Page 1

Os nossos Poemas 2016


Os nossos Poemas 2016

Inverno No inverno, a neve cai, o frio começa a nascer, faço bonecos com o meu pai e a mãe põe a comida a cozer. Estrelas a cintilar, Jesus a nascer, presentes vieram dar os Reis Magos com prazer. O sol não se vê, poucas flores a florir, estação tão bela até me faz sorrir. Quando chega a noite vou para a minha caminha, ela é tão fofa, fico nela bem quentinha. Estação tão fria quero passá-la à lareira, vem aí o limpa-neves que não traz uma fogueira.

Beatriz Rodrigues – SC1

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

2


Os nossos Poemas 2016

Os animais Eu tenho um cão cão meiguinho meiguinho e bebezinho bebezinho pequenino e lindinho, lindinho e ladino ladino como um patetinha patetinha e sabichão sabichão como um espertalhão. Espertalhão e um parvalhão parvalhão como um chourição. Chourição e resmungão resmungão como os donos são. São os cães que caçam os gatos e e os gatos caçam os ratos. Ratos comem queijo queijo com buraquinhos pequeninos pequeninos podem ser os cães. Cães que comem tudo chamam-se omnívoros. Omnívoros e quadrúpedes . Quadrúpedes são aqueles que mamam na mãe. Mãe que protege os filhos. Filhos que também vão ter filhos. Filhos que gostam de brincar. Brincar e saltar. André Machado – SC

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

3


Os nossos Poemas 2016

Os animais e as pessoas

Eu tenho um pato, pato sossegado, sossegado como eu. Eu e a minha mãe, mãe lindinha, lindinha como a avó, avó querida, querida como o pato, pato como a fêmea pata, pata brincalhona, brincalhona como tu, tu como a prima, prima minha, minha e tua, tua é a pata e o pato, pato e eu, eu e tu, tu e a pata, pata ladina, ladina muito doida, doida como eu, eu e os animais, animais, por exemplo, cão... – Olá, animais, animais lindos!

Clara Isabel Almeida Rodrigues – SC1

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

4


Os nossos Poemas 2016

Os animais Eu tenho um porco porco muito comilão comilão e gordo gordo e grande grande e vive numa loja loja grande e castanha castanha como um cão cão quadrúpede quadrúpede e mamífero mamífero e grande grande como eu eu tenho um leão leão feroz feroz como um cão a comer comer muito muito grande grande como um gorila gorila gordo gordo como um porco porco apaixonado apaixonado por uma porca porca tem bebés bebés a chorar chorar muito. Daniela – SC

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

5


Os nossos Poemas 2016

A lição de vida dos seres vivos Eu tenho um gato, gato meiguinho, meiguinho como o bebezinho, bebezinho lindinho, lindinho e fofinho, fofinho e safado, safado como um macaco, macaco espertalhão espertalhão como o cão cão Sebastião Sebastião e comilão comilão e grandalhão grandalhão como o leão leão que come melão melão redondinho redondinho como uma bola bola saltitante saltitante como um coelho coelho mamífero mamífero como eu. Eu gosto de todos os animais animais fofos fofos como os bebés bebés, já fomos nós nós e a Natureza juntas juntas para o resto da vida vida dos seres humanos humanos e os animais animais para o resto do planeta planeta cheio de cores cores das nossas vidas. Filipa Rodrigues – SC1 Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

6


Os nossos Poemas 2016

Animais Gatinho quadrúpede, quadrúpede e fofinho fofinho como um algodão, algodão como palha, palha para fazer a cama, cama do cão, cão de caça, caça aos coelhos, coelhos espertos como um leão, leão lindinho, lindinho e patetinha patetinha e gorducho gorducho como uma bola, bola igual a um porco, porco como um javali, javali mamífero, mamífero como eu. Eu uso a pele de coelho, coelho com orelhas de burro, burro que nem um touro, touro trapalhão, trapalhão e palhaço palhaço como um macaco, macaco como um pato, pato badalhoco, badalhoco que anda na lama, lama suja, suja como o cimento, cimento que cheira mal, mal que transforma as pessoas, pessoas que parecem animais, animais que mudam o mundo. Gonçalo da Silva Cardoso – SC1 Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

7


Os nossos Poemas 2016

O urso

O urso é um animal fofinho fofinho como um coelho coelho roedor que nunca param de crescer os dentes dentes lindinhos lindinhos como eu. Eu não gosto de ursos ursos feios feios como uns fantasmas fantasmas assustadores assustadores como uns lobos lobos que ferram ferram carne carne como nós temos no nosso corpo corpo meiguinho e lindinho lindinho como um gato gato fofinho com bigodes bigodes da cor do mundo mundo encantado encantado como um urso urso mau mau como uma cobra cobra venenosa venenosa como um escorpião escorpião que tem pernas pequenas pequenas coelhas saltitonas.

