Issuu on Google+

Plano Diocesano de Pastoral Sugestões de ações evangelizadoras das pastorais, dos movimentos e paróquias foram apresentadas na reunião do Conselho Diocesano de Pastoral (CDP), realizada dia 31 de agosto, com a presença do bispo Dom Tomé Ferreira da Silva. Essas propostas – e outras já oferecidas em encontros anteriores – estão sendo analisadas. Elas servirão de base para a elaboração do Plano Diocesano de Pastoral (PDP). E no dia 21 de setembro, será discutido o pré-projeto do PDP. PÁGINA 7

Setembro, mês da Bíblia

CIRCULAÇÃO NACIONAL

JORNAL

PÁGINAS 2 E 3 SETEMBRO/2013

Américo de Campos

Pastoral da Saúde 13 anos de ajuda aos carentes Desde a sua instalação, há 13 anos, a Pastoral da Saúde da Paróquia São João Batista, de Américo de Campos, vem atendendo crianças, gestantes, adultos e idosos. PÁGINA 3

CNBB:

Redução da maioridade penal

ANO 16

Nº 188 Diocese de S. J. Rio Preto/SP - Edição REgional -

SEMANA CULTURAL 2013 - CES “Celebrar e revisitar o Concílio Vaticano II”, de 15 a 17 de outubro de 2013. PÁGINA 7

CRIANÇA SAUDÁVEL: 30 anos a serviço da vida

Pastoral da Criança lança o “Mil Dias” A Pastoral Diocesana da Criança lançou um projeto que vai acompanhar os primeiros mil dias da criança (os 9 meses de gestação, o primeiro e o segundo anos ) e, com isso, “evitaremos muitas doenças na fase da adolescência ou adulta, como diabetes, hipertensão, colesterol alto, triglicérides”, disse Antônia de Freitas Balbino Leme, coordenadora diocesana da Pastoral da Criança. O projeto foi denominado “Mil Dias”. PÁGINA 5 foto: Arquivo

O Conselho Episcopal Pastoral da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), reunido em Brasília, reafirmou que a redução da maioridade penal não é a solução para o fim da violência. PÁGINA 8

Ourival Storti da Igreja da Sta. Cruz 60 anos servindo a Paróquia

PÁGINA 5

Semana Nacional da Família 2013 Acompanhe a entrevista na edição de outubro.

A Igreja no Brasil realiza a Semana Nacional da Vida (SNV), de 1 a 7 de outubro, culminando com o Dia do Nascituro, no dia 8. PÁGINA 6


2

DIOCESE 84 ANOS

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

SETEMBRO/2013

Setembro, mês da Bíblia PALAVRA DO BISPO

No Brasil, temos um mês, setembro, dedicado à Bíblia, Palavra de Deus. Justifica-se essa iniciativa por uma necessidade pastoral: tornar possível às pessoas ter, ler, compreender, viver, anunciar e celebrar a Palavra de Deus. Se de um lado a Sagrada Escritura suscita a atenção das pessoas, por outro, há uma longa tarefa a ser realizada para que ela seja devidamente acolhida. Neste ano de 2013, o “Mês da Bíblia” tem como tema “Discípulos e missionários a partir do Evangelho de Lucas”, que está em sintonia com a temática de 2012, que abordava o evangelho de Marcos. O lema “Alegrai-vos comigo, encontrei o que tinha perdido”(Lc 15) “quer ressaltar a alegria, uma das características essenciais do discípulo que caminha, como ressuscitado, com o Mestre.” A CNBB, Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, preparou dois livretos com subsídios para os trabalhos deste ano do mês da Bíblia. O primeiro é um conjunto de reflexões, com uma apresentação, introdução e conclusão, que nos introduz na leitura do Evangelho de Lucas, em quatro capítulos: A obra de Lucas: o texto no seu contexto; Passos no caminho: o samaritano e o publicano; Alegrai-vos comigo encontrei o que tinha perdido; A caminho com o Cristo crucificado-ressuscitado. O segundo livreto, além de uma apresentação e introdução, propõe quatro roteiros para encontros bíblicos, com os seguintes títulos: “A criança pulou de alegria em seu ventre”(Lc 1, 39-45); “Chegou perto dele, viu, e moveu-se de compaixão”(Lc 10, 25-35); “Zaqueu desceu depressa, e o recebeu com alegria”(Lc 19, 1-10); “Alegrai-vos co-

migo, encontrei o que tinha perdido”(Lc 15, 1-3.11-32). Os dois livretos com os subsídios podem ser encontrados nas paróquias, nas livrarias católicas ou na CNBB, através do e-mail: vendas@edicoescnbb.com.br . A utilidade desses materiais não se restringe ao mês de setembro, mas podem e devem ser usados em qualquer tempo como instrumentos adequados, que ajudam numa aproximação sistemática ao Evangelho de Lucas. Temos uma proposta concreta para este mês de setembro de 2013: ir ao encontro do Evangelho de Lucas, que possui 24 capítulos; podemos estudar um capítulo ao dia. Isso poderia ser realizado usando o método da Leitura Orante da Bíblia, que é um bom modo de aproximação da Palavra de Deus. Na Diocese de São José do Rio Preto, você encontra, nas paróquias, um cartão com indicações práticas de como usar esse método. A leitura comunitária da Palavra de Deus em família, grupo, círculo bíblico ou na rede de comunidades, ou ainda em grupos ambientais, é um modo privilegiado de aproximação da Sagrada Escritura. Neste caso, o uso dos subsídios da CNBB ou do material oferecido pela Diocese de São José do Rio Preto, o livreto da rede de comunidades, pode ser um valioso auxílio. Vivamos com empenho e alegria este setembro, mês da Bíblia. Auxiliados pelo Divino Espírito Santo, aproximemo-nos de coração aberto da Palavra de Deus. “Que o Evangelho de Lucas, que também nos acompanha o ano todo por meio da liturgia, nos proporcione vivências marcantes para fazer o Reino de Deus crescer em nós e entre nós!”

