Page 1

u J s e s e d Vida para as crianรงas

W e ll

erson Santo s


erson Santo l l e s W Prefácio Wagner Gomes da Paixão

u J s e s e d Vida para as crianças

Sementeira de Bençãos Belo Horizonte 2013


© 2013 Sementeira de Bençãos. É proibida a reprodução total ou parcial desta obra, por qualquer meio eletrônico, inclusive por processos xerográficos, sem autorização expressa do Editor.

Capa, diagramação e ilustração: Bruno Lopes Martins Soares Correção Doutrinária: Charles Alexandre Simões Pires Correção Ortográfica: Aidalice Ramalho Murta Contatos: Wellerson Santos E-mail: wellersonespiritismo@gmail.com Belo Horizonte – Minas Gerais Novembro/2013 Toda a renda proveniente da venda deste livro será destinada a Aliança Municipal Espírita do Vale do Jequitinhonha – AME-Vale e para a divulgação do Espiritismo.

Santos, Wellerson Vida de Jesus para as crianças / Wellerson Santos; prefácio de Wagner Gomes da Paixão. Belo Horizonte : Sementeira de Bençãos, 2013. 224 p. 1. Bíblia. 2. Infanto-juvenil. I. Santos, Wellerson. II. Título.

Informação bibliográfica deste livro, conforme a NBR 6023:2002 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT): SANTOS, Wellerson. Vida de Jesus para as crianças. Belo Horizonte: Sementeira de Bençãos, 2013. 224 p.


Sumário

Prefácio: O Evangelho e a Infância Wagner Gomes da Paixão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 Capítulo 1: Maria, a mãe de Jesus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 1 Atividade: Quebra-cabeça . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 4 Capítulo 2: O Anjo Gabriel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 5 Atividade: Liga pontos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 8 Capítulo 3: O nascimento de Jesus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 9 Atividade: Jogo dos sete erros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 2 Capítulo 4: Jesus no Templo de Jerusalém . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 3 Atividade: Encontre o templo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 6 Capítulo 5: A fuga para o Egito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 7 Atividade: Trilha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 0 Capítulo 6: Infância e adolescência de Jesus . . . . . . . . . . . . . . . 3 1 Atividade: Labirinto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 3 Capítulo 7: Visita de Isabel e João . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 5 Atividade: Árvore genealógica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 8 Capítulo 8: Jesus na carpintaria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 9 Atividade: Trabalhando na carpintaria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4 2 Capítulo 9: Batismo de Jesus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4 3 Atividade: Código secreto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4 6 Capítulo 10: Os primeiros seguidores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4 7 Atividade: Vamos ajudar Jesus?. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 0 Capítulo 11: Bodas de Caná . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 1 Atividade: Onde está Jesus? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 4 Capítulo 12: Jesus e Bartolomeu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 5 Atividade: Verdade ou mentira? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 8


Capítulo 13: Jesus e Judas Tadeu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 9 Atividade: História em quadrinhos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 2 Capítulo 14: Jesus e Tiago Menor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 3 Atividade: Hoje eu tive um sonho... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 6 Capítulo 15: Jesus e os Apóstolos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 7 Atividade: Caça-palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 0 Capítulo 16: Cura da sogra de Pedro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 1 Atividade: Minha oração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 4 Capítulo 17: Parábola do Semeador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 5 Atividade: Seja você um semeador... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 8 Capítulo 18: Cura de um paralítico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 9 Atividade: Aprendendo com Jesus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 2 Capítulo 19: Parábola do Samaritano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 3 Atividade: Descubra o personagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 6 Capítulo 20: Cura dos dez leprosos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 7 Atividade: Labirinto. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 0 Capítulo 21: Cura do cego de Jericó . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 1 Atividade: Palavra cruzada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 4 Capítulo 22: Jesus e Zaqueu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 5 Atividade: Vamos calcular? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 8 Capítulo 23: Parábola dos Talentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 9 Atividade: Quais são os seus talentos? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 0 2 Capítulo 24: Cura da mulher encurvada . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 0 3 Atividade: Caça-palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 0 6 Capítulo 25: Parábola da Ovelha Perdida . . . . . . . . . . . . . . . . 1 0 7 Atividade: LabirinTo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 1 0 Capítulo 26: Cura da mão mirrada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 1 1 Atividade: Fazer o bem sempre... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 1 4


Capítulo 27: Cesareia de Filipe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 1 5 Atividade: Jogo dos sete erros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 1 8 Capítulo 28: As Bem-Aventuranças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 1 9 Atividade: Enumere as colunas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 2 2 Capítulo 29: Jesus e Nicodemos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 2 3 Atividade: Código secreto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 2 6 Capítulo 30: Cura do servo do centurião . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 2 7 Atividade: Liga pontos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 3 0 Capítulo 31: Jesus e Joana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 3 1 Atividade: Elo quebrado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 3 4 Capítulo 32: Deixai vir a mim as criancinhas . . . . . . . . . . . . . 1 3 5 Atividade: Quebra-cabeça . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 3 8 Capítulo 33: Marta e Maria. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 3 9 Atividade: Caça-palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 4 2 Capítulo 34: Jesus e a Mulher Samaritana . . . . . . . . . . . . . . . 1 4 3 Atividade: Descubra o caminho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 4 6 Capítulo 35: Jesus e Madalena . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 4 7 Atividade: Qual é a cena? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 5 0 Capítulo 36: A pesca de Simão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 5 1 Atividade: Calculando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 5 4 Capítulo 37: O encontro no Monte Tabor. . . . . . . . . . . . . . . . . 1 5 5 Atividade: Identifique os personagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 5 8 Capítulo 38: O Jovem Rico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 5 9 Atividade: O que você pode comprar? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 6 2 Capítulo 39: A Mulher Adúltera . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 6 3 Atividade: Qual é a sombra? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 6 6 Capítulo 40: Pai Nosso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 6 7 Atividade: Complete a frase. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 7 0


Capítulo 41: A verdadeira caridade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 7 1 Atividade: Onde estão as moedas?. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 7 4 Capítulo 42: A Última Ceia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 7 5 Atividade: Encontre os pães. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 7 8 Capítulo 43: O Monte das Oliveiras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 7 9 Atividade: Palavra cruzada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 8 2 Capítulo 44: Traição de Judas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 8 3 Atividade: Marque com um X . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 8 6 Capítulo 45: Negação de Simão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 8 7 Atividade: Caça-palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 9 0 Capítulo 46: Jesus e Pôncio Pilatos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 9 1 Atividade: Quebra-cabeça . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 9 4 Capítulo 47: Jesus carrega a sua cruz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 9 5 Atividade: Diagrama . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 9 8 Capítulo 48: Crucificação de Jesus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 9 9 Atividade: Identifique os personagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 0 2 Capítulo 49: Ressurreição de Jesus. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 0 3 Atividade: Diagrama . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 0 6 Capítulo 50: A dúvida de Tomé . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 0 7 Atividade: Vamos pesquisar? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 1 0 Capítulo 51: Encontro com Simão Pedro . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 1 1 Atividade: Descubra a frase . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 1 4 Capítulo 52: Jesus e Maria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 1 5 Atividade: Vamos colorir? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 1 8

O autor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 1 9 Respostas das atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 2 1


lho e a Infânci e g n a v a OE A infância faz-nos lembrar a beleza e a suavidade da primavera, após os muitos dias de frio, em que as folhas das árvores caem e o tempo fica empoeirado e seco... Toda criança é uma promessa de Deus, anunciando a renovação da vida e, por isso, falar da história de Jesus para quem inicia seu aprendizado neste Mundo é mais que um dever: é um direito de todos os corações que ressurgem para as experiências humanas. Este livro, escrito por Wellerson, lembra-nos um pai carinhoso ou um professor dedicado contando as tradições que marcaram a chegada do Mestre entre nós, entre cânticos e visões celestiais!... É uma obra que resgata a poesia da candidez, da simplicidade, do respeito ao sagrado, pela ótica lúcida e consistente do Espiritismo. Num tempo em que a tecnologia absorve de modo tão intenso a atenção e o interesse da meninada, falar dos acontecimentos que dividiram as eras e que ofereceram a toda a Humanidade o Amor Perfeito, nascido de


Maria, o Lírio Celestial, para consolar as pessoas e ensinar o caminho certo para Deus, significa ajudar aqueles que recomeçam a lide humana a sintonizarem com o Senhor e Mestre de todos nós: Jesus, o Amigo, o Irmão Maior, o Amor mais puro e mais santo que conhecemos. Que todas as crianças leiam, imaginem, sintam a presença do Bom Jesus! E que Deus abençoe a todos! Wagner Gomes da Paixão Agosto/2013


, a m達e de Jesus a i r a M


C

1

Mari apítulo Jesus a, a mãe de Maria nasceu em uma pequenina cidade chamada Nazaré. O pai de Maria chamava-se Joaquim e a mãe chamava-se Ana. Desde o dia do nascimento de Maria, todos aqueles que moravam na cidade de Nazaré estavam em festa. Era costume das pessoas irem visitar a família que recebia um nenê, fosse filho ou filha, levando presentes. Joaquim e Ana encontravam-se muito felizes. O tempo passou e Maria foi crescendo. Ela crescia em tamanho e descobria as qualidades e as virtudes dentro de seu coração. Na cidade de Nazaré, não havia escola. As crianças e os jovens eram levados ao templo religioso para aprenderem a ler e a escrever. Os pais tinham de pagar pelo estudo dos filhos. Por falta de recursos financeiros dos pais, muitas crianças não conseguiam estudar. Quando Maria completou sete anos de idade, ela foi convidada a estudar no Templo de Jerusalém, o templo mais importante para o povo judeu naquela época. Ao ser levada por um sacerdote ao templo para estudar, Maria tornou-se amiga das outras meninas mais velhas do que ela. Maria era a mais nova de todas, mas já demonstrava ser possuidora de uma grande inteligência e um bom coração. Ali, no templo, Maria aprendia a trabalhar com as mãos, a ser uma boa filha, a ser uma mulher de bem, uma boa esposa e uma boa mãe.

12


Naquele período, enquanto ela esteve estudando no templo, Joaquim, o pai de Maria, faleceu e aquela que seria a mãe de Jesus somente retornou para a sua casa em Nazaré, quando completou dezessete anos de idade. Os sacerdotes do Templo de Jerusalém resolveram que era o momento de Maria se casar e decidiram também quem seria o noivo. Naquele tempo, as jovens não tinham o direito de escolher os seus maridos, eram os pais ou os sacerdotes que decidiam por elas. O noivo escolhido para Maria foi José Ben Jacob, que era frequentador daquele templo em Jerusalém. Ele era um homem muito religioso e cumpria os seus deveres sociais. Era também carpinteiro, ou seja, trabalhava fazendo móveis e outros objetos de madeira. Certa tarde, Maria estava em sua casinha com a sua mãe Ana, quando José chegou para conhecê-la. Maria era linda, a pele bem branquinha, o cabelo castanho ondulado, os olhos azuis da cor do céu. Quando José viu Maria, pensou que nunca poderia se casar com aquela jovem porque ela era muito bonita e possuía muitas virtudes. Entretanto, a data do casamento foi marcada e eles se casaram. Logo após o casamento, José mudou-se para Nazaré. Ele abriu uma carpintaria e, com o seu trabalho honesto, trazia o sustento para ele e para sua esposa. José e Maria eram muito felizes.

13


A

de a d i tiv

QUEBRA-CABEÇA Vamos montar o quebra-cabeça? Para montar, basta colocar o número correspondente nos parênteses da peça que completa o desenho.

5

2 4 3

1 (

14

)

(

)

(

)

(

)

(

)


O Anjo Gabriel


Capítulo 2

O Anjo Gabriel Maria era uma jovem encantadora. Alegrava a todos com a sua maneira de viver a vida. Sempre foi uma boa filha, uma mulher de virtudes e, agora, era uma boa esposa. Ela cuidava da casa e do marido com muito carinho. Todas as manhãs, quando o Sol se levantava por detrás dos montes da cidade de Nazaré, Maria orava a Deus. Durante o dia, muitas vezes, ela agradecia ao Pai dos Céus pela vida. E à noite, antes de dormir, repetia aquele momento de conversas com Deus por meio da oração, falando o que vinha do seu coração. Em uma dessas manhãs, enquanto Maria orava, um Anjo apareceu a ela. Era um Espírito de nome Gabriel, que vinha à Terra para trazer boas notícias para aquela jovem. As notícias eram enviadas pelo Nosso Pai. Gabriel surgiu na frente de Maria, cheio de luz, e logo disse: – Ave Maria, Salve Maria! Deus está juntinho do seu coração. Ela ficou sem entender o que aquele Espírito queria lhe dizer. E ele continuou: – Você é bendita entre as mulheres porque da sua barriga nascerá um menino. Logo quando o seu filho nascer, você deverá chamá-lo com o nome de Jesus. Ele será o Espírito mais evoluído que já viveu na Terra e ajudará a todos com o seu amor e os seus ensinamentos. Maria estava muito emocionada e o Espírito continuou: – Há seis meses, eu apareci a Zacarias, o marido de sua prima Isabel. Todos diziam que ela não podia ter

16


filho, não é verdade? Mas Isabel está grávida, porque essa é a vontade de Deus. Com o coração muito feliz, Maria apenas disse: – Estou aqui e sou a serva do Nosso Pai. Que seja cumprida em mim a vontade de Deus e não a minha vontade. E, naquele instante, da mesma forma pela qual o Anjo Gabriel apareceu, ele desapareceu aos olhos da jovem Maria. Passado algum tempo, Maria ficou grávida e, quando isso aconteceu, ela decidiu visitar a sua prima Isabel. Isabel já estava com a barriga bem grande, porque se encontrava no sexto mês de gestação. Isabel morava em uma pequenina cidade. Ela ficou muito feliz com a visita de sua prima Maria. Quando Maria chegou à casa da sua prima, a barriga de Isabel tremeu e com lágrimas nos olhos as duas se abraçaram, naqueles momentos de muita alegria. Isabel disse a Maria: – Você é bendita porque bendito e iluminado é o filho que se desenvolve na sua barriga. Maria ficou com a prima durante três meses. Maria retornou para a cidade de Nazaré, antes que o filho de Isabel nascesse. Isabel deu à luz a um filho e colocou o nome de João. Seu filho ficou conhecido com o nome de João Batista. João nasceu antes de Jesus para anunciar a chegada do Messias. João convidava as pessoas a abrirem o coração, para que o Mestre pudesse trazer os seus ensinamentos de amor a todas as pessoas.

17


A

de a d i tiv

LIGA PONTOS Ligue os pontos e descubra um lindo desenho para vocĂŞ colorir.

93

91

90

92 4

89 3

5

2

6

94

1

7 95

88

8

86

9 10 11

15

14 59

84 65

13

19

85

64

12

16 17 18

87

63

62

61

82 81

66

69 68

80

67 78

79

60

20

58 57 21 22

71

70

56

83

77

55 54

72 76 24

23

75

53 52

73

51 27

25

29

26

49

31 33

28 30

18

35

32

50

47 45 37

34

43 39 41 36

38

48

46 44

40

42

74


n t o de Jesus e m i c s a n O


Cap

lo 3

ítu O n a sc s imento de Jesu

Quando a gravidez de Maria estava quase chegando ao fim e faltavam poucas semanas para o bebê nascer, o Imperador César Augusto resolveu realizar um recenseamento. O Imperador decidiu que todas as pessoas deveriam ir até a cidade onde nasceram, para que fossem contadas. José havia nascido na cidade de Belém de Judá. Ele precisou sair de Nazaré e viajar pelo deserto durante muitos dias. Maria acompanhou José. Ela atravessou o deserto e passou por muitas dificuldades, com Jesus na barriga. Maria andou longa distância em cima de um jumento, até chegar à cidade de Belém. Quando o casal chegou à pequena cidade, não havia mais lugar em nenhuma casa, para que Jesus pudesse nascer. Todas as hospedarias, que eram os hotéis daquela época, estavam lotadas. Nenhuma família quis abrir as portas de sua casa para receber os pais de Jesus. Um homem muito bondoso entendeu a necessidade daquela família. Ele ofereceu ao casal de viajantes um local onde eles pudessem passar a noite. Era uma estrebaria, um local onde os animais domésticos ficavam protegidos, durante a noite. Maria e José não tinham escolha e decidiram aceitar a proposta daquele homem bondoso. E, naquela noite estrelada, Jesus nasceu, ao lado de ovelhas, carneiros e um jumento. No momento do nascimento de Jesus, em Belém, uma estrela começou a brilhar intensamente

20


sobre o pequeno curral. Os Espíritos Bondosos cantavam glórias: – Glória a Deus nas alturas e paz na Terra aos homens de boa vontade! Bem próximo dali, havia alguns pastores que vieram visitar o menino que acabara de nascer. Mais tarde, chegaram, de terras muito distantes, três magos, que vieram visitar Jesus e trazer-Lhe presentes: ouro, incenso e mirra. Eles se chamavam Baltazar, Melquior e Gaspar. Aqueles três homens vieram dar as boas vindas a Jesus. Naquele momento, eles representavam todos os seres da Humanidade. Cada um dos magos era de uma raça diferente. O primeiro mago era oriental. O segundo mago tinha a pele branca e o terceiro mago tinha a pele negra. Melquior entregou a Jesus um pequeno punhado de ouro que representava as riquezas da Terra. Gaspar trouxe para Jesus incenso. O incenso significava a pureza de Jesus. Era uma substância usada para perfumar o ar dos templos de oração. Baltazar colocou a mirra nos pés de Jesus. A mirra representava a humanidade de Jesus. Era um óleo utilizado pelos grandes reis para perfumar o corpo. Naquela noite, em Belém, enquanto as estrelas brilhavam lá no Céu, uma estrela maior brilhou aqui na Terra: era Jesus que chegava ao Mundo, para iniciar a sua missão de trazer a todos os homens o seu Evangelho de Amor e de Luz.

21


A

de a d i tiv

JOGO DOS SETE ERROS Este é um jogo diferente! Você deverá marcar com um (X) no desenho abaixo os sete erros. Na figura você encontrará muitas coisas que Jesus não teve, quando nasceu.

22

Conseguiu encontrar os setes erros? Agora vamos colorir?


l o d p e JerusalĂŠ m e T o n s u m Jes


Jesu

Capítulo 4 lém s n o Te a s u r m plo d e Je

Na época de Jesus, o povo judeu possuía vários rituais. Eles seguiam exatamente como escreveram os grandes profetas de Israel. Adoravam a Moisés e seguiam os seus ensinamentos. Jesus pertencia a uma família de judeus e sua família seguia as leis daquele povo. Havia uma lei que dizia que todo menino, antes de completar oito dias de nascido, deveria ser levado até a Sinagoga, especialmente no Templo de Jerusalém, para que a criança fosse apresentada à comunidade. Cada religião possui o seu templo religioso. Os católicos vão à Igreja, os protestantes vão ao Templo de Oração, os judeus vão a Sinagoga e os espíritas vão à Casa Espírita. O templo religioso é um local de oração. No templo, reúnem-se os praticantes de uma determinada religião. Ali, os ensinamentos divinos são estudados e as pessoas oram em favor de todos e aprendem a praticar o bem. Após Maria recuperar-se do parto e José ter se apresentado em Belém, para a contagem dos homens de sua cidade, os três seguiram viagem. Foi em uma bela manhã de Sol que José e Maria saíram de Belém e foram para Jerusalém. Eles levaram a pequenina criança chamada Jesus. Como não havia carros nem aviões naquele tempo, a família de Jesus viajou montada em um jumento, já que José não possuía um cavalo que poderia levá-los com maior velocidade. Eles viajaram durante alguns dias, até que chegaram a Jerusalém, a Cidade Prometida. O Templo de Jerusalém era muito bonito. Muitas pessoas sempre se reuniam ali e a multidão estava constantemente presente, dentro e fora dele. Maria trazia nos seus braços a criança. Ao entregá-la para Simeão, aquele homem se sentiu muito feliz. Ele não sabia explicar o que era.

24


Simeão era um homem digno, bom, honesto, que aguardava com muita vontade a chegada do Messias. Aliás, todo o povo judeu esperava a chegada desse homem, que ninguém sabia de onde vinha ou para onde ia. Simeão tinha a certeza de que, um dia, ele iria segurar nos braços o menino que seria o Grande Libertador. Aquele velhinho segurou com as suas mãos o bebê e começou a chorar porque ele sentiu que o pequenino era especial, que Ele era o homem esperado por todos, que Ele era o Messias. Os Benfeitores Espirituais contam que Simeão possuía uma ferida em suas costas. Ele já havia procurado os médicos, aplicado alguns banhos com plantas medicinais, sem que coisa alguma curasse a ferida. Mas, ao pegar aquele menino no colo, Simeão sentiu que a ferida estava cicatrizada. Ao entregar Jesus de volta aos braços da mãe Maria, com lágrimas nos olhos, Simeão apenas lhe disse: – Maria, esta criança te trará muitas felicidades, mas quando Ele crescer, você sofrerá por causa do seu filho. Uma espada vai cortar o seu coração de mãe. Maria olhou para Simeão, sorriu, agradeceu, mas ela não podia entender o que aquele homem queria lhe dizer com aquela frase: “... uma espada vai cortar o seu coração de mãe”. Depois disso, Maria seguiu com José e Jesus para uma hospedaria, a fim de descansarem, já que haviam viajado muito, desde Belém até Jerusalém. O objetivo deles era retornar o mais rápido possível para Nazaré, a cidade onde moravam, para verem o filho crescer e, assim, formarem uma família muito feliz.

25


A

de a d i tiv

ENCONTRE O TEMPLO ATENÇÃO! Aprendemos na história “Jesus no Templo de Jerusalém” que cada religião possui o seu templo religioso. Vamos ajudar os frequentadores de cada religião encontrar o seu respectivo templo de oração? Para isso, é só enumerar a segunda coluna de acordo com a primeira. Centro Espírita

Centro Espírita

1 Centro Espírita

2

Igreja Evangélica

3

Igreja Evangélica

Igreja Evangélica

Igreja Evangélica

Centro Espírita

Igreja Evangélica

26

4

Centro Espírita Igreja Evangélica


a r a p o Egito a g u f A


Capítulo 5

A fuga

para o Egito

Os três reis magos, Baltazar, Melquior e Gaspar,

estiveram em Jerusalém, antes de visitar Jesus na cidade de Belém de Judá.

Quando o Rei Herodes soube que aqueles três homens

se encontravam na cidade, mandou chamá-los no palácio. Ele queria saber o que eles estavam fazendo em Jerusalém.

Sem ter nenhuma maldade no coração, os reis

magos disseram que estavam visitando Israel porque uma estrela anunciava que, em Belém de Judá, havia nascido o grande Rei dos Judeus.

Herodes, fingindo que queria levar presentes ao

Menino Jesus, perguntou aos reis onde estava aquela criança tão importante. Ele mentia que tinha vontade de visitar o recém-nascido e de levar presentes.

Os magos disseram que, tão logo encontrassem a

criança, voltariam para avisar a Herodes.

Logo após visitarem Jesus, Melquior, Gaspar e

Baltazar tiveram a ideia clara de que não deveriam

voltar a Jerusalém, porque Herodes não estava com

boas intenções em relação ao Menino Jesus. E, da cidade de Belém, eles foram embora.

Depois de algumas semanas, Herodes percebeu

que os três reis magos não voltariam. Sentindo muito

ódio e com vontade de se vingar pelo que havia

28


acontecido, ele mandou matar todas as criancinhas

com menos de dois anos de idade que morassem em seu reino. Com isso, ele esperava atingir o objetivo de matar Jesus.

Certa noite, em um sonho, o Espírito Gabriel

apareceu para José e contou-lhe que a família deveria fugir para regiões distantes. E assim aconteceu...

José, Maria e Jesus foram para o Egito, onde

passaram por diversas dificuldades. Eles eram judeus,

por isso não eram muito bem-vindos ao Egito. Eles tiveram sede, passaram fome e frio e poucos foram aqueles que ajudaram a família.

Os três enfrentaram, unidos, as barreiras sem

desanimar. Eles perseveraram até o fim.

Passado algum tempo, o Espírito Gabriel apareceu

a José, em sonho, novamente, e informou que eles poderiam voltar para Nazaré. O Rei Herodes havia falecido e não havia mais perigo.

Quando a primavera chegou, a família retornou a

Nazaré. Eles foram morar na casa de Joaquim e Ana, aqueles que eram os pais de Maria.

Naquela época, dona Ana já havia falecido e José,

Maria e Jesus permaneceram naquela casa como uma família muito feliz.

29


A

de a d i tiv

TRILHA Vamos levar José, Maria e Jesus até o Egito? Eles saíram de Belém e irão até o Egito... Ajude-os a chegar ao seu destino.

