Page 7

Rio de Janeiro, 5 a 7 de outubro de 2015

Pablo Vergara / Brasil de Fato

Cidades | 7

Sistema Guandu registra menor nível da história No dia 29/9, o reservatório registrava 7%. Como comparação, em 2013 o nível estava em 51% Renato Cosentino do Rio de Janeiro (RJ)

Armazém da Utopia conquista direito de uso do prédio ocupado desde 2010

Armazém da Utopia continuará no Cais Produtores culturais vencem a batalha final pela permanência na região portuária do Rio Fania Rodrigues do Rio de Janeiro (RJ) Depois de travar uma longa batalha com a empresa Píer Mauá, os produtores culturais do Armazém da Utopia conquistaram o direito de permanecer no local. O Píer Mauá, que tem a concessão para administrar os edifícios do Cais do Porto, tinha entrado com uma ação judicial de despejo. Um acordo entre o prefeito do Rio, Eduardo Paes, e o chefe da Secretaria de Portos, Edinho Araújo, na semana passada, garantiu o direito de permanência dos projetos sociais e culturais do Armazém da Utopia. A União vai repassar o edifício para a Prefeitura do Rio. Depois será assinado um contrato de direito “real de uso”. A quantidade de anos do contrato ainda não foi definida, mas

será de no mínimo 10 anos. “O direito real de uso não tem custo para o Armazém. Ele é muito bom porque garante nosso direito de permanecer no local e estabelece deveres. Assumimos o compromisso de continuar desenvolvendo projetos culturais e sociais”, afirma uma das coordenadoras do Armazém da Utopia, Tuca Moraes. FRUTOS DA LUTA Desde o começo de julho desse ano, as pessoas envolvidas nos projetos do Armazém da Utopia lutavam pela permanência desse espaço cultural. Diversos movimentos sociais, sindicatos de trabalhadores e entidades culturais se engajaram na defesa da causa. Dessa união surgiu uma parceria com a Central Única de Trabalhadores (CUT). A partir de agora será construída uma agenda cultural conjunta. “Queremos montar uma agenda anual, pensada pelo Armazém e a CUT, que desperte o interesse dos trabalhadores”, informou Tuca Moraes. Essa parceria será inau-

gurada nesse fim de semana. Sábado e domingo será apresentada a peça de teatro “Sacco e Vanzetti”, às 19h. O espetáculo é aberto ao público e as entradas custam R$

Assumimos o compromisso de continuar desenvolvendo projetos culturais e sociais Tuca Moraes, do Armazém da Utopia 40 (inteira). A CUT está convidando 25 trabalhadores que receberão cortesias para assistir à peça no domingo. O espetáculo conta a história de Nicola Sacco e Bartolomeo Vanzetti, dois militantes políticos italianos da década de 1920. Eles foram presos e condenados nos Estados Unidos, acusados injustamente de homicídio.

Os reservatórios do sistema Guandu, que abastecem a maior parte da região metropolitana do Rio de Janeiro, fecharam o mês de setembro com o menor nível da história para o período. No dia 29 de setembro, o reservatório registrava 7%. Como comparação, no mesmo dia em 2013 o nível estava em 51%. Em 2011, alcançava 73%, o que demonstra a gravidade da situação. “As pessoas devem fazer uso consciente da água, mas o maior consumidor no Estado do RJ é a indústria e, no Brasil e no Mundo, o agronegócio”, disse o vereador Renato Cinco em debate público na Comissão Especial sobre o Colapso Hídrico. Segundo o vereador, esta é uma crise que afeta a todos, mas de forma desigual. O debate contou com a participação da direção da Cedae, pesquisadores da UFRJ, pescadores e ambientalistas. “Não estamos falando em redução de consumo ainda, estamos falando em evitar o desperdício. Como não tivemos uma melhora no período chuvoso, começamos este mês uma nova campanha para conscientizar a população”, disse Edes Fernandes de Oliveira, Diretor de Produção e Grande Operação da CEDAE. “Não há motivo para racionamento, ainda há água doce indo para o mar”, explicou. A professora Ana Lucia Britto, do PROURB/UFRJ, ressaltou que a crise não es-

tá relacionada apenas à falta de chuvas, mas sim à forma como o poder público gerencia a água e o saneamento. “Há uma série de elementos que definem esta crise como uma crise de gestão”, destacou. Segundo ela, a ausência de uma política municipal sobre o tema faz com que a Cedae, que é uma prestadora de serviço, não seja guiada por uma política pública para o setor. Também participaram do debate o pescador de Santa Cruz Jaci do Nascimento, impactado pelas medidas contra a crise hídrica no rio Guandu; o deputado estadual Flávio Serafini, que participa da CPI sobre o tema na ALERJ; o professor e ambientalista Pedro Aranha; e o professor e militante do Baía Viva e do FAPP-BG, Sebastião Raulino.

Cineclube na Lapa Exibição e debate sobre o filme “A Lei da Água”, de André D’Elia, que faz uma análise sobre a crise hídrica brasileira e sua relação com o novo Código Florestal. Quando: Quartafeira (7/10), às 18h30 Onde: Espaço Plínio de Arruda Sampaio - Rua Joaquim Silva, 130, Lapa

Brasil de Fato RJ - 126  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you