EXPEDIENTE

O Jornal “Diocese Hoje” é editado pela Fundação Mater Ecclesiae. Fundador: Donizeti Della Latta Endereço: Avenida Constituição, 1372 - São José do Rio Preto/SP Diretor Responsável: Dom Tomé Ferreira da Silva Colaboradores: Pe. Benedito Mazeti, Pe. Rafael Dalbem, Pe. Jarbas e Pe. Irineu Vendrami Fone: (17) 2136.8699 E-mail: diocesehoje@bispado.org.br * Os artigos publicados são de inteira responsabilidade de seus autores.

+ Tomé Ferreira da Silva

Bispo Diocesano de São José do Rio Preto/SP

Distribuição gratuita Distribuído nas cidades de Adolfo, Altair, Álvares Florense, Américo de Campos, Bady Bassitt, Bálsamo, Buritama, Cedral, Cosmorama, Floreal, Gastão Vidigal, Guapiaçu, Ida Iolanda, Jaci, José Bonifácio, Lourdes, Macaubal, Magda, Mendonça, Mirassol, Mirassolândia, Monções, Monte Aprazível, Nhandeara, Nipoã, Nova Aliança, Nova Granada, Nova Luzitânia, Onda Verde, Orindiúva, Palestina, Parisi, Paulo de Faria, Planalto, Poloni, Pontes Gestal, Potirendaba, Riolândia, São José do Rio Preto, Sebastianópolis do Sul, Tanabi, Turiúba, Ubarana, Uchôa, União Paulista, Valentim Gentil, Votuporanga e Zacarias.

LITURGIA

Ações da Liturgia Diocesana DA REDAÇÃO Neste ano, a Comissão Diocesana de Liturgia trabalha o projeto formação: Formação de Leigos pela Escola de Liturgia na Centralidade do Mistério Pascal, revelou Maria Aparecida Damasceno, coordenadora da Liturgia Diocesana. Foram cumpridos até agora, 4 etapas: Tempo Litúrgico, Espaço Litúrgico, Canto Litúrgico e a Centralidade do Mistério Pascal nos Sacramentos. Abordou o tema Leitura Orante o padre Danilo Lima, de Belo Horizonte. Maria Aparecida revelou que acontecerá em São Paulo, de 14 a 19 de outubro, a Semana Nacional de Liturgia, cujo tema será ainda os 50 anos da Sacrosanctum concilium. A Comissão de Liturgia Diocesana participará desse importante encontro.

Romaria

Dia 28, missa em Aparecida DA REDAÇÃO Romeiros da nossa diocese seguem rumo à Aparecida dia 27 de setembro e, no dia seguinte, às 9 horas, no Santuário de Nossa Senhora Aparecida, assistirão à Santa Missa, que será celebrada por vários bispos, um deles Dom Tomé Ferreira da Silva. Essa romaria ocorre anualmente (a primeira, em 2004). Um tríduo acontecerá dias antes da viagem. Os temas são: “Com Maria nós vamos à Trindade”, “Com Maria nós somos Igreja” e “ Maria, com ela até à vida eterna”. Esses temas foram sugeridos por Dom Tomé. Coordenam essa romaria, em nível diocesano, o padre Torrente e as religiosas, irmãs Rosângela e Izilda.


DIOCESE 84 ANOS

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

SETEMBRO/2013

3

Pastoral da Saúde em Américo de Campos

13 anos de ajuda ao carente BÍBLIA Pe. Rafael Dalbem

Os pobres constroem a nova história

quermesses, leilão de gado e outros eventos. Na reciclagem, a pastoral tem ajuda da Prefeitura. Trabalham na pastoral doze voluntários, a maioria mulheres. Como o mandato de dois anos de Aparecida A. de Carvalho termina dia 30 de setembro, haverá, no mesmo dia, a escolha da nova coordenadora. “Continuarei prestando normalmente serviços à Pastoral da Saúde”, disse Aparecida. “Precisamos de mais voluntários e voluntárias, principalmente na reciclagem do lixo”, disse Eurí Faria Florêncio Casagrande (Lipe). Esse trabalho será diminuído com a cessão, pela Prefeitura, de equipamento para prensagem dos materiais reciclados.

chegada do caminho de Jesus e o ponto de partida do caminho da Igreja. Porém, esses caminhos se realizam num determinado tempo, com isso Lucas quer mostrar que Deus se realiza na história humana. Em Lc, percebemos claramente que Jesus faz acontecer uma nova história que se faz com os pobres e oprimidos, que são libertos para usufruírem a vida dentro de novas relações entre os homens. Podemos destacar oito características especiais no Evangelho de Lucas: 1) Seu amplo alcance no registro dos eventos da vida de Jesus; 2) Domínio do estilo literário, com riqueza abundante de vocabulário da língua grega; 3) Alcance universal do Evangelho: Jesus veio para todos; 4) a atenção especial de Jesus para com os excluídos; 5) Ênfase de Jesus como pessoa de oração e sua preocupação em ensinar a rezar; 6)Jesus apresentado como “Filho do Homem”; 7) A alegria daqueles que aceitam a mensagem de Jesus; 8) A presença do Espírito Santo na vida de Jesus e do seu povo. Assim, resta-nos, diante dessa riquesa apenas uma atitude: LER O EVANGELHO DE LUCAS Boa leitura e ótima oração! Pe. Rafael Dalben Ferrarez

Paróquia São Sebastião - Talhado Assessor Diocesano da Pastotal Familiar padredalben@gmail.com

O Ano da Fé: “Senhor, aumenta a nossa fé!” (Lc 17,5)

