Page 1


SUMÁRIO E EXPEDIENTE

4

6

8

TIPOGRAFIA

ILLUSTRAÇÃO

DESIGN EDITORIAL

10 12 14 DESIGN THINKING

FOTOGRAFIA

INFOGRAFIA

16 18

EXPEDIENTE

WEB DESIGN

PORTFÓLIO

Diretor Geral, Revisor, Coordenador: Rangel Sales Projeto Gráfico, Diagramação, Manipulação e Tratamento de imagens: Bruno Pimenta


TIPOGRAFIA

A Evolução da Tipografia Vamos ver como evoluiu a escritura desde os tempos dos babilônios até nossos dias.

A

origem de nossos atuais alfabetos (sistemas de signos abstratos que representam áudios articulados) há que buscá-los na remota antiguidade, no primogênito uso de signos e símbolos para representar elementos naturais e atividades cotidianas.

O primeiro pictograma (desenho representando um objeto ou uma idéia sem que a pronunciação de tal objeto ou idéia seja tida em conta) do qual temos constância se remonta ao ano 3.500 a.C., e é uma ripa em peça encontrada na cidade de Kish (Babilônia). Mais tarde, os sumérios desenvolveram ideogramas (símbolos que representam idéias associadas menos concretas), sistema que foi se desenvolvendo até dar lugar ao sistema cuneiforme sumério de escritura, baseado em sílabas que imitavam a linguagem falada. Um exemplo de escritura deste tipo é a ripa encontrada em Ur, datada entorno de 2900-2600 a. C., que descreve uma entrega de cevada e comida a um templo. A evolução posterior deste sistema silábico deu lugar à escritura cuneiforme (2.800 a.C.), que utiliza o que podemos considerar como o primeiro alfabeto, cujas letras se imprimiam sobre argila usando uma alavanca. Desta época datam uma infinidade de ripas que contém textos econômicos, religiosos, poéticos, e legais, como o famoso código de Hammurabi, um dos documentos jurídicos mais antigos que existem. Sobre o ano 1.500 a.C. se desenvolveram em Egito três alfabetos (hieroglífico, hierático e demótico). Deles, o hieroglífico (misto ideográfico e consonântico), baseado em 24 símbolos consoantes, era o mais antigo. WOs fenícios adotaram este alfabeto egípcio 1.000 anos antes de Cristo, usando para escrever peles e ripas enceradas, e também o transmitiram pelo mundo civilizado, de tal forma que pouco depois foi adotado também pelos hebreus e os arameos, sofrendo com o tempo uma evolução própria em cada uma destas culturas.

4

UAI DESIGN


UAI DESIGN

5


ILUSTRAÇÃO

6

UAI DESIGN


Rafael

Natal “ Amo desenhar, me faz pensar na vida, me conecta com outro mundo! “ ( Rafael Natal )

Experiência Profissional · 2011 | Premissa Comunicação (Campinas - Brasil) · 2010/2011 | Hangar 18 - Freelancer (Vancouver - Canadá) · 2007/2010 | MGB Publicidade (Campinas - Brasil) · 2003/2007 | Shempo Comunicação (Campinas - Brasil) Educação • Diploma - Publicidade O Instituto de Arte de Vancouver - 2010/2011 • Publicidade e Propaganda Pós-graduação Veris / Metrocamp - 2006 Prêmio de Melhor Profissional / Conclusão acadêmica projeto Vejo flores los Voce. Cliente de inicialização Co. • Idiomas: Português e Inglês

UAI DESIGN

7


DESIGN EDITORIAL

O que é

Design Editorial Especializações de design editorial e conceitos deste assunto.

