Page 1

Perfil

Irit Czerny

dedicação e trabalho são a essência do sucesso

Um tour pela

Casa Cor Paraná 2011 Uma dupla ímpar:

Luiz Maganhoto & Daniel Casagrande

Curitiba reluz!

Ano 2 - 12ª edição Julho | 2011

Exposição de jóias em ouro AuDITIONS Brasil


Índice

Ano 2 - 12ª edição - Julho | 2011

06

58

06 Perfil

48 Bem estar

18 Curitiba em Foco

52 Reportagem Especial

38 Artes &

58 Moda

Irit Czerny

Espetáculos


59 60

62 62

72

60 Decoração

78 Notas rápidas

72 Zoom

84 Arte | Crônica


Aos leitores Aos leitores

A capital paranaense esteve agitada nestes dias. Muita música, exposições, grandes eventos, peças teatrais, filmes e muita coisa para distrair as cabeças mais estressadas. O curitibano teve que dar um tempo em sua correria atrás do dinheiro, para curtir e liberar tensões. Aqui do lado, ainda na região metropolitana, a Prefeitura Municipal de São José dos Pinhais, através da Secretaria da Cultura, apresentou no Museu Atílio Rocco, dia 16 de junho, às 19 horas, no programa “Pipoca no Museu”, o curta-metragem, “A Mancha que Marca”, duração – 19m33s - drama (classificação 12 anos), produção e direção do fotógrafo sãojoseense João Fernandes. Para quem foi, aproveitou o gosto da arte da terra. Logo após o espetáculo “Vida”, da Companhia Brasileira de Teatro, acabou encerrando a temporada no dia 19 de junho, domingo, no Teatro José Maria Santos. Eleito o melhor espetáculo de 2010 com o prêmio Bravo! Bradesco Prime de Cultura, ganhou também cinco Troféus Gralha Azul de teatro paranaense. Logo, foi imperdível. A Caixa Cultural apresentou, entre os dias 24 e 26 de junho, Lucas Santtana em um show acústico, que comemorou 10 anos de uma carreira pra lá de intensa. Não bastasse isso ainda tivemos a Casa Cor do Paraná 2011, mostrando o talento de nossos artistas arquitetos e decoradores. E assim foi acontecendo a vida social da cidade... Mas, aqueles que pensam que julho será marasmo, longe disso. Muita coisa vai rolar na noite e a nossa capital ainda irá receber o AuDITIONS Brasil, concurso de design de joias em ouro, promovido


pela AngloGold Ashanti, que exibirá ao público a sua mais recente coleção. Isso tudo acompanhado da bela Luiza Brunet, em ótima forma física, como sempre, que virá como a madrinha dessa coleção de tirar o fôlego dos apaixonados por jóias. A coleção “Sincronicidade: valores humanos através dos tempos”, composta por 24 joias conceituais poderá ser apreciada pelo público curitibano em primeiríssima mão. Serão feitas exposições itinerantes, que percorrerão centros culturais de cinco capitais brasileiras. E ela começa por aqui... Portanto, tudo que nossos leitores querem ler está contido aqui nessas páginas digitais. Programem-se e divirtam-se muito!

Silvia Regina Pellegrino Freitas da Rocha

Editora

Expediente Ano 2 - 12a. edição Edição, Produção e Publicação BOLETIM CULT Editora: Silvia Regina Pellegrino Freitas da Rocha Jornalista Responsável: Isabelle Soares Programação Webmaster: Eduardo Schubert Design Gráfico e Diagramação: Sibelle Rieping Colaboradores: Natália Begui Bortolaz Revisor de Textos: Paulo Roberto Freitas da Rocha Marketing: Mari Rieping


Perfil

Irit Czerny

Irit Czerny conversa com a Viver Estilo e mostra como trabalho e dedicação são fatores essenciais para uma empresa de sucesso. por Mari Rieping


Para começar a nossa entrevista, quero te perguntar: Quem é Irit Czerny e como tudo começou? Eu comecei a trabalhar muito cedo, não decidi uma profissão por conta própria. Comecei a trabalhar por necessidade mesmo, ajudando meu pai (Amnon Czerny), que começou neste ramo também por necessidade. Ele é Agrônomo, e chegou ao Brasil como imigrante. Então ele achou que vender roupa era mais simples. Algumas vezes ele ia para São Paulo, comprava de importadores e revendia. Aí ele montou uma indústria bem pequenininha, e eu desde criança o acompanhei. Tenho mais dois irmãos, mas eu fui a que mais se identificou com o negócio. Comecei a trabalhar com 15 anos, e aos 20 anos eu praticamente assumi a empresa, porque meu pai tinha sofrido um acidente na época. Dali pra frente eu já comecei a atuar na gestão da empresa, e depois ele retornou. Formei-me em Administração pela FAE, e acabei me apaixonando pela indústria em si. Se eu for me resumir, posso dizer que sou uma pessoa apaixonada pelo trabalho, mas o trabalho mesmo como significado, como uma fonte geradora de serviços. A moda veio ao longo dos anos, pois não bastava só fabricar, precisamos nos especializar. Então fui pesquisando e indo atrás para entender qual era o desejo e assim, entender porque as pessoas gostavam daquela roupa, porque hoje em dia a roupa é um desejo. Enquanto era meu pai, ele fabricava mesmo, a Lafort começou como malharia retilínea e depois expandimos. Irit e seu pai Amnon Czerny. Foto: Marcia Toccafondo


Perfil Irit Czerny Chegou uma época em que o tricot estava muito em alta, aí começamos a fabricar tricot também, sempre pela necessidade da procura. Quando você tem um desafio pela frente, de ser o melhor, você tem que ir a fundo neste trabalho. Tanto é que a Lafort tem 50 anos de mercado, e são pouquíssimas as empresas de moda que possuem este tempo.

Qual a receita de sucesso para tanto tempo de mercado?

Foto: Marcia Toccafondo

Primeiro é muito trabalho, não ter medo de desafio, ser apaixonada e gostar muito do que faz – isso é importante demais -, não ver a empresa como uma máquina de trabalho, mas sim, ver a empresa como um ser humano. Um ser humano que tem que crescer aos poucos, tem que ter muita dedicação,


investir na empresa, no pessoal que cuida da empresa, e isso tudo é algo único! Não queira “retirar” tudo da empresa, você tem que “dar” para a empresa, senão vai chegar um momento que a empresa não tem mais nada. Você também tem que fazer com que os colaboradores gostem da empresa tanto quanto você gosta...assim acaba que a empresa seja sucesso por si só! Uma vez numa palestra ouví uma frase muito interessante, que dizia o seguinte: “Todo empresário de sucesso é generoso”. Hoje em dia, se você não for generoso, você não tem sucesso. A empresa tem uma alma própria, então você tem que cuidar muito quase que como um filho.

Quantos colaboradores hoje a Lafort possui?

Foto: Mari Rieping

Temos diretamente 200 colaboradores e mais 200 colaboradores indiretamente.


Perfil Irit Czerny

É difícil denominar somente um... Mas, acredito que quando nos tornamos marca própria Lafort é um dos marcos. Há uns 10 anos, desenvolvemos a marca própria, e começamos a lançar moda e ter uma loja varejo. Outro marco foi há 20 anos, quando começamos a fabricar para grandes marcas e grandes grifes, e fomos reconhecidos no mercado nacional como uma das melhores empresas de desenvolvimento de tricot no Brasil, isso se não for a melhor... (risos) Modéstia à parte, (risos) então estamos entre os melhores, entramos nas grandes grifes – isso sem ter tradição, porque o Paraná não tem tradição de fabricar para grandes grifes e nem de desenvolver tricot -, ou seja, fizemos e ainda fazemos, um trabalho muito bem elaborado! Somos procurados por várias marcas que vem até Curitiba. Estes são os dois grandes marcos da Lafort nestes 50 anos, e claro, o primeiro, quando meu pai iniciou a malharia, bem devagarinho e por necessidade de trabalho.

Fotos: Mari Rieping

No seu ponto de vista, nestes 50 anos, qual foi o marco da Lafort?


Fazemos muita pesquisa! Temos uma equipe de Estilo, que é coordenada pela Lea Okamoto – que está comigo há 10 anos – e estamos investindo em novos talentos, como aconteceu com a nova linha LF. A Lafort possui uma essência muito feminina, muito glamorosa...Ela também é despojada, mas ao mesmo tempo muito elegante... então esta é a essência da Lafort. Quando a gente começa a pesquisar tendências, escolhemos um tema e em cima deste tema, desenvolvemos as coleções. Um exemplo disso é o inverno passado, cujo tema foi “Théâtre de La Mode” - importante movimento da cultura francesa dos anos 40 e 50, que ajudou a reconstruir um novo cenário para o país, no período que sucedeu a Segunda Guerra Mundial -, e já a nova coleção de verão 2011 estamos trabalhando muito com estamparia. A nova coleção de verão - já vou antecipar - se chama “Jardins de Monet”, que tem muito a ver com a coleção nossa, bem colorido e bem feminino! A gente se reúne e sempre vem uma inspiração, e claro, estamos sempre atentos às tendências internacionais. As estilistas Lea Okamoto e Luiza Fayad com Irit Czerny.

