Issuu on Google+


2


3


SUMรRIO Esporte Ranking de Torcidas em Fortaleza

pg.6

Gastronomia Um pouco sobre a Culinรกria Cearense

pg.8

Tatuagem Tatuagem no Mercado de Trabalho

pg.10

4


Moda HistĂłria da Moda Cearense

pg.14

Lazer Canoa Quebrada: a mistura perfeita que vocĂŞ procura!

pg.17

Entrevista Se liga nessa entrevista exclusiva com a Abigail Mendes!

5

pg.20


Esporte

Ceará x Fortaleza

dessa vez a disputa é na arquibancada.

Ceará e Fortaleza dividem torcida na Capital, diz pesquisa Datafolha Contratada pelo jornal O POVO, ela mostra apenas 1% a mais na preferência dos fortalezenses pelo Alvinegro, que foi citado por 26% dos 864 entrevistados

A rivalidade entre Ceará e Fortaleza dentro de campo é grande, mas a discussão sobre qual torcida é a maior do Estado promete ganhar novo fôlego. É que nesta sexta-feira (30), o jornal O POVO divulgou pesquisa Datafolha, mostrando a preferência do torcedor da Capital. Os dois maiores clubes do futebol cearense têm praticamente o mesmo número de torcedores fortalezenses

6


A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRECE) – Nº CE-02799/2016, e foi realizada entre os dias 22 e 23 de setembro e ouviu 864 fortalezenses maiores de 16 anos. Eles responderam de maneira espontânea qual o time de futebol de preferência e não foi permitido escolher mais de um time. De acordo com números apresentados pela pesquisa, o Vovô tem 26% da preferência dos entrevistados, enquanto o rival tricolor tem 25%. Considerando a margem de erro de 3 pontos percentuais para mais ou para menos, os dois principais clubes do Estado estão tecnicamente empatados. Em terceiro, vem o Flamengo (6%), seguido por Corinthians (4%), Palmeiras (3%), outros times (2%). Ferroviário, Santos, Vasco e São Paulo aparecem com 1%. Entrevistados que não têm nenhum time somam 30%. Ainda de acordo com o Datafolha, o Fortaleza é o preferido entre os jovens de 16 a 24 anos. O Leão tem 38% enquanto o Ceará tem 22%. A escolha se repete também entre os maiores de 60 anos, onde o Tricolor tem 31% e o Vovô com 25%. Entre os entrevistados com nível superior, com 29%, o Fortaleza supera o Ceará que tem 25%. O Leão é favorito entre as mulheres com 25% e o Ceará vem logo em segundo com 22%. Entre os homens, 31% escolheu o Vovô e, 26%, o Leão do Pici. Comparativo com a última pesquisa Em relação ao último levantamento feito pelo Datafolha, divulgado em setembro de 2012, e também encomendado pelo jornal O POVO, há divergências consideráveis. Naquele ano, o Ceará aparecia com uma vantagem considerável. Eram sete pontos percentuais em relação ao rival Fortaleza: 28% a 21%. Outro detalhe importante, é que os clubes de fora do Estado perderam em torcida. O Corinthians, antes com 8%, caiu para 5% de preferência do torcedor. O Flamengo, que tem a maior torcida do Brasil, perdeu um ponto percentual, caindo de 7% para 6%.

7


Gastronomia

Essa ĂŠ a vista de quem come uma carangueijada na Praia do Cumbuco, que fica hĂĄ aproximadamente 30km de Fortaleza

8


Um começo da nossa Gastronomia A culinária cearense é um caleidoscópio de sabores. A hibridação das culinárias portuguesa, africana e indígena deram início a uma culinária com cara e gosto do Ceará, repleta de misturas e intimamente relacionada com o que a costa e a terra dispõem. A raiz portuguesa trouxe os caldos, as sopas, os cozidos de carnes e peixes, os doces temperados com cravo, canela e erva doce. E por falar em doces, foi após a chegada ao Brasil, e à descoberta do açúcar aqui, que os doces passaram a fazer parte das cozinhas portuguesas. Do Brasil o açúcar, da Índia especiarias como cravo e canela, do Japão, China e Etiópia arroz, chá do oriente, ananás e pimenta. A alimentação portuguesa foi o resultado da apropriação das culturas de outros povos e países, exatamente a mesma apropriação ocorrida pelos nativos cearenses. Dos

indígenas

herdamos

aluá, os derivados da macaxeira (a goma, o pirão, a farinha, a tapioca, o beiju), os frutos do mar, o aproveitamento de ampla variedade de peixes, o forno de barro, a grelha de madeira e técnicas aprimoradas e sofisticadas de cocção como o moqueado, onde a carne envolta em folhas sobre uma grelha feita de pau fica exposta a um fumeiro de lenhas, o biaribu ou berubu onde os assados são produzidos em covas abertas no chão cobertos de brasa e folhas verdes, e a tacuruba, fogo de chão rodeado por três pedras que sustentam a panela. De origem afro o angu,

