Page 1

C

Escola EB 2, 3 Dr. José dos Santos Bessa Rua do Clube Desportivo Carapinheirense 3140-097 Carapinheira Tel. 239 629 295 Fax: 239 621 130

Textos e composição da responsabilidade da Equipa e professores colaboradores da BE

Na Hora do Conto alusiva ao Dia das Bruxas, a biblioteca tornou-se palco de pequenos atores. Os alunos do 6ºB e do 6ºC, recriaram, cheios de entusiasmo, alguns contos de tradição oral, gerando um ambiente engraçado e divertido. O público, alunos do 5ºB, assistiu num misto de surpresa e curiosidade a uma animação em que não faltaram bruxas bailarinas, um burrico com o seu carvoeiro iletrado, um menino tão endiabrado, levado pelo diabo, e uma feiticeira que fazia feitiços com a sua peneira que se transformou em fantasma

quando morreu… até foi preciso chamar o padre. Quanto aos “artistas de palmo e meio”, estreantes nestas lides, ultrapassaram as expetativas, não tanto pela qualidade da sua performance mas pelo processo O ambiente criado na que subsistiu a todo BE permitiu dar asas à o trabalho desenimaginação para volvido. receber almas penadas, O envolvimento bruxas e feiticeiras... destes alunos foi muito enriquecedor, tendo-se conjugado a responsabilidade e a diversão, com o exercício da leitura e da expressão oral, a capacidade de retenção de informação, tal como a criatividade e a autonomia.

Boletim da Biblioteca Ano VIII – Nª 1 2012/13

Biblioteca Escolar Dr. José dos Santos Bessa Carapinheira

DEZEMBRO 2012

Sugestões de Leitura NA NOITE ESCURA, Bruno Munari Queres testar a tua imaginação?? Abre o livro na noite escura. Folheia MUITO DEVAGAR, não tenhas pressa de chegar ao fim. Não te limites a ver ou olhar, observa pausadamente cada página, cada imagem… Antes de virares cada página, constrói na tua mente figuras, imagens, situações e frases alusivas ao que essa página te faz lembrar. Imagina o que vem na página seguinte e compara o que sentiste ou criaste com o que Bruno Munari expressou. Vou dar-te apenas algumas dicas para auxiliar a tua criatividade: o papel negro representa a noite, o papel vegetal o romper do dia e o papel cinzento reciclado o interior de uma gruta. Bruno Munari, foi um artista italiano que se dedicou, entre outras atividades, às artes visuais, tendo-nos legado um conjunto de livros sem palavras ou quase sem texto, dedicado a todos os meninos que aceitam desafios, especialmente os que não têm muita paciência para ler, mas são criativos.

ALDEIA NOVA, Manuel da Fonseca Esta obra, escrita entre os anos vinte e os anos trinta, reúne doze contos que retratam a miséria do povo alentejano, não só em termos monetários, mas também em termos emocionais. No Alentejo, a terra natal de Manuel da Fonseca, viviam-se episódios de pobreza e miséria e os homens ansiavam por uma liberdade que tardava em chegar. Daí que a linguagem destes contos seja franca e reveladora de um profundo humanismo que se torna inocente na boca das suas personagens. As histórias foram vivenciadas pelo próprio escritor ou contadas pelo pai nas longas noites de Inverno ou nos serões de Verão. Por exemplo o conto” O Primeiro Camarada que ficou no Caminho” inspira-se na morte do irmão do autor, tragédia que marcou terrivelmente a sua infância. Ao lermos esta obra, não podemos deixar de nos emocionar e criar uma grande empatia pelos desgraçados que povoam as suas histórias.

BIBLIOTECA ESCOLAR. Uma chave para o presente, passado, futuro... Um novo ano, uma nova aventura à espera de ser vivida por cada um de nós. No mundo conturbado em que vivemos precisamos de caminhar com passos certos e conscientes na estrada sinuosa que se apresenta.

É verdade! É preciso escolher os lugares, sítios onde possamos crescer e onde nos permitam encontrar a chave para abrir o futuro, mas sem nunca deixar fechada a porta do passado .