Foto: Ricardo Pacak

E no que você se inspira para criar as coleções?


Foto: Marcia Toccafondo

Perfil Irit Czerny

Irit, quais são os próximos desafios para os próximos 50 anos? Olha só... (risos) aí já não é nem comigo mais, já entrarão os meus filhos! Mas assim, os próximos desafios eu penso que é se fixar no mercado nacional com a marca própria, talvez abrindo mais lojas, entrando em mais multimarcas. Hoje nós temos 120 pontos de venda no país. Talvez esse seja o novo desafio. E claro, se manter no mercado, já que manter uma indústria no Brasil já é um super desafio. Se manter no mercado, como uma empresa correta, 100% tudo caminhando, é realmente um desafio!


A Lafort possui programas sociais. Conta pra gente um deles, como funciona? Hoje o programa que nós mais nos dedicamos é o programa para as presidiárias. É um programa bem interessante, onde realizamos um treinamento dentro do presídio. São nossos colaboradores que treinam, e, para estas pessoas que participam do programa, não só reduz a pena delas, como também elas são remuneradas como qualquer colaborador. A gente prepara para que, no fim da pena elas tenham a possibilidade de trabalhar aqui na empresa. É uma inclusão social. Está funcionando muito bem, já tivemos inclusive reconhecimento do Governo, então é sem dúvida um dos programas mais importantes que temos feito. Faz parte da vida do empresário se preocupar também com a sociedade.

Staff da Lafort: A gerente comercial para assuntos de atacado, Andréa Fior, a diretora de estilo da marca, Irit Czerny e as gerentes da loja Lafort do ParkShopping Barigüi, Silvia Leal e Rosa Leal (Foto: Marcia Tocaffondo).


Perfil Irit Czerny Irit, você é mãe, empresária e ainda joga tênis...Como você consegue conciliar todas as atividades? Existe um ditado que diz mais ou menos assim: “peça para uma pessoa ocupada que ela sempre vai arrumar um tempo... peça para um desocupado, que ele sempre vai dizer que não tem tempo”. Então eu consigo fazer tudo, sabe? O que eu não faço é sair durante a semana. Tenho um filho que está morando e estudando nos EUA e tenho outro filho menor que está aqui. Com o menor eu tento almoçar todos os dias. Se eu tenho um compromisso social, eu sempre vou também. O meu segredo é dormir cedo e acordar cedo. Até que acabo conseguindo fazer tudo... dá tempo!

Para finalizar...Irit, como você vê o futuro da moda? Hoje eu estava conversando com meu Financeiro e falamos “que bom que estamos numa época em que podemos usufruir dessa tecnologia toda”. É impressionante! Ontem mesmo eu estava conversando online com meu filho que está nos EUA, e ao mesmo tempo com meu irmão e meu pai que estão em Israel. Isso tudo num fuso horário de 12h de diferença...tudo ao mesmo tempo e sem custo nenhum. Partindo disso, a moda ficou tão “just in time” que, qualquer coisa que é lançada lá fora, no mesmo segundo a gente já consegue ver aqui no computador. A ideia então é: Focar na personalidade da tua empresa. Aí as pessoas se identificam e se enxergam ali, e acabam procurando você. Não adianta você querer “abraçar o mundo” porque você não vai conseguir. Se você oferecer tudo para agradar todo mundo, você não consegue. A moda é isso, é se profissionalizar cada vez mais no segmento que você se propôs a atuar, e fazer tudo sem jamais perder a sua verdadeira essência. Desfile da Coleção do Inverno 2011 Théâtre de la Mode


Foto: Ricardo Pacak


Curitiba em foco Sale Spezzato... A Spezzato, em Curitiba, comandada pela empresária Francelli Cavalca, já começou a disputada liquidação. Para quem quiser renovar o guarda-roupa para o frio com modelos luxuosos e estilosos é uma ótima oportunidade de aproveitar os descontos da Coleção Inverno 2010, que chegam a 40%.

Foto: Divulgação Spezzato

A loja localizada da Alameda Presidente Taunay, 1045, Bigorrilho, oferece ainda facilidade no pagamento. Aproveitem!!


Novidades no cardápio do Citra Bar esquenta o inverno Inspirado pelo friozinho curitibano, o Citra Bar renovou seu cardápio, trazendo novos pratos da culinária japonesa e tailandesa, especialmente pratos quentes. São doze novas opções, que vão desde entradas e petiscos a combinados. O sushiman Erasmo Ribeiro foi responsável pelas mudanças na cozinha oriental da casa. “Com frequência o Citra traz novidades. Dessa vez, buscamos alguns pratos quentes japoneses que são pouco conhecidos”, conta. “A casa continua com a proposta de ser um bar, mas o cardápio tem o cuidado e qualidade de um restaurante. Não ficamos apenas nos sushis e sashimis”. Merecem destaque especial os pratos quentes da gastronomia oriental. O Wantan Fish é um tipo de pastel tailandês recheado com peixe e molho especial Citra (porção a R$ 12). Já o Haromaki Filadélfia traz uma fina massa frita com o recheio do Sushi Filadélfia (salmão e cream cheese) – preço: R$ 20. “É uma maneira de apresentar o sabor da cozinha oriental para quem não está


Curitiba em foco acostumado com o sushi de arroz e algas, por exemplo”, diz Ribeiro, que é sushiman do Citra há um ano e meio. As casquinhas também fazem sucesso, como aperitivo. Com uma massa crocante, tem recheio de peixe branco grelhado e temperos picantes (R$20). Ainda no segmento de petiscos ou entradas quentes, há o furay (iscas de peixe empanado com creme de salmão – R$ 15). Para duas pessoas, o Salmão no cartoccio é uma surpresa: o nobre peixe vem com cogumelos, shimeji e abacaxi, numa mistura agridoce, assado envolto em papel alumínio (R$ 18). Novidades Frias A casa também traz novos pratos frios. O teishoko é um combinado de quatro pratos em um para petiscar ou servir como entrada (R$ 12). Traz polvo marinado no limão, shitake batayaki (cogumelos na manteiga com saquê), tartar ceviche (salada de peixe com limão) e sunomono (salada agridoce com pepino e kani). O carpaccio de salmão com creme de maracujá é outra novidade, que já conquista pelo visual (R$ 36). Entre os combinados, uma ótima pedida é


o combinado contemporâneo, com sashimis de atum e salmão em crosta de gergelim e sushis como o Filadélfia especial, no qual o arroz vem misturado com ovas de massago. Tem 31 unidades e custa R$ 66. Bebidas O cardápio do bar recebe também duas novidades exclusivas: a caipirinha de Yakult e o Citrapagne, drinque feito com saquê, maçã e espumante. A caipirinha de Yakult foi escolhida pelos clientes do bar, num concurso realizado no fim do ano passado. Leva vodka, uma fruta a escolher, gelo, açúcar e a bebida láctea Yakult. Citra Bar Rua Itupava, 1163 – Alto da XV – Curitiba Fone: (41) 3328-7668 www.citrabar.com.br

As arquitetas Cláudia Michelin Horta, Olga Bergamini e Karin Nietzke.


Curitiba em foco

Caixa Cultural apresentou Acústico Lucas Santtana - 10 anos de carreira A Caixa Cultural apresentou, entre os dias 24 e 26 de junho, Lucas Santtana em um show acústico, que comemorou 10 anos de uma carreira pra lá de intensa. Quem nunca ouviu falar no artista e acha que não conhece nada de seu trabalho muito provavelmente se engana: nos últimos 10 anos este rapaz, baiano de Salvador, trabalhou como instrumentista com nada mais, nada menos, que Gilberto Gil (gravou o álbum ”Unplugged”, tocando flauta e sax); Marisa Monte (no álbum Memórias, Crônicas e Declarações de Amor, na guitarra e no violão) e com o inesquecível Chico Science, no impagável Afrociberdelia. E não para por aí: Lucas teve composições gravadas por Fernanda Abreu, Daniela Mercury, Adriana Calcanhoto, Marisa Monte, entre outros.


Qual é o estilo de Lucas Santtana? Complicado definir. Trata-se de um artista difícil de catalogar. “Não classifico meu som. É uma mistura de muitas coisas”, afirma Lucas.Seu estilo é “livre”: uma mistura daquilo que gosta. Em seus shows transita com facilidade do chorinho ao rock. Nascido em meio a uma efervescente cena musical baiana, filho do produtor musical Roberto Santtana e primo de Tom Zé, faz parte da história de Lucas o tropicalismo e as experiências musicais dos Novos Baianos. Suas composições explicitam tanto uma ligação com essas “tradições” da música popular brasileira, como influências do afrobeat, dance, música eletrônica, dub, funk carioca... Dentre seus trabalhos estão os discos “Eletro Bem Dodô” (2000), “Parada de Lucas” (2003), “3 sessions in a greenhouse” (2006) e “Sem Nostalgia” (2010). No repertório do show acústico que aconteceu na CAIXA Cultural (Rua Conselheiro Laurindo, 280), Lucas Santtana apresentou músicas de seu último disco, “Sem Nostalgia”, com arranjos bem próximos aos do CD, e foram revisitadas composições significativas da trajetória do artista, como “Amor em Jacuma”, “Cira Regina e Nana” e “Mensagem do Amor”. Acompanhando Lucas nesse show estiveram, nos violões, Regis Damasceno (do Cidadão Instigado e do Mr. Spaceman) e, na mpc e percussões leves, Bruno Buarque (que trabalha com Céu e Barbatuques). Este projeto só foi possível graças ao patrocínio da Caixa. Para quem foi, curtiu! Para quem não foi, agora é esperar...