o vatapá, a pamonha, as pimentas, a incorporação do coco na culinária, a cocada, o pé-de-moleque, a paçoca, também os caldos e a macaxeira. A culinária africana sofreu adaptações em território local, uma vez que a população vinda para cá não tinha acesso aos mesmos ingredientes que utilizavam nas cozinhas do outro continente. Como no início os colonizadores viajavam sem as suas esposas e as cozinhas ficavam à cargo das negras, muito do que hoje se entende como culinária brasileira pode ser melhor descrita como culinária afro-brasileira.

panelada cearense

Toda essa mistura resultou nos tradicionais carne-de-sol, baião-de-dois, paçoca, doce de leite, doce de caju, doce de goiaba, rapadura, caranguejada e tantos outros pratos tão expressivos da identidade cearense.

o

baião de dois cearense

9


Capa

10


11


A tatuagem é uma forma de expressão através do desenho corporal muito antiga, porém a popularização dessa prática, da forma como conhecemos hoje em dia, se deu em meados dos anos 80 e 90. Visto que, no início dessa época as pessoas tatuadas sofreram muito preconceito, pois eram vistas como marginais, desocupados entre outros adjetivos discriminativos. Com o tempo, a tatuagem foi sendo cada vez mais aceita por parcela da sociedade, em contrapartida, para outra parcela da sociedade ainda há muito tabu nessa prática. Apesar de o preconceito ter diminuído consideravelmente, hoje em dia, será que as pessoas tatuadas são totalmente aceitas no mercado de trabalho? Para isso, entrevistamos duas pessoas que tem tatuagem e os mesmos revelam se o desenho no seu corpo lhe atrapalhou ou não em alguma entrevista de trabalho, ou mesmo exercendo a profissão.

12


ENTREVISTA O primeiro entrevistado é um cadete do exército, o mesmo não quis se identificar, mas respondeu às perguntas. O que te in centivou a fazer tatuagem? Na verdade eu sempre gostei, eu viajei pra São Paulo e quando eu voltei eu coloquei na cabeça que ia fazer e fui, nem avisei para minha mãe, só fui e fiz. Você já sofreu algum tipo de preconceito? No meu trabalho, que no caso é o exército é muito difícil alguém ter tatuagem, já aconteceu de uma vez no meio de uma missão o General que estava comandando a missão perguntou quantas tatuagens eu tinha e aí eu disse que 7 e ele mandou eu pular de um penhasco de 20 metros e pular em um lago com farda e tudo 7 vezes. Qual sua opinião sobre como o mercado de trabalho trata as pessoas que possuem tatuagem? No meu ponto de vista já melhorou muito, porém aqui no Brasil ainda tem um preconceito muito grande. Lá fora já melhorou muito mas aqui as pessoas costumam se adaptar muito depois as coisas. Hoje maioria dos jovens tem uma tatuagem no corpo, afinal nosso corpo, nossas regras, mas as pessoas mais velhas não entendem isso ainda. Como foi exposto, ha aceitação de pessoas tatuadas, porém pequena parcela da sociedade ainda “olha torto” para essa arte corporal, isso se encaixa no mercado de trabalho quando o contratante é uma empresa de valores mais conservadores, por exemplo. Mas, para isso não ser visto como discriminação, precisa haver um acordo entre o profissional e a empresa, para que haja um equilíbrio e ambas as partes não seja prejudicada, como usar roupas que escondem a tatuagem, no caso de uma reunião com sócios, por exemplo, pois a tatuagem pode causar em algumas pessoas um ar de irresponsabilidade. Ou, quando você já trabalha em algum local e quer fazer uma tatuagem, procure fazer em locais mais discretos, que a roupa pode esconder, caso precise. Por isso, fizemos esse infográfico que mostra quais locais no corpo em que é benéfico fazer a tatuagem, para o mercado de trabalho. Em virtude dessa realidade ,pretendendo extinguir práticas discriminatórias nas relações de trabalho, o deputado Edson Duarte (PV/BA) propôs na Câmara dos Deputados (com prioridade no regime de traComo foi exposto, ha aceitação de pessoas tatuadas, porém pequena parcela da sociedade ainda “olha torto” para essa arte corporal, isso se encaixa no mercado de trabalho quando o contratante é uma empresa de valores mais conservadores, por exemplo. Mas, para isso não ser visto como discriminação, precisa haver um acordo entre o profissional e a empresa, para que haja um equilíbrio e ambas as partes não seja prejudicada, como usar roupas que escondem a tatuagem, no caso de uma reunião com sócios, por exemplo, pois a tatuagem pode causar em algumas pessoas um ar de irresponsabilidade. Ou, quando você já trabalha em algum local e quer fazer uma tatuagem, procure fazer em locais mais discretos, que a roupa pode esconder, caso precise. Por isso, fizemos esse infográfico que mostra quais locais no corpo em que é benéfico fazer a tatuagem, para o mercado de trabalho. mitação) um projeto de lei que pretende proibir a discriminação nas relações de trabalho em relação à utilização de tatuagens ou piercings. Trata-se do PL – 1582/2007 apresentado em 11/07/2007, o qual traz a seguinte redação: “O art. 1º da Lei nº 9.029, de 13 de abril de 1995, passa a vigorar acrescido do seguinte parágrafo único: Art. 1º……………………………………………………………. Parágrafo único. Fica também proibida qualquer prática discriminatória referida no caput contra pessoas portadoras de tatuagem e piercing.” Nesse diapasão, a eliminação ou diminuição da discriminação no trabalho não é somente responsabilidade do Estado, mas também das organizações, dos empregadores e trabalhadores, devendo os mesmos realizarem práticas no sentido de fiscalizar, identificar e coibir os atos discriminatórios nas relações de trabalho. Depois de muitos casos de preconceito e discriminação, já que muitos empregadores justificavam que possuir tatuagem era um atentado contra “a moral e os bons costumes”, a justiça definiu que só poderá haver alguma restrição se o conteúdo da tatuagem violar “valores constitucionais”. Isso incluiria, por exemplo, incitação à violência, grave ameaça a outra pessoa, discriminação ou preconceito de raça e cor ou apologia da tortura e terrorismo.

