Issuu on Google+


( ÍNDICE )

4 5 6 7 9 12 14 16 18 21 24 26 28

Editorial Colaboradores Concurso “Aniversário da Revista Dinâmica” Crônicas e Contos Chip, chip, muito prazer! Educação e Formação Texto: um retrato de quem escreve Mitologia O mito para o século XXI Tecno+ Cuidado com o que você faz na rua Embates e Debates Faces e facetas da violência Fazendo Direito Eu também quero ser bem atendido Imagem e Ação Animais que fazem televisão MP2 Michael Jackson 1958-2009 Saúde e Beleza Qual é o pente que te penteia? Com Água na Boca Chocolate, o rei do inverno


( EXPEDIENTE ) Diretora de redação Tereza Machado Redatora-chefe Fernanda Machado Diretor de arte Chris Lopo Editores Chris Lopo, Fernanda Machado e Tereza Machado Projeto gráfico Bonsucesso Comunicação Diagramação Chris Lopo Jornalista responsável Thiago Lucas Imagens não creditadas Jupiter Images Projeto inicial Antônio Poeta Anunciantes anunciantes@revistadinamica.com O conteúdo das matérias assinadas, anúncios e informes publicitários é de responsabilidade dos autores. Site www.revistadinamica.com Contato contato@revistadinamica.com Próxima edição 02 de agosto de 2009

4 Revista Dinâmica

( EDITORIAL ) Amigos Leitores O inverno finalmente chegou, o frio faz com que mudemos o guarda roupa, alimentação e lugares que frequentamos, habitualmente, passamos a procurar lugares mais acolhedores. Penso que há um frio, muito mais intenso do que o do inverno, concentra-se no coração. Tantos acidentes terríveis, como o do avião da Air France, notícias de mortes desnecessárias por imprudência no trânsito, assassinatos domésticos, envolvendo vítimas e assassinos numa teia fina e triste. Se não bastasse esse fator de tristeza fria, ainda há um cenário mais gélido. É quando assistimos o desmoronar de uma Casa que deveria ser o nosso orgulho, a esperança de uma Brasil melhor, a Casa do Senado. Amigos leitores, sou uma otimista, recebi no encerramento das aulas um bilhetinho afetivo de uma aluna de Pedagogia, citando um pensamento: “Os pessimistas olham as flores murchas e lamentam, os otimistas olham as flores murchas e festejam as sementes”. Ela agradeceu o fato de eu continuar enxergando as sementes. É isso, guardo a esperança e a compartilho na certeza de que, se os educadores deste país, apostarem nas sementes que todos os dias semeamos, haverá luz no final do túnel, e não será o trem em sentido contrário. Confira a coluna MP2, com um especial sobre Michael Jackson. Mais uma estrela no céu, dessa vez de primeira grandeza. Esperança aquece o inverno do nosso coração. Boa leitura! Tereza Machado


( COLABORADORES ) Chris Lopo

Clarissa Leal

(chris@revistadinamica.com) Gaúcho. Trabalha com web design desde 1997. Hoje é, além de web designer, designer gráfico, ilustrador e tenta emplacar sua banda de rock.

(clarissa@revistadinamica.com) Carioca. Biomédica apaixonada por leitura, teatro, cinema e boa comida. Amante das Ciências da Saúde, estuda para Mestrado em Biofísica.

Fernanda Machado

Kiko Mourão

(fernanda@revistadinamica.com) Carioca. Cientista da computação e apaixonada por design. Trabalha em sua própria empresa de comunicação.

(kikomourao@revistadinamica.com) Mineiro de Belo Horizonte. Estudante de direito. Além de fazer estágio na área também trabalha com sua maior paixão: a música.

Leila Mendes

Liana Dantas

(leila@revistadinamica.com) Carioca. Professora, Psicopedagoga e Mestre em Educação.

(liana@revistadinamica.com) Carioca. Estudante de jornalismo. Começou cursando Letras e hoje pensa na possibilidade de vender cosméticos.

Liz Motta

Mario Nitsche

(lizmotta@revistadinamica.com) Baiana e historiadora. Especialista em políticas públicas, produz artigos sobre violência contra a mulher.

(marionitsche@revistadinamica.com) Curitibano, dentista por profissão, filósofo por opção. Publicou o livro Descanso do Homem em novembro de 2005.

Priscila Leal

Tereza Machado

(priscila@revistadinamica.com) Carioca. Atriz e estudante de danças. Apaixonada pelo estudo da filosofia, da anatomia humana e de tudo que constitua o ser humano e suas possibilidades de expressão.

(tereza@revistadinamica.com) Cearense. Professora universitária, psicopedagoga e consultora educacional.

Revista Dinâmica 5


CONCURSO

Aniversário da Revista Dinâmica

(foi prorrogado!)

O prazo para o envio das frases para o concurso “Aniversário da Revista Dinâmica” acabou, mas as frases continuaram a chegar. Atendendo a pedidos, o concurso foi prorrogado até o dia 5 de julho. Aproveite essa chance! Para participar deste concurso, escreva uma frase (em até 5 linhas) sobre o que você acha da Revista Dinâmica e mande-a, junto com seu nome e endereço completos, além de telefone, para contato@revistadinamica.com. As três melhores frases receberão um prêmio exclusivo da Revista Dinâmica, além de serem publicadas aqui, na próxima edição. Mais frases também serão publicadas, então fique de olho!

Revista Dinâmica: um novo conceito em informação e conhecimento Observações: 1. Os prêmios serão distribuídos após a divulgação dos ganhadores na próxima edição da revista (16). 2. Os autores das frases dão direito à Revista Dinâmica de publicá-las nas próximas edições, com devida identificação.

6 Revista Dinâmica


( CRÔNICAS E CONTOS )

Chip, chip, muito prazer!

Uma reflexão sobre o futuro das relações com a ajuda da tecnologia mos a alguém, bastaria entregar o chip. ão posso negar o quanto - Prazer... tudo bem? E antes que se perguntasse mais alguma coisa, o fico... hum... incomodachip lhe seria entregue, ou estaria da. Sim, é esta a palavra, implantado em nosso corpo, dado incomodada. A sensação é de o avanço da tecnologia com chips incompletude, de não finalização. cada vez menores. Sim, é isso. É essa a sensação que - Uau! Você é bárbaro! Quanta tenho quando não consigo deixar experiência! Gosto muito dessa saber o outro, o que penso. Ainda pior é quando me expresso mal ou sua forma de pensar! Ao mesmo tempo em que você ainda, quando sou mal interpretada... “Caraca”! Fica aquela sensação entrega o seu chip. Os dois conhecidos vivem uma admiração de mal-estar, do não vivido, do mútua! Resolvem que dali pra desencontro. frente trabalharão juntos em alguns projetos, serão amigos pessoais: Seriam as relações mais fáceis se tivéssemos chips onde pudéssemos Batman e Robin! Ou decidirão por viver juntos! Perfeita comunhão! arquivar todos os nossos dados? Economia de tempo, dinheiro e Assim, quando nos apresentásseLeila Mendes

N

emoção! As relações seriam mais fáceis... ou é ou não é... é o preto do branco. Informação objetiva! Nenhum simbolismo. Mas, e se, peraí... e se um dos dois não gostar do que descobriu? Bem, saberá de uma vez... nem precisará começar. Poderá dispensar de primeira, a amizade, parceria, ou seja lá qual for o interesse. É, isso é bom! Poupa-se tempo! Não se perde tempo com quem não vale à pena.. Mas, e se todas as informações contidas no chip não passarem de um simulacro? Nesse caso voltamos ao ponto de partida. Não havia contado com esta hipótese... Mas isso certamente não seria problema. Acredito que, no moRevista Dinâmica 7