30


escência de Je l o d a e a i c n sus Infâ


Infâ ncia

Capítulo 6

e adolescên

esus J e ci a d

José, Maria e Jesus viviam muito felizes na cidade de Nazaré. José trabalhava na carpintaria, enquanto Maria cuidava dos afazeres domésticos. Jesus tinha uma infância normal como a de todas as outras crianças de sua idade. Aprendeu a falar, a andar, a ler e a escrever. Afinal de contas, Ele veio ao Mundo para viver na Terra e ser o grande exemplo para todos. Muitas vezes, Jesus acompanhava sua mãe e ia ao centro da cidade, buscar água na fonte, para utilizar em casa. Outras vezes, Jesus apanhava a lenha para colocar no fogão. Ele fazia companhia ao seu pai, na carpintaria, e ficava aprendendo com José a profissão de carpinteiro. Ele trabalhava com a madeira. Quando Jesus completou doze anos de idade, a família foi para a cidade de Jerusalém, onde era comemorada a Páscoa. A Páscoa era uma festa que os judeus faziam para comemorar a libertação do seu povo da escravidão no Egito. Muitos e muitos anos antes do nascimento de Jesus, o povo judeu foi libertado por Moisés. Nos dias atuais, a Páscoa ainda é comemorada pelos judeus, por essa razão e também por muitos cristãos. Na Páscoa, os cristãos comemoram o dia em que Jesus voltou para conviver com os Apóstolos, após desencarnar na cruz. É o dia em que Jesus demonstrou que a morte não existe, voltando, em Espírito, para conviver com os seus seguidores. Quando Maria, José e Jesus chegaram a Jerusalém, a cidade estava muito cheia. Todo o povo judeu devia se reunir na Cidade Prometida, para as festas da Páscoa. Nas grandes praças, barraquinhas foram montadas, para que os mercadores vendessem os seus produtos. Eles vendiam objetos para casa, roupas, alimentos e até trocavam moedas. Tudo o que pudesse ser vendido, os comerciantes expunham nas tendas.

32


A festa durava alguns dias. As pessoas visitavam as sinagogas, os templos, para fazerem orações. Eles se reuniam para relembrarem a caminhada feita pelo povo judeu, desde o Egito até encontrar as terras sagradas. Foi uma longa viagem, que durou quarenta anos. Depois de participar das comemorações da Páscoa, a família de Jesus decidiu voltar para a cidade de Nazaré. Eles estavam na estrada poeirenta, junto de outras pessoas, a caminho de Nazaré. Já havia se passado um dia de viagem, quando, de repente, Maria percebeu que Jesus, o seu filho de doze anos, não estava junto com eles. Maria chamou e procurou Jesus entre o povo que viajava e, como não O encontrou, muito preocupada, decidiu voltar à cidade de Jerusalém, com José, para procurar o seu filho. Quando eles chegaram ao centro da cidade de Jerusalém, procuraram por Jesus e não O encontraram. Três dias depois, eles decidiram ir ao templo erguido pelo Rei Salomão, para ver se Jesus ali se encontrava. Os pais de Jesus encontraram o seu filho, de doze anos, ensinando aos sacerdotes que dirigiam o templo. Jesus estava no meio da roda e, em volta d’Ele, aqueles que eram considerados os professores da lei de Moisés. O Nazareno falava sobre um reino que não era deste mundo. Maria tinha os olhos cheios de lágrimas. Ela e seu marido ficaram escutando o filho amado ensinando àqueles homens. Ela entendeu que Jesus era diferente de todos os outros meninos da sua idade. Ele falava de um modo diferente. Ele mexia com os sentimentos de todos que se encontravam com Ele. Logo após ensinar que o seu reino não era deste mundo, Jesus, como um filho obediente, acompanhou os seus pais e, juntos, retornaram para Nazaré. Maria estava muito feliz com todos aqueles acontecimentos.

33


A

de a d i tiv

LABIRINTO A família de Nazaré foi para a Páscoa em Jerusalém e, quando retornava para casa, Maria viu que Jesus não estava junto com eles. Vamos ajudar Maria e José encontrar Jesus?

34


a s bel e Jo達o I e d a t i s i V


Visita

Capítulo 7

o de Isabel e Joã

Passadas algumas semanas que Maria, José e Jesus comemoraram a Páscoa e retornaram para Nazaré, a família ficou muito feliz porque ia receber visitas. Um viajante trouxe a notícia de que Isabel e seu filho João viriam visitar o primo Jesus em Nazaré, pois estavam com muitas saudades. Depois de longa viagem, Isabel e João chegaram à cidade de Nazaré, em uma tardezinha muito bela. Maria e Jesus receberam os dois visitantes com muita alegria, enquanto José trabalhava na carpintaria. Não demorou muito tempo para que os dois jovens pudessem se juntar e logo, logo saíram da pequena casa onde Jesus morava e foram brincar pelos arredores. Na sala, as duas mães conversaram sobre os seus filhos. – João é muito especial – dizia Isabel – Muitas vezes, eu o encontrei assentado debaixo de um pé de tamareira do quintal da minha casa. Ele fazia orações. Outras vezes, eu escutei João falando sozinho ou cantando alguma bela melodia. Meu filho é diferente dos outros meninos da sua idade. Maria escutou e, muito feliz, disse: – Eu sei da sua alegria, porque Jesus também é um menino diferente das outras crianças. Muitas vezes, Ele fica do lado de fora da casa em silêncio. Quando vou ver o que Ele está fazendo, encontro Jesus em oração, falando com Deus. Ele recita os salmos de Davi. Outras vezes, auxilia os viajantes com palavras de amizade e de bom ânimo. Há algumas semanas, chegamos de Jerusalém e você não sabe o que aconteceu lá? Diante da curiosidade de Isabel, Maria continuou a contar: – Quando eu e José voltávamos da cidade junto de outros amigos daqui da aldeia, percebi que Jesus não estava conosco. Fiquei desesperada, sem saber onde Ele estava. Voltei com José a Jerusalém. Quando lá chegamos, o meu filho estava no Templo erguido pelo Rei Salomão, ensinando aos adultos. Você pode acreditar nisso?

36


Isabel sorriu, abraçou a prima. E a conversa demorou muito tempo, sem que elas vissem a noite chegar. José chegou do trabalho e entrou na casa. Ao entrar, perguntou logo por Jesus e por João. As duas mães perceberam que tinha passado muito tempo. Elas nem sabiam onde os dois meninos estavam. Maria e Isabel começaram a procurar Jesus e João, por aqui e por ali. Elas perguntaram para alguns vizinhos se sabiam onde estavam os dois meninos. Até que uma senhora muito bondosa mostrou à Maria a direção em que eles estavam. Maria e Isabel seguiram a dica da senhora e encontraram os meninos. Jesus estava em pé ao lado de João que estava assentado em uma pedra, no alto de um monte. Os dois conversavam. Jesus apontava lá para baixo, mostrando uma bonita região de Israel, a qual estava diante dos dois e João entendia o que Jesus dizia. Elas se aproximaram em silêncio, mas não escutaram o que os dois conversavam. Todos voltaram para casa. Maria preparou um jantar muito simples, mas saboroso. No dia seguinte, pela manhã, João despediu-se de Maria e Jesus. Isabel abraçou Jesus e disse: – Meu filho, você não quer ir conosco ficar alguns dias em nossa casa? E Jesus, olhando para ela, disse: – É necessário que João vá primeiro, para que depois eu vá! João regressou para a sua aldeia, ao lado de sua mãe Isabel. Jesus permaneceu com seus pais na cidade de Nazaré. Ao responder para Isabel, Jesus queria dizer que João, o seu primo, espalharia a notícia de que o Messias vinha à Terra para auxiliar a todos. Somente depois disso é que Jesus iria realizar o trabalho de trazer ao Mundo os ensinamentos de amor e de alegria.

37


A

de a d i tiv

ÁRVORE GENEALÓGICA Querido amiguinho, você sabe o que significa Árvore Genealógica? Pergunte para o papai, para a mamãe ou algum adulto... Caso eles não saibam, consulte o Dicionário da Língua Portuguesa. Agora, vamos conhecer os seus ancestrais? Seu nome: _____________________________________________ Nome do pai: ____________________________________________________ Nome da mãe: ________________________________________________________ Nome dos irmãos: ____________________________________________________ Nome dos avós paternos:_____________________________________________ Nome dos avós maternos:____________________________________________ Nome dos tios paternos: _____________________________________________ Nome dos tios maternos: ____________________________________________ Nome dos primos paternos: ________________________________________ ___________________________________________________________________________ Nome dos primos maternos: _______________________________________ ___________________________________________________________________________

38


a r p c intaria a n s u s e J


Jesus

Capítulo 8

na carpintaria

Os homens que escreveram o Evangelho não contaram como foi a vida de Jesus, no período em que Ele tinha de doze a trinta anos de idade. Nesse período, Ele foi um bom jovem que trabalhou na carpintaria, junto de seu pai e outros trabalhadores, ajudando a trazer os recursos para sua família. Jesus aprendeu o ofício de carpinteiro com seu pai. Desde muito novo, ele ia à carpintaria e via José trabalhando para limpar a madeira, cortá-la e fabricar os móveis. O carpinteiro usava o martelo, o serrote, os pregos e o formão para trabalhar. Ele fabricava não só móveis, mas tudo que pudesse ser feito de madeira. A carpintaria era um lugar agradável. Não era um local muito grande. Os homens que ali trabalhavam tinham respeito uns pelos outros. Eles tentavam sempre atender bem os homens que vinham de toda a região para encomendar os trabalhos de madeira. A carpintaria de José era bem conhecida. Todos ficavam satisfeitos com o trabalho realizado por aqueles homens. Era por meio desse trabalho honesto que a família de Jesus de Nazaré sobrevivia. Após alguns anos, segundo está escrito no Evangelho, Maria teve outros filhos: Tiago, José, Simão, Judas e algumas filhas. José trabalhava muito para trazer o sustento para toda a família e Jesus auxiliava o pai, pois era o irmão mais velho. Um pouco mais tarde, José voltou ao Plano Espiritual por causa da idade e de doenças. Jesus passou

40


a ser o homem mais velho da família. Para o povo judeu, se o pai morresse, era o filho mais velho quem teria que ajudar toda a família. Jesus cuidava de Maria e dos seus irmãos que eram bem mais novos do que Ele. E assim aconteceu. Jesus trabalhava pela manhã e pela tarde. Ele trazia os recursos para todos de sua família, com uso do seu trabalho digno e sua honestidade, trazendo alimento e tudo o mais para todos da sua casa. Muitas vezes, Jesus convidava os seus companheiros na carpintaria para cantar algumas canções, enquanto trabalhavam. Eles estudavam os ensinamentos deixados pelos grandes profetas. Todos eram tratados com muito respeito e Jesus era muito querido. As leis de Moisés ensinavam que o sábado era o dia de descanso e no domingo todos trabalhavam. Certo domingo, bem cedinho, Jesus estava trabalhando e, de repente, Ele se levantou e disse: – É chegada a minha hora, a minha hora chegou! Ele estava com trinta anos de idade. Jesus saiu da carpintaria, foi até a sua casa, beijou a testa de sua mãe e seguiu viagem: – Minha mãe, estou indo para a região de Pela, onde passa o Rio Jordão. Eu vou me encontrar com o meu primo João Batista, que batiza a todos que o procuram. Naquele momento, Maria abençoou o seu filho e entendeu que estava na hora de Jesus começar a ensinar, a curar e a cumprir a sua missão. Naquele domingo, Jesus partiu.

41


A

de a d i tiv

TRABALHANDO NA CARPINTARIA Jesus estĂĄ trabalhando na carpintaria e precisa da sua ajuda... Circule os instrumentos que Ele precisava usar para trabalhar com a madeira, naquela ĂŠpoca, e fabricar os objetos para serem vendidos.

42


Batismo de Jesus


Capítulo 9

Batismo de Jesus

44

João era filho de Zacarias e Isabel. Ele foi o homem escolhido para que pudesse anunciar a chegada do Messias à Terra. João convidava a todos às margens do Rio Jordão, para que reconhecessem seus erros e se batizassem. Ele dizia: – Eu mergulho vocês na água, para que possam reconhecer os seus erros, mas o Messias virá depois de mim e será muito maior do que eu. Eu batizo com água, Ele batizará com o fogo. O povo escutava a voz de João Batista. Era assim que todos o chamavam na região, mas não entendiam os seus ensinamentos. João Batista já possuía muitos seguidores. André, que era irmão de Simão, filho de Jonas e Maria, era um deles. E também João, que era filho de Salomé e Zebedeu. Depois de sair no domingo de Nazaré, Jesus viajou até a região de Pela, onde estava João Batista. Jesus chegou ali em uma segunda-feira. O homem que batizava estava dentro do Rio Jordão, convidando as pessoas ao arrependimento de seus erros. Havia uma imensa fila, pois todos desejavam ser batizados por João. Jesus, em silêncio, entrou na fila, sem que o seu primo visse. Mas, quando João viu Jesus diante dele, dentro da água, disse: – Eu não sou digno de batizá-Lo. Eu é que preciso que você me batize. O Nazareno olhou para o primo, deu um sorriso e falou: – João, batiza-me, para que se cumpram todas as profecias. É chegada a minha hora!


Como um bom servidor, João batizou Jesus. Jesus nunca batizou a ninguém da forma que o seu primo fazia. O batismo que Jesus ensinava era o da mudança de comportamento, a transformação de cada um, para fazer sempre o bem, deixando de lado os vícios ou a maldade. Esse era o batismo do fogo que Jesus trazia. No momento em que Jesus levantou-se das águas, os céus se abriram e uma voz foi escutada por todos: – Este é o meu Filho Amado! Eu estou com Ele e Ele está comigo! Todas as pessoas que estavam ali escutaram a voz. Depois, Jesus foi para o deserto próximo, da Judeia, e ficou ali durante quarenta dias. Depois dos quarenta dias, João Batista estava ensinando alguns dos seus discípulos, quando viu Jesus, ao longe, vindo do deserto. Olhando para os seus seguidores, o Batista apenas disse: – Este é o Cordeiro de Deus, aquele que tira toda a maldade do Mundo. Naquele instante, João e André, que eram pescadores, foram procurar Jesus. O Nazareno parou, olhou para eles e perguntou: – O que vocês querem? – O Senhor é o Cordeiro de Deus, aquele que tira toda a maldade do Mundo? – perguntaram os dois homens em uma só voz. – Venham vocês comigo e vejam com os seus próprios olhos. E André e João passaram aquele dia junto de Jesus.

45


A

de a d i tiv

CÓDIGO SECRETO Vamos relembrar qual foi a frase que foi dita, vinda dos céus, depois que Jesus foi batizado, e que todo o povo escutou?

Primeira sílaba de...

Última sílaba de...

M E U +

+

A cor do... –RELO

Primeira sílaba de...

Primeira e segunda sílaba de...

(1ª letra maiúscula)

Primeira sílaba de...

46

Segunda sílaba de...

(com acento)

Quarta vogal

(com acento)

Primeira sílaba de...

(1ª letra maiúscula)

!

Quarta e quinta letra de...

E U +

Última vogal

Segunda vogal

O

Segunda sílaba de

Segunda sílaba de...

(1ª letra maiúscula)

Primeira sílaba de...

Primeira letra de...

U

E

Quarta e quinta letra de...

1ª letra de...

Primeira e segunda sílaba de...

(1ª letra maiúscula)

Primeira sílaba de...

Segunda sílaba de...

!


s s o eguidore r i e m i r p s s O


Ca

10

pítulo O s p ri meiros seguidores

Em uma bela manhã de Sol, Jesus andava nas areias da praia de Cafarnaum e encontrou dois pescadores. Simão e André eram filhos de Jonas. Durante toda a noite, eles pescaram no mar. De manhã, eles recolhiam as redes para separar os peixes bons dos ruins, os peixes grandes dos pequenos, para vendê-los na cidade. Jesus chegou perto dos dois e disse: – Eu gostaria de convidar vocês dois para seguirem os meus passos. A partir de hoje, vocês não serão apenas pescadores de peixes, mas pescadores de homens. Os corações de Simão e de André se encheram de alegria e de contentamento. Jesus olhou para Simão, o irmão mais velho, e disse: – Simão, filho de Jonas, a partir de hoje você passará a ser chamado Cefas, que quer dizer pedra. Sobre você eu construirei a minha Igreja. A partir daquele dia, Simão passou a ser chamado de Simão Pedro. Jesus andou um pouco mais pela praia, junto de Simão Pedro e André, e encontrou dois outros irmãos: João e Tiago. Eles eram filhos de Salomé e de Zebedeu. Zebedeu era um pescador muito conhecido na região. Salomé era irmã de Maria, a mãe de Jesus. Portanto, João e Tiago eram primos de Jesus. Como Jesus sempre morou em Nazaré, os seus primos não conviviam muito com Ele. João tinha mais ou menos dezesseis anos e Tiago era um pouco mais velho. Os dois irmãos também voltavam da pesca, que aconteceu durante toda a madrugada. Estavam

48


acompanhados de Zebedeu, que comandava muitos outros pescadores. Jesus aproximou-se dos dois outros irmãos e apenas lhes disse: – Gostariam de participar comigo das Boas Novas de Alegrias? A vocês eu chamo os Filhos do Trovão, por causa da determinação, juventude e força. E, naquele mesmo instante, João e Tiago decidiram seguir Jesus, sem questionarem nada nem sequer pedirem tempo para pensar. Eles deixaram as suas redes ali mesmo, para acompanharem os passos do Mestre. João ajoelhou-se no chão, enquanto Jesus brincava com os cachos dos seus cabelos e Tiago colocou a sua cabeça no ombro do primo. Era uma família que se formava ali, na praia, uma família espiritual. Tiago era muito alto e foi chamado de Tiago Maior, pois havia outro Tiago, mais baixo que era conhecido como Tiago Menor. Assim foram chamados os quatro primeiros discípulos de Jesus. Eles seguiriam os passos do Mestre, viajando com Ele por toda a Galileia. Juntos, eles passaram por muitas sinagogas e cidades, falando do Evangelho de Amor e Luz. Os discípulos viram Jesus curar muitos doentes entre o povo. Eles aprenderam com Jesus a auxiliar muitas pessoas. Em pouco tempo, a notícia das curas espalhou-se. Muitas pessoas vinham de várias partes de Israel, para conhecerem Jesus. Alguns tentavam enganá-Lo. Outros vinham para aprender os seus ensinamentos ou mesmo para receber a cura que Ele oferecia com o seu coração amoroso.

49


A

de a d i tiv

VAMOS AJUDAR JESUS? Ajude a Jesus a escolher e a chamar os seus primeiros seguidores. Marque com um X os primeiros discípulos do seu Evangelho.

NICODE

TIAGO M AIO R

MARIA,

MO

SIMÃO P EDR O

MÃ E

ZAQ UEU

JES US

JOÃ O

SALO

JUDAS IS CAR IOT ES

AND R

É

50

S


Bodas de Canรก


Capítulo 11

Bodas de Caná Jesus foi convidado para ir a uma boda, uma festa de casamento, na cidade de Caná, na região da Galileia. Naquele tempo, os casamentos judeus duravam de três a cinco dias. A festa era realizada na casa do noivo. No dia do casamento, o noivo deveria ir à casa da noiva buscá-la, juntamente com os seus amigos. As amigas da noiva deviam esperar o noivo do lado de fora da casa, com lamparinas acesas. Quando o noivo chegava com os seus amigos, as amigas da noiva cantavam. Todos juntos caminhavam até a casa do noivo. Lá acontecia a festa do casamento. Jesus, Maria, André, Simão Pedro, Tiago Maior, João, Salomé e muitas outras pessoas foram convidadas para participar daquela festa. Após a festa haver começado, com muita comida e muita bebida, Maria, a mãe de Jesus, viu que o noivo estava com problemas. Ele andava de um lado para o outro. Parecia que estava acontecendo alguma coisa. Maria aproximou-se do noivo e perguntou com carinho: – Está acontecendo alguma coisa? Estou vendo a sua preocupação, andando de um lado para o outro... – Oh, Maria! – disse o noivo. Estou preocupado, pois o vinho da festa acabou. Maria nada disse ao noivo e foi procurar Jesus. Aproximando-se do seu filho, Maria disse: – Meu filho, o noivo está muito triste e preocupado porque a bebida acabou e as pessoas não têm o que beber na festa. Jesus olhou para a sua mãe e com muito respeito disse-lhe: – Mãe, nós não devemos nos preocupar com isso. Ainda não chegou o momento de iniciar o trabalho diante de todos na Terra. No entanto, Maria teve misericórdia dos noivos e olhou para os servidores daquela casa e disse a eles: – Façam tudo o que o meu filho disser. Era a primeira vez que Maria pedia algo a Jesus em favor de alguém. Em um canto da casa do noivo, onde estava acontecendo a festa, foram colocados seis jarros grandes de pedra

52


que se chamavam talhas. Nelas, cabiam muitos e muitos litros de água. Jesus aproximou-se das talhas e pediu aos trabalhadores: – Encham essas talhas de água limpa. Os homens buscaram a água e encheram as talhas até a boca, como Jesus havia pedido. Depois que elas estavam cheias, o Meigo Rabi orou e pediu: – Agora tirem o líquido e levem até o organizador da festa. Os servos pegaram uma concha, encheram uma caneca e levaram até o organizador da festa a bebida que Jesus havia feito dentro das talhas. O organizador da festa experimentou o líquido e mandou chamar o noivo: – Parabéns para você! Todo homem, quando dá uma festa, serve primeiro o bom vinho, para causar uma boa impressão e, no final da festa, serve o vinho pior. Porém, eu vejo que você guardou para o final da festa a bebida mais gostosa. O noivo nada disse. A notícia rapidamente se espalhou. Todos comentavam que Jesus de Nazaré, o carpinteiro, havia transformado a água em uma bebida saborosa. É claro que Jesus não transformou a água em vinho, para que as pessoas ficassem tontas, porque o vinho que Jesus fez era diferente. Ele queria trazer um ensinamento para todos aqueles que ali se encontravam, principalmente, para os noivos. As pessoas sabiam que não deviam se embriagar, porque as leis de Moisés proibiam. Naquele dia, o organizador e os convidados sentiram que Jesus havia produzido a melhor bebida da festa. Essa bebida significa o amor e a caridade que o Mestre de Nazaré ensina a todas as pessoas. Jesus mostra a importância do sentimento puro do amor dentro da família, nos encontros familiares e na união entre as pessoas pelo casamento. Porque, se não houver esse sentimento, as uniões entre as pessoas se desfazem e acabam. Depois da festa, Jesus, sua mãe e os seus seguidores saíram de Caná e retornaram, felizes, para Cafarnaum, onde morava Simão Pedro.

53


A

de a d i tiv

ONDE ESTÁ JESUS? Procure Jesus no meio dos convidados das Bodas de Caná. Ao encontrá-lo, circule-o, destacando-o da multidão.

54


a r t olomeu B e s u s e J


Capítulo 12

Jesus e

56

Bartolomeu

Logo após transformar a água em vinho, nas Bodas de Caná, Jesus começou a viajar por várias cidades de Israel. A mensagem que o Meigo Rabi trazia enchia de paz e de alegria os corações de muitas pessoas. Nas regiões da Judeia e da Galileia, Jesus encontrou com vários homens e mulheres, que decidiram seguir os seus ensinamentos. E, entre eles, alguns seguidores foram convidados diretamente por Jesus, para que se tornassem os seus discípulos. Certo dia, Jesus estava em Betsaida. Betsaida era a cidade onde nasceram André e Simão Pedro, os dois irmãos que foram os primeiros discípulos de Jesus. Quando chegou naquela pequena cidade, o Mestre encontrou com Filipe e, ao ver aquele jovem, disse-lhe: – Segue-me! Filipe não perguntou, nem pediu para esperar ou para pensar. Naquele mesmo dia, ele decidiu seguir Jesus. Filipe possuía um amigo que se chamava Bartolomeu. E recordando-se dele, Filipe correu até a casa de Bartolomeu, para contar o que tinha acontecido. Bartolomeu e Filipe eram amigos desde muito tempo. Ele era um amigo especial, aquele tipo de amigo que todas as pessoas possuem. Bartolomeu era o amigo de todas as horas, tanto para as horas felizes, quanto para as horas tristes. Quando Filipe chegou à casa de Bartolomeu, ele estava assentado debaixo de uma figueira, cheinha de figos, no fundo do quintal. Filipe bateu palmas do lado de fora, chamou pelo amigo. Ele bateu à porta. Quando Bartolomeu escutou e veio atender, ele encontrou Filipe muito feliz. O novo seguidor de Jesus foi logo falando: – Bartolomeu, meu amigo, eu encontrei. Aliás, acho que encontramos aquele que estamos procurando faz muito tempo: o Messias, o Rei dos Judeus. Ele está aqui na Terra. – É mesmo? – perguntou Bartolomeu muito curioso. E quem é Ele? Filipe emocionado respondeu: – É Jesus de Nazaré, filho de José e de Maria.


Bartolomeu começou a gargalhar e falou ao seu amigo Filipe: – Você acha que eu vou acreditar? Por acaso, pode nascer alguma pessoa boa naquela cidade de Nazaré? Filipe abaixou os olhos e ficou em silêncio. Bartolomeu não podia entender o que o seu amigo queria dizer. E, de repente, Filipe disse: – Por que você não vem comigo e vê com os seus próprios olhos? Vem comigo para você conhecer Jesus. Bartolomeu decidiu ir para conhecer aquele homem. Ele acompanhou Filipe. Depois de caminharem algum tempo, eles encontraram Jesus em uma estrada poeirenta, bem próxima da cidade de Betsaida. Jesus estava assentado sobre uma pedra, debaixo da sombra de uma grande árvore, naquela tarde bem quente. Bartolomeu foi se aproximando. Jesus olhou para ele e, antes que ele falasse qualquer coisa, o Mestre falou: – Bartolomeu, eu já te esperava há muito tempo. Assustado, porque Jesus nunca o havia visto, Bartolomeu perguntou: – O Senhor me conhece? – Eu sou o bom pastor e conheço todas as minhas ovelhas. Bartolomeu, antes que Filipe chegasse à sua casa, eu te vi assentado debaixo de uma árvore. Você é um israelita, um judeu, que não tem fingimento no seu coração, você não mente e isso é muito bom. Bartolomeu começou a chorar. Ele se ajoelhou nos pés de Jesus e disse: – Perdão, Senhor! Eu agora acredito que o Senhor é o Messias, o grande Rei de Israel. – Ah, Bartolomeu! – disse Jesus – Só porque eu te falei que eu te vi assentado debaixo de uma árvore antes que Filipe te chamasse para vir me ver, você acredita em mim? Ou porque eu te disse que você é um israelita que não mente, você acredita que eu sou o Messias? Pois eu te digo que os Espíritos que trabalham comigo e com Meu Pai virão me auxiliar nesta tarefa de levar a Mensagem do Amor aos corações e você verá muitas coisas acontecerem. E, a partir daquele dia, Bartolomeu seguiu os passos de Jesus.