13


Moda

Historia da Moda Cearense O Ceará é o terceiro maior pólo têxtil do Brasil, e sua história na moda conta mais de 120 anos. O setor têxtil cearense se destaca em toda a cadeia de produção, desde o consumo de algodão até a produção do vestuário, fato que o coloca no cenário nacional como um centro dinâmico da moda. Um dos principais nomes que a moda cearense já revelou foi Lino Villaventura. O estilista já ganhou as passarelas do Brasil e do mundo. Iniciou a sua carreira no final da década de 1970, e poucos anos depois lançou sua própria marca em Fortaleza ‘Lino Villa Ventura’ em parceria com Inez Villaventura. O Ceará tem se destacado pela exportação de confecções, e suas criações são elogiadas no mundo inteiro, com destaque para a moda íntima. Todos os anos são produzidas cerca de 500 mil peças íntimas no Ceará, o que fez com que a Associação de Moda Íntima do Ceará (AMIC) lançasse o evento Moda Íntima Ceará, que entrou para o calendário oficial da moda. Principais eventos de moda do Ceará O Moda Íntima Ceará permite que os visitantes busquem as melhores oportunidades do terceiro maior produtor de moda íntima do Brasil e avaliem oportunidades de negócios mais de perto.

A capital cearense é a que mais tem destaque na moda do Ceará. Em Fortaleza fica localizado o Maraponga Mart Moda, maior shopping de confecções atacadistas do norte e nordeste do Brasil, lançado em 1990, que também abriga mega eventos da moda como o Festival da Moda de Fortaleza e o Ceará Summer Fashion. Entre os maiores eventos de moda que o Ceará realiza está o Dragão Fashion Brasil, que acontece desde 1998 e atrai grandes designers de moda e estudantes. Referência no cenário da moda nacional, o DFB possibilita aos estilistas locais e de fora mostrarem seus trabalhos potenciais, além de oferecer uma programação voltada para a arte e para a cultura. Já o Festival da Moda de Fortaleza, que acontece dentro do Maraponga Mart Moda desde 1981, já virou tradição para divulgar os investimentos e lançamentos da moda no Ceará. O evento tem como objetivo levar aos profissionais da moda todas as novidades do setor, além de promover a FMF Mostra Moda, um concurso para estudantes terem a oportunidade de revelarem seus talentos. Outro mega evento da moda cearense é o Ceará Summer Fashion, realizado pelo Maraponga Mart Moda e o Moda Íntima Ceará. O evento apresenta as tendências do verão com desfiles das coleções das marcas do shopping para os revendedores além de uma programação diversificada.

