Issuu on Google+


InfoBrasil Ana Clara Moraes, AndrĂŠia FidĂŠlis, Bruna Regina, Deyse Assis, Karla Reis, Michelle Loubaque e Thiago Risson

Belo Horizonte 2013


5

Ficha Técnica Título: InfoBrasil Formato fechado: 210 x 210 mm Suporte: Couchê 150 gr fosco Produção Editorial, Diagramação e Ilustrações: Ana Clara Moraes, Andréia Fidélis, Bruna Regina, Deyse Assis, Karla Reis, Michelle Loubaque e Thiago Risson.

Fontes Utilizadas: Bauhaus 93, Arial. Capa: Ana Clara Moraes Impressão/Acabamento: Jovana Gráfica LTDA Imagens: Leis da Gestalt - Thiago Risson

Outras imagens - Tiradas da Internet

ISBN: 978-987-05-7853-6 BELO HORIZONTE, 2013 Todos os direitos reservados á SEVEN NOTES UNI-BH - Design Gráfico - 2º Período Orientador: Prof. Rodrigo Antônio Queiroz Costa

Apresentação Este livro não é um livro comum, é um livro de infográficos feitos por brasileiros. Tem como principal objetivo apresentar temas diferentes sobre o design, e com isso mostrar a importância deste no mundo atual. Todo seu conteúdo é focado no Brasil, mostrando assim, com mais clareza a realidade do design nesse país.


48


9

Históriada TIPOGRAFIA

e da IMPRESSÃO

A

história da tipografia teve sua origem com a invenção dos tipos móveis pelo alemão Johannes Gutenberg, no século XV. No Brasil, antes de 1808, a Corte Portuguesa não permitia a entrada de tipografias por aqui e as oficinas que se instalavam eram destruídas. Neste ano comemoram-se os 205 anos da indústria gráfica no Brasil, estabelecida no País a partir da chegada da Família Real, em 1808.


10

HISTÓRIA DA TIPOGRAFIA Surgiu após a chegada da xilogravura na Europa no século XV. As letras são soltas, podem ser trocadas e reutilizados. A tipografia foi rapidamente difundida, trouxe mais velocidade na reprodução. No Brasil seu registro é pouco preciso talvez por causa da proibição que vigorava.

IA

FIA

F RA

RA

G PO

JATO

INTA T E D

OG

E DA IMPRESSÃO Inventado em 1796, pelo austríaco Alois Senefelder. Consistia em gravar com tinta gordurosa em uma pedra polida. Chegou ao Brasil com o trabalho pioneiro de Arnauld Julian Pallière. Em 1825, o suíço Johann Jacob Steimann, era contratado pelo Imperador, que assim introduzia oficialmente a litografia no país.

LIT

TI

SERIGRAFIA

Inventado pela empresa Canon em 1985. É a preferida pelo usuário doméstico, por ser mais simples, de manutenção mais fácil e mais barata. Sua impressão consiste no lançamento de pequenas gotículas que formam minúsculos pontos, que combinados formam a imagem impressa.

ELETROFOTOGRAFIA

VURA

RA XILOG

GRA

VUR MET A EM AL

Gravuras entalhadas em madeira e utilizadas como um carimbo de impressão. Fica negativa e espelhada. o regitro mais antigo de xilogravura foi em 868 na China. No Brasil, a xilogravura tornou-se característica da literatura sertaneja nordestina, criando assim a literatura de cordel.

Arte de gravar em metal. É feita diretamente no metal com um instrumento de aço chamado buril. É possível encontrar imagens assim elaboradas que foram criadas em 1500, por artistas renas"Pão de Acúcar", gravura em metal, 1933. Coleção Privada, SP.

LIN

OT

IP

O

IM P

RES SO 3D RA

11

É o método de decoração de superfícies mais versátil que existe. Surgiu na antiga China, entre 1639 e 1854. Descende da técnica de impressão por molde vazado. Os egípcios já utilizavam essa técnica na decoração de interiores centenas de anos antes de Cristo. Um dos artistas brasileiros mais conhecidos que utilizava da técnica serigrafica é o Claudio Jose tozzi, em suas obras de pop art.

Em 1884, Otto Mergenthaler inventou a linotipia. Cada peça de metal, em vez de formar uma única letra, continha todas as letras de uma linha. A máquina de linotipo chegou ao Brasil em 1953.

As modernas impressoras a laser surgiram em 1983, por meio de uma parceria entre as empresas Hewlett Packard e Canon. Estes dispositivos usam o raio laser modulado para a impressão, o que proporciona uma impressão de qualidade significativamente superior.

