Page 1

1

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Tamara Lariane Cleto Lopes

ACUPUNTURA EM DERMATOPATIAS EM CÃES: REVISÃO DE LITERATURA E RELATO DE CASO.

Jaguariúna 2017


2 2

Tamara Lariane Cleto Lopes

ACUPUNTURA EM DERMATOPATIAS EM CÃES: REVISÃO DE LITERATURA E RELATO DE CASO.

Trabalho de Conclusão do Curso de Pós-graduação Lato Sensu em Acupuntura Veterinária da Faculdade de Jaguariúna.

ORIENTADORA:MV, MSc, PhD Maria Luisa de Cápua

Jaguariúna 2017


3 3


4 4 ACUPUNTURA EM DERMATOPATIAS EM CÃES: REVISÃO DE LITERATURA E RELATO DE CASO.

RESUMO

A acupuntura é amplamente aceita para o controle de dor crônica, melhorando a qualidade de vida dos animais. Além disso, seus benefícios em outras afecções na rotina clínica vêm sendo cada vez mais discutidos e estudados. Patologias como dermatopatias, desordens hematológicas como trombocitopenia, leucopenia, anemia, entre outras, têm mostrado boa resposta com esse tratamento. Neste trabalho será abordado o caso clínico de uma paciente com histórico de sarna demodécica onde foi realizado o tratamento convencional (fluralaner e cefalexina), entretanto o animal não estava apto a reepilar as áreas que foram acometidas. A hemopuntura foi empregada como método alternativo de grande valia, apresentando excelente resposta para reversão do quadro clínico e da queixa principal (alopecia em região de pescoço, áreas próximas as escápulas e membros torácicos). Na medicina veterinária poucos são os estudos focados no tratamento de dermatopatias com métodos de hemopuntura, porém esta técnica demonstrou excelente resultado clínico.

Palavras-chave: acupuntura, dermatologia, hemopuntura, medicina complementar.


5 5

ACUPUNCTURE IN DERMATOPATHIES IN DOGS: LITERATURE REVIEW AND CASE REPORT.

ABSTRACT

Acupuncture is widely accepted for the control of chronic pain, improving the quality of life of animals. In addition, its benefits in other conditions in the clinical routine have been increasingly discussed and studied. Pathologies such as dermatopathies, hematological disorders such as thrombocytopenia, leucopenia, anemia, among others, have shown good response with this treatment. In this work the clinical case of a patient with a history of demodectic mange where the conventional treatment (fluralaner and cephalexin) was performed, however, the animal was not able to reepilate the areas that were affected. Hemopuncture was used as an alternative method of great value, presenting excellent response for reversion of the clinical picture and the main complaint (alopecia in the neck region, areas near the scapulae and thoracic limbs). In the veterinary medicine few studies are focused on the treatment of dermatopathies with hemopuntura methods, however this technique demonstrated excellent clinical result.

Keywords: acupuncture, dermatology, hemopuntura, complementary medicine.


6 SUMÁRIO RESUMO ........................................................................................................... 04 ABSTRACT........................................................................................................ 05 1 INTRODUÇÃO ............................................................................................... 07 2 OBJETIVO....................................................................................................... 09 3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ........................................................................ 09 3.1. O uso da hemopuntura em casos de dermatopatias........................... 09 4 RELATO DE CASO ....................................................................................... 13 5 DISCUSSÃO ................................................................................................... 18 6 CONCLUSÃO ................................................................................................. 18 7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICA................................................................ 19