Pois é! Nunca houve tantos GPS para nos indicar o caminho. Mas que caminho? O nosso? O que escolhemos, ou o que alguém traçou para que o percorramos? As rotas pré traçadas, sem contemplar os gostos, as fantasias ou os desânimos de cada um, cortam-nos a liberdade de escolher, de desenvolvermos o nosso espírito crítico, de viver.

É necessário escolhermos os que partilham connosco a nossa estrada e fazermos deles companheiros de viagem, numa partilha constante, onde a persistência nos levará ao sucesso. Como dizia Charles Chaplin" A persistência é o caminho do êxito".

Temos direito a construir o nosso caminho, alicerçado na informação, na pesquisa quotidiana, na leitura "observativa" de tudo o que nos rodeia , na experimentação e na reflexão profunda do nosso eu.

Acreditamos que com trabalho contínuo, com espírito de entreajuda e fontes de saber podemos construir o nosso caminho. Não podemos desistir ! Vamos conseguir! Boas leituras!

Boletim da Bib-

Biblioteca Escolar

ontos ao vivo


À Conversa com… Alexandre Parafita

O escritor deliciou-se com as dramatizações das suas histórias, por alunos do 6º ano :)

N

inguém acredita nelas… mas que as há, disso poucos duvidem. Estamos a falar das bruxas, feiticeiras, dos diabos, diabritos e outros mafarricos que andam por aí à solta a fazer as suas travessuras. Se existem na realidade ninguém o sabe, mas as suas histórias correram de boca em boca, muitos pontos foram acrescentados e hoje muitas delas encontram-se nos livros do escritor Alexandre Parafita. A visita do escritor levou os alunos a darem vida às suas histórias, a reinventar o texto, a dar imaginação e corpo às leituras. O resultado foram dramatizações cheias de graça

UM CONTO DE NATAL

que deram o ponto de partida para a conversa com o convidado que salientou o bom trabalho dos alunos e da professora Luísa Lima, uma das dinamizadoras da Hora do Conto.

Todos os anos, a equipa da BE publica um Conto

Em ambiente descontraído, o convidado falou da importância de uma criança crescer rodeada de livros e histórias para alimentarem o seu interior. Quem lê em criança será um adulto bem-sucedido e poderá sentir a liberdade nas asas de um livro, pois o conhecimento torna-nos livres e independentes. Cada um nasce com um dom – devemos estar atentos para o descobrir, para o poder alimentar e lutar para o concretizar, foram algumas das mensagens transmitidas pelo escritor.

Começámos com uma simples tradução de um conto alemão mas procurámos ir mais além.

Alexandre Parafita respondeu às muitas perguntas preparadas pelos alunos, o que permitiu um maior conhecimento da sua vida e obra.

A proposta que fizemos o ano passado levou à escrita de um texto a duas mãos pelas professoras Elisa Carvalho e Edite Pimentel.

Por fim, ainda houve tempo para a apresentação do livro “Magalhães, aos olhos de um menino”, escrito a duas mãos com a escritora brasileira Simone Gonçalves, graças às potencialidades das redes sociais que, bem aproveitadas, podem fomentar um trabalho colaborativo entre pessoas de continentes diferentes para a realização conjunta de um projeto: dar a conhecer o navegador que marcou a história dos descobrimentos: Fernão de Magalhães.

Embora de edição caseira, graças à preciosa colaboração da professora Ana Filomena, temos criado pequenas obras dignas de serem chamadas de livros.

de Natal inédito para distribuir pela comunidade educativa.

Convidámos escritores que graciosamente escreveram histórias alusivas a esta época. Destacamos o nosso amigo e colega já aposentado Luís Gaivão e a escritora do nosso concelho que tem sido premiada a nível nacional e internacional, Lurdes Breda.

Mas porque a vida é feita de desafios constantes, decidimos abraçar mais um. Este ano ganhámos coragem e será a equipa da BE que irá escrever mais um Conto de Natal.

j

A MANTA DO RIO

Ano Grimm

No passado, as histórias andavam de boca em boca, passavam de avós para netos, de geração em geração. Muitas perderam-se, outras ficaram registadas na memória coletiva de um povo, com pequenas nuances, contadas ao sabor do imaginário de cada um. Hoje, existe uma oferta de grande qualidade de livros infanto-juvenis, adequadas a cada faixa etária, com excelentes ilustrações que por si só contam a história, alguns já vestiram o novo formato de ebook e estão à distância de um clique, oferecendo formas novas de leitura. O desafio de inovar, de fomentar a criatividade levou a equipa da BE a criar uma história inédita, escrita pela professora Edite Burgeiro, que tem como ponto de partida uma manta. Tendo como elemento principal o Rio Mondego, a manta convida os mais novos a entrarem na história, interpretando os vários personagens: a menina Ana, o Barbo Badana e o cardume que o acompanha, os ruivacos, sapos, patos e pássaros que descansam nos ramos dos salgueiros.