( Crônicas e Contos )

mento em que lançassem o chip, lançariam concomitantemente o antivírus da mentira. Sim, por que se existe antivírus virtual, há de haver um anti-vírus para mentiras... da mesma forma que os anti-vírus são atualizados diariamente contra novos vírus, cavalos de tróias, etc... hão de garantir um software que proteja nossas relações do vírus da mentira. É certo também que deve ser atualizado diariamente, pois que, a cada dia vemos novas mentiras... Uma mentira é um vírus na medida em que ela aparenta ser uma coisa, mas não é. E uma vez impregnado pelo vírus... fica difícil descobrir que está infectado. Uma pessoa infectada com o vírus da mentira é como um computador infectado com um vírus qualquer... você pensa que a máquina está funcionando mas... ela já fugiu ao seu controle. Você apenas pensa que detém o comando da situação, mas na verdade, a verdade é tudo o que não há. Seu mundo é uma falcatrua... se bem que... é possível viver senão a vida toda, muito tempo uma falcatrua, um simulacro, uma mentira, uma fantasia... basta acreditar nela! E se um grupo grande de pessoas acreditar nessa mentira? Será o mundo.... Bem, isso se todas as pessoas acreditarem na mentira inventada... Mas

8 Revista Dinâmica

há também àqueles que sabem que estão contando uma mentira e se aproveitam disso. Criam uma fantasia só para os outros, para tirarem algum proveito da situação. Mas ele, só ele, sabe da verdade e toma as devidas providências para não ser descoberto. Geralmente, quem faz isso, são pessoas muito inteligentes, alguns são chamados de hackers no mundo virtual. Então, uma vez infectado, como descobrir? Como descobrir que você passa informações falsas para os outros e para você mesmo? E que pode receber informações falsas? Como podemos administrar e gerir nossas vidas de modo a ficarmos seguros do vírus da mentira? Resolvo consultar um expert no assunto: - Sr. Gostaria de saber como fazer preventivamente para evitar o vírus da mentira. O Sr. sabe que no futuro teremos chips que em segundos transferirão todas as nossas informações a outro interessado. Dessa forma, seria um grande desastre termos vírus em nossos chips. Assim, desde já, pretendo me informar sobre esses programas... - Sim, senhor! O senhor está corretíssimo! Certamente que sua preocupação procede. Já existem grande empresas trabalhando nesta perspectiva. Estamos prevendo o lançamento destes produtos

para muito em breve, a um custo bem modesto, acessível à todas as classes. - Sim... - Ofereceremos o produto em versões. A versão child, para crianças. Acreditamos que as brigas entre crianças terminem com a utilização do produto! - Sei... - A versão teen! Para adolescentes. - A versão Paris Hilton, Jackie Kennedy, Rock Balboa e também a versão Sinatra. A Paris Hilton vem coberta com uma capa banhada a ouro com safiras imitando diamantes... a Jackie Kennedy prima pela discrição. O chip vem numa capa preta e a parte interna é coberta por uma capa perolada. Já o Rock Balboa é para espíritos indolentes e arrojados. Ainda está em fase de finalização, mas posso adiantar que o tema bélico será lembrado e por fim, o Sinatra. Este prima pelo requinte, bom gosto e romantismo. Agradeci e saí dali pensativa... a preocupação do expert... parecia não ser a mesma que a minha... estava ele criando um outro mundo, formatando chips de acordo com personalidades famosas? Venderia ele já chips contaminados? Acho melhor esquecer essa história de chip.... - Oi! Tudo bem?


( EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO )

Texto: um retrato de quem escreve

Uma série de negações aos alunos impedirá que eles se desenvolvam de forma harmônica e prazerosa Tereza Machado

T

oda a teoria que se possa trabalhar nos cursos de Formação de Professores não será suficiente para levar o futuro a professor a ter idéia da riqueza desta tarefa. Tarefa que exigirá do aluno uma sequência lógica de raciocínio, uma boa base vocabular, conhecimento da estrutura da língua materna, além de possuir criatividade para elaboração do texto. Para essa tarefa, além da teoria, o que precisa este futuro professor

conhecer para que possa propiciar a seus alunos uma chance verdadeira de que gostem da escrita e da leitura?

e repetidas leituras do texto em construção irão dando a forma a um pensamento, através da seleção vocabular.

Escrever e ler, ler e escrever. Uma coisa começa na outra e volta ao ponto inicial.

Dita desta forma, parece que há etapas que sendo colocadas em ordem de execução levarão os alunos a escreverem seus textos com eficiência. Na verdade, não há uma receita de “bolo” para se ensinar a ler e a escrever. Entretanto, é possível formar os futuros professores com conhecimentos metodológicos, didáticos, além de uma grande sensibilidade que o torne um ser afetivo, em um sentido ampliado, não apenas atencioso e carinhoso

Penso, estruturo mentalmente o meu discurso, escolho pontos do assunto a serem abordados. Estando o pensamento estruturado, começo a aventura da escrita, que é ao mesmo tempo uma atividade de leitura. Durante todo o tempo que escrevo, estou relendo o que escrevi. Dessa forma, a escrita,

Revista Dinâmica 9


( Educação e Formação )

com o aprendente, mas também aquele que se coloca na situação como um ser que afeta e é afetado. A afetividade é o motor que aciona o emocional para uma aprendizagem prazerosa, tranquila, sem o medo castrador do erro. Mas não é isso que acontece geralmente. Para se passar adiante um conhecimento, liderar uma atividade é necessário que haja uma prática de toda a teoria envolvida no processo. Se no curso de formação de Professor não houver um lugar especial para a teoria e prática, em conjunto, haverá uma bifurcação perigosa. A práxis pedagógica, apresentada através da dialogicidade, é que começa a dar corpo a uma faceta importantíssima na formação deste profissional que trabalhará com um material muito especial que é a criança que se encontra na fase da consolidação da alfabetização.

Procurando sentido na construção do texto Vamos nos aproximar da teoria de uma autora bastante conhecida nos meios acadêmicos, especialista na questão da escrita, trata-se de Ingedore Villaça Koch, que tem vários livros escritos sobre o tema. Alguns pontos são apontados por ela como importantes, muitos deles fundamentados nas escolas psicológica e psicolinguística soviéticas, que por sua vez, baseiam-se em Vigotsky. Seguindo um estudo de Leont’ev, Ingedore aponta em seu livro “O texto e a construção dos sentidos”, alguns destes aspectos fundamentais para qualquer atividade humana: 10 Revista Dinâmica