57


A

de a d i tiv

VERDADE OU MENTIRA? Neste capítulo você conheceu a história de Bartolomeu. Jesus disse que ele era um homem que não mentia. Nas lacunas abaixo, de acordo com o que você aprendeu na história, marque com um (V) o que é Verdade e com um (M) o que é mentira. ( ) Foi Filipe que convidou o seu amigo Bartolomeu para conhecer Jesus. ( ) Quando Filipe disse para Bartolomeu que Jesus era o Messias, o amigo acreditou.

( ) Bartolomeu estava assentado sobre uma figueira, quando Filipe chegou à sua casa. ( ) Bartolomeu estava assentado sobre uma pedra e veio correndo encontrar Filipe, quando ele estava vindo pela estrada poeirenta. ( ) Filipe e Bartolomeu nasceram em Cafarnaum.

( ) Bartolomeu encontrou com Jesus na casa de Simão Pedro. ( ) Bartolomeu encontrou com Jesus em uma estrada. O Mestre estava assentado sobre uma pedra e debaixo de uma grande árvore. ( ) Estava chovendo, no dia em que Bartolomeu e Filipe encontraram com Jesus. ( ) Bartolomeu não acompanhou os passos de Jesus, deixando de tornar-se um dos seus seguidores.

58

( ) Jesus, quando viu o amigo de Filipe, chamou-o pelo nome, sem nunca lhe ter visto, comprovando que Ele conhece a todos nós que somos os seus irmãos menores.


d a u s Tadeu J e s u s e J


Capítulo 13

Jesus e Judas Tadeu Judas Tadeu era muito jovem e tinha um irmão chamado Tiago. Ele estava na cidade de Jope, para participar de uma festa. Na grande praça da cidade, havia muitas tendas. Os comerciantes que foram participar daquela festa vendiam peixes, mel, tapetes, vasos de barro. Naquele dia, a cidade estava cheia, com muitos visitantes. Entre as várias tendas da praça, havia uma que chamava a atenção de todos. Era a tenda do senhor Basílio. Ele era, naquela região, chamado de feiticeiro e muita gente tinha medo dele, porque não sabiam o que era mediunidade. Ali, todos falavam que Basílio podia ver o futuro, falar sobre o presente e contar sobre o passado, além de sentir a presença dos Espíritos. Era uma época em que Jesus ainda não havia ensinado que os médiuns não podem cobrar pela ajuda que dão aos outros, por isso Basílio cobrava. Judas Tadeu passeava entre as barraquinhas. Quando o velho Basílio cruzou com o menino, sentiu muita vontade de ajudá-lo e disse: – Meu filho, quer saber sobre o seu futuro? O jovem olhou para aquele desconhecido e ficou um pouco assustado. Ele não tinha nenhuma curiosidade de saber o que ia lhe acontecer no futuro. E, quando ele já estava seguindo adiante para ver as outras barracas, Basílio falou: – Judas Tadeu, não perca esta oportunidade. Eu não cobrarei nada de você. O jovem então voltou e resolveu entrar na cabana do senhor Basílio. Ele estava com muito medo, mas entrou assim mesmo. Quando ele entrou, Basílio fechou a cortina de entrada da tenda e convidou o jovem para se assentar no chão, sobre um bonito tapete.

60


Havia um objeto estranho entre Judas Tadeu e Basílio. Não dava para saber o que era, pois um pano negro tampava tudo. De repente, o velho Basílio tirou o pano e, por debaixo, havia uma pedra bem branquinha. Basílio fechou os olhos e começou a falar umas palavras em outra língua que Judas Tadeu não entendia. Então, o menino começou a ver alguma coisa muita estranha naquela pedra. Judas Tadeu via passar na pedra um filme, como se a pedra branca fosse uma tela de cinema ou uma televisão. Era a história de um menino que nascia no meio dos animais em um curral. Depois o menino crescia e com doze anos ensinava aos doutores da lei e a muitas pessoas. Era um homem que realizava curas e, de repente, aquela pessoa do filme estava pregada em uma cruz. Judas Tadeu tapou os olhos com as suas mãos e Basílio entendeu que era hora de parar a história. Assustado, sem entender nada, Judas Tadeu olhava para o velho Basílio, quando o ancião lhe falou: – Judas Tadeu, meu filho! Um dia você vai encontrar esse Homem que nasceu na Terra para ensinar o amor. E o dia em que você encontrá-Lo no seu caminho, Ele vai te chamar para ser um dos seus discípulos. Aceite, meu filho, porque Ele é o Messias que nós estamos esperando. Judas Tadeu despediu daquele homem desconhecido, agradeceu e guardou na sua memória o que havia visto. Muitos anos se passaram e, um dia, Judas Tadeu cruzou o seu caminho com o de Jesus. Quando Tadeu viu Jesus, lembrou-se daquele dia na tenda do velho Basílio, porque aquele era o Homem que ele havia visto na pedra. E ao ser convidado por Jesus para seguir os seus passos, Judas Tadeu aceitou e se tornou um dos seus discípulos.

61


A

de a d i tiv

HISTÓRIA EM QUADRINHOS Na festa de Jope, dentro da tenda do Basílio, parece que a história de Jesus está fora da sequência. Vamos ajudar Judas Tadeu entender o início, o meio e o fim da história que ele viu, numerando os quadros que aparecem para ele dentro da pedra?

62


a g i o Menor T e s u s e J


Capítulo 14

Jesus e

Tiago Menor

Cada um dos Apóstolos de Jesus foi chamado de uma forma diferente, para seguir os passos do Mestre. A primeira vez que Tiago Menor encontrou-se com Jesus foi de uma maneira muito surpreendente. Tiago era filho de um homem chamado Alfeu. Ele foi chamado de Tiago Menor por causa do seu tamanho e para ser diferenciado do outro Tiago, o Tiago Maior. Tiago Menor gostava de estudar as escrituras sagradas do povo judeu. Todas as noites, antes de dormir, ele lia algum ensinamento dos profetas e, depois, fazia a sua prece com todas as forças do seu coração. Assim, ele se preparava sempre para dormir e, quando levantava pela manhã, também conversava com Deus. Em uma manhã, depois que Tiago Menor fez suas orações, ele foi orar no templo e assentado nos últimos bancos ficou com muito sono, dormiu e teve um sonho. Ele estava em um lugar muito bonito. Era um campo bem verdinho. As árvores eram grandes. As flores, espalhadas pelo chão, eram muito perfumadas e havia uma cascata de águas cristalinas. Tiago começou a andar sobre aquele campo verde, refletindo sobre a sua vida. Ele pensava também sobre os ensinamentos que ele já havia aprendido desde criança. De repente, uma luz forte começou a brilhar na frente de Tiago e, de dentro dela, saiu um homem. Ele tinha longas barbas brancas, a testa larga, a túnica de cor marrom, os pés descalços, um cajado na mão. Era Moisés, o grande profeta dos judeus.

64


Moisés olhou com muita ternura para Tiago e falou a respeito da missão que ele mesmo veio cumprir aqui na Terra. Moisés havia trazido, na sua época, a mensagem da justiça, para abrir os corações e preparar os caminhos para a chegada do Nazareno. - Se você, meu filho, estuda os meus ensinamentos e gosta deles, o dia que ouvir Jesus vai aprender com Ele as verdades da vida. Prepare-se para segui-Lo e você será muito feliz. Tiago Menor não sabia o que dizer. Ele ficou mudo diante da visão. Quando Moisés se despediu dele, a luz se apagou e uma mais intensa, mais forte que a luz do Sol começou a brilhar. De dentro daquela luz, saiu um homem diferente, que Tiago Menor nunca havia visto. Era um homem que trazia os pés calçados pelas sandálias de couro, a túnica bem branquinha, a barba longa que se misturava aos seus cabelos partidos ao meio, a testa larga, o olhar penetrante. Era Jesus... Ele estendeu as suas mãos para Tiago e nada lhe disse. No sonho, aquele que seria o futuro seguidor de Jesus despediu-se do seu Mestre e quando Tiago Menor acordou assustado no templo, ele trazia na sua mente o rosto de Jesus. O dia em que encontrou o Mestre naquela região, Tiago Menor lembrou-se do sonho, que havia tido anos atrás. E, assim, decidiu seguir Jesus, tornando-se um dos seus discípulos.

65


A

de a d i tiv

HOJE EU TIVE UM SONHO... Você já sonhou, enquanto dormia, durante a noite? Tenho certeza de que sim... Escreva aqui um sonho bem legal que você já teve.

66


A s p贸stolos o e s u s e J


Capítulo 15

Jesus e os

Apóstolos

Jesus estava na cidade de Cafarnaum. Ele sempre ficava na casa de Simão Pedro, o pescador. Contudo, naquela tarde, Ele se afastou dos seus seguidores, para orar em um monte, próximo da cidade. Era no altar da Natureza que Jesus encontrava o melhor local para falar com Deus. Ele se afastava do barulho da cidade, do tumulto das pessoas. O Mestre ficava quietinho, entre as oliveiras que cresciam no monte, e abria a boca da sua alma. Jesus sentia que tinha de realizar algo de muito importante, logo pela manhã do dia seguinte e, por isso, Ele se preparou para estar bem e fazer as escolhas certas. Jesus estava no monte, antes do dia amanhecer, e, logo quando o Sol refletia seus raios nas águas do Mar da Galileia, bem cedinho, Ele desceu daquele local e foi se encontrar na praia com aqueles que O seguiam. Simão Pedro e André já haviam voltado da pesca. O barquinho estava à beira da praia, ancorado na areia. Então, Jesus entrou no barquinho e alguém remou para afastar o barco um pouco da margem. O Meigo Rabi estava iluminado pelo Sol que brilhava no céu azul. Na praia, muitas pessoas estavam reunidas para escutar os ensinamentos. Eram os seus seguidores, seus discípulos, mas também curiosos, os doutores da lei, os saduceus, os fariseus. Naquele instante, Jesus convidou aqueles que seriam os seus Apóstolos. Ele já tinha os seus seguidores, os seus discípulos. Aqueles que eram os seus alunos, que escolheram Jesus como seu Mestre.

68


Agora, Jesus desejava escolher os seus Apóstolos, aqueles que seriam os seus embaixadores. Os Apóstolos eram os homens que iriam acompanhar bem de perto os passos de Jesus, para aprenderem com Ele os seus ensinamentos. Quando Jesus desencarnasse, os Apóstolos seriam os responsáveis por levar a todas as pessoas os ensinamentos de Jesus, dando também o exemplo. E Ele, então, chamou: Simão Pedro e o seu irmão André. Os dois irmãos pescadores olharam, sorriram, ficaram muito felizes por terem sido escolhidos. Chamou a Tiago Maior e João, os filhos de Zebedeu e Salomé, portanto os seus primos, já que Maria, a sua mãe, era irmã de Salomé, a mãe dos dois pescadores. Jesus chamou Filipe e o seu amigo Bartolomeu. Mateus, aquele que era um ex-cobrador de impostos, também foi chamado. Jesus disse o nome de Tiago Menor, o filho de Alfeu, de Judas Tadeu, Simão Zelote, Tomé e Judas Iscariotes. Estavam escolhidos e convidados os doze homens que seriam os primeiros divulgadores da Boa Nova de Jesus na Terra. Todos os Apóstolos de Jesus foram também seus discípulos, mas nem todo discípulo foi chamado Apóstolo. Os doze homens chamados naquela manhã estavam muito felizes. Eles puderam comemorar com Jesus aquele dia. E continuaram a seguir os passos do Mestre, para aprender com Ele sobre o amor, o perdão e sobre as leis da vida.

69


A

de a d i tiv

CAÇA-PALAVRAS Ajude Jesus a chamar os doze Apóstolos, procurando no caça-palavras cada um dos seus nomes.

D O L OT E I E NE MSO Z E L A N D R R D G OM T ARDÉ I S I S R I P E L F C R IJ U D A S I S C A R I P I L I P J OÉ B AT I AF C A I E S T I G OMOÃJS F

E S N O Ã

U E R Ã O

A I

BA R T OL O M E U

70

A T E O E U S É MO D I O F O T A D E SÃORIOTE S MÉ T E U S A M FÓAS I M I T I A G M I I L I P I F DROZ E L T EMI É RJ

O T I A G O M E N O R

I G O M E D E O J E E O S J U S C A R I Ã O F I L E O ÃOG I S

I S J Ã U OZE LTEF I L I PE A G O M A I O R UDA S E S MÉ

T O M É

S I N O E O Ã U I Z U D A S E G O M A I I M Ã O P

S I M Ã O Z E L O T E

J O J U D A S T A D E U S F I L U S O M A T E U S E

S G O I M A N MÉ T

S R D R T E S

D I E I LÍ P

SIMÃO PEDRO

FILIPE

JUDAS TADEU

ANDRÉ

BARTOLOMEU

SIMÃO ZELOTE

TIAGO MAIOR

MATEUS

TOMÉ

JOÃO

TIAGO MENOR

JUDAS

ISCARIOTES


g r a o s de Pedr a d a r u o C


Cura

Capítulo 16

o da sogra de Pedr

Jesus ensinou em vários templos. Ele pregou na Sinagoga da cidade de Nazaré, na Sinagoga da cidade de Jerusalém, na Sinagoga de Cafarnaum e em muitas outras. Aquele dia era um sábado e Jesus vinha de Nazaré. Ele havia morado naquela cidade e sua família ainda vivia lá. Jesus foi expulso da Sinagoga de sua própria cidade pelos doutores da lei, que não compreenderam os seus ensinamentos. Então, Jesus decidiu ir para a cidade de Cafarnaum. Ao chegar, Ele foi direto para a Sinagoga, onde leu e explicou um trecho das Escrituras Sagradas, encantando todas as pessoas que ali se encontravam. Os ensinamentos de Jesus deixavam felizes todos que O escutavam. Naquela época, Jesus já havia realizado algumas curas e era bastante conhecido em várias cidades. Depois da pregação no Templo de Cafarnaum, Ele foi para a casa de Simão Pedro, como fazia sempre. Jesus adorava a casa de Simão, o Apóstolo mais velho. Muitas vezes, Jesus buscava a casa do pescador para descansar, após longas viagens ou curtas, ou mesmo depois das pregações. Simão Pedro morava em uma pequena casa à beira do Mar da Galileia. Ele vivia com sua esposa, sua sogra e seu irmão chamado André.

72


A casa era simples, feita de pedras, construída na forma de um quadrado. Em volta da casa havia um alpendre feito de madeira. Ao lado da casa havia uma escada que levava ao segundo andar, onde havia um terraço. Acima da casa de Simão existia uma abertura no teto de palha onde entrava o ar e também a claridade do dia. Quando Jesus chegou à casa de Simão, a sua sogra estava com muita febre. As pessoas que se encontravam na casa do pescador vieram pedir a Jesus que a curasse. O Mestre compadeceu-se dela, aproximou-se e estendeu as mãos sobre a senhora e fez com que ela ficasse curada. A sogra de Simão, então, levantou-se imediatamente e começou a trabalhar, a servir a todos, com muita alegria. Ela estava agradecida a Jesus. Logo após ter curado aquela mulher, Jesus prosseguiu atendendo todos aqueles que foram levados até Ele, até que chegou o pôr do Sol. Muitos doentes foram levados a Jesus: os paralíticos, os cegos, os surdos, os mudos, os loucos e tantos outros. E Jesus cuidava de todos. Nem sempre da forma que eles queriam, mas da forma que eles precisavam. As notícias de que realmente o Messias que eles esperavam havia chegado à Terra continuaram a correr por todo aquele Reino.

73


A

de a d i tiv

MINHA ORAÇÃO Na cura que Jesus realizou, percebemos que as pessoas que se encontravam na casa de Simão Pedro pediram ao Mestre em favor da sogra de Pedro. Você já fez algum pedido em favor de alguém? Escreva aqui uma oração feita em seu coração, em favor de alguém que você conheça e esteja muito doente ou precisando de oração.

74


o d S emeado a l o b รก r a r P


C

Pará apítulo 17 ador bola do Seme

76

Jesus entrou no barquinho de Simão Pedro, que estava na praia. Ele assentou-se e olhou para as pessoas que estavam em pé à sua frente, a fim de narrar-lhes uma parábola. As parábolas eram histórias contadas por Ele, que traziam um ensinamento moral para quem quisesse colocar em prática no dia a dia. Então, Jesus contou: – Um homem que semeava saiu a semear. E, ao semear, uma parte das sementes caiu à beira da estrada e os pássaros vieram e as comeram. Outra parte caiu em um terreno cheio de pedras. Elas começaram a brotar. Como as plantas nasceram no meio das pedras e não tinham raízes profundas, o Sol logo as queimou. Outra porção de sementes caiu no meio de um terreno cheio de espinhos. As plantinhas começaram a crescer, mas logo os espinheiros as sufocaram. Por fim, uma parte caiu em terra boa e deu muitos frutos. Algumas árvores deram cem frutos, outras sessenta e outras trinta por cada semente. Quem tem ouvidos de ouvir, ouça! – disse Jesus ao terminar a história. Os Apóstolos que a tudo escutavam aproximaram-se do Meigo Rabi e perguntaram: – Por que é que o Senhor fala por parábolas? E Jesus apenas lhes respondeu: – Porque vocês já conhecem muitos dos ensinamentos que eu trago aos homens, mas eles ainda não tiveram a oportunidade de escutar. Quando eu falo por parábolas, somente aquelas pessoas que estão preparadas entendem a minha mensagem. Por isso eu digo que aqueles que tiverem ouvidos para ouvir, possam escutar. E, diante do silêncio dos seus seguidores, Jesus continuou: – Vocês acabaram de escutar a parábola do semeador. A semente são os ensinamentos divinos. Os terrenos são os corações de todos aqueles que receberam essa semente. O terreno que está à beira do caminho, aquele em que a semente caiu e os pássaros comeram, são todas aquelas pessoas que escutam os ensinamentos e não aproveitam. Todas as vezes em que você participa, com a sua família, do Culto do Evangelho no Lar e não presta atenção às mensagens lidas, vai às aulas de Evangelização


Infantil e não obedece ao evangelizador, atrapalhando a aula, você está perdendo o ensinamento, deixando a semente cair à beira do caminho. O outro terreno, onde as sementes brotam, mas não sobrevivem devido às pedras e ao calor do Sol, representa todos aqueles indivíduos que escutam o ensinamento, acham muito bonito, mas não colocam em prática. Muitas vezes, você lê, no livrinho de história, uma mensagem bonita, mas não se lembra de fazer o que foi ensinado. Outras vezes, você escuta no Culto do Evangelho no Lar ou na aula da Evangelização os ensinamentos de Jesus, você reconhece que fez alguma coisa de errado, mas logo, logo você esquece e continua fazendo a mesma coisa errada. Essas são situações em que você está sendo como um terreno cheio de pedras, que não deixa a semente crescer, já que ela não tem raízes profundas e o Sol as queima. O terreno cheio de espinhos é aquele em que a semente logo é abafada e não consegue desenvolver-se. É todo aquele que ouve a mensagem do Evangelho e não a coloca em prática, por causa das coisas materiais. Era assim que Jesus explicava. Às vezes, você falta à Evangelização Infantil e ao Culto do Evangelho no Lar, preferindo assistir ao programa de televisão de que você gosta, jogar no computador ou ir à festinha do seu colega de escola. Nessas ocasiões, você está fazendo do seu coração um terreno espinhento, abafando a mensagem de Jesus, preferindo as coisas materiais. - Mas há, na minha parábola, – continuou esclarecendo Jesus – aquele terreno que é a terra boa. E nele as sementes crescem, florescem e dão muitos frutos. Esse terreno representa aquelas pessoas que escutam os ensinamentos e os colocam em prática. Quando você aprende no livrinho, na Evangelização ou no Culto em sua casa, e tenta todos os dias colocar em prática esses ensinamentos, o seu coração é a terra boa. Quando Jesus terminou de explicar a parábola, os Apóstolos e a multidão que ali estavam reunidos entenderam a mensagem que o Mestre quis ensinar. A partir daquele dia, muitos buscaram fazer do seu coração uma terra boa, para que pudesse dar muitos frutos.

77


A

de a d i tiv

SEJA VOCÊ UM SEMEADOR... Ajude o semeador entender qual é a sequência que leva uma semente a se tornar uma árvore e dar bons frutos. Enumere abaixo a sequência correta dos acontecimentos. Seja você um semeador...

78


p m aralĂ­tic u e d a r u o C


Cura

80

Capítulo 18

o de um paralític

Em Cafarnaum, morava um homem que, desde muitos anos, era paralítico. Ele tinha as pernas paralisadas e se chamava Natanael Ben Elias. Os médicos daquela época disseram que ele nunca mais poderia andar. Ele era um homem muito triste, acreditava que não tinha nenhuma razão para se alegrar com a vida. Certo dia, Natanael escutou falar sobre Jesus e ficou muito animado com aquela notícia. Ele pediu aos seus amigos que o levassem à casa de Simão Pedro, o pescador. O coração de Natanael se encheu de esperança, porque ele tinha a certeza de que aquele Nazareno poderia curar-lhe as pernas. Naquela tarde do mês de março, o paralítico chegou à praia, carregado por amigos em uma espécie de cama, feita de um pedaço de pano amarrado em duas varetas de madeira. Ele ficou muito assustado, porque havia muitas pessoas em volta da casa onde Jesus estava. Os companheiros de Natanael tentaram pedir licença para passar, mas ninguém dava passagem. Todos queriam falar com Jesus. Então, um dos amigos do paralítico teve uma ideia. Eles iam tentar subir com a esteira no segundo andar da casa de Simão Pedro. Ao lado, havia uma escada de pedra. No andar de cima da casa, que era um terraço, existia uma abertura no teto, onde entrava a luz do Sol e o ar para tornar a casa mais fresquinha. Com muitas dificuldades, os amigos de Natanael subiram a cama e quando chegaram lá em cima, amarraram as varas em trapos de pano e desceram o paralítico no meio da sala de Simão. Todos ficaram surpresos e atentos para ver o que ia acontecer. Quando os olhos de Natanael cruzaram com os de Jesus, o paralítico sentiu alguma coisa diferente que ele não sabia explicar. A cama foi colocada no chão e Natanael Ben Elias olhou para Jesus. Ele nunca tinha visto o Mestre. Quando, de repente, Jesus disse: – Natanael Ben Elias, que você quer de mim? Natanael ficou assustado e respondeu com uma nova pergunta:


– O Senhor me conhece? – Ah, Natanael! Eu conheço a todas as minhas ovelhas. Faz muito tempo que eu espero me encontrar com você. O que você quer de mim? Com os olhos cheios de lágrimas, Natanel foi logo dizendo: – Quero as minhas pernas de volta, Senhor! Quero voltar a andar! – Os teus pecados, os teus erros estão perdoados. Naquele momento, houve um grande tumulto na sala. Os doutores da lei, que eram contrários ao trabalho de Jesus e vigiavam o que Ele fazia, começaram a falar bem baixinho entre eles: – Mas quem pensa ser esse homem para perdoar os erros de alguém? Aconteceu que Jesus ouviu isso, olhou para os doutores da lei e lhes disse: – O que é mais fácil: dizer para este homem que os erros dele estão perdoados ou dizer para ele: levanta-te e anda? Os homens da lei ficaram assustados. Natanael, que estava deitado no chão, sentiu algo estranho, como se tivesse nas suas costas uma catapulta, uma força estranha que o fizesse levantar do chão. As pernas que estavam endurecidas se esticaram, ele começou a andar de novo. Estava muito feliz. Então Jesus olhou para Natanael com muito carinho e disse: – Agora, Natanael, pega a tua cama e volta para a tua casa. Natanael não sabia se chorava ou se sorria. Ele estava muito agradecido a Jesus, porém, ao sair dali, não escutou o Mestre. Pegou a sua cama e foi a uma taberna, um bar da cidade onde bebia muito vinho e dizia que estava aproveitando a saúde que Jesus havia lhe devolvido. Natanael, cambaleando por causa do vinho, gritava dentro do bar: – Eu estava morto e revivi. Viva Jesus! Naquela noite, enquanto Natanael prejudicava a sua saúde no bar, junto de outros amigos, que não eram aqueles que tinham levado ele até o Mestre, Jesus chorava de compaixão na praia, com Simão Pedro, falando que Natanael e muitos homens ainda não haviam compreendido a mensagem ensinada pelo Mestre. E dizia Jesus: – Natanael Ben Elias, neste momento, está buscando outras doenças piores do que aquela de que lhe curei.

81


A

de a d i tiv

APRENDENDO COM JESUS Natanael Ben Elias foi curado por Jesus, na casa de Sim達o Pedro. Marque com um X o local que Jesus pediu para que o homem fosse, depois de ser curado. Em seguida, circule o local para onde Natanael foi.

