Page 1

nº 4

Programas

de

Rotary Foundation Arnaldo Marques da Silva - RC Palmela E-mail: ams_ri@clix.pt

Os símbolos da generosidade Conta a lenda que um general romano, de nome Martinho, regressando a casa após uma batalha, se deparou, no meio de uma inesperada tempestade, com um pedinte, quase nu, molhado até aos ossos, sem sítio onde abrigar-se; pedia agasalho. Martinho, perante tão evidente necessidade, desceu do seu cavalo e, sem hesitar, cortou a meio a sua capa, e deu metade dela ao desgraçado. Mesmo assim conseguiu depois, com a meia capa que sobrou, abrigar-se da chuva e seguir viagem. Mas, tão inesperadamente como começara, a tempestade acabou, o céu azul voltou e as nuvens deram lugar a um sol radioso e quente, verão autêntico, dizia quem assistiu. O pedinte, esse, desapareceu, ninguém mais o viu, nunca tendo sabido o general, nem ninguém, quem era o pedinte, afinal. Nesta lenda ressalta em primeiro lugar que Martinho agiu no próprio momento em que se verificava a necessidade de ajuda; depois, que o general nem sequer se preocupou com a caminhada que ainda tinha a fazer e com o facto de apenas lhe sobrar metade da sua capa para se cobrir; finalmente, que Martinho não se incomodou nunca em saber quem lhe veio ao caminho a pedir ajuda. É uma lenda, mas uma grande lição, a ficar aqui para o movimento rotário em mês de S. Martinho e da Fundação Rotária, cuja primeira semente ficou lançada, logo no primeiro quartel do século XX, quando o Presidente de RI, Arch Klumph, propôs que o movimento rotário partilhasse com pessoas carenciadas um pouco dos rendimentos que já podia repartir. O financiamento de RF resulta de doações e contribuições a um Fundo Permanente, que RI pretende que até 2025 atinja 1.000 milhões de dólares. Este fundo, que se

quer intocável, tem por objectivo principal assegurar a estabilidade de RF e ser o garante dos programas desta no futuro. Um outro fundo da RF que importa aqui referir – Fundo Anual – assegura o financiamento dos programas anuais da Fundação; este é constituido por donativos que lhe vão sendo feitos e pelos dividendos gerados pelo Fundo Permanente, numa percentagem definida regularmente. As doações podem ser feitas de modos diversos, nomeadamente através de cheques nominais ou transferências bancárias a favor de «The Rotary Foundation»; muitas pessoas optam por apoiar a RF instituindo-a sua herdeira por testamento ou através da constituição de rendas vitalícias; e há outras formas de altruismo possível. Nem só os rotários podem financiar a Fundação; o apoio de RF está ao alcance de toda a gente. Nem sequer é preciso ter-se muito; um pouquinho do que não faz falta é, muitas vezes, o bastante para satisfazer quem não tem nada. S. Martinho viu reconhecida a sua generosidade desinteressada com um inesperado verão no meio de um inverno chuvoso, a permitir-lhe um regresso a casa sem chuva e com sol; a Rotary Foundation oferece em troca da ajuda a garantia de que a redistribuição dos fundos é feita justa e oportunamente entre aqueles que mais precisam. Mas ajudar porquê e a troco de quê? «Quando me perguntam o que conseguimos com uma doação, respondemos: ‘o que esperamos conseguir na vida? felicidade, alegria e paz’; tudo o que posso dizer é que já recebemos muito mais do que demos» – declarou um dia William Cable, que, com a mulher Miriam, foram «doadores extraordinários» da Fundação Rotária. Uma

