Page 1

Ano 12, Nº 5 - Set. e Outubro de 2010 - Grajaú-MA 29/09/10 - Tiragem: 1.000 exemplares

DIOCESE DE GRAJAÚ Aproximando-se da 15ª Assembleia Diocesana de Pastoral “Comunidade e missão” “Os leigos, ministros da comunidade missionária” - Mensagem do Bispo - Novo site da Diocese - 4ª Viagem Missionária dos bispos à Amazônia - Festejo das paróquias - Reunião do Clero e CRB - Pastoral Indigenista - E muito mais


Editorial

Assembleia Diocesana de Pastoral Está se aproximando mais uma Assembleia Diocesana de Pastoral, a 15ª de nossa Diocese, que será realizada de 04 a 07 de novembro de 2010, em Barra do Corda -MA, com o tema: “Comunidade e missão” e o lema: “Os leigos, ministros da comunidade missionária”, na qual todos aqueles que se dedicam como leigos, para a caminhada das pastorais, se fazem presentes, juntamente com todos os padres e as irmãs. E será no clima de missão que este belo encontro, esperando o ano inteiro, irá ser realizado, e que irá definir os rumos, a caminhada de nossa Diocese para o ano de 2011. A Missão Continental, no qual nossa Diocese vem se empenhando para que dê muitos frutos, será ainda mais alavancada, no que se refere à ênfase, para que seja mais concreta e para que tenhamos lá na frente grandes frutos desse trabalho. A 15ª Assembleia Diocesana de Pastoral será, sem dúvida nenhuma, um grande momento de fraternidade, comunhão e trabalho em prol dos objetivos em que nossa Diocese pretende assumir. Todos nós devemos unir forças, trabalhando, agindo, para que essas finalidades sejam realmente concretizadas. Peçamos assim inspiração a nosso Senhor Jesus Cristo, para que com seu Espírito Santo possamos fazer um excelente trabalho para Sua missão e para que tenhamos muita força diante dos desafios que a missão pode enfrentar. A redação. 2

Boletim Diocesano “Em Comunhão” - Diocese de Grajaú


Mensagem do Bispo

Irmãos e irmãs em Jesus, A luz e a força do Espírito do Senhor ilumine e fortaleça seus corações para que sejais sempre “prontos a dar a razão da vossa esperança a todo aquele que a pedir”. Neste mês de outubro, é Nossa Senhora que nos acompanha com amor e ternura de mãe para nos ajudar a fixar nossos olhos em Jesus, o fundamento da esperança que nos impulsiona em nosso compromisso de discípulos e missioná-

rios. Na tradicional reza do terço, na meditação iluminada por Maria dos mistérios da nossa salvação, encontramos um meio simples e profundo para abrir sempre mais nossas mentes e nossos corações para acolher e acreditar de verdade naquele que morrendo na cruz anuncia: "quando eu for elevado da terra, atrairei todos a mim" (Jo 12,32). Comprometidos no mutirão da Missão Continental que nos convida a nos renovar profundamente para poder levar a todos esta esperança, precisamos em primeiro lugar reforçar e renovar todo dia nossa fé e nossa adesão a Jesus. E ninguém melhor do que Maria, sabe cumprir a missão de nos fazer crescer na fé e no amor a Jesus. Em comunhão com Maria, sentiremos assim o angustiado apelo de Jesus que, diante dos sofrimentos e da confusão deste nosso mundo, nos solicita a assumir com coragem nossa responsabilidade de missionários para que os homens do nosso tempo encontrem cami3


nhos de salvação e de vida. Viveremos assim em profundidade o mês missionário com toda a Igreja que procura assumir com sempre mais determinação esta sua responsabilidade. Caminhando com Maria, estaremos nos preparando para celebrar a nossa Assembleia diocesana de Pastoral, que nos reunirá na primeira semana de novembro. Depois deste ano em que começamos a dar os primeiros passos rumo à concretização da Missão Continental, procurando conscientizar nossas comunidades a respeito da necessidade de se abrir para a evangelização, procurando formar grupos e equipes de animadores e incentivadores desta dimensão essencial de nossa fé, precisamos agora ir mais para frente, para águas mais profundas, para compromissos mais concretos e definidos. Para isto precisaremos da luz e do fogo do Espírito do Senhor. Temos assim o compromisso, neste mês do Rosário, neste mês missionário, de rezar e rezar muito para que nossa Assembleia seja realmente acompanhada e iluminada 4