Gonçalo Fernandes – SC1

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

8


Os nossos Poemas 2016

Animais Eu tenho um cão, cão mamífero, mamífero como eu. Eu gosto de cães, cães fofos, fofos como algodão. Algodão fofo como o meu cão. Cão alegre e cor de mel mel como areia do mar. Mar grande como o céu céu azul e enorme enorme como casas . Casas dos seus donos donos amigos de cães cães de caça caça de coelhos coelhos parecidos com cães. Cães quadrúpedes como leões. Leões muito malvados malvados como raposas. Raposas dos montes montes grandes e pequenos pequenos como minhocas minhocas nos buracos buracos onde habitam animais. Gonçalo Silveira Bernardo – SC1

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

9


Os nossos Poemas 2016

Animaizinhos Lindinho como um cãozinho cãozinho muito fofinho fofinho e gorduchinho gorduchinho ou rechonchudinho rechonchudinho como um bebezinho bebezinho saudável e meiguinho meiguinho, pequenino pequenino e malvado malvado e matreiro matreiro foge dos caçadores caçadores mamíferos mamíferos como eu eu como o leão leão quadrúpede quadrúpede como os coelhos coelhos espertos espertos como os cientistas cientistas trabalhadores trabalhadores como nós nós seres vivos seres vivos como as plantas plantas que dão frutos frutos para comer comer para a nossa vida. João Pedro Almeida Resende – SC1

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

10


Os nossos Poemas 2016

A vaquinha Eu não tenho vacas vacas são amigas amigas para o ser humano humano trata das vacas vacas são herbívoras herbívoras como outros animais animais quadrúpedes quadrúpedes como as vacas vacas trabalhadoras trabalhadoras e ajudantes ajudantes a levar estrume estrume para levar para os campos campos para lavrar a terra terra para semear semear milho milho e centeio centeio para comer comer no inverno inverno mau mau para as vacas vacas não podem ir para os campos campos com geada geada branca branca como a neve. João Tomás – SC

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

11


Os nossos Poemas 2016

Animais

Eu tenho um gato, gato meiguinho, meiguinho como bebezinho, bebezinho pequenino e lindinho, lindinho e feliz, feliz como um cão, cão brincalhão, brincalhão e fofinho, fofinho como um amigo, amigo e amizade, amizade como ele, ele também quer, quer amor, amor apaixonado, apaixonado e branco, branco e preto, preto como as pessoas, pessoas malvadas, malvadas como os caçadores, caçadores que caçam, os ceolhos, coelhos que se escondem nas tocas, tocas na areia, areia macia, macia e bonita, bonita como o mar.

Leandro – SC1

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

12


Os nossos Poemas 2016

O Leãozinho

Eu tenho um leão leão mamífero mamífero é o coelho coelho lindinho lindinho como uma girafa girafa muito alta alta e quadrúpede quadrúpede como um tigre tigre com pintas pintas das girafas girafas bonitas bonitas como um coelho coelho de olhos vermelhos vermelhos como um peixe peixe barbudo do mar mar imenso e frio frio como a neve e o gelo gelo transparente e duro duro como um elefante elefante pesado pesado que mete medo medo como o escuro escuro e estranho estranho e medonho como uma cobra cobra má e malvada.

Tomás Bernardo – SC1

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

13


Os nossos Poemas 2016

Animais

Eu tenho um pássaro. Pássaro na minha gaiola, gaiola colorida. Colorida como o meu pássaro pássaro como um papagaio papagaio saltarico saltarico como um sapo sapo é verde, verde da cor da erva. Erva dos coelhos coelhos pardos pardos como os gatos gatos mamíferos mamíferos e quadrúpedes. Quadrúpedes como os leões leões a comer melões melões claros, claros como macacos macacos que saltam saltam como uma abelha abelha que pica pica como um escorpião escorpião castanho, castanho como um esquilo esquilo que vive num tronco de uma árvore árvore do meu jardim. Jardim de flores, flores da minha mãe. Maria Leonor Turma – SC1 Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

14


Os nossos Poemas 2016

Os animais Eu tenho um gato, gato meiguinho, meiguinho como o bebezinho, bebezinho pequeninho e lindinho, lindinho como eu . Eu e ele passámos bons bons momentos juntos. Juntos, felizes e contentes contentes como o gato gato mamífero mamífero como eu eu gosto do gato gato com o pelo castanho castanho e peludo peludo cachecol Cachecol castanho como os gatos gatos espertos espertos como alguns coelhos coelhos fofinhos como alguns gatinhos gatinhos comilões comilões que parecem leões leões que parece alguns gatos gatos malandros malandros como um cão cão peludo como todos os gatos. Margarida – SC1

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

15


Os nossos Poemas 2016

Animais Eu tenho um gato, gato meiguinho, meiguinho como o bebezinho, bebezinho pequenino e lindinho, lindinho e fofinho, fofinho como o algodão, algodão macio como a neve, neve que cai no inverno, inverno frio e nevoso, nevoso como a chuva, chuva na estrada, estrada cheia de poças, poças cheias de lama, lama dos porcos, porcos sujos, sujos como o pântano, pântano onde vivem os sapos, sapos feios, feios como as rãs, rãs como as porcas, porcas sujas e gordas, gordas com os filhotes, filhotes pequenos, pequenos e magrinhos, magrinhos e fofinhos, fofinhos e alegres.

