Issuu on Google+

Homenagem ao dia da poesia


Soneto O Tempo é grande e eu repito: é a própria imensidão; muito mais do que cogito em pensamento e razão. Vejo o universo e reflito, perguntando à exaustão: como pode o infinito caber em meu coração? (De letras, palavras, versos, de tercetos e quartetos: Assim se compõe um soneto. O todo em cada parte, em cada letra, a arte) Tempo é Uno e Universo.

A Areia do Tempo Aguardando a minha mão para virá-la, Na ampulheta, desce o tempo, impiedoso, E, sem cerimônia, pompas ou gala, Sobre o instrumento a minha mão repouso. Mas antes de seguir em frente, cala em mim o gesto e, então, já eu não ouso atender-lhe o afã nesta humilde sala, e retiro a minha mão, duvidoso. Analiso esta cena e fico mudo; Sentindo o pulsar do sangue na veia, Descubro: mais que tudo, o Tempo é tudo... E vejo ali, no fundo, assim, parada, Irônica e impassível, aquela areia que diz: “O Tempo é tudo e tu és nada.”

Reinofy Duarte, professor de espanhol e de redação, escreveu roteiros de curta e longa-metragem, como o premiado “Dez Centavos”. Atualmente, produz projetos culturais pela Domínio Público e conclui um romance a partir do edital de Apoio à Criação Literária da Fundação Pedro Calmon.


O sol pela casa 2 Presença renovada no seu prisma — esforço para os deuses menores a cada manhã, repetição inaugural da brisa que adentra a sala feito fosse nada e é vida, eu sei, simplicidade que me abisma, mas não quero fixá-la, aceito a fuga, convívio do que escapa, visto essa camisa, e acompanho em nós o tempo ruga a ruga. Dor dividida, eu sei, adivinho o marfim da tua face quando ser é gravidade e os fracassos percorrem o jardim. Quero dizer dessa permuta clara, feito o contato além das mãos em unidade, numa entrega que até o amor se ampara. 5 Neste nicho do tempo, sob o lume drástico da aparição, são dois dentro do espanto. Cúmplices em sigilo além do corpo trágico miram o ar da tarde e cantam num só canto a dimensão amorosa, esse ponto pacífico entendido no olhar, nosso gesto mais amplo. Sou menos sem você, digo isso e decifro seja lágrima, mapa da pele ou o campo em que seu ser desloca-se significando-o. Contemplemos — o arco escuro como um pórtico sobre a Barra, já noite, sabemos no entanto tudo que se diz falta algo por dizer: a vida é radical, muito mais do que a morte. O privilégio de estarmos vivos e entender.

João Filho,

escritor e bolsista do PIBID de Letras na UFBA, já publicou os livros de contos Encarniçados (2004) e Ao longa da linha amarela (2009), além de ter participado das antologias Geração Zero Zero e Os Cem Menores Contos Brasileiros do Século. Desenvolve um livro de poemas para o futuro próximo e mantém o blog www.voosempouso.blogspot.com.br.


de estar no meio morte do autor, morte do amor, a morte. se amortecia a dor, a morte do humor, morte dual: da cria e do criador, a morte a morte a morte a morte a morte uma tendência de comportamento: é deus, renato, inês, beatriz, é tanta a gente, o bicho, o mato, a estrela, a santa, a guerra santa, a puta paz, invento de muitos outros tantos carnavais, a morte do leiteiro e a de Luísa Porto (?), o morto poeta dos Gerais, minha cabeça que não se a j u í z a, mas que inda busca ali e aqui sinais de estar no meio do caminho, à guisa.

preceitos pre(tex)tos talvez por ser um ateu que vê milagres, minha não-fé balança nas matas, sobre o rio ou vendo os mares, há sempre um deus que dança. de Oxóssi, Iansã, Ossain, Logun Edé o toque me arrepia, do corpo sou devoto e a minha fé, pretexto pra poesia. na barca para Oxum, eu pus uns versos, com meu desejo nu: “Para Iemanjá, meu coração aberto”, “Um Laroyê pra Exu”, “O mundo é grande e cabe neste mar”, “Agô, Odò Iyá!”

Alex Simões

(alexsim) é professor de Língua Portuguesa (como língua materna e língua estrangeira), é poeta, escritor, blogueiro, ativista cultural, político e de sofá, devoto das artes e de alguns artistas. Em 2001, seu livro inédito Estudos para Lira recebeu Menção no prêmio Copene (atual Braskem) de Literatura. Mantém regularmente o blog autoral http://toobitornottoobit.blogspot.com.br


Homenagem ao dia da poesia