Page 1

Pernambuco

Recife, 12 a 18 de julho de 2019

ano 3

edição 98

distribuição gratuita

EM PE, ELES VOTARAM CONTRA A SUA APOSENTADORIA

PSL Luciano Bivar

DEM Fernando BC Filho

PRB Bispo Ossésio

SD Augusto Coutinho

Pode Ricardo Teobaldo

PSC André Ferreira

PATRI Pastor Eurico

PRB Silvio Costa Filho

PL PSD PL André de Paula Sebastião Oliveira Fernando Rodolfo

CD Daniel Coelho

MDB Raul Henry

PSB Felipe Carreras


2 | OPINIÃO

Brasil de Fato PE

Recife, 12 a 18 de julho de 2019

EDITORIAL

A Reformada Previdência e seus múltiplos impactos para o povo brasileiro

APOSENTADORIA. No Brasil, um dos principais mecanismos da Seguridade Social para “corrigir” as desigualdades é a previdência

O

mês de julho iniciou com tensionamentos em torno da Reforma da Previdência, na Câmara dos Deputados. Em pouco mais de 10 dias, houve a aprovação do relatório na Comissão Especial, discussão no plenário da Câmara sobre o texto base da PEC e a votação que culminou com a sua aprovação, em primeiro turno, na última quarta-feira (10). Se aprovada no segundo turno a Reforma segue para o Senado. Para a bancada do Governo, os investimentos em saúde, educação, assistência e previdência social são gastos que desequilibram as contas públicas. Assim, a redução no valor das aposentadorias e o aumento do tempo de contribuição dos trabalhadores aparecem como saídas para o suposto “déficit orçamentário”. Em contrapartida, os Deputados da oposição sugerem que os ajustes sejam realizados através da taxação de impostos sobre as grandes fortunas, lucros e dividendos e na cobrança previdenciária das exportações do agronegócio, por exemplo. Só

Aposentadorias são grandes responsáveis pela dinamização da economia dos municípios com o reestabelecimento dessa cobrança ao agronegócio, seriam arrecadados 83 bilhões nos próximos 10 anos. Se adentrarmos nas raízes desse debate, veremos que o seu fundamento não é novo e sempre foi alvo de disputas no cenário político brasileiro e

também mundial: a distribuição da riqueza socialmente produzida. No caso da atual proposta de Reforma da Previdência, há uma clara tentativa de decompor as tendências distributivas da Constituição Federal Brasileira de 1988, exercida em parte pela Seguridade Social.

É fato que a economia do país precisa voltar a crescer, que as filas de trabalhadores desempregados estão cada dia maiores e que se acentuaram nos últimos anos as diferenças entre os donos e os empregados das empresas. Mas, como um ajuste que incide sobre os direitos sociais, como a aposentadoria, pode contribuir para mudar esse quadro? Reformar a previdência garantirá uma justa distribuição da riqueza brasileira ou aprofundará as diferenças entre ricos e pobres? No Brasil, um dos principais mecanismos da Seguridade Social para “corrigir” as desigualdades é a previdência. Essa é fruto de inúmeras lutas da classe trabalhadora, que contribui durante longos anos com o suor de seu trabalho para garantir uma renda na velhice. Além disso, as aposentadorias são grandes responsáveis pela dinamização da economia dos municípios pequenos que não têm fonte autônoma de crescimento. Portanto, o estabelecimento de idade mínima para os professores, o aumento do tempo de contribuição e trabalho, so-

Precisamos sim de reformas, mas aquelas que diminuam as desigualdades bretudo das mulheres, a drástica diminuição no valor das pensões por morte, entre outras alterações, revelam-se como uma estratégia de retirada de direitos que em nada se aproxima de um equilíbrio nas contas públicas, crescimento econômico, geração de renda e igualdade. Precisamos sim de reformas, mas aquelas que diminuam as desigualdades! Da reforma agrária, da reforma tributária que aumente os impostos sobre as grandes fortunas e, consequentemente, diminua o peso que recai sobre as frações da classe média e pobre -, reformas de fato justas e que alterem os rumos econômicos e políticos da nação brasileira.

Expediente Brasil de Fato PE O Brasil de Fato circula nos estados de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Rio Grande do Sul, Paraíba e Bahia com edições regulares. Em Pernambuco está nas ruas todas às sextas-feiras com uma visão popular de Pernambuco, do Brasil e do Mundo. Página: brasildefatope.com.br | Email: pautape@brasildefato.com.br | Para anunciar: brasildefatopernambuco@brasildefato.com.br | Telefone: 81. 96060173

Edição: Monyse Ravena | Redação: Vinícius Sobreira, Marcos Barbosa, Vanessa Gonzaga, Rani de Mendonça e Fátima Pereira. Articulista: Aristóteles Cardona | Colaboração: André Barreto, Bianca Almeida, PH Reinaux, Catarina de Angola | Administração: Iyalê Tahyrine Diagramação: Diva Braga | Revisão: Júlia Garcia | Tiragem: 20 mil exemplares Conselho Editorial: Alexandre Henrique Pires, Bruno Ribeiro, Carlos Veras, Doriel Barros, Eduardo Mara, Geraldo Soares, Henrique Gomes, Itamar Lages, Jaime Amorim, José Carlos de Oliveira, Fernando Melo, Fernando Lima, Laila Costa, Luiz Filho, Luiz Lourenzon, Marcelo Barros, Margareth Albuquerque (in memorian), Marluce Melo, Paulette Cavalcanti, Paulo de Souza Bezerra, Paulo Mansan, Pedro Lapa, Roberto Efrem Filho, Rogério Almeida, Rosa Sampaio, Sérgio Goaiana, Suzineide Rodrigues, Valmir Assis.


Brasil de Fato PE

Recife, 12 a 18 de julho de 2019

FRASE da semana Quem não acredita em democracia, acredita em justiça com as próprias mãos

GERAL l 3

Nota

SERVIÇ0S EJA em Petrolina UPE

Paulo Henrique Amorim, jornalista e escritor que faleceu na última quarta-feira (10) de infarto.

Quais os direitos mais importantes das crianças?

stão abertas desde a última E segunda-feira (8) as matrículas para Educação de Jovens e

Adultos da Escola João Barracão em Petrolina. São 240 vagas para o nível médio, com vagas no turno da manhã, tarde e noite. As inscrições seguem até o dia 23 de julho na escola. É preciso ter no mínimo 18 anos e apresentar RG, CPF, histórico escolar, certidão de nascimento e comprovante de residência com xerox. Outras informações podem ser obtidas no telefone (87)3866-6286.

Aulas de música clássica Fundação Terra

direito de ter liberdade, pra ela aprender O melhor e o direito de ter uma família, para a criança viver com saúde e alegria. Não é certo

criança trabalhar, porque tem coisas no trabalho que as crianças não estão prontas para utilizar. Gabriel de Queiroz Ferreira, 8 anos. m Arcoverde, estão aberE tas as inscrições para formar uma orquestra com crian-

s crianças tem direito a muitas coisas, A como brincar, andar de bicicleta, aprender. Brincar é o mais importante, porque faz elas ficarem fortes, inteligentes e espertas. Heitor Cardoso, 8 anos.

ças e adolescentes pela Fundação Terra. São cerca de 200 vagas abertas em quatro turmas, sendo duas pela manhã e outras duas à tarde. As aulas são totalmente gratuitas e vão acontecer na sede da instituição. É necessário comparecer à sede da Fundação Terra munido com RG, CPF, certidão de nascimento. As inscrições vão até 20 de agosto. Mais informações podem ser obtidas por meio do site www. fundacaoterra.org.br


Recife, 12 a 18 de julho de 2019

4 ||Mundo GERAL

Brasil de Fato PE

Direitos de Fato Debate “Favela, Educação e Cultura” Usina de Valores

N

o domingo (14), Jaboatão dos Guararapes recebe o debate “Favela, Educação e Cultura”. O evento discutirá sobre como a favela também é um espaço de produção cultural, lazer e discussão política. Para isso, estarão na mesa a poeta e rapper Lais Bione; Bia Ferreira, musicista e produtora cultural e a poetisa Joy Thamires. A atividade é uma iniciativa do Usina de Valores, uma entidade ligada ao Instituto Vladimir Herzog que reúne comunicadores que atuam nas periferias de cada região, núcleos religiosos e movimentos populares que desenvolvem ciclos de formação nas periferias. O debate inicia a partir das 15h, na Escola Zequinha Barreto, no bairro do Dom Helder.