Postado por Elton em 28 de maio de 2011

D

esign editorial é uma especialidade do design gráfico que realiza o projeto gráfico na editoração. O Design editorial está intimamente ligado ao jornalismo. Por este motivo, o designer gráfico (seja o diagramador, o infografista, ilustrador, editor de arte, etc.) está sempre em parceria com o jornalista. Especializações de design editorial Design de livros O design de livros é uma das formas mais antigas de design editorial, considerada uma das áreas definidoras do design gráfico e talvez a base para a estruturação básica de publicações em geral. Design de revista O design de revistas tem sido uma das áreas mais influentes do design gráfico contemporâneo. Um dos principais formadores do design da revista moderna foi Alexey Brodovich e um dos designers

8

UAI DESIGN

mais importantes no processo de desconstrução da revista contemporânea foi David Carson. Design de jornal No design de jornal, a diagramação segue os objetivos e as linhas gráficas e editoriais desse impresso. As principais linhas editoriais para a diagramação incluem a hierarquização das matérias por ordem de importância. Design Editorial e Computação Gráfica Com o advento da computação gráfica, a profissão de design gráfico editorial sofreu uma transformação excepcional. As possibilidades de criação e reprodução tornaram-se muito mais acessíveis e menos custosas. Adobe Illustrator e Corel Draw softwares de tratamento de imagem: Adobe Photoshop, Corel PhotoPaint, Corel Painter softwares de diagramação: Adobe InDesign, Adobe PageMaker, Quarkxpress e o Corel Ventura.


UAI DESIGN

9


DESIGN THINKING

10

UAI DESIGN


Saiba o que é Design Thinking e seus conceitos.

O

termo foi cunhado por Tim Brown, CEO da Ideo, para conseguir expressar a diferença entre ser designer e pensar como designer. Tim fala da migração do design do nível tático e operacional para uma abordagem mais estratégica. Por isso, os CEOs, gestores, administradores, excutivos, gerentes, vendedores e até estagiários deveriam pensar como designers; só assim as empresas conseguirão ser inovadoras no sentido mais radical da palavra. Mas adianto que o termo é também bastante polêmico, uma vez que design thinking não é design no sentido convencional. O design thinking não substitui o trabalho que os designers normalmente fazem: é preciso continuar projetando embalagens, marcas, produtos, sites, peças gráficas e por aí vai, da mesma maneira como os designers sempre fizeram. O design thinking é uma ferramenta de inovação; é uma abordagem predominantemente de gestão, que se vale de técnicas que os designers usam para resolver problemas. A confusão é tão grande, mesmo lá na terra do Tim Brown, que Don Norman já chegou a dizer que design thinking era um termo que deveria morrer para não causar mais estragos. Design Thinking são os conjuntos de métodos e processos para abordar problemas, relacionados à aquisição de informações, análise de conhecimento e propostas de soluções. Como uma abordagem, é considerada a capacidade para combinar empatia em um contexto de um problema, de forma a colocar as pessoas no centro do desenvolvimento de um projeto; criatividade para geração de soluções e razão para analisar e adaptar as soluções para o contexto. Adotado por indivíduos e organizações, principalmente no mundo dos negócios, bem como em engenharia e design contemporâneo, o design thinking tem visto sua influência crescer entre diversas disciplinas na atualidade, como uma forma de abordar e solucionar problemas. Sua principal premissa é que ao entender os métodos e processos que designers usam ao criar soluções, indivíduos e organizações seriam mais capazes de se conectar e revigorar seus processos de criação a fim de elevar o nível de inovação. Assim, ao utilizar métodos e processos utilizados por designers, o design thinking busca diversos conceitos.

UAI DESIGN

11


FOTOGRAFIA

Canon 5D

Mark III

A Canon EOS 5D Mark III é um 22,3 megapixel full-frame CMOS Digital single-lens reflex feita pela Canon . Sucedendo a EOS 5D Mark II , foi anunciado em 2 de março de 2012.

