Page 1

MIL DOBRAS


UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA “JULIO DE MESQUITA FILHO” FACULDADE DE ARQUITETURA, ARTES E COMUNICAÇÃO. DEPARTAMENTO DE ARTES E REPRESENTAÇAO GRAFICA

MIL DOBRAS A Desterritorialização da Escrita Um Mapeamento Acerca da Linguagem em Não Territórios

Núcleo de Pesquisa PIPOL Projetos Integrados de Pesquisa On-Line

Josimar José Ferreira Orientador: Olympio José Pinheiro Co-orinetador: Dorival Campos Rossi

ARTES 2011


“Por que é tão difícil? É desde logo uma questão de semiótica perceptiva. Não é fácil perceber as coisas pelo meio, e não de cima para baixo, da esquerda para a direita ou inversamente: tentem e verão que tudo muda.”

Gilles Deleuze e Félix Guattari 0


Agradecimentos

Agradeço primeiramente a minha mãe pelo imenso esforço e apoio para que este dia chegasse. Ao professor Dorival, pela primeira aula sua que assisti, e me fez mudar a rota, verter o trajeto diante da vida. Como Alice no Pais das Maravilhas não sei direito que caminho direito é este, mas sinto que a rota tinha que ser vertida. Ao professor Olympio pela liberdade que foi dada nesta pesquisa e pelas grandes conversas dentro da universidade. Agradeço ainda a todos os meus amigos, que sem eles meus dias não teria sido possível. A todas as alegrias, festas e dias complicados divididos. Agradeço a todos que fizeram parte da minha trajetória nesta conquista. A todos que estiveram presentes comigo, mesmo separados pela distância. Estes em especial!

1


Sumário

Agradecimentos................................................................................................01 Resumo.............................................................................................................03 Abstract.............................................................................................................04 1- Introdução – O Desenho do Vazio................................................................05 2- A Arte da Escrita e seu Novo Desenho.........................................................07 3 - Acerca de Virtualidades...............................................................................12 4 - Dobras e Articulações na Linguagem..........................................................16 5 - Casacos de Arlequim...................................................................................18 6 - A Desterritorialização da Escrita..................................................................22 7 - Conclusão: Princípios, Mapas e Rizomas...................................................24 8 – Referencias.................................................................................................27

2


Resumo Inserido em dias contemporâneos, este trabalho busca um mapeamento acerca dos percursos e rotas em que a escrita dobra e se enverada. Uma busca teórica,

sem

chegar

à

programação

propriamente

dita.

Apenas

questionamentos e levantamentos acerca do virtual, das novas linguagens. Um projeto que busca traçar relações entre signos mestiçados, estruturas incorpóreas e dobras imperceptíveis. E a grande desterritorialização em que escrita esta alçando seus voos. Um questionamento filosófico ancorado no real sobre o futuro da escrita e novo desenho que se toma forma.

Palavras-chave: Escrita. Desterritorialização. Novas Linguagens. Semiótica. Filosofia.

3


Abstract Set in aur days, this work searches a mapping of paths and routes in which the worting is bending and is envering. A theoretical search, without attermpting the programming itself. Only questions and surveys about the virtual, the new languages. A project that aims draiving conexions between crossbred signs, intangible structures and imperceptible folds. And the great deterritorialization in writing is lifting its flights. A philosophical inquiry anchored in the real about the future of writing and the new design that takes shape.

Keywords: Writing. Deterritorializaton. New languages. Semiotics. Phiosophy.

4


1 - Introdução: O Desenho do Vazio “Achar o contemporâneo, coisa tão difícil.” Michel Serres

O contemporâneo é um grande desenho do vazio. Um desenho de formas imperceptíveis. Com dobras e articulações invisíveis, incorpóreas. As coisas se dão através das relações. E as não coisas (o imaterial) só são possíveis por relações e conexões. Toda manifestação existencial, artística, poética ou criativa, da mais simples a mais complexa se faz por relações. Devemos saber encontrar a junção da solda na atualidade. Tentamos buscar neste trabalho um breve mapeamento acerca da desterritorialização e dobra em que a escrita esta passando. Qual é o novo desenho que ela esta formando no mundo virtual e contemporâneo. Num livro, como em qualquer coisa, há linhas de articulação ou de segmentaridade, estrato, territorialidades, mas também linhas de fuga, movimentos de desterritorialização Não é o vazio sem forma. É o vazio criador, o vazio onde abre espaço para novas relações e acontecimentos. O entrelaçamento por onde possamos navegar. A proposta deste trabalho é apenas esboçar um mapa, ou talvez um dentre tantos os que já existem. Buscamos como Beiguelman propõe um processo de investigação, trabalho de um processo de leituras de diversos autores. Esta pesquisa segue a proposta do PIPOL, não se trabalha mais projeto, processo e produto separados. Eles são entrelaçados. Esta pesquisa busca relações entre a nova ordem da escrita e as linguagens em que estamos nos inserindo. 5


