Page 15

28

ATRATIVIDADE DO BRASIL COMO POLO INTERNACIONAL DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS

ATRATIVIDADE DO BRASIL COMO POLO INTERNACIONAL DE INVESTIMENTOS E NEGÓCIOS

AS DIMENSÕES DO AMBIENTE MACROECONÔMICO SÃO CRESCIMENTO ECONÔMICO, ESTABILIDADE MONETÁRIA, SOLIDEZ FISCAL, VULNERABILIDADE EXTERNA, VOLATILIDADE ECONÔMICA, DESENVOLVIMENTO HUMANO E DISTRIBUIÇÃO DE RENDA

29

de dívida pública no Brasil, há uma evolução contínua e positiva ao longo dos últimos anos. O nível total da dívida líquida do setor público30 como porcentual do PIB cedeu significativamente de 2002 a 2010, saindo de 60,6% para 40,4%31. Além disto, a partir de 2006, o Brasil saldou sua dívida líquida externa, passando, desde então, a ser um credor líquido ante o resto do mundo (veja Diagrama 5).

Corresponde ao saldo líquido do endividamento do setor público não financeiro e do Banco Central com o sistema financeiro (público e privado), o setor privado não financeiro e o restante do mundo.

30

aquecimento da economia, o Banco Central segue de perto esses movimentos, utilizando a taxa básica de juros da economia (Selic) como instrumento de controle.

31

Posição no final do ano.

32

Fonte: Fundo Monetário Internacional (FMI).

Prognósticos28 mostram que o Brasil deve ter uma taxa de inflação média de 4,8% ao ano nos próximos anos, ficando mais bem posicionado do que outros grandes emergentes como a Índia e a Rússia, com previsão de 5,3% e 6,7% ao ano, respectivamente. Existe, contudo, espaço para melhoria do Brasil na relação crescimento-estabilidade. A China, por exemplo, um país de alto crescimento, conta com previsão inflacionária em torno de 4% ao ano neste mesmo período.

A dívida pública bruta do País também evoluiu ao longo da última década. Depois de passar por um pico em 2002, quando atingiu 79,9% do PIB, o indicador vem caindo e fechou 2010 em 66,8%. Na previsão para os próximos anos32, o Brasil segue trajetória positiva, ficando mais bem colocado do que outros países desenvolvidos e sedes de centros de negócios. Enquanto espera-se que o Brasil encerre o ano de 2015 com este indicador em 64,8%, para Reino Unido, França e Cingapura a previsão fica em torno de 80% e para Estados Unidos atinge 110,7% do PIB. Outro ponto adicional sobre a saúde das finanças públicas e que impacta o ambiente macroeconômico é o déficit do setor público. A comparação do resultado de 2010 com os do início da

DIAGRAMA 5

O financiamento do País evolui positivamente

Ainda no que tange à previsibilidade, é interessante destacar que no Brasil, mesmo com um sistema de câmbio flutuante, a faixa de variabilidade do câmbio diminuiu ao longo dos últimos cinco anos. Durante este período, o valor máximo29 atingido pela moeda norte-americana foi de R$ 2,39 (durante a crise econômica mundial) e o valor mínimo foi de R$ 1,57, não tendo voltado a níveis elevados como os atingidos em 2002, quando alcançou R$ 3,81.

Dívida pública caiu de patamar nos últimos dez anos como % do PIB...

...assim como o déficit e espera-se que a trajetória positiva continue

Dívida líquida do setor público

Déficit Público % PIB

% PIB1

5,0

60,6 60

O Brasil tem mostrado avanços e maturidade na gestão macroeconômica que refletem o que se deseja para a estabilidade de um polo de investimentos e negócios. Afinal, a falta de previsibilidade não apenas inibe a entrada de novos agentes na economia, como é capaz de desorganizar mercados já existentes e tornar a operação de empresas e a realização de negócios uma tarefa mais árdua e com riscos mais acentuados. É fundamental que o País mantenha a trajetória positiva e garanta que estes avanços já conquistados não se percam, e sim continuem a evoluir.

5,1 4,6

47,0

50

“Não há como cortar as taxas de juros a menos que você reduza seu déficit fiscal. [...] Temos um objetivo em mente: que as nossas taxas de juros sejam convergentes com as taxas de juros internacionais.” Dilma Rousseff - Presidente do Brasil3

40,4

40

3,5 3,3

30

2,7

20

2,5

10

Condições de financiamento A saúde financeira do país tem grande relevância para a manutenção de um ambiente macroeconômico saudável e, por consequência, para a atratividade de um polo de negócios. Um balanço mal equacionado das contas públicas e uma má gestão das receitas e dos gastos do Estado, por exemplo, contribuem para o aumento dos custos de captação de investimentos da economia como um todo, afetando o custo operacional. Assim, serão analisadas nesta seção tanto as condições macroeconômicas de demanda quanto de oferta de recursos que garantam o crescimento saudável da economia. A demanda por financiamento do setor público é uma das alavancas que mais afeta as condições de financiamento da economia como um todo. No que diz respeito ao estoque

1,9

0

1,7

-10

Fonte: The Economist Intelligence Unit (EIU) Countrydata. 28

29 Considerando as médias das taxas diárias do mês de referência, calculadas para compra, ponderadas pelos dias úteis. Fonte: Banco Central do Brasil.

02

03

04

05

06

07

08

27

21

16

07

-02

-16

-28

Externa/total %

Interna

09

10

-21 -24

Externa

Total

0

02

03

04

05

06

07

08

09

102

1. Posição no final do ano. Corresponde ao saldo líquido do endividamento do setor público não financeiro e do Banco Central com o sistema financeiro (público e privado), o setor privado não financeiro e o restante do mundo. 2. Dados estimados pelo FMI apenas para este ano. 3. Entrevista publicada no site do Senado Federal em: http://www.senado.gov.br/senadores/liderancas/lidptsf/detalha_noticias. asp?codigo=88795 / Fonte: BACEN; FMI.

Atratividade do Brasil como polo internacional de investimentos e negócios  
Atratividade do Brasil como polo internacional de investimentos e negócios  

Neste relatório a BRAiN identifica os 7 pilares que caracterizam a atratividade de um polo internacional de investimentos e negócios e compa...

Advertisement