“1. existência de uma necessidade/ interesse; 2. estabelecimento de uma finalidade; 3. estabelecimento de um plano de atividade, formado por ações individuais; 4. realizações de operações específicas para cada ação, de conformidade com o plano prefixado; 5. dependência constante da situação em que se leva a cabo a atividade, tanto para a planificação geral como para a realização das ações e a possível modificação do processo no decurso (troca das ações previstas por outras, de acordo com mudanças produzidas na situação).” Essa reflexão geral sobre a atividade humana, aplica-se perfeitamente à atividade da construção de um texto pela criança. Ela necessita estar estimulada para escrever, o professor deve ter conversado com seus alunos sobre a proposta da escrita do texto. Não se pode mais imaginar, ao fim da primeira década do século XXI, que algum professor possa apresentar uma atividade de escrita de um texto apenas dando-lhe o título e o número de linhas desejado, muito menos, achar que relembrar que todo texto possui início, meio e fim, sejam “dicas” suficientes para que se estabeleçam condições favoráveis para a atividade. A criança precisa sentir que a proposta de trabalho tem significação para ela, precisa trocar ideias sobre o tema, com o professor e outros

colegas, por vezes leituras de textos sobre o mesmo tema podem ser oportunas. A criança necessita trabalhar bem a oralidade para que tenha tempo de organizar seu pensamento para a execução da tarefa. Vejamos alguns fatores que interferem na construção do ato verbal: 1. Motivação: não é apenas um motivo, a criança não se interessa apenas por um motivo a cada vez que é solicitada a falar ou escrever. Geralmente apresenta-se um conjunto de motivos, embora possamos destacar um foco entre eles. 2. Grau de domínio da língua: à cada etapa da aprendizagem há um determinado nível de domínio a ser esperado pelo professor. Não há como estabelecer regras rígidas gramaticais para crianças recémalfabetizadas. 3. Planejamento da tarefa-ação: é necessário que o professor se dê conta das inúmeras funções cerebrais, motoras e viso-motoras que são imbricadas na realização de uma tarefa. Importante lembrar que, ao invés da crença da teoria tradicional, reprodutivista e conteudista, que investem na reprodução de tarefas, as crianças pensam sobre a leitura e escrita levantando hipóteses sobre como se lê e escreve. A criança fixa-se em uma de suas hipóteses e lança mão de toda a sua bagagem de conhecimento para escrever ou ler. Daí, este sujeito, construtor de sua aprendizagem, idealiza o seu plano de ação para a escritura do texto, mediante o uso das estruturas linguísticas que já possui. O professor deve


( Educação e Formação )

levar em conta este esforço inicial para que possa intervir de maneira habilidosa, sem invadir o espaço da escrita do aluno. É nesse momento da relação afetiva com o aluno que o professor poderá tornar-se um mediador positivo ou um elemento que derrube a hipótese da criança, fazendo-a a retroceder em suas hipóteses de escrita por ainda se sentir insegura.

O texto como retrato que espelha a visão de mundo do autor Costumava dizer aos meus alunos de Redação, de cursos preparatórios para o Vestibular, que o texto nada mais é que um retrato de quem verdadeiramente ele é. O professor que corrigirá seu texto, terá a possibilidade de vislumbrar seus valores de vida, sua cultura,

seus gostos, a coerência de seus argumentos, a estrutura de seus pensamentos passados ao papel.

uma escola que se empenha em colocar “tarefas e mais tarefas”, fazendo do cotidiano da criança um pesadelo do qual ela tenta se Enfim, nada escapará a um bom livrar, querendo faltar às aulas, analista, que poderá até levantar escondendo trabalhos de casa para hipóteses de como é a sua persona- sobrar tempo para o prazer do enlidade. tretenimento com o que realmente gosta de fazer, usar a Internet, Ao lermos um texto, estamos lendo assistir vídeos e televisão, além dos os pensamentos de alguém, que se videogames. dispôs a colocá-los no papel. Pode mentir? Enganar? Por certo que Quando a escola conseguirá envolsim. As pessoas costumam usar ver as novas tecnologias em prol máscaras sociais para se relaciona- de um envolvimento prazeroso do rem com um mundo que temem. aluno com a educação? Voltando aos nossos pequenos leitores- escritores, é necessário um outro olhar sobre suas produções textuais, as crianças necessitam de uma correção que seja mais para orientação do que para avaliação e cobrança. Escrever deveria ser encarado como prazer, uma grande distração e não uma imposição de

Quando este dia chegar, o aluno não precisará de estímulos para escrever, sua satisfação em comunicar suas ideias será o principal suporte para o exercício da escrita. Neste dia teremos, verdadeiramente, uma Escola Aberta, democrática e eficiente.

Revista Dinâmica 11


( MITOLOGIA )

O mito para o século XXI A cidade também é palco para maestros e sons Mário Nitsche

V

i-me em cima de um prédio altíssimo. Assustador. A cidade por todos os lados estava lá embaixo com seus habitantes, ruas, ratos, vitrines, sonhos longínquos e vielas. O tudo criava a realidade de um espaço imensurável, aberto que diminuía e consternava a minha alma com a sensação do vazio tangível. As nuvens passavam próximas, ao meu lado, correndo e mudando de formas num êxtase. O ruído das pessoas, carros e descaminhos do mundo chegavam até onde eu estava experimentando uma artificial sensação de segurança, bem no meio do terraço. Amendrontadores os sons da desvida. Vi o Maestro, imponente, em pé sobre o parapeito do prédio tendo o abismo aos seus pés. Estava à vontade. Era seu elemento habitual parecia. Preparou-se para reger. 12 Revista Dinâmica

Um formidável silêncio perpassou tudo com grandeza. Ele era alto e estava vestido a rigor. Tinha cabelos brancos e postura elegante. A batuta em suas mãos brilhava. A sinfonia começou. No princípio ela era uma vibração inaudível, mas de uma beleza imensa que fazia bem, passando pelo meu corpo, espírito dando a dimensão de enlevo que acontece raríssimas vezes na vida de um mortal. Foi crescendo lentamente e existindo para os meus ouvidos. Muito bonita. Parecia que algo ia surgir, acontecer... A música que ele regia silenciou o ruído das coisas e dos homens. A música vinha de tudo, todos e dominava o ar, o mundo, espaços. Também pela cidade aos seus pés. Fluía dos apartamentos, casas, ruas e passos dos seres humanos caminhando céleres pelas ruas sem saberem bem aonde ir e indo segundo uma agenda criada por eles

na desesperança de mais um dia. Aos poucos se impôs como música gloriosa com momentos vibrantes e trechos calmos. Bonita, nobre. A música fazia parte do sentido atrás das coisas. Ele a maestrava divinamente. Eu sentia, assumia a melodia além de ouvi-la. Criava períodos suaves, sublimes quase inaudíveis e depois altos e grandiosos alternados. Uma explosão da vida! Ou como uma carga de cavalaria dos antigos guerreiros com lâminas reluzentes ao sol. Meu corpo e minha alma acompanhavam a sinfonia. Pensei em Mhaler. Sim... Mhaler, mas muito mais sublime e vi que isso era possível. Depois como um perfume eu via – muito mais do que ouvia - trechos de um romantismo emocionante que vibrava nas células de meu corpo brincando com cada terminação nervosa. A música não o obedecia num sentido de domínio, e sim o Maestro a maestrava e ela dava o


( Mitologia )

melhor e mais bonito da sua existência. A música criada precisava do Maestro para ser melhor e mais livre. Em momentos falava de um amor grande. Dava vontade de beijar lábios bonitos da mulher e companheira de vida. Ele conduziu durante um tempo sem limites a música que vinha do todo. Senti-me puxado para ela. Naquele momento tornei-me um pouco da música do Maestro. Música que era dele. Que ele tirava do âmago das coisas e da vida e que voltava igualmente à vida. Não havia espaço entre as notas. Tudo era música mesmo os silêncios. O silêncio é uma música que tem poder. E num acorde tão grande quanto o sol ele findou e os aplausos surgiram do universo e da cidade!

- “Procure-a. Ainda tem tempo. Sempre há tempo para a Busca”. E saiu. Simplesmente saiu e não o vi mais. Foi um comando. Eu queria achar a música. Ouvi-la. Tocá-la. Andei de um lado para o outro. Fui até o parapeito e pensei em subir. Dali eu iria reger! O vórtice, a altura imensa, o horror. Não consegui sequer olhar.