pelo Espírito do Senhor. E Maria rezará conosco e por esta nossa Igreja particular de Grajaú para que se torne uma Igreja que evangeliza. Um último preocupado apelo: rezem com Maria, para que o Senhor suscite generosas vocações sacerdotais a serviço de nossa missão evangelizadora. O número reduzido de padres e os seminários quase que vazios, deixam o coração angustiado. Será que não sentimos ainda a urgência de rezar com fé ao Senhor da messe, para que envie operários para esta sua messe? E rezem para que a visita ao Papa e aos túmulos dos apóstolos em Roma, que os bispos do nosso Regional Nordeste 5 realizarão no mês de outubro, nos faça crescer na fé e na comunhão da Igreja do Senhor Jesus espalhada pelo mundo inteiro. Nossa Senhora estrela da Evangelização, rogai por nós. Grajáu: 15 de setembro de 2010.

Bispo Diocesano de Grajaú

Boletim Diocesano “Em Comunhão” - Diocese de Grajaú


Agenda Diocesana OUTUBRO 1º a 8 – Semana nacional da Vida e Dia do Nascituro. Paróquias 8 a 10 – Retiro de Avivamento Missionário. Barra do Corda * 8 a 10 - Assembleia Regional de Leigos. 20 a 23 – Assembleia Estadual da Pastoral da Criança. Barreirinhas-MA 22 a 23 – Reunião da Coordenação Regional da Catequese. Balsas-MA NOVEMBRO 4 a 7 – Assembleia Diocesana de Pastoral 2010. Barra do Corda * 13 a 15 – Pastoral da Juventude – RECIFA. Barra do Corda * 18 a 21 – Assembleia Regional da PJ. Viana-MA 21 - Dia Nacional do Leigo/a. Paróquias 26 a 28 – Curso Regional da CF-2011. 27 – Conselho Diocesano de Pastoral. Barra do Corda * DEZEMBRO 10 a 12 Assembleia Regional da Infância Missionária. Bacabal * Encontro que irão acontecer no Centro Diocesano de Pastoral. Os textos em negrito são atividades diocesanas que merecem a atenção e empenho de todos. Fique atento à agenda, participando dos encontros de sua pastoral, para o andamentos dos objetivos da mesma. 5


Está no ar o novo portal da Diocese de Grajaú

Os leigos, ministros da comunidade missionária

Entrou no ar, dia 19 de setembro, o novo site da Diocese de Grajaú. Moderna, a página apresenta um layout (desenho) inovador e tem a novidade das mídias sociais agregadas (Twitter, facebook, Orkut, blog e Picasa). O site também traz as publicações da Diocese no programa Issu, que possibilita ao internauta acessar documentos da Igreja de Grajaú por meio de leitura dinâmica. Há ainda na página informações importantes sobre os membros da diocese, como congregações, padres, entre outros. A interação da entidade com o internauta também está presente na página através da possibilidade de publicação de comentários nas notícias e artigos. Apesar do portal já está disponibilizado na Internet, o lançamento oficial, com uma apresentação solene, ainda deve ser marcado. Mas você já pode, portanto, acessar o novo site e ficar por dentro de todos os acontecimentos de nossa Diocese, da agenda pastoral e de outros conteúdos. Basta acessar: www.diocesegrajau.org.br.

Com este lema pretendemos nortear o processo de preparação e, ainda mais, os trabalhos da próxima Assembleia Diocesana, que será realizada nos dias de 04 a 07 de Novembro, no Centro Pastoral de Barra do Corda. Como todo mundo percebe , o t e ma d e s t e a no “COMUNIDADE E MISSÃO” não será algo novo respeito ao ano passado, e sim um aprofundamento do processo da Grande Missão Continental. Depois do lançamento realizado ao longo deste Ano Pastoral, despertando o nosso povo e formando as Equipes Paroquiais de coordenação da mesma, agora se trata de descobrir, junto ao nosso povo, o que significa hoje evangelizar na America Latina. Em outras palavras, o que devemos e podemos fazer, para levar a boa semente do Evangelho de Jesus de Nazaré, dentro das realidades concretas, históricas, nas quais vive o povo. Nós bem sabemos que evangelizar não é simplesmente encher as Igrejas de gente. Evangelizar é entrar em todas as realidades do mundo, para que o mundo se transforme no Reino de Deus, ou