Maria Estrela – SC 1

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

16


Os nossos Poemas 2016

Se eu fosse um peixe Se eu fosse um peixe conseguia nadar até ao rio Tejo. Nadava perto dos tubarões e ia para ao oceanário. as pessoas viam-me num aquário gigante. Se eu fosse um peixe comia algas verdes. Jogava às escondidas para eles não me comerem. Eu era um peixe palhaço. Quando olhassem para mim eu fazia-lhes caretas, deitava-lhes a língua de fora. Se me quisessem comer, eu fingia que estava morto. Mas não!

Micael Soares – SC1

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

17


Os nossos Poemas 2016

As palavras invisíveis Às vezes não ouvimos, mas sentimos as palavras. São invisíveis, mas não importa Porque, se as imaginarmos, elas já existem e já se notam. Se as escrevermos num papel, com tinta preta e luminosa, podemos senti-las com ternura, com muito gosto e com prazer.

Patrícia Rodrigues Soares – SC2

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

18


Os nossos Poemas 2016

Ter uma irmã mais nova! Ter uma irmã mais nova não é aquilo que todos pensam. Antes de nascer tinha a ideia de que ia ser divertido. Uma companheira de brincadeiras, confidências e viagens. Mas, afinal, ter uma irmã mais nova é uma grande dor de cabeça. Desarruma os brinquedos e eu é que tenho de arrumar. Em vez de carinho, recebo porrada. No entanto, quando ela chora eu fico preocupada. Afinal de contas, ela é a minha irmã mais nova. Sofia Dias – SC2

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

19


Os nossos Poemas 2016

O poema de Natal

É Natal! É Natal! Vamos festejar Haja Paz e Amor Em todo o lugar! É Natal! É Natal! Manda a tradição Comer e beber! Abraçar nosso irmão! É Natal! É Natal! Pelo mundo fora. Venha o Pai Natal É chegada a hora.

Nelson Pereira – SC2

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

20


Os nossos Poemas 2016

Uma parede

A parede da biblioteca É muito bonita Lembra-me a minha boneca Que eu pinto com tinta.

A parede é branca E, em dias de tempestade, É uma amiga Que me traz calma.

Uma parede plana Pode ser interessante Pois nela posso desenhar Uma janela que me abra horizontes.

Quando estou triste Esta traz-me paz Faz-me mergulhar numa imensidão de silêncio.

Madalena Severino – SC2

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

21


Os nossos Poemas 2016

Camelinho Eu tenho um camelo mamífero mamífero é o camelo, come erva e bebe água água do mar é fresca fresca é a pele do camelo camelo é o meu animal animal é o camelo camelo come quase tudo tudo do deserto deserto tem pouca comida comida do forno forno aquece a comida para o camelo camelo do deserto deserto é muito quente quente é o camelo camelo é do deserto deserto não é frio frio é o vento vento muito forte forte é o camelo camelo apaixonado apaixonado por um camela camela é igual ao camelo camelo alto e gordo gordo e baixo é o cão cão come toda a comida comida do forno que pai quentinha quentinha é a pele do cão tão densa. Rodrigo Cardoso – SC

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

22


Os nossos Poemas 2016

O Coelhinho Coelho muito meiguinho meiguinho como o seu filhinho filhinho do seu coelhinho coelhinho com um pelo fofinho fofinho como um menino menino muito desinquieto desinquieto como um coelhinho coelhinho mamífero. Mamífero como eu eu não mato coelhos coelhos morrem morrem por causa dos caçadores caçadores duma figa figa que não tem cuidado com a Natureza. Natureza é para todos todos até dos coelhos coelhos são espertos espertos para fugir dos caçadores caçadores matam coelhos coelhos conseguem fugir fugir dos malvados malvados, marotos marotos como os coelhos coelhos quadrúpedes quadrúpedes como o cão cão parecido com coelho coelho que come cenouras cenouras muito boas boas como as couves couves deliciosas. Rodrigo Morais – SC Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