O rizoma, modelo contemporâneo, procede por variação, expansão, conquista, captura, picada. Oposto ao grafismo, ao desenho ou à fotografia, oposto aos decalques, o rizoma se refere a um mapa que deve ser produzido, construído, sempre desmontável, conectável, reversível, modificável, com múltiplas entradas e saídas, com suas linhas de fuga. Ele não é feito de unidades, mas de dimensões, ou antes, de direções movediças. Ele não tem começo nem fim, mas sempre um meio pelo qual ele cresce e transborda. Ele constitui multiplicidades lineares a n dimensões, sem sujeito nem objeto, exibíveis num plano de consistência e do qual o Uno é sempre subtraído (n-1). Estive ciente de que nos projetos e pesquisas contemporâneas busca-se o “como” das e não mais o “o que” das coisas. É uma busca de um novo desenho para a escrita. Fica claro que permaneci num campo projetual sem chegar à aplicação e programação propriamente dita. Procurei traçar linhas virtuais de variações infinitas, trabalhar com a heterogeneidade e mapear as diferenças na linguagem. Trabalhei o processo como investigação. Obras que são estudos longos, subprodutos de reflexões sobre questões como o nomadismo contemporâneo, a mobilidade, a construção da paisagem e do território ou não território.

6


2 - A Arte da Escrita e seu Novo Desenho

„Escrever nada tem a ver com significar, mas com agrimensar, cartografar, mesmo que sejam regiões ainda por vir. ‟ Gilles Deleuze e Félix Guattari

O paradigma foi alterado. Existem dois modelos de projetar, um projeta representações e o outro produz modelos. A escrita nesta passagem do milênio e com as inovações tecnológicas esta sendo desterritorializada do seu suporte físico e estático. Esta passando por uma grande dobra. Desde suas origens mesopotâmicas, o texto é um objeto virtual, abstrato, independente de um suporte físico. Atualizam-se em múltiplas versões, traduções, edições, exemplares e copias. Em primeiro lugar, o texto é esburacado, riscado, semeado de brancos. Ao lermos um texto rasgamos, amarrotamos. Dobramo-lo sobre si mesmo. Relacionamos uma a outra passagem que se correspondem. Este ato de rasgar, de amarrotar, de torcer, de recostar o texto é necessário. O artista, o grande nômade resolveu desertar a linguagem dos códigos, dos territórios e romper c a estrutura, a arte nos dias contemporâneos alcança uns de seus devires improváveis. A linguagem esta passando por fluxos e graus de desterritorialização Deleuze e Guattari dizem que um livro não tem objeto nem sujeito; é feito de matérias diferentemente formadas, de datas e velocidades muito diferentes. Num

livro,

como em

qualquer

coisa,

linhas

de

articulação

ou

segmentaridade, estratos, territorialidades, mas também linhas de fuga, movimentos de desterritorialização e desestratificação. 7


Essas linhas mensuráveis constitui um agenciamento, uma multiplicidade. Um livro é uma espécie de organismo, ou uma totalidade significante. Mas não devemos esquecer-nos de perguntar: qual é o corpo sem órgãos de um livro?

“Não há diferença entre aquilo de que um livro fala e a maneira como é feito. Um livro tampouco tem objeto. Considerado como agenciamento, ele está somente em conexão com outros agenciamentos, em relação com outros corpos sem órgãos. Não se perguntará nunca mais o que um livro quer dizer, significado ou significante, não se buscará nada compreender num livro, perguntar-se-á com o que ele funciona em conexão com o que ele faz ou não passar intensidades, em que multiplicidades ele se introduz e metamorfoseia a sua, com que corpos sem órgãos ele faz convergir o seu. Um livro existe apenas pelo fora e no fora.” (DELEUZE e GUATTARI, 1991 – 12)

A única questão, quando se escreve, é saber com que outra maquina a máquina literária pode estar ligada, e deve estar ligada, para funcionar. Partindo destes princípios imergimos nos processos criativos da escrita contemporânea.

Uma

escrita

um

pouco

não

linear,

com

estruturas

caleidoscópicas, dinâmicas, fragmentadas e moveis. O novo escritor começa a brincar com uma projeção imperceptível. Estamos inaugurando o século das „não coisas‟. Cada vez mais lidamos com o imaterial O novo homem não quer ter ou fazer, quer vivenciar, experimentar. Não se trata mais de ações, mais sim de sensações. As informações imateriais são tão inapreensíveis, são apenas decodificáveis (FLÚSSER, 2007 – 58).