6

Boletim Diocesano “Em Comunhão” - Diocese de Grajaú


seja, aquela realidade bonita que Deus pensou e vislumbrou, quando a criou. Por isso não existe só um método missionário, nem a missão pode ser reduzida a visita às famílias. Pelo contrário, dependendo do ambiente em que o discípulo será chamado a testemunhar, será preciso ter uma competência e uma atitude diferente. A partir desta visão ampla e articulada de missão, que é nos oferecida pelo documento de Aparecida, a nossa Assembleia será este grande momento de comunhão eclesial, em que juntos re-descobriremos como todos nós, em virtude do Batismo, recebemos uma vocação, um chamado, por parte de Deus, para contribuir na construção do Reino acima citado. Ninguém é cristão à toa, ou, pior ainda, sem fazer nada. Cristãos assim não existem, simplesmente porque, quem não faz nada a serviço do Reino, já não é mais cristão. Por isso o trabalho da Assembleia deverá resgatar estas noções, para desencadear uma transformação positiva das nossas comunidades, de realidades anônimas e indefinidas a espaços de comunhão fraterna, em que cada membro é ajudado a descobrir sua vocação a serviço do Reino de Deus.

Ao mesmo tempo, uma comunidade assim feita, toda missionária, porque nela cada qual tem sua vocação, será algo visível a ser apresentado e proposto a quem entrar num caminho de conversão. Que o Senhor Jesus ajude a todos nós a responder de coração ao chamado do Pai, assim como ele respondeu. Pe. Marcos

Nosso bispo Dom Franco participa da Quarta Viagem Missionária dos Bispos à Amazônia De 26 de agosto até 03 de setembro um grupo de bispos do Brasil teve a possibilidade de visitar e conhecer um pouco da Amazônia Ocidental na quarta viagem missionária, promovida pelo Ordinariato militar do Brasil, contando com a disponibilidade do Ministério da Defesa e com o suporte do Exército Brasileiro, da Marinha e da Força Aérea. Dom Osvino fez o convite ressaltando “a necessidade que temos de conhecer este pedaço de chão brasileiro tão rico e tão significativo para todos nós, sobremodo para as presentes e futuras gerações deste nosso amado Brasil”. 7


Dom Franco participou desta preciosa experiência, considerando que também o Maranhão, apesar das grandes diferenças étnicas e geográficas, faz parte da Amazônia legal, da qual compartilha problemas e desafios assim como uma relevante presença de povos indígenas. “Foram poucos dias e naturalmente não foi possível conhecer em profundidade realidades e problemas das populações visitadas, mas que permitiram ter uma visão de conjunto que ajuda a compreender melhor a problemática da Amazônia e a se sentir solidários com as lutas e esperanças destes povos”. “Com o apoio aprimorado de Exército, Marinha e Força Aérea, foi possível visitar e conhecer um pouco a vida e a missão da Diocese de Roraima, com seu bispo Dom Roque Paloschi, e os problemas e tensões que a marcam no esforço para promover e defender as populações indígenas. Foi possível também, em Surucucu, visitar uma aldeia de Yanomami. Interessante a visita à Diocese de São Gabriel da Cachoeira, guiada pelo caríssimo Dom Edson Damian, com sua realidade de povos indígenas. Também aqui, em Maturacá, aos pés do Pico da Neblina, foi possível um encontro com os Yano8

mami, evangelizados e encaminhados ao estudo e profissionalização pelo trabalho dos salesianos. A transferência a Tefé permitiu conhecer a realidade desta Prelazia que com a anterior compartilha a enorme extensão e a total dependência do transporte fluvial ou aéreo em sua missão evangelizadora”. “Em Tabatinga o alegre e fraterno encontro com o nosso Dom Alcimar Caldas Magalhães, que apresentou a situação da extensa e isolada Diocese, e os problemas daquela realidade de fronteira. A chuva não permitiu a prevista visita aos índios da localidade Palmeira do Javari”. “A transferência para a Diocese do Rio Branco já nos levou ao encontro de uma Amazônia em rápido e problemático desenvolvimento. Com Dom Joaquín Fernandez refletimos sobre os problemas que este impetuoso crescimento coloca para a Igreja e para a sociedade. Um passeio pelo Rio Madeira nos ofereceu a possibilidade de conhecer alguns aspectos das populações ribeirinhas e as imponentes estruturas da hidroelétrica de Santo Antônio em via de realização. Em Porto Velho, o entusiasmo e a longa e apaixonada experiência de Dom Moacir Grechi nos ajudou a perceber melhor a preocu-