23


Os nossos Poemas 2016

Aflição Passou-me por cima da cabeça, como chita em corrida, um avião. Ah, piloto desastrado, Trapalhão! Deram-te (e foi por engano) a carta de aviação. Quanto a mim, mais do que o dano, chegou-me para aflição. Se fosse eu, tirava-lhe a carta de aviação para não voltar a ser trapalhão. Tiago Cardoso – SC1

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

24


Os nossos Poemas 2016 Selecionado pelo AEResende Concurso Nacional “Faça lá um poema”

Uma parede branca

Uma parede branca é como uma biblioteca, ambas são telas que brindamos com cores. Uma parede branca transmite-me paz, faz-me sentir entrar num barco e viajar sobre águas cristalinas. Uma parede branca, construída de pedra fria, pode, por vezes, aquecer-me o coração, quando nela imagino a linha do horizonte. Uma parede branca, vazia de sentimentos, faz-me levar aos locais mais profundos e íntimos do meu ser.

Bruna Raquel Almeida Saraiva – SC2

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

25


Os nossos Poemas 2016

A neve Brincar na neve, fazer um boneco de neve bonito porque, em breve, eu jå serei um perito. Neve que cai, linda e bonita, vou eu e o meu pai e serei muito catita. Carolina – R4

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

26


Os nossos Poemas 2016

Médico Eu tenho medo de injeções, não gosto que o sangue esteja a correr porque me pode dar comichões e aumentam-se as pulsações. Eu quero ser médico e trabalhar num hospital, quero usar estetoscópio e também usar o microscópio. Eu vou decidir o que quero ser, psiquiatra ou dentista e observar o anestesista. Hélder – R4

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

27


Os nossos Poemas 2016

Suíça A Suíça é um país com muitos chocolates à venda. Lá toda a gente está feliz e não há nenhuma tenda. Nesse país tão distante está sempre muito frio. Gosto de passear nas ruas agasalhado com o meu tio. Sempre que lá vou fico em casa da minha madrinha. Eu gosto muito dela e levo-lhe sempre uma prendinha. Gonçalo – R5

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

28


Os nossos Poemas 2016

O Carnaval O Carnaval é uma folia quando vou com a minha tia. Cantam, dançam e desfilam, é sempre uma alegria. No Carnaval ninguém leva a mal. Andam todos enfeitados, uns cheios de cores e outros mascarados. João Pedro – R5

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

29


Os nossos Poemas 2016

O rio Douro É um rio grande e belo Que serpenteia entre vales Traz o seu jeito singelo E afasta todos os males. Nas suas encostas ladeiras Onde quer que o vejas Nascem vinhas e oliveiras E as famosas cerejas. É o rio Douro e torto Que vai de Espanha até ao Porto! Maria Inês Águas – R5

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

30


Os nossos Poemas 2016

A biblioteca A biblioteca é uma sala onde as pessoas devem ir onde se aprende a ler e também a divertir. Livros de todas as cores e tamanhos, dicionários e bandas desenhadas, mapas de todo mundo e músicas para serem cantadas. Na biblioteca, as professoras são simpáticas ensinam-nos a pesquisar, têm livros de todas as coisas em que nos custa a acreditar. A biblioteca é grande, tem o cantinho das histórias, onde nos encantamos e também o das vitórias. Livros sobre reis e rainhas, que governaram Portugal, computadores com Internet onde aprendemos o bem e o mal. Na biblioteca eu estudo, ouço, leio e escrevo brinco também um bocadinho mas tenho que fazer silêncio, eu percebo. Gosto muito de lá estar, muitos livros procurar, levo livros para casa para a história contar. Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

Leonardo – R5 31


Os nossos Poemas 2016

Carnaval Finou-se o mês de janeiro, Entrou o mês de fevereiro, Vamos todos para a rua, Encontrarmo-nos com o festeiro! Ri-te à gargalhada, E lança um balão, Imagina tudo à molhada, Rindo e desfilando, Onde está a criançada! Maria João – R5

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

32


Os nossos Poemas 2016

A irmã Eu tenho uma irmã muito pequenina, gosto de brincar com ela… Só se põe a sorrir quando nós falamos com ela. Maninha do meu coração, que às vezes faz um barulhão. A minha irmã é uma Cinderela e eu gosto muito dela. Ela é fofinha, gira e engraçada. Eu também a adoro quando fica amuada. Inês Manuela – R5

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

33


Os nossos Poemas 2016

A minha escola Na minha escola eu tenho amigos e uma biblioteca fenomenal. – Este concurso é para quê? – É para o Carnaval. Vivo lá uma linda vida, como se fosse a minha casa. Os meus amigos são muito fiéis, Não há dúvida no que se passa. Uns belos estudos quero ter, com a minha linda professora, pois o mais importante não é ganhar mas sim poder participar e partilhar. Maria Miguel – R5

