Issuu on Google+

jul/ago/set

ANO 2 - Nº 12 PALAVRA DO PRESIDENTE

Rumo à consolidação dos projetos

Aroldo Silva Amorim Filho

A Asa Alimentos é conhecida por sua produção de pintos de 1 dia e ovos férteis comercializados em todo o Brasil e no exterior.

plicar sua produção. Nossa marca para os

líquidos, mas um composto orgânico utili-

produtos refrigerados, BONASA, está pre-

zado pelos nossos fornecedores de milho

sente nas linhas de aves, suínos, ovinos,

na adubação das lavouras.

pratos prontos, embutidos e salgados.

Esses cuidados nos credenciaram a

Com esse investimento na Filial-18, vis-

ser a única empresa brasileira do setor a

lumbramos grandes oportunidades para

atender às exigências do selo “Da melhor

os nossos produtos de carne suína.

natureza”, do Grupo Pão de Açúcar.

A carne suína é a proteína animal

Paralelamente, ampliaremos o núme-

mais consumida no mundo, represen-

ro de Unidades de Produção de Leitões

tando 42% do total. Em vários países

– UPLs, com a expansão da integração

o consumo anual ultrapassa 60 kg por

de matrizes suínas, que nos permitirão al-

pessoa, enquanto no Brasil esse número

cançar a produção de 1.000 cevados por

fica em torno de 11 kg per capta. Mais de

dia para abate. Para tanto, devemos alojar

65% desse total é consumido na forma de

15.000 matrizes, em diversos integrados

produtos embutidos (lingüiças, presuntos,

parceiros, além de aumentarmos nosso

mortadelas etc). Portanto, existe um gran-

alojamento de animais em terminação

de trabalho e uma grande oportunidade

para 100.000.

para ampliarmos a produção de suínos no Brasil.

Hoje, temos a satisfação de perceber que cada vez mais o público assim como

A ASA vem fazendo a sua parte,

os nossos colaboradores, dão preferência

valorizando a carne suína. Temos desen-

às empresas socialmente responsáveis.

A empresa consolida-se também

volvido cortes especiais, embalagens

Isso dá ao nosso trabalho um senso de

no setor de alimentos refrigerados. Te-

diferenciadas, trabalhado junto aos

propósito. As pessoas valorizam as em-

mos quatro abatedouros de aves: um no

açougueiros para novas formas de corte

presas que interferem em suas comunida-

DF, um em Goiás e dois em Tocantins,

e apresentação das carnes e propiciado

des contribuindo com ações para o bem

sendo um em Paraíso do Tocantins e

visitas ao nosso abatedouro.

comum. A ASA atende atualmente mais

outro no norte do Estado, onde temos a

Utilizamos um sistema novo de criação

de 2.000 pessoas carentes, fornecendo

Asa Norte Alimentos e sua planta recém-

de suínos, em cama sobreposta, onde aten-

ovos e frangos de maneira contínua a 17

inaugurada.

demos os requisitos de bem-estar animal e

entidades assistênciais.

No mês de agosto inauguramos

respeito ao meio-ambiente. Nesse modelo,

A ASA Alimentos segue com deter-

nosso abatedouro de suínos que passou

os animais são criados em condições mais

minação rumo à consolidação de seus

por obras de ampliação que permitirão tri-

confortáveis e não são gerados efluentes

projetos.

VEJA TAMBÉM NESTA EDIÇÃO ENTREVISTA Sérgio Araújo completa 30 anos de casa . Pág. 2 FILIAL 18 Ampliado e modernizado o abatedouro de suínos. Governador do DF comparece à inauguração. Pág. 3 NOVA SEÇÃO “Conhecendo a Asa” destaca as atividades e equipes das filiais 4-B e 21. Pág. 6 VENDAS Incentivo Trimestral tem vencedores em Brasília e Goiânia. Pág.8

Gov. Arruda: "Para a Asa eu tiro o chapéu!"