Apresentação da Marcha Mundial das Mulheres MMM

o Recife, o núcleo Soledad Barret da N Marcha Mundial das Mulheres convida quem ainda não conhece o movimen-

to feminista para uma apresentação. A reunião também vai discutir detalhes sobre a ida das pernambucanas para a Marcha das Margaridas, atividade organizada por mulheres rurais que acontece no mês de agosto em Brasília e também a quarta edição da Escola Feminista Popular Soledad Barret, que acontecerá após a Marcha das Margaridas. O encontro acontece nesse domingo (14), a partir das 13h no Armazém do Campo, que fica na Av. Martins de Barros, 387.

Reforma da previdência: mudança na pensão por morte para retirar direitos esta semana, na nossa série especial sobre as mudanças proN postas pela “Nova Previdência” do Governo Bolsonaro (PEC 06/2019), veremos quais seriam as novas regras na pensão por mor-

te. Assim como é em relação à aposentadoria, vem com o objetivo de limitar o acesso à pensão por morte e reduzir o valor pago pelo INSS com esse benefício. A pensão por morte é um benefício pago aos dependentes (cônjuge, companheiro e/ou filhos) do trabalhador segurado do INSS que vier a falecer, visando a manutenção da renda da família. Como é hoje? O valor pago corresponde à 100% do valor da aposentadoria que o segurado falecido recebia ou que teria direito; é possível a acumulação por parte do dependente de receber aposentadoria e pensão; duração de 4 meses da pensão, caso o casamento ou união estável tenha sido iniciado em dois anos antes do óbito; duração variável de recebimento do benefício segundo a idade do dependente (de três anos até vitalício). O que muda? Na PEC 06 é prevista uma nova forma de calcular o valor do benefício, o qual corresponderá à 50% da aposentadoria + 10% por filho dependente, sendo o reajuste anual deste desvinculado do salário-mínimo. Não seria também mais permitida a acumulação dela com outros benefícios (p. ex. receber pensão por morte e aposentadoria). Apenas seria pago integralmente o benefício de 100% da aposentadoria nos casos de morte por acidente do trabalho e doenças do trabalho. *

André Barreto é advogado e milita na Consulta Popular, na Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) e Rede Nacional de Advogados Populares (Renap).

Para entrar em contato e tirar dúvidas mande um email para contato.pe@brasildefato.com.br ou um whattsapp para 8199060173

ESPAÇo SINDICAL

Arraiá dos Sindicatos

Assembleias do Sindipetro Sindipetro PE/PB

N

essa semana, o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria do Petróleo realizou assembleias no Complexo de Suape e na refinaria de Abreu e Lima. Em Suape, na terça-feira (09), os trabalhadores e trabalhadoras petroleiros/ as rejeitaram, por unanimidade, a contraproposta apresentada pela empresa no último dia 04 de julho. Já na quarta-feira (10) na Refinaria Abreu e Lima, a pauta da atividade também foi o posicionamento contrário da categoria à privatização da Petrobrás, que vem sendo negociada desde o início do ano pelo Conselho de Administração da Petrobrás. Além disso, colocou-se em pauta a luta contra a Reforma da Previdência.

Divulgação

o dia 13 de Julho, a parN tir das 19h, acontece o Arraiá dos Trabalhadores –

Ninguém Larga Ninguém. A organização do evento é do Sindicato dos Bancários de Pernambuco e do Sindicato dos Metalúrgicos (Sindmetal). O forró de Petrúcio Amorim, o forronejo de Alexandre Neto & Banda e a Orquestra Maximus, animam a festa julina, que neste ano será realizada no Centro de Formação e Lazer (CFL) do Sindsprev-PE, no Recife. Os sócios do Sindicato, dependentes cadastrados e crianças até 12 anos não pagam pelo ingresso, que custará o valor simbólico de R$ 10 para os não-sócios.


Recife, 12 a 18 de julho de 2019

Brasil de Fato PE

OPINIÃO I 5

Artigo A prefeitura de Paulista não salvou a quadra do mangueirão Diego Rafael*

Sidney Ma-

O

s bairros de Paratibe e Arthur Lundgren 1 localizados na cidade de Paulista, Região Metropolitana do Recife, não são diferentes dos demais bairros das periferias do Brasil. Por aqui falta bastante coisa: acesso adequado a água, saneamento básico, saúde, lazer, etc. Entre os dois bairros temos uma área livre chamada carinhosamente pelos moradores de Mangueirão. Esse espaço livre de lazer tem sido moeda de troca em período eleitoral por muitos atores políticos desde meados dos anos 1980, quando as chaves do habitacional Arthur Lundgren 1 foram entregues aos moradores,

uma área reconhecida como Território Afetivo dos moradores onde a área do mangueirão era identificada como área verde. Muitos já sentaram na Câmara dos Vereadores e Prefeitura prometendo sua transformação e até hoje vemos que isso não aconteceu. Em julho de 2018 as moradoras e moradores de Para-

tibe e Arthur 1 acordaram com o barulho das máquinas demolindo a quadra do Mangueirão por ordem do poder público municipal. A Destruição da quadra foi realizada para construção de uma Unidade Básica de Saúde. Para surpresa da atual gestão, o Escambo Coletivo junto com demais moradores da comunidade organizaram o movimento popular “Salve a Quadra do Mangueirão”, colocando-se contra o processo atropelado que não realizou uma consulta popular para decidir o futuro de uma área reconhecida como Território Afetivo dos moradores. Mas afinal, o que pensa um povo que “rechaça”

um dispositivo de saúde do seu território? O direito ao lazer é uma garantia constitucional. O direito à saúde também. A saúde pública na perspectiva coletiva e integral entende que a melhor forma de não gerar doenças é promover qualidade de vida e bem estar, logo, lazer e cultura são expressões da garantia de saúde de determinada população. O mangueirão sempre foi o espaço que acolheu as atividades das comunidades, as peças de teatro, campeonatos de futebol, quadrilha juninas, entre outros. O argumento da prefeitura é de que o local estava abandonado. Para nós, moradores dos bairros,

mede*

acervo do Escambo

o abandono existiu por parte do poder público. Foram inúmeras as ações de manutenção realizadas e custeadas pelos próprios moradores nos últimos 10 anos. O Movimento Salve a Quadra do Mangueirão demonstrou a força do poder popular, promovendo debates em assembleias nas ruas e praças do bairro expondo a história afetiva da quadra e provando que é possível construir um complexo de lazer e esportes no local. *Integrante do Escambo Coletivo.

Artigo Por que algumas farmácias pedem nossos dados e o que o facebook tem a ver com isso? Aristóteles Cardona*

V

ocê já se perguntou por que boa parte das farmácias pede seu CPF de forma tão insistente na hora do pagamento? É difícil encontrar alguém que não tenha passado por esta situação. A justificativa é sempre a de oferecer supostos descontos ao cliente sem qualquer explicação. Sequer sabemos qual o destino das informações geradas em cada compra de medicamento ou outros produtos nestas grandes redes de farmácia. As redes sociais, como o facebook, massificaram a construção de bancos de dados com o máximo de informações de cada um de nós. Perfis cada

