Revista Compaixão

Scroll for more

Page 1

Venha fazer parte desta corrente do bem!

R$ 3,00

Todo o lucro desta revista será doado ao PAC! ´

compaixao

FAZ BEM AO CORAÇÃO

ADOÇÃO

direto do

PAC

Tudo o que

para você

você precisa saber para

Fique por dentro

adotar uma

das ações

criança ou

incríveis que o

adolescente

PAC tem feito

no Brasil

e saiba como fazer parte do #timedobem

De Pirituba para

o mundo! O maior medalhista do vôlei no Brasil, Serginho conta, com exclusividade, como o esporte transformou sua vida

O uso da tecnologia na infância Os jogos eletrônicos e a internet têm o lado bom e o lado ruim. Saiba como controlar sem causar conflitos

Nesta capa: Serginho, o escadinha do vôlei

Foto: Everton Amaro

A revista do PAC

PRODUÇÕES

1 CRIATIVAS

E MAIS! ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL, DICAS DE FILMES E LIVROS, SAÚDE, VOLUNTARIADO, DICAS E MUITO MAIS


FOTO DO BANNER FÁBRICA

Além de serviços de engenharia básica, conceitual e executiva, a TBT Engenharia oferece montagem industrial de tanques, tubulação, estrutura metálica e equipamentos em geral, montagem eletromecânica e manutenção industrial. A empresa oferta ainda a locação de guindaste, caminhão munck H- 43000 e andaimes tubo ROHR.

Acesse:

2 ComPaixão

www.tbtengenharia.com.br


ÁREAS DE ATUAÇÃO Petróleo & Gás | Química e Petroquímica | Mineração Papel e Celulose | Açúcar e Álcool| Agroindústria | Alimentícia Cervejaria | Siderúrgica| Plantas de ácido sulfúrico

Locação de Guindastes

Tanques de Armazenagem

Tubulações

Montagem eletromecânica

Silos

TBT Engenharia Ltda Estrada do Coqueiro, nº 141 - Vila Santa Rosa - CEP: 15600-000 - Fernandópolis/ SP do PAC A revista Tel. +55 (17) 3462-5101 / (11) 98175-1439

3


Carta

Palavras da Rosane

o que me faz feliz!

S

ou uma pessoa muito melhor de-

conta do trabalho, hora por conta da

a vaidade do status profissional, de ser

pois do PAC. Aprendi a julgar me-

ONG na qual eu me dedicava integral-

uma executiva na área de TI, uma líder

nos o ser humano, aprendi que

mente após o expediente e aos finais de

referência já foi saciada.

cada pessoa tem seu tempo e seu jeito

semana.

Quero daqui para frente ter mais tem-

de ser feliz, e que compreender isto se

Sentia muito medo de fracassar, de não

po para me envolver com os projetos

chama respeito ao próximo.

conseguir fazer o meu melhor em todos

do PAC, fazendo com que o amanhã da

Persistir sempre, desistir jamais, pois é

os meus papéis e mais medo ainda de

comunidade seja melhor que o ontem

meu sonho, é aquilo que eu acredito, e se

precisar desistir de um deles.

e formando sucessores sociais para se

eu acredito é possível acontecer.

Felizmente, sempre teve uma voz dentro

engajarem nesta mesma causa, e conti-

Entender isso me fez uma profissional,

de mim que mesmo nos piores momen-

nuarem o trabalho quando eu não esti-

uma mãe, uma mulher, uma amiga e um

tos me dizia: calma, tudo vai valer a pena, e

ver mais por aqui. Isto me eterniza, me

ser humano muito melhor.

o tempo e todos os ensinamentos, vindos

realiza, me faz feliz.

Claro que não foi simples passar por todas

principalmente da área social, me ensina-

estas lições e aprender, quando eu iniciei

ram a equilibrar estes pontos tão impor-

o projeto do PAC, tinha apenas 33 anos,

tantes para mim: minha profissão, minha

Rosane Chene atua há 30 anos na

uma filha de 12 anos, estava me prepa-

família e o trabalho social.

área de TI, e há 15 está no terceiro

rando para um segundo casamento e no

Minha maior dificuldade ainda é quando

setor, seis deles como presidente

auge da minha carreira profissional.

me sinto de mãos atadas diante de um

do Instituto da Oportunidade Social

Equilibrar tudo isto foi muito difícil, exis-

problema da comunidade, a burocracia ou

(IOS) e há 13, fundou junto com dois

tia muita cobrança minha e dos meus

a falta de verba financeira me angustiam.

amigos o PAC (Projetos Amigos das

familiares por ficar ausente, hora por

Me sinto realizada profissionalmente,

Crianças)

4 ComPaixão


Carta da editora

A Corrente do Bem “

Quando Deus tira algo de você, ele

rente do Bem existe de verdade. É uma

escrever e buscar alguém para diagramar.

não o está punindo, mas apenas

coisa doida demais, você começa a fazer

Como não tinha ideia do trabalho, falei

abrindo suas mãos para receber algo

um pouquinho, comenta com alguém,

‘bóra’ lançar esta revista e eis que num

melhor”. Essa frase é do Chico Xavier,

que fala para outro amigo, que num happy

dia de desespero, porque não iria dar

quando eu a li, em 2013, confesso que fi-

hour também fala disso e quando você vai

conta de fazer tudo sozinha, estava con-

quei pensando e duvidei bastante se isso

ver, está todo mundo se ajudando.

versando com Deus. Nossa e agora hein?

faria mesmo sentido. Nesse ano, por mo-

Quem me conhece sabe, sou daquelas

Como vou fazer para lançar essa revista?

tivos que não cabem falar aqui, abri mão

Tem tanta coisa ainda para ser feita... Mas,

de 10 anos de trabalho em uma empresa,

eu tinha fé que se Deus me colocou essa

algo que gostava bastante de fazer. Ah!

missão eu iria dar conta.

Vocês não sabem, mas por muitos anos

Eis que recebo uma mensagem da Ro-

fui uma workaholic maluca, só pensava e

sane falando que uma menina que era

vivia meu trabalho. Sim, eu era uma chata,

designer, escreveu para o PAC dizendo

não tinha outro assunto.

que queria fazer um trabalho voluntário.

Hoje, passados quase quatro anos, estou

Sim, ‘bingo’, eu entrei em contato e eram,

aqui escrevendo esse editorial e posso

literalmente, as enviadas de Deus, Bianca

dizer que a frase está 100% certa. No co-

e Julliana, que fazem um trabalho excep-

meço sofri muito sem meu trabalho, mas

cional na editora Minuano e que fizeram

depois consegui enxergar que era Deus

este sonho acontecer junto. Lembra da

me dando a belíssima oportunidade de ser alguém melhor, uma mãe melhor, uma esposa melhor, uma amiga melhor, uma filha melhor, uma irmã melhor, enfim mudei a maneira de enxergar a vida. Hoje tenho tempo, algo que eu acho um dos bens mais preciosos, para mim, para minha família e para concretizar desejos e sonhos, guardados há tanto tempo.

Janaina Tobita, é mãe, jornalista de formação, mas sempre trabalhou como marketeira. Adora cozinhar e se encantou pelo trabalho voluntário em 2013. Desde então realiza ações em abrigos e tirou da gaveta o sonho de lançar uma revista para o PAC

Corrente do Bem? Acredita agora? Além das anjinhas que vieram dar uma super força, quero agradecer: Jaqueline Hansen, Camilla Cremácio, Fernanda Goulardins, Tiago Cordeiro, Diego Lemos, Ilan Segre, Marina Sobrinho e Leticia Leite, que foram parceiros e contribuíram para essa primeira edição da ComPaixão. E meu agradecimento especial vai para

Sempre admirei a Rosane, uma das funda-

o meu marido que sempre está ao meu

doras do PAC. Eu olhava pra ela e pensava:

lado, me apoiando e querendo sempre

nossa que mulher incrível, trabalha muito,

que eu esteja feliz e realizada, a Rosane Chene pela oportunidade, sou muito fã

é mãe, tem vida pessoal e literalmente ‘se joga’ nos projetos para transformar a vida

ansiosas másters, que quer abraçar o

dela, e à minha família, meu irmão, Tha-

de quem precisa. Eu ajudava o PAC com

mundo e fazer um milhão de coisas ao

les Tobita é o mais novo e daqueles filhos

grana, como já contei para vocês, só tinha

mesmo tempo. Quando surgiu a ideia da

que toda mãe sonha ter, sempre gene-

tempo para o meu trabalho e agora tenho

revista num bate-papo com a Rosane eu

roso e solidário, está colaborando para

a oportunidade de ‘tirar’ da gaveta o so-

nem tinha noção do tamanho do trabalho

ComPaixão acontecer!!!

nho desta revista.

que eu estava ‘abraçando’, e me meti a

É isso, curtam este trabalho que foi feito

Quando comecei a fazer trabalho volun-

fazer tudo sozinha. Montar o projeto edi-

com muito amor. Felicidade resume o

tário, descobri que essa história de Cor-

torial, de mídia, pensar nas pautas, apurar,

que eu sinto agora!!!