7 7

1 INTRODUÇÃO

O campo da dermatologia, conhecida como pi fu ke na Medicina Chinesa para o diagnóstico e o tratamento das doenças da pele e pelos, músculos, tendões e ossos, estavam sob domínio da medicina externa (waike). A dermatologia era estudada juntamente com traumatologia, ortopedia e cirurgia. Inscrições em osso e cascos de tartarugas escavados das ruínas da época da dinastia Shang (1700 a 1100 a.C) mostravam caracteres chineses descrevendo condições de pele, como escabiose (Jie). Na dinastia Zhou (1100 a 221 a.C) foram observadas correlações entre as manifestações de doenças cutâneas e os ciclos sazonais, havendo-se feito tentativas para descobrir suas causas. No livro The general treatise on the cause and symptoms of disease (tratado geral sobre a causa e sintomas da doença), escrito em 610, CHAOYUAN-FANG, descreve quase cem distúrbios cutâneos e explica que a sarna sarcóptica era transmissível, e ainda complementou que era causada por um parasita. Muitos textos vieram em seguida, desenvolvendo-se uma matéria medica em constante expansão por meio da criação de substâncias medicinais e técnicas de acupuntura para tratar doenças de pele (SCHOEN, 2006). O efeito terapêutico da MTC tem sido reconhecido em diferentes campos da medicina ocidental, adotando como premissa desta, a existência de padrões de fluxo energético (Qi) ao longo do corpo, cujas interrupções, podem levar aos quadros patológicos conhecidos. A aplicação de agulhas (acupuntura) e suas variações, como a sua forma térmica: a moxabustão, com estímulos de calor em determinados pontos do corpo, pode estimular ou inibir a liberação de substâncias endógenas, como os neurotransmissores (PATERNO et al., 2008). Para a MTC os efeitos da estimulação dos acupontos em meridianos nos quais haja estagnação de Qi, é capaz de gerar um fluxo de movimento dessa energia, desbloqueado o canal levando a cura (MACIOCIA, 2007). Normalmente, a pele de um animal deve ser macia e elástica e sua pelagem, limpa e brilhante e dependendo do ambiente e das condições climáticas, os animais trocam os pêlos duas vezes por ano. Segundo a Medicina Veterinária Tradicional Chinesa (MVTC), do ponto de vista fisiológico e patológico, a pele está relacionada ao pulmão. Assim a função anormal do pulmão pode causar problemas de pele. Por exemplo, a contração da pele e a pilo ereção indicam um padrão de vento-frio. Já o vento-calor no pulmão causa prurido cutâneo ou urticária (MACIOCIA,2007).


8 A prática da medicina complementar e alternativa (CAM) é descrita por várias definições, incluindo a medicina integrativa, holística e oriental. Estas modalidades são utilizadas em conjunto ou como complemento dos tratamentos convencionais. A medicina convencional, alopática ou ocidental envolve controlar sintomas, tratar doença e manutenção da saúde através do uso de intervenções farmacêuticas e cirúrgicas. Abordagens complementares e alternativas visam o indivíduo como um "todo": A energia do corpo e sua influência na saúde e na doença, a mobilização de recursos próprios do corpo para se curar, tratamento das causas, e não os sintomas da doença. (OLIVRY T, MUELLER R S ., 2012). Doentes com condições crônicas nos quais os sinais clínicos não são aliviados por tratamentos convencionais, muitas vezes procuram outras formas de terapias.Com isso, os interesses dos tutores em alternativas terapêuticas visam diminuir do uso de medicamentos convencionais nos tratamentos clínicos para melhoria na qualidade de vida de seus animais, a MTC através da utilização da acupuntura proporciona uma melhora no quadro clínico com diminuição dos efeitos colaterais da terapêutica convencional(OLIVRY T. & MUELLER R.S., 2012). O interesse e aceitação da medicina veterinária complementar e alternativa (CAVM) dentro da medicina veterinária ampliou-se ao longo das décadas. As Diretrizes da Associação Médica Veterinária Americana (AVMA), reconheceram interesse das modalidades de medicina Complementar e Alternativa em 2001.Esta definição foi modificada em 2012 como resultado do "aumento da informação científica disponível sobre estas modalidades, bem como o aumento da inclusão dessas terapias na grade curricular em escolas de veterinária acreditadas. " (Nancy Scanlan, DVM, comunicação pessoal, 2012) Os casos dermatológicos apresentam grande prevalência em pequenos animais, sendo a razão mais comum para serem levados ao médico veterinário (SCOTT; MILLER; GRIFFIN, 2001; HIIL et al., 2006). Estima-se que entre 20 e 75% de todos os animais examinados na prática clínica veterinária apresentem enfermidades do sistema tegumentar como queixa principal ou como doença secundária (IHRKE, 1996; SCOTT; MILLER; GRIFFIN, 2001). A demodicidose é uma doença com alta incidência na dermatologia veterinária (GHUBASH, 2006; MUELLER, 2004;SCOTT;MILLER; GRIFFIN, 2001) , o que pôde ser confirmado neste estudo (12,6%). No Brasil, a demodicidose representa 40% (DELAYTE et al., 2006) a 48,28% (BELLATO et al., 2003), das causas de dermatopatias parasitárias. Os índices nacionais são diferentes dos encontrados por pesquisadores britânicos, pois estes observaram a demodicidose somente em 0,89% dentre os casos de dermatopatias (Hill et al., 2006), o que pode ser justificado pela provável esterilização de animais portadores da doença clínica. Este fato não ocorre rotineiramente no Brasil, pois muitos proprietários não seguem a recomendação veterinária e continuam realizando cruzamentos indesejáveis. A