O uso mais comum destes perfis é como direcionador de propaganda vez mais detalhados com nossos hábitos, como reagimos emocionalmente a cada like ou comentário, entre vários outros dados. Nisso, nossas informações pessoais estão cada vez mais na mão das empresas. É exatamente isso que acontece no caso

das farmácias. Quando este assunto surge, vejo, às vezes, alguém argumentar que “não deve nada”, por isso não teria problema com a construção de um perfil seu no cadastro de uma ou mais empresas. Hoje o uso mais comum destes perfis é como direcionador de propaganda. Não é difícil pesquisar por um produto em algum site de busca e, em seguida, começarem a aparecer propagandas deste mesmo produto nos mais diversos sites. O problema é quando estas informações estiverem sendo utilizadas para questões mais delicadas. Como por exemplo, o que esperar quan-

do empresas começarem a utilizar o perfil construído em farmácias para deixar de contratar pessoas que compram antidepressivos ou que compram fraldas? Ou até mesmo mulheres que tenham comprado pílulas do dia seguinte mesmo que não fossem para uso próprio? E se os planos de saúde começarem a cobrar mais caro a pessoas que costumam comprar mais remédios? As possibilidades são muitas. Quem menos ganha nesse mercado de dados somos nós, que passamos a ser os produtos, de fato. A lei brasileira proíbe a comercialização de bancos de dados como estes que citei. Mas não é irre-

al imaginar que já não aconteçam estas negociações. Já há redes farmacêuticas denunciadas, inclusive. Meu limite de caracteres não me permite um maior aprofundamento, inclusive para tratar do uso político de informações pessoas. Mas retornarei ao assunto em momentos posteriores. Sigamos atentos aos ataques, inclusive à nossa privacidade. Estão cada vez maiores e só temos a perder. * É Médico, professor e membro da Rede Nacional de Médicos e Médicas Populares


6 | BRASIL

Brasil de Fato PE

Recife, 12 a 18 de julho de 2019

Após liberar R$ 2,5 bi em emendas, governo aprova reforma da Pre vidência em 1º turno NA CÂMARA. Carro-chefe da equipe econômica de Bolsonaro, projeto obteve 379 votos favoráveis e 131 contrários no plenário

Luís Macedo | Agência Câmara

D

Deputados de oposição afirmaram que a liberação de bilhões de reais em emendas às vésperas da votação caracteriza “compra de votos”. “Comprar voto para a Previdência com dinheiro público é um crime lesa pátria contra o povo brasileiro”, acusou o líder petista Henrique Fontana (RS). A bancada do PSOL denunciou a liberação de quase R$ 500 milhões a mais do que o previsto originalmente nas emendas, o que caraterizaria crime de responsabilidade. “Isto aqui é uma ilegalidade, é uma fraude. Nós vamos questionar juridicamente”, afirmou o deputado Ivan Valente (SP). Valente entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para impedir a votação, mas o presidente da Corte, Dias Toffoli, recusou o pedido.

Deputados de oposição levaram cartazes contra a reforma durante a votação do projeto

Da Redação

epois de abrir o cofre e distribuir R$ 2,5 bilhões em emendas nos primeiros dias de julho – sobretudo a parlamentares do chamado “centrão” –, o governo Bolsonaro (PSL) conseguiu aprovar nesta quarta-feira (9), em primeiro turno, o texto base da reforma da Previdência. O projeto obteve 379 votos a favor e 131 contrários, após oito horas de de- no mínimo 308 deputabate. Por se tratar mudança dos (3/5 do total). Os partidos que se poconstitucional, a proposta precisava da aprovação de sicionaram oficialmen-

Comprar voto para a Previdência com dinheiro público é um crime

Crime de responsabilidade?

te contra a reforma foram PT, PSOL, PSB, PDT e PCdoB. No caso do PSB, 34% dos parlamentares descumpriram a determinação da legenda e votaram a favor da reforma; no PDT, 30% foram favoráveis ao projeto do governo Bolsonaro O projeto terá de passar por uma segunda votação na Câmara. A base governista espera votar na sexta-feira (12) – quando também serão necessários 308 votos. Se confirmada a aprovação, o projeto segue para análise do Senado.

Mudanças O texto aprovado nesta quarta aumenta a idade mínima de aposentadoria das mulheres para 62 anos e dos homens para 65 anos, além de instituir tempo maior de contribuição (40 anos) para quem quiser se aposentar com o benefício integral. A proposta também diminui o valor do benefício. Hoje, com 15 anos de contribuição, homens e mulheres se aposentam com 85% das 80% maiores contribuições, excluindo as 20% menores. Com a reforma, esse valor passa a ser de apenas 60% com 20 anos de contribuição dos homens e 15 anos das mulheres. Para aposentar com o valor integral, serão necessários 30 anos de contribuição. iúvas e viúvos só receberão 60% do valor da pensão, mais 10% por dependente. Caso a pensão fique abaixo do salário mínimo, só terão direito aos R$ 998 se não tiverem nenhuma outra fonte de renda. Caso contrário, poderão receber uma pensão menor do que o valor do mínimo.

deputados pernambucanos que querem acabar com a sua aposentadoria votaram a favor da reforma da Previdência, aprovada pelo Plenário em primeiro turno Luciano Bivar

André de Paula

Augusto Coutinho

Raul Henry

Felipe Carreras

Ossesio Silva

Sebastião Oliveira

Pastor Eurico

André Ferreira

Daniel Coelho

Fernando Rodolfo

Silvio Costa Filho

Fernando Filho

Ricardo Teobaldo

(PSL)

(Patri)

(PSD)

(PSC)

(SD)

(Cidadania)

(MDB)

(PR)

(PSB)

(PRB)

(PRB)

(DEM)

(PL)

(Pode)


Recife, 12 a 18 de julho de 2019

Brasil de Fato PE

BRASIL | 7

Confira como votaram os deputados pernambucanos na Reforma da Previdência Câmara Federal

APOSENTADORIA.

Confira como votou cada parlamentar pernambucano:

Entre os 25 parlamentares do estado, 11 foram contrários e 14 favoráveis à Reforma

CONTRA A REFORMA:

Vinícius Sobreira

PT Marília Arraes

N

a noite da última quarta-feira (10) foi aprovada em 1º turno, na Câmara Federal, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) nº 6/2019, conhecida como Reforma da Previdência. O texto foi aprovado por 379 votos (74,3%), superando os 308 necessários para sua aprovação. Outros 131 parlamentares (25,7%) foram contrários ao texto. Entre os deputados federais de Pernambuco, 14 votaram a favor e outros 11 foram contrários. Dos 25 parlamentares do estado, 11 foram contrários à Reforma que dificulta o acesso a aposentadoria: além dos deputados do PT (2), PCdoB (1), PDT (2) e PSB (4), que seguiram as orientações dos seus respectivos partidos, somaram-se ainda Fernando Monteiro (PP) e Eduardo da Fonte (PP), cujo partido orientara voto favorável. Entre os pernambucanos que compõem o bloco de oposição, a única “surpresa” que não seguiu a determinação do partido foi Felipe Carreras (PSB), que decidiu dar voto favorável à Reforma da Previdência. Nos bastidores fala-se que Carreras pode sair do PSB e se lançar candidato a prefeito do Recife em 2020 contra o seu atual compa-

PT Carlos Veras PCdoB Renildo Calheiros PDT Túlio Gadelha PDT Wolney Queiroz PSB João Campos PSB Danilo Cabral PSB Gonzaga Patriota

Tornando mais difícil que a população mais pobre tenha acesso a esse direito nheiro de partido João Campos.

A Reforma O texto aprovado na Câmara Federal altera as regras de aposentadoria, tornando mais difícil que a população mais pobre tenha acesso a esse direito. Caso as novas regras sejam aprova-

das também no Senado, a população precisará contribuir por mais tempo com o INSS para conseguir se aposentar. No entanto, os deputados derrubaram alguns trechos sugeridos por Bolsonaro e Paulo Guedes que foram considerados excessivamente perversos. Com a pressão dos parlamentares da esquerda, bloco formado por PT, PCdoB, PSOL, PSB, PDT e Rede, foram excluídas da proposta de Bolsonaro as mudanças nas regras de aposentadoria rural, principal ameaça aos trabalhadores rurais; foi excluída também as mudanças no acesso ao Benefício de Prestação Continuada (BPC), que o presidente propunha reduzir para R$400; e caiu também a mudança do atual regime de repartição para o regime de capitalização, defendido pelo banqueiro e ministro da Economia, Paulo Guedes, re-

gime que colocaria os recursos da aposentadoria nas mãos dos bancos privados. Além disso, as regras de aposentadoria seguirão na Constituição, só podendo ser alteradas por PEC, não por leis ordinárias como quis Bolsonaro O texto não inseriu estados e municípios na Reforma, como forma de retaliação aos prefeitos e principalmente governadores do Nordeste, que não apoiaram a Reforma. Assim, prefeitos e governadores terão que fazer suas próprias reformas da previdência, o que tende a trazer desgaste político junto ao funcionarismo estadual e municipal. Os governadores e prefeitos, no entanto, acreditam que no Senado Federal as previdências municipais e estaduais sejam inseridas na Reforma e submetidas às regras federais, evitando a exposição dos prefeitos e governadores à pauta impopular.