82


S a o maritan d a l o b รก r o Pa


Capítulo 19 Par ábola do Samaritano

Certo dia, Jesus estava reunido com algumas pessoas, quando um Doutor da Lei levantou-se, para testar o conhecimento do Messias, e disse: – Mestre, o que eu devo fazer para herdar a vida eterna? Jesus, que conhece profundamente a todos nós, sabendo da intenção daquele homem, respondeu com outra pergunta: – Que está escrito na Lei? Como você lê? – Amar a Deus sobre todas as coisas e ao seu próximo como a si mesmo – respondeu o doutor. – Então, faça isso e você viverá muito mais feliz – disse Jesus, com muita calma e serenidade. Porém, aquele homem, tentando complicar a questão, fez outra pergunta: – E quem é o meu próximo? O Meigo Rabi olhou para ele e decidiu contar uma história: – Um homem descia de Jerusalém para Jericó e caiu nas mãos de alguns assaltantes, que roubaram tudo o que ele tinha e o deixaram quase morto, na beira da estrada. Certo sacerdote, um homem que conhecia muito bem as Leis de Deus, descendo por aquele mesmo caminho, ao ver o homem desconhecido que ali se encontrava todo machucado e necessitado de auxílio, fingiu não o ver e passou do outro lado da estrada. Da mesma forma, descia por aquela estrada, um levita, o homem que escrevia as leis. Quando viu o

84


necessitado, fingiu também não o ver e passou a outra margem da estrada. Um samaritano, porém, que ia de viagem, vendo o homem que estava ali, foi tomado de muita compaixão, de vontade de ajudar, pois o caído estava todo machucado e necessitando da ajuda de alguém que por ali passasse. O samaritano desceu do seu cavalo, aproximou-se do desconhecido, lavou as suas feridas com óleo e vinho. Pegou o homem em seus braços, colocou-o sobre o seu cavalo e o levou até uma hospedaria. Ao chegar naquele hotel, alugou um quarto para aquele homem, levou-o até o quarto, cuidou dele e, quando estava saindo, procurou o hospedeiro e pagou todas as despesas da permanência na hospedaria. Ao sair, pois estava indo de viagem, prometeu ao hospedeiro, dono da estalagem, que, quando voltasse da viagem, pagaria tudo aquilo que a mais o hospedeiro gastasse para cuidar daquele necessitado. Quando terminou a parábola, Jesus olhou para o Doutor da Lei, que escutava atento, e perguntou: – Na sua opinião, qual dos três homens parece o mais próximo daquele que estava caído no chão: o sacerdote, o levita ou o samaritano? – Ora, Senhor – respondeu o Doutor da Lei – aquele que usou de misericórdia, que teve compaixão do necessitado. Disse-lhe, então, Jesus: – Pois agora vá e faça você o mesmo.

85


A

de a d i tiv

DESCUBRA O PERSONAGEM A Parรกbola do Samaritano, contada por Jesus ao Doutor da Lei, tem seis personagens. Descubra o nome deles e anote nas linhas abaixo.

D

R

A

T

A R

P

86

S

O O I

E

E

I

I

A

D R

E

ร• L

D

A

E E

A

L

A

N

T

V

C

O

S

H

T

S

E

M

O

R

O

M E H

S

M


e d z s l e o p d r a osos r u C


Capítulo 20

Cura d

88

s os dez leproso

Jesus andava em direção a Jerusalém, com seus Apóstolos, quando chegaram a um lugar chamado Samaria. Em uma das estradas pelas quais eles passaram, em uma pequenina aldeia, o Mestre encontrou dez homens que haviam sido contaminados pela lepra e estavam muito doentes. A lepra provocava feridas muito graves por toda a pele e, por ser contagiosa, causava medo a todas as pessoas, que temiam contraí-la. Afinal, aqueles que contraíam essa doença tinham de deixar suas casas, indo morar longe da família. Eles eram levados para um local chamado Vale dos Leprosos. Ali, como não havia medicamentos, a única coisa que eles faziam era esperar a morte chegar, já que a doença não tinha cura. Quando um leproso saía do Vale e andava pelas cidades, ele tinha que levar nas mãos um instrumento chamado matraca. A matraca era um pedaço de madeira no qual um ferro era amarrado. Quando o leproso batia a matraca, todos sabiam que ele estava chegando à cidade. As pessoas colocavam do lado de fora, na porta de entrada da casa, alimentos, dinheiro, roupas para ajudar aqueles necessitados. Depois, fechavam as portas e as janelas, pois ninguém queria chegar perto dos doentes. Jesus, por várias vezes, encontrou-se com esses doentes e curou muitos deles. Aquela era uma tarde de Sol, quando Jesus escutou-lhes o pedido: – Senhor, tenha misericórdia de nós e nos cure. Se o Senhor quiser, pode nos curar. O Mestre olhou para eles, com muito carinho. Eles estavam bem distantes de Jesus que lhes disse: – Eu quero! Agora vocês devem ir à cidade, para que o chefe do Templo possa ver a cura de vocês e vocês possam ser aceitos de volta em casa. Então, aqueles dez homens se levantaram do chão e foram correndo para a cidade, a fim de procurarem o sacerdote do Templo.


Havia uma lei de Moisés que dizia que, se as feridas e as manchas do leproso sumissem, o doente tinha de ir ao Templo para se mostrar e, se o sacerdote dissesse que ele estava curado, ele poderia voltar a viver na cidade. Naquele tempo, os sacerdotes do Templo tinham também a função de médicos. No caminho, quando os dez homens estavam indo ao Templo, ficaram totalmente curados. As manchas e as feridas sumiram e eles sentiram uma alegria muito grande. Entre os dez leprosos, havia um que era samaritano. Quando se viu curado, ele chorou de felicidade. Teve muita vontade de agradecer a Jesus. Ele deixou os seus companheiros e retornou pela estrada, para ir encontrar com o Mestre Nazareno. Depois de muito andar, o samaritano, ao encontrar Jesus, ajoelhou-se no chão, colocou o rosto na terra e chorou muito, agradecendo a Jesus pela cura recebida. Jesus, olhando para aquele homem que se encontrava nos seus pés, perguntou: – Não eram dez os leprosos? Onde estão os outros nove? O homem abaixou a cabeça em sinal de respeito a Jesus e nada disse. Diante do silêncio, Jesus olhou para os seus Apóstolos e falou: – Vejam que entre os dez leprosos somente este homem que é um estrangeiro, um samaritano, voltou para agradecer. Os outros nove, que são judeus, não quiseram retornar para agradecer ao Meu Pai que está nos céus pelo que lhes aconteceu. Jesus naquele momento queria demonstrar aos Apóstolos o valor daquela atitude do homem que voltou. O Mestre não estava aguardando agradecimento algum, mas Ele desejava que as pessoas pudessem valorizar a cura que lhes foi dada por Deus, de acordo com a fé, o merecimento e a vontade de se melhorar de cada um. E, com a voz tomada de emoção, Jesus finalizou aquele encontro, dizendo: – Levanta-te e vai, meu filho, porque a tua fé te curou.

89


A

de a d i tiv

LABIRINTO Vamos ajudar o samaritano que estava doente voltar no caminho e encontrar Jesus para agradecer-Lhe?

90


o cego de Jeric贸 d a r u C


Cura

Capítulo 21

do cego de Jericó

Em Israel, havia muitas cidades e uma delas se chamava Jericó. Jericó era uma cidade muito bonita, que ficava próxima à cidade de Jerusalém e ao Rio Jordão, o rio onde João Batista anunciou a chegada de Jesus. Jericó era chamada a cidade do comércio. Muitas pessoas iam para lá, para fazer negócios, comprar e vender mercadorias. Naquela cidade, moravam pessoas muito ricas, inclusive Zaqueu, o cobrador de impostos. Ali, também morava um cego muito conhecido, chamado Bartimeu. Ele não havia nascido cego, mas estava cego há muito anos. O homem ficava sempre à porta da cidade, pedindo esmolas. Todos os viajantes que passavam por aquela estrada sempre lhe auxiliavam, dando-lhe alguma coisa. Jesus, por diversas vezes, passou por Jericó. Certo dia, Jesus vinha pela estrada, ainda não havia chegado às portas de entrada de Jericó, quando muitas pessoas da cidade e de outras regiões vieram receber o Mestre. O povo falava alto, algumas pessoas corriam para aqui e para ali, levantando a poeira da estrada. Bartimeu, que estava assentado na beira do caminho, escutava os passos e as vozes de todas aquelas pessoas e perguntou o que estava acontecendo. Uma mulher que ali se encontrava aproximou-se do cego e disse-lhe contente: – Jesus, o Nazareno. Ele está chegando a Jericó, acompanhado dos seus Apóstolos. Bartimeu ficou muito feliz com a notícia, porque ele havia ouvido falar de Jesus. A luz da

92


esperança acendeu-se em seu coração e ele começou a gritar: – Jesus, filho de Davi, tenha compaixão de mim! Aqueles que estavam próximos de Bartimeu, ouvindo-o gritar, mandaram que ele se calasse, para não incomodar a Jesus. Mas, Bartimeu não se calou e continuou a gritar mais alto ainda: – Jesus, filho de Davi, tenha compaixão de mim! O Mestre, que caminhava calmamente, quando escutou a voz de Bartimeu, parou na estrada poeirenta e pediu para que alguém buscasse aquele homem cego e pudesse trazê-lo para perto d’Ele. Alguns homens que estavam por ali e tudo escutaram foram buscar Bartimeu. Quando o cego foi colocado diante de Jesus, o Mestre perguntou: – Bartimeu, o que você quer que eu te faça? Então, Bartimeu, com o coração cheio de felicidade, as pernas tremendo, as mãos suando, respondeu: – Oh, Senhor! Eu quero ver novamente. Jesus disse ao cego de Jericó: – Então, vê de novo. Tua fé te salvou. Naquele mesmo instante, Bartimeu recuperou a vista e começou a seguir Jesus. Entrou com Ele na cidade e, com lágrimas nos olhos, o homem curado agradecia a Jesus, em todos os instantes, pelo que lhe havia feito. Quando todos do povo viram o que aconteceu com Bartimeu, também agradeceram a Deus e todos falavam que aquele Nazareno, chamado Jesus, era realmente o enviado de Deus, que eles estavam esperando desde muito tempo.

93


A

de a d i tiv

PALAVRA CRUZADA Vamos ajudar o cego de Jericó? Bartimeu não podia ver, mas escutava muito bem. Descubra as charadas e faça a palavra cruzada.

5 4

3

?

2 1

1) Eles estão do nosso lado, têm vida, mas não podem ser visto com os nossos olhos físicos. Quem são eles? 2) Ele está em toda parte, é a inteligência maior, sabe de tudo e tem todo o poder. Quem é Ele? 3) Ele é nosso irmão e veio ao Mundo trazer a Mensagem do Amor. Quem é Ele? 4) Ela é nossa mãe, mas não nascemos dela. É também a mãe de Jesus. Quem é ela? 5) Nós vestimos, mas não é roupa. Serve de morada para o Espírito, mas não é uma casa. O que é?

94


Jesus e Zaqueu


Capítulo 22

Jesus e Zaqueu

96

Logo depois da cura do cego de Jericó, chamado Bartimeu, Jesus entrou naquela cidade, acompanhado de muitas pessoas. Todos estavam esperando a chegada do Mestre, que viria juntamente com os seus Apóstolos. As ruas da cidade estavam cheias de pessoas. Todos queriam ver Jesus passar. Em Jericó, morava um homem muito rico, cobrador de impostos, chamado Zaqueu. Naquele dia, ele estava trabalhando no Telônio, que era o local onde as pessoas pagavam o imposto, quando alguns funcionários disseram que Jesus de Nazaré estava entrando na cidade. Zaqueu tinha muita curiosidade de conhecer Jesus. Ele saiu correndo do seu trabalho e foi ao centro da cidade, para ver o Mestre passar. O cobrador de impostos era um homem bem baixinho. Quando chegou ao centro da cidade, as ruas estavam muito cheias. Por causa da sua altura, Zaqueu não conseguia ver Jesus passar. Zaqueu começou a pedir licença, mas naquela cidade ninguém gostava dele porque ele cobrava impostos para o Império Romano. Os cobradores de impostos eram odiados pelo povo judeu, principalmente, quando o cobrador era também judeu, da mesma raça. Os judeus não gostavam deles porque, além de cobrar as taxas que o Império Romano pedia, eles aumentavam os valores para tirar o próprio salário. Naquele momento, Zaqueu teve uma ideia. Como ele não iria ver Jesus passar porque ninguém queria dar-lhe licença, ele decidiu subir em uma árvore que ficava na beira da estrada. Jericó era uma cidade arborizada e eram muito comuns os sicômoros, uma árvore bem grande, de raízes bem profundas, típica daquela região. Quando Jesus passou na estrada e viu Zaqueu em cima da árvore, olhou para cima e disse: – Zaqueu, desça depressa dessa árvore e venha aqui.


O homem desceu, correndo, de cima da árvore e, quando ficou diante de Jesus, o Mestre lhe disse: – Hoje me convém que eu vá até a sua casa. Prepare o seu lar, para me receber. Zaqueu ficou nervoso. Ele foi correndo para casa, para preparar um banquete para receber Jesus e os seus seguidores. O cobrador de impostos era casado e tinha dois filhos. Ele morava em uma casa muito grande porque era muito rico. Zaqueu mandou que os servos preparassem os peixes, as frutas, o vinho. Chamou músicos, para que tocassem músicas alegres. Ele enfeitou toda a casa e ficou aguardando a chegada de Jesus, na hora marcada, com a sua família. Quando Ele chegou, acompanhado dos Apóstolos, Zaqueu aproximou-se, O abraçou e disse: – Senhor, hoje a felicidade entrou no meu lar. Enquanto Jesus participava do banquete na casa de Zaqueu, do lado de fora, os doutores da lei diziam: – Que Mestre é esse que se assenta a mesa com os homens de má vida? Jesus, porém, apenas lhes diz: – Eu vim ao Mundo para aqueles que estão doentes e não para aqueles que estão saudáveis. E, escutando isso, os homens que estavam do lado de fora da casa de Zaqueu se calaram. Depois de comer, conversar, contar uma parábola na casa de Zaqueu, Jesus despedia-se daquele homem, quando chorando o cobrador de impostos disse: – Senhor, eu prometo que eu darei aos pobres metade de tudo aquilo que eu possuo. E, àqueles de quem eu cobrei impostos com valor a mais, eu devolverei quatro vezes mais o valor que pagaram. Jesus abraçou Zaqueu e lhe disse: – Hoje, você realmente conseguiu se libertar das coisas materiais, para encontrar o tesouro que levará no seu coração para sempre, os tesouros espirituais que as traças não corroem, que a ferrugem não destrói e os ladrões não roubam.

97


A

de a d i tiv

VAMOS CALCULAR? Logo após o banquete que Zaqueu ofereceu a Jesus, quando o Mestre se despediu do cobrador de impostos, ele disse: “– Senhor, eu prometo que eu darei aos pobres metade de tudo aquilo que eu possuo. E, àqueles de quem eu cobrei impostos com valor a mais, eu devolverei quatro vezes mais o valor que pagaram.”. Dessa forma, se Zaqueu vivesse nos dias de hoje, quais seriam os valores que ele teria de pagar? Vamos calcular? 1) Se Zaqueu tivesse uma fortuna de R$ 300.000,00, qual o valor que ele teria que doar para os pobres? 2) Se Zaqueu tivesse uma fortuna de R$ 150.000,00, qual o valor que ele teria que doar para os pobres? 3) Se Zaqueu tivesse uma fortuna de R$ 200.000,00, qual o valor que ele teria que doar para os pobres? 4) Se Zaqueu tivesse uma fortuna de R$ 80.000,00, qual o valor que ele teria que doar para os pobres? 5) Se Zaqueu tivesse uma fortuna de R$ 120.000,00, qual o valor que ele teria que doar para os pobres? 6) Se Zaqueu devesse a Joaquim R$ 40,00, qual é o valor que ele teria que devolver para Joaquim? 7) Se Zaqueu devesse a Manuela R$ 50,00, qual é o valor que ele teria que devolver para Manuela? 8) Se Zaqueu devesse a Raimundo R$ 20,00, qual é o valor que ele teria que devolver para Raimundo?

9) Se Zaqueu devesse a Beatriz R$ 100,00, qual é o valor que ele teria que devolver para Beatriz?

98


o d s Talento a l o b รก r a s P


Pará

100

Capítulo 23

s bola dos Talento

Quando Jesus encontrou-se com Zaqueu na cidade de Jericó, o Mestre e seus Apóstolos foram para a casa daquele cobrador de impostos. Foi, ali, na casa de Zaqueu, que Jesus contou uma parábola. A parábola é sempre uma história muito interessante, que contém um ensinamento moral. À época de Jesus, os talentos eram uma moeda de valor. Então, Jesus contou que um homem muito rico possuía muitas terras, muitos talentos, muito gado. Ele era dono de diversas plantações. Certo dia, ele precisou fazer uma longa viagem. Antes de viajar, o senhor das terras decidiu chamar os seus trabalhadores de confiança para que eles recebessem alguns bens para tomarem conta. O senhor chamou na sua casa três servos nos quais ele tinha muita confiança e disse-lhes: – Nesta semana, eu vou viajar para um lugar distante daqui. Eu ficarei muito tempo fora das minhas terras. Vocês vão cuidar das minhas coisas, enquanto eu estiver fora. Os três trabalhadores ficaram muito agradecidos, porque realmente o senhor tinha confiança neles. E ele continuou: – Com cada um de vocês eu vou deixar uma quantia diferente, para que vocês possam usar e multiplicar. Vou dar a cada um a quantia que sei que conseguirá trabalhar com ela. Distribuirei segundo a capacidade de cada um. Porém, no dia em que eu voltar de viagem, eu chamarei vocês e vou pedir de volta tudo que receberam e o que produziram. Estamos combinados? E, assim aconteceu. O senhor deu cinco talentos para um, dois talentos para outro e um talento para o terceiro. O rico fazendeiro fez a sua longa viagem. Ao retornar, chamou os servos, para que eles prestassem conta dos bens que foram entregues aos seus cuidados. O primeiro servo foi chamado. Ele havia recebido cinco talentos.


– Senhor, você me deu cinco talentos. Aqui estão outros cinco que eu ganhei com o suor do meu trabalho. O senhor da vinha estava feliz e, abraçando-o, disse-lhe: – Muito bem, servo bom e fiel! Sobre o pouco que eu lhe deixei, você foi fiel. Eu lhe darei muito mais. Venha alegrar-se comigo. Quando o servo saiu, entrou aquele que havia recebido dois talentos: – Senhor, você me confiou dois talentos, aqui estão outros dois que eu ganhei com o suor do meu trabalho. O senhor ficou feliz e disse ao seu servo: – Muito bem, servo bom e fiel! Sobre o pouco que eu lhe deixei, você foi fiel. Eu lhe darei muito mais. Venha alegrar-se comigo. Por fim, entrou na sala do seu senhor o último servo, que havia recebido um talento. Ele estava triste, com medo e disse: – Senhor, eu sabia que você é um homem muito severo. Eu tive muito medo de perder o seu talento ou que alguém pudesse me roubar. Então, eu o enterrei e aqui está o que é seu. O senhor, olhando para o seu servo, disse-lhe: – Servo mau, ingrato, infiel, porque pelo menos não entregou o talento recebido a um banqueiro, para que me pudesse devolver com os juros? Tirarei o seu talento e darei àquele que tem dez talentos. Porque todo aquele que tem e sabe usar, mais lhe será dado, e todo aquele que não tem, até o que tem lhe será tirado. Quanto a você, eu o dispensarei e agora terá que colher os frutos da sua preguiça, por não haver produzido nada de bom com o talento que recebeu. Com essa parábola Jesus quis nos ensinar que tudo o que temos são talentos que Deus nos deu. As nossas virtudes, a nossa inteligência, o corpo físico, os bens materiais, a escola são talentos que recebemos do Nosso Pai e que devemos multiplicar pelo bom uso, auxiliando a nós e aos outros que estão próximos de nós.

101


A

de a d i tiv

QUAIS Sテグ OS SEUS TALENTOS? Quais foram os talentos que Deus lhe deu? Escreva nas caixinhas abaixo os talentos que vocテェ possui e procure no seu dia a dia multiplicテ。-los.

102


h e r l encurvad u m a d a r a Cu


Cu ra

da da mulher encurva Capítulo 24

A presença de Jesus aqui na Terra trouxe muitas bênçãos para muitas pessoas. Ele ajudou e curou muitos homens e a muitas mulheres. O Mestre de Nazaré sempre tinha uma palavra amiga, um abraço carinhoso, um aperto de mão, a palavra certa para aquele que necessitava. Certo sábado, o Mestre estava ensinando em uma das sinagogas, quando Ele viu uma mulher que se encontrava no meio da multidão totalmente encurvada. Aquela mulher era muito conhecida na região. Havia dezoito anos que ela estava naquela posição corcunda. A senhora estava doente e sempre ia orar no Templo de sua cidade. Jesus, que conhece profundamente cada um de nós, percebeu que, junto daquela mulher, estava um Espírito que lhe fazia muito mal e agravava a doença. Jesus via além dos olhos físicos. Então, o Meigo Rabi chamou-a para perto de Si e, estendendo as suas mãos em direção a ela, disse: – Mulher, você está livre de sua doença. Naquele instante, o Espírito que acompanhava a mulher afastou-se, obedecendo à autoridade moral de Jesus, e ela levantou a cabeça. Chorando, a mulher ajoelhou-se aos pés de Jesus, dizendo-lhe: – Muito obrigada! Muito obrigada, Senhor!

104


Havia uma lei de Moisés que dizia que o sábado deveria ser santificado. Eles entendiam que era proibido trabalhar naquele dia. O chefe da Sinagoga que a tudo assistia não aceitou, porque Jesus realizou uma cura no dia de sábado. Então, o chefe da Sinagoga, manifestando a sua intolerância, disse à multidão: – Todos vocês sabem que há seis dias em que se pode trabalhar. Por que é que vocês não vêm à casa de Deus nesses dias, para serem curados, e não no dia de sábado? Jesus, que estava na Terra para poder auxiliar os homens a entenderem as leis da vida, olhando para aquele Doutor da Lei, apenas lhe perguntou: – Por acaso o senhor não solta o seu boi, a sua ovelha do curral, para que eles possam tomar água e se alimentarem no pasto, no dia de sábado? E esta mulher, que é filha de Deus, presa por um Espírito que a atormenta há dezoito anos, não convém soltá-la, neste momento, em que ela pede auxílio? Ela estava necessitada e é o nosso dever auxiliar aqueles que nos pedem, seja a hora ou dia que forem. Ao falar assim, o chefe da Sinagoga e os doutores da lei que estavam reunidos calaram-se, abaixaram os seus olhos e se foram, porque Jesus havia lhes mostrado que todo dia é dia de fazer caridade.

105


A

de a d i tiv

CAÇA-PALAVRAS Você já sentiu que a sua professora ou os seus pais já lhe deram muitas tarefas para fazer em casa, em um só dia? Alguma vez você já achou que estava carregando um peso maior que as suas forças aguentam carregar? No caça-palavras, descubra quais as virtudes que nos fazem sentir melhores, sem sentirmos encurvados na vida. I

B

C

E

T

S

A

Ã

R

N

I

R

A

M

E

T

O

O

D

I

R

E

M

A

Z

Q

A

L

E

G

V

O

T

E

H

U

M

I

L

D

A

D

E

N

O

R

A

I

T

O

C

E

M

P

A

T

O

G

N

O

A

A

M

E

S

A

C

R

A

N

G

Ê

R

I

N

A

Ç

I

R

E

R

Ô

M

C

O

N

F

I

A

L

A

S

S

M

M

I

L

E

I

N

A

C

A

P

A

R

A

M

I

F

D

A

M

Ê

I

R

L

M

Ã

R

M

Ã

O

N

S

A

C

O

N

F

I

A

N

Ç

A

S

P

E

A

O

D

E

R

C

O

R

I

M

F

A

P

R

U

Ç

M

E

K

L

I

H

T

W

E

R

Y

L

A

R

Ã

A

M

O

N

A

S

H

S

B

Ê

A

I

A

R

O

U

O

N

U

S

I

L

V

E

R

A

M

I

S

S

M

A

I

B

E

E

G

P

I

N

M

D

E

S

T

O

N

I

F

C

P

E

R

D

Ã

O

B

O

B

E

D

I

Ê

N

C

I

A

F

C

D

R

OTIMISMO ALEGRIA PACIÊNCIA AMOR OBEDIÊNCIA

106

CARIDADE PERDÃO HUMILDADE DETERMINAÇÃO CONFIANÇA


v e O lha Perdi a d a l o b รก r da Pa


C Pa id a rábol apítulo 25 d r e P a da Ovelha

Por onde Jesus passava, chamava a atenção das

multidões. Ele se fazia amigo de todos.

Jesus não fazia distinção de cor, raça, situação

social. Ele amava a todos igualmente e sempre

buscava levar uma mensagem de consolo e belas lições de bem viver.

Uma noite em que Ele estava reunido com

alguns cobradores de impostos e homens que eram considerados pelos judeus como pessoas de má vida, alguém falou em alta voz:

– Quem é esse homem chamado Jesus de Nazaré?

Ele recebe os pecadores e come com eles junto da mesa?

Naquele instante, o Meigo Rabi narrou-lhe

pequena história:

– Qual é o homem que tendo cem ovelhas, ao

perder uma, não deixa as noventa e nove sozinhas e vai em busca daquela que se perdeu, até encontrá-la?

O pastor, ao encontrá-la, coloca o animalzinho nos

seus ombros e a traz de volta para casa. Ele chama os amigos e os vizinhos e comemora, feliz, com eles,

108


porque a ovelhinha encontrava-se perdida e está de volta para o rebanho.

Aqueles homens e mulheres escutavam aquela

história, mas não entendiam muito bem o que Jesus queria ensinar.

Então, o Mestre, reconhecendo que realmente

eles não haviam compreendido a mensagem, disse-lhes:

– Eu digo a vocês que, desse mesmo modo,

acontece no Reino dos Céus. No Reino dos Céus, Deus, Eu e os Espíritos Amigos ficamos muito felizes,

quando alguma ovelha perdida retorna ao meu rebanho de amor. Há mais alegria no céu por causa de uma ovelha perdida que retorna para o rebanho, do que por aquelas que já se encontram reunidas.

