Page 1

Tradutor: Bruno Henrique Blog: http://marcadoresdaleitura.blogspot.com.br/

Capítulo 21 Estou diante das pias no banheiro das mulheres no novo chão reivindicado da Audácia, uma arma descansando em minha palma. Lynn colocou lá há alguns minutos atrás; ela pareceu confusa que eu não envolvo minha mão em torno dela e coloco em algum lugar, em um estojo ou no cós da calça. Eu vou deixar isso ficar lá, e caminho até o banheiro antes que eu comece a entrar em pânico. Não seja um idiota. Eu não posso expor o que estou fazendo, sem uma arma. Seria loucura. Então eu vou ter de resolver este problema que eu tenho nos próximos cinco minutos. Eu enrolo o meu dedo mindinho em torno do punho primeiro, então meu segundo dedo, depois os outros. O peso é familiar. Meu dedo indicador desliza ao redor do gatilho. Eu libero uma respiração. Eu começo levantando-a, trazendo a minha mão esquerda para encontrar a minha direita no intuído de firma-las. Eu seguro a arma para fora do meu corpo, meus braços esticados, como Quatro me ensinou, quando esse era seu nome apenas. Eu usei uma arma como esta para defender o meu pai e irmão da simulação vinculada da Audácia. Usei-o para Eric parar de atirar em Tobias na cabeça. Não é inerentemente mau. É apenas uma ferramenta. Eu vejo um lampejo de movimento no espelho, e antes que eu possa me parar, eu olho para o meu reflexo. É assim que eu olhei para ele, eu acho. Isto é como eu estava quando eu atirei nele. Gemendo como um animal ferido, eu deixo a arma cair de minhas mãos e meus braços em volta do meu estômago. Eu quero chorar, porque eu sei que vai me fazer sentir melhor, mas não posso forçar as lágrimas para vir. Eu apenas agacho no banheiro, olhando para os azulejos brancos. Eu não posso fazer isso. Eu não posso levar a arma comigo. Eu nem deveria ir; eu ainda estou indo. "Tris?" Alguém bate. Fico em pé e descruzo os braços enquanto a porta abre com guinchos alguns centímetros. Tobias entra na sala. "Zeke e Uriah me disseram que você estava indo espionar Jack", ele diz. "Oh". "E você?"


"Por que eu deveria dizer? Você não me fale sobre seus planos. " Sua sobrancelhas franzem retas. "O que você está falando?" "Eu estou falando sobre bater em Marcus na frente de todas as pessoas da Audácia, sem motivo aparente." Dou um passo na direção dele. "Mas há uma razão, não é? Porque não é como se você perdesse o controle, não é como se ele fizesse alguma coisa para provocá-lo, por isso, tem de haver uma razão"! "Eu precisava provar para a Audácia que eu não sou um covarde", diz ele. "Isso é tudo. Isso foi tudo." "Por que você precisa ..." Eu começo. Por que Tobias precisa se provar para a Audácia? Só se ele quisesse se manter em alta conta. Só se ele quisesse se tornar um líder destemido. Lembro-me da voz de Evelyn, falando nas sombras da casa seguro dos sem facção: " O que estou sugerindo é que você se torne importante" Ele quer que Audácia se alie com os sem facção, e o único jeito para fazer isso dar certo e fazer com ele mesmo. Por que ele não sente a necessidade de compartilhar esse plano comigo é outro mistério completo. Antes que eu possa perguntar, ele diz: "Então você vai escutar ou não? " "O que importa?" "Você está se jogando em perigo para nenhuma razão de novo", diz ele. "Assim como quando você invadiu para lutar contra a Erudição com apenas um... Um canivete para se proteger." "Há uma razão. Uma boa. Nós não sabemos o que está acontecendo, a menos que escutemos, e precisamos saber o que está acontecendo." Ele cruza os braços. Ele não é volumoso, a maneira que alguns meninos da Audácia são. E algumas meninas podem se focar na maneira como os ouvidos deles se ressaltam, ou a forma como o nariz faz um gancho no final, mas para mim... Eu engulo o resto do pensamento. Ele está aqui para gritar comigo. Ele está mantendo as coisas de mim. Não importa onde estamos, eu não posso induzir pensamentos sobre o quão atraente ele é. Só vai tornar mais difícil fazer o que precisa ser feito. E agora, que vai ouvir o que Jack Kang tem a dizer para a Erudição.. "Você não está cortando seu cabelo como a Abnegação mais", eu digo. "Isso porque você quer parece mais com a Audácia?" "Não mude de assunto", diz ele. "Há quatro pessoas que vão escutar já. Você não precisa estar lá."