9 freqüência da demodicidose é maior em cães de raça e seus cruzamentos (SCOTT; MILLER; GRIFFIN, 2001; ZIVICNJAK, 2005).

2

OBJETIVOS

1. Realizar uma revisão de literatura mostrando a aplicação da Medicina Tradicional Chinesa(MTC), principalmente da hemopuntura, em pacientes com dermatopatias.

2. Relatar a utilização da hemopuntura em um paciente que fez tratamento convencional, mas como conseqüência apresentava alopecia em várias áreas do corpo (pescoço, membros torácicos, região próxima a escapula, e mesmo com o uso de fármacos que ajudam no crescimento do pêlo o mesmo não acontecia.

3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

3.1 O uso da hemopuntura em casos de dermatopatias

A casuística dermatológica na clínica de pequenos animais representa de 30 a 75% da rotina (SCOTT et al., 2001). Dentre elas, as principais alterações são: demodicose, escabiose, acaríase sarcóptica ou notoédrica, piodermites causadas por bactérias e/ou fungos e dermatites por picadas de pulga e outros alérgenos. Além disso, a dermatite atópica (DA) afeta de 10% a 15% da população canina. (SHEEHAN M.P., et al., 1992). Nessas alterações, o prurido é o sinal clínico mais comum resultando em angústia tanto para o tutor quanto para o paciente (SCOTT, D.W., MILLER, W.,H., GRIFFIN, C.,E., 2001). 3.1.1Demodicose


10 O Demodex canis é um ácaro e apresenta corpo do tipo vermiforme, dividido em duas partes, o gnatosomo ou falsa cabeça que contém as peças bucais e o idiosomo que compreende o restante do animal, onde as patas estão inseridas, o que o diferencia dos demais gêneros de ácaros (GREINER, 1999). O ciclo evolutivo é totalmente intradérmico, localizando-se nos folículos pilosos e glândulas sebáceas em um período de 20 a 35 dias e ocorre inteiramente no animal hospedeiro (ALVES FILHO et al., 1996). A patologia é mais complexa que outros ácaros porque fatores imunológicos parecem desempenhar importante papel em sua ocorrência. Assim, a doença ocorre mais facilmente em animais com baixa imunidade (URQUHARA, et al., 1998), provavelmente, devido a sua localização profunda na derme, a transmissão entre animais é quase impossível, a menos que haja um contato prolongado, como na amamentação, por exemplo. Filhotes de mães portadoras, obtidos por cesariana e alimentados longe do contato da cadela não albergam ácaros, provando que a transmissão transplacentária ou intra-uterina não ocorre. Assim, o D. canis não é considerado contagioso, exceto para filhotes, recém-nascidos (SCOTT, MILLER, GRIFFIN, 1996). A demodicose é dividida em localizada e generalizada. A forma localizada é a menos grave, sendo caracterizada por uma reação seca, alopecia difusa, escamação e espessamento da pele (URQUHARA, et al., 1998). Áreas de alopecia nesta forma demonstram graus variáveis de eritema, hiperpigmentação e descamação. As lesões mais comuns são na face, entretanto podem ser encontradas por todo corpo. Em geral, as lesões não são pruriginosas, a menos que ocorra infecção secundária como piodermite (MEDLEAU,& HNILICA, 2001). 3.1.2 MTC nas dermatopatias A MTC envolve um conjunto de terapias que pode ser usada no tratamento de distúrbios dermatológicos. Em geral, enfatiza a importância de atender às necessidades de cada indivíduo, em oposição às abordagens terapêuticas ocidentais que são padronizadas. Esta diferença fundamental levou muitos clínicos a praticar a medicina ocidental, que é vista como "mais científica", não deixando espaço para MTC, tanto no contexto de internação quanto em procedimentos ambulatoriais. Clinicamente os pacientes parecem ser mais receptivos à medicina alternativa do que outras intervenções. (SCOGNAMILLO-SZABÓet al., 2010). No tratamento de prurido e desordens dermatológicas, a acupuntura e hemopuntura tem como principal objetivo o tratamento de processos alérgicos, dermatológicos e também o aumento de imunidade. Essas técnicas são amplamente utilizadas por acupunturistas em todo o mundo. A hemopuntura consiste na retirada de uma pequena alíquota de sangue venoso e sua subseqüente aplicação em pontos de acupuntura relacionados ao problema que se pretende tratar. Apesar da quantidade de sangue necessária normalmente ser pequena, está sujeita a variações, assim como a quantidade inoculada em cada um dos pontos escolhidos.Essa técnica é pouco dolorosa e rápida, trazendo muito mais benefícios que incômodos (SCOGNAMILLOSZABÓ et al., 2010).