12

UAI DESIGN


22,3 megapixels (5760 × 3840 pixels), em comparação com 21,1 megapixels (5616 × 3744 pixels) DIGIC 5 + processador de imagem, em comparação com DIGIC 4 100-25600 ISO (expansível até H1 (51200), H2 (102400)), em comparação com 100-6400 ISO (expansível até H1 (12800) H2 (25600)) 61 Ponto AF + 41 CrossType AF comparação com 9 pontos AF + 6 pontos de assistência. Sistema de focagem automática do Mark III é herdada dos recém-anunciadas EOS-1D X , e marca a primeira vez desde a EOS-3 SLR filme que Canon colocou seu sistema de autofocus top-of-the-line em um corpo não-série 1 . [ 3 ]

6 frames por segundo disparo contínuo em comparação com 3,9 quadro / s TTL, abertura total, 63 zonas em relação ao TTL, abertura total, 35 zonas. Silenciosos, os modos de vibração de baixa TTL de disparo (único tiro ou 3 quadros / s), em comparação a viver-exibição somente modos de disparo silencioso. 100% do visor , em comparação com 98% de cobertura Aumentar a 3,2 polegadas (81 mm) de LCD com 3:2, em comparação com 3,0 polegadas (76 mm) de 4:3. Por sua vez, isso significa que as imagens estáticas nativas do Mk III preencher completamente a tela, enquanto imagens nativas do Mk II são exibidos com uma borda preta na parte inferior

do LCD. Além disso, enquanto o vídeo HD letterboxed permanece no Mk III LCD, como no Mk II, a proporção de 3:2 permite que mais da tela a ser usada para exibição de vídeo. Fone de ouvido para monitorar o áudio, o anterior ter nenhum. Cartão de slots dual-um CompactFlash (CF), tendo plenamente UDMA apoio, e um SD (incluindo SDHC e cartões SDXC, mas não explora a classe de velocidade UHS-I).

UAI DESIGN

13


INFOGRAFIA

Info

Gráficos Com o aparecimento do Adobe Illustrator em meados de 1995, foi assim um ponto de viragem na Evolução da Infografia.

I

nfografia ou infográficos são gráficos com algumas informações. Em revistas os infográficos são caracterizados pela junção de textos breves com ilustrações explicativas para o leitor entender o conteúdo. Esses gráficos são usados onde a informação precisa ser explicada de forma mais dinâmica, como em mapas, jornalismo e manuais técnicos, educativos ou científicos. É um recurso muitas vezes complexo, podendo se utilizar da combinação de fotografWia, desenho e texto. Eles facilitam a compreensão de matérias em que apenas texto dificultaria o entendimento. No design de jornais, por exemplo, o infográfico costuma ser usado para descrever como aconteceu determinado fato, quais suas conseqüências. Além de explicar, por meio de ilustrações, diagramas e textos, fatos que o texto ou a foto não conseguem detalhar com a mesma eficiência. Também são úteis para cientistas como ferramentas de comunicação visual, sendo aplicados em todos os aspectos da visualização científica.

Porém, a infografia teve sua importância ou visibilidade aumentada na Guerra do Golfo.3 Isso se deu pela escassez de fotografias, o que demandava uma expressão gráfica mais contundente. O advento da interface gráfica a partir da chegada dos Macintosh e Windows 95 catapultou as possibilidades visuais no jornalismo.

14

UAI DESIGN


UAI DESIGN

15


WEB DESIGN

16

UAI DESIGN


O Conceito Descubra um pouco mais sobre Web Design, e veja como este mercado web design pode ser visto como uma está se expandindo extensão da prática do design, onde o foco do projeto é a criação de web sites rapido no Brasil.

O

e documentos disponíveis no ambiente da World Wide Web. O web design tende à multidisciplinaridade, uma vez que a construção de páginas web requer subsídios de diversas áreas técnicas, além do design propriamente dito. Áreas como a arquitetura da informação, programação, usabilidade, acessibilidade entre outros. A preocupação fundamental do web designer é agregar os conceitos de usabilidade planejamento A World Wide Web Consortium (W3C) é o órgão responsável por recomendar padrões de desenvolvimento para a internet. Por meio destes padrões se pode classificar: web sites de acordo com suas características técnicas, indo além do visual e; navegadores, de acordo com sua

