%)

S. agalactiae (%)

CCS (células/ml)

1

48

0 (0,0)

0 (0,0)

86.000

2

50

0 (0,0)

0 (0,0)

149.000

3

36

1 (3,0)

0 (0,0)

285.000

4

33

3 (9,0)

0 (0,0)

464.000

5

59

6 (10,0)

0 (0,0)

869.000

6

35

7 (20,0)

3 (9,0)

1.071.000

7

50

23 (46,0)

19 (38,0)

1.310.000

8

62

36 (58,0)

30 (48,0)

1.592.000

9

86

59 (69,0)

36 (42,0)

3.112.000

Fonte: Embrapa Gado de Leite - Projeto 2000.213-01

CCS maior que 700.000 células/ml, a média geométrica da CCS de vacas infectadas por S. agalactiae foi de 2.238.700 células/ml – em outro estudo, atingiu 900.000 células/ml. Em rebanhos com CCS maior que 800.000 células/ml, 80% das vacas com CCS maior que 500.000 células/ml estavam infectadas com S. agalactiae. S. agalactiae localiza-se somente na glândula mamária, com sobrevivência restrita fora do úbere. É altamente sensível à penicilina e, assim, o patógeno tem sido erradicado de rebanhos e até mesmo de regiões específicas. Alguns países têm trabalhado em programas nacionais com o objetivo de erradicar o S. agalactiae e sua presença no rebanho foi associada a penalidades relacionadas ao não atendimento dos limites mínimos para CCS do rebanho no Canadá, de outubro de 1992 a março de 1993. Disseminado principalmente no momento da ordenha, S. agalactiae é uma bactéria altamente contagiosa. Caso seja isolado de um rebanho, é recomendado a chamada blitz terapia, ou seja, todos os animais infectados são tratados simultaneamente com o objetivo de eliminar o agente. Quando um rebanho está infectado com S. agalactiae, geralmente há uma alta prevalência de demais animais também contaminados. Entre 1976 e 1982, estudo realizado nos Estados de Mississipi e Massachusetts, nos Estados Unidos, mostrou

que a prevalência média de animais infectados por S. agalactiae dentro de rebanhos variou de 39,5 a 44,7%. De 48 rebanhos, 27 (56%) possuíam no mínimo uma vaca infectada por S. agalactiae no Estado de Ohio, Estados Unidos, onde a média de quartos e vacas infectadas foi de 4,1 e 10,0%, respectivamente. Fatores associados à presença de S. agalactiae foram identificados como procedimentos inadequados para higiene do úbere e tetos antes da ordenha, falha na desinfecção dos tetos após a ordenha, seleção de animais para tratamento à secagem ou não realização de tratamento à secagem, limpeza inadequada do meio ambiente e uso de pano comum para limpeza dos tetos e úbere antes da ordenha. Desinfecções dos tetos após a ordenha com solução de iodo, por sua vez, foram relacionadas com redução de novas infecções intramamárias causadas por S. agalactiae. Por conta da importância do S. aureus e S. agalactiae para a pecuária leiteira, produtores e profissionais da área nos Estados Unidos definiram a necessidade de realizar estudo de prevalência em nível de rebanho para estes agentes. Os resultados mostraram que em 43,0% e 2,6% dos rebanhos haviam a presença de pelo menos uma vaca infectada por S. aureus e S. agalactiae, respectivamente. De acordo com dados do Departamento de Agricultura dos

Estados Unidos, a média de CCS dos rebanhos bovinos variou de 296.000 a 262.000 células/mL, no período de 2005 a 2008 (Tabela 2). Neste mesmo período, o percentual de rebanhos com média anual de CCS superior a 400.000 células/mL e 750.000 células/mL variou de 22,4% a 25,8% e de 3,4% a 4,7%, respectivamente. Estes percentuais superiores a 400.000 células/mL e 750.000 células/mL podem ser considerados como o reflexo da prevalência de S. aureus e S. agalactiae nos rebanhos norte-americanos. Dados da região Sudeste do Brasil mostram diferenças entre as médias anuais de CCS e os percentuais de rebanhos com média anual de CCS superior a 400.000 células/mL e 750.000 células/mL (Tabela 3). Um estudo realizado com 48 rebanhos, na Zona da Mata de Minas Gerais, mostrou que em 47 (98,0%) havia pelo menos um animal infectado por S. aureus, sendo que em 37 deles existiam até 20% de quartos mamários infectados. No caso do S. agalactiae, 29 (60,4%) rebanhos estavam infectados, e em 24 a média de quartos infectados foi de 3,6%. Os resultados encontrados sugerem que, nos rebanhos do Sudeste, a prevalência de S. aureus e S. agalactiae seja superior ao verificado nos rebanhos dos Estados Unidos.


47

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

Tabela 2 - Valores médios da contagem de células somáticas (CCS) e frequência de rebanhos localizados nos Estados Unidos com contagens superiores a 400.000 células/mL e 750.000 células/mL no período de 2005 a 2008 Ano

Média CCS (x1.000 células/mL)

CCS > 400.000 células/mL

CCS > 750.000 células/mL

2005

296

25,8

4,7

2006

288

25,2

3,9

2007

276

24,0

3,5

2008

262

22,4

3,4

Fonte: UDDER, 2009

Tabela 3 - Valores médios da contagem de células somáticas (CCS) e frequência de rebanhos localizados na Região Sudeste do Brasil com contagens superiores a 400.000 células/mL e 750.000 células/mL no período de 2006 a 2009 Ano

Total de rebanhos

Média (x1.000 células/mL)

2006 2007 2008 2009

29.519 28.687 28.368 25.884

464 454 376 479

CCS > 400.000 N % 13.348 13.199 9.665 12.077

CCS > 750.000 N %

45,2 46,0 34,1 46,7

4.076 3.750 2.653 4.279

13,8 13,1 9,4 16,5

N - Número de rebanhos Fonte: Laboratório de Qualidade do Leite - Embrapa Gado de Leite (2010)

Tabela 4 - Incidência e etiologia dos casos clínicos de mastite no Reino Unido em rebanhos leiteiros (casos/100 vacas/ano) entre os anos de 1967 e 1998. Patógeno

Ano 1967

1982

1998

Staphylococcus aureus

67

7

2,2

Streptococcus agalactiae

6

1

-   

Streptococcus dysgalactiae

16

4

2,0

Streptococcus uberis

7

9

5,3

Escherichia coli

7

10

14,4

Outros

50

9

17,7

Total

153

40

41,6

Fonte: Bradley, 2002

Programa de controle e prevenção da mastite

O grande avanço no controle e prevenção da mastite ocorreu na década de 60, em consequência à introdução do que ficou conhecido como “plano dos cinco pontos”. Ele visava, sobretudo, reduzir o número de novas infecções, eliminar infecções já estabelecidas e diminuir a duração das infecções por meio de terapias com antibiótico e descarte de animais. Seu enfoque foi na rápida identificação e tratamento dos casos clínicos, terapia da vaca seca em todos os animais,

desinfecção dos tetos após a ordenha, descarte de animais cronicamente infectados e rotina de manutenção do equipamento de ordenha. O Conselho Nacional de Mastite dos Estados Unidos (NMC) recomenda um programa de controle formado por dez pontos. Além dos cinco mencionados anteriormente, ele acrescenta um sistema de metas e avaliação periódica de objetivos para a saúde do úbere, com base em resultados de análises laboratoriais para CCS e identificação de patógenos. A importância do suporte laboratorial

LÁCTEO

na identificação de patógenos da mastite é evidenciada de várias formas no programa de controle. O uso de serviços laboratoriais para diagnóstico de mastite clínica e subclínica fornece informações sobre o padrão de infecção do rebanho, o que auxiliaria no controle e erradicação de patógenos como S. aureus e S. agalactiae. Um estudo brasileiro mostrou que não realizar exames microbiológicos para a identificação de patógenos da mastite aumentava a chance das vacas em lactação estarem infectadas em aproximadamente quatro vezes. A implementação de estratégias de controle da mastite, em particular o plano dos cinco pontos no Reino Unido, foi bem sucedida em controlar patógenos contagiosos e induziu uma significativa redução de mastite clínica (Tabela 4) e subclínica, diminuindo também a CCS do rebanho (Tabela 5). Com esta queda, os patógenos ambientais tiveram sua importância ampliada. Em estudos comparativos entre regiões com baixas e altas CCS, verificou-se que, em rebanhos com patógenos contagiosos controlados, 80% das mastites ocorreram por patógenos ambientais, deixando S. uberis e E. coli como responsável por dois terços dos casos de mastite clínica nos rebanhos do Reino Unido. Estudos conduzidos na Zona da Mata de Minas Gerais, por sua vez, mostraram que a adoção de medidas de controle e prevenção da mastite, mencionadas no plano dos cinco pontos, não estava bem difundida entre os rebanhos bovinos (Tabela 6). As formas de eliminar infecção intramamária são por meio do tratamento dos casos clínicos, tratamento à secagem de todas a vacas e descarte de vacas com infecção crônica. Já estudo no Sudeste mostrou que não realizar tratamento à secagem e/ou selecionar vacas para realização do tratamento à secagem proporcionavam 2,44 e 15,50 vezes mais chances de terem infecção intramamária causada por S. aureus e S. agalactiae, respecti-


48

ARTIGO TÉCNICO

Análise Laboratorial

Tabela 5 - Proporção de rebanhos do Reino Unido classificados de acordo com a média anual da contagem de células somáticas (CCS) entre os anos de 1979 e 2001. Ano

CCS (x1.000/ml)

1979

1993

2001

< 200

2

26

71

200 a 399

35

47

26

> 400

63

27

3

Considerações finais

Fonte: Bradley, 2002

Tabela 6 - Frequência da adoção de medidas de controle da mastite com base no programa dos cinco pontos em rebanhos bovinos leiteiros da Zona da Mata de Minas Gerais, Brasil, de acordo com o ano do estudo Ano Medida de controle

Resposta Não

Realização de anti-sepsia de tetas após a ordenha Tratamento à secagem

2008**

n

%

n

%

121

69,1

63

84,0

Sim

54

30,9

12

16,0

Nenhum animal

74

42,3

38

51,4

Parte dos animais

52

29,7

35

47,3

Todos animais

48

27,4

1

1,4

Não

2

1,1

35

47,3

Tratamento de mastite clínica

Sim

171

97,7

39

52,7

Sim

70

40,0

29

39,7

Não

105

60,0

44

60,3

Pelo menos semestral

46

56,1

-

-

Esporádico

12

14,6

-

-

Não faz

16

19,5

-

-

Descarte de vacas com infecção crônica Manutenção do equipamento de ordenha

2005*

vamente. Tendo em vista o caráter crônico dessa infecção, a não seleção de animais para tratamento à secagem e o não descarte de animais com infecção crônica podem contribuir para que a CCS do rebanho constantemente apresente valores superiores a 400.000 células/mL.

* Ordenha manual (52,6%) e ordenha mecânica (47,4%); ** Ordenha manual (100,0%) Fonte: Souza et al. (2005); Embrapa Gado de Leite - Projeto FAPEMIG CVZ 1704/06

No que se refere à qualidade do leite cru, a produção com valores inferiores a 400.000 células/mL ainda é um desafio para grande parte dos rebanhos brasileiros. Apesar da prevalência de S. auwreus e de S. agalactiae não ser conhecida, estes patógenos são encontrados frequentemente em estudos de campo. Isto mostra a necessidade e a importância do diagnóstico microbiológico da mastite, com objetivo de fornecer informações para auxiliar na tomada de decisões no que diz respeito ao controle e prevenção. Além da importância do diagnóstico microbiológico, ressalta-se que a difusão e a adoção de medidas de controle e prevenção da mastite, abordadas no “plano dos cinco pontos”, são fundamentais para o alcance dos limites estabelecidos na IN62 para CCS.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARBOSA, S.B.P., BATISTA, A.M.V., MONARDES, H. 2008. Leite: segurança alimentar e saúde pública. CCS Gráfica e Editora, Recife, Brasil. BARTLETT, P. C.; MILLER, G. Y.; LANCE, S. E.; HANCOCK, D. D.; HEIDER, L. E. Managerial risk factors of intramammary infection with Streptococcus agalactiae in dairy herds in Ohio. American Journal of Veterinary Research, v. 53, n. 9, p. 1715-1721, 1992. BODDIE, R. L.; NICKERSON, S. C. Evaluation of tow iodophor teat germicides: activity against Staphylococcus aureus and Streptococcus agalactiae. Journal of Dairy Science, v. 80, n.8, p. 1846-1850, 1997. BRADLEY, A. J. Bovine mastitis: an evolving disease. Veterinary Journal, v. 164, n.2, p. 116128, 2002. BRAMLEY, A. J. Mastitis. In: ANDREWS, A. H.; BLOWEY, R. W.; BOYD, H.; EDDY, R. G. Bovine Medicine: Diseases and husbandry of Cattle. Oxford: Blackwell Scientific Publications, 1992. p.289-300. BRAMLEY, A. J.; DODD, F. H. Reviews of the progress of Dairy Science: Mastitis control – progress and prospects. Journal of Dairy Research, v. 51, n.3, p. 481-512, 1984.

BRAMLEY, A.J. MCKINNON, C.H.. 1990. The microbiology of raw milk. Pages 163-208. In: Dairy Microbiology. vol. 1. The Microbiology of Milk. 2nd ed. R.K. Robinson. ed. Elsevier Science Publishers. London. United Kingdom. BRITO, J. R. F.; BRITO, M. A. V. P.; ARCURI, E. F. Como (re)conhecer e controlar a mastite em rebanhos bovinos. Juiz de Fora: Embrapa Gado de Leite, 2002. 8 p. (Embrapa Gado de Leite. Circular Técnica, 70). BRITO, M. A. V. P.; BRITO, J. R. F.; RIBEIRO, M. T.; VEIGA, V. M. O. Padrão de infecção intramamária em rebanhos leiteiros: exame de todos os quartos mamários das vacas em lactação. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 51, n.2, p. 129-135, 1999. CAPUCO, A. V.; MEIN, G. A.; NICKERSON, S. C.; JACK, L. J. W.; WOOD, D. L.; BRIGHT, S. A.; ASCHENBRENNER, R. A.; MILLER, R. H.; BITMAN, J. Influence of pulsationless milking on teat canal keratin and mastitis. Journal Dairy Science, v. 77, n.1, p. 64-74, 1994. COSTA, E.O., MELVILLE, P.A., RIBEIRO, A.R., WATANABE, E.T., WHITE, C.R., PARDO, R.B. Indices de mastite bovina clínica e subclínica nos estados de São Paulo e Minas Gerais. Revista Brasileira de Medicina Veterinária, v.17, p.215-217, 1995.

CRUZ, J. C. M.; MOLINA, L. R.; BRITO, J. R. F.; CUNHA, R. P. L.; BRITO, M. A. V. P.; SOUZA, G. N. Eficiência da blitz terapia na erradicação de Streptococcus agalactiae e controle de Staphylococcus aureus em rebanhos bovinos leiteiros. In: DÜRR, J. W.; CARVALHO, M. P.; SANTOS, M. V. O compromisso com a qualidade do leite no Brasil. Passo Fundo: UPF Editora, 2004. p.136-140. DE HAAS. Y., BARKEMA. H.W.. VEERKAMP. R.F. The effect of pathogen-specific clinical mastitis on the lactation curve for somatic cell count. Journal Dairy Science, v.85, p.1314-1323, 2002. DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO. 2002a. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 37, de 18 de abril de 2002. Instituir a Rede Brasileira de Laboratórios de Controle da Qualidade do Leite, com objetivo de realizar análises laboratoriais para fiscalização de amostras de leite cru, recolhidas em propriedades rurais e em estabelecimentos de laticínios. DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO. 2002b. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 51, de 18 de setembro de 2002. Dispõe sobre regulamentos técnicos de produção, identidade, qualidade, coleta e transporte de leite.


49

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

DINSMORE, R. P.; ENGLISH, P. B.; GONZALEZ, R. N.; SEARS, P. M.; SCHULTE, F. Evaluation of methods for the diagnosis of Streptococcus agalactiae intramammary infections in dairy cattle. Journal Dairy Science, v. 74, n. 5, p.1521-1526, 1991. DODD, F. H.; JACKSON, E. R. The control of bovine mastitis. Berkshire: Unwin Brothers Limited, 1971. 130p. ELBERS, A. R.; MILTENBURG, J. D.; DE LANGE, D.; CRAUWELS, A. P. BARKEMA, H. W.; SCHUKEEN, Y. H. Risk factors for clinical mastitis in a random sample of dairy herds from the southern part of The Netherlands. Journal Dairy Science, v. 81, n. 2, p.420-426, 1998. ELVINGER, F.; NATZKE, R. P. Elements of mastitis control. In: VAN HORN, H. H.; WILCOX, C . J. Large dairy herd management. Champaign: American Dairy Science Association, 1992. p.440-447. FAGUNDES, H., OLIVEIRA, C.A.F. Infecções intramamárias causadas por Staphylococcus aureus e suas implicações em saúde pública. Ciência Rural, v.34, n.4, p.1315-1320, 2004. GONZALEZ. R.N.. JASPER. D.E.. BUSHENELL. R.B.. FARVER. T.B. Relationship between mastitis pathogens numbers in bulk milk and bovine udder infections in California dairy herds. Journal American Veterinary Medical Association, v.189. p.442-445, 1986 GUTERBOCK, W. M.; VAN EENEHNAAM, A. L.; ANDERSON, R. J.; GARDNER, I. A.; CULLOR, J. S.; HOLMBERG, C. A. Efficacy of intramammary antibiotic therapy for treatment of clinical mastitis caused by environmental pathogens. Journal Dairy Science, v. 76, n.11, p.3437-3444, 1993. HARMON, R. J. Physiology of mastitis and factors affecting somatic cell counts. Journal Dairy Science, v. 77, n. 7, p. 2103-2113, 1994. HAYES, M. C.; RALYEA, R. D.; MURPHY, S. C., CAREY, N. R., SCARLETT, J. M., BOOR, K.J. Identification and characterization of elevated microbial counts in bulk tank raw milk. Journal Dairy Science, v.84, n.1, p.292-298, 2001. HILLERTON, J. E., SHEARN, M. F. S., TEVERSON, R. M., LANGRIDGE, S. & BOOTH, J. M. Effect of premilking teat dipping on clinical mastitis on dairy farms in England. Journal of Dairy Research, v.60, p.31–41, 1993. HOGEVEEN, H.; NOORDHUIZEN-STASSEN, E. N.; TEPP,, D. M.; KREMER, W. D. J.; VAN VLIET, J. H.; BRAND, A. A knowledge-based system for diagnosis of mastitis problems at the herd level. 1. Concepts. Journal Dairy Science, v. 78, n. 7, p. 1430-1440, 1995. JACKSON, E. R. Elimination of intramammary infections. In: DODD, F. H.; JACKSON, E. R. The control of bovine mastitis. Berkshire: Unwin Brothers Limited, 1971. p. 25-34. JÚNIOR, J.E.F.L., SOUZA, G.N., LANGE, C.C., BRITO, M.A.V.P., SILVA, M.A.S., FONSECA, R.G., SILVEIRA, R.H., SILVA, Y.A., SANTOS, F.R. Variação da contagem total de bactérias em quartos mamários de bovinos de acordo com patógenos da mastite. In: 25 Congresso Brasileiro de Microbiologia, 2009, Porto de Galinhas. São Paulo: Sociedade Brasileira de Microbiologia, 2009. v. 9. p.112. KEEFE, G. P. Streptococcus agalactiae mastitis: a review. Canadian Veterinary Journal, v. 38, n. 7, p. 429-435, 1997. KEEFE, G. P.; DOHOO, I. R.; SPANGLER, E. Herd

prevalence and incidence of Streptococcus agalactiae in the dairy industry of Prince Edward Island. Journal Dairy Science, v. 80, n. 3, p. 464470, 1997. KURWEIL. R.. BUSSE. M.. 1973. Total count and microflora of freshly drawn milk. Milchwissenschaft. 28. 427. LEIGH, J. A. Streptococcus uberis: a permanent barrier to the control of bovine mastitis? The Veterinary Journal, v. 157, n. 3, p. 225-238, 1999. MATTHEWS, K. R.; HARMON, R. J.; LANGLOIS, B. E. Prevalence of Staphylococcus aureus species during the periparturient period in primiparous and multiparous cows. Journal Dairy Science, v. 75, n. 7, p. 1835-1839, 1992. MESQUITA, A. J., DÜRR, J. W., COELHO, K. O. 2006. Perspectivas e avanços da qualidade do leite no Brasil. Talento, Goiânia, Brasil. MURPHY, S.C., BOOR, K.J. Sources and Causes of high bacteria counts in raw milk: an abbreviated review, 2010. Disponível em: http://www. extension.org/pages/Sources_and_Causes_of_ High_Bacteria_Counts_in_Raw_Milk:_An_Abbreviated_Review>. Acesso em : 23/07/2010. NADER FILHO, A., FERREIRA, L.M., AMARAL, L.A., ROSSI JUNIOR, O.D., OLIVEIRA, R.P. Produção de enterotoxinas e da toxina da síndrome do choque tóxico por cepas de Staphylococcus aureus isoladas na mastite bovina. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v.59, n.5, p.1316-1318, 2007. NATIONAL MASTITIS COUNCIL. National Mastitis Council Recommended Mastitis Control Program, 2001. Disponível em: <http://www.nmconline.org/docs/NMC10steps.pdf>. Acesso em: 18/05/2003. NEAVE, F. K.; DODD, F. H.; KINGWILL, R. G. A method of controlling udder disease. Veterinary Record, v. 78, n. 15, p.521-523, 1966. NEAVE, F. K.; JACKSON, E. R. The prevention of intramammary infections. In: DODD, F. H.; JACKSON, E. R. The control of bovine mastitis. Berkshire: Unwin Brothers Limited, 1971. p. 15-24. OSTERAS, O.; EDGE, V. L.; MARTIN, S. W. Determinants of success or failure in the elimination of major mastitis pathogens in selective dry cow therapy. Journal Dairy Science, v. 82, n.6, p.12211231, 1999. PHILPOT, W. N.; NICKERSON, S. C. Mastitis: counter attack. A strategy to combat mastitis. Naperville: Babson Bros. Co. , 1991. 150 p. PYÖRÄLÄ, S. Mastitis caused by different microbes. In: SANDHOLM, M.; HONKANENBUZALSKI, T.; KAARTINEN, L.; PYÖRÄLÄ, S. The bovine udder and mastitis. Helsinki: University of Helsinki, Faculty of Veterinary Medicine, 1995. p. 143-160. QUINN, P. J.; MARKEY, B. K.; CARTER, M. E.; DONNELLY, W. J.; LEONARD, F. C. Bacterial causes of bovine mastitis. In: Veterinary Microbiology and Microbial disease. Oxford: Blackwell, 2002. p. 465-475. RYSANEK. D.. BABAK. V. Buk tank milk somatic cell count as an indicator of the hygiene status of primary milk production. Journal Dairy Research, v.72, p.400-405, 2005. SEARS, P.M., SMITH, B.S., ENGLISH, P.B., HERER, P.S.. GONZALEZ. R.N. Shedding pattern of Staphylococcus aureus from bovine intramammary infections.

LÁCTEO

Journal Dairy Science, v.73, p.2785-2789, 1990. SHOSHANI. E.. LEITNER. G.. HANOCHI. B.. SARAN. A.. SHPIGEL. N.Y.. BERMAN. A. Mammary infection with Staphylococcus aureus in cows: progress from inoculation to chronic infection and its detection. Journal Dairy Research, v.67, p.155-169, 2000. SHUKKEN, Y. H.; KREMER, D. J. Monitoring udder health: objectives, materials and methods. In: BRAND, A.; NOORDHUIZEN, J. P. T. M.; SCHUKKEN, Y. H. Herd health and production management in dairy practice. Wageningen: Wageningen Pers, 1996. 351-426. SOL, J.; SAMPIMON, O. C.; SNOEP, J. J.; SCHUKKEN, Y. H. Factors associated with bacteriological cure during lactation after therapy for subclinical mastitis caused by Staphylococcus aureus. Journal Dairy Science, v. 80, n. 11, p. 2803-2808, 1997. SOMMERHÄUSER, J.; KLOPPERT, B.; WOLTER, W.; ZSCHÖCK, M.; SOBIRAJ, A.; FAILING, K. The epidemiology of Staphylococcus aureus infections from subclinical mastitis in dairy cows during a control programme. Veterinary Microbiology, v. 96, n. 1, p. 91-102, 2003. SOUZA, G.N., BRITO, J.R.F., MOREIRA, E.C., BRITO, M.A.V.P., SILVA, M.V.G.B. Fatores de risco para mastite subclínica causada por Staphylococcus aureus em vacas leiteiras de rebanhos da região Sudeste do Brasil. In: 9 Congresso Panamericano do Leite, 2006, Porto Alegre. Anais do 9 Congresso Panamericano do Leite, 2006a. p. 249-253. SOUZA, G.N., BRITO, J.R.F., MOREIRA, E.C., BRITO, M.A.V.P., SILVA, M.V.G.B. Fatores de risco para mastite subclínica causada por Sreptococcus agalactiae em vacas leiteiras de rebanhos da região Sudeste do Brasil. In: 9 Congresso Panamericano do Leite, 2006, Porto Alegre. Anais do 9 Congresso Panamericano do Leite, 2006b. p. 255-259. SOUZA, G.N., BRITO, J.R.F., MOREIRA, E.C., BRITO, M.A.V.P., SILVA, M.V.G.B. Variação da contagem de células somáticas em vacas leiteiras de acordo com patógenos da mastite. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v.61, n.5, p.1015-1020, 2009. UDDER Topics. Verona, WI: National Mastitis Council, v.32, n.2, may-jun. 2009. 6p. USDA. Dairy 2007, Part I: Reference of Dairy Cattle Health and Management Practices in the United States. Fort Collins, 2007a. 128 p. Disponível em: <http://nahms.aphis.usda.gov/dairy/dairy07/dairy07brochure.pdf>. Acesso em: 02 abr. 2008. USDA. Dairy 2007, Part II: Changes in the U.S. Dairy Cattle Industry, 1991-2007. Fort Collins, 2007b. 92p. Disponível em: <http://nahms.aphis. usda.gov/dairy/dairy07/dairy07brochure.pdf>. Acesso em: 10 abr. 2008. WILSON, D. J.; GONZALEZ, R. N.; DAS, H. H. Bovine mastitis pathogens in New York and Pensilvania: prevalence and effects on somatic cell count and milk production. Journal Dairy Science, v. 80, v. 10, p. 2592-2598, 1997. ZADOCKS, R. N.; ALLORE, H. G.; HAGENAARS, T. J.; BARKEMA, H. W.; SCHUKEEN, Y. H. A mathematical model of Staphylococcus aureus control in dairy herds. Epidemiology and Infection, v. 129, n. 2, p. 397-416, 2002. ZADOKS. R.N.. GONZALEZ. R.N.. BOOR. K.J.. SCHUKKEN. Y.H. Mastitis-causing Streptococci are important contributors to bacterial counts in raw bulk tank milk. Journal of Food Protection, v.67, p.2644-2650, 2004.


50

ARTIGO TÉCNICO

Análise Laboratorial Rafaella Alves Silva, graduanda do Curso de Nutrição da Universidade de Franca-UNIFRAN Dra. Patrícia Vieira Utiel, docente do Curso de Nutrição da Universidade de Franca-UNIFRAN Dr. Raimundo Nonato Rabelo, docente do curso de Medicina Veterinária e Farmácia da Universidade de Franca-UNIFRAN, pós-Doutorando em Promoção de Saúde da Universidade de Franca-UNIFRAN

Avaliação celular do leite produzido em Pedregulho

Resumo

O leite é uma mistura complexa que se encontra em diferentes estados de dispersão. A qualidade do leite cru é influenciada por múltiplas condições, dentre as quais se destacam os fatores zootécnicos, que incluem o manejo, alimentação e potencial genético dos rebanhos, e fatores relacionados à obtenção e armazenagem do leite recém-ordenhado. Os fatores zootécnicos são responsáveis pela produtividade do rebanho bem como pelas características da composição. Por meio de um estudo exploratório de campo, o trabalho visou avaliar a qualidade do leite comercializado por um laticínio da cidade de Pedregulho (SP). Os resultados das análises celulares demonstraram variações de 15,8% para CCS em 2010, de 23,4% em 2011 e de 64,5% em 2012, apresentando resultados fora dos padrões exigidos pela IN 51 e IN 62. Portanto, é importante estabelecer planos de ação de controle de qualidade, com a finalidade de obtenção de um produto íntegro e seguro, não colocando em risco a saúde dos consumidores.


51

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

LÁCTEO

Introdução

C

om a modernização apresentada nas últimas décadas, doenças emergentes e re-emergentes têm sido alvo de vários estudos. E uma das consequências desta modernização afeta, primordialmente, a qualidade de vida da população, sobretudo no tocante à nutrição. Profundas alterações nos hábitos surgiram como contraponto à alimentação saudável. E um dos alimentos que deve se destacar neste panorama é o leite. Embora ele seja utilizado como alimento desde a antiguidade, pouco se considera atualmente sobre sua qualidade. O maior interesse no conhecimento da composição do leite advém do fato de tratar-se de um alimento de primeira necessidade, principalmente pelo seu valor nutritivo. A qualidade do leite cru é influenciada por múltiplas condições, as quais se destacam fatores zootécnicos, associados ao manejo, alimentação e potencial genético dos rebanhos, e fatores relacionados à obtenção e armazenagem do leite recém-ordenhado. Este, por sua vez, também se relaciona diretamente com a qualidade microbiológica do produto, inclusive determinando o prazo de vida útil. Com base nesses aspectos, destacam-se os principais fatores que afetam os parâmetros de qualidade do leite in natura, sempre relacionados ao manejo e alimentação dos animais e à obtenção e conservação do produto em propriedades rurais. A periodicidade das análises rege parâmetros dos seus constituintes para avaliação do leite. Elas podem, portanto, verificar o teor de gordura, a acidez titulável, a densidade relativa, o índice crioscópico, o teor sólidos não gordurosos, alizarol, a contagem padrão em placas, a contagem de células

somáticas e a pesquisa de resíduos de antibióticos. Todas as análises visam o controle da qualidade do leite, independentemente das realizadas na frequência estipulada pelo Programa de Controle de Qualidade do Leite. Outro ponto importante à eficiência na produção é o incentivo que as indústrias estão fornecendo aos produtores, pagando preço diferenciado pelo leite de boa qualidade, consequentemente alavancando os investimentos em melhorias nas propriedades que demonstram preocupação na produção de leite, visando qualidade e segurança alimentar. Normas desenvolvidas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, para toda a cadeia produtiva do leite brasileiro, ajudam a garantir a qualidade do leite in natura para o processamento posterior. Esse controle preconiza que as propriedades nutricionais sejam mantidas e que não existam contaminantes (antibióticos e toxinas),

assegurando sua inocuidade. O objetivo deste trabalho foi avaliar as características celulares do leite produzido em um laticínio do interior do estado de São Paulo e compará-las com os valores de referência e as exigências da Instrução Normativa 51, de 18 de setembro de 2002, e da Instrução Normativa 62, de 29 de dezembro de 2011.

Definição de Leite O consumo do leite apresenta uma taxa de crescimento constante, principalmente de produtos derivados como iogurte e queijos. Durante o século XIX, o leite fresco era fornecido somente às crianças, mas, após a constatação de seus benefícios, houve a difusão do consumo. Os mais importantes avanços ocorreram na metade do século XX com a descoberta da importância das vitaminas e, a partir deste momento, o leite passou a ser um alimento dito como “perfeito” para todas as idades.


52

ARTIGO TÉCNICO

Análise Laboratorial

Contagem de células somáticas (CCS) Células somáticas são, normalmente, células de defesa do organismo que migram do sangue para o interior da glândula mamária com o objetivo de combater agentes infecciosos (bactérias, fungos, algas), causadores da mastite. A quantidade de células somáticas é a medida mais usada para o monitoramento da saúde das glândulas mamárias de rebanhos de vacas leiteiras, sendo um meio auxiliar de diagnostico de mastite subclinica, aceito como medida padrão internacionalmente. Múltiplos fatores podem estar envolvidos na alteração do CCS, como no período de lactação, idade da vaca, estação do ano, tamanho do rebanho e nível de produção de leite, nutrição, gestação, procedimento de ordenha e ocorrência de mastite. A Instrução Normativa 62, que passou a vigorar a partir de janeiro de 2012, estendeu o prazo para os produtores rurais atingirem a meta de 400 mil/ml até o ano de 2016 na região Sudeste.

Material e métodos Os dados das análises celulares foram obtidos através de pesquisa dos arquivos do Serviço de Inspeção Federal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Os resultados, por sua vez, foram obtidos através das planilhas fornecidas pela Clínica do Leite, na USP de Piracicaba, onde se analisou a contagem de células somáticas de janeiro de 2010 a dezembro de 2011. Os dados de CCS foram fornecidos pelo Serviço de Inspeção Federal, tendo as análises realizadas pela Clínica do Leite, localizado na ESALQ – USP / Piracicaba, os quais foram obtidos através de Citometria de fluxo-PO ANA 008.

Tabela 1. Padrões de comparação para cada parâmetro analisado de acordo com a IN 51 (BRASIL, 2002) Padrão

CCS x 103 cél.mL-1

Até 01/07/2008

Máx. 1.000

Até 01/07/2011

Máx. 750

A partir de 01/07/2011

Máx. 400

CCS – Contagem de Células Somáticas

Tabela 2. Padrões de comparação para cada parâmetro analisado de acordo com a IN 62 (BRASIL, 2011) Padrão

CCS x 105 cél.mL-1

A partir de 01/07/2008 Até 31/12/2011

Máx. 7,5

A partir de 01/01/2012 Até 30/06/2014

Máx. 6,0

A partir de 01/07/2014 até 30/06/2016

Máx. 5,0

A partir de 01/07/2016

Máx. 4,0

CCS – Contagem de Células Somáticas

Tabela 3. Resultados das médias mensais de análises celulares e microbiológicas, de leite produzido nos anos de 2010, 2011 e 2012 de fornecedores do laticínio localizado na cidade de Pedregulho – SP. Anos

2010

2011

2012

Nº Amostras

CCS

Nº Amostras

CCS

Nº Amostras

CCS

JAN

90

4825

103

742

108

743

FEV

107

679

108

731

102

624

MAR

90

695

90

791

110

1273

ABR

100

685

103

615

103

492

MAI

94

599

94

702

100

569

JUN

86

640

95

553

273

1764

JUL

118

601

108

569

91

430

AGO

119

569

103

559

99

484

SET

90

585

109

538

96

681

Meses

OUT

100

626

113

753

90

393

NOV

101

639

113

643

90

679

DEZ

99

782

111

634

93

698

CCS – Contagem de Células Somáticas-( X mil céls/mL)


53

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

Resultados

Discussão

Os resultados das médias mensais das análises celulares são apresentados na Tabela 3 para o ano de 2010, 2011 e 2012. Analisando a Tabela 3, para o ano de 2010, notou-se que os valores das CCS variaram de 5,69 à 4,825 x mil céls/ml – com o menor índice em agosto e o maior em janeiro. Segundo os dados da IN 51, que preconizava 750 mil/ml como valores máximos, observou-se que somente em janeiro e dezembro estavam fora dos padrões exigidos. Para o ano de 2011, notou-se que os valores das CCS variaram de 5,38 à 7,91 x mil céls/ml, atingindo o menor índice em setembro e o maior em março. Assim, somente no mês de março e outubro estavam fora dos padrões estabelecidos pela norma. Entretanto, ao analisar o ano de 2012, notou-se que os valores das CCS variaram de 3,93 à 1,764 x mil céls/ml, com menor índice em outubro e o maior em junho. Segundo os dados da IN 62 de janeiro de 2012, que preconiza 600 mil/ml como limite, observou-se que sete meses (janeiro, fevereiro, março, junho, setembro, novembro e dezembro) estavam em desacordo com o padrão.

Para o ano de 2011, a IN 51 apontava o limite máximo de 7,5x105 céls/ml para CCS. Assim, observou-se que 76,6% (1232/289) das amostras analisadas no período satisfaziam os padrões estabelecidos e que 23,4% (1232/289) não se enquadraram aos limites. Os resultados obtidos contrastaram-se com as observações de Durr JW, Fontanelli RS, Moro DV, nas quais o leite não apresentou valores médios aceitáveis para os parâmetros, identificando diversas irregularidades. Em 2012, por sua vez, a IN 62 determinava o limite máximo de 6,0x105 céls/ml para CCS. Desta forma, observou-se que 35,5% (1355/872) das amostras analisadas se enquadraram nos padrões estabelecidos e que 64,5% (872/1355) não a satisfizeram. Os resultados obtidos também contrastaram-se com as observações de Durr JW, Fontanelli RS, Moro DV. Das 1194 amostras analisadas em 2010, 189 (15,8%) apresentam resultados fora dos padrões exigidos pela IN 51. Quando se observou os novos padrões estabelecidos pela IN 62 (estabelecida em 2012), entretanto, somente em janeiro e dezembro

LÁCTEO

ocorreu uma porcentagem maior que é estabelecida pela IN 51, comparando com a instrução normativa 62 que preconizava 600 mil/ml. Assim, os valores obtidos na tabela seriam maiores em nove meses para CCS.

Considerações finais De acordo com os resultados celulares obtidos, pôde se constatar que os níveis de contagem de células somáticas apresentaram-se fora dos padrões recomendados pela IN 51 e IN 62, o que se deve ao fato de pequenos produtores possuírem mão de obra não qualificada e baixo nível socioeconômico, resultando em manipulação inadequada e rebanho não sadio. Cerca de 1,3 milhões de famílias têm na produção do leite sua fonte exclusiva de renda. Ainda assim, ela é insuficiente ao próprio sustento, o que compromete o investimento em mão de obra e equipamentos. Deste modo, faz-se imprescindível algum tipo de subsidio estatal. Os laticínios, em contrapartida, criaram programas de incentivo aos produtores, obtendo leite com alto nível de qualidade sanitária para ao consumo humano.

REFERÊNCIAS

Augustinho EAS. Importância do Leite. Pontífica Universidade Católica do Paraná, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde. Relatório de estágio supervisionado. Associação Paranaense de Criadores de Bovinos da raça Holandesa. 2006; p 01 - 21 Oliveira AJ Caruso JGB. Leite: obtenção e qualidade do produto fluido e derivados. Piracicaba: FEALQ, 1996; 80: p 23 - 32. Harris Jr B & Bachaman, Obtenção de Leite de Qualidade, fatores relacionados ao manejo e a alimentação dos animais, 1998. [periódico na internet] 2013 [acesso em 03 de jun. 2013] Disponível em: www.queijosnobrasil.com.br/obtencao-deleite-de-qualidade.html. Harding F, Souza GN et al., Obtenção de Leite de Qualidade, fatores relacionados á saúde da glândula mamária, 1995. [periódico na internet] [citado 15 mai. 2013] Disponível em: www.queijosnobrasil.com.br/obtencao-de-leite-de-qualidade. html. Brasil, Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 62, de 29 de dezembro de 2011. [ citado em 07 abri. 2013] Disponível em: www.agricultura.gov.br.

Fonseca LFL, Santos MV, Qualidade do leite e controle de mastite. São Paulo. Lemos Editorial, 2000. p.39-141. Durr J W, Carvalho M P Santos M V O compromisso com a qualidade do leite no Brasil. Passo Fundo: Editora Universidade de Passo Fundo, 2004; p.38 -55. Fonseca L F L, Santos M V. Qualidade do Leite e Controle de Mastite. São Paulo: Lemos, 2000, p. 175. Chapaval L, Piekarski P R B. Qualidade do leite: manejo reprodutivo, nutricional e sanitário. Viçosa: Aprenda Fácil, 2000. 195 p. González F H D Durr J W Fontanelli R S et al, Uso do leite para monitorar a nutrição e metabolismo de vacas leiteiras, UFRGS, Porto Alegre, 2001. [citado 15 mar 2013] Disponível em <www6.ufrgs.br/bioquimica/extensao/anais_2001.pdf#page=5> Brasil. Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Métodos analíticos oficiais para o controle de produtos de origem animal e seus ingredientes. II. Métodos físicos e químicos. Brasília, 1981. “paginação irregular”. [citado em 16 abr. 2012] Disponível em: www.agricultura.gov.br.


54

LISTA DE PRODUTOS

Análise Laboratorial

A ÁCIDO E SAIS Casa Forte

AGAR - AGAR Biologica Casa Forte

CONDUTIVÍMETRO Biologica Burkert Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Dpunion Gehaka Quimis Aparelhos Científicos

ALÇAS CALIBRADAS

CONTADOR DE COLÔNIAS

Biologica

Biologica Casa Forte Quimis Aparelhos Científicos

ALÇAS DESCARTÁVEIS Biologica

ANALISADOR DE LEITE POR ULTRASSOM - DAIRYSCAN Milklab

ANÁLISE LABORATORIAL Casa Forte Eurofins Eurofins|alac Ital Tecnoglobo

ANÁLISES FISÍCO-QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS Centro de Tecnologia Senai Alimentos e Bebidas Eurofins|alac Gta Alimentos Quimis Aparelhos Científicos

B

CONTAGEM DE BACTÉRIA TOTAL (CBT) EM TEMPO REAL Idexx Brasil

DETECÇÃO E CONTAGEM DE COLIFORMES TOTAIS Abc de Itaperuna - rj Idexx Brasil

DETECÇÃO E CONTAGEM DE E. COLI Abc de Itaperuna - rj Idexx Brasil Quimis Aparelhos Científicos

DETERGENTES ESPECIAIS PARA LIMPEZA DE VIDRARIAS DE LABORATÓRIO Biologica Casa Forte

DIAGNÓSTICO MICROBIOLÓGICO Idexx Brasil

CORANTES MICROBIOLÓGICOS Casa Forte

D

E ESTANTE PLÁSTICA PARA TUBOS Casa Forte

DAIRYSPEC Dairy Equipamentos

DESCARTÁVEIS PARA LABORATÓRIO Biologica Casa Forte

DETECÇÃO DE BACTÉRIAS PATÓGENAS Abc de Itaperuna - rj Idexx Brasil

DETECÇÃO DE BACTÉRIAS PATÓGENAS POR DNA

I IBC Dairy Equipamentos Rentank

IBC M Dairy Equipamentos

INDICADORES QUÍMICOS E BIOLÓGICOS Biologica

K

BALANÇAS SEMI-ANALÍTICAS DIGITAIS

Idexx Brasil

Casa Forte Gehaka kn Waagen

KIT INDICATIVO DE CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS

DETECÇÃO DE BACTÉRIAS PATÓGENAS POR PCR

Idexx Brasil

Idexx Brasil

BENTLEY IR Dairy Equipamentos

C

DETECÇÃO E CONTAGEM DE BOLORES E LEVEDURAS Abc de Itaperuna - rj Idexx Brasil

CHEMSPEC Dairy Equipamentos

DETECÇÃO E CONTAGEM DE COLIFORMES

COLETORES DE AMOSTRAS

Abc de Itaperuna - rj Idexx Brasil

Pentair

KIT MEDIÇÃO DE CLORO Dpunion Gehaka

KITS PARA ANÁLISE DE ANTIBIÓTICOS NO LEITE Abc de Itaperuna - rj Globalfood Advanced Food Technology Idexx Brasil Spadaro Imports


55

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

LÁCTEO

KITS PARA ANÁLISE DE ENTEROBACTÉRIAS

KIT PARA DETECÇÃO DE ESTREPTOMICINA

KIT PARA DETECÇÃO DE SULFAMETAZINA

Idexx Brasil

Genese Produtos Diagnósticos

Genese Produtos Diagnósticos

KIT PARA DETECÇÃO DE AFLATOXINA M1

KIT PARA DETECÇÃO DE FLUMEQUINA

KIT PARA DETECÇÃO DE SULFAQUINOXALINA

Genese Produtos Diagnósticos Idexx Brasil

Genese Produtos Diagnósticos

Genese Produtos Diagnósticos

KIT PARA DETECÇÃO DE SULFONAMIDAS MULTI-SCREENING

KIT PARA DETECÇÃO DE AHD (NITROFURANTOÍNA)

KIT PARA DETECÇÃO DE FLUOROQUINOLONAS (GENÉRICO)

Genese Produtos Diagnósticos

Genese Produtos Diagnósticos

KIT PARA DETECÇÃO DE AMOZ (FURALTADONA)

KIT PARA DETECÇÃO DE GENTAMICINA

Genese Produtos Diagnósticos

Genese Produtos Diagnósticos

Genese Produtos Diagnósticos

KIT PARA DETECÇÃO DE AOZ (FURAZOLIDONA)

KIT PARA DETECÇÃO DE IVERMECTINA

KIT PARA DETECÇÃO DE TETRACICLINA

Genese Produtos Diagnósticos

Genese Produtos Diagnósticos

KIT PARA DETECÇÃO DE LACTOFERRINA

Genese Produtos Diagnósticos

Genese Produtos Diagnósticos

KIT PARA DETECÇÃO DE BACITRACINA Genese Produtos Diagnósticos

KIT PARA DETECÇÃO DE BETA – AGONISTA Genese Produtos Diagnósticos

Genese Produtos Diagnósticos

Genese Produtos Diagnósticos

Genese Produtos Diagnósticos

KIT PARA DETECÇÃO DE NEOMICINA Genese Produtos Diagnósticos

Genese Produtos Diagnósticos

KIT PARA DETECÇÃO DE CLORANFENICOL RÁPIDO Genese Produtos Diagnósticos

KIT PARA DETECÇÃO DE CORTICOSTERÓIDE Genese Produtos Diagnósticos

KIT PARA DETECÇÃO DE PROGESTERONA Genese Produtos Diagnósticos

KIT PARA DETECÇÃO DE RACTOPAMINA Genese Produtos Diagnósticos

KIT PARA DETECÇÃO DE SEM (NITROFURAZONA)

Genese Produtos Diagnósticos

Genese Produtos Diagnósticos

KIT PARA DETECÇÃO DE DIMETRIDAZOL

KIT P ARA DETECÇÃO DE SORO DE COALHO BOVINO

KIT PARA DETECÇÃO DE ENROFLOXACINO Genese Produtos Diagnósticos

KIT PARA DETECÇÃO DE TILOSINA KIT PARA DETECÇÃO DE VIRGINIAMICINA KIT PARA DETECÇÃO DE ZEARALENONA Genese Produtos Diagnósticos

KITS PARA SEGURANÇA ALIMENTAR Idexx Brasil Jetfrio

L LÂMINAS PARA MICROSCOPIA Dpunion

KIT PARA DETECÇÃO DE DIETILESTILBESTROL

Genese Produtos Diagnósticos

KIT PARA DETECÇÃO DE SULFONAMIDAS MULTISCREENING II

Genese Produtos Diagnósticos

KIT PARA DETECÇÃO DE MOXIDECTINA

KIT PARA DETECÇÃO DE BETA - AGONISTA RÁPIDO KIT PARA DETECÇÃO DE CLORANFENICOL

Genese Produtos Diagnósticos

Genese Produtos Diagnósticos

M MEDIDORES DE PH Biologica Casa Forte Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Dpunion Gehaka Quimis Aparelhos Científicos

MEIOS DE CULTURA KIT PARA DETECÇÃO DE SULFADIAZINA Genese Produtos Diagnósticos

Biologica Casa Forte Dupont Nutrição & Saúde


56

56

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

MEIOS DE CULTURA EM PLACAS Casa Forte

R REAGENTES PARA MICROBIOLOGIA

MEIOS DE CULTURA EM TUBOS

Biologica Casa Forte

Casa Forte

REATIVOS PARA ANALISE DE ÁGUA

MIRIS DMA Dairy Equipamentos

Biologica Casa Forte

MIRIS DMA PUMP

Gehaka

Dairy Equipamentos

MIRIS HMA Dairy Equipamentos

N NEXGEN Dairy Equipamentos

P PAPEL DE FILTRO QUALITATIVO E QUANTITATIVO Tecnoglobo

PEPTONAS Biologica

PIPETAS E MICROPIPETAS Biologica Casa Forte Dpunion Gehaka

PLACAS DE PETRI

REFRATÔMETRO DE PROCESSO PARA CONTROLE AUTOMÁTICO DO BRIX Biologica Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Gehaka

REFRATÔMETRO PARA CONCENTRAÇÃO DE SÓLIDOS (BRIX) Biologica Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Gehaka

REOMETROS Gehaka

S

SISTEMA PARA GESTÃO DE QUALIDADE E ANÁLISES DE LEITE Idexx Brasil Lacteus

POLARIMETROS E SACARIMETROS AUTOMÁTICOS

Dairy Equipamentos

SISTEMAS COMBI

PRODUTOS QUÍMICOS PARA LABORATÓRIO (P.A) Abc de Itaperuna - rj Biologica Casa Forte

PROTEÍNAS HIDROLIZADAS Nexira

SOMACOUNT Dairy Equipamentos

SWAB PARA LUMINÔMETRO Abc de Itaperuna - rj

SWABS Abc de Itaperuna - rj Biologica Casa Forte

T TESTE DE ANTIBIÓTICOS NO LEITE SEM AQUECIMENTO Idexx Brasil

TESTE PARA DETECÇÃO DE E. COLI O157:H7 Idexx Brasil

TESTE PARA DETECÇÃO DE LISTERIA Idexx Brasil

TESTE PARA DETECÇÃO DE SALMONELLA Idexx Brasil

TESTE RÁPIDO PARA FOSFATASE ALCALINA Casa Forte

SACOS PARA ESTERILIZAÇÃO Deltaplam Embalagens

Abc de Itaperuna - rj Biologica Casa Forte

Biologica

LÁCTEO

SOLUÇÕES PARA ANALISE DE CONTROLE DE QUALIDADE Biologica Casa Forte Idexx Brasil

SOLUÇÕES TAMPÃO Abc de Itaperuna - rj Biologica Casa Forte Gehaka

U ULTRATERMOSTATOS Quimis Aparelhos Científicos

UTENSÍLIOS PARA LABORATÓRIO Biologica Casa Das Desnatadeiras Dpunion Inox Tecnologia Quimis Aparelhos Científicos Tecnoglobo

V VISCOSÍMETRO PARA MONITORAMENTO DO PROCESSO Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda


EMBALAGEM


58

ARTIGO

Embalagem Liliam Benzi *

Quando a embalagem é mais importante que a marca

U

m estudo divulgado no Brasil, no início do ano, concluiu que a embalagem tem um papel preponderante na decisão de compra dos consumidores. Segundo o Packaging Matters™, realizado anualmente com a proposta de revelar a importância da embalagem na decisão de compra, na le-


59

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

aldade com a marca e na satisfação geral com os produtos, o papel das embalagens fica claro nos processos de Experimentação, Recompra ou Troca. Neste procedimento, os consumidores experimentam um novo produto e, de acordo com a experiência, repetem a compra ou mudam para outra marca, testando algo novo. Dos 7.665 consumidores entrevistados em 10 países – Brasil, China, Alemanha, Índia, Japão, Rússia, África do Sul, Turquia, Reino Unido e Estados Unidos – 64% disseram ter experimentado um novo produto porque a embalagem chamou sua atenção no PDV. Já 41% recompraram um produto em função da embalagem e 36% trocaram de marcas por conta das experiências negativas com a embalagem. No Brasil, os números foram 79% na Experimentação, 53% na Recompra e 46% na Troca. Outro ponto interessante é que, para 45% dos entrevistados, a marca tem um impacto importante na decisão de compra – a embalagem aparece como segundo item mais citado, com 41% das respostas. Mas, no Brasil, o estudo foi ainda mais revelador: 60% dos consumidores avaliaram a embalagem como mais importante que a marca, ao analisarem sua satisfação geral com o produto. O fator preocupante é que apenas 11% dos consumidores disseram estar plenamente satisfeitos com as embalagens. Em produtos perecíveis, como carnes e derivados de leite, vale lembrar que 81% dos consumidores entrevistados disseram ser fundamental que a embalagem mantenha o produto fresco e/ou eficiente. O Packaging Matters™ também analisa hábitos de compra online de consumidores globais. Neste

ano, a principal conclusão é que a embalagem influencia mais os compradores online em mercados emergentes, como o Brasil. Neles, os consumidores online têm se proliferado com rapidez, acompanhando a grande penetração de dispositivos móveis, na comparação com mercados mais maduros. Cerca de 40% dos entrevistados disseram ser influenciados por comentários sobre produtos vistos na web. “Ou seja, o universo digital reitera a importância das embalagens na construção de lealdade com as marcas e na motivação de recompra nas lojas ou outros ambientes de consumo. Cada vez mais elas se consolidam como o veículo que liga as marcas aos consumidores no mundo do varejo real e virtual”, explica Steve Kazanjiian, vice presidente Global Creative da MWV

LÁCTEO

(MeadWestvaco Corporation), empresa responsável pelo estudo. E completa: “Marcas que reconhecem como a embalagem pode influenciar as compras têm a oportunidade de testemunhar consumidores compartilhando suas experiências positivas, por meio de comentários em suas redes sociais.”