Em 1984, Charles Hull fez a primeira impressora 3D, que, em vez de tinta no papel, constrói objetos camada a camada. Mas foi nos últimos anos que ela evoluiu e barateou. A Cliever Tecnologia lança em junho de 2012 a primeira impressora 3D 100% brasileira.


13

classificação e usos das famílias tipográficas

U

ma família tipográfica é um conjunto de caracteres que guardam as mesmas características essenciais de seu desenho, independentemente do peso, da inclinação e do corpo. A família é identificada por um nome, atribuído por seu autor, casa tipográfica ou distribuidora de fontes. Lucy Niemeyer


14

Famílias Tipográficas Famílias Tipográficas Famílias Tipográficas Famílias Tipográficas Famílias Tipográficas Famílias Tipográficas

Humanista (Humane) Centaur - usada em material promocional e na legendagem de obras de arte.

Famílias Tipográficas

Famílias Tip

Mecânica (Mécane)

15

Surgiram durante a revolução industrial, pois surgiram muitos novos produtos e houve a necessidade de diferenciar esses produtos para chamar a atenção, assim aconteceu com novos jornais da época.

Famílias Tipográficas Famílias Tipográficas Tipográficas Famílias Tipográficas Famílias Tipográficas Famílias Tipográficas Famílias Tipográficas Famílias TipográficasFamílias Tipográficas Famílias Tipográficas Famílias Tipográficas Famílias T Didones Famílias Tipográficas Famílias s TipográficasFamílias Tipo Usavam esses tipos em documentos oficiais, dando uma sensação autoriFamílias Tipográficas Famílias Tipográficas Famílias Tipográficas tária nos seus traços incisivos e conFamílias Tipográficas Famílias Tipográficas

Lineares (Linéale)

Famílias Tipográficas

Gótica ( Fractura )

Century Gothic - Usado em Logotipos de bandas de rock, Wii - Nintendo DS Lite - consola da Nintendo.

Fraktur - usado em composição tipográfica decorativa, exemplo, jornais tradicionais. Usado também em CD’s de metal.

Caligráficas (Manuaire) Hoje em dia é utilizada em convites de cerimônias e eventos.

Reais (Réale) Perpetua - Normalmente usado em livros.

Incisas (Incise)

Classificação Vox-AtyPI

A classificação Vox-AtyPI foi criada em 1954, quando o tipógrafo e pesquisador francês Maximilien Vox criou um sistema de classificação tipográfica que dividia os tipos em 9 categorias principais: Humanistas, Garaldes, Transicionais, Didones, Egípcias, Lineares, Cinzeladas, Cursivas e Manuais.

Albertus é usado em placas de rua na cidade de Londres , usado também pela banda Coldplay.

trastantes, o que requer um uso de claros e escuros na página.

Famílias Tipográficas Famílias Tipográficas Famílias Tipográf Famílias Tipográficas Famílias Famílias Tipográficas Famílias Tipográficas Vox- AtyPI Famílias Tipográficas Famílias Tipográficas Tipográficas Famílias Tipográficas Famílias Vox-AtyPI gráficas Famílias TipográficasFamílias Vox-Atyp Famílias Tipo mílias Vox-AtyP I Famílias Tipográficas pográficas VoxTipográficas Famílias Ti AtyPI Vox-AtyPI Vox-AtyPI Famílias Tipográficas Vox-AtyPI Vox- AtyPI Famílias Tipográficas Garaldes Vox-AtyPI Times New Roman - Usada em muiFamílias Tipográficas Vox-AtyP Vox-AtyPI tos aplicativos de software, especialFa Vox-AtyPI mente navegadores e processadores Vox-AtyPI Vox-AtyPI de texto. Vox-AtyPIVox-AtyPI Vox-AtyPI Vox-AtyPI I Vox-AtyPI VoxVox-AtyPI Vox-AtyPI I Vox-AtyPI x-AtyPI x-AtyPI Vox-AtyPI Cursivas (Scripte) Vox-AtyPI Vox-AtyPI Mistral - usada em títulos de filmes, Vox-AtyPI em logotipo para o programa de Vox-AtyPI I televisão, convites e cds. Vox-AtyP Vox-AtyPI