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

34


Os nossos Poemas 2016

A Lua Oh Lua, que estás tão alta! Oh Lua, que estás tão bela! E eu aqui em casa a ver-te pela janela. Brilha, brilha lá no céu, a estrelinha que nasceu e, aqui em baixo, quem brilha sou eu. Vai, Lua, durante a noite, para longe, para outro lugar, que, amanhã de manhã, o sol me irá acordar. Marco – R5

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

35


Os nossos Poemas 2016

Golo A esfera desce do espaço veloz ele a para no peito e a para no ar depois com o joelho a dispõe à meia-altura onde iluminada, a esfera espera o chute que num relâmpago a dispara na direção do nosso coração. José Miguel – R5

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

36


Os nossos Poemas 2016

A minha mãe Eu tenho uma mãe muito querida. A minha mãe é muito bonita, ela é também muito divertida. A minha mãe é a melhor do mundo inteiro e, como foi a primeira, ela está na dianteira. Pois eu adoro a minha mãe como ninguém. E quero que os outros o façam também. Lara – R5

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

37


Os nossos Poemas 2016

O meu gato Uma amiga tem uma gata que pariu. Teve seis gatos e o meu caiu! Em novembro, levei-o para casa tremendo, dentro de uma caixa, mais parecia uma asa. Um dia molhei-o, a brincar, agora o que ele quer é ferrar, gatinhar e arranhar. Estou à espera da Rosário, para ela me dar sardinhas, para levar ao meu gato que come tudo, até as espinhas. Liliana – R5

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

38


Os nossos Poemas 2016

Se eu fosse... Se eu fosse um poeta, Far-te-ia um poema. Se eu fosse uma fada, Desencantar-te-ia. Se eu fosse o Sol, Aquecer-te-ia. Se eu fosse a Lua, Iluminar-te-ia na noite. Se eu fosse a água, Lavar-te-ia. Se eu fosse música, Embalar-te-ia. Se eu fosse rainha, Coroar-te-ia rei. Se eu fosse uma andorinha, Tu serias o meu destino. Se eu fosse vento, Trar-te-ia para mim, Habitarias para sempre no meu coração! Maria Eira – R5

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

39


Os nossos Poemas 2016

A minha mãe Eu tenho uma mãe querida. Ela é alta e magra, tem o cabelo castanho como eu, que também o tenho. Eu gosto muito dela, ela sempre me tratou bem. Eu adoro a minha mãe. A minha mãe chama-se Patrícia, tem três filhos que, às vezes, se metem em sarilhos, mas ela resolve tudo com uma carícia. Rosana – R5

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

40


Os nossos Poemas 2016

Nesta minha escola Nesta minha escola, que é tão bonita, ninguém quer usar sacola, quem se esquece é a Rita. Nesta minha escola, que é tão bonita, eu uso cola e não fico mexerica. Nesta minha escola, que é tão bonita, uso fita cola que é catita. Nesta minha escola, que é tão bonita, não peço esmola à Rita. Nesta minha escola, eu sou bonita e muito catita! Cristiana – R5

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

41


Os nossos Poemas 2016

Poema da amizade As coisas que realizamos nunca são tão belas como as que sonhamos. Mas, às vezes, acontecem-nos coisas tão belas que nunca pensamos em sonhá-las! Para mim aconteceu... Tu e a nossa amizade! Inês Rabaça – R5

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

42


Os nossos Poemas 2016

Os livros Olá, estou aqui para dizer um poema sobre os livros e o que vou fazer será muito divertido. Muitos livros quero ter, a mim levam-me para um mundo encantado, só não passo a vida a ler porque só tenho um bom bocado. Inês Pinto – R5

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

43


Os nossos Poemas 2016

O inverno Sou uma estação com frio, O céu fica sombrio, E o sol não tem calor. Sente-se o vento nos caminhos, Trago tristeza aos ninhos E as árvores ficam sem flor. Vejo nevoeiro no horizonte, Nos campos e nos montes, Nos vales e sobre o mar. Os pássaros desaparecem, Os velhos se aquecem, E ficam a dormitar. Mas, em breve, a Natureza Dá flores ao jardim. Vou abrir a janela A outra estação mais bela, Que vem depois de mim! José Guilherme – R5

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

44


Os nossos Poemas 2016

A espada multicolor A espada multicolor possuída por uma alma colorida depois de um favor foi esquecida. Amiga dos sádicos, dos assassinos também adora os mágicos e tem cuidado ao matar alguém. Além de estar nas florestas não é da raça dos camaleões nem da dos leões e faz belas festas. Indo para uma parte de Portugal, passando por um grande matagal atravessou um gigante animal antes de chegar ao final. Com o desejo de viajar pelo mundo inteiro ao dar um bocejo quis fazer isso primeiro. Viu um trampolim saltou e rasgou-o comprou um assim e o dono desculpou-o. Reparou que alguém tinha epilepsia Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