Curitiba em foco

A Vida é um espetáculo!

O espetáculo “Vida”, da Companhia Brasileira de Teatro, acabou encerrando a temporada no dia 19 de junho, domingo, no Teatro José Maria Santos. Eleito o melhor espetáculo de 2010 com o prêmio Bravo! Bradesco Prime de Cultura, ganhou também cinco Troféus Gralha Azul de teatro paranaense.

vida

No segundo semestre deste ano, a companhia vai cair na estrada. Fará apresentações em cinco cidades do Nordeste, com patrocínio da Petrobras Distribuidora. E ainda contará com participações nos Festivais de Blumenau, Brasília e Recife. A montagem é dirigida por Márcio Abreu e traz no elenco Giovana Soar, Nadja Naira, Ranieri


a

Gonzalez e Rodrigo Ferrarini. O texto de “Vida” é baseado num profundo estudo sobre a obra do poeta curitibano Paulo Leminski. Trata das transformações pelas quais as pessoas passam: intimamente, com os outros e com o meio. A ação se passa numa cidade imaginária, na qual dois homens e duas mulheres integram uma banda. Eles ensaiam para uma apresentação de comemoração do jubileu da cidade. Fechados em uma sala, revelam comportamentos, relações, conflitos e histórias. A estréia foi em março de 2010, no Festival de Curitiba. Depois rodou palcos como o do Festival Internacional de Teatro (FIT), Palco & Rua, de Belo Horizonte (MG), o MIRADA – Festival Ibero Americano de Artes Cênicas, em Santos (SP), e o Festival Internacional de Londrina (FILO). Realizou também temporadas no Rio de Janeiro e São Paulo.


Curitiba em foco

Gaetano Pesce faz palestra em Curitiba No dia 27 de junho, o arquiteto e designer italiano Gaetano Pesce fez uma palestra no Auditório Poty Lazzarotto, no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba. Ele veio a convite da produtora Consuelo Cornelsen que, recentemente, organizou a exposição de Carlos Motta e, em 2010, esteve à frente das exposições “Modernos Brasileiros +1” e “Matín Chambi”. Pesce é conhecido por seus objetos de cores intensas, formas orgânicas e materiais inusitados. Abaixo, destacamos La Mamma Chair. Como arquiteto, propõe uma integração total entre o indivíduo, construção e ambiente, valorizando o lado prático sem esquecer o aspecto emocional. O Italiano de La Spezia tem escritório em New York, mas suas criações estão espalhadas pelo mundo e seus trabalhos integram coleções permanentes do MoMA (Museu de Arte Moderna de New York), do Musee des Arts Decoratifs e no Centro George Pompidou, de Paris, do Design Museum, de Londres, do Moka de Los Angeles, da Trienalle di Milao e do CCA de Montreal.


A Prefeitura Municipal de São José dos Pinhais, através da Secretaria da Cultura, apresentou no Museu Atílio Rocco, dia 16 de junho, às 19 horas, no programa “Pipoca no Museu”, o curta-metragem, “A Mancha que Marca”, duração – 19m33s - drama (classificação 12 anos), produção e direção do fotógrafo sãojoseense João Fernandes. O Museu Atílio Rocco busca incluir como patrimônio histórias e experiências humanas, dentro de aspectos cronológicos e em várias linguagens artísticas e culturais e para isto tem realizado diversas atividades, que envolvem a sociedade em todas as faixas etárias, através de programas como Quarta no Museu, O Museu e a melhor idade, Participação na Semana de Museus, Reestruturação do projeto Museu/Escola, Pipoca no Museu, entre outros.


Curitiba em foco João Fernandes é fotógrafo profissional e desde 2008 atua no Departamento de Comunicação Social da Prefeitura de São José dos Pinhais. Participou de várias exposições, destacando: 1º Concurso / Mostra de Fotografias & Cidades, PUC - CENEGAU (2004); Exposição Individual “Olhando São José dos Pinhais”, Câmara Municipal de São José dos Pinhais (2004) e Mostra Paranaense de Artes Visuais - Região Leste, Secretaria de Estado da Cultura do Paraná (2006). O curta-metragem é resultado do TCC (trabalho de conclusão de curso) do Curso de Cinema Digital do Centro Europeu. “A Mancha que Marca” retrata sobre os conflitos familiares entre a artista plástica Mariliz, sua filha adolescente e rebelde Tainara e seu atual parceiro Jorge. Temas como separação, traição, descontentamento, comportamento, nas relações modernas e conflituosas, vividas na contemporaneidade, são retratados de forma sensível e intensa. Sobre o curta, João Fernandes destacou “Enquanto Mariliz procura uma saída, Tainara reina absoluta na inconsequência de seus 15 anos. Arrastado para um labirinto de emoções, Jorge tenta reconstruir sua vida. Dos encontros e desencontros desses personagens surge uma narrativa envolvente. Um drama da vida transportado para as telas.”


João Fernandes (diretor do curta), os atores, Antonio Freitas, Luana Monteiro Sitoni, Katia Velo (artista plástica e colunista), Márcia Talaska e Andreza Figueiredo

A Diretora de Arte, Juliane Thá, selecionou as obras da artista plástica Katia Velo para compor o cenário da artista plástica Mariliz. Sobre este convite, a artista declarou “Sempre fui admiradora das fotografias de João Fernandes pela qualidade técnica e sua extrema sensibilidade, mesmo assim, fiquei surpresa com o resultado do curta e adorei ver minhas telas em grande dimensão.” A Diretora do Museu Atílio Rocco, Zelinda Fialla, declarou “O programa ‘Pipoca no Museu’, tem como um dos objetivos aproximar as pessoas do ‘espaço museu’, abrir as portas no sentido de oportunizar outras linguagens culturais e trazer as pessoas para dentro da instituição. O primeiro passo foi dado, dentro de critérios de pesquisa de público, com uma seleção proposta de filmes nacionais/educativos/culturais, sempre com o foco em valorizar o que é nosso. Surgiu então a oportunidade de mais um canal, uma parceria, com a proposta do João Fernandes, e isso é apenas o começo.”


Curitiba em foco

Paulo Vítola ocupa cadeira na Academia Paranaense de Letras O músico, compositor, poeta, cronista, jornalista e publicitário, Paulo Vítola é o novo ocupante da Cadeira nº 25 da Academia Paranaense de Letras. Na segundafeira (27), às 20 horas, aconteceu, sob a presidência do Acadêmico Eduardo Rocha Virmond, a solenidade de posse no Teatro Paiol (Praça Guido Viaro, s/nº). Atualmente na presidência da emissora E-Paraná, o novo Acadêmico Paulo Vitola foi saudado por René Dotti. Pela primeira vez em 75 anos, uma sessão solene da Academia Paranaense de Letras será mostrada ao vivo pela televisão. O governador Beto Richa confirmou presença. Na ocasião haverá um pocket show com parceiros de Paulo Vítola. Curitibano de 1947, Paulo Vitola foi o parceiro de Lápis, na época dos grandes festivais de MPB. Na música também assinou os primeiros sambas de enredo para o Carnaval de Curitiba na Escola de Samba Não Agite. Na área teatral destacou-se como parceiro de Adherbal Fortes nas peças Cidade sem portas e Terra de todas as gentes; a primeira, o maior sucesso de público de todos os tempos no Teatro Paiol, e a segunda, o espetáculo que inaugurou o Guairão em 1974. Desempenhou importante papel como agitador cultural, ao idealizar e liderar o Mapa, movimento que


reuniu os compositores da cidade em espetáculos memoráveis no Paiol. Como escritor lançou em 2008 o livro Chucrute & Abacaxi com Vinavuste, uma reunião de crônicas e poesias, que publicou na imprensa.