Os altos e baixos da satisfação Mas existe um gap entre importância e satisfação. A satisfação geral com a embalagem também varia bastante de um país para outro, conforme constatou o estudo. Se, no Japão, o índice de satisfação com a embalagem é bastante baixo (25%), na Índia e África do Sul os consumidores mostram-se bem mais satisfeitos (59%). No Brasil os consumidores estão bem divididos:


60

ARTIGO

Embalagem

45% dizem estar completamente satisfeitos com as embalagens atuais. De modo geral, a embalagem também tende a influenciar mais a compra nos países em desenvolvimento que nos desenvolvidos. Enquanto nos desenvolvidos a experimentação alavancada pela embalagem foi citada por 58% dos entrevistados, o número subiu para 68% entre os consumidores de países em desenvolvimento. No item repetição de compra, a participação foi de 26% para consumidores de países desenvolvidos contra 52% nos países em desenvolvimento. Sobre troca de produto/marca por influência da embalagem, a participação é de 24% nos mercados desenvolvidos contra 44% nos em desenvolvimento. Ao que parece, as indústrias estão deixando de fazer a lição de casa e ouvir as expectativas dos consumidores. Para isso, é preciso

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

pensar além e não apenas garantir satisfação, mas uma experiência completa e positiva com o produto e com a marca. O que passa, necessariamente, pela inevitável interação do consumidor com a embalagem. Como grandes gaps nas embalagens, que devem ser encarados como oportunidades, o Packaging Matters detectou: facilidade de refechar; proteção do produto a vazamentos/quebras durante o transporte; manutenção do produto fresco/eficiente; possibilidade de retirar/utilizar todo o conteúdo; e facilidade para retirar o produto. Se a embalagem cumprir o esperado, o próximo passo certeiro é que ela esteja integrada ao mix de marketing e materialize a experiência com a marca. Atributos funcionais, como proteção do produto e facilidade de manuseio, são considerados os mais importantes entre consumidores em todas as

LÁCTEO

categorias. Contudo, os atributos mais valorizados são os subjetivos, relacionados à aparência da embalagem, como ser atraente e fácil de encontrar. Neste quesito, as embalagens de alimentos/bebidas “para viagem” ou consumo “on the go” são as com pior avaliação dos consumidores; eles se dizem insatisfeitos com estas categorias. É na categoria fragrâncias, contudo, que reside o maior percentual de consumidores completamente satisfeitos – e o Brasil segue essa tendência. No geral, o estudo conclui que as embalagens precisam de muito mais que uma bela aparência na prateleira para que gerem interesse em experimentar o produto. É preciso pensar em todo o ciclo de vida do produto/embalagem, passando por sua produção, distribuição, exposição no PDV, uso e descarte pelo consumidor final. Pessoalmente, acrescentaria, após o descarte, algum processo que garanta sua reciclagem/reutilização.

*Liliam Benzi atua no mercado de embalagens há 24 anos como especialista em comunicação e desenvolvimento de negócios e estratégias para o setor pela LDB Comunicação Empresarial. Também é editora de publicações e Assessora de Comunicação de diversas empresas e entidades da área, como a WPO (Organização Mundial de Embalagem) ldbcom@uol.com.br.


62

LISTA DE PRODUTOS

Embalagem

A ADESIVOS

Mart Sticker Tecnoshoes

AUTOMAÇAO DE FRASCOS

Spadaro Imports

AVENTAL EM TNT DESCARTÁVEL

Abc de Itaperuna - rj Casa Forte

B BALDES

Injesul West Equipamentos

BANDEJA DE IOGURTE

Goldpack Embalagens

BOBINAS DE PAPEL

Abc de Itaperuna - rj Tecnoglobo

C CÂMARA A VÁCUO COM ESTEIRA

E EMBALAGEM A VÁCUO BRILHANTE RESISTENTE A PERFURAÇÃO - MRP

Descartavel Embalagens

EMBALAGEM A VÁCUO RESISTENTE A PERFURAÇÃO

Deltaplam Embalagens Descartavel Embalagens Plásticos Dise

EMBALAGEM CARTONADA ASSÉPTICA

Abre - Associação Brasileira de Embalagem Sig Combibloc Tetra Pak

EMBALAGEM DE NYLON POLI

Deltaplam Embalagens Descartavel Embalagens Embamaqui Gabrilina

EMBALAGEM DE PAPEL

CAPA DE FARDO

Abre - Associação Brasileira de Embalagem Cantoneiras Brasilfix Gôndola Gráfica

CODIFICADOR MANUAL PARA TUBOS

Abre - Associação Brasileira de Embalagem

Jetfrio

Nova Mark

Codmarc Codif. e Marc. Ind. Makplan Sistmarc

CODIFICADOR ROTATIVO MANUAL COM TINTEIRO

Codmarc Codif. e Marc. Ind. Makplan Sistmarc

CODIFICADOR ROTATIVO MANUAL PRÉ ENTINTADO

Codmarc Codif. e Marc. Ind.

CODIFICADOR TÉRMICO ROTATIVO

Codmarc Codif. e Marc. Ind. Makplan Sistmarc

CONTENTORES PLÁSTICOS

EMBALAGEM DE VIDRO

EMBALAGEM ENCOLHÍVEL

Abre - Associação Brasileira de Embalagem Deltaplam Embalagens Descartavel Embalagens Embamaqui Epet do Brasil Evertis Brasil Plásticos S/a Plásticos Dise

EMBALAGEM FINAL PARA COZIMENTO

Descartavel Embalagens Plásticos Dise

EMBALAGEM FLOW PACK

CRYOVAC BDF, FLOWVAC

Abre - Associação Brasileira de Embalagem Magic Paper Omegabelt Brasil

CRYOVAC DARFRESH

EMBALAGEM LAMINADA E METALIZADA

Myers do Brasil

Cryovac Brasil Ltda Cryovac Brasil Ltda

CRYOVAC SLICEPAK

Cryovac Brasil Ltda

CRYOVAC VPP

Cryovac Brasil Ltda

Abre - Associação Brasileira de Embalagem Deltaplam Embalagens Embamaqui Evertis Brasil Plásticos S/a Magic Paper Meadwestvaco Sistemas de

Embalagens Nova Mark

EMBALAGEM METÁLICA PARA ALIMENTOS

Abeaço Abre - Associação Brasileira de Embalagem Metalgrafica Renner

EMBALAGEM PARA QUEIJO

Casa Forte Deltaplam Embalagens Descartavel Embalagens Embamaqui Evertis Brasil Plásticos S/a Plásticos Dise

EMBALAGEM PARA VÁCUO

Deltaplam Embalagens Descartavel Embalagens Embamaqui Evertis Brasil Plásticos S/a Gabrilina

EMBALAGEM PLÁSTICA

Abre - Associação Brasileira de Embalagem Deltaplam Embalagens Descartavel Embalagens Evertis Brasil Plásticos S/a Guarani-plast mb Plásticos Nova Form Embalagens / Nova Form Agro Nova Mark Realpet Saviplast Tampnet

EMBALAGEM STAND UP POUCH

Deltaplam Embalagens

EMBALAGEM TERMOENCOLHÍVEL

Abre - Associação Brasileira de Embalagem Deltaplam Embalagens Descartavel Embalagens Embamaqui Epet do Brasil Evertis Brasil Plásticos S/a Nova Mark Plásticos Dise Tekniza

EMBALAGENS A VÁCUO

Deltaplam Embalagens Descartavel Embalagens Evertis Brasil Plásticos S/a Plásticos Dise

EMBALAGENS CARTONADAS PARA ALIMENTOS

Gôndola Gráfica Meadwestvaco Sistemas de Embalagens


63

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

EMBALAGENS CELULÓSICAS DE PAPELÃO ONDULADO

Agro Plásticos Dise

EMBALAGENS CELULÓSICAS PAPEL

Berry Plastics Deltaplam Embalagens Evertis Brasil Plásticos S/a Magic Paper Nova Mark

Klabin

Magic Paper

EMBALAGENS CELULÓSICAS PAPEL CARTÃO

Abre - Associação Brasileira de Embalagem Gôndola Gráfica Meadwestvaco Sistemas de Embalagens

EMBALAGENS COM ALTA BARREIRA

Deltaplam Embalagens Descartavel Embalagens Evertis Brasil Plásticos S/a Guarani-plast Plásticos Dise

EMBALAGENS DE NYLON

Descartavel Embalagens Evertis Brasil Plásticos S/a Gabrilina Plásticos Dise

EMBALAGENS DE PAPELÃO ONDULADO

Abre - Associação Brasileira de Embalagem Klabin Sopasta S.a Indústria e Comércio

EMBALAGENS DE TERMOENCOLHÍVEL, NYLON-POLI, POLIETILENO, COEX, LAMINADOS

Deltaplam Embalagens Descartavel Embalagens Evertis Brasil Plásticos S/a Nova Mark

EMBALAGENS E FRASCOS PLÁSTICOS EM POLIETILENO (PE)

Berry Plastics Guarani-plast Saviplast

EMBALAGENS E FRASCOS PLÁSTICOS EM POLIETILENO TEREFTALATO (PET)

Berry Plastics Guarani-plast Realpet

EMBALAGENS ESPECÍFICAS PARA VÁCUO DE DIVERSOS TAMANHOS E QUANTIDADES

Descartavel Embalagens

EMBALAGENS FLEXÍVEIS

Deltaplam Embalagens Descartavel Embalagens Evertis Brasil Plásticos S/a Nova Form Embalagens / Nova Form

EMBALAGENS LAMINADAS

EMBALAGENS METÁLICAS

Abeaço Evertis Brasil Plásticos S/a

EMBALAGENS PARA ALIMENTOS

Abeaço Berry Plastics Deltaplam Embalagens Descartavel Embalagens Evertis Brasil Plásticos S/a Guarani-plast Plásticos Dise Plastirrico Realpet Riberdoces Saviplast Thermoplast

EMBALAGENS PARA BEBIDAS

Abeaço

LÁCTEO

Berry Plastics Guarani-plast Plastirrico Saviplast Thermoplast

EMBALAGENS PARA SORVETE, REQUEIJÃO, DOCES E ALIMENTOS

Abeaço Berry Plastics Goldpack Embalagens Gôndola Gráfica Nadir Figueiredo Riberdoces Thermoplast

EMBALAGENS PARA USO EM ATMOSFERA CONTROLADA

Berry Plastics Deltaplam Embalagens Evertis Brasil Plásticos S/a Plásticos Dise Saviplast

EMBALAGENS PARA VÁCUO NYLON POLI

Deltaplam Embalagens Descartavel Embalagens


64

LISTA DE PRODUTOS

Embalagem

Gabrilina Plásticos Dise

EMBALAGENS PLÁSTICAS DESCARTÁVEIS

Berry Plastics Evertis Brasil Plásticos S/a Guarani-plast Nova Form Embalagens / Nova Form Agro Plastirrico

EMBALAGENS PLÁSTICAS EM POLIETILENO E POLIPROPILENO

Berry Plastics Guarani-plast Nova Mark Saviplast Thermoplast

EMBALAGENS PLÁSTICAS FLEXÍVEIS

Deltaplam Embalagens Descartavel Embalagens Evertis Brasil Plásticos S/a Nova Mark Plásticos Dise Thermoplast

EMBALAGENS RÍGIDAS

Berry Plastics Evertis Brasil Plásticos S/a Guarani-plast Thermoplast

EMPACOTADEIRA DE MANTEIGA

West Equipamentos

EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO

Interroll

EQUIPAMENTOS DE ENVASE ASSÉPTICO

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

F FILME COEXTRUSADO

Deltaplam Embalagens

FILME SHRINK DE POLIOLEFINICO

Acomex Embalagens Ltda

FILMES BOPP

Polo Films Vitopel

FILMES E POUCHES COEXTRUSADOS EM 5 E 7 CAMADAS

Deltaplam Embalagens

FILMES E POUCHES PARA VÁCUO E ATMOSFERA MODIFICADA

Deltaplam Embalagens Solupack

FILMES E SACOS COEXTRUSADOS EM 5 E 7 CAMADAS PARA VÁCUO E ATM

Deltaplam Embalagens Solupack

Deltaplam Embalagens Solupack

FILMES E SACOS MÉDIA E ALTA BARREIRA A GASES

Deltaplam Embalagens Solupack

FILMES EM BOBINA

FILMES MÉDIA E ALTA BARREIRA PARA TERMOFORMAGEM

ETIQUETAS ESPECIAIS

Embamaqui Magic Paper Novelprint

Casa Forte

FITAS HOT STAMPING

Casa Forte Codmarc Codif. e Marc. Ind.

FITAS PARA DATADORES

Casa Forte Codmarc Codif. e Marc. Ind.

FORMAS

Casa Das Desnatadeiras Casa Forte

FORMAS PARA QUEIJO

Plastirrico

EQUIPAMENTOS PARA PROCESSAMENTO DE ENVASE

Embamaqui Magic Paper Mart Sticker Novelprint

FITA ESPECIAL PARA LACRADORA - PRODUTO CONGELADO E RESFRIADO

FILMES E SACOS LAMINADOS BAIXA, MÉDIA E ALTA BARREIRA A GASES

Deltaplam Embalagens Nova Mark Solupack

ETIQUETAS ADESIVAS

FILMES TERMOENCOLHÍVEIS

Acomex Embalagens Ltda Solupack

Abc de Itaperuna - rj Casa Das Desnatadeiras Casa Forte West Equipamentos

Gcm do Brasil Inox Tecnologia Spadaro Imports

Gcm do Brasil Inox Tecnologia Serac do Brasil Spadaro Imports Tambflex Tribeca

FILMES STRETCH

Acomex Embalagens Ltda Cyklop Mart Sticker

FILMES E SACOS EM PP, PPT, PE, PET, BOPP, PAPEL E ALUMÍNIO LAMINADOS E METALIZADOS

Nova Mark Solupack

Deltaplam Embalagens Solupack

FILMES PARA LEITE UHT

Nova Mark

FILMES PARA TERMOFORMADOS

Deltaplam Embalagens Nova Mark Plásticos Dise Tecnoshoes

FILMES PARA TERMOFORMAGEM, FLOWPACK E FORM-FILL-SEAL

Deltaplam Embalagens Tecnoshoes

LÁCTEO

FRASCO RÍGIDO PARA IOGURTE H HOT STAMPING ELÉTRICO

Codmarc Codif. e Marc. Ind. Makplan Sistmarc

HOT STAMPING ELETROPNEUMÁTICO

Codmarc Codif. e Marc. Ind. Makplan Sistmarc

HOT STAMPING PARA POTES

Codmarc Codif. e Marc. Ind. Makplan Sistmarc

K KIT MANUAL

Codmarc Codif. e Marc. Ind.

KIT MANUAL PARA SUPERFICIES POROSAS

Codmarc Codif. e Marc. Ind.

L LACRADORA PARA FECHAMENTO DE SACOS PLÁSTICOS COM FITAS ADESIVAS

Biopet

LACRES

Biopet Casa Forte Tekniza


66

LISTA DE PRODUTOS

Embalagem

LINHAS COMPLETAS PARA PROCESSOS DE ENVASE

Spadaro Imports Tribeca

Março/Abril 2013 Guia de referência do SETOR

POLIETILENO

Magic Paper

POLIPROPILENO

Magic Paper

M MÁQUINA PARA ENVASE DE PÓ EM SACOS DE 35KG E BIGBAG

Casa Forte Emann Plásticos

MÁQUINA PARA FECHAMENTO DE EMBALAGENS

Casa Forte Plastirrico

Gcm do Brasil

Cyklop Deckel Gcm do Brasil Grupo Imsb Poly Clip Serac do Brasil Tekniza Vertz Equipamentos West Equipamentos

MÁQUINAS DE ENCAIXOTAMENTO

Gcm do Brasil Grupo Imsb Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Omegabelt Brasil Ottime Spadaro Imports Tekniza

MÁQUINAS DE ENVASE

Emil - Empresa Mineira Ltda Finamac Arpifrio Gcm do Brasil Grupo Imsb Omegabelt Brasil Serac do Brasil Spadaro Imports Tekniza

MÁQUINAS E ACESSÓRIOS PARA EMBALAGENS

Cyklop Gcm do Brasil Grupo Imsb Solupack West Equipamentos

MÁQUINAS PARA DATAR EMBALAGENS

West Equipamentos

MEDIDOR DE ESPESSURA DE EMBALAGENS

Akso Produtos Eletrônicos Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda

MÓDULO DE DOSAGEM POR PESO

POTES E BALDES ALIMENTÍCIOS

POTES PLÁSTICOS

R RESINAS

Basf ns Brazil Revestimentos Especiais

ROLETES DE TINTA TÉRMICO

Codmarc Codif. e Marc. Ind. Makplan Sistmarc

SACOS TERMOENCOLHÍVEIS PARA CARNES E QUEIJOS

Deltaplam Embalagens Plásticos Dise Solupack

SELO DE ALUMINIO

Casa Das Desnatadeiras Deckel Goldpack Embalagens Politampas Tekniza

T TAMPAS

RÓTULO AUTO-ADESIVO

Abre - Associação Brasileira de Embalagem Berry Plastics Mirvi Brasil Politampas Soroplast

RÓTULO ROLL LABEL

TAMPAS METÁLICAS PARA COPOS DE VIDRO

Embamaqui Kromos Rótulos Novelprint Novelprint

RÓTULO TERMOENCOLHÍVEL

Epet do Brasil Kromos Rótulos

RÓTULOS

Abre - Associação Brasileira de Embalagem Mart Sticker Novelprint

S SACOS - TERMOENCOLHÍVEL, NYLON POLI, COEXTRUSADOS

Deltaplam Embalagens Plásticos Dise Solupack

SACOS DE PAPEL

Tecnoglobo

SACOS E FILMES PARA VÁCUO

Abre - Associação Brasileira de Embalagem

TAMPAS PLÁSTICAS INJETADAS PARA FRASCOS DE VIDRO OU PLÁSTICO

Abre - Associação Brasileira de Embalagem Berry Plastics Mirvi Brasil Tampnet

THERMO TRANSFERÊNCIA

Codmarc Codif. e Marc. Ind.

TINTA PARA CARIMBAR OU MARCAR DATA DE FABRICAÇÃO E VALIDADE NAS EMBALAGENS DE PLÁSTICO OU ALUMÍNIO

Codmarc Codif. e Marc. Ind. Tinta Mágica

TINTA PARA MARCAÇÃO

Deltaplam Embalagens Plásticos Dise Solupack

Abc de Itaperuna - rj Codmarc Codif. e Marc. Ind. Tinta Mágica

SACOS ENCOLHÍVEIS

TINTAS PARA DATAR E CODIFICAR

Gehaka

Deltaplam Embalagens Plásticos Dise

P PET

SACOS PRÉ-FORMADOS LAMINADOS

Tecnoshoes

SACOS TERMOENCOLHÍVEIS

Cryovac Brasil Ltda Deltaplam Embalagens Plásticos Dise Solupack

Deltaplam Embalagens

Codmarc Codif. e Marc. Ind. Tinta Mágica

TRIPAS ARTIFICIAIS

Poly Clip

LÁCTEO


REFRIGERAÇÃO


ARTIGO TÉCNICO

Refrigeração

67

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

LÁCTEO

Antonio Borsatti*

Sistemas de isolamento térmico para baixas temperaturas Introdução A sustentabilidade é um conceito que se torna mais importante a cada dia e que passou a influenciar diretamente as estratégias de corporações e governos. Essa definição surgiu na década de 1980 e, de forma simplificada, significa atender às necessidades das gerações atuais sem comprometer a capacidade das gerações futuras. O que no princípio se apresentava sob a forma de dificuldades e tendências de incremento dos custos para as corporações levou ao desenvolvimento de novas tecnologias e tem se mostrado uma forma eficaz de aperfeiçoar a utilização dos recursos, além de, na maioria das vezes, reduzir os custos

na implantação e na operação de empreendimentos. A energia está entre os recursos mais importantes para o modelo atual de desenvolvimento da sociedade humana. No Brasil, o acesso cada vez maior da população a tecnologias cria uma expectativa de grande aumento no consumo de energia nos próximos anos. Em 2009, o Ministério das Minas e Energia (MME) estimava um aumento de 87% no consumo de energia até 2030. Dentro do conceito de sustentabilidade, devemos nos preocupar apenas com o aumento da geração de energia para suprir o aumento

do consumo ou também é necessário aproveitar melhor a energia gerada? A necessidade de edificações mais eficientes do ponto de vista energético é uma realidade crescente e que pode ser observada pela procura cada vez maior de certificações de eficiência energética e sustentabilidade, como o selo PROCEL, o LEED, a AQUA, entre outros. As empresas do setor de laticínios, dentro deste cenário, estão cada vez mais atentas ao aspecto da eficiência energética, com especial destaque para o cuidado com projetos, equipamentos e sistemas de refrigeração. No trabalho desen-


68

ARTIGO TÉCNICO

Refrigeração

volvido pelo setor, um componente de importância fundamental é o isolamento térmico, independentemente do conceito do projeto e da tecnologia dos equipamentos empregados. Afinal, dentro do ciclo de vida de uma instalação, os custos de operação e manutenção são muito maiores do que os custos de implantação. Pode-se dizer que uma quantidade considerável de energia é desperdiçada diariamente devido a sistemas de isolamento térmico ineficientes ou degradados. A seguir, serão abordados vários aspectos que devem ser considerados no dimensionamento e na instalação do sistema de isolamento térmico, visando-se obter melhor resultado às instalações que operam a baixas temperaturas.

Conceitos básicos sobre os isolantes térmicos Os isolantes térmicos são materiais ou combinações de materiais com a função de reduzir as trocas de calor. No que diz respeito à transmissão de calor por condução, o melhor isolante seria o vácuo, pois não existindo matéria não haveria a condução. Porém, sistemas de isolamento com a criação de vácuo não são práticos. Uma solução mais viável é aproveitar o ar atmosférico ou gases disponíveis em grandes quantidades, como o nitrogênio, e restringir o movimento do ar para que não haja condução de calor por convecção. As tecnologias mais modernas e eficientes consistem em confiná-lo em pequenas células. Aí se apresenta o grupo dos isolantes térmicos celulares, largamente utilizado em tubulações, dutos e equipamentos em sistemas de ar condicionado e refrigeração. Para o isolamento térmico em sistemas que operam principalmente a baixas temperaturas, outra característica tão importante quanto a

condutividade térmica é a resistência à umidade. Isso porque ela geralmente penetra no isolamento na forma de vapor de água e, devido à baixa temperatura, condensa-se no interior do material, encharcando-o a partir do seu interior. Uma forma interessante de verificar essa característica é a resistência à difusão de vapor de água, ou fator µ, que, por ser obtida através da razão entre dois valores de permeabilidade com unidades de medida iguais, tornase um número adimensional.

O encharcamento do sistema de isolamento térmico leva à proliferação de micro-organismos – o que é crítico para quem, como o setor de laticínios, lida com alimentos. Provoca também a acentuação da corrosão sob o isolamento (CUI) e a elevação da condutividade térmica dos materiais – causando aumento das perdas energéticas e redução da temperatura superficial externa do isolamento, elevando as chances de condensação sobre ele.

Essa questão é tão importante que a NBR 15.401 (Instalações de ar condicionado – Sistemas centrais e unitários) determina: matérias com resistência à difusão de vapor de água menor do que 2.500 devem ser protegidas com barreiras de vapor. Essas barreiras são camadas de material impermeabilizante que, além de gerar detritos e sujeira na obra, estão sujeitas a falhas por onde entrará a umidade. Por esse motivo, é tão comum encontrar sistemas de isolamento térmico encharcados nas instalações operadas há mais de um ano. Uma alternativa eficiente para a solução desse problema é utilizar materiais com resistência à difusão de vapor de água elevada. Esses componentes, além de não necessitarem de barreiras de vapor, têm a proteção em toda a sua estrutura. Quando ocorre uma falha, como uma perfuração, a umidade não se espalha por todo o material.

Dimensionamento Devido ao problema da condensação superficial, o isolamento térmico para baixas temperaturas nunca pode ser feito buscando-se apenas a espessura econômica, ou seja, aquela cujos custos de instalação e operação somam o menor valor no decorrer de sua vida útil. A condensação superficial ocorre quando o vapor de água presente no ar entra em contato com uma superfície abaixo da temperatura de ponto de orvalho e passa para o estado líquido. Essa umidade proveniente pode causar sérios danos à infraestrutura do empreendimento, levando à necessidade de reformas e da substituição precoce do isolamento térmico. Em relação a esse aspecto, deve ser lembrado que o valor estimado do isolamento térmico corresponde, em média, de 1 a 3% do valor de uma instalação de refrigeração


69

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

ou ar condicionado. Porém, os custos envolvidos na solução de problemas de condensação podem somar um valor bem maior. O controle da condensação é obtido com espessuras de isolamento que garantam a temperatura superficial do sistema acima da temperatura de ponto de orvalho. Para isso, são necessárias várias considerações. Entre elas: as características dos materiais empregados; as características do equipamento ou sistema a ser isolado; e a psicrometria do ambiente onde estarão os elementos isolados. Este último é o fator mais importante para o controle da condensação. Um mesmo tipo de equipamento que opera a uma determinada temperatura precisará de maiores espessuras caso seja instalado em locais com maior umidade ou caso fique em operação no período da noite e madrugada, quando a umidade do ar é maior do que no período do dia. De forma geral, para o cálculo dessa espessura, deve ser considerado o período de maior umidade e a temperatura associada a este período. Assim, através de cálculos com as fórmulas da termodinâmica, será obtida a espessura que garanta a temperatura externa sempre acima do ponto de orvalho. Embora as normas ofereçam dados que podem ser utilizados para o cálculo do isolamento térmico em algumas cidades, o ideal é fazer um estudo climatológico do local da

instalação, considerando, inclusive, a questão dos microclimas, que podem ocorrer até mesmo dentro de uma determinada edificação. Em alguns casos, pode ser necessário promover a ventilação forçada ou outras ações para tratar a psicrometria do ambiente. As transmissões de calor por convecção e radiação alteram o coeficiente superficial de transmissão e, consequentemente, a temperatura externa do isolamento térmico. Logo, devem ser consideradas no cálculo de espessura e no projeto. Restrições à circulação do ar em torno do isolamento térmico devem ser evitadas. E deve, também, ser considerado o uso de materiais metálicos para o revestimento do isolamento térmico, que altera sua emissividade. Nessas instalações a baixas temperaturas, mesmo que estabelecido o controle da condensação superficial através da espessura do isolamento térmico, podem existir pontes térmicas nos pontos críticos, como as sustentações e as válvulas, entre outras. Nesses pontos, devido à baixa temperatura superficial, a condensação pode ocorrer constantemente. E, em função da umidade proveniente, a proliferação de micro-organismos pode se tornar um problema crítico, causando a degradação precoce do isolamento térmico e o risco de contaminação. Atualmente há fabricantes que oferecem soluções completas e modernas para o mercado de iso-

LÁCTEO

lamento, compreendendo as partes críticas (como os suportes para sustentação) e materiais não fibrosos e com proteção antimicrobiana ativa, que combatem a proliferação dos micro-organismos, sendo indicados para aplicação em áreas onde a saúde e o bem-estar são aspectos críticos. É evidente que a limitação de perdas energéticas também deve ser considerada no cálculo da espessura do isolamento térmico. Porém, na grande maioria das vezes, a espessura obtida para o controle de condensação será maior do que a necessária para limitar as perdas energéticas.

Instalação A instalação é a parte final do processo de isolamento térmico que irá garantir o bom funcionamento da solução adotada ou que, por outro lado, pode pôr a perder as qualidades e o dimensionamento dos materiais escolhidos. A boa instalação de um sistema de isolamento térmico deve objetivar: Eliminar as pontes térmicas; Garantir sempre a espessura mínima calculada em projeto; Garantir a estanqueidade, ou impermeabilidade, do isolamento; Utilizar produtos compatíveis; Seguir as orientações do fabricante dos materiais. Mesmo nos materiais mais modernos, como os elastômeros de células fechadas, uma instalação mal feita pode causar uma série de problemas que poderão reduzir a vida útil do sistema de isolamento. Por isso é importante a contratação de mão de obra especializada, preferencialmente treinada pelo fabricante, o que resultará em maior segurança e durabilidade.

* Antonio Borsatti é engenheiro de desenvolvimento de produtos e aplicações da Armacell Brasil


70

LISTA DE PRODUTOS

Refrigeração

A ACIONAMENTOS PARA AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

Burkert Danfoss do Brasil Foss Brasil

AGITADORES DE GELO

Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Jetfrio

ALARME PARA CÂMARAS FRIGORÍFICAS

Jetfrio

ALMOFADÃO PARA VEDAÇÃO DE DOCAS

Isoquip Refrigeração Ltda.

AQUECEDORES A PLACAS

Casa Forte Dpunion Quimis Aparelhos Científicos Spadaro Imports West Equipamentos

AUTOMAÇÃO PARA BALCÕES, EXPOSITORES E CÂMARAS FRIGORÍFICAS

Coel Danfoss do Brasil Jetfrio

AUTOMAÇÃO PARA COMPRESSOR ALTERNATIVO

Danfoss do Brasil Jetfrio

AUTOMAÇÃO PARA COMPRESSOR PARAFUSO

Danfoss do Brasil Jetfrio

AUTOMAÇÃO PARA UNIDADES DE REFRIGERAÇÃO COM COMPRESSORES EM PARALELO

Coel Danfoss do Brasil Jetfrio Ssi Schaefer Ltda

B BALCÕES FRIGORÍFICOS

Jetfrio

BOMBAS DE AMÔNIA

Frigostrella do Brasil Inoxserv

BOMBAS DE VÁCUO

Casa Forte Dpunion Elmo Rietschle Hidrosistemas Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Jetfrio Quimis Aparelhos Científicos

BOMBAS HELICOIDAIS

Hidrosistemas Inoxserv West Equipamentos

BOMBAS, FERRAMENTAS E ACESSÓRIOS PARA REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO

Grundfos Inoxserv Jetfrio

BRITADORES DE GELO EM BARRA

BANCO DE GELO

Jetfrio

Dala ar

Casa Forte Jetfrio

ÁREAS CLIMATIZADAS

BÓIA DE NÍVEL

C CÂMARA FRIA

AR CONDICIONADO DE PRECISÃO

Isoquip Refrigeração Ltda.

Vastin

ARMÁRIOS DE CONGELAMENTO

BOMBA CENTRÍFUGA PARA REFRIGERAÇÃO AMÔNIA / FREON

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio São Rafael West Equipamentos

BOMBAS

CÂMARA FRIGORÍFICA DESMONTÁVEL

Jetfrio

ARMAZENAGEM CLIMATIZADA

Arfrio S/a Cefri Armazenagem Interroll Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio Ssi Schaefer Ltda

AUTOMAÇÃO COM SOLUÇÕES PARA MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

Burkert Coel Danfoss do Brasil Fimaco do Brasil Omegabelt Brasil Ssi Schaefer Ltda

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL E CONTROLES

Burkert Coel Danfoss do Brasil Jetfrio

Casa Forte Inoxserv Jetfrio

Águia Inox Casa Forte Castinox Dpunion Dutra Máquinas Grundfos Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Inoxserv Netzsch Proinox Quimis Aparelhos Científicos Suprinox West Equipamentos

BOMBAS DE ÁGUA QUENTE

Casa Forte Grundfos Hidrosistemas Inoxserv West Equipamentos

Advanced Thermal Systems Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio São Rafael

CÂMARA FRIGORIFICADA

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio São Rafael

CÂMARA PARA DESCONGELAMENTO

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio Tribeca

CÂMARA PARA ESTOCAGEM DE SEMENTES

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio São Rafael


71

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

CÂMARAS CLIMATIZADAS

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio Quimis Aparelhos Científicos São Rafael

CÂMARAS FRIGORÍFICAS

Advanced Thermal Systems Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio Multifrio Comércio de Refrigeração Rgo Máquinas Industriais Ltda. São Rafael

CÂMARAS FRIGORÍFICAS DE PEQUENO E GRANDE PORTE

Advanced Thermal Systems Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio Multifrio Comércio de Refrigeração São Rafael

CÂMARAS REFRIGERADAS

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio São Rafael

CENTRAIS DE AR CONDICONADO INDUSTRIAL

COMPRESSOR EMBRACO

Jetfrio

COMPRESSORES

Danfoss do Brasil Dutra Máquinas Elmo Rietschle Jetfrio Multifrio Comércio de Refrigeração Tecumseh do Brasil

COMPRESSORES ALTERNATIVOS

Danfoss do Brasil Elmo Rietschle Jetfrio

COMPRESSORES PARAFUSO

Elmo Rietschle Jetfrio

COMPRESSORES REMANUFATURADOS

Jetfrio

CONDENSADORES

Heatcraft Jetfrio Semco Refrigeração

CONDENSADORES DE AR, JANELA E SPLIT SYSTEM

Jetfrio

Jetfrio

CHILLER

CONDENSADORES EVAPORATIVOS

Dpunion Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Jetfrio Körper Sistemas de Resfriamento de Água Tecnoglobo

CLIMATIZAÇÃO DE ÁREAS

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio

CLIMATIZADOR EVAPORATIVO

Jetfrio

COMPONENTES PARA AR CONDICIONADO

Danfoss do Brasil

Heatcraft Semco Refrigeração Spadaro Imports

CONGELADOR DE PLACAS

Frigostrella do Brasil Jetfrio Quimis Aparelhos Científicos

CONGELADOR HORIZONTAL DE PLACAS

Frigostrella do Brasil Jetfrio Quimis Aparelhos Científicos

CONGELADOR VERTICAL DE PLACAS

COMPONENTES PARA INSTALAÇÃO DE AMÔNIA (NHS)

Frigostrella do Brasil Jetfrio Quimis Aparelhos Científicos

COMPONENTES PARA REFRIGERAÇÃO

CONGELADORES A PLACA HORIZONTAL

Danfoss do Brasil

Danfoss do Brasil Isoquip Refrigeração Ltda. Pfannenberg do Brasil

Frigostrella do Brasil Jetfrio Quimis Aparelhos Científicos

LÁCTEO

CONGELADORES A PLACA VERTICAL

Frigostrella do Brasil Jetfrio Quimis Aparelhos Científicos

CONGELADORES INDUSTRIAIS

Frigostrella do Brasil Jbt Foodtech Jetfrio

CONTROLADORES DE REFRIGERAÇÃO

Coel Danfoss do Brasil Every Control Jetfrio

CONTROLADORES DIGITAIS DE TEMPERATURA E UMIDADE

Coel Danfoss do Brasil Every Control Jetfrio

CONTROLADORES E SENSORES DE TEMPERATURA, PRESSÃO E UMIDADE

Burkert Coel Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Danfoss do Brasil Every Control Jetfrio Ziehl-abegg do Brasil

CONTROLADORES ELETRÔNICOS

Burkert Coel Danfoss do Brasil Every Control Jetfrio Ziehl-abegg do Brasil

CONTROLE PARA REFRIGERAÇÃO

Coel Danfoss do Brasil Jetfrio

CONTROLES AUTOMÁTICOS

Danfoss do Brasil

CONTROLES DE NÍVEL

Danfoss do Brasil Emerson Process Management

CONTROLES DE TEMPERATURA

Coel Danfoss do Brasil Every Control Jetfrio


72

LISTA DE PRODUTOS

Refrigeração

CONTROLES MECANICOS EM GERAL PARA REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO

Coel Danfoss do Brasil Jetfrio

CONTROLES PARA REFRIGERAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL

Coel Danfoss do Brasil Jetfrio

CONVERSORES E INVERSORES DE FREQUÊNCIA

Danfoss do Brasil

CORTINA EM LÂMINAS DE PVC

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio

CORTINAS DE AR

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio

CORTINAS DE AR LINHAS CONFORTO E INDUSTRIAIS

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio

CORTINAS DE PVC PARA CÂMARAS FRIGORÍFICAS

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio

D DEPÓSITOS DE LÍQUIDO

Jetfrio

DESCONTAMINADOR DE EVAPORADORES

DIMENSIONAMENTO DE CÂMARAS FRIGORÍFICAS

Isoquip Refrigeração Ltda.

DRY COOLER

Körper Sistemas de Resfriamento de Água

E ECLUSAS DE GELO

Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio

EQUIPAMENTOS DE REFRIGERAÇÃO PARA TRANSPORTE FRIGORÍFICO

Danfoss do Brasil Jetfrio

EQUIPAMENTOS PARA MATURAÇÃO DE PRESUNTO, EMBUTIDOS E QUEIJOS

Casa Forte Foss Brasil Inox Tecnologia West Equipamentos

ESTERILIZADORES PARA LEITE UHT

West Equipamentos

EVAPORADOR DE AR FORÇADO

Heatcraft Jetfrio

EVAPORADOR DE AR FORÇADO TIPO PISO

Interozone

Jetfrio

DESUMIDIFICADORES

EVAPORADOR DE AR FORÇADO TIPO TETO

Dpunion Dynamic Air Jetfrio

DETECTORES DE GÁS

Akso Produtos Eletrônicos Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Every Control Jetfrio

DETETORES DE VAZAMENTO

Every Control Jetfrio

Heatcraft Jetfrio

EVAPORADORES

Dpunion Heatcraft Jetfrio Multifrio Comércio de Refrigeração Quimis Aparelhos Científicos Spadaro Imports Tambflex

EXPANSÃO ELETRÔNICA

Jetfrio

F FÁBRICA DE GELO

Frigostrella do Brasil Jetfrio Poly Clip

FABRICADORES DE GELO

Frigostrella do Brasil Jetfrio

FABRICADORES DE GELO EM TUBINHOS

Jetfrio

FÁBRICAS DE GELO EM ESCAMAS

Frigostrella do Brasil Jetfrio

FÁBRICAS DE GELO EM TUBOS

Jetfrio

FÁBRICAS DE GELO TIPO ESCAMAS, CUBOS E BLOCOS

Frigostrella do Brasil Jetfrio

FECHAMENTO INDUSTRIAL EM PAINÉIS

Isoquip Refrigeração Ltda.

FILTROS

Águia Inox Castinox Danfoss do Brasil Inox Tecnologia Norgren sf International Solberg Tech Filter Tecnoglobo

FORÇADORES

Jetfrio

FORÇADORES DE AR PARA CÂMARAS FRIAS

Jetfrio Multifrio Comércio de Refrigeração West Equipamentos

G GÁS REFRIGERANTE

Jetfrio

GASES PARA REFRIGERAÇÃO

Jetfrio Multifrio Comércio de Refrigeração

GERADOR DE GELO EM ESCAMAS

Frigostrella do Brasil Jetfrio

I INSTALAÇÕES FRIGORÍFICAS

Advanced Thermal Systems


73

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

LÁCTEO

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio Rgo Máquinas Industriais Ltda. Vpg Consultoria e Projetos Ltda

Jetfrio Tambflex

Jetfrio Vastin

INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO

ISOLAMENTO TÉRMICO EM ESPUMA ELASTOMÉRICA

Jetfrio

MÁQUINA DE GELO EM ESCAMAS E CUBOS

Akso Produtos Eletrônicos Burkert Emerson Process Management Gehaka Jetfrio Quimis Aparelhos Científicos

INSTRUMENTOS DE PRECISÃO

Akso Produtos Eletrônicos Gehaka Jetfrio Quimis Aparelhos Científicos

INSTRUMENTOS DIGITAIS PARA CONTROLE E INDICAÇÃO DE TEMPERATURA, UMIDADE, TEMPO, PRESSÃO E VOLTAGEM

Coel

ISOLAÇÃO TÉRMICA

Isoquip Refrigeração Ltda.

L LAMPARINA DETECTORA DE VAZAMENTO

Frigostrella do Brasil Jetfrio

MÁQUINA PARA FABRICAÇÃO DE GELO EM BLOCOS

Jetfrio

Jetfrio

LINHA COMPLETA DE EQUIPAMENTOS PARA REFRIGERAÇÃO INDUSTRIAL EM AMÔNIA

MÁQUINA PARA FABRICAÇÃO DE GELO EM ESCAMAS HORIZONTAL

Danfoss do Brasil Jetfrio

M MANÔMETROS

Akso Produtos Eletrônicos Bringer Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Danfoss do Brasil Dutra Máquinas

Jetfrio

MÁQUINAS DE GELO

Frigostrella do Brasil Jetfrio

MÁQUINAS DE GELO EM TUBOS E ESCAMAS

Jetfrio

MÁQUINAS DE GELO PARA REFRIGERAÇÃO INDUSTRIAL

Jetfrio


74

LISTA DE PRODUTOS

Refrigeração

MÁQUINAS FABRICADORAS DE GELO EM ESCAMAS E BLOCOS

Jetfrio

MICROMOTOR

Ebm-papst Motores Ventiladores Ltda.

PORTA SECCIONAL

Isoquip Refrigeração Ltda.

PORTAIS DE ABRIGO E SELAMENTO

Inovadoor Portas Industriais Ltda.

PORTAS FRIGORÍFICAS PARA ATMOSFERA CONTROLADA

Jetfrio

PORTAS ISOLANTES MANUAIS E AUTOMÁTICAS

PORTAL DE SELAMENTO

Isoquip Refrigeração Ltda.

Inovadoor Portas Industriais Ltda.

Inovadoor Portas Industriais Ltda. Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio

MONOBLOCOS FRIGORÍFICOS

PORTAS FLEXÍVEIS

PORTAS ISOPLANAS E PORTAS VAI E VEM RÍGIDAS

MONOBLOCOS DE REFRIGERAÇÃO - PLUG IN

Danfoss do Brasil

MOTOVENTILADORES

Ebm-papst Motores Ventiladores Ltda. Jetfrio Ziehl-abegg do Brasil

P PAINÉIS EM POLIURETANO

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio

PAINÉIS FRIGORÍFICOS

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio

PAINÉIS FRIGORÍFICOS EM EPS, PUR, PIR E LDR

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio

PAINÉIS ISOLANTES EM PUR E EM EPS

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio

PAINÉIS ISOLANTES TÉRMICOS

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio

PAINÉIS ISOTÉRMICOS

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio Multifrio Comércio de Refrigeração

PAINÉIS TERMOISOLANTES

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio

PEÇAS E COMPONENTES PARA REFRIGERAÇÃO E VENTILAÇÃO INDUSTRIAL

Danfoss do Brasil Luftec Hélices Pfannenberg do Brasil

PEÇAS PARA COMPRESSORES

Jetfrio

Inovadoor Portas Industriais Ltda. Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio

PORTAS FRIGORÍFICAS

Casa Forte Inovadoor Portas Industriais Ltda. Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio

PORTAS FRIGORÍFICAS COM ISOLAMENTO INTERNO EM PUR

Inovadoor Portas Industriais Ltda. Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio

PORTAS FRIGORÍFICAS COMERCIAIS DE CORRER E GIRATÓRIA COM ISOLAMENTO INTERNO EM PUR

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio

PORTAS FRIGORÍFICAS GIRATÓRIAS DE SOBREPOR E DE CORRER

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio

PORTAS FRIGORÍFICAS GUILHOTINA

Inovadoor Portas Industriais Ltda. Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio

PORTAS FRIGORÍFICAS INDUSTRIAIS COM PASSAGEM DE TRILHO

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio

PORTAS FRIGORÍFICAS INDUSTRIAIS DE CORRER MANUAIS OU AUTOMÁTICAS

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio

PORTAS SECCIONAIS (DOCAS)

Inovadoor Portas Industriais Ltda. Isoquip Refrigeração Ltda.