E, terminando os ensinamentos daquele dia,

Jesus completou:

– Eu vim ao Mundo para aqueles que são doentes

ou estão errados e não para aqueles que são saudáveis.

Eu vim ao Mundo para aqueles que são infelizes e não para os que já possuem alegria de viver.

109


A

de a d i tiv

LABIRINTO Vamos ajudar a ovelhinha a voltar para o seu rebanho? Ela estรก totalmente perdida...

110


達 o mirrada m a d a r u C


Cura

Capítulo 26

da mão mirrada

Jesus estava dentro da Sinagoga, junto de seus

Apóstolos e alguns seguidores, quando os doutores da lei perguntaram:

– Nós o temos visto curar no dia de sábado. É

da vontade de Deus que se cure no sábado?

Jesus percebeu que a pergunta era maldosa e

pretendia demonstrar que Ele estava fazendo algo errado no Templo:

– Todos vocês que aqui estão possuem ovelhas

não possuem? Se uma de suas ovelhas cair em um buraco, no dia de sábado, vocês deixam de salvá-la?

Ora, um homem vale mais do que uma ovelha. Ou vocês não concordam comigo? Dessa forma, eu digo

a vocês que, aos olhos de Deus, não há nenhum mal em curar no dia de sábado. O bem deve ser feito em qualquer dia.

Todos ficaram em silêncio, pensando nas palavras

de Jesus.

Naquele dia, entre os homens e as mulheres que

ali se encontravam, havia um homem que tinha a sua mão direita mirrada. Ele tinha muita dificuldade em mover a sua mão, por isso ela ficava sempre paralisada.

Para que a mão fique doente e paralisada diversas

podem ser as causas. Às vezes, a pessoa nasceu

112


com um problema nos nervos e músculos da mão,

outras vezes, a pessoa pode ter sofrido acidente, machucando as mãos, ou, ainda, como aqueles que

não fazem uso devido das mãos e elas vão ficando paralisadas.

Aqueles que contaram a história de Jesus não

narram qual é o motivo que levou o homem a ficar

com a mão doente. Jesus apenas olhou para ele e disse:

– Estende a mão.

A frase de Jesus traz uma grande lição para

todos. Pediu ao homem que estava doente, com a mão mirrada, que estendesse a mão.

Estender a mão é não só abrir a mão e esticar

os dedos, mas é auxiliar as pessoas que estão

necessitadas. É apertar a mão daquele que está precisando de um afago, de um carinho; é fazer o bem em favor de alguém.

Quando o homem desconhecido estendeu a mão

direita, ela ficou totalmente saudável, como a outra. Quando viram esse acontecimento, os fariseus

saíram daquele local e foram planejar uma forma de prender Jesus.

113


A

de a d i tiv

FAZER O BEM SEMPRE... As palavras de Jesus, ditas ao homem da mão mirrada, foram: “Estende a mão”. Todos nós podemos estender a mão em favor do nosso próximo. Escreva nas luvas as formas que temos de estender as mãos aos outros.

114


Cesareia de Filipe


Capítulo 27

Cesareia de Filipe Jesus encontrava-se muito feliz junto dos seus Apóstolos, na cidade de Cesareia de Filipe. Durante todo aquele dia, Ele pregou às multidões, realizou curas e trouxe muitos ensinamentos, para todos aqueles que desejavam aprender sobre o seu Evangelho de Amor. Ao final da tarde, Ele encontrava-se debaixo de uma frondosa árvore. Os Apóstolos estavam assentados no chão, aproveitando a beleza da natureza. De repente, Jesus, com a sua voz suave e doce, perguntou aos seus seguidores: – O que as pessoas dizem sobre mim? E os Apóstolos começaram a dizer: – Uns dizem que o Senhor é o profeta Jeremias, outros dizem que o Senhor é Isaías, ou ainda um dos profetas que voltou. Há pessoas que dizem que o Senhor é João Batista. Como Jesus não era nenhuma dessas pessoas, Ele olhou para Simão Pedro, o pescador mais velho, e lhe fez uma pergunta direta: – E, para você, Simão, filho de Jonas, quem eu sou? Simão Pedro, que estava sentado ao chão, levantouse e tomado de uma alegria muito grande que envolveu o seu coração, sorrindo, disse: – O Senhor é o Cristo, o Filho do Deus Vivo. Jesus, olhando para Simão e para os outros onze Apóstolos, falou:

116


– Em verdade, Simão, eu digo que não foi a carne nem o sangue que revelaram isso a você, mas o Meu Pai que está nos céus, por meio dos Bons Espíritos. Nesse instante, Simão Pedro olhava para Jesus, sem saber o que dizer. Os Apóstolos ficaram surpreendidos com a resposta que ouviram, e Jesus continuou: – Eu estou me preparando para voltar à Judeia, mas eu digo a vocês que eu serei perseguido, traído, negado e morto. Naquele instante, Simão Pedro, que sempre quis defender Jesus e O amava, colocou as suas mãos pesadas no ombro do Mestre e lhe disse: – Isso não vai lhe acontecer, porque nós não deixaremos. Se isso acontecesse pensaríamos que Deus é injusto. Jesus retirou a mão de Simão Pedro do seu ombro e olhando para ele com severidade, disse-lhe: – Afasta-te de mim, Espírito Mau! Simão Pedro assustou-se e voltou a assentar-se no meio dos Apóstolos. É claro que Jesus não quis dizer que Simão Pedro era um mau espírito, mas, naquele momento, o pescador mais velho estava sendo médium dos Espíritos Maus que não desejavam que Jesus realizasse a sua missão de divulgar o seu Evangelho.

117


A

de a d i tiv

JOGO DOS SETE ERROS Preste bastante atenção e encontre no desenho abaixo sete erros.

118


e n v t u A r a m nรงas e B s A


As B

Capítulo 28

s em-Aventurança

Por onde passava, Jesus era acompanhado por

muitas pessoas. Uma multidão queria escutar o Rabi, para aprender com Ele os seus ensinamentos; outros queriam apenas ser curados dos seus males

físicos. E algumas outras pessoas queriam tentar Jesus, fazendo perguntas maldosas, para que o Mestre respondesse.

Certo dia, quando estava envolvido por uma

grande multidão e acompanhado dos seus Apóstolos,

Jesus subiu em um monte, assentou-se sobre uma grande pedra e, abrindo a sua boca, disse:

– Felizes são os humildes, porque deles é o Reino

dos Céus. Felizes são os que choram, porque eles

serão consolados. Felizes os mansos, porque eles herdarão a Terra. Felizes os que têm fome e sede de

justiça, porque eles serão saciados. Felizes os que são misericordiosos, porque eles obterão misericórdia. Felizes os de coração puro, porque eles verão a Deus.

Felizes os pacificadores, porque eles serão chamados

filhos de Deus. Felizes os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus. Felizes são

todos vocês, quando forem acusados injustamente e perseguidos por minha causa. Estejam todos vocês

120


alegres e felizes, porque a recompensa de cada um nos céus será grande.

Muitos se sentiam emocionados, porque as suas

palavras tocavam o coração de cada um deles. Os Apóstolos também se encontravam felizes, por

estarem recebendo aqueles belos ensinamentos. E, no final daquela tarde, enquanto o Sol se escondia por detrás do monte, Jesus continuou a falar:

– Vocês são o sal da Terra. Vocês, homens,

mulheres e crianças, são aquilo que dá vida à Terra. Se vocês que são meus discípulos não viverem na Terra para a melhorarem, como ela poderá ficar

melhor? Vocês também são a luz do Mundo. Não se

pode acender uma vela e colocá-la debaixo da mesa. É preciso acender a vela colocá-la em cima da mesa, para que ela possa iluminar toda a casa escura. Da mesma forma, em todos vocês deve brilhar a sua luz diante dos homens, para que todos eles vejam as

suas obras e possam aprender a amar o Nosso Pai que está nos céus.

Naquele dia, Jesus falou com carinho aos corações

que ali se encontravam e todos voltaram para casa, levando muitos ensinamentos.

121


A

de a d i tiv

ENUMERE AS COLUNAS Enumere as Bem-Aventuranças de forma correta. 1) FELIZES SÃO OS HUMILDES... 2) FELIZES SÃO OS QUE CHORAM... 3) FELIZES OS MANSOS...

PORQUE DELES É O REINO DOS CÉUS PORQUE ELES SERÃO SACIADOS.

4) FELIZES OS QUE TÊM FOME DE SEDE DE JUSTIÇA...

PORQUE ELES SERÃO CONSOLADOS

5) FELIZES OS QUE SÃO MISERICORDIOSOS...

PORQUE ELES OBTERÃO MISERICÓRDIA.

6) FELIZES OS DE CORAÇÃO PURO...

PORQUE DELES É O REINO DOS CÉUS.

7) FELIZES OS PACIFICADORES...

PORQUE ELES VERÃO A DEUS.

8) FELIZES OS PERSEGUIDOS POR CAUSA DA JUSTIÇA...

122

PORQUE ELES HERDARÃO A TERRA.

PORQUE ELES SERÃO CHAMADOS FILHOS DE DEUS.


Jesus e Nicodemos


Capítulo 29

Jesus e Nicodemos Na cidade de Jerusalém, havia muitos doutores da lei. Eles eram os homens que conheciam os ensinamentos de Moisés e dos demais profetas. Entre os setenta juízes do Templo de Jerusalém, havia um que se chamava Nicodemos. Desde o dia que ouviu falar de Jesus, ele teve uma vontade muito grande de conhecer o Mestre de Nazaré. Nicodemos tinha muito medo de ser visto conversando com o Nazareno, durante o dia, porque muitos pensavam que Jesus fazia o mal. Por isso, Nicodemos resolveu ir ao encontro de Jesus, à noite, para não ser visto por ninguém. Naquela noite, cheia de estrelas, Nicodemos andou pelas ruas estreitas da cidade de Jerusalém para encontrar Jesus, na casa onde o Mestre passaria a noite. Quando Nicodemos chegou, Jesus estava assentado do lado de fora da casa, em um banco de madeira, no alpendre. Ao chegar próximo de Jesus, Nicodemos foi direto ao assunto: – Mestre, eu sei que o Senhor fala em nome de Deus, porque não seria possível fazer as curas que o Senhor tem feito, se Deus não estivesse ao seu lado. O que é necessário fazer para entrar no Reino dos Céus? Jesus olhou para o Doutor da Lei, com muito carinho, e disse: – Nicodemos, ninguém pode ver o Reino de Deus, se não nascer de novo. Nicodemos assustado perguntou a Jesus:

124


– Senhor, mas como pode nascer de novo um homem que já está velho? Por acaso, eu posso voltar para a barriga da minha mãe e nascer uma segunda vez? Jesus, com um leve sorriso nos lábios, disse ao homem que já havia estudado muito as Leis Divinas: – Se um homem não renascer da água e do Espírito não pode entrar no Reino de Deus. Quando eu digo, nascer da água, estou me referindo ao renascimento em outro corpo. E nascer do Espírito é fazer a grande transformação interior, deixando de lado os defeitos e os maus hábitos e descobrindo as qualidades e as virtudes. O corpo físico nasce do corpo físico e pode morrer, mas o Espírito é imortal. Nicodemos arregalou os seus olhos, demonstrando para Jesus que ele não estava entendendo nada. Ele perguntou sinceramente ao Mestre: – Senhor, como pode tudo isso acontecer? E Jesus, com muito carinho, disse a ele: – Nicodemos, você é professor em Israel, um Doutor da Lei, e não entende a necessidade de retornar ao corpo físico? Cada um só pode ensinar e falar daquilo que conhece e que viu. Se você não acredita, quando eu falo dessas verdades simples da Terra, como vai entender as coisas que eu falar para você a respeito das Leis do Céu? Nicodemos abaixou seus olhos e voltou para casa, pensativo, a respeito de todos aqueles ensinamentos recebidos de Jesus, naquela noite.

125


A

de a d i tiv

CÓDIGO SECRETO Utilize o código secreto para descobrir qual é a frase dita por Jesus a Nicodemos.

l U l n Ó p U Æ | J

ð

J | U l ð ,

ƒ |

ƒ | Ó "

l $ð

A ä à $ C / D ƒ

" |

l ä " / | J

ƒ |

126

T ð ƒ |

E | É p G n I U

l ð Æ ð M N O P

V l ð T

.

R S U V

J " Ó Æ


vo do centuri達 r e s o d a r o Cu


Cu ra d

ão o servo do centuri Capítulo 30

No tempo de Jesus, o Império Romano tinha

poder sobre muitas nações. O Imperador de

Roma utilizava muitos soldados que controlavam as pessoas.

Os soldados eram divididos de várias formas.

Uma delas era um grupo de cem soldados que

se chamava centúria. O chefe da centúria se chamava centurião. Certa

ocasião,

Jesus

chegou

à

cidade

de

Cafarnaum, onde morava Simão Pedro, e teve um encontro com um centurião romano. O centurião veio procurar Jesus, porque um dos servos daquele

soldado romano estava muito doente. Ele estava quase morrendo.

O centurião queria que o pobre servo que

trabalhava na sua casa fosse curado por Jesus.

Então, o centurião pediu humildemente, para que Jesus tivesse compaixão do servo. Muitos

judeus

da

cidade

de

Cafarnaum

acompanhavam aquele centurião. Eram jovens e idosos que também pediam a Jesus que atendesse o pedido daquele homem, porque ele era muito bom. Eles diziam:

128


– Senhor, esse homem é bom. Ele ama a nossa

cidade e mandou construir um templo religioso para nós. Tem misericórdia dele e cura o seu servo.

Em silêncio, Jesus caminhava com eles, quando o

chefe dos cem soldados ajoelhou aos pés de Jesus e disse:

– Senhor, não quero incomodá-Lo. Eu não sou

digno de que o Senhor entre na minha casa. Eu tenho fé que, se o Senhor disser uma palavra, fará

com que meu servo fique curado, sem precisar ir a minha casa. Eu sou um homem que tenho muitos

soldados que me obedecem. Eu digo a eles “vai” e os

soldados vão, “vem” e eles vêm. O Senhor também tem muitos Espíritos sob o seu comando, diga a eles “vão” e eles irão.

Jesus olhou para o centurião e para todos os

judeus que estavam ao lado e disse:

– Em toda a Israel, por todas as cidades pelas

quais passei, eu não encontrei um homem que tivesse tamanha fé.

Depois de escutar essas palavras, o centurião

levantou-se, foi rapidamente para casa e, quando chegou

lá,

encontrou

seu

servo

com

saúde,

descobrindo que a cura da doença aconteceu no mesmo momento do encontro com Jesus.

129


A

de a d i tiv

LIGA PONTOS Ligue os pontos e descubra um lindo desenho para vocĂŞ colorir.

130


Jesus e Joana


Capítulo 31

Jesus e Joana

132

Em Cafarnaum, moravam muitas pessoas. Alguns moradores eram muito ricos, outros eram muito pobres. Em uma casa muito rica, vivia uma mulher romana chamada Joana. Ela era casada com um homem chamado Cusa. Ele trabalhava para o Império Romano e para o Rei Herodes, que era malvado com os seus súditos. Joana sofria muito porque o seu marido tratava-a muito mal. Ele vivia nervoso e brigava muito dentro de casa. Muitas vezes, Joana chorava baixinho, escondida dele e das pessoas que cuidavam da casa dela. Em uma noite, Joana teve uma briga com seu marido. Cusa foi se deitar e Joana ficou sozinha na sua grande sala. Uma das mulheres que trabalhavam na casa de Joana veio conversar com ela: – Minha senhora, desculpe-me pelo que eu vou falar. Estou vendo o seu sofrimento e gostaria de te dizer que aqui, na cidade de Cafarnaum, existe um homem que pode ajudar a mudar a sua vida. Ah, minha senhora, quando eu o ouvi falar pela primeira vez, o meu coração se encheu de alegria. Naquele momento, Joana enxugou as suas lágrimas e, olhando para a serva, perguntou a ela: – Mas quem é esse homem bom? – Ele se chama Jesus de Nazaré. Ele tem curado muitas pessoas, falado do amor, do perdão, da caridade e da união. A senhora gostaria de escutar os seus ensinamentos? Ele sempre fala na praia ou nas praças de Cafarnaum. Joana nada respondeu para a sua serva, mas ficou pensando a respeito do assunto. Naquela semana, o marido Cusa precisou fazer uma viagem e Joana aproveitou que ele não estava em casa e foi escutar Jesus. Cusa não gostava que Joana saísse, porque ele sentia muito ciúme dela. Na praia, ela viu Jesus dentro do barquinho de Simão Pedro. A palavra de Jesus tocou fundo no seu coração. Joana voltou para a casa, pensando de forma diferente a respeito do seu marido e da sua vida. Ela precisava amar ainda mais o esposo. Logo que Cusa voltou da viagem, Joana contou para ele a respeito de Jesus, mas Cusa não quis saber.


Embora o esforço que Joana fazia para amar o seu marido, as brigas e discussões na sua casa foram se tornando cada vez mais frequentes. Um dia ela pediu a sua serva para marcar uma conversa com Jesus. Ela gostaria de receber d’Ele uma orientação para a sua vida. Então, chegou o grande dia. O encontro seria na casa de Simão Pedro. Foi em uma noite em que Cusa não estava em casa. Joana chegou de mansinho e assentando-se aos pés de Jesus, na casa de Simão Pedro, disse: – Mestre, a sua mensagem tocou meu coração, desde o primeiro dia em que eu te vi. Sempre que posso, eu acompanho os seus passos. Eu tenho aprendido com o Senhor importantes ensinamentos. Eu estou sofrendo muito e gostaria de me separar do meu marido, para acompanhar os seus passos. O que o Senhor me diz? Jesus olhou com muita ternura para Joana, pegou as suas mãos, beijou-as e perguntou: – Joana, você quer viver a minha mensagem de verdade? – Oh! Senhor, é o que eu mais quero. – Joana, você gostaria de demonstrar o seu verdadeiro amor por mim? – Senhor, eu seria capaz de dar a minha vida pela sua vida. – Então, se você quer viver a minha mensagem de verdade e demonstrar o seu amor verdadeiro por mim, volte para a sua casa e ame ao seu marido Cusa. Joana sentiu uma emoção muito forte e Jesus continuou: – Minha filha, eu não vim aqui na Terra para aqueles que estão saudáveis, eu vim trazer o remédio para os que estão doentes. Eu não vim a Terra para os que estão felizes, mas trazer o meu amor para aqueles que estão tristes. Agora, volta para sua casa e cuida do seu marido, porque ele está muito doente. Ame-o cada vez mais. Joana beijou as mãos de Jesus e, ao sair da casa de Simão Pedro, levou a mensagem do verdadeiro amor dentro do seu coração. Quando estava indo embora, andando na praia, em direção à sua casa, ela teve vontade de olhar para trás. Ao olhar, viu Jesus, na casa de Simão Pedro, encostado na porta de entrada e escutou a voz do Mestre que lhe trazia a última mensagem: – Vai, filha, e ama o seu marido até o fim. Joana seguiu os ensinamentos de Jesus e permaneceu com sua família, tentando ajudar o marido e os filhos cada vez mais.

133


A

de a d i tiv

ELO QUEBRADO Essa corrente significa os laços de união que unem todas as famílias. Vários elos desta corrente estão quebrados. Vamos encontrá-los? Ao achá-los, feche os elos para que a corrente fique unida.

134


mim as criancinh a r i v i a as Deix


Deixa

in h c n a mim as cri

Capítulo 32

i vir a

as

Era uma tarde de Sol. Jesus se encontrava com

seus Apóstolos debaixo de uma grande árvore,

na cidade de Cafarnaum. O Meigo Rabi estava assentado na raiz de uma bela árvore, enquanto

alguns dos Apóstolos estavam assentados no chão, outros em pé.

Havia um grande silêncio. Os Apóstolos escutavam

atentamente tudo o que Jesus queria ensinar.

Enquanto isso, próximo dali, crianças brincavam.

Eram crianças de quatro, cinco até dez anos de

idade. Elas corriam para aqui e corriam para ali. Gritavam, brincavam e cantavam juntas.

Então, aquelas crianças viram o grupo de homens

reunidos debaixo da árvore. Elas tiveram curiosidade

de saber o que os adultos estavam fazendo ali, por isso vieram correndo em direção a Jesus.

Entre esses meninos, havia um que se chamava

Inácio. Ele tinha cinco anos de idade. Inácio era

muito conhecido, porque era órfão de pai e mãe e vivia nas ruas da cidade pedindo esmolas.

136


Quando os Apóstolos viram aquelas crianças

vindo em direção a Jesus, alguns deles tentaram impedir que elas chegassem perto do Mestre. Os homens pensavam que Jesus se sentiria

incomodado pelas travessuras das crianças.

Diante disso, todos puderam escutar da boca de Jesus:

– Deixai vir a mim as criancinhas.

E, chamando o pequenino Inácio, colocou o

menino no seu colo, as outras crianças assentaram ao seu derredor e, enquanto brincava com os cachos do cabelo de Inácio, o Mestre dizia:

– Aqueles que não se tornarem como uma

criança não entrarão no Reino dos Céus. Os

Apóstolos

permanecendo

em

abaixaram silêncio,

a

cabeça,

enquanto

Jesus

conversava com aquelas criancinhas e demonstrava aos adultos a importância de cultivarmos no

coração os pensamentos puros, os sentimentos bons, a alegria de viver e a espontaneidade.

137


A

de a d i tiv

QUEBRA-CABEÇA Para montar, basta colocar o número correspondente nos parênteses da peça que completa o desenho. Depois de montar, marque com um X qual é a criança que se chamava Inácio. Vamos colorir?

1 2

5

(

138

)

3 4

(

)

(

)

(

)

(

)


Marta e Maria


Capítulo 33

Marta e Maria

140

Em Israel, havia muitas cidades. Jesus visitou várias delas: Magdala, Cafarnaum, Cesareia de Filipe, Jericó, Jerusalém e também Betânia. Betânia ficava a uma hora de caminhada de Jerusalém. Era uma pequenina aldeia. Ali moravam pessoas muito simples que buscavam estudar e conhecer os ensinamentos deixados por Moisés, o grande legislador hebreu. Dentre estes ensinamentos, estavam não mentir, honrar pai e mãe e amar ao próximo como a si mesmo. Na cidade de Betânia, morava uma família que se tornaria muito amiga de Jesus. Em uma casinha construída de pedra, com dois andares, enfeitada por rosas perfumadas, moravam Marta, Maria e Lázaro. Eles eram irmãos. Marta era viúva e era ela quem cuidava dos seus irmãos mais novos. Lázaro era o mais novo dos três irmãos. Jesus havia enviado um mensageiro até Betânia para pedir aquela família para que Ele ficasse hospedado na casa deles, juntamente com os Apóstolos. Os três irmãos aguardavam muito felizes a chegada de Jesus. Marta e Maria já haviam limpado a casa, feito as comidas gostosas para poderem receber as visitas e agora aguardavam apenas a chegada do Mestre com seus amigos. Lázaro, de vez em quando, saia à porta da casa para ver se Jesus já estava vindo pela estrada. Quando o irmão mais novo de Marta e Maria viu Jesus, correu ao seu encontro e o abraçou, dizendo: – Senhor, que a nossa casa seja também a sua casa. Naquele momento, quando chegou na porta de entrada da casa de Lázaro, Jesus disse com muito carinho: – A paz esteja nesta casa. Marta e Maria encontravam-se à porta de entrada com vasilhas de água para que Jesus e os Apóstolos pudessem lavar as mãos, os


pés e entrar na casa, que foi preparada com muito amor. Na pequena sala da casa, os homens se assentaram em volta de Jesus e Marta foi trabalhar na cozinha, preparando o almoço. Ela ainda precisava arrumar os quartos para que todos pudessem dormir mais tarde. Correndo daqui para ali, Marta sentiu falta da sua irmã Maria. Onde estaria ela? Ao passar pela sala, Marta encontrou a sua irmã assentada aos pés de Jesus, escutando os seus ensinamentos. Ela colocou a mão na cintura e disse nervosa: – Maria, o que você faz aqui? Será que você não está vendo que eu ainda tenho muitas coisas a fazer na casa e estou precisando da sua ajuda? Maria nada disse. E Marta olhou para Jesus e pediu: – Senhor, fala para Maria vir me ajudar, porque eu tenho muitas tarefas para fazer e sozinha eu não conseguirei. Naquele instante, Jesus aproveitou para trazer um grande ensinamento para todos nós. Ele disse: – Marta, Marta, você está preocupada com muitas coisas, mas, neste momento, uma coisa só é necessária e Maria escolheu a boa parte. Naquele momento, Marta abaixou os olhos e entendeu a mensagem que Jesus queria passar a ela. É claro que ela poderia e deveria cuidar da casa, preparar o alimento e arrumar as camas, onde todos iriam dormir, mas naquele momento o mais importante era aprender as verdades do Evangelho e estar com o melhor amigo de todos, que era Jesus. Por isso, Maria havia escolhido a boa parte. Os irmãos dessa família se tornaram amigos íntimos de Jesus e todas as vezes que Ele passava naquela região ficava hospedado na casa deles.

141


A

de a d i tiv

CAÇA-PALAVRAS Jesus tornou-se amigo de Marta, Maria e Lázaro. Descubra no caça-palavras os sentimentos que despertaram no coração daquela família quando conviveram com Jesus.