Boletim Diocesano “Em Comunhão” - Diocese de Grajaú


pação e a luta da Igreja da Amazônia na defesa e promoção de seus povos”. “A Viagem Missionária teve em Manaus, o coração da Amazônia, sua última etapa. Dom Luís Vieira e Dom Mário Pasqualotto nos introduziram na vasta e preocupante realidade desta enorme cidade em contínua expansão, nos fazendo sentir os desafios da Igreja em responder aos graves questionamentos. Não podia naturalmente faltar a navegação pelo rio Amazonas, no tradicional encontro das águas”. Com certeza esta viagem permitiu aos participantes conhecer melhor a realidade da Amazônia e perceber que toda a Igreja no Brasil tem que se sentir comprometida no pesado compromisso da evangelização da Amazônia. “A viagem ofereceu também a possibilidade de conhecer o valor da presença e da missão das Forças armadas brasileiras nesta região. As interessantes conversas dos comandantes das diferentes brigadas, que nos hospedavam, o convívio com militares e capelães militares, que nos acompanhavam, ajudou a compreender o específico e o valor desta presença. Além da missão de defender e de controlar as fronteiras, de fato, o Exército as-

sume em grande parte destes lugares as responsabilidades de presença e de auxílio à população que são próprias do estado. Com suas estruturas e pessoas o Exército é muitas vezes a única referência para a população, quanto à saúde, instrução e comunicação, tornando-se assim presença importante de crescimento e desenvolvimento. Importante também a preciosa contribuição no que tange à educação à cidadania, ao amor à pátria, como momento e oportunidade de conhecimento e integração de povos e culturas na grande pátria brasileira. Interessante e gratificante conhecer o plano de ações sociais planejadas e realizadas com dedicação pelas Forças Armadas. "Braço forte e mão amiga”. “Foi com certeza uma viagem proveitosa e válida que leva a renovar um caloroso agradecimento a quantos organizaram e tornaram possível esta viagem missionária, em particular ao Ministro da Defesa, Nelson Jobim, e a Dom Osvino José Both, que acreditaram e tornaram realidade esta belíssima experiência”.

Conheça um pouco sobre a Escola Santa Gianna, localizada na cidade de Tuntum 9


“A maioria dos nossos funcionários são pessoas engajadas na Igreja. A Escola passou por uma reestruturação e reforma radical com a chegada de Frei Leonardo. Foram gastos quase R$ 200.000,00”.

A Escola Santa Gianna foi fundada em 2005 por frei Ribamar, com o objetivo de oferecer um ensino de qualidade, prestigiando a dimensão católica e cristã na educação. A primeira diretora foi Irmã Teresinha. Nos decurso de quatro anos sucederam-se Irmã Luzia e Irmã Sílvia, atual diretora. Apesar das dificuldades financeiras a escola está crescendo. “No começo só trabalhávamos até à quarta série. Atualmente temos turmas até o nono ano. Buscamos manter um clima de espiritualidade e abrimos sempre o dia com a oração no auditório”. “Temos 237 alunos, aos quais procuramos transmitir o testemunho de vida cristã. O nosso trabalho procura dar uma dimensão cristã a todas as atividades escolares e recreativas. Estas últimas têm também a finalidade de arranjar pequenos recursos para a manutenção da escola”. 10

“Foram refeitos todos os telhados, as salas foram reformadas e restauradas, forro, pisos e paredes, sistema de abastecimento de energia e de água: tudo foi reformado. Agradecemos a Firma Ítalo-Brasileira Aereo Space que financiou toda a reestruturação, de outra forma tínhamos que fechar, porque não havia condições de segurança”. “O nosso maior desafio é a autonomia financeira. Nossas taxas de matrículas são baixas, devido à situação de pobreza da nossa área. Isso dificulta e torna problemática a continuidade do nosso empreendimento, mas esperamos com a graça de Deus encontrar fontes alternativas, que

Boletim Diocesano “Em Comunhão” - Diocese de Grajaú


nos permitam continuar este serviço em prol das famílias que prestigiam o ensino católico”.

Catedral de Grajaú realiza festejo de nosso Senhor do Bonfim O festejo de Nosso Senhor do Bonfim envolveu toda a comunidade, fazendo com que muitas pessoas se empenhassem para o sucesso do mesmo. O tema deste ano foi “Uma Igreja que anuncia. O Primeiro Anúncio”. Teve início dia dez de setembro com a carreata de abertura, que saiu do bairro Expoagra até a Catedral. O Parlatório Arruda Filho, anexo à praça central Raimundo Simas, era o palco da parte social, que ofereceu muita música, leilões, comidas típicas e outras atrações. A cada dia eram sorteados dez prêmios da grande rifa, que tinha por destaque uma moto 0km, sorteada no encerramento do festejo, no dia 19 de setembro. Centenas de fieis compareceram à Catedral para a missa de encerramento do festejo. Antes da missa teve a procissão, onde o povo de Deus saiu pelas ruas do centro da cidade, cantando e rezando, tendo o acompanha-

mento dos cantores da Igreja e da banda de música municipal. A Paróquia de Nosso Senhor do Bonfim exprime sentimentos de gratidão por todos aqueles que colaboraram no êxito do festejo: prefeitura municipal, comerciantes, escolas estaduais, câmara municipal e poder judiciário, bancários e fazendeiros, movimentos e comunidades, Colégio Santo Antonio, Colégio Visão Júnior, as pessoas que patrocinaram os prêmios da rifa e as prendas do leilão, como aqueles que se fizeram presentes para abrilhantar as noites da festa da comunidade. O trabalho e a participação de tantas pessoas e grupos torna o festejo a festa da unidade, momento de confraternização e colaboração.