Os alunos deram vida às personagens da história, enchendo a manta e o rio

Durante o mês de novembro, os meninos do 1º Ciclo de Tentúgal, Portela, Meãs e Casal Novo e o 4º ano da EB 2, 3 Dr. José dos Santos Bessa tiveram a oportunidade de explorar esta forma nova de contar histórias e interpretaram com muita imaginação os papéis atribuídos. Reconheceram a importância de cuidar do rio para podermos continuar a ter um elemento cheio de vida bem perto de nós e ficaram com vontade de nos voltar a receber em breve…

O entusiasmo atrás do pano foi grande e o teatro de sombras uma festa!

Em 2012 assinala-se 200 anos da publicação do 1º volume da famosa coleção dos Contos para as Crianças e para a Família dos Irmãos Grimm.

Ao longo de anos, estes dois filólogos alemães recolheram contos populares de tradição oral, traduzidos para mais de 150 línguas, e tal foi a influência que ainda hoje as crianças conhecem as suas histórias de encantar e contos de fadas e vivem a magia das suas personagens. Cheios de simbologia e mensagens, contos como o Capuchinho Vermelho, A Branca de Neve, Cinderela, A Bela Adormecida ou Rapunzel continuam a encantar, alimentando há séculos a imaginação dos mais novos. A BE não podia deixar de assinalar esta data comemorativa e a Hora do Conto tem sido palco principal para a exploração de algumas histórias. Os Músicos de Bremen, por exemplo, chegaram em forma de teatro de sombras, oferecendo momentos de leitura partilhada enquanto se dramatizava a história atrás do pano. Os alunos adoraram o cenário e o ambiente criado e todos quiseram dar vida às sombras dos quatros animais escorraçados pelos seus donos por já não poderem cumprir com as suas obrigações.

WIX…

CRIAR UM SITE ONLINE

Se há uns anos atrás era necessário ter conhecimentos de html, dominar vários programas para a criação de páginas web e alojá-las online, hoje, criar e publicar uma página pessoal tornou-se uma tarefa muito facilitada pelas múltiplas ofertas que existem online, de interface simples e intuitiva de usar. Wix, por exemplo, é uma ferramenta gratuita que possibilita ao utilizador criar um sítio na internet de forma personalizada e onde pode disponibilizar os mais variados recursos, podendo inserir ou fazer convergir no site ficheiros diversos, tais como imagens, fotografias, botões de navegação, animações, símbolos, músicas, textos, filmes, entre outros. O utilizador tem ao seu dispor mais de cem modelos/templates prontos a serem utilizados de acordo com o seu gosto pessoal, não havendo necessidade de recorrer a um profissional da área para criar o site. Para fazer um site no WIX terá que passar por várias etapas. Em primeiro lugar deverá registar-se em www.pt.wix.com utilizando o seu email e definindo uma password. Posteriormente, já na página inicial da ferramenta, clique em “Criar” e selecione um dos inúmeros modelos, organizados por temas, para o seu site. Depois de selecionar o tema que mais se adapta ao que pretende apresentar pode iniciar a sua criação. Para isso, deverá clicar em “Editar” e começar o seu trabalho. Irá constatar que não terá dificuldades em inserir fotos, criar novas páginas, deslocar imagens, colocar vídeos, ou seja, todos os procedimentos necessários para a edição de um site, graças a uma simples organização que permite uma utilização intuitiva. Deverá “salvar” o seu trabalho e pode pré visualizá-lo antes de o publicar. Após estabelecida a organização final dos conteúdos no site é necessário “publicar” obtendo, desta forma, o endereço para que o possa partilhar.

Documento BE  

Boletim da Be