Page 166

Polônia Comissário:

RYSZARD STANISLAWSKI

Organizada pela Centralne Biuro Wystaw Artystycznych, VARSOVIA.

Na escolha dos artistas para a X Bienal de São Paulo, procuramos acrescentar algumas posições novas às que o público já teve oportunidade de conhecer em relação à arte contemporânea polonesa, guiando-nos pelo critério ditado pela personalidade dos autores que, a nosso ver, merecem ser conhecidos. Kazimierz Mikulski, no movimento de vanguarda "Grupo Cracoviano", de uma ideologia próxima ao surrealismo, manifesta no seu trabalho um lirismo todo particular. O caráter atraente das figurinhas convencionais e a mistura desordenada e como que irreal dos motivos fazem-nos relembrar que Miklski é também um grande cenógrafo principalmente do teatro de marionetes, no qual, na busca de efeitos burlescos e do enigmático, destrói-se a fronteira entre a ilusão dos entes vivos e a realidade grotesca e palpável do boneco. Os sinais, extremamente simples que aparecem nos planos brancos dos quadros e dos trabalhos gráficos de Stanislaw Fijalkowski como que possuindo a vida de um ser unicelular, constituem uma espécie de élo geométrico da divisão da composição. Junto com os títulos que têm um caráter poético, os trabalhos de Fijalkowski revelam, de maneira extremamente discreta, o seu segrêdo, transferindo-nos ao domínio de metáforas encantadoras não sujeitas a qualquer descrição. Nos trabalhos plásticos, baseados no conhecimento de problemas matemáticos, Ryszard Winiarski, um dos representantes do visualismo polonês, concentra-se quase sempre na apresentação visual de sistemas estatísticos. Seus sistemas localização de campos coloridos na composição - possuem uma estrutura casual, o que significa que são condicinoados por tais fatôres, como por exemplo a anotação de dados. O ponto de partida de cada obra é sempre um programa préviamente definido. Em suas realizações plásticas Andrzej Strumillo amplia consideràvelmente o alcance das disciplinas que pratica. Repleto de idéias novas no domínio da tecnologia, êste pintor, gráfico, ilustrador, de múltiplas realizações no domínio das exposições - apresentado aqui como desenhista - ocupa-se com a relação que existe entre uma obra única e o efeito da repetição do motivo; um problema de que hoje em dia se preocupam numerosos artistas do mundo inteiro. Na série apresentada observamos como Strumillo volta sempre ao mesmo "clichê" da silhueta humana. Sabe incitar fortemente a imaginação do observador. Os trabalhos gráficos de Danuta Kluza exigem do observador uma concentração particularmente grande, são uma espécie de anotações pessoais, muito nítidas em cada detalhe e ao mesmo tempo associando motivos estranhos com grande arrojo. A escola polonesa de arte gráfica, que possui conquistas particularmente grandes no domínio das técnicas metálicas, tem em Danuta KIuza a sua representante de grande lirismo e de uma orientação notável que sabe manter o equilíbrio num conjunto de formas desordenadamente espalhadas no plano, assegurando ao mesmo tempo o efeito de uma "constelação" casual. Roman,Opalka, na técnica da "astrolografia" que elaborou, atingiu ricos efeitos de tecnologia, assim como a expressão de uma sensibilidade muito humana e muito contemporânea. A obra de Opalka, artista gráfico e pintor, com as lições derivadas das mais recentes pesquisas d_~ arte mundial, prova quão

146

Profile for Bienal São Paulo

10ª Bienal de São Paulo (1969) - Catálogo I  

Primeira parte do Catálogo da 10ª Bienal de São Paulo (1969).

10ª Bienal de São Paulo (1969) - Catálogo I  

Primeira parte do Catálogo da 10ª Bienal de São Paulo (1969).

Profile for bienal