A D M Z I D A D E E A M O R E

L X N F Q Z A E O C L A Ã I I

AMIZADE

E A I I P U L D B Ã E R N A O

R D Ã E M N E A O S L E I G A

APRENDIZADO CARIDADE BONDADE AMOR

UNIÃO

ALEGRIA

VERDADE

142

I E O G A O G D N D I A O R M

A D Z R C A R I D A D E D E I

I V A I E O I C E E A D G L Z

V E O A I N A E D C B A F I A

A R I O Ã N U N I Ã O D E A D

E D E S G E A X O O N M O R E

I A P R E N D I Z A D O R I M

L D E I L G E L R I A R U A Ã

U E D A I X A I G U D A I D O

S I A O A J L A R N E I N E U

X R O M O R I Z A D E M Ã O I


lher Samaritan u M a e s a Jesu


Jesu s

144

na a t i lher Samar

Capítulo 34

e a Mu

Quando Jesus veio à Terra, Ele andou muitos e muitos quilômetros para poder levar a mensagem do seu Evangelho a todas as criaturas. Eram muitas as estradas que levavam Jerusalém até Cafarnaum. E Jesus, naquele dia, escolheu a estrada que passava por Samaria, a região onde moravam os samaritanos. Os samaritanos eram inimigos dos judeus por causa de brigas políticas e religiosas. Jesus ensinava que todos eram irmãos e não fazia sentido qualquer inimizade entre os dois povos. Acompanhado dos Apóstolos, Jesus chegou à cidade de Sicar, onde havia um poço de água muito conhecido, chamado Poço de Jacó. Jesus pediu para que os Apóstolos fossem à cidade buscar algo para todos comerem. Enquanto isso, o Mestre caminhou em direção ao poço, onde estava a água para beber. Era meio dia, quando Jesus aproximou-se do poço e viu assentada à beira dele uma mulher samaritana chamada Fotina. Calmamente Jesus pediu: – Mulher, me dê um pouco de água para eu beber, pois tenho sede. Fotina ficou assustada, porque, naquela época, os homens não podiam conversar com as mulheres em público. Jesus era um judeu e ela era samaritana e os judeus e os samaritanos não conversavam, por serem inimigos. Então ela perguntou: – Como o senhor que é judeu pede água a mim que sou mulher e samaritana? Jesus sorriu e lhe informou: – Ah, se você soubesse quem pede a você água para beber, você é que me pediria, porque eu posso te oferecer a água viva. A mulher samaritana, olhando para Jesus, não entendeu as suas palavras e disse: – Judeu, se o Senhor não tem vasilha para beber a água do poço que é fundo, como pode me dar a água viva? Por acaso o senhor é mais poderoso do que o Profeta Jacó, que nos deu esse poço?


Fotina não havia entendido as palavras de Jesus, porque naquele tempo chamava-se água viva as águas que correm pelos rios, lagos em direção ao oceano. Se Jesus não tinha uma vasilha para beber a água parada do poço, como Ele podia dar a água viva? Porém, Jesus explicou a ela: – Mulher, todo aquele que beber da água que eu ofereço jamais terá sede. A água que eu ofereço são as mensagens de Deus que está nos Céus. Quem entende as leis de Deus sente a vida repleta de amor e não sente tristeza, nem desânimo. Aquele que beber da água do poço vai ter sede de novo, mas quem aprender comigo mata a sede do Espírito para a eternidade. A mulher samartina começou a compreender o que Jesus quis lhe dizer e sorrindo pediu: – Então me ensine sobre as leis de Deus, porque eu não quero mais essa sede do Espírito. Eu quero entender os ensinamentos divinos, para eu colocar em prática no meu dia a dia. – Vá à sua casa – disse Jesus – e traga aqui o seu marido. – Mas eu não tenho marido, falou assustada Fotina. – Eu sei, mas chame o seu companheiro. – O senhor fala como se já me conhecesse. – Eu sou o bom pastor e conheço a todas as minhas ovelhas. – Eu gostaria de lhe fazer uma pergunta, Jesus. Os meus pais sempre me ensinaram que eu deveria orar a Deus aqui na região da Samaria, no alto do Monte do Gafanhoto. Os judeus, o seu povo, dizem que todos nós devemos adorar a Deus no Templo de Jerusalém. Qual é o lugar onde deveremos adorar a Deus? Jesus então respondeu: – Um dia, Fotina, Deus não será adorado nem no Templo que existe no Monte do Gafanhoto e nem em Jerusalém. Deus será adorado dentro do coração de cada um de nós, com todas as forças do nosso Espírito. Fotina aprendeu a lição com Jesus que a verdadeira adoração a Deus não é feita pelos lábios, mas pelas atitudes corretas e a obediência aos ensinamentos divinos, em qualquer lugar em que estejamos.

145


A

de a d i tiv

DESCUBRA O CAMINHO Vários são os caminhos que levam Jerusalém a Cafarnaum. Jesus escolheu o caminho que passa pela Samaria. Descubra qual é? Marque com um X a letra correspondente ao caminho que Jesus usou para chegar em Cafarnaum.

A

B

C

E D

E D C B A

146


Jesus e Madalena


Capítulo 35

Jesus e Madalena Em volta do Lago de Genesaré ou Mar da Galileia, viviam muitas famílias. Essas famílias moravam em cidades que se tornaram famosas. Cafarnaum, Dalmanuta, Magdala, todas elas ficaram conhecidas por causa da vinda de Jesus à Terra. Em Magdala, morava uma mulher que era muito rica e muito bonita. Maria Madalena não era feliz porque havia feito coisas erradas na sua vida. Por causa da sua beleza, ela ganhou um castelo muito grande que ficava no alto de uma colina e os homens lhe davam muito dinheiro e joias. Quando anoitecia, a casa dela ficava cheia de homens que só se interessavam pela beleza daquela mulher. Ela tinha tudo o que o dinheiro pudesse comprar. Possuía roupas e joias muito caras, tapetes e móveis que enfeitavam o seu castelo. Até escravos e escravas ela havia recebido de presente. Ela possuía tudo, menos a felicidade e o amor das pessoas. Certo dia, uma das suas escravas disse-lhe que Jesus iria em Magdala, para ensinar o seu Evangelho. Maria Madalena se disfarçou com uma roupa velha de sua serva e, como uma mendiga, foi ouvir Jesus falar. Ela estava escondida no meio das suas escravas, quando viu o Mestre de Nazaré e pode sentir a bondade e o carinho que Ele tinha por todos. Ao ouvir a voz de Jesus, Maria Madalena chorou muito. Ela voltou para casa e resolveu mudar a sua vida, para que pudesse se sentir feliz. Daquele dia em diante, ela passou a amar o próximo como a si mesma.

148


Depois de alguns dias, ela recebeu a visita de um homem leproso, que havia sido curado por Jesus. Ele contou que Jesus havia curado as suas feridas e convidou Maria Madalena para ir conversar com o Mestre. Ela aceitou e foi encontrar Jesus na casa de Simão Pedro, o Apóstolo. Quando ela entrou na casa de Simão, Jesus a aguardava com um sorriso nos lábios. Ela entrou e ajoelhou-se aos pés do Rabi e, chorando, disse-lhe: – Raboni – que quer dizer: Mestre! – Maria! – Você me conhece? – perguntou ela assustada. – Eu já te esperava desde há muito tempo. – Deixa-me seguir os seus passos? Quero trabalhar ao seu lado. Eu quero te seguir, Jesus. – Deseja servir a minha causa? Então, vá e ame aos teus filhos. – Oh! Senhor, eu não posso ser mãe, eu nunca consegui engravidar. – Então, vai e seja mãe dos filhos que não têm mães e das mães que não têm filhos. A partir desse dia, Maria Madalena transformou-se no maior exemplo de renovação interior que temos no Evangelho. Ela procurou modificar a sua vida, de modo a deixar para trás a mulher cheia de defeitos, vícios e imperfeições, para aprender a amar ao próximo como a si mesma. E assim ela encontrou o amor nos exemplos, nos ensinamentos e na amizade de Jesus.

149


A

de a d i tiv

QUAL É A CENA? Pinte os espaços que estão com um pontinho e descubra uma personagem do Evangelho de Jesus.

150

• - PRETO • • - AZUL • • • - MARROM CLARO

+ - AMARELO

II - VERMELHO - LARANJA

°


A pesca de Sim達o


Capítulo 36

A pesca de Simão Simão Pedro era um velho pescador. Ele trabalhava em Cafarnaum, no Lago da Galileia ao lado do seu irmão André. Era por meio daquele trabalho que eles traziam sustento para a sua família. Todos os dias, os irmãos saiam para pescar à noite e, quando chegavam no meio do lago, com seus braços fortes, eles esticavam as redes em volta do barco para que pudessem recolher o maior número possível de peixes. Simão permanecia no Lago durante toda a madrugada e, pela manhã, quando retornava à praia, o pescador separava os peixes grandes dos pequenos, os peixes doentes dos saudáveis. Enquanto separavam os peixes, os irmãos pescadores cantavam músicas que demonstravam a alegria de estarem trabalhando. Logo depois, Simão Pedro e André vendiam os peixes para os mercadores, comerciantes ou mesmo para as pessoas da praia. Aquela noite foi só tristeza, nenhum peixe se viu. As redes voltaram vazias até o momento que Jesus apareceu. Quando Jesus aproximou-se do barco de Simão, percebendo a tristeza do Apóstolo, perguntou o que havia acontecido. – Mestre, durante toda a noite trabalhamos muito, mas não conseguimos pescar nenhum peixe. Jesus entrou no barco de Simão e pediu para que ele pudesse navegar novamente para o centro do Lago. E um pouco mais a frente disse ao seu Apóstolo:

152


– Pegue as redes e jogue-as novamente na água, para que possa pescar os seus peixes e trazer o alimento para sustentar a sua família. E quando Simão Pedro jogou as redes ao mar, ao puxá-las, logo depois, encheu o seu barco de peixe e sentiu muita alegria no coração. Ali mesmo, Simão Pedro ajoelhou-se aos pés de Jesus chorando e disse: – Senhor, eu sou um homem que muito erra e não sou digno de que o Senhor esteja comigo. Jesus o levantou do chão do barco e apenas disse a ele: – Não tenha medo, Simão. Eles voltaram para a margem da praia e Simão Pedro, somente mais tarde, vai entender o que aconteceu naquele dia. Jesus não fez aparecer peixes onde não tinha. Jesus via além do que os nossos olhos físicos podem ver. O Mestre era chamado o médium de Deus. Quando ele entrou no mar com Simão Pedro, ele viu com os seus olhos espirituais onde os peixes se encontravam e por isso pediu para que Simão jogasse a rede ali, naquele local. Foi assim que Jesus, naquela manhã, conseguiu trazer alegria para o coração de Simão Pedro, que já estava preocupado em como conseguir o sustento de sua família.

153


A

de a d i tiv

CALCULANDO Quantos peixes Sim達o Pedro conseguiu pescar? Conte e anote no quadro abaixo.

154


M o onte Tab n o r t n o c n or Oe


O en

Capítulo 37 r contro no Monte Tabo

Durante a vida de Jesus aqui na Terra, Ele pôde

visitar vários locais. Jesus adorava a Natureza e sempre buscava os montes, os bosques, a praia, locais em que Ele se sentia em contato maior com Deus.

Em uma bela tarde, Jesus, acompanhado de

Simão Pedro, Tiago Maior e João, decidiu subir até um monte chamado Tabor.

Aquele era um lugar muito bonito e todos sentiram

vontade de falar com Deus, por meio da oração.

Os três Apóstolos estavam em profundo silêncio,

quando perceberam que algo em Jesus havia se modificado. Ele havia se transfigurado. As suas

vestes ficaram cheias de luz e o seu rosto também estava iluminado.

À frente de Jesus, apareceram dois Espíritos.

Eles podiam ser vistos pelos três Apóstolos.

Os Espíritos eram Moisés, o grande profeta

hebreu, e o profeta Elias. Eles voltavam do Mundo

Espiritual, para comprovar que a morte não existe. Eles estavam vivos e conversavam com Jesus.

Naquele momento, Jesus demonstrava que era

possível a comunicação com os Espíritos.

Simão Pedro percebeu aquela situação e, com

coragem, aproximou-se de Jesus, dizendo:

156


– Mestre, estamos felizes por estarmos aqui. Se

quiser, poderemos construir três cabanas, uma para o Senhor, uma para Moisés e outra para Elias, para que possam passar a noite aqui conosco.

Enquanto o Apóstolo mais velho de Jesus falava,

sobre eles apareceu uma nuvem luminosa e uma voz foi escutada:

– Este é o meu Filho Amado, com quem eu

muito me alegro. Ouvi-O.

Quando ouviram isso, os Apóstolos de Jesus

abaixaram-se no chão e tiveram muito medo. Moisés

e Elias desapareceram, depois de conversarem

com Jesus e, após tudo isso acontecer, o Mestre aproximou-se, tocou nos braços de Simão e disse: – Pode levantar-se e não tenha medo.

Foi assim que os Apóstolos puderam aprender

mais uma lição com Jesus. Eles perceberam que

os chamados mortos, aqueles que são os Espíritos, podem se comunicar com aqueles que estão vivos.

Eles passaram toda a noite no alto do Monte

Tabor. Quando amanheceu o dia, eles desceram

e Jesus pediu a eles que nada falassem com os demais Apóstolos e seguidores a respeito daquele acontecimento.

157


A

de a d i tiv

IDENTIFIQUE OS PERSONAGENS Identifique cada personagem abaixo, desenhando, aos pés de cada um, o símbolo correspondente, conforme pedido a seguir. – Faça uma cruz (†) em Jesus – Faça um círculo (¡) em Moisés – Faça um triângulo (r) em Elias – Marque João com uma estrela (ê) – Faça um quadrado (¨) em Simão Pedro – Faça uma meia lua (ƒ) em Tiago Maior

158


O Jovem Rico


Capítulo 38

O Jovem Rico Ao tempo de Jesus, muitas pessoas desejavam falar com Ele. Todos queriam ter uma palavra amiga, uma orientação, uma resposta ou uma mensagem para o coração. Muitos estavam aflitos, com o coração necessitado de uma palavra amiga. Um dia, Jesus recebeu a visita de um homem muito rico. Ele era jovem. Morava com os seus pais em uma bela e rica propriedade. Ele tinha muitos servos. Possuía uma boa alimentação e vestia as roupas mais caras, mas não se sentia feliz. Esse jovem já havia procurado muitas respostas, mas ainda não havia encontrado o roteiro seguro para a sua caminhada. No dia em que se encontrou com Jesus e os seus olhos cruzaram com os do Mestre, o jovem rico foi logo lhe perguntando: – Bom Mestre, o que devo fazer para que eu possa me sentir feliz na Vida Eterna? Jesus olhou para ele e respondeu: – Bom somente é Meu Pai que está nos céus, mas, se você quer ser feliz na vida eterna, siga os mandamentos. – Quais os mandamentos? – perguntou o jovem interessado. – Os que estão escritos na Lei: amar a Deus sobre todas as coisas, honrar pai e mãe, não mentir, não roubar. – Ah! Senhor, mas isso eu já faço. Desde pequeno, aprendi com os meus pais os ensinamentos de Moisés. Jesus sorriu para ele e afirmou:

160


– Então, vai agora, vende tudo aquilo que você possui, oferece aos pobres e segue os meus passos. O jovem arregalou os olhos. Ele não esperava esse convite de Jesus, por isso ficou pensativo a respeito desse assunto. O Mestre ficou em silêncio, esperando a resposta do jovem rico. Jesus que respeita a todos nós aguarda a nossa escolha. – Senhor, eu até poderia dar tudo aquilo que eu possuo para os pobres, mas eu gostaria de te pedir algo. Daqui a uma semana, eu vou participar de uma corrida de cavalos, na cidade de Cesareia de Filipe. Eu já estou me preparando, há muitos meses. Mandei comprar cavalos que vieram de outro país, para que eu possa ganhar essa corrida. O Senhor me aguardaria? – Não posso – disse Jesus calmo e sereno. O convite para você é hoje. Por isso, venha e segue-me. O jovem ficou muito pensativo e dividido entre o convite do Mestre e as coisas do Mundo. Jesus aguardava a sua resposta, quando o jovem ergueu os olhos e disse: – Não posso. Hoje, eu realmente não posso. E deixando Jesus sozinho com seus Apóstolos, o jovem saiu correndo porque lembrou-se de que os seus amigos estavam aguardando para treinar para a corrida. Jesus, que respeita as escolhas de todas as pessoas, apenas olhou para seus Apóstolos e disse: – Em verdade, eu digo a vocês que é muito mais fácil uma corda passar no buraco de uma agulha do que um rico entrar no Reino dos Céus.

161


A

de a d i tiv

O QUE VOCÊ PODE COMPRAR? Nem tudo o dinheiro pode comprar, porque o dinheiro não é tudo que se tem na vida. Pinte os quadrados que o dinheiro do jovem rico não pode comprar.

GRATIDÃO

SAÚDE

DIVERSÃO AMOR

RESPONSABILIDADE

COMPUTADOR

BOMBONS

AMIZADE

PAZ

BRINQUEDOS FELICIDADE ALIMENTO

162

ROUPAS

?


A r dĂşltera e h l u M A


Capítulo 39

A M ul her Adúltera

Jesus estava na praça, em Jerusalém, quando

vários homens se aproximaram d’Ele.

Eles traziam uma mulher que havia cometido

um erro considerado grave pelas pessoas da época – trair o seu marido.

Pela lei de Moisés, as pessoas que praticassem

alguns erros como aquele eram colocadas nas praças, para serem apedrejadas.

Os homens, porém, queriam saber como Jesus

resolveria aquela situação.

– Rabi, – disseram eles – esta mulher foi pega

traindo o seu marido. A Lei de Moisés manda que a apedrejemos. O Senhor o que diz?

A mulher estava muito assustada. Os olhos cheios

de lágrimas. Os homens a empurraram no chão. Ela caiu aos pés de Jesus.

O Mestre olhou para ela com muito carinho,

olhou para os homens que estavam em pé com as pedras nas mãos e disse:

– Atire a primeira pedra aquele que não tiver

nenhum erro.

Logo após, Jesus abaixou-se e começou a escrever

no chão. Ele escrevia com o seu dedo na areia

fina, enquanto os homens liam. De repente, eles

164


começaram a largar as pedras no chão e começaram

a ir embora calados. Os mais velhos foram os que saíram primeiro e depois os mais novos.

Ali estavam os doutores da lei, os homens do

Templo e as pessoas do povo.

Depois que todos se foram e Jesus ficou sozinho

com a mulher, Ele aproximou-se dela, que chorava, levantou-a do chão e perguntou:

– Onde estão aqueles que te condenavam? – Oh! Senhor, eles foram embora.

– Eu também não te condeno. Vai e não cometa

o mesmo erro de novo.

A mulher sorria e chorava ao mesmo tempo.

Não sabia como poderia agradecer a Jesus. E, depois de dizer muitas vezes “obrigada”, ela saiu de olhos baixos e levou consigo a mensagem do

Rabi que ficaria gravada no seu coração por toda a vida.

O Mestre, mais uma vez, ensinava que não

devemos ferir os outros pelos seus erros, nem devemos

julgar a ninguém. Todos nós temos os nossos erros e os nossos defeitos.

Dessa forma, precisamos respeitar os outros,

mesmo quando eles erram, e ajudá-los a acertar.

165


A

de a d i tiv

QUAL É A SOMBRA? Marque com um x a sombra que corresponde a da mulher adúltera.

166


Pai Nosso


Capítulo 40

Pai Nosso

168

Efraim era uma região muito bela. Os campos eram verdes, as montanhas altas, as árvores frondosas, as flores perfumadas. Jesus encontrava-se naquele local, juntamente com seus Apóstolos. No alto do monte, o Mestre fechou os seus olhos e parecia estar em sintonia com o Pai. O rosto do Rabi era calmo e sereno. Foi nesse instante que um dos seus Apóstolos pediu: – Senhor, ensina-nos a orar. João Batista sempre ensinava aos seus seguidores o valor da oração. Jesus sabia que a oração era muito importante na vida de todos. Ele olhou para os seus seguidores e orou: – Pai Nosso, que estás no céu, santificado seja o teu nome! Venha a nós o teu reino! Seja feita a tua vontade, assim na Terra como no Céu. O pão nosso de cada dia dá-nos hoje. Perdoa as nossas ofensas, na medida em que soubermos perdoar os nossos ofensores. E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal. Na medida em que Jesus falava, os corações dos Apóstolos encheram-se de alegria. O Mestre falava com Deus e, como um bom irmão, chamava-O de Pai de toda a Humanidade. Jesus rogava ao Pai que todos pudessem ser felizes na Terra, um dia, e que a vontade de Deus fosse sempre cumprida, tanto na vida dos encarnados na Terra, quanto na vida dos desencarnados, no Reino dos Céus. O Mestre pediu que Deus o auxiliasse a sempre encontrar o pão que alimenta o corpo, mas


também encontrar as virtudes dentro de si, que alimentam a alma. Na prece, Jesus pediu o perdão para todos nós. Ele disse que somente seríamos perdoados pelos nossos erros, se nós perdoássemos os erros dos outros. Jesus falava daquilo que o seu coração estava cheio. Era uma prece sincera, feita com verdadeiro amor, endereçada ao Nosso Pai do Ceú. Foi assim que a Oração Dominical, a Oração do Pai Nosso, foi ensinada por Jesus. O Mestre sabia que, na vida, é preciso utilizar do recurso da oração, em todos os instantes em que necessitarmos. Ele ensinou que a prece pode ter o objetivo de louvar, de agradecer ou de pedir. Com a oração podemos reconhecer a grandeza daquele que é o Nosso Criador. Por meio da oração podemos agradecer a Deus por todas as bênçãos que recebemos na nossa vida. Orando, podemos pedir aquilo de que necessitamos, reconhecendo que somos ainda pequeninos, muito necessitados de auxílio. Toda a oração feita com amor, carinho e respeito é escutada por Deus, que vai nos atender de acordo com a fé de cada um, com o merecimento que conquistamos pelas atitudes no bem e com a nossa vontade de sermos melhores. Em vários momentos de sua existência, Jesus utilizou-se da oração para falar com Deus. Ele deu o exemplo para todos nós, que somos os seus irmãos menores.

169


A

de a d i tiv

COMPLETE A FRASE Complete a oração do Pai Nosso, preenchendo as lacunas com as palavras corretas.

Pai ________________________, que estás no céu, ______________________________ seja o teu nome! Venha a nós o teu ___________________! Seja feita a tua ____________________________, assim na _________________ como no _____________. O pão nosso de cada dia dá-nos hoje. Perdoa as nossas ___________________________, na medida em que soubermos perdoar os nossos ofensores. E não nos deixes cair em __________________________, mas livra-nos do __________________.

TERRA MAL VONTADE

170

OFENSAS

NOSSO

TENTAÇÃO

SANTIFICADO REINO

CÉU


dadeira caridade r e v A


C

1

A ver apítulo 4 dade dadeira cari

172

Jesus estava na cidade de Jerusalém. Ele havia ido ao Templo de Jerusalém, o templo construído pelo Rei Salomão. Ele observava o comportamento das pessoas que ali se encontravam. Próximo ao altar, ficava um vaso de metal que se chamava gazofilácio. No vaso, as pessoas que iam ao Templo colocavam as suas moedas. Quanto mais moedas a pessoa jogasse no vaso, maior barulho o recipiente de metal fazia. Os doutores da lei, os sacerdotes e fariseus que ali se encontravam, sabiam se a pessoa estava dando pouco ou muito dinheiro, porque ficavam ouvindo o barulho que as moedas faziam. Em silêncio, Jesus estava com os seus seguidores, olhando a fila das pessoas diante do vaso de metal. Quando, de repente, aproximou-se do vaso uma senhora viúva acompanhada de sua netinha. Ela estava de cabeça baixa, apoiando-se na netinha e em um cajado. Ela tinha lágrimas nos olhos. Ao chegar bem perto do gazofilácio, ela retirou da sua bolsa duas moedinhas. A senhora estendeu a sua mão que tremia e deixou cair dentro do vaso a sua doação. As moedas dela não fizeram barulho algum, eram somente duas pequenas moedas. Nesse instante, Jesus olhou para ela com muita ternura e falou bem alto para que todos pudessem escutar: – Em verdade, eu digo para todos vocês que essa viúva, que é pobre, foi aquela que doou mais do que todos que estão aqui.


Os homens arregalaram os olhos. Os sacerdotes do Templo escutaram e Jesus disse: – Essa mulher doou mais do que aqueles que deram muitas moedas. Ela deu tudo o que tinha: as únicas moedas que possuía ela doou. Os outros deram aquilo que lhes sobrava, mas ela doou o que lhe faltava. Todas as pessoas que lá se encontravam, inclusive os Apóstolos de Jesus, ficaram surpresos com o ensinamento, mas aprenderam a grande lição. O que importa não é a quantidade que se doa, mas a intenção e a boa vontade com que se doa. Eles aprenderam também que a verdadeira caridade não é dar coisas para as pessoas. Isso não é o principal. A verdadeira caridade acontece, quando nós oferecemos aquilo que temos de melhor para auxiliar as pessoas que estão a nossa volta. A caridade pode ser feita na escola, nas ruas de nossas cidades, na família, na evangelização infantil. Em todos os momentos, podemos ter uma atitude boa para com as pessoas que necessitam. Quando damos um prato de comida, um pão, uma moeda, um remédio, uma roupa ou um brinquedo para quem precisa, também estamos fazendo a caridade. Porém, Jesus nos ensinou que a caridade é sermos bons para com todas as pessoas. É sermos pacientes, aceitarmos os nossos coleguinhas, os nossos amigos e os nossos familiares como eles são. E é perdoarmos todas as ofensas que as pessoas nos fazem no dia a dia.