"Por que você é tão insistente em me manter em casa?" Minha voz fica mais alta. "Eu não sou o tipo de pessoa que fica apenas sentada e deixa que outras pessoas assumam todos os riscos!" "Enquanto você é uma pessoa que não parece valorizar a própria vida... Alguém que não nem mesmo consegue pegar uma arma e atirar..." Ele se inclina na minha direção "Você deveria sentar e deixar as outras pessoas tomarem os riscos". Sua voz calma pulsa ao me redor como uma segunda batida cardíaca. Eu ouço as palavras “não parece valorizar a própria vida” de novo e de novo. "O que você irá fazer?" eu digo "Me trancar no banheiro? Porque esse é o único modo que você será capaz de me impedir de ir". Ele toca sua testa e deixa a mão deslizar pelo lado de sua face. Eu nunca tinha visto o seu rosto ceder daquele jeito antes. "Eu não quero parar você. Eu quero que você mesma se pare" Ele diz "Mas se você vai ser imprudente, você não pode de ir junto".

Ainda está escuro, mas apenas um pouco, quando chegamos na ponte, que é de dois níveis, com pilares de pedras em cada canto. Descemos as escadas ao lado de um dos pilares de pedra e rastejamos com os pés em silêncio ao nível do rio. Grandes poças de água brilhante enquanto a luz do dia os atinge. O sol está nascendo, temos de entrar em posição. Uriah e Zeke estão nos edifícios de cada lado da ponte para que eles possam ter uma visão melhor e nos cubra a distância. Eles têm melhor pontaria do que Lynn ou Shauna, que veio porque Lynn pediu-lhe, apesar de sua explosão no local de encontro. Lynn vai primeiro, as costas pressionadas na pedra enquanto ela movimenta-se pouco a pouco ao longo do lábio inferior do suporte da ponte. Eu a sigo, com Shauna e Tobias atrás de mim. A ponte é suportada por quatro estruturas metálicas curvas que a prendem à parede de pedra, e por um labirinto de vigas estreitas sob seu menor nível. Lynn se protege sob uma das estruturas metálicas e sobe rapidamente, mantendo as vigas estreitas debaixo dela enquanto trabalha o seu caminho até o meio da ponte. Eu deixei Shauna ir na minha frente, porque eu não posso subir também. Meu braço esquerdo treme quando eu tento equilibrar em cima da estrutura de metal. Sinto a mão fria de Tobias na minha cintura, me firmando. Eu agacho para me encaixar no espaço entre a parte inferior da ponte e as vigas sob mim. Eu não faço isso muito bem antes de eu ter que parar, meus pés sobre uma viga e meu braço esquerdo em outro. E eu vou ter que ficar assim por um longo tempo.