PORTAS TERMOISOLANTES

Inovadoor Portas Industriais Ltda. Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio

PORTAS VAI E VEM

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio

PRESSOSTATO DIFERENCIAL

Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Jetfrio

PRESSOSTATOS

Ascoval Indústria e Comércio Ltda. Bringer Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Danfoss do Brasil Every Control Jetfrio Norgren

PURGADOR PARA NH3

sf International

Q QUADRO ELÉTRICO DE COMANDO

Betori Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Jetfrio Spadaro Imports

QUADROS ELÉTRICOS

Jetfrio Spadaro Imports


75

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

R RACKS

Dpunion Heatcraft Jetfrio Vertz Equipamentos

RECHILLER - RESFRIADORES DE ÁGUAS PARA PRECHILLER E CHILLER

West Equipamentos

RECIPIENTES DE LÍQUIDOS

West Equipamentos

REFRIGERAÇÃO INDUSTRIAL

Danfoss do Brasil Jetfrio Pfannenberg do Brasil Vastin

REGENERADORES A PLACAS

Tambflex

REGISTRADOR DE TEMPERATURA

Akso Produtos Eletrônicos

Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda

REGISTRADOR DE UMIDADE

Akso Produtos Eletrônicos Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda

REGISTROS

Vastin

REPOSIÇÃO DE BITZER

Jetfrio

RESERVATÓRIO AMÔNIA / FREON

Jetfrio

RESERVATÓRIO DE AMÔNIA

Jetfrio

RESERVATÓRIO DE LÍQUIDO

Jetfrio Jopemar Tanques de Aço Inox Spadaro Imports

RESFRIADORES

Bralyx Casa Forte

Jetfrio Semco Refrigeração West Equipamentos

RESFRIADORES A PLACAS

Casa Forte Instruval Jetfrio Spadaro Imports Sumá Tambflex West Equipamentos

RESFRIADORES DE LÍQUIDO

Dala ar Jetfrio Semco Refrigeração Spadaro Imports West Equipamentos

RESFRIADORES DE LÍQUIDOS

Dala ar Jetfrio Semco Refrigeração Spadaro Imports West Equipamentos

LÁCTEO


76

LISTA DE PRODUTOS

Refrigeração

RESFRIADORES DE LÍQUIDOS A PLACAS

Casa Forte Jetfrio Spadaro Imports West Equipamentos

RESFRIADORES DE LÍQUIDOS CHILLERS

Casa Forte Dala ar Jetfrio West Equipamentos

RESFRIADORES DE SUPERFÍCIE RASPADA

SEPARADORES ÓLEO ÁGUA

Danfoss do Brasil Jetfrio

SISTEMA DE AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO

Pfannenberg do Brasil

SISTEMAS DE AR CONDICIONADO RESIDENCIAIS E INDUSTRIAIS

Jetfrio

SISTEMAS FRIGORÍFICOS PARA APLICAÇÕES ESPECÍFICAS COM PROJETO PRÓPRIO

Jetfrio

Jetfrio Spadaro Imports West Equipamentos

Burkert Jetfrio

RESFRIADORES INTERMEDIÁRIOS E EVAPORATIVOS DE LÍQUIDO

Jetfrio

Jetfrio

S SALAS DE MANIPULAÇÃO

Jetfrio

SENSORES

Burkert Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Danfoss do Brasil Emerson Process Management Jetfrio

SEPARADORES DE LÍQUIDOS

Danfoss do Brasil Inox Tecnologia Jetfrio

SEPARADORES DE LÍQUIDOS HORIZONTAIS

Danfoss do Brasil Jetfrio

SEPARADORES DE LÍQUIDOS VERTICAIS

Danfoss do Brasil Jetfrio

SEPARADORES DE ÓLEO / GASES REFRIGERANTES

Danfoss do Brasil Jetfrio Solberg

SOLENÓIDE

SOPRADORES DE GELO T TANQUE DE ÁGUA GELADA

Exsys - Industria Jetfrio Jopemar Tanques de Aço Inox West Equipamentos

TANQUES DE LÍQUIDO

Buldrinox Inox Tecnologia Jetfrio Therj West Equipamentos

TANQUES DE RESFRIAMENTO

Buldrinox Casa Forte Inox Tecnologia West Equipamentos

TANQUES DE RESFRIAMENTO DE ÁGUA GELADA

Dpunion Dutra Máquinas Every Control Jetfrio

TERMOSTATOS

Ascoval Indústria e Comércio Ltda. Bringer Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Danfoss do Brasil Every Control Jetfrio

TERMOSTATOS E UMIDOSTATOS PARA REFRIGERAÇÃO E AQUECIMENTO

Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Every Control Jetfrio Pfannenberg do Brasil

TORRE DE RESFRIAMENTO DE ÁGUA COM CIRCUITO ABERTO E FECHADO

Jetfrio Körper Sistemas de Resfriamento de Água Semco Refrigeração West Equipamentos

TORRES DE RESFRIAMENTO

Casa Forte Jetfrio Körper Sistemas de Resfriamento de Água Qualiterme Semco Refrigeração West Equipamentos

TRANSMISSORES DE PRESSÃO

TEMPORIZADORES

Bringer Burkert Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Danfoss do Brasil Emerson Process Management

TERMÔMETROS

TRANSMISSORES DE TEMPERATURA

Buldrinox Casa Forte West Equipamentos Every Control

Abc de Itaperuna - rj Akso Produtos Eletrônicos Bringer Casa Das Desnatadeiras Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda

Bringer Burkert Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Danfoss do Brasil Emerson Process Management


Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

TRANSPORTADORES HELICOIDAIS DE GELO

Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia

TROCADORES DE CALOR

Brasholanda Buldrinox Casa Forte Exsys - Industria Frigostrella do Brasil Inox Tecnologia Körper Sistemas de Resfriamento de Água Spadaro Imports Suprinox

TROCADORES DE CALOR DE PLACAS

Arauterm Brasholanda Danfoss do Brasil Exsys - Industria Frigostrella do Brasil Instruval Spadaro Imports Spx Flow Technology do Brasil

Suprinox West Equipamentos

TROCADORES DE CALOR DE SUPERFÍCIE RASPADA

Buldrinox Spadaro Imports Spx Flow Technology do Brasil

TUBO ESPONJOSO

Jetfrio

TÚNEIS DE CONGELAMENTO

Bralyx Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio

TÚNEIS DE RESFRIAMENTO

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio Spadaro Imports West Equipamentos

TÚNEL DE CONGELAMENTO IQF PARA VEGETAIS E FRUTAS

Jetfrio

LÁCTEO

TÚNEL DE ESTEIRA RETA PARA RESFRIAMENTO DE QUEIJOS E REQUEIJÃO

Jetfrio Solpac West Equipamentos

TÚNEL ESPIRAL PARA RESFRIAMENTO DE QUEIJOS E REQUEIJÃO

Jetfrio West Equipamentos

U ULTRACONGELADORES

Jetfrio Quimis Aparelhos Científicos

UMIDIFICADORES

Dpunion Jetfrio

UNIDADE CONDENSADORA PARA CÂMARA FRIA

Danfoss do Brasil Heatcraft

77


78

ARTIGO TÉCNICO

Refrigeração

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

Isoquip Refrigeração Ltda. Jetfrio West Equipamentos

Traptec Vastin

UNIDADE DE ÁGUA GELADA

Danfoss do Brasil Jetfrio Vastin

Haas do Brasil Jetfrio Körper Sistemas de Resfriamento de Água Qualiterme West Equipamentos

UNIDADE REFRIGERADORA

Jetfrio

UNIDADES CONDENSADORAS

Danfoss do Brasil Heatcraft Inox Tecnologia Jetfrio Multifrio Comércio de Refrigeração Tecumseh do Brasil

UNIDADES CONDENSADORAS HERMÉTICAS E SEMI-HERMÉTICAS

Danfoss do Brasil Heatcraft Jetfrio Tecumseh do Brasil

UNIDADES RESFRIADORAS DE LÍQUIDO A PLACAS

Jetfrio West Equipamentos

V VÁLVULA DE RETENÇÃO

Castinox Danfoss do Brasil Inoxserv Jetfrio Pentair sf International Vastin Zanardo Válvulas Industriais

VÁLVULA DE SEGURANÇA E ALÍVIO

Castinox Danfoss do Brasil Jetfrio Pentair Traptec Vastin Zanardo Válvulas Industriais

VÁLVULA DO TIPO GLOBO PARA REFRIGERAÇÃO

Jetfrio

VÁLVULA EXPANSÃO

VÁLVULA MICROMÉTRICA

Jetfrio

VÁLVULA SOLENÓIDE

Ascoval Indústria e Comércio Ltda. Burkert Casa Forte Danfoss do Brasil Dynamic Air Inoxserv Jetfrio Vastin Zanardo Válvulas Industriais

VÁLVULAS

Ascoval Indústria e Comércio Ltda. Bringer Burkert Casa Das Desnatadeiras Danfoss do Brasil Inoxserv Jetfrio Norgren Pentair sf International Suprinox Vastin Zanardo Válvulas Industriais

VÁLVULAS DE BLOQUEIO

Bringer Castinox Danfoss do Brasil Emerson Process Management Jetfrio sf International Traptec Vastin Zanardo Válvulas Industriais

VÁLVULAS INDUSTRIAIS

Bringer Burkert Danfoss do Brasil Emerson Process Management Inoxserv Instruval Jetfrio Norgren Pentair sf International Suprinox

LÁCTEO

Traptec Vastin Zanardo Válvulas Industriais

VÁLVULAS PARA AQUECIMENTO INDUSTRIAL

Danfoss do Brasil Inoxserv Jetfrio sf International Traptec Vastin

VÁLVULAS PARA PROCESSOS

Ascoval Indústria e Comércio Ltda. Bringer Emerson Process Management Inoxserv Jetfrio Norgren Pentair sf International Vastin Zanardo Válvulas Industriais

VÁLVULAS PARA REFRIGERAÇÃO

Bringer Danfoss do Brasil Inoxserv Jetfrio Traptec Vastin Zanardo Válvulas Industriais

VÁLVULAS PARA REFRIGERAÇÃO E TÉRMICAS

Danfoss do Brasil Inoxserv Jetfrio Traptec Vastin Zanardo Válvulas Industriais

VÁLVULAS PARA VAPOR E ÓLEO TÉRMICO

Castinox Danfoss do Brasil Inoxserv Jetfrio sf International Traptec Vastin Zanardo Válvulas Industriais

VASOS DE PRESSÃO

B&b Inox

VISORES DE LÍQUIDOS

Danfoss do Brasil Jetfrio Vastin


ARMAZENAGEM, PALETES E TRANSPORTE


ARTIGO TÉCNICO

Armazenagem, Paletes e Transporte

Março/Abril 2014

79

Carolina Milner Merhi*

Leite como alimento – A importância da sua qualidade para a garantia da segurança alimentar do consumidor

A

estreita relação entre o consumo de leite e seus derivados e a melhoria da qualidade de vida é defendida por pesquisadores em todo o mundo. Populações com alta expectativa de vida consomem produtos lácteos em larga escala. Como apresenta elementos de alto valor nutritivo, tais como proteínas, vitaminas e sais minerais essenciais na alimentação, o leite tem sido considerado como uma das mais completas fontes de nutrientes para o ser humano. Vários estudos relatam que ele é consumido de forma universal por diversas faixas etárias, principalmente por crianças e idosos, sob a forma fluída ou de derivados lácteos. Neste contexto, quando produzido por vacas sadias e bem alimentadas, o leite de qualidade conserva as qualidades nutritivas ao longo das etapas de sua obtenção e não apresenta riscos à saúde humana ao ser consumido. É importante ressaltar que o leite, por ser um alimento rico em nutrientes, torna-se um excelente meio de cultura para o crescimento de microrganismos deteriorantes e patogênicos, interferindo diretamente no fluxograma de processamento tecnológico do derivado lácteo. Pode, ainda, transportar agentes causadores de doenças, tornando o produto impróprio para consumo. A maioria dessas enfermidades, denominadas de toxinfecções alimentares, é causada pelo consumo de alimentos contaminados com agentes patogênicos, os chamados “perigos biológicos”. Na área de segurança alimentar, perigo é definido como propriedades biológicas, físicas ou químicas que podem tornar os alimentos inseguros para o consumo humano. Os agentes patogênicos podem contaminar os alimentos nas várias etapas de produção e beneficiamento. Falhas na cadeia de produção, ou o abuso de exposição a tempo e

temperatura inadequados, podem permitir a sobrevivência de microrganismos e a viabilidade de toxinas, possibilitando a multiplicação de patógenos. As toxinfecções alimentares são consideradas como os principais problemas de saúde pública em diversos países, acometendo milhares de pessoas e determinando danos físicos, sociais e econômicos. Além disso, são avaliadas como uma das principais causas de mortalidade nessas localidades. Assim, as enfermidades de origem alimentar passaram a ter destaque e causaram maior preocupação. Além da questão de saúde pública, a presença de patógenos em alimentos determina barreiras comerciais a exportações, influenciando negativamente na imagem da indústria e, consequentemente, na economia de um país. Entre os fatores que mais contribuem para essas enfermidades estão a conservação de alimentos em temperaturas inapropriadas e a higiene inadequada durante o processo produtivo, o que envolve toda a cadeia de alimentos, começando na propriedade rural, passando pela indústria e chegando à mesa do consumidor. Do ponto de vista do controle de qualidade, o leite e os derivados lácteos estão entre os alimentos mais testados e avaliados, principalmente devido à importância que representam e à sua natureza perecível. Alimentos de origem animal, como leite e carne, são naturalmente susceptíveis à contaminação por agentes patogênicos provenientes dos animais produtores e dos processos de abate e industrialização. São, ainda, importantes veiculadores de agentes zoonóticos. Por essa razão, a fiscalização prévia é fundamental para que eles sejam considerados adequados ou não ao consumo, além de apontar os

tratamentos que podem ser aplicados para esse fim, como a pasteurização. Assim, os procedimentos rotineiros de inspeção higiênico-sanitária e tecnológica não podem ser negligenciados na cadeia produtiva desses alimentos. O elemento mais importante na cadeia produtiva do leite é a produção na fazenda. O que se fizer com a matéria-prima após a ordenha, afinal, pode apenas manter ou piorar sua qualidade. A oferta de alimentos de boa qualidade exige uma série de medidas de controle em todas as etapas produtivas. Produtores de alimentos e mercado varejista também devem atender aos requisitos de qualidade e segurança alimentar. Dessa forma, diante do crescimento da demanda de produtos à base de leite e dos riscos sanitários presentes, é indispensável a aquisição de uma matéria-prima de qualidade, que garanta o processamento de um alimento seguro para o consumidor. Para referências entre em contato: itamar@agenciavenga.com

* Carolina Milner Merhi é Médica Veterinária, mestre em Epidemiologia e Controle de Qualidade de Produtos de Origem Animal, instrutora no Centro de Tecnologia SENAI-RJ Alimentos e Bebidas, Auditora Líder ISO 22000:2005, consultora do PAS Leite, e, atua na área de Controle de Qualidade de Alimentos de Origem Animal e Segurança Alimentar.


80

LISTA DE PRODUTOS

Armazenagem, Paletes e Transporte

A ARMAZENAGEM / DISTRIBUIÇÃO PARA MERCADO INTERNO Arfrio S/a Cefri Armazenagem Interroll Ssi Schaefer Ltda ARMAZENAGEM COM TEMPERATURA CONTROLADA PARA PRODUTOS ALIMENTÍCIOS Arfrio S/a Cefri Armazenagem Ssi Schaefer Ltda AUTOPORTANTE Ssi Schaefer Ltda

C CANTONEIRAS Cantoneiras Brasilfix CARRINHOS INDUSTRIAIS Dutra Máquinas Erfonn Eletro Maquinas Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Inox Tecnologia Rgo Máquinas Industriais Ltda. Therj CARROCERIAS ISOTÉRMICAS E FRIGORÍFICAS hc Hornburg Carrocerias Frigoríficas CARROS HIDRÁULICOS Dutra Máquinas CONTEINERES Myers do Brasil CONTÊINERES FRIGORÍFICOS Jetfrio CONTENTORES Myers do Brasil Rentank Rgo Máquinas Industriais Ltda. Therj Vertz Equipamentos CONTENTORES ARTICULADOS BAG IN BOX Rentank

D DRIVE-IN Vertz Equipamentos

E EMPILHADEIRA TRACIONÁRIA Dutra Máquinas

EQUIPAMENTOS DE REFRIGERAÇÃO Jetfrio Omegabelt Brasil Pfannenberg do Brasil Tecumseh do Brasil

F FLOW RACK Interroll Vertz Equipamentos

M MESA PANTOGRÁFICA Vertz Equipamentos

N NIVELADORA DE DOCA Spadaro Imports Vertz Equipamentos

P PALETE METÁLICO HERMÉTICO Vertz Equipamentos PALETEIRAS Dutra Máquinas PALETES METÁLICOS Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Vertz Equipamentos PALETES PLÁSTICOS Myers do Brasil Plm Plásticos PALETIZAÇÃO Cyklop Motoman Robótica do Brasil Ottime Solpac

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

LÁCTEO

R RACKS ARAMADOS Vertz Equipamentos RACKS EM SISTEMA PARALELO Heatcraft Jetfrio RACKS METÁLICOS Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Vertz Equipamentos RACKS PARA ARMAZENAGEM DE LÍQUIDOS Jetfrio RACKS PARA CÂMARAS FRIAS Heatcraft Jetfrio Vertz Equipamentos RODAS E RODÍZIOS PARA CARRINHOS INDUSTRIAIS B&b Inox RODÍZIOS Dutra Máquinas Interroll ROLETES E RODÍZIOS PARA TRANSPORTADORES Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Interroll

S SISTEMA DE ARMAZENAGEM Bertolini Sistemas de Armazenagem Interroll SISTEMA DE ARMAZENAGEM DINÂMICA E PUSH-BACK Bertolini Sistemas de Armazenagem Interroll

PLATAFORMAS HIDRÁULICAS PARA ELEVAÇÃO DE CARGAS Rgo Máquinas Industriais Ltda. Vertz Equipamentos

SISTEMA PARA TRANSPORTE E ESTOCAGEM DE PÓ Spadaro Imports

PORTA PALLET Vertz Equipamentos

SISTEMAS DE MOVIMENTAÇÃO Interroll

PORTA-BAG Vertz Equipamentos PORTAS RAPIDAS Inovadoor Portas Industriais Ltda. PORTAS SECCIONAIS Inovadoor Portas Industriais Ltda.

EMPILHADEIRAS Dutra Máquinas Trans Erg

PRATELEIRAS PARA CÂMARAS FRIGORÍFICAS B&b Inox Jetfrio Therj

EMPILHADEIRAS COM BALANÇAS Dutra Máquinas

PUSH BACK Interroll

T TRANSPALETEIRA TRACIONÁRIA Dutra Máquinas TRANSPALETEIRAS Dutra Máquinas TRANSPALETEIRAS EM INOX Dutra Máquinas TRANSPORTADORES CONTÍNUOS DE CORREIAS Abemag Seladoras Gehaka Interroll Rgo Máquinas Industriais Ltda. Spadaro Imports


HIGIENIZAÇÃO E SEGURANÇA


82

ARTIGO TÉCNICO

Higienização e Segurança

Na guerra pela higiene e segurança a melhor aliada é a água

A estratégia da guerra

P

ostados nos campos verdejantes da Escócia, dois aglomerados podiam ser observados. De um lado apenas um monte, desalinhado e barulhento, enquanto no canto oposto, perfilados e organizados, soldados aguardavam o desenrolar dos eventos. Quando Willian Wallace atravessou as linhas inimigas para anunciar os termos de rendição para o poderoso exército inglês, ele sabia que haveria uma batalha e que, no fim, ele venceria a guerra. Arrogante e cheia de seu orgulho mesquinho, a cavalaria mais poderosa do império não suportou um bando de maltrapilhos portando armas rudimentares. Assim, a Escócia libertou-se da tirania inglesa. Mas o que foi determinante na batalha? A força de vontade de fazer o que era certo? A habilidade ou o conhecimento de cada um? O que venceu a guerra? O termo estratégia e logística, embora seja amplamente utilizado no meio corporativo, nasceu e ganhou corpo nas guerras. O que venceu esta batalha foi, justamente, a estratégia aliada à inovação, a mudança de conceitos, a quebra de paradigmas. Durante pouco mais de cinco anos trabalhei na maior cervejaria do Brasil. Responsável pelos processos microbiológicos da produção, minha função era garantir que todas as etapas do processo estivessem controladas e isentas de contamina-

ção cruzada. Tanques fermentadores e maturadores de milhões de litros da bebida mais amada pelos brasileiros passavam por um rigoroso processo de limpeza CIP (Cleaning in Place) – um sistema em que os tanques passam por diversos procedimentos até serem liberados, como coleta de amostras e inoculação em meios de cultura apropriados, o que poderia levar até dois dias apenas aguardando os resultados. Esses procedimentos visavam garantir a qualidade da bebida, que poderia ser afetada pelo desenvolvimento de microrganismos estranhos ao meio, causando um sabor desagradável ao paladar. O que Willian Wallace tem a ver com análises microbiológicas de uma cervejaria? Depois de circular por corredores de tanques fermentadores e maturadores com milhões e milhões de litros cerveja, em um ambiente extremamente limpo, com inox polido e um rigoroso processo de limpeza, tentem imaginar o impacto que me causou uma sala de ordenha, onde se manipula um produto cru, rico em proteína, açúcar, gordura e outros nutrientes que compõem um dos mais perfeitos meio de cultura. O leitor pode até pensar que estou exagerando na comparação. Mas volte ao início do texto: os ingleses riram de Willian Wallace, o guerreiro escocês, quando ele pediu que se rendessem. Garantir higiene e segurança do produto, possivelmente, mais consumido no mundo

– o leite – não pode continuar sendo uma questão de opção. Está na hora das empresas e dos setores regulamentadores entrarem nessa guerra com a certeza de que vão vencer. Há pouco mais de dez anos, quando fui convidado por uma grande empresa do setor de aves e suínos para apresentar uma solução de melhoria da qualidade da água bebida por animais, eu ressaltava que minha especialidade era qualidade de água, e não produção animal. Sempre, entretanto, tive a seguinte convicção: o padrão e a qualidade da água utilizada pelo ser humano é o que deveria estar presente em todo processo de produção. Confesso que, em um dado momento, não acreditava ser possível mudar este conceito. Mas, atualmente, na avicultura e suinocultura, o assunto nem sequer é mais discutido quanto aos benefícios. Ao contrário, hoje discutem-se as técnicas de melhoria de qualidade da água e os processos mais seguros e sofisticados, porque percebeu-se a importância dos benefícios. O tema, que era qualidade da água, passou a ser sanidade e evoluiu para biosseguridade, o que envolve uma série de procedimentos para garantir a higiene e a segurança da produção, incluindo a água em todas as suas possíveis utilizações. Isso foi uma quebra de paradigma, uma inovação que exigiu uma estratégia pensada e calculada. Não foi uma guerra fácil de vencer.


83

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

Com pouco mais de cinco anos no mercado do leite, entretanto, receio estar perdendo a esperança de que o tema adquira relevância. Os procedimentos de higiene exigidos na limpeza da sala de ordenha, ou mesmo durante a ordenha, estão amplamente descritos e ensinados pelos mais diversos segmentos ligados ao mercado de produção. Existem inúmeras empresas que oferecem produtos cada vez mais eficientes para os procedimentos de higienização. O que eu nunca vi é uma empresa explicar que, após o procedimento de limpeza, a água de enxágue precisa ser clorada e isenta de contaminação microbiológica. Entender e aceitar que higiene é fundamental à segurança do leite é hoje algo indiscutível – o tema já é insistentemente discutido em eventos, simpósios, artigos técnicos, pesquisas e tantos outros meios. Embora não seja um especialista na produção de leite, participei de muitos eventos ligados ao segmento, escrevi e li artigos, falei com inúmeras pessoas ligadas do mercado. E minha observação é que o conceito sobre a importância do tratamento adequado da água não muda. Com raras exceções, a grande maioria se porta como a cavalaria inglesa: ignora o inimigo mais fraco

e os riscos que oferecem. Arma-se de técnicas conhecidas, consagradas e que certamente devem ser mantidas, mas se esquece de inovar, de olhar adiante para detectar outras causas e mudar procedimentos. Os eventos discutem a alimentação ideal, a detecção de doenças e tratamentos, o conforto térmico, as técnicas de manejo animal. Todos, enfim, se armam do mesmo modo, enquanto um inimigo silencioso mina as forças de um poderoso arsenal.

A arma do inimigo

Quando descrita pela primeira vez, no final do século XIX, a Escherichia coli foi denominada Bacterium coli commune, pois era uma bactéria encontrada no cólon e extremamente comum em animais e humanos. Desde as primeiras pesquisas com este microrganismo, ficou clara sua associação com a diarreia, particularmente em crianças. Na atualidade, entre os agentes de doenças transmitidos por alimentos, a Escherichia coli passou a merecer especial atenção da indústria de produtos alimentícios, das autoridades de saúde e da própria sociedade, todos preocupados com suas graves consequências. Sob condições propícias de cres-

LÁCTEO

cimento, ou seja, condições físicas, químicas e nutricionais adequadamente balanceadas (leite cru), a Escherichia coli apresenta um tempo de geração médio de 20 minutos. Isso representa uma presença de aproximadamente 4x109 microrganismos no período de 12 a 18 horas, partindo de uma única unidade da bactéria. Quantas unidades formadoras de colônias (UFC) de coliformes serão necessárias para condenar o leite? Segundo o Manual de Vigilância e controle da qualidade da água para consumo humano (Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006), é pouco provável que os “coliformes fecais” se desenvolvam em água tratada, a menos que exista abundância de nutrientes, que ocorra pós-contaminação, que a temperatura da água tratada seja inferior a 13 oC e que não exista cloro residual livre (OMS, 1995). Assim, tais bactérias são os mais confiáveis indicadores da qualidade da água tratada e distribuída. Isso quer dizer que a água limpa, com padrões estabelecidos para o consumo humano, não é um ambiente adequado para o desenvolvimento de coliformes.


84

ARTIGO TÉCNICO

Higienização e Segurança

Em complemento, vale ressaltar que a E. coli é a bactéria mais resistente a um processo de desinfecção de água via cloração – e, por isso, é o melhor indicador da eficiência do processo de tratamento da água. Se não há coliformes, certamente nenhum outro agente patogênico estará presente. A justificativa mais comum, utilizada pelo mercado, é a de que o produtor não pode ser penalizado ao absorver mais um custo de produção. Isso é um desculpa indolente, de quem não quer se preocupar com a mudança e prefere ficar acomodado onde está. Ter água de qualidade não custará, em média, mais do que R$ 0,004 por litro de leite produzido. Nada justifica deixar de investir em qualidade de água. Isso para não dizer que os dois principais órgãos federais reguladores, o Ministério da Agricultura e o Ministério da Saúde, possuem legislações claras que orientam a prática da cloração da água.

A resistência a mudanças

A acédia é a maior causa de resistência encontrada em qualquer ser humano quando trata-se de mudanças que precisam ser enfrentadas voluntariamente. Pouco utilizado no português, o termo vem do grego akedía, que indica indiferença, torpor, exaustão. É traduzida em nossa língua por: 1. Falta de vontade ou de energia, adinamia, frouxidão, indolência; 2. Negligência; 3. Grande melancolia ou apatia. Diferentemente da preguiça, que indica uma indisposição física, a acédia é a preguiça da alma, do espírito. É a acomodação, o não querer enfrentar a realidade porque isso dará trabalho. Conscientemente, assim, exime-se da tarefa. Isso é pior do que a preguiça. Uma pesquisa simples, realizada com um grupo de profissionais do mercado de leite, no LinkedIn, dá uma boa noção da percepção geral sobre o tema. Pergunta: Certos que a qualidade da água impacta na qualidade do

leite, a que você atribuiria o fato de produtores e empresas não tratarem a água na produção de leite? Respostas: Cultural! sempre foi assim Desconhecimento não sei como! Medo...cloro é perigoso Falta cobrança das empresas Desconhecem a recomendação da IN62

(31%) (10%) (0%) (31%)

(26%)

Ninguém, curiosamente, culpou o cloro por não tratar a água. A grande maioria – 62% - associa a ausência de tratamento a um conceito cultural e à falta de cobrança das empresas. O conceito geral de que a água é boa, de que é utilizada há mais de 50 anos e nunca deu problemas, de que tratará se um dia houver problemas, não existe quando se fala de segurança. Segurança é prevenção. Por isso o Ministério da Saúde e da Agricultura exigem que toda água destinada ao consumo humano, ou que entre em contato de forma direta ou indireta com o alimento, deve ser tratada e clorada. A Instrução Normativa 61 diz que a água deve ser clorada e o cloro deve ser monitorado diariamente. Enquanto resistimos a adotar práticas e medidas que garantam a qualidade da água e a segurança dos alimentos, dos animais e das pessoas que residem no campo, nosso inimigo sorrateiramente está ganhando espaço no campo de batalha a cada ano que passa. Para agravar a questão da qualidade, temos enfrentado problemas com a quantidade de água disponível. Os índices de precipitação estão variando consideravelmente em todas as regiões. Possivelmente, em um futuro não muito distante, caso não tenhamos desenvolvido técnicas de manejo hídrico que promovam redução e otimização de consumo, bem como não minimizemos os impactos causados aos recursos hídricos, te-

remos que promover significativas mudanças regionais nas atividades de produção rural. Os resíduos das instalações de animais confinados em algumas regiões já podem ser considerados como a principal fonte de poluição dos recursos hídricos, superando até mesmo as indústrias, reconhecidas até então como as maiores vilãs da degradação ambiental. A pecuária é certamente a atividade que causa maior impacto nos recursos hídricos. Em um projeto de doutorado na UNICAMP/FEAGRI, recentemente conduzido pelo Prof. Edu Max, sobre sistemas naturais para tratamento de resíduos líquidos da bovinocultura de leite, realizado no campus do IFSULMINIAS em Inconfidentes (MG), demonstrou-se que os resíduos gerados são piores do que os encontrados na suinocultura. A produção de resíduo líquido na unidade onde foi realizada a pesquisa está em torno de 4,54 vezes maior que a produção de leite in natura (Setembro/2012). Ou seja, para cada quilo de leite gera-se 4,54 kg de resíduos que contaminam o solo e a água. O que agrava a situação é que, se não temos água suficiente para nossas atividades, utilizamos qualquer água disponível – isso quer dizer que qualidade é o que menos importa quando ela não é suficiente. Se temos água em abundância, naturalmente vamos nos preocupar com a qualidade. Um outro projeto em desenvolvimento no mesmo campus, do IFSULMINIAS, em Inconfidentes, trata do uso da água da chuva na atividade pecuária. No projeto, para dissertação de mestrado, também pela UNICAMP/FEAGRI, estamos captando, reservando e tratando a água e, por meio de análises, detectando seu padrão de qualidade para indicar possíveis aplicações. Considerando que esta água fosse indicada apenas para lavagem e afastamento dos resíduos da sala de ordenha, deixaríamos de captar 42.000 litros por mês, o suficiente


85

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

para abastecer uma família de seis pessoas. Uma água nobre, vinda de uma nascente, utilizada em uma atividade altamente poluidora. Ou seja, mesmo que captada apenas em períodos sazonais, a água de chuva promoverá uma forte contribuição para o uso racional dos recursos hídricos locais. Ter a água como aliada, nesta guerra, é uma questão de estratégia. Assim como Willian Wallace precisou convencer os nobres escoceses a lutarem ao seu lado, há uma árdua tarefa dos profissionais valentes do mercado de leite para convencer produtores a aderirem esta guerra. Mas já existem profissionais que caminham nesta direção, mostrando que há esperança de mudanças próximas. A médica veterinária Thalyta Marcílio, especialista em qualidade do leite e instrutora do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural desde de 2008, com ampla experiência de

atendimento ao produtor rural, deixa-nos suas impressões sobre o tema.

Água na produção de leite

Segundo a Instrução Normativa 62, de 29 de novembro de 2011, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, que aprova o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade do leite cru refrigerado e todas as implicações para sua produção, a água de abastecimento de estabelecimentos produtores, bem como de estabelecimentos industrializadores de leite, deverá atender os padrões de potabilidade. Na produção leiteira, quantidade e qualidade de água são imprescindíveis para o sucesso da atividade, visto que suprem necessidades de consumo dos animais e dos homens, além de estarem presentes em todos os processos de limpeza e desinfecção de equipamentos de ordenha, instalações, higienização pessoal,

LÁCTEO

entre outros. A maior parte das propriedades leiteiras no Brasil desconhece a qualidade de sua água e muitas vezes negligenciam informações relevantes e que podem ser diferenciais. Produtores investem em estrutura, equipamentos, melhoramento genético, nutrição, sanidade e utilizam tecnologias de custo elevado, mas estão desprovidos de um planejamento de controle da qualidade da água de abastecimento. O conhecimento da qualidade microbiológica e físicoquímica desse insumo é uma questão inevitável para se produzir uma matéria-prima com qualidade satisfatória e prevenir resultados finais desagradáveis e indesejáveis.

Qualidade microbiológica da água

A utilização da água na bovinocultura leiteira ocorre em situações diversas, iniciando-se pelo consumo


86

ARTIGO TÉCNICO

Higienização e Segurança

dos bovinos. A água fornecida deve ser limpa, inodora, incolor, insípida e livre de contaminação microbiológica, química e física. Este nutriente é indispensável para produção de leite e a ingestão inferior às exigências dos animais comprometerá a produção. A água contaminada pode abarcar imensos prejuízos para o produtor de leite, como aumentar a contagem bacteriana, ser responsável por mastites, comprometer os processos de limpeza e até mesmo interferir em hábitos de higiene pessoal dos ordenhadores. Em procedimentos de higienização de ordenhadeiras, tanques de resfriamento, equipamentos e utensílios, a última etapa é o enxágue. E, se a água não atender os padrões microbiológicos desejáveis, o processo será ineficaz e interferirá na qualidade do leite da próxima ordenha, principalmente na contagem bacteriana total (CBT). Atualmente o pagamento por qualidade é realizado por muitos laticínios e um dos critérios avaliados é justamente a CBT. Desta forma, manter a qualidade da água, utilizar detergentes e sanitizantes de qualidade – na quantidade correta e seguindo a recomendação do fabricante –, manter as boas práticas na ordenha, filtrar e refrigerar o leite são alternativas para manter esse índice baixo e ser recompensado financeiramente pela qualidade do leite fornecido. Outro aspecto que deve ser levantado é a origem da contaminação da água, pois esta pode advir da fonte (poço ou nascente) ou do reservatório utilizado para o armazenamento (caixa d´água) e suas tubulações. Sendo assim, recomenda-se realizar análise da água em dois pontos, sendo um antes do reservatório e outro após. Se for constatada a contaminação após a caixa d´água, aconselha-se a limpeza e desinfecção e um novo exame, juntamente com a conservação e manutenção das condições do reservatório. Caso a contaminação seja na fonte, uma alternativa é buscar outro ponto para

captação. A forma mais segura, de menor custo e eficiente para garantir a qualidade microbiológica da água, entretanto, é realizar a cloração. O tratamento da água – cloração – pode ser realizado manualmente, artesanalmente ou automaticamente. No entanto, a última alternativa torna-se mais prática, eficiente e precisa. No mercado existem cloradores mais simples e práticos com dosadores de cloro, que podem ser instalados nos reservatórios, e outros modelos mais elaborados e autossuficientes, que só necessitam de abastecimento de cloro. Existem ainda inúmeros tipo de dosadores de cloro e filtros e, antes da decisão final, o produtor deve ser informado e estar seguro quanto a durabilidade, disponibilidade de peças de reposição, facilidade de manutenção no local, fácil acesso na compra do produto aplicado (cloro em pastilhas ou líquido), segurança na aplicação do produto e na instalação e no manejo diário do equipamento, que deve proporcionar a possibilidade de ajuste preciso e dosagem constante de cloro. O uso de pastilhas de cloro é a forma mais viável de cloração, uma vez que é mais fácil de armazenar e aplicar o produto. Mas vale a ressalva: para o procedimento de cloração ter sucesso, é indispensável a utilização de um filtro para remoção das partículas maiores, necessários principalmente em abastecimento de fontes superficiais como nascentes. Dentre os cloradores disponíveis no mercado, existem três classes mais simples do ponto de vista do manejo em áreas rurais, por não exigirem o uso de energia elétrica. Podemos dividi-los nas seguintes categorias: Dosadores por Gravidade (DG), Dosadores Pressurizados (DP) e Dosadores Hidráulicos (DH). O mercado também oferece as bombas dosadoras elétricas. Mas somente em casos muito específicos elas podem ser recomendadas, visto que os modelos de menor custo têm baixa durabilidade e as mais sofisticadas são caras e de manutenção complexa, exigindo o envio para a assistência técnica.

Dosadores por gravidade

Os dosadores por gravidade são equipamentos que devem ser instalados dentro ou acima do reservatório. É fundamental, entretanto, que haja fácil acesso ao reservatório de água. Este modelo é largamente empregado em regiões serranas, em estados como Santa Catarina ou Rio Grande do Sul, onde o produtor o instala sobre um barranco, levando a água por gravidade até o consumo. Como há fácil acesso ao local sobre o barranco, o clorador poderá ser facilmente instalado e manejado quando necessário.

Dosadores pressurizados

São considerados pressurizados os equipamentos instalados em cavaletes na rede de abastecimento. Cria-se uma pressão, que pode ser definida pela altura da coluna de água – considere, para cada dez metros, um quilo de pressão na rede onde o dosador está instalado. Um ponto extremamente importante é a exigência de pastilhas de Tricloro. Caso ocorra despressurização por algum vazamento e o dosador seja inundado, haverá um hipercloração ocasionada pela alta dissolução das pastilhas de hipoclorito de cálcio e dicloro. O dosador pressurizado (DP) deve contar também com um mecanismo de ajuste da cloração. DPs que não possibilitam um fácil ajuste podem ocasionar grandes variações da cloração, ora inibindo o consumo de água, ora fornecendo água contaminada aos animais.

Dosadores hidráulicos

Os dosadores hidráulicos (DHs) são equipamentos sofisticados tecnicamente e extremamente precisos. Podem, assim, ser utilizados para dosagem de cloro e medicamentos via água. Seu motor hidráulico funciona de acordo com a passagem de água e, por isso, é chamado de bomba hidráulica. A dosagem também pode variar conforme o volume de água que passa pelo dosador, mantendo a proporcionalidade. Este modelo, no entanto, requer mais cuidados e manutenção para manter a du-


87

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

rabilidade. Dosa apenas líquidos, o que permite o uso de hipoclorito de sódio ou de Dicloro granulado para preparo da solução clorada in-loco. Neste caso, o uso do Dicloro é mais recomendado, uma vez que o hipoclorito de sódio, além da logística complicada, é instável e perde muito ativo ao logo do armazenamento. O Dicloro pode ser preparado no local, na concentração desejada, e chega a dissolver 25% – mas o ideal é em torno de 5%, para evitar cheiro de cloro. Não se pode operar com hipoclorito de cálcio: há muito insolúvel que danificará o dosador e o Tricloro é muito ácido, além de dissolver apenas 1% de ativo e danificar, eventualmente, as partes internas do equipamento. Considerando que a marca e o modelo do dosador escolhido possibilitem a dosagem precisa e contínua, o produtor deve atentar-se para o monitoramento do cloro dosado

e do cloro residual, garantindo que seja encontrado cloro em toda rede de abastecimento. Para o controle seguro, o sistema de abastecimento deverá contar com pontos de amostragem para análise de cloro. O monitoramento ocorre com um kit de campo que utilize a metodologia chamada de DPD ou com as fitas teste, quando sua sensibilidade permitir um controle preciso. Não utilizar o kit baseado na orto-toluidina, um produto cancerígeno da mesma família dos benzenos, chamados de anéis aromáticos. Além disso, a orto-toluidina poderá ler o cloro combinado, ou seja, aquele que já reagiu e não tem mais poder biocida.

Qualidade físico-química da água

As características físico-químicas da água, em particular o potencial hidrogeniônico (pH) e a concentra-

LÁCTEO

ção de carbonato de cálcio – CaCO3 (dureza da água), podem afetar diretamente a qualidade do leite: em condições inadequadas desses parâmetros, o processo de higienização dos equipamentos é comprometido. O pH ideal da água deverá estar próximo da neutralidade. Porém, em muitas propriedades, encontra-se águas alcalinas (pH maior que 7) ou até mesmo ácidas (pH menor que 7). A água ácida, além de ser corrosiva e danificar os equipamentos, neutraliza os detergentes alcalinos clorados utilizados diariamente no processo de higienização. Da mesma forma, águas alcalinas anulam o efeito de detergentes ácidos utilizados no mesmo processo e favorecem a formação de precipitados no interior dos equipamentos. O custo de produção se eleva em ambos os casos, pois há a necessidade de aumentar a concentração e a frequência dos detergentes para compensar o de-


88

ARTIGO TÉCNICO

Higienização e Segurança

sequilíbrio. Outra opção é fazer uma correção química na água. A dureza da água é caracterizada pela sua capacidade de neutralizar sabões e pode ser calculada a partir do somatório das concentrações de cálcio e magnésio, como equivalentes de CaCO3. A classificação ocorre da seguinte forma: mole (até 100 ppm de CaCO3), semi-dura (de 100 a 270 ppm de CaCO3), dura (de 270 a 360 ppm de CaCO3) e muito dura (acima de 360 ppm de CaCO3). Quando se utiliza detergentes ácidos em uma água dura ou muito dura, ocorre uma reação entre os compostos. O produto em questão, assim, diminui ou até mesmo perde sua eficiência, incapacita a formação de espuma e impede o pH ideal para a realização da limpeza, podendo até tamponar o meio. Outro problema causado pela alta concentração é a formação das chamadas “pedras do leite”, que são precipitados de proteínas e sais. Com o decorrer do tempo, bactérias aderem nas “pedras do leite”, passando a ser denominadas de “biofilme”. A formação e o acumulo dos biofilmes são visíveis nos equipamentos (incrustações), levando a um aumento do CBT ocasionado pela contaminação cruzada (leite e biofilme).

LISTA DE PRODUTOS C CENTRAL CIP

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

A água pode sofrer contaminações por agrotóxicos, fertilizantes, medicamentos, resíduos de indústrias, produtos tóxicos, entre outros. Neste caso, é caracterizado crime ambiental e uma investigação mais apurada deverá transcorrer. É importante, entretanto, manter sempre um plano de ação que previna esses acontecimentos e uma estratégia traçada em situação emergencial. Os tratamentos mais utilizados para correção de pH são através de substâncias tamponantes, mais viáveis economicamente. Por outro lado, a correção da dureza da água também pode ser realizada a partir de produtos amolecedores ou abrandadores, como são chamados. Algumas empresas recomendam o uso de fosfatos para abrandar a água, mas a adição destes produtos pode promover o crescimento bacteriano, além de serem restritos e controlados por órgãos ambientais. Uma tecnologia nacional e de baixo custo, entretanto, tem contribuído definitivamente e já é utilizada por muitos produtores rurais. Trata-se do tratamento eletrolítico que é promovido por um equipamento denominado Eco Íon. Os sais que causam a dureza da água tornam-se insolúveis e podem até precipitar nos reservatórios.

Um projeto conduzido na Bahia, na cidade de Pintadas, uma região onde a água possui altos níveis de salinidade, tem resultado também em grandes benefícios. Neste contexto, realizar análises e conhecer e corrigir as características da água é fundamental à obtenção de leite de qualidade, juntamente com o manejo, a nutrição, a sanidade e as boas práticas na ordenha. A propriedade leiteira que possui qualidade e quantidade de água, com certeza, goza de um futuro muito próspero e um sucesso garantido na atividade. Produzir leite com qualidade não é somente uma questão financeira, mas sim um compromisso com a sociedade.

Autores: *João Luis dos Santos. Formado em Bioquímica e Marketing. Mestrando na Faculdade de Engenharia Agrícola – Unicamp. Especialista em qualidade da água na produção animal. Consultor Técnico da Especializo Qualidade de Água. Contato: joao. luis@especializo.com.br – www.especializo.com.br *Thalyta Marcílio. Graduação em Medicina Veterinária pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2007), especialização em Higiene e Inspeção de Produtos de Origem Animal pela Qualittas Instituto de Pós-Graduação (2008). Atualmente é mestranda do curso de Ciência Animal na Universidade do Estado de Santa Catarina e é instrutora do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural. Contato: thalytamarcilio@yahoo.com.br

Higienização e Segurança

B&b Inox Inox Tecnologia Pentair Proinox Spadaro Imports West Equipamentos

LÁCTEO

D DETERGENTES E DESINFETANTES

Abc de Itaperuna - rj

J JAPONA FRIGORIFICA

Abc de Itaperuna - rj Jetfrio


PRODUTOS E SERVIÇOS


ARTIGO TÉCNICO

Produtos e Serviços

89

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

A importância dos recursos hídricos nas atividades da pecuária

A água subterrânea e sua importância

D

e acordo com dados da Sectam (2005), 97,22% da água do planeta é proveniente de mares e oceanos, 2,15% de geleiras e icebergs e somente 0,63% representa a água doce. A subterrânea representa 97% do montante de água doce, sendo que o restante está no solo, rios e lagos.

LÁCTEO


90

ARTIGO TÉCNICO

Produtos e Serviços

A água subterrânea está armazenada em poros ou vazios das formações geológicas, os denominados aquíferos, os quais constituem reservatórios naturais subterrâneos, podendo chegar a extensões de milhares de Km2. É um recurso hídrico essencial para a vida, utilizada para fins econômicos e para abastecimento humano, industrial e agropecuário. Este recurso torna-se ainda mais importante devido ao alto índice de contaminação dos rios por efluen-

Tipo de uso

Retirada

Consumo

Retorno

M3 /s

% do total

M3 /s

% do total

M3 /s

% do total

Urbano

420

26

88

11

332

44

Industrial

281

18

55

7

226

30

Rural

40

3

18

2

22

3

Animal

112

7

89

11

23

3

Irrigação

739

46

591

69

148

20

Quadro 1 – Vazões de Retirada, Consumo e Retorno e por Tipo de Usuário Fonte: www.ibama.gov.br apud ANA, 2005

tes domésticos, especialmente em regiões metropolitanas, onde acaba sendo o principal recurso para abastecimento da população. A água subterrânea é utilizada em diversas atividades, seja como parte do processo ou como solvente para limpeza. Seu emprego em diferentes tipos de higienização acaba por formar os efluentes líquidos, os quais normalmente possuem alto teor de contaminação. Quando não tratados, eles provocam problemas no meio ambiente. Os poços de captação (domésticos e tubulares profundos) são os meios de exploração das águas subterrâneas, os quais também influenciam na qualidade destas, dependendo do rigor durante a sua construção.

Fontes de contaminação na pecuária Os grandes centros urbanos são hoje os principais responsáveis pela contaminação dos recursos hídricos, especialmente pelo lançamento de esgotos domésticos e efluentes industriais diretamente no solo ou nas águas superficiais. Já em áreas rurais, uma das principais vias de contaminação dos corpos hídricos superficiais é o deflúvio (escoamento), pois arrasta poluentes, em especial resíduos de agrotóxicos, atualmente considerados como a segunda maior fonte de contaminação no Brasil (IBGE, 2011).