Beatles em Curitiba John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr aterrisaram em Curitiba no dia 2 de julho. Pelo menos essa é a sensação que Sandro Peretto, César Kiles, Thomas Arques e Renato Almeida, do grupo All You Need Is Love, passaram ao público com o maior espetáculo “Beatle” da América Latina, que foi apresentado no grande auditório do Teatro Positivo. O quarteto chega para prestar seu tributo em grande estilo com um show especial e aposta em arranjos originais, instrumentos vintage, repertório amplo e na fidelidade de vozes, figurinos, e trejeitos para proporcionar aos espectadores a sensação mais próxima de estar diante do quarteto de Liverpool. O concerto, que está percorrendo o País, conta com orquestra, regida por Anselmo Ubiratan (que interpreta George Martin, produtor considerado o quinto beatle), efeitos especiais, instrumentos vintage, projeções e figurinos com fidelidade cênica e sonora. No repertório estão “I Want To Hold Your Hand”, “Help”, “Hey Jude”, “Yellow Submarine”


Curitiba em foco “Let It Be”,” Lucy In The Sky With Diamonds”, “Here Comes the Sun” , “Ticket to Ride” e, claro, “All You Need Is Love”. Com instrumentos e vestuário semelhantes aos usados pelos garotos de Liverpool, a montagem tenta reproduzir com fidelidade a magia da banda de maior sucesso do século XX. A bateria, uma Ludwig de 1962, tem a mesma marca e ano da usada por Ringo Starr e o baixo Hofner é semelhante ao que Paul McCartney tocava. Já os figurinos recuperam as quatro fases dos Beatles: os terninhos comportados dos tempos do Ed Sullivan Show; as peças mais descontraídas do segundo disco, With The Beatles; os trajes coloridos e psicodélicos de Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club e The Magical Mystery Tour e o visual mais sóbrio da época de Abbey Road. A banda é a única no Brasil que obteve os direitos de gravação do DVD e comercialização das músicas dos Beatles. Os direitos autorais foram cedidos e autorizados pela Sony Music, através do Copa Music. O box DVD, que tem mais de 40 músicas de todas as fases dos Beatles, foi gravado com 10 câmeras em full HD, em janeiro de 2010, no HSBC Brasil, com casa cheia.


Viva gostinho espanhol de Valência!

A tradicional paella Valenciana foi o grande destaque da edição de junho do Festival Gastronômico do Restaurante Gonzales y Garcia (Av. Visc. do Rio Branco, 948). Sempre trazendo novidades a cada edição, o evento teve como chef convidado Ricardo Teruchkin. Além da paella, foi servida uma seleção de entradas e bebidas, como chopp e sangria, tudo por um preço único: R$ 85 por pessoa. O chef assumiu as panelas pela terceira vez no festival. Nas edições anteriores, preparou uma paella marinera (só com frutos do mar) e outra ao estilo “campero” (com carnes). Na Valenciana, trouxe uma leitura diferente, com outros ingredientes e tendo na base a mistura de frango com frutos do mar.


Curitiba em foco Iguaria tradicional na Espanha, a paella valenciana foi criada por volta do século XV, feita por camponeses, com carnes de caça e legumes da estação. O prato fez sucesso e chegou às cidades litorâneas, que adicionaram frutos do mar à receita. Para o festival, Teruchkin deu o seu toque especial à iguaria. “Na minha receita apresento terra e mar na mesma paella: arroz, cebola, pimentão, açafrão, caldo de frango, frutos do mar e frango”, conta o chef. Foram servidas entradas de degustação e vinhos, inclusos no ingresso único de R$ 85 por pessoa, mais o serviço. Foram quatro tipos de entrada: lula crocante, caçarola de bacalhau, camarão crocante e jamon serrano (tipo de presunto típico da Espanha). Os pratos foram harmonizados com os chopes Heineken, Sol e Xingu e sangria. O clima do jantar foi comandado pelo show da banda Jazz Cigano, que interpretou ritmos latinos e instrumentais. O Jazz Cigano Quinteto tem sua base em uma formação de jazz manouche, gênero muito popular surgido na década de 1930 na França. A maneira de tocar de virtuoses como Django Reinhardt e Stéphane Grappelli, inspirou os jovens músicos paranaenses a montar o grupo, que desde seu princípio não se restringiu apenas a aprender as técnicas e os grandes sucessos do estilo. Os


músicos também oferecem ao público uma mescla em diferentes linguagens musicais e composições próprias, desenvolvidas à maneira cigana. O Jazz Cigano Quinteto é um grupo curitibano, formado em 2008 na Faculdade de Artes do Paraná. O som do quinteto tem sua base no jazz manouche, gênero muito popular surgido na França nos anos 1930. Mas os músicos trabalham ainda com mesclas de diferentes linguagens musicais e composições próprias, desenvolvidas à maneira cigana. Em 2010, o Jazz Cigano Quinteto iniciou a gravação de seu primeiro disco, com baladas de composição própria, canções tradicionais manouche e Jazz Standards e clássicos do choro com toque cigano. A formação da banda passou por mudanças, tendo substituído o violinista Eduardo Mercuri por Lucas Miranda, violinista e cavaquinista. A banda é completa por Vinícius Araújo (violão), Fred Pedrosa (contrabaixo acústico), John Théo (violino) e Mateus

ilutração Shampoo

O Festival acontece sempre na última quinta-feira de cada mês, a partir das 19h30. Gonzales Y Garcia Av. Visconde do Rio Branco, 948 - Centro Fone: (41) 3053-9933 www.gonzalesygarcia.com.


Curitiba em foco

Lançamento da primeira loja da Northstar Motors na capital paranaense Aconteceu no dia 21 de junho o coquetel de lançamento de sua primeira loja - a Northstar Motors - em Curitiba, na Rua Conselheiro Laurindo, 381, Centro. Charme e praticidade fazem parte do negócio da Northstar Motors. A empresa trouxe da Europa o conceito de mobilidade com uma linha completa e diversificada de scooters. O estilo de vida europeu se traduz em modernos e exclusivos modelos de scooters, que são confiáveis, silenciosas, mais ecológicas, além de seguras, ágeis e práticas. A empresa, com sede em Curitiba, tem atuação nacional. Conheça os modelos Northstar: Bacio O design encantador dessa scooter oferece leveza e agilidade, pronta para qualquer aventura. As rodas aro 12 oferecem segurança e conforto e torna o seu uso muito simples e fácil. O motor de alta performance é surpreendente, com transmissão


twist and go e partida elétrica. O para brisa é um detalhe elegante dessa scooter, que encanta com seu estilo italiano. Vinci Altíssimo desempenho aliado à tecnologia de ponta são as características principais dessa scooter. O motor de 150 cilindradas conta com refrigeração líquida e injeção eletrônica. O estilo italiano contemporâneo aliado às rodas de aro 16 oferecem charme, conforto, segurança e garantia de ótimos momentos de lazer. GT 250 O conforto e o tamanho dessa scooter impressionam. As rodas aro 13 e a posição ergonômica do assento tornam esse modelo perfeito para passeios mais longos nos fins de semana. O motor de 250 cilindradas, suspensão telescópica e refrigeração líquida são sinais da alta tecnologia presente nesse modelo, que, aliadas ao design italiano e conforto extremo, fazem da GT 250 uma opção perfeita para os amantes da liberdade e aventura.


Curitiba em foco Quadriciclo Mobilidade em quatro rodas. Os quadriciclos são utilitários divertidos e não passam despercebidos: podem ser usados para o trabalho, como um mini trator, ou para o lazer, como um passeio com muita aventura e adrenalina. O motor conta com 600 cilindradas, tração 4X4 com reduzida, injeção eletrônica e refrigeração líquida. O câmbio automático e suspensão independente nas quatro rodas fazem do quadriciclo o veículo perfeito para o trabalho e lazer. A tecnologia de ponta está presente em cada item desse utilitário. Bella Inspirada no design italiano, o charme incomparável dessa scooter conquista os corações dos amantes de uma qualidade de vida com muito estilo. O acionamento por controle remoto e o display de alerta de celular no painel tornam a Bella objeto de desejo. Essa scooter conta com pedaleira cromada, rodas aro 12 e freio a disco e três espaços pensados para seu maior conforto, como porta documentos, bagageiro embaixo do banco e baú traseiro.


Artes & Espetáculos

a genda >> Teatro Positivo – Grande Auditório

V V BRASIL TAP JAZZ INTERNACIONAL DE DANÇA Dias 08 a 10.07 Horário: 20 horas

V V EMMERSON NOGUEIRA Dia 15.07 Horário: 21h15

FESTIVAL


V V TERÇA INSANA – ANO DEZ Artistas: Grace Gianoukas, Agnes Ziliani, Arthur Kohl, Mila Ribeiro e Renato Caldas. Dia: 16.07 Horário: 21h15

>> PAULA FERNANDES Dia 20.07 Horário: 21 horas


Artes & Espetรกculos >> GURI DE URUGUAIANA Dia: 22.07 Horรกrio: 21 horas

V V ROCKET MAN - ELTON JOHN TRIBUTE Dia: 30.07 Horรกrio: 21h15


>> Teatro Positivo – Pequeno Auditório

V V ROGÉRIO KRIEGER E ORQUESTRA SOLISTAS DE LONDRINA Dia 31.07 Horário: a confirmar


Artes & Espetáculos >> Curitiba Master Hall V V RACIONAIS MC´S Dia 16.07 Horário: 22 h (abertura da casa)

DANZIG Dia: 17.07 Horário: 19 h (abertura da casa)

>> SUGAR KANE & YELLOWCARD Dia 30.07 Horário: 19 h (abertura da casa)


>> Music Hall Rua Engenheiro Rebouรงas, 1645

>> Mc JAIR DA ROCHA & CONVIDADOS Dia: 08.07 Horรกrio: 18 h (abertura da casa)

>> GRAVE DIGGER Dia: 24.07 Horรกrio: 18 h (abertura da casa)


Artes & Espetáculos >> Estação Embratel Convention Center

LIQUE 5 ANOS Dia: 09.07 Atrações: - Phonique - Edo Krause e Orquestra - Sandro Horta e Jorge Junior

>> Adelson Clube Show Avenida Izaac Ferreira da Cruz nº 3900 - Sítio Cercado

V V GIAN & GIOVANI Dia 07.07 Horário: 23h


Bem Estar

Evite a flacidez dos seios Com algumas práticas simples, você pode deixar seus seios longe do efeito da gravidade e da flacidez!