11 A hemopuntura produz um efeito prolongado e potencializado nos pontos de acupuntura selecionados, assim como da própria substância inoculada (outras substâncias também são comumente utilizadas, como o ozônio, fitoterápicos, solução fisiológica, homeopatias, vitaminas etc.). O seu uso é amplo, podendo ser feito desde pós-operatórios até tratamentos crônicos de artrites, artroses e alterações alérgicas e dermatológicas. Seu efeito analgésico e antiinflamatório já foi comprovado por trabalhos científicos (ESCODRO et al., 2012), mostrando-se efetivo na substituição de algumas medicações, quando por exemplo exista contra-indicação das mesmas. A eficiência da auto-hemoterapia em pontos de acupuntura para o tratamento de alergias, tem sido descrita por vários autores. Pacientes que receberam este tratamento apresentaram uma redução efetiva de Interleucina-12e um aumento significativo de Interferongama, ambos componentes importantes na resposta imunológica e inflamatória do organismo. Indivíduos recebendo hemopuntura obtiveram até 83.3% de efetividade do para rinite alérgica comparado ao tratamento alopático com loratadina em cápsulas (CHAO LIANG & TAO JIANG, 2012). Entretanto o sucesso depende de uma manutenção ao longo do tempo além da retirada dos alérgenos. A saúde da pele e dos pelos depende do Qi e de sangue. Alopecia, pelagem áspera e sem brilho e pele seca e inelástica resultam da deficiência de Qi e de sangue. Se a pele estiver inchada, quente e dolorida, o edema é provocado por calor tóxico. (XIE & PREAST, 2012). A superfície corpórea, também conhecida como Pi-mau (“pele- pelo”), inclui a pele, os folículos pilosos, o pelame e as glândulas de suor. Ela provê uma camada protetora, previnindo invasões do Xi e Qi (fatores patogênicos) no corpo. O pulmão e a pele - pelo são relacionados fisiológica e patologicamente. Os poros de suor funcionam dispensando Qi e suor e regulando a respiração. Isto é parte da função de ascender do pulmão. Por esta Razão os poros de suor são chamados de portão de Qi. (SHOEN, 2006). O pulmão distribui WeiQi (energia de defesa ou Qi defensivo) e fluido orgânico que aquecem e nutrem a pele - pelo a conexão entre o pulmão e pele - pelo, os uni em condições patológicas também. A pele - pelo pode refletir sintomas de problemas no pulmão, e um ataque de XieQi (energia de fator patogênico externo) da pele - pelo pode ser transmitido para o pulmão. Por exemplo, uma deficiência de Qi no pulmão vai resultar em suor, pele - pelo seco ou perda de pelo. Um ataque exterior de vento ou frio pode causar corrimento nasal e tosse (SHOEN, ALLEN, 2006). Para a classificação das dermatopatias, existem diversos métodos, segundo o autor Shoen, os Oito Princípios são: interior, exterior, calor, frio, excesso, deficiência, agudas, crônicas. A doença é um processo dinâmico e complexo, também podem ser classificadas pelas substâncias fundamentais, onde existem os seguintes padrões: estagnação de Qi, estagnação de sangue, estagnação de Qi e sangue deficiência de sangue, calor no sangue, emoções reprimidas,