Tobias desliza ao longo de uma das vigas e coloca sua perna debaixo de mim. É o tempo suficiente para esticar debaixo de mim e em uma segunda viga. Eu expiro e sorrio para ele como uma espécie de agradecimento. É a primeira vez que reconhecemos um ao outro desde que deixamos o Mart Impiedoso. Ele sorri de volta, mas severamente. Nós esperamos nossa hora em silêncio. Eu respiro pela boca e tento controlar o tremor de meus braços e pernas. Shauna e Lynn parecem se comunicar sem falar. Eles fazem caretas para o outro que eu não posso ler, e acenam e sorriem para o outro quando chegam a um entendimento. Eu nunca pensei sobre como seria ter uma irmã. Será que Caleb e eu estaríamos mais perto se ele fosse uma menina? A cidade está tão tranquila na manhã que os passos ecoam como se eles se aproximassem da ponte. O som vem de trás de mim, o que deve significar que Jack e sua escolta da Audácia, não da Erudição, que chegaram. A Audácia sabe que estamos aqui, embora Jack Kang mesmo não. Se ele olhar para baixo por mais de alguns segundos, ele pode nos ver através da malha de metal sob seus pés. Tento respirar o mais silenciosamente possível. Tobias verifica seu relógio, e em seguida, segura seu braço para me mostrar o tempo. Sete horas exatamente. Eu olho para cima e percebo através da teia de aço acima de mim. Pés passam pela minha cabeça. E então eu o ouço. "Olá, Jack", ele diz. É Max, que nomeou Eric para a liderança da Audácia na demanda de Jeanine, que implementaram políticas de crueldade e brutalidade na iniciação da Audácia. Eu nunca falei diretamente com ele, mas o som de sua voz me faz tremer. "Max", diz Jack. "Onde está Jeanine? Eu pensei que ela iria pelo menos ter a cortesia de mostrar-se a si mesma." "Jeanine e eu dividimos nossas responsabilidades de acordo com as nossas forças", diz ele. "Isso significa que eu tomo todas as decisões militares. Acredito que inclui o que nós estamos fazendo hoje." Eu franzo a testa. Eu não ouvi Max falar muito, mas algo sobre as palavras que ele está usando, e seu ritmo, soa... Longe. "Tudo bem", diz Jack. "Eu vim para..." "Eu deveria informar que isso não será uma negociação", Max diz. "A fim de negociar, você tem que estar no mesmo pé, e você, Jack, não está." "O que você quer dizer?"


"Eu quero dizer que você é a única facção descartável. A Fraqueza não nos fornecer proteção, sustento, ou inovação tecnológica. Por conseguinte, é dispensável para nós. E você não tem feito muito para ganhar o favor de seus convidados da Audácia ", diz Max," então você está completamente vulnerável e completamente inútil. Recomendo, portanto, que você faça exatamente o que eu digo. "

"Seu pedaço de espuma", diz Jack com os dentes cerrados. "Como se atreve..." "Agora não vamos ficar irritados", Max diz. Eu mastigo o meu lábio. Eu deveria confiar nos meus instintos, e meus instintos me dizem que algo está errado aqui. Nenhum homem que se preze da Audácia diria a palavra "irritável." Nem ele reagiria com tanta calma a um insulto. Ele está falando como outra pessoa. Ele está falando como Jeanine. A parte de trás do meu pescoço pica. Faz todo o sentido. Jeanine não confia em ninguém, especialmente não uma pessoa volátil da Audácia, para falar em seu nome. A melhor solução para esse problema é dar a Max um fone de ouvido. E o sinal de um fone de ouvido pode esticar apenas um quarto de uma milha, no máximo. Eu chamo a atenção de Tobias, e, lentamente, movo a minha mão para apontar em meu ouvido. Então eu aponto acima de mim, para a minha melhor aproximação de onde Max está. Tobias carranca por um momento, em seguida, balança a cabeça, mas não tenho certeza de que ele me entende. "Tenho três exigências", diz Max. "Primeiro, que você devolva o líder da Audácia que detém ileso atualmente em cativeiro. Segundo, que você permita que o seu composto a ser procurado por nossos soldados para que possamos extrair os Divergentes; E o terceiro, que você nos fornecer os nomes dos que não foram injetados com o soro de simulação" "Por quê?" Jack diz amargamente. "O que você está procurando? E por que você precisa desses nomes? O que você pretende fazer com eles?" "O objetivo da nossa pesquisa seria o de localizar e remover qualquer um dos Divergentes do local. E os nomes não são da sua conta." "Não é da minha conta!" Eu ouço passos rangerem acima de mim e olho através das malhas. Pelo que posso ver, Jack tem a gola da camisa de Max em volta do seu punho. "Me solta", diz Max. "Ou eu vou mandar que meus guardas atirem." Eu franzo a testa. Se Jeanine está falando através de Max, ela tinha que ser capaz de vêlo, a fim de saber que ele foi agarrado. Eu me inclino para frente e olho para os edifícios