45


Os nossos Poemas 2016

quando se fraturou viu o que não fazia. Foi ao médico, sim chamava-se Quim perguntou “Está quase no fim?” e o médico disse “Sim, enfim!” Com azar veio uma bola demolidora tentou passar mas adormeceu com uma cantora. Encontrou um miúdo chamado Simão que gostava do conteúdo mas só se fosse a comer pão. O menino Ricardo queria dar uma tesourada, não tinha tesoura nem dardo e foi logo ali a espada. Foi à China, uma parte do seu desejo, encontrou uma menina para o seu cortejo. Arranjou um avião público e não era único a ir para o Nepal que não era próximo da sua terra natal que era Portugal. Pedro Soares – R8 Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

46


Os nossos Poemas 2016

A reunião da família Maluqueira A reunião da família maluqueira realiza-se sempre à quinta-feira. O padrinho Zé trouxe um maluco puré para comer na chaminé, a ouvir as cantigas do José. A tia Cristina trouxe a sua concertina e o João tocou pratos com os seus malucos gatos. O primo Martim trouxe bicicletas e a sua irmã fez um espetáculo de marionetas. As malucas das tias francesas inventaram maravilhosas sobremesas. O avô narizinho leu uma aventura que falava de um passarinho que fez uma escultura. A avó flautista fartou-se de tocar de repente ficou sem ar e quase ia desmaiar. A sua mãe foi comprar um peixe espetacular Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

47


Os nossos Poemas 2016

que gostava de cantar sempre com um bom ar. O Pedrinho, o membro mais novo da Maluqueira, alugou uma bola demolidora e todos entraram na brincadeira. O tio cristão batizou um Simão na maior nevasca, no dia de Páscoa.

O primo Diogo trouxe brinquedos para nos entretermos e o Tomás comida para comermos. Uns a comer outros a dançar a festa começou a prometer até a casa rebentar. Esta família maluca passou-se mesmo da peruca!! Simão Cardoso – R8

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

48


Os nossos Poemas 2016

Na última vez Na última vez, fui às compras. Sentei-me e dei comida às pombas. Na última vez, fui comprar alho francês. Como estava em promoção, comprei três. Na última vez, fui ler o meu diário. Como estava tão entretido, esqueci-me do horário. Na última vez, vi uma aldeia cheia de casas. Virei costas, cresceram-lhe asas. Na última vez, andei de patins. Caí, saltaram-me os rins. Na última vez, fui pintar. Entrei num concurso para ir cantar. Na última vez, vi o Tobias Que estava a vender pias. Na última vez, fui ver o meu cão. Dei-lhe a comer o meu pão.

Diogo Loureiro Lopes e Tomás de Moura Bernardo – R8

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

49


Os nossos Poemas 2016

Magia Todo truque, sua magia. Toda magia com poesia. Um truque fenomenal estará pronto para o final. Magia surge de uma mente enganadora. Cada truque sua manha como diz a professora: É tudo uma façanha. Inês – R9

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

50


Os nossos Poemas 2016

A escola Vou todos os dias para a escola, sábado e domingo são para descansar. Levo os livros na sacola, no recreio vou brincar. Aprendo três matérias: português, matemática e estudo do meio. Vou ter em breve férias e levo livros que leio. Inês – R9

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

51


Os nossos Poemas 2016

O livro que viajava Era uma vez um ladrão Forte, temido E muito conhecido! Adorava roubar livros, Pois gostava de os ler! Mas procurava um especial Repleto de saber! Procurou no Porto, Até mesmo em Braga e Viseu, Mas encontrou-o em Faro Numa biblioteca grande como o céu. Requisitou o livro E jamais lá voltou! Quando chegou a casa Reparou que o livro era diferente, Era capaz de voar E era muito sorridente! O ladrão tratava-o pessimamente E escondia-o de toda a gente! Então o livro fugiu E ninguém mais o viu, A não ser o ladrão! O livro partiu, então! Este viajou por terras distantes Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

52


Os nossos Poemas 2016

À procura de belas estantes, Que o pudessem acolher! Por fim encontrou O lugar em Resende, Que o adorou E o compreende! Bruno Tiago Sousa Oliveira – 6.º A

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

53


Os nossos Poemas 2016

Um dia Atarefado Certa manhã acordei Em pleno mês de agosto da cama me levantei e cresceu-me um sorriso no rosto Caminhei até à janela Com o pijama ainda vestido Desde logo me apareceu O meu querido amigo Começamos a falar Numa conversa sem fim Mas o meu despertador tocou E a conversa acabou assim Era hora de ir para a escola Cedo me tinha levantado Com a conversa me tornei Um pouquinho atrasado Preparei-me a correr Nem a cama tinha feito Fui para a escola sem comer E a uma falta estava sujeito Tive a professora Mariazinha Uma professora simpática Das suas aulas gostava Adorava matemática Todo o dia passou Como o mexer de uma asa Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