da pessoa em destaque interface, garantindo que o usuário final atinja seus objetivos de forma agradável e intuitiva. A tarefa do web designer é a elaboração estética e funcional e a manutenção de um web site. O web designer deve ter a compreensão da aplicação em mídia eletrônica de disciplinas como HTML/ XHTML, CSS, JavaScript/DHTML, Flash etc. e deve ter conhecimento no uso de software de desenvolvimento voltada web. A capacitação leva em torno de 1 a 2 anos para ser concluída. capacidade em atender aos padrões definidos.O grande objetivo de seguir os padrões do W3C é de possibilitar que a informação veiculada pelo site permaneça independente do dispositivo utilizado pelo visitante e que seja acessível.

Estrutura do web design A estrutura, também conhecida como arquitetura de informação, do site deve contemplar seu objetivo, tornando a experiência do usuário a mais confortável e fácil possível, chamamos isso de usabilidade. Deve-se planejar a estrutura de forma que o usuário obtenha facilmente a informação ou serviço desejado. Hoje em dia são inúmeras as formas que um site pode adquirir e a criatividade continua ser o grande diferencial na produção de web.

Web designer A tarefa do web designer é a elaboração estética e funcional e a manutenção de um web site. O web designer deve ter a compreensão da aplicação em mídia eletrônica de disciplinas como HTML/ XHTML, CSS, JavaScript/DHTML, Flash etc. e deve ter conhecimento no uso de software de desenvolvimento voltado para a web. A capacitação leva em torno de 1 a 2 anos para ser concluída.

UAI DESIGN

17


PORTFOLIO

18

UAI DESIGN


Kevin

Kern Utiliza os seguintes softwares: InDesigner/Photoshop/Ilustrator/ C ore l D r aw n / Aut o d e s k May a / AfterEffect/AdobePremiere/ FireWorks/Dreamweaver/Flash CS4

K

evin Kern, tem 28 anos, resida em Belo Horizonte. É formado em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e propaganda. E atualmente está fazendo o curso técnico de Comunicação Visual no SENAI. Tem experiência na área de Comunicação e relacionamento com clientes. Gosta de trabalhar em equipe e gostaria de mostrar suas competências para o crescimento das empresas. Atualmente cursando Ilustração e Produção 3D e Designer Gráfico na Universidade Veiga de Almeida. Trabalho como designer há 2 anos, possuo experência em várias empresas. A última foi a DCD Design e Comunicação, atuando no desenvolvimento de sites, material gráfico e diagramação de álbuns.

UAI DESIGN

19


PRÉ-IMPRESSÃO

Saiba o que é realmente !

P

ré-Impressão é todo o processo envolvido antes da impressão de um produto gráfico, consiste na adequação do arquivo digital para a impressão e na geração de fotolito, através de Imagesetter ou diretamente de matrizes para a impressão. Em outros termos préimpressão refere-se aos vários procedimentos pelos quais quer texto, quer imagens têm de passar para serem reproduzidos via impressão. Cada processo de impressão tem diferentes especificações, usa diferentes materiais e exige diferentes procedimentos de pré-impressão. É o sistema de impressão que determina a forma como se processa a pré-impressão, mas é esta que determina a qualidade final do trabalho. É na fase de pré-impressão que devem ser prevenidos todos os problemas que possam surgir na impressão, de forma a preparar adequadamente os ficheiros e garantir que o resultado final não traga surpresas, nem para o cliente, nem para as pessoas envolvidas na produção. O que é Pré-Impressão? A Pré-Impressão é uma fase importantíssima no processo de produção gráfica e pode ser compreendida como todo o conjunto de procedimentos e cuidados a serem adotados depois de finalizada a arte a ser impressa e antes do processo de impressão propriamente dito, ou seja, a reprodução do grafismo em seu suporte final. Os processos de pré-impressão consistem,