DA REDAÇÃO Desde a sua instalação, há 13 anos, a Pastoral da Saúde da Paróquia São João Batista, de Américo de Campos, vem atendendo crianças, gestantes, adultos e idosos, graças ao trabalho dos voluntários, ajuda da comunidade e incentivo da Igreja. “Trabalhamos por amor ao próximo”, diz Aparecida Alves de Carvalho, professora aposentada e coordenadora da pastoral. Cestas básicas para famílias carentes, empréstimos ou doações de andadores, muletas, cadeiras de roda, colchões são oferecidos pela Pastoral da Saúde, que, também, confecciona e distribui fraldas. Os recursos são provenientes da reciclagem do lixo, de

EvangElho dE lucas O leitor atento pode se perguntar o porquê de refletirmos sobre Lucas se estávamos vendo os livros primeiros de nossa Bíblia. Ora, caro amigo, a razão é muito simples, o mês de setembro é dedicado à prática e estudo da Sagrada Escritura. Neste ano, a CNBB propôs que nossas comunidades pudessem aprofundar o Evangelho de Lucas com o seguinte tema: “Alegraivos comigo, encontrei o que tinha perdido!” (cf. Lc 15). Assim também, nós não poderíamos ficar fora dessa oportunidade. Bem sabemos que o Evangelho de Lucas é o primeiro dos dois livros (Evangelho e Atos dos Apóstolos) endereçados a um certo Teófilo. Mesmo sem se identificar pelo nome em nenhum dos livros, através do testemunho do cristianismo primitivo e as evidências internas, indicam a autoria de Lucas nos dois casos. Ao que tudo indica, Lucas era um gentio grego convertido, médico, companheiro de Paulo, que viveu na bacia oriental do Mediterrâneo e escreveu o Evangelho, entre os anos 80 e 85, para suprir a necessidade da igreja gentia sobre um relato completo do começo do cristianismo. Pode-se afirmar que Lucas é o escritor que fala sobre o caminho da salvação em toda sua amplitude. Em seu Evangelho fala sobre o caminho de Jesus e, nos Atos, fala sobre o caminho da Igreja. Todo esse trajeto acontece num lugar específico: Jerusalém. Esta cidade é o centro de referencia, pois é o ponto de


4

DIOCESE 84 ANOS

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

SETEMBRO/2013

Vila Toninho Rio Preto

Santa Edwiges festeja 25 anos DA REDAÇÃO A Paróquia Santa Edwiges (Vila Toninho/São José do Rio Preto) completará 25 anos de fundação no dia 16 de outubro. Para comemorar o Jubileu de Prata, foram programadas várias celebrações e festividades. O pároco é o padre Marcos Vinícius Cavallini. Criada em 1988 por Dom José de Aquino Pereira, a Paróquia Santa Edwiges sempre se destacou por ações evangelizadoras e assistenciais. Agora, está erguendo um grande salão paroquial. A Paróquia distribui, mensalmente, 70 cestas básicas para famílias carentes cadastradas. Essas famílias são visitadas, uma vez por mês, por equipes da Cáritas paroquial e dos vicentinos. A Pastoral da Criança atende mais de 200 crianças; as que estão em estado de grave deficiência nutricional recebem a multimistura. OBRAS No início do ano passado, foi iniciada a construção do Salão Paroquial, com capacidade para acomodar mais de 1.000 pessoas. Terá cozinha industrial, banheiros e outras dependências, além de um estacionamento para 80 veículos. “É uma obra necessária para

Fonte: divulgação/Paróquia Santa Edwiges

ampliar o trabalho social e de evangelização”, diz o pároco Marcos Cavallini. Recursos para execução dessa importante obra são provenientes de campanhas e de doações da comunidade. Em outubro do ano que vem, haverá sorteio de um carro 0 km, do

qual participarão os colaboradores da campanha pela construção do Salão Paroquial. SANTA EDWIGES A padroeira da Paróquia de Vila Toninho nasceu em 1174, filha de nobres. Depois do casamento, passou a ser a Duquesa da Silésia e da Polô-

nia. Edwiges visitava os eremitas e não esquecia as religiosas enclausuradas. Distribuía seus bens para ajudar os pobres e a Igreja. Submetia-se a um regime alimentício de legumes secos, pão e água. Sua presença transformava, como por encanto, os ânimos das pessoas mais exaltadas.

Jornada Mundial da Juventude - Rio 2013


DIOCESE 84 ANOS

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

SETEMBRO/2013

5

Criança saudável: 30 anos a serviço da vida

Pastoral lança o “Mil Dias” Pastoral da Criança comemorou 30 anos em Aparecida.

Dra. Zilda Arns.

Nelson Arns Neumann, filho da Dra. Zilda Arns e a coordenadora da Diocese de Rio Preto, Antonia de Freitas Balbino Leme.

da Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), bispos, padres, coordenadores dessa Pastoral de todas as dioceses brasileiras. Pastoral da Criança

Segundo o IBGE no censo de 2012, 63.477 crianças de 0 a 6 anos, dessas 18.613 são crianças pobres, 28,6%. A Pastoral da Criança de nossa diocese assistem 3.623, de 0 a 6 anos.

O Ano da Fé: “Senhor, aumenta a nossa fé!” (Lc 17,5)