8


O grande debate agora é sobre as ideias atuais que pensam sobre o universo das redes digitais, mobilidades na rede. Uma preocupação da escrita em movimento, e de futuro e caminho em que esta se enveredando. Explora

novas

criações

rizomáticas

e

hibridas,

com

estruturas

caleidoscópicas, dimensões movediças, velocidades diferentes e não lineares que estão emergindo nos novos meios. Que partem de estruturas simples e vão se tornando cada vez mais complexas.

“O ideal de um livro seria expor toda coisa sobre um tal plano de exterioridade, sobre uma única pagina, sobre uma mesma paragem: acontecimentos vividos, determinações históricas, conceitos pensados, indivíduos, grupos e formações sociais [...] um encadeamento quebradiço de afetos com velocidades variáveis,

precipitações

e

transformações,

sempre

em

correlação com o fora.” (DELEUZE e GUATTARI, 2005 – 12)

A escrita, desde suas origens, foi sempre desenvolvida sobre um suporte estático, tanto as ideografias quanto os alfabetos são providos de signos fixos e lineares (LEVY, 1991). Hoje a escrita e todas as linguagens estão cada vez mais imersas em meios líquidos, fluidos, híbridos e conectáveis. Alguns escritores bifurcam e não param de bifurcar, são gêneros híbridos e contemporâneos investigando os novos processos de criações. No mundo contemporâneo e codificado, segundo Flússer, o novo homem não lida mais com ações e sim com sensações. Não quer ter ou fazer algo, quer vivenciar, experimentar. A obra de arte é um ser de sensação, e nada mais: ela existe em si. Segundo Deleuze e Guattari, pintamos, esculpimos, compomos, escrevemos com sensações. Devemos criar seres de sensação que se compõe com o 9


vazio. Um devir imperceptível, com dobras invisíveis. A escrita é inseparável do devir. Deleuze ainda diz que escrever nada tem a ver com significar, mas com agrimensar, cartografar, mesmo que sejam regiões ainda por vir. A arte é a linguagem das sensações, que faz entrar nas palavras, nas cores, nos sons ou nas pedras. O escritor se serve de palavras, mas criando uma sintaxe que as introduz na sensação, que faz gaguejar a língua corrente, ou tremer, ou gritar, ou mesmo cantar [...] O escritor torce a linguagem. (Deleuze, 2005 - 45) Pierre Lévy propõe que comecemos a projetar uma linguagem visual autônoma, uma ideografia com movimento e dinamismo. Devemos aprender logo a construir mapas e modelos mentais. Janet Murray propõe narrativas interativas, com estruturas caleidoscópicas, movediças, feitas por escritores, artistas e designers experimentais. Um novo casamento será feito na virada desse século, entre o artista e o programador. O texto (discurso elaborado ou propósito deliberado) esta se virtualizando em mensagem complexas e sensíveis: ideogramas, mapas, simulações, imagens animadas, mensagens iconográficas ou fílmicas. O meio segundo Flússer e Cortazar o meio não é mais a mensagem, o meio agora é fluido e liquido. E o texto será trabalhado de outra forma. O virtual é este meio liquido e fluido. A palavra não serve para designar o mundo. O pensamento se da por imagens, afirma Lévy e Flússer. Daí o ideograma ser uma espécie de escrita/imagem. O ocidente se apropria de uma forma enquanto que o oriente de outra. Enquanto um é analógico, o outro digital. Os adventos das chamadas Novas Tecnologias permitem o acesso a outras escritas e formas de

10


pensamento. Pierre Lévy propõe a escrita por Ideografias Dinâmicas e Modelos Mentais, por esses estarem mais próximos da forma de pensamento. Flússer aborda que lidamos com „realidades‟, a língua é realidade, forma realidade, cria realidade e propaga realidade. Um mundo caótico se torna organizado, é transformado de caos em cosmo por meio da linguagem. A linguagem organiza e estrutura o mundo. Afirma também que não há mais tanto limites entre realidade e ficção, tudo se tornou ficção. Deleuze e Guattari propõem que devemos traçar linhas de fuga nessa realidade e criar realidades (a) paralelas que possam coexistir com essa. O homem contemporâneo esta começando a projetar historias e narrativas mais ficcionais, rizomáticas, labirínticas, sem a clássica estrutura de começo, meio e fim. Se encontram sempre no meio, entre as coisas, inter-ser, intermezzo... Vemos isso em boa parte do cinema mais alternativo, em uma literatura que esta emergindo, e nas novas narrativas interativas. Trabalhar com a escrita a partir de agora é saber lidar com a desterritorialização, potencialização e virtualização da linguagem. Estamos passando por uma mudança, talvez mais profunda que o surgimento da imprensa de Gutemberg final do sec. XV. Os avanços das tecnologias e seus meios é uma grande transformação em que estamos inseridos e não temos como zarpar desse barco, temos que aprender a nadar, flutuar e navegar. Temos que aprender a reescrever com os novos códigos.