Paróquia Santa Gianna, de Barra do Corda, realiza festejo 11


O festejo em honra à Santa Gianna Beretta Molla aconteceu de 20 a 29 de agosto de 2010, com o tema: "Comunidade de discípulos e Missionários Queremos descobrir e responder à nossa vocação". Participavam das celebrações diárias um número entre 400 e 500 pessoas. Em seguida havia quermesse no largo da Igreja, onde aconteciam os leilões, venda de comidas típicas, jogos juvenis e outras atrações. As celebrações eram realizadas por um padre de outra paróquia, a convite do pároco local Padre Ezio. A cada dia era anunciada a Palavra de Deus e um testemunho por cada movimento da Igreja. "A nossa comunidade iniciou o seu caminho com a criação da nova Paróquia Santa Gianna e a consagração da Igreja paroquial no dia 14 de fevereiro de 2009. Estamos continuando o nosso caminho comprometidos na construção das estruturas e, sobretudo, da vida da comunidade na comunhão. Mas para construir a comunidade é preciso ter a participação de todos". Palavras da organização do festejo, exposta no convite, que ensejou, de forma clara, a importância do comprometimento das pessoas para a construção da comunida12

de, sendo que o festejo em homenagem à Santa Gianna "será a oportunidade de dar um passo a mais e ser parte ativa na vida da paróquia".

Paróquia de Santa Gianna Trezidela - Barra do Corda

Paróquia São Francisco de Assis, do Canoeiro, dá início ao festejo do Padroeiro

Por Francisco Matias Mesmo

na

atribulada

Boletim Diocesano “Em Comunhão” - Diocese de Grajaú


campanha eleitoral, ao qual envolve de cheio as comunidades, a paróquia São Francisco de Assis no bairro Canoeiro, em Grajaú, deu início às festividades em honra ao seu padroeiro. A festa teve início dia 24 de setembro e vai até o dia 04 de outubro de 2010 com o tema: "Com Francisco nas pegadas de Jesus". Todos os dias acontecem a reza do terço, missa, novena, festa da comunidade: com leilões, movimento de barracas, venda de comidas e shows com os cantores da terra. No dia 24, houve abertura com carreata, bênção dos motoqueiros e motorista; dia 25, Missa dos doentes e café comunitário; dia 29, Alvorada e caminhada penitencial; dia 1° de outubro, sorteio da SUPER RIFA, com 90 valiosos prêmios; dia 02, Momento de louvor animado pela Renovação Carismática Católica; dia 03, Procissão de São Francisco e dia 04, encerramento da festa do padroeiro com a Santa Missa. Neste ano devido as eleições, a parte social acontece somente até o dia 1° de outubro, seguindo até dia 04 a parte religiosa. Outra novidade é a realização da Leitura Orante da Bíblia, Terço Meditado e adoração eucarística no lugar da santa missa durante três dias.

Clero de nossa Diocese e CRB fazem reunião em Barra do Corda Nos dias 21 e 22 de Setembro aconteceu, no centro diocesano de pastoral, em Barra do Corda, o planejado encontro dos padres e das irmãs da nossa Diocese. Além dos assuntos tratados e dos planejamentos pastorais, estes momentos são verdadeiras experiências de amizade e comunhão em Cristo; por isso revigoram a alma e o corpo. Como de costume, o encontro foi aberto com uma manhã de espiritualidade, que nesta ocasião foi animada por uma sábia reflexão oferecida por Padre Ezio. Ele, a partir de uns versículos do profeta Jonas, nos ajudou a rever nossas posturas frente o desafio da Missão Continental. Em particular soube, com uma sensibilidade incomparável, desmascarar as fugas e as justificações, com que nós, consagrados, sabemos driblar com habilidade os chamados e os recados, que Deus nos envia; mas Deus, que é craque em misericórdia, sabe aproveitar, também das nossas fraquezas, para nos reconduzir a serviço de Seu Reino. Na parte da tarde do dia 22 sentamos em dois grupos se13