doação extraordinária é de, pelo menos, 10.000 dólares. O reconhecimento das dávidas pela Fundação é feito, nomeadamente, através da atribuição dos títulos: «Benfeitor»; «Companheiro Paul Harris» e «Contribuinte especial». A forma simbólica deste reconhecimento traduz-se sobretudo na entrega de um emblema com a efígie de Paul Harris e de um certificado em que RF saúda expressamente a «prestação de tangíveis e significantes serviços com o objectivo de fomentar a compreensão e as relações amistosas entre os povos do mundo». O título de «Companheiro Paul Harris» é atribuído como reconhecimento de uma doação de USD 1.000, que pode ser feita de uma vez só ou não. Já os «Companheiros Paul Harris por contribuições múltiplas» são agraciados com safiras ou rubis – incrustados no emblema PH que já possuiam – em função do valor atingido, O «Contribuinte Especial» é um título para doações menores, sempre agradecidas pela RF e sempre destinadas às diferentes causas contempladas nos mais diversos programas da Fundação para que, em muitos casos, nem é preciso grande investimento. Saberá por acaso o leitor que... • 100 euros são já bastantes para custear umas três cirurgias de catarata na Índia ou cerca de 1.500 doses da vacina contra a poliomielite? • 500 euros já bastam para pagar o material salva-vidas para uma clínica flutuante de assistência a população ribeirinha no Perú? • 1000 euros já chegam para pagar próteses para uns 35 deficientes físicos em Calcutá? Prova provada de que mesmo com quase nada se pode ajudar muito àqueles a quem tudo falta.


nº 4

Programas

de

Rotary International Arnaldo Marques da Silva - RC Palmela E-mail: ams_ri@clix.pt

Intercâmbio Rotário da Amizade Parcerias e Clubes de Contacto Das interpretações a que se tem submetido o emblema de Rotary Internacional distinguimos aquela que defende que os dentes da roda servem para que – representando cada roda um clube – todos os clubes do mundo inter-relacionados constituem uma das maiores parcerias mundiais de solidariedade humana para com os desfavorecidos e um dos maiores programas de intercâmbio em favor da paz e da amizade entre os povos. De resto, ninguém ignora que a maioria dos programas de Rotary Internacional só atingirá realmente os fins para que foi criado se for levado a cabo através de parcerias, sejam elas internas, organizadas entre distritos, entre clubes ou entre rotários, sejam elas externas, organizadas entre o movimento rotário e a sociedade civil. A parceria externa mais conseguida é certamente aquela em que o Rotary Internacional, a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Unicef e o Centro Norte-Americano para Controle e Prevenção de Doenças, entre outros voluntários, têm conjuntamente apostado na definitiva erradicação da poliomielite no mundo, financiando e distribuindo vacinas, e promovendo a mobilização social e o suporte logístico em cooperação com os ministérios nacionais da saúde locais. A parceria interna mais antiga terá ocorrido em 1913 quando o movimento se uniu para criar o primeiro fundo rotário de apoio às vítimas de tornados e enchentes que varriam parte dos EUA. Vem, portanto, de há muito o intercâmbio entre rotários de clubes diferentes, sem o qual certamente seria ainda mais difícil

a Rotary Internacional pôr em prática os seus objectivos. Ora, esse intercâmbio nasce muitas vezes em acções de pequeno porte, de interesse meramente particular, muitas vezes estabelecido à margem de RI, entre dois rotários que se conheceram, para alastrar depois aos seus clubes, às suas comunidades, aos seus países. Se levarmos em conta que vários presidentes de diversos países foram rotários, logo haveremos de ver que esse facto não pode deixar de ser um contributo muito sério para um melhor entendimento entre os povos. É também do conhecimento entre rotários de clubes de distritos ou de países diferentes que emerge frequentemente o estabelecimento de protocolos dos seus clubes, e, por vezes, mesmo a geminação das cidades que os acolhem. A geminação entre clubes, a criação de clubes de contacto, as parcerias inter-clubes, de resto, muitas vezes concretizadas na realização conjunta de certos programas de Rotary Internacional ou da Rotary Foundation são também alguns dos alicerces mais seguros da solidariedade dos povos em benefício da compreensão, da amizade e da paz no mundo. Processam-se de modo quase livre entre os clubes. Por isso, no movimento rotário se incentivam clubes de distritos diferentes e mesmo de países diferentes a estabeleceram entre si protocolos de parceria e cooperação que possam proporcionar a realização de programas conjuntos. Não é raro que os clubes divulguem orgulhosamente nos seus sites ou nos seus papéis