Busquei uma cadeira ou uma coisa qualquer e vi um caixote velho de bacalhau que estava encostado na entrada do terraço. Coloquei-o bem no centro do limitado espaço de concreto que ficava no meio do nada. Melhor. Mais seguro. Ah, uma batuta. Não vi nenhum pedaço de madeira ou ferro que pudesse ser uma. Um edifício como aquele sem uma batuta... Voltei ao caixote e arranquei um pedaço dele que já estava meio solto. Parecia bom. Olhei. Uma Fez uma mesura agradecendo, batuta quadrada... onde já se viu desceu do parapeito com facilidade isso? Sem forma, afiada como uma e caminhou com passos largos em lâmina... feia. Joguei o pedaço de minha direção, o que me encheu pau fora, subi no caixote. Agora de medo respeitoso. sim eu estava um pouco mais alto que a torre, olhei o todo, fechei os Olhou-me longamente. Vi no seu olhos e comecei com as mãos a rosto uma nobreza que não deixava conduzir... dúvidas sobre sua função: o Condutor. Parecia um rosto vindo de Nenhuma música. Nada. Apenas as muitas águas ou séculos. A calma coisas que passavam e o vento que e a força estavam ali estampadas. ria de mim. O vento ria de mim... Mesmo que me sentisse à beira de Desci com cuidado. Tudo que eu um desmaio finquei o pé no chão, não queria era cair e quebrar uma afastei ligeiramente as pernas e o perna ou braço no esforço de reger. encarei. Deixei o caixote no mesmo lugar. - “Onde está a sua música, moço?” – perguntou com uma voz suave. - “Não tenho música, Senhor”. Olhou-me por um tempo longo.

Desci para o mundo dentro de um elevador com espelhos. Olhei-me. Até estava bem fisicamente... Mas não tinha música. Perguntei-me no momento, enquanto descia, por que o mundo tinha tantos espe-

lhos? Mostrar o que? Bilhões de espelhos gestando em seus úteros abertos e transparentes pessoas passando pela vida sem música, sem vida e olhando neles, os espelhos, seus corpos mudando; rostos perplexos onde não queriam ver rugas. Revelando sorrisos que começaram espontâneos e depois ensombreceram. E mais espelhos... Uma ditadura de espelhos na Terra. Eles nos veem. Somos seus prisioneiros; somos as almas deles. Vamos mudando em frente a eles que um dia não refletirão mais nada. Vazios. Mal e mal vão refletir alguma coisa ou objeto que fizemos num momento que pensamos ser de glória. Os espelhos sim comandam o mundo e não os líderes que levam os homens à morte em guerras irrelevantes e com sentidos artificiais e comerciais. Eles refletem e riem com o nosso riso que vai rindo e indo. Até que um outro riso apareça. Embaixo fui para as ruas e caminhei pela cidade. Sons, buzinaços, viadutos. Gente tossindo, respirando, olhando e passando. Cheiros. Alegrias e desânimo. Gente na contramão e outros brigando com eles por isso. Uma música cacofônica e irritante. Mas ao passo que a ouvia, pensava que ela era a única expressão honesta do que se poderia chamar de vida que as pessoas tinham; e que poderia ser reconhecida como honesta e ficar melhor; ou quem sabe mudar... Comecei a olhar não a multidão e sim indivíduos... Nesse momento uma nota da música do Maestro começou a se fazer ouvir, timidamente, dentro de mim! Revista Dinâmica 13


( TECNO+ )

Cuidado com o que você faz na rua

A partir de agora o Google Street View também vai monitorar Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte Chris Lopo

I

magine a cena: você está andando na rua, saindo de uma reunião e para pra comprar um sorvete no McDonalds. Este ato leva, no máximo, 2 minutos. Durante este tempo passa um carro vermelho perto de você. Então você vai pro estacionamento, paga seu tícket, pega seu carro e volta pra empresa. Ao chegar na sede da empresa você descobre, por meio de terceiros, que o assunto da tarde é que a reunião terminou antes do 14 Revista Dinâmica

planejado e você estava matando tempo - tomou até um sorvete! esperando para voltar à empresa assim que cumprisse o horário previsto? E o melhor, quem descobriu isso foi a filha do chefe enquanto brincava em um site chamado Google Street View. O serviço, lançado em 25 de maio de 2007, era restrito a poucas cidades americanas e européias. Hoje já abrange países como Estados Unidos, Inglaterra, Noruega, França, Itália, Japão e Austrália, sempre

com a missão de se tornar algo em escala global. Quem entrou nesta parceria aqui no Brasil é a Fiat. Todo o serviço será realizado por um Fiat Stilo vermelho devidamente adaptado com nove câmeras que fazem fotos panorâmicas de 360º. Essas imagens são guardadas em um computador que fica no próprio veículo, catalogadas em sincronia com um aparelho de GPS e posteriormente enviadas aos servidores da Google. Lá elas recebem tratamento, onde


( Tecno+ )

são aplicados filtros que impossibilitam o reconhecimento de placas de carros e rostos de pessoas e finalmente disponibilizadas no site. A empresa iniciou a captura das cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte dia 2 de julho, mas ainda não divulgou um prazo para publicação dessas imagens em seu site. A área total a ser digitalizada é de aproximadamente 1 milhão de quilômetros, segundo informações oficiais. Como todo serviço novo, o primeiro pensamento é o de repulsa, tanto que a cena descrita no começo deste texto foi a primeira que

me veio à cabeça ao saber desta expansão, mas o serviço pode ter seu lado positivo. Logo que começou a ser utilizado houve casos de assaltantes serem flagrados no atos, identificados com a ajuda da ferramenta, e homens em carros de empresas abordando prostitutas na rua. Você pode monitorar a sua casa (assim como a casa de qualquer outra pessoa), planejar melhor suas férias vendo os lugares que você pretende visitar, conhecer a rua onde você planeja comprar o imóvel que você viu no site da imobiliária antes mesmo de ir no local visitar - pois às vezes temos uma casa maravilhosa em um local não muito propício, mas isso você

só vai saber ao visitar pessoalmente. Lógico que tudo em seu devido tempo pois hoje, assim como no início do Google Earth, as imagens de certas regiões demoram muito a serem atualizadas. A meta do Google sempre foi a integração de seus serviços, que é a base da Web 3.0 que está sendo discutida no momento. A empresa conseguiu começar como um simples serviço de buscas e ampliar para serviço de mapas, calendários, vídeos, documentos, biblioteca de imagens. Com o Street View ela vai conseguir chegar muito mais perto do que imaginamos que qualquer empresa poderia fazer.