Esfoliação Passar creme esfoliante durante o banho, uma vez por semana. Remove as células mortas e facilita a absorção dos produtos hidratantes específicos para a região. Misture aveia em pó e mel e aplique nas mamas, fazendo leves movimentos circulares.

Jato de água fria Direcionar jatos de água fria sobre os seios ao final do banho. Aumenta a circulação sanguínea na região. Para afastar o frio, o organismo tem de dilatar os vasos sanguíneos.


Hidratação reforçada Logo após o banho, aplique creme hidratante específico para a região. “Creme não faz milagres, mas incentiva a produção de colágeno e elastina, deixando a pele rígida”, explica a dermatologista Edislene Viscardi.

Proteja-se do sol Os raios ultra-violeta acabam com as fibras de colágeno e favorecem a flacidez. Ao sol, lambuze-se com um protetor de fator no mínimo 15. Passe-o, sobretudo, nas laterais dos seios, que queimam com facilidade.

De olho na postura Ao curvar os ombros para frente, os seios ficam flácidos. Mantenha a boa postura: costas retinhas!


Bem estar

Fuja do efeito sanfona Quando você engorda, a pele estica. Ao emagrecer, ela volta ao normal, mas fica menos elástica. Dê preferência às comidas sem gordura e faça exercícios.

Exercite-se Exercícios para a região peitoral fortalecem a musculatura local. Não levantam os seios, mas melhoram sua postura e ajudam a sustentá-los.

Sutiã adequado Quem tem seios pequeninos está apta a dispensar o sutiã no dia-a-dia, pois pouco sofre com a ação da gravidade. Já moças de seios médios devem usar sempre - modelos simples, sem grande reforço. As de seios grandes precisam de sutiã com alças largas, barbatanas e costuras duplas.

Top para esportes O uso de um top apropriado é obrigatório para as que praticam esportes. Os movimentos de impacto forçam a elasticidade da pele e aí vem a flacidez.

Cuidado na hora da depilação Por ser uma região sensível, não depile com cera ou lâmina. O ideal é usar pinça esterilizada ou fazer uma depilação definitiva, a laser.


A remodelação do Parque Barigui terá novo Centro de Eventos Curitiba vai ganhar um novo Barigui. O prefeito Luciano Ducci assinou na sexta-feira (27) o contrato de concessão do Centro de Eventos do Parque Barigui. “O contrato de concessão do Pavilhão de Eventos marca o surgimento de um novo Barigui, pois traz diversas melhorias ao parque”, disse o prefeito. A licitação de concessão onerosa foi vencida pelo consórcio Positivo/J. Malucelli. A concessão prevê a construção de um novo espaço para eventos, uma terceira pista de corrida no parque e de uma galeria para passagem de pedestres sob a avenida Cândido Hartmann, além de outras melhorias no parque. Haverá contrapartidas financeiras para o Município, como o repasse inicial de R$ 500 mil e pagamento mensal de 5% do faturamento do novo pavilhão. O novo Centro de Eventos será modulável, conforme o tipo de evento. Poderá ser usado como um auditório para 5 mil


pessoas sentadas, o maior espaço de convenções da cidade. O empreendimento vai substituir o antigo pavilhão de eventos construído em 1975 para abrigar feiras diversas. O consórcio prevê investimento de R$ 26,4 milhões na construção do novo espaço e nas demais contrapartidas, que incluem ainda nova sinalização do parque, melhoria de estacionamento e ciclovia, uma ponte e uma rotatória viária. O contrato de concessão onerosa é de 25 anos. O novo espaço Barigui terá visão para o lago e permitirá a quem está no parque também ver o lado de dentro. A água da chuva será reaproveitada e o espaço terá um sistema de ventilação natural. Aproveitamento da iluminação natural também vai garantir menor consumo de energia. O espaço para eventos terá 5 mil metros quadrados sem uma única pilastra, o que garante aproveitamento total da área que, construída em módulos, permitirá contar com auditório para 5 mil pessoas. Outros 2,5 mil metros quadrados serão destinados às áreas complementares – sanitários, camarins, cozinhas, despensas, etc. O pavilhão terá área total de 7.500 metros quadrados.


Parque Barigui

Paredes externas terão pontos de vegetação vertical e todo o entorno terá um novo paisagismo respeitando – e valorizando – as características do parque. A programação de eventos deverá levar em conta a própria programação do parque, por onde passam em torno de 120 mil pessoas por fim de semana. Entre as obras complementares a serem feitas pelo Consórcio, está a galeria para pedestres que vai integrar os dois lados do parque por baixo da Cândido Hartmann. A caminhada ou corrida poderá ser feita de forma contínua pela galeria subterrânea, sem parar para atravessar a rua. A galeria terá 30 metros de largura por 35 metros de extensão. A passagem contará com iluminação, uma cascata em uma das paredes e um paredão de pedras do outro lado. As laterais serão inclinadas, em forma de talude, possibilitando maior grau de iluminação natural e ventilação permanente. Grandes escritórios de arquitetura, com larga tradição, como o de Manoel Coelho, estão com diversos (e grandes) projetos em andamento, reflexo sobretudo da aceleração dos últimos meses de obras civis no país.


Manoel Coelho é o responsável, por exemplo, pelo projeto do novo Centro de Eventos do Parque Barigui, obra que ganhou em concorrência pública pelos grupos Positivo e J.Malucelli, que terão o direito de explorar o local pelos próximos 20 anos. O velho prédio do atual centro de exposições – que por anos foi concessão da Diretriz Empreendimentos, de Carlos Jung – será derrubado. Em seu lugar será erguido um pavilhão pouco menor do que o atual, com dimensões de 50 X 100 metros, um vão livre que permitirá toda sorte de arrumação e utilização do espaço, com flexibilidade total. Terá capacidade para 5 mil pessoas e será entregue nos próximos doze meses. O investimento será de R$ 26 milhões. Ligação Subterrânea O projeto de Manoel Coelho contemplará ainda – como parte da concorrência vencida pelo consórcio Positivo-Malucelli – uma ligação subterrânea entre as duas áreas do Barigui, passando por baixo da Candido Hartmann, com saída defronte ao Museu do Automóvel. Uma segunda pista de Cooper também está compreendida no projeto. A ampliação da área de estacionamento está contemplada pelo trabalho de Coelho, com a utilização de espaço hoje sem utilidade,


Parque Barigui

criando-se vagas para cerca de 300 carros. Na solenidade de assinatura do contrato, o prefeito Luciano Ducci destacou ainda que a Prefeitura vai iniciar em breve as obras de drenagem no Barigui. Será feito o desassoreamento do lago do Rio Barigui, o prolongamento do canal existente e a implantação de comportas mecânicas para o controle do volume d’ água, para impedir novo assoreamento e facilitar a limpeza do fundo do lago. Também faz parte do projeto a implantação de caixas de retenção de material sólido no canal de entrada do rio no parque. Na assinatura da concessão do novo Centro de Eventos do Parque Barigui, na prefeitura de Curitiba, os empresários Oriovisto Guimarães e Joel Malucelli aproveitaram para brincar. “Fomos colegas de faculdade e temos a mesma idade, mas que não pode ser revelada, conforme cláusula do contrato”, disse o presidente do Grupo Positivo, um dos concessionários do espaço. O consórcio Positivo/J. Malucelli, vencedor da licitação, vai construir o Centro de Eventos no lugar do antigo pavilhão do Barigui. O contrato de concessão tem validade de 25 anos.

Oriovisto Guimarães. Luciano Ducci e Joel Malucelli

“Vamos fiscalizar a obra diariamente, pois moramos em frente ao parque”, disseram Oriovisto e Malucelli.