91

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

A produção intensiva de animais confinados, entretanto, tem despertado a atenção de algumas autoridades no que tange a qualidade das águas. Isto porque os grandes volumes de resíduos e efluentes gerados acabam contaminando corpos hídricos, que são de significativa importância para o consumo. As águas subterrâneas, por estarem armazenadas em aquíferos a alguns metros abaixo da superfície, são menos vulneráveis a estas fontes se comparadas com os recursos hídricos superficiais. A elevada carga de contaminantes ou a proximidade do aquífero freático à superfície, no entanto, corrobora para a contaminação destes mananciais subterrâneos.

Principais áreas de pecuária intensiva A Figura 1 apresenta as principais criações da pecuária brasileira. É possível notar que a distribuição dos rebanhos se dá por fatores relacionados ao clima, relevo, disponibilidade hídrica, entre outros. Exemplos claros são os ovinos e caprinos, que centram seus rebanhos na região Nordeste e extremo Sul. As aves e suínos indicam uma clara correlação, com a maior produção

concentrada na porção Centro-Sul, com destaque para o estado de Santa Catarina e o norte do Rio Grande do Sul. A Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária (CNA) atribuiu à pecuária a maior responsabilidade pela expansão da riqueza no setor agropecuário durante o ano de 2011. Tão significativo quanto a produção é a demanda por água consumida na pecuária animal. O Quadro 1 apresenta uma relação da água retirada, consumida e devolvida para o meio junto a atividades pecuárias. Algumas atividades da pecuária intensiva gerenciam de forma adequada os resíduos e efluentes gerados, evitando ou minimizando impactos ao meio ambiente. É o caso de alguns criadores de suínos que acabam utilizando os dejetos animais para a geração de energia ou como fonte de créditos no mercado de carbono. Outros utilizamnos como fertilizantes em áreas cultiváveis (fonte de nutrientes), segundo quantidades estabelecidas pelos órgãos ambientais competentes daquela região. Em contrapartida, a maioria dos centros de criação animal intensiva

LÁCTEO

possui má gestão dos efluentes e resíduos gerados, constituindo um sério problema de contaminação. Os deflúvios (escoamentos) e infiltração no solo são fatores que favorecem a contaminação das águas superficiais e subterrâneas, respectivamente. Isto normalmente acontece quando os dejetos animais são jogados/ dispostos em excesso sobre o solo, onde este e as plantas não conseguem absorver todos os nutrientes. Boa parte, então, fica disponível para o carreamento e/ou infiltração. Os Coliformes Totais e Termotolerantes (Fecais), dependendo da quantidade, são utilizados como indicadores da existência de microrganismos patogênicos, responsáveis pela transmissão de doenças como a febre tifoide, tuberculose, leptospirose, disenteria bacilar, cólera, meningite, entre outras.

A vulnerabilidade de aquíferos à contaminação pela pecuária Como visto anteriormente, a água superficial é mais vulnerável à contaminação se comparada com a subterrânea, pois o solo funciona como uma barreira (filtro) antes de quaisquer contaminantes chegarem


92

ARTIGO TÉCNICO

Produtos e Serviços

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

LÁCTEO

de manejo, evitando assim problemas de contaminação de fontes hídricas. A depender do tamanho e tipo de atividade, a implantação de um sistema de gestão vai requerer mais ou menos indicadores ambientais, os quais podem tornar algumas operações mais viáveis e menos onerosas, tornando o produto final mais competitivo.

à água. No entanto, algumas condições locais podem favorecer a fácil contaminação da água subterrânea, dependendo basicamente de alguns fatores, como o volume de material contaminante, profundidade da água e permeabilidade do tipo de material que forma o solo (litologia). Os denominados aquíferos freáticos ou livres, ou seja, aqueles que se encontram mais próximo da superfície do solo, são os mais vulneráveis à contaminação por serem rasos e, portanto, de fácil comunicação com as camadas superiores. As pocilgas, áreas de produção de leite (salas de ordenha e lavagem de tanques de leite) e áreas de criações de aves são alguns exemplos de fontes potenciais de contaminação de águas superficiais e subterrâneas, além do solo. Por serem atividades que exigem significativos volumes de água, normalmente estão localizadas em áreas próximas a córregos, rios e nascentes, onde os resíduos e efluentes muitas vezes são descartados à jusante do(s) ponto(s) de captação de água. No mais, são áreas onde o nível d’água subterrâneo encontra-se próximo à superfície, deixando-a totalmente vulnerável a qualquer tipo de poluente lançado

diretamente ao solo, especialmente os dejetos animais. Poços de captação construídos sem critérios, mal vedados ou localizados em posição geográfica desfavorável às fontes de contaminação, acabam favorecendo a utilização de uma água subterrânea contaminada pela própria atividade exercida na propriedade.

Autores: Edson Rogério Batello (edson.batello@ige. unicamp.br). Fone: (11) 9-8244-8433 Instituto de Geociências (IGE) - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Edson Batello é geólogo graduado pelo Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo (1998). Atua como especialista da empresa no escritório da Golder Associates em São Paulo desde 2001 junto à Área de Investigação e Remediação Ambiental. Atualmente desenvolve, a nível acadêmico, projeto de pesquisa (mestrado) na área de hidroquímica de águas subterrâneas. Edmar Roberto Bellati Batello (ebatello@yahoo. com.br). Fone: (17) 9146-6687 Edmar Batello é Engenheiro Agrônomo graduado pela Universidade Estadual “Júlio de Mesquita Filho” em Ilha Solteira-SP (2002). Trabalha na Prefeitura Municipal de Floreal conveniado à Secretaria de Agricultura e Abastecimento Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI) atuando na área de assistência técnica e extensão rural no município.

A gestão ambiental Visto que a má gestão dos resíduos e efluentes podem gerar consequências indesejadas, ou seja, os produtores passam a ser obrigados a executarem ações no sentido de recuperar os meios impactados, é recomendável um bom planejamento e gestão das atividades na área pecuária, de maneira que o produto final (carne, leite e outros derivados) tenha a qualidade desejada pelo produtor e seus consumidores. Problemas relacionados ao manejo desses poluentes estão geralmente associados à falta de conhecimento do produtor sobre o meio físico onde sua atividade está instalada, visto que pequenas medidas em termos locacionais de estruturas, especialmente nas fontes de captação de água, acabam condicionando uma melhor prática

Referências bibliográficas Água: Fonte de Vida. Secretaria Executiva de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente (SECTAM), 2005. Belém, PA. 22p. Atlas de Saneamento 2011. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 2011. Diretoria de Geociências. Rio de Janeiro, RJ. Plano Nacional de Recursos Hídricos. Síntese Executiva. Ministério do Meio Ambiente, Secretaria de Recursos Hídricos. Brasília, 2006. 135p. Homepages Consultadas: Atlas da Gestão Agrária Brasileira (por Eduardo Paulon Girardi) - Agropecuária. http:// www2.fct.unesp.br/nera/atlas/agropecuaria.htm. Acessado em 17/02/2013. CNA: pecuária liderou alta do PIB. Publicado em 15/12/2011. http://www.pecuaria. com.br. Acessado em 18/02/2013. Gestão de Resíduos na Suinocultura. Revista Brasilis (por Revista de Política Agrícola). http://revista.brasil.gov.br. Acessado em 18/02/2013.


Produtos e Serviços

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

LÁCTEO

A ACESSÓRIOS PLÁSTICOS PARA LEITE, QUEIJOS E DERIVADOS Casa Das Desnatadeiras Inox Tecnologia

ÁCIDO PERACÉTICO INDICADO PARA LIMPEZA CIP Casa Forte

ADESIVO Mart Sticker Tecnoshoes

ADESIVOS E COLAS ESPECIAIS Magic Paper Mart Sticker Tecnoshoes

ALIMENTOS

ANÁLISE DE MELAMINA Eurofins Eurofins|alac

ANÁLISE DE METAIS PESADOS

ANÁLISE DE MICOTOXINAS

Inoxserv

Eurofins Eurofins|alac

ANÁLISE DE RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS Eurofins Eurofins|alac

ANÁLISE DE RESÍDUOS DE ALERGÊNICOS

ALIZAROL

Eurofins Eurofins|alac Idexx Brasil

ANÁLISE DE RESÍDUOS DE DROGAS VETERINÁRIAS

ALMOFADAS DE CARIMBO

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA

Casa Forte

Dpunion Eurofins Eurofins|alac Quimis Aparelhos Científicos

AMIDO MODIFICADO

ANÁLISE DE ALIMENTOS COM CONTROLE DE QUALIDADE Eurofins Eurofins|alac

ANÁLISE DE DIOXINAS E FURANOS Eurofins Eurofins|alac

ANÁLISES QUÍMICAS E FÍSICO-QUÍMICAS Eurofins Eurofins|alac Quimis Aparelhos Científicos Tecnoglobo

ANÉIS PARA CONEXÕES Anhembi Borrachas B&b Inox

ARGAMASSA MMA R17 ANÁLISE DE GMO (TRANSGÊNICOS) Eurofins Eurofins|alac

ARQUITETURA E ENGENHARIA

Eurofins Eurofins|alac

Eurofins Eurofins|alac

bv Bela Vista Ingredion Brasil Podium Alimentos

AROMAS Abc de Itaperuna - rj Fermentech Kerry

Vpg Consultoria e Projetos Ltda

Kerry Omegabelt Brasil Riberdoces Univar

Abc de Itaperuna - rj Somarole Comercial Ltda.

LISTA DE PRODUTOS

Resinar Materiais Compostos Ltda

ARGAMASSAS Resinar Materiais Compostos Ltda

ARRUELAS

ASSESSORIA E PROJETOS JUNTO AO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA Vpg Consultoria e Projetos Ltda

ASSISTÊNCIA PARA ÁREA FRIGORÍFICA Vpg Consultoria e Projetos Ltda

ASSISTÊNCIA TÉCNICA Abc de Itaperuna - rj Centro de Tecnologia Senai Alimentos e Bebidas Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Fermentech Gehaka Hiper Centrifugation Ltda. Inox Tecnologia Magic Paper Resinar Materiais Compostos Ltda Tecnoglobo

ASSISTÊNCIA TÉCNICA DE MÁQUINAS A VÁCUO Embamaqui

AUTOMAÇÃO Burkert Inox Tecnologia Ssi Schaefer Ltda Tribeca

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Burkert Coel Emerson Process Management Inox Tecnologia Ottime Ssi Schaefer Ltda

93


94

LISTA DE PRODUTOS

Produtos e Serviços

AUTOMAÇÃO NOS PROCESSOS DE PESAGEM Tribeca

B BALDES PARA ORDENHA Casa Das Desnatadeiras Injesul Inox Tecnologia West Equipamentos

BALDES PLÁSTICOS Dutra Máquinas Injesul

BANCADAS E MÓVEIS PARA LABORATÓRIOS B&b Inox Casa Das Desnatadeiras Gerlab Therj

BASES PARA BEBIDAS Kerry Prativita

BEBEDOUROS INDUSTRIAIS Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Jetfrio Rgo Máquinas Industriais Ltda.

BETONEIRA Dutra Máquinas

BOMBAS DE VÁCUO Dpunion Elmo Rietschle Erfonn Eletro Maquinas Hidrosistemas Inoxserv Jetfrio Norgren Quimis Aparelhos Científico

BORRACHAS E ANÉIS PARA VEDAÇÃO Abc de Itaperuna - rj Anhembi Borrachas Erfonn Eletro Maquinas

C CABO DE ALUMÍNIO Abc de Itaperuna - rj

CALIBRAÇÃO DE EQUIPAMENTOS Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Dpunion Foss Brasil Gehaka Quimis Aparelhos Científicos Tecnoglobo

CÂMARA CLIMÁTICA Dpunion Gehaka Jetfrio Quimis Aparelhos Científicos São Rafael

CANETA PARA MARCAR EMBALAGENS, PLÁSTICO, PAPEL PLASTIFICADO, MADEIRA E METAIS Tinta Mágica

CANETAS PARA BRINDES Tinta Mágica

CARRINHOS PARA ENFORMAGEM DE RICOTA E FRESCAL B&b Inox Inox Tecnologia West Equipamentos

CENTRÍFUGA DE BUTIRÔMETRO

COLÁGENO HIDROLISADO Metachem Rousselot do Brasil

COLETORES DE DADOS PARA AUTOMAÇÃO Ruggedbrasil

CONCENTRADO – BEBIDAS Kerry

CONSULTORIA Centro de Tecnologia Senai Alimentos e Bebidas Gta Treinamento Ltda Vpg Consultoria e Projetos Ltda

CONSULTORIA EM LOGÍSTICA DE PRODUÇÃO Flexlink Systems

CONSULTORIA EM OBRAS DE INDÚSTRIAS ALIMENTÍCIAS Jetfrio Vpg Consultoria e Projetos Ltda

CONSULTORIA EM PROJETOS DE INDÚSTRIAS ALIMENTÍCIAS Burkert Jetfrio Spadaro Imports Vpg Consultoria e Projetos Ltda

CORANTE Doce Aroma Fermentech

Casa Das Desnatadeiras Quimis Aparelhos Científicos

CORREIA INDUSTRIAL

CLOROFILINA

Interroll Jetfrio

Doce Aroma Fermentech

CORREIAS DE POLIURETANO

COAGULANTES

Interroll Jetfrio

bv Bela Vista Casa Das Desnatadeiras Fermentech

COALHOS bv Bela Vista Fermentech

CORREIAS DE TRANSMISSÃO Interroll Jetfrio

CORREIAS ELEVADORAS Jetfrio


95

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

CORREIAS TRANSPORTADORAS Gehaka Interroll Jetfrio Rgo Máquinas Industriais Ltda.

CORREIAS V Abc de Itaperuna - rj Jetfrio

CRANBERRY Nexira

CULTURAS

DETERGENTE LÍQUIDO NEUTRO BIODEGRADÁVEL Biologica

DETERGENTES Abc de Itaperuna – rj

DETERGENTES E SANITIZANTES PARA HIGIENE E LIMPEZA EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Abc de Itaperuna - rj

DETERGENTES INDUSTRIAIS

Dupont Nutrição & Saúde Fermentech Somarole Comercial Ltda.

Abc de Itaperuna - rj Casa Forte Dutra Máquinas

CURSOS TÉCNICOS

DIGESTOR DE FIBRAS

Centro de Tecnologia Senai Alimentos e Bebidas

Quimis Aparelhos Científicos Tecnoglobo

D DENSÍMETROS E TERMOLACTODENSÍMETRO Abc de Itaperuna - rj Biologica Casa Das Desnatadeiras Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda

DESCONTAMINAÇÃO DE MOFOS, LEVEDURAS, BACTÉRIAS E VÍRUS Interozone

DESENGORDURANTE DE USO GERAL Casa Das Desnatadeiras Casa Forte

DESIGN EMBALAGENS Abre - Associação Brasileira de Embalagem

DIGESTOR E DESTILADOR DE PROTEÍNA KJELDAHL Biologica Quimis Aparelhos Científicos Tecnoglobo

DISTRIBUIÇÃO DE EQUIPAMENTOS, SERVIÇOS E SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO Advanced Thermal Systems Jetfrio Pfannenberg do Brasil

DISTRIBUIÇÃO DE MATERIAIS ELÉTRICOS Jetfrio

E ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ETE Vpg Consultoria e Projetos Ltda

EMBALAGEM PLÁSTICA FLEXÍVEL

Abc de Itaperuna - rj Casa Forte

Abre - Associação Brasileira de Embalagem Deltaplam Embalagens Descartavel Embalagens Evertis Brasil Plásticos S/a Nova Mark Tekniza Terphane

Abc de Itaperuna - rj Casa Forte

ENGENHARIA DE PROCESSOS Instruval Pentair Spadaro Imports Vpg Consultoria e Projetos Ltda

ENGENHARIA DE SISTEMAS Instruval Interroll

ENGENHARIA E INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS PARA PRODUTOS LÍQUIDOS E PASTOSOS Gea Engenharia de Processos Inox Tecnologia Pentair Vpg Consultoria e Projetos Ltda

ENVASE DE COPOS E SOBRECOPOS COM CEREAIS, CONFEITOS DRAGEADOS, CREMES LÁCTEOS Brasholanda Serac do Brasil Tambflex

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI Abc de Itaperuna - rj Dutra Máquinas i. c. Leal

ESFREGÕES Abc de Itaperuna - rj

ESTABILIZANTE Ashland / Germinal Fermentech Kerry Nexira Nutrassim Somarole Comercial Ltda.

EXTRATOR DE LIPÍDIOS

DESINFETANTES

DETERGENTE CONCENTRADO INDICADO PARA LIMPEZA DE INDÚSTRIAS ALIMENTÍCIAS

LÁCTEO

Tecnoglobo

F FABRICAÇÃO E VENDA DE ARMADILHAS LUMINOSAS ADESIVAS PARA CONTROLE DE INSETOS VOADORES Ultralight Ind e Com de Armadilha Luminosas para Insetos Voadores


96

LISTA DE PRODUTOS

Produtos e Serviços

GERADOR DE ENERGIA

FABRICAÇÃO E VENDA DE REFIL ADESIVO PARA ARMADILHAS LUMINOSAS

Dutra Máquinas Inox Tecnologia

Ultralight Ind e Com de Armadilha Luminosas para Insetos Voadores

GESTÃO CONTÁBIL

FABRICAÇÃO, MONTAGEM E MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS INDUSTRIAIS Fimaco do Brasil

Lacteus

GESTÃO DE BENEFICIOS/ CONVÊNIOS

LIMPEZA E SANITIZAÇÃO INDUSTRIAL

GESTÃO DE PRODUÇÃO Lacteus

bv Bela Vista Dupont Nutrição & Saúde Fermentech

Convcred - Gestão de Convênios Lacteus

FERRAMENTAS ELÉTRICAS

GESTÃO FINANCEIRA

GESTÃO DE VENDAS

Dutra Máquinas

Lacteus

FIBRAS DE LIMPEZA

GESTÃO FISCAL

Cyklop Mart Sticker

Lacteus

H HIGIENIZAÇÃO E ASSEPSIA Diversey Brasil Ind. Quimica Poly Clip Spadaro Imports

FITAS DE IMPRESSÃO PARA TERMODATADOR

HIPOCLORITO DE SÓDIO

Codmarc Codif. e Marc. Ind. Makplan Sistmarc

Abc de Itaperuna - rj Sani Quimica

FORMAS PARA QUEIJO B&b Inox Casa Das Desnatadeiras West Equipamentos

G GÁS PARA REFRIGERAÇÃO Abc de Itaperuna - rj Jetfrio

GAXETAS Abc de Itaperuna - rj Jetfrio

LIMPEZA E HIGIENIZAÇÃO

GESTÃO DE LATICÍNIOS

West Equipamentos

FITAS ADESIVAS PARA LACRADORAS

LAVADORA DE PRESSÃO Dutra Máquinas

Convcred - Gestão de Convênios

Lacteus West Equipamentos

Abc de Itaperuna - rj Inox Tecnologia

L

Diversey Brasil Ind. Quimica w

FABRICANTE DE HOMOGENEIZADORES, PEÇAS PARA REPOSIÇÃO E REFORMA

FERMENTO LÁCTEO

Bortolot Energia e Automação

I IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Codmarc Codif. e Marc. Ind. Spadaro Imports Tecnoshoes

INJEÇÃO DE PLÁSTICO Tecnoshoes

INSTALAÇÕES E MONTAGEM DE PAINÉIS Advanced Thermal Systems

Diversey Brasil Ind. Quimica

M MANCAL B&b Inox Bellt Correntes Transportadoras

MANGOTE Abc de Itaperuna - rj

MANGUEIRAS Dpunion Dutra Máquinas

MANGUEIRAS PARA VAPOR E CIP Kanaflex Proinox West Equipamentos

MANGUEIRAS SANITÁRIAS Casa Das Desnatadeiras Kanaflex Proinox

MANGUEIRAS VAPOR E NÃO TÓXICAS Abc de Itaperuna - rj Kanaflex Proinox

MANIFOLDS Ascoval Indústria e Comércio Ltda. Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Instruval Jetfrio Pentair Quimis Aparelhos Científicos


97

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

MANTEIGA

MICROSCÓPIOS

PARAFUSADEIRA

Riberdoces West Equipamentos

Biologica Quimis Aparelhos Científicos

Dutra Máquinas

MANUSEIO E ENVASE DE PÓS Gea Engenharia de Processos

MONTAGEM / DESMONTAGEM DE TRANSPORTADORES

Gea Farm Technologies Luftec Hélices Tecnoglobo

MANUTENÇÃO

Flexlink Systems

LÁCTEO

PEÇAS DE REPOSIÇÃO

Bortolot Energia e Automação Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Serac do Brasil

MANUTENÇÃO DE PASTEURIZADORES

PEÇAS E REFORMAS MONTAGEM DE LABORATÓRIOS Gerlab

Casa Das Desnatadeiras Embamaqui

MONTAGEM DE LATICÍNIOS

PESQUISA DE DNA ANIMAL

Spadaro Imports West Equipamentos

Eurofins

MONTAGENS E REFORMAS

Abc de Itaperuna - rj

PETRIFILM

West Equipamentos

MANUTENÇÃO EM CRIOSCÓPIOS

Gerlab

Milklab

MONTAGENS INDUSTRIAIS (UTILIDADES EM GERAL E INOX SANITÁRIO)

Hunter Douglas ns Brazil Revestimentos Especiais

Rgo Máquinas Industriais Ltda.

PISO INDUSTRIAL DE ALTA RESISTÊNCIA

MOTOSSERRA

Hunter Douglas ns Brazil Revestimentos Especiais Resinar Materiais Compostos Ltda Tecnovilla - Pisos Técnicos Industriais

MANUTENÇÃO EM SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO

PISO ELEVADO

Pfannenberg do Brasil

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Flexlink Systems Gehaka Hds Sistemas de Energia Zanardo Válvulas Industriais

MEDIDORES DE PH Biologica Burkert Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Dpunion Gehaka Quimis Aparelhos Científicos

Dutra Máquinas

O ÓLEO INCONGELÁVEL Abc de Itaperuna – rj

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Fermentech Jetfrio Spadaro Imports Vpg Consultoria e Projetos Ltda

OTIMIZAÇÃO DE PROCESSO Emerson Process Management Hiper Centrifugation Ltda. Spadaro Imports

P

MEIO DE CULTURA POR ANÁLISE RÁPIDA DE COLIFORMES

PANOS MULT USO

Biologica

Abc de Itaperuna - rj

MÉTODO ALTERNATIVO PARA ANÁLISES MICROBIOLÓGICAS Biologica

PAPEL TOALHA Abc de Itaperuna - rj Casa Das Desnatadeiras

PISO MMA ns Brazil Revestimentos Especiais Resinar Materiais Compostos Ltda

PISO UCRETE ns Brazil Revestimentos Especiais Resinar Materiais Compostos Ltda

PISO URETANO ns Brazil Revestimentos Especiais Resinar Materiais Compostos Ltda

PISO, REVESTIMENTO, PEÇAS, ARGAMASSA E REJUNTE ANTICORROSIVO E DE ALTA RESISTÊNCIA LINHA INDUSTRIAL Hunter Douglas ns Brazil Revestimentos Especiais Pisoforte Moyses Resinar Materiais Compostos Ltda Tecnovilla - Pisos Técnicos Industriais


98

LISTA DE PRODUTOS

Produtos e Serviços

PISOS

POLPA DE FRUTA

Hunter Douglas ns Brazil Revestimentos Especiais Tecnovilla - Pisos Técnicos Industriais Vedovati Pisos

Doce Aroma

PISOS ALTA RESISTÊNCIA E NIVELANTES CIMENTÍCIOS ns Brazil Revestimentos Especiais Resinar Materiais Compostos Ltda

PISOS ANTIÁCIDOS Hunter Douglas Miaki Revestimentos ns Brazil Revestimentos Especiais Pisoforte Moyses Resinar Materiais Compostos Ltda Tecnovilla - Pisos Técnicos Industriais

PISOS ANTIDERRAPANTES Hunter Douglas Miaki Revestimentos ns Brazil Revestimentos Especiais Tecnovilla - Pisos Técnicos Industriais

PISOS CIMENTÍCIOS ns Brazil Revestimentos Especiais

PISOS INDUSTRIAIS

PÓS-DIPPING Casa Forte Gea Farm Technologies

PRÉ-DIPPING

PRODUTOS ALIMENTÍCIOS

Abc de Itaperuna - rj Mustang Pluron Química

Dupont Nutrição & Saúde Kerry Riberdoces

PRODUTOS PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES Adi Acqua Engenharia

PRODUTOS BIOLÓGICOS PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES

PROJETO AMBIENTAL Vpg Consultoria e Projetos Ltda

Adi Acqua Engenharia

PRODUTOS DE LIMPEZA INDUSTRIAL E DOMÉSTICOS Dutra Máquinas Mustang Pluron Química

PRODUTOS EM AÇO INOXIDÁVEL PARA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA, QUÍMICA E LATICÍNIOS

PISOS PLÁSTICOS

Biologica

PISOS RESINADOS

Abc de Itaperuna - rj Casa Forte

PRODUTOS PARA LIMPEZA E SANITIZAÇÃO

B&b Inox Casa Forte West Equipamentos

ns Brazil Revestimentos Especiais Resinar Materiais Compostos Ltda

PRODUTOS PARA LIMPEZA DE ORDENHADEIRAS

Casa Forte Gea Farm Technologies

Hunter Douglas Miaki Revestimentos ns Brazil Revestimentos Especiais Pisoforte Moyses Tecnovilla - Pisos Técnicos Industriais

ns Brazil Revestimentos Especiais Vedovati Pisos

Casa Forte Mustang Pluron Química

PRODUTOS PARA ANÁLISE ÁGUA / ALIMENTOS

PRODUTOS PARA CONTROLE MICROBIOLÓGICO

PROJETO ELÉTRICO E APLICAÇÃO COM STARTUP Vpg Consultoria e Projetos Ltda

PROJETOS E CONSULTORIA Centro de Tecnologia Senai Alimentos e Bebidas Interroll Magic Paper Tonare Engenharia Vpg Consultoria e Projetos Ltda

PROJETOS E EQUIPAMENTOS PARA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS Adi Acqua Engenharia Poly Clip Rgo Máquinas Industriais Ltda. Vpg Consultoria e Projetos Ltda

Biologica

PROJETOS E MONTAGENS

PRODUTOS PARA HIGIENIZAÇÃO

Gerlab Rgo Máquinas Industriais Ltda. Tonare Engenharia

Casa Forte

PLANEJAMENTO E CONSULTORIA

POLIÓL

PRODUTOS PARA HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA INDUSTRIAL

Dupont Nutrição & Saúde

Abc de Itaperuna - rj

Vpg Consultoria e Projetos Ltda

PROJETOS FRIGORÍFICOS Jetfrio Rgo Máquinas Industriais Ltda. Vpg Consultoria e Projetos Ltda


99

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

PROJETOS, VENDAS, INSTALAÇÃO E ASSISTÊNCIA TÉCNICA EM APARELHOS DE AR CONDICIONADO Jetfrio Tonare Engenharia

PURGADORES sf International

Q

REVESTIMENTOS ANTICORROSIVOS

SANITIZANTE E DETERGENTE CONCENTRADO

Miaki Revestimentos ns Brazil Revestimentos Especiais Resinar Materiais Compostos Ltda

Abc de Itaperuna - rj Mustang Pluron Química Sani Quimica

REVESTIMENTOS DE ALTA RESISTÊNCIA QUÍMICA E TÉRMICA Miaki Revestimentos ns Brazil Revestimentos Especiais

QUEIJO MUSSARELA

REVESTIMENTOS DE PISOS

Intercarta West Equipamentos

Miaki Revestimentos ns Brazil Revestimentos Especiais Resinar Materiais Compostos Ltda

QUEIJO PRATO Intercarta

R REAGENTES Abc de Itaperuna - rj Biologica Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Gehaka Tecnoglobo

REAGENTES PARA LABORATÓRIO Abc de Itaperuna - rj Biologica Gehaka Tecnoglobo

RECICLAGEM DE ÁGUA

REVESTIMENTOS INDUSTRIAIS Miaki Revestimentos ns Brazil Revestimentos Especiais Resinar Materiais Compostos Ltda

REVESTIMENTOS INDUSTRIAIS PARA PISOS E PAREDES

RODOS Abc de Itaperuna - rj Dutra Máquinas

REJUNTE ANTIÁCIDO

Casa Das Desnatadeiras

Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Jetfrio

SECAGEM SPRAY-DRYER Spadaro Imports Spraying Systems do Brasil Ltda Spx Flow Technology do Brasil

SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO E REFORMA DE INSTALAÇÕES

SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA

Resinar Materiais Compostos Ltda

RESISTÊNCIA ELÉTRICA

Abc de Itaperuna - rj Mustang Pluron Química Sani Quimica

ROÇADEIRA À GASOLINA

RODOS DE AÇO INOX PARA MASSA E LIMPEZA

Jetfrio Spadaro Imports

SANITIZANTES E DESINFETANTES PARA LIMPEZA INDUSTRIAL

Bortolot Energia e Automação Spadaro Imports Tonare Engenharia

Adi Acqua Engenharia

REPOSIÇÃO DE PEÇAS

SANITIZANTES Abc de Itaperuna - rj Gea Farm Technologies Sani Quimica

Miaki Revestimentos ns Brazil Revestimentos Especiais Resinar Materiais Compostos Ltda

Dutra Máquinas

S SABÃO EM PÓ INDUSTRIAL

Advanced Thermal Systems Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Emerson Process Management Gea Farm Technologies Tonare Engenharia Weg-cestari Zanardo Válvulas Industriais

SERVIÇOS EM FLOW PACK

Abc de Itaperuna - rj

Interroll

SABONETE

SERVIÇOS PARA MANUTENÇÃO

Abc de Itaperuna - rj

REVESTIMENTO

SANITIZAÇÃO DE AMBIENTES SEM USO DE PRODUTOS QUÍMICOS

Resinar Materiais Compostos Ltda

Interozone

LÁCTEO

Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Gehaka Tonare Engenharia Weg-cestari


100

LISTA DE PRODUTOS

Produtos e Serviços

SERVIÇOS TÉCNICOS PARA EQUIPAMENTOS STORK Interroll Weg-cestari

SISTEMA COMPLETO DE HIGIENIZAÇÃO E SANITIZAÇÃO EM INDÚSTRIAS Inox Tecnologia

SISTEMAS PARA LIMPEZA DE AR Spadaro Imports

SOFTWARE (SISTEMA DE INFORMAÇÃO COM SUPORTE A DECISÃO) Atak Consultoria & Sistemas Lacteus

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO VIA INTERNET Atak Consultoria & Sistemas Convcred - Gestão de Convênios Lacteus

SOFTWARE DE SUPERVISÃO DE PROCESSOS Atak Consultoria & Sistemas

SOFTWARE INTEGRADO GESTÃO LÁCTEA Atak Consultoria & Sistemas Lacteus

SOFTWARES PARA CAPTAÇÃO DE LEITE Atak Consultoria & Sistemas Lacteus

SOLUÇÕES PADRÃO Abc de Itaperuna - rj Biologica Gehaka

SOLVENTES Codmarc Codif. e Marc. Ind. Makeni Chemicals Makplan Sistmarc Resinar Materiais Compostos Ltda

SORO DE LEITE EM PÓ Kerry

SORVETES E GELADOS EM GERAL Codmarc Codif. e Marc. Ind. Riberdoces

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

LÁCTEO

Gehaka Pentair Tech Filter

SULFATO DE ALUMÍNIO

TRATAMENTO DE EFLUENTES

Abc de Itaperuna – rj

Adi Acqua Engenharia Diversey Brasil Ind. Quimica Gehaka Pentair Poly Clip

SUPORTE TÉCNICO Fermentech Gehaka

T TAPETES PARA PÉ DE LÚVIO Abc de Itaperuna – rj

TECNOLOGIA ECOLOGICAMENTE CORRETA Interozone

TECNOLOGIA EM MEMBRANAS, PROCESSOS, INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA, INDÚSTRIA FARMACÊUTICA, ÁGUAS E EFLUENTES Adi Acqua Engenharia Inox Tecnologia Spadaro Imports

TREINAMENTO Centro de Tecnologia Senai Alimentos e Bebidas Gta Treinamento Ltda Hiper Centrifugation Ltda.

TUBO DE AÇO INOXIDÁVEL Castinox Therj

V VASSOURAS Abc de Itaperuna - rj

VEDAÇÕES PARA TANQUES ESTACIONÁRIOS E RODOVIÁRIOS

TESTES RÁPIDOS PARA ALIMENTOS

West Equipamentos

Idexx Brasil

VENDA DE JUNTAS PARA TROCADOR DE CALOR

TINTA PARA CARIMBAR E MARCAR EMBALAGENS DE PLÁSTICO, METAL, PAPEL PLASTIFICADO

Fischer Term Pentair

Codmarc Codif. e Marc. Ind. Makplan Sistmarc Tinta Mágica

TINTA PARA MARCAR QUEIJO E CARNE Tinta Mágica

TINTAS Codmarc Codif. e Marc. Ind.

TRATAMENTO DE ÁGUA Burkert Diversey Brasil Ind. Quimica

VENDA DE LÂMPADAS ULTRAVIOLETA PARA REPOSIÇÃO EM ARMADILHAS LUMINOSAS Ultralight Ind e Com de Armadilha Luminosas para Insetos Voadores

VIDRARIA PARA LABORATÓRIOS Abc de Itaperuna - rj Biologica Casa Das Desnatadeiras Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Dpunion Gerlab


EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS


102

ARTIGO TÉCNICO

Equipamentos e Acessórios

Água na alimentação de bovinos


103

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

LÁCTEO

Ingestão voluntária de água

A água de beber que é ofertada aos animais tem origem nas aguadas naturais como rios, riachos, represas, lagoas, diques, açudes, barreiros e poços, que são ingeridas diretamente no local pelos animais ou são utilizadas para montar redes de distribuição canalizada, nas áreas distantes da fonte, neste caso, sendo ingeridas em diferentes tipos de bebedouros. Quanto às aguadas naturais, o bom manejo dos animais deve ser observado, visto que, em muitos casos, além de favorecer processos erosivos, estas águas costumam ser fonte de contaminação por impurezas ou substâncias tóxicas para os animais, bem como de verminoses, já que os mesmos, muitas vezes, defecam e urinam no local. Assim sendo, o bom manejo significa usar racionalmente a água disponível na fazenda, explorando as diferentes fontes existentes de forma a maximizar a eficiência produtiva, seja de leite ou carne. Avaliaram-se três fontes de fornecimento de água para animais, sendo: 1 - água limpa e fresca – oriunda de rios, riachos ou poços; 2 - água de tanque de captação fornecida em bebedouros; 3 - acesso direto dos animais aos tanques de captação – observaram maiores consumos de água dos animais que receberam água limpa e fresca proveniente de rios, riachos e açudes, seguida da água captada e servida nos bebedouros; 4 - água ingerida diretamente em seu local de captação. A justificativa para os resultados obtidos foi devido à menor presença de matéria orgânica na água limpa e fresca, o que acarretou numa maior aceitação pelos animais. A ingestão de água apresenta correlação positiva com a ingestão de matéria seca. O pastejo de capins de baixa qualidade de áreas tropicais resulta em baixa ingestão de água porque a ingestão de MS é baixa. Em consumos idênticos, as dietas com maior conteúdo de fibra indigestível promovem maiores perdas de água nas fezes, o que aumenta a ingestão de água. Vacas maiores ingerem mais água porque consomem mais matéria seca. Bezerros em dietas líquidas ingerem mais água/kg de matéria seca do que animais mais velhos, recebendo dieta seca. Alimentos suculentos caracterizados por apresentarem elevadas concentrações de água e baixos teores de matéria seca, a exemplo da palmaforrageira, mandacaru, gramíneas e leguminosas in natura, melancia-forrageira, além de alimentos conservados na forma de silagem, constituem como importantes fontes de água aos ruminantes. O efeito da substituição do feno de tifton por palma forrageira em vacas holandesas lactantes está mostrado na Tabela 1. O consumo de água diminuiu linearmente à medida que a palma foi incluída na ração. Tabela 1 - Consumo e exigência de água, produção de leite e consumo de matéria seca de vacas em lactação recebendo palma forrageira em substituição ao feno Variáveis Água ingerida (l/dia) Água via palma (kg) Total de água consumida (kg/dia) Exigência Água (kg/dia)* Produção de leite (kg/dia) Consumo MS (kg/dia) Fonte: Adaptado de Carvalho (2005); *NRC2001.

Níveis de Palma em substituição do Feno (%) 0,0 12,5 25,0 37,5 50,0 100,5 86,31 66,34 49,97 32,80 20,6 37,74 55,22 72,25 100,5 106,40 104,10 105,20 105,00 76,69 84,53 84,00 84,21 83,66 15,82 18,37 19,60 20,62 20,50 15,87 17,73 16,68 16,24 15,96


104

ARTIGO TÉCNICO

Equipamentos e Acessórios

Tabela 2 – Ingestão voluntária média de água (L/dia) com e sem evaporação pelas diferentes categorias Ingestão

Ingestão mais evaporação

Vacas em lactação

62,4

66,3

Vacas e novilhas em final de gestão

50,9

51,3

Vacas secas e novilhas gestantes

45,0

51,6

Novilhas em idade de inseminação

48,8

52,8

Fêmeas desmamadas até idade de inseminação

29,8

36,1

Bezerros lactentes criados à pasto

11,2

12,5

fonte: Benedetti (1986).

O aumento da temperatura ambiente aumenta o consumo de água, com 27-30°C sendo a faixa em que ocorre diferença marcante do consumo. O aumento da umidade ambiente reduz o consumo de água (consequentemente, o de matéria seca de alimento) porque reduz a evaporação corporal. Alimentos secos ou baixos teores de umidade, alto teor de NaCl, de bicarbonato de sódio ou de proteína aumentam o consumo de água. A adição de NaCl ao alimento aumenta o consumo em mais de 50g de água para cada 1,0g adicionado. Vacas deficientes em sal exibem sintomas de sede intensa e de poliúria (micção frequente). Ao se avaliar o consumo de água em uma propriedade deve-se levar em conta o índice de evaporação. Neste estudo, inicialmente, foram feitas duas análises descritivas, incluindo ou não o índice de evaporação nos gastos efetivos de água. Os dados foram calculados com base nos resultados obtidos diariamente do evaporímetro. A média de evaporação verificada no aparelho, durante o experimento, foi de 995 ml diários; no período das secas e no das águas foram de 1113 ml e 854 ml, respectivamente. Por m² de superfície, a média foi de 0,66L; nas secas 0,74L e nas águas, 0,57L. A diferença entre o consumo com e sem evaporação foi expressiva, conforme pode ser visto na Tabela 2. A variação entre ingestão média voluntária de água com e sem evaporação

foi devida à menor ou maior área de superfície de evaporação dos bebedouros e suas diferentes localizações na propriedade. Dos animais domésticos, a vaca leiteira é a que mais sofre com a privação de água, primariamente pela grande excreção no leite. O corpo contém, em média, de 55 a 65% de água; vacas muito gordas somente 50% e muito magras 70%. Em temperatura elevada, recusam alimento a partir do quarto dia de privação e a perda de peso pode chegar aos 16%. A lactação pode aumentar 50 a 70% (ou mais ainda nas grandes produtoras) as necessidades de água para mantença. A quantidade de água necessária para o consumo de 100 kcal fornecida pelo leite pode ser apresentada da seguinte forma:

Água no leite: 127,0g; Água metabólica: 12,5g; Água de dissipação de calor: 60,0g; Água para excreção dos produtos finais: 123,0g; 322,5g(total) – 183,0g(excretada): Déficit: - 139,5g. Na Tabela 3 visualiza-se a quantidade de água ingerida voluntariamente pelos bovinos leiteiros em condições de confinamento em clima temperado. O suprimento de água para vacas prenhes ou lactantes deve ser sempre elevado, visto que estes animais consomem mais água que vacas secas, especialmente nos últimos três meses de gestação, fase em que ocorre o maior desenvolvimento do feto. Vacas de alta produção que produziam mais de 25 Kg de leite/dia ingeriram 62% mais água que as vacas de menor

Tabela 3 – Consumo de água pelo gado leiteiro em região de clima temperado Categoria

Vacas em lactação

Idade/Produção de leite (kg/dia)

Necessidade de água (litros/dia)

13,6

68 a 83

22,6

87 a 102

36,0

113 a 136

45,0

132 a 155

Vacas secas

prenhas de 6 a 9 meses

26 a 50

5 meses

14,4 a 17,4

Novilhas hotandesas

15 a 18 meses

22,3 a 26,3

18 a 24 meses

27,6 a 36,3

Bezerras holandesas

Fonte: Dairy Herd Managemente (2000)

um mês

4,9 a 7,6

dois meses

5,7 a 9,1

três meses

7,9 a 10,5

quatro meses

11,3 a13,2


105

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

produção (Tabela 3). Dentre todos os animais domésticos, as vacas em lactação são as que mais necessitam de água em proporção ao tamanho do corpo devido, principalmente, à grande quantidade de água que perdem no leite secretado. Há, no entanto, uma ampla variação individual no consumo de água, mesmo quando o consumo de matéria seca é o mesmo. A restrição de água em vacas leiteiras provoca redução no consumo de alimentos, com consequente redução da produção de leite e peso dos animais. Avaliando a restrição hídrica por 48 horas em vacas em lactação, verificou-se uma redução de 35% no consumo de alimentos, 12% no peso corporal e 30% na produção de leite, demonstrando os efeitos prejudiciais da privação de água no desempenho, saúde e bem-estar animal.

Em bovinos de corte, os requisitos são quase iguais à quantidade de água consumida nos alimentos mais a ingerida ad libitum, como água livre. A grande diferença com o gado de leite é que a taxa e a composição do ganho de peso também influenciam os requisitos. Como os bovinos de corte estão mais sujeitos à atividade física, principalmente se criados extensivamente, esta pode influenciar mais os requisitos do que no caso do gado de leite. Considerando-se bovinos de dois anos, a necessidade mínima é de 45 litros/cab/dia ou cerca de 8-9 litros/ l00 kg de peso vivo, em condições de manejo adequado, distância correta de bebedouros e clima temperado. Os requisitos exatos (quantidade) de água em ovinos não são bem conhecidos. Dependem do metabolismo, temperatura ambiente, estádio

LÁCTEO

de produção, tamanho do animal, cobertura de lã, quantidade de alimento consumido e composição do alimento. O consumo é duas a três vezes o consumo de matéria seca. A água total ingerida, incluída a dos alimentos é expressa pela fórmula: Água total ingerida (kg) = 3,86 x Matéria Seca ingerida - 0,99. Ingestão de  água(kg/ dia)= 0,9 x produção de leite kg/ dia + 1,58 x consumo de MS kg/ dia +0,05 x consumo de Na g/ dia + 1,197 x temperatura média diária °C + 16. Prof. Dr. Edmundo Benedetti - Professor dos Programas de Pós Graduação da Faculdade de Med. Veterinária e Zootecnia da Universidade Federal de Uberlândia, Fazu - Uberaba e DiDatus – Curitiba Água na Alimentação de Bovinos ISBN 978-85-7078-326-4 EDUFU, 2012 104 p. : il. Universidade Federal de Uberlândia Benedetti, Edmundo.


106

ARTIGO TÉCNICO

Equipamentos e Acessórios

Caracterização da produtividade leiteira em uma região da Zona da Mata de Minas Gerais

Letícia D’Agosto Miguel Fonseca1, Alziro Vasconcelos Carneiro2, Marcos Cicarini Hott2, Franciele de Oliveira Pimentel3 Estudante de Mestrado em Solos e Nutrição de Plantas – Universidade Federal de Viçosa 2 Pesquisadores – Embrapa Gado de Leite 3 Estudante – Curso de Geografia – Universidade Federal de Juiz de Fora

1

Introdução

A produção leiteira é uma das principais atividades da agropecuária no Brasil e uma das grandes responsáveis pelo crescimento do agronegócio brasileiro. No entanto, apesar de toda tecnologia qualificada já disponibilizada pela pesquisa, observa-se que grande parte dos produtores envolvidos com a produção de leite tende a não permanecer na atividade. Há uma dificuldade em atender o mercado, cada dia mais exigente na qualidade e na segurança alimentar, e principalmente em garantir o próprio sustento financeiro.

Minas Gerais é o maior produtor de leite do país, com destaque para a Zona da Mata Mineira, que detém 10% da produção mineira, sendo as microrregiões de Leopoldina e Muriaé importantes bacias leiteiras. Em 2009, esses municípios produziram cerca de 52 e 23 milhões de litros de leite, respectivamente, e mantiveram esse patamar segundo dados do último censo agropecuário de 2011, com 56 e 22 milhões de litros de leite, aproximadamente (Figura 1). Com ferramentas de geoprocessamento e dados de imagens de sensoriamento remoto, gerou-se


107

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

Figura 1. Produção de leite dos municipios da Zona da Mata Mineira, 2011.

Fonte: IBGE (2012). Elaborado pelos autores

cartografia temática acerca das áreas de pastagens nos municípios de interesse. A partir disto, formou-se introspecção acerca da concentração dos talhões de forragens ao longo do território. Considerando as áreas ocupadas com pastagem, capineira e silagem como importantes fatores no dimensionamento do rebanho, e assim com influência direta na produção de leite, tornou-se necessário observar sua distribuição nesses municípios, principalmente quanto à infraestrutura de estradas pavimentadas. O objetivo deste estudo foi identificar a influência das forrageiras na produtividade leiteira de Leopoldina e Muriaé, municípios que se destacaram por práticas que auxiliam na produção, como manejo de pastagem, produção de silagem e fornecimento

de concentrados para o gado. Assim, foi possível conhecer de forma exploratória os diferentes manejos que têm apresentado eficiência na produção leiteira.

Metodologia

Em razão da maior produção de leite, da maior área territorial e do grande número de pecuaristas, Muriaé e Leopoldina foram selecionados, em termos de perfil da pecuária leiteira, como representantes das suas respectivas microrregiões. As informações sobre empresas rurais foram obtidas por meio de entrevistas diretas a partir de questionários testados para esta finalidade. Foram selecionados 129 produtores de leite em Leopoldina e Muriaé, os quais foram divididos em subpopulações de acordo com a produção

Tabela 1. Numero de produtores entrevistados por estratos de produção de leite e por município em 2010. Produção diária de leite

Total da amostra

Muriaé

Leopoldina

Até 100 litros

57

29

28

101-400 litros

48

24

24

Acima de 401 litros

24

12

12

Total

129

65

64

LÁCTEO

anual (Tabela 1). A escolha dos pecuaristas, em cada estrato, foi realizada por meio de uma tabela de números aleatórios. Os dados coletados foram relativos ao período de janeiro a dezembro de 2010. Dentre as variáveis consideradas no levantamento, foram obtidas informações relativas à área de pastagem/produção de leite ano; número de vacas/produção anual; média de produtividade/vaca/dia em três estratos das áreas de pastagem; número de produtores que adotaram práticas que auxiliaram na produção de leite; área de forrageiras do município em hectares; e produção de silagem em toneladas ao ano. Para o mapeamento das áreas de pastagem e a análise de sua distribuição nos municípios, foram selecionadas amostras de imagens do satélite Terra a partir do produto NDVI/MODIS, quando se detectou o intervalo característico do NDVI (Índice de Vegetação da Diferença Normalizada) para as pastagens, principalmente de forragens e cultivos anuais usados na complementação. Assim, gerou-se o mapa ou a máscara de uso das terras (Jensen, 2009). Para a avaliação da densidade de pastagens, adotou-se o critério de proximidade à infraestrutura de estradas pavimentadas, utilizando-se o método apropriado no SIG (Sistemas de Informações Geográficas) por meio da geração de buffers ou de margens de distância, de 1 em 1 km, acumulando-se os dados de densidade a cada quilômetro.