DA REDAÇÃO A Pastoral Diocesana da Criança lançou projeto que vai acompanhar os primeiros mil dias da criança (os 9 meses de gestação, o primeiro e o segundo anos ) e, com isso, “evitaremos muitas doenças na fase da adolescência ou adulta, como diabetes, hipertensão, colesterol alto, triglicérides”, disse Antônia de Freitas Balbino Leme, coordenadora diocesana da Pastoral da Criança. O projeto foi denominado “Mil Dias”. Hoje, o problema maior não é a desnutrição, mas o sobrepeso. “Então, mães são orientadas a oferecer às crianças uma alimentação saudável; a evitar refrigerantes, salgadinhos, comidas gordurosas, muito açúcar ou sódio”, explicou. Para os desnutridos, a melhor receita continua sendo a farinha nutritiva. Em nossa diocese, somente a Pastoral da Criança trabalha bem em cerca de 60% das paróquias; nas demais, está desativada ou ainda não foi criada. “Para o seu funcionamento, é preciso apoio das autoridades, do padre, de voluntários”, diz Antônia de Freitas, que está na coordenação diocesana dessa pastoral há 2 anos e 4 meses; profissionalmente, ela atua como voluntária na UBS, na área da saúde de Ipiguá. Em setembro de 1983 (há 30 anos), a médica Zilda Arns fundou a Pastoral da Criança que, em pouco tempo, espalhou-se por todo o País, orientando gestantes e tirando crianças da desnutrição, da diarreia e outras doenças, diminuindo a taxa de mortalidade infantil. Zilda Arns morreu em janeiro de 2010; pelo seu trabalho, foi indicada para o Prêmio Nobel da Paz. Antônia de Freitas Balbino Leme e Estelita, representando a nossa diocese, participaram de 27 de julho a 2 de agosto, em Aparecida, da solenidade que comemorou os 30 anos de criação da Pastoral da Criança. Estavam presentes à solenidade o presidente


6

DIOCESE 84 ANOS

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

SETEMBRO/2013

Semana Nacional da Família 2013 PADRE RAFAEL DALBEN A Igreja no Brasil realiza a Semana Nacional da Vida (SNV), de 1 a 7 de outubro, culminando com o Dia do Nascituro, no dia 8. A Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família (CEPVF) da CNBB e a Comissão Nacional da Pastoral Familiar lançaram o subsídio “Hora da Vida” 2013. Em sua 3ª edição, a publicação apresenta sete encontros, sugestão de Vigília de Oração pela Vida e de celebração de apoio na realização da SNV, que este ano tem como tema central: “Cuidar da Vida e Transmitir a Fé”. Outra iniciativa da SNV diz respeito a uma carta enviada aos bispos e arcebispos do Brasil, na qual o presidente da CEPVF, Dom João Carlos Petrini, pede para que atividades públicas e também no âmbito da comunidade sejam

foto ilustrativa: Arquivo

"Os nascituros são seres humanos e têm a mesma dignidade dos seres humanos já nascidos".

realizadas para colher assinaturas em favor da aprovação do Estatuto do Nascituro (PL 478/2007) na

Câmara dos Deputados, em apoio aos deputados que pedem alteração da lei 12845/2013, que visa atendimento obrigatório a vítimas de violência sexual, mas que obriga também a administração da pílula do dia seguinte (pílula abortiva). Durante a SNV, as dioceses são convidadas a desenvolver atividades em torno do tema, focando sempre no direito à vida e na preservação da dignidade humana. No texto de apresentação do subsídio "Hora da Vida", Dom João Carlos Petrini deseja que a publicação ajude a “despertar um verdadeiro amor à vida humana, de modo que cada ser chamado à existência seja acolhido, respeitado em sua dignidade, valorizado e amado desde a concepção até a sua morte natural.” De acordo com o assessor da CEPVF, padre Rafael Fornasier, o

tema escolhido – “Cuidar da vida e transmitir a vida” –, “está na esteira das celebrações do Ano da Fé e da Semana Nacional da Família, cuja proposta se fundamenta na missão de toda Igreja, visando a Nova Evangelização e a transmissão da fé em nossas famílias, comunidades e na sociedade, como aponta a nova Encíclica Lumen fidei (Luz da fé).” O Hora da Família traz sete propostas de roteiros de encontros e algumas sugestões de celebração e bênção. A publicação foi preparada com a contribuição de agentes da Pastoral Familiar, das Comissões de Promoção e Defesa da Vida e assessores. Informações sobre o subsídio e pedidos podem ser feitos pelo telefone (17) 38296515 ou pelo e-mail: par_saosebastiao@hotmail. com.br. O material também estará a venda no site www.lojacnpf.org.br

Semana da Família: Missa de Encerramento

Jornada Mundial da Juventude - Rio 2013

Como uma só família, os fiéis das 7 paróquias e comunidades de nossa cidade participaram da Missa de Encerramento da Semana Nacional da Família no último domingo, 18 de agosto. A Igreja Matriz ficou pequena diante das mais de 2500 pessoas que estiveram presentes, inclusive muitos fiéis ficaram do lado de fora da Igreja. A celebração teve início às 19h e foi presidida pelo padre

Gilmar Margotto (Nossa Senhora Aparecida) e concelebrada pelos padres Carlos Rodrigues dos Santos (São Bento), Ademir Batista da Silva (São Cristóvão), Jair de Marchi (São Benedito e Nossa Senhora de Fátima), José Américo Alves (Santa Joana), pelos diáconos José Roberto de França, Lécio de Almeida Alves, Nilton Leme do Prado, Roberto Bocalete e pelas religiosas. Logo no início da celebração, uma família da comunidade entronizou a imagem da Sagrada Família de Nazaré, modelo de vida familiar a ser seguido. A homilia foi feita pelo padre Carlos que falou sobre a importância da família: “Deus é apaixonado pela família, tão apaixonado que quis que seu Filho viesse até nós por meio de uma família. Devemos ser portadores de vida e amor para os outros, principalmente nas nossas famílias, mesmo que os ventos batam contrários.” O sacerdote ainda disse que: “Nos dias de hoje, existem muitos dragões modernos que querem destruir nossas famílias e nossa juventude. Precisamos estar mais próximos

uns dos outros, conversar, entender o outro, viver realmente como uma família e sempre buscar a Sagrada Família de Nazaré como modelo de vida familiar”. Padre Carlos pediu também que cada casal renovasse o compromisso de amor assumido no dia do Matrimônio. A emoção tomou conta no fim da celebração, quando o padre Gilmar pediu que os fiéis que estivessem do lado de fora da Igreja entrassem pelos corredores e todos os fiéis presentes, de mãos dadas, cantaram a “Oração pela Família”. Também, foi feita uma homenagem às religiosas que celebravam o seu dia. Padre Gilmar agradeceu a toda a imprensa local, por terem cedido espaço para que, durante toda a semana, as reflexões sobre a família fossem publicadas e divulgadas. A Semana Nacional da Família é promovida, anualmente, pela Comissão Episcopal de Pastoral para a Vida e Família, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e teve sua primeira edição realizada em 1992, como resposta ao desejo de se trabalhar em defesa e promoção