Carro do Google Street View

Revista Dinâmica 15


( EMBATES E DEBATES )

Faces e facetas da violência Difícil não é explicar as causas da violência, mas nos vermos em qualquer lado desta moeda Liz Motta

M

uito tem se discorrido sobre violência, vários autores tentam compreender e conceituar esse fenômeno lançando mão de várias áreas do conhecimento na tentativa de solucionar o que parece insolúvel. A Psicologia, a Pedagogia, a Antropologia e Sociologia são algumas das áreas exploradas por estudiosos do mundo inteiro na busca incessante em explicar as múltiplas faces da violência. Numa tarefa mais ampla tentam traçar o perfil da violência, descobrir – 16 Revista Dinâmica

grosso modo – seu DNA. Neste sentido já houve um avanço considerável e revelador dos porquês da violência e, de certa forma, das formas de preveni-la e combatê-la; a questão que levanto neste artigo é: quem é potencialmente violento? Embora a Psicanálise e a Psicologia tenham mesurado o perfil de um psicopata, por exemplo, no censo comum ainda estamos boiando em torno de conjecturas e surpresas. É comum a seguinte situação: o sujeito mata o outro e alguém diz que nunca pensou que o assassino fosse capaz de matar uma mosca. Corriqueiro ou não, situações como esta espo-

cam diariamente no cotidiano e, na verdade, não sabemos até que ponto somos violentos ou não. Rotular um agressor é fácil, principalmente quando ele tem um passado desabonador: família desarticulada, pai ou mãe ausente, pai ou mãe agressor (a), envolvimento com drogas, etc., mas como reconhecer a violência num cidadão que teve todas as chances e condições positivas ao longo da vida? A resposta para esta questão também já existe; aliás, respostas, haja vista a profusão de teorias em voga. Uns dizem que é o meio que contribui definitivamente para a formação de um indivíduo violento, outros dizem que a criança já


( Embates e Debates )

nasce com uma “pontinha” de maldade e, portanto, é perfeitamente risível alguém cometer digamos um crime hediondo. Outros ainda afirmam que condutores externos propiciam a violência, como o uso abusivo de álcool, drogas ilícitas e até mesmo anabolizantes. Não digo que este ou aquele estejam corretos ou incorretos em suas conjecturas, mas penso como a violência se desdobra em várias, como um caleidoscópio refletindo faces e facetas distorcidas tanto de vítimas quanto de agressores. No caso da violência contra a mulher é comuns os papéis se inverterem e a violência ser deslocada do patamar de crime para o âmbito do descontrole emocional ou da privação momentânea dos sentidos. Nas Delegacias da Mulher, não raro, encontramos depoimentos dos agressores dizendo que quebrou a cara da companheira porque não aguentava mais os pedidos e cobranças de dinheiro para o pagamento de compras atrasadas, aluguéis, alimentação e, que nenhum homem vive com

um “inferno desse na cabeça”. De vítima a mulher passa a ser a algoz, aquela que não tem consideração e pena do “pobre” companheiro que vive de bicos, estando ela mesma desempregada e ganhando a vida com trabalhos eventuais. Casos como o citado não são os únicos, inúmeros são as situações de violência e cada uma delas expressa a necessidade de uma explicação plausível, como se o inexplicável tivesse explicação, volto a dizer. Qual a explicação para os crimes hediondos, os crimes contra o erário público, contra crianças e idosos, contra o meio ambiente? De certo, as explicações são rasas, apenas construídas para aventar a possibilidade de redenção; ou seja, errou por isto ou aquilo, mas quem não erra; quem não tem o direito de errar? Todos podem e devem ter uma segunda chance, assim diz os dogmas cristãos, mas e as vítimas? Quais chances tiveram? Reconhecer a possibilidade de ser vítima ou agressor é que nos põe face a face com algo imensurável: a

nossa reação e a nossa (in) tolerância com o outro. Este dilema, muitas vezes negado e escondido, transita entre o cultural e o psicológico, o científico e o religioso. O homem evoluiu graças a sua capacidade de temer e se defender; teme-se o desconhecido, tememse os dogmas religiosos, o inferno e, por outro lado, evoluímos e sobrevivemos porque procriamos e pensamos e ainda porque defendemos nosso espaço, nossas idéias e nossa propriedade. A capacidade evolutiva do ser humano viaja a galope na sua, ainda, curta história sobre a Terra, mas ainda não estabelecemos um limite entre violência e direitos. Compramos pronta a face mais conhecida da violência: a agressividade e esquecemos seus desdobramentos porque o grande interesse, na verdade, repousa na explicação plausível e no castigo “justo”. Longe está o tempo em que o homem não afligirá o (a) próximo (a) por motivos culturais ou dogmáticos, fúteis ou vingativos.

“Reconhecer a possibilidade de ser vítima ou agressor é que nos põe face a face com algo imensurável: a nossa reação e a nossa (in)tolerância com o outro.”

Revista Dinâmica 17


( FAZENDO DIREITO )

Eu também quero ser bem atendido Quando a falta de preparo atinge a dignidade humana no atendimento ao público Kiko Mourão

T

odos nós já sabemos que uma das garantias constitucionais mais importantes é a dignidade humana. Tal dignidade não diz respeito somente a uma condição mínima de vida, mas a todos os fatores necessários para que essa condição aconteça. Entre esses fatores está o tratamento humano e cordial às pessoas que dependem dos serviços do setor público ou do privado. Mas na prática, não é esse tratamento que vemos acontecer. Fato bem comum é o atendimento telefônico que, por falta de pessoal, pode demorar até mais de meia hora. Ou ainda, por falta de preparo, pode levar o cliente a um ataque 18 Revista Dinâmica

dos nervos ao ter que lidar com um atendente grosseiro e despreparado. E ainda que o atendimento seja rápido e o atendente seja prestativo e educado, muitas vezes o problema não é resolvido. Do ponto de vista do Direito, é sempre recomendável pedir ao atendente o número do protocolo de atendimento. Caso o seu problema vá para os braços do judiciário, o protocolo do atendimento é essencial para a comprovação de que você tentou resolver o problema antes de acionar a justiça. Mas a falta de respeito ultrapassa as barreiras telefônicas e também atinge o plano físico. Não é raro presenciar um atendimento no qual os atendentes, ao mesmo tempo em que escutam o cliente,

brincam e dão gargalhadas ao lado dos outros colegas, utilizando até mesmo palavras que não ouso repetir aqui. Além disso, muitas vezes o cliente é tratado como se fosse o culpado pelo problema, ou ainda como se a empresa estivesse fazendo um grande favor ao atendê-lo. Nessas hipóteses, quem se sentir lesado pode procurar o gerente do estabelecimento para, de forma amigável e pacífica, solucionar a contenda. E é sempre bom lembrar que, acionar a justiça por coisas mínimas é fazer tempestade em copo d’água. Entretanto, se seu Direito foi realmente lesado e nada foi feito para que o erro fosse reparado, acionar a polícia e registrar um boletim de ocorrência é sempre válido para se resguardar caso as coisas somente possam ser


( Fazendo Direito )

resolvidas juridicamente. Quando se trata de serviço público o desrespeito, algumas vezes, chega a ser absurdo. A estabilidade no emprego é muito válida, pois, um funcionário que trabalha sem riscos de desemprego, trabalha mais tranqüilo e tem um rendimento maior. Mas ela é também uma faca de dois gumes. Alguns funcionários públicos, confundem a estabilidade no emprego com a possibilidade de atuarem em seus cargos como se estivessem em casa. Certa vez foi possível ouvir os berros de uma servidora com uma advogada que queria simplesmente ver os autos de um processo. E quando o tratamento é com os idosos tudo fica ainda pior. A falta de paciência e de humanidade faz com que os servidores tratem os idosos como lixo. Alguns chegam a chorar diante do tratamento indigno e da falta de ação para que essa conduta acabe. Outra questão para a qual as pes-

soas fecham os olhos, a tão comum fila. Hoje em dia é necessário ficar em filas para tudo. E não há problema. A fila é sinal de ordem e respeito. Mas quando o tempo vai passando, a fila continua parada e o descaso aparece novamente, ela vira sinônimo de humilhação e sofrimento. Não é raro encontrarmos pessoas às cinco horas da manhã na porta de algum estabelecimento esperando a hora de abrir. Mais comum ainda é ficar por duas, três ou, em alguns casos, até cinco horas seguidas na fila de um banco. Para ilustrar melhor o absurdo, é válido citar o caso da idosa que urinou nas próprias roupas após um período de três horas na fila de uma agência bancária em Belo Horizonte. Entre vários outros relatos de desmaios, gritarias e outros eventos do gênero. A questão é que, um bom atendimento ultrapassa o campo do dever do atendente. É um dever muito mais do que profissional, é um dever moral. E ainda que

alguns não concordem, o bom atendimento não é apenas dever do atendente, mas um direito fundamental do atendido. O bom atendimento, como direito seu, direito meu e de todos nós, deve ser levado mais a sério. E aos que não se sentem bem atendidos e passam por humilhações, é válido procurar ajuda e fazer denúncias junto aos órgãos competentes. Se preciso for, acionar a justiça é também um meio muito válido. E, uma dica aprendida com a experiência: a simples ameaça de chamar a imprensa faz tremer até mesmo a estrutura mais forte de uma empresa. Se o atendimento for, de fato, terrível, diga que vai divulgar um artigo em algum jornal, chamar uma grande rádio ou entrar em contato com algum canal de televisão. Em alguns casos a imprensa funciona de forma mais rápida e eficaz do que a própria justiça. Pelo dever próprio e pelo direito alheio, preserve o bom atendimento.