12 falta de exercício, má alimentação, e umidade e calor. Pode ainda ser classificada pelos órgãos zang-fu no qual acredita-se que o fator patogênico externo (FPE) penetra profundamente no corpo, atinge órgãos e vísceras, e esses são os principais órgãos afetados: pulmão, coração, fígado, baço, rim. O pulmão é o órgão mais vulnerável à invasão de FPE, e governa a pele, as funções deste são: dispersar o WeiQi e Jin Ye, proteger contra invasões, fornecer calor e umidade, nutrir pele e músculos: deficiência Yin Fei (baixa imunidade), sinais clínicos: alopecia, máculas, pápulas, pústulas e escoriações.Existem também os outros tipos de classificação como fatores patogênicos, as distribuição dos canais-meridianos e excesso ou deficiência (SCHOEN, ALLEN.,2007). Existem na MVTC cinco padrões para classificar as doenças dermatológicas:a invasão de vento-calor(alergia a alimentos, pólen, dermatite de contado, DAAP, além dos sinais clínicos que pioram na primavera e verão, prurido na região dorsal do corpo, cabeça, pescoço e ouvidos geralmente não há presença de pústulas, sua cronicidade induz a deficiência de sangue),acúmulo de umidade-calor[seborréia oleosa, otite exsudativa, pústulas, podo dermatite, dermatite úmida aguda, podendo ser de origem alimentar (excesso de carboidratos), ambiental (Vento-Calor-Umidade), deficiência do Yang do Baço (acúmulo de umidade-calor), seus sinais clínicos incluem erupção, eritema, pústulas, odor desagradável, prurido, alopecias], calor tóxico(lúpus eritematoso discóide, lúpus eritematoso sistêmico, pênfigo, sinais clínicos achados são despigmentação, crostas, eritema, ulceração do plano nasal ou pele, erosões),deficiência de sangue[dermatopatias crônicas acompanhadas de prurido intenso (porque gera Vento-Interno), secura geriátrica, seguida dos sinais clínicos de prurido crônico, caspa, pêlo seco e queimado] e a deficiência de Jing[sarna demodécica(baixa imunidade), pele seca e alopecia]. Com estes padrões podemos classificar o paciente e em seguida estabelecer o tratamento ideal (SHOEN, A. M., 2007). Devido à complexidade do prurido e suas derivações, o alívio do mesmo e da inflamação permanece um desafio terapêutico comum para os médicos veterinários. Muitos cães atópicos exigem a longo prazo o uso de anti-inflamatórios, anti-histamínicos e ácidos graxos essenciais sendo esses benéficos em casos leves a moderados; entretanto, o controle efetivo do prurido é a imunoterapia específica para alérgenos, mas a melhora pode ser lenta no início ,seis a nove meses (OLIVRY T, MUELLER RS., 2003), embora estudos anteriores baseados em evidências têm apoiado a eficácia de glicocorticóides orais e ciclosporina, alguns tutores podem estar relutantes em administrar essas terapias por causa de custo e/ou preocupação com efeitos colaterais. Foram notificados efeitos adversos em 10 de 81% dos animais que receberam glicocorticóides, e em 14 de 81% daqueles que receberam ciclosporina. O estudo sugere rever estratégias de gestão convencional para a pele pruriginosa (PARADIS M., SCOTT D.W., GIROUX D., 1991).


13 Entretanto, é evidente que os tutores e os veterinários reconheçam uma necessidade para o uso de terapias complementares e alternativas seguras e eficazes como o uso da hemopuntura, fortalecendo imunomodulação, nutrição da pele e outros benefícios. As terapias alternativas para os distúrbios da pele abrangem diversas modalidades de tratamento, não limitando-se a medicina tradicional chinesa (acupuntura e ervas chinesas), mas também podendo utilizar homeopatia, ervas ocidentais e extratos de plantas. Existe ainda um estudo sobre as modalidades acima mencionadas, com redução da inflamação e prurido da pele e do canal auditivo nas espécies caninas (MATHIE RT, HANSEN L, ELLIOT MF, et al., 2007).