do outro lado da ponte. À minha esquerda, as curvas do rio, e um edifício atarracado de vidro fica na borda. Esse deve ser o lugar onde ela está. Eu começo a escalar para trás, para a estrutura metálica que suporta a ponte, em direção à escada que me levará a Wacker Drive. Tobias me segue imediatamente, e Shauna toca Lynn no ombro. Mas Lynn está fazendo outra coisa. Eu estava ocupada pensando muito sobre Jeanine. Eu não percebi que Lynn pegou sua arma e começou a subir em direção à borda da ponte. A boca de Shauna se abre e os olhos se abrem enquanto Lynn se balança para a frente, agarrando a borda da ponte, e empurra o braço sobre ele. Seu dedo aperta o gatilho. Max suspira, sua mão batendo a palma sobre o peito, e tropeça para trás. Quando ele puxa a mão dele, está escuro com sangue. Eu não me incomodo de subir mais. Eu caio na lama, seguido perto por Tobias, Lynn, e Shauna. Minhas pernas afundam na lama, e os meus pés fazem ruídos de chupadas enquanto os puxo para ficarem livres. Meus sapatos escorregam, mas eu continuo indo até eu chegar ao concreto. Armas de fogo e balas ficam na lama perto de mim. Eu me jogo contra a parede sob a ponte para que eles não possam mirar em mim. Tobias se pressiona na parede atrás de mim, tão perto de mim que o queixo flutua sobre a minha cabeça e eu posso sentir seu peito contra meus ombros. Protegendo-me. Eu posso correr de volta para a sede da Fraqueza, e para a segurança temporária. Ou eu posso encontrar Jeanine no que é, provavelmente, o estado mais vulnerável que vai estar. Não é mesmo uma escolha. "Vamos lá!", Digo. Eu corro até a escada, os outros em meus calcanhares. Na camada mais baixa da ponte, o nosso tiro da Audácia nos traidores da Audácia. Jack está seguro, se inclinou com um braço da Audácia pendurado nas costas. Eu corro mais rápido. Eu corro através da ponte e não olho para trás. Eu já posso ouvir os passos de Tobias. Ele é o único que pode me acompanhar. O prédio de vidro está na minha mira. E então eu ouço mais passos, mais tiros. Eu desvio enquanto corro, para tornar mais difícil para os traidores da Audácia me baterem. Estou perto do edifício de vidro. Estou metros de distância. Eu cerro os dentes e me esforço mais. Minhas pernas estão dormentes, eu quase não sento o chão debaixo de mim. Mas antes de eu chegar às portas, eu vejo o movimento no beco à minha direita. Eu desvio e sigo com os pés. Três figuras correrem pelo beco. Uma é loira. Um é alto. E um é Peter. Eu tropeço e quase caio.


"Peter!" Eu grito. Ele levanta a arma, e atrás de mim, Tobias levanta sua própria, e nós estamos a poucos metros de distância um do outro, em uma paralisação. Atrás dele, a mulher loira - Jeanine, provavelmente - e o traidor alto da Audácia vira na esquina. Apesar de eu não ter uma arma, e eu não tenho um plano, eu quero correr atrás deles, e talvez eu fizesse se Tobias não apertasse a mão sobre meu ombro e me segurasse no lugar. "Seu traidor", eu digo para Peter. "Eu sabia. Eu sabia." Um grito perfura o ar. É angustiante e feminino. "Parece que seus amigos precisam de você", diz Peter com um flash de um sorriso – ou um dente desnudo, eu não posso dizer. Ele mantém sua arma estável. "Então você tem uma escolha. Você pode nos deixar ir, e ajudá-los, ou você pode morrer tentando nos seguir". Eu quase grito. Nós dois sabemos o que vou fazer. "Eu espero que você morra", eu digo. Eu volto para Tobias, que me suporta, até chegar ao final do beco, e depois vira e corre.

Capítulo 21 de Insurgent Traduzido  

Tradução de Insurgent

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you