Vox-AtyPI Vox-AtyPI Vox-AtyPI Vox-AtyPI Vox-AtyPI Vox-AtyPI Vox-AtyPI Vox-AtyPI


17

HISTÓRIA do design gráfico

por meio dos designers que a fizeram

D

esde a pré-história, as pessoas têm procurado maneiras de representar visualmente ideias e conceitos, guardar conhecimento gratificamente, e dar ordem e clareza à informação. Ao longo dos anos essas necessidades têm sido supridas por escribas, impressores e artistas. Em 1922, quando o célebre dessigner de livros William Addison Dwiggins cunhou o termo “designer gráfico” para descrever as atividades de um indivíduo que traz ordem estrutural e forma à comunicação impressa, que uma profissão emergente recebeu um nome apropriado. No entanto, o designer gráfico contemporâneo é herdeiro de uma ancestralidade célebre. (Philip Meggs, livro A History of Graphic Design)


19

18 Relataremos alguns dos muitos designers que marcaram a hist贸ria do Design Gr谩fico.


21

comparativo bauhaus e ulm A

famosa escola alemã Bauhaus estabeleceu os conceitos do design funcionalista e da didática desta nova atividade. Com o fechamento da Bauhaus, entra em cena, em 1950 e também na Alemanha, a Hochschule fur Gestalgung ( Escola Superior da Forma ). Essa instituição quis dar seguimento programático às formulações da antiga Bauhaus. As suas filosofias de ‘ formar uma comunidade de artistas-artesãos’ e a ‘ forma segue a função, são considerados alguns dos princípios do design que defendidos ou não são reconhecidamente alguns dos pilares das artes plásticas e design moderno.


22

23


DA

LEIS GESTALT

25

aplicadas ao design gráfico

G

estalt ou psicologia da forma, é uma teoria da psicologia iniciada na Alemanha. Essa teoria estuda os elementos que enxergamos. A interação entre esses elementos, explica por que vemos as coisas de uma determinada maneira e não de outra. Não se pode ter conhecimento do “todo” por meio de suas partes, pois o todo é maior que a soma de suas partes.


27

26 UNIDADE Quando um elemento se encerra em si mesmo ou como parte de um todo.

PROXIMIDADE Elementos ópticos proximos uns dos outros tendem a ser vistos juntos

UNIFICAÇÃO Igualdade ou semelhança dos estímulos produzidos pelo campo visual, ocorre quando os fatores de harmonia, equilíbrio e ordenação visual estão presentes no objeto.

SEMELHANÇA Essa lei define que os objetos similares tendem a se agrupar, tanto em questão de cor, forma e tamanho.

FECHAMENTO Temos a sensação de fechamento de um elemento pela continuidade e pela ordem que está exposta essa imagem, e assim fazemos a junção e fechamento do mesmo, formando uma figura fechada e completa.

PREGNÂNCIA CONTINUIDADE Há uma tendência de a nossa percepção seguir uma direção para conectar os elementos de modo que eles pareçam contínuos ou fluir em uma direção específica.

Chamada de “lei da simplicidade”. Objetos em um ambiente são vistos da forma mais simples possível.


29

técnicas

FOTOGRÁFICAS

e seus usos no

DESIGN GRÁFICO

A

fotografia é um instrumento que permite ao design, por meio dos elementos da linguagem visual, que engloba cores, textura, objetos, cena, composição, etc, criar uma relação de proxi midade com o público.Afotografia e o design permite ao espectador ler através das peças, códigos e a partir deles criar também uma nova visão sobre o mundo, sob novos ângulos, perspectivas e interpretações.


30

31


33

DESIGN GRÁFICO

aplicado ao

DIA A DIA

O

O design gráfico busca transmitir as idéias essenciais da mensagem de forma clara e direta, usando para isso diferentes elementos gráficos que dêem forma à mensagem e o façam facil mente entendível pelos destinatários do mesmo.Podemos definir o design gráfico como o processo de programar, projetar, coordenar, selecionar e organizar uma série de elementos para produzir objetos visuais destinados a comunicar mensagens específicas a determinados grupos.


35

34

DESIGN GRテ:ICO NO DIA A DIA Busdoor

Estampas

Outdoor

Embalagens

Cartazes

Capas de livros

Sinalizaテァテ」o


37

DE

DESIGN

superfície aplicado ao esporte

D

esign de superfície é feito para dar textura a diversos tipos de materiais de qualquer ramo, usando de estamparia, tecelagem, papéis de parede, cerâmicas, vidros até azulejos para pro jetar revestimento de superfície. No futebol são usados, em especial, para fazer propagandas e mostrar a individualidade de cada time.