4 RELATO DE CASO CLÍNICO

Foi atendido um cão, fêmea, Shihtzu, de seis meses de idade, chamada Kitty, com histórico de sarna demodécica associada à piodermite secundária,com prurido intenso e alopecia em pescoço, membro e dorso (áreas focais) e hiperpigmentação de pele. Após a realização do tratamento convencional com cefalexina, fluralaner e suplementos para o crescimento dos pelos, o animal cessou o prurido intenso houve melhora da piodermite. Entretanto, o animal não reepilava as áreas acometidas, sendo a queixa principal da tutora que procurou o tratamento alternativo. Ao exame clínico tradicional, o animal mostrava-se alerta, sem regiões de ferimentos, porém a mucosa do animal estava mais pálida, logo, foi realizado hemograma e a tutora negou a realização de novo raspado de pele. Ao exame clínico segundo a MTC o animal era jovem, ou seja, obtinha deficiência de Jing (que é o principio essencial, a essência da vida, constitui-se na substância pura fundamental, a base material com a qual é construída a estrutura física do corpo e montam suas diversas atividades funcionais, considera-se o jing congênito como fonte de energia não substituível, não renovável, pode ser conservada, mas não pode ser reposta), a sarna demodécica por sua vez manifesta-se quando há a baixa da imunidade e/ou deficiência de Jing. O princípio de tratamento é a tonificação do WeiQi (energia que circula na superfície do corpo com a finalidade de prevenir e defender o corpo de ataques do ambiente, aquecer o corpo, regular a abertura e fechamento dos poros, nutrir a pele, regular às fases de vigília e do sono, Qi defesa), neste caso é ideal tonificar o sangue, por isso o tratamento com injeção de sangue no caso a hemopuntura é tão eficaz para estes casos. Podendo então considerar como uma dermatopatia que acomete animais com baixa imunidade.a avaliação do pulso femoral


14 mostrava-se fraca e profunda, a língua estava pálida e sem saburra.O resultado do hemograma apresentou uma anemia leve e trombocitopenia. Para realização da hemopuntura foi coletado sangue da jugular em média 5 ml e distribuídos nos pontos acima descritos 0,5 ml por ponto. Foi realizada então a primeira sessão de hemopuntura nos seguintes pontos VG 14 (elimina calor, deficiência de yin, dermatite, imunodeficiência); B17 (ponto de influencia de sangue, deficiência de yin); BH (distúrbios de shen, desordens do sono); VB39 (ponto de influencia da medula classificado como mar da medula, desordens hematopoiéticas); IG10 (deficiência de Qi, imunodeficiência); IG11(ponto mãe para tonificação em padrões de deficiência, vento-calor, doenças imunomediadas, prurido); esses pontos foram escolhidos por ser pontos de funções energéticas de imunidade, influência de sangue, mar de medula e imunomoduladores.Notou-se nítida diferença no crescimento dos pêlos sete dias após a primeira sessão de hemopuntura.

Imagem de arquivo pessoal, 2017.


15

Imagem de arquivo pessoal, 2017.

Então continuou-se o tratamento com intervalos de sete dias entre uma sessão e outra. Foi então realizada a segunda sessão com o uso dos mesmos pontos da sessão anterior. Na terceira sessão repetiu-se o hemograma, e o mesmo encontrava-se normal, sem as alterações anteriores como anemia e trombocitopenia. Na quarta sessão do animal tutora relatava que além do crescimento dos pelos o animal estava se alimentando melhor, e mais ativa, além de estar completamente reepilada.


16

Imagem de arquivo pessoal, 2017.

Imagem de arquivo pessoal, 2017.


17 Na quinta sessão o animal recebeu alta médica devido à ausência de alterações na pele, sem prurido e mantendo bom quadro clínico.