11


3 - Acerca de Virtualidades

“Mas o que é, exatamente, esse virtual, do qual tanto se fala? Trata-se claramente de uma revolução. Uma alteração radical na forma de conceber o tempo, o espaço, e mesmo os relacionamentos.” Pierre Lévy

O processo de virtualização é o movimento pelo qual o homem se constitui e continua a criar. No meio do caos, Noé construiu um pequeno mundo bem organizado. Face ao desencadeamento dos dados, protegeu uma seleção. O segundo diluvio não terá fim. Não há nenhum fundo sólido sob o oceano das informações. Devemos aceita-lo como nossa nova condição, diz Lévy. Temos que ensinar nossos filhos a nadar, a flutuar, talvez a navegar. A arca do primeiro diluvio era única, estanque, fechada, totalizante. As arcas do segundo diluvio dançam entre si. Trocam sinais. Fecundam-se mutuamente. Abrigam pequenas totalidades, mas sem nenhuma pretensão ao universal. Apenas o dilúvio é universal. Mas ele é intotalizável. Fluida, virtual, ao mesmo tempo reunida e dispersa, essa biblioteca de Babel não pode ser queimada. As aguas deste novo diluvio não apagarão os signos gravados, são inundações de signos. Sua principal operação é a de conectar no espaço, de construir e de estender os rizomas do sentido. A palavra virtual vem do latim medieval virtualis, derivado por sua vez de virtus, força, potência. É virtual o que existe em potência e não em ato. O virtual tende a atualizar-se. “Em termos rigorosamente filosóficos, o virtual não se opõe ao real, mas ao atual: virtualidade e atualidade são duas maneiras de ser diferentes” (LÉVY, 1996 – 15).

12


Gilles Deleuze introduz a distinção entre possível e virtual. O possível segundo o autor já esta todo constituído, mas permanece no limbo. O possível é exatamente como o real: só lhe falta existência. A realização do possível não é uma criação. Já o virtual não se opõe ao real, mas sim ao atual. Contrariamente ao possível, estático e já constituído, o virtual é como um complexo problemático, o nó de tendências ou de forças que acompanha uma situação, um acontecimento, um objeto e que chama um processo de resolução: a atualização. Lévy exemplifica dizendo que a arvore esta presente na semente. O problema da semente, por exemplo, é fazer brotar a arvore, ela “conhece” exatamente a forma da árvore que expandirá finalmente sua folhagem acima dela. Mesmo assim ela irá inventar, coproduzir o melhor arranjo desta arvore. Um ditado chinês diz que uma figueira não poderá dar pêssegos. Na semente esta contida todas as informações necessárias para esta atualização. A atualização é criação, invenção de uma forma a partir de uma configuração dinâmica de forças e de finalidades. É um verdadeiro devir. O virtual se atualiza de maneiras diversas mais ou menos inventivas. “O real assemelha-se ao possível; em troca, o atual nada se assemelha ao virtual: responde-lhe.” (LÈVY, 1996 – 17) A atualização ia de um problema a uma solução. A virtualização passa de uma solução dada a um (outro) problema. Passa a ser colocada a ênfase ontológica. A virtualização fluidifica as distinções instituídas, aumenta os graus de liberdade, cria um vazio motor. É um dos principais vetores da criação de realidade.

13


Como vimos o virtual não é uma ausência de existência e de realidade, mas ele lida com a desterritorialização, muitas vezes o virtual “não esta presente”. Uma comunidade virtual organiza-se sobre uma base de afinidade, seus membros estão reunidos pelos mesmos núcleos de interesses, pelos mesmos problemas, a geografia não é mais nenhum ponto de partida. Apesar de “não presente”, esta comunidade esta repleta de paixões e de projetos, de conflitos e de amizades. A virtualização reinventa a cultura nômade, fazendo surgir um novo meio de interações sociais onde as relações se reconfiguram. O virtual lida com novos espaços, novas velocidades e novos territórios. O malabarista segundo André Lemos lida com territórios. É aquele que encontra lugar para três coisas em um espaço para duas. Ele faz do tempo um espaço. Ele tem que introduzir o tempo no seu território. O espaço é produzido pela troca de lugar das coisas, sendo uma das dimensões a do tempo, que o cria. O espaço é o que se produz das relações entre as coisas e os seus respectivos lugares. Não é aquilo que contém as coisas. O espaço é movimento e não o estático reservatório. O espaço é uma rede, dinâmica, sempre se fazendo, produzido por relações no tempo e no movimento. A ação do malabarista parece para André Lemos uma ilustração bem interessante das conexões e relações dos objetos no espaço e pode nos ajudar a pensar as conexões de não-objetos em espaços virtuais. Na ação do malabarismo, o espaço é criado pela troca de lugar dos objetos no tempo na movimentação dos objetos passando de um lugar a outro. Por isso o malabarista é um produtor de territorialidades, por controlar os lugares, o tempo e o movimento na produção desse espaço. Território é controle da

