Issuu on Google+

Faculdade de Psicologia | Instituto da Educação UNIVERSIDADE DE LISBOA

Sugestão de Leitura de Educação Carreras Monfort, Cèsar; Munilla Cabrillana, Glòria (2005) – Patrimonio digital : un nuevo medio al servicio de las instituciones culturales . Con la colaboración de Cristina Barragán Yebra y Núria Ferran Ferrer. Barcelona: Editorial UOC.

Sugestão de Leitura— Educação Uma iniciativa da Divisão de Documentação Março de 2011 Concepção gráfica GAIPE Imagem Microsoft

Faculdade de Psicologia | Instituto de Educação Faculdade de Psicologia | Instituto de Educação

UNIVERSIDADE DE LISBOA

UNIVERSIDADE DE LISBOA

Alameda da Universidade

Alameda da Universidade 1649-013 Lisboa

Tel.: 21 794 36 00

Tel.: 21 794 36 00 E-mail: biblio@fpie.ul.pt

1649-013 Lisboa


Faculdade de Psicologia Instituto de Educação UNIVERSIDADE DE LISBOA

A mudança do paradigma tecnológico dos audiovisuais para o ambiente cibernético originou novos modos de produção e distribuição do conhecimento, aumentando novas indústrias culturais. Segundo a Unesco, as indústrias culturais são uma das maiores fontes de riqueza e de postos de trabalho. Como os autores realçam na introdução, as indústrias culturais transmitem “valores que contribuyen a reforzar la cohesión social” [“valores que contribuem para reforçar a coesão social”](2005: 13). Para além das várias aplicações no sector tecnológico e aplicações digitais, aumentam a diversidade de serviços que os profissionais das tecnologias de informação e comunicação prestam ao público. Este desenvolvimento tecnológico deve ser analisado no contexto próprio, o da utilização das TIC e o do acesso à internet. Os utilizadores usam a internet para vários fins, desde o correio electrónico ao e-comércio, passando pelo campo da educação e da formação. Mas, é no campo da documentação que mais se observa. Actualmente, verifica-se maior adesão no mundo da administração empresarial. As primeiras aplicações informáticas nas instituições culturais verificaram-se nos museus e arquivos, principalmente na catalogação e no inventário das colecções. As primeiras bases de dados registaram a informação em texto ou números, seguindo-se o formato multimédia, tais como o audiovisual, o vídeo e a imagem e, presentemente, outras formas de linguagem. Algumas das aplicações de bases de dados foram padronizadas e permitiram o intercâmbio entre instituições, partilhando as tarefas de gestão das colecções, vulgarizado com o uso dos computadores. As técnicas de pesquisa faziam-se em SQL para consultar a documentação relativa à colecção do centro e aceder a outros recursos via Internet. A utilização do CD-ROM e sua substituição pelo DVD e desta para HTML diminuíram os custos no investimento das aplicações das tecnologias de informação e comunicação. Hoje em dia tanto os museus como outros centros de consulta bibliográfica organizam conferências nas quais se pode participar online. Os autores citam André Malraux que, numa atitude visionária propôs, em 1947, que o museu devia tornarse numa instituição aberta à sociedade ultrapassando o espaço físico do edifício, preconizando o acesso virtual às colecções dos museus, porque uma das finalidades da revolução tecnológica é de facilitar o acesso aos bens culturais a baixo custo. A difusão das colecções destes centros deve ter também uma finalidade educativa, num tipo de aprendizagem não formal, combinando o didáctico com o entretenimento. A maior parte dos centros de património cultural são de pequenas dimensões, com poucos recursos económicos e estão dependentes das administrações locais e regionais. A internet veio dar vida a estes centros com muitos projectos a serem viabilizados. Outra área de interesse é a criação de roteiros culturais promovida pelo European Institute of Cultural Routes para ajudar a administração de novos itinerários temáticos. A rápida expansão das tecnologias da informação e comunicação, para além de armazenar e difundir a informação recorre à digitalização dos recursos com vista à conservação do património cultural, porque não só proporciona melhor acesso ao património, como também intensifica a educação e o turismo, e o desenvolvimento das indústrias de conteúdo electrónico. Os produtos digitais precisam de ser organizados segundo uma estrutura lógica. Existe legislação sobre direitos de autor para as obras que necessitem autorização para serem digitalizadas. As obras digitalizadas poderão ser armazenadas num CD-ROM,

Sugestão de Leitura

descritas e formato textual XML, codificadas em EAD (Encoded Archival Description), em EAC (Encoded Archival Context) ou em MARC. A existência de várias linguagens XML levou a uma iniciativa para facilitar a interoperabilidade, transferência e transporte da informação na recuperação da informação por motores de busca, na catalogação e descrição dos conteúdos. O CIDOC CRM (Conceptual Reference Model) proporciona a descrição dos conceitos e relações explícitas e implícitas usadas na documentação do património cultural. O CRM consiste de sessenta e duas classes, com os seus próprios atributos. As classes formam uma hierarquia e as subclasses permitem a especialização das superclases a que pertencem, embora tal dificulte a navegação virtual. Para que se tire toda a vantagem da visita virtual, a cibermuseologia tenta desenvolver uma metodologia para avaliar os recursos, saber como se utilizam os espaços virtuais. Os autores sugerem critérios gerais para desenhar informação nas webs, segundo quatro perspectivas: de conteúdo, formal-técnico, navegação e cibermuseografia. Os recursos virtuais devem poder ser acedidos nos diferentes espaços, para que se possam fazer as pesquisas em qualquer página Web ou portal de diferentes programas. É possível recolher a opinião do público através de questionários m linha, a fim de se poder obter um perfil sociológico do público que acede aos diferentes espaços virtuais. Foram analisados vários projetos do Grupo Òliba no que respeita à realização de exposições, ao desenho dos espaços, à difusão, à divulgação museológica, e à avaliação e estudo do público. A escolha do software para a análise dos dados foi a primeira questão a ser avaliada através da compilação da informação e recolha dos dados. Foram redefinidos critérios de análise estatística e novas perspectivas de programas a levar a cabo. Cada exposição foi analisada de acordo com a história do caso apresentado, do desenho do espaço virtual, da estrutura do património artístico, natural e etnográfico, roteiro e mapa turístico. As exposições terminam com o modelo “Imágenes de piedra: mosaicos romanos de Túnez”, no qual se descreve o mosaico de estilo romano, a finalidade da exposição virtual, como se estrutura a Web (sendo que um recurso Web está sempre em construção) e como se avaliaram os dados, terminando com uma interpretação global. Destaca-se nesta obra a intenção de acelerar a introdução das tecnologias de informação e comunicação em instituições culturais e compreender como funcionam os recursos digitais em ambientes virtuais de museus. As reflexões finais permitem verificar como existe uma confluência entre o conhecimento da cultura e as TIC, a interpretação do património, a museologia, a museografia, a didáctica ou educação não formal. Recensão de Edma Satar, Bibliotecária


folheto patrimonio digital