PSB Tadeu Alencar PP Fernando Monteiro PP Eduardo da Fonte

A FAVOR DA REFORMA: PSL Luciano Bivar DEM Fernando BC Filho PSC André Ferreira PATRI Pastor Eurico PRB Silvio Costa Filho PRB Bispo Ossésio SD Augusto Coutinho PSD André de Paula PL Sebastião Oliveira PL Fernando Rodolfo Pode Ricardo Teobaldo CD Daniel Coelho MDB Raul Henry PSB Felipe Carreras


8 | PERNAMBUCO

Brasil de Fato PE

Recife, 12 a 18 de julho de 2019

Programa Papo Reto levanta temas de interesse da juventude no rádio

COMUNICAÇÃO. A iniciativa é uma parceria entre o Brasil de Fato Pernambuco e o Levante Popular da Juventude Divulgação

Vanessa Gonzaga

odas as quintasT -feiras, a partir das 10h, o Brasil de Fato Per-

nambuco está na Rádio Universitária Paulo Freire AM 820 com o Programa Papo Reto. A concessão para o programa foi feita a partir de uma seletiva organizada pela própria rádio. Num trabalho conjunto do Brasil de Fato com o Levante popular da Juventude, a proposta é aliar o trabalho técnico e político da comunicação voltada ao público universitário, como explica o jornalista Daniel Lamir “Construímos uma proposta que agregasse a visão política de cada um e que dialogue com o público jovem, trazendo essa ideia da representação política da juventu-

Ter uma rádio que está no território da universidade mas não é fechada para a sociedade é algo muito importante da Universidade de Recife. Quando criada, em 1962, foi chamada de Rádio Universidade e fazia parte de um projeto educacional liderado por Paulo Freire, o programa radiofônico Cultura Popular e Alfabetização, levado ao ar pelo Movimento de Cultura Popular (MCP). Hoje, a rádio veicula programas

É um programa voltado especialmente para a juventude de”, explica. A Rádio Universitária Paulo Freire AM 820 faz parte do Núcleo de Televisão e Rádios Universitárias (NTVRU) da UFPE. Atualmente a emissora funciona como uma rádio-escola, resgatando as ideias do seu fundador Paulo Freire, Patrono da Educação Brasileira. A rádio foi criada quando Paulo Freire esteve à frente do antigo Serviço de Extensão Cultural

e conteúdos produzidos pela comunidade acadêmica, por outras emissoras universitárias e pela sociedade civil por meio de chamadas públicas que são lançadas anualmente. Com a pouca representatividade da juventude na comunicação, especialmente na mídia comercial, surge um vácuo em relação à identificação dos jovens e à produção de notícias. O

Papo Reto é uma das iniciativas que vai na contramão desse processo, já que, além da produção, a linguagem e a temática das notícias são pensadas especialmente para esse público. “Hoje não têm muitas rádios que envolvem a juventude de forma que ela própria tenha vontade de acompanhar, que levantam temas de interesse e do dia a dia dos jovens negros, mulheres, periféricos, LGBT’s. É um programa voltado especialmente para a juventude, mas não apenas para ela”, ressalta Isa Gabriela, militante do Levante Popular da Juventude e locutora do programa. O programa também abordará, principalmente, as questões relacionadas à conjuntura política do país, especialmente os debates centrados nos vários direitos da juventude brasileira que vêm sendo destruídos. Para Isa, o papel da Rádio Universitária Paulo Freire vai numa

linha conjunta à proposta do programa, dado o papel da comunicação para a educação e conscientização. “A rádio é de uma importância enorme. Não apenas para levar notícias, mas para levar a informação de uma forma acessível e expandir e divulgar o trabalho de quem produz na universidade, porque muita coisa massa é produzida, mas muita gente não conhece, tanto quem está dentro quanto fora da universidade”, completa. Para Daniel, a importância da rádio também está na relação entre a UFPE e a sociedade “Ter uma rádio que está no território da universidade mas, não é fechada para a sociedade, é algo muito importan-

te diante do que estamos vivenciando. Chegou um momento em que não podemos separar quem luta por uma sociedade menos desigual. Essa relação entre o conhecimento produzido dentro e fora da universidade tem uma importância para todo mundo. Todo mundo tem a ganhar com a proposta da rádio”. Além do Papo Reto, o Brasil de Fato está na Rádio Frei Caneca FM 101,5, com o Revista Brasil de Fato todas as terças-feiras, a partir das 20h, com entrevistas aprofundadas e na Rádio Clube 720 AM de segunda-feira a sexta-feira, às 14h, o Programa Brasil de Fato Pernambuco, com notícias de todo o estado, do Brasil e do Mundo. Anúncio


PERNAMBUCO | 09

Recife, 12 a 18 de julho de 2019

Brasil de Fato RN

Aguerézinho faz campanha para ser realizado no Museu da Abolição

INFÂNCIA. O encontro busca apoio para garantir o sucesso na segunda edição Divulgação

Depois de ser realizado pela primeira vez, em 2018, o encontro busca apoio Da Redação

ma tarde de ativiU dades gratuitas e lúdicas para festejar a infância, os mitos e convivências afro-brasileiras. O evento Aguerézinho o festejo dos contos tem como proposta fazer um convite para que a sociedade repense a ótica eurocêntrica da infância e troque a excessiva compra de brinquedos pelo compartilhamento de afeto, o celular por um

livro e uma boa história. Depois de ser realizado pela primeira vez, em 2018, o encontro busca apoio para garantir o sucesso na segunda edição, por meio de uma campanha online de financiamento coletivo. O evento é idealizado e realizado pela contadora de histórias, pedagoga Kemla Baptista, fundadora do canal no Youtube: Caçando. Estórias. O Aguerézinho recebe esse nome em uma

referência ao “Agueré, ritmo afro-brasileiro e um festejo de algumas tradições do candomblé Ketu dedicado aos Odés, ancestrais caçadores e caçadoras que são diretamente relacionados à prosperidade e alegria. As atividades estão programadas para acontecer no dia 12 de outubro deste ano, das 13h às 17h, no Museu da Abolição, no bairro da Madalena, Recife, Pernambuco. A captação dos recur-

sos foi pensada em duas etapas. A primeira visa viabilizar os custos básicos de produção do festejo, como a compra das passagens de ida e de volta, hospedagem e alimentação da convidada, a escritora Kiusam de Oliveira. O montante também contempla a alimentação e transporte para as crianças do grupo infantil Encantinho do Pina, camisas dos voluntários e demais itens descriminados no link da campanha hospedado

no site Benfeitoria (www. benfeitoria.com/aguerezinho). A segunda meta é ampliar as atividades do Aguerézinho, realizando um seminário sobre educação antirracista na infância no próprio Museu da Abolição do Recife. O Aguerézinho fará homenagens à ancestralidade feminina africana, à expressividade feminina nas tradições orais afro-brasileiras e à literatura infantil, por meio do livro Omo Obá: Histórias de princesas, escrito por Kiusam de Oliveira. Em 2019, comemora-se os 10 anos de publicação da obra, que recupera os mitos dos orixás femininos como princesas, aproximando-as do universo feminino negro do passado e da contemporaneidade. Além de ouvir histórias em espetáculos do projeto Caçando Estórias e de convidados, as crianças participantes do evento são convidadas a fazer apresentações artísticas, conhecem brincadeiras tradicionais africanas, vivenciam a capoeira Angola, percussão, pintura, desenho, yoga e confecção de turbantes. Anúncio

BOLSONARO QUER ACABAR COM A PREVIDÊNCIA SOCIAL @sintepedigital www.sintepe.org.br

PROFESSORA BOLSONARO AUMENTA O TEMPO DE SERVIÇO EM SALA DE AULA E A REGRA DE TRANSIÇÃO SERÁ PARA POUCOS E DESCONSIDERA EXPECTATIVA DE DIREITO QUANTO AO VALOR DO BENEFÍCIO.