38 As arquibancadas possuem cadeiras em formatos e cores diferentes fazendo assim desenhos que podem ser vistos de longe com o estadio vazio, usam o nome do estadio, o simbolo do time, ou até mesmo propagandas.

O mosaico é um design interativo que depende dos torcdores para ser feito, cada local da arquibancada tem uma “placa” e quando todos a levantam ao mesmo tempo formam-se desenhos.

Os anuncios publicitarios são feitos no chão do estádio com um design que faz pareçam “em pé” ao serem filmados, são posicionados em lugares específicos de acordo com a posição das câmeras em cada estádio.

As chuteiras além de apropriadas para o tipo de terreno e para o tempo, também são desenvolvidas para jogadores específicos com o nome do mesmo ou alguma frase.

O design da bola é desenvolvido pensando na melhor visibilidade em campo, mas a bola usada no campeonato brasileiro 2013 é muito criticada, as cores se confundem com o cenário e não fica nítida na TV.

39


41

GAMES

DESIGN GRÁFICO

aplicado a

A

profissão de Game Design surgiu juntamente com o surgimento dos jogos eletrônicos e está a cada dia se tornando mais popular e consequentemente procurada por muitos. Basicamente o que um Game Designer faz é desenvolver toda a parte “artística” visual do jogo, desde a confecção de personagens, gráficos, movimentos, cenários, e outros aspectos relacionados a jogos.


43

42 Luiz Dal Monte Neto, arquiteto e game designer, trabalhou na Grow e na Toyste, além de escrever para a revista Super Interessante.

No Brasil o termo, Game Designer é utilizado para referir-se a uma pessoa que projeta jogos para computador, video games, cartas, jogos de tabuleiro, cartas colecionáveis e RPGs.

Sérgio e André são designers profissionais, com jogos publicados no exterior. Representam a nova geração de designers brasileiros e criaram projetos como o Jogo da Fronteira e Riqueza do Sultão.

Mario Seabra, é um dos mais importantes game designers do país, criador dos jogos War e Eleições.

Renato Degiovanni foi o primeiro designer brasileiro a criar e produzir profissionalmente games de computador em língua portuguesa, no início da década de 1980. Ficou conhecido com o jogo Amazônia e seus artigos técnicos da primeira revista brasileira Micro Sistemas.

No Brasil atualmente não encontra-se nenhuma faculdade especializada no curso de Game Design, a maioria dos profissionais atuantes em território nacional são formados em Ciência da Computação e especializados na produção de games através de cursos ou então se formaram na área no exterior.

PLAY GAME

Atualmente, podemos observar uma vasta quantidade de cursos voltados para o meio, dentre esta variedade merecem destaque os cursos nas instituições: AZMT: Rio de Janeiro, Game School: Divinópolis MG.

E não pode ficar de fora a Alpha Channel Cursos, São Paulo: Curso de Games, apresentações virtuais e simuladores. Curso 3D completo, design/cad/cam.


45

DESIGN THINKING

O

Design Thinking é um ponto de vista mais empático que permite colocar as pessoas no centro do desenvolvimento de um projeto e gerar resultados que são mais desejáveis para elas, ao mesmo tempo financeiramente interessantes e tecnicamente possíveis de serem transformados em realidade. Existem 7 passos para desenvolver a aplicar o pensamento do designer, sendo eles: definir, investigar, idealizar, prototipar, selecionar, implementar e aprender.


47

46 Como uma abordagem, é considerada a capacidade para combinar empatia, criatividade e racionalidade para encontrar as necessidades reais do cliente.

O Design Thinking é uma metodologia que humaniza os propósitos dos negócios, são os processos para abordar problemas, relacionados à aquisição de informações, análise de conhecimento e propostas de soluções.

DDefinir EFIN IR

Observar

r

de

n nte

E

Produto PRODUTOfinal FINAL

O resultado desejado do processo Design Thinking é a satisfação do cliente ( interno ou externo ). Só conseguimos este resultado conhecendo suas reais necessidades, desejos e percepções.

FOCO O INOVAÇÃ SO IS M O R MP CO

Está intimamente ligado ao envolvimento das pessoas a co-criação e renovação.