54


Os nossos Poemas 2016

Mas a hora chegou E dirigi-me a casa A noite desceu depressa Com estrelas a acompanhar A minha mãe numa conversa Disse que me tinha de ir deitar Uma santa noite dormi Com sonhos impressionantes Várias aventuras vivi Em terras muito distantes Clara Loureiro – 6.º ano

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

55


Os nossos Poemas 2016

Selecionado pelo AEResende Concurso Nacional “Faça lá um poema”

Uma viagem pelo mundo Certo domingo de tarde Nada tinha para fazer Fui até à minha secretária E comecei a escrever Aí começou Uma viagem maravilhosa Numa estação de autocarros E no meio uma rosa

Cada passo com um lápis Estava eu a imaginar Tanto sítio percorri Tanto em terra como em mar Percorri Paris inteiro Em Veneza naveguei Fui à Serra da Estrela E o oceano espreitei Fui à terra da guerra Por muitos rios passei Mas passado algum tempinho Distraí-me e afundei Lá, a borracha entrou em ação Para compor o passeio Passei pelo rio Jordão mas logo parei a meio Ouvi o canto da sereia Num sítio encantado Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

56


Os nossos Poemas 2016

Onde a noite tinha descido Com o céu estrelado Fui logo para a América À América do Norte Tive de fugir para baixo Que lá só havia morte Cheguei rápido ao Brasil Com um pequeno barquinho Descansei numa palmeira E dormi um soninho Ouvi um barulho um barulho a estremecer era a minha barriga que queria comer Parei um pouco a viagem Encostei-me a uma palmeira Lanchei o pouco que tinha E bebi água da torneira A sede veio ao de cima Pedi mais água numa barragem Entornei para o papel E acabou a viagem Clara Loureiro – 6.º ano

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

57


Os nossos Poemas 2016

O meu avô Hoje, estou triste… Já não estás aqui, alguém te levou. A solidão me invade, O escuro voltou. Sinto grande ansiedade É a saudade da amizade Que por ti ficou. Meu amigo… O meu porto de abrigo. Quero adormecer, sonhar e esquecer Mas não consigo… A cada amanhecer, Olho e não estás comigo E sinto perigo. Sozinho estou… Ontem era gigante, e hoje tão pequeno que sou. Quero de ti um pedaço O calor do teu abraço Um amor abundante, Semelhante a um elefante, Que nos teus braços ficou. Deixaste-me… Não voltas, eu sei. Mas nunca te esquecerei. Até quando, Também avô eu serei Vou voltar a adormecer, sonhar e nunca te esquecer Porque igual a ti quero ser. Nelson Reis – 6.º F Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

58


Os nossos Poemas 2016

Ser amigo Amizade, que sentimento tão natural Ser amigo é ser capaz de apoiar nos momentos difíceis E nos fáceis Ter coragem De defender quando o “mundo” está contra Ter consideração Dar a mão Ser amigo não é ser falso, mentiroso Usar a pessoa para outros fins E depois largá-la como um objeto É ter respeito Sem preconceito Um amigo não é ser muito amigo hoje E amanhã só palavrões Não é hoje andarem muito amiguinhos E amanhã aos encontrões É ter carinho Ser mais meiguinho Ser amigo, ser amigo Amizade e amizade Amigo é tu e ele Tratarem-se com respeito e igualdade

Marisa Duarte – 7.º A

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

59


Os nossos Poemas 2016

A Minha Rosa Ela chama-se Minha rosa Porque é a minha Única amiga. Para terminar Ela é que me Faz rimar E é que me Põe a poetizar. Tenho uma flor No meu jardim Que para mim É muito especial. É rainha do meu Pequeno quintal E gosta que eu Lhe leia o jornal. Ela não se deixa tocar Exceto a mim Que sabe Ser para a acarinhar. Seus soldados são Seus são espinhos. Minha flor casou-se Com um jasmim Que decora O meu jardim. Rafael Lucas Pinto de Andrade – 7.º A Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

60


Os nossos Poemas 2016

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

61


Os nossos Poemas 2016

Selecionado pelo AEResende Concurso Nacional “Faça lá um poema”

Força de Mãe Nas asas de pensamento voei, Fui mais além… sonhei! Sonhei que a minh’ alma Estava totalmente vazia E que muita sofria. Acordei em sobressalto E caí lá do alto, Do alto de onde voava E onde tanto sonhava. Por minha Mãe chamei, Contei-lhe o que sonhei. Ela disse para ter calma Porque cansada estava minh’ alma. Abraçou-me com seu calor materno E explicou-me que nada é eterno. Que as pessoas sofriam E que outras até sozinhas morriam. Uma lágrima se lhe soltou, Minha Mãe me acalmou. Como consegue ela chorar E tem o dom de me acalmar? Não compreendi Mas logo sorri. Ela me ensinou a ultrapassar As coisas más do meu sonhar. José Luís Sequeira Truta – 7.º A Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