A revista do PAC

5


Conheça o PAC

Vem conhecer o

Quem atendemos Serviço de Acolhimento Institucional para Crianças e Adolescentes (SAICA) – Casas do PAC I e II: Acolhe crianças e adolescentes de 0 a 18 anos, de ambos os sexos, vítimas de maus tratos, abandono, em risco pessoal e/ou social, órfãos ou afastados de convívio fa-

Por: Camila Cremácio

O PAC surgiu em 2003, quando um

Proteção e Defesa do Direito de Crianças

grupo de amigos decidiu se organizar e

e Adolescentes à Convivência Familiar e

visitar abrigos e orfanatos, de forma vo-

Comunitária.

luntária, com o objetivo de levar algum

Mas, ainda falta mão de obra. “O que

conforto a crianças e adolescentes ca-

mais precisamos hoje é de voluntários

rentes. O que começou como visitas e

que possam se dedicar de forma inte-

brincadeira foi crescendo e tomando a

gral ao projeto, como oficineiros, por

forma de um projeto mais maduro, até

exemplo”, garante a gestora da Casa do

que em 18 de outubro de 2006, o PAC

PAC II, Fernanda Figueiredo Batista.

foi formalmente fundado, com base

Quem puder, pode contribuir apadri-

nos preceitos do amor, da compaixão,

nhando uma criança; fazendo doações

da confiança, da honestidade, da inte-

de itens de primeira necessidade; atuar

gridade, da qualidade, do respeito e da

como voluntário; ser oficineiro; doar os

transparência.

créditos da nota fiscal paulista; ou ainda,

Uma equipe de 70 funcionários formais

doar por meio de depósito bancário ou

que prestam serviços pautados nas di-

via Pagseguro.

retrizes do Plano Nacional de Promoção,

Saiba mais: www.projetopac.org.br

miliar por falta de condições dos pais ou responsáveis. Atualmente atende 37 crianças e adolescentes, sendo a mais nova, de quatro meses, e o mais velho, 17 anos. Centro para Crianças e Adolescentes (CCA) – Amigos das Crianças do São Domingos: Tem como público-alvo crianças e adolescentes com idade entre 6 a 14 anos. Por lá são desenvolvidas atividades esportivas, socioeducativas, culturais, oficinas lúdicas, geração de renda para as famílias e atendimento psicossocial. Tem capacidade de atendimento para 120 crianças e adolescentes e possui uma lista de espera. Serviço de Assistência Social à Família e Proteção Social Básica no Domicílio (SASF): Atende famílias e pessoas beneficiárias de programas de transferência de renda (PTR) e benefícios assistenciais; pessoas com deficiências e idosos, que vivenciam situação de vulnerabilidade e risco social; beneficiários do Benefício de Prestação Continuada (BPC); famílias ou pessoas com precário ou nulo acesso aos serviços públicos, fragilização de vínculos de pertencimento e sociabilidade ou qualquer outra situação de vulnerabilidade e risco social. Por lá são desenvolvidas oficinas lúdicas; oficinas de geração de renda; visitas domiciliares; reuniões socioeducativas; e encaminhamentos para rede socioassistencial. Tem capacidade de atendimento para mil famílias e, hoje, atende cerca de

6 ComPaixão

940 famílias.


Nova sala de balé

Em 2013, o PAC passou a oferecer à comunidade aulas de balé clássico. Inicialmente, as aulas de uma das turmas eram realizadas em um salão de festas do prédio do CDHU no bairro do Cantagalo e outra turma em uma sala do próprio serviço. Ambas sem estruturas adequadas para uma aula de balé. Em 2016, o projeto chegou a 115 bailarinas e as expectativas para 2017 são grandes, pois acabamos de inaugurar a nova sala de balé, com espelhos, barras e piso adequado.

Destaque do PAC “Entrei no Pac em agosto de 2011, por intermédio da gerente Fernanda. Eu trabalhava no CRECA Lapa, quando a conheci. Na época que nos conhecemos, trouxe um adolescente para pernoitar na casa do PAC, depois o CRECA precisou fechar as portas e perdi o contato com o PAC e fui trabalhar em uma Casa de Acolhida Masculina em São Miguel, foi quando novamente a Fernanda me chamou para uma entrevista. Tenho muito orgulho de trabalhar no PAC, gosto muito do que eu faço, e durante estes cinco anos, a casa vem progredindo e investindo nos seus funcionários, além de termos autonomia. A minha expectativa é poder crescer um dia e atuar como gerente nas futuras casas do PAC”. Kátia Regina Machado é casada, tem um filho adotado de três anos e atua na área do serviço social desde 2005.

Kátia Regina Machado

A revista do PAC

7


Acontece

aconteceu na comunidade

teve também: PAC DE CARA NOVA

Confira uma pequena amostra do que rolou no PAC em 2016

ho ho ho o Papai Noel passou no PAC! Cerca de 200 voluntários ajudaram na festa, a diversão foi garantida com a presença do palhaço Bozo e do Papai Noel, além de brinquedos, atividades de recreação, pintura facial, camarim da beleza, e uma energia

Desenvolvido pelas gestoras Fernanda No dia 3/12, uma linda festa aconteceu para as mil famílias assistidas pelo PAC no morro do Cantagalo.

Figueiredo e Renata Pozelli o objetivo do projeto era deixar as casas SAICA I e II de cara nova, com pintura na parte interna e externa. No SAICA II contamos com a parceria da empresa Santa Brígida. No SAICA I tivemos o apoio da empresa TE-

dados da festa

4 meses de organização Mais de

1.000

SIS com a doação das tintas e a empresa Alpendre Tintas doou pincéis e acessórios para pintura. E para colocar a mão na ‘tinta’ contamos com a solidariedade de 40 voluntários, liderados por Joyce Goes,

incrível da troca entre voluntários e famílias.

padrinhos para distribuirmos

pelo grupo Família e amigos da Noemia,

O nosso muito obrigado a todos que tornaram esse

as 1.397 sacolinhas com rou-

do Grupo de Jovens Natal Solidário, os

grande sonho possível em mais um ano!!!

pas, calçados e brinquedos

PACquitos da Alegria e também Jovens

3.500

do Instituto da Oportunidade (IOS).

cachorros-quentes

DOAÇÃO DE 3 TONELADAS

9.000

DE ALIMENTOS

refrigerantes caçulinhas

3.500 lanches de pão com carne moída, o famoso ‘buraco quente’ Algodão doce, pipoca

O Grupo Amigos do Rodrigo Barbosa fez

e sorvete

uma ação de mais de três meses arrecadando alimentos não perecíveis, e em um domingo ensolarado uma ‘corrente’ humana descarregou o caminhão lotado. No mesmo dia o grupo ainda fez uma festa para nossas crianças com pipoca, algodão doce, crepe, refrigerante, teve até banda com música ao vivo e barman fazendo drinks sem álcool. A criançada amou e ainda ganhou presentes. Foi um domingo incrível.

8 ComPaixão


Transparência

ei, você sabia? Uma das premissas da gestão do PAC é sempre ser transparente No gráfico abaixo estão ilustradas as origens de nossas receitas, nossas despesas e o quanto ainda precisamos arrecadar. A verba que recebemos da prefeitura de São Paulo não é suficiente para cobrirmos as despesas das casas e de nossos projetos. Temos que, ao longo do ano, arrecadar R$ 834.042,00. Contamos com uma corrente de união para arrecadarmos este valor. Realizamos diversos eventos durante o ano, como jantares, rifas, leilões e também contamos com a solidariedade dos nossos parceiros e amigos doadores. Por isso, a colaboração de cada um é tão importante.

Despesas totais de Jan a Nov: R$ 3.616.844,00

espia só!

Você já parou para pensar o quanto de comida e materiais de higiene são necessários para as quatro casas do PAC funcionarem durante um mês?

158KG

370KG

de Feijão

de Arroz

59 LITROS

22,06%

76,94%

de Carne

400 rolos 104 UNI. de Papel higiênico

de Sabonete

25 litros 25 litros de Shampoo

R$ 2.782.802,00 Receita Convênio Prefeitura

de Açúcar

500KG

LITROS de Leite R$ 834.042,00

93kg

de Óleo de soja

1.500

Feijão

Receita vindas de Ações do PAC

de Condicionador

1.950 UNI. 120 UNI. de Fralda infantil

de Fralda getiátrica

Quer fazer parte desta corrente e ajudar o pac?

1.

Pelo site PagSeguro

Acesse www.projetopac.org.br/doacao

VOCÊ PODE DOAR:

2.

Por boleto Bancário

mande e-mail para joyce.goes@projetopac.org.br

3.