da família, cujos valores vêm sendo agredidos sistematicamente em nossa sociedade. Escolheu-se, para isso, a semana seguinte ao dia dos pais, no mês de agosto, por ser o mês vocacional. Para este ano, o tema escolhido foi “A Transmissão e Educação da Fé Cristã na Família” e, para cada dia, houve um tema de reflexão: “Pai e Mãe: Primeiros e Autênticos Transmissores da Fé”; “Desafios Cristãos na Educação dos Filhos”; “Valores que permanecem: Memória da Educação dos filhos na Fé”; “Educar pela presença – Pais: Modelo de Virtudes e Valores Humanos”; “Educar com Fortaleza e Docilidade da Alma”; “Iniciação Cristã: Educação para a Felicidade’’ e “Projeto de Vida Pessoal e Familiar”. Durante toda a semana, cada uma das 7 paróquias teve sua própria programação da Semana da Família, com várias celebrações, encontros, reflexões, palestras e missas. Textos e fotos:

Paróquia Nossa Sra. Aparecida (Matriz - Votuporanga)

SEMANA CULTURAL 2013 - CES “Celebrar e revisitar o Concílio Vaticano II” De 15 a 17 de outubro de 2013

Diocese de São José do Rio Preto


DIOCESE 84 ANOS

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

SETEMBRO/2013

7

Assembleia Diocesana apresentará

Plano Diocesano de Pastoral

analisadas. Elas servirão de base para a elaboração do Plano Diocesano de Pastoral (PDP). E no dia 21 de setembro, será discutido o pré-projeto do PDP. “Esperamos contar com a presença de todos os organismos, padres, representantes de paróquias nesta assembleia”, disse o padre Natalício, coordenador do CDP.

SEMANA CULTURAL 2013 - CES “Celebrar e revisitar o Concílio Vaticano II”

De 15 a 17 de outubro de 2013 Tema: Concílio Vaticano II - Constituição Dogmática Lumen gentium. (Comemoração dos Cinquenta anos do Concílio no contexto do Ano da Fé). Assessor: Dom Beni dos Santos, bispo da Diocese de Lorena. Programação: Dias 15, 16 e 17 de outubro, das 8h às 11h30 - para padres, diáconos, religiosos(as), seminaristas e leigos(as). Dias 15 e 16 de outubro, das 20h às 22h - especialmente para os leigos(as) que não podem participar durante o dia. Local: Associação Comercial e empresarial de São José do Rio Preto (ACIRP), localizada à avenida Bady Bassitt, 4052.

12 de outubro

21:00 horas Local: Recinto de Exposições Bady Bassitt - SP Valor: R$ 10,00

Realização: Centro de Estudos Superiores Sagrado Coração de Jesus. Realização: Paróquia São Sebastião Bady Bassitt - SP Pe. Alexandre J.M. de Andrade Informações: (17) 3258-1191

Informações: (17) 3231-1224. Diocese de São José do Rio Preto

O Ano da Fé: “Senhor, aumenta a nossa fé!” (Lc 17,5)

DA REDAÇÃO Sugestões de ações evangelizadoras das pastorais, dos movimentos e paróquias foram apresentadas na reunião do Conselho Diocesano de Pastoral (CDP), realizada dia 31 de agosto, com a presença do bispo Dom Tomé Ferreira da Silva. Essas propostas – e outras já oferecidas em encontros anteriores – estão sendo


8

DIOCESE 84 ANOS

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

SETEMBRO/2013

Redução não é solução

Adolescentes não são responsáveis pela violência, diz CNBB LITURGIA Pe. Benedito Mazeti

Orientações sobre a música ritual

Igreja e entidades sociais reuniram-se nesta terça-feira, 28, para compor propostas para a reforma política no Brasil.

Jornada Mundial da Juventude - Rio 2013

Fonte: CNBB O Conselho Episcopal da Pastoral da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), reunido em Brasília, reafirmou que a redução da maioridade penal não é a solução para o fim da violência. “A Igreja no Brasil continua acreditando na capacidade de regeneração do adolescente quando favorecido em seus direitos básicos e pelas oportunidades de formação integral nos valores que dignificam o ser humano”, diz a CNBB. Acrescenta: “Eles não são os principais responsáveis pelo aumento da violência, especialmente pelos crimes de homicídio. De acordo com a ONG Conectas Direitos Humanos, a maioria dos adolescentes internados na Fundação Casa, em São Paulo, foi detida por roubo (44,1%) e tráfico de

drogas (41%). Já o crime de latrocínio atinge 0,9% e o de homicídio, 0,6%. É, portanto, imoral querer induzir a sociedade a olhar para o adolescente como se fosse o principal responsável pela onda de violência no País”. Diz, ainda, a CNBB que O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), “ao contrário do que se propaga injustamente, é exigente com o adolescente em conflito com a lei e não compactua com a impunidade. Cabe à sociedade exigir do Estado a efetiva implementação das medidas socioeducativas, investimento para uma educação de qualidade, políticas públicas que eliminem as desigualdades sociais e o combate corajoso à praga das drogas, causadoras de inúmeras situações que levam os adolescentes à violência”.