O presidente do grupo Positivo, Oriovisto Guimarães, disse que a iniciativa de Ducci, ao licitar o espaço no Barigui, é mais uma prova de amor pela cidade. “O Barigui é um espaço que todos amamos e o prefeito Luciano Ducci e a sociedade curitibana podem estar certos de que faremos o melhor do que formos capazes para demonstrar nosso agradecimento a esta cidade”, disse. Guimarães disse que tanto o grupo J Malucelli quanto o Positivo nasceram em Curitiba há 40 anos. “Construir o novo Barigui não é só mais um negócio, é um agradecimento a Curitiba”, disse ele. O presidente da Urbs, Marcos Isfer, lembrou a importância do Parque Barigui para as famílias curitibanas. Projetado pelo hoje diretor de Transportes da Urbs, Lubomir Ficinski, o parque, disse Isfer, exigia um novo espaço para eventos e isso está sendo viabilizado com a concessão feita por meio da Urbs.

“Com este novo projeto, temos certeza, é dado um grande passo para transformar o parque mais querido da cidade em algo ainda melhor para a família curitibana”.


MODA

AuDITIONS Brasil

O concurso de design de joias em ouro promovido pela AngloGold Ashanti, exibirá ao público a sua mais recente coleção.

No segundo semestre de 2011, os esforços da AngloGold Ashanti estarão voltados para a divulgação das joias premiadas no concurso AuDITIONS Brasil, bem como dos designers e de seus patrocinadores. A coleção “Sincronicidade: valores humanos através dos tempos”, composta por 24 joias conceituais, poderá ser apreciada pelo público em exposições itinerantes, que percorrerão


centros culturais de cinco capitais brasileiras. A iniciativa conta com o apoio do Ministério da Cultura, por intermédio da Lei Rouanet. Com uma proposta inovadora, a ação cultural promete fascinar os visitantes ao mesclar o ouro - em sua mais bela forma - com tecnologia e muita criatividade! Curitiba, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Brasília e Goiânia são as cidades escolhidas para receber a mostra de joias, a partir do próximo mês de julho. Curitiba será a primeira capital a receber a exposição AudITIONS Brasil, maior concurso de design de joias em ouro do mundo, a partir de 14 de julho. A mostra, na casa Andrade Muricy, é promovida pela mineradora Anglogold Ashanti e terá as peças finalistas criadas por 24 designers brasileiros. São joias para encantar os olhos do público. Chegam a pesar até 400 gramas de ouro. Dois curitibanos foram selecionados: Sérgio Pires e Felipe Guerra Assumpção. Luiza Brunet, embaixadora desta edição, virá à cidade para a abertura. Em Curitiba, a exposição tem organização do empresário Tufi Karam Geara, presidente da Associação dos Relojoeiros e Joalheiros do Estado do Paraná, com o Provopar e a Secretaria de Estado da Cultura do Paraná. Clique para conhecer a coleção!


Decoração

A Casa Cor Paraná, em sua 18ª Edição, apresenta inovações e tendências que trazem mais beleza e modernidade para a vida do homem contemporâneo. Em Curitiba, após um grande período de edições voltadas à revitalização do patrimônio arquitetônico da capital, Casa Cor retorna a ocupar uma espetacular residência centralizada em belíssimo parque natural, e está surpreendendo mais uma vez o seu público: propostas inovadoras e arrojadas, mantendo a tendência de mostrar arquitetura de interiores e exteriores, ancorada em espaços capazes de tornar o evento um excelente e atrativo programa cultural voltado para a família. Seguindo a política adotada pela Casa Cor, numa campanha em prol da sustentabilidade e respeito ao meio ambiente, o evento da Capital Ecológica do Brasil apresenta seus expositores como entendedores de que a SUSTENTABILIDADE é uma atitude em relação ao futuro. Da mesma forma, a valorização dos costumes de uma comunidade e preservação da memória de uma sociedade podem ser consideradas atitudes tão sustentáveis quanto o uso de equipamentos e produtos ecologicamente corretos. O imóvel está localizado no tradicional bairro Mossunguê, em uma área de 10.000 m2 de um parque natural na conhecida


Rua Paulo Gorski, também foi construído amplo pavilhão para abrigar o setor de Gastronomia e Festas. Completa o mix de ambientes a instalação de áreas voltadas às atividades recreativas e educacionais para os pequenos visitantes: a Loja Casa Cor, a Loja da Casa e o Centro de Atendimento Técnico Balaroti (setor para suporte aos expositores durante as obras). Como novidades, inédito Lounge de Entrada Social e a Praça Casa Cor, neste ano preparada para total interatividade do público. Além disso, nova construção junto ao corpo da casa para abrigar o espaço O BOM GOURMET, ambientes voltados para atividades em torno da boa mesa e da arte de receber. Período: 10 de Junho a 19 de Julho Special Sale: 18 e 19 de Julho, das 13 às 21 horas Horários: Terça a Sábado: das 13 às 21 horas; Domingos e Feriados: das 11 às 19:00hs. Local: Rua Paulo Gorski, 1175 - Bairro Ecoville / Mossunguê

Confira aqui os ambientes da Casa Cor Paraná 2011!


Decoração

uma dupla ímpar:

&

Luiz Maganhoto Daniel Casagrande por Mari Rieping


Contem como vocês começaram na Arquitetura e no Design? Maganhoto: Eu sempre gostei de Arquitetura. Quando eu tinha 7 anos a minha família fez a primeira casa e meu tio foi convidado para construir esta casa. Eu era muito pequeno e muito curioso, e então meu tio me levava para visitar a obra. Eu tinha muita curiosidade de entender por exemplo, como é que uma lâmpada acendia, como uma janela fechava, e isso foi despertando muito cedo em mim. Sempre gostei muito de brinquedos pedagógicos, minha mãe sempre comprava, eu tinha aqueles tijolinhos que a gente ia montando, então fui me desenvolvendo. Quando terminei o antigo ginásio, fiz Edificações no CEFET e me apaixonei de vez. Fiz Arquitetura e atuo até hoje na área. Arquitetura você tem que amar, você tem que compreender, você tem que ter muita sensibilidade para conseguir captar as mensagens do cliente e isso é muito importante! Casagrande: E esta carreira do Luiz está durando 25 anos este ano! E este início de carreira, foi muito difícil? Maganhoto: O Daniel está comigo há 10 anos, veio entre 2000 e 2001. E ele veio agregar bastante força em nosso escritório. Casagrande: Eu trabalhei muito tempo – desde 1992 até 2000 mais ou menos – com moda. Eu fui promotor de vendas, então tive algumas experiências pela Donna Karan, quando abriu a loja em Curitiba, trabalhei também na TNG, na Makenji, e também fazia muita produção de vitrine. Moda, Arquitetura e Interiores estão muito ligadas. Por questões de materiais, tecnologia...


Decoração

Então eu sempre gostei muito destas áreas. Logo em 2000 surgiu a oportunidade e estamos juntos até então, trabalhando bastante todo o mercado paranaense. Atendemos também no Sul, desde Santa Catarina, Porto Alegre, e também o mercado exterior que é muito interessante. Temos boas experiências em Miami, Milão, Portugal, Buenos Aires, então acaba que a gente consegue levar um pouquinho deste “gosto brasileiro” para estes outros países também. Para vocês, qual a sensação de ver o brilho nos olhos do cliente, quando vocês apresentam o projeto? O que vocês sentem? É a mesma sensação de 25 anos atrás, quando vocês estavam iniciando? Maganhoto: No meu ponto de vista, esse brilho é muito mais do que um pagamento. Pois ele é impagável. É uma satisfação a gente fazer aquilo que realmente a pessoa gostou. Não é o contrato, não é o custo, isso realmente não tem preço! Casagrande: Traduzindo ao pé da letra, é realizar um sonho. É muito gratificante!


E como um cliente chega até vocês? Vocês acreditam que um cliente contrata o escritório pela identificação com vocês, pelo trabalho que vocês realizam, ou por ambos? Casagrande: Na verdade, 90% dos clientes chegam por indicação. Além disso, eu acredito que também seja pelo perfil, pelo portfólio de projetos que já realizamos que possui uma determinada linha de raciocínio e linha de pensamento em projetos. Outros clientes, eu acredito que nos buscam pela empatia. Maganhoto: Eu acho que pelos dois mesmo. A pessoa se identifica com a gente, com o nosso estilo e com o estilo do nosso escritório. Pois é necessário que a gente se identifique com o profissional, pois a Arquitetura apesar de ser uma arte, é uma ciência que une a Engenharia. Então você tem que admirar aquilo que determinado profissional faz, e o profissional deve captar isso. A sinceridade, simpatia, a maneira como você coloca os assuntos, objetividade, ser verdadeiro com o cliente, partindo disso aí não tem erro.


Decoração

E analisando o mercado....como os profissionais de Curitiba são vistos fora daqui? Existe um reconhecimento e valorização de outros mercados? Casagrande: Olha, nós temos um bom relacionamento com o mercado de São Paulo, e de Santa Catarina também. Eu sempre acreditei que existe mercado para todos. Sabendo desenvolver o trabalho, sendo profissional e ético, tudo é possível. Maganhoto: E assim, a gente percebe pela própria Casa Cor que tem muitos profissionais que vêm de Londrina, que vem de outros Estados visitar. Ou seja, o profissional de Curitiba tem um bom trabalho. No ponto de vista de vocês, quais as últimas tendências em Arquitetura e Design? Maganhoto: Sabe, na verdade não existe uma tendência, o que existe é que você precisa respeitar a memória da pessoa quando você faz um projeto. A verdadeira essência do cliente. Você pode até indicar materiais e sugerir alguma coisa que as pessoas estejam usando, ou incluir uma visão de sustentabilidade no projeto, o que eu já acho muito importante... Mas a essência de tudo é respeitar aquilo que ele pensa. Você deve estar sempre atualizado em materiais e tecnologia, e dar estas opções ao cliente, mas sempre respeitando e defendendo as questões dele. Isso é a maior tendência, sempre foi e sempre vai ser.


