Page 1

O BEBEDOURO PÚBLICO DE HUMAITÁ RESTAURADO

Judeth Costa

RESUMO O Governo do Amazonas, por meio do Ateliê de Restauro da Secretaria de Estado de Cultura restaurou um dos mais importantes monumentos do município de Humaitá (AM): um bebedouro de fabricação escocesa, datado do final do século XIX. Adquirido pelo Governo do Amazonas no início do século XX. O bebedouro foi fabricado pela empresa inglesa Walter MacFarlane, em comemoração ao Jubileu de Diamante do reinado de Vitória I do Reino Unido, comemorado em 1897. Chegando ao Brasil, a peça foi levada para o município de Humaitá, ficando na Praça Benjamin Constant, centro da cidade, até o início da sua restauração, em agosto de 2013. Palavras-chave: Bebedouro; Restauro; Humaitá; Amazonas.


1

INTRODUÇÃO Ao final do século XIX início do século XX, o Estado do Amazonas foi

contemplado com um valiosíssimo mobiliário urbano e complementos arquitetônicos em ferro fundido chamados de arquitetura metalúrgica, conduzidos para várias finalidades com apelo estético e funcional. O ferro fundido proporcionava solidez, durabilidade com uma incomparável elegância através dos desenhos ricamente elaborados compostos por diversas formas. Dentre tantos elementos confeccionados por este magnífico material destacamse aqui os chamados bebedouros – fountains, os quais poderiam ser designados para animais, estes com formato mais simples, e para humanos, com formato mais elaborado. Os bebedouros para humanos eram compostos de uma cúpula com desenhos vazados tendo no ápice uma coroa; sustentados por colunas, que dependendo do formato poderiam ser quatro ou oito, e ao centro a bacia por onde vertia a água. Com uma profusão de ornatos como grifos, brasões e outros, se caracterizavam como estilo eclético, evidenciado ricamente nos catálogos. Todos eram numerados e desmontados. Para restaurar o monumento, uma equipe da Secretaria de Cultura, liderada pela gerente do Ateliê de Restauro, Judeth Costa, viajou ao município de Humaitá (distante 675 km de Manaus), em 2003, e lá avaliou toda a logística do desmonte correto da peça, de modo que nada fosse danificado durante o transporte fluvial para a capital. Ao chegar no Ateliê de Restauro (localizado no Palacete Provincial - Praça Heliodoro Balbi, s/n, Centro), o bebedouro passou por procedimentos iniciais, como registro e mapeamento de danos, para então iniciar os processos de restauração, como decapagem, jateamento, proteção com ácido tânico, proteção com um verniz específico para ferro e a pintura final, com as cores bem próximas às originais, que eram cinza-escuro e dourado, uma das características inglesas da peça.

2

O BEBEDOURO DE HUMAITÁ Este bem chegou ao município no final do século XIX, segundo relatos dos

locais, originário da cidade de Glasgow/Escócia, executado pela conceituada fábrica de Walter MacFarlane’s e Saracen Foundry. Com a numeração 08, conforme registro na peça e confirmado na pagina 412 do volume 02 do MacFarlane’s Castings; com


dimensão de 260cm de altura por 088cm de largura. Executado em ferro fundido, com elementos fitomorfos e zoomorfos e cravado em uma de suas faces a bandeira do Brasil. Composto de uma cúpula “rendada” com coroamento sobre uma base quadrangular com elementos florais vazados, ao centro das três faces a figura de uma ave em perfil, na quarta face a figura da bandeira do Brasil, em duas faces encontram-se a inscrição “Keep the Pavement Dry”; esta estrutura é sustentada por quatro colunas estilo coríntia, ao centro a bacia com pedestal tendo figuras de lagartos e folhagens, sobre a bacia há uma base em formato de taça onde está gravado com letras em alto relevo as inscrições; MACFARLANE – SARACEN FOUNDRY, ao meio tem quatro orifícios por onde verte a água, como acabamento a figura de uma ave. Observa-se que a peça foi executada por encomenda especialmente para o Brasil, isso a torna única.

3

O RESTAURO Em agosto de 2013 os técnicos da Secretaria de Cultura do Estado estiveram em

Humaitá atendendo a solicitação das autoridades locais para a restauração do Bebedouro fabricado pela empresa de fundição artística MacFarlane’s. A obra em questão estava localizada na praça central. No local foram feitos os registros fotográficos, o apanhado de relatos de moradores antigos e a orientação para desmontagem e transporte fluvial para o Ateliê de Restauro – Manaus. No Ateliê foram feitos os diagnósticos, após estes, deu-se início aos procedimentos obedecendo todos os critérios éticos e estéticos do restauro. •

Registro gráfico e fotográfico;

Mapeamento de danos;

Remoção da tinta luminol com bisturi cirúrgico;

Remoção dos elementos não originais (argamassa, pedra, tijolo, areia e madeira) agregados nas colunas e bacia;

Jateamento para remoção das oxidações;

Limpeza com álcool etílico PA;

Proteções com: 1. Acido tânico; 2. Primer;


3. Resina poliester grafite escuro por aspersão; 4. Resina poliester “ouro” com pincel nos detalhes; 5. Verniz paraloid B44 por aspersão e •

Montagem.

Finalizado e entregue ao município de Humaitá em abril de 2016.

Registro do antes e depois do restauro


4

REFERÊNCIAS

CATALÓGO – MacFarlane’s Castings, volume 02. https://pt.wikipedia.org/wiki/Humait%C3%A1_(Amazonas) 19//09/2016).

(acessado

em

O bebedouro público de Humaitá restaurado  

Autor: Judeth Costa

Advertisement