O canto é parte necessária e integrante da liturgia. Não é algo que vem de fora para animar ou enfeitar a liturgia. Por isso, devemos cantar a Missa e não cantar na Missa. Os cantos e músicas, executados com atitude espiritual e condizentes com cada domingo do Tempo Comum, ajudam a comunidade a penetrar no mistério celebrado. Portanto, não basta só saber que os cantos são do Tempo do Advento, do Tempo do Natal, do Tempo da Quaresma, do Tempo Pascal e dos Domingos do Tempo Comum, é preciso executá-los com atitude espiritual. A escolha dos cantos deve ser cuidadosa, para que a comunidade tenha o direito de cantar o mistério celebrado. Jamais os cantos devem ser escolhidos para satisfazer o ego de um grupo ou de um movimento. Não devemos esquecer que toda liturgia é uma celebração da Igreja corpo de Cristo e não de um grupo, de uma pastoral ou de um movimento. “Não tem sentido, por exemplo, escolher os cantos de uma celebração em função de alguns que se apegam a um repertório tradicionalista, ou ainda de outros que cantam somente as músicas próprias de seu “grupo ou movimento”, nem de outros que querem cantar exclusivamente cantos ligados à realidade sócio-política, ou cantos concentrados em certos

temas, se isso vai provocar rejeição da parte da assembleia” (A música Litúrgica no Brasil, estudos da CNBB, página 78). A escolha dos cantos para as celebrações deve ser feita com critérios válidos. Não se deve escolher os cantos para uma celebração porque “são bonitos animados e agradáveis”, ou porque “são fáceis”, mas porque são litúrgicos, isto é, de acordo com o Mistério celebrado. Que o texto seja de inspiração bíblica, que cumpram a sua função ministerial e que se relacionem com a festa ou o tempo. Que a música seja a expressão da oração e da fé dessa comunidade; que combinem com a letra e com a função litúrgica de cada canto. “Uma enxurrada de coisas produzidas sem melhores critérios e divulgadas sem maiores cuidados, com força devastadora, invade as mentes e os corações dos fiéis menos avisados, solapando os fundamentos sólidos da fé e da piedade” (Canto e Música na Liturgia, Edições CNBB, página 7). A equipe de canto faz parte da assembleia. Não deve ser um grupo que se coloca à frente da assembleia, como se estivesse apresentando um show. A ação litúrgica se dirige ao Pai, por Cristo, no Espírito Santo. Pe. Benedito Mazeti

Assessor Diocesano de Liturgia


DIOCESE 84 ANOS

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

SETEMBRO/2013

9

No seminário, comunicadores reuniram-se com o bispo Dom Tomé

PASCOM busca reestruturação VOCAÇÕES Hallison

hallisonparro@hotmail.com

ANUNCIAI O EvANGELhO!

nosso objetivo: promover a formação espiritual e desenvolver ações evangelizadoras”, explicou Lourdinha Barbosa.

Lourdinha e Márcia Lima, da PASCOM.

o Concílio Vaticano II recomenda a leitura espiritual ou Lectio Divina como um importante instrumento de espiritualidade bíblica na vida presbiteral. A doutrina da Igreja enfatiza que o padre é um verdadeiro educador da fé. Ele transmite não a própria sabedoria, mas a luz da Palavra de Deus, luz que é o próprio Cristo neste nosso mundo. Por conseguinte, “o sacerdote não ensina as próprias ideias, uma filosofia que ele mesmo inventou, encontrou ou que gosta; o sacerdote não fala de si mesmo, não fala por si mesmo, talvez para criar admiradores ou um partido próprio; não diz coisas próprias, invenções suas mas, na confusão de todas as filosofias, o sacerdote ensina em nome de Cristo presente, propõe a verdade que é o próprio Cristo, a sua palavra, o seu modo de viver e de ir em frente” (Bento XVI - 14.10.2010). Dessa forma, a palavra anunciada pelo padre não é sua, porém, ao mesmo tempo, é profundamente pessoal, na medida em que ele vive com Cristo e por Cristo. Por isso, o ensinamento que o sacerdote é chamado a oferecer ao povo deve ser interiorizado e vivido num intenso caminho espiritual pessoal. No rito da Ordenação diaconal, o Bispo entrega o Evangeliário ao ordenando e diz o seguinte: Recebe o Evangelho de Cristo, que tens missão de proclamar. “Crê o que lês, ensina o que crês e vive o que ensinas”. Oremos, neste mês de Setembro, pelos sacerdotes, para que exerçam fielmente o múnus de ensinar e comuniquem a todos a verdade do Evangelho, de que já experimentam no seguimento do Senhor. Hallison Henrique de Jesus Parro Seminarista - 4º ano de Teologia

O Ano da Fé: “Senhor, aumenta a nossa fé!” (Lc 17,5)

DA REDAÇÃO A PASCOM reuniu no dia 31 de agosto, no Seminário Maior Sagrado Coração, mais de 50 agentes, representando pastorais da comunicação de toda a diocese. “Tratamos da reestruturação da PASCOM. Estamos, no momento, analisando a realidade de cada paróquia, de como essas pastorais estão trabalhando e como interagir a comunicação em nossa diocese”, disse Lourdinha Barbosa, coordenadora da PASCOM. O planejamento para atuação em 2014 será apresentado dia 7 de dezembro. “Como disse Dom Tomé Ferreira da Silva, a Pascom, também, deve trabalhar pela evangelização, mostrar o Cristo para todos. Esse é o