parados, padres e irmãs. Os padres, juntos com nosso bispo Dom Franco, debateram as questões pastorais do momento, ou seja, o processo da Missão Continental, na perspectiva da Assembleia Diocesana de novembro, e as propostas e os projetos, para uma formação integral e permanente dos leigos, em particular daqueles envolvidos ativamente nas articulações pastorais de nossa Diocese. Isso tudo, sempre e somente, no intuito de desenvolver uma evangelização sempre mais contundente nos territórios da nossa Diocese. As irmãs refletiram sobre os aspectos relevantes de nossa presença e ação pastoral. Houve retiro a partir da Reflexão sobre o livro de Jonas. O encontro das irmãs contou com a presença alegre e animadora da Presidente regional da CRB, Irmã Maria do Carmo. Também se reuniram duas comissões restritas: a equipe de coordenação da Missão Continental e o nascente Conselho Econômico Diocesano. Houve ainda uma confraternização para todos, promovida pelas irmãs.

14

Nossa pastoral Coordenações diocesana das pastorais se encontram em Barra do Corda para reunião A reunião serviu para planejamento e avaliação das pastorais para a execução de suas atividades e finalidades. Cada grupo se reuniu individualmente para os trabalhos. As Comunidades Eclesiais de Base (Ceb's), Pastoral da Juventude, Infância Missionária (IAM), Pastoral da Comunicação (Pascom) e Liturgia, se reuniram nos dias 27 e 28 de agosto no centro diocesano de pastoral. O secretário diocesano de pastoral, Padre Marcos Bassani, explicou para os grupos presentes sobre o plebiscito popular pelo Limite de Propriedade da Terra, uma campanha realizada a nível nacional. Incentivou a todos que levassem material de votação para suas paróquias a fim de ajudar na luta pela qual a campanha está mobilizada. A Pastoral Social, Dízimo, Catequese, e Pastoral Familiar, se reuniram nos dias 24 e 25 de setembro, também no centro diocesano.

Boletim Diocesano “Em Comunhão” - Diocese de Grajaú


Pastoral Indigenista Conheça um pouco mais sobre a presença da Igreja entre os Povos Indígenas Acampamento “Nós existimos” - Terra e vida para os coletores e caçadores Awa-Guajá

Nos dias 02 e 03 de agosto aconteceu na cidade de Zé Doca-MA, o acampamento em solidariedade ao Povo Awa-Guajá. Dos nove Povos Indígenas presentes no Maranhão, este é o de contato mais recente, apenas 50 anos. A população Awa é de aproximadamente 400 pessoas, incluindo os grupos que vivem isolados na Terra Indígena Araribóia. O Povo Awa é uma socie-

dade de caçadores e coletores. Vive exclusivamente da floresta e dela depende para continuar a existir. Sua terra tradicional foi demarcada e homologada em 2008, mas não desintrusada. A presença destruidora de madeireiros, fazendeiros, caçadores e povoações não indígenas na área compromete assustadoramente este Povo. O acampamento foi o espaço para eles se apresentarem, pela primeira vez à cidade, ao país, ao mundo para dizer: “NÓS EXISTIMOS!” O evento foi articulado pelo Cimi-MA e teve grande apoio dos Bispos do Regional Nordeste 5. Ao final do acampamento as instituições presentes assinaram uma carta-denúncia, reivindicando urgência no processo de retirada dos não índios da área, para que este Povo possa continuar a viver a seu modo, numa relação de reciprocidade com a Mãe Natureza.

Mulheres indígenas discutem Lei Maria da Penha Mulheres Guajajara da Terra Indígena Arariboia (região do município de Arame), se reuniram nos dias 12 e 13 de agosto para conhecer e refletir a Lei 15


Maria da Penha, e como esta pode ser aplicada nas comunidades indígenas. Participaram 84 mulheres de 17 aldeias (casadas e jovens), mais umas dezenas de crianças e alguns homens.