“Não é raro encontrarmos pessoas às cinco horas da manhã na porta de algum estabelecimento, esperando a hora de abrir.”

Revista Dinâmica 19


atinja seu alvo.

A Revista Dinâmica, de circulação gratuita na Internet, quer ajudar você a divulgar sua marca. Entre em contato e saiba como ampliar ainda mais sua exposição na mídia.

Revista Dinâmica: um novo conceito em informação e conhecimento.


( IMAGEM E AÇÃO )

Animais que fazem televisão A novidade é o velho formato batido de Reality Show misturando Arca de Noé com sub-celebridades Liana Dantas

S

e a Rede Record queria se tornar o centro das atenções, ela conseguiu. Estreou um mês atrás uma atração intitulada “A Fazenda”, apresentado por Britto Jr., que é uma derivação de Reality Shows de confinamento e múltiplas câmeras que já conhecemos. Com o diferencial que não são anônimos amigos de artistas, mas são “artistas” anônimos, definidos como sub-celebridades. A emissora de Edir Macedo vem

aos poucos chamando atenção, seja para o bem ou para o mal. Tanto que, num belo dia, sua “modelo” maior, Rede Globo, se sentiu ameaçada e fez uma matéria sobre... evangélicos! Para quem assistia foi simplesmente constrangedor pela falta de naturalidade de como foi apresentado. A palavra evangélicos doía cada vez que era mencionada. Era como se estivessem dizendo “Rede Record, toma essa”, ao invés de evangélicos. “Quem diria, a Vênus Platinada procurando recuperar público?” Professores, alunos, agentes da limpeza, todos os

setores assistiram a este momento, meio que histórico. As estratégias usadas pela Record são estratégias de guerra... santa, claro! Quem é a maior? Equipamentos, portanto, imagem melhor; ângulos e marcações com características próprias que o telespectador já sabe que canal assiste, não é a que faz Plim-plim? Pois é nela que se inspiraram, mesmo que de forma primária –porque não é do dia para noite que as coisas mudariam – contratando os profissionais da mesma e assim aos poucos se Revista Dinâmica 21


( Imagem e Ação )

tornando “filhos de Vênus”. A Fazenda, com a clareza do nome, é um Reality Show sertanejo, que tem como cenário uma fazenda (oh!), com porcos, vacas e todo os animais possíveis, como o elenco que foi contratado! É uma mistura de Casa dos Artistas (SBT) com gincanas e provas similares a do Big Brother Brasil (Rede Globo), com um pouco menos de sentido. Dentro desta fazenda, além de 36 câmeras, alguns nomes como Babi Xavier, Mulher Samambaia, Danni Carlos, Fábio Arruda (um professor de etiquetas!), Dado Dollabela e Mendigo (ex-Pânico). Pior do que isso, só a apresentação constrangedora de Britto Jr., tão desconhecido quanto os que estão lá, que nos faz sentir saudades e quiçá admiração a Pedro Bial! Alguém lá do Edir Macedo precisa lançar um curso técnico de como fazer casting, pois está um nonsense do mal. Todavia, estão ótimos e de acordo para o pasto... Sua vida certamente não mudou muita coisa depois que o participante Théo Becker, ator de Os Mutantes, que sofre de alguns problemas (diria de muitos deles!) de ordem química, digamos, surtou dentro da fazenda, num mix de teoria da conspiração, dissimulação, descontrole emocional e físico – por falta de substâncias. Ele implicou, gritou, brigou, ameaçou todos e depois pediu desculpas para alguns, tirando a fama de Dado Dollabela! Esse, inclusive, está se saindo um ótimo ator. E quem é Théo Becker? Bom, ele já foi considerado o Brad Pitt brasileiro... E também foi o participante que levou A Fazenda a ser 22 Revista Dinâmica

assistida com seus ataques bipolares dentro da casa. Como a Record está começando, não tem a malícia de Boninho, tirou Théo Becker do programa, através da tal “votação do público” – que fez campanha de abrangência nacional para Théo ficar. A partir daí, o programa perdeu o sentido que já nem tinha. O que é mais impressionante neste lance de imitar a principal rivalé imitar todo o conceito da colega, até nas falcatruas! Mas de uma forma muito amadora e mais irresponsável (Não, a irresponsabilidade não fica por conta do Britto Jr. apresentando! Isso se chama crueldade com o telespectador

mesmo!). O programa A Fazenda não tem o serviço de pay-per-view, que dá todo o fundamento para esse tipo de atração, ou seja, o público é manipulado, mas sabe que é, pois tem o serviço 24 horas para acompanhar. Isso é “o” bafafá da história. O pior é fazer a linha Silvio Santos e exibir o programa cada dia um horário e em vários horários. Ouvi dizer que é assim que cativam mais ibope, pois ficará sempre no canal. Animais pastando, defecando, comunicam com outros que além de tirarem leite de tetas alheias, até cantam e interpretam na TV. Ah, se Noé sabe disso...


( Imagem e Ação )

GUGU LIBERATO

Silvio Santos, que arranjou problemas com Maísa, a única coi-

PAULINHO VILHENA

FALANDO EM...

Animais, Jogo Duro é o novo programa da Rede Globo. Pauli-

sa que estava dando certo na emissora(!), por estar judiando da pobre robô, modelo “for kids” – recebeu a advertência por parte da Justiça, alegando que o apresentador feria os códigos do ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente – parece que não está bem da cabeça mesmo! O patrão está numa mágoa eterna, pois seu pupilo da Lego, Gugu Liberato, vai se mudar para Record! Mas só em 2010 para não ter multas e constrangimentos. Segundo Gugu, ele quer “sair pela porta da frente”, já que foram 35 anos de SBT. S.S. não quis nem saber do carinho do pintinho amarelinho e fez o quê? Mudou o “Domingo Legal” de horário! Agora, Gugu vai acordar mais cedo aos domingos, ficando de 12h às 16h e o “Programa Silvio Santos” ficará de 17h às 22h30 – antigo horário do D.L. E o troca-troca é contínuo: Eliana e Roberto Justus vão para o SBT e Ana Paula Padrão, feliz da vida, para Record.

nho Vilhena, agora “Paulo”, é ator, ex-affair de Sandy e o apresentador deste programa transmitido após 3 horas de Patrícia “Sandy” Poeta e Zeca “Junior” Camargo e seu domingo com menos vigor e emoção – sei que não é culpa dos profissionais, qualquer ser na situação deles não conseguiria fazer coisa melhor; problemas de direção. J.D. é um programa que também utiliza animais, só que selvagens, além de choques e outras humilhações em provas de “caça ao tesouro”. As pessoas concorrem a prêmios mesquinhos de 10 mil reais a cada edição do programa. Nada causou impacto aos espectadores, o que obrigou a mudarem o formato para uma coisa meio Fazenda, inclusive, mais entrada ao vivo, votação sem contexto e informação das horas.