julho/agosto/setembro 2007


Asa notícias

CONHEça mais sobre a asa alimentos

Filial 4-B e Filial 21

Asa Notícias passa a mostrar, em cada edição, o trabalho e a equipe de diversas filiais e unidades. Dessa forma, você conhecerá melhor a empresa em que trabalha, seus produtos e colegas. Localizada no DF, na Área Iso-

contaminam rios, lagoas ou lençóis freá-

próximo a Planaltina. Tem capacidade

lada Guariroba, após a cidade de

ticos. Por isso, é considerado o modelo

para 800 matrizes que produzem cerca

Samambaia, a Filial 4-B é responsável

ecologicamente mais correto para pro-

de 1.600 leitões por mês. Seus 15 colabo-

pela terminação de suínos, dispondo

dução de suínos. A Filial 4-B é uma das

radores cuidam das áreas de gestação,

de galpões com capacidade para

maiores unidades de criação em cama

maternidade e creche dos leitões. Um tra-

1200 cabeças cada um. Ou seja: os

sobreposta do Brasil, com mais de 25.000

balho de muita dedicação para que, após

leitões chegam à granja com aproxi-

suínos alojados.

65 dias, e já pesando 25 kg, os leitões

madamente 25 kg e são alojados nos

A equipe é formada por 24 colabora-

sigam para a Filial 4-B. Aqui também,

galpões onde ficarão aproximada-

dores e o gerenciamento da unidade está

os leitões na fase de creche são criados

mente 100 dias. Após esse período,

a cargo de Aroldo Neto e Antonio Faria.

em cama sobreposta, sendo este um

os suínos terão cerca de 105 kg e

Praticamente todos moram nas casas

diferencial importante da unidade.

serão encaminhados para o abate

da vila existentes na própria granja. A

Parceiros de integração fornecem

na Filial 18.

Asa Alimentos oferece transporte escolar

leitões para a Asa Alimentos, perfazendo,

Um ponto importante a destacar

que leva e busca estudantes de todos

assim, um total de 5.500 matrizes. Os

é a criação em sistema de cama so-

os turnos, permitindo assim que muitos

planos de expansão prevêem que até

breposta. Nesse modelo, os animais

colaboradores continuem seus estudos

o final de 2007 esse número chegue a

podem se locomover livremente nos

à noite e seus filhos tenham acesso à

7.000 matrizes alojadas. A descontração

galpões e expressar seu comporta-

educação.

e união, aliadas ao comprometimento

mento natural. E o mais importante:

A Filial 21, Unidade Produtora de Lei-

não produzem dejetos líquidos que

tões (UPL), fica no Núcleo Rural Taquara,

Filial 4 B: Em pé, da esquerda para direita: Erasmo, Tarcísio, Luiz Carlos, Xuxinha, Alan, Madruguinha, Jonas, Wilson, Raimundo, Zequinha, Chupeta, Antônio Ferreira, Antônio Carlos, Francisco e Adenilson. Agachados, da esquerda para direita: Elisvaldo, Augusto, Juarindo, Babaloo, Evandro, Aroldo Neto, Bigode, Edinho e Zé da Cunha.

com os resultados são as principais características dessas equipes.

Filial 21: Em pé, da esquerda para direita: Cláudio, Bento, Antônio Faria, Arnaldo, Socó, Luciana, Raimundo, Batista, Luza, Brummel, Careca e João. Agachados, da esquerda para direita: Gaúcho, Xinxila, Aroldo Neto, Fabrício, Randerson e Flávio.

EXPEDIENTE Aroldo Silva Amorim Filho - Presidente Sérgio Costa Araújo - Diretor de Operações Kátia Pinto de Amorim - Diretora Administrativa e Financeira José Henrique Tostes Barbi - Diretor de Unidades de Produção e Comercial de Produtos Vivos José Roberto Gonçalves - Gestor do Departamento Comercial de Produtos Vivos Sérgio Cunha - Gestor do Departamento Comercial de Produtos Industrializados

Paulo Roberto de Oliveira Silva - Gestor do Departamento de Controladoria Nelso Kunrath - Gestor do Departamento de Logística Antônio Moreira Freire - Gestor do Departamento de Abate e Produção Industrial Wandir Fernandes Silva - Gestor do Departamento Financeiro Luiz Eduardo Carneiro Baião - Gestor do Departamento de Produção Avícola Marcos Lanna Lyra - Gestor do Departamento de Informática

Editado pela Gerência de Marketing • Jornalista responsável: Ralph Siqueira - MG 01351 JP • Colaboradores desta edição: Alberto Fernandes Guimarães, Carlina Ferreira, Eliza Borges • Projeto gráfico e editoração: Alô Comunicação • Impressão: Acqua • Tiragem: 2.300 • Contatos: SIA Trecho 3, Lotes 385/395 - CEP 71200-030 - Brasília-DF. Departamento de Marketing, Tel.: (61) 2106-3733 • Site: www.asaalimentos.com.br

2

julho/agosto/setembro 2007


especial

Inauguração das ampliações do abatedouro de suínos Filial 18 triplica capacidade de abate e prepara-se para exportar.

principais mercados importadores.