E vocês sempre estão presentes na mostra Casa Cor. Como está o espaço de vocês este ano? Casagrande: Nós desenvolvemos o projeto “Salão Nobre de Jantar”. Foi um projeto muito inusitado desde a sua concepção. O espaço está muito interessante, muito diferente, as pessoas estão comentando bastante. Ficamos alguns dias na Casa Cor e observamos as pessoas...Algumas chegam e começam a sorrir, outras pessoas falam “Meu Deus, o que é isso? Eu quero uma sala assim”...risos...e isso é muito bacana! Como existem também pessoas que não gostam, que passam rapidinho, olham, comentam que não é o estilo, enfim...O projeto é uma releitura do clássico com


Decoração

duas características que são extremamente contemporâneas: são duas poltronas das quais nós trouxemos da Itália - elas são de Milão -, e estas poltronas possuem formatos de rostos humanos, como uma máscara e...são lindas! Inclusive nosso projeto é a capa do anuário da Casa Cor deste ano, e também foi publicado em vários meios de comunicação. Maganhoto: A gente fala que é um projeto extremamente interessante porque ele “mexe” com o imaginário das pessoas. Existe uma simetria que tende à perfeição. Um exemplo é a luminária que possui dois mil e quatrocentos cristais e que é exatamente o tamanho da mesa. E o espaço tem tido bastante polêmica, por unir o clássico ao contemporâneo. As poltronas em formato de máscaras representam os donos da casa nas pontas da mesa, representando também certo ar de mistério. E isso mexe demais com as pessoas, porque elas entram no espaço para encontrar o óbvio. Eu sempre falo para nossos colegas que a Casa Cor é para nós, nós achamos que “você é o seu cliente”. Você não tem que fazer nada para alguém, você tem que fazer para você. Porque as pessoas gostariam de saber o que você teria em sua casa, e nós teríamos essa sala tranquilamente. Ou seja, você tem que ser você mesmo.


Luiz Maganhoto por Daniel. E Daniel por Luiz Maganhoto. Como vocês se resumem? Maganhoto: Eu resumo o Daniel como uma pessoa extremamente apaixonada pela vida e pela arte. Casagrande: E o Luiz eu resumo como sensível. Ele tem muita sensibilidade! E para você trabalhar com Arquitetura, com arte e com o ser humano você tem que ser sensível, senão não tem jeito.

Luiz, sempre que eu vejo a marca Burberry eu me lembro de você. É a sua marca preferida? O que te chama atenção na marca? Maganhoto: Adorei a pergunta! (risos...) Ninguém nunca me perguntou isso e eu sempre tive vontade de falar... (risos...) é a minha marca favorita! Eu amo a Burberry... e vou te dizer que esta pergunta veio bem “à calhar” , porque fico muito feliz de falar da Burberry. A Burberry foi uma grife criada em 1856, e ela nasceu com o intuito de fazer aqueles casacos para guerra, os trench coat. Então os trench


Decoração

coat são os melhores de todas as grifes e toda a Família Real usa. O xadrez me chama muito a atenção. Porque o xadrez é extremamente geométrico, são linhas que se cruzam, que formam cores diferenciadas, linhas que traçam a vida e linhas que fazem a Arquitetura. Eu sempre fui apaixonado pelo xadrez, e a Burberry tem um estilo. Porque tudo na Burberry leva ao traço xadrez, uma linha, uma composição, ou seja, um casamento. É muito diferente de você ver num Dior, Louis Vuitton...a Burberry tem fundamento, tem energia, tem cruzamentos, ela une a vida. Além disso, é extremamente elegante os tons de bege, preto, uma “pitada” de vermelho...que é como o sal que dá aquele gostinho na comida. E se eu pudesse, eu teria um guarda roupa generoso, inteirinho só de Burberry....risos... Para os estudantes de Arquitetura e Design: Qual a dica mais valiosa que vocês passariam para estes estudantes? Casagrande: Experiência, muita experiência. Desde o primeiro ano já procurar profissionais que se identifique para ter esta experiência precoce antes de se formar, porque isso é fundamental. Não existe segredo em qualquer área de trabalho. Seja Arquitetura, Medicina, Engenharia, Administração, Direito...o importante é você estar sempre buscando informações, estar ao lado de pessoas de sucesso, pessoas que agreguem realmente um conhecimento para você, e principalmente: determinar aquilo que você mais gosta. Afinal, na Arquitetura é tudo muito multidisciplinar, você pode trabalhar com Interiores, Paisagismo, Urbanismo, Edificações...ou seja, a Arquitetura é muito abrangente.


Então definir já um nicho de mercado, que você se identifique. Maganhoto: É... e principalmente que você seja sempre você mesmo. Porque a quantia que tem de profissionais no mercado é muito grande. As faculdades colocam no mercado em torno de 100 à 200 profissionais por semestre, e às vezes até um pouco mais. Então se você não tiver um diferencial, se você não for você mesmo, se você não fizer aquilo que você realmente sabe fazer sem pressão externa, você vai ser mais um. E mais um o mercado está cheio, você tem que ser você e fazer sempre aquilo que você tem vontade.


Zoom


Milton Guedes é... único! Encontrar um adjetivo que defina por completo Milton Guedes não é tarefa das mais fáceis. Expoente de uma geração que congrega nomes como: Paulinho Moska, Lenine, Zélia Duncan, Pedro Luis e Carlinhos Brown, assim como seus contemporâneos, Milton encontra na diversidade de gêneros e estilos a matéria prima para suas incursões musicais. Tudo começou em Brasília, cidade onde morava e em meio a efervescente cena musical - que revelou nomes como Legião Urbana, Capital Inicial, Plebe Rude entre outros - Milton, aos 18 anos fez parte da banda Pôr do Sol. Tempos depois, num bar da cidade conheceu Oswaldo Montenegro, que logo o convidou para fazer parte de suas montagens teatrais, iniciando assim sua carreira como cantor e instrumentista de renome na sua cidade natal: o Rio de Janeiro. A versatilidade de Milton Guedes não impressiona somente o público comum. Uma legião de supercraques da música brasileira atesta seu valor. Artistas como Lulu Santos, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Milton Nascimento, Rita Lee, Maria Bethânia, Sandra de Sá, Beto Guedes, Chitãozinho e Xororó, Fábio Júnior, Elba Ramalho, Zé Ramalho, Erasmo Carlos, Roupa Nova, Sandy e Júnior entre


muitos outros, já contaram com o talento de Milton Guedes e seus instrumentos (Sax, Gaita, Flauta, Assovio e Vocais) em seus CD´s, DVD’s e shows e especiais de TV. Com Roberto Carlos, foi o único músico a gravar mais de 3 solos em um único álbum do Rei. Dono de voz e presença de palco singulares, Milton Guedes propõe a mistura de estilos em seu trabalho, onde pode exercer o talento que o distingue entre os mais requisitados músicos brasileiros. Com quatro álbuns lançados, além de um “Single” com edição limitada, produzido por Lulu Santos, agora é a vez de fazer o Brasil dançar com o a turnê 3naMIX, que conta com a participação do músico e produtor Dunga, no baixo, vocal e direção musical, e do baterista Silvio Charles.


Depois de 4 anos de sucesso em São Paulo e Rio de Janeiro, a turnê passou por Curitiba no dia 16 de junho. O repertório escolhido pra dançar, revela suas influências, sucessos nacionais e internacionais de Benjor, Michael Jackson, Marvin Gaye e Mashups contagiantes de Tim Maia e Black Eyed Peas (Gostava Tanto de Você), Beyoncé e Fábio Junior (Eu Me Rendo), Titãs e Jack Johnson (Go Back), Roberto Carlos, Lenine e Caetano Veloso, além de composições próprias como “Sonho de uma noite de verão” e “Jeito Sexy”, sucesso com a Fat Family. A turnê deve voltar em breve para nossa capital. Enquanto isto, você pode conferir o clip do seu mais recente sucesso: “Você Vai Lembrar de Mim” que foi tema da novela Ti Ti Ti da Rede Globo clicando aqui

www.miltonguedes.com


notas rápidas >>

SAAD & Chef Daniela Prosdócimo Caldeira

No final de junho, a marca SAAD, em parceria com a chef Daniela Prosdócimo Caldeira, do Buffet La Table Gastronomie, receberam clientes e convidadas para uma tarde especial intitulada “Inverno SAAD – bom gosto em todos os sentidos”. O evento aconteceu na loja da marca localizada no Piso L4 do Shopping Crystal. Durante o encontro foram preparadas e degustadas comidinhas de inverno, acompanhadas de vinhos e espumantes. Além de conferir dicas sobre as delícias da estação, as convidadas receberam um presente exclusivo, oferecido pela SAAD e pelo Buffet La Table.