timbrados, a indicação daquilo a que uns chamam «clubes de contacto», outros «clubes geminados», alguns «clubes amigos», denominações afinal não-oficiais que variam conforme o país, a língua ou o tradutor. O Intercâmbio Rotário da Amizade, criado na década de ’80 do seculo XX, é outro modo de proporcionar aos rotários e famílas o conhecimento de outras povos e culturas, beneficiando da estada ema casa de rotários de outros países, por períodos que, oficialmente, não irão além de uma semana. Este programa pode ocorrer em qualquer altura do ano, consoante for programado. Pode haver intercâmbio interdistrital, com delegações compostas por pequenos grupos de pessoas de um distrito, ou intercâmbio interclubes, normalmente com delegações que não vão, neste caso, além de um casal. O financiamento de RI limita-se aqui aos custos de implementação e despesas de divulgação. Os visitantes suportam as suas «despesas pessoais e de viagem e os anfitriões são responsáveis pelo alojamento, refeições e passeios, oferecendo as mesmas cortesias que seriam oferecidas a um amigo que os estivesse visitando». Especial referência merece neste quadro o intercâmbio em que o rotário anfitrião e o rotário visitante exercem a mesma profissão, o qual pode ser concretizado em qualquer uma daquelas duas modalidades anteriores e é mais conhecido por «intercâmbio univocacional». «Para qualquer tipo de intercâmbio, o rotário candidata-se contactando o presidente do seu clube e este o informará se o distrito participa no programa e providenciará detalhes sobre o processo de inscrição e requisitos para participação», inclusive disponibilizando uma lista de contactos de outros rotários interessados em tal reciprocidade.


Lisboa, 21 de Outubro de 2005 Caro(a) Companheiro(a) Presidente Como é do seu conhecimento está em curso o Projecto Distrital “Angola Agora”. Um projecto Internacional que já produziu os primeiros resultados, conforme pode verificar nas Cartas Mensais do nosso Governador José Manuel Pereira. Recentemente, medicamentos (antibióticos) no valor de trinta e um mil Euros foram enviados ao Huambo, Região – Piloto do Projecto. Estamos a utilizar as parcerias construídas com a Caritas Portuguesa, a Fundação Evangelização e Culturas, a Caritas de Angola e a Caritas Arquidiocesana de Huambo. Estas organizações estão a trabalhar em rede, junto à população necessitada. Nosso desafio é enorme, mas, como Rotários, saberemos estar à altura do mesmo. Para os Programas Educacionais há necessidade de 30 computadores, mesmo usados, desde que em bom estado funcional e com o software normalmente utilizado, Windows e Office. Será que o seu Clube poderá disponibilizar algum destes computadores? A logística está montada, a rede é da máxima confiança e já funciona. Vamos aproveitar esta oportunidade para ajudar pessoas que só não estão totalmente abandonadas porque nossos parceiros já estão lá. Na listagem que recebeu e que está na Internet na página da Governadoria, verifica-se que não é preciso muito se cada um de nós der um pouco. E se todos participarmos, o resultado será fantástico. No final do Ano Rotário, sentiremos a felicidade de ter cumprido a nossa missão e correspondido ao belo lema do Presidente Carl-Wilhelm Stenhammar: “Dar de Si Antes de Pensar Em Si”. Contamos consigo e com a força do seu Clube. Cordiais Saudações Rotárias Presidente da Comissão Distrital “ANGOLA AGORA”