173


A

de a d i tiv

ONDE ESTÃO AS MOEDAS? Descubra abaixo onde estão as duas moedas que a pobre viúva jogou no vaso de metal, no Templo de Jerusalém. Circule as moedas, assim que você as encontrar.

174


A Ăšltima Ceia


Capítulo 42

A Última Ceia Numa quinta-feira, pela manhã, na cidade de Betânia, Jesus aproximou-se de João e Simão Pedro e pediu-lhes: – Preciso da ajuda de vocês, para prepararmos a festa da Páscoa. Os dois Apóstolos, obedientes, desejaram saber: – Onde vamos realizar a ceia? Então, Jesus disse: – Quando entrarem em Jerusalém, vocês encontrarão um homem com um vaso de barro, cheio de água, sobre a cabeça. Vocês deverão segui-lo até a casa onde ele entrar. No andar de cima daquela casa, vamos nos reunir para jantarmos juntos e conversarmos. Simão Pedro e João foram para Jerusalém e, ao chegarem à cidade, encontraram exatamente o que Jesus havia falado. Eles encontraram um homem, com o vaso de barro na cabeça. Simão Pedro e João fizeram como Jesus lhes dissera e seguiram o desconhecido. O homem entrou na casa de Maria, a mãe de Marcos, aquele que seria mais tarde o futuro evangelista. Foi ali que os dois Apóstolos prepararam o encontro que se realizaria à noite. De tardezinha, Jesus e seus Apóstolos foram para a casa de Maria, em Jerusalém. Outras pessoas foram convidadas a participar daquela que ficou conhecida como a última ceia com o Mestre. Naquela oportunidade, Jesus deixou muitos ensinamentos. Logo no início, os Apóstolos discutiam quem era o maior entre eles. Para nos ensinar a humildade, Jesus amarrou uma toalha na sua cintura e, usando uma bacia com água, começou a lavar os pés dos seus seguidores, dizendo:

176


– No Reino dos Céus, o maior é aquele que mais serve e mais bem faz aos outros. O maior no Reino dos Céus é aquele que se fizer o menor de todos. Naquela ceia, Jesus repartiu o pão e o vinho, para ensinar que a sua Mensagem deveria ser compartilhada com todas as pessoas. Ele anunciou que um dos seus Apóstolos iria traí-Lo. E falou: – Eu serei preso e também morto, ainda hoje. Simão Pedro se levantou e gritou: – Jesus, eu darei a minha vida por você, se for preciso. – Ah! Simão, ainda hoje, antes que o galo cante, você me negará por três vezes. Simão Pedro não entendeu o que Jesus quis dizer e os Apóstolos olharam uns para os outros sem entenderem também. Com muita calma, Jesus continuou a falar: – Não fiquem tristes. A casa do Pai tem muitas moradas. Eu vou primeiro para preparar um lugar para cada um de vocês no Reino dos Céus. E prometo enviar outro consolador a vocês. Esse consolador é o Espírito de Verdade. Ele vai ensinar para vocês tudo o que eu tenho ensinado e muito mais. Naquele instante, Jesus fechou os seus olhos, fez uma bonita oração, pedindo a Deus para que pudesse abençoar os seus seguidores e também fortalecê-los na caminhada. Naquele dia, Jesus falou, com outras palavras, que enviaria a Doutrina Espírita. Ela nasceria na França, muitos anos mais tarde, com as perguntas de Allan Kardec e as respostas dos Espíritos Superiores, que explicam os ensinamentos de Jesus.

177


A

de a d i tiv

ENCONTRE OS PÃES Simão e João arrumaram o encontro que Jesus havia solicitado: A Última Ceia. Descubra, no desenho abaixo, 12 pães que deverão ser servidos para os convidados.

178


e das Oliveiras t n o M O


O Mon

Capítulo 43

s te das Oliveira

Logo após a última ceia, Jesus convidou Simão Pedro, Tiago Maior e João para estarem com Ele no Monte das Oliveiras. Todas as vezes em que Jesus ia a Jerusalém, costumava ir àquele monte para fazer as suas orações. Naquele dia, já era tarde da noite, quando Ele se dirigiu para lá com os três Apóstolos. A noite estava bela, com a Lua e as estrelas iluminando o caminho por onde Jesus passava. Quando eles chegaram ao jardim, Jesus pediu para os seus seguidores: – Eu trouxe vocês aqui, para que orem comigo. Vigiem e orem. O Mestre afastou-se dos seus Apóstolos, enquanto eles se assentaram em uma raiz de uma grande árvore. João olhou para os seus amigos e disse: – Se Jesus nos chamou para virmos com Ele, é porque Ele quer que nós O ajudemos, neste momento. Um grande silêncio se fez. Enquanto Jesus orava, o sono foi se aproximando dos três Apóstolos e eles foram se entregando, cada vez mais, até que dormiram. Algum tempo passou e, quando se aproximou deles, Jesus percebeu que eles dormiam. O Mestre acordou-os e disse:

180


– Será que vocês não podem orar comigo nem

por um minuto? Vigiem e orem.

Simão Pedro, João e Tiago Maior ficaram

muito envergonhados. Mas antes que pudesse pedir desculpas, Jesus se afastou e foi orar novamente.

Os Apóstolos não conseguiram ficar acordados,

pois eles estavam invigilantes. E, sem se darem conta, eles dormiram de novo.

Pela segunda vez, Jesus aproximou-se deles e

acordou-os dizendo:

– Não é momento de dormir. Vigiem e orem

para não caírem em tentação.

Os Apóstolos acordaram assustados e nada

disseram, porque realmente estavam dormindo, quando

Jesus

mais

momentos difíceis. No

mesmo

precisava

instante,

para

deles,

a

naqueles

surpresa

dos

seguidores de Jesus, eles viram um grupo de homens

vindo em direção ao jardim, para poderem prender

Jesus, trazendo nas mãos as tochas que iluminavam o caminho.

À frente de todos, estava Judas Iscariotes. Jesus,

ao vê-lo, apenas disse:

– Amigo, por que você está aqui?

181


A

de a d i tiv

PALAVRA CRUZADA Responda às perguntas e anote as respostas na palavra cruzada. 1) Qual foi o ensinamento que 1 5 Jesus deu aos Apóstolos, quando eles dormiram?

3

_______________________________________ 2) O que Jesus foi fazer no Monte das Oliveiras?

4

_______________________________________ 3) Qual foi a primeira palavra dita por Jesus a Judas Iscariotes, quando ele trouxe os soldados para prendê-Lo? _______________________________________

2

4) Além de João, Tiago Maior e Jesus, quem mais esteve no monte, antes de Judas Iscariotes chegar? _______________________________________ 5) Como se chamava o monte onde Jesus foi orar logo após a última ceia? _______________________________________

182


Traição de Judas


Capítulo 44

Traição de Judas Na quinta-feira, durante a última ceia, Jesus anunciou que um dos seus Apóstolos iria entregá-Lo aos inimigos. O Rabi estava comendo com os seus seguidores, quando João, o Apóstolo amado de Jesus, que estava sentado à sua direita, perguntou: – Senhor, quem irá te trair? – Aquele a quem eu der um pedaço de pão. E, molhando um pedaço de pão no vinho, Jesus entregou para Judas Iscariotes. Judas assustado, perguntou a Jesus: – Sou eu, Senhor, quem vou te trair? Jesus, olhando para ele, disse apenas: – Você é quem está dizendo. Faça rápido o que quer fazer. Judas Iscariotes queria que Jesus se tornasse o grande Rei de Israel. Ele desejava que o Mestre fizesse uma grande guerra. Por isso, Judas decidiu que levaria Jesus à presença de Anás e Caifás, que eram sacerdotes do Templo de Jerusalém, para que Jesus pudesse mostrar a sua força. Jesus estava no Monte das Oliveiras, orando em um jardim. Judas sabia onde Jesus estava e recebeu trinta moedas de prata para levar os soldados do Templo até onde Ele se encontrava. Ao aproximar-se de Jesus, Judas estava junto com os guardas dos sacerdotes. Havia outros homens que traziam as tochas acesas e também armas em suas mãos.

184


Jesus perguntou: – Amigo, por que você veio até mim? Judas nada respondeu e apenas deu um beijo no rosto de Jesus. Aquele beijo deveria significar a amizade, mas foi dado para que os soldados soubessem a quem deveriam prender. O Mestre olhou para o seu Apóstolo e disse: – Judas, com um beijo você me entrega aos meus inimigos. E, dirigindo-se aos guardas, o Meigo Rabi perguntou: – Quem vocês estão procurando? E eles responderam: – Jesus, o Nazareno. – Sou eu. Quando os homens iam amarrar a Jesus, Simão Pedro pegou uma espada que estava na cintura de um dos guardas e cortou a orelha direita de um soldado chamado Malco. Jesus chamou a atenção de Simão, dizendo: – Simão, guarda essa espada. Todos aqueles que ferirem com a espada com a espada serão feridos. Jesus, então, aproximou-se do soldado que tinha a orelha cortada e, colocando as mãos sobre o ouvido do homem que iria prendê-Lo, curou a ferida. Simão saiu correndo com medo. Tiago Maior e João ficaram com medo e também fugiram. Enquanto Jesus foi levado amarrado ao Sinédrio para ser julgado pelos sacerdotes do Templo de Jerusalém.

185


A

de a d i tiv

MARQUE COM UM X Marque com um x os motivos que levaram Judas a trair Jesus. 1( 2(

186

) Judas queria tomar o poder em suas mãos.

) Judas reconhecia Jesus como o verdadeiro Messias.

3(

) Judas queria uma grande revolução.

4(

) Judas queria que Jesus fosse crucificado.

5(

) Judas queria que o Evangelho de Jesus fosse levado a todas as pessoas por meio da força.

6(

) Judas queria que Jesus fosse o Imperador de Roma.

7(

) Judas era inimigo de Jesus.

8(

) Judas queria ganhar um cargo no Império Romano.


d e o Simão ã ç a g e N


Capítulo 45

Negação e Simão d Era uma noite muito escura e fazia muito frio. Parecia que alguma coisa de muito ruim iria acontecer. Logo após sua prisão, Jesus foi levado pelos soldados ao Sumo Sacerdote do Sinédrio. Ele se chamava Caifás. Caifás estava ao lado de Anás, esperando Jesus ser trazido pelos guardas. Era tarde da noite e alguns sacerdotes do Templo resolveram fazer o julgamento de Jesus naquele momento, aproveitando que muitos dos outros sacerdotes justos dormiam. Jesus estava em silêncio. Sabia que só havia feito o bem às pessoas, mas aqueles homens queriam convencer a todos que o Mestre havia desrespeitado as Leis de Moisés. Muitas pessoas na cidade de Jerusalém assistiram ao julgamento de Jesus. Logo após ter fugido do Monte das Oliveiras, onde Jesus foi preso, Simão Pedro escondeu-se no meio da multidão. Ele quis saber para onde Jesus seria levado. Quando viu homens e mulheres entrarem no Sinédrio, Simão decidiu entrar também. Ele passou na porta de entrada do Sinédrio e uma mulher que estava ali o reconheceu e disse: – Você é um dos discípulos de Jesus. – Não sou – respondeu Simão Pedro sentindo muito medo.

188


Afastando-se daquela mulher, Simão procurou um grupo de servos e de guardas, que estavam ao lado de uma fogueira acesa, para se aquecerem do frio. Quando, de repende, um homem disse em alta voz: – Ele estava com Jesus, o Nazareno. E Simão jurou que não conhecia Jesus. Ainda naquele momento, um dos servos do Sumo Sacerdote disse: – Você é um dos seguidores de Jesus. Até a sua forma de falar mostra isso. – Eu não. Eu nunca vi esse homem. Era a terceira vez que Pedro negava a Jesus. De repente, Simão Pedro escutou o galo cantar. Naquele momento, o Apóstolo mais velho de Jesus começou a chorar, porque se lembrou das palavras de Jesus na última ceia, quando o Mestre disse: – Simão Pedro, ainda hoje, antes que o galo cante, você me negará por três vezes. Simão Pedro ficou muito triste, chorou muito e se afastou daquele local, para não ver o que iria acontecer. Jesus foi julgado e condenado pelos sacerdotes. Os sacerdotes foram pedir autorização a Pôncio Pilatos, para que Jesus fosse pregado em uma cruz. Em Jerusalém, os castigos mais graves só podiam ser aplicados pelo Império Romano.

189


A

de a d i tiv

CAÇA-PALAVRAS Responda as perguntas abaixo e logo após encontre as respostas no caça-palavras. . Quantas vezes Simão negou Jesus? ___________________________________

. Onde Simão se encontrava no momento da negação? __________________________________________ . Qual o animal cantou depois da negação? ___________________________________________ . Qual é o Apóstolo mais velho de Jesus? ___________________________________________________

. Quem primeiramente reconheceu Simão quando ele estava no Sinédrio? _______________________________________

. Quando o galo cantou e Simão viu o que havia feito de errado, o que ele fez? ________________________________________

190

A

S

R

E

H

A

D

E

R

R

E

B

E

T

U

F

C

T

R

Ê

S

H

L

O

N

G

W

S

T

H

A

E

Y

T

E

M

D

E

R

G

Y

L

É

I

A

B

Ã

O

O

P

D

E

L

N

G

A

L

C

O

S

T

E

A

R

S

A

I

S

E

N

A

L

O

P

E

I

R

O

E

C

I

T

M

E

A

C

Ã

O

S

A

V

N

I

C

O

L

P

R

O

Ê

T

S

E

A

L

V

A

É

E

D

R

E

S

V

I

C

R

I

A

D

A

N

M

D

E

L

E

Ç

I

P

E

A

S

M

A

R

C

O

E

R

I

S

A

Ã

N

U

R

S

A

Ã

M

A

R

C

E

I

L

I

N

O

É

D

R

I

O

O

P

A

P

E

F

O

L

I

S

C

P

E

N

O

L

P

I

P

A

E

C

C

N

É

O

N

D

E

S

Ê

J

E

K

S

E

R

A

H

O

N

Ã

O

C

N

S

S

I

D

N

T

S

E

V

A

L

E

V

O

R

I

E

E

D

R

O

Ã

O

E

R

R

A

A

R

B

O

O

J

C

H

O

R

O

U

U

A

O

P

S

E

S

V

G

O

N

S

A

C

S

E

Q

S

N

R

O

S

A


c n i o Pilatos 么 P e s u s e J


Jesus

Capítulo 46

e Pôncio Pilatos

Depois de ter passado toda noite na prisão,

Jesus foi levado, na sexta-feira, pela manhã, para Pôncio Pilatos.

Muitas pessoas estavam ali, aguardando o que ia

acontecer. Quando Pôncio Pilatos viu Jesus, percebeu

que Ele era um homem comum, um carpinteiro. Pôncio Pilatos não queria castigar Jesus, pois via que

era um homem simples do povo e não um criminoso. Olhando para Jesus, perguntou a Ele: – Você é o Rei dos Judeus?

– Você é quem está dizendo. – disse Jesus –

Se o meu Reino fosse deste Mundo, as pessoas não

estariam me prendendo e me condenando, mas amando a todos como eu amo.

Pilatos olhou para o povo e disse:

– Esse homem não fez nada de errado. O povo, entretanto, gritava:

– Condene-O à morte! Ele diz que é filho de Deus

e nós não aceitamos!

Sem saber o que fazer, Pilatos mandou Jesus para

o Rei Herodes. Pilatos queria que Herodes, um Rei daquela região, resolvesse o que fazer com Jesus.

Quando viu Jesus, Herodes riu e disse que o

prisioneiro parecia um mendigo. O rei decidiu mandar o prisioneiro de volta para Pôncio Pilatos. Ao ter Jesus de volta, Pilatos disse:

192


– Em toda Páscoa, é costume que o povo escolha

um prisioneiro para ser solto. Vou mostrar dois prisioneiros para vocês escolherem.

Pilatos mandou trazer um criminoso que era

muito temido por todos. Ele se chamava Barrabás.

De repente, Pilatos perguntou à multidão que estava ali:

– Vocês preferem que eu solte Jesus ou Barrabás? E a multidão gritou: – Solte Barrabás!

Pilatos não esperava que o povo escolhesse soltar

o ladrão perigoso. Mas, quando ele perguntou ao povo o que fazer com Jesus, a multidão respondeu: – Crucifiquem-no! Crucifiquem-no!

Pilatos sentiu, bem lá no fundo, na sua consciência,

que não deveria permitir que Jesus fosse morto. Mesmo

assim, ele pediu que os seus servos trouxessem uma bonita bacia com água e, diante de todas aquelas pessoas, ele lavou as suas mãos, dizendo:

– Eu não sou o responsável pela morte desse

homem inocente.

Dessa forma, Pilatos permitiu que o povo

condenasse Jesus.

O bondoso Rabi foi levado para a crucificação e,

daquele dia em diante, Pilatos sentiu-se muito triste e doente, por não ter escutado a sua consciência.

193


A

de a d i tiv

QUEBRA-CABEÇA Para montar, basta colocar o número correspondente nos parênteses da peça que completa o desenho.

1

3

2 4 5 (

194

)

(

)

(

)

(

)

(

)


a a g e sua cru r r a c s u s z Je


Capítulo 47 Jesu s carrega a sua cruz

196

Era uma sexta-feira, no período da tarde o Sol estava muito quente. Os soldados romanos colocaram um pano vermelho sobre os ombros de Jesus e uma coroa feita de espinhos sobre a cabeça do Mestre. Os soldados fizeram isso para zombar de Jesus, pois muitos O chamavam de Rei dos Judeus. Eles colocaram sobre o ombro de Jesus uma pesada cruz, que pesava mais de setenta quilos. O Mestre deveria carregar a cruz de madeira pelas ruas de Jerusalém até o alto do Monte, que se chamava Monte Gólgota ou Monte da Caveira, onde as pessoas eram crucificadas. As pessoas estavam reunidas. Homens, mulheres, jovens e até mesmo crianças queriam ver Jesus carregar a sua cruz. A multidão ria de Jesus, enquanto Ele caminhava, com a cruz nos ombros, em silêncio. O Mestre não chorou, não reclamou, nem teve raiva de ninguém, apenas deu o exemplo. Naquele momento, algumas mulheres estavam acompanhando Jesus. Eram as mulheres piedosas do Evangelho. Todos os homens que seguiam Jesus ficaram com medo e fugiram, quando Ele foi preso. Somente João, o Apóstolo amado, estava junto daquelas mulheres. João era muito jovem. Ele não teve medo e ficou ao lado de Maria, a mãe de Jesus. João segurava a mão de Maria e dava apoio a ela, enquanto ela chorava. Ela sabia que o seu filho só fazia o bem, que era inocente. Ao lado deles, estavam Madalena, Maria, a mãe de Marcos, chamada Maria de Jerusalém, Marta e Maria, irmãs de Lázaro, Salomé, mãe de Tiago Maior e João. Jesus estava muito machucado por causa das chicotadas que Ele havia recebido. Ele estava muito fraco e tinha dificuldades de carregar a sua cruz. De repente, Jesus caiu pela primeira vez. Os soldados, com os chicotes na mão, forçavam Jesus a se levantar do chão e prosseguir. O Mestre esforçou-se muito. Quando conseguiu levantar, olhou para as mulheres que choravam e disse-lhes: – Não chorem por mim. Chorem por vocês! Porque, se o Mundo faz isso a mim que sou o ramo verde, que não tenho


nenhum erro, o que as pessoas poderão fazer a vocês que ainda são galhos secos, que possuem ainda muitos erros?

Naquele momento, Maria teve vontade de colocar o seu filho

em seu colo. Ela relembrou os tempos de criança em que Jesus caía e ela O auxiliava, ajudando-O a se levantar.

Porém, os soldados romanos impediam que qualquer pessoa

pudesse se aproximar.

Jesus conseguiu andar mais um pouco até que caiu pela segunda

vez. Naquele momento, o soldado romano pegou nos ombros de um

homem que estava em pé assistindo a tudo e empurrou-o para próximo da cruz para que ele pudesse ajudar o Mestre.

O homem se chamava Simão e morava em uma cidade chamada

Cirineia. Ele estava na cidade de Jerusalém para comprar ervas para

curar a sua filha que estava doente. Simão ajudou Jesus a carregar a sua cruz até o Monte e ficou conhecido como Simão, o Cirineu.

Mesmo com a ajuda de Simão, Jesus caiu pela terceira vez,

porque estava muito cansado e ferido.

Caído ao chão, Jesus tinha dificuldades de se levantar. De

repente, do meio da multidão, saiu uma mulher muito bonita. Chamava-se Verônica. Ela ajoelhou-se aos pés de Jesus e colocou

um pedaço de pano branco sobre o rosto d'Ele. Ao levantar o pano, o rosto do Mestre estava marcado no linho branco.

Com coragem e muito amor, Verônica estendeu o pano e cantou

para a multidão que estava ali reunida:

– Oh! Homens, todos vocês que passam por este caminho.

Atende, atende a dor do nosso Mestre Jesus. Que a sua dor também seja a nossa dor.

Ela cantava e chorava sentindo uma emoção forte e algumas

pessoas da multidão choravam também.

Os soldados romanos tiraram Verônica de perto de Jesus e,

depois de muito caminharem, eles chegaram ao lugar onde Jesus seria crucificado.

Naquela tarde, Jesus iria regressar ao Mundo Espiritual, do

lugar de onde veio e para onde voltaria para amparar a todos nós. No Monte Gólgota, o povo aguardava ansioso que Ele

fosse pregado na cruz.

197


A

de a d i tiv

DIAGRAMA Marque no diagrama os personagens que Jesus encontrou no caminho que fez, levando a sua cruz até o Monte Gólgota.

G C I X Z N I C O D E M O S G

I S C O X F V E R A D P E I O

J U D A S T A D E U O L O M É

A C N O U I N S D W S O B Ã O

M E O Ã L K E I C O É Z X O S

A F R J M A D A L E N A I C O

R G E C A U C O P Ç E Q B I D

T I V E R Ô N I C A M U A R F

A H X D I L E C É P C E L I S

T Z E F A I L E V C O L P N P

E C I T W S O A X Z I I X E J

C A D G U O M S O S S T M U O

A S A L O M É V D C O U E M Ã

B I G C D E O E S D Z Z Ã É O

____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________

198

____________________________________________________________

S A L I B O S C V R T É O S L


รฃ รง o de Jesus a c i f i c u r C


Capí

o 48

tul Cruci s ficação de Jesu

Jesus foi crucificado entre dois ladrões. Eles se chamavam Dimas e Gesmas. À frente da cruz, Maria chorava muito. Ela estava ao lado de João. Ele dava apoio à mãe de Jesus. As pessoas zombavam do Mestre e diziam: – Se você é enviado de Deus, desce dessa cruz e salve a sua vida? Gesmas estava na cruz do lado esquerdo de Jesus e, ao escutar as outras pessoas, ele também disse: – Você é o Cristo? Então, salve a você mesmo e também a nós. Tire-nos daqui da cruz. Dimas, o outro ladrão, que se encontrava do lado direito de Jesus, disse a Gesmas: – Não fale com Ele assim, Gesmas. Nós estamos aqui porque roubamos e prejudicamos os outros. Esse homem nada fez de mal. Tudo o que Ele fez foi ajudar as pessoas. E, olhando para o Mestre, Dimas falou: – Jesus, lembra-se de mim, quando chegar no teu Reino de Amor. E o Meigo Rabi respondeu: – Ainda hoje, você estará comigo no Reino dos Céus. Os céus de Jerusalém que estavam claros foram ficando escuros em uma grande noite. Jesus olhou para o soldado e pediu água: – Tenho sede! O soldado romano, então, colocou na ponta de uma lança uma esponja molhada não com água, mas com

200


vinagre, e levou-a aos lábios de Jesus. O vinagre era muito amargo e dava mais sede. Maria, a sua mãe, que tudo assistia, aproximou-se da cruz e disse a Jesus: – Carne da minha carne, coração do meu coração, meu filho, até quando durará o seu sofrimento? Jesus olhou para a sua mãe que era abraçada por João, o Apóstolo amado, e, com muita ternura, disse-lhe: – Mulher, aí está aquele que a partir de hoje será o seu filho. E, olhando para João, falou: – Filho, eis aí, a partir de hoje, aquela que será a sua mãe. Naquele momento, Jesus transformou a sua mãe em mãe de toda a Humanidade. Ele queria demonstrar que, além das ligações familiares de sangue, existem os laços espirituais que unem todas as pessoas, pois somos filhos de Deus. Um grande silêncio se fez, quando Jesus ergueu os olhos para o céu e trouxe a sua última mensagem aos homens, antes de desencarnar: – Pai, perdoa-lhes. Eles não sabem o que fazem! As pessoas que fizeram isso comigo estão doentes e não sabem o que estão fazendo. Jesus deu o último suspiro na cruz. Os soldados desceram Jesus da cruz e colocaram o corpo do Meigo Rabi no colo de Maria. E, assim, ela se despediu do seu filho amado.

201


A

de a d i tiv

IDENTIFIQUE OS PERSONAGENS Por meio de símbolos, identique os personagens: Triângulo (r)– Maria Círculo (¡) – Gesmas Quadrado (¨)– João Cruz (†) – Jesus Estrela (ê) – Dimas

202


ição de Jesus e r r u s s e R


Capítulo 49

Ressur

s reição de Jesu

Na época de Jesus, quando morriam os parentes

queridos, os judeus iam ao local onde o corpo havia sido sepultado, para lavar o corpo com perfumes.

No terceiro dia, após o corpo de Jesus ser sepultado,

Maria Madalena foi até o local, juntamente com Joana de Cusa e Salomé.