14


espacialização. O espaço é esse emaranhado de ligações invisíveis, de redes que desaparecem nos movimentos dos fios pouco perceptíveis que se fazem e se desfazem nos movimentos das coisas no ar. Ele não é o que contém. Ele é o que é gerado. O espaço se faz e se desfaz a cada movimento, na troca dos objetos de lugares no tempo. Ainda segundo André Lemos, o espaço do ciberespaço é esse espaçamento produzido pelos lugares, coisas, pessoas e objetos conectados ao redor do planeta. Por isso está sempre em construção, sempre em expansão. A internet das coisas vai produzindo espacialização na relação dos lugares e nas movimentações pelas conexões de tudo e todos. Se a internet pudesse ser representada por um personagem, talvez ela pudesse ser vista como um malabarista de dados, jogando de um lado para o outro avatares, dados, máquinas, em um espaço de controle que se faz e se desfaz nesse movimento no tempo (real). É nesse malabarismo que se faz a cada momento, o “ciberespaço”.

15


4 - Dobras e Articulações na Linguagem “Se você quer pegar um peixinho, pode ficar em aguas rasas. Mas se quer um peixe grande, terá que entrar em aguas profundas.” David Lynch

A linguagem alça voos inimagináveis em um mundo virtual, sensível de um grande oceano em que navegamos: o da arte, do design, da ficção, do universo mental humano em meio ao caos e ordem em que vivemos. A arte age sobre outros universos e realidades com o auxilio de signos, por meio de linguagens. Nessa pesquisa atualizamos a linguagem em escrita, a linguagem é a maneira que as coisas se organizam. As linguagens, assim como século XXI estão passando por uma dobra. Resta-nos perguntar quanto ao seu futuro. O homem hoje trabalha com linguagens cada vez mais hibridas. Signos mestiçados. Em um meio fluido, liquido todo conectável e reversível. Esta pesquisa traça um panorama de como as linguagens estão se dobrando e se transformando, neste século. Elas se dobram se transformam, se relacionam cada vez mais umas com as outras. Os estudos de Semiótica, Lógica das Linguagens ou Teoria Geral dos Signos induzem à construção e observação da clareza de ideias. A Semiótica se corporifica no ato do pensar. Semiótica nos propõe que o mais alto grau esta contido nas linguagens. A linguagem é um mapa e não um decalque. O conteúdo não é um significado nem a expressão um significante, mas ambas são as variáveis do agenciamento.

16


O regime significante do signo (o signo significante) possui uma fórmula geral simples: o signo remete ao signo, e remete tão somente ao signo, infinitamente. O ilimitado da significância substituiu o signo.

“Não nos ocupamos especialmente dos índices, isto é, dos estados de coisas territoriais que constituem o designável. Não nos ocupamos especialmente dos ícones, isto é, das operações de reterritorialização que constituem, por sua vez, o significável. O signo já alcançou, então, um alto grau de desterritorialização relativa, no qual é considerado como símbolo em uma remissão constante do signo ao signo. O significante é o signo redundante com o signo. Os signos emitem signos uns para os outros. Não se trata ainda de saber o que tal signo significa, mas a que outros signos remetem, que outros signos a ele se acrescentam, para formar uma rede sem começo nem fim que projeta sua sombra sobre um continuum amorfo atmosférico.” (DELEUZE e GUATTARI, 2005)

Para Charles Pierce um Signo é tudo aquilo que esta relacionado com uma segunda coisa, seu objeto de modo a trazer uma terceira coisa, seu interpretante de uma forma ad infinitum. Signo é o processo mental das operações de substituição e de relação. Designamos a esse processo de semiose. Tudo no mundo são semioses.

17


5- Casacos de Arlequim “Tu te vestes como o roteiro de tuas viagens?” Michel Serres