A Lei foi elaborada sem a participação das mulheres indígenas, contudo, ela é para todas: “Toda mulher, independentemente de classe, raça, etnia, orientação sexual, renda, cultura, nível educacional, idade e religião, goza dos direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sendo-lhe asseguradas as oportunidades e facilidades para viver sem violência, preservar sua saúde física e mental e seu aperfeiçoamento moral, intelectual e social” (Art. 2º). Misturadas às cantorias e orações, ao som do maracá, as mulheres partilharam os tipos de violência que sofrem em suas aldeias, na família e na sociedade: o uso abusivo de bebida alco16

ólica leva a agressões físicas, palavras grosseiras, perda do respeito; casamento com homem não índio que entra na aldeia para traficar maconha, vender madeira... depois abandona a índia com as crianças; o atendimento discriminatório nos serviços de saúde; a prostituição de jovens índias na cidade para conseguir dinheiro; mulheres exploradas pelos parentes e comerciantes através do cartão da aposentadoria e do bolsa-família; crianças e jovens não obedecem as avós. À pergunta: Como reagem às agressões, e como reage a comunidade? - as saídas são poucas: no passado, o índio que fazia mal a uma mulher, era amarrado a um tronco, ou preso numa casa, ou tinha que roçar o pátio da aldeia... hoje ninguém mais faz isso; falta de controle na aldeia por parte das lideranças; as instituições indigenistas federais (FUNAI e FUNASA) não dão mais assistência, ninguém sabe a quem recorrer; na delegacia a humilhação é ainda maior... Como aplicar a Lei Maria da Penha nas comunidades indígenas? O desafio já é grande na sociedade envolvente, pois nesta região do país as leis existem para não serem aplicadas, maior ainda entre os povos indígenas. Conhecer, contudo, os di-

Boletim Diocesano “Em Comunhão” - Diocese de Grajaú


reitos das mulheres é importante, e uma saída deve haver. “Queremos um basta de violência contra nós mulheres indígenas, queremos nossos direitos, assim como a mulher branca tem”. Elas se comprometeram a conversar em suas aldeias com as outras mulheres e com as lideranças, retomar as normas de seu povo, para que juntos sejam tomadas medidas a partir da organização interna e depois levar os casos de violência ao conhecimento das autoridades na cidade. As mulheres gostaram do encontro e pedem a continuidade, para que possam caminhar mais unidas, na partilha de saberes e vivências, e na luta pelos seus direitos.

Realizado a Assembleia Cimi e Pastoral Indigenista do Pará e Maranhão A Assembleia do Cimi e Pastoral Indigenista aconteceu em Santarém, estado do Pará, entre os dias 23 a 28 de agosto de 2010, com a presença de missionários do Cimi e agentes da Pastoral Indigenista do Pará e Maranhão. Foi um espaço muito significativo para fortalecer a mística na causa indígena, conhecer os

“grandes projetos de crescimento” na região e os impactos sobre os povos indígenas, avaliar e repensar estratégias de ação e presença como Igreja de Jesus junto a nossos irmãos indígenas.

A Igreja Católica em Aldeias Indígenas Aumenta consideravelmente as solicitações para a presença da Igreja Católica em aldeias indígenas. Isto nos alegra, porque é sinal que os Povos Indígenas vão superando de forma muito sábia os traumas e entraves vividos desde o Conflito de Alto Alegre. Cresce também a aproximação por parte de alguns sacerdotes e animadores da Diocese. Os índios desejam o batismo para suas crianças, pois para eles é um sinal do reconhecimento que a Igreja faz de sua presença e valor como seres humanos, tão dignos quanto os “brancos”. A celebração do sacramento é precedida de várias visitas à aldeia, de encon17


tros celebrativos, de partilhas de saberes e vivências, com muito respeito. É impressionante o crescimento das Igrejas evangélicas nas aldeias, causando, inclusive divisões internas. Muitos indígenas distinguem bem o modo de ser nosso, e expressam o desejo de que nossa presença seja ainda maior.

Missão Continental e Povos Indígenas Quem está disposto a entregar um pouco de seu tempo para ser missionário em aldeias, ou mesmo nos bairros de Arame, Itaipava, Barra do Corda e Grajaú? Há um grande número de indígenas residindo, estudando na cidade... Aguardamos sua resposta generosa! Entre em contato: Pastoral Indigenista – Irmãs Ana Lúcia e Custódia – Fone: (99) 3532 8942.

Leigos se encontram no 2° encontro diocesano de carismas e movimentos Por Francisco Matias O encontro foi realizado nos dias 06 e 07 de agosto de 2010, no Centro Diocesano de 18

Pastoral, em Barra do Corda, e teve a finalidade de dar continuidade à reflexão iniciada no encontro do ano passado acerca da presença dos carismas no meio da comunidade cristã e sua participação na missão evangelizadora da Igreja. O encontro contou com a presença de 30 leigos de 07 paróquias da Diocese, que durante dois dias refletiram sobre a Missão Continental e como nossos leigos e leigas poderão se envolver neste compromisso de renovação profunda da vida e da missão de nossas comunidades. O assessor Frei Dourival Ribeiro Miranda, membro da Comissão Diocesana de Animação Missionária, ajudou os presentes a refletirem à luz da Conferência de Aparecida, as riquezas dos carismas e dons do Espírito Santo neste esforço de conversão missionária. O bispo diocesano, Dom Franco Cuter, marcou presença e manifestou sua alegria pela presença e respostas que os leigos estão dando em querer assumir com convicção esse projeto da Missão Continental na Diocese. Ao final do encontro houve eleição da nova coordenação que iria representar os leigos na Diocese. Foram eleitos o casal Ivan Ribeiro e Socorro Lima, das