Uma feijoada para 500 convidados

Representantes das embaixadas

marcou a inauguração, no dia 4 de agos-

da Rússia e do Japão também compa-

Para a reforma das instalações

to, das obras de ampliação e moderni-

receram e mostraram muito interesse em

e aquisição de novos equipamentos,

zação do frigorífico de suínos da Asa

conhecer a nova estrutura do abatedouro

a ASA Alimentos contou com finan-

Aalimentos localizado em São Sebastião,

de suínos que teve a sua capacidade de

ciamento do Fundo Constitucional do

área do PADF, no Distrito Federal.

produção ampliada de 300 para 1.000

Centro-Oeste (FCO) além de recursos

cabeças por dia. No momento, a produ-

próprios que foram utilizados em

ção é de cerca de 450 animais/dia.

obras físicas como a construção de

O evento teve a presença do Governador do DF, José Roberto Arruda, de Secretários de Governo, Deputados

O novo projeto e novos equipa-

novos vestiários, refeitórios, cozinha

Distritais, empresários, fornecedores,

mentos habilitarão a empresa para a

industrial, na reforma da planta interna,

parceiros e colaboradores da Asa

exportação, já que a planta foi projetada

visando a um melhor fluxo operacional

Alimentos.

para atender às rígidas exigências dos

e à construção de novas pocilgas. A compra de equipamentos objetivou especialmente a ampliação da área de frio para congelamento e produção de industrializados. Com a ampliação da Filial 18, o número de colaboradores passou de 160 para 220 e deverá chegar a 650, quando atingir a capacidade total de abate. Além de carcaças e cortes suínos, a F18 é responsável pela produção de lingüiças suínas e de frango, mortadelas, apresuntados, bacon, salgados e pertences para feijoada. Produzidos com a marca BONASA, esses produtos têm grande participação nos mercados de Brasília e Goiás. Parte da produção

Governador José Roberto Arruda aplaude a ampliação da indústria e geração de novos empregos anunciada pelo presidente da Asa, Aroldo Filho.

abastece ainda os estados de Tocantins, Pará, Maranhão e Piauí.

julho/agosto/setembro 2007


Asa notícias

especial

Aroldo Filho e Ana Amélia com seus filhos, Lígia, Aroldo Neto e Pedro

Davi Pons, Sandra, Kátia Amorim, diretora administrativa financeira e o casal Vera e José Henrique festejam com Aroldo Filho

Convidados receberam kits com brindes Bonasa

Joaquim e Susie Amorim parabenizam Aroldo Filho e Myrian Amorim

Antônio Freire recepciona Josino, administrador de São Sebastião

Gabriel, Ângela e Fernando da Filial 13, prestigiam os amigos Freire e Aroldo Filho

As irmãs Carla e Cíntia Amorim abraçam o irmão Aroldo Filho

4

Asa Norte Alimentos prestigiou a inauguração

Sérgio Araújo, José Luís Arborian, Paulo Galleti, Aroldo Filho e Antonio Freire julho/agosto/setembro 2007


“O comprometimento dos colaboradores com os objetivos da Asa é rapidamente percebido pelas pessoas que passam a conhecer a empresa. Este é um valor que tratamos com carinho, porque faz parte da nossa identidade e nos diferencia no mundo dos negócios”.

Amarildo e Emerson acompanham Sérgio e Freire para a visitação do abatedouro

Ana Paula, Luiz Roberto, Aroldo Filho e Paulo Roberto

Wandir, Tiago e Baião, cumprimentam o amigo pela nova conquista

Colaboradores da Asa e fornecedores em clima de descontração

Stephan Rohr e Amália, com Aroldo Filho

“A ampliação do abatedouro de suínos permitirá triplicar sua produção e atuar no mercado internacional” Aroldo Filho e Wilmar da Silva, Secretário de Agricultura do DF