Tabela 2. Resultados e tratamento Data

Tratamento

Evolução

Dia 0

Hemopuntura nos pontos

Alopecia,prurido,

VG14, B17, BH, VB39,

hiperpigmentação de pele,

IG10, IG11, 0,5 ml de

trombocitopenia e anemia.

sangue por ponto. Dia 7

Hemopuntura nos pontos

Melhora

da

VG14, B17, BH, VB39,

melhora

IG10, IG11, 0,5 ml de

hiperpigmentação.

do

alopecia, prurido

e

sangue por ponto. Dia 14

Hemopuntura nos pontos

Ausência

de

prurido,

VG14, B17, BH, VB39,

reepilação,

IG10, IG11, 0,5 ml de

dos parâmetros hemáticos

normalização

sangue por ponto.

Dia 21

Hemopuntura nos pontos

Alimentando-se

VG14, B17, BH, VB39,

crescimento dos pelos e mais

IG10, IG11, 0,5 ml de

ativa.

sangue por ponto. Hemopuntura nos pontos Dia 28

VG14, B17, BH, VB39, IG10, IG11, 0,5 ml de sangue por ponto.

Alta médica

melhor,


18 5 DISCUSSÃO

Segundo Shoen a deficiência de Jing tem como patologia a sarna demodécica que se manifesta quando existe uma baixa imunidade, e o animal tem prurido devido piodermite secundária, a pele é seca e tem alopecia (SHOEN ALLEN M., 2007). Com base nesta afirmação podemos discutir o caso acima citado, em que o animal apresentava os mesmos sinais clínicos, e a deficiencia de Jing estava presente. Segundo Xie e Preast as funções energéticas dos pontos que foram utilizados são: VG 14 ponto que elimina calor, deficiência de yin, dermatite, imunodeficiência, B17 ponto de influencia de sangue, deficiência de yin, BH distúrbios de shen, desordens do sono, VB39 ponto de influencia da medula classificado como mar da medula, desordens hematopoiéticas, IG10 deficiência de Qi, imunodeficiência, IG11 ponto mãe para tonificação em padrões de deficiência, vento-calor, doenças imunomediadas , prurido( XIE & PREAST., 2012), por conseguinte podemos afirmar que existe uma correlação entre os pontos que foram utilizados no presente estudo e suas descrições pela literatura, com as soluções das patologias clínicas que o animal apresentava, assim podemos considerar que o tratamento foi eficaz devido à correta utilização dos pontos correlacionados com as suas patologias.

Pode-se considerar que o tratamento foi efetivo pois além de utilizarmos os pontos com as funções energéticas especificas para tratar desordens hematológicas, e de modulação da imunidade, utilizamos o sangue nesses pontos, fazendo com que a resposta orgânica do corpo fosse eficaz, e que segundo a medicina veterinária tradicional chinesa o sangue nutre a pele, então essa seria uma alternativa eficaz para modulação da imunidade, já que vimos que a deficiência de Jing pode-se manifestar através da sarna demodécica quando há baixa imunidade e deficiência de sangue. 6 CONCLUSÃO

A hemoterapia em pontos de acupuntura específicos pode ser utilizada no tratamento da sarna demodécica.


19

7 REFERÊNCIAS 1. ALVES FILHO, R. N. et al. Uso de moxidectina no tratamento da demodicose canina – relato de um caso. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA VETERINÁRIA, 24.,1996, Goiânia. Anais... 1996. p. 46. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA – ISSN: 1679-7353

2. AVMA Executive Board and House of Delegates. AVMA guidelines for complementary and

alternative

veterinary

medicine.

In:

AVMA

Policy.

2007.

Available

at:

http://www.avma.org/issues/policy/comp_alt_medicine.asp. Acesso 22 abril, 2017.

3. AVMA Executive Board and House of Delegates. Model Veterinary Practice Act. In: AVMA Policy. 2012. Available at: http://www.avma.org/issues/policy/mvpa. asp. Acesso 22 abril, 2017.

3. BELLATO, V.; SARTOR, A.A.; SOUZA, A.P.; RAMOS, B.C. Ectoparasitos em caninos do município de Lages, Santa Catarina, Brasil. Revista

Brasileira

de

Parasitologia Veterinária, v.12, n.3, p.95-98, julho/setembro 2003.

4. CHAO LIANG, TAO JIANG. Acupoint autohemotherapy for allergic rhinitis and its effect on serum IL-12 and IFN-gamma.Zhongguo Zhen Jiu. 2012 Dec, 32(12):1077-80. 5. DELAYTE, E.H.; OTSUKA, M.; LARSSON, C.E.; CASTRO,

R.C.C.