14


15


16


Lazer

Um paraíso cearense Canoa Quebrada, no Ceará, tem mistura perfeita de dunas, falésias e mar O símbolo lua-estrela está por todos os lados e já virou uma marca da praia de Canoa Quebrada, no litoral do Ceará. Distante cerca de 170 km da capital Fortaleza, a praia é cercada por dunas e belas falésias coloridas, formando uma moldura perfeita para o mar verde claro. Muito mais que um passeio de um dia para quem está hospedado em Fortaleza, é lugar para ficar mais tempo e poder contemplar a profusão de cores que toma conta do local. O contraste do mar claro com o vermelho-terra vibrante das falésias sobre ele é um espetáculo logo na chegada a esse destino. Jangadas e pipas de kitesurf tornam tudo ainda mais lúdico e colorido. A praia, que pertence ao município de Aracati (distante 20 km dali), tornou-se conhecida nas décadas de 1970 e 1980, com a chegada dos hippies. Passou um tempo mal-cuidada e esquecida, mas há alguns anos retomou seu caminho e hoje disputa com Jericoacoara a atenção dos turistas que chegam ao Ceará. O nome Canoa Quebrada ainda suscita dúvidas. Uma das histórias é de que por volta de 1650 o navegador português Francisco Ayres da Cunha aportou na praia com seu barco quebrado. Os pescadores que o acolheram pensavam se tratar de uma canoa e o nome teria surgido daí.

17


Programação Intensa dia e noite! O mar tranquilo é um convite ao mergulho, e se quiser aproveitar mais intensamente, opções não faltam: kitesurf, windsurf e paraglider estão à disposição dos turistas na areia. Os bons ventos o ano todo fazem de Canoa Quebrada o lugar ideal para a prática desses esportes. A praia, inclusive, tem um parque eólico instalado. Para os menos radicais, suaves passeios de jangada ou roteiros de bugue e quadriciclo. Um dos passeios de bugue mais interessantes é o que vai quase até a divisa com o Rio Grande do Norte, em Ponta Grossa. Ao longo dos cerca de 25 km é possível observar todas as variações de cor que as falésias assumem e que tornam Canoa Quebrada um local tão especial. Há outros roteiros, com dunas, lagoas, sandboard, o encontro do mar com o rio Jaguaribe e um pôr do sol especial em cima de uma duna, por exemplo. Na areia da praia, grandes barracas servem bem aos turistas. É só descer por uma das várias escadas sobre as falésias e escolher a que mais combina com você. Ao centro, as que atendem mais as famílias, especialmente com crianças, enquanto as do canto direito recebem o pessoal do reggae e do forró. O agito a noite é centralizado na rua Dragão do Mar (antiga Broadway), pontilhada de bares, restaurantes charmosos e lojinhas de artesanato. Muitas pousadas e restaurantes pertencem a estrangeiros, que montaram seus espaços rústicos e aconchegantes ali e nas poucas ruas próximas a ela.

18

O nome dessa rua, a principal da praia, é uma referência a Francisco José do Nascimento (o Dragão do Mar) ou Chico da Matilde, nascido em Canoa Quebrada em 1839 e que ficou conhecido por liderar os jangadeiros nas lutas abolicionistas do Ceará. Ao fim da rua, há um busto em sua homenagem.


19


Entrevista

20


OLĂ ! Abigail Mendes eu me chamo

tenho 19 anos e moro em

Fortaleza atualmente estudo Jornalismo na

Universidade de Fortaleza

21


1. O que você mais gosta de fazer em fortaleza? R: Ir a praia e festas são as coisas que eu mais gosto de fazer aqui. 2. Qual sua praia preferida? R: Praia do beach park (Praia do Porto das Dunas) 3. Você mora aqui a quantos anos? R: Eu nasci e fui criada aqui, morei por 15 anos na mesma casa mas depois nos mudamos. 4. Se você pudesse falar pra quem nunca veio a fortaleza algo sobre a cidade, o que você falaria? R: Eu diria que eu já estive em várias cidades, porém eu nunca visitei uma tão linda como fortaleza, tão alegre, viva, com praias tão lindas. Vale a pena vir. 5. O que você costuma fazer pela cidade em seu tempo livre? R: Geralmente eu gosto de ir ao cinema, sair com as amigas, comer, oh até mesmo ficar em casa dormindo. 6. Fortaleza é uma cidade onde são praticadas muitas atividades esportivas ao ar livre, você faz alguma prática assim? R: Agora eu comecei a aprender surf, mas antes eu não praticava nenhuma atividade ao ar livre, só musculação na academia. 7. Fortaleza é conhecida pela “cidade da luz”, pra você o que significa essa nomeação? R: Como eu disse, Fortaleza é uma cidade alegre demais, onde todos os dias do ano faz sol, é quente, acho que isso ajuda a gente a entender o motivo desse nome.

22


23


24


Revista Experimental de Design Jornalístico I