Durante o discurso, Arruda cumprimenta Aroldo Filho pela ampliação do abatedouro

José Luís Arborian, Aroldo Filho Aroldo Filho e sua mãe Myrian Amorim e Dep. Distrital Rônei Nemer descerram a placa junto ao governador Arruda julho/agosto/setembro 2007


Asa notícias

entrevista

Sérgio Araújo: 30 anos de empresa

Sérgio Araújo, diretor de operações

Como foi sua entrada na empresa? Entrei na empresa em agosto de1977. Sou amigo de infância do Paulo Padrão, que na época trabalhava na companhia e me convidou para fazer uma entrevista para trabalhar no DPG – Departamento de Produção de Granjas. Iniciei como auxiliar de escritório, trabalhando os dados que chegavam das granjas. Na época estava com 18 anos e cursava o terceiro ano do segundo grau. Como era a empresa naquele momento? 1977 foi marcado como o princípio de passos maiores. A empresa, que fazia a criação de frangos de corte, passou a produzir matrizes e ter o seu próprio incubatório. O abate era de aproximadamente 6.000 aves/dia. Esse processo era feito em uma loja na W3 Sul. Entretanto, o projeto de um novo abatedouro já estava sendo estudado pelo Dr. Aroldo Amorim. A comercialização de frangos abatidos alcançava somente o DF. Como foi sua trajetória na empresa? Considero-me exemplo de que a ASA Alimentos é uma empresa que acredita em seus funcionários, identificando talentos e oferecendo oportunidades de crescimento. Como disse, iniciei como auxiliar de escritório. Em seguida, passei a auxiliar administrativo, responsável pela granja de matrizes. Após seis meses, assumi também o incubatório. Nessa época aprendi muito como o Sr. Carlos, que

6

hoje é responsável pela Filial 1. Fui aprendendo o serviço de outras áreas. Em 1985, o Sr. Justino – outro professor muito importante – se aposentou e convidou-me para gerenciar o DPG. Foi quando teve início a venda de ovos férteis, também sob a minha gerência. Nesse período, trabalhando diretamente na produção, pude aprender muito com o Prof. José Maria Lamas da Silva, sem dúvida o maior especialista que o Brasil já teve nessa área. Outro privilégio foi trabalhar com o Sr. Viana. Em 1991, o Dr. Aroldo e o Aroldo Filho me confiaram a responsabilidade de assumir as áreas financeira e administrativa da companhia. Essa experiência foi marcante, porque pouco depois, em 1994, ocorreu a cisão da Só Frango, quando trabalhei em todo o processo, estruturando os modelos e o funcionamento das duas novas empresas. Aí, com o surgimento da Asa, assumi a Superintendência, coordenando todos os departamentos. Finalmente, em 2003, seguindo o forte crescimento da empresa, passei a Diretor de Operações. Nesta função sou responsável por toda a área de produção e comercial da Asa. Conte alguns momentos marcantes. Como nosso Presidente costuma falar: “A Asa nasceu com 30 anos de experiência. Isto faz a diferença na velocidade para a implantação de novos negócios. Sua seriedade e credibilidade foram construídas ao longo de quase 50 anos. Posso citar alguns momentos positivos: • A criação do primeiro projeto de integração avícola de matrizes, em 1995; • A volta da criação de frangos de corte, em 1997; • A volta ao abate de frangos, em 1998; • A parceria com a Frangonorte, em 1999; • O início do projeto da Asa Norte, em 2000; • Em 2005, o lançamento da nossa marca “BONASA”, que com apenas dois anos já é líder no mercado de Brasília. E um momento crítico... Foram diversos, mas nesses momentos sempre tive o apoio da minha família:

Nilda, Serginho e Carolina. E como dizia o querido Dr. Aroldo: “Sérgio não se preocupe. No fim tudo vai dar certo, se não deu certo é porque ainda não chegou o fim”. Logo no primeiro ano da ASA Alimentos tivemos um grande problema sanitário que consumiu muitos recursos e tempo, mas conseguimos atravessar... Incontestavelmente, um momento crítico foi a morte do saudoso Dr. Aroldo. Mesmo não estando na gestão da companhia naquele momento – o Aroldo Filho já estava à frente dos negócios – sua presença e sua visão empreendedora eram imprescindíveis a todos nós. A crise na avicultura mundial em função da Gripe Aviária marcou o ano passado como um outro momento crítico. Após 30 anos, há uma junção da personalidade do profissional com a empresa? Acredito que tanto eu como o nosso Presidente tivemos a oportunidade de conviver com homens especiais. Posso mencionar a figura do meu pai, que é exemplo de honradez, de trabalhador e que sempre me fez trilhar pelos caminhos da retidão. Na minha vida profissional cruzei com homens do quilate do Dr. Aroldo, Sr. Carlos, Sr. Justino, Sr. Viana, e o Prof. José Maria Lamas, que passaram pela companhia e deixaram a sua marca de competência, credibilidade e bom-senso, inclusive naqueles que com eles trabalharam. Realmente, é correto dizer que em certa medida existe uma junção de personalidades, isto talvez por termos crescido juntos, nos moldando ao longo desta caminhada. Como você vê a empresa hoje?  Vivemos um momento especial. A empresa sempre possibilitou o crescimento profissional de seus colaboradores e isso agora está mais vivo ainda. Daremos início a um novo ciclo de crescimento, com o aumento do abate de suínos, incremento na produção de embutidos e de alimentos processados; com a ampliação do abate de aves nos abatedouros de Nova Veneza, Brazlândia e Paraíso de Tocantins. E agora, em outubro, iniciaremos o abate na Asa Norte Alimentos. julho/agosto/setembro 2007


entrevista

Fale dos novos projetos e planos. Todos os projetos me motivam, porque todos têm uma razão de ser. O princípio de um novo ciclo de crescimento trará a ampliação da produção de ovos férteis – que já exportamos para diversos países; trará também a ampliação dos mercados para os nossos produtos refrigerados nas regiões Sudeste, Norte e Nordeste. A expectativa é de que, no primeiro semestre do próximo ano, realizemos as primeiras exportações de suínos e frangos.

A minha visão de futuro para a Asa é ser uma empresa melhor para seus funcionários, para a comunidade e para seus clientes. Ao completar 30 anos de casa, você enviou uma mensagem para vários colegas. Como foram as respostas? Foi a oportunidade de expressar o prazer e o orgulho de trabalhar nesta empresa, vindo do convívio com todos que fazem parte do meu dia-a-dia. Aproveitei para agradecer

o relacionamento e o aprendizado com cada um. E também para lembrar do valor de homens como o Dr. Aroldo e outros já citados anteriormente. Penhoradamente, minha gratidão a todos e, em especial, ao Aroldo Filho pela paciência com este colaborador. E foi muito gostoso ler cada resposta. Transmitiram-me carinho e amizade. Palavras como comprometimento, seriedade, dedicação, humildade me deixaram muito feliz, afinal são características e valores desta companhia.

São vários os fatores de sucesso. Já aprendi alguns, tais como: disciplina, perseverança, comprometimento, de“ dicação, atualização. Ressalto aqueles que se aprende continuamente, como humildade, paciência e serenidade.. ” acontecendo

1

Pizzas e lasanhas Bonasa no Pão de Açúcar

4

Matrizes

Desde agosto, os consumidores de

• Dando sequência aos planos de

Brasília e Goiânia já encontram as pizzas

expansão das granjas de matrizes, a

e lasanhas Bonasa nas lojas do Pão de

Asa concluiu a construção de mais dois

Açúcar e nos hipermercados Extra. Cinco

conjuntos de recria na Filial 6. O Conjunto

promotoras uniformizadas estão fazendo

B, com capacidade para 46.000 matrizes,

ações promocionais nas lojas de Brasília,

foi concluido em junho. O Conjunto C alo-

realizando degustações e divulgando os

jou mais 46.000 matrizes em setembro.

diferentes sabores disponíveis. A presença da linha de pratos congelados permite não apenas um maior volume de vendas como a ampliação do mix de produtos Bonasa nas lojas e maior visibilidade para a marca.

2

Parceria O tradicional campeonato de futebol da Associação Recreativa do Banco de Brasília, o PANELÃO 2007, está mobilizando equipes e torcidas. Este ano, as equipes do Gaviões (campeã em 2006) e Asas de Águia levam a marca Bonasa em seus uniformes. O campeonato reúne 18 equipes, envol-

vendo cerca de 400 atletas. Nos jogos, o público chega a 1.200 pessoas. Na foto, a presença do Gestor Financeiro da Asa, Wandir, prestigiando o evento. Incentivador da participação da empresa no evento, Wandir salientou a importância dessas ações de relacionamento com nichos de consumidores e parceiros.