REFORMA DA PREVIDENCIA SE ELA PASSAR VOCE NAO VAI SE APOSENTAR


10 I CIDADES

Recife, 12 a 18 de julho de 2019

Brasil de Fato PE

Guia de férias em Petrolina: Confira opções de lazer baratas na cidade CULTURA. Teatro, cinema e espaço ao ar livre são opções para quem quer lazer na cidade

Museu do Sertão

Espaço Cultural Janela 353

Divulgação

Lizandra Martins

Vanessa Gonzaga

ocalizado na cidade de Petrolina, o MuL seu do Sertão é um registro histórico da vida do povo sertanejo. O museu tem um

m Petrolina, no sertão do São FrancisE co, o mês de julho pode ser um bom período para conhecer melhor a cidade. As

temperaturas um pouco mais amenas e o período de férias são ideais para incentivar os passeios pela cidade. Por isso, o Brasil de Fato Pernambuco reuniu dicas para quem quer curtir o recesso com opções de lazer e cultura acessíveis. Confira:

Teatro Dona Amélia Rubens Henrique

ocalizado no centro da cidade, o Janela L 353 é um espaço de produção e difusão cultural de várias expressões artísticas. Teatro,

cine clube, bazar, aulas de yoga e diversas rodas de conversa acontecem semanalmente no espaço. Uma das atividades fixas do local é o Cine Raiz, com exibições de filmes e documentários e rodas de debate sobre as produções. O evento é gratuito e acontece todos os sábados, a partir das 18h.

Espaço Cultural Ana das Carrancas

SESC PE

único teatro da cidade, o Teatro Dona Galeria Ana das Carrancas foi inauguO Amélia leva o nome de Amélia Oliveira A rada em 2009, com o nome do espaço da Silva, uma das mestras do samba de coco da Ilha do Massangano, uma das expressões homenageando Ana Leopoldina dos Santos. culturais mais conhecidas da região. Além da programação de teatro para crianças e adultos nos fins de semana, durante o mês de Julho o Teatro se reúne com outras instituições para abrigar o projeto nacional Cine Sesc, que realiza diversas sessões com filmes nacionais. Todas as exibições são gratuitas. No dia 17, a programação acontece no IF Sertão, com a exibição do filme “O Abraço da Serpente” a partir das 19h. A programação encerra no dia 31 de volta ao Dona Amélia, com o filme “Baronesa”. O teatro fica na Av. Fernando Góes, S/N, Centro.

pernambucana de Ouricuri, ela fez das carrancas de barro de olhos vazados o seu instrumento de trabalho e de expressão artística. Durante todo o período de férias, a galeria recebe a exposição “Tempo, Espaço e Imaginário” com obras do artista Antonio Carlos Coelho de Assis, conhecido como Coelhão, da cidade vizinha, Juazeiro (BA), com obras que apresentam elementos da paisagem e do imaginário do povo ribeirinho. O espaço fica na R. Pacífico da Luz, 618, Centro e é aberto para visitas de terça a sexta das 8h às 20h e sábados das 16h às 20h. A entrada é gratuita.

acervo de cerca de 3.500 peças que contam a história do sertão. Dividido em três salões, traz uma linha do tempo da vida do povo sertanejo desde a sua chegada no Sertão do São Francisco até a história recente da cidade. O primeiro salão traz uma série de peças arqueológicas que mostram a fauna e flora da caatinga. O segundo é um grande acervo de fotografias de Petrolina e o terceiro, e último, é uma sala de visitação com uma linha do tempo política da cidade. O Museu do Sertão fica na Rua Esmelinda Brandão, S/N, Centro. Fica aberto das 09:00h às 17:00h e a entrada é gratuita.

Ilha do Fogo Emerson Rocha

ocalizada entre as cidades de Petrolina e L Juazeiro, a Ilha do Fogo é parte da paisagem das cidades uma opção de fácil acesso

para quem deseja se banhar nas águas do Velho chico. Para chegar, o aconselhado é atravessar a ponte presidente Dutra a pé, já que é proibida a entrada de carros e motos no local. O local é aberto todos os dias e tem locais para banho, venda de alimentos e bebidas, além da prática de esportes aquáticos com preços que variam de R$ 10,00 a R$ 30,00, como o kaiak, stand-up paddle e pêndulo pela ponte. defasagem ante ao custo de manutenção do sistema.”


Brasil de Fato PE

Recife, 12 a 18 de julho de 2019

ENTREVISTA l 11

Pernambuco está entre os cinco estados mais violentos para o campo no Brasil de acordo com a CPT Arquivo BF

Vinícius Sobreira e Vanessa Gonzaga

proximadamente A um milhão de pessoas estiveram envolvi-

A primeira coisa é que no Brasil tem muita terra sem gente e muita gente sem terra

das em conflitos no campo em 2018. Em 2017, os números beiravam os 700 mil. É sobre esse tema que conversamos com João do Vale, agente da Comissão Pastoral da Terra (CPT) em entrevista no Programa Brasil de Fato Pernambuco.

Brasil de Fato: Como contar a história dos conflitos pela terra no Brasil? João do Vale: A his-

tória do Brasil, na verdade, é a história do conflito pela terra. Desde que os portugueses invasores chegaram aqui e na América Latina, se inaugurou a guerra pelo território. É como se o Brasil tivesse sido pensado como um mercado, um lugar para ser explorado. Eles viram no Brasil, que já tinha dono e ainda tem, que são os povos indígenas, um local para retirar essas mercadorias e é aí que inicia o conflito pela terra.

BdF: Como esses conflitos se manifestam nos dias atuais? João: A primeira coisa

é que no Brasil tem muita terra sem gente e muita gente sem terra. Quanta gente não tem terra pra viver ou vive em um pedaço bem pequeno, enquanto em regiões como na zona da mata os latifúndios, os engenhos são imensos e pertencem no papel e às vezes nem nele a uma só pessoa. O conflito pela terra ocorre quando essas pessoas ricas, com dinheiro e poder e também o Estado expulsam os camponeses, que são obrigados a

O grande desafio é pensar um modelo para o Brasil onde o campo possa pensar por ele

tão essas pessoas que morreram no campo eram trabalhadores rurais, indígenas, quilombolas ou pessoas que acompanhavam essa luta, como advogados, membros de igrejas, associações ou movimentos populares. Desse número, apenas 8% foram investigados, então é um absurdo e isso revela que o Estado brasileiro é totalmente omisso.

BdF: Dentro desses dados, quais são sair da terra onde vivem e também tiram o seu sus- os números em Pertento. nambuco? Pernambuco João: BdF: Desde quan- está entre os cinco estados do a CPT produz o mais violentos para o camCaderno de Con- po no Brasil. Quando se flitos no Campo e fala em violência no camestamos falando de asquais dados cha- po sassinato, ameaças, granmam mais aten- des obras, expulsões, torção? tura, sequestros, é muiJoão: Desde 1985 a ta coisa. Falar de violência

CPT produz esse documento chamado de Caderno de Conflitos no Campo e ele sistematiza os conflitos do campo no Brasil. De 1985 até hoje foram mais de 1900 mortes causadas por conflito. Esse número não é de latifundiário, dono de engenho, político famoso, en-

no campo é falar de morte, mas não é a física, mas também da cultura, do território, dos modos de vida. Então, a violência também se dá pelas grandes obras como Suape, a transposição do Rio São Francisco e agora o governo Bolsonaro, que quer implantar uma usina nuclear em