Mil Dobras é uma busca que remete aos casacos e costuras de arlequim. Todo zebrado, tigrado, matizado, mouriscado, recamado, multicolorido, rasgado, de cordões atados, de fitas cruzadas. Composição descombinada, feita de pedaços, de trapos de todos os tamanhos, mil formas e cores variadas, de idades diversas, de proveniências diferentes, mal alinhavados, justapostos sem harmonia, sem nenhuma atenção as combinações, remendados segundo as circunstâncias, à medida das necessidades, dos acidentes e das contingências. Que mostras uma espécie de mapa-múndi, o mapa das viagens do artista. (SERRES, 1993 – 02) Perguntamos aqui, qual o futuro da escrita? Para onde ela caminha e como caminha ou se desliza sem percebermos? E o que há de especifico no ato de escrever, para que o homem tenha escolhido este código e não outro? E agora que a comunicação esta se dando mais por imagens, o que acontecera com a escrita? Estamos imergindo em um mundo de códigos digitais e não podemos mais continuar a viver como antigamente. Estamos entrando numa consciência póshistórica, pós-fonética e pós-escrita. Uma nova forma de escrita surge, e a linguagem se organiza de outra maneira. Devemos aprender a mapear e a projetar. Traçar linhas de fugas. Projetar, sempre N-1. Subtrair o único da multiplicidade a ser constituída. Escrever a n1. De forma rizomática. Para passarmos e não nos perdermos na dobra em que estamos vivendo. 18


Mapeamos e abordamos questões relacionadas com as novas linguagens e seus processos nos meios atuais. As criações contemporâneas se dão de outra forma, estão cada vez mais mestiçadas, hibridizadas, adamascadas. Tanto quanto se remete à escrita, as artes plásticas, ao design, a performance e a todo e qualquer tipo de criação artística. Toda criação contemporânea terá que aprender a lidar com camadas. Os novos desenhos e novas escritas serão feitos de camadas sobrepostas. Camadas sutis e transparentes. Uma grande criação contemporânea que lida com estes conceitos é o grande Cirque du Soleil. O Cirque du Soliel redesenha o conceito de circo. Enquanto o circo convencional é estático, dividido e focado somente em uma tração por vez, o Soleil é dinâmico. O Soleil lida com uma grande plástica virtual. O Soleil lida com signos. Signos mestiçados. Varias atrações ocorrem ao mesmo tempo, permitindo ao espectador escolher seu foco. No seu processo criativo, um ato puxa o outro, em nenhum momento eles deixam o palco sem um desenho. É uma grande criação feita de camadas. O Soleil ainda lida com precisão, beleza e magia. Coletividade é algo que está óbvio no Soleil. Todos ali têm seu papel, todos trabalham juntos para fazer do espetáculo o que ele é. Todos dependem de um, e um só depende de todos. A coletividade vai além do “trabalhar junto”. Todos ali se ajudam e, principalmente, confia um no outro. No design e na arte, isso se repete. Você não consegue fazer algo completamente sozinho, cada um complementa para resultar num bom trabalho. Desta forma se dão os novos trabalhos e os novos projetos no século XXI. O Soleil ainda brinca com o conceito de camadas, sabem unir duas coisas que nunca haviam sido juntadas, pensar o impensável, sabem trabalhar com a

19


heterogeneidade e as com coisas diferentes. Depois de observar o Soleil, podemos entender melhor o que é ser artista, designer ou escritor no século nos dias contemporâneos. Entendemos o que é estar trabalhando com novas linguagens e com „N‟ dimensões. O Soleil é um grande design de camadas, de relações, de sensações. Estão realmente vivendo, reinventando, redesenhando, recriando as noções de signo no contemporâneo. Os seus artistas transmitem sem medo, com graça e ousadia o que é criar. Devemos nos inspirar neles para as novas criações. Como um grande projeto artístico feito de camadas, se costura como os casacos de arlequim. São estas costuras que buscamos nos processos criativos atuais. O limite da solda.. Descobrimos que tudo esta interligado. Tudo esta dobrado.

20


6 - A Desterritorialização da Escrita

“Devir imperceptível quer dizer muitas coisas [...] Desterritorializa-mos num devir.” Gilles Deleuze e Félix Guattari

O meio não é mais necessariamente a mensagem diz Flússer. O meio é fluido, liquido e efêmero. A desterritorialização da escrita lida com não territórios, não lugares. Cortazar em certa altura do seu livro o Jogo da Amarelinha diz que o mensageiro é a mensagem. A escrita desta forma é todo um devir. Os processos de desterritorialização e retteritorialização são relativas, estão em perpetua ramificação, presos uns aos outros. Há ruptura no rizoma cada vez que linhas se segmentares explodem numa linha de fuga, mas a linha de fuga faz parte do rizoma. Estas linhas não param de se remeter umas às outras. Eis modelos de escrita nômade e rizomática. A escrita esposa uma máquina de guerra e linhas de fuga, abandona os estratos, as segmentaridades, a sedentaridade, o aparelho de Estado. Mas por que é ainda necessário um modelo?