A Igreja recebeu, do próprio Senhor Ressuscitado, a missão de ensinar, santificar e governar (servir) todos os povos. Esse tríplice múnus é confiado, de maneira especial, aos ministros ordenados no interior da comunidade cristã. O Concílio Vaticano II (1962-1965), no Decreto Presbyterorum Ordinis, afirma que o primeiro dever do presbítero é a pregação do Evangelho. Não existe fé ou discipulado sem o anúncio (Kerigma) da pessoa de Jesus Cristo (Rm 10,17). Pela ação do Espírito Santo, a Palavra de Deus proclamada pelo sacerdote tem o poder de despertar, nos corações das pessoas, o desejo de se unirem a Nosso Senhor e de viverem uma constante conversão ao projeto do Pai. Na comunidade, além do Kerigma, o presbítero também realiza a Didaqué (ensino, catequese), que consiste na apresentação progressiva e contínua do Mistério de Cristo a todos os fiéis. O padre, portanto, é o primeiro catequista da Paróquia e o responsável pelas crianças, jovens e adultos que se preparam para a recepção dos Sacramentos. A pregação da Palavra (1Cor 9,16 ) e o ensino das razões da fé (1Pd 3,15) educam a consciência da comunidade paroquial para a missão evangelizadora da Igreja, segundo o mandato do Senhor: “Ide por todo o mundo, pregai o Evangelho a todas as criaturas” (Mc 16,15). Antes de ser ministro da Palavra, o padre é discípulo e amigo de Cristo. O testemunho de vida e a oração o impedem de expor, na homilia, a Palavra de Deus de maneira abstrata, sem aplicar o Evangelho às situações concretas da vida (PO 4). O pároco, como cura de almas, deve ter o “cheiro das ovelhas” em seus ombros. É necessário conhecer os corações onde a Palavra será semeada, a fim de que ela produza frutos. Para tanto,


10

DIOCESE 84 ANOS

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

SETEMBRO/2013

10 de novembro

7º Caminho do padre Mariano DA REDAÇÃO O Caminho do Padre Mariano de La Mata Aparício será realizado no segundo domingo (dia 10) de novembro. É o sétimo ano consecutivo desse evento que começa com a celebração de missa, às 6 horas, na Igreja Santa Apolônia, de Engenheiro Schmitt. Às 7 horas, os caminhantes seguem pela antiga estrada de terra em direção à Igreja São Luis Gonzaga, em Cedral. Esse percurso é o mesmo que o padre Mariano fazia para rezar missa em Cedral. Ele é o primeiro beato da Diocese de São José do Rio Preto. SÍNTESE BIOGRÁFICA Nascido e ordenado sacerdote na Espanha, padre Mariano chegou ao Brasil a 21 de agosto de 1931.

Trabalhou em Taquaritinga; depois, em São Paulo. De 1949 a 1960, viveu em São José do Rio Preto. Foi professor e diretor do Colégio Agostiniano, que na época funcionava no distrito de Engenheiro Schmitt. Em

1961, foi transferido novamente para São Paulo, onde faleceu. Em abril de 2006, o Papa Bento XVI reconheceu o milagre apresentado para a beatificação do padre Mariano, que foi a cura, sem explicação

científica, do estudante João Paulo Polotto (então, com 6 anos de idade), internado com traumatismo encefálico. A cerimônia de beatificação ocorreu na Catedral da Sé, em São Paulo, no dia 5 de novembro de 2006.

Há cinco anos falecia Monsenhor Ângelo

Ele é santo, dizem os fiéis DA REDAÇÃO

Jornada Mundial da Juventude - Rio 2013

O Dia da Fraternidade será comemorado dia 15 de setembro na Praça da Matriz de José Bonifácio, com missa às 10h15, pelo quinto ano do falecimento do Monsenhor Ângelo Angioni, celebrada pelo bispo diocesano Dom Tomé Ferreira da Silva. Durante a cerimônia, será feito um pedido a Dom Tomé: abertura do processo de beatificação do Mons. Ângelo. No seu sepultamento, fiéis carregavam faixas com os dizeres: “Ele é santo!” No mesmo dia, também acontecerá a Feira da Fraternidade, a partir das 8 horas, na Praça da Matriz, com a participação de entidades assistenciais e clubes de serviço de José Bonifácio. Mons. Ângelo Angioni foi pároco da Paróquia São João Batista, de José Bonifácio, durante 57 anos. O padre Cesarino Pietra, colheu cerca de 70 relatos de graças alcançadas por intermédio do Mons. Ângelo. Entre os relatos, cura de um hanseniano, de um canceroso, de uma pessoa considerada morta e que, feito o pedido ao Mons. Ângelo, voltou a respirar.

Síntese biográfica

MONS. ÂNGELO Nascimento: Sardenha (Itália), a 14 de janeiro de 1915 Ordenação sacerdotal: 31 de julho de 1938. A 1º de novembro de 1951, veio para o Brasil e, no dia 13 de março de 1952, foi nomeado vigário de José Bonifácio. Realizações: Fundou a Congregação dos Sacerdotes do Instituto Missionário Coração Imaculado de Maria; instalou o Seminário Menor (1967), Seminário Maior (1970), a Comunidade Casa de Maria (1974) para formação de missionárias a serviço da educação e da evangelização; construiu várias igrejas, ampliou a Matriz de José Bonifácio e outros templos, escreveu vários livros. Falecimento: Aos 93 anos, dia 15 de setembro de 2008. 70 anos de vida sacerdotal, dos quais, 57 dedicados à Paróquia São Sebastião, de José Bonifácio. Seu corpo foi sepultado na cripta da Paróquia. Fiéis carregavam faixas pedindo abertura do processo de beatificação do monsenhor. Uma das frases dizia: “Ele é santo!”


DIOCESE 84 ANOS

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

SETEMBRO/2013

11

Mirassol - Celebração Diocesana

Diocese reúne centenas de Catequistas missa, presidida por Dom Tomé, o qual agradeceu-lhes pelo ministério exercido em suas comunidades, destacando a importância da fé madura para a iniciação dos catequizandos na vida cristã. Após a missa, Irmã Rosângela, coordenadora diocesana, desenvolveu o tema do profetismo na catequese, com exemplos práticos da vocação dos profetas na Bíblia e de outros de nosso tempo. Encerrou-se com orações e o anúncio de que, em 2014, a paróquia São José, de José Bonifácio, acolherá o próximo Dia Nacional do Catequista. A celebração do dia Nacional dos Catequistas terminou com um almoço de confraternização, preparado pela comunidade de Nossa Senhora do Carmo, de Mirassol. Todos ficaram agradecidos pelo carinho, disponibilidade para acolhêlos e pelo belo trabalho realizado. Na pessoa do padre Gerson, agradecem e parabenizam a comunidade pelo testemunho de unidade e organização. Equipe de redação do jornal “Diocese Hoje” - colaborou no texto o diácono Roberto Bocalete.