Resultados e discussão

Inúmeros fatores podem influenciar o resultado produtivo em bacias leiteiras. Eles vão desde tamanho do rebanho, genética e fertilidade do solo até disponibilidade de água ou infraestrutura. Cortados por rodovias importantes e posicionados em região de relevo ondulado, com temperatura média anual alta e altitude baixa, os municípios de Muriaé e Leopoldina revelam boa aptidão para a pecuária (Figura 2).


ARTIGO TÉCNICO

Equipamentos e Acessórios

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

Figura 2: Mapa de pastagens e principais rodovias dos municípios estudados. Elaborado pelos autores.

LÁCTEO

do acréscimo de produtividade na região deveu-se à melhor qualidade das pastagens atuais. Nos estabelecimentos ligados à pecuária leiteira em Leopoldina e Muriaé, conforme demonstram os histogramas das figuras 3 e 4, predominam a área média com pastagens de 44 e 155 ha, respectivamente. No que se refere à produção de leite por hectare de pastagem, nas propriedades estudadas, encontrou-se produtividade de 1.262 litros/ha/ano em Leopoldina e 1.544 litros/ha/ano em Muriaé (Tabela 2). São valores superiores à média encontrada pelo IBGE (2009), de 881 litros/ha/ano em Leopoldina e 555 litros/ha/ano em Muriaé.

Figura 3: Histograma da área destinada à atividade leiteira do município de Muriaé 60

Histograma

50 Frequência

No período de 1990 a 2010, em relação a litros de leite por dia e por vaca ordenhada, a produtividade do rebanho na região aumentou. A produção diária média por vaca em lactação, que era de 4,07 litros/dia em 1990, segundo o IBGE, passou para 7,41 litros/dia em 2010 (Tabela 2), um acréscimo de 55%. Considerando o período de lactação de 305 dias, o incremento foi de 104 litros de leite. A área média total dos estabelecimentos regionais ligados à pecuária de leite é de 122 hectares. Trata-se de uma porcentagem alta: para os produtores estudados, como um todo, a ocupação com o segmento é de 80%. O tamanho da propriedade, por sua vez, pode ser considerado como indicador do status socioeconômico do produtor. Seguindo esse raciocínio, verificou-se que os estratos de maior produção diária de leite ocupam maiores áreas de terras. Esse fato pode ser um indicador de que os proprietários das médias e grandes propriedades tinham terra de melhor qualidade e/ ou trabalhavam de acordo com os parâmetros técnicos, atendendo adequadamente às exigências tecnológicas. Pode indicar também que, nessas propriedades maiores, geralmente não havia grande número de bovinos por hectare. Certamente, parte relevante

40 30

Frequência

20 10 0

4 154,75 305,5 456,25 607 757,75 908.5 1059,25 Mais Bloco

Figura 4: Histograma da área destinada à atividade leiteira do município de Leopoldina 40

Histograma

35 30

Frequência

108

25 20

Frequência

15 10 5 0

4,84

43,56

82,28

121

159.72 198,44 237,16 275,88

Mais

Bloco


110

ARTIGO TÉCNICO

Equipamentos e Acessórios

Tabela 2: Produção de leite, área e produtividade por hectare nas fazendas estudadas. Municípios

Produção de leite (2010)

Área de Pastagem (ha)

Produção de leite por ha. (em litros/ha/ano)

Leopoldina

5.397.437

4.278

1.262

Muriaé

7.739.825

5.011

1.544

Tabela 3: Numero de vacas, produção anual (em litros de leite) e produtividade (em litros/vaca/ano). Município

Nº de vacas

Produção anual

Produtividade

Leopoldina

1.620

5.397.437

3.332

Muriaé

2.500

7.739.825

3.096

Tabela 4: Média de produtividade por área de pastagem. Área de pastagem dos

Média de produtividade l/vaca/dia

estabelecimentos (ha)

Leopoldina

Muriaé

0 – 50

8,04

7,75

50 – 100

8,41

6,42

Acima de 100

9,75

8,04

Figura 5: Mapa que ilustra a análise da densidade de pastagem por classe acumulada de distância da rodovia pavimentada. Número de produtores Discriminação Leopoldina

Muriaé

Bate (limpa) pasto todo ano?

55

56

Fornece concentrado de acordo com a produção de leite?

43

42

Fornece cana-de-açúcar picada com ureia para os animais?

29

27

Faz adubação ou calagem das pastagens?

18

18

Faz descarte de vacas que produzem abaixo da média do rebanho?

52

50

Fornece suplementação volumosa para as vacas em lactação nas secas?

63

64

Fornece suplementação volumosa para as vacas em lactação nas águas?

52

57

Fornece alimentação concentrada para as vacas em lactação nas secas?

61

60

Fornece alimentação concentrada para as vacas em lactação nas águas?

45

51

Observou-se ainda, como demonstra a tabela 3, que a média de produtividade anual por vaca foi maior em Leopoldina. Já na tabela 4 é possível inferir, a partir dos estratos de pastagem, que maiores áreas tiveram melhor produtividade em Leopoldina. Ao contrario, em Muriaé, as propriedades de tamanho intermediário (50 ha a 100 ha) tiveram pior desempenho que as menores (até 50 ha). O tamanho médio dos estabelecimentos e a área de pastagem total são menores em Leopoldina. No entanto, a produtividade pode estar ligada a fatores associados às práticas de manejo, como mostra a tabela 5. Embora o número de produtores que adotam as práticas explicitadas seja próximo, os estabelecimentos de Leopoldina, apesar de menores, possuem maior número de piquetes, o que possibilita manejo mais adequado. Possivelmente, assim, será maior a disponibilidade de nutrientes na alimentação do rebanho – a qualidade das pastagens está associada a técnicas de cultivo, escolha da área, análise do solo e adubação, entre outros. As áreas de pastagens formadas resultam em maior produção de forragem quando comparadas às naturais. Em Leopoldina, a área com pastagem cultivada representou 73% da área total, enquanto em Muriaé era de 64%. Quanto à suplementação alimentar, tanto volumosa quanto concentrada, notou-se que é uma pratica amplamente adotada nas duas regiões. Já a produção de silagem em toneladas apresentou grande variação de uma forragem a outra, bem como de um município a outro. Muriaé se destacou em capim e milho (sendo o milho o de maior valor nutritivo), enquanto Leopoldina produz alta quantidade de sorgo, cereal que apresenta resistência às condições climáticas e alta capacidade de rebrota. A produção total de sorgo/área, assim, pode compensar a desvantagem nutritiva frente ao milho.


111

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

Com a distribuição, em grande parte, regida pelas condições de relevo e clima, tanto as pastagens quanto as áreas de forragens utilizadas, as quais se confundem na escala cartográfica de análise dos dados de imagens e NDVI, estendem-se por quase todo o território estudado. O resultado do mapeamento da pastagem mostrou ampla distribuição em ambos os municípios, com concentração na região centro-oeste e norte em Leopoldina e nas áreas centro-oeste e nordeste em Muriaé. Por meio da análise de densidade por distância da rodovia pavimentada, verifica-se uma concentração de 50 ha de pastagem por km² nas classes de distância da rodovia até 1 km, contra 30 a 40 ha por km² nas classes distais. Isto pode indicar facilitação na manutenção das pastagens próximas às estradas, além da presença de alguns estabelecimentos

nas margens das rodovias que cortam os dois municípios (incluindo a BR116), os quais possuem localização estratégica em relação aos principais centros urbanos da região Sudeste (Figura 5).

Conclusão

O município de Leopoldina apresentou maior produtividade em decorrência do manejo das áreas utilizadas na produção de leite, associado ao tamanho das propriedades e ao número de vacas em lactação. Embora o número de produtores que realizaram o manejo seja próximo ao de Muriaé, as áreas de pasto em Leopoldina são menores, ou seja, a disponibilidade de nutrientes é mais homogênea, aumentando a produtividade na medida em que há o aumento de tamanho da propriedade. Em Muriaé, as propriedades com tamanho intermediário de 50 a 100

LÁCTEO

ha apresentaram menor eficiência quando comparadas com aquelas de 50 ha. Por meio do mapeamento, verificou-se maior concentração dos talhões ou poligonais de pastagens próximas às estradas pavimentadas, o que pode indicar a intensificação da pecuária leiteira com a melhoria da infraestrutura na localidade.

Referências bibliográficas IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário, 2009.

JENSEN, J. R. Sensoriamento remoto do ambiente: uma perspectiva em recursos terrestres. Tradução (INPE): Epiphanio, J.C.N.; Formaggio, A.R.; Santos, A.R.; Rudorff, B.F.T; Almeida, C.M.; Galvão, L.S. São José dos Campos: Parêntese, 2009. 598 p. AGRADECIMENTOS: À FAPEMIG pelo apoio financeiro.


112

LISTA DE PRODUTOS

Equipamentos e Acessórios

A ABRAÇADEIRAS CARBONO E INOX

Brascon Conexões Casa Forte Inoxserv

ABRASIVOS

Dutra Máquinas ABRASIVOS Dutra Máquinas

ACESSÓRIOS

A. Castellano Peneiraço Vitória Hiper Centrifugation Ltda. Vedaplast

ACESSÓRIOS PARA CALDEIRAS Casa Forte Fimaco do Brasil Omegabelt Brasil

ACESSÓRIOS PARA CÂMARAS FRIGORÍFICAS

Casa Forte Coel Jetfrio Luftec Hélices Omegabelt Brasil

ACIDÍMETRO DORNIC

Abc de Itaperuna - rj Casa Das Desnatadeiras Casa Forte

ACIDÍMETRO NEUREX

Casa Forte

ACIDÍMETRO SALUT

Abc de Itaperuna - rj Casa Das Desnatadeiras Casa Forte

ACIDÍMETROS

Casa Das Desnatadeiras

AÇO CARBONO

Inoxserv

AÇO INOXIDÁVEL

A.castellano Peneiraço Vitória B&b Inox Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Greco Injesul Inoxserv Mirainox Ltda Mundial Quimica Therj

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

ACOPLAMENTOS

Sunnyvale Tecnoglobo

AGITADORES

Casa Forte Dairy Equipamentos Foss Brasil Gea Food Solutions Labcontrol Ltda Milklab Quimis Aparelhos Científicos Tecnoglobo Tribeca

Redutores Tecnored Weg-cestari B&b Inox Biologica Casa Forte Dpunion Exsys - Industria Gehaka Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Mirainox Ltda Omegabelt Brasil Quimis Aparelhos Científicos Semco Soluções em Agitação Spx Flow Technology do Brasil Tribeca

ALICATE WATTÍMETRO

Akso Produtos Eletrônicos

ALICATES

Dutra Máquinas

ALICATES HIDRÁULICOS

Dutra Máquinas

ANALISADOR AUTOMÁTICO DE GORDURA

Casa Forte Dairy Equipamentos Foss Brasil Labcontrol Ltda Tecnoglobo Tribeca

ANALISADOR DE ATIVIDADE DE ÁGUA

Dpunion Foss Brasil

ANALISADOR DE CLORO

Biologica Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Dpunion Gehaka Quimis Aparelhos Científicos

ANALISADOR DE GORDURA

ANALISADOR DE GORDURA POR INFRA-VERMELHO

Casa Forte Dairy Equipamentos Foss Brasil Gehaka Labcontrol Ltda Milklab Poly Clip Tribeca

ANALISADOR DE LEITE

Akso Produtos Eletrônicos Casa Forte Dairy Equipamentos Foss Brasil Labcontrol Ltda Pzl

ANALISADOR DE LEITE POR FTIR

Casa Forte Dairy Equipamentos Foss Brasil Labcontrol Ltda

ANALISADOR DE LEITE POR ULTRASSOM

Akso Produtos Eletrônicos Casa Forte Milklab Pzl

ANALISADOR DE LEITE POR ULTRASSOM - DAIRYSCAN

Milklab

ANALISADOR DE LEITE POR ULTRASSOM PORTÁTIL

ANALISADOR DE CONSTITUINTE ORGÂNICO

Casa Forte Milklab

ANALISADOR DE GASES

Dairy Equipamentos Foss Brasil Labcontrol Ltda Quimis Aparelhos Científicos Tecnoglobo Tribeca

Foss Brasil

Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Dpunion Jetfrio Quimis Aparelhos Científicos

LÁCTEO

ANALISADOR DE PROTEÍNA


114

LISTA DE PRODUTOS

Equipamentos e Acessórios

ANALISADOR DE TENSÃO SUPERFICIAL

Dpunion Labcontrol Ltda

ANALISADOR DE UMIDADE

Casa Forte Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Foss Brasil Gehaka Milklab Quimis Aparelhos Científicos Tecnoglobo

ANALISADOR ULTRASÔNICO DE LEITE - LACTOSCAN

Akso Produtos Eletrônicos

ANÁLISE DE GORDURA POR INFRA-VERMELHO

Dairy Equipamentos Eurofins|alac Labcontrol Ltda Tribeca

ANEMÔMETRO DIGITAL

Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Dpunion Jetfrio

APARELHO DE TRATAMENTO TÉRMICO

Águia Inox Dpunion Tribeca

APARELHOS DE MEDIÇÃO

Akso Produtos Eletrônicos Burkert Dpunion Dutra Máquinas Labcontrol Ltda Quimis Aparelhos Científicos

APARELHOS DE ULTRAFILTRAÇÃO

Dpunion Gehaka Quimis Aparelhos Científicos Tech Filter

APLICADORA PARA RÓTULOS TERMOENCOLHÍVEIS

Epet do Brasil

AQUECEDORES

Arauterm Casa Forte Dpunion Fimaco do Brasil Fischer Term

Mml Caldeiras Quimis Aparelhos Científicos

Norgren

AQUECEDORES DE FLUIDO TÉRMICO

Casa Forte Fimaco do Brasil Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Quimis Aparelhos Científicos

Fimaco do Brasil Spadaro Imports

AQUECEDORES DE FLUIDO TÉRMICO A COMBUSTÍVEIS SÓLIDOS (LENHA, CAVACOS, RESÍDUOS)

Fimaco do Brasil Spadaro Imports

AQUECEDORES DE FLUIDO TÉRMICO A ÓLEO OU GÁS

Fimaco do Brasil Spadaro Imports

AR CONDICIONADO

Jetfrio Multifrio Comércio de Refrigeração

ARMADILHAS LUMINOSAS ADESIVAS PARA CONTROLE DE INSETOS VOADORES

Ultralight Ind e Com de Armadilha Luminosas para Insetos Voadores

ARMÁRIO DE AÇO INOX

B&b Inox Casa Forte Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Therj

ARMÁRIOS

Gerlab Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Therj

AUTOCLAVE VERTICAL

AUTOCLAVES

B&b Inox Casa Forte Dpunion Fimaco do Brasil Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Jbt Foodtech Poly Clip Quimis Aparelhos Científicos Spadaro Imports

AUTOCLAVES PARA ESTERILIZAÇÃO

Fimaco do Brasil Gea Engenharia de Processos Pentair Poly Clip Quimis Aparelhos Científicos Spadaro Imports

AUTOMAÇÃO

Inox Tecnologia Omegabelt Brasil Ssi Schaefer Ltda

AVENTAL

Casa Forte Prevemax

AVENTAIS

AROMATIZADORES

Abc de Itaperuna - RJ Casa Forte Prevemax

ATOMIZADORES

B BALANÇA

Fermentech

Dutra Máquinas Spadaro Imports Spx Flow Technology do Brasil

ATUADOR ELÉTRICO LINEAR

Linak do Brasil Ottime

ATUADOR PNEUMÁTICO LINEAR

Burkert Norgren

ATUADOR PNEUMÁTICO ROTATIVO

Burkert Inoxserv

Biologica Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Dpunion Dutra Máquinas Gehaka kn Waagen Perfor Indústria de Máquinas Ltda Quimis Aparelhos Científicos Tribeca

BALANÇA ANALÍTICA

Biologica Casa Forte Dpunion Gehaka


115

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

kn Waagen Quimis Aparelhos Científicos

BALANÇA DE PISO DE AÇO INOX PARA PESAGEM DE PALETES NO SETOR DE EXPEDIÇÃO

kn Waagen

BALANÇA DIGITAL

Biologica Casa Forte Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Dutra Máquinas Gehaka Jetfrio kn Waagen Quimis Aparelhos Científicos

BARRAS DE INOX

Inoxserv Therj

BARRAS REDONDAS, SEXTAVADAS, QUADRADAS E CHATAS DE AÇO INOXIDÁVEL

Brascon Conexões Carbinox Inoxserv Intersteel Aço Inoxidável

BATEDEIRA PARA CREME

B&b Inox Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Mirainox Ltda B&b Inox Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Mirainox Ltda West Equipamentos

BALANÇA ELETRÔNICA PARA PESAGEM DE RECEBIMENTO DE LEITE

Hds Sistemas de Energia

kn Waagen

BALANÇA PARA BIG BAGS

kn Waagen Vectra

BALANÇAS INDUSTRIAIS

kn Waagen Tribeca

BALANÇAS MECÂNICAS, ELETRÔNICAS E INDUSTRIAIS

kn Waagen

BATERIAS

BELICHE PARA SALGA E DESCANSO DE MASSA

Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Fibrav

BICO DOSADOR DE IOGURTE

Casa Das Desnatadeiras Delgo Mirainox Ltda West Equipamentos

BICOS DE PULVERIZAÇÃO

Spraying Systems do Brasil Ltda

BIODIGESTOR

BALDES

Casa Forte West Equipamentos

BALDES COM BICO

Injesul Inox Tecnologia West Equipamentos

BANHO MARIA INOX ELETRÔNICO DIGITAL E COM AGITAÇÃO

Biologica Quimis Aparelhos Científicos

BARRAS - SEXTAVADAS, REDONDAS, QUADRADAS, CHATAS

Casa Forte Inoxserv

DETECTORES DE METAIS PARA A INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

BATEDEIRAS DE MANTEIGA

BALANÇA ELETRÔNICA DE BANCADA PARA PESAGEM DE DERIVADOS DE LEITE

Casa Forte Gehaka kn Waagen

LÁCTEO

PROTEJA SEUS PRODUTOS E CLIENTES DE CONTAMINAÇÃO METÁLICA.

• 2 anos de garantia; • Operação Simples;

Fimaco do Brasil

• Excelente Confiabilidade;

BOBINAS DE AÇO INOX

• Desempenho Excepcional:

Intersteel Aço Inoxidável

BOMBA DE CONDENSADO

Inoxserv Jetfrio sf International

BOMBA DOSADORA ELETRÔNICA

Delgo Dpunion Gehaka Hidrosistemas Hidrozon Tech Filter West Equipamentos

Financiamento via FINAME e Cartão BNDES. TEL: 55 11 3641-6158 vendas@fortress-iis.com.br www.fortress-iis.com.br Fabricado no Brasil com Tecnologia Canadense.


116

LISTA DE PRODUTOS

Equipamentos e Acessórios

BOMBA INOX

B&b Inox Castinox Grundfos Hidrosistemas Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Inoxserv Proinox Suprinox West Equipamentos

BOMBAS CENTRÍFUGAS

Casa Forte Castinox Dpunion Dutra Máquinas Frigostrella do Brasil Grundfos Hidrosistemas Hidrozon Inoxserv Suprinox West Equipamentos

BOMBAS CENTRÍFUGAS SANITÁRIAS

Casa Forte Castinox Grundfos Hidrozon Inoxserv Proinox Spx Flow Technology do Brasil Suprinox West Equipamentos Zomntainox

BOMBAS DE ALTA PRESSÃO

Grundfos Hidrosistemas Inoxserv West Equipamentos

BOMBAS DE CONDENSADO

Inoxserv

BOMBAS DE TRANSFERÊNCIA

B&b Inox Casa Forte Castinox Delgo Dpunion Inoxserv Mirainox Ltda Proinox Spx Flow Technology do Brasil West Equipamentos

BOMBAS DOSADORAS

Bralyx Emil - Empresa Mineira Ltda

Grundfos Hidrosistemas Inoxserv Instruval Norgren Spx Flow Technology do Brasil West Equipamentos

BOMBAS SANITÁRIAS

B&b Inox Casa Forte Grundfos Hidrosistemas Inoxserv Instruval Proinox Spx Flow Technology do Brasil Suprinox West Equipamentos

BOMBAS VÁCUO

Casa Forte Dpunion Dutra Máquinas Elmo Rietschle Hidrosistemas Inoxserv Jetfrio Quimis Aparelhos Científicos Selovac

BORRACHA PARA DOCA DE VISITA

Casa Forte

BOTAS

Abc de Itaperuna - rj Casa Forte Prevemax

BOTINAS

Abc de Itaperuna - rj Prevemax

BUCHAS

A.t.i. Brasil Casa Forte

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

LÁCTEO

CAÇAMBA PARA ENTULHO

Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia

CAÇAMBAS

Fibrav Injesul Therj

CAIXAS PARA LABORATÓRIO

Acrilicos Brascril Casa Forte

CAIXAS PARA TRANSPORTE DE LEITE

Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Klabin

CALÇADO DE SEGURANÇA

Dutra Máquinas

CALÇAS

Abc de Itaperuna - rj Casa Das Desnatadeiras Prevemax

CALDEIRÃO

Geiger

CALDEIRARIA

Casa Forte Mirainox Ltda West Equipamentos

CALDEIRAS

Arauterm Casa Forte Fimaco do Brasil Mirainox Ltda Mml Caldeiras West Equipamentos

CALDEIRAS A LENHA, CAVACO, BAGAÇO, BRIQUETES, PELLETS O OUTRAS BIOMASSAS DE 1.000KG/H ATÉ 30.000KG/H

BUFFER HORIZONTAL E VERTICAL

Casa Forte Fimaco do Brasil Mml Caldeiras West Equipamentos

BURETA DIGITAL

CALDEIRAS A ÓLEO E GÁS DE 300KG/H ATÉ 34.000KG/H

Flexlink Systems Solpac Biologica Casa Forte Dpunion Gehaka

C CABEÇA PNEUMÁTICA

Dois Irmãos Makplan Sistmarc

Fimaco do Brasil Mml Caldeiras West Equipamentos

CALDEIRAS AQUATUBULARES

Fimaco do Brasil Mml Caldeiras West Equipamentos


118

LISTA DE PRODUTOS

Equipamentos e Acessórios

CALDEIRAS FLAMOTUBULARES

Casa Forte Fimaco do Brasil Mml Caldeiras West Equipamentos

CALDEIRAS GERADORAS DE ÁGUA QUENTE PARA CONSUMO

Casa Forte Fimaco do Brasil Mml Caldeiras West Equipamentos

CALDEIRAS GERADORAS DE ÁGUA QUENTE PARA PROCESSOS DE AQUECIMENTO

Casa Forte Fimaco do Brasil Mml Caldeiras West Equipamentos

CALDEIRAS GERADORAS DE VAPOR A COMBUSTÍVEIS SÓLIDOS (LENHA, CAVACOS, RESÍDUOS)

Fimaco do Brasil Mml Caldeiras West Equipamentos

CALDEIRAS GERADORAS DE VAPOR A ÓLEO OU GÁS

CANTONEIRAS DE AÇO INOXIDÁVEL

Fimaco do Brasil Mml Caldeiras West Equipamentos

Brascon Conexões Carbinox Intersteel Aço Inoxidável

CALDEIRAS GERADORAS DE VAPOR E ÁGUA QUENTE, COM A QUEIMA DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS E SÓLIDOS

Dutra Máquinas Prevemax

Fimaco do Brasil Mml Caldeiras West Equipamentos

CALHA PARSHALL

Fibrav

CÂMARA ASSÉPTICA

Jetfrio

CAPACETES

CAPAS

Dutra Máquinas Prevemax

CAPELA DE EXAUSTÃO DE GASES

Gehaka Quimis Aparelhos Científicos Vectra

CAPELA FLUXO LAMINAR HORIZONTAL

CAMISAS

Quimis Aparelhos Científicos

CANECAS PARA CEREAIS

CAPELA FLUXO LAMINAR VERTICAL

Prevemax

B&b Inox

Quimis Aparelhos Científicos


119

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

CARRINHOS DIVERSOS

Greco Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Injesul Inox Tecnologia Rgo Máquinas Industriais Ltda. Therj Trans Erg

CARRINHOS ENFORMADOR PARA RICOTA

B&b Inox Casa Forte Injesul Inox Tecnologia

CARRINHOS INOX DE TRANSPORTE

B&b Inox Brascon Conexões Casa Forte Dutra Máquinas Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Injesul Inox Tecnologia

Mirainox Ltda Rgo Máquinas Industriais Ltda. Therj

CARRINHOS PARA TRANSPORTE DE MASSA EM FIBRA DE VIDRO PRFV

Casa Forte Fibrav

CARRO CAÇAMBA

B&b Inox Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Injesul Inox Tecnologia Therj

CARROSSEL MOLDEADOR DE MUSSARELA

Inox Tecnologia West Equipamentos

CENTRAL DE LIMPEZA CIP

B&b Inox Casa Forte

Exsys - Industria Instruval Pentair Proinox Spadaro Imports West Equipamentos

CENTRÍFUGAS

Casa Forte Chibrascenter Dpunion Gea Westfalia Separator Brasil Gehaka Hiper Centrifugation Ltda. Instruval Quimis Aparelhos Científicos Rgo Máquinas Industriais Ltda.

CENTRÍFUGAS AUTOMÁTICAS AUTOLIMPANTES

Centrilatte Gea Westfalia Separator Brasil

CENTRÍFUGAS DE SANGUE

Quimis Aparelhos Científicos

LÁCTEO


120

LISTA DE PRODUTOS

Equipamentos e Acessórios

CENTRÍFUGAS DE VEGETAIS

Geiger Quimis Aparelhos Científicos

CENTRÍFUGAS DEGERMINADORAS PARA LEITE

Centrilatte Gea Westfalia Separator Brasil

CENTRÍFUGAS INDUSTRIAIS

Centrilatte

CENTRÍFUGAS PARA LABORATÓRIOS

COADOR

B&b Inox

COADORES

A.castellano Peneiraço Vitória B&b Inox Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Injesul

CODIFICADOR DE FILME

Codatec

CONDITIVÍMETRO PORTÁTIL DIGITAL

Biologica Dpunion Gehaka Quimis Aparelhos Científicos

CONEXÃO SOLDÁVEL EM AÇO CARBONO

Casa Forte Inoxserv

CONEXÃO SOLDÁVEL EM AÇO INOXIDÁVEL

Biologica Casa Das Desnatadeiras Gehaka Quimis Aparelhos Científicos

Codmarc Codif. e Marc. Ind. Dois Irmãos Makplan Sistmarc

CODIFICADOR LATERAL

Burkert Casa Forte Inoxserv

CENTRÍFUGAS VERTICAIS

CODIFICADORES

Brascon Conexões Carbinox Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Castinox Inoxserv Norgren

Gehaka

CHAPA AQUECEDORA REDONDA

Biologica Gehaka Quimis Aparelhos Científicos

CHAPAS DE AÇO INOXIDÁVEL

A.castellano Peneiraço Vitória Brascon Conexões Gehaka Intersteel Aço Inoxidável Multifrio Comércio de Refrigeração

CHAPAS DE INOX

A.castellano Peneiraço Vitória Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Intersteel Aço Inoxidável

CHAPAS E BOBINAS DE INOX, GALVANIZADA, PRÉ-PINTADA E ALUMÍNIO

A.castellano Peneiraço Vitória Intersteel Aço Inoxidável

CHECK WEIGHER

Codatec Cyklop Dois Irmãos Sunnyvale

COMPONENTE PARA TRANSPORTADOR

Gehaka Rgo Máquinas Industriais Ltda.

COMPONENTES DE TRANSPORTADORES

Bellt Correntes Transportadoras Flexlink Systems Gehaka Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Rgo Máquinas Industriais Ltda.

COMPONENTES PARA PROCESSOS

Burkert

COMPRESSOR DE AR

Dutra Máquinas Elmo Rietschle

CONCENTRADORES

Gehaka Perfor Indústria de Máquinas Ltda Sunnyvale

Quimis Aparelhos Científicos Spadaro Imports

CILINDRO DE PRENSA

CONCENTRADORES PARA LEITE CONDENSADO

B&b Inox

CILINDROS

Ascoval Indústria e Comércio Ltda. Caporetto Norgren

CLICHES DE LATÃO E BORRACHA

Codmarc Codif. e Marc. Ind. Makplan Sistmarc

Inox Tecnologia Spadaro Imports

CONDITIVÍMETRO BANCADA DIGITAL

Biologica Dpunion Gehaka Quimis Aparelhos Científicos

CONEXÕES

CONEXÕES DE AÇO INOXIDÁVEL E AÇO CARBONO

Brascon Conexões Burkert Casa Forte Inoxserv Intersteel Aço Inoxidável Mirainox Ltda

CONEXÕES EM AÇO CARBONO

Brascon Conexões Casa Forte Inoxserv

CONEXÕES EM AC

Inoxserv

CONEXÕES EM INOX

Burkert Casa Das Desnatadeiras Castinox Inoxserv Norgren

CONEXÕES PARA LINHA SANITÁRIA DE AÇO INOXIDÁVEL

Brascon Conexões Burkert Casa Forte Castinox Inoxserv Intersteel Aço Inoxidável


121

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

CONEXÕES SANITÁRIAS

Burkert Castinox Inoxserv

CONEXÕES TUBULARES DE AÇO CARBONO

Brascon Conexões Carbinox Casa Forte Inoxserv

CONEXÕES TUBULARES DE AÇO INOXIDÁVEL

Brascon Conexões Carbinox Casa Forte Inoxserv Intersteel Aço Inoxidável

CONGELADOR DE PLACA

Spadaro Imports West Equipamentos

CONJUNTO MONOBLOCO

B&b Inox

CONJUNTO MONOBLOCO PARA 1.000 E 2.000 KG/HORA

B&b Inox Casa Forte Inox Tecnologia

CONJUNTO PARA MASSA FILADA

B&b Inox Casa Forte Tribeca

CONJUNTOS

Prevemax

CONTADOR DE COLÔNIA DIGITAL

Frigostrella do Brasil Jetfrio Quimis Aparelhos Científicos

Biologica Quimis Aparelhos Científicos

CONJUNTO DE RALADOR E SECADOR DE QUEIJO RALADO

CONTADOR DE COLÔNIA MECÂNICO

Casa Forte West Equipamentos

CONJUNTO AUTOMÁTICO DE FILAGEM E MOLDAGEM

B&b Inox Casa Forte

CONJUNTO CIP

Águia Inox Proinox

Biologica

CONTROLADORES DE TEMPERATURA

Casa Forte Coel Emerson Process Management Every Control Jetfrio Körper Sistemas de Resfriamento de Água

CONTROLADORES DE UMIDADE

Coel Every Control Jetfrio

CONTROLADORES DIGITAIS

Coel Every Control Jetfrio

CONTROLADORES E INDICADORES UNIVERSAIS MICROPROCESSADOS

Burkert Every Control Jetfrio

CONTROLADORES ELETRÔNICOS DIGITAIS

Burkert Coel Every Control Jetfrio

CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS (CLPS)

Every Control Jetfrio

CONTROLADORES PARA PASTEURIZAÇÃO

Jetfrio

CONTROLE DE NÍVEL DE CALDEIRA

West Equipamentos

LÁCTEO


122

LISTA DE PRODUTOS

Equipamentos e Acessórios

CORREIA SEM EMENDA

Jetfrio

CORREIA SINCRONIZADORA

Habasit do Brasil Interroll Jetfrio

CORREIAS

Abc de Itaperuna - rj Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Interroll Jetfrio

CORREIAS MODULARES

Interroll Jetfrio

CORREIAS PLANAS DE TRANSMISSÃO E TRANSPORTE

Habasit do Brasil Interroll Jetfrio

CORREIAS PLANAS SEM EMENDA

Habasit do Brasil Jetfrio

CORREIAS PLÁSTICAS MODULARES

Habasit do Brasil Interroll Jetfrio

CORREIAS REDONDAS

Habasit do Brasil Jetfrio

CORREIAS TRANSPORTADORAS

Fimaco do Brasil Gehaka Greco Interroll Jetfrio Rgo Máquinas Industriais Ltda. Solpac

CORRENTE

Greco Habasit do Brasil

COZINHADORES

Geiger Spadaro Imports Tribeca

CRIOSCÓPIO

Akso Produtos Eletrônicos Casa Forte Pzl

CRIOSCÓPIO ELETRÔNICO DIGITAL

Casa Forte Milklab Pzl

CRIOSCÓPIO ELETRÔNICO PARA LEITE

Casa Forte Milklab Pzl

CRIOSCÓPIO PORTÁTIL - CAMINHÃO

Casa Das Desnatadeiras Milklab Pzl

CRIOSCÓPIO ULTRASÔNICO

Pzl

CRISTALIZADORES

Águia Inox

CRONOTERMOSTATOS

Every Control

CUBADORAS

Poly Clip Tribeca

D DATA LOGGER

Akso Produtos Eletrônicos Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Every Control

DATADOR RÓTULOS

Codatec Codmarc Codif. e Marc. Ind. Dois Irmãos

DATADORES (TINTA)

Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Codatec Codmarc Codif. e Marc. Ind. Dois Irmãos Milainox Mirainox Ltda Tinta Mágica

DECANTADOR

Fibrav Hidrozon

DESCONTAMINADOR DE MICROOGANISMOS E ELIMINAÇÃO DE MAU CHEIROS

Interozone

DESNATADEIRAS

Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Centrilatte Gea Westfalia Separator Brasil Hiper Centrifugation Ltda. Inoxserv Mirainox Ltda West Equipamentos

DESNATADEIRAS AUTOMÁTICAS AUTOLIMPANTES

DATADOR

Casa Forte West Equipamentos

DATADOR GUM

Casa Forte Spadaro Imports Tambflex Tribeca

Casa Das Desnatadeiras Codatec Codmarc Codif. e Marc. Ind. Delgo Dois Irmãos

DESPOLPADEIRA

DESPOLPADEIRA DE FRUTAS

DATADOR HOT STAMPING

Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Spadaro Imports Tambflex Tribeca

DATADOR PNEUMÁTICO DE BANCADA

B&b Inox Casa Das Desnatadeiras

Casa Forte Codatec Codmarc Codif. e Marc. Ind. Dois Irmãos Mirainox Ltda

Casa Forte Codatec Codmarc Codif. e Marc. Ind. Delgo Dois Irmãos Makplan Sistmarc

DESSORADORES

DESTILADOR DE ÁGUA

Casa Forte Dpunion Gehaka Quimis Aparelhos Científicos


123

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

DESUMIDIFICADOR DE AR AMBIENTE

Jetfrio

DETECTOR DE ANTIBIÓTICOS NO LEITE

Abc de Itaperuna - rj Idexx Brasil

DETECTOR MASTITE BOVINA

A.castellano Peneiraço Vitória

DETECTORES DE FUGA DE GÁS HALOGÊNIO / PORTÁTIL

Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Every Control

DETECTORES DE GASES

Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Emerson Process Management Every Control Jetfrio

DETECTORES DE METAIS

Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Dutra Máquinas Fortress Technology Sistemas de Inspeção Ltda. Magnetec Perfor Indústria de Máquinas Ltda Sunnyvale

DETECTORES DE VAZAMENTO DE GÁS

Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Danfoss do Brasil Emerson Process Management Every Control Jetfrio

DIAFRAGMAS DE MEMBRANAS

Anhembi Borrachas

DIAFRAGMAS E MEMBRANAS EM SILICONE

Anhembi Borrachas Vedaplast

DISPENSADOR DE VOLUME VARIÁVEL

Gehaka

DIVISÓRIA TÉRMICA

Jetfrio

DOBRADIÇAS

Jetfrio

DOSADEIRA ROTATIVA COM BATOQUE

Delgo Milainox Tambflex

DOSADEIRA VOLUMÉTRICA AUTOMÁTICA PARA COPO, POTE DE MANTEIGA E REQUEIJÃO

B&b Inox Delgo Milainox Spadaro Imports Tambflex West Equipamentos

DOSADOR DE CLORO

Abc de Itaperuna - rj Casa Forte

DOSADORAS DE IOGURTE E REQUEIJÃO

B&b Inox Delgo Inox Tecnologia Milainox

Tambflex West Equipamentos

DOSADORES

A.castellano Peneiraço Vitória Delgo Gehaka Inox Tecnologia Milainox Mirainox Ltda Tambflex Tribeca West Equipamentos

DRAGEADEIRAS

Inox Tecnologia

DRENOPRENSA

Casa Forte Inox Tecnologia West Equipamentos

DRENOPRENSA PARA QUEIJOS

B&b Inox Casa Forte Inox Tecnologia West Equipamentos

LÁCTEO


124

LISTA DE PRODUTOS

Equipamentos e Acessórios

E EI, MID, GP, CP, ESA, EIL, CV

Emil - Empresa Mineira Ltda

EIXOS

Brascon Conexões

ELEMENTOS ELÁSTICOS E TENSORES

A.t.i. Brasil

ELEMENTOS FILTRANTES

Quimis Aparelhos Científicos Solberg Tech Filter

ELETRODOS DE MEDIÇÃO DE CONDUTIVIDADE

Akso Produtos Eletrônicos Gehaka Quimis Aparelhos Científicos

ELETRODOS DE MEDIÇÃO DE NÍVEL DE CALDEIRA

Inoxserv West Equipamentos

ELETRODUTOS E CONEXÕES EM AÇO CARBONO, ALUMÍNIO, AÇO INOXIDÁVEL E PVC

Inoxserv Intersteel Aço Inoxidável Kanaflex

ELEVADORES COM ESPIRAL

Flexlink Systems Rgo Máquinas Industriais Ltda.

ELEVADORES COM TALISCAS

Flexlink Systems Rgo Máquinas Industriais Ltda.

ELEVADORES TIPO WEDGE (GARRA LATERAL)

Flexlink Systems

ELIMINADOR DE AR PARA LÍQUIDO

sf International

ELIMINADOR DE AR PARA VAPOR

sf International

EMBALADEIRAS

Delgo Emil - Empresa Mineira Ltda Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Milainox Mirainox Ltda Sumá

Ulma West Equipamentos

EMBALADEIRAS PARA IOGURTE

Delgo Emil - Empresa Mineira Ltda Milainox Mirainox Ltda Tambflex Ulma West Equipamentos

EMBALADEIRAS PARA LEITE

Casa Das Desnatadeiras Delgo Emil - Empresa Mineira Ltda Milainox Mirainox Ltda Tambflex West Equipamentos

EMBALADEIRAS PARA LÍQUIDOS

Emil - Empresa Mineira Ltda Solupack Spadaro Imports West Equipamentos

EMBALADEIRAS PARA POLPA DE FRUTAS

Emil - Empresa Mineira Ltda Milainox Spadaro Imports Tambflex Ulma West Equipamentos

EMBALADORA FLOW PACK

EMBUTIDEIRAS

Gea Food Solutions

EMPACOTADORAS

Epet do Brasil Meadwestvaco Sistemas de Embalagens Tambflex Ulma

EMPANADEIRA

Jbt Foodtech

EMULSIFICADORES

Gea Food Solutions Nexira Poly Clip Vogler Ingredients

ENCAIXOTADORAS

Brasholanda Spadaro Imports Tekniza Tribeca

ENCARTUCHADEIRA WRAP AROUND

Tribeca

ENCHEDEIRAS PARA LEITE UHT EM SACHÊS ASSÉPTICOS

Omegabelt Brasil

ENCHEDORAS ASSÉPTICAS PARA GARRAFAS PLÁSTICAS

Epet do Brasil Omegabelt Brasil Tribeca Ulma

Omegabelt Brasil Serac do Brasil Spadaro Imports

EMBALADORAS A VÁCUO

ENCHEDORAS LINEARES ASSÉPTICAS

Erfonn Eletro Maquinas Gea Food Solutions Inox Tecnologia Selovac Solupack Spadaro Imports Sunnyvale Tribeca Ulma West Equipamentos

EMBALADORAS VERTICAIS

Emil - Empresa Mineira Ltda Gea Food Solutions Spadaro Imports Tribeca Ulma West Equipamentos

Milainox Serac do Brasil Spadaro Imports

ENGENHARIA E INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS PARA PRODUTOS LÍQUIDOS E PASTOSOS

Inox Tecnologia Pentair

ENGRENAGENS

A.t.i. Brasil Casa Das Desnatadeiras Omegabelt Brasil

ENSACADEIRAS

Vectra


125

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

ENVASADORA STAND UP POUCH

Emil - Empresa Mineira Ltda Gcm do Brasil Tambflex Tribeca

ENVASADORAS

Brasholanda Delgo Emil - Empresa Mineira Ltda Gcm do Brasil Milainox Mirainox Ltda Omegabelt Brasil Spadaro Imports Tambflex Tribeca Vectra

ENVASADORAS DE PRODUTOS LÍQUIDOS E PASTOSOS

Bralyx Brasholanda Delgo Emil - Empresa Mineira Ltda Gcm do Brasil Milainox Mirainox Ltda Spadaro Imports Tambflex Tekniza Tribeca

ENVASADORAS VOLUMÉTRICAS DE PRODUTOS SÓLIDOS NÃO BOMBEÁVEIS

Brasholanda Gcm do Brasil Milainox Tambflex Tribeca

ENVOLVEDORAS FLOW-PACK

Epet do Brasil Tribeca Ulma

ENVOLVEDORAS TERMOENCOLHÍVEIS

Epet do Brasil Gcm do Brasil Ulma

EQUIPAMENTO COMBINADO PARA QUANTIFICAÇÃO E ANÁLISE SIMULTÂNEA DE COMPONENTES DO LEITE

Foss Brasil Labcontrol Ltda

EQUIPAMENTO DE OZÔNIO

Interozone

EQUIPAMENTO DE REFRIGERAÇÃO

Advanced Thermal Systems Casa Forte Inox Tecnologia Jetfrio Pfannenberg do Brasil Semco Refrigeração

EQUIPAMENTO PARA CONTROLE DE QUALIDADE

Akso Produtos Eletrônicos Foss Brasil Gehaka Idexx Brasil Labcontrol Ltda Pentair Quimis Aparelhos Científicos

EQUIPAMENTOS CONTÍNUOS

Gcm do Brasil Inox Tecnologia Spadaro Imports Tribeca

EQUIPAMENTOS DE AÇO INOX

A.castellano Peneiraço Vitória B&b Inox Brascon Conexões Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Emil - Empresa Mineira Ltda Gcm do Brasil Greco Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Injesul Inox Tecnologia Mirainox Ltda Omegabelt Brasil Ricefer Tribeca

LÁCTEO

Gehaka Labcontrol Ltda Tecnoglobo Tribeca

EQUIPAMENTOS E SOLUÇÕES INTEGRADAS DE PROCESSAMENTO, ENVASE E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS

Gcm do Brasil Poly Clip Serac do Brasil Tribeca

EQUIPAMENTOS EM FIBRA DE VIDRO PARA INDÚSTRIAS ALIMENTÍCIAS

Casa Forte Fibrav West Equipamentos

EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS PARA MOVIMENTAÇÃO

Dutra Máquinas Gcm do Brasil Gehaka Trans Erg Vertz Equipamentos

EQUIPAMENTOS PARA CONTROLE DE QUALIDADE

A.castellano Peneiraço Vitória Dairy Equipamentos Foss Brasil Gehaka Idexx Brasil Labcontrol Ltda Tribeca

EQUIPAMENTOS PARA COZINHAS INDUSTRIAIS

Geiger Tribeca

EQUIPAMENTOS PARA DISTRIBUIÇÃO

EQUIPAMENTOS DE REFRIGERAÇÃO PARA CARROCERIAS

Gcm do Brasil

EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS

EQUIPAMENTOS PARA EMBALAGENS A VÁCUO DE DIVERSOS TAMANHOS E PRODUÇÕES

Jetfrio

Acrilicos Brascril Gcm do Brasil

EQUIPAMENTOS E APARELHOS PARA LABORATÓRIO

Akso Produtos Eletrônicos Biologica Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Dairy Equipamentos Foss Brasil

Casa Forte Selovac Spadaro Imports West Equipamentos

EQUIPAMENTOS PARA EMULSIFICAÇÃO

Gcm do Brasil Gea Food Solutions Geiger Poly Clip Semco Soluções em Agitação


126

LISTA DE PRODUTOS

Equipamentos e Acessórios

EQUIPAMENTOS PARA ENVASE

Abeaço Delgo Emil - Empresa Mineira Ltda Gcm do Brasil Gea Engenharia de Processos Inox Tecnologia Milainox Mirainox Ltda Poly Clip Serac do Brasil Spadaro Imports Tambflex Tekniza Tribeca

EQUIPAMENTOS PARA FABRICAÇÃO DE MANTEIGA

B&b Inox Casa Forte Foss Brasil Inox Tecnologia Mirainox Ltda West Equipamentos

EQUIPAMENTOS PARA FABRICAÇÃO DE QUEIJOS

Águia Inox B&b Inox Foss Brasil Inox Tecnologia Tribeca West Equipamentos

EQUIPAMENTOS PARA LABORATÓRIO

A.castellano Peneiraço Vitória Biologica Casa Forte Dairy Equipamentos Foss Brasil Gehaka Labcontrol Ltda Quimis Aparelhos Científicos Tecnoglobo

EQUIPAMENTOS PARA LABORATÓRIO (PLANTAS PILOTO)

Biologica Foss Brasil Geiger Inox Tecnologia Quimis Aparelhos Científicos Tribeca

EQUIPAMENTOS PARA LATICÍNIOS

A.castellano Peneiraço Vitória B&b Inox Casa Das Desnatadeiras Casa Forte

Emil - Empresa Mineira Ltda Fibrav Foss Brasil Gcm do Brasil Gehaka Hidrozon Injesul Inox Tecnologia Labcontrol Ltda Milainox Mirainox Ltda Poly Clip Serac do Brasil Spadaro Imports Tecnoglobo Tribeca West Equipamentos

EQUIPAMENTOS PARA PROCESSAMENTO

Casa Forte Foss Brasil Gcm do Brasil Inox Tecnologia Poly Clip Tribeca

EQUIPAMENTOS PARA PROCESSAMENTO DE VEGETAIS E FRUTAS

Geiger Inox Tecnologia Spadaro Imports Tambflex Tribeca

EQUIPAMENTOS PARA PRODUÇÃO DE QUEIJOS

A.castellano Peneiraço Vitória B&b Inox Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Foss Brasil Gea Food Solutions Injesul Inox Tecnologia Poly Clip Tambflex Tribeca West Equipamentos

EQUIPAMENTOS PNEUMÁTICOS PARA AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Gcm do Brasil Inox Tecnologia

EQUIPAMENTOS TIPO MONOBLOCO E CONVENCIONAIS

B&b Inox

Casa Forte Foss Brasil

ESCADA EM FIBRA DE VIDRO PRFV

Fibrav West Equipamentos

ESCOVAS

Abc de Itaperuna - rj Vassouras Odim

ESPÁTULAS

Casa Forte

ESTABILIZADORES

Nexira

ESTAÇÃO COMPACTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES (ETE) EM PRFV

Fibrav

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES

Adi Acqua Engenharia Hidrozon Pentair Poly Clip

ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO E INDUSTRIAL

Hidrozon Pentair

ESTEIRA DE PVC E PU

B&b Inox Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Interroll Magnoflux Automação e Robótica Rgo Máquinas Industriais Ltda. Solpac Tekniza

ESTEIRA MODULAR

B&b Inox Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Interroll Maddza Esteiras Transportadoras Magnoflux Automação e Robótica Omegabelt Brasil Rgo Máquinas Industriais Ltda. Tekniza

ESTEIRA MODULAR PLÁSTICA

B&b Inox Bellt Correntes Transportadoras Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Magnoflux Automação e Robótica


127

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

Omegabelt Brasil Rgo Máquinas Industriais Ltda. Tekniza

ESTEIRAS

B&b Inox Gehaka Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Interroll Maddza Esteiras Transportadoras Magnoflux Automação e Robótica Omegabelt Brasil Rgo Máquinas Industriais Ltda. Tekniza

ESTEIRAS INDUSTRIAIS

B&b Inox Flexlink Systems Gehaka Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Interroll Maddza Esteiras Transportadoras Magnetec Magnoflux Automação e Robótica Omegabelt Brasil Rgo Máquinas Industriais Ltda. Solpac Tekniza

ESTEIRAS PARA GIRO FREEZER

ESTERILIZADORES

Biologica Casa Forte Greco Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Quimis Aparelhos Científicos Spadaro Imports Tech Filter West Equipamentos

ESTERILIZADORES HELICOIDAIS UHT INJEÇÃO INDIRETA

West Equipamentos

ESTERILIZADORES HIDROSTÁTICOS (AUTOCLAVES CONTÍNUO)

Spadaro Imports West Equipamentos

ESTERILIZADORES UHT COMBINADOS DE INJEÇÃO INDIRETA E DIRETA

West Equipamentos

ESTUFA BACTERIOLÓGICA

Casa Forte Quimis Aparelhos Científicos

ESTUFA CULTURA BACTERIOLÓGICA DIGITAL

Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Maddza Esteiras Transportadoras

Quimis Aparelhos Científicos

ESTEIRAS PLÁSTICAS

Poly Clip Tribeca

Bellt Correntes Transportadoras Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Omegabelt Brasil Rgo Máquinas Industriais Ltda. Solpac

ESTEIRAS TRANSPORTADORAS

B&b Inox Bellt Correntes Transportadoras Delgo Gehaka Greco Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Interroll Maddza Esteiras Transportadoras Magnetec Magnoflux Automação e Robótica Milainox Omegabelt Brasil Rgo Máquinas Industriais Ltda. Solpac

ESTUFA DE COZIMENTO

ESTUFA ESTERILIZAÇÃO ANALÓGICA

Casa Forte

ESTUFA ESTERILIZAÇÃO DIGITAL

Quimis Aparelhos Científicos

ESTUFA INCUBADORA

Quimis Aparelhos Científicos Tribeca

ETIQUETADORAS AUTOMÁTICAS

Codatec Epet do Brasil Spadaro Imports

EVAPORAÇÃO E SECAGEM DE LEITE E SORO

Jetfrio Spadaro Imports

EVAPORADORES E FEIXES CASCO E TUBOS

Jetfrio

EVAPORADORES FALLING FILM

Gea Engenharia de Processos Jetfrio Spadaro Imports

EXTRUSORAS

Bralyx Dpunion Haas do Brasil

EXTRUSORAS PARA MASSAS ALIMENTÍCIAS

Bralyx Omegabelt Brasil

EXTRUSORES A BAIXA TEMPERATURA PARA SORVETES

Finamac Arpifrio

F FACAS DE AR

Spraying Systems do Brasil Ltda

FATIADORAS

Gea Food Solutions Poly Clip Spadaro Imports Tribeca

FATIADORAS COM BALANÇAS

Gehaka Quimis Aparelhos Científicos

Poly Clip

ESTUFA PARA COZIMENTO E DESIDRATAÇÃO

Tribeca

Águia Inox Casa Forte West Equipamentos

ESTUFA PARA DEFUMAÇÃO DE EMBUTIDOS

Dutra Máquinas

Poly Clip

ESTUFAS

Casa Forte

LÁCTEO

FERMENTEIRAS

FERRAMENTAS FERRAMENTAS DE CORTE

Dutra Máquinas Intersteel Aço Inoxidável


128

LISTA DE PRODUTOS

Equipamentos e Acessórios

FERRAMENTAS PNEUMÁTICAS

Dutra Máquinas

FILADEIRA

B&b Inox Casa Forte Inox Tecnologia Tribeca

FILTRAÇÃO POR MEMBRANAS

sf International Solberg Spadaro Imports Tech Filter Traptec

FILTROS MAGNÉTICOS

Vectra

FILTROS PARA VAPOR

Biologica Spadaro Imports Tech Filter

sf International Tech Filter

FILTRO DE LINHA

Casa Forte Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia

Ascoval Indústria e Comércio Ltda. B&b Inox Brascon Conexões Casa Forte Castinox sf International Tech Filter

FILTRO DE LINHA INOX

A.castellano Peneiraço Vitória B&b Inox Brascon Conexões Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Castinox Inox Tecnologia Proinox sf International Tech Filter

FILTRO INOX SANITÁRIO PARA LEITE E SUCOS

Casa Das Desnatadeiras Castinox Inox Tecnologia sf International Tech Filter

FILTRO PRENSA

Casa Das Desnatadeiras Inox Tecnologia Rgo Máquinas Industriais Ltda.