20

UAI DESIGN

então, na preparação de um arquivo finalizado para a obtenção de uma matriz de impressão. Durante muito tempo, quando a tecnologia ainda não apresentava tantas evoluções e o uso do computador ainda não era tão difundido, esses processos eram realizados pelo método que hoje chamamos de convencional ou mecânico. Mas como hoje em dia praticamente todos os trabalhos são finalizados por meio digital, iremos focar nossa abordagem nos processos eletrônicos de pré-impressão. O cuidado na pré-impressão é fundamental. Da mesma forma que uma pré-impressão mal feita pode arruinar uma boa idéia, tranformando um bom arquivo num impresso medíocre ou até defeituoso, uma pré-impressão cuidadosa pode até corrigir eventuais falhas no arquivo original e proporcionar uma impressão de qualidade superior.


PROCESSOS DE IMPRESSÃO

Direto para o filme - Computer-to-Film

A

s empresas de impressão enfrentaram nos últimos anos exigências enormes da parte dos seus clientes, os quais requeriam maior rapidez e flexibilidade nos ciclos de produção, tiragens menores, e ainda um serviço permanente de 24 horas.. Consequentemente, os impressores necessitavam de uma maior automatização na sala de impressão, a fim de aumentarem a agilidade no processo. Neste periodo, surgiram o birôs de serviço, pequenas empresas especializadas em pré-impressão e fotolitagem. Essas empresas investiram em processos de automatização de fluxos de trabalho através da tecnologia Computer-to-Film. Na gravação direta para o filme (fotolito) geralmente feito de acetato, a manipulação dos arquivos, a imposição das páginas e o complexo universo dos clientes que fornecem informações digitais fazem do filme um meio ideal para chegar a qualquer impressora já que se adequa a uma grande variedade de chapas e máquinas. Ao término do processo uma máquina digital de tecnologia laser chamada imagesetter gera os fotolitos de páginas. Além disso, esse processo permite que permaneça nas mãos do impressor a manipulação e a substituição de um fotolito/chapa de impressão se necessário, no momento da impressão. A imposição manual dos filmes já existentes

(geralmente na publicidade) faz do filme a forma mais econômica de realizar esse processo. Essa é uma etapa no caminho para o CTP ou quase um passo obrigatório para as pequenas e médias empresas.

UAI DESIGN

21


PROCESSOS DE IMPRESSÃO O processo se baseia na conversão da informação digital, arquivos contendo textos e imagens em chapas para impressão. O processo ocorre sem a necessidade de geração de fotolitos, e se utiliza da tecnologia a laser para gravação das chapas a partir de uma máquina digital chamada platesetter. Conhecido no mercado como CTP (computerto-plate) ou DTP (direct-to-plate), e tem como conceito e objetivo principal, eliminar o uso de fotolitos, dispensando os processos de montagem manual. Os filmes (fotolitos) antes montados em bases de astralon (página a página, cor a cor) são montados em computadores (PCs ou Macintoshes), a partir de arquivos digitais e com softwares específicos para imposição das páginas. Chapa de impressão de fotopolímero para offset As chapas de polímero possuem base de alumínio com tratamento anodizado. Este tratamento oferece uma melhor aderência da camada de fotopolímero, proporcionando uma maior tiragem e um perfeito equilíbrio entre água e tinta. A emulsão da chapa possui alta sensibilidade ao laser, oferecendo também alta resistência na impressão. Armazenamento: semelhante às chapas do processo convencional, não necessitando de ambiente climatizado; Tiragem: após a exposição e revelação da chapa de polímero é possível obter 200.000 impressões antes de passarem pelo forno. Após o forneamento pode se chegar a 1.000.000 de impressões, o que representa uma tiragem muito maior do que a obtida com o processo convencional; Variações de ponto: a tecnologia de gravação em fotopolímero em conjunto com a alta definição ótica de uma Platesetter, é garantida uma definição de ponto de 175 lpi com uma resolução de 2.540 dpi, permitindo a reprodução de pontos que variam de 2% a 99%.

22

UAI DESIGN


Trabalho Revista  

Diagramação Revista

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you