>>

Mueller Fashion People

Na terça-feira, 21 de junho, o Shopping Mueller inaugurou a exposição fotográfica Mueller Fashion People, que mostra as dez produções vencedoras do concurso realizado na rede social Facebook. Um badalado coquetel marcou a abertura da mostra e o lançamento do primeiro Look Book de inverno do shopping.

A gerente de marketing do Shopping Mueller, Patrícia Gonçalves, recebe José Gonçalves Jr (à esquerda), executivo do Grupo Boticário, e Ireni Ferreira (à direita), diretora da Imax Eventos, no coquetel de lançamento da Exposição e Look Book Mueller Fashion People.


notas rápidas >>

Visita à maior feira de alimentação do mundo

Veriano Baggio Pereira acaba de voltar de uma viagem aos Estados Unidos com muitas ideias para a rede de pizzarias que administra em companhia de seus irmãos, a Baggio Pizzeria & Focacceria. O empresário esteve em Chicago, onde pode visitar uma das maiores feiras de alimentação do mundo, a NRA Show 2011. Além de conhecer as mais modernas tecnologias e técnicas voltadas ao mercado alimentício, Veriano conta que alguns dos lançamentos apresentados na feira já são utilizados nas unidades Baggio, o que é motivo de alegria e orgulho de todos os sócios.


>>

Promoção do AU-AU Duplo chega a todas as lojas

A rede Au-Au Lanches está com uma promoção especial: Au-Au Duplo por R$ 3,90. Uma das opções que mais fazem sucesso na rede. O duplo é feito com pão especial extra macio, duas salsichas, tomate, cebola, pimentão, maionese, catchup e mostarda. A promoção é válida em todas as lojas Au-Au Lanches por tempo limitado (não é válida para delivery). www.auau.com.br


notas rápidas

>>

Debret – Viagem ao Sul do Brasil

A Caixa Cultural inaugura, no dia 5 de julho, às 19 horas, a exposição Debret – Viagem ao Sul do Brasil. A mostra reúne 60 aquarelas e desenhos, realizados pelo artista francês Jean-Baptiste Debret, que chegou ao Brasil em 1816, integrando a Missão Artística Francesa, e aqui permaneceu por 15 anos. Todo o conjunto pertence ao acervo dos Museus Castro Maya, detentor da maior coleção de obras de Debret existente no Brasil. A exposição tem entrada franca, na galeria da Caixa, na Rua Conselheiro Laurindo, 280 - Edifício Sede II, até 21 de agosto.


>>

Lista das 15 Obras mais Valiosas do Mundo

As 15 obras mais valiosas do mundo foram vendidas pelo maior preço já conferido para outras obras de arte. No topo da 15ª Obra com o título ”Yo, Picasso” do ano de 1901, de Pablo Picasso, vendida em 1989 por $ 47.85 milhões de dólares, com o valor corrigido em nov/2008,chega a $ 83,00 milhões de dólares. Clique na imagem abaixo e conheça as obras que fazem parte da lista.


Arte | Cr么nica

Unir poesia e arte para se transformar em cidad茫o

A oficina de arte Poesia no Muro nos parece um dos projetos mais bem elaborados em nossa capital.


A ação, desenvolvida pela Fundação Cultural de Curitiba, envolve adolescentes entre 11 e 14 anos e está obtendo importantes resultados no campo da arte-educação, pois permite, pela arte do grafite e da poesia, estimular nas crianças comportamento de respeito à cidade e seus moradores. O projeto integra o Circuito de Arte e Cultura, que até novembro de 2012 prevê a realização de 108 oficinas artísticas em todas as regiões da cidade. Doze projetos foram selecionados por meio de edital do Fundo Municipal da Cultura para integrar o circuito, que consiste em mais uma iniciativa da Fundação Cultural para descentralizar as ações culturais. Os três meses de atividades envolvendo crianças e jovens de escolas em programas sociais da Prefeitura talvez atraiam outros jovens pichadores para repensar a beleza da cidade e abandonem o lado negro do grafite – a pichação.


Arte | Crônica

Nos dias atuais, nossa capital sofre sistematicamente pichações em prédios, muros, casas e monumentos. Conscientizar os jovens que participam dessas ações de vandalismo é premente, até porque muitos deles certamente não têm consciência do mau que estão causando ao patrimônio alheio e das eventuais punições que estão sujeitos, pelas leis vigentes.

Foto: André Bonacin

Curitiba, que sempre impressionou a todos pela beleza e limpeza da cidade, comparada muitas vezes a centros do primeiro mundo, está hoje submissa aos pichadores, que agem livremente, deixando a capital paranaense com ares de abandono. O primeiro passo está sendo dado pela administração municipal com méritos. A educação dos mais jovens através do projeto arte e poesia nos muros. Com certeza, esses meninos estão adquirindo conhecimentos que permitirão a eles distinguir a enorme diferença entre a pichação e a grafitagem. Esses com certeza serão os protetores da cidade amanhã.


E quanto àqueles que não tiveram oportunidade de receber em casa a educação que deveriam os pais lhes ter oferecido, e que também não tiveram oportunidade de recebê-la nas escolas e no meio social em que vivem? Como colocá-los no caminho certo? Cremos que somente um projeto específico para estes jovens, detentores de pouca educação e discernimento, poderá mudar o rumo das coisas, colocando-os no caminho do bem. Como fazer isso? O poder público tem uma responsabilidade enorme sobre o problema, mas parece tapar os olhos, pois entendemos que o trabalho será árduo, porém os frutos deverão ser colhidos, através de uma política específica, dura, envolvendo também os pais desses adolescentes. Guardada as devidas proporções, é como a situação das drogas hoje no País. Você conhece algum projeto que qualquer governo tenha colocado em prática para acabar ou pelo menos minimizar esse mal? Vamos voltar para as pichações, tendo presente que educar é melhor do que castigar ou omitir-se e criar uma sociedade de jovens pichadores que, sem limites, poderão, como via de regra, tornarem-se futuros delinquentes, que a sociedade terá que encarcerar futuramente, desaguando num problema de segurança pública. Num primeiro momento, aumento substancial na fiscalização em diversos pontos da cidade, procurando identificar e recolher esses predadores. A medida que eles fossem sendo retirados do “ofício”, teríamos como segundo passo o chamamento e cadastramento


Arte | Crônica

dos pais, com endereços, profissões, nível de escolaridade etc. Em seguida, filhos e pais assumiriam junto ao Município as seguintes obrigações: nos finais de semana, eles efetuariam limpeza de muros pichados na cidade, sob fiscalização do município; paralelamente, participariam, com presença obrigatória, em oficinas especialmente preparadas para eles – idêntica as que existem hoje, porém com prazo de seis meses; por sua vez, os pais teriam que participar de reuniões mensais, com os orientadores do projeto, para terem conhecimento de que a prática de exercícios de artes plásticas e literatura forma cidadãos mais responsáveis; aprenderem a lidar com o problema desde suas casas e finalmente mostrar ao grupo a evolução ou involução de seus filhos no processo. Em caso dos jovens serem flagrados em reincidência, multas pesadas instituídas por lei seriam cobradas dos pais. Quanto aos filhos, teriam que participar, além do já sugerido, de cursos obrigatórios sobre cidadania, por um ano, com avaliação final. A aprovação os retiraria dos trabalhos nos finais de semana de apagar pichações. Do mesmo modo, a não aprovação os manteria nesse trabalho, até conclusão de novo curso. Enfim, pais e governo se uniriam para o bem comum. Além de tudo isso, seria colocado um telefone em órgão da prefeitura, exclusivo para os cidadãos denunciarem pichações que estivessem ocorrendo, a fim de que de imediato a guarda municipal ou outro tipo de segurança fosse ao local da ocorrência instantaneamente.


Lembremos que vem aí a Copa do Mundo em 2014, as Olimpíadas em 2016, no Rio de Janeiro. Ambos os eventos trarão muitos turistas ao Brasil e certamente, por sua fama, Curitiba estará recebendo milhares de pessoas de outros estados, e de outros países, até porque os olhos dessas pessoas estarão voltados também para uma cidade que um dia foi considerada símbolo de cultura no Brasil. Esse projeto sugerido colocaria Curitiba em situação de destaque junto aos maiores centros do País, que vivem idêntico problema, e igualmente não conseguem solução para ele. Não temos dúvidas que Curitiba teria de volta os ares de cidade européia, onde a cidadania está presente 24 horas por dia. Paulo Roberto Freitas da Rocha

Praça do Gaúcho - Curitiba


Revsta Viver Estilo - Julho 2011  

Revista digital que aborda, vida, estilo, lazer, moda, deoração, gastronomia, bem estar e saúde, fatos sociais.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you