PGD - Henrique Gomes de Almeida


Projecto de ajuda Humanitária

Presidente da Comissão Distrital “ANGOLA AGORA” PGD Henrique Gomes de Almeida Presidente dos Serviços à Comunidade Domingos de Sousa RC Montijo

Parcerias Portuguesas: Caritas Portuguesa, Fundação Evangelização e Culturas, Outras Parcerias Angolanas: Caritas de Angola, Caritas Arquidiocesana de Huambo, Rotary Clube de Luanda

Lista geral de material a recolher:

1 Mobiliário Cadeiras • Mesas • Estantes/Armários

2 Equipamento Tecnológico Retroprojectores • Projectores de

Tlm 965 036 844 - E-mail domingosfsousa@gmail.com Subcomissão de Educação Álvaro Ribeiro RC Sintra Tlm 966 777 629 - E-mail asribeiro@lnec.pt

1 Mobiliário – Pode ser usado, em bom estado, desmontado e devidamente agrupado e partes classificadas.

2 Equipamento Tecnológico – Novo ou usado e a funcionar, testar antes de embalar. 3 Material informático – pode ser usado, a funcionar, com sistema operativo e Office ou equivalente (OpenOffice, por exemplo) instalados, devidamente embalado.

4 Livros – Todos em português e muitos de língua portuguesa. Em bom estado, sem nomes escritos ou exercícios resolvidos. Limpar sempre que possível e encadernar sempre que se justificar. Todos os livros de literatura, prosa e poesia em português que se puder arranjar. Embalados em caixas de cartão canelado.

vídeo

3 Material Informático Computadores • Impressoras jacto de tinta

4 Livros 1. Escolares: (Português) • 1.º Ciclo • Gramáticas • Dicionários • Tabuadas 2. Poesia e prosa em (Português) • Infanto - Juvenil

5 Material didáctico

Outros:

1 Tecidos – o que conseguirem, devidamente embalados; 2 Material de costura: linhas, agulhas, dedais, tesouras, botões, elásticos, etc. 3 Roupa – Em muito bom estado – Limpa e lavada, engomada, dobrada e acondicionada em caixas de cartão canelado. Separada por: Homem; Mulher; Criança; Rapaz; Rapariga. Lençóis e Almofadas – Seguir o mesmo critério.

4 Mantas, Colchões, Toalhas, Lençóis e Almofadas – Seguir o mesmo critério. 5 Medicamentos: antibióticos, anti-inflamatórios; antipiréticos, vitaminas. (Prazo de validade superior a seis meses) á data de embarque.

Réguas • Esquadros de 30º • Esquadros de 45º • Transferidores • Borrachas para apagar • Lápis de Côr • Compassos • Afiadeiras • Cadernos pautados A5 • Cadernos quadriculados A5 •

Notas

tos A4 • Marcadores para acetatos •

• O material escolar e os livros – Faze r campanhas de recolha pelo natal, junto das escolas.

Esferográficas

• Junto das empresas.

Cadernos A4 e A5 p/desenho • Aceta-

6 Medicamentos * 7 Viatura todo terreno ** Notas complementares * O prazo de validade tem de ser superior a seis meses à data de embarque ** Nova ou usada e recondicionada

• Embalar conforme se sugeriu, identifi car conteúdo, origem (clube) destino (Ang ola), nome do projecto e sempre emblema rotá rio. Relativamente aos outros materiais proc eder do

mesmo modo. • NB – Nos casos de donativos em espé cie, feitos por empresas, podem ser pass ados documentos justificativos que podem conc eder benefícios fiscais. Indicar apenas o valor do bem. (Contactar: Compº Domingo s de Sousa) • Local de Entrega Contactar: Compº Domingos de Sousa.

CARTA Distrito 1960 - OUTUBRO de 2005- nº4 - encarte  

Conta a lenda que um general romano, denome Martinho, regressando a casa apósuma batalha, se deparou, no meio de umainesperada tempestade, c...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you