Boletim Diocesano “Em Comunhão” - Diocese de Grajaú


Equipes de Nossa Senhora, paróquia Santa Gianna Beretta Molla, e Poliana Gomes da RCC, paróquia Santa Cruz, ambas da cidade de Barra do Corda.

cisco Matias, o encontro foi positivo, mas faltou maior empenho das paróquias ou até dos agentes de comunicação de participarem do mesmo.

Pascom diocesana reúne comunicadores das paróquias

No momento do intervalo, os participantes do encontro, visitaram os estúdios da TV Santa Clara, Rede Nazaré de Belém. A equipe da TV acolheu a todos com alegria e mostraram com muita satisfação as instalações da mesma.

O encontro aconteceu por ocasião do Encontro diocesano das Coordenações, atividade já prevista e realizada todos os anos pela diocese. A finalidade do encontro é dar oportunidade às coordenações de cada pastoral de avaliar e planejar a caminhada como também ser um espaço de formação e troca de experiências. No encontro da Pascom participaram 05 pessoas, onde puderam estudar e aprofundar o que diz os documentos de Aparecida e das Diretrizes Gerais da Igreja no Brasil sobre a Pastoral da Comunicação e sua missão nas comunidades. Houve momento de avaliação e troca de experiência; palestra “como fazer um planejamento da pastoral da comunicação” e compromisso de assumir com mais convicção as atividades da Pascom na diocese e paróquias. Para o coordenador Fran-

Grupo Junac, da Catedral de Grajaú, realiza 1º FESTVOCARE O grupo de jovens Junac (Jovens Unidos no Amor de Cristo), da Catedral de Grajaú, realizou, dia 04 de setembro, na quadra de esportes do centro pastoral paroquial Dom Emiliano Lonati, o 1º FESTVOCARE (Festival Vocacional), pelo mês de agosto ser dedicado às vocações. Devido a outros motivos o festival teve que acontecer na primeira semana do mês de setembro. Dezenas de pessoas compareceram para apreciar o evento, que contou ainda com a presença marcante de muitos jovens vindos da cidade de Sítio NovoMA, que vieram com um grupo 19


musical para concorrer ao festival. Na abertura do festival a Companhia Fazer acontecer, dirigida pela coreógrafa Kátia Rossana, apresentou seu espetáculo com dança, para abrilhantar ainda mais o evento. O festival podia ser concorrido tanto com interpretação de músicas, sendo

inéditas ou não, como declamação de poesia ou com coreografias. Dez comunidades concorreram às premiações de primeiro, segundo e terceiro lugar. Passaram ainda pelo evento o pároco da Catedral, Frei Luís, e o nosso bispo, Dom Franco Cuter. O coral Encanto de Luz, da matriz de nossa diocese, ganhou o prêmio de primeiro colo-

EXPEDIENTE

Redação:

Marcelo Cavalcante, e Colaboradores Desenho, direção e diagramação eletrônica: Marcelo Cavalcante.

cado, interpretando a canção Navegar. Em segundo lugar ficou a Banda Delta5, interpretando a canção Nuvens, música de autoria do próprio grupo. E em terceiro lugar ficou a Banda Nova Geração, da cidade de Sítio Novo, interpretando uma canção de Padre Zezinho, no qual não tivemos a informação do nome da música.

Coral Encanto de Luz, da Catedral de Grajaú, campeão do 1º FESTVOCARE

Jesus Cristo, razão do nosso viver. Glórias e louvores a Ele para sempre! EDITA: SETOR DE COMUNICAÇÃO DIOCESE DE GRAJAÚ Pça. Dom Roberto Colombo, 60 Cidade Alta - Cx. Postal 13 65.940-000 - Grajaú-MA Fone: (99) 3532-6278 Fax: (99) 3532-6405 E-mail: curia@diocesegrajau.org.br Portal na Internet: www.diocesegrajau.org.br

BOLETIM DIOCESANO - SETEMBRO E OUTUBRO  

Ano 12, Nº 5 - Setembro e Outubro - 29/09/2010 - Tiragem 1.000 exemplares.