Revista Dinâmica 23


( MP2 )

Michael Jackson 1958 - 2009 Morre o Rei do Pop e não há substitutos

M

Fernanda Machado e Liana Dantas

ichael Joseph Jackson não imaginaria o quanto iria sofrer e ser famoso. Quando criança, apanhava de seu pai que o insultava com palavras nada amorosas e ainda ao acusava de ser feio. Sua mãe, omissa, não mudava muito a situação. A criança de Indiana que brilhava em frente ao quinteto norte-americano de grande repercussão na década de 70, Jackson 5, não demonstrava o quanto era perturbada, pois cada vez mais sua genialidade nos palcos era demonstrada ao ponto de esquecermos de que aquela criança era uma criança. A vida nos palcos tornou-se a vida real, uma fantasia, um momento de adrenalina de um curto tempo de apresentação. Talvez uma forma de escapar do sofrimento de sua vida. E assim foi a maneira que o Rei do Pop, como seria conhecido mais tarde, encontrou para sobreviver. Sem sua música, o Rei não era Rei. Anos importantes formaram 24 Revista Dinâmica 24 Revista Dinâmica

sua trajetória na música, que o fez ser respeitado em qualquer lugar. Em 1979, com Off the Wall ele mostrou a que veio, ajudado por Quincy Jones, deixando de ser o menininho da Motown e passando a ser um jovem bonito, que canta, dança e consegue chamar atenção do mundo. Até hoje Don’t Stop ‘Till You Get Enough e Rock With You são sinônimos de música boa, com ou sem festa.

Bad ele surpreende mais uma vez em todos os sentidos: música e videoclipe impecáveis, danças incríveis, sucesso mundial e também uma pele mais clara. Clássicos como Bad e a frase “Who’s baaad?” que se tornou um jargão, Beat it, que ganhou até paródia e Smooth Criminal que entrou no filme musical Moonwalker produzido com Michael no papel principal.

Em 1982, Michael Jackson se supera com Thriller. Faz um videoclipe de maior tempo de duração, misturando cinema com videoclipe e assim cada vez mais causa reboliço no muno da música. Já com o nariz mais afinalado, os passos de dança só melhoraram o tornando um marco do cenário pop. A MTV americana é grata até hoje por seus vídeos, que deram projeção a ele e muito mais ao canal. Foi na faixa de Billie Jean que vimos o passo Moonwalk ser eternizado. A partir dali, quem viria pela frente, só estava copiando. Em 1987, com

As histórias pessoais sempre foram um ponto alto na vida de “Jacko” e não iria ficar de fora a questão do vitiligo. Em 1991, com Dangerous e sem Quincy Jones,


( MP2 )

Michael afirma sua condição de artista para todo o sempre. Uma resposta sobre todo o bafafá em cima da mudança da cor de sua pele e os boatos de que o cantor não queria ser mais negro, veio com a canção Black or White, uma das músicas que abriu a década de 1990. Jackson pintou e bordou, fazendo clipes cada vez mais pomposos e até cenas tórridas com a modelo Naomi Campbell. Apesar de tudo que acontecia, sua

voz cheia de nuances e agudos inconfundíveis ainda fazia jus a sua existência. HIStory: Past, Present & Future – Book I álbum duplo lançado em 1995 trouxe o cantor ao Brasil para gravar o They don´t Care About Us mais branco do que nunca e já com seu nariz sem forma. No Rio de Janeiro, gravaram cenas no morro Dona Marta em Botafogo e, na Bahia, cenas nas ladeiras do Pelourinho com o bloco Olodum. Childwood foi tema do filme Free Willy, Earth Song e Scream –um dueto com sua irmão Janet Jackson, fizeram bastante barulho na época, como na sua vida pessoal. Casou-se com a filha de Elvis Presley e respondia processo por abusar de crianças. Jacko, quem diria, pegou três gerações com sua música e que por mais que dissessem sobre sua vida pessoal, sua arte sobressaía. Naturalmente, o lado emocional do cantor sempre foi um problema e ele fez arte até quando pôde. Da década de 2000 para cá, a expressão do rosto já não era mais a mesma. Muitas plásticas, muitos

boatos destruíram aos poucos o brilho e vitalidade de um dos maiores de sua geração, como já foi dito. Continou lutando, em 2001 com o disco Invincible, sem muito sucesso, como era de costume, porém não menos admirado. Prova disso, são as aparições que fez em algumas premiações como VMA, da MTV, e homenagens de vários artistas da época. Cinqüenta anos de vida, merecia uma retomada aos palcos para um produtor, dançarino, redator, cantor, uma figura que ensinou a Madonna e o resto, o caminho das pedras. Queria fazer uma turnê mundial, ver de perto o que ele tinha feito, quem eram essas pessoas que o admiraram esse tempo todo. No dia 29 de agosto faria 51 anos e nos ensaios dos shows, nenhum daqueles dançarinos musculosos conseguia chegar aos movimentos concentrados de pequenos acorde musicais silenciosos O coração de um artista como Michael Jackson devia bater muito mais rápido e decidiu que todos iriam admirar não em um único dia de show, mas para sempre.

Revista Dinâmica 25 Revista Dinâmica 25


( SAÚDE E BELEZA )

Qual é o pente que te penteia? Conheça seu cabelo, identifique seu objetivo na escovação e escolha qual o instrumento que mais combina com você Priscila Leal

V

ocê já parou para pensar no quanto pode ajudar ou, principalmente, prejudicar seus cabelos ao simplesmente penteá-los? Assim como escovar bem os dentes é essencial para um belo sorriso (hábito ao qual poucas pessoas dedicam o devido cuidado), pentear ou escovar corretamente os cabelos auxilia na manutenção dos fios. Certo, o instrumento para desembaraçá-lo não irá conferir nenhum efeito reparador milagroso. No entanto, esse é um dos casos onde a atitude correta não possui grandes resultados, enquanto a 26 Revista Dinâmica

ação incorreta, essa sim, é capaz de destruir o trabalho de anos de cuidados e paciência. Conhece a frase: “Meu cabelo não cresce!”? É um equívoco pensar assim. Todo cabelo cresce. O que acontece é que o fio arrebenta em um determinado comprimento por ter sua textura extremamente enfraquecida. Os fios ficam debilitados por excesso de química e pouco tratamento reparador, muita exposição ao sol, poluição, estresse, má alimentação e também pela maneira com são penteados. Convenhamos que se os cabelos doessem ou ficassem vermelhos quando maltratados, exatamente como acontece com nossa pele,

seria muito mais fácil dar a eles a atenção que merecem. Infelizmente, para as madeixas o alerta de reclamação é o próprio estrago já feito. Então só nos resta prevenir. Conheça seu tipo de cabelo, identifique seu objetivo na escovação (desembaraçar, alisar, conferir volume, fazer penteado e etc.) e mãos à obra! Cabelos lisos pedem escovas de cerdas unidas para conseguir contemplar todos os fios. Cabelos finos se adaptam melhor às escovas de madeira, pois estes possuem maior eletricidade estática (responsável por deixar os fios arrepiados). Os ondulados, cacheados e


( Saúde e Beleza )

crespos não devem ser escovados com frequência. Prefira penteá-los apenas uma vez após o banho com um pente de dentes largos e de material com propriedade antifrizz (que neutraliza a eletricidade dos fios). Cabelos muito crespos podem exigir para o perfeito desembaraço uma escova do tipo “jacaré”, de base grande e cerdas bem espaçadas.

secador, facilitam o alisamento e diminuem o tempo de secagem. As perfurações na base da escova potencializam ainda mais o trabalho, pois funcionam como passagens de ar na escova, permitindo que o calor circule por toda a base do instrumento e atinja a mecha uniformemente. Por fim, para um alisamento máximo escolha as escovas de diâmetro grande.