Itacuruba, que é mais um balhamos bastante com o projeto de morte no cam- conceito de território, que po brasileiro. é onde uma comunidade vive e exerce sua pleniBdF: Como a vio- tude. Onde caçam, planlência atinge as co- tam, pescam. Então muimunidades tradi- tas vezes o território não é e sim a água. Muicionais como as atosterra povos indígenas afirquilombolas, indí- mam que o seu território genas, pesqueiras é a água, o rio. No caso de e outras que vivem Suape, muitos pescadonum mesmo territó- res artesanais que vivem há gerações ali não conrio por séculos? seguem mais pescar por João: O campo é o que causa dos navios e do pornós chamamos de zona to, por exemplo. de sacrifício. Essa usina e outras obras existem não BdF: Quais os ponporque os camponeses tos mais críticos precisam. Para os grandes empresários é preciso que de conflito em Pera zona rural, o sertão e o nambuco e o que nordeste se sacrifiquem pode ser feito para para que as grandes em- resolvê-los? presas do sudeste tenham João: Pernambuco, energia elétrica, no caso da apesar de estar entre os usina. O campo brasileiro cinco mais violentos, não para as comunidades traé muito diferente do padicionais não é uma mernorama no Brasil. Uma cadoria, existe uma reladas primeiras coisas pra ção de afetividade, espirimudar é repensar o nosso tual, é onde os ancestrais dessas pessoas estão en- modelo de país, pensanterradas, onde eles plan- do ele também a partir do tam, criam seus animais, campo, porque, até então, enquanto para as empre- o discurso é de que o camsas e o Estado essa mesma po deve produzir apenas o que a cidade preciterra é uma mercadoria. sa. Além disso, o campo é lugar do atraso, das pesBdF: A disputa osoas que não sabem ler e pela terra é tam- escrever, é um lugar que bém uma disputa precisa de modernidade, pela água. Aqui no e essa modernidade semestado temos exem- pre que chega no campo plos de expulsão ou é pra violentar, matar, exela nunca serviu ameaças por cau- pulsar, para o povo do campo. O sa de água ou terras grande desafio é pensar que estão próximas um modelo para o Brasil e a América Latina onde o a canais de água? João: Nós da CPT tra- campo possa pensar por ele e sobre ele.


Recife, 12 a 18 de julho de 2019

12 |CULTURA

Primavera num espelho partido

O que

tu indica

em sua obra: Primavera num espelho partido. A liberdade, que pode ser traduzida de diversas formas, aqui se materializa através da primavera. O livro de Mario Benedetti fala sobre exílio, mas também sobre o “desexílio”, palavra que o mesmo inventou para caracterizar a volta, a readaptaLouise Xavier ção dos que retornam ao lar, ou não. Entre as trocas de car“Quando com as tuas mágicas mãos de tas de Santiago, um preso pofada lítico uruguaio, com sua come as mãos do povo, panheira Graciela, exilada na quando sobre a terra Argentina, seu pai e sua filha, o fogo e o amor tocarem os teus bailarinos nós leitores adentramos nas pés de nácar lembranças mais profundas quando tu, de militantes e suas famílias, Primavera, caminhamos pelas “calles” do entrares em todas Uruguai, Argentina e um pouas casas dos homens, co em Cuba, locais onde o esamar-te-ei sem pecado (...)” critor se exilou durante a ditaPablo Neruda dura em seu país. Porém não se faz necessário ario Benedetti, no ano romantizar quem são esses de 1982, faz alusão a militantes, limpando nossas este poema de Pablo Neruda lentes a respeito dos “heróis”, o

M

autor descreve brilhantemente o dia a dia do grupo revolucionário. Benedetti é um dos romancistas mais prestigiados da América Latina atual, mesmo período de Juan Carlos Onetti. Mario é muito conhecido pelos seus poemas. Um livro curto, porém avassalador, que merece ser lido em tempos de barbárie, para se fazer lembrar que após o inverno vem a primavera, mas para isso precisamos nos preparar para sua chegada. O espelho quebrado é a história, com suas rupturas sempre árduas para o povo. Mario Benedetti tece sobre esse período com a sensibilidade de quem sentiu o “Viento del exilio” e a delicadeza de quem constrói diariamente “Yesterday y mañana”. Louise Xavier é militante do Levante Popular da Juventude

Agenda Cultural

Ivaldo Reges

Michele Souza

Moto Chico

Rock Antifascista

m Petrolina, desde a quinta-feira (11) até domingo (14) acontece o Moto Chico. Nessa vigésima edição, a expectativa é receber mil pessoas por dia e ter a participação de 480 motoclubes e motogrupos. Durante as noites, se apresentam as bandas A Ilha, MPA e Cidades Aparte, Secabudega e Joãozinho Dantas. O evento é gratuito e as atrações culturais iniciam a partir das 20h no Parque Municipal Josepha Coelho, na Rua Adelina Santana, 2, Maria Auxiliadora.

no Armazém do Campo, no Recife, no evento “Rock Antifascista: Lula Livre!”. O evento também levanta pautas políticas como os cortes na educação, reforma agrária, o pacote anticrime de Sérgio Moro e a Reforma da Previdência. O evento contará com a presença das poetisas Carolina Merit Aninha Barbosa. O Armazém do Campo fica na Av. Martins de Barros, 387.

E

Andrea Rego Barros/PCR

Colônia de Férias no MAMAM

a sexta-feira (12), as N Museu de Arte Moderna bandas Devotos, Arquivo Morto, Subversivos e Co- OAloísio Magalhães abriu gumelo Mosh se apresentam as inscrições para a Colônia de Férias - Educativo MAMAM. O evento oferecerá oficinas que pensam temas como a construção da identidade, culturas urbanas e populares e o cotidiano da cidade a partir do desenho, pintura, monotipia para crianças entre 4 e 9 anos e iniciam no dia 22 de julho. O valor da diária da oficina é de R$35,00 e as inscrições podem ser feitas pelo email edcumamam@gmail.com

Brasil de Fato PE

Qual é o Bairro?

Reprodução

Entra Apulso

uem conhece ou já ouviu falar do Q bairro de Boa Viagem sabe que o local é um dos bairros mais ricos do

Recife, com uma renda familiar média de R$ 7.108, mas, talvez não conheça uma comunidade que fica no bairro chamada de Entra Apulso. Ainda na década de 1970, a região onde hoje é o Shopping Center Recife, era uma comunidade de marisqueiras e pescadores chamada Mata-Sete, que foi expulsa da região para a construção de prédios como o Edifício Holiday, Acaiaca e Casa Navio. Com a expulsão, as famílias foram se alojando em partes ainda não ocupadas de Boa Viagem. Como na mais conhecida Brasília Teimosa, as famílias vindas de Mata-Sete passavam tarde e noite erguendo os seus barracos e no outro dia pela manhã a prefeitura derrubava. Isso durou meses, por isso o local foi batizado de Entra Apulso. Com o tempo e uma melhor estrutura financeira das famílias, os barracos foram dando lugar a casas de alvenaria e a comunidade virou um ponto de resistência do local. Hoje, o Entra Apulso tem escolas, creches e pontos de difusão cultural que surgiram a partir de projetos sociais e da denominação da área como Zona Especial de Interesse Social, uma área destinada para moradia digna da população de baixa renda por intermédio de melhorias urbanísticas. Mesmo com a resistência e luta da comunidades, que conta com uma Associação de Moradores, alguns problemas ainda persistem, como a pouca pavimentação e os problemas do saneamento básico.


Brasil de Fato PE

Variedades l 13

Recife, 12 a 18 de julho de 2019

CULTURA | 13

Livro sobre Luiz Gonzaga mostra como ele ajudou a construir um imaginário para as outras regiões sobre o que é o nordeste LITERATURA. Obra foi dissertação de mestrado do radialista Jose Mario Austregésilo e já está na quarta edição Divulgação

Daniel Lamir e Vanessa Gonzaga

uiz Gonzaga, o “L homem, sua terra e sua luta” conta toda

a trajetória artística do Rei do Baião. O livro, tema de pesquisa do radialista Jose Mario Austregésilo conta fatos já conhecidos sobre Luiz e também traz novidades descobertas e pouco exploradas sobre o artista. Para chegar até a história de Luiz Gonzaga, Jose Mario perpassou por outros artistas e leituras “Para chegar até Luiz e emergir no tema do sertão eu tive que ler outros autores como Euclides da Cunha, e aí das mais de 700 músicas selecionei as que tinham relação com o homem, a terra e a luta do homem nordestino e daí partimos para a análise”, explica. Dentre as várias histórias resgatadas por José Mario, uma delas relembra a vez em que Luiz esteve em Pernambuco em 1968, no auge da sua carreira, e não foi contratado para nenhum show, apresentação ou entrevistas, exceto uma única apresentação na Rádio Clube, no programa Comandos da Alegria. Lá, ele faz um discurso afirmando suas plenas capacidades de exercer seu trabalho e discute a desvalorização do artista no próprio estado. Depois,

O livro também foca na multiculturalidade do pernambucano ele fez um show gratuito de quase três horas no antigo prédio da rádio. O livro também foca na multiculturalidade do pernambucano, que além dos ritmos como xote, forró e baião, também compôs para vários outros ritmos antes de se dedicar à música nordestina, como valsas, chorinhos, mazur-

cas e boleros. A imersão na música que relembrava sua terra veio anos depois por pedidos, principalmente, dos nordestinos que viviam no sudeste e relembravam suas origens ouvindo Luiz.