FILTRO ROTATIVO

Casa Forte

FILTRO SEPARADOR DE SÓLIDOS

A.castellano Peneiraço Vitória Ascoval Indústria e Comércio Ltda. Casa Forte Solberg Tech Filter

FILTROS INDUSTRIAIS

Inox Tecnologia Norgren Proinox

FILTROS ROTATIVOS

FITA PARA MÁQUINA

Casa Forte Cyklop

FLANGE EM AÇO CARBONO

Inoxserv

FLANGE EM AÇO INOXIDÁVEL

Injesul West Equipamentos

FRACIONADOR PARA QUEIJOS

B&b Inox Casa Forte Injesul West Equipamentos

FRITADORES

Gea Food Solutions Tribeca

FRITADORES CONTÍNUOS

Gea Food Solutions Jbt Foodtech Tribeca

FUNIL

B&b Inox Greco Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia

FURADEIRAS

Inoxserv

Dutra Máquinas

FLOTADOR AR DISSOLVIDO

G GAXETAS

Poly Clip

FORMA PARA DOCE

Abc de Itaperuna - rj Anhembi Borrachas Casa Forte Jetfrio Vedaplast

FORNO MUFLA MICROPROCESSADOS

GAXETAS PARA TROCADORES DE CALOR A PLACAS

FLOTADORES

Poly Clip

B&b Inox

Quimis Aparelhos Científicos

FORNOS

Dpunion Haas do Brasil Jbt Foodtech Quimis Aparelhos Científicos

FORNOS DE COZIMENTO

Gea Food Solutions Haas do Brasil Tribeca

FORNOS DE SECAGEM E DESCANSO

Tribeca

FORNOS ROTATIVOS

Haas do Brasil

FRACIONADOR DE QUEIJOS

B&b Inox Casa Forte

Anhembi Borrachas Casa Forte Jetfrio

GERADORES DE ÁGUA QUENTE

Casa Forte Mml Caldeiras

GERENCIAMENTO DE REBANHOS

Gea Farm Technologies

GRAMPEADEIRAS

Casa Forte Dutra Máquinas Greco Mgclip Poly Clip

GRAMPOS

Casa Forte Dutra Máquinas Mgclip Poly Clip


129

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

GUARNIÇÕES PARA TANQUES RODOVIÁRIO E INSPEÇÃO

INTEGRAÇÃO DE LINHAS (TURN KEY)

Anhembi Borrachas Vedaplast

Flexlink Systems

H HOMOGENEIZADOR DE AMOSTRA

B&b Inox Casa Forte Mml Caldeiras Nord Drivesystems Brasil

Biologica Dpunion Gehaka Quimis Aparelhos Científicos

HOMOGENEIZADORES

Casa Forte Dpunion Gehaka Geiger Haas do Brasil Inox Tecnologia Instruval Pentair Quimis Aparelhos Científicos West Equipamentos

I IMPRESSORA PARA APLICAÇÃO DE ETIQUETAS EM CAIXAS E PALLETS

Mart Sticker

INVERSOR DE FREQUÊNCIA

IOGURTEIRAS

Águia Inox B&b Inox Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Mirainox Ltda West Equipamentos

ISOLAMENTO TÉRMICO PARA TUBULAÇÃO

Jetfrio

J JARRA PARA LEITE

Acrilicos Brascril

JUNTAS DE EXPANSÃO

Spadaro Imports

K KITS PARA TESTES RÁPIDOS

IMPRESSORAS HOT STAMPING

Gehaka Idexx Brasil

IMPRESSORAS POR TERMOTRANSFERÊNCIA

L LACRADORAS

Codmarc Codif. e Marc. Ind.

Codmarc Codif. e Marc. Ind.

IMPRESSORAS POR TOQUE SECO (INK ROLL)

Codmarc Codif. e Marc. Ind.

INCORPORADOR DE POLPAS

Inox Tecnologia Tribeca

INDICADORES DIGITAIS MULTIPONTOS

Burkert

INDICADORES E CONTROLADORES DIGITAIS

Burkert Coel

INDICADORES E CONTROLADORES DIGITAIS E MICROPROCESSADOS

Burkert Coel

Biopet Epet do Brasil Milainox Tekniza

LACRADORAS PARA FECHAMENTO DE SACOS PLÁSTICOS COM FITAS ADESIVAS

Biopet

LACTOFILTRO

Biopet

LACTOSCAN - ANALISADOR DE LEITE ULTRASÔNICO

Casa Forte

LÂMINAS

Dpunion

LÂMPADAS PARA ARMADILHAS LUMINOSAS ADESIVAS

Ultralight Ind e Com de Armadilha Luminosas para Insetos Voadores

LÁCTEO

LAVA BOTAS

B&b Inox Erfonn Eletro Maquinas Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Inox Tecnologia Rgo Máquinas Industriais Ltda.

LAVA BOTAS DE ESCOVAS

B&b Inox Casa Forte Erfonn Eletro Maquinas Greco Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Inox Tecnologia Mirainox Ltda Rgo Máquinas Industriais Ltda.

LAVADOR DE BOTAS AUTOMÁTICO

B&b Inox Casa Forte Erfonn Eletro Maquinas Greco Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Inox Tecnologia Rgo Máquinas Industriais Ltda.

LAVADOR DE MÃOS

B&b Inox Casa Forte Erfonn Eletro Maquinas Greco Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Inox Tecnologia Mirainox Ltda Rgo Máquinas Industriais Ltda.

LAVADORA DE CAIXAS

B&b Inox Erfonn Eletro Maquinas Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Spadaro Imports

LAVADORAS INDUSTRIAIS

Casa Forte Epet do Brasil Greco Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Rgo Máquinas Industriais Ltda. Spadaro Imports Tribeca

LAVADORAS PARA VEGETAIS

Geiger Spadaro Imports


130

LISTA DE PRODUTOS

Equipamentos e Acessórios

LAVADORES

Casa Forte Inox Tecnologia Mml Caldeiras Spraying Systems do Brasil Ltda

LAVADORES DE GASES

Inox Tecnologia Rgo Máquinas Industriais Ltda.

LAVATÓRIOS DE MÃOS E BOTAS

LINHAS PARA PROCESSAMENTO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS

Gea Engenharia de Processos Gea Food Solutions Poly Clip Spadaro Imports Tribeca

LIQUIDIFICADORES INDUSTRIAIS

Geiger

LUVAS DE PROCEDIMENTO

Bringer Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Jetfrio

LUXÍMETRO

Vastin

LAVATÓRIOS EM INOX

Abc de Itaperuna - rj Casa Forte Dutra Máquinas Prevemax Abc de Itaperuna - rj

LINHA DE PELLETS

Akso Produtos Eletrônicos Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Dpunion Dutra Máquinas

LINHA DE SNACKS

M MACACÃO

Casa Forte

Bralyx Bralyx

LINHA 5S

Vassouras Odim

MANGOTE PLÁSTICO E TNT

Abc de Itaperuna - rj Kanaflex

MANGOTES

Gea Engenharia de Processos Spadaro Imports

Casa Forte Kanaflex Prevemax

LINHAS DE PRÉ-COZIMENTO POR MICRO-ONDAS

MANGUEIRAS

LINHAS DE PRODUÇÃO DE SUBSTITUTOS DE QUEIJO

Tribeca West Equipamentos

MÁQUINA AUTOMÁTICA PARA FABRICAÇÃO DE RICOTA E FRESCAL

MANGAS

Prevemax

Tribeca

MANTA AQUECEDORA

Quimis Aparelhos Científicos

B&b Inox Inox Tecnologia West Equipamentos Zomntainox

LINHAS AUTOMATIZADAS DE PRODUÇÃO DE QUEIJOS

LINHAS COMPLETAS E PLANTAS TURNKEY

MANOVACUÔMETRO

MANCAIS

LINHAS ASSÉPTICAS DE ENVASE

Poly Clip Tribeca West Equipamentos

MANÔMETROS DIFERENCIAIS

B&b Inox Casa Forte Inox Tecnologia West Equipamentos

Prevemax

Casa Forte Greco Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia

Gea Engenharia de Processos Spadaro Imports

MANÔMETRO

LUVAS

LUVA DE SEGURANÇA

Abc de Itaperuna - rj Casa Forte Dutra Máquinas

LENÇOL DE BORRACHA

MANGUEIRAS PNEUMÁTICAS

Betori Dutra Máquinas Kanaflex

Casa Forte Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Dutra Máquinas Every Control Jetfrio Vastin

Águia Inox Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Rgo Máquinas Industriais Ltda.

Casa Forte Erfonn Eletro Maquinas Greco Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Mirainox Ltda Rgo Máquinas Industriais Ltda.

MANGUEIRAS ALIMENTÍCIAS FDA

Kanaflex Proinox

Abc de Itaperuna - rj Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Dpunion Dutra Máquinas Kanaflex Proinox

MÁQUINA DE FUNDIR REQUEIJÃO

MÁQUINA DE SORVETE EXPRESSO ITALIANINHA PREMIUM, LB, MONO, SUPER E HIPER

Jetfrio

MÁQUINA FABRICADORA DE GELO EM ESCAMAS

Jetfrio

MÁQUINA FATIADORA INDUSTRIAL DE QUEIJOS

B&b Inox Betori Casa Forte Erfonn Eletro Maquinas Gcm do Brasil Gea Food Solutions Inox Tecnologia


131

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

Poly Clip West Equipamentos Zomntainox

MÁQUINA FORMADORA DE CAIXA DE PAPELÃO

Tribeca

MÁQUINA PARA FABRICAÇÃO DE KETCHUPS E MOLHOS

Gcm do Brasil Geiger Spadaro Imports

MÁQUINA PARA FABRICAÇÃO DE MAIONESES

Geiger Tribeca

MÁQUINA PARA FABRICAÇÃO DE TEMPEROS

Gcm do Brasil Geiger Spadaro Imports Tekniza Tribeca

MÁQUINA PARA POLPA DE FRUTAS

Emil - Empresa Mineira Ltda Geiger Spadaro Imports Tribeca Zomntainox

MÁQUINA TRITURADORA

B&b Inox Gcm do Brasil Spadaro Imports

MÁQUINA UNIVERSAL PARA FABRICAÇÃO DE REQUEIJÃO CREMOSO, QUEIJOS FUNDIDOS, MOLHOS, CREMES E EMULSÕES

B&b Inox Tribeca West Equipamentos

MÁQUINAS DE EMBALAGEM COM PLÁSTICO TERMOFORMADO ENCOLHÍVEL

Erfonn Eletro Maquinas Gcm do Brasil Gea Food Solutions Milainox Tekniza Ulma West Equipamentos

MÁQUINAS DE EMBALAGENS A VÁCUO

Deckel

Embamaqui Erfonn Eletro Maquinas Gea Food Solutions Mgclip Radmaq Solupack Spadaro Imports Sunnyvale Ulma West Equipamentos

MÁQUINAS DE EMBALAGENS COM ATMOSFERA CONTROLADA

Embamaqui Erfonn Eletro Maquinas West Equipamentos

MÁQUINAS DE EMBALAGENS COM ATMOSFERA CONTROLADA / MODIFICADA

Embamaqui Erfonn Eletro Maquinas Gea Food Solutions Solupack Sunnyvale Ulma West Equipamentos

MÁQUINAS DE ENVASE PARA ALIMENTOS

Delgo Gcm do Brasil Grupo Imsb Inox Tecnologia Milainox Mirainox Ltda Omegabelt Brasil Poly Clip Serac do Brasil Sig Combibloc Solupack Spadaro Imports Tekniza Ulma

MÁQUINAS DE LAVAR CAIXAS

B&b Inox Greco Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Rgo Máquinas Industriais Ltda. Spadaro Imports Tribeca

MÁQUINAS DE ROTULAR

Gcm do Brasil Omegabelt Brasil Spadaro Imports

MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS PARA FABRICAÇÃO DE QUEIJOS

Inox Tecnologia

LÁCTEO

Poly Clip Tribeca West Equipamentos Zomntainox

MÁQUINAS ESPECIAIS

Bralyx Epet do Brasil Gcm do Brasil Milainox Ottime Serac do Brasil Tekniza Tribeca

MÁQUINAS INDUSTRIAIS

Bralyx Gcm do Brasil Omegabelt Brasil Serac do Brasil Spadaro Imports

MÁQUINAS LAVADORAS DE ALTA PRESSÃO AUTOMATIZADAS

Gcm do Brasil Spadaro Imports

MÁQUINAS LAVADORAS DE CAIXAS

B&b Inox Gcm do Brasil Greco Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Spadaro Imports

MÁQUINAS LAVADORAS DE CAIXAS, PALETES, CARRINHOS, CARROS DE ESTUFA, CONTÊINERES

Gcm do Brasil Omegabelt Brasil Poly Clip Tribeca

MÁQUINAS PARA AGRUPAR PRODUTOS

Gcm do Brasil

MÁQUINAS PARA DOCE DE LEITE

B&b Inox Casa Forte Delgo Emil - Empresa Mineira Ltda Inox Tecnologia Milainox Mirainox Ltda Spadaro Imports Tribeca

MÁQUINAS PARA EMBALAGEM

Abre - Associação Brasileira de Embalagem


132

LISTA DE PRODUTOS

Equipamentos e Acessórios

Cyklop Delgo Embamaqui Emil - Empresa Mineira Ltda Gcm do Brasil Gea Food Solutions Milainox Selovac Serac do Brasil Ulma West Equipamentos

MÁQUINAS PARA FABRICAÇÃO DE REQUEIJÃO CREMOSO E QUEIJOS PROCESSADOS

B&b Inox Geiger Inox Tecnologia Pentair Tribeca West Equipamentos

MÁQUINAS PARA FATIAR FRIOS

Gcm do Brasil Gea Food Solutions

MÁQUINAS PARA LATICÍNIOS

B&b Inox Casa Forte Delgo Emil - Empresa Mineira Ltda Gcm do Brasil Injesul Inox Tecnologia Labcontrol Ltda Milainox Omegabelt Brasil Pentair Spadaro Imports West Equipamentos Zomntainox

MÁQUINAS PARA QUEIJOS FUNDIDOS

B&b Inox Casa Forte Geiger Inox Tecnologia Mirainox Ltda Pentair Tribeca West Equipamentos

MÁQUINAS PARAQ FABRICAÇÃO DE REQUEIJÃO CREMOSO

B&b Inox Casa Forte Geiger Inox Tecnologia Milainox West Equipamentos Zomntainox

MÁQUINAS TERMOFORMADORAS CONTÍNUAS

Casa Forte Hidrozon

Bralyx Gcm do Brasil Gea Food Solutions Inox Tecnologia Selovac Ulma

B&b Inox Casa Forte

MÁQUINAS TERMOFORMADORAS PARA ENVASE DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS

B&b Inox Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Fibrav Hidrozon

Bralyx Gcm do Brasil Inox Tecnologia

MÁQUINAS TERMOFORMADORAS PARA ENVASE DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS E LÁCTEOS EM BANDEJAS

Bralyx Gcm do Brasil Gea Food Solutions Inox Tecnologia Selovac Ulma

MÁQUINAS TERMOFORMADORAS VÁCUO E ATMOSFERA MODIFICADA

Bralyx Embamaqui Gea Food Solutions Selovac Ulma

MARCADORES INDUSTRIAIS

Dois Irmãos Dutra Máquinas Tinta Mágica

MARTELOS

Dutra Máquinas

MÁSCARAS

Casa Forte Dutra Máquinas Prevemax

MÁSCARAS DESCARTÁVEIS

Abc de Itaperuna - rj Dutra Máquinas

MASTER MINI ANALISADOR DE LEITE

Akso Produtos Eletrônicos Casa Forte

MATURADORES

Águia Inox B&b Inox

MATURADORES DE CREME

MATURADORES DE MASSA

MATURADORES PARA IOGURTE

B&b Inox Casa Forte

MECANIZAÇÃO E AUTOMAÇÃO DE PLANTAS PARA FÁBRICA DE QUEIJO

West Equipamentos

MEDIDOR DE ATIVIDADE DÁGUA

Gehaka

MEDIDOR DE CLORO

Akso Produtos Eletrônicos Biologica Casa Forte Dpunion Gehaka Quimis Aparelhos Científicos

MEDIDOR DE CONDUTIVIDADE E REDOX

Akso Produtos Eletrônicos Biologica Burkert Casa Forte Gehaka Quimis Aparelhos Científicos

MEDIDOR DE DENSIDADE DE LÍQUIDOS

Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Gehaka

MEDIDOR DE GORDURA DO LEITE - LAKTOTESTE

Casa Forte Pzl

MEDIDOR DE OXIGÊNIO

Dpunion Emerson Process Management Gehaka Quimis Aparelhos Científicos


133

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

MEDIDOR DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO

MESA ENFORMADORA PARA QUEIJOS

Akso Produtos Eletrônicos Biologica Dpunion Gehaka Quimis Aparelhos Científicos

B&b Inox Casa Forte Hidrozon West Equipamentos

MEDIDOR DE PH

B&b Inox Brascon Conexões Casa Forte Delgo Greco Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Inox Tecnologia Mirainox Ltda Solpac Spadaro Imports Therj

Akso Produtos Eletrônicos Biologica Burkert Casa Forte Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Dpunion Emerson Process Management Gehaka Pzl Quimis Aparelhos Científicos

MEDIDOR DE PONTO DE FUSÃO SEMIAUTOMÁTICO

Gehaka Quimis Aparelhos Científicos

MEDIDOR DE TURBIDEZ (TURBIDÍMETRO)

Biologica Gehaka Quimis Aparelhos Científicos

MEDIDOR DO TEOR DE GORDURA NO LEITE

Casa Forte Quimis Aparelhos Científicos

MEDIDORES DE LINHA

Tribeca

MEDIDORES DE VAZÃO PARA LEITE

Burkert Inoxserv

MEDIDORES DE VAZÃO PARA VAPOR

Burkert Inoxserv

MEIAS

Prevemax

MESA DE MANUSEIO EM FIBRA DE VIDRO PRFV

Casa Forte Fibrav Hidrozon West Equipamentos

MESA INOX

MESAS

B&b Inox Casa Forte Greco Hidrozon Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Milainox Spadaro Imports Therj

MESAS DE MANIPULAÇÃO

B&b Inox Greco Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Inox Tecnologia Mirainox Ltda Solpac Spadaro Imports Therj Zomntainox

MESAS PARA MANUSEIO DE MASSA

B&b Inox Fibrav Hidrozon Inox Tecnologia Solpac Therj

MINI USINA COMPLETA

B&b Inox Casa Forte Sumá

MINI USINA PARA QUEIJO

Águia Inox B&b Inox West Equipamentos

LÁCTEO

MINIUSINAS PARA LEITE

Casa Forte

MINIUSINAS PARA POLPA DE FRUTAS

Casa Forte Spadaro Imports

MISTURADEIRAS

Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia

MISTURADOR DE PASTOSOS

Exsys - Industria Inox Tecnologia Tribeca

MISTURADORES

Buldrinox Casa Forte Dynamic Air Exsys - Industria Gea Food Solutions Gehaka Haas do Brasil Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Inox Tecnologia Instruval Poly Clip Semco Soluções em Agitação

MISTURADORES DE ÁGUA E VAPOR

B&b Inox Casa Forte Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia

MISTURADORES PARA LÍQUIDOS

B&b Inox Casa Forte Exsys - Industria Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Semco Soluções em Agitação Spadaro Imports

MISTURADORES PARA PASTAS

Casa Forte Exsys - Industria Inox Tecnologia Spadaro Imports Tribeca

MISTURADORES PARA PÓS

B&b Inox Exsys - Industria Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Inox Tecnologia Tribeca


134

LISTA DE PRODUTOS

MODELADORA DE MANTEIGA

B&b Inox Inox Tecnologia West Equipamentos

MODELADORA DE MUSSARELA

Equipamentos e Acessórios

MULTI QUEIJO FECHADA E ABERTA

Inox Tecnologia West Equipamentos

MULTIPROCESSADORES DE ALIMENTOS

PAINÉIS PARA CÂMARAS FRIGORÍFICAS

Advanced Thermal Systems Jetfrio

PAINEL ELÉTRICO

B&b Inox Casa Forte Inox Tecnologia West Equipamentos

Geiger

West Equipamentos

Bortolot Energia e Automação Hds Sistemas de Energia Inox Tecnologia Jetfrio

MOEDOR DE FACAS

O ÓCULOS DE PROTEÇÃO

PALETIZADOR PARA SACOS E CAIXAS

B&b Inox Poly Clip

MOLDADEIRA

B&b Inox Casa Forte

MONOBLOCO

B&b Inox Casa Forte Inox Tecnologia

MONOBLOCO FILADOR

B&b Inox Inox Tecnologia Tribeca Zomntainox

MONOBLOCOS

B&b Inox Casa Forte Inox Tecnologia

MOTOR ELÉTRICO

Dutra Máquinas Ebm-papst Motores Ventiladores Ltda. Habasit do Brasil Interroll Jetfrio

MOTOREDUTORES

Habasit do Brasil Weg-cestari

MOTOREDUTORES DE VELOCIDADE

Casa Forte Nord Drivesystems Brasil Redutores Tecnored Weg-cestari

MOTOREDUTORES E BOMBAS PARA TANQUES DE LEITE

West Equipamentos

MOTORES E GUIAS LINEARES

Interroll

MOTORES, REDUTORES E INVERSORES DE FREQUÊNCIA

Interroll Redutores Tecnored Ziehl-abegg do Brasil

MULTIQUEIJO

Casa Forte Prevemax

Ottime

ORDENHADEIRAS

A.castellano Peneiraço Vitória Casa Forte Dutra Máquinas Vassouras Odim

Gea Farm Technologies

ORDENHADEIRAS CANALIZADAS

Casa Forte

ORDENHADEIRAS MECÂNICAS

Casa Forte

ORDENHADEIRAS TRANSFERIDORAS

Casa Forte

P PADRONIZADORAS

Casa Forte Centrilatte Hiper Centrifugation Ltda. Instruval West Equipamentos

PAINÉIS DE AUTOMAÇÃO

Bortolot Energia e Automação Emerson Process Management Jetfrio Spadaro Imports

PAINÉIS DE COMANDO ELÉTRICO

Bortolot Energia e Automação Inox Tecnologia Jetfrio Körper Sistemas de Resfriamento de Água Spadaro Imports

PAINÉIS DE DISTRIBUIÇÃO ELÉTRICA

Bortolot Energia e Automação Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Jetfrio

PAINÉIS GRÁFICOS PARA PASTEURIZAÇÃO

Jetfrio

PÁS DE LIXO

PASTEURIZADOR A PLACAS

Casa Forte Fischer Term Sumá Tambflex West Equipamentos

PASTEURIZADORES

Bralyx Casa Forte Mirainox Ltda Tambflex West Equipamentos

PASTEURIZADORES (TROCADORES DE CALOR A PLACAS)

Brasholanda Casa Forte Exsys - Industria Fischer Term Spadaro Imports Tambflex West Equipamentos

PASTEURIZADORES TUBULAR

Casa Forte Spadaro Imports Sumá Tambflex West Equipamentos

PEÇAS

Hiper Centrifugation Ltda. Luftec Hélices Tecnoglobo

PEÇAS / VEDADORES DE SILICONE

Anhembi Borrachas

PEÇAS DE ACABAMENTO

Pisoforte Moyses


135

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

Casa Forte

Rgo Máquinas Industriais Ltda. Spadaro Imports

PEÇAS DE VEDAÇÃO PARA MÁQUINAS ALIMENTÍCIAS

Bellt Correntes Transportadoras

PEÇAS DE ORDENHADEIRAS

Anhembi Borrachas Tekniza Vedaplast

PEÇAS E ACESSÓRIOS PARA CENTRÍFUGAS INDUSTRIAIS

Anhembi Borrachas Centrilatte Vedaplast

PEÇAS ESPECIAIS DE BORRACHA

Anhembi Borrachas Interroll Vedaplast

PEÇAS ESPECIAIS DE POLIURETANO

Anhembi Borrachas Interroll Vedaplast

PEÇAS ESPECIAIS SOB DESENHO

Anhembi Borrachas Vedaplast

PEÇAS TÉCNICAS EM POLIURETANO

Interroll Jetfrio

PENEIRA ESTÁTICA

A.castellano Peneiraço Vitória Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Rgo Máquinas Industriais Ltda.

PENEIRA VIBRATÓRIA

Inox Tecnologia Spadaro Imports

PENEIRAS

A.castellano Peneiraço Vitória Casa Forte Dpunion Dutra Máquinas Dynamic Air Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Rgo Máquinas Industriais Ltda.

PENEIRAS AÇO INOX

A.castellano Peneiraço Vitória B&b Inox Casa Forte Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia

PERFIL DE DESLIZAMENTO PERNEIRAS

Dutra Máquinas Prevemax

PHMETRO

Akso Produtos Eletrônicos Biologica Burkert Casa Forte Dpunion Gehaka Quimis Aparelhos Científicos

PHMETRO DE BANCADA

Akso Produtos Eletrônicos Biologica Casa Forte Dpunion Gehaka Quimis Aparelhos Científicos

PHMETRO DE BOLSO

Akso Produtos Eletrônicos Biologica Casa Forte Dpunion Gehaka Quimis Aparelhos Científicos

PHMETRO DIGITAL

Akso Produtos Eletrônicos Biologica Casa Forte Dpunion Gehaka Quimis Aparelhos Científicos

PHMETRO DORNIC

Dpunion

PHMETRO PORTÁTIL

Akso Produtos Eletrônicos Biologica Dpunion Gehaka Quimis Aparelhos Científicos

PIA COM ACIONAMENTO POR PEDAL PARA BARREIRA SANITÁRIA

B&b Inox Casa Forte Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Rgo Máquinas Industriais Ltda.

LÁCTEO

PIA LAVA MÃOS

B&b Inox Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Rgo Máquinas Industriais Ltda.

PIAS COM CUBAS

B&b Inox Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Rgo Máquinas Industriais Ltda.

PICOLETEIRAS

Jetfrio

PIG

Liagbras

PINHÕES, COROAS, ENGRENAGENS

A.t.i. Brasil Tekniza

PIPETA ELETRÔNICA

Biologica Casa Forte Dpunion Gehaka

PISOS ANTI DERRAPANTES

Hunter Douglas ns Brazil Revestimentos Especiais Pisoforte Moyses Resinar Materiais Compostos Ltda Tecnovilla - Pisos Técnicos Industriais Vedovati Pisos

PLACA DE MICROBIOLOGIA PRONTA

Casa Forte

PLACA DIVERSORA DE FLUXO

Brascon Conexões Casa Forte

PLACAS

Brascon Conexões Resinar Materiais Compostos Ltda Tecnovilla - Pisos Técnicos Industriais

PLACAS CERÂMICAS EXTRUDADAS

Pisoforte Moyses Resinar Materiais Compostos Ltda

PLACAS PETRIFILM

Abc de Itaperuna - rj Casa Forte

PLACAS, BOBINAS, CHAPAS E TIRAS

Intersteel Aço Inoxidável Microservice


136

LISTA DE PRODUTOS

Equipamentos e Acessórios

PLANTAS COMPLETAS

Gea Westfalia Separator Brasil Spadaro Imports Vpg Consultoria e Projetos Ltda

PLANTAS COMPLETAS AUTOMATIZADAS E CONTÍNUAS PARA PROCESSAMENTO

Instruval Spadaro Imports Tekniza Vpg Consultoria e Projetos Ltda

PLANTAS DE EVAPORAÇÃO E SECAGEM DE LEITE E SORO

Spadaro Imports

PLANTAS DE PASTEURIZAÇÃO

Casa Forte

PLANTAS DE PROCESSAMENTO CONTÍNUO DE MANTEIGA

West Equipamentos

PLANTAS PARA PRODUÇÃO DE LEITE CONDENSADO EM CONTÍNUO

Inox Tecnologia Spadaro Imports

PLASTIFICADORA COM TÚNEL DE ENCOLHIMENTO

Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia

PLATAFORMA HIDRÁULICA

Rgo Máquinas Industriais Ltda. Vertz Equipamentos

PLATAFORMAS

B&b Inox Exsys - Industria Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Rgo Máquinas Industriais Ltda. Vertz Equipamentos

PLATAFORMAS COM ESCADAS

B&b Inox Exsys - Industria Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Inox Tecnologia Rgo Máquinas Industriais Ltda.

POLIAS

Bellt Correntes Transportadoras Casa Forte Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia

POSICIONADOR ELETROPNEUMÁTICO PARA VÁLVULA DE CONTROLE

Burkert

POSICIONADOR PNEUMÁTICO PARA VÁLVULA DE CONTROLE

Burkert

PRATELEIRAS PARA ESTOQUE DE QUEIJO

B&b Inox Casa Forte Fibrav Therj West Equipamentos

PRENSA PNEUMÁTICA E MECÂNICA PARA QUEIJOS

B&b Inox Casa Forte Inox Tecnologia Mirainox Ltda West Equipamentos

PRENSAS PARA QUEIJO

B&b Inox Casa Forte Inox Tecnologia Mirainox Ltda West Equipamentos

PRENSAS PNEUMÁTICAS

B&b Inox Casa Forte Inox Tecnologia Mirainox Ltda West Equipamentos

PRENSAS VERTICAIS

PRODUTORAS HORIZONTAIS DE SORVETE

Finamac Arpifrio

PROTETOR AUDITIVO CONCHA

Prevemax

PROTETOR PLUG

Prevemax

PT100 SENSORES DE TEMPERATURA

Brascon Conexões Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Traptec

PURGADOR DE AR AUTOMÁTICO

Brascon Conexões sf International

PURGADOR PARA AR COMPRIMIDO

Ascoval Indústria e Comércio Ltda. Dutra Máquinas sf International Traptec

PURGADOR PARA VAPOR TIPO BIMETÁLICO

sf International Traptec

PURGADOR PARA VAPOR TIPO BÓIA

sf International Traptec

PURGADOR PARA VAPOR TIPO MEMBRANA TERMOSTÁTICA

Inox Tecnologia Mirainox Ltda West Equipamentos

sf International

PROCESSADOR CONTÍNUO DE VEGETAIS

sf International Traptec

PROCESSADOR CUTTER

Brascon Conexões Casa Forte sf International

Tribeca

Geiger Poly Clip

PROCESSADORES DE ALIMENTOS

Gea Food Solutions Geiger Poly Clip Spadaro Imports Tribeca

PRODUTORAS CONTÍNUAS DE SORVETE

Finamac Arpifrio

PURGADOR PARA VAPOR TIPO TERMODINÂMICO

PURGADORES

PURIFICADORES DE AR AMBIENTE

Interozone

Q QUEIJARIA AUTOMÁTICA

B&b Inox Casa Forte

QUEIJEIRA

Betori


137

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

Intercarta Vpg Consultoria e Projetos Ltda

QUEIJOMATIC

Águia Inox Casa Forte Inox Tecnologia West Equipamentos

QUEIMADORES

B&b Inox Casa Forte

REFRATÔMETRO

Akso Produtos Eletrônicos Biologica Casa Forte Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Dpunion Gehaka Quimis Aparelhos Científicos

REGISTRADOR GRÁFICO COM INDICAÇÃO DE DIGITAL

QUEIMADORES SECOS E REFRIGERADOS

Akso Produtos Eletrônicos Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda

R RAIO-X

REGISTRADOR GRÁFICO DE PRESSÃO / VÁCUO

Jetfrio

Perfor Indústria de Máquinas Ltda

RALADORES DE QUEIJO

A.castellano Peneiraço Vitória Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Inox Tecnologia West Equipamentos

REAGENTES E EQUIPAMENTOS PARA LABORATÓRIO

Biologica Casa Forte Dairy Equipamentos Foss Brasil Gehaka Labcontrol Ltda Tecnoglobo

REATORES E VASOS DE PRESSÃO

Labcontrol Ltda

RECRAVADEIRA DE LATAS

Spadaro Imports

REDES DE COMUNICAÇÃO

Burkert

REDUTORES

Casa Das Desnatadeiras Habasit do Brasil Weg-cestari

REDUTORES DE VELOCIDADE

Nord Drivesystems Brasil Redutores Tecnored Weg-cestari

REDUTORES ESPECIAIS

Weg-cestari

REFIS ADESIVOS PARA ARMADILHAS LUMINOSAS ADESIVAS

Ultralight Ind e Com de Armadilha Luminosas para Insetos Voadores

Jetfrio Spadaro Imports West Equipamentos

RESFRIADORES DE LEITE DE EXPANSÃO DIRETA (ABERTO E FECHADO)

Casa Forte Injesul Jetfrio West Equipamentos

RESFRIADORES DE LEITE EM AÇO INOX COM BALANÇA

Casa Forte Jetfrio West Equipamentos

Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda

Tambflex

REGISTRADOR GRÁFICO DE TEMPERATURA (TERMÓGRAFOS) DESCARTÁVEIS

RETARDADORES CILÍNDRICO DE PASTEURIZAÇÃO

Akso Produtos Eletrônicos Casa Forte Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda

REGISTRADORES GRÁFICOS

Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda

RESERVATÓRIO DE ÁGUA QUENTE

Inox Tecnologia Jopemar Tanques de Aço Inox

LÁCTEO

RETARDADOR

Tambflex

RETENTORES

A.t.i. Brasil Anhembi Borrachas Brascon Conexões Casa Forte Vedaplast

RETENTORES PARA DESNATADEIRAS

RESERVATÓRIO DE ÓLEO

Anhembi Borrachas Casa Forte Vedaplast

RESERVATÓRIO PARA AMÔNIA

REVESTIMENTO DE RODAS E RODÍZIOS EM POLIURETANO E BORRACHA

Jetfrio Jopemar Tanques de Aço Inox Jetfrio

Vedaplast

RESERVATÓRIO PARA SORO

RICOTEIRA SIMPLES E DUPLA PENDULAR

B&b Inox Fibrav Inox Tecnologia

RESERVATÓRIO TRATAMENTO DE LEITE

Inox Tecnologia

RESERVATÓRIOS

Jetfrio Jopemar Tanques de Aço Inox

RESFRIADORES DE LEITE

Casa Forte Fischer Term Injesul

B&b Inox Casa Forte Inox Tecnologia West Equipamentos

RICOTEIRAS

B&b Inox Casa Forte Inox Tecnologia

ROBÔ PARA PALETIZAÇÃO

Magnoflux Automação e Robótica Motoman Robótica do Brasil Ottime Sunnyvale


138

LISTA DE PRODUTOS

ROBÔS ARTICULADOS PARA MANIPULAÇÃO

Magnoflux Automação e Robótica Motoman Robótica do Brasil Ottime

RODA PARA PRENSA

B&b Inox

RODAS DE RODÍZIOS

Casa Forte Dutra Máquinas

RODAS DIVERSAS

Bellt Correntes Transportadoras

RODÍZIOS DE POLIURETANO

Interroll Vedaplast

RODOS

Abc de Itaperuna - rj Vassouras Odim

ROLAMENTOS

Casa Forte

ROLETES

Equipamentos e Acessórios

S SAPATOS

Prevemax

SECADORES

Bralyx Casa Forte Epet do Brasil Hidrozon Spadaro Imports Spx Flow Technology do Brasil

SECADORES COM LEITO FLUIDIZADO

SENSORES DE PRESSÃO E TEMPERATURA

Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Hidrozon Inox Tecnologia Spadaro Imports West Equipamentos

Burkert Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Danfoss do Brasil Emerson Process Management Jetfrio

SECADORES POR ATOMIZAÇÃO

SENSORES DE TEMPERATURA, DE UMIDADE RELATIVA E DE PRESSÃO

Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Deckel Solupack West Equipamentos

ROTULADEIRAS AUTOMÁTICAS PARA COPOS DE REQUEIJÃO

Codatec Epet do Brasil West Equipamentos

ROTULADORA AUTO ADESIVAS

Águia Inox Codatec

ROTULADORAS

Codatec Spadaro Imports

ROUPA TÉRMICA

Jetfrio

ROUPAS FRIGORÍFICAS

Jetfrio

ROUPAS IMPERMEÁVEIS (MACACÃO, PERNEIRAS, CAPAS DE CHUVA, AVENTAIS)

Prevemax

SELOS MECÂNICOS

SECADORES DE QUEIJO (PRATO,MUSSARELA, PARMESÃO)

ROLO MARCADOR

Anhembi Borrachas Vedaplast

SELADORAS DE BANDEJA

Tekniza West Equipamentos Casa Forte

Gea Engenharia de Processos

ROTORES DE BORRACHA PARA BOMBA DE LEITE

SELADORAS A VÁCUO

Casa Forte Selovac Solupack Ulma West Equipamentos

Gea Engenharia de Processos Spadaro Imports

Interroll Solpac

Dois Irmãos

Ulma West Equipamentos

SELADORA A VÁCUO

SELADORA MANUAL

Abemag Seladoras Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Deckel Delgo Dutra Máquinas Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Sunnyvale Tekniza West Equipamentos

SELADORAS

Abemag Seladoras Casa Forte Deckel Delgo Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Milainox Mirainox Ltda Sunnyvale Tecnoglobo Tekniza

Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Danfoss do Brasil Emerson Process Management Jetfrio

SEPARADOR DE ÓLEO E LÍQUIDO

Jetfrio

SEPARADORAS CENTRÍFUGAS

Casa Das Desnatadeiras

SEPARADORES

Jetfrio Solberg Spx Flow Technology do Brasil

SERPENTINAS

Arauterm Heatcraft Jetfrio Pentair

SERVO MOTOREDUTOR

Habasit do Brasil Interroll

SERVO MOTORES

Habasit do Brasil

SILICONE

Dutra Máquinas Jetfrio


139

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

SILOS DE ARMAZENAGEM

Buldrinox Casa Forte Dynamic Air Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Inox Tecnologia Vectra

SILOS DE ESTOCAGEM

B&b Inox Buldrinox Casa Forte Inox Tecnologia Vectra

SILOS HORIZONTAIS

Águia Inox Buldrinox Inox Tecnologia

SILOS ISOTÉRMICOS

Buldrinox Casa Forte Inox Tecnologia

SILOS ISOTÉRMICOS (CHAPA LISA, CHAPA TRAPEZOIDAL)

Águia Inox B&b Inox Inox Tecnologia

SILOS ISOTÉRMICOS PARA ESTOCAGEM DE LEITE

B&b Inox Casa Forte Inox Tecnologia

SILOS PARA LEITE

Inox Tecnologia

SILOS PARA TRANSPORTE DE GRANÉIS

Casa Forte

SISTEMA CIP

B&b Inox Brascon Conexões Casa Forte Exsys - Industria Inox Tecnologia Proinox Spadaro Imports West Equipamentos

SISTEMA COMPLETO DE CONCENTRAÇÃO E SECAGEM PARA LEITE E SORO

Inox Tecnologia Spadaro Imports

SISTEMA COMPLETO DE LIMPEZA (CIP)

B&b Inox Casa Forte Inox Tecnologia Proinox Spadaro Imports West Equipamentos

SISTEMA DE ÁGUA GELADA

Casa Forte Sumá West Equipamentos

SISTEMA DE DRENOPRENSA

Águia Inox B&b Inox West Equipamentos

SISTEMA DE OSMOSE REVERSA

Burkert Quimis Aparelhos Científicos Spx Flow Technology do Brasil

SISTEMA DE PALETIZAÇÃO

Motoman Robótica do Brasil Solpac

SISTEMA DE PASTEURIZAÇÃO

Casa Forte Instruval Spx Flow Technology do Brasil Tambflex

Quimis Aparelhos Científicos Spadaro Imports Tech Filter

SISTEMAS DE MANIPULAÇÃO COM ROBÔS E PICK AND PLACE

Flexlink Systems Motoman Robótica do Brasil

SISTEMAS DE MOVIMENTAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE MATERIAIS

Flexlink Systems Interroll

SISTEMAS DE PRICESSAMENTO E ENVASE DE LÍQUIDOS

Delgo

SISTEMAS DE PROCESSAMENTO PARA ALIMENTOS

Delgo Gea Food Solutions Spadaro Imports Tribeca

SISTEMAS DE RAIO X

Sunnyvale

SISTEMAS DE SECAGEM E MANUSEIO DE PÓS

Spadaro Imports

SISTEMAS DE TRATAMENTO TÉRMICO

SISTEMA DE PRENSAGEM AUTOMÁTICO

Jetfrio Tribeca

SISTEMA DE SALGA

SISTEMAS ESTRUTURAIS EM PERFIL DE ALUMÍNIO

West Equipamentos Casa Forte

Flexlink Systems

SISTEMA DE ULTRAFILTRAÇÃO

SOBRESSALENTES PARA MICRO-ONDAS INDUSTRIAIS

Pentair Quimis Aparelhos Científicos Tech Filter

Tribeca

SISTEMAS DE EMBALAGEM

Danfoss do Brasil

Embamaqui Ital Poly Clip West Equipamentos

SISTEMAS DE EVAPORAÇÃO, CRISTALIZAÇÃO E VÁCUO

Quimis Aparelhos Científicos Spadaro Imports Tribeca

SISTEMAS DE FILTRAÇÃO POR MEMBRANAS

Gea Engenharia de Processos Pentair

LÁCTEO

SOFT STARTERS SOFTWARES E SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

Atak Consultoria & Sistemas Lacteus

SOLUÇÃO PADRÃO PARA CALIBRAÇÃO CRIOSCÓPIO

Casa Forte Pzl

SOLUÇÃO PARA LIMPEZA DIÁRIA E SEMANAL LACTOSCAN E EKOMILK

Casa Forte


140

LISTA DE PRODUTOS

SPRAY DRYER

Equipamentos e Acessórios

TAMPADORA DE CAIXA DE PAPELÃO

Spadaro Imports Spraying Systems do Brasil Ltda

Spadaro Imports

T TACHOS DE AÇO INOX

TAMPAS E PORTAS EM AÇO INOX

A.castellano Peneiraço Vitória B&b Inox Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Inox Tecnologia Mirainox Ltda Spadaro Imports Therj West Equipamentos

TACHOS DE COZIMENTO

Inox Tecnologia Mirainox Ltda Spadaro Imports Tribeca West Equipamentos

TACHOS PARA ATOMATADOS

Spadaro Imports

TACHOS PARA DOCE DE LEITE

Águia Inox B&b Inox Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Inox Tecnologia Mirainox Ltda Spadaro Imports Tribeca West Equipamentos

TACHOS PARA DOCES

B&b Inox Casa Forte Inox Tecnologia Mirainox Ltda Spadaro Imports Tambflex Tribeca West Equipamentos

TACHOS PARA FABRICAÇÃO

B&b Inox Casa Forte Frigostrella do Brasil Inox Tecnologia Mirainox Ltda Rgo Máquinas Industriais Ltda. Spadaro Imports Tribeca West Equipamentos

TALHAS ELÉTRICAS

Rgo Máquinas Industriais Ltda.