O Ano da Fé: “Senhor, aumenta a nossa fé!” (Lc 17,5)

DA REDAÇÃO No último domingo, das 7h30 às 13h, estiveram reunidos cerca de 900 catequistas da diocese para a celebração do Dia Nacional dos catequistas, uma tradição na diocese de Rio Preto muito bem participada pelos educadores da fé. O tema escolhido para este ano, em comunhão com o VIII Sulão de Catequese, foi: “Catequista protagonista da fé, do amor e da esperança”. O encontro iniciou com um café bem reforçado; depois, a acolhida das regiões pastorais, apresentação do assessor diocesano da Pastoral Bíblico-Catequética, padre José Eduardo Vitoreli. Em seguida, a oração e reflexão sobre o lema do VIII SULÃO, como acolhida: “Que o Deus da esperança vos encha de toda alegria e paz, em vossa vida de fé” (Rm15,13), para ajudar a compreender o compromisso de pedagogos e mistagogos, protagonistas da evangelização, do ministério da catequese, que cuidam da mística com base nas virtudes teologais e educam para uma fé madura, uma esperança ativa e um amor capaz de esforços pela comunidade, tendo como ponto de partida o testemunho. O diácono Roberto Bocalete, que conduziu o primeiro momento, destacou os objetivos do encontro: “Inicialmente, para celebrarmos juntos o dia dos catequistas e para que sintamse e entendam-se como protagonistas na ação catequética, com a finalidade de destacarmos a centralidade de Jesus em nossa missão e para recordar de que ser catequista é ser discípulo missionário, comprometido com a transmissão da fé, iluminados pela Palavra para iluminar a realidade com a Palavra, podendo, assim, assumirem a missão de profeta da vida e vivenciar a mística: ‘agarrar-se em Deus’ ”. Às 10h, juntos celebraram a


12

DIOCESE 84 ANOS

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

SETEMBRO/2013

Capela de Pontes Gestal comemora seu padroeiro

São Roberto Belarmino

Jornada Mundial da Juventude - Rio 2013

DA REDAÇÃO PADROEIRO Roberto Belarmino nasceu em Montepulciano em 4 de outubro de 1542. Segundo Plínio Maria Solimeo, autor de trabalho sobre Belarmino, “apesar da fama de santidade já em vida, São Roberto Belarmino só foi beatificado e depois canonizado por Pio XI, em 1939. Esse Papa declarou-o também Doutor da Igreja”. Por que São Roberto Belarmino? Quem explica é Melina Elias: “Aqui era só mata quando chegou o desbravador Coronel Manoel Pontes Gestal. Um de seus filhos encontrou uma atraente cachoeira no rio Preto. Eles verificaram na folhinha ( calendário ) o santo do dia: São Roberto Belarmino. A capelinha e a cachoeira, receberam esse nome”. Na antiga capelinha de São Roberto Belarmino, em Pontes Gestal, só havia de 4 a 6 diminutos bancos; por isso, na cerimônia de casamento ficavam dentro da pequena igreja apenas o sacerdote, os noivos e os padrinhos. Os convidados assistiam do lado de fora. Mas, com a ajuda da comunidade, a capela foi ampliada, melhorada, ganhou equipamentos e, hoje, pode acomodar 200 pessoas. Melina Trevilato Elias, de 86 anos, e que, desde 1968, mora em Pontes Gestal, conta: “A capelinha já existia quando cheguei aqui. Provavelmente, quem atuou por mais tempo (7 anos ) nesta capela foi o padre Nino Carta. Em suas missas, ele cantava, tocava violão; depois da missa, ia jogar futebol com o pessoal da cidade”. Para a construção da atual capela, foram realizados leilões de gado, almoços, quermesses e outras promoções. Chegavam a ser consumidos de 120 a 130 frangos numa quermesse. “Na época do padre Ernesto, houve ampliação e algumas reformas do templo. Agora, vamos reformar a Casa Paroquial, construir salas de catequese, aumentar a cozinha, já prevendo a futura paróquia”, diz Melina.

Capela de São Roberto Belarmino é administrada pelo vigário Sérgio Antonio Venturelli e pertence à Paróquia de São João Batista, de Américo de Campos (Pe. Juliano Osvaldo de Camargo). A cidade de Pontes Gestal comemora o dia do seu padroeiro em 17 de setembro com missa às 20h.

F O R A M RESPONSÁvEIS - pela Capela de S. Roberto: Pe. Dioderico, então pároco de Álvares Florence, até 1964; Pe. Jarbas, então pároco de Américo de Campos, até 1966, cuja paróquia ficou anexa até que Pe. Nino Carta assumiu Riolância e, depois, Nossa Sra. Aparecida, em Votuporanga. Voltou a Américo de Campos com Pe. Ernesto.

Sra. Melina Trevilato Elias e a filha Leiva Elias de Souza.

Sua filha, Leiva Elias de Souza, relata a visita do então bispo Dom José de Aquino Pereira, há cerca de 40 anos. “Por ser a capelinha muito pequena, a

missa foi transferida para uma barraca coberta por folhas de coqueiro. Ao ser iniciada, veio um temporal e todos se dirigiram para um cinema desativado,

CAPELA SÃO ROBERTO BELARMINO Rua Maria Pontes Gestal, 510 CEP 15.560-000 Pontes Gestal/SP Fone: (17) 3844-1112 / (17) 99717-2146

Cel. (17) 99146-3940 Missa aos sábados às 20:00 horas Domingo às 8:00 e às 19:30 horas.

levando bancos, mesas, cadeiras. As freiras de Riolândia, que vieram para a missa, carregaram o Santíssimo”.


Jornal Dh Setembro 2013