“Escrever a n, n-1, escrever por intermédio de slogans: faça rizoma e não raiz, nunca plante! Não semeie, pique! Não seja nem uno nem múltiplo, seja multiplicidades! Faça a linha e nunca o ponto! A velocidade transforma o ponto em linha! Seja rápido, mesmo parado! Linha de chance, jogo de cintura, linha de fuga. Nunca suscite um General em você! Nunca ideias justas, justo uma ideia. Tenha ideias curtas. Faça mapas, nunca fotos nem desenhos.” (DELEUZE e GUATTARI, 2001 – 36) 21


O texto contemporâneo é feito alimentando correspondências on-line, correndo em redes, fluido, desterritorializado, mergulhado no meio oceânico do ciberespaço, esse texto dinâmico reconstitui, mas de outro modo numa escala infinitamente superior, a co-presença da mensagem e de seu contexto vivo que caracteriza a comunicação oral Lévy discorre que a escrita acelerou um processo de artificializaçao, de exteriorização e de virtualização da memoria. Virtualização e não simples prolongamento A comunicação humana para Flússer é um processo artificial. Baseia-se em artifícios, descobertas, ferramentas e instrumentos. Símbolos organizados em códigos. A cultura é todo um processo artificial de esconder a natureza. E estamos cada vez inovando nossas formas de criar. Nesta virada criamos e demos força ao hipertexto. Define-se um hipertexto como um conjunto de nós ligados por conexões. Cada nó conteria uma gama de informação que remeteria a outros textos e a outros nós repletos de mais textos. Por textos entendem-se não só palavras, como imagens, sons, gráficos, documentos. Par Lévy o hipertexto é um programa que tem como pressuposto primordial a organização de dados ou conhecimento. O hipertexto tem em si uma estrutura multimídia que lhe confere um aspecto dinâmico: uma rede de interfaces multidimensional que vai além da escrita estática e linear. Hoje em dia, há códigos que transmitem melhor a informação que os sinais gráficos. A questão levantada no final desta pesquisa é a seguinte: o que há de especifico no escrever? De que maneira ele se distingue de outros gestos

22


semelhantes, do passado, e do futuro – do pintar ideogramas chineses, do digitar, do cinzelar o mármore com letras latinas. Estamos no meio dos jardins que se bifurcam de Borges. Para Flússer estamos aproximando cada vez mais os códigos lineares da escrita com os não lineares. Se observarmos ao nosso redor, o mundo codificado nos cerca. Estamos transcodificando o mundo que nos cerca. Deveremos reaprender a escrever, virtualizar nossos textos, transcodificar estes em códigos não lineares. Reinventar e redesenhar a forma que nos foi ensinada. Devemos nos reeducar para desenhar o mundo e suas novas criações.

23


7- Conclusão: Princípios, Mapas e Rizomas.

“Não se propõe a representar, interpretar, nem simbolizar, mas apenas a fazer mapas e traçar linhas, marcando suas misturas e distinções” Gilles Deleuze e Félix Guattari

Para o novo modo de se fazer – mantém-se em mente que não se define “fazer o que”, temos apenas um processo movido por princípios, não finalidades -, ficam aqui expostos os seis princípios debatidos por Deleuze e Guattari sobre as criações contemporâneas. 1 e 2 - Principio de Conexão e heterogeneidade. Não há ponto fixo, e sim infinitas conexões de todos gêneros. Qualquer ponto de um rizoma pode ser conectado a qualquer outro e deve sê-lo 3 - Principio de Multiplicidade. não havendo mais sujeito ou objeto, tem somente determinações, grandezas, dimensões qual não podem crescer sem que mudem de natureza. Não existem pontos ou posições num rizoma. Existem somente linhas. 4 - Princípio da ruptura a-significante. qualquer linha segmentar de qualquer rizoma pode ser rompida, reconstruir-se com facilidade em algo totalmente diferente ou explodir enquanto linha de fuga. 5 e 6 - Princípio da cartografia e da decalcomania. por não serem regidos por leis, os rizomas não se comparam a decalques – reprodutíveis infinitamente -, e sim a mapas – experimentações ancoradas no real, construção de conexões que não tendem a um fim

– ao mapa

adicionam-se informações

constantemente.

24


Nos projetos contemporâneos trabalhamos com princípios, não com regras. Entendemos também a necessidade de coletivização presente nos processos criativos contemporâneos, e com isso, a necessidade de experimentação, para que consigamos imergir realmente neste mundo em que vivemos. Trabalhos

contemporâneos

busca

a

mesma

sutileza

e

fugacidade

conseguidas na criação de T.A.Z – Zonas Autônomas Temporárias. Através de linhas de fuga, será possível intervir no que entendemos enquanto realidade a fim de criar um projeto do invisível, cuja finalidade não existe – existe apenas projeto e processo. A maneira como „focamos‟, ou a forma como lemos o mundo, nos permite enxergar aproximações de grau. Deleuze diz que esta forma de se posicionar é o que confere uma vaga certeza dos contornos dos mapas. Ao mudarmos o foco, ao vertermos a rota, compreendemos outras formas de ver a mesma coisa. Deleuze ainda diz que o melhor mapa seria um sem contornos.