B&b Inox

TANQUE CAMISA DUPLA COM AGITAÇÃO (QUEIJOMATIC)

B&b Inox Biasinox Ind. e Com. Ltda. Casa Das Desnatadeiras Exsys - Industria Tribeca West Equipamentos

TANQUE DE ENCOLHIMENTO DE EMBALAGEM

B&b Inox Casa Forte Embamaqui Inox Tecnologia Selovac Sunnyvale West Equipamentos

TANQUE DE EQUILÍBRIO

B&b Inox Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Inox Tecnologia Tambflex West Equipamentos

TANQUE DE ESTOCAGEM

B&b Inox Buldrinox Casa Forte Dynamic Air Exsys - Industria Inox Tecnologia Jopemar Tanques de Aço Inox Tambflex West Equipamentos

TANQUE DE RECEPÇÃO

B&b Inox Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Hidrozon Mirainox Ltda West Equipamentos

TANQUE ESTACIONÁRIO PARA ESTOCAGEM DE LEITE

B&b Inox Casa Forte Inox Tecnologia Mirainox Ltda West Equipamentos

TANQUE ISOTÉRMICO ESTACIONÁRIO

B&b Inox Buldrinox Casa Forte Exsys - Industria Inox Tecnologia West Equipamentos

TANQUE ISOTÉRMICO RODOVIÁRIO PARA COLETA A GRANEL E JULIETA

Casa Forte West Equipamentos

TANQUE PARA ARMAZENAMENTO

Buldrinox Casa Forte Exsys - Industria Fimaco do Brasil Inox Tecnologia Jopemar Tanques de Aço Inox Tambflex West Equipamentos

TANQUE PIPA

West Equipamentos

TANQUE PULMÃO

B&b Inox Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Exsys - Industria Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Inox Tecnologia Jopemar Tanques de Aço Inox Therj West Equipamentos

TANQUES

Arauterm Buldrinox Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Inox Tecnologia Tambflex Therj West Equipamentos

TANQUES AGITADORES

B&b Inox Buldrinox Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Exsys - Industria Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Inox Tecnologia Jopemar Tanques de Aço Inox Mirainox Ltda


141

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

Tambflex West Equipamentos

TANQUES ASSÉPTICOS

Buldrinox Casa Forte Inox Tecnologia West Equipamentos

TANQUES DE COAGULAÇÃO DE LEITE

B&b Inox Buldrinox Casa Das Desnatadeiras Casa Forte West Equipamentos

TANQUES DE COLETA DE LEITE A GRANEL

Buldrinox Inox Tecnologia West Equipamentos

TANQUES DE COZIMENTO E RESFRIAMENTO

B&b Inox Buldrinox Casa Forte Greco Inox Tecnologia Tribeca West Equipamentos

TANQUES DE EXPANSÃO DIRETA

Buldrinox Inox Tecnologia West Equipamentos

TANQUES DE FABRICAÇÃO

B&b Inox Buldrinox Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Hidrozon Inox Tecnologia Tribeca West Equipamentos

TANQUES DE PREPARAÇÃO DE EMULSÃO

Buldrinox Inox Tecnologia West Equipamentos

TANQUES DE PRÉ-PRENSAGEM

Casa Forte Inox Tecnologia West Equipamentos

TANQUES DE PROCESSO

Águia Inox B&b Inox

Casa Forte Inox Tecnologia Jopemar Tanques de Aço Inox Therj Tribeca West Equipamentos

TANQUES DE PROCESSO PARA IOGURTE

B&b Inox Inox Tecnologia Tambflex West Equipamentos

TANQUES DE XAROPE DE AÇÚCAR

Buldrinox Casa Forte West Equipamentos

TANQUES ELÍPTICOS HERMÉTICOS PARA REFRIGERAR LEITE

Inox Tecnologia West Equipamentos

TANQUES ESPECIAIS

Buldrinox Inox Tecnologia Jopemar Tanques de Aço Inox Therj West Equipamentos

TANQUES ESTACIONÁRIOS

Casa Forte Inox Tecnologia West Equipamentos

TANQUES INOX

Brascon Conexões Buldrinox Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Emil - Empresa Mineira Ltda Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Injesul Inox Tecnologia Jopemar Tanques de Aço Inox Mirainox Ltda Rentank Tambflex Therj West Equipamentos

TANQUES INOX VERTICAL (SILOS) PARA ESTOCAGEM DE LEITE

Buldrinox Casa Forte Exsys - Industria Inox Tecnologia Jopemar Tanques de Aço Inox Tambflex West Equipamentos

LÁCTEO

TANQUES ISOTÉRMICOS

B&b Inox Buldrinox Casa Forte Inox Tecnologia Mirainox Ltda West Equipamentos

TANQUES ISOTÉRMICOS RODOVIÁRIOS PARA TRANSPORTE DE LEITE

Casa Forte West Equipamentos

TANQUES ISOTÉRMICOS VERTICAIS E HORIZONTAIS

Buldrinox Inox Tecnologia Jopemar Tanques de Aço Inox West Equipamentos

TANQUES PARA DISSOLUÇÃO DE PÓ

Inox Tecnologia West Equipamentos

TANQUES PARA RESFRIAMENTO DE LEITE

Buldrinox Casa Forte Gea Farm Technologies Injesul Inox Tecnologia West Equipamentos

TANQUES PARA SALGA

B&b Inox Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Fibrav Hidrozon Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Inox Tecnologia West Equipamentos

TANQUES PARA TRANSPORTE

Casa Forte West Equipamentos

TANQUES PARA TRANSPORTE E COLETA DE LEITE

West Equipamentos

TANQUES REFRIGERADORES DE LEITE A GRANEL

Casa Forte Injesul Inox Tecnologia West Equipamentos


142

LISTA DE PRODUTOS

Equipamentos e Acessórios

TANQUES RESFRIADORES

Casa Forte Injesul West Equipamentos

TANQUES RODOVIÁRIO PARA COLETA DE LEITE

Casa Forte West Equipamentos

TANQUES RODOVIÁRIOS

Casa Forte West Equipamentos

TANQUES SILOS

Buldrinox Casa Forte Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Inox Tecnologia West Equipamentos

TANQUES SILOS PARA ESTOCAGEM DE LEITE FRIO

Inox Tecnologia West Equipamentos

TANQUES SISTEMA CIP

TERMOHIGRÔMETROS E TERMOHIGRÓGRAFOS

Every Control Jetfrio

TERMOMANÔMETROS

Akso Produtos Eletrônicos Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Every Control Jetfrio

Akso Produtos Eletrônicos Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Dutra Máquinas Every Control Every Control Jetfrio

TERMÔMETRO

Akso Produtos Eletrônicos Bringer Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Dpunion Dutra Máquinas Every Control Jetfrio Mml Caldeiras

TERMÔMETROS A ENERGIA SOLAR

Every Control Jetfrio

TERMÔMETROS A LASER

B&b Inox Brascon Conexões Buldrinox Casa Forte Exsys - Industria Inox Tecnologia Spadaro Imports West Equipamentos

Akso Produtos Eletrônicos Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Dpunion Dutra Máquinas Every Control Jetfrio

TEMPERO

Abc de Itaperuna - rj Akso Produtos Eletrônicos Biologica Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Dutra Máquinas Every Control Jetfrio

Temperos Chef Penninha

TERMODATADORES

Casa Forte

TERMOFORMADORA

Gea Food Solutions Selovac Ulma

TERMOFORMADORAS

Bralyx Gea Food Solutions Selovac Ulma

TERMOFORMADORAS A VÁCUO

Bralyx Gea Food Solutions Selovac Ulma

TERMÔMETROS DIGITAIS

TERMÔMETROS DIGITAIS INFRAVERMELHO A LASER

Akso Produtos Eletrônicos Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Every Control Jetfrio

TERMÔMETROS DIGITAIS PARA FIXAÇÃO EM PAREDES

Akso Produtos Eletrônicos Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda

TERMÔMETROS ELETRÔNICOS

TERMÔMETROS MECÂNICOS

Bringer Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Every Control Jetfrio

TERMOSELADORA

Delgo West Equipamentos

TERMOSTATO

Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Every Control Jetfrio

TERMOSTATOS DIGITAIS

Casa Das Desnatadeiras Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Every Control Jetfrio

TERMOSTATOS REGULÁVEIS

Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Every Control Jetfrio

TESTE DE ANTOBIÓTICO RÁPIDO

Idexx Brasil

TESTE QUANTITATIVO PARA CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS

Idexx Brasil

TESTE RÁPIDO PARA ANTIBIÓTICO

Idexx Brasil

TINAS PARA SORVETE

Casa Forte Exsys - Industria

TINAS QUEIJEIRAS

B&b Inox Casa Forte

TINTAS

Casa Forte


143

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

TOMBADOR HIDRÁULICO

B&b Inox Spadaro Imports

TORRE DE RESFRIAMENTO

Casa Forte Jetfrio Körper Sistemas de Resfriamento de Água Semco Refrigeração West Equipamentos

TOUCAS

Abc de Itaperuna - rj Casa Forte

TRANSFERIDOR DE LEITE

Casa Forte

TRANSMISSORES DE PRESSÃO, TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA

Bringer Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Emerson Process Management

TRANSMISSORES DIGITAIS

Interroll Magnoflux Automação e Robótica Rgo Máquinas Industriais Ltda. Solpac Spadaro Imports

TRANSPORTADORES DE ROLETES

Abemag Seladoras Gehaka Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Interroll Magnoflux Automação e Robótica Solpac Spadaro Imports

TRANSPORTADORES EM ALUMÍNIO

Abemag Seladoras Dynamic Air Flexlink Systems Gehaka Magnoflux Automação e Robótica Solpac Spadaro Imports

TRANSPORTADORES EM INOX

Dutra Máquinas

Abemag Seladoras Dutra Máquinas Dynamic Air Flexlink Systems Gehaka Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Magnoflux Automação e Robótica Rgo Máquinas Industriais Ltda. Solpac Spadaro Imports

TRANSPORTADORES AÉREOS

TRANSPORTADORES ESPECIAIS

Bringer Burkert Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda

TRANSPALETEIRAS

Dutra Máquinas

TRANSPALETEIRAS EM INOX

Flexlink Systems Greco Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Rgo Máquinas Industriais Ltda.

TRANSPORTADORES DE CORREIA

Abemag Seladoras Gehaka Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Interroll Magnoflux Automação e Robótica Rgo Máquinas Industriais Ltda. Solpac Spadaro Imports

TRANSPORTADORES DE CORRENTE

Abemag Seladoras Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia

Abemag Seladoras Flexlink Systems Gehaka Solpac Spadaro Imports

TRANSPORTADORES FLEXÍVEIS

Abemag Seladoras Flexlink Systems Gehaka Rgo Máquinas Industriais Ltda. Solpac Spadaro Imports

TRANSPORTADORES INCLINADOS

Abemag Seladoras Flexlink Systems Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Interroll Solpac Spadaro Imports

LÁCTEO

TRANSPORTADORES MODULARES

Abemag Seladoras B&b Inox Flexlink Systems Gehaka Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Interroll Rgo Máquinas Industriais Ltda. Solpac Spadaro Imports

TRANSPORTADORES PALETIZADOS COM UMA OU DUAS PISTAS

Flexlink Systems Solpac

TRANSPORTADORES PARA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA

Abemag Seladoras Dynamic Air Flexlink Systems Gehaka Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Rgo Máquinas Industriais Ltda. Solpac Spadaro Imports

TRANSPORTADORES PARA PUCKS (PUCKER E DEPUCKER)

Flexlink Systems Solpac

TRANSPORTADORES TIPO ELEVADORES DE CANECAS

Spadaro Imports

TRANSPORTADORES TIPO ROSCA HELICOIDAL

Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Spadaro Imports

TRIBLENDER

B&b Inox Inox Tecnologia Instruval West Equipamentos

TRILHOS PARA CÂMARAS

Jetfrio Rgo Máquinas Industriais Ltda.

TRINCOS PARA PORTAS FRIGORÍFICAS

Casa Forte Jetfrio

TROCADOR DE CALOR

Buldrinox Casa Forte


144

LISTA DE PRODUTOS

Equipamentos e Acessórios

Exsys - Industria Fimaco do Brasil Frigostrella do Brasil Inox Tecnologia Körper Sistemas de Resfriamento de Água Pentair Suprinox

TROCADOR DE CALOR TUBOLAR

Buldrinox Exsys - Industria Inox Tecnologia Pentair Spadaro Imports

TUBO DE CONDUÇÃO EM AÇO INOXIDÁVEL

Castinox

TUBO DE ENSAIO PARA CRIOSCÓPIO

Casa Forte

TUBO INOX SANITÁRIO

Castinox Inoxserv

TUBOS

TUBOS E CONEXÕES

A.t.i. Brasil Acrilicos Brascril Casa Forte Castinox Inoxserv Kanaflex Norgren

TUBOS E CONEXÕES DE AÇO INOX POLIDOS

Brascon Conexões Casa Forte Castinox Inoxserv Intersteel Aço Inoxidável

TUBOS E CONEXÕES DE COBRE

Inoxserv

TUBOS EM AC

Acrilicos Brascril Inoxserv

TUBOS EM INOX

Castinox Inoxserv Therj

TUBOS INOXIDÁVEIS

Brascon Conexões Casa Forte Castinox Injesul Inoxserv Kanaflex

A.castellano Peneiraço Vitória Brascon Conexões Castinox Inoxserv Intersteel Aço Inoxidável

TUBOS COM E SEM COSTURA DE AÇO INOXIDÁVEL

TUBOS MECÂNICOS DE AÇO INOXIDÁVEL

Brascon Conexões Carbinox Casa Forte Castinox Inoxserv Intersteel Aço Inoxidável

TUBOS DE AÇO CARBONO

Brascon Conexões Casa Forte Inoxserv

TUBOS DE AÇO INOX

A.castellano Peneiraço Vitória Brascon Conexões Casa Forte Castinox Inoxserv

TUBOS DE CONDUÇÃO DE FLUIDOS EM AÇO CARBONO E AÇO INOXIDÁVEL

Inoxserv Intersteel Aço Inoxidável

Brascon Conexões

TUBOS PARA LINHA SANITÁRIA DE AÇO INOXIDÁVEL

Brascon Conexões Casa Forte Castinox Intersteel Aço Inoxidável

TUBOS POLIDOS E ESCOVADOS DE AÇO INOXIDÁVEL

A.castellano Peneiraço Vitória Brascon Conexões Castinox Intersteel Aço Inoxidável

TUBOS QUADRADOS E RETANGULARES DE AÇO INOXIDÁVEL

Brascon Conexões Carbinox Inoxserv Intersteel Aço Inoxidável

TUBOS, BARRAS, CHAPAS, CONEXÕES E FLANGES EM AÇO LIGA, LIGAS ESPECIAIS, SUPER LIGAS

Carbinox Inoxserv

TÚNEL DE COZIMENTO

Gea Food Solutions Spadaro Imports Tribeca

TÚNEL DE ENCOLHIMENTO

B&b Inox Epet do Brasil Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Inox Tecnologia Sunnyvale

TÚNEL DE RESFRIAMENTO

Jetfrio Spadaro Imports

TÚNEL DE SECAGEM

Inox Tecnologia Spadaro Imports

TÚNEL DE SECAGEM DE QUEIJO

Inox Tecnologia

TURBIDÍMETRO PORTÁTIL DIGITAL

Biologica Gehaka

TURBINAS DE LIMPEZA CIP

Instruval Proinox Suprinox

TURBO MISTURADOR MÓVEL

Geiger

U UNIDADE DE ÁGUA GELADA (CHILLER)

Casa Forte Jetfrio Körper Sistemas de Resfriamento de Água Qualiterme

UNIFORMES PROFISSIONAIS

Casa Forte

UPS - NO BREAK

Hds Sistemas de Energia

UTENSÍLIOS PARA PRODUÇÃO

B&b Inox


145

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Spadaro Imports

V VACUÔMETRO

A.t.i. Brasil Dpunion Jetfrio Traptec Vastin

VÁLVULA ANGULAR

Burkert Castinox Jetfrio Traptec Vastin

VÁLVULA ARCO

Jetfrio Liagbras

VÁLVULA BORBOLETA

B&b Inox Burkert Casa Das Desnatadeiras Casa Forte Castinox Dynamic Air Jetfrio Pentair Suprinox Traptec Zanardo Válvulas Industriais

VÁLVULA CONTROLADORA DE TEMPERATURA

Casa Forte Jetfrio Traptec

VÁLVULA DE BLOQUEIO GLOBO COM FOLE DE VEDAÇÃO DA HASTE

Jetfrio Traptec Vastin

VÁLVULA DE CONTROLE ON/OFF

Ascoval Indústria e Comércio Ltda. Burkert Casa Forte Castinox Emerson Process Management Jetfrio Pentair Traptec Vastin Zanardo Válvulas Industriais

VÁLVULA DE CONTROLE PROPORCIONAL

VÁLVULA GLOBO CONVENCIONAL

Ascoval Indústria e Comércio Ltda. Jetfrio Pentair Traptec Vastin Zanardo Válvulas Industriais

Burkert Casa Forte Jetfrio Traptec Vastin Zanardo Válvulas Industriais

VÁLVULA DE DESCARGA CONTÍNUA DE SAIS DE CALDEIRA

Jetfrio Vastin

Jetfrio Traptec Vastin West Equipamentos

VÁLVULA DE DESCARGA DE FUNDO DE CALDEIRA

Casa Forte Jetfrio Pentair Traptec Vastin West Equipamentos Zanardo Válvulas Industriais

VÁLVULA DE DESVIO DE FLUXO

Castinox Dynamic Air Inoxserv Jetfrio Pentair Traptec

LÁCTEO

VÁLVULA GLOBO E GAVETA

VÁLVULA MICROMÉTRICA

Castinox Jetfrio

VÁLVULA PNEUMÁTICA 3 VIAS DESVIO DE FLUXO

Brascon Conexões Castinox Inoxserv Jetfrio Vastin Zanardo Válvulas Industriais

VÁLVULA REDUTORA DE PRESSÃO

Casa Forte Inoxserv Jetfrio Traptec Vastin Zanardo Válvulas Industriais

VÁLVULA SOLENÓIDE

VÁLVULA DE RETENÇÃO

Ascoval Indústria e Comércio Ltda. Burkert Casa Forte Inoxserv Jetfrio Traptec Vastin Zanardo Válvulas Industriais

VÁLVULA DE SEGURANÇA

Bringer Burkert Castinox Dynamic Air Emerson Process Management Inoxserv Jetfrio Liagbras Pentair Suprinox Traptec Zanardo Válvulas Industriais

Castinox Inoxserv Jetfrio Pentair sf International Traptec Vastin Zanardo Válvulas Industriais Ascoval Indústria e Comércio Ltda. Casa Forte Castinox Jetfrio Pentair Suprinox Traptec Vastin Zanardo Válvulas Industriais

VÁLVULA GAVETA

Casa Forte Jetfrio Traptec

VÁLVULAS BORBOLETA

VÁLVULAS DE ESFERA

Brascon Conexões Bringer


146

LISTA DE PRODUTOS

Equipamentos e Acessórios

Castinox Inoxserv Jetfrio Mml Caldeiras Norgren sf International Suprinox Traptec Zanardo Válvulas Industriais

VÁLVULAS DE ESFERA TRIPARTIDAS TOTALINOX

Brascon Conexões Bringer Castinox Indemafri - Máquinas p/ Indústria Alimentícia Inoxserv Jetfrio Mml Caldeiras sf International Traptec Zanardo Válvulas Industriais

VÁLVULAS DE EXPANSÃO

Casa Forte Inoxserv Jetfrio Pentair Traptec Vastin

VÁLVULAS DE SEGURANÇA

Ascoval Indústria e Comércio Ltda. Brascon Conexões Bringer Casa Forte Inoxserv Jetfrio Mml Caldeiras Norgren Pentair sf International Vastin Zanardo Válvulas Industriais

VÁLVULAS ESFERA

Castinox Emerson Process Management Inoxserv Jetfrio sf International Zanardo Válvulas Industriais

VÁLVULAS MANUAIS

Brascon Conexões Bringer Castinox Inoxserv Jetfrio Liagbras Pentair

sf International Suprinox Traptec Vastin Zanardo Válvulas Industriais

VÁLVULAS REDUTORAS DE PRESSÃO

Inoxserv Jetfrio Pentair sf International Zanardo Válvulas Industriais

VÁLVULAS SANITÁRIAS

Brascon Conexões Bringer Burkert Casa Forte Castinox Emerson Process Management Inoxserv Instruval Jetfrio Liagbras Pentair sf International Suprinox Zanardo Válvulas Industriais

VÁLVULAS SANITÁRIAS EM INOX

Brascon Conexões Burkert Casa Forte Castinox Inoxserv Jetfrio Liagbras sf International Suprinox

VÁLVULAS SOLENÓIDE

Brascon Conexões Bringer Burkert Casa Forte Emerson Process Management Inoxserv Jetfrio Norgren Vastin

VÁLVULAS TIPO BORBOLETA

B&b Inox Brascon Conexões Burkert Casa Forte Castinox Dynamic Air Inoxserv Jetfrio Liagbras

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

Pentair Suprinox Zanardo Válvulas Industriais

VÁLVULAS VELAN

Jetfrio

VASILHAMES PARA TRANSPORTE DE LEITE

Casa Forte Injesul

VASSOURAS

Abc de Itaperuna - rj Vassouras Odim

VASSOURÕES

Abc de Itaperuna - rj Vassouras Odim

VEDAÇÕES INDUSTRIAIS

Anhembi Borrachas Casa Forte Centrilatte Mart Sticker Pentair Vedaplast

VESTIMENTAS DE SEGURANÇA

Casa Forte Prevemax

VESTUÁRIO DESCARTÁVEL

Casa Forte Prevemax

VISCOSÍMETRO ROTATIVO ANALÓGICO

Biologica Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Quimis Aparelhos Científicos

VISCOSÍMETRO ROTATIVO DIGITAL

Biologica Cotergavi Instrumentos de Medição Ltda Quimis Aparelhos Científicos

VISOR LÍQUIDO

Brascon Conexões Jetfrio Vastin

VISORES

Acrilicos Brascril Brascon Conexões Jetfrio Mml Caldeiras Pentair

LÁCTEO


LISTA DE ENDEREÇOS


FORNECEDORES

Lista de Endereços

A.CASTELLANO PENEIRAÇO VITÓRIA

Guia de referência do SETOR

ACRILICOS BRASCRIL

Rua Sacramento , 26 a - Pari 03030130 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 2618.5638 Com. 55 (11) 2292.4810 www.peneiras.com comercial@acastellano.com.br

Av. Gen. Emilio Lucio Esteves , 489 – Sta. Maria Gorette 91030-290 - Porto Alegre - RS Com. (51) 3371.3502 Com. (51) 3362.7052 www.brascril.com.br estacio@brascril.com.br

A.T.I. BRASIL

ADI ACQUA ENGENHARIA

Rua Omilio Monteiro Soares , 260 Vila Fanny 81030000 - Curitiba - PR Com. 55 (41) 3302.3400 Fax. 55 (41) 3302.3499 www.atibrasil.com.br vendas@atibrasil.com.br

ABC DE ITAPERUNA - RJ

Rua Dr. João do Couto , 347 - Cidade Nova 2830000 - Itaperuna - RJ Com. (22) 3824.2663 Fax. 55 (22) 3824.2663 www.abc-itaperuna.com.br abc@abc-itaperuna.com.br

ABEAÇO

Rua Rocha , 167 cj 33 - Bela Vista 01330000 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3842.9512 Fax. 55 (11) 3849.0392 www.abeaco.org.br abeaco@abeaco.org.br

ABEMAG SELADORAS

Rua 22 be , 1561 - Jd. Anhanguera 13501388 - Rio Claro - SP Com. 55 (19) 3532.4151 Com. 55 (19) 3023.2775 www.abemag.com.br abemag@abemag.com.br

ABRE - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMBALAGEM

Rua Oscar Freire , 379 15º Andar / Conj. 152 - Cerqueira Cesar 01426001 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3060.5510 www.abre.org.br eventos@abre.org.br

ACOMEX EMBALAGENS LTDA

Rua 9 de Julho , 191 - Jd. Guerreiro 06710-510 - Cotia - SP Com. (11) 3562.7644 www.acomexembalagens.com.br contato@acomexembalagens.com.br

147

Março/Abril Março/Abril 2014 2014

Rua 7 de Setembro , 471 Sala 16 Centro 13630110 - Pirassununga - SP Com. 55 (19) 3561.6100 Com. 55 (19) 3561.2194 Com. 55 (19) 3561.6100 www.adisystemsinc.com southamerica@adi.ca

ADVANCED THERMAL SYSTEMS

Rua Dr. Silvio Dante Bertacchi , 1196 - vl Sonia 05625001 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3744.5590 Com. 55 (11) 3743.3707 www.atsbrasil.com.br rinaldo@atsbrasil.com.br

LÁCTEO

AKSO PRODUTOS ELETRÔNICOS

Rua Emílio Dexheimer , 357 - Jardim América 93032-200 - São Leopoldo - RS Com. 55 (51) 3406.1717 Com. 55 (51) 3566.1717 www.akso.com.br vendas@akso.com.br

ALIBRA INGREDIENTES

Rua Pedro Stancato , 320 - Campo Amarais 13082-050 - Campinas - SP Com. 55 (19) 3716.8888 www.alibra.com.br comercial@alibra.com.br

ANHEMBI BORRACHAS

Rua Major Basílio , 348 - Mooca 03181010 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 2601.3311 Com. 55 (11) 2603.3040 Fax. 55 (11) 2601.0992 www.anhembiborrachas.com.br vendas@anhembiborrachas.com.br

ARAUTERM

AERZEN DO BRASIL

Av. Augusto Frederico Ritter , 3150 Industria - Distrito Industrial 94930000 - Cachoeirinha - RS Com. 55 (51) 3406.6979 www.arauterm.com.br marketing@arauterm.com.br

ÁGUIA INOX

Av. Das Naçoes Unidas , 13797 Bloco Lll 7° Andar - Morumbi 04794000 - São Paulo - SP Cel. 55 (11) 8221.9005 Cel. 55 (11) 7826.2671 www.arfrio.com.br mrodriguez@arfrio.com.br

Via Das Samambaias , 213 - Jardim Colibri 06713280 - Cotia - SP Com. 55 (11) 4612.4021 www.aerzen.com.br vendas@aerzen.com.br

Rua Joana Rigoni Massolini , 46 - Distr. Industrial de Tamandaré 95720-000 - Garibaldi - RS Com. 55 (54) 3464.0191 Cel. 55 (55) 8153.0169 Fax. 55 (54) 3464.0191 www.aguiainox.com.br leandro.vendas@aguiainox.com.br

AJINOMOTO

Rua Vergueiro , 1737 - Vila Mariana 04101-000 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 5080.6801 www.ajinomotofi.com.br vendas@br.ajinomoto.com

AJINOMOTO FOOD INGREDIENTS

Rua Vergueiro , 1737 - Vila Mariana 04101-000 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 5080.6801 www.ajinomotofi.com vendas@br.ajinomoto.com

ARFRIO S/A

ASCOVAL INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA.

Rua Goiatuba , 81 - Jd. Mutinga 06465-010 - Barueri - SP Com. 55 (11) 4208.1700 http://www.ascoval.com.br/ ascoval@emerson.com

ASHLAND / GERMINAL

Via Das Paineiras , 3864 - Pinhal 13315-000 - Cabreuva - SP Com. 55 (11) 4529.8622 Com. 55 (11) 4529.8623 Com. 55 (11) 4529.8625 Com. 55 (11) 4529.8626 Com. 55 (11) 4529.8627 Com. 55 (11) 4529.8634 www.ashland.com lferreira@ashland.com


148

FORNECEDORES

Lista de Endereços

ATAK CONSULTORIA & SISTEMAS

Av. Nildo Ribeiro , 564 Parque da Gávea - Jardim Ipanema 87053-330 - Maringá - PR Com. (44) 2101.5657 www.atak.com.br comercial@atak.com.br

B&B INOX

Rua Jose Paulo da Silva , 40 Galpão da Gráfica Faria - Pitangueiras 37480-000 - Lambari - MG Com. 55 (35) 3271.4720 Com. 55 (35) 3271.1340 Com. 55 (35) 3271.3023 www.bbinox.com.br bacha@bbinox.com.br

BASF

Rodovia Anchieta - km 18 , S/n Alvinopolis 09893000 - São Bernardo do Campo - SP Com. 55 (11) 4177.6500 www.basf.com adriana.lima@basf.com

BELLT CORRENTES TRANSPORTADORAS

BERACA

Rua Emília Marengo, 682 - 2º andar São Paulo/SP CEP: 03336-000 Fone: +55 (11) 2643-5000 contato@beraca.com www.beraca.com.br

BIASINOX IND. E COM. LTDA.

Rua Lúcio Rasera , 140 Edicula Bigorrilho 80.710-23 - Curitiba - PR Com. 55 (41) 3524.5810 maquinas.fernando@gmail.com

BIOLOGICA

Rua Jose D’Ângelo , 296 cj 17 - jd Ocara 09051090 - Santo André - SP Com. 55 (11) 4425.2299 Fax. 55 (11) 4425.8713 www.bringer.com.br bringer@bringer.com.br

Rua Luiz Gonzaga de Barros Santos , 37 - Vila Santa Maria 04810-030 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 2857.6047 www.biologic.com.br biologic@uol.com.br

BIONOV

Rua Amador Bueno , 293 - Piratininga 06230100 - Osasco - SP Com. 55 (11) 3099.9517 www.bionov.com.br ronaldo@bionov.com.br Av. Bernardo Sayão , 3471 - Ana Nery 75400-000 - Inhumas - GO Com. (62) 3514.3838 biopet2@hotmail.com

BERRY PLASTICS

BORTOLOT ENERGIA E AUTOMAÇÃO

BIOPET

Rua John Boyd Dunlop , 1700 Iporang 18087-155 - Sorocaba - SP Com. 55 (15) 3414.5300 www.berryplastics.com comunicacaobr@berryplastics.com

Rua Silo Simoes , 161 - Vila Industrial 14177-040 - Sertaozinho - SP Com. 55 (16) 2105.0101 www.bortolot.com.br roberto@bortolot.com.br

BERTOLINI SISTEMAS DE ARMAZENAGEM

Rua Vigário Albernaz , 21 - Vila Gumercindo 04134020 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 5072.2099 Fax. 55 (11) 5583.1507 www.bralyx.com bralyx@bralyx.com

BETORI

Rua Salgado Filho , 79 - Centro 94820450 - Alvorada - RS Com. (51) 3483.1143 Com. (51) 3483.2007 betori@terra.com.br

BRASSTECH

Rua Francisco de Biaso , 100 - Centro 374800000 - Lambari - MG Com. 55 (35) 3271.3030 Com. 55 (35) 3271.9100 www.biasinox.com.br comercial3@biasinox.com.br

Rua Pedro Viezzer , 125 - Presidente Vargas 95054350 - Caxias do Sul - RS Com. 55 (54) 3208.1212 www.bellt.com.br bellt@bellt.com.br

Rodovia Br-259, km 51 , S/n Bloco ii Santa Helena 29705-760 - Colatina - ES Com. 55 (54) 2102.4999 www.bertoliniarmazenagem.com.br armazenagem@bertolini.com.br

BRASHOLANDA

Rua Brasholanda , 01 - Jardim Weisópolis 83322070 - Pinhais - PR Com. 55 (41) 3661.1283 www.dixietoga.com.br marco.abreu@bemis.com

BRALYX

BRASCON CONEXÕES

Rua José Domingues de Pontes , 20 Jd.mimar 03986100 - São Paulo - SP Com. (11) 2143.2110 www.brasconconexoes.com.br brascon@brasconconexoes.com.br

BRINGER

BULDRINOX

Rodovia Piracicaba-Rio Claro (sp-127 Fausto Santomauro) , km 29 - Santa Rosa 13412-000 - Piracicaba - SP Com. 55 (19) 3413.8080 www.buldrinox.com.br buldrinox@buldrinox.com.br

BURKERT

Rua Américo Brasiliense , 2069 Chácara Santo Antônio 04715-005 - São Paulo - SP Com. (11) 2186.1155 www.burkert.com.br vendas@burkert.com

BV BELA VISTA

Rua Eloi Cerqueira , 132 - Belenzinho 03062010 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 2799.6777 Com. 55 (11) 2291.5911 Fax. 55 (11) 2292.4322 www.grupobv.com.br grupobv@grupobv.com.br

CANTONEIRAS BRASILFIX

Rua Natal , 168 - Fazendinha 06529-185 - Santana de Parnaíba - SP Com. 55 (11) 4156.1348 www.brasilfix.com.br marlene@brasilfix.com.br

CAPORETTO

Rua São Vicente , 191 - Parque Rincão 06705435 - Cotia - SP Com. 55 (11) 4148.6447


149

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

www.caporetto.com.br paulocesar@caporetto.com.br

CARBINOX

Rua Tenente Onofre Rodrigues de Aguiar , 1301 - v Industrial 08770-041 - Mogi Das Cruzes - SP Com. 55 (11) 4795.9000 Fax. 55 (11) 4795.9595 www.carbinox.com.br marketing@carbinox.com.br

CARGILL

Avenida Morumbi , 8234 - Brooklin 04703-002 - São Paulo - SP Com. (11) 5099.3311 www.cargill.com.br solucoes_ingredientes@cargill.com

CASA DAS DESNATADEIRAS

Rua 205 , 257 - St. Coimbra 74530030 - Goiania - GO Com. 55 (62) 3291.1455 Fax. 55 (62) 3291.4055 www.desnatadeiras.com.br vendasdesnatadeiras@hotmail.com

CASA FORTE

Rua Senador Jaime , 251 - Setor Campinas 74525010 - Goiania - GO Com. 55 (62) 3291.1047 Com. 55 (62) 3291.1047 Com. 55 (62) 3291.1047 www.casafor.com.br vendasequipamentos@terra.com.br

CASTINOX

Rua Walmir Freiberg , 75 - Sertãoo Imaruim 88122-430 - São José - SC Com. (48) 3357.5369 www.castinox.com.br flavioaugusto@castval.com.br

CCLIMA

Rua Vereador Benedito Alves de Oliveira , 60 - Distrito Industrial ii 13495000 - Iracemápolis - SP www.cclima.com.br contato@cclima.com.br

CEFRI ARMAZENAGEM

Av. Alberto Cocozza , 4300 - Goianã 18120000 - Mairinque - SP Com. (11) 4246.0150 Com. (11) 4718.2811 www.cefri.com.br crislaine.oliveira@cefri.com.br

CENTRILATTE

Rua Antônio Bernardo da Cunha , 328 - Centro 16680000 - Avai - SP Com. (14) 3287.1445 www.centrilatte.com.br centrilatte@hotmail.com

LÁCTEO

CODMARC CODIF. E MARC. IND.

CENTRO DE TECNOLOGIA SENAI ALIMENTOS E BEBIDAS

Rua Débora Paschoal , 363 - Jardim Lurdes 04328-030 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 5021.2483 Com. 55 (11) 5021.4893 Com. 55 (11) 5588.2761 Com. 55 (11) 5588.1129 www.codmarc.com.br codmarc@codmarc.com.br

CHIBRASCENTER

Rua Clélia , 1810 - Lapa 050420001 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 2066.3211 www.coel.com.br vendas@coel.com.br

Rua Nilo Peçanha , 85 - Centro 27.700-00 - Vassouras - RJ Com. (24) 2491.9200 www.firjan.org.br cts.alimentosbebidas@firjan.org.br

Rua Augusto Ferreira de Morais , 273 - Capela do Socorro 04763-000 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 5521.3373 Cel. 55 (11) 9988.8285 Cel. 55 (11) 7515.6357 Cel. 55 (11) 9980.6209 www.chibrascenter.com.br decanter@chibrascenter.com.br

CHR. HANSEN

Rod. Visconde de Porto Seguro , 2860 - Santa Escolástica 13278-327 - Valinhos - SP Com. 55 (19) 3881.8300 www.chr-hansen.com.br br_chr-hansen@chr-hansen.com

CLARIANT S.A.

Av. Das Nações Unidas , 18.001 Santo Amaro 04795-900 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 5683.7884 Com. 55 (11) 5683.7857 Com. 55 (11) 5683.7288 www.clariant.com clariant.foodsolutions@clariant.com

CLIP-VAC

COEL

CONVCRED - GESTÃO DE CONVÊNIOS

Rua Miguel Dos Santos Fintelman , 02 - Terceiro Piso - Centro 36880000 - Muriaé - MG Com. (32) 3721.3875 Cel. 55 (32) 8848.5058 Cel. 55 (65) 9988.3381 www.convcred.net.br contato@convcred.net.br

CORANTEC

Rua Javaés , 166 - Bom Retiro 01130-010 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3224.0078 www.corantec.com.br atendimento@corantec.com.br

COTERGAVI INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO LTDA

Rua Dr. Sérgio Meira , 51 - Santa Cecília 01153010 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3673.5020 www.cotergavi.com.br cotergavi@cotergavi.com.br

CP KELCO

Rua Joaquim José do Amral , 14 - Jd. Celeste 05528-020 - São Paulo - SP Com. (11) 3751.5829 Fax. (11) 3751.5778 www.clipvac.com.br clipvac@clipvac.com.br

Rua Teixeira Marques , 845 - Chácara São José 13485-135 - Limeira - SP Com. (19) 3404.4640 www.cpkelco.com joao.c.golfi@cpkelco.com

CODATEC

Rua Mergenthaler , 836 - Vila Leopoldina 05311-030 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3833.2600 www.sealedair.com.br mkt.cryovac@sealedair.com

Av. Eulina , 37 - Limão 02755140 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3931.8322 www.codatec.com.br codatec@codatec.com.br

CRYOVAC BRASIL LTDA


150

FORNECEDORES

Lista de Endereços

CYKLOP

Rua Alto Paraná , 131 - Vila Oriental 09687050 - Diadema - SP Com. 55 (11) 4173.5020 www.cyklop.com.br vendas@cyklop.com.br

DAIRY EQUIPAMENTOS

Rua Casimiro José Marques de Abreu , 32 - Ahú 82200-130 - Curitiba - PR Com. 55 (41) 3027.2127 www.dairy.com.br contato@dairy.com.br

DALA AR

Rua José Neme , 20 - Centro Empresarial Castello Branco 18550-000 - Boituva - SP Com. 55 (15) 3264.9455 Com. 55 (11) 4163.4989 www.dala.com.br comercial@dala.com.br

DANFOSS DO BRASIL

Rua Americo Vespucio , 85 - Jd. Platina 06273-070 - Osasco - SP Com. 55 (11) 2135.5400 Com. 55 (11) 4304.6004 Fax. 55 (11) 2135.5455 www.danfoss.com.br mktbrasil1@danfoss.com

DECKEL

Av. Jose Cesar de Oliveira , 181 Conj: 208 - Vila Leopoldina 05317000 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3831.4664 www.deckel.com.br roberto@deckel.com.br

Com. 55 (11) 5633.5678 www.descartavel.com.br contato@descartavel.com.br

DIVERSEY BRASIL IND. QUIMICA

Rua Nossa Senhora do Socorro , 125 - Socorro 04764020 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 5681.1500 Fax. 55 (11) 5687.7524 www.diversey.com sac.jdbrasil@sealedair.com

DOCE AROMA

Rua Cantagalo , 74 17o. Andar Tatuapé 03319000 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 2633.3000 www.docearoma.com.br docearoma@docearoma.com.br

DOIS IRMÃOS

Rua Petinguara , 76 - Jardim Jabaquara 04384110 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 5565.9067 Com. 55 (11) 5565.9109 Com. 55 (11) 5677.2929 Com. 55 (11) 5565.2680 www.m2irmaos.com.br m2irmaos@m2irmaos.com.br

DOREMUS

Rua Santa Maria do Pará , 32 Bonsucesso 07175400 - Guarulhos - SP Com. 55 (11) 2436.3333 www.doremus.com.br mkt@doremus.com.br

DPUNION

DELGO

Rua Monsenhor Basílio Pereira , 50 Jabaquara 04343090 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 5079.8411 www.dpunion.com.br info@dpunion.com.br

DELTAPLAM EMBALAGENS

Rodovia Raposo Tavares , km 27,2 - Moinho Velho 06707-000 - Cotia - SP Com. 55 (11) 4613.3800 food.dupont.com centralsam@danisco.com

Rodovia Raposo Tavares, Km.25,3 , 950 Blocos c e d - Moinho Velho 06708-000 - Cotia - SP Com. 55 (11) 4617.2000 www.delgo.com.br atendimento@delgo.com.br Rua Francisca H. de Farias Castro , 235 - Zona Sul 86042-400 - Londrina - PR Com. 55 (11) 4127.7137 www.deltaplam.com.br vendas@deltaplam.com.br

DESCARTAVEL EMBALAGENS

Av. Interlagos , 3455 - Campo Grande 04661300 - São Paulo - SP

DUPONT NUTRIÇÃO & SAÚDE

DUTRA MÁQUINAS

Rua Amazonas da Silva , 22 - Vila Guilherme 02051-000 - São Paulo - SP

Com. (11) 2795.8800 www.dutramaquinas.com.br dutramaquinas@dutramaquinas.com.br

DYNAMIC AIR

Av. Mathias Lopes , 5821 - Mascate 12960000 - Nazaré Paulista - SP Com. 55 (11) 4597.8000 Fax. 55 (11) 4597.8001 www.dynamicair.com.br dynamicair@dynamicair.com.br

EBM-PAPST MOTORES VENTILADORES LTDA.

Av. José Giorgi , 301 B6/b7 - Granja Viana ii 06707-100 - Cotia - SP Com. 55 (11) 4613.8700 www.ebmpapst.com.br vendas@br.ebmpapst.com

ELMO RIETSCHLE

Rua Antonio Ovidio Rodrigues , 541 Pq. Industrial Jundiai Iii 13213-180 - Jundiai - SP Com. (11) 3109.1100 Cel. (41) 8801.0573 www.gd-elmorietschle.com.br comercial.er@gardnerdenver.com

EMANN PLÁSTICOS

Rua Ângelo Santa Rosa , 400 - Jd. Celina 13486338 - Limeira - SP Com. (19) 3441.6214 Cel. (19) 7806.8285 www.emannplasticos.com.br emann@uol.com.br

EMBAMAQUI

Rua Cruz e Souza , 557 Galpão Encantado 20745000 - Rio de Janeiro - RJ Com. (21) 3822.8941 Cel. (21) 7834.1606 Cel. (21) 7833.3413 Cel. (21) 7820.7878 embamaqui@yahoo.com.br

EMERSON PROCESS MANAGEMENT

Av. Hollingsworth , 325 - Iporanga 18087-105 - Sorocaba - SP Com. 55 (15) 3413.8000 www.emersonprocess.com.br vendas.internas@emerson.com

EMIL - EMPRESA MINEIRA LTDA

Rua Clower Bastos Cortes , 27 - Vila Laroca


151

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

36660-000 - Além Paraíba - MG Com. 55 (32) 3462.2100 Fax. 55 (32) 3462.2518 www.emil.com.br emil@emil.com.br

EPA QUIMICA

Av. Eng. João Fernandes G. Molina , 512 - Dist Industrial 13213080 - Jundiaí - SP Com. 55 (11) 2136.8000 Com. 55 (11) 2449.4455 www.epaquimica.com.br ricardo.vendas@epaquimica.com.br

EPET DO BRASIL

Rua Pixurim , 40 - Vila Marieta 03617210 - Sao Paulo - SP Com. 55 (11) 2076.0021 www.epet.ind.br comercial@epet.ind.br

ERFONN ELETRO MAQUINAS

Rua Cônego Valentin Oenning , 2601 - Nossa Senhora Das Graças 88750000 - Braço do Norte - SC Com. (48) 3658.6287 Com. (48) 3658.4154 Cel. (48) 9922.0589 www.erfonneletromaquinas.com.br erfonneletromaquinas@gmail.com

EUROFINS

Rodovia Engenheiro Ermênio Oliveira Penteado, km 57.7 , S/n Condomínio Industriale - Tombadouro 13337-300 - Indaiatuba - SP Com. 55 (19) 2107.5500 www.eurofins.com.br comercial@eurofins.com.br

EUROFINS|ALAC

Fax. 55 (11) 3965.9890 www.everycontrol.com.br vendas@everycontrol.com.br

EXSYS - INDUSTRIA

Rua Sante Pieri , 423 - jd Primavera 14140000 - Cravinhos - SP Com. (16) 3951.2823 www.exsys.com.br vendas@exsys.com.br

FERMENTECH

Rua Tuiuti , 1431 sala 2 - Tatuapé 03081-012 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 2093.4900 www.fermentech.com.br fermentech@fermentech.com.br

FIBRAV

Rua Joaquim André de Carvalho , 1800 - Floresta 37480000 - Lambari - MG Com. 55 (35) 3271.3300 http://www.fibrav.com.br vendas@fibrav.com.br

FIMACO DO BRASIL

Rua Paulo Alves do Nascimento , 1470 - Pioneiros 89182-000 - Lontras - SC Com. (47) 3525.1000 www.fimacodobrasil.com.br fimacodobrasil@fimacodobrasil.com.br

FINAMAC ARPIFRIO

Av. Nazaré , 1669 - Ipiranga 04263-200 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 2135.6500 www.finamac.com.br marketing@finamac.com.br

FISCHER TERM

Rua David Sartori , 601 - Alfândega 95720-000 - Garibaldi - RS Com. 55 (54) 3388.3232 Fax. 55 (54) 3388.3200 www.eurofins.com.br alac@alac.com.br

Rua Cel. Domingos Ramos , 28 - v. Leopoldina 05311-040 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3644.4548 fischerterm@fischerterm.com.br

EVERTIS BRASIL PLÁSTICOS S/A

Av. 01 , 1277 Rodovia Hermenegildo Tonolli km 2,3 - Fazenda Grande 13213086 - Jundiaí - SP Com. 55 (11) 4431.4000 www.flexlink.com.br info.br@flexlink.com

Av. 25 de Janeiro , 1986 - la Plata 83420-000 - Quatro Barrras - PR Com. (41) 3671.8943 www.evertis.com comercial@evertis.com.br

EVERY CONTROL

Rua Marino Felix , 256 - Casa Verde 02515-030 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3858.8732

FLEXLINK SYSTEMS

FORTRESS TECHNOLOGY SISTEMAS DE INSPEÇÃO LTDA.