Porém, quando as seguidoras de Jesus chegaram, a

pedra que tampava a entrada do túmulo estava afastada e o corpo de Jesus não estava ali. Elas escutaram uma voz que dizia:

– Não fiquem assustadas! Estão procurando Jesus

de Nazaré, aquele que foi crucificado? Ele não está aqui. Ele ressuscitou de entre os mortos. Ele veio comprovar que a morte não existe.

Joana e Salomé ficaram com medo e desceram

correndo o monte para ir à cidade avisar aos seguidores

de Jesus, que o seu corpo não estava onde eles haviam deixado.

Como Joana de Cusa e Salomé foram à cidade,

Madalena ficou sozinha. Ela ficou ajoelhada em frente ao túmulo e começou a chorar. Ela queria descobrir onde estava o corpo do seu Mestre querido?

De repente, Madalena percebeu que alguém estava

entre as pequenas árvores, que ficavam em volta do túmulo. Ela pensou que era o jardineiro que ali se encontrava

e, quando ela se aproximou, Jesus saiu do meio das plantas.

204


Madalena teve forças apenas de dizer: – Raboni – que quer dizer, Mestre!

Ela se levantou, correu em direção a Jesus para

abraçá-Lo e Ele pediu com muito carinho:

– Maria, peço que você não me toque, porque ainda

não fui à casa de Meu Pai. Leve um recado para os meus seguidores. Peça a eles que todos possam ir à cidade de Betânia e lá eu falarei com eles.

Jesus desapareceu diante de Madalena e ela foi

atender ao pedido do Mestre. Ela correu até os Apóstolos,

que estavam escondidos para não serem presos como Jesus foi.

Maria, a mãe de Jesus, estava com os seguidores

de Jesus. E, quando Madalena deu o recado de Jesus, Tomé duvidou que fosse verdade:

– Você acha que vamos acreditar em você? Jesus

poderia ter aparecido à sua mãe, a Simão Pedro, a João. Por que Ele escolheu você para aparecer depois de morrer? Eu não acredito – disse Tomé.

A mãe de Jesus levantou-se do local onde estava e,

abraçando Madalena, disse:

– Eu acredito, Madalena. Eu acredito que o meu

filho apareceu a você.

E, assim, Madalena foi a primeira pessoa a quem

Jesus apareceu em Espírito, para comprovar que, depois da morte, todos nós continuamos a viver.

205


A

de a d i tiv

DIAGRAMA Responda às perguntas e encontre as respostas no diagrama, pintando as letrinhas correspondentes. . Quais as duas mulheres que acompanharam Madalena para visitar o túmulo de Jesus? ________________________________________________________________________ . Qual era o nome do local que as mulheres encontraram aberto, quando foram visitar o corpo de Jesus? __________________________________ . O que era usado para fechar os túmulos naquela época? _______________________________________ . Quando Jesus apareceu nos arbustos que estava em volta do sepulcro, quem Madalena pensou que fosse? _______________________________ . A quem Jesus apareceu pela primeira vez? ________________________________________________

206

C J O A M O J A N T Ú M U L O

A Z P Ç H T O X D E D S L M É

D T Z A I I A I O M I I O E O

E P J O A M N C X A S M W O L

X A O M G Ú A A E D R A X L M

Z É E E E L E B B A E Ú E J A

S O Ã M I O S A O L I L L A D

E M P E D R A I N E R O O R E

R T A S O O L O I N E H M D L

A Ú P T Ã D O R C A N E S I E

C B I Ú E J M I A N A R A N I

Q E R M E A É E G A L O I E A

E I D L O R S N I E E A S I N

I R E U D X O A X S A P D R A

S O P E D I X J W A J I G O S


A dúvida de Tomé


Capítulo 50

A dúvida de Tomé

Depois que Jesus apareceu à Maria Madalena, ela foi correndo contar aos Apóstolos que Jesus havia ressuscitado e vivia. O Apóstolo Tomé foi o único que não acreditou no que ela contou e, por isso, não foi à cidade de Betânia, para encontrar Jesus, como o Mestre havia pedido. Em Betânia, naquela pequena aldeia, Jesus apareceu aos seus dez Apóstolos, trazendo-lhes muita alegria. Em uma casa, com portas e janelas fechadas, Jesus apareceu iluminado aos olhos de todos e disse: – A paz esteja convosco! Naquele dia, Jesus conversou com os seus seguidores e lhes trouxe muitos ensinamentos. Quando os Apóstolos se encontraram com Tomé, contaram a ele a alegria que sentiram ao ver Jesus: – Vimos o Senhor! Tomé olhou para eles e, sorrindo, disse-lhes: – Vocês acham que eu vou acreditar? Eu só vou acreditar, se eu tocar as feridas d’Ele. Eu só vou acreditar, se eu puser o meu dedo no lugar dos pregos nos pulsos e nos pés de Jesus.

208


Oito dias se passaram desde aquele acontecimento. As lembranças de Jesus sempre vinham à mente dos seus seguidores, mas eles não comentavam mais sobre a morte do Mestre. Só se recordavam que Ele estava vivo. Um dia, todos os Apóstolos estavam em uma casa. Tomé estava com eles. As portas e janelas estavam fechadas novamente. De repente, Jesus apareceu iluminado no meio deles e disse: – A paz esteja com vocês! Jesus foi andando em direção a Tomé, esticou o braço e a mão, mostrando os seus pulsos e disse-lhe: – Põe o seu dedo aqui e veja! Estende a sua mão e toque as minhas chagas e crê em mim! Tomé ajoelhou-se aos pés de Jesus e começou a chorar, dizendo: – O Senhor é o meu Mestre! Eu creio! Jesus apenas lhe disse: – Porque você viu, acreditou. Felizes os que não viram e creram! E, a partir daquele dia Tomé aprende a grande lição da fé na imortalidade do Espírito. O Apóstolo viajou por diversos locais, levando a mensagem do Evangelho de Jesus aonde fosse necessário.

209


A

de a d i tiv

VAMOS PESQUISAR? Você possui dúvidas? Escreva aqui as suas dúvidas e tente encontrar as respostas com o auxílio de pessoas que você conhece. Pesquise também nos livros e dicionários.

210


S m im達o Ped o c o r t n o c ro En


En con

ro tro com Simão Ped Capítulo 51

Logo após a crucificação de Jesus, Simão Pedro ficou muito triste por que havia negado Jesus por três vezes. O pescador perguntava interiormente: “Por que eu agi daquela forma? Por que neguei a Jesus?” Contudo, a resposta era o silêncio. Até que um dia, estavam os onze Apóstolos reunidos na praia, quando Jesus lhes apareceu e informou-lhes que Ele permaneceria somente mais alguns dias, em Espírito, com os Apóstolos. Aquela era a terceira vez que o Mestre aparecia aos discípulos depois da ressurreição. Em determinado momento, Jesus aproximou-se de Simão Pedro. O pescador Simão estava assentado na areia, encostado em seu barco. Jesus olhou nos olhos de Simão Pedro com muito carinho e lhe perguntou: – Simão Pedro, filho de Jonas e Maria, você me ama de verdade? Simão Pedro abaixou os olhos e respondeu: – Oh! Mestre, o Senhor sabe que eu te amo. – Então, cuida dos meus cordeiros. Cuida dos doentes e dos necessitados, Simão. Um minuto de silêncio se fez e Jesus perguntou novamente para o Apóstolo mais velho: – Simão Pedro, você me ama? – O Senhor sabe que eu te amo. – Cuida das minhas ovelhas. Cuida daqueles que necessitam de mim. E pela terceira e última vez, Jesus perguntou:

212


– Simão, você me ama? Simão Pedro começou a chorar e soluçando respondeu: – O Senhor que a tudo vê, que tudo sabe, conhece-me e sabe que eu te amo. Se preciso for, eu darei a minha vida pelo Senhor. O Mestre levantou Simão Pedro do chão, abraçou-o e disse-lhe: – Simão, então cuida das minhas ovelhas. Cuida das pessoas que sofrem. Quando você era jovem, você andava por onde queria. Agora você já envelheceu, irá aos lugares que Deus, o Nosso Pai, enviá-lo. Naquele dia, Simão Pedro chorou muito e compreendeu a lição. Jesus não havia se importado com a negação de Pedro. O Mestre sabia que Simão Pedro iria trabalhar muito e realizar muita caridade em favor dos mais necessitados. Simão demonstrou o seu amor a Jesus por mais de trinta anos, vivendo e ensinando a mensagem do Mestre, que sempre dá novas chances para que todos nós possamos acertar. Jesus permaneceu, em Espírito com os seus Apóstolos, aparecendo-lhes por diversas vezes, durante cinquenta dias, até que Ele se despediu dos seus seguidores. Ao se despedir, Jesus convidou todos os seus seguidores a irem pelo Mundo ensinar as Boas Novas de Alegria a todos os povos.

213


A

de a d i tiv

DESCUBRA A FRASE Durante a sua vida aqui na Terra, Jesus nos trouxe muitos ensinamentos. Porém, há um sentimento que Ele vivenciou em todos os momentos da sua vida. Quando Jesus apareceu a Simão Pedro pela terceira vez, Ele tentou fazer com que Simão lembrasse a respeito do mandamento maior. Vamos descobrir quais são as letras que estão por trás de cada coração? Anote-as dentro do coração vazio e descubra qual é o mandamento maior ensinado por Jesus?

A AMAR A DEUS T SOBRE TODAS AS COISAS E AO TEU PRÓXIMO COMO M A TI MESMO.

214


Jesus e Maria


Capítulo 52

Jesus e Maria

216

Logo após a morte de Jesus, Maria, a sua mãe, voltou para a cidade de Nazaré. Quando Jesus despediu-se dos seus Apóstolos, João, o Apóstolo amado de Jesus, foi buscar Maria para morar com ele em outra cidade. A cidade se chamava Éfeso. João lembrou-se de que Jesus, nos últimos momentos da cruz, pediu para que seu Apóstolo cuidasse de Maria. Em Éfeso, eles moravam em uma pequena casinha que ficava no alto de um monte. Lá de cima, as pessoas podiam ver o mar que banhava as terras de Éfeso. Em pouco tempo, todos em Éfeso falavam de Maria e João. Eles eram amados, porque ajudavam a todos. As pessoas chamavam Maria de Mãe Santíssima. Muitos viajantes passavam na porta da casa dos dois e Maria sempre tinha uma história para contar sobre Jesus, o seu Filho Amado. Ela dava pão a quem tinha fome, dava uma caneca de água para quem tinha sede. Era uma mulher muito amável e bondosa. Assim, ela conquistava os corações de todos. João pregava em todas as cidades que ficavam próximas de Éfeso. Ele não fazia muitas viagens, porque Maria já se encontrava idosa e ele não gostava de deixá-la sozinha. O Apóstolo de Jesus sempre saía pela manhã, mas voltava na hora do almoço. Ele saía novamente para pregar e voltava antes de anoitecer, para fazer companhia a Maria. É assim que devemos proceder em relação aos nossos parentes mais velhos. Sempre que possível devemos fazer companhia a eles e não deixá-los sozinhos. Em um desses dias, logo após o almoço, João saiu para pregar nos arredores de Éfeso e Maria ficou sozinha em casa. Depois de cuidar do lar, assentou-se do lado de fora, em um banco de madeira. Do local onde ela estava assentada, Maria podia ver o mar lá embaixo. De repente, ela viu que vinha um homem pela estrada. Ele estava coberto por panos muito sujos e ela percebeu que ele era um leproso. Era um homem que trazia muitas feridas no seu corpo.


Ele se aproximou dela. Naquele tempo, os leprosos não podiam chegar muito perto das pessoas que não tinham a doença da lepra. De repente, o leproso pediu: – A senhora teria alguma coisa para eu comer? Eu estou com fome. Maria olhou para ele com ternura. Ela pediu que ele esperasse. A mãe de Jesus foi dentro de casa, na cozinha, procurar algo para dar ao leproso. Ela não tinha nada para oferecer àquele viajante doente que estava com fome. Ela saiu de casa com o rosto triste, assentou-se no banquinho e chamou o homem desconhecido para assentar aos seus pés. O homem assentou e Maria colocou a cabeça dele em seu colo de mãe. A mãe de Jesus começou a passar as mãos nos cabelos daquele homem, que estava todo cheio de feridas e disse a ele: – Você me desculpe, mas eu não tenho nada para lhe oferecer que possa matar a sua fome. Mas eu vou lhe falar de Jesus, o meu filho, para que você se sinta bem melhor. Ela fechou os olhos e começou a falar de Jesus. De repente, ela sentiu um perfume que já conhecia. E, quando ela abriu os olhos e olhou para baixo, Maria viu marcas dos pregos nos pulsos e nos pés do homem. Era Jesus que mostrava por aqueles sinais que estava ali ao lado de sua mãe. Maria chorando apenas disse: – É você, meu filho! O homem levantou-se e diante dela mostrou o seu verdadeiro rosto. Ele modificou a sua face, as suas roupas. Era Jesus que, em Espírito, vinha buscar a sua querida mãe. Maria já estava com setenta anos de idade. As mãos de Jesus se estenderam e sua boca disse: – Vem, minha mãe, vem ser a Rainha dos Anjos na casa do Meu Pai que está nos céus. Vem ser feliz, porque a senhora cumpriu a sua missão. E foi assim que Maria, naquela tardezinha em Éfeso, desencarnou. Ela foi recebida por Jesus e, com Ele, olha por todos nós, que somos também os seus filhos amados.

217


A

de a d i tiv

VAMOS COLORIR?

218


O autor

Wellerson Santos é natural de Carmo da Mata, interior de Minas Gerais, Brasil. Nascido em lar espírita, já aos nove anos de idade, lia as obras de Emmanuel e O Livro dos Espíritos. Com doze anos, incentivado por seu avô, Ulisses dos Santos, Wellerson realizava pequenos comentários nas reuniões públicas do Centro Espírita Paulo de Tarso, fundado por sua família, no interior mineiro. Na sua juventude, aos quinze anos, mudou-se para Belo Horizonte/MG, onde participou de forma ativa da Mocidade Espírita Joanna de Ângelis, pertencente à Fraternidade Espírita Irmão Glacus e, posteriormente, da Mocidade Espírita Maria João de Deus, ligada ao Centro Espírita Oriente. Por orientação mediúnica do Espírito Irmão Glacus, fez o curso de expositor, após o Benfeitor Espiritual haver revelado-lhe a existência de compromissos com o Movimento Espírita como palestrante e divulgador da Doutrina.


Aos dezessete anos realizou a sua primeira palestra pública na Fraternidade Espírita Irmão Glacus e neste ano de 2013 completa 20 anos de divulgação do Evangelho de Jesus à luz da Doutrina Espírita. Atualmente, Wellerson Santos realiza palestras em casas espíritas da Capital Mineira, em diversas cidades dentro e fora do Estado de Minas Gerais e no Exterior, destacando-se pela habilidade de contar histórias, sobretudo nos estudos a respeito da vida do Cristo e do seu apostolado. O orador possui mediunidade ostensiva de psicofonia, psicografia e vidência. Já escreveu diversos artigos sobre a Doutrina publicados por alguns jornais espíritas, entrevistou vários trabalhadores do Movimento Espírita. Tem onze livros publicados, entre obras mediúnicas e de entrevistas, quatro DVD’s e nove CD’s de áudio. Possui um livro bilingue, traduzido ao alemão, lançado pela Federativa Alemã na cidade de Stuttgart na Alemanha no ano de 2012. Desde abril de 2013, o orador tem feito o programa de rádio - Luzes da Luz - na WEB Fraternidade a emissora do bem na internet! Exibido também por outras emissoras. Nestes últimos anos, Wellerson tem se empenhado em levar a mensagem de Jesus à luz da Doutrina Espírita a todo lugar onde é chamado.


RESPOSTAS DAS ATIVIDADES Página 14 – 2 / 4 / 5 / 3 / 1

Página 34

Página 18 93

91

90

92 4

89 3

5 94

1

7 95

88

2

6

8

86

9 10 11

15

14 59

20

80

67 78

79

71

70

56

83 82 81

66

69

62

61

22

63

68

60 58 57 21

84 65

13

19

85

64

12

16 17 18

87

77

55 54

72 76 24

23

75

53 52

73

51

74

27

25

29

26

49

31 33

28 30

35

32

50

47 45 37

34

43 39 41 36

38

48

46 44

40

42

Página 38 – Resposta pessoal Página 42

Página 22 – 1- banheira / 2- enfermeira / 3- fraldas / 4- urso / 5- mamadeira / 6-berço / 7- chupeta Página 26 – 4 / 3 / 2 / 1 Página 30

Página 46 – Este é o meu Filho Amado! Eu estou com Ele e Ele está comigo! Página 50 – Tiago Maior / André / Simão Pedro / João


Página 54

Página 86 – sacerdote / levita / samaritano / ladrões / hospedeiro / homem Página 90

Página 58 – V / M / V / M / M / M / V / M/M/V Página 62 – 3 / 7 / 6 / 1 / 2 / 8 / 4 / 5 Página 66 – Resposta pessoal

D Z A C

O L OT E I E L ANDR RDÉ I S I S R IJ U D A S

E NE MSO

R D G OM T R I P E L F I S C A R I

E S N O Ã

U E R Ã O

A I

BA R T OL O M E U

A T E O E U S É MO D I O F O T A D E SÃORIOTE S MÉ T E U S A M FÓAS I M I T I A G M I I L I P I F DROZ E L T EMI É RJ

O T I A G O M E N O R

I S J Ã U O ZELT EF I L I PE A G O M A I O R UDA S E S MÉ

T O M É

I G O M E D E O J E E O S J U S C A R I

S I M Ã O Z E L O T E

J O J U D A S T A D E U S F I L U S O M A T E U S E

S I N O E O Ã U I Z U D A S E G O M A I I M Ã O P

S R D R T E S

à O F I L E P I L I P J O ÉBAT I AF D I E O ÃOG I S C A I E S T I G OMOÃJS F I LÍ P

Página 74 – Resposta pessoal Página 78 – 8 / 11 / 6 / 1 / 7 / 9 / 2 / 4 / 3 / 10 / 5 Página 82

Página 98 – 1- 150.000,00 / 2- 75.000,00 / 3- 100.000,00 / 4- 40.000,00 / 5- 60.000,00 / 6- 160,00 / 7- 200,00 / 8- 80,00 / 9- 400,00 Página 102 – Resposta Pessoal

Página 70 S G O I M A N MÉ T

Página 94 – 1- Espíritos / 2- Deus / 3- Jesus / 4- Maria/ 5- Corpo

Página 106 I

B

C

E

T

S

A

Ã

R

N

I

R

A

M

E

T

O

O

D

I

R

E

M

A

Z

Q

A

L

E

G

V

O

T

E

H

U

M

I

L

D

A

D

E

N

O

R

A

I

T

O

C

E

M

P

A

T

O

G

N

O

A

A

M

E

S

A

C

R

A

N

G

Ê

R

I

N

A

Ç

I

R

E

R

Ô

M

C

O

N

F

I

A

L

A

S

S

M

M

I

L

E

I

N

A

C

A

P

A

R

A

M

I

F

D

A

M

Ê

I

R

L

M

Ã

R

M

Ã

O

N

S

A

C

O

N

F

I

A

N

Ç

A

S

P

E

A

O

D

E

R

C

O

R

I

M

F

A

P

R

U

Ç

M

E

K

L

I

H

T

W

E

R

Y

L

A

R

Ã

A

M

O

N

A

S

H

S

B

Ê

A

I

A

R

O

U

O

N

U

S

I

L

V

E

R

A

M

I

S

S

M

A

I

B

E

E

G

P

I

N

M

D

E

S

T

O

N

I

F

C

P

E

R

D

Ã

O

B

O

B

E

D

I

Ê

N

C

I

A

F

C

D

R

Página 110


Página 114 – Resposta pessoal Página 118

Página 142 A D M Z I D A D E E A M O R E

L X N F Q Z A E O C L A Ã I I

E A I I P U L D B Ã E R N A O

R D Ã E M N E A O S L E I G A

I E O G A O G D N D I A O R M

A D Z R C A R I D A D E D E I

I V A I E O I C E E A D G L Z

V E O A I N A E D C B A F I A

A R I O Ã N U N I Ã O D E A D

E D E S G E A X O O N M O R E

I A P R E N D I Z A D O R I M

L D E I L G E L R I A R U A Ã

U E D A I X A I G U D A I D O

S I A O A J L A R N E I N E U

X R O M O R I Z A D E M Ã O I

Página 146 – C Página 150 Página 122 – 3 / 1 / 4 / 2 / 5 / 8 / 6 / 7 Página 126 – Ningúem pode ver o Reino de Deus, se não nascer de novo. Página 130

Página 154 – Total de peixes: 35 Página 158 – ¨ / ê/ ƒ / † / r / ¡ Página 162 – Pintar os retângulos: amor, responsabilidade, paz, amizade, felicidade, gratidão, saúde Página 134

Página 138 – 4 / 2 / 5 / 3 / 1

Página 166


Página 170 – Nosso / Santificado / Reino / Vontade / Terra / Céu / ofensas / tentação / mal Página 174

Página 190 A

S

R

E

H

A

D

E

R

R

E

B

E

T

U

F

C

T

R

Ê

S

H

L

O

N

G

W

S

T

H

A

E

Y

T

E

M

D

E

R

G

Y

L

É

I

A

B

Ã

O

O

P

D

E

L

N

G

A

L

C

O

S

T

E

A

R

S

A

I

S

E

N

A

L

O

P

E

I

R

O

E

C

I

T

M

E

A

C

Ã

O

S

A

V

N

I

C

O

L

P

R

O

Ê

T

S

E

A

L

V

A

É

E

D

R

E

S

V

I

C

R

I

A

D

A

N

M

D

E

L

E

Ç

I

P

E

A

S

M

A

R

C

O

E

R

I

S

A

Ã

N

U

R

S

A

Ã

M

A

R

C

E

I

L

I

N

O

É

D

R

I

O

O

P

A

P

E

F

O

L

I

S

C N

P

E

N

O

L

P

I

P

A

E

C

C

N

É

O

D

E

S

Ê

J

E

K

S

E

R

A

H

O

N

Ã

O

C

N

S

S

I

D

N

T

S

E

V

A

L

E

V

O

R

I

E

E

D

R

O

Ã

O

E

R

R

A

A

R

B

O

O

J

C

H

O

R

O

U

U

A

O

P

S

E

S

V

G

O

N

S

A

C

S

E

Q

S

N

R

O

S

A

A S A L O M É V D C O U E M Ã

B I G C D E O E S D Z Z Ã É O

Página 194 – 1 / 5 / 4 / 2 / 3 Página 198

Página 178

G C I X Z N I C O D E M O S G

I S C O X F V E R A D P E I O

J U D A S T A D E U O L O M É

A C N O U I N S D W S O B Ã O

M E O Ã L K E I C O É Z X O S

A F R J M A D A L E N A I C O

R G E C A U C O P Ç E Q B I D

T I V E R Ô N I C A M U A R F

A H X D I L E C É P C E L I S

T Z E F A I L E V C O L P N P

E C I T W S O A X Z I I X E J

C A D G U O M S O S S T M U O

S A L I B O S C V R T É O S L

Página 202 – ê / ¨ / † / r / ¡ Página 206 C J O A M O J A N T Ú M U L O

Página 182 - 1- Vigiai e Orai / 2- Orar / 3- Amigo / 4- Simão Pedro / 5- Monte das Oliveiras Página 186 – Marcar com um X: 2 / 3 / 5 / 6

A Z P Ç H T O X D E D S L M É

D T Z A I I A I O M I I O E O

E P J O A M N C X A S M W O L

X A O M G Ú A A E D R A X L M

Z É E E E L E B B A E Ú E J A

S O Ã M I O S A O L I L L A D

E M P E D R A I N E R O O R E

R T A S O O L O I N E H M D L

A Ú P T Ã D O R C A N E S I E

C B I Ú E J M I A N A R A N I

Q E R M E A É E G A L O I E A

E I D L O R S N I E E A S I N

I R E U D X O A X S A P D R A

S O P E D I X J W A J I G O S

Página 210 – Resposta pessoal Página 214 – Amar a Deus sobre todas as coisas e ao teu próximo como a ti mesmo. Página 218 – Resposta pessoal


Neste livro, VIDA DE JESUS PARA AS CRIANÇAS, estão cinquenta e dois capítulos, escritos e ilustrados com amor, que transmitem a mensagem do Evangelho de forma fiel, narrando o nascimento, a infância, a adolescência, a vida familiar, a vida pública com os discípulos, curas, parábolas, o desencarne e o retorno de Jesus após a crucificação. O propósito da obra é não só apresentar passagens da vida de Jesus ao universo infanto-juvenil, mas de promover também o diálogo entre pais e filhos, avôs e netos, tios e sobrinhos, educadores e educandos, para que a presença do Mestre seja sentida na troca do afeto e da sabedoria espiritual no seio da família cristã. A partir da experiência na tarefa de Evangelização Infantil e da prática de contar histórias sobre o Evangelho à luz da Doutrina Espírita, o autor reúne, aqui, sob as cores vivas e o traço encantado do ilustrador Bruno Lopes, ferramentas para o abençoado trabalho de matar as saudades de Jesus, sentidas pelos Espíritos milenares que despertam em vestes de criança e pelos nossos corações infantis que dormem, vida adulta afora, envoltos no turbilhão das experiências materiais. Na era da tecnologia e dos jogos eletrônicos, esta obra chega aos lares como mais um recurso para que se cumpra a orientação urgente e milenar do Mestre de Nazaré: “Deixai vir a mim as criancinhas”. Boa leitura! Boa comunhão! Boa Nova! Boa diversão!

A vida de Jesus para as crianças  

Livro ilustrado contando a vida de Jesus no ponto de vista espírita. 244 páginas, 52 capítulos com atividades. Realização do projeto gráfico...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you