3

Trabalho científico O estudo sobre a aplicação da cama de suínos utilizada pela Asa Alimentos na

Novos galpões e equipe da Filial 6

• Em junho, na propriedade do integrado Jaime Cesar, em Formosa-GO, foi concluída a construção e o alojamento da 27ª granja de matrizes.

cultura do milho doce foi apresentado no XXXI Congresso Brasileiro de Ciência do Solo

• Para aumentar ainda mais os cuida-

realizado em Gramado (RS) no mês de agosto. De autoria de Mesquita Filho, A. F. Souza,

dos com a biossegurança, a Asa adquiriu

A.W. Moita, Santos Delvico e Mário Miyazawa, o trabalho avaliou os efeitos da cama de

cepilhadeiras para produção de seu

suínos utilizada nas granjas de terminação sobre a produtividade das espigas. O teste

próprio cepilho (raspa de madeira para

foi realizado na área experimental da Embrapa Hortaliças em Brasília.

forração das granjas) na Filial 6. julho/agosto/setembro 2007


Asa notícias

vendas

Equipe de vendas é premiada Vendedor de Brasília ganha a Moto 0 km

Despedida de Julio Diniz Depois de quatro anos de Asa, Júlio Diniz se despede recebendo placa de homenagem de Aroldo Filho e Sérgio Araújo. Quem assumiu o cargo de gestor comercial foi Sérgio Cunha.

Abel, vencedor do concurso, já de posse da moto: “Estou muito emocionado. Batalhei muito para ganhar este prêmio!”

Durante os meses de junho, julho

Souza, supervisor de vendas, tam-

e agosto, os vendedores de Brasília e

bém de Goiânia, levou outra TV de

Goiânia correram atrás dos seus ob-

29 polegadas.

jetivos de vendas e disputaram ponto

Alberto Guimarães, Gerente de

a ponto quem levaria para casa uma

Marketing, ressaltou os bons resulta-

moto Yamaha 125.

dos obtidos pelas equipes. “Foi emo-

Ao final, o grande vencedor com

cionante ver a competição saudável

5110 pontos, foi Abel de Araújo, ven-

entre as equipes e perceber que mês

mios foram organizados churrascos de

dedor de Brasília, que faz a rota de

a mês as pontuações cresciam, mos-

confraternização em Brasília e Goiânia. O

Sobradinho.

trando o interesse e a participação de

evento de Brasília serviu também para que

todos. Os resultados de vendas mos-

a equipe comercial prestasse uma home-

traram a validade do incentivo”.

nagem a Júlio Diniz, gestor comercial que

O segundo colocado foi José Filho, vendedor de Goiânia, que ganhou uma TV de 29 polegadas. Walter de

Para fazer as entregas dos prê-

se desligou da empresa.

AGOSTO É 20! Resultados superam as metas do desafio. Com o lema “Somos arrojados,

desempenho que é também o resultado

pensamos grande!” a equipe comercial

do esforço que toda a empresa vem fa-

de Goiás deu a largada para o incentivo

zendo para aperfeiçoar seus processos,

de vendas AGOSTO É 20, em referência

obter maiores volumes e maior qualidade

aos 20 meses da atual gestão comercial

nos seus produtos e serviços. Weber

e sua equipe de 20 vendedores, 20 pro-

Machado, Gestor Comercial de Goiás

dutos em promoção e a meta de 20%

aproveitou também para agradecer o tra-

de incremento no faturamento mensal.

balho desenvolvido pela área industrial,

Os vendedores que superassem a meta

especialmente da Filial 16.

também ganhariam 20% a mais nos seus rendimentos. Com muita determinação, a equi-

Confira alguns resultados abaixo. Crescimento agosto x julho de 2007 Faturamento:

pe mostrou o seu valor superando em Weber Machado, Walter, Sérgio Araújo, Alberto Guimarães e José Filho na entrega dos prêmios para os vencedores do incentivo de vendas de Goiânia

8

muito seus objetivos. Parabéns! No evento de entrega dos prê­ mios, o Diretor de Operações, Sérgio Araújo cumprimentou a todos pelo

31% (equipe própria)

67% (sobre julho/2006)

Cortes suínos:

39%

Defumados:

121%

Embutidos:

50%

Clientes movimentados: 4,2% (recorde de 2007)

julho/agosto/setembro 2007


Jornal asa 12