62


Os nossos Poemas 2016

Amar alguém é uma forma autêntica de adorar o outro Mais do que adorar é estar junto de alguém Observar nessa pessoa o que nos completa Receber dessa pessoa aquilo que faz o nosso mundo melhor Amor é mais que um beijo Mais que uma simples palavra O amor é um sentimento que nos muda Revela-se num ato, num sorriso A paixão a que nós estamos sujeitos Muitas vezes não é correspondida O outro coração que nos completa Retira-nos o brilho dos olhos e o bater forte do coração Bárbara Ribeiro – 7.º B

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

63


Os nossos Poemas 2016

Amor O amor é lindo como uma flor Que torna o frio num enorme calor É uma força que vem do interior É um sentimento chamado amor É como uma rosa a florescer Um bonito sentimento Como um coração quente a bater Que até o tempo fica mais lento O amor é puro sentimento Não se deve machucar Quem ama sente Que o coração pode saltar Quero dar-te meu amor Quero dar-te meu coração Espero desde que te vi Meu amor, minha paixão Lara – 7.º B

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

64


Os nossos Poemas 2016

O Amor O amor Há de permanecer e nunca irá desaparecer É um sentimento único e especial Que nos faz bem mas por vezes mal Mas temos que lutar para conquistar A pessoa com quem passámos a vida a sonhar E quando conseguirmos com ela ficar Nunca mais a iremos largar Pois o amor é assim Início, Meio, Sem fim. Ana Catarina – 7.º B

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

65


Os nossos Poemas 2016

Hoje em dia é tudo muito complicado, pois vê-se de tudo, nada se põe de lado. Começando no preconceito e no racismo... Será que ninguém tem amor aos outros? Neste mundo só há cinismo, e ignorância em n.º 1. Nada vale mais do que hoje. A ontem ninguém pode retornar. E o amanhã depende da atitude que hoje vais tomar! Hoje em dia, as pessoas sabem o preço de tudo, mas não sabem o valor de nada... Muita gente reclama por acordar cedo... Eu somente acho que deveriam agradecer por ter acordado! Agora acordem de uma vez, e deixem o orgulho de lado, pois o amor é essencial e o ódio é escusado! Mariana Fonseca – 8.º A

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

66


Os nossos Poemas 2016

A temática de que vou falar É os amores impossíveis Que é quando duas pessoas não estão juntas Mesmo que seus corações sejam compatíveis Quem fala por experiência Naquilo que diz tem mais razão Porque guarda aquele sentimento Para sempre no seu coração Há diversas formas Dos amores serem impossíveis Cores, idades ou nacionalidades Ou diferenças de níveis Mas o que torna um amor Completamente impossível É a palavra distância Que, para o amor, é palavra horrível. Sempre podemos amar uma pessoa E a outra pessoa também nos ama Mas se vem a palavra distância O filme passa de romance a drama. Rui – 9.º B

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

67


Os nossos Poemas 2016

Nessa noite estrelada Não pensava em mais nada A não ser nesse sorriso Que tocavas com um guizo. Esse olhar sombrio Me conquistou Mas agora que me deixaste Tudo acabou. Meu coração partiste Minha alma desuniste Fugiste para longe E nunca mais me viste. Agora procuro-te Para saber como estás Não sairás do meu coração Enquanto não voltares. Luciana Ribeiro – 7.º B

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

68


Os nossos Poemas 2016 Selecionado pelo AEResende Concurso Nacional “Faça lá um poema”

Sem nome Ainda tão pequena e de tenra idade e já tão grande infelicidade… Comida, Amor, Carinho, Ternura, nada disto deveria faltar a uma criança. Uma lágrima derramada por uma criança, exprime tudo: tristeza, desilusão, medo, angústia… Tudo coisas que uma criança não deveria saber o que é. Abusos, exploração… Que pessoas são essas que não distinguem adultos de crianças?! No meio de tanta Miséria… Será que vale a pena viver?! André Magalhães – 10.º D

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

69


Os nossos Poemas 2016

Alunos do Agrupamento de Escolas de Resende

70

Os nossos poemas 2016  

Poemas originais criados pelos alunos do Agrupamento de Escolas de Resende, em 2016, no âmbito da participação no concurso nacional "Faça lá...

Os nossos poemas 2016  

Poemas originais criados pelos alunos do Agrupamento de Escolas de Resende, em 2016, no âmbito da participação no concurso nacional "Faça lá...

Advertisement