49

48 Referência

O Desing de Ulm - Disponível em: http://www.bemparana.com.br/noticia/20682/o-design-de-ulm . Acessado em 16 de setembro de 2013 Exposição e modelos de ULM - Disponível em: http://www.designbrasil.org.br/agenda/eventos/exposicaomodelos-de-ulm-modelos-pos-ulm-0#.UkcmJIasiSo . Acessado em 24 de setembro de 2013

Fundamentação e leis do gestalt - Disponível em: http://chocoladesign.com/fundamentacao-e-leis-da-gestalt . Acessado em 23 de setembro de 2013 O que é Gestalt - Disponível em: http://www.linguagemvisual.com.br/gestalt.php . Acessado em 20 de setembro de 2013

Bauhaus a mais influente escola de Design - Disponível em: http://gizmodo.uol.com.br/8-lindos-produtosda-bauhaus-a-mais-influente-escola-de-design/ Acessado em 15 de setembro de 2013

8 tecnicas fotográficas para capturar imagens profissionais - Disponível em: http://www.tecmundo.com.br/ fotografia-e-design/17201-8-tecnicas-fotograficas-para-capturar-imagens-profissionais.htm . Acessado em 17 de semtembro de 2013

Tudo sobre Bauhaus - Disponível em: http://www.territorios.org/teoria/H_C_bauhaus.html . Acessado em 15 de setembro de 2013

Como fazer Panning - Disponível em: http://blogdafotografia.com/2012/01/16/tecnicas-fotograficas-panning/ . Acessado em 18 de setembro de 2013

Bauhaus e Ulm - Disponível em: http://focandonaarte.blogspot.com.br/2010/07/bauhaus-e-ulm.html . Acessado em 16 de setembro de 2013

Jan Tschichold e o estatuto da tradição na modernidade - Disponível em: http://www.agitprop.com.br/index.cfm?pag=ensaios_det&id=15&titulo=ensaios . Acessado em 19 de setembro de 2013

Bauhaus e Ulm, O design Alemão e sua influencia - Disponível em: http://designemachados.blogspot.com. br/2010/07/bauhaus-ulm-e-o-design-alemao-e-sua.html . Acessado em 20 de setembro de 2013

STEFAN SAGMEISTER: CRIATIVIDADE ABSOLUTA - Disponível em: http://www.aboutshoes.com.br/ materias/10/design/103/stefan_sagmeister_criatividade_absoluta . Acessado em 19 de setembro de 2013

O que foi Bauhaus - Disponível em: http://www.casa.abril.com.br/materia/o-que-foi-a-bauhaus . Acessado em 20 de setembro de 2013

William Addison Dwiggins (1880-1956) - Disponível em: http://tipografos.net/designers/wad.html . Acessado em 17 de setembro de 2013

Design de Embalagens - Disponível em: http://alessandradesigner.wordpress.com/tag/design-de-embalagem/ . Acessado em 16 de setembro de 2013

DESIGN GRÁFICO: UM BREVE ROTEIRO DE ESTUDO AO ALCANCE DAS MÃOS - Disponível em: http://editora.cosacnaify.com.br/blog/?tag=philip-meggs . Acessado em 19 de setembro de 2013

Design Gráfico - Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Design_gr%C3%A1fico . Acessado em 21 de setembro de 2013

A Classificação Vox-AtyPI - Disponível em: http://tipografart.wordpress.com/2012/11/06/a-classificacao-vox-atypi/ . Acessado 23 de setembro de 2013

Curiosidades sobre o Design Gráfico - Disponível em: http://www.printi.com.br/blog/curiosidades-do-design-grafico . Acessado em 17 de setembro de 2013

Os melhores Jogos Brasileiros - Disponível em: http://idealgamesbrasil.blogspot.com.br/ . Acessado 17 de setembro de 2013

Design de Superficie - Disponível em: http://chocoladesign.com/o-design-de-superficie . Acessado em 14 de setembro de 2013

Raimes, J. Bhaskaran, L. Elementos, Bauhaus. Design Retrô: 100 anos de Design Gráfico. São Paulo: Senac,2007 p. 60-61.

O que é Design de Superficie - Disponível em: http://designdesuperficieulbra.blogspot.com.br/ . Acessado em 14 de setembro de 2013

Filho, J G. Leis da Gestalt. Gestalt do Objeto: Sistema de leitura visual da forma. São Paulo: Escrituras, 2002 p. 27-36


InfoBrasil

traz infográficos de vários temas relacionados com o Design Gráfico, desenvolvendo o conteúdo de acordo como são abordados no Brasil. O livro foi desenvolvido visualmente em referência ao estilo Bauhaus, já que um dos temas apresentado é sobre a escola e ela trás características de diagramação, como cores, formas e tipografia. Esse é o trabalho final do Trabalho Interdisciplinar desenvolvido por alunos do segundo módulo de Design Gráfico do UNI-BH.


Infobrasil 2