Eficácia

das

lactonas macrocíclicas (ivermectina e moxidectina) na terapia da demodicose canina generalizada. Arquivos Brasileiros de Medicina Veterinária e Zootecnia, Belo Horizonte, v.58, n.1, p.31-38, 2006.

5. ESCODRO PB. et al. Autohemotherapy at acupuncture points post orchiectomy surgery in cart horses- Eight cases. report. Vet. e Zootec. 2012 dez.; 19(4): 502-506.

6. GHUBASH, R. Parasitic miticidaltherapy.Clinical Techniques in Small Practice, Philadelphia, v.21, n.3, p.135-144, agosto 2006.

7.GREINER, E. C. Ácaros de importância na América do Norte. In: SLOSS, M. W. KEMP, R. L.; ZAJAC, A. M. Parasitologia clínica veterinária. São Paulo: Manole,1999. MEDLEAU, L.,


20 HNILICA, A.K. Dermatologia de pequenos animais: atlas colorido e guia terapêutico, 2001. Ed.Roca: São Paulo. P. 63-65.

8. HALLIWELL RE, SCHWARTZMAN RM. Atopic disease in the dog. Vet Rec 1971;89: 209–14.

9. IHRKE, P.J. Bacterial infections of the skin. In: Diseases of the dog and cat. 2. Philadelphia: Saunders, .72-79, 1990.

10. NESBITT GH. Canine allergic inhalant dermatitis: a review of 230 cases. J Am Vet Med Assoc 1978; 172:55–60.

11. OLIVRY T, MUELLER RS. Evidence-based veterinary dermatology: a systematic review of the pharmacology of canine atopic dermatitis. Vet Dermatology 2003; 14:121–46. 12. Olivry T, Foster AP, Mueller RS, et al. Interventions for atopic dermatitis in dogs: a systemic review of randomized controlled trials. Vet Dermatology 2010; 21:4–22.

12. SCHOEN AM. Results of a survey on educational and research programs in complementary and alternative veterinary medicine at veterinary medical schools in the United States. J Am Vet Med Assoc 2000; 216:502–9

13. SCOGNAMILLO-SZABÓ, MVR, I Bechara, G. H. II. Acupuntura: histórico, bases teóricas e sua aplicação em Medicina Veterinária Ciência Rural, Santa Maria, v.40, n.2, p.491500, fev, 2010.

14. SCOTT DW, MILLER WH, GRIFFIN CE. Skin immune system and allergic skin disease. In: Muller and Kirk’s small animal dermatology. Philadelphia: WB Saunders; 2001. p. 543– 666.

15. SCOTT DW. Observations on canine atopic. J AmAnimHospAssoc 1981;17: 91–100.

16. SCOTT, D.; MILLER, W. H.; GRIFFIN, C. E. Dermatologia de pequenos animais. 5. ed. Rio de Janeiro: Interlivros, 1996. p. 385-401. URQUHART, G. M.; ARMOUR, J.; DUNCAN, J. L.; JENNINGS, F.W. Parasitologia Veterinária. Ed. Guanabara koogan: Rio de Janeiro. p. 169- 170


21 17. SCOTT, D.W.; MILLER, W.H.; GRIFFIN, C.E.Small Animal Dermatology. 6. ed. Philadelphia: W.B. Saunders, 2001, 1528p.

18. SCOTT, D.W.; PARADIS, M. A survey of canine and feline skin disorders seen in a university practice: Small Animal Clinic, University of Montreal, Saint-Hyacinthe, Quebec (1987-1988). Canadian Veterinary Journal, Otawa, v.31, n.12, p.830-835, dezembro1990. 19. XIE H, PREAST V. Xie’s veterinary acupuncture. Oxford: Blackwell; 2007.

Acupuntura em dermatopatias em cães  

A acupuntura é amplamente aceita para o controle de dor crônica, melhorando a qualidade de vida dos animais. Além disso, seus benefícios...

Acupuntura em dermatopatias em cães  

A acupuntura é amplamente aceita para o controle de dor crônica, melhorando a qualidade de vida dos animais. Além disso, seus benefícios...

Advertisement