Percorrendo a discografia é possível perceber que o repertório de Luiz Gonzaga ultrapas-

sa as músicas mais ouvidas no período junino, como músicas em maracatu, uma versão da música de resistência à ditadura “Para não dizer que não falei das flores”, de Geraldo Vandré e até músicas no trio elétrico com Dodô, Osmar e Armandinho. Luiz retratou não só o imaginário que até hoje existe da seca e fome no sertão, mas também da beleza da caatinga, da alegria trazida pela chuva, do desenvolvimento do nordeste vindo com obras como os trens, das mulheres, da cultura do estado, como a feira de Caruaru e as comidas típicas da região. Para ajudar a narrar a história, o livro é ilustrado com xilogravuras de J. Miguel, da cidade de Bezerros, como a capa do livro, que mostra o forró no céu com a chegada de Luiz Gonzaga. Uma das assertivas de José Mario sobre a obra do Rei do Baião é que ele ajudou a construir um imaginário para as outras regiões sobre o que é o nordeste e com isso, ele elege um lugar de fala e ao mesmo tempo um ponto de partida para outras discussões. O livro “Luiz Gonzaga, o homem, sua terra e sua luta” pode ser encontrado à venda nas plataformas digitais e em livrarias online e físicas em todo o Brasil.


14 | VARIEDADES

Amiga da Saúde

PALAVRAS CRUZADAS DIRETAS

www.coquetel.com.br

© Revistas COQUETEL

Países Circunstância atenuante do crime asiáticos de posse de drogas, no Brasil separados pelo (?) Stout, Enfurecer estreito de Taiwan escritor Problema político explicitado pela Operação Lava Jato Protagonistas

Forma de relevo de chapadas (Geol.)

Substrato (?) do trá- Micareta instintivo fego aéreo, função da psique das quatro unidades (Psican.) do Cindacta

(?) Menor, constelação da Estrela Polar Língua de (?), brinquedo do Carnaval

(?) do chão: o térreo, em Portugal Diz-se do alimento enlatado (?) Abeba, a capital Possuir da Etiópia

Produtora que lançou em 1995 a franquia "Toy Story" (Cin.) Prostração (fig.)

Transei pela primeira vez há 3 meses e até hoje não menstruei. Usei camisinha, fiz teste de gravidez e deu negativo. O que pode estar acontecendo?

Sensação minorada pelo analgésico

Itinerário A Dádiva do (?): o Egito (Ant.)

Anônima.

Ente vivido por Orlando Bloom no Cinema (?) Reserve: o banco central dos EUA

ara leitora, o que está acontecendo com você é muito comum. C Começamos a apresentar sintomas de gravidez quando estamos com muito medo de estar grávidas ou quando, ao contrário,

(?) mitzvah, ritual judaico

queremos muito engravidar. Isso acontece porque nosso corpo responde a estímulos psicossomáticos, que podem interferir inclusive no ciclo menstrual. Normalmente os sintomas somem depois do resultado do exame negativo. Caso os sintomas persistam e se a menstruação não voltar, procure ajuda profissional.

Conseguir Idade, em inglês Santa (abrev.) Dá ânimo a

Dúvida retórica simulada no discurso O café que dispensa coador no preparo

O "fogo que 500, em arde sem algarismos se ver", pa- romanos ra Camões Regras cerimoniais praticadas numa religião

Um dos combustíveis do carro flex Canoa rústica Friccionar com óleo

Mande sua dúvida: amigadasaude@brasildefato.com.br Aqui você podeperguntar o que quiser para nossa Amiga da Saúde

Thomas (?), autor de "Utopia" (séc. XVI)

A primeira função trigonométrica (Mat.)

Uma das causas da endocardite bacteriana Blusa de ginástica Documento (abrev.)

Palavra sugerida ao repentista no desafio Filósofo nascido na cidade prussiana de Kanigsberg Tão "A (?)", hino francês proibido por Bonaparte

Nossa cozinha

Sala, em inglês

Risoto de Jerimum

3/age — rex. 4/room. 5/igara. 6/aporia. 7/federal. 10/crise ética.

57

Solução K S A

P

L P

C R H E I X N A E T F E O R R M A O L S E A N T M A

U N T A R A D I S I R A R

U M S E E O I S R A E S C O N R G I E RA L A O T A I G A V E L O C M O O N T O S E L

A R R D H E M

O

T I D U R O S E A E B T A R A

R I T O S

C A O

P

C C A O R N N T A R VA O L L FO E R A D E E

BANCO

Brasil de Fato PE

Recife, 12 a 18 de julho de 2019

INGREDIENTES:

150g de arroz arbóreo; 500g de Jerimum; 100 ml de vinho branco; 100 ml de caldo do caldo do jerimun cozido; 20 g de cebola picada; 2 dentes de alho; 30 ml de azeite; 100g de queijo; Rúcula a gosto; Sal a gosto;

MODO DE PREPARO VISITE NOSSA PÁGINA

facebook.com/ brasildefatopernambuco

1. Corte o Jerimum sendo 1 copo em cubos e 1 copo em lâmina e separe, o restante cozinhe em uma panela com água e sal. 2. Separe a água do cozido e amasse o jerimum com um garfo. 3. Em uma panela, refogue a cebola e o alho no azeite, deixando caramelizar. 4. Acrescente o arroz arbóreo e mexa até que solte o amido. 5. Entre com o vinho e depois o caldo de Jerimum. Deixe cozinhar até reduzir. 6. Introduza o purê e misture até que se incorpore ao arroz. 7. Coloque pedacinhos de Jerimum em cubos e continue mexendo. 8. Sirva em um prato fundo e decore com sementes e lâminas de Jerimum e folhas de rúcula fresca


Brasil de Fato PE

Recife, 12 a 18 de julho de 2019

ESPORTES |15

Treinadoras são minoria até mesmo no futebol feminino

DIFERENÇA. Números da Copa do Mundo, Brasileirão e Pernambucano revelam a dificuldade para as mulheres nos postos de comando

Lucas Figueiredo_CBF

Vinícius Sobreira

Copa do Mundo A Feminina de Futebol, que se encerrou no

domingo (7), tem sido encarada como um marco para a modalidade. Nunca antes houve tanto interesse pelos torneios femininos de futebol. Enquanto em muitos países nem mesmo as atletas são profissionalizadas, com salários, as treinadoras têm ainda menos espaço no futebol profissional. Na Copa do Mundo deste ano, apenas nove das 24 seleções eram comandadas por mulheres. Apesar disso, cinco delas - mais da metade passaram ao mata-mata, enquanto apenas três dos 15 treinadores homens conseguiram passar da primeira fase. Entre as quatro seleções semifinalistas, três eram comandadas por mulheres: as duas finalistas Holanda e Estados Unidos, além da França. Apenas a Inglaterra é comandada por um homem. No prêmio FIFA de melhor treinador(a) de futebol femi-

Emilly Lima teve pouco tempo para trabalhar na seleção, sendo demitida após 10 meses