Os pentes podem ser de plástico, silicone, madeira ou fibras de carbono; o plástico é mais resistente, o silicone oferece maior flexibilidade e a madeira e a fibra de carbono neutralizam a eletricidade dos cabelos, amenizando os fios arrepiados.

Muito cuidado ao optar por aquela escova giratória que promete alisamento instantâneo vendida na televisão! Essa escova é indicada para cabelos lisos, uma vez que diferentes estruturas de cabelos demandam diferentes velocidades de manuseio. Além disso, é preciso muita habilidade para não acabar com os fios embolados no aparelho e ter que finalizar a empreitada com a tesoura!

Para dividir mechas na hora de fazer hidratação, tintura ou alisamento o ideal são os pentes com dentes finos, que colocam todos os fios, sem exceção, no lugar desejado, e cabo comprido, que facilita o manuseio. Se o objetivo é alisar os cabelos, os cabos das escovas são tão importantes quanto seus modelos; para garantir segurança ao pegar a escova e facilitar a escovação, seus cabos devem ser longos e ergonômicos. Materiais condutores de temperatura como o metal e a cerâmica oferecem resultados mais satisfatórios, uma vez que ao absorverem a temperatura do

Se a idéia é ter um visual mais volumoso, use as escovas pequenas e com cerdas espaçadas. Para os penteados como rabo de cavalo, entre outros, que requerem que se pegue uma grande quantidade de fios de uma só vez, o ideal são as quadradas ou as retangulares. Uma boa dica é ter a medida da escova segundo o tamanho do cabelo: quanto mais compridas as mechas, maiores devem ser as escovas. Como se já não fosse muita informação sobre uma simples escova

de cabelo... Resta-nos o recheio do bolo: as cerdas! Estas podem ser sintéticas, de nylon, de madeira ou de pêlos de Javali. O nylon confere flexibilidade e resistência ao calor, enquanto a madeira e o pêlo de Javali possuem propriedades anti-frizz. É comum também encontrarmos bolinhas nas pontas das cerdas (e até mesmo nos dentes dos pentes). Elas não estão ali à toa ou por pura estética; têm a função de amortecer o atrito da escova com o couro cabeludo e com o cabelo, ainda massageando e distribuindo a oleosidade retida no couro cabeludo até as pontas dos fios. Todo cuidado é pouco para os cabelos molhados. A água modifica a elasticidade do cabelo, tornandoo mais suscetível a quebras. E nada de não se importar com os barulhinhos de seus fios se rompendo enquanto você drasticamente passa a escova neles. Depois não os culpe por não crescerem! Para não errar nunca, os especialistas fazem uma analogia muito interessante: Penteie seus cabelos como se estivesse engraxando seus sapatos! Se impuser força demais causará desgastes; engraxar superficialmente será o mesmo que nada; e, principalmente, se você não lustrá-los por completo, não obterá um bom resultado, certo? Revista Dinâmica 27


( COM ÁGUA NA BOCA )

Chocolate, o rei do inverno

Uma desculpa a mais para se deliciar neste inverno Clarissa Leal

O

chocolate é um alimento proveniente das sementes de cacau torradas, possuindo diversos sabores, formatos e texturas. Além de ser altamente calórico, é considerado por muitos um alimento “quente” tendo seu consumo bastante aumentado nas estações mais frias. Mas, por muito tempo, o chocolate esteve presente nas listas negras 28 Revista Dinâmica

das dietas saudáveis, não só por seu valor calórico altíssimo, mas também pelas grandes quantidades de açúcares e gorduras. Estudos recentes com o cacau comprovaram seus benefícios para a saúde: este alimento protege o coração, ajuda a prevenir o diabete tipo 2, reforça as defesas do corpo e ainda auxilia no controle do apetite. Implicando assim, na saída do chocolate amargo (mais rico em cacau) da lista dos vilões e entrada em cena como o mais novo moci-

nho do pedaço. Para os amantes dessa iguaria, nada melhor que a chegada do inverno e dessas descobertas, para se ter uma desculpa a mais para se deliciar. Juntando o saudável ao altamente palatável, duas receitinhas para espantar o friozinho e adoçar seu inverno sem culpa. Bom apetite!


( Com Água na Boca )

Chocolate quente

Ingredientes

Modo de preparo

500mL de leite desnatado

Derreta o chocolate em banho maria. Leve o leite com o cacau ao fogo e deixe levantar fervura. Adicione o chocolate derretido e o rum e misture bem. Sirva polvilhado com canela se desejar.

150g de cacau em pó 150g de chocolate amargo 50mL de rum Canela em pó

Bolo de Chocolate Ingredientes 4 ovos (gemas e claras separadas) 2 xícaras de açúcar 2 xícaras de trigo 3 colheres de sopa de cacau em pó 1 xícara de leite 1 tablete de manteiga (100g) 1 colher de sopa de fermento químico

Modo de preparo Bata as claras em neve bem firme, acrescente as gemas, o cacau e o açúcar, e, em seguida a farinha de trigo previamente peneirada.Leve o leite e a margarina ao fogo até ferver e a manteiga derreter. Junte à massa e acrescente o fermento. Misture bem.Pré-aqueça o forno. Asse em tabuleiro untado e enfarinhado por mais ou menos 30 minutos. Desenforme depois de frio. Recheio: Brigadeiro Especial Derreta o chocolate em banho maria. Adicione ao leite condensado. Bata o ovo num prato e adicione à mistura. Leve ao fogo baixo e cozinhe até soltar do fundo. Cobertura Derreta o chocolate em banho maria. Misture ao doce de leite.

Recheio: Brigadeiro Especial 1 lata de leite condensado 1 barra de chocolate amargo (ou meio amargo) 1 ovo

Cobertura 1 barra de chocolate amargo (ou meio amargo) 400g de doce de leite tradicional Revista Dinâmica 29


Bonsucesso Comunicação: “nós inventamos o pingo no “S”” Ou você acha que só o “i” e o “j” tinham pingo? Então você acha que já sabe tudo? Lógico que não! E nós também! Mas fazemos de tudo para ir além. Tudo com liberdade e criatividade. Então, basicamente temos: 1.

2.

3. O pingo no “S”

Nossa missão Levar sua marca a um novo patamar, através de estudos e utilização de diferentes meios, como a criação de web sites, desenvolvimento de identidade visual, material gráfico e audiovisual, facilitando o processo de comunicação entre empresa e cliente. Além disso, fazer parcerias com empresas que não tenham um setor de criação formado, mas que queiram atrair clientes em potencial e produzir trabalhos na área de design e publicidade. Nossos serviços Trabalhamos com mídia impressa, criação de peças gráficas para revistas, outdoors, comunicação visual e diagramação. Fora do papel trabalhamos com criação de sites dinâmicos, hotsites e conteúdo multimídia. E, finalmente, criamos conteúdo audiovisual, que vai desde peças publicitárias para TV até produção de documentários e vídeos musicais.

...E você achando que a vida era difícil.

+55 21 2425-2843 | contato@bscomunicacao.com.br | www.bscomunicacao.com.br


Revista Dinâmica | Edição 15