“O crocodilo não reproduz um tronco de árvore assim como o camaleão não reproduz as cores de sua vizinhança. A Pantera Cor-de-rosa nada imita, nada reproduz; ela pinta o mundo com sua cor, rosa sobre rosa, é o seu devir-mundo, de forma a tornar-se ela mesma imperceptível, ela mesma a-significante, fazendo sua ruptura, sua linha de fuga, levando até o fim sua "evolução a-paralela". (DELEUZE e GUATTARI, 2001 -20)

Sobrepor um mapa sobre outro. Assim como arlequim se veste com vários casacos, sem saber qual o lugar da junção, a costura e a solda do manto. Para Deleuze as coisas como já dizemos estão dobradas umas sobre as outras, formando a realidade.

25


Dobra se entende como o menor elemento da matéria. Dobrar e desdobrar, não se opõe, é apenas maneiras diferentes de ser da mesma coisa. Trata-se de tender-distender, contrair-dilatar, comprimir-explodir. Ainda citando Deleuze e Guattari, um rizoma não começa nem conclui, ele se encontra sempre no meio, entre as coisas, inter-ser, intermezzo. Um projeto rizomático é um tecido de conjunção. E desta forma que a escrita se vê interligada, se dobrando se desdobrando. Procurando uma nova forma de emergir na atualidade. E apostamos que ela conseguirá. Sempre conseguiu. Um novo tipo de escritor atrelado a um novo tipo de artista surgirá. Ambos aptos e empenhados para esculpir o virtual.

26


REFERENCIAS

Bibliografia

BEIGUELMAN, G., BAMBOZZI, L., BASTOS, M., MINELLI, R., (orgs.). Apropriações do (in)comum. Espaço público e privado em tempos de mobilidade. São Paulo, e-book Instituto Sergio Motta, 2008. BORGES, Jorge Luis. O Jardim das Veredas que se Bifurcam. São Paulo: Companhia das Letras. 2009 CAMPOS, Haroldo. Ideograma: lógica, poesia e linguagem. São Paulo: Edusp, 2000. CORTAZAR, Julio. O Jogo da Amarelinha. Rio de Janeiro: Civilizaçao Brasileira, 2009. DELEUZE, Gilles. A Dobra: Leibniz e o Barroco. Campinas: Papiro, 1991. DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 1 a 5. São Paulo: Ed. 34, 2000. DELEUZE, Gilles e FÉLIX, Guattari. O que é a Filosofia. São Paulo: Ed. 34, 2005 FLUSSER, Vilém. A Escrita: há futuro para a escrita? São Paulo: Annablume, 2010. FLUSSER, Vilém. Lingua e Realidade. São Paulo: Annablume, 2007. FLUSSER, Vilém. O Mundo Codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. São Paulo: Cosac Naify, 2007. FOUCAULT, Michel. As Palavras e as Coisas. São Paulo: Martins Fontes, 1987. BEY, Hakim. TAZ - Zona Autônoma Temporária. São Paulo: Conrad do Brasil, 2001. LEMOS, Andre. @re_vira_volta, Uma experiência em twitteraratura. http://www.portalibahia.com.br/blogs/culturadigital/index.php/tag/cibercultura LÉVY, Pierre. A Ideografia Dinâmica. São Paulo: Loyola, 1991. LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999. LÉVY, Pierre. O que é o virtual? São Paulo: Editora 34, 1996. LYNCH, David. Em Águas Profundas.Rio de Janeiro: Gryphus, 2008. 27


MURRAY, Janet. Hamlet no Holodeck: o futuro da narrativa no ciberespaço. São Paulo: Unesp, 2003. PIERCE, Charles Sanders. Semiótica e Filosofia. São Paulo: Cultrix, 1975. SANTAELLA, Lucia. Linguagens Liquidas na Era da Mobilidade. São Paulo: Paulus Editora, 2007. SERRES, Michel. Filosofia Mestiça. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

Filmografia

A Casa Vazia (Corea) Titulo original: Bin-jip. Direção: Kim Ki-duk 2004. A Cidade dos Sonhos (EUA). Titulo original: Mulholland Drive. Direção: David Lynch. 2000. A Origem (EUA). Titulo original: Inception. Direção: Christopher Nolan 2010. Cirque du Soleil. Alegria. Direção Nick Morris. 2003. Cirque du Soleil. Varekai. Direção: Dominique Champagne. 2003.

Infografia

http://www.faac.unesp.br/pesquisa/pipol http://www.andrelemos.info http://www.desvirtual.com

28

MIL DOBRAS  

A Desterritorialização da Escrita Um Mapeamento Acerca da Linguagem em Não Territórios