A Seleção Brasileira feminina só foi treinada por uma mulher nino no mundo, seis mulheres e três homens já ficaram no top 3 desde 2016, ano em que a premiação teve início. O sucesso das equipes comandadas por mulheres na Copa diz sobre a qualidade das técnicas, mas principalmente reflete a profissionalização do futebol feminino nesses países. Onde a modalidade é

mais consolidada e profissionalizada, há mais espaço para as treinadoras mulheres desenvolverem seu trabalho. No futebol masculino a situação é ainda mais difícil para elas. O maior destaque é para a ex-zagueira Corinee Diacre, que comandou a equipe masculina do Clermont Foot, da 2ª divisão francesa, e acabou nomeada para a seleção feminina do país. A única treinadora que chegou a treinar uma seleção masculina foi Patrizia Panico, que treinou a equipe sub-16 da Itália. No Brasil Nilmara Alves comanda o Manthiqueira, 4ª divisão do campeonato Paulista. A Seleção Brasileira feminina só foi treinada por uma mulher. Emilly Lima foi nomeada para o cargo em 2016 e fez um planejamento para testar muitas atletas, envolvendo jogadoras de todas as regiões

do país, buscando a renovação da Seleção tendo em vista a Copa do Mundo deste ano. Com as oscilações, naturais da fase de testes, ela foi demitida pela CBF após apenas 10 meses de trabalho. Para seu lugar entrou Osvaldo Alvarez, o Vadão, que nem avançou na renovação da seleção e nem conseguiu evoluir o trabalho. Na Série A do Brasileirão Feminino apenas duas das 16 equipes são treinadas por mulheres: justamente o Sport e o Santos, comandado por Emily Lila. Um dos clubes com o futebol feminino mais estruturado é o Corinthians-SP, que tem investido também nas categorias de base. E é no sub-17 do alvinegro paulista que trabalha uma conhecida do futebol feminino pernambucano, a chilena Macarena Deichler. Antes de chegar ao Corinthians Macarena passou pelo Vitó-

ria das Tabocas, levando a equipe ao sétimo título pernambucano consecutivo em 2016. Ela também teve experiências frustradas no Sete de Setembro, com a diretoria desmontando o elenco às vésperas do Pernambucano 2017; e em seguida passou brevemente pelo Central. A chilena ainda tentou a sorte no União Desportiva (AL) e no São Francisco (BA), da Série A. Entre as seis equipes que disputam o Campeonato Pernambucano, apenas o Sport é comandado por uma mulher. As Leoas são lideradas por Keila Felício, que por sua vez é auxiliada por Ana Neri. Keila foi zagueira no Vitória das Tabocas, Náutico e Sport, onde encerrou a carreira. Em 2018 assumiu o cargo de auxiliar técnica na equipe feminina e, este ano, foi efetivada como treinadora.


16 | POLÍTICA

Brasil de Fato PE

Recife, 12 a 18 de julho de 2019

NA GERAL CBF

AFP

Anderson Stevens/Sport

GOL DE PLACA Semifinais da LBF CAIXA Vitor Bett/LGF Caixa

Duelo no tênis

Mundial sub-17

Acordo fechado

esta sexta-feira (12), pós duas semanas a quinta-feira (11), foN 11h, um embate clás- Nram divulgados os ad- Acom processo na Jussico no tênis: os tenis- versários da seleção brasi- tiça do Trabalho, Magrão tas Roger Federer e Rafael Nadal se enfrentam novamente em Wimbledon. Eles duelam na semifinal do Grand Slam da Inglaterra. No histórico, Federer acumula oito títulos em Wimbledon e dez vitórias em jogos na competição. No geral, Nadal tem boa vantagem sobre Federer, com 24 triunfos e 15 derrotas. Já na grama, o suíço leva vantagem com duas vitórias contra uma. O último embate entre os dois foi em junho, com vitória para Nadal na semi de Roland Garros.

leira masculina sub-17 na fase de grupos do Mundial da categoria, que acontecerá entre 26 de outubro e 17 de novembro, no Brasil. No Grupo A, o Brasil enfrentará Canadá, Nova Zelândia e Angola. As demais chaves são: Grupo B - Nigéria, Hungria, Equador e Austrália; Grupo C Coreia do Sul, Haiti, França e Chile; Grupo D: Estados Unidos, Senegal, Japão e Holanda; Grupo E: Espanha, Argentina, Tajiquistão e Camarões e Grupo F: Ilhas Salomão, Itália, Paraguai e México

Filipe Spenser filipespenser@gmail.com

H

sificadas para as semifinais da Liga de Basquete Feminino Caixa 2019. Elas enfrentam o Vera Cruz Campinas neste sábado (13), às 16 horas, no ginásio Wilson Campos, no Recife, com transmissão pela TV NSports. As entradas custam entre R$5 (meia-entrada) e R$20 (VIP). No último embate, o Uninassau/Cabo de Santo Agostinho venceu o Vera Cruz em Campinas e encerrou a invencibilidade de 16 jogos da equipe paulista.

GOL

S

e, de um lado, as seleções femininas do Brasil e dos Estados Unidos se destacaram na Copa do Mundo da França por cobrarem melhores salários e mais valorização das atletas, do outro, três homens futebolistas se encontram no top 10 da Lista da Forbes de celebridades mais bem pagas entre 2018 e 2019. A lista, divulgada na última quarta-feira (10), traz Lionel Messi na 4ª posição, com US$ 127 milhões de lucro, Cristiano Ronaldo na 6ª, com US$ 109 milhões, e Neymar na 7ª, com US$ 105 milhões. Nenhuma atleta mulher aparece no top 10.

Julia Rodrigues juliarodriguesbep@gmail.com

M

CONTRA

Desigualdade salarial

DE GRÃO EM GRÃO...GOL

RECIFE - PORTUGAL

istoricamente, os clubes do Nordeste costumavam ter dificuldades em venderem, diretamente, os seus jogadores para os grandes centros do futebol mundial, em especial para Europa. Assim, o normal era primeiro realizar a venda para um clube maior do Brasil, reter parte dos direitos federativos e, na sequência, ganhar numa venda futura. Ao que parece, no entanto, o Náutico caminha para quebrar essa tradição. Primeiro, foi o atacante Erick, vendido em 2017 ao Braga por 2,8 milhões de reais. Mais recentemente, o goleiro foi emprestado para o Gil Vicente, com valores de compra pré-fixados e, agora, o meia Luiz Henrique teve 80% dos seus direitos vendidos para o Morereinse, também de Portugal, por 1 milhão de reais.

e o Sport chegaram a um acordo. O Leão deverá pagar ao goleiro o valor de R$1.8 milhões, que deverá ser pago pelo clube em 44 parcelas de R$42 mil. O valor é referente a salários atrasados, direitos de imagem e FGTS. O contrato do goleiro com o clube também será rescindido. Caso atrase algum pagamento, o clube pagará multa. No entanto, o pedido inicial de Magrão era de R$5 milhões e valores referentes a férias, 13º e gratificações não entraram no acordo final.

s pernambucanas do A Uninassau/Cabo de Santo Agostinho estão clas-

arketing. Campanha. Convocação. Três palavras encontradas no vídeo que incentivou mais de 25 mil tricolores a irem ao Arruda na última sexta-feira (5). Dentro do estádio, o setor das cadeiras foi aberto ao público geral, logo lotou. Infelizmente, todo o esforço da torcida de ir ao Arruda não foi recompensado com a vitória. Time apático, jogadores durante o primeiro tempo pareciam estar goleando o Ferroviário de tão relaxados que estavam em campo. Depois de toda a publicidade e convocação da torcida, mais um vexame foi registrado. Perder é natural, acontece, principalmente sendo contra o líder do grupo A. Um time bem organizado, que marcou em cima a todo o momento. Mas quando falta vontade na equipe, a derrota passa a ser injustificável.

DÍVIDAS Daniel Lamir daniel.lamir@brasildefato.com.br

agrão falou e confirmou uma despeM dida murcha do Sport. Um contraste extremo entre a saída do clube e a jornada

conquistada. É certeiro afirmar que o clube e o funcionário saem perdendo. Ainda mais a torcida. O endividado Sport ganha mais dívidas e o ídolo ganha alguns rabiscos indesejados na história. É inevitável também associar o pragmatismo de buscar as vias judiciais e as poucas palavras de um vídeo no instagram. Magrão foi quase inexpressivo na peça audiovisual. Ídolo é funcionário e também pode perder a paciência com “fiado” mal combinado, mas não se pode esquecer que o valor financeiro a se receber tem origem também na existência de uma torcida. Pelas vias financeiras ou afetivas, Magrão está em dívida com o povo da arquibancada.

Profile for Brasil de Fato Pernambuco

BdF PE - Ed. 98  

Confira a edição 98 do Brasil de Fato Pernambuco

BdF PE - Ed. 98  

Confira a edição 98 do Brasil de Fato Pernambuco

Advertisement