Rua Danilo Valbuza , 585 - Laranjeiras 07747-300 - Caieiras - SP

LÁCTEO

Com. 55 (11) 3641.6153 www.fortress-iis.com.br eoliveira@fortress-iis.com.br

FOSS BRASIL

Rua Dr. Costa Júnior , 356 - Agua Branca 05002-000 - São Paulo - SP Com. (11) 3862.7757 www.foss-analytical.com.br brasil@foss.dk

FRIGOSTRELLA DO BRASIL

Rua Etiópia , 239 - Rio Cotia 06715-775 - Cotia - SP Com. 55 (11) 4615.1250 www.frigostrella.com.br frigostrella@frigostrella.com.br

GABRILINA

Rua Ângelo Duzi , 115 - Centro 09725-270 - s b Campo - SP Com. (11) 4123.1854 Fax. 55 (11) 4123.1854 www.gabrilina.com.br gabrilinaembalagens@ibest.com.br

GCM DO BRASIL

Av. Artur Augusto de Moraes , 217 Centro 13330000 - Elias Fausto - SP Com. 55 (19) 2147.8160 Cel. 55 (19) 9465.8980 Cel. 55 (11) 7001.7345 www.gcmdobrail.com.br guilherme@gcmdobrasil.com.br

GEA DO BRASIL

Estrada sp 354 , km 43,5 - Serra Dos Cristais 07803-970 - Franco da Rocha - SP Com. 55 (11) 7644.4853 www.gea.com leandro.barros@gea.com

GEA ENGENHARIA DE PROCESSOS

Av. Mercedes Benz , 679 Prédio 4d2, 1o. Andar - Distrito Industrial 13054-750 - Campinas - SP Com. 55 (19) 3725.3064 www.gea-process.com.br geaprocess.brasil@gea.com

GEA FARM TECHNOLOGIES

Av. Emilio Marconato , 1000 B15 Ala a - Chácara Primavera 13820000 - Jaguariúna - SP Com. 55 (19) 3837.9500 www.gea-farmtechnologies.com.br infobr@gea.com


152

FORNECEDORES

Lista de Endereços

GEA FOOD SOLUTIONS

Av. Mercedes Benz , 679 Prédio 4d2 Distrito Industrial 13054750 - Campinas - SP Com. 55 (19) 3797.5400 Com. 55 (19) 3797.5408 www.gea.com info-geafs.br@gea.com

GEA WESTFALIA SEPARATOR BRASIL

Av. Mercedes Benz , 679 Ed. 4d2 - 1o Andar - Distrito Industrial 13054-750 - Campinas - SP Com. (19) 3725.3083 www.gea-westfalia.com.br marketing.wsbr@gea.com

GEHAKA

Av. Duquesa de Goiás , 235 - Real Parque 05686-900 - São Paulo - SP Com. (11) 2165.1145 www.gehaka.com.br vendas@gehaka.com.br

GEIGER

Rua 19 de Novembro , 55 - Centro 83323-260 - Pinhais - PR Com. 55 (41) 3667.1192 www.geiger.ind.br geiger@geiger.ind.br

GEMACOM TECH INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA

Rua Buno Simili , 380 - Distrito Industrial 36092-050 - Juiz de Fora - MG Com. 55 (32) 3249.7600 Fax. 55 (32) 3249.7610 www.gemacomtech.com gemacomtech@gemacomtech.com

GENESE PRODUTOS DIAGNÓSTICOS

Av. Engenheiro Luís Carlos Berrini , 1139 cj 11, 61, 71 e 72 - Itaim Bibi 04571010 - São Paulo - SP Com. 55 (55) 3341.6987 Fax. 55 (11) 3207.2246 http://www.gendiag.com.br/ genese@gen.com.br

GENKOR INGREDIENTES

Av. Prefeito José Carlos , 2155 - Santa Júlia 13295-000 - Itupeva - SP Com. 55 (11) 4591.1340 www.genkor.com.br comercial@genkor.com.br

GERLAB

Rua Jose Taufik Soubhia , 84 - Vila

Mariana 04119100 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 5579.5222 www.gerlab.com.br gerlab@grupogerenco.com.br

GLOBALFOOD ADVANCED FOOD TECHNOLOGY

GRUPO IMSB

Rua Agnese Morbini , 380 - Pomarosa 95700-000 - Bento Gonçalves - RS Com. 55 (54) 3455.7200 www.grupoimsb.com.br grupoimsb@grupoimsb.com.br

GTA ALIMENTOS

Rua Alberto Sampaio , 45 - Vila Santa Catarina 04373-030 - São Paulo - SP Com. (11) 5564.1100 Fax. (11) 5564.1101 www.globalfood.com.br marketing@globalfood.com.br

Rua Dr. Lourival Sotto Maior , 100, - Quintas da Avenida ii 36046-578 - Juiz de Fora - MG Com. (32) 3223.0705 www.gtaalimentos.com.br administracao@gtaalimentos.com.br

GOLDPACK EMBALAGENS

Rua Dr. Lourival Sotto Maior , 100 Quintas da Avenida 36046578 - Juiz de Fora - MG Res. (32) 3223.5074 www.gtaalimentos.com.br treinamento@gtaalimentos.com.br

Av. Celso Joaquim da Silva , 169 Sertão do Maruim 88122040 - São José - SC Com. 55 (48) 3259.8020 Cel. 55 (48) 9678.3029 www.goldpack.com.br comercial@bandejadeiogurte.com.br

GÔNDOLA GRÁFICA

Rua Vicente Pires Dos Santos , 610 - Parque Industrial Daci 06786-515 - Taboão - SP Com. 55 (11) 4137.5486 www.gondolagrafica.com.br vendas@gondolagrafica.com.br

GRANOTEC/GRANOLAB DO BRASIL

Rua João Kalinowski , 105 - Cic 81350-250 - Curitiba - PR Com. 55 (41) 3027.7722 www.granolab.com.br marketing@granotec.com.br

GRECO

Rua Serra de Botucatu , 2559 Chacara California 03417000 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 2296.4033 Com. 55 (11) 2227.5544 Fax. 55 (11) 2293.2371 www.grecomaquinas.com.br grecomaquinas@uol.com.br

GRUNDFOS

Av. Humberto de Alencar Castelo Branco , 630 - Vila Rosa 09850-300 - São Bernardo do Campo - SP Com. 55 (11) 4393.5533 Cel. 55 (11) 8578.7942 Fax. 55 (11) 4343.5671 www.grundfos.com.br ssoldateli@grundfos.com

GTA TREINAMENTO LTDA

GUARANI-PLAST

Fazenda Guarani , sn - Zona Rural 36790000 - Miraí - MG Com. 55 (32) 3426.1243 www.guaraniplast.com.br adm@guaraniplast.com.br

HAAS DO BRASIL

Av. Juscelino K. de Oliveira , 1105 Cic 81280-140 - Curitiba - PR Com. 55 (41) 3317.5100 www.haas.com sales-brazil@haas.com

HABASIT DO BRASIL

Av. Gupê , 10767 Bloco C-23 - Jardim Belval 06422-120 - Barueri - SP Com. 55 (11) 4789.9022 Fax. 55 (11) 4789.9025 www.habasit.com.br habasit@habasit.com.br

HC HORNBURG CARROCERIAS FRIGORÍFICAS

Av. Mal. Deodoro da Fonseca , 1479 - Centro 89251702 - Jaragua do Sul - SC Com. 55 (47) 3274.1200 Fax. 55 (47) 3274.1201 www.hchornburg.com.br gerenciacomercial@hchornburg.com.br

HDS SISTEMAS DE ENERGIA

Rua Apucarana , 973 - Vila Emiliano Perneta 83.324-45 - Pinhais - PR


153

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

Com. 55 (41) 2109.8800 Com. 55 (11) 5091.9164 www.hdspr.com.br comercial@hdspr.com.br

HEATCRAFT

Rodovia Presidente Dutra , S/n km 134,3 - Eugeênio de Melo 12247-004 - São José Dos Campos - SP Com. 55 (12) 3901.0600 www.heatcraft.com.br marketing@heatcraftbrasil.com.br

HEXUS

Rodovia rs 240 , 407 km 06 - Portão Velho 93180-000 - Portão - RS Com. 55 (51) 3562.6060 www.hexus.com.br hexus@hexus.com.br

HIDROSISTEMAS

Rua Pandiácalógeras , Niterói Canoas - Niterói 92120150 - Canoas - RS Com. 21 (51) 3476.4946 www.hidrosistemas.com hidrobombas@hidrosistemas.com

HIDROZON

Rua Dos Cravos Qd.27 Lt. 6/10 , S/n - Parque Primavera 74913074 - Aparecida de Goiânia - GO Com. 55 (62) 3549.8090 Fax. 55 (62) 3549.8091 www.hidrozon.com.br hidrozon@terra.com.br

HIPER CENTRIFUGATION LTDA.

Rua Paschoal Ciolfi , 422 - Jd. Campos Elíseos 13060-066 - Campinas - SP Com. 55 (19) 3227.7977 www.hipercentrifugation.com.br sac@hipercentrifugation.com.br

HORIZONTE AMIDOS

Av. Irio Jacob Welp , 600 - Centro 85960000 - Marechal Candido Rondon - PR Com. 55 (45) 3284.8509 Com. 55 (45) 3284.8500 www.horizonte.ind.br alex@amidos.ind.br

H-TECH

Av. Eduardo Roberto Daher , 1495 Centro 06850040 - Itapecerica da Serra - SP

www.htech.ind.br vendas@htech.ind.br

HUNTER DOUGLAS

Rua Magalhães de Castro , 4800 8andar Bloco b - Cidade Jardim 05676-120 - São Paulo - SP Com. (11) 2135.1002 www.hunterdouglas.com.br adale@hdlao.com

I. C. LEAL

Rua Agostinho Cantu , 190 8 Andar - Butantã 05501-010 - São Paulo - SP Com. (11) 2189.5312 Com. (11) 2189.5300 www.leal.com.br marketing@leal.com.br

ICL FOOD SPECIALTIES

Rua Augusto Ernani , 250 - Jardim Novo Sergipe 09695-110 - São Bernardo do Campo - SP Com. 55 (11) 2155.4529 Com. 55 (11) 2155.4563 www.iclfood-br.com.br natalia.amancio@iclfood-br.com

IDEXX BRASIL

Av. Brigadeiro Faria Lima , 1478 4º Andar - Jardim Paulistano 01472900 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3095.5632 Fax. 55 (11) 3095.5641 www.idexx.com idexxbrasil@idexx.com

INDEMAFRI - MÁQUINAS P/ INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA

Rua Inocêncio de Souza Branco , 163 e - Quedas do Palmital 89815310 - Chapecó - SC Com. 55 (49) 3329.0600 Com. 55 (49) 3329.0666 www.indemafri.com.br indemafri@indemafri.com.br

INGREDION BRASIL

Av. do Café , 277 2º Andar, Torre b - Vila Guarani 04311000 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 5070.7835 www.sa.ingredion.com sac.br@ingredion.com

INJESUL

Estrada Nova Baden , S/n - Nova Baden 37480000 - Lambari - MG

LÁCTEO

Com. 55 (35) 3271.6930 www.injesul.com thiago@injesul.com.br

INOVADOOR PORTAS INDUSTRIAIS LTDA.

Rua Rio São Francisco , 619 - Jardim Weissopolis 83322020 - Pinhais - PR Com. 55 (41) 3204.5508 Com. 55 (41) 3204.5510 Com. 55 (41) 3204.5527 Com. 55 (41) 3204.5500 www.inovadoor.com.br comercial@inovadoor.com.br

INOX MAIA LASER

Rua Marapanim , 182 - Jardim Cumbica 07230-240 - Guarulhos - SP Com. 55 (11) 2182.5000 www.inoxmaia.com.br contato@inoxmaia.com.br

INOX TECNOLOGIA

Rua Joaquim André de Carvalho , 1143 - Corredor 37480000 - Lambari - MG Com. 55 (35) 3271.3000 www.inoxtecnologia.com.br vendas@inoxtecnologia.com.br

INOXSERV

Rua Clementina Varela , 18 - Vila Varela 08558130 - Poá - SP Com. 55 (11) 4634.8085 Com. 55 (11) 4634.8088 Com. 55 (11) 3455.1788 www.inoxserv.com.br vendas@inoxserv.com.br

INSTRUVAL

Rua Castro Alves , 397 - Bairro Cerâmica 09540-030 - São Caetano do Sul - SP Com. 55 (11) 4227.9797 Fax. 55 (11) 4227.9790 http://www.instruvalnet.com.br/ instruval@instruvalnet.com.br

INTERCARTA

Rua Romualdo Davoli , 330 - Chacaras Reunidas 12238577 - São José Dos Campos - SP Com. 55 (12) 3933.1040 www.intercarta.com.br manuela@intercarta.com.br


154

FORNECEDORES

Lista de Endereços

INTEROZONE

Av. da Uva , 111 - Engordadouro 13213-235 - Jundiaí - SP Com. (11) 4587.2048 www.interozone.com.br interozone@interozone.com.br

INTERROLL

Av. Vincenzo Granguelli , 856 - João Aldo Nassif 13820-000 - Jaguariúna - SP Com. 55 (19) 3515.0898 www.interroll.com br.sales@interroll.com

INTERSTEEL AÇO INOXIDÁVEL

Rua: Antônio Chiarizzi , 145 – Pq. da Mooca 03109050 - São Paulo - SP Com. (11) 2067.3536 www.intersteel.com.br intersteel@intersteel.com.br

ISOQUIP REFRIGERAÇÃO LTDA.

Rua Dep. Vicente Penido , 140 cj 32 - Vila Maria 02064-120 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3313.1306 Cel. 55 (11) 6397.2119 www.isoquip.com.br isoquip@isoquip.com.br

ITAL

Av. Brasil , 2880 Cetea - Jardim Chapadão 13070-178 - Campinas - SP Com. (19) 3743.1900 www.ital.sp.gov.br ana.candida@ital.sp.gov.br

JBT FOODTECH

Av. Eng. Luís Carlos Berrini , 1461 9° Andar - Brooklin 04571-903 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3055.1010 www.jbtfoodtech.com jbttechnews@jbtc.com

JETFRIO

Rua Antônio de Barros , 924 - Tatuapé 03401-000 - São Paulo - SP Com. (11) 2095.2000 www.jetfrio.com.br vendas@jetfrio.com.br

JOPEMAR TANQUES DE AÇO INOX

Travessão Garibaldi , S/n° Caixa Postal 117 - São Cristóvão 95270000 - Flores da Cunha - RS Com. 55 (54) 3292.5152 Com. 55 (54) 3297.5152

Cel. 55 (54) 9660.8864 Cel. (54) 9975.1476 www.jopemar.com.br comercial1@jopemar.com.br

KANAFLEX

Rodovia Raposo Tavares , Km22,5 The Square Open Mall - Bloco 14 f Granja Vianna 06709-015 - Cotia - SP Com. 55 (11) 3779.1670 www.kanaflex.com.br vendapvc@kanaflex.com.br

KERRY

Av. Mercedes Benz , 460 - Distrito Industrial 13054-750 - Campinas - SP Com. 55 (19) 3765.5000 www.kerry.com laise.souza@kerry.com

KLABIN

Av. Brigadeiro Faria Lima , 3600 4 Andar - Itaim Bibi 04538-132 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3046.5800 www.klabin.com.br esalvagni@klabin.com.br

KN WAAGEN

Rua Ernesto Van Dyck , 335 Americanopolis 04412-010 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 5624.2400 www.knwaagen.com.br vendas@knbalancas.com.br

KÖRPER SISTEMAS DE RESFRIAMENTO DE ÁGUA

Rua José Capretz , 301 - Pq. Industrial Fazgran 13213095 - Jundiaí - SP Com. (11) 4525.2122 www.korper.com.br vendas@korper.com.br

KROMOS RÓTULOS

Rua do Cruzeiro , 653 - Chapéu do Sol 13190-000 - Monte Mor - SP Com. 55 (19) 3879.9500 www.kromos.com.br atendimento@kromos.com.br

LABCONTROL LTDA

Rua José de Carvalho , 294 - Chácara Santo Antônio 04714-020 - São Paulo - SP Com. (11) 5181.1173 www.labcontrol.com.br vendas@labcontrol.com.br

LACTEUS

Rua Cecília Meireles , 425 / 101 - São Gotardo 36880000 - Muriaé - MG Com. 55 (32) 3721.3875 www.lacteus.com.br contato@lacteus.com.br

LIAGBRAS

Rua Guian , 322 Sala 23 - Vila Campestre 04330-090 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 5679.6874 Cel. 55 (11) 9958.3322 Fax. 55 (11) 5679.6874 www.liagbras.com.br liagbras@liagbras.com.br

LINAK DO BRASIL

Rua Anhembi , 90 - Santo Amaro 04728-010 - São Paulo - SP www.linak.com.br rbrito@linak.com

LUFTEC HÉLICES

Rua Benedito da Silveira Franco , 220/230 - Jardim Santa Luzia 13255-320 - Itatiba - SP Com. (11) 4534.3333 Com. (11) 4538.8884 www.luftechelices.com.br vendas@luftechelices.com.br

MADDZA ESTEIRAS TRANSPORTADORAS

Rua Senador Salgado Filho , 833 01 - Country Club 37701352 - Poços de Caldas - MG Com. 55 (35) 3722.4545 www.maddza.com maddza@maddza.com

MAGIC PAPER

Rua João Victor Attisani , 100 Cj. 42 - Colônia 13.219201 - Jundiaí - SP Cel. 55 (11) 4236.0696 magic.paper@outlook.com

MAGNETEC

Estrada Avelino Maciel Neto , 3701 Dist. Industrial 94380-000 - Glorinha - RS Com. 55 (51) 3487.2727 www.magnetec.com.br vendas@magnetec.com.br

MAGNOFLUX AUTOMAÇÃO E ROBÓTICA

Rua Profª Stela Affini Gajardoni , 1221 - Vila Isabel Marin


155

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

16204018 - Birigui - SP Com. 55 (18) 3642.3899 Cel. 55 (18) 8118.9469 www.magnoflux.com.br erico@magnoflux.com.br

MAKENI CHEMICALS

Av. Presidente Juscelino , 570 Piraporinha 09950-370 - Diadema - SP Com. 55 (11) 4360.6400 www.makeni.com.br makeni@makeni.com.br

MAKPLAN SISTMARC

Rua Ranulfo Prata , 283 - Jardim Itacolomi 04385-020 - São Paulo - SP Com. (11) 5564.1056 www.maksist.com.br vendas@maksist.com.br

MART STICKER

Rua Elvira , 285 - Vila Gustavo 02249010 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 2987.0750 www.martsticker.com.br vendas1@martsticker.com.br

MB PLÁSTICOS

Rua do Luxemburgo , 318 - Bairro Granjas Rurais Presidente Vargas 41230130 - Salvador - BA Com. 55 (71) 3391.5934 mbplastico.com.br homerobeltrame@hotmail.com

MEADWESTVACO SISTEMAS DE EMBALAGENS

Rua Tabapuã , 41 2 Andar - Itaim Bibi 04533-010 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3048.9394 Cel. 55 (11) 9933.4471 www.mwv.com mario.rulli@mwv.com

www.metalgraficarenner.com.br glrocha@renner.com.br

MGCLIP

Rua Andorinha Coleira , 70 - Jd. Dom José 05887-270 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 5827.0124 www.mgecomercial.com.br mge@mgecomercial.com.br

MIAKI REVESTIMENTOS

Av. Humberto de Alencar Castelo Branco , 1260 - Vila Rosa 09850300 - São Bernardo do Campo - SP Com. 55 (11) 2164.4300 Com. 55 (11) 2164.4326 www.miaki.com.br marketing@miaki.com.br

MICROSERVICE

Av. Cupiuba , 350 - Distrito Industrial 69075060 - Manaus - AM Com. 55 (11) 2105.1300 www.microservice.com.br sac@microservice.com.br

MILAINOX

Rua Dona Maria , 156 - Pauliceia 13424160 - Piracicaba - SP Com. 55 (19) 3422.3051 Com. 55 (19) 3447.8950 Cel. 55 (19) 9756.7361 Fax. 55 (19) 3433.3051 www.milainox.com.br atendimento@milainox.com.br

MILKLAB

Rua Renzo Baldini , 335 - Itaquera 08248000 - São Paulo - SP Com. (11) 2205.9396 www.milklab.com.br milk@uol.com.br

MIRAINOX LTDA

METACHEM

Rodovia Ataulfo Alves km 0 , 145 - Jose Aragoso 36790-000 - Mirai - MG Com. 55 (32) 3426.1764 www.mirainox.com.br mirainox@mirainox.com.br

METALGRAFICA RENNER

Rodovia Dom Gabriel Paulino Bueno Couto , km 81 Sem Número - Jacaré 13315000 - Cabreúva - SP Com. 55 (11) 4409.0100 www.mirvibrasil.com mirvibrasil@mirvibrasil.com

Av. Angélica , 1814 13° Andar Higienópolis 01228200 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3823.8770 www.metachem.com.br atendimento@metachem.com.br Rodovia rs 118 , 6511  Altura do km 17 - Neópolis 94100-420 - Gravataí - RS Com. 55 (51) 3489.9700 Fax. 55 (51) 3489.9715

MIRVI BRASIL

LÁCTEO

MML CALDEIRAS br 460 - Rodovia Lambari / Cambuquira , 373 - Vila Nova 37480-000 - Lambari - MG Com. 55 (35) 3271.1657 Com. (35) 9142.2258 www.mmlcaldeiras.com.br vendas@mmlcaldeiras.com.br

MOTOMAN ROBÓTICA DO BRASIL Av. Dona Ida Cerati Magrini , 936 Vila Oriental 09951260 - Diadema - SP Com. 55 (11) 3563.5500 www.motoman.com sac@motoman.com.br

MULTIFRIO COMÉRCIO DE REFRIGERAÇÃO Rua José de Alencar , 436 Campos Elíseos 14080-360 - Ribeirão Preto - SP Com. 55 (16) 2101.7700 www.multifrio.com.br multifrio@multifrio.com.br

MUNDIAL QUIMICA Rua Roque de Campos Teixeira , 101 - Distrito Industrial 15035430 - São Jose do Rio Preto - SP Com. 55 (17) 3214.9800 www.mundialquimica.com.br comercial@mundialquimica.com.br

MUSTANG PLURON QUÍMICA Av. Conde Francisco Matarazzo , 640 Dist. Industrial José A. Boso 15803-145 - Catanduva - SP Com. (17) 3531.7100 www.mustangpluron.com suporte@mustangpluron.com

MYERS DO BRASIL Av. Emílio Marconato , 1000 Galpão 14 - Chácara Primavera 13820-000 - Jaguariúna - SP Com. 55 (19) 3847.9999 www.myersdobrasil.com.br vendasbrasil@myersind.com

NADIR FIGUEIREDO Av. Morvan Dias de Figueiredo , 3535 - Vila Maria 02063903 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 2967.8800 www.nadir.com.br andre.melchiades@nadir.com.br


156

FORNECEDORES

Lista de Endereços

NETZSCH

Rua Hermann Weege , 2383 - Centro 89107000 - Pomerode - SC Com. 55 (47) 3387.8222 www.netzsch.com.br marketing@ndb-netzsch.com.br

NEXIRA

Rua Monte Alegre , 212 cj 12 Perdizes 05014000 - São Paulo - SP Com. (11) 3803.7373 www.nexira.com info-brasil@nexira.com

NORD DRIVESYSTEMS BRASIL

Rua Dr. Moacyr Antônio de Moraes , 127 – Pq. Santo Agostinho 07140-285 - Guarulhos - SP Com. 55 (11) 2402.8855 Fax. (11) 2402.8830 www.nord.com info.br@nord.com

NORGREN

Av. Eng. Alberto de Zagottis , 696-b - Jd. Taquaral 04675-085 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 5698.4000 www.norgren.com/br marketingbr@norgren.com

NOVA FORM EMBALAGENS / NOVA FORM AGRO

Av. Dolores Martins Rubinho , 588 Distrito Industrial 13877757 - São João da Boa Vista - SP Com. 55 (19) 3636.1610 www.novaform.com.br novaform@novaform.com.br

NOVA MARK

Rua Alvarenga Peixoto , 143 Galpão 6 - Laranjeiras 07739 095 - Caieiras - SP Com. 55 (11) 4441.3748 www.novamark.com.br atendimento@novamark.com.br

NOVELPRINT

Av. Dracena , 450 - Jaguaré 05329-000 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3760.1500 www.novelprint.com.br institucional@novelprint.com.br

NS BRAZIL REVESTIMENTOS ESPECIAIS

Rua Letício , 136 - Jd. Ruyce

09961-680 - Diadema - SP Com. 55 (11) 4066.8040 Fax. 55 (11) 4066.6040 www.nsbrazil.com.br nsvendas@nsbrazil.com.br

NUTRASSIM

Av. Nicolau Cesarino , 67 - Tenentes 37640000 - Extrema - MG Com. 55 (35) 3435.1211 www.nutrassim.com.br josecarlos.souza@nutrassim.com.br

NUTRIMILK

Alameda Tocantins , 630 Galpão 4 - Alphaville 06455-020 - Barueri - SP Com. 55 (11) 4208.7600 Fax. 55 (11) 4193.8348 www.nutrimilk.com.br nutrimilk@nutrimilk.com.br

OMEGABELT BRASIL

Rua Colômbia , 135 Bloco 2 - Jd. Nações 09921-020 - Diadema - SP Com. 55 (11) 4054.3101 www.omegabelt.com.br vendas@omegabelt.com.br

OTTIME

Rua Ribeirão das Almas , 150 Freguesia do Ó 02728100 - São Paulpo - SP Com. 55 (11) 3931.6766 www.ottime.com.br projetos@ottime.com.br

PB BRASIL

Estrada Vicinal , sn - Aldeia 78480000 - Acorizal - MT Com. 55 (65) 2128.2223 www.pbgelatins.com dolores.mangini@pbleiner.com.br

PENTAIR

Av. Marginal Norte da Via Anhanguera , 53700 - Vila Rami 13206-245 - Jundiaí - SP Com. 55 (11) 3378.5400 www.pentair.com.br vendas.pwdb@pentair.com

PERFOR INDÚSTRIA DE MÁQUINAS LTDA

Rua Vila Nova , 192 - Vila Nova 89138000 - Ascurra - SC Com. 55 (47) 3383.3700 Cel. 55 (47) 9973.5063

www.perfor.com.br vendas@perfor.com.br

PFANNENBERG DO BRASIL

Rodovia sp 73 , 4509 - Distr. Industrial 13347-390 - Indaiatuba - SP Com. 55 (19) 3935.7187 www.pfannenberg.com.br info@pfannenbergdobrasil.com.br

PISOFORTE MOYSES

Av. Carlos Ferreira Endres , 1077 Itapegica 07041030 - Guarulhos - SP Com. 55 (11) 2421.3171 www.pisofortemoyses.com.br vendas@pisofortemoyses.com.br

PLÁSTICOS DISE

Rua 25 de Julho , 241 203 - São João 91030270 - Porto Alegre - RS Com. 55 (51) 3343.9374 Com. 55 (51) 3342.3866 www.plasticosdise.com.ar contato@plasticosdise.com.br

PLASTIRRICO

Rua Mário Regallo Pereira , 161 Butantã 05550060 - São Paulo - SP Com. (11) 3643.1350 www.plastirrico.com.br plastirrico@plastirrico.com.br

PLM PLÁSTICOS

Estrada Vereador Julio Ferreira Filho , 441 - Cacaiguera 83430000 - Campina Grande do Sul - PR Com. (41) 2141.9400 www.plm.com.br graciele.tavares@plm.com.br

PODIUM ALIMENTOS

Rodovia pr 466 , km 06 Rodovia - pr 466 87760-000 - Tamboara - PR Com. 55 (44) 3421.5010 Com. 55 (44) 3421.5000 www.podiumalimentos.com.br mauricio@podiumalimentos.com.br

POLITAMPAS

Estrada da Aldeia , 780 Ant 232 b - Chácara do Refúgio 06343040 - Carapicuíba - SP Com. 55 (11) 4146.6000 www.politampas.com.br cleber@politampas.com.br


157

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

POLO FILMS

Rua Pais de Araújo , 29 15º Andar – Conj. 154 – Itaim Bibi 04531-090 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3478.5950 www.polofilms.com.br marketing@polofilms.com.br

POLY CLIP

Rua Dr. Moacyr Antônio de Moraes , 200 - Taboão 07140-285 - Guarulhos - SP Com. 55 (11) 2404.9633 Fax. 55 (11) 2404.9647 www.polyclip.com.br polyclip@polyclip.com.br

POWERCODING

Rua José Ruscitto , 75 - Vila Das Oliveiras 06765-490 - Taboão da Serra - SP www.powercoding.com.br contato@powercoding.com.br

PRATIVITA

Rua Roberto Halmel , 850 - Empresa 95600000 - Taquara - RS Com. 55 (51) 3542.5020 www.prativita.com.br prativita@prativita.com.br

PREVEMAX

Rua Brasil Correia , 630 - Farroupilha 89560-000 - Videira - SC Com. 55 (49) 3531.3300 Fax. 55 (49) 3531.3313 www.prevemax.com.br atendimento@prevemax.com.br

PROIECTUS

Av. José Anunciação Fiorentini , 31 Telefone 19 3444-8628 - Jd. Sthalberg 13482-244 - Limeira - SP www.proiectus.com.br proiectus@proiectus.com.br

PROINOX

Rua Duílio , 613 - Lapa 05043-020 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3872.5403 www.proinox.com vendas@proinox.com

PROZYN BIO SOLUTIONS FOR LIFE

Rua Dr. Paulo Leite de Oliveira , 199 Butantã 05551-020 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3732.0000

LÁCTEO

www.prozyn.com info@prozyn.com

www.rentank.com.br rentank@rentank.com.br

PZL

RESINAR MATERIAIS COMPOSTOS LTDA

Rua Bélgica , 355 D-1 - Jardim Igapó 86046-280 - Londrina - PR Com. 55 (43) 3337.0008 www.pzltecnologia.com.br contato@pzltecnologia.com.br

QUALITERME

Rua Santa Rita , 37 - Industrial 93320540 - Novo Hamburgo - RS Com. 55 (51) 3066.2030 qualiterme.com.br qualiterme@qualiterme.com.br

QUIMIS APARELHOS CIENTÍFICOS

Rua Gema , 278 / 308 - Jd. São Judas Tadeu 09930290 - Diadema - SP Com. 55 (11) 4055.9999 www.quimis.com.br vendas@quimis.com.br

RADMAQ

Rua Felipe Schimdt , 1155 e Alvorada 89804350 - Chapecó - SC Com. 55 (49) 3331.2489 www.radmaq.com.br radmaq@radmaq.com.br

REALFLEX

Rua Santos Neto , 86 Galpão - Prata 26010170 - Nova Iguaçu - RJ Com. (21) 3065.4224 realflex.comercial@gmail.com

REALPET

Av. Artur Augusto de Moraes , 248 Centro 13350000 - Elias Fausto - SP Com. 55 (19) 2147.8001 www.realpetembalagens.com.br comercial@realpetembalagens.com.br

REDUTORES TECNORED

Rua Piratininga , 782 - Brás 03042001 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 2691.8708 www.redutorestecnored.com.br anderson@redutorestecnored.com.br

RENTANK

Rua Islândia , 280 - Parque Industrial Daci 06785-390 - Taboão da Serra - SP Com. 55 (11) 4138.9266

Rua Bahia , 92 - Vila Oriental 09941-740 - Diadema - SP Com. (11) 3140.1515 Com. (11) 2758.7004 Com. (11) 2758.7005 www.resinar.com.br resinar@resinar.com.br

RGO MÁQUINAS INDUSTRIAIS LTDA.

Rua Jairo Brun , 75 - Nossa Senhora da Saúde 99200-000 - Guaporé - RS Com. 55 (54) 3443.3293 Com. 55 (54) 3443.1037 www.rgomaquinas.com.br rgo@rgomaquinas.com.br

RIBERDOCES

Rua Dr. José Ribeiro Ferreira , 625 São José 14098-000 - Ribeirão Preto - SP Com. 55 (16) 3434.5800 www.riberdoces.com.br riberdoces@riberdoces.com.br

RICEFER

Rsc 470, km 222 , S/n - Tamandaré 95720-000 - Garibaldi - RS Com. 55 (54) 3463.8466 www.ricefer.com.br ricefer@ricefer.com.br

ROUSSELOT DO BRASIL

Rua Santo Agostinho , 280 - Distrito de Arcadas - . 13908-080 - Amparo - SP Com. 55 (19) 3907.9090 Fax. 55 (19) 3907.9010 www.rousselot.com rousselot.brasil@rousselot.com

RUDOLPH FOODS BRASIL

Rua Fiorelo Badaloti , 451 d - Dist Industrial 89813-820 - Chapeco - SC Com. 55 (49) 3330.0300 www.rudolphdobrasil.com.br rfbrasil@rudolphfoods.com

RUGGEDBRASIL

Rua Francisco Hurtado , 55 Apto 34d - Água Funda 04156-040 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 6765.1949 www.ruggedbrasil.com.br comercial@ruggedbrasil.com.br


158

FORNECEDORES

Lista de Endereços

SANI QUIMICA

SF INTERNATIONAL

Av. Arquiteto Clayton Alves Correa , 789 - Vale Verde 13279071 - Valinhos - SP Com. (19) 3881.5500 www.saniquimica.com.br sani@saniquimica.com.br

Cond. Roland Von Faber Castel , 69 – Pq. Delta 13564-670 - São Carlos - SP Com. (16) 3306.6001 www.sfinternational.com,br contato@sfinternational.com.br

SÃO RAFAEL

SIG COMBIBLOC

Av. Getúlio Vargas , 650 - Centro 07400-230 - Arujá - SP Com. 55 (11) 4652.7900 www.saorafael.com.br vendas@saorafael.com.br

SAVIPLAST

Rua Evaristo de Antoni , 1137 - São José 95041000 - Caxias do Sul - RS Com. (54) 3224.2300 www.saviplast.com.br pulita@saviplast.com.br

SELOVAC

Rua Vigário Taques Bitencourt , 156 - Santo Amaro 04755060 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 5643.5599 www.selovac.com.br selovac@selovac.com.br

SEMCO REFRIGERAÇÃO

Rua Verbo Divino , 1547 4º Andar, Sala 402 a - Chácara Santo Antônio 04719002 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3576.2000 Com. 55 (11) 3576.2042 Com. 55 (11) 3576.2078 www.semcoequipamentos.com.br semcoequipamentos@semco.com.br

SEMCO SOLUÇÕES EM AGITAÇÃO

Rua Verbo Divino , 1547 4º Andar, Sala 401 a - Chácara Santo Antônio 04719002 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3576.2000 Fax. 55 (11) 5522.9952 www.semcoequipamentos.com.br semcoequipamentos@semco.com.br

SERAC DO BRASIL

Rua Forte Cananéia , 189 - São Mateus 08340-020 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3611.2400 Com. 55 (11) 3879.7230 Fax. 55 (11) 3611.2405 www.serac-group.com.br info@serac.com.br

Rua Funchal , 418 14º Andar - Vila Olímpia 04551060 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3028.6744 Fax. 55 (11) 3028.6745 www.sig.com.br sigcombibloc.bra@sig.biz

SOLBERG Alameda Pucurui , 148 - Tamboré Empresarial 06460-100 - Barueri - SP Com. 55 (11) 4193.4312 Cel. 55 (11) 6414.2385 www.solbergmfg.com stephen.neale@solbergmfg.com

SOLPAC Av. Saburo Akamine , 657 - Jd. São Paulo 13504251 - Rio Claro - SP Com. 55 (19) 3525.2104 www.solpac.com.br vendas@solpac.com.br

SOLUPACK Via Das Samambaias , 212 - Jd. Colibri 06713280 - Cotia - SP Com. 55 (11) 3611.1133 www.solupack.com.br mauro@solupack.com.br

SOLUTECH INGREDIENTES Av. Brigadeiro Faria Lima , 1931 cj 72 - jd Paulistano 01452001 - São Paulo - SP Com. (11) 3034.1171 www.solutechingredientes.com.br vendas@solutechingredientes.com.br

SONOCO Rua João Sierra , 246 - Distrito Industrial ii 13602-054 - Araras - SP www.sonoco.com wallace.coladetti@sonoco.com

SOPASTA S.A INDÚSTRIA E COMÉRCIO Rua Rio Bonito , 2018 - Centro 89642-000 - Tangará - SC Com. 55 (49) 3252.7000 www.sopasta.com.br vendas@sopasta.com.br

SOROPLAST Rua Anuar Dequech , 425 - Iporanga 18087-157 - Sorocaba - SP Com. (15) 3228.6306 www.soroplast.com.br mtgdiver@uol.com.br

SPADARO IMPORTS Rua Utrecht , 58 Casa - Ponte Rasa 03878-000 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 2026.1919 www.spadaroimports.com.br techno.supply@uol.com.br

SPRAYING SYSTEMS DO BRASIL LTDA Estrada Yae Massumoto , 313 Cooperativa 09842-160 - São Bernardo do Campo - SP Com. (11) 2124.9500 Fax. 55 (11) 4992.7007 www.spray.com.br spraybr@spray.com.br

SPX FLOW TECHNOLOGY DO BRASIL

SOMAROLE COMERCIAL LTDA.

Rua João Daprat , 231 - Jardim Dalva 09600-010 - São Bernardo do Campo - SP Com. 55 (11) 2127.8278 Com. 55 (11) 2127.8132 www.spxft.com vendas@spx.com

Av. Celso Dos Santos , 173 - Jardim Cupecê 04658-240 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 5565.1769 Com. (11) 5564.7933 Com. (11) 5564.7255 www.somarole.com.br somarole@bol.com.br

Rua Arnaldo Biagioli , 91 Sala 34 Portal 13280000 - Vinhedo - SP Com. 55 (19) 3826.8080 www.ssi-schaefer.com.br jacqueline.cunha@ssi-schaefer.com.br

SSI SCHAEFER LTDA


159

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

SUMÁ

Rua São Luís do Paraitinga , 1458 - Jd. do Trevo 13030-105 - São Paulo - SP Com. 55 (19) 3272.9005 Fax. 55 (19) 3272.5032 www.sumaind.com.br suma@sumaind.com.br

SUNNYVALE

Rua Quatá , 547 - Vila Olimpia 04546043 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3048.0147 Fax. 55 (11) 3048.0110 www.sunnyvale.com.br vendas@sunnyvale.com.br

SUPRINOX

www.tateandlyle.com vendas.brasil@tateandlyle.com

TEBRACC Av. Industrial , 1405 - Corredor 08586150 - Itaquaquecetuba - SP Com. 55 (11) 4648.6637 www.tebracc.com.br tebracc@tebracc.com.br

TECH FILTER Rua Ettore Soliane , 161 - Distrito Industrial Nova Era 13347394 - Indaiatuba - SP Com. (19) 3935.7277 www.techfilter.com.br vendas@techfilter.com.br

TECNOGLOBO

Rua Aurélia , 1627 - Vila Romana 05046-001 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3641.9777 www.suprinox.com.br vendas@suprinox.com.br

Rua Canadá , 458 - Bacacheri 82510290 - Curitiba - PR Com. 55 (41) 3022.2909 www.tecnoglobo.com.br andrea@tecnoglobo.com.br

SWEETMIX

TECNOSHOES

Alameda Caçapava , 60 - Jardim Saíra 18085-250 - Sorocaba - SP Com. 55 (15) 4009.8910 www.sweetmix.com.br vendas@sweetmix.com.br

TAMBFLEX

Rua Araucária , 210 Via Jurandyr Paixão, 2800 - Centro Industrial 13481-149 - Limeira - SP Com. 0 (19) 3443.2013 Com. 0 (19) 3443.1607 www.tambflex.com.br julio@tambflex.com.br

TAMPNET

Rua 14 de Julho , 1110 - Vila São Luiz 25065062 - Duque de Caxias - RJ Com. 55 (21) 2653.4131 www.tampnet.com.br tampnet@tampnet.com.br

TANGARÁ FOODS

Rodovia Darly Santos , 2500 - Araçás 29103-091 - Vila Velha - ES Com. 55 (27) 2123.9300 www.tangarafoods.com.br televendas@tangarafoods.com.br

TATE & LYLE BRASIL S.A.

Av. Iraí , 438 11° Andar - Indianópolis 04082-001 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 5090.3950

Rua Imbuia , 8 Casa - Guarany 93520240 - Novo Hamburgo - RS Com. 55 (51) 3594.7002 www.tecnoshoes.com.br tecnoshoes@tecnoshoes.com.br

TECNOVILLA - PISOS TÉCNICOS INDUSTRIAIS Rua Vereador Gumercindo Fernandes Pereira , S/n - Jardim Parque Industrial 13510-970 - Santa Gertrudes - SP Com. 55 (19) 3545.9000 www.villagres.com.br tecnovilla@tecnovilla.com.br

TECUMSEH DO BRASIL Rua Ray Wesley Herrick , 700 - Jockey Club 13565-090 - São Carlos - SP Com. (16) 3362.3000 www.tecumseh.com marketing@tecumseh.com

TEKNIZA Av. Wallace Simonsen , 2087 Galpão Industrial - Nova Petrópolis 09771210 - São Bernardo do Campo - SP Com. 55 (11) 4126.3060 Com. 55 (11) 4337.2226 www.tekniza.com.br vendas@tekniza.com.br

LÁCTEO

TEMPEROS CHEF PENNINHA

Av. Antônio Abrahão Caram , 430 Lj04,05 - São José 31275000 - Belo Horizonte - MG Com. 0 (31) 3454.2704 www.chefpenninha.com.br contatotemperos@gmail.com

TERPHANE

Av. Eng. Luís Carlos Berrini , 1645 9º Andar - Brooklin Novo 04571011 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 2714.3951 www.terphane.com.br marketing@terphane.com.br

TETRA PAK

Rodovia Campinas/Capivari , km 23,5 - Chapéu de Sol 13190000 - Monte Mor - SP Com. 55 (19) 3879.8000 Com. 55 (11) 5501.3200 www.tetrapak.com.br falecom@tetrapak.com

THERJ

Rua Ibitinga , 240 - vl Morelatto 06408-130 - Barueri - SP http://www.therj.net vendas@therj.com.br

THERMOPLAST

Rua Rio Grande do Norte , 195 - Vila Guaracy 83404-240 - Colombo - PR Com. 55 (41) 3663.6322 www.thermoplast.com.br matheus@thermoplast.com.br

TINTA MÁGICA

Rua São Paulo , 165 - Liberdade 01513-000 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3208.4722 www.tintamagica.com.br vendas@tintamagica.com.br

TONARE ENGENHARIA

Rua Dona Vitoria Speers , 412 - Vila Formosa 03359000 - São Paulo - SP Cel. 55 (11) 9732.6201 www.tonare-eng.wix.com/tonare-eng j.renato@edu.fia.com.br

TRANS ERG

Av. 88-a , 89 - Distrito Industrial 13506-123 - Rio Claro - SP Com. (19) 3535.4414 www.transerg.com.br empilhadeiras@transerg.com.br


160

FORNECEDORES

Lista de Endereços

TRAPTEC Rua São Pedro , 898 d - Presidente Médici 89801301 - Chapecó - SC Com. (49) 3329.1780 www.traptec.com.br traptec@traptec.com.br

TRIBECA Alameda Joaquim Eugênio de Lima , 881 Cj. 701 - Jd. Paulista 01403-001 - Sao Paulo - SP Com. 55 (11) 5092.2322 www.tribeca.com.br tribeca@tribeca.com.br

ULMA Rua José Getúlio , 579 Cj. 22 Aclimação 01509-001 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 4063.1143 Fax. 55 (11) 2167.5284 www.ulmapackaging.com.br info@ulmapackaging.com.br

ULTRALIGHT IND E COM DE ARMADILHA LUMINOSAS PARA INSETOS VOADORES Rua João Pires de Campos , 141 Jardim Esplanada 17250-000 - Bariri - SP Com. 55 (14) 3662.8580 www.ultralight.com.br vendas@ultralight.com.br

UNIVAR Rua Arinos , 15 - Pq. Industrial Água Vermelha 06276032 - Osasco - SP Com. (11) 3602.7222 www.univarbrasil.com.br luciana.santos@univarbrasil.com.br

VASSOURAS ODIM Rua Coronel Guimarães , 49 Navegantes 95760-000 - São Sebastião do Caí - RS Com. 55 (51) 3635.2700 Com. 55 (51) 3635.2702 Fax. 55 (51) 3635.1655 www.odim.com.br vendas6@fluibem.com.br

VASTIN Rua Salvador Leme , 344 - Bom Retiro 01124020 - São Paulo - SP Com. (11) 3326.8411

www.vastin.com.br vastin@vastin.com.br

VECTRA Rua Perca , 180 - Boaçava 05471010 - São Paulo - SP Com. (11) 3714.3500 www.vectraequipamentos.com.br vectra@vectraequipamentos.com.br

VEDAPLAST Rodovia br 459 - km 105 , S/n Ipiranga 37550000 - Pouso Alegre - MG Com. (35) 3449.2003 www.vedaplast.com.br vedaplast@vedaplast.com.br

VEDOVATI PISOS Av. Getúlio Vargas , 340 - Bosque 19010-170 – Presidente Prudente - SP Com. (18) 3917.4669 http://www.novavedovati.com.br comercial@novavedovati.com.br

VERTZ EQUIPAMENTOS Rua Duque de Caxias , 655 - Centro 13480161 - Limeira - SP Cel. 55 (19) 9635.1631 www.vertz.com.br mm@vertz.com.br

VITOPEL Rua Olimpíadas , 66 13º Andar - Vila Olímpia 04551-000 - São Paulo - SP Com. 55 (11) 3883.7701 Fax. 55 (11) 3883.7763 www.vitopel.com marketing@vitopel.com

VIVARE Oscar Pereira Lopes , 196 Casa - São Pedro 36037120 - Juiz de Fora - MG Com. 55 (32) 3236.1127 www.vivare.com.br vivare@vivare.com.br

VOGLER INGREDIENTS Estrada Part Fukutaro Yida , 1173 Cooperativa 09852060 - São Bernardo do Campo - SP Com. 55 (11) 4393.4400 Com. 55 (11) 2626.4424 www.vogler.com.br vendas@vogler.com.br

VPG CONSULTORIA E PROJETOS LTDA Rua Cel. Vidal Ramos , 01 sl 503 Jardim Blumenau 89010330 - Blumenau - SC Com. 55 (47) 3041.8005 Com. 55 (47) 3035.7905 www.vpg.arq.br vpg@vpg.arq.br

WEG-CESTARI Rodovia Monte Alto/Vista Alegre , km 3 - Zona Rural 15910-000 - Monte Alto - SP Com. 55 (16) 3244.1000 www.wegcestari.com marketing@cestari.com.br

WEST EQUIPAMENTOS Rua Jayme Schmitz , 355 - Encosta do Sol 36083-013 - Juiz de Fora - MG Com. 55 (32) 3224.8558 Fax. 55 (32) 3224.7955 www.westequipamentos.com.br west@westequipamentos.com.br

ZANARDO VÁLVULAS INDUSTRIAIS Rua Buritis , 213 Barracão 01 - Parque Industrial ii 16012170 - Araçatuba - SP Com. 55 (18) 3117.1195 Cel. 55 (18) 8121.4678 www.zanardo.com.br vendas@zanardo.com.br

ZIEHL-ABEGG DO BRASIL Av. Dr. Mauro Lindemberg Monteiro , 628 Galpão 03 - Bloco a - Jd. Santa Fé 06278-010 - Osasco - SP Com. 55 (11) 2872.2042 Fax. 55 (11) 2872.2041 http://www.ziehl-abegg.com/ bruno.generoso@ziehl-abegg.com.br

ZOMNTAINOX Rua Geraldo Peixoto Fulho , 140 Distrito Industrial Barreiro Dulcilia Carone 36 520 00 - Visconde do Rio Branco - MG Com. 55 (32) 3551.1369 www.zontainox.com.br zaequipamentos@yahoo.com.br


162

ÍNDICE DE ANUNCIANTES

Março/Abril 2014 Guia de referência do SETOR

LÁCTEO

ABC Itaperuna ���������������������������������������������������������� 87

Mirainox ����������������������������������������������������������������� 123

Almac ��������������������������������������������������������������������� 103

Multifrio ������������������������������������������������������������������� 73

Andritz ������������������������������������������������������������������� 111

Mustang Pluron �������������������������������������������������������� 88

Atak ������������������������������������������������������������������������� 91

Padroniza ������������������������������������������������������ 118 e 119

Beraca ���������������������������������������������������������������������� 13

Plurinox ������������������������������������������������������������������ 121

Casa Forte �������������������������������������������������������������� 113

Poly-Clip ����������������������������������������������������������������� 109

Dohler ���������������������������������������������������������������������� 31

Prozyn....................................................................... 21

Emplal ���������������������������������������������������������������������� 65

Revista Leite & Derivados ������������������������������������������������7

Enerquímica ������������������������������������������������������������� 83

Sani Química ������������������������������������������������������������� 85

Fispal Tecnologia ������������������������������������������������� 3ªcapa

Sial ����������������������������������������������������������������������������� 9

Fortress ������������������������������������������������������������������� 115

SIG ��������������������������������������������������������������������������� 61

Gemacom Tech ��������������������������������������������������������� 23

Simpósio do Leite ������������������������������������������������������ 43

Globalfood ��������������������������������������������������������17 e 35

Somarole ������������������������������������������������������������������ 37

Granotec/ Granolab �������������������������������������������������� 33

Tate&Lyle ������������������������������������������������������������������ 19

Heatcraft ������������������������������������������������������������������ 75

Tecnovilla ������������������������������������������������������������������ 81

Hexus ����������������������������������������������������������������������� 15

Tetra Pak ������������������������������������������������������������������� 57

Horizonte Amidos ����������������������������������������������������� 25

Tinta Mágica ������������������������������������������������������������� 63

Inox Tecnologia ������������������������������������������������������� 117

Ulma ����������������������������������������������������������������������� 101

Jetfrio ����������������������������������������������������������������������� 77

Univar ����������������������������������������������������������������������� 27

MercoAgro �������������������������������������������������������� 2ª capa

Vitafoods ���������������������������������������������������������������� 161

Milainox ������������������������������������������������������������������ 105

Vogler ����������������������������������������������������������������������� 29


22 anos de credibilidade no mercado

Anuario leite&derivados ed 146  

Anuario Leite&Derivados 2014

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you