Depósito em conta

ITAÚ AG.1024 CC.48077-2

9 CRIANÇAS APAC revista do PAC PROJETOS AMIGOS DAS CNPJ 08.620.272/0001-01


Crônica da adoção

A chegada inesperada Três histórias cruzadas em julho de 1983... Por: Malu Magalhães*

M

inha mãe aproveitava as férias

jamais entraria no repertório dele! En-

para visitar sua família no lito-

tretanto a aventura estava apenas co-

ral paulista. Meu pai seguia seu

meçando quando decidiram me buscar.

trabalho na capital. Eu estava embru-

Vocês devem pensar: eles não arruma-

lhada para presente aguardando a hora

ram nada de nada para minha chega-

exata para entrar em cena.

da? Não! Pela lógica, como eu expliquei

A cegonha deveria deixar um bebêzinho

acima, eu não chegaria naquela época

na porta da casa de meus pais, eles es-

do ano... Quer dizer, não deveria ser

tavam casados há muitos anos, mas ela

entregue a eles, já que a lista de casais

insistia em passar apenas na casa de

para adoção era extensa. Acontece

meus tios. Meu pai gostava de brincar

que todos antecedentes aguardavam a

com meus primos e minha mãe ficava

chegada de menino e meus pais eram

encantada com a doçura de minhas pri-

os primeiros que tinham preferência

mas, mas eles queriam mais... Queriam

por menina. Posso dizer que o motivo

padecer no paraíso, como diz o ditado.

de minha chegada nesta família é que

Colocaram seus nomes na lista de ado-

Deus quis assim (e não tinha escolha

ção. Meus pais sabiam que demoraria

melhor!).

a chegar a princesa do lar, pois tinham

Estradas interditadas, inundação, lama

alguns casais na frente a espera de uma

pra todos os lados e frio de bater o

criança, por este motivo não decoraram

queixo. Eles enfrentaram os obstáculos

o quartinho ou compraram roupinhas.

e chegaram até mim. Eu estava prepa-

“Sua filha nasceu”. Foi numa simples li-

rada para ser recebida pelos meus ver-

gação telefônica que minha mãe rece-

dadeiros pais vestindo uma roupinha

beu a notícia que mudaria sua vida. Tão

vermelha, assim como pede a tradição

pronto ela avisou meu pai. Ele passou

ao sair da maternidade. Minha mãe me

de marido para um posto ainda mais im-

pegou em seus braços quentes e me

portante, ser exemplo para um peque-

embrulhou na manta de lã que ela pe-

*Malu Guimarães é uma jovem jornalista,

no ser que estava a caminho de casa.

gou emprestada de um casal de ami-

criadora do blog Nascidos do Coração.

O casal mencionado acima segue um

gos. Desde então estamos juntos, nós

Para ler essa e outras histórias, acesse:

estilo discreto. Acampamento, escalada

três! Grudados com cola e entrelaçados

www.nascidosdocoracao.blogspot.com

ou qualquer aventura deste segmento

como fitas de presente.

e/ou facebook.com/nascidoscoracao

10 ComPaixão


A revista do PAC

11


Crônica

Sempre em

seus

sonhos! 12 ComPaixão


Não desista! Por: Danielly Stefanie*

N

o final dos anos 1990, e come-

meu rosto derrotado. Foi nessa situação

ço dos anos 2000, algo que fez

que minha mãe me encontrou. “O que

bastante sucesso nas festas de

foi?”, ela exclamou preocupada. “Não

família era o karaokê. Dezenas de pa-

consigo cantar essa música! É em outro

rentes escolhendo músicas sertanejas,

idioma!”, respondi tristemente. “Bem...

de pagode, de samba e se arriscando

se você não treinar, não vai conseguir

na MPB. Praticamente nenhum deles

mesmo”. A resposta sábia e simples da

cantava bem, mas sentiam-se o próprio

minha mãe causou um estalo em mi-

Chitãozinho & Xororó se conseguiam

nha cabeça. Era óbvio que eu não con-

uma nota alta. Bêbados, então, canta-

seguiria cantar de primeira, afinal ainda

vam Wando e Reginaldo Rossi enquanto

estava aprendendo a ler português na

se perdiam nas letras.

escola.

Eu, criança, também não perdia tempo

Cantei Strani Amori todos os dias. Umas

em mostrar meu talento musical. Me

10, 20, 30 vezes. Não só decorei a letra

aventurava nas músicas da Xuxa, can-

– e sei até hoje – como decorei o CD

tando um Ilariê bastante afinado. Certa

inteiro da Laura Pausini que foi lançado

vez, com oito anos, flagrei uma prima

na época, o qual ganhei de minha mãe.

bem mais velha que eu cantando uma

Sabia fazer até a pronúncia italiana,

música lindíssima em outro idioma que

conseguia notas altas no karaokê e até

desconhecia. Era Strani Amori de Laura

surpreendia os parentes nas festinhas.

Pausini, uma cantora italiana bastante

Esse acontecimento me marcou muito.

conhecida. Aquela música em que eu

Quantas vezes no nosso dia a dia, nós

não entendia absolutamente nada me

pensamos em desistir de coisas que

envolveu de tal forma que decidi, em

queremos muito por serem difíceis ou

minha inocência, tentar cantá-la. Foi um

parecerem impossíveis? Quantas vezes

desastre! Eu me embolava com aquelas

desistimos sem tentar uma, duas, dez

palavras compridas e cheias de con-

vezes? Sempre que me deparo com

soantes. O que diabos era rileggendo,

uma situação dessas, lembro daquela

*Danielly Stefanie é uma publicitária jo-

appartengono e gomitolo?

versão de mim mesma, com oito anos,

vem e criativa, fala cinco idiomas: portu-

Frustrada com meu fracasso fiz o que

sentada em um pufe tentando cantar

guês, inglês, japonês, espanhol e língua

toda uma criança faria: abri o berreiro.

em italiano, com uma persistência enor-

brasileira de sinais (Libras). Ela ainda pre-

Sentada em um pufe, com a cara enfe-

me. Desistir? Não, tentar, tentar e tentar.

tende aprender outros idiomas, porque

zada, deixei as lágrimas escorrerem em

Hoje e sempre.

não desiste nunca

A revista do PAC

13


Manhêêêê,

Educação

posso jogar videogame? Os jogos eletrônicos e a internet têm o lado bom e o lado ruim. Saiba como lidar com este pedido de seu filho sem causar conflitos Por: Jaqueline Hansen*

C

ertamente você já ouviu dos seus

qual é o limite a ser dado aos filhos quan-

artigo você confere algumas dicas sobre

filhos, sobrinhos ou crianças com

do o assunto é internet e videogame? Até

como fazer isso.

quem convive a seguinte frase:

onde é bom e a partir de qual momento

Os jogos eletrônicos e a internet têm um

“Mãe, não dá para dar pausa no jogo, é

pode ser prejudicial? O jogo que meu filho

papel importante no desenvolvimento das

on-line e eu preciso terminar a fase senão

quer jogar é adequado para a idade dele?

crianças: eles desenvolvem o lado cogniti-

perco tudo”, não é mesmo?

Diante do desejo dos filhos de ficar cada

vo e são também uma forma de socializa-

E, nos últimos tempos, é bem provável

vez mais tempo diante do console do vi-

ção. Você lembra do jogo de amarelinha,

que você já recebeu um convite um tanto

deogame ou da tela do computador, é

do pega-ladrão e dos jogos de tabuleiro?

quanto diferente, para caçar pokemons.

natural que o embate entre pais e video-

Todos eram uma forma de integrar os

São os jogos eletrônicos no dia a dia das

game apareça. Resolver este conflito é

amigos e socializar. Com o videogame

crianças, um movimento inevitável e que

um ponto importante para manter o bom

não é diferente. Claro que são necessários

causa uma dúvida cruel para os pais. Afinal,

relacionamento em família e aqui neste

cuidados, afinal, os jogos abrem as portas para um mundo onde não há total controle e aí é que residem os pontos negativos desta tecnologia. A psicopedagoga Cristiane Sousa, que atua como professora de educação infantil, destaca a nova recomendação da Academia Americana de Pediatria, que reconhece que determinados tipos de tecnologia podem ser benéficas e ter um valor educativo para bebês a partir dos 18 meses, desde que tenham supervisão de um adulto responsável. “No entanto, a recomendação

14 ComPaixão

prevê


que o uso seja moderado, de no máximo, duas horas por dia”, comenta. Mas, como

Impactos que o uso dos jogos e da internet pode trazer para a formação da criança

fazer esta iniciação sem causar conflitos em demasia e provocar uma desarmonia no lar? A dica da psicopedagoga é sempre explicar para a criança, desde cedo, os motivos pelos quais a tecnologia deve ser usada moderadamente e conversar com ela de forma a despertar seu interesse por outras atividades e brincadeiras. A profissional enfatiza ainda uma comprovação científica de que o uso prolongado de games e da internet na infância causa vício e problemas de visão, atrapalhando a socialização da criança e desenvolvendo até comportamentos indevidos para a idade. Equilibrar brincadeiras em grupo, atividades de roda ou jogos de tabuleiro com as atividades tecnológicas é fundamental e deve ser perseguido pelos pais, com muito afinco.

1. Comportamento social: é importan-

2. Biológico: a Associação Brasileira de

te ponderar que o uso das tecnologias em

Oftalmologia reforça que o tempo exces-

excesso pode fazer com que a criança

sivo com os olhos muito próximos da tela

esteja menos presente em brincadeiras

potencializa o desenvolvimento de mio-

que estimulam o convívio e a interação

pia. É importante que o adulto explique

em grupos. A psicopedagoga recomenda

isso de forma didática para a criança, para

que você se pergunte que tipo de adulto

que ela também tenha a consciência do

quer formar. Se a criança fica por tempo

tempo que pode permanecer nos jogos.

ilimitado na frente do computador, ela está deixando de conhecer as pessoas

3. Dependência e ansiedade: o com-

com quem ela convive, de desenvolver

portamento de não conseguir sair de casa

empatia e resiliência, de saber lidar com

sem o celular ou de não conseguir ficar

frustrações e de exercitar o esperar a vez

sem as mensagens no whatsapp é perce-

do outro, que é praticada com mais ênfa-

bido tanto em crianças como em adultos.

se nas brincadeiras em grupo. Para que a

Este vício de estar conectado o tempo

formação social seja plena, é necessário

todo causa a ansiedade, que pode atra-

convívio com outras crianças para enten-

palhar no desenvolvimento de atividades

der as diversidades na prática.

que exijem mais concentração.

A revista do PAC

15


Educação

4. Coordenação motora: tanto os controles manuais (botões do controle remoto) como os sensores de movimento e tapetes de dança permitem o desenvolvimento da coordenação motora do jogador pois estimulam os movimentos. Dependendo do jogo é trabalhado tanto a coordenação motora grossa (correr, pular, subir e descer, entre outros) como a coordenação motora fina (pintar, escrever, desenhar, montar, desmontar, digitar) e o equilíbrio.

5. Capacidade cognitiva: hoje em dia as escolas já aplicam jogos eletrônicos direcionados para o ambiente pedagógico, pois este recurso torna o processo de aprendizagem mais lúdico e contribui para o desenvolvimento cognitivo do ser humano. Um exemplo disso é o jogo de xadrez eletrônico, que pode ser aplicado para ensinar a criança a tomar decisões no jogo, e depois pode ser trocado pelo jogo de tabuleiro de xadrez físico, para que a criança jogue e interaja com outra pessoa. De acordo com Cristiane: “o benefício de usar este tipo de recurso digital é que o aluno poderá apresentar maior capacidade de absorver o conteúdo, raciocinar e concentrarse nele, desde que não seja viciado em jogos ou gaste muito tempo jogando.” No entanto, o excesso pode ter o efeito inverso, principalmente se tratando de concentração.

6. Atenção visual: os movimentos e ações exigidos pelos jogos podem melhorar os reflexos visuais da criança. A forma como os jogos são feitos exigem da criança a adaptação às mudanças visuais nos cenários para poder tomar a ação na hora certa.

16 ComPaixão


O papel dos pais

Os pais têm o papel fundamental no sen-

1. Tempo: não é o único fator a ser con-

agilidade do pensamento combinada

tido de ensinar a criança a utilizar a tec-

siderado pois há efeitos que acontecem

com a ação;

nologia a seu favor, e dar orientações de

em decorrência dos outros quatro fato-

que tipos de conteúdos são interessantes

res a seguir. O tempo e o tipo de jogo

5. Mecânica: dependendo do jogo, os

para ele ou não. Uma questão que sem-

devem ser um dos fatores, mas não os

controles utilizados requerem uma

pre gira na mente dos pais é que os jogos

únicos;

grande habilidade motora e equilíbrio.

podem estimular um comportamento

Os jogos podem ajudar no desenvolvi-

violento na criança ou no adolescente.

2. Conteúdo do jogo: aqui temos as

Por isso, é preciso ensinar a criança a usar

respostas aos conteúdos violentos,

os recursos tecnológicos a seu favor, e

pró-sociais ou educacionais dos video-

Aproveite as dicas e tire o melhor pro-

também ficar atento a que tipo de con-

games que podem afetar o comporta-

veito que o incrível mundo da tecnolo-

teúdo ela está consumindo. Dedicar tem-

mento de quem joga. Você deve estar

gia pode trazer para seu filho. De uma

po para ensinar seu filho a extrair o melhor

muito atento ao conteúdo do jogo, nas

forma equilibrada, tudo que é feito na

da tecnologia é papel dos pais. A dica é:

imagens, sons, linguagem e perfil dos

medida certa traz o melhor para as nos-

entre um pouco no mundo digital do seu

personagens;

sas vidas. Fica também a nossa reco-

filho, assista com ele um dos canais que

mento destes recursos na criança.

mendação de começar a jogar o FIFA17,

ele gosta no YouTube, entenda que con-

3. Contexto: os efeitos do contexto do

é uma boa forma de reunir a família e ter

teúdos ele busca e quais as razões. Assim

jogo podem alterar a reação do jogador

um belo momento de diversão!

vai ficar mais fácil orientá-lo.

na vida real. Por isso, um jogo de contexto violento pode nortear a criança a

Como escolher os jogos e conteúdos

ser mais agressiva. O comportamento

digitais para seu filho?

inverso também pode ser incentivado

E quais jogos ou conteúdos posso li-

neste contexto: a cooperação e a ajuda

berar para meu filho? O pesquisador

mútua, que inibe a agressividade;

*Jaqueline Hansen é administrado-

Douglas Gentile, que é associado da Universidade Estadual de Iowa, nos Es-

4. Estrutura: a forma como as informa-

ra de empresas, empreendedora,

tados Unidos, fez um estudo que foi pu-

ções são apresentadas durante o jogo

co-fundadora da Motor de Conteú-

blicado no periódico Child Development

podem melhorar a atenção e as habi-

do. Especialista em estratégias de

Perspectives, listando os cinco principais

lidades visuais do jogador. Então, é im-

marketing de conteúdo digital para o

fatores que você deve levar em conta na

portante que o jogo estimule o uso dos

mercado de TI.

hora de liberar, ou não, a internet e aquele

controles combinado com o raciocínio

www.motordeconteudo.com.br

tão desejado novo jogo para seu filho.

lógico do jogador, estimulando assim a

A revista do PAC

17


Entrevista

Serginho: o ídolo da emoção Líbero tornou-se o maior medalhista olímpico do vôlei brasileiro Por: Janaina Tobita*

S

érgio Dutra Santos, conhecido

onde Serginho atua.

café em Diamante do Norte, no Paraná,

como

conquistou

Um pouco tímido, Serginho logo co-

para tentar a vida em São Paulo. Sergi-

Escadinha,

sua quarta medalha olímpica nas

meçou a se soltar e a irreverência que

nho mora no bairro, os filhos e a família

Olímpiadas Rio 2016. Aos 41 anos de ida-

vemos nos jogos e nas entrevistas logo

também e toda sua vida acontece por

de, fez no dia dessa vitória sua despedida

começou a aparecer.

lá, corta o cabelo, vai ao mercado, ao

da seleção brasileira. O líbero se tornou

O premiado atleta faz questão de res-

banco... Serginho relembra também a

o maior medalhista olímpico do vôlei

saltar que é uma pessoa ‘normal’, como

época que vendeu água sanitária, em

brasileiro com duas medalhas de ouro

outra qualquer, e que o fato dele ter

uma Kombi, pelas ruas do bairro.

(Atenas 2004 e Rio 2016) e duas de prata

conquistado tantos títulos não o torna

O jogador, que ficou na seleção brasi-

(Pequim 2008 e Londres 2012).

diferente e nem melhor que ninguém.

leira por quase 15 anos e perdeu a conta

A reportagem da ComPaixão chegou

Deixa claro também a forte relação

de quantas medalhas ganhou, recebeu

mais cedo no local marcado para en-

que tem com o bairro de Pirituba onde

nossa reportagem para contar um pou-

trevista. O treino ainda estava rolando

chegou ainda bebê, com nove meses

co da carreira e também falou como o

na quadra do Sesi, time de São Paulo,

quando os pais deixaram a lavoura de

esporte transformou sua vida.

18 ComPaixão


Como o vôlei entrou na sua vida?

nível eu vou continuar, quando eu

Fazendo aula de educação física na es-

achar que estou atrapalhando eu saio.

cola estadual que fica do lado da casa

Na minha cabeça vou jogar até o final

da minha mãe. Com 13 anos fui para o

do ano que vem.

centro esportivo de Pirituba, onde tinha treinamento para a molecada, não tinha

O que você pretende fazer quando

só vôlei não, tinha basquete, futebol. Mas

parar de jogar?

meu interesse para ser jogador desper-

Eu não queria fazer nada, eu trabalho

tou mesmo, quando o Brasil foi campeão

desde os 12 anos, mas com certeza vou

olímpico em 1992, eu via os caras jogan-

estar ligado ao meio do voleibol, não

do e queria ser igual a eles.

tem jeito. Ser técnico eu não quero.

Como você se profissionalizou?

Qual líder te inspira?

Fiz minha primeira peneira no Palmeiras,

Meu pai com certeza. Seu Domingos

eu passei, depois fui para São Caetano,

tem 65 anos, já é aposentado, mas não

Recado do Serginho

de 1997 para 1998. Nessa época eu ain-

quer parar de trabalhar. Trabalha no se-

O esporte é uma ferra-

da vendia água sanitária de Kombi pelas

tor aquático do Palmeiras. É gente da

menta que traz respeito,

ruas de Pirituba para me sustentar. Já

roça, quer trabalhar, teimoso, não pre-

educação, você aprende a

era casado, tinha filho pequeno e minha

cisava mais cumprir horário, ficar longe

conviver com as pessoas,

esposa estava esperando outro. Em

da família num sábado, mas ele gosta de

você não precisa ganhar

1999, fui para Suzano, morar e jogar lá,

trabalhar. Não tem jeito.

títulos para ser um vitorio-

foi quando passei a viver do vôlei. De-

so dentro da quadra, o es-

pois em 2001, eu fui para o Banespa e

Já pensou em desistir em algum mo-

fiquei até 2004, quando fui para Itália e

mento da sua carreira?

só voltei para o Brasil em 2008.

Não, nunca.

Você recebeu apoio da sua família?

Como é sua relação com seus três

Meus pais sempre me apoiaram, tira-

filhos?

vam dinheiro não sei de onde para a

Ótima, sou muito próximo. Sou divorcia-

esporte somente de final

condução para eu ir treinar. Minha mãe

do da mãe dos meninos, mas eles estão

de semana isso vai fazer

acompanha meus jogos até hoje, tem

sempre na minha casa, busco eles na

bem para o seu corpo. Eu

cadeira fixa.

escola, estamos sempre juntos.

não quero ser exemplo

Qual foi a sua primeira grande conquis-

Qual foi a maior lição de vida que

ta financeira como jogador de vôlei?

você passou para os seus filhos?

Lembro direitinho quando saí do aluguel

É muita coisa, meus filhos têm muito

Quando eu comecei eu

e comprei um apartamento em Pirituba.

respeito por mim, eles têm medo de

não imaginava onde eu iria

me chatear, mas a maior lição é que O que motiva você a ainda jogar de-

chegar, que eu iria ganhar

eles nunca devem desistir de nada, por

pois de ser o atleta brasileiro que

tudo isso, mas eu corri

maior que seja o obstáculo. Eles se-

mais conquistou medalhas no vôlei?

muito, muito atrás.

guem muito isso. Eles são meninos mui-

É meu trabalho, é o que eu sei fazer.

to tranquilos, não posso falar que eles

Enquanto eu estiver jogando em alto

me deram trabalho.

porte traz valores. A partir do momento que você está praticando esporte você não tem tempo de pensar em bebida, cigarro, mesmo que você praticar

só dentro da quadra, mas eu quero ser exemplo principalmente fora dela.

A revista do PAC

19


Esporte

O esporte transforma Atletas superam as adversidades e se destacam por meio do esporte Por: Julliana Reis

Verônica Hipólito

A

os 20 anos de idade, a paratleta paulista conquistou duas medalhas – uma prata e um bronze – nos Jogos Paralímpicos Rio 2016, nas categorias 100 e 400 metros T38 feminino (para pessoas com paralisia cerebral).

Ela, que começou no esporte aos dez anos, viu no judô uma oportunidade de alcançar o sucesso. No entanto, uma cirurgia para retirar um tumor no cérebro a impediu de continuar nos tatames. Aos 15 anos, Verônica sofreu um AVC que paralisou todo o lado direito do seu corpo, e o atletismo entrou novamente, mas como forma de reabilitação para ela voltar a andar. Em 2012, ela voltou a correr, e um ano depois, ganhou seu primeiro campeonato mundial, aos 17 anos, passando a ser chamada de Garota Prodígio. Verônica também foi campeã mundial nos 200 metros rasos e vice-campeã mundial em Lyon 2013; campeã sulamericana nos 100 metros, 200 metros e salto em distância; campeã dos Jogos Parapanamericanos nos 100, 200 e 400 metros e vice-campeã no salto em distância.

Isaquias Queiroz dos Santos Aos 23 anos, o canoísta baiano se tornou o primeiro brasileiro a conquistar três medalhas em uma Olimpíada (duas pratas e um bronze). Nascido em Ubaitaba, cidade localizada a 370 quilômetros de Salvador (BA), ele, que perdeu o pai aos dois anos de idade, teve uma infância de privações. Para poder trabalhar, sua mãe precisava deixar Izaquias e seus nove irmãos sozinhos, trancados em casa. Aos três anos, um acidente com água fervente, provocou graves queimaduras em Izaquias. Aos dez anos, ele teve um dos rins retirado por conta de um outro acidente. Em 2013, no mundial de canoagem de velocidade, ele conquistou o bronze na prova olímpica dos 1.000 metros – a primeira medalha de um atleta brasileiro na história do mundial –, e também o ouro na prova não-olímpica C1 masculino 500 metros.

Foto: Sergio Dutti/Exemplus/COB

20 ComPaixão


Daniel Dias Aos 28 anos, Daniel é o maior atleta Paralímpico brasileiro, com 24 medalhas conquistadas em Paralimpíadas. Só na última edição, no Rio de Janeiro, ele conquistou nove medalhas (quatro ouros, três pratas e dois bronzes). Ele, que nasceu com uma malformação congênita dos membros superiores e da perna direita, passou por muitas sessões de reabilitação desde os primeiros meses de vida. Mas, em meio às dificuldades, Daniel viu na natação mais que uma opção, uma oportunidade. No início, apenas um esporte complementar para melhorar sua qualidade de vida. No entanto, aos poucos, ele viu que poderia ir mais longe e hoje se destaca como um dos maiores ídolos do esporte nacional, tendo incentivado crianças e jovens com algum tipo de deficiência.

Foto: Buda Mendes / CPB

“O esporte é a ferramenta de inserção social mais eficaz, pois o resultado é imediato e as transformações são surpreendentes.” Leandro Flores, jornalista, poeta, arte-educador e designer

Rafaela Silva A judoca carioca, de 24 anos, ganhou notoriedade ao conquistar a primeira medalha de ouro para o Brasil nos Jogos Olímpicos Rio 2016. Ela também foi a primeira brasileira campeã mundial de Judô, em 2013. Rafaela, que viveu a infância na comunidade Cidade de Deus – a região foi considerada por muitos anos uma das mais violentas do Rio de Janeiro (RJ) –, atualmente integra o programa esportivo das Forças Armadas Brasileiras. Ela, que desde pequena se interessou pelo futebol, costumava jogar contra outros meninos em um campo de terra próximo à sua casa. Aos sete anos de idade, ela e a irmã passaram a frequentar as aulas de judô no Instituto Reação, projeto do ex-atleta Flávio Canto. A aptidão de Rafaela chamou a atenção do técnico Geraldo Bernardes.

A revista do PAC

21


Adoção

Adoção passo a passo Por: Letícia Leite*

A

dotar é um ato sério que envol-

desejo de serem pais”.

adotivos de pai e mãe, e isso pode levar

ve muitas questões emocionais

Feito a análise do desejo genuíno, o se-

tempo, é um processo de construção

e burocráticas, e quando uma

gundo passo para seguir com a adoção

de uma relação e de um vínculo familiar.

pessoa leva adiante o processo de ado-

é refletir e alinhar a expectativa com a

Tomar decisões e levar este processo

ção, muitas dúvidas começam a surgir.

realidade. É preciso pensar se terá dis-

adiante do ponto de vista emocional

Primeiramente, do ponto de vista emo-

ponibilidade, condições financeiras e

nem sempre é fácil, ter um profissional

cional, o desejo de adotar deve partir

se está apto para cuidar de um bebê,

da área psíquica dando suporte aos

da pessoa que será o responsável por

da sua saúde, da sua alimentação, se

pais no processo de autoconhecimen-

aquela criança ou adolescente, ela deve

vai precisar do apoio da família e se terá

to, ajudando a identificar questões que

pensar na sua motivação de ser pai ou

esse apoio, é preciso adequar a vida ao

podem estar implícitas, pode tornar

mãe e jamais deve ser uma atitude para

desejo de adotar.

tudo mais simples, pois ajuda a pessoa

agradar outra pessoa.

Outro fator importante é avaliar se a

a identificar seus reais desejos e apoia

Segundo Helga Martins, psicóloga es-

pessoa que deseja adotar possui estru-

na decisão da adoção.

pecialista na área social, adoção não

tura psicológica para viver o processo

Há uma idealização muito grande da

é caridade, é um desejo genuíno: “É

de adoção e principalmente para se tor-

família biológica, e por isso acabam co-

importante distingui-lo de uma impo-

nar pai ou mãe, pois muitas vezes criam-

brando muito da família adotiva. O filho

sição social ou de um desejo familiar

se expectativas em cima da criança que

biológico você não escolhe sexo, se será

‘Quando o casal terá filhos?’, ‘Minha

talvez ela não poderá atender. Os pais

saudável, entre outros fatores, e quando

mãe sempre sonhou em ser avó’,

podem sonhar com um filho extrema-

há a desmitificação da família biológica

‘Não posso ter filhos então vou optar

mente obediente, enquanto a criança

as pessoas passam a estar mais abertas

pela adoção’. Quando a adoção for

adotada pode ter comportamentos

à adoção, menos exigentes e mais com-

feita em casal, ambos devem ter o

inadequados, ou não chamar os pais

patíveis com a vida real.

22 ComPaixão


do ponto de vista legal!

Nos casos das crianças e adolescentes que sofrem maus tratos, o juiz avalia se realmente a família biológica quer e/ou tem condições de criá-las. Primeiramente há a tentativa de recuperar a família, por exemplo: se os pais forem depen-

Antes de partir para a adoção é ex-

processo de adoção se prolongue.

dentes químicos, eles são encaminhados para

tremamente importante entender

Para Gabriel Sormani, Juiz Assessor

a reabilitação; caso a questão seja dificuldade

os processos legais, que depen-

da Corregedoria Geral de Justiça

financeira, eles são inclusos em um programa

dendo do caso pode demorar anos.

do Estado de São Paulo, a lei para

social ou tenta encontrar algum membro da fa-

Desta forma, é preciso pensar se

adoção no Brasil é efetiva, e o que

mília extensa que queira e tenha condições de

depois de tanto tempo o desejo de

pode dificultar é que os cadastros

ficar com o menor.

ser pai ou mãe continuará o mesmo.

de adoção, muitas vezes, não estão

Se não houver sucesso nesses procedimentos

Trabalhada a parte emocional, o

atualizados, e também possíveis

os pais serão destituídos do poder familiar, se-

próximo passo é a parte burocráti-

tentavivas de burlá-los.

rão citados e provas serão produzidas. Muitas

ca, os interessados devem procurar

Ainda de acordo com o especialista,

vezes perde-se bastante tempo tentando loca-

a vara da infância e juventude da

o juiz da infância tem que ser voca-

lizar os pais, e quando não localizados, o juiz os

sua cidade. O pretendente deverá

cionado: “O juiz não pode tratar os

cita por edital, pois os pais têm que ser citados

descrever o perfil da criança dese-

casos como mais um pedaço de pa-

para se defenderem. Tendo uma sentença de

jada durante a entrevista técnica.

pel, ele deve estar atento que o tem-

destituição de poder, o juiz cadastra a criança no

É possível escolher a faixa etária,

po da criança é diferente do tempo

Cadastro Nacional de Adoção do CNJ, permitin-

sexo, estado de saúde, se deseja

dos adultos. Seis meses para uma

do que os juízes vejam nas suas varas se existem

adotar também um irmão, mas vale

criança de dois anos, em um abrigo,

pais aptos para adoção desta criança que está

ressaltar que quanto mais “exigên-

representa um quarto de sua vida, e

disponível.

cias”, mais difícil se torna encontrar

o tempo pode determinar as chan-

Em casos de irmãos em situação de adoção a

uma criança, fazendo com que o

ces dessa criança ser adotada”, diz.

lei prevê que o grupo não seja separado. O juiz pode tentar colocá-los com o mesmo casal ou com casais diferentes que morem perto, e que eles se comprometam para que as crianças mantenham vínculo. Também é realizado um estudo psicossocial nestes irmãos, para saber se existe um vínculo entre eles e qual a intensidade, e isso dirá se a separação é salutar ou se esses irmãos não podem ser separados. O ato da adoção não pode ser desfeito, a criança não pode ser devolvida. Pais e mães que quiserem desistir do processo deverão ser destituídos do poder familiar.

“E se eu

encontrar uma

criança?”

A pessoa que encontra uma criança na rua ou em situação de vulnerabilidade não tem prioridade de adoção. O correto é levá-la a vara da infância e juventude e o juiz determina o abrigamento.

A revista do PAC

23


Adoção

Pontos

para você refletir

antes de adotar

motivação É um desejo genuíno? Reflita muito sobre o desejo de ser mãe e ser pai. Não tem que ser uma atitude voltada para o outro. A adoção não é caridade, não é fazer bem ao próximo, isso é voluntariado. Não pense em satisfazer imposições sociais ou satisfazer desejos familiares.

24 ComPaixão


expectativa

Uma criança cabe dentro da sua rotina?

Você tem saúde para cuidar de um bebê, de uma criança ou de um adolescente? Se você trabalha demais e viaja muito, vai precisar do apoio da família... vai ter esse apoio? Além das questões emocionais, também é preciso pensar nas condições financeiras. As despesas de mais uma pessoa cabem no seu orçamento?

Informações? O tempo de um processo de adoção depende muito das características da criança exigidas por quem adota. Quanto maior o número de exigências, mais difícil de encontrar a criança para adoção. Exemplo: bebês brancos são difíceis de estarem disponíveis para adoção, já no caso crianças com mais de seis anos e adolescentes, o processo é muito mais rápido, pois não existe fila de espera. Você está preparado para esperar tanto tempo assim para adotar um bebê? Como estará o desejo de adotar depois de tanto tempo?

Avaliação final

Ajuda profissional A psicóloga Helga Martins reforça: “Essas questões são muito fortes, é difícil a

É isso mesmo que você quer?

pessoa ponderar tudo isso sozinha. Quando

Você tem estrutura psicológica

você tem um profissional da área psíquica

para viver o processo de adoção e,

apoiando nesse processo, ajudando a iden-

principalmente, para se tornar pai

tificar questões que podem estar implícitas,

ou mãe de uma criança?

apoiando no processo de auto-conhecimento, com certeza, será mais fácil. A psicoterapia ajuda a pessoa se conhecer, a identificar seus desejos reais, o psicólogo,

Leticia Leite é jornalista, ama dançar e não esconde seu amor por crianças. Uma baixinha que, apesar dos cinco graus de miopia, enxerga o mundo com olhar de gente grande

coloca todas as dúvidas, o que está por traz destas questões, ajuda a ‘limpar o terreno’ e apoiar na decisão da adoção”.

A revista do PAC

25


Saúde

Quando o hábito

vira vício Linha entre hábito e vício é bem mais tênue do que parece Por: Ilan Segre*

É

1 Porque é muito prazeroso Procure analisar um hábito que você

bastante comum nos habituarmos a certos padrões bons ou ruins sem

tenha, de preferência que não seja dos

nos darmos conta. Do cafezinho nosso de cada dia, a uma dependên-

mais saudáveis e veja se não conse-

cia tecnológica, física ou química. Aliás, em geral, quem se dá conta que

gue imediatamente associar um gran-

estamos passando dos limites não somos nós, mas sim as pessoas que con-

de prazer à sua execução. Fumar, por

vivem conosco.

exemplo, ocupa a mente e as mãos,

É realmente muito difícil nos livrarmos de velhos hábitos. Exemplos drásticos

torna a expiração imediatamente mais

não faltam! Já ouvi pessoas dizendo não serem capazes de parar de fumar ou

lenta e ainda nos brinda com uma cer-

de beber, mesmo após terem passado por cirurgias no pulmão, garganta ou

ta beleza da fumaça. Sair do escritório

cardíacas.

por alguns instantes para fumar ou to-

Mas se não é uma questão de falta de clareza nem de intelecto, por que mes-

mar um café também pode ser a única

mo sabendo claramente que alguns hábitos são nocivos somos incapazes de

oportunidade para uma “pausa” na nos-

abandoná-los? E como será que nos viciamos sem perceber?

sa rotina, um alento na chatice da rotina. Os filmes de Hollywood reforçaram

2 Porque estamos entediados

por anos esse comportamento como um ícone dos atores no cinema.

3

Abrir o whatsapp a todo instante, checar emails e usar o celular como uma companhia pode, sem dúvida, também ser uma espécie de vício. De fato, é difícil ficarmos

Porque gostamos de parecer importantes

sozinhos, pensarmos sobre nós mesmos ou sobre a vida que levamos. O celular é como

Lembro de como na época que tra-

um amigo que nos mantém constantemen-

balhava em empresas, ser constan-

te ocupados, física e mentalmente. Em uma

temente solicitado, fosse em ligações

situação social, tal qual uma recepção ou

na mesa ou no celular, era um sinal de

uma festa, o celular pode nos proteger de

que a pessoa estava se tornando mais

nos sentirmos solitários...

importante na hierarquia. Ter que participar de inúmeras reuniões, também

26 ComPaixão

funcionava da mesma forma.


4 Porque somos incentivados socialmente *Ilan Segre é psicólogo Eu mesmo experimentei pela primeira vez um cigarro quando tinha 15

pela USP e pós-

anos, numa roda de amigos, a sorte é que, na ocasião, tossi tanto que de-

graduado em Fitoterapia.

sisti da empreitada de fumar. Me lembro também de maneira parecida

Também formou-se

com a sensação após os primeiros goles de cerveja – bebida esquisita,

em Yoga e Ayurveda no

amarga… Mas o estranhamento passa logo e rapidamente aprendemos

Brasil e se especializou

a apreciar aquilo que inicialmente nos fez tossir ou ter o paladar amargo.

fora do país, em viagens

Aprendemos a nos conformar socialmente.

para a Austrália e para a Índia, onde morou por dois anos para concluir sua pós-graduação

5

em Yogaterapia e Naturopatia. Atualmente é pesquisador no NUMIER - Núcleo de Medicina integrativa do Hospital

Porque não temos consciência

Emilio Ribas e atende no consultório fazendo uma

de uma tarefa para outra

fusão de psicoterapia

capazes de fazer cinco coisas ao mesmo

Muitos dos hábitos que temos hoje foram

com técnicas de Yoga,

tempo, muitas vezes carrega secretamente

herdados culturalmente e dependem da

respiração, correção

consigo a semente de um hábito social. Isso

época e do local onde vivemos. Outros,

de alimentação e

gera distanciamento das tarefas e, portanto,

surgiram a partir do nosso convívio em fa-

utilização de ervas como

inconsciência em nossos atos. Agimos auto-

mília, com amigos ou são fruto de apren-

tratamentos

maticamente, sem nos dar plena conta do

dizado das telas de cinema, das novelas

complementares.

que fazemos, nem prestarmos atenção às

ou dos seriados que tanto gostamos. E

É autor do Livro Terapia

tarefas. Exemplos atuais, não nos faltam: ir

então, além de fornecerem uma recom-

Integrativa (ed. Ágora),

dormir vendo TV; estudar, comer, ouvir músi-

pensa prazerosa, esses hábitos também

2012 . Ilan presenteou

ca ou ver TV ao mesmo tempo; dirigir falando

são valorizados pelos amigos e por nos-

a ComPaixão com um

ao celular ou mandando mensagens (este há-

sos pares. Pronto, a armadilha emocional

de seus artigos, outros

bito então pode até ser fatal). A quantidade de

está formada…

textos podem ser

distrações disponíveis aumenta a cada dia,

Pare e reflita quais, na verdade, “possuem”

conferidos no site:

mas infelizmente (ao contrário do que se

você. Aqueles que temos dificuldade em

www.vidaintegrada.com.br

apregoa por aí) o nosso cérebro não evoluiu

modificar, aqueles que nos fazem sentir de-

a contento e ainda não é capaz de se sub-

pendentes e dos quais não podemos largar

dividir como o de um computador. Ou seja,

podem já ter cruzado a fronteira e sido pro-

na prática, continuamos sendo capazes de

movidos a vícios. E como o próprio nome

executar apenas uma única tarefa por vez,

diz, o vício é uma dependência física e/ou

com 100% de atenção ou então fazemos

psicológica que nos leva a buscar o consu-

várias coisas ao mesmo tempo, mas somos

mo excessivo de uma substância ou a repe-

obrigados a mudar rapidamente a atenção

tição de um comportamento.

A ideia totalmente bizarra, de que somos

Boas reflexões

A revista do PAC

27


Trabalho

menor aprendiz Mais jovens no mercado de trabalho Por: Fernanda Goulardins*

Q

28 ComPaixão

ual jovem não sonha com o pri-

empresas com mais de sete funcionários

meiro emprego? Hoje em dia

possam contratar jovens com idade entre

ter um bom emprego logo após

14 e 24 anos.

o ensino médio é o objetivo da maioria

O diretor de RH da Mary Kay*, Marcelo Lá-

deles. O fato é que, muitas vezes, fica

zaro, explica que os processos seletivos

complicado e difícil achar uma ocupação

exigem que os candidatos estejam estu-

que aceite iniciantes com pouca ou ne-

dando o ensino fundamental ou médio,

nhuma experiência.

uma vez que o objetivo principal do pro-

Pensando nisso, o governo federal criou o

grama é o desenvolvimento profissional e

Programa Jovem Aprendiz com o objetivo

acadêmico, formando cidadãos e futuros

de inserir os jovens cada vez mais cedo no

profissionais.

mercado de trabalho.

Para a estudante de psicologia Letícia Sil-

Criado a partir da Lei da Aprendizagem

va, sua contratação aconteceu muito rá-

(Lei 10.097/00), o programa envolve um

pido. “Não encontrava oportunidade para

curso gratuito com duração de até dois

trabalhar na área de recursos humanos,

anos. Durante este período, o aprendiz

até que conheci o Ensino Social Profissio-

recebe ensinamentos teóricos e práticos.

nalizante (ESPRO) e preenchi a ficha de

A lei também determina que todas as

cadastro. Em duas semanas me chama-


ram para a entrevista”, conta a jovem, que há nove meses atua como jovem aprendiz na Mary Kay. “O meu currículo valorizou demais, é um crescimento muito grande. E na vida pessoal é uma realização, muitos dos meus

*Mary Kay: Com 50 anos de atuação e mais

amigos não tiveram essa oportunidade de

de 3,5 milhões de consultoras de beleza

atuar na área. Isso sem falar que trabalho

independentes em todo o mundo, a em-

em uma multinacional, o que é muito gra-

presa tem faturamento de 4 bilhões de

tificante”, comemora.

dólares em vendas globais, sendo uma das

De acordo com Marcelo Lázaro, a jorna-

maiores empresas de vendas diretas, com

da de trabalho dos iniciantes não deve

atuação em mais de 35 países.

ser superior a seis horas diárias, admitin-

Saiba mais: marykay.com.br

do-se até oito horas diárias, caso tenham completado o ensino médio, porém obrigatoriamente devem se incluir as horas destinadas à aula teórica em instituições especializadas.

*Fernanda Goulardins é mãe,

Segundo o Ministério do Trabalho, a expec-

jornalista, comunicadora, ges-

tativa é de que nove milhões de micro e

tora de projeto social, inquie-

pequenas empresas possam contratar os

ta, preocupada com as questões

jovens. A boa notícia é que 82% dos adolescentes que passam pelo programa são

sociais e ambientais, amiga para todas as horas e pronta para a próxima missão

efetivados na empresa.

A revista do PAC

29


Mais gostoso!

Alimentação saudável Faça escolhas simples e dê uma turbinada na alimentação Por: Camilla Cremácio*

C

ada vez mais, a alimentação saudá-

2. Consuma frutas, legumes e verduras:

vel tem sido um assunto constante

são fontes de fibras, vitaminas, minerais e

e que desperta muito interesse por

fitoquímicos (excelentes antioxidades).

parte das pessoas interessadas em melhorar sua qualidade de vida. São muitos os

3. Consuma proteína: elas são essenciais

estudos que relacionam a escolha dos ali-

para o organismo, pois fazem parte de to-

mentos a doenças como o câncer, a hiper-

das as estruturas do corpo. Inclua leite e

tensão e doenças cardíacas entre outras.

derivados, proteína de origem animal, fei-

Mas, afinal, o que é alimentação saudável?

jões e oleaginosas em suas refeições.

“Os princípios de uma alimentação saudável são resumidos em equilíbrio, variedade,

4. Evite alimentos refinados: produtos

cor e moderação. Mas, é importante enten-

feitos com grãos refinados e farinha branca

der a importância de ingerir alimentos em

(pão, açúcar, trigo, arroz), perdem muito do

variedade, atendendo aos diferentes gru-

seu valor nutricional no processo de refina-

pos de carboidratos, proteínas e gorduras.

mento. Comer esses tipos de carboidratos

A cor da comida é uma boa indicação do

leva a um aumento rápido do açúcar no

seu valor nutricional. Quanto mais colorido

sangue – o que não é saudável.

o prato, maior o valor dos nutrientes”, explica a nutricionista funcional Fabíola Estela

5. Evite os industrializados: alimentos

Domingues.

processados e embutidos contêm inúmeras substâncias químicas que não

Confira as dicas da nutricionista: 1.

são reconhecidas pelo nosso organismo,

Consuma alimentos integrais: eles

alguns deles cancerígenos. Corantes,

contêm nutrientes que estão na película

conservantes e outros aditivos químicos

do grão, como vitaminas do complexo B,

também presentes, acabam sobrecar-

*Camilla Cremácio é formada

vitamina E, uma gama de minerais e gor-

regando nosso fígado. Os níveis de sódio

em Jornalismo. Atua no merca-

duras essenciais e fibras, que servirão de

e gordura contidos em comidas indus-

do de comunicação corpora-

alimento para as bactérias benéficas do

trializadas ultrapassam o recomendável,

tiva e usa seu tempo livre para

intestino, ajudam no controle do colesterol

tornando-as um agente no aumento de

cozinhar para os amigos e fazer

e na saciedade.

casos de hipertensão e obesidade.

trilhas

30 ComPaixão


Brownie funcional de chocolate com nozes INGREDIENTES

MODO DE PREPARO

cione a água e a mistura aos ingredientes

1. Pique o chocolate, e derreta no mi-

anteriores, e incorpore tudo muito bem.

croondas ou em banho-maria com o

Acrescente as nozes e misture.

1,5 xíc. de açúcar demerara

óleo. Misture com o chocolate ou cacau

3/4 xíc. de chocolate ou cacau em pó

em pó, e reserve.

1/2 xíc. de farinha de arroz

4. Coloque a massa do brownie em uma forma retangular untada e enfa-

1/2 xíc. de maisena ou fécula de batata

2. Com a ajuda de uma batedeira elétri-

rinhada, e leve a assar no forno pré-a-

1/2 xíc. de água fervente

ca, bata os ovos e o açúcar, até virar um

quecido a 200ºC por 15 minutos.

100 g de óleo de girassol

creme fofo. Depois baixe a velocidade,

Quando estiver pronto, o palito deve

3 ovos

ou misture na mão, à medida que adi-

sair ligeiramente úmido.

80g de chocolate mín. 70% de cacau

ciona os ingredientes do passo anterior.

2 col. de sopa de farinha de linhaça

5. Deixe o brownie funcional esfriar um

1 colher (café) de fermento para bolos

3. Numa tigela à parte misture a farinha de

pouco antes de desenformar e cortar.

1 xíc. (chá) de nozes picadas

arroz, a maisena ou fécula de batata, farinha

Prepare este brownie como parte de uma

de linhaça e o fermento. Pouco a pouco adi-

alimentação funcional. Bom apetite!

A revista do PAC

31


Voluntáriado

A felicidade do voluntariado Além de fazer o bem ao próximo, essa ação gera benefícios também para quem a prática Por: Marina Sobrinho*

Q

uase todo mundo já sentiu uma

vem ou o adulto que, devido a seu interes-

se voltar para si mesmos”, explica o presi-

vontade imensa em ajudar al-

se pessoal e ao seu espírito cívico, dedica

dente da Associação de Profissionais de

guém. Seja pegando algo que

parte do seu tempo, sem remuneração

Recursos Humanos (APRH), Daniel de Car-

está fora do alcance para uma criança, ofe-

alguma, a diversas formas de atividades,

valho Luz.

recendo o assento para uma gestante no

organizadas ou não, de bem estar social,

Todos estão aptos a realizar trabalhos

metrô, ou ainda, destinando algumas ho-

ou outros campos”.

voluntários. Claro que alguns exigem co-

ras da sua semana para realizar um traba-

No ano passado, a Fundação Itaú Social,

nhecimento técnico específico, mas, em

lho voluntário em uma organização social.

em parceria com o Datafolha, desenvol-

geral, basta a vontade de contribuir sem a

Em todos os casos, a sensação de felicida-

veu uma pesquisa que mostra a opinião do

necessidade de especialização. Para tanto,

de, muitas vezes, é maior na pessoa que

brasileiro sobre o voluntariado. Os dados

pode-se começar essa ação identificando

realizou a ação do que na que recebeu o

apontaram que 72% da população brasilei-

uma causa ou necessidade social, procu-

benefício.

ra nunca desempenhou atividade voluntá-

rando uma organização social próxima de

O livro ‘Afinal, de quem é o sorriso’, do cirur-

ria. Os que nunca participaram estão mais

você, participando de uma campanha na

gião-dentista Robson Augusto Cottarelli,

presentes entre os jovens, pessoas menos

qual acredite ou através do Centro de Vo-

traz um lindo relato sobre esse sentimento.

privilegiadas economicamente e com bai-

luntariado de sua cidade.

“Quando ouvi as histórias deste livro, pela

xa escolaridade.

primeira vez, me perguntei o que movia

O público que já participou alguma vez de

Centro de voluntariado é uma asso-

aquele jovem garoto que conheci a atra-

ações voluntárias é de 28% da população,

ciação civil sem fins lucrativos, que tem

vessar o [ocêano] Atlântico para gentil-

e o principal motivo que leva os brasileiros

como missão incentivar e consolidar a

mente ajudar àqueles que muito precisam

a exercerem o voluntariado é a solidarieda-

cultura e o trabalho voluntário, mobi-

e pouco recebem de todos nós? Era fácil

de, o desejo de ajudar o próximo. A prefe-

lizando as pessoas que querem fazer

notar nos seus olhos o brilho, não do dever

rência por exercer atividade relacionada à

um trabalho voluntário, e quando for o

cumprido, mas da realização, da sensação

habilidade pessoal ou à formação cresce

caso, fazendo a ponte com as organi-

de sentir-se pleno. Quando refletia sobre

conforme aumentam o grau de escolarida-

zações sociais que precisam de volun-

o voluntariado, pensando naquelas pes-

de e a classe social, enquanto a opção por

tários para a melhoria da qualidade de

soas tão necessitadas, imaginava o seu

desempenhar qualquer atividade é mais

vida da cidade onde está localizado.

sorriso de gratidão, mas ao mesmo tempo,

forte entre as mulheres.

me lembrava da felicidade ao relatar seus

Embora essa ação seja em benefício do

atendimentos. Assim, pergunto: afinal, de

outro, ela também contribui para a satis-

quem é o sorriso? Do voluntário, ou daque-

fação e crescimento pessoal, além de ser

les a quem auxilia? Talvez esta seja a chave

uma ótima experiência de preparação

para se entender o voluntariado: a felicida-

para o mercado de trabalho, já que mui-

de mútua.”

tas empresas reconhecem o voluntariado

Ser voluntário é ter empatia e se dispor

como uma virtude.

a ajudar alguém ou uma causa, e muitas

“O profissional passa a ver as pessoas com

organizações dependem desse serviço.

outros olhos, o que é muito interessante

Segundo definição da Organização das

em organizações maiores onde o ambien-

Nações Unidas (ONU): “o voluntário é o jo-

te é muito competitivo e todos tendem a

32 ComPaixão

*Marina Sobrinho é estudante de jornalismo e atua como estagiária de redação em uma editora de revistas


Leia o quanto antes:

1

Dicas

2

3

Em ‘Para-heróis’, a jornalista Joanna de As-

‘Ser voluntário – pensamentos e reflexões

Em ‘Tornando-se pais – a adoção em todos

sis surpreende ao retratar de forma inteli-

de grandes nomes da humanidade’ reúne

os seus passos’, Gina Khafif Levinzon escla-

gente a vida atletas que superaram inúme-

uma coletânea de artigos que servem de

rece as principais dúvidas de pais que pre-

ros desafios e se destacaram por meio do

inspiração para qualquer pessoa que queira

tendem adotar uma criança ou para aque-

esporte, tornando-se grandes campeões.

fazer da sua vida uma história significativa.

les que já estão em processo de adoção.

Editora Belas Letras | 204 páginas

Editora Komedi | 80 páginas

Editora Casa do Psicólogo | 145 páginas

assista o quanto antes!

1

2

‘The Fosters’ (Os adotivos, em livre tradução) é uma série ameri-

O filme britânico ‘O menino de ouro’ conta

cana produzida pela cantora Jennifer Lopez para o canal Netflix.

a história de um garoto que foi enviado por

Lançada em 2013, nos Estados Unidos, aborda de forma inteligente

um orfanato para a casa de um casal que

os dilemas de um lar nada convencional formado por duas mães e

pensa em adotar uma criança. Muitas coi-

cinco filhos, quatro deles adotivos. Destaque para as reflexões so-

sas inusitadas acontecem desde a chegada

bre o amor e o que é ‘normal’ dão o tom da série, que tem quatro

do garoto, que literalmente transforma a

temporadas.

vida da família. Imperdível!

A revista do PAC

33


Talentos do PAC

A menina desaparecida

Era uma vez uma menina chamada

Um dia ela perguntou aos seus pais se

A menina foi caminhando pela floresta,

Bia. Ela morava com seus pais, João

ela poderia passear pela floresta. Eles

quando de repente ela viu uma sombra

e Maria, em uma linda casa perto de

responderam que sim, e para ela tomar

passando. Ela sentiu um frio na barriga e

uma floresta.

cuidado e não ir tão longe.

ficou muito assustada.

Então apareceu uma bruxa, muito má e

Seus pais ficaram preocupados com a de-

Os caçadores, com seus grandes ca-

feia. Pegou a menina e a levou para sua

mora da filha e resolveram chamar os ca-

chorros, saíram em busca da menina

cabana.

çadores para procurar a menina na floresta.

na floresta.

Eles andaram a tarde inteira atrás da

Os caçadores acharam a menina que esta-

Eles resgartaram a menina e a levaram de

Bia, chamavam seu nome em todos os

va presa pela bruxa, invadiram a cabana e

volta para seus pais. E viveram felizes para

lugares da floresta.

conseguiram libertá-la.

sempre!!!

Esses desenhos são trechos do livro produzido pelas crianças e jovens do PAC II, um trabalho desenvolvido pela psicóloga voluntária, Bruna Maranholi. PARTICIPARAM DO PROJETO: Antônio Ezequiel, 3 anos | Gabriel, 10 anos | Jenyfer, 7 anos | João Pedro, 7 anos | Luís Fabiano, 4 anos | Maria Luiza, 5 anos Nathan, 6 anos | Patrícia, 14 anos | Salma, 9 anos | Simon, 9 anos | Yasmin, 8 anos

projeto Editorial 34 ComPaixão PRODUÇÕES CRIATIVAS

Conteúdo e revisão: Julliana Reis é jornalista com mais de 7 anos de atuação na área de inclusão e acessibilidade, que a levaram a criar a Ludik com o objetivo de compatilhar seus conhecimentos na área

Projeto gráfico e diagramação: Bianca Ponte é designer gráfico com experiencia em branding, editorial e web. Criou a Ludik com o intuito de compartilhar criatividade em projetos especiais


A revista do PAC

35


Nosso objetivo é promover o desenvolvimento pessoal e social de crianças, adolescentes e famílias em situação de risco e vulnerabilidade social, por meio de ações socioeducativas, culturais e profissionais

Venha fazer parte desta corrente do bem! AMOR, COMPAIXÃO, CONFIANÇA, HONESTIDADE, INTEGRIDADE, QUALIDADE, RESPEITO E TRANSPARÊNCIA

Dias melhores pra sempre! Para saber como ajudar e conhecer